SlideShare uma empresa Scribd logo
A cultura do Mosteiro

http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
HCA - Curso Profissional de Turismo

1
A Annonciation de Angelin Preljocaj (1995)
Parte 1

Parte 2

HCA - Curso Profissional de Turismo,
Módulo 3

2
Os espaços do cristianismo
Da reorganização cristã da Europa ao crescimento e afirmação
urbanas (séculos IX-XII) (O tempo e o local)

HCA - Curso Profissional de Turismo

3
Fim do Império Romano (476). Invasões bárbaras.

HCA - Curso Profissional de Turismo

4
Europa no século VI d.c.

HCA - Curso Profissional de Turismo

5
Idade Média é o fruto da queda do Império Romano (Ocidente);
Nasce da fusão do mundo romano e do mundo bárbarogermânico;
Idade Média: período da História entre o século V e XV;
Subdivide-se em Alta Idade Média (V-IX) e Baixa Idade Média (XXV).

HCA - Curso Profissional de Turismo

6
Principais alterações:
Desorganização e enfraquecimento da economia mercantil
(comércio), quase desapareceu a moeda;
Declínio e redução dos centros urbanos;
Desorganização da administração pública;
Regressão demográfica.

HCA - Curso Profissional de Turismo

7
Cidade medieval

HCA - Curso Profissional de Turismo

8
Séculos VII, VIII, IX e X
Novas invasões: Muçulmanas (VII); Normandas (IX); Magiares
(húngaros) (IX).

HCA - Curso Profissional de Turismo

9
Consequências:
Ruralização da vida económica e cultural e autossuficiência;
Subsistência difícil;
Instabilidade e insegurança.

HCA - Curso Profissional de Turismo

10
Séculos X-XI, surge o feudalismo.
Sociedade fortemente hierarquizada e trinitária: clero (rezar);
cavaleiros, nobres (combater); povo (Trabalhar).
Desenvolve-se a dependência de homem para homem, baseada
na posse da terra.

HCA - Curso Profissional de Turismo

11
Esquema de um senhorio rural

HCA - Curso Profissional de Turismo

12
Esquema da sociedade medieval

HCA - Curso Profissional de Turismo

13
Neste mundo feudal, violento, arcaico e rural o Cristianismo foi o
elemento aglutinador
A religião cristã, tinha-se tornado no século IV (381), na religião
única e oficial do Império Romano

HCA - Curso Profissional de Turismo

14
Os bispos durante a Alta Idade Média, converteram os bárbaros
e foram praticamente as únicas autoridades presentes junto ao
povo .
A Igreja ainda exerceu um importante papel civilizacional
(técnicas agrícolas, desenvolvimento das artes e letras)
O mosteiro foi um centro religioso, mas também económico,
cultural, social e até político.

HCA - Curso Profissional de Turismo

15
Toda a cultura medieval teve um carácter religioso e doutrinal
A Igreja criou o conceito de Cristandade* (comunidade de povos
e nações que criaram entre si vínculos religiosos, políticos,
culturais e sociais opondo-se aos infiéis)
*Termo utilizado pela 1ª vez pelo papa João VIII (finais do IX)

HCA - Curso Profissional de Turismo

16
Ano Mil
Conjunto de circunstâncias favoráveis que permitem a inversão
lenta do quadro depressivo;
Fim das invasões;
Abrandamento das guerras privadas (feudais);
instituição da Paz e Tréguas de Deus (Igreja).

HCA - Curso Profissional de Turismo

17
Clima de maior paz e segurança
Desenvolvimento das técnicas e utensílios agrícolas

Aumento da produção e da produtividade agrícolas
Reativação do comércio;

Crescimento demográfico;
Desenvolvimento das cidades: mercados, feiras. Surgem
as Universidades

HCA - Curso Profissional de Turismo

18
Consequências: as cidades crescem e prosperam

Cidade de Tournai
HCA - Curso Profissional de Turismo

19
Reanimação da vida urbana:
Século XII as cidades (burgos) são o símbolo do renascimento
medieval
Feiras e mercados
Universidades
Surgem as peregrinações (Terra Santa e Santiago de Compostela)
Cruzadas (reconquista da Terra Santa)

HCA - Curso Profissional de Turismo

20
Neste ambiente de renovação cultural e económica surge o
primeiro movimento artístico da Idade Média, o Românico

HCA - Curso Profissional de Turismo

21
Durante a Alta Idade Média (V a IX) a igreja foi um importante
foco civilizacional;
As igrejas e, sobretudo, os mosteiros eram os guardiães da
cultura;
A cultura medieval tem um profundo carácter religioso;

A Igreja manda construir igrejas, incentiva peregrinações
(Terra Santa e Santiago de Compostela; organiza as cruzadas

HCA - Curso Profissional de Turismo

22
O fervor religioso desta época levou à expansão de um
movimento religioso,
O monaquismo.
Monaquismo: movimento que levou muitos cristãos a
abandonarem a vida laica e dedicarem-se à oração e ao
serviço de Deus.
Formaram congregações (ordens religiosas) que viviam
segundo uma regra. Estes mosteiros localizavam-se, na sua
maior parte, fora das cidades.

