SlideShare uma empresa Scribd logo
DESEMPREGO: ORIGENS, MEDIDAS E
CARACTERÍSTICAS
 Apresentar o conceito de desemprego, sua importância
e usos no universo de economia.
OBJETIVO GERAL
OBJETIVOS ESPECÍFICOS
 Identificar o conceito e sua importância.
 Apresentar métodos de cálculo e suas falhas.
 Apresentar e explicar os motivos da existência de
desemprego em economia.
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
 Origem: Individuos que ofertam sua mão de obra no mercado
de trabalho, mas não encontram uma colocação.
 O desemprego é resultado de um excesso de oferta de trabalho.
 Conceito: Conjunto populacional de pessoas aptas que
buscam emprego, mas não encontram uma colocação no
mercado.
 O problema do desemprego é normalmente dividido em duas
categorias:
 A taxa natural de desemprego
 A taxa cíclica de desemprego
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
 A taxa natural de desemprego representa a falta de
emprego que não desaparece nem no longo prazo.
Refere-se à taxa de desemprego normalmente
observada na economia.
 Tem origem estrutural.
 A taxa cíclica de desemprego refere-se à flutuação ao
redor da taxa natural de desemprego. Lida com
flutuações de curto prazo normalmente relacionadas
aos ciclos econômicos.
 Tem origem em um evento de curto prazo que afeta o
mercado de trabalho.
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
0
2
4
6
8
10
12
14
Dec/99 Apr/01 Sep/02 Jan/04 May/05 Oct/06 Feb/08 Jul/09 Nov/10 Apr/12 Aug/13 Dec/14
Taxa Mensal de Desemprego no Brasil entre
Outubro de 2001 e Fevereiro de 2013
Taxa de Desemprego
Linear (Taxa de Desemprego)
Fonte: IBGE, Pesquisa Mensal de Emprego, 2013.
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
 Definições relevantes:
 Empregados ou Ocupados pessoas que ofertam sua mão de
obra no mercado de trabalho e encontram uma colocação.
 Desempregados ou desocupados pessoas que ofertam sua
mão de obra no mercado de trabalho e não encontram uma
colocação (excesso de oferta de trabalho).
 A força de trabalho (FT) ou população economicamente
ativa (PEA) é a soma dos indivíduos empregados e
desempregados que participam do mercado de trabalho
(buscam ou conseguem emprego).
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
 Definições relevantes:
 Fora da força de trabalho ou Pessoas Não Economicamente
Ativas (PNEA)são pessoas que são aptas ou não a ofertar sua
mão de obra, mas escolhem ou não podem participar do
mercado de trabalho.
 População Adulta (PA) ou População em Idade Ativa (PIA)
são todas as pessoas com mais ou 10 anos, segundo o
IBGE, que participam ou não do mercado de trabalho.
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
 Demonstração gráfica dos componentes da população
adulta ou em idade ativa:
Empregados
(População Ocupada)
Desempregados
(População Desocupada)
Fora da Força de Trabalho
(População Não
Economicamente Ativa )
Força de Trabalho
ou
População
Economicamente Ativa
População Adulta
ou
População
em Idade Ativa
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
17.96
1.14
23.44
0.00
5.00
10.00
15.00
20.00
25.00
30.00
35.00
40.00
45.00
Componentes da População Adulta (em Milhões)
Divisão da População Adulta no Brasil em
Dezembro de 2012
(números em milhões de pessoas)
Empregados
Desempregados
População fora da
força de trabalho
Fonte: IBGE, Pesquisa Mensal de Emprego, 2013.
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
 Como identificar o nível de desemprego (taxa mensal de
desemprego)?
 Ela é calculada através de pesquisa, os entrevistados são
categorizados como:
 Atualmente empregados (tem emprego remunerado);
 Desempregado mas ativamente procurando emprego;
 Não está na força de trabalho. Esta apto a trabalhar, mas não
busca emprego.
DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO
 Considerações:
 Uma pessoa está empregada se na semana anterior à
pesquisa ela passou a maior parte do tempo empregada em
um trabalho remunerado.
 Uma pessoa está desempregada se ela foi temporariamente
demitida, está procurando emprego ou está aguardando
iniciar um novo emprego
 Uma pessoa não está em nenhuma das duas categorias
anteriores se ela não está na força de trabalho
(estudantes, dona de casa, aposentado).
 A pesquisa atualmente é realizada pelo IBGE.
DESEMPREGO: MEDIDAS DO DESEMPREGO
 A taxa de desemprego é calculada:
 U = B ÷ (A + B)
 Onde:
 U = taxa de desemprego;
 B = número de pessoas desempregadas;
 A= número de pessoas empregadas;
 e (A + B) é a força de trabalho.
DESEMPREGO: MEDIDAS DO DESEMPREGO
 A taxa de participação da força de trabalho em uma
economia indica a proporção da população que
voluntariamente escolheu participar da força de trabalho. Ou
seja, que decidiu ofertar sua mão de obra no mercado de
trabalho.
 A taxa de participação da força de trabalho é calculada:
 PR = (A + B) ÷ População Adulta
 Onde:
 PR = taxa de participação da força de trabalho;
 B = número de pessoas desempregadas;
 A= número de pessoas empregadas;
 e (A + B) é a força de trabalho.
DESEMPREGO: FALHAS OU PROBLEMAS NA
MENSURAÇÃO
 É difícil distinguir entre uma pessoa que está desempregada e
outra que não está na força de trabalho.
 Sugere-se que a taxa de desemprego é normalmente mais
baixa que o verdadeiro nível de desemprego, porque:
 Não leva em conta os sub-empregados;
 E Trabalhadores desencorajados.
 Sub-empregado: Empregados em tempo parcial quando na
realidade queria estar empregado em tempo total.
 Desencorajados: trabalhadores que dizem não estar mais na