HCA - Curso Profissional de Turismo

23
Mapa dos mosteiros da Ordem de Cister

HCA - Curso Profissional de Turismo

24
O mosteiro:
uma vida própria com domínio do tempo e do espaço (o local)
Abadia Cisterciense de Fontefroide, 1097

HCA - Curso Profissional de Turismo

25
O monaquismo nasceu no século IV no Oriente (Egipto, Síria e
Ásia Menor)
É o desejo de evasão do mundo profano (fuga mundi),
entrega mais direta a Deus, através da meditação e da
contemplação (ascetismo).

HCA - Curso Profissional de Turismo

26
Nos mosteiros viviam os monges;
Obedecem a uma regra: Cister, Cluny, Beneditinos, etc.
Existem ordens militares, monges cavaleiros, as mais
importantes são os Templários e os Hospitalários.
S. Bento de Núrsia escreveu em 529, os regulamentos (regra)
para os monges (Beneditinos).

Esta regra serviu de modelo para muitas outras que surgiram, e
durante a Idade Média cobriram a Europa de mosteiros.

HCA - Curso Profissional de Turismo

27
Mosteiros da Ordem de Cluny

HCA - Curso Profissional de Turismo

28
Mosteiro era “uma escola ao serviço do Senhor”;
Abade era o pai e mestre dos irmãos (monges);
Princípios básicos: obediência, silêncio e humildade;
A regra definia os cargos e as tarefas de cada um dentro da
comunidade;

HCA - Curso Profissional de Turismo

29
A regra determinava as obrigações dos monges:
Ofício divino (culto religioso)
Outros trabalhos: nas oficinas, nos campos, no scriptorum

HCA - Curso Profissional de Turismo

30/117
Os mosteiros localizavam-se (quase todos) em lugares isolados
(fuga mundi;
Eram mundos autónomos e autossuficientes, fechados ao exterior;
O acesso a estranhos ao mosteiro era reservado e regulamentado;

HCA - Curso Profissional de Turismo

31
O mosteiro era formado por um conjunto de construções
necessárias à oração e à vida comunitária:
Igreja, sacristia, scriptorum, dormitórios, biblioteca, sala
capitular (sala de leitura), oficinas, refeitório, etc.;
Distribuíam-se em torno de um espaço quadrangular aberto,
rodeado por um corredor colunado – claustro.

HCA - Curso Profissional de Turismo

32
S. Bento pensou a própria arquitetura do mosteiro, Abadia de
Saint-Gall, na Suíça.
Este modelo será reproduzido em centenas de mosteiros.

HCA - Curso Profissional de Turismo

33
igreja

Escola, escritório, biblioteca, celas

claustro
este

átrio

sul

norte

Hospital,
dormitório
visitantes

oeste

Cozinha, dispensa, adegas, oficinas, estábulos

HCA - Curso Profissional de Turismo

34
O claustro era um espaço importante do mosteiro – passeios,
rezas, etc.

HCA - Curso Profissional de Turismo

35
Pretendia ser a materialização do Paraíso na Terra.
Foram mais do que centros religiosos
Canalizaram riquezas: dízimos, doações, rendas fundiárias,
corveias*
*Corveias – dias de trabalho (3/4 por semana) prestado pelos
servos e camponeses

HCA - Curso Profissional de Turismo

36
Centros dinamizadores da economia e de difusão de técnicas e
instrumentos agrícolas;
Centros de produção cultural: escolas, letras, teologia, ciências;
Exerceram um importante papel civilizacional.

HCA - Curso Profissional de Turismo

37
O poder da escrita

HCA - Curso Profissional de Turismo

38
O Mundo Clássico (Grécia, Roma) tinha sido um mundo
alfabetizado. Existiam escolas e bibliotecas pública nas cidades
mais importantes;
Os saberes e as ideias circulavam facilmente.

Biblioteca romana

HCA - Curso Profissional de Turismo

39
As invasões bárbaras alteraram este cenário, no século V d.c.,
iniciou-se uma rápida decadência cultural
Cidades foram devastadas  Escolas e Bibliotecas destruídas;
Desaparecimento do poder central  encerramento de muitos
organismos públicos.

HCA - Curso Profissional de Turismo

40
Fuga para o campo  ruralizou a vida
Crianças deixam de frequentar a escola. Perdem-se hábitos de
leitura e estudo
Depressão cultural geral (analfabetismo), atinge as classes
dominantes (guerreiros)
Desenvolve-se uma cultura popular, não escolarizada e não
escrita de tradição oral

HCA - Curso Profissional de Turismo

41
Sobrevivem poucos focos culturais;
Regiões mediterrânicas (Itália, Península Ibérica), sobretudo
onde a romanização tinha sido mais forte;
A partir do século VI, nas Ilhas britânicas (Grã-Bretanha e
Irlanda),misturaram-se as tradições clássicas com as céltica e
saxónica.

HCA - Curso Profissional de Turismo

42
Estes centros culturais são constituídos por uma ínfima minoria
da população;
Os letrados pertencem (quase todos) à classe eclesiástica;
Igreja mantém o latim como língua oficial;
Disparidade cultural;
Letrados (cultura latina);
Cultura de massas (medíocre, bárbara, oral).

HCA - Curso Profissional de Turismo

43
• As heranças greco-latinas e muçulmanas; cristianizar as
heranças
Europa no
século IX

HCA - Curso Profissional de Turismo

44
No século IX surge o Renascimento Carolíngio;
Necessidade de governar um império, levou Carlos Magno a
fomentar as artes e letras;
Criou uma biblioteca e escola (Aula Palatina) na corte;
Fomentou o interesse pelos clássicos (gregos e romanos);
Atraiu sábios e intelectuais – Alcuíno (c. 730-804).

HCA - Curso Profissional de Turismo

45
A partir deste núcleo inicial, criou-se uma rede de centros
culturais (mosteiros);
Alguns eclesiásticos dão importância à preparação intelectual
dos monges;
Bento de Aniana impôs a existência de escolas e scriptoria
(escritórios) nos mosteiros.

HCA - Curso Profissional de Turismo

46
• Escolas monásticas ensinavam o Trivium* e o Quadrivium**
• *Trivium – Gramática, Retórica, Dialectica
• **Quadrivium – Aritmética, Geometria, Música, Astronomia
• Analisavam as obras dos clássicos à luz da interpretação cristã,
como Santo Agostinho

HCA - Curso Profissional de Turismo

47
A produção escrita só existe (quase) nos mosteiros;
Scriptoria – monges especializados (escribas e copistas);
copiavam à mão os livros religiosos e os grandes clássicos
Estes livros (manuscritos) eram muitas vezes ilustrados com
iluminuras e miniaturas.

HCA - Curso Profissional de Turismo

48
Dificuldades de comunicação desenvolveram caligrafias e
alfabetos diferentes;
A arte de escrever estava restrita a uma minoria. Dominam o
saber.

HCA - Curso Profissional de Turismo

49
Até ao advento da burguesia (séc. XII-XIII) detém o monopólio
dos cargos públicos e das chancelarias régias*
Chancelarias régias* - secretaria onde eram elaborados,
autenticados e expedidos os diplomas régios

HCA - Curso Profissional de Turismo

50
O Canto Gregoriano

HCA - Curso Profissional de Turismo

51
Canto Gregoriano é um tipo de canto litúrgico, surgiu por volta
do século IV;
O nome surgiu no século VI;
Devido à reforma do Papa Gregório Magno que unificou os
vários cantos que acompanhavam os rituais;
Eram chamados “cantos romanos” ou “romana cantilena”.

HCA - Curso Profissional de Turismo

52
Exprimia a oração de forma suave;
Favorecia o carácter comunitário;
Conferia solenidade ao ritual da missa;
É uma musica monódica (uma só melodia);
Destinava-se a acompanhar textos, em latim, da Bíblia, os
Salmos.

No século XV, com o advento da polifonia, o canto gregoriano
começou a desaparecer;
Do Canto Gregoriano derivou toda a música erudita cristã;
Foi a base da tradição musical até ao Barroco.

HCA - Curso Profissional de Turismo

53
Missa:
Primeira peça é uma Antífona
a que se segue o Gradual
O Kyrie é um canto coletivo

HCA - Curso Profissional de Turismo

54
São Bernardo de Claraval (c. 1090-1135)
Biografia
Abade de Claraval;
Figura que marcou a história religiosa, cultural e artística da
Idade Média;
Defendia o voto de pobreza e uma vida de penitências e
sacrifícios para alcançar Deus;
Foi essencialmente um místico e não um pensador apesar de ter
publicado inúmeras obras escritas.

HCA - Curso Profissional de Turismo

55
Temas das suas obras:
O itinerário que todo o crente deve ter em direção a Deus
Define-o como o caminho da humildade ao êxtase, que passa
por várias fases:
1º - Encontro com Deus;
2º - Conversão para Deus;
3º - Restauração da ordem e da caridade

Para percorrer estas etapas devia-se meditar, contemplar (Cristo) e
desprender-se de si mesmo

HCA - Curso Profissional de Turismo

56
São Bernardo de Claraval foi um pensador místico que marcou o
pensamento cristão medieval;
Lutou pelo regresso à pobreza e humildade da Igreja;
.