força de trabalho, mas que na realidade, se oferecido
trabalho digno voltaria a trabalhar.
DESEMPREGO: DURAÇÃO DO DESEMPREGO
 A maior parte dos problemas relacionados ao
desemprego, refere-se àqueles pouco trabalhadores
que ficam desempregados por longos períodos de
tempo.
 Embora a taxa não seja estanque, ou seja, entrem e
saiam pessoas da situação de desempregado para
algumas pessoas esse problema perdura mais.
 A taxa de desemprego é o produto do número de
desempregados e a duração média do seu desemprego:
 A duração média do desemprego é de menos de 10 semanas
para 75% dos desempregados (Dados dos EUA).
DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO
DESEMPREGO
 Em um mercado de trabalho ideal, a oferta e a demanda
de trabalho se equilibrariam, assegurando que todos os
trabalhadores estivessem empregados.
 Razões para que o ideal não seja atingido:
 Salário mínimo (ou balizamento de salários);
 Sindicatos
 Processo de busca por trabalho
 Salário Eficiente
DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO
DESEMPREGO
 Salário Mínimo: O problema surge quando a lei de
salário mínimo impõe um salário mínimo acima do de
equilíbrio ele gera um excedente de mão de obra.
P
P Mín
P1
Q1
Preço Mínimo
Equilíbrio inalcançável
legalmente
P2
Excesso de
Oferta
D1
O1
O2
QD QO Q
Não haverá emprego suficiente para todos os trabalhadores ofertando
mão de obra (desemprego). Ex: Mercado de engenheiros e Mercado de
profissionais na área de saúde (enfermeira, farmacêutico, etc..).
DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO
DESEMPREGO
 Sindicatos e Acordos Coletivos
 Um sindicato é uma associação de empregados que
barganha com as firmas salários e condições de trabalho.
 Um sindicato é um tipo de cartel.
 O processo sobre o qual os sindicatos e as firmas
concordam sobre os termos de emprego, chama-se
acordo coletivo.
 Processo caso não haja acordo:
 Uma greve é deflagrada pelo sindicato quando não há acordo
entre a firma e os seus empregados. Uma greve significa que
alguns empregados se beneficiam enquanto outros não.
 Agindo como um cartel os sindicatos normalmente
conseguem salários acima do preço de equilíbrio para os
seus associados.
DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO
DESEMPREGO
 Sob a influencia dos sindicatos ao obter salários acima
do de equilíbrio:
 Um grande número de trabalhadores qualificados estão
dispostos a aceitar trabalho.
 Existem poucas vagas disponíveis para os que querem
ingressar no mercado de trabalho.
 Trabalhadores tendem em demorar a aceitar um outro
trabalho, na esperança de conseguir um dia, um trabalho
“sindicalizado” com salário maior.
DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO
DESEMPREGO
 Dificuldades do processo de busca por trabalho:
 Desemprego resultante do tempo que se demora para
conseguir um outro emprego.
 Esse tipo de desemprego é diferente dos demais. Ele não é
causado por um salário estabelecido acima do salário de
equilíbrio. Ele é causado pelo tempo que se demora para se
achar o emprego “certo”.
 As situações que causam esse tipo de desemprego são:
 Novos trabalhadores entrando no mercado
 Trabalhadores entrando novamente na força de trabalho.
 Trabalhadores mudando de cidade, estado ou mesmo país
 Trabalhadores que desistiram dos seus empregos
DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO
DESEMPREGO
 Teoria do Salário Eficiente
 As firmas podem operam mais eficientemente se salários
estão acima do de equilíbrio.
 Mesmo com excesso de mão de obra, as firmas podem ser
mais lucrativas pagando salários acima do de equilíbrio.
 O desemprego causado por essa teoria é a mesma causada
pelo salário mínimo e os sindicatos.
DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO
DESEMPREGO
 Salários acima do salário de equilíbrio, segundo a teoria
promovem:
 Melhor saúde dos trabalhadores: trabalhadores que ganham
mais, se alimentam mais, são mais saudáveis, e por
conseguinte, mais produtivos.
 É menos provável que um trabalhador bem pago procure
outro emprego.
 Trabalhadores bem pagos tendem a se esforçar mais.
 Salários altos tendem a atrair trabalhadores mais
qualificados.
DESEMPREGO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DESEMPREGO
 Programas governamentais podem ajudar a procura por
trabalho:
 Agências de empregos governamentais
 Programas de capacitação
 Seguro desemprego
 Esses programas podem diminuir ou aumentar o tempo
necessário para se achar um trabalho.
DESEMPREGO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DESEMPREGO
 Agências de empregos governamentais
 Dá informação aos trabalhadores sobre vagas de
trabalho, ajudando-os a localizar trabalho mais rapidamente.
 Programas de capacitação
 Possibilita a transição de trabalhadores de indústrias em
declínio para indústrias em crescimento através da
requalificação profissional.
 Seguro Desemprego
 Aumenta o tempo de procura por trabalho, ainda que não
intencionalmente.
 Oferece aos trabalhadores uma proteção parcial contra a
perda de um emprego.
 Pagamento temporário e parcial de salário para aqueles
demitidos.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
 MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo:
Cengage Learning, 2009. 838 pg.
 VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e
Macro, Atlas, 2002.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
Marcos Azevedo
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
Anderson Cardozo
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
Artur Lara
 