HCA - Curso Profissional de Turismo

57
Coroação de Carlos Magno
25 de Dezembro de 800 (Acontecimento)

O Império
Carolíngio

HCA - Curso Profissional de Turismo

58
Subiu ao trono em 768 do reino Franco, grande conquistador;
Com Carlos Magno, no século VIII, a Europa vai conhecer uma
época de estabilidade e ordem;
Vai surgir um curto renascimento cultural que se designou de
Renascimento Carolíngio.
Dividiu o território em condados,
governados pelos condes, vigiados pelos
missi dominici (fiscais do rei;
Aliança com a Igreja, converteu e batizou
os povos conquistados.

HCA - Curso Profissional de Turismo

59
Papa (Leão III) concedeu-lhe a coroa de Imperador do Ocidente,
herdeiro dos imperadores romanos , Imperador de todo o
mundo cristão;
Unificou o Ocidente:
Sob o mesmo poder político (do imperador);
Sob o mesmo poder espiritual – Cristianismo – Papas (Roma).

HCA - Curso Profissional de Turismo

60

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
Ana Barreiros
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
Carla Freitas
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
Carla Freitas
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
Ana Barreiros
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
Carlos Pinheiro
 
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquiteturaCultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Vítor Santos
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
Ana Barreiros
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
Carla Freitas
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
Ana Barreiros
 
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Carla Freitas
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
Carla Freitas
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
TLopes
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
Ana Barreiros
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
Ana Barreiros
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
Ana Barreiros
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
cattonia
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
Ana Barreiros
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
Carla Freitas
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
Ana Barreiros
 
A cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º anoA cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º ano
Associação de Pais C appalmesc
 

Mais procurados (20)

Arquitetura barroca
Arquitetura barrocaArquitetura barroca
Arquitetura barroca
 
Módulo 3 contexto histórico regular
Módulo 3   contexto histórico regularMódulo 3   contexto histórico regular
Módulo 3 contexto histórico regular
 
Módulo 2 pintura romana
Módulo 2   pintura romanaMódulo 2   pintura romana
Módulo 2 pintura romana
 
A arquitetura gótica
A arquitetura góticaA arquitetura gótica
A arquitetura gótica
 
A cultura do palco
A cultura do palcoA cultura do palco
A cultura do palco
 
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquiteturaCultura do mosteiro_2_arquitetura
Cultura do mosteiro_2_arquitetura
 
A cultura do palacio
A cultura do palacioA cultura do palacio
A cultura do palacio
 
Módulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românicaMódulo 3 - Arquitetura românica
Módulo 3 - Arquitetura românica
 
Arquitetura românica
Arquitetura românicaArquitetura românica
Arquitetura românica
 
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românicaMódulo 3 - Arquitetura pré-românica
Módulo 3 - Arquitetura pré-românica
 
Módulo 6 contextualização
Módulo 6   contextualizaçãoMódulo 6   contextualização
Módulo 6 contextualização
 
Módulo 2 a cultura do senado
Módulo 2   a cultura do senadoMódulo 2   a cultura do senado
Módulo 2 a cultura do senado
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
A cultura do senado
A cultura do senadoA cultura do senado
A cultura do senado
 
Cultura do palco
Cultura do palcoCultura do palco
Cultura do palco
 
Módulo 3 a arte românica
Módulo 3   a arte românicaMódulo 3   a arte românica
Módulo 3 a arte românica
 
A pintura gótica i
A pintura gótica iA pintura gótica i
A pintura gótica i
 
Módulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura GóticaMódulo 4 - Escultura Gótica
Módulo 4 - Escultura Gótica
 
Escultura e pintura românica
Escultura e pintura românicaEscultura e pintura românica
Escultura e pintura românica
 
A cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º anoA cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º ano
 

Destaque

Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
cattonia
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ana Barreiros
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
Vítor Santos
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Ana Barreiros
 
Invasões medievais
Invasões medievaisInvasões medievais
Invasões medievais
Maria Gomes
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
Isidro Santos
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Carlos Vieira
 
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
João Couto
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
Carla Freitas
 
2. a cultura do mosteiro e da catedral
2. a cultura do mosteiro e da catedral2. a cultura do mosteiro e da catedral
2. a cultura do mosteiro e da catedral
cattonia
 
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii MosteirosAvida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Manuela Cavaco
 
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte RomânicaCultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Carlos Vieira
 
Glossário - A Cultura do Mosteiro
Glossário - A Cultura do MosteiroGlossário - A Cultura do Mosteiro
Glossário - A Cultura do Mosteiro
João Almeida
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
cattonia
 
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura RomânicaCultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Carlos Vieira
 
Mosteiros
MosteirosMosteiros
Mosteiros
10B
 
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Carlos Vieira
 
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmicaCultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
Carlos Vieira
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
Fernando Veloso
 

Destaque (20)

Hca M3
Hca   M3Hca   M3
Hca M3
 
Cultura do mosteiro contextualização
Cultura do mosteiro   contextualizaçãoCultura do mosteiro   contextualização
Cultura do mosteiro contextualização
 
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do MosteiroFicha formativa Cultura do Mosteiro
Ficha formativa Cultura do Mosteiro
 
03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro03 1 cultura_do_mosteiro
03 1 cultura_do_mosteiro
 
Cultura do mosteiro tempo e espaço
Cultura do mosteiro    tempo e espaçoCultura do mosteiro    tempo e espaço
Cultura do mosteiro tempo e espaço
 
Invasões medievais
Invasões medievaisInvasões medievais
Invasões medievais
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantinaCultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
Cultura do Mosteiro - Arte paleocristã e bizantina
 
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
Planificação10ºHCA Módulos1,2,3 e 4
 
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XIIA sociedade europeia nos séculos IX a XII
A sociedade europeia nos séculos IX a XII
 
2. a cultura do mosteiro e da catedral
2. a cultura do mosteiro e da catedral2. a cultura do mosteiro e da catedral
2. a cultura do mosteiro e da catedral
 
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii MosteirosAvida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
Avida Quotidiana No Sec. Xiii Mosteiros
 
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte RomânicaCultura do Mosteiro - Arte Românica
Cultura do Mosteiro - Arte Românica
 
Glossário - A Cultura do Mosteiro
Glossário - A Cultura do MosteiroGlossário - A Cultura do Mosteiro
Glossário - A Cultura do Mosteiro
 
Cultura medieval
Cultura medievalCultura medieval
Cultura medieval
 
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura RomânicaCultura do Mosteiro - Escultura Românica
Cultura do Mosteiro - Escultura Românica
 
Mosteiros
MosteirosMosteiros
Mosteiros
 
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngiaCultura do Mosteiro - Arte carolíngia
Cultura do Mosteiro - Arte carolíngia
 
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmicaCultura do Mosteiro - Arte islâmica
Cultura do Mosteiro - Arte islâmica
 
Românico
RomânicoRomânico
Românico
 

Semelhante a Cultura do mosteiro_1_alunos

O poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudalO poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudal
Pablo Silveira
 
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Daniel Alves Bronstrup
 
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média   aula 1 - 2 biA igreja católica na idade média   aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 bi
Cybelle Cardozo
 
A idade media francisco
A idade media   franciscoA idade media   francisco
A idade media francisco
IsabelPereira2010
 
SA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptx
SA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptxSA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptx
SA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptx
Valval58
 
08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante
Naira Oliveira
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
Sérgio Miguel
 
A europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ixA europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ix
Annarrocha
 
A europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ixA europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ix
Annarrocha
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
Marilia Pimentel
 
Aula 04 idade média
Aula 04   idade médiaAula 04   idade média
Aula 04 idade média
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
Trabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºBTrabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºB
Juliano55
 
Trabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºBTrabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºB
Juliano55
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
Alexandre Protásio
 
[Resumo] Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...
[Resumo]  Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...[Resumo]  Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...
[Resumo] Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...
Bruno Camargo
 
Clara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José Bernardi
Clara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José BernardiClara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José Bernardi
Clara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José Bernardi
Eugenio Hansen, OFS
 
Textos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmfTextos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmf
Antonio Sidney Mendes
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
Carla Teixeira
 
Aula de historia
Aula de historiaAula de historia
Aula de historia
Rose chaves
 
Revisão 1º ano
Revisão 1º anoRevisão 1º ano
Revisão 1º ano
isabelaguiar2010
 

Semelhante a Cultura do mosteiro_1_alunos (20)

O poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudalO poder da igreja católica no mundo feudal
O poder da igreja católica no mundo feudal
 
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
Pré vestibular Murialdo - aula Europa medieval.
 
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média   aula 1 - 2 biA igreja católica na idade média   aula 1 - 2 bi
A igreja católica na idade média aula 1 - 2 bi
 
A idade media francisco
A idade media   franciscoA idade media   francisco
A idade media francisco
 
SA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptx
SA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptxSA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptx
SA_HIS_HIG_V01_U00_C00_03_APR.pptx
 
08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante08 reforma%20protestante
08 reforma%20protestante
 
História da igreja II
História da igreja IIHistória da igreja II
História da igreja II
 
A europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ixA europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ix
 
A europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ixA europa sec vi a sec ix
A europa sec vi a sec ix
 
Igreja e cultura medieval
Igreja e cultura medievalIgreja e cultura medieval
Igreja e cultura medieval
 
Aula 04 idade média
Aula 04   idade médiaAula 04   idade média
Aula 04 idade média
 
Trabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºBTrabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºB
 
Trabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºBTrabalho De Arte 8ºB
Trabalho De Arte 8ºB
 
Idade Media - cultura
Idade Media - culturaIdade Media - cultura
Idade Media - cultura
 
[Resumo] Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...
[Resumo]  Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...[Resumo]  Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...
[Resumo] Sociedade Feudal: Características Sociais, Econômicas, Políticas e ...
 