Economia global
Economia globalEconomia global
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
Janny Vitoriano
 
Trabalho feito globalizacao
Trabalho feito globalizacaoTrabalho feito globalizacao
Trabalho feito globalizacao
Viegas Constantino Ripanga
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
Paulo Alexandre
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
Edenilson Morais
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
Luisa Lamas
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Aula 01 sociologia do trabalho
Aula 01 sociologia do trabalhoAula 01 sociologia do trabalho
Aula 01 sociologia do trabalho
Daniel Alves
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
edna2
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
Nelia Salles Nantes
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
Diogo Mateus
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Fordismo
FordismoFordismo
Fordismo
admetz01
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
Portal do Vestibulando
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
Fatima Freitas
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
Isabela Espíndola
 
Crescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento EconômicoCrescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento Econômico
Yuri Silver
 

Mais procurados (20)

Aula revolução industrial
Aula revolução industrialAula revolução industrial
Aula revolução industrial
 
Industrialização
IndustrializaçãoIndustrialização
Industrialização
 
Capitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evoluçãoCapitalismo e sua evolução
Capitalismo e sua evolução
 
Economia global
Economia globalEconomia global
Economia global
 
Capitalismo
CapitalismoCapitalismo
Capitalismo
 
Trabalho feito globalizacao
Trabalho feito globalizacaoTrabalho feito globalizacao
Trabalho feito globalizacao
 
Imperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismoImperialismo e neocolonialismo
Imperialismo e neocolonialismo
 
Diversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismoDiversidade cultural e multiculturalismo
Diversidade cultural e multiculturalismo
 
Evolução Histórica do Trabalho
Evolução Histórica  do TrabalhoEvolução Histórica  do Trabalho
Evolução Histórica do Trabalho
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Aula 01 sociologia do trabalho
Aula 01 sociologia do trabalhoAula 01 sociologia do trabalho
Aula 01 sociologia do trabalho
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
As fases da revolução industrial
As fases  da revolução industrialAs fases  da revolução industrial
As fases da revolução industrial
 
Migrações
MigraçõesMigrações
Migrações
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Fordismo
FordismoFordismo
Fordismo
 
Trabalho e Sociedade
Trabalho e SociedadeTrabalho e Sociedade
Trabalho e Sociedade
 
Problemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanosProblemas ambientais urbanos
Problemas ambientais urbanos
 
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOSINTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
INTRODUÇÃO AOS DIREITOS HUMANOS
 
Crescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento EconômicoCrescimento e Desenvolvimento Econômico
Crescimento e Desenvolvimento Econômico
 

Destaque

Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
Luciano Pires
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Luciano Pires
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Luciano Pires
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
Luciano Pires
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
Luciano Pires
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
Luciano Pires
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
Luciano Pires
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
Luciano Pires
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
Luciano Pires
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
Luciano Pires
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
Luciano Pires
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
Luciano Pires
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Luciano Pires
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
Luciano Pires
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
Luciano Pires
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
Luciano Pires
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
Luciano Pires
 

Destaque (18)

Decisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivosDecisão da empresa em mercados competitivos
Decisão da empresa em mercados competitivos
 
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...Semana de ciência e tecnologia 2014   - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
Semana de ciência e tecnologia 2014 - Mesa Redonda Desenvolvimento Econômic...
 
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança NacionaisSistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
Sistema Financeiro e Níveis de Investimento e Poupança Nacionais
 
Modelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e BertrandModelos de Cournot e Bertrand
Modelos de Cournot e Bertrand
 
Introdução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativasIntrodução à finanças corporativas
Introdução à finanças corporativas
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
As forças de oferta e demanda dos mercados (técnico)
 
Produção e crescimento econômico
Produção e crescimento econômicoProdução e crescimento econômico
Produção e crescimento econômico
 
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
As forças de oferta e demanda dos mercados (superior)
 
Elasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicaçõesElasticidade e suas aplicações
Elasticidade e suas aplicações
 
Mercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governoMercados e políticas do governo
Mercados e políticas do governo
 
Custo de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preçosCusto de vida, inflação e indices de preços
Custo de vida, inflação e indices de preços
 
Economia Como Ciência
Economia Como CiênciaEconomia Como Ciência
Economia Como Ciência
 
Bens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comunsBens públicos e recursos comuns
Bens públicos e recursos comuns
 
Renda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar EconômicoRenda nacional e Bem-estar Econômico
Renda nacional e Bem-estar Econômico
 
Externalidades
ExternalidadesExternalidades
Externalidades
 
Fundamentos de economia
Fundamentos de economiaFundamentos de economia
Fundamentos de economia
 
Decisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolistaDecisão da empresa monopolista
Decisão da empresa monopolista
 
Custos de Produção
Custos de ProduçãoCustos de Produção
Custos de Produção
 

Semelhante a Desemprego

Desemprego.pptx
Desemprego.pptxDesemprego.pptx
Desemprego.pptx
ManuelSitoe
 
Ec 23.05 corrigido
Ec 23.05 corrigidoEc 23.05 corrigido
Ec 23.05 corrigido
marinamolopes
 
Ch06 4e t2
Ch06 4e t2Ch06 4e t2
Ch06 4e t2
cideni
 
Cap6 macro
Cap6 macroCap6 macro
Cap6 macro
Roberto Arruda
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
Miguel Santos
 
Introdução à economia troster e monchón cap 20
Introdução à economia troster e monchón cap 20Introdução à economia troster e monchón cap 20
Introdução à economia troster e monchón cap 20
Claudia Sá de Moura
 
Aula 3 2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreira
Aula 3   2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreiraAula 3   2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreira
Aula 3 2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreira
Angelo Peres
 
Marketing pessoal e secretariado executivo
Marketing pessoal e secretariado executivoMarketing pessoal e secretariado executivo
Marketing pessoal e secretariado executivo
marcelo rodrigues
 
Atps de recursos humanos
Atps de recursos humanosAtps de recursos humanos
Atps de recursos humanos
Cisco Kunsagi
 
Reforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson Araujo
Reforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson AraujoReforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson Araujo
Reforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson Araujo
Fundação Fernando Henrique Cardoso
 
Resumo expandido emprego, empregabiidade.
Resumo expandido emprego, empregabiidade.Resumo expandido emprego, empregabiidade.
Resumo expandido emprego, empregabiidade.
ArlianeMiquilesPedro
 
Mercado De Trabalho em Portugal
Mercado De Trabalho em PortugalMercado De Trabalho em Portugal
Mercado De Trabalho em Portugal
TomasAfonso6
 
Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?
Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?
Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?
758664
 
Claudia9.3
Claudia9.3Claudia9.3
Claudia9.3
Mayjö .
 
Ec 18.05
Ec 18.05Ec 18.05
Ec 18.05
marinamolopes
 
AULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptx
AULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptxAULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptx
AULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptx
Marsellus Cardousous
 
Entrevista Paul Singer
Entrevista Paul SingerEntrevista Paul Singer
Entrevista Paul Singer
ProjetoBr
 
Absenteismo
Absenteismo Absenteismo
Absenteismo
Monica Pinheiro
 
Idoso no mercado de trabalho
Idoso no mercado de trabalho Idoso no mercado de trabalho
Idoso no mercado de trabalho
Danielle Alexia
 

Semelhante a Desemprego (20)

Desemprego.pptx
Desemprego.pptxDesemprego.pptx
Desemprego.pptx
 
Ec 23.05 corrigido
Ec 23.05 corrigidoEc 23.05 corrigido
Ec 23.05 corrigido
 
Ch06 4e t2
Ch06 4e t2Ch06 4e t2
Ch06 4e t2
 
Cap6 macro
Cap6 macroCap6 macro
Cap6 macro
 
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizadoAula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
Aula 04 - A desigualdade social e econômica no mundo globalizado
 
Desemprego
DesempregoDesemprego
Desemprego
 
Introdução à economia troster e monchón cap 20
Introdução à economia troster e monchón cap 20Introdução à economia troster e monchón cap 20
Introdução à economia troster e monchón cap 20
 
Aula 3 2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreira
Aula 3   2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreiraAula 3   2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreira
Aula 3 2014.1 ucam - planejamento de carreira - licoes para a carreira
 
Marketing pessoal e secretariado executivo
Marketing pessoal e secretariado executivoMarketing pessoal e secretariado executivo
Marketing pessoal e secretariado executivo
 
Atps de recursos humanos
Atps de recursos humanosAtps de recursos humanos
Atps de recursos humanos
 
Reforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson Araujo
Reforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson AraujoReforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson Araujo
Reforma Trabalhista: o que muda, o que deve mudar - Adilson Araujo
 
Resumo expandido emprego, empregabiidade.
Resumo expandido emprego, empregabiidade.Resumo expandido emprego, empregabiidade.
Resumo expandido emprego, empregabiidade.
 
Mercado De Trabalho em Portugal
Mercado De Trabalho em PortugalMercado De Trabalho em Portugal
Mercado De Trabalho em Portugal
 
Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?
Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?
Gestão de Carreira em 2010. Você esta preparado?
 
Claudia9.3
Claudia9.3Claudia9.3
Claudia9.3
 
Ec 18.05
Ec 18.05Ec 18.05
Ec 18.05
 
AULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptx
AULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptxAULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptx
AULA 09 - ATUALIDADES A GRANDE RENUNCIA.pptx
 
Entrevista Paul Singer
Entrevista Paul SingerEntrevista Paul Singer
Entrevista Paul Singer
 
Absenteismo
Absenteismo Absenteismo
Absenteismo
 
Idoso no mercado de trabalho
Idoso no mercado de trabalho Idoso no mercado de trabalho
Idoso no mercado de trabalho
 

Mais de Luciano Pires

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Luciano Pires
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Luciano Pires
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
Luciano Pires
 