Clara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José Bernardi
Clara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José BernardiClara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José Bernardi
Clara e seu contexto historico / Irineu Trentin, José Bernardi
 
Textos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmfTextos auxiliares historia cmf
Textos auxiliares historia cmf
 
Ficha 1 cultura do mosteiro
Ficha 1  cultura do mosteiroFicha 1  cultura do mosteiro
Ficha 1 cultura do mosteiro
 
Aula de historia
Aula de historiaAula de historia
Aula de historia
 
Revisão 1º ano
Revisão 1º anoRevisão 1º ano
Revisão 1º ano
 

Mais de Vítor Santos

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
Vítor Santos
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
Vítor Santos
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
Vítor Santos
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
Vítor Santos
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
Vítor Santos
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
Vítor Santos
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
Vítor Santos
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
Vítor Santos
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
Vítor Santos
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
Vítor Santos
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
Vítor Santos
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
Vítor Santos
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
Vítor Santos
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
Vítor Santos
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
Vítor Santos
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
Vítor Santos
 

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
vinibolado86
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024Slide de biologia aula2  2 bimestre no ano de 2024
Slide de biologia aula2 2 bimestre no ano de 2024
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 

Cultura do mosteiro_1_alunos

  • 1. A cultura do Mosteiro http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ HCA - Curso Profissional de Turismo 1
  • 2. A Annonciation de Angelin Preljocaj (1995) Parte 1 Parte 2 HCA - Curso Profissional de Turismo, Módulo 3 2
  • 3. Os espaços do cristianismo Da reorganização cristã da Europa ao crescimento e afirmação urbanas (séculos IX-XII) (O tempo e o local) HCA - Curso Profissional de Turismo 3
  • 4. Fim do Império Romano (476). Invasões bárbaras. HCA - Curso Profissional de Turismo 4
  • 5. Europa no século VI d.c. HCA - Curso Profissional de Turismo 5
  • 6. Idade Média é o fruto da queda do Império Romano (Ocidente); Nasce da fusão do mundo romano e do mundo bárbarogermânico; Idade Média: período da História entre o século V e XV; Subdivide-se em Alta Idade Média (V-IX) e Baixa Idade Média (XXV). HCA - Curso Profissional de Turismo 6
  • 7. Principais alterações: Desorganização e enfraquecimento da economia mercantil (comércio), quase desapareceu a moeda; Declínio e redução dos centros urbanos; Desorganização da administração pública; Regressão demográfica. HCA - Curso Profissional de Turismo 7
  • 8. Cidade medieval HCA - Curso Profissional de Turismo 8
  • 9. Séculos VII, VIII, IX e X Novas invasões: Muçulmanas (VII); Normandas (IX); Magiares (húngaros) (IX). HCA - Curso Profissional de Turismo 9
  • 10. Consequências: Ruralização da vida económica e cultural e autossuficiência; Subsistência difícil; Instabilidade e insegurança. HCA - Curso Profissional de Turismo 10
  • 11. Séculos X-XI, surge o feudalismo. Sociedade fortemente hierarquizada e trinitária: clero (rezar); cavaleiros, nobres (combater); povo (Trabalhar). Desenvolve-se a dependência de homem para homem, baseada na posse da terra. HCA - Curso Profissional de Turismo 11
  • 12. Esquema de um senhorio rural HCA - Curso Profissional de Turismo 12
  • 13. Esquema da sociedade medieval HCA - Curso Profissional de Turismo 13
  • 14. Neste mundo feudal, violento, arcaico e rural o Cristianismo foi o elemento aglutinador A religião cristã, tinha-se tornado no século IV (381), na religião única e oficial do Império Romano HCA - Curso Profissional de Turismo 14
  • 15. Os bispos durante a Alta Idade Média, converteram os bárbaros e foram praticamente as únicas autoridades presentes junto ao povo . A Igreja ainda exerceu um importante papel civilizacional (técnicas agrícolas, desenvolvimento das artes e letras) O mosteiro foi um centro religioso, mas também económico, cultural, social e até político. HCA - Curso Profissional de Turismo 15
  • 16. Toda a cultura medieval teve um carácter religioso e doutrinal A Igreja criou o conceito de Cristandade* (comunidade de povos e nações que criaram entre si vínculos religiosos, políticos, culturais e sociais opondo-se aos infiéis) *Termo utilizado pela 1ª vez pelo papa João VIII (finais do IX) HCA - Curso Profissional de Turismo 16