Mais de Luciano Pires (12)

Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administraçãoProdução acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
Produção acadêmica sobre pesquisas de orçamentos familiares na administração
 
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 26 (Superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 25 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 24 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 23 (superior)
 
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
Respostas Mankiw - Capítulo 13 (Superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 6 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 6 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 5 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 5 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 4 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 4 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 2 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 2 (superior)
 
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)Respostas mankiw  - capítulo 1 (superior)
Respostas mankiw - capítulo 1 (superior)
 
Inovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das EmpresasInovação e Porte das Empresas
Inovação e Porte das Empresas
 

Último

Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Luana Neres
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
MatildeBrites
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
kdn15710
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
MariaFatima425285
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
Escola Municipal Jesus Cristo
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
KeilianeOliveira3
 

Último (20)

Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
Aula 2 - 6º HIS - Formas de registro da história e da produção do conheciment...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023Memorial do convento slides- português 2023
Memorial do convento slides- português 2023
 
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptxAula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
Aula01 - ensino médio - (Filosofia).pptx
 
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptxFato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
Fato X Opinião (Língua Portuguesa 9º Ano).pptx
 
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...proposta curricular  ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
proposta curricular ou plano de cursode lingua portuguesa eja anos finais ( ...
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.Caça-palavras    ortografia M antes de P e B.
Caça-palavras ortografia M antes de P e B.
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e MateusAtividade - Letra da música "Tem Que Sorrir"  - Jorge e Mateus
Atividade - Letra da música "Tem Que Sorrir" - Jorge e Mateus
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdfEJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
EJA -livro para professor -dos anos iniciais letramento e alfabetização.pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Química orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptxQuímica orgânica e as funções organicas.pptx
Química orgânica e as funções organicas.pptx
 

Desemprego

  • 1. DESEMPREGO: ORIGENS, MEDIDAS E CARACTERÍSTICAS
  • 2.  Apresentar o conceito de desemprego, sua importância e usos no universo de economia. OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Identificar o conceito e sua importância.  Apresentar métodos de cálculo e suas falhas.  Apresentar e explicar os motivos da existência de desemprego em economia.
  • 3. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO  Origem: Individuos que ofertam sua mão de obra no mercado de trabalho, mas não encontram uma colocação.  O desemprego é resultado de um excesso de oferta de trabalho.  Conceito: Conjunto populacional de pessoas aptas que buscam emprego, mas não encontram uma colocação no mercado.  O problema do desemprego é normalmente dividido em duas categorias:  A taxa natural de desemprego  A taxa cíclica de desemprego
  • 4. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO  A taxa natural de desemprego representa a falta de emprego que não desaparece nem no longo prazo. Refere-se à taxa de desemprego normalmente observada na economia.  Tem origem estrutural.  A taxa cíclica de desemprego refere-se à flutuação ao redor da taxa natural de desemprego. Lida com flutuações de curto prazo normalmente relacionadas aos ciclos econômicos.  Tem origem em um evento de curto prazo que afeta o mercado de trabalho.
  • 5. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO 0 2 4 6 8 10 12 14 Dec/99 Apr/01 Sep/02 Jan/04 May/05 Oct/06 Feb/08 Jul/09 Nov/10 Apr/12 Aug/13 Dec/14 Taxa Mensal de Desemprego no Brasil entre Outubro de 2001 e Fevereiro de 2013 Taxa de Desemprego Linear (Taxa de Desemprego) Fonte: IBGE, Pesquisa Mensal de Emprego, 2013.
  • 6. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO  Definições relevantes:  Empregados ou Ocupados pessoas que ofertam sua mão de obra no mercado de trabalho e encontram uma colocação.  Desempregados ou desocupados pessoas que ofertam sua mão de obra no mercado de trabalho e não encontram uma colocação (excesso de oferta de trabalho).  A força de trabalho (FT) ou população economicamente ativa (PEA) é a soma dos indivíduos empregados e desempregados que participam do mercado de trabalho (buscam ou conseguem emprego).
  • 7. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO  Definições relevantes:  Fora da força de trabalho ou Pessoas Não Economicamente Ativas (PNEA)são pessoas que são aptas ou não a ofertar sua mão de obra, mas escolhem ou não podem participar do mercado de trabalho.  População Adulta (PA) ou População em Idade Ativa (PIA) são todas as pessoas com mais ou 10 anos, segundo o IBGE, que participam ou não do mercado de trabalho.
  • 8. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO  Demonstração gráfica dos componentes da população adulta ou em idade ativa: Empregados (População Ocupada) Desempregados (População Desocupada) Fora da Força de Trabalho (População Não Economicamente Ativa ) Força de Trabalho ou População Economicamente Ativa População Adulta ou População em Idade Ativa
  • 9. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO 17.96 1.14 23.44 0.00 5.00 10.00 15.00 20.00 25.00 30.00 35.00 40.00 45.00 Componentes da População Adulta (em Milhões) Divisão da População Adulta no Brasil em Dezembro de 2012 (números em milhões de pessoas) Empregados Desempregados População fora da força de trabalho Fonte: IBGE, Pesquisa Mensal de Emprego, 2013.
  • 10. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO  Como identificar o nível de desemprego (taxa mensal de desemprego)?  Ela é calculada através de pesquisa, os entrevistados são categorizados como:  Atualmente empregados (tem emprego remunerado);  Desempregado mas ativamente procurando emprego;  Não está na força de trabalho. Esta apto a trabalhar, mas não busca emprego.
  • 11. DESEMPREGO: CONCEITO E IDENTIFICAÇÃO  Considerações:  Uma pessoa está empregada se na semana anterior à pesquisa ela passou a maior parte do tempo empregada em um trabalho remunerado.  Uma pessoa está desempregada se ela foi temporariamente demitida, está procurando emprego ou está aguardando iniciar um novo emprego  Uma pessoa não está em nenhuma das duas categorias anteriores se ela não está na força de trabalho (estudantes, dona de casa, aposentado).  A pesquisa atualmente é realizada pelo IBGE.
  • 12. DESEMPREGO: MEDIDAS DO DESEMPREGO  A taxa de desemprego é calculada:  U = B ÷ (A + B)  Onde:  U = taxa de desemprego;  B = número de pessoas desempregadas;  A= número de pessoas empregadas;  e (A + B) é a força de trabalho.
  • 13. DESEMPREGO: MEDIDAS DO DESEMPREGO  A taxa de participação da força de trabalho em uma economia indica a proporção da população que voluntariamente escolheu participar da força de trabalho. Ou seja, que decidiu ofertar sua mão de obra no mercado de trabalho.  A taxa de participação da força de trabalho é calculada:  PR = (A + B) ÷ População Adulta  Onde:  PR = taxa de participação da força de trabalho;  B = número de pessoas desempregadas;  A= número de pessoas empregadas;  e (A + B) é a força de trabalho.
  • 14. DESEMPREGO: FALHAS OU PROBLEMAS NA MENSURAÇÃO  É difícil distinguir entre uma pessoa que está desempregada e outra que não está na força de trabalho.  Sugere-se que a taxa de desemprego é normalmente mais baixa que o verdadeiro nível de desemprego, porque:  Não leva em conta os sub-empregados;  E Trabalhadores desencorajados.  Sub-empregado: Empregados em tempo parcial quando na realidade queria estar empregado em tempo total.  Desencorajados: trabalhadores que dizem não estar mais na força de trabalho, mas que na realidade, se oferecido trabalho digno voltaria a trabalhar.