  • 17. Ano Mil Conjunto de circunstâncias favoráveis que permitem a inversão lenta do quadro depressivo; Fim das invasões; Abrandamento das guerras privadas (feudais); instituição da Paz e Tréguas de Deus (Igreja). HCA - Curso Profissional de Turismo 17
  • 18. Clima de maior paz e segurança Desenvolvimento das técnicas e utensílios agrícolas Aumento da produção e da produtividade agrícolas Reativação do comércio; Crescimento demográfico; Desenvolvimento das cidades: mercados, feiras. Surgem as Universidades HCA - Curso Profissional de Turismo 18
  • 19. Consequências: as cidades crescem e prosperam Cidade de Tournai HCA - Curso Profissional de Turismo 19
  • 20. Reanimação da vida urbana: Século XII as cidades (burgos) são o símbolo do renascimento medieval Feiras e mercados Universidades Surgem as peregrinações (Terra Santa e Santiago de Compostela) Cruzadas (reconquista da Terra Santa) HCA - Curso Profissional de Turismo 20
  • 21. Neste ambiente de renovação cultural e económica surge o primeiro movimento artístico da Idade Média, o Românico HCA - Curso Profissional de Turismo 21
  • 22. Durante a Alta Idade Média (V a IX) a igreja foi um importante foco civilizacional; As igrejas e, sobretudo, os mosteiros eram os guardiães da cultura; A cultura medieval tem um profundo carácter religioso; A Igreja manda construir igrejas, incentiva peregrinações (Terra Santa e Santiago de Compostela; organiza as cruzadas HCA - Curso Profissional de Turismo 22
  • 23. O fervor religioso desta época levou à expansão de um movimento religioso, O monaquismo. Monaquismo: movimento que levou muitos cristãos a abandonarem a vida laica e dedicarem-se à oração e ao serviço de Deus. Formaram congregações (ordens religiosas) que viviam segundo uma regra. Estes mosteiros localizavam-se, na sua maior parte, fora das cidades. HCA - Curso Profissional de Turismo 23
  • 24. Mapa dos mosteiros da Ordem de Cister HCA - Curso Profissional de Turismo 24
  • 25. O mosteiro: uma vida própria com domínio do tempo e do espaço (o local) Abadia Cisterciense de Fontefroide, 1097 HCA - Curso Profissional de Turismo 25
  • 26. O monaquismo nasceu no século IV no Oriente (Egipto, Síria e Ásia Menor) É o desejo de evasão do mundo profano (fuga mundi), entrega mais direta a Deus, através da meditação e da contemplação (ascetismo). HCA - Curso Profissional de Turismo 26
  • 27. Nos mosteiros viviam os monges; Obedecem a uma regra: Cister, Cluny, Beneditinos, etc. Existem ordens militares, monges cavaleiros, as mais importantes são os Templários e os Hospitalários. S. Bento de Núrsia escreveu em 529, os regulamentos (regra) para os monges (Beneditinos). Esta regra serviu de modelo para muitas outras que surgiram, e durante a Idade Média cobriram a Europa de mosteiros. HCA - Curso Profissional de Turismo 27
  • 28. Mosteiros da Ordem de Cluny HCA - Curso Profissional de Turismo 28
  • 29. Mosteiro era “uma escola ao serviço do Senhor”; Abade era o pai e mestre dos irmãos (monges); Princípios básicos: obediência, silêncio e humildade; A regra definia os cargos e as tarefas de cada um dentro da comunidade; HCA - Curso Profissional de Turismo 29
  • 30. A regra determinava as obrigações dos monges: Ofício divino (culto religioso) Outros trabalhos: nas oficinas, nos campos, no scriptorum HCA - Curso Profissional de Turismo 30/117
  • 31. Os mosteiros localizavam-se (quase todos) em lugares isolados (fuga mundi; Eram mundos autónomos e autossuficientes, fechados ao exterior; O acesso a estranhos ao mosteiro era reservado e regulamentado; HCA - Curso Profissional de Turismo 31
  • 32. O mosteiro era formado por um conjunto de construções necessárias à oração e à vida comunitária: Igreja, sacristia, scriptorum, dormitórios, biblioteca, sala capitular (sala de leitura), oficinas, refeitório, etc.; Distribuíam-se em torno de um espaço quadrangular aberto, rodeado por um corredor colunado – claustro. HCA - Curso Profissional de Turismo 32
  • 33. S. Bento pensou a própria arquitetura do mosteiro, Abadia de Saint-Gall, na Suíça. Este modelo será reproduzido em centenas de mosteiros. HCA - Curso Profissional de Turismo 33
  • 34. igreja Escola, escritório, biblioteca, celas claustro este átrio sul norte Hospital, dormitório visitantes oeste Cozinha, dispensa, adegas, oficinas, estábulos HCA - Curso Profissional de Turismo 34
  • 35. O claustro era um espaço importante do mosteiro – passeios, rezas, etc. HCA - Curso Profissional de Turismo 35
  • 36. Pretendia ser a materialização do Paraíso na Terra. Foram mais do que centros religiosos Canalizaram riquezas: dízimos, doações, rendas fundiárias, corveias* *Corveias – dias de trabalho (3/4 por semana) prestado pelos servos e camponeses HCA - Curso Profissional de Turismo 36