  • 15. DESEMPREGO: DURAÇÃO DO DESEMPREGO  A maior parte dos problemas relacionados ao desemprego, refere-se àqueles pouco trabalhadores que ficam desempregados por longos períodos de tempo.  Embora a taxa não seja estanque, ou seja, entrem e saiam pessoas da situação de desempregado para algumas pessoas esse problema perdura mais.  A taxa de desemprego é o produto do número de desempregados e a duração média do seu desemprego:  A duração média do desemprego é de menos de 10 semanas para 75% dos desempregados (Dados dos EUA).
  • 16. DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO DESEMPREGO  Em um mercado de trabalho ideal, a oferta e a demanda de trabalho se equilibrariam, assegurando que todos os trabalhadores estivessem empregados.  Razões para que o ideal não seja atingido:  Salário mínimo (ou balizamento de salários);  Sindicatos  Processo de busca por trabalho  Salário Eficiente
  • 17. DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO DESEMPREGO  Salário Mínimo: O problema surge quando a lei de salário mínimo impõe um salário mínimo acima do de equilíbrio ele gera um excedente de mão de obra. P P Mín P1 Q1 Preço Mínimo Equilíbrio inalcançável legalmente P2 Excesso de Oferta D1 O1 O2 QD QO Q Não haverá emprego suficiente para todos os trabalhadores ofertando mão de obra (desemprego). Ex: Mercado de engenheiros e Mercado de profissionais na área de saúde (enfermeira, farmacêutico, etc..).
  • 18. DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO DESEMPREGO  Sindicatos e Acordos Coletivos  Um sindicato é uma associação de empregados que barganha com as firmas salários e condições de trabalho.  Um sindicato é um tipo de cartel.  O processo sobre o qual os sindicatos e as firmas concordam sobre os termos de emprego, chama-se acordo coletivo.  Processo caso não haja acordo:  Uma greve é deflagrada pelo sindicato quando não há acordo entre a firma e os seus empregados. Uma greve significa que alguns empregados se beneficiam enquanto outros não.  Agindo como um cartel os sindicatos normalmente conseguem salários acima do preço de equilíbrio para os seus associados.
  • 19. DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO DESEMPREGO  Sob a influencia dos sindicatos ao obter salários acima do de equilíbrio:  Um grande número de trabalhadores qualificados estão dispostos a aceitar trabalho.  Existem poucas vagas disponíveis para os que querem ingressar no mercado de trabalho.  Trabalhadores tendem em demorar a aceitar um outro trabalho, na esperança de conseguir um dia, um trabalho “sindicalizado” com salário maior.
  • 20. DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO DESEMPREGO  Dificuldades do processo de busca por trabalho:  Desemprego resultante do tempo que se demora para conseguir um outro emprego.  Esse tipo de desemprego é diferente dos demais. Ele não é causado por um salário estabelecido acima do salário de equilíbrio. Ele é causado pelo tempo que se demora para se achar o emprego “certo”.  As situações que causam esse tipo de desemprego são:  Novos trabalhadores entrando no mercado  Trabalhadores entrando novamente na força de trabalho.  Trabalhadores mudando de cidade, estado ou mesmo país  Trabalhadores que desistiram dos seus empregos
  • 21. DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO DESEMPREGO  Teoria do Salário Eficiente  As firmas podem operam mais eficientemente se salários estão acima do de equilíbrio.  Mesmo com excesso de mão de obra, as firmas podem ser mais lucrativas pagando salários acima do de equilíbrio.  O desemprego causado por essa teoria é a mesma causada pelo salário mínimo e os sindicatos.
  • 22. DESEMPREGO: ORIGENS E DETERMINANTES DO DESEMPREGO  Salários acima do salário de equilíbrio, segundo a teoria promovem:  Melhor saúde dos trabalhadores: trabalhadores que ganham mais, se alimentam mais, são mais saudáveis, e por conseguinte, mais produtivos.  É menos provável que um trabalhador bem pago procure outro emprego.  Trabalhadores bem pagos tendem a se esforçar mais.  Salários altos tendem a atrair trabalhadores mais qualificados.
  • 23. DESEMPREGO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DESEMPREGO  Programas governamentais podem ajudar a procura por trabalho:  Agências de empregos governamentais  Programas de capacitação  Seguro desemprego  Esses programas podem diminuir ou aumentar o tempo necessário para se achar um trabalho.
  • 24. DESEMPREGO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DESEMPREGO  Agências de empregos governamentais  Dá informação aos trabalhadores sobre vagas de trabalho, ajudando-os a localizar trabalho mais rapidamente.  Programas de capacitação  Possibilita a transição de trabalhadores de indústrias em declínio para indústrias em crescimento através da requalificação profissional.  Seguro Desemprego  Aumenta o tempo de procura por trabalho, ainda que não intencionalmente.  Oferece aos trabalhadores uma proteção parcial contra a perda de um emprego.  Pagamento temporário e parcial de salário para aqueles demitidos.
  • 25. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  MANKIW, N. G. Introdução à Economia. São Paulo: Cengage Learning, 2009. 838 pg.  VASCONCELLOS, M. S. Economia, Micro e Macro, Atlas, 2002.