  • 37. Centros dinamizadores da economia e de difusão de técnicas e instrumentos agrícolas; Centros de produção cultural: escolas, letras, teologia, ciências; Exerceram um importante papel civilizacional. HCA - Curso Profissional de Turismo 37
  • 38. O poder da escrita HCA - Curso Profissional de Turismo 38
  • 39. O Mundo Clássico (Grécia, Roma) tinha sido um mundo alfabetizado. Existiam escolas e bibliotecas pública nas cidades mais importantes; Os saberes e as ideias circulavam facilmente. Biblioteca romana HCA - Curso Profissional de Turismo 39
  • 40. As invasões bárbaras alteraram este cenário, no século V d.c., iniciou-se uma rápida decadência cultural Cidades foram devastadas  Escolas e Bibliotecas destruídas; Desaparecimento do poder central  encerramento de muitos organismos públicos. HCA - Curso Profissional de Turismo 40
  • 41. Fuga para o campo  ruralizou a vida Crianças deixam de frequentar a escola. Perdem-se hábitos de leitura e estudo Depressão cultural geral (analfabetismo), atinge as classes dominantes (guerreiros) Desenvolve-se uma cultura popular, não escolarizada e não escrita de tradição oral HCA - Curso Profissional de Turismo 41
  • 42. Sobrevivem poucos focos culturais; Regiões mediterrânicas (Itália, Península Ibérica), sobretudo onde a romanização tinha sido mais forte; A partir do século VI, nas Ilhas britânicas (Grã-Bretanha e Irlanda),misturaram-se as tradições clássicas com as céltica e saxónica. HCA - Curso Profissional de Turismo 42
  • 43. Estes centros culturais são constituídos por uma ínfima minoria da população; Os letrados pertencem (quase todos) à classe eclesiástica; Igreja mantém o latim como língua oficial; Disparidade cultural; Letrados (cultura latina); Cultura de massas (medíocre, bárbara, oral). HCA - Curso Profissional de Turismo 43
  • 44. • As heranças greco-latinas e muçulmanas; cristianizar as heranças Europa no século IX HCA - Curso Profissional de Turismo 44
  • 45. No século IX surge o Renascimento Carolíngio; Necessidade de governar um império, levou Carlos Magno a fomentar as artes e letras; Criou uma biblioteca e escola (Aula Palatina) na corte; Fomentou o interesse pelos clássicos (gregos e romanos); Atraiu sábios e intelectuais – Alcuíno (c. 730-804). HCA - Curso Profissional de Turismo 45
  • 46. A partir deste núcleo inicial, criou-se uma rede de centros culturais (mosteiros); Alguns eclesiásticos dão importância à preparação intelectual dos monges; Bento de Aniana impôs a existência de escolas e scriptoria (escritórios) nos mosteiros. HCA - Curso Profissional de Turismo 46
  • 47. • Escolas monásticas ensinavam o Trivium* e o Quadrivium** • *Trivium – Gramática, Retórica, Dialectica • **Quadrivium – Aritmética, Geometria, Música, Astronomia • Analisavam as obras dos clássicos à luz da interpretação cristã, como Santo Agostinho HCA - Curso Profissional de Turismo 47
  • 48. A produção escrita só existe (quase) nos mosteiros; Scriptoria – monges especializados (escribas e copistas); copiavam à mão os livros religiosos e os grandes clássicos Estes livros (manuscritos) eram muitas vezes ilustrados com iluminuras e miniaturas. HCA - Curso Profissional de Turismo 48
  • 49. Dificuldades de comunicação desenvolveram caligrafias e alfabetos diferentes; A arte de escrever estava restrita a uma minoria. Dominam o saber. HCA - Curso Profissional de Turismo 49
  • 50. Até ao advento da burguesia (séc. XII-XIII) detém o monopólio dos cargos públicos e das chancelarias régias* Chancelarias régias* - secretaria onde eram elaborados, autenticados e expedidos os diplomas régios HCA - Curso Profissional de Turismo 50
  • 51. O Canto Gregoriano HCA - Curso Profissional de Turismo 51
  • 52. Canto Gregoriano é um tipo de canto litúrgico, surgiu por volta do século IV; O nome surgiu no século VI; Devido à reforma do Papa Gregório Magno que unificou os vários cantos que acompanhavam os rituais; Eram chamados “cantos romanos” ou “romana cantilena”. HCA - Curso Profissional de Turismo 52
  • 53. Exprimia a oração de forma suave; Favorecia o carácter comunitário; Conferia solenidade ao ritual da missa; É uma musica monódica (uma só melodia); Destinava-se a acompanhar textos, em latim, da Bíblia, os Salmos. No século XV, com o advento da polifonia, o canto gregoriano começou a desaparecer; Do Canto Gregoriano derivou toda a música erudita cristã; Foi a base da tradição musical até ao Barroco. HCA - Curso Profissional de Turismo 53
  • 54. Missa: Primeira peça é uma Antífona a que se segue o Gradual O Kyrie é um canto coletivo HCA - Curso Profissional de Turismo 54
  • 55. São Bernardo de Claraval (c. 1090-1135) Biografia Abade de Claraval; Figura que marcou a história religiosa, cultural e artística da Idade Média; Defendia o voto de pobreza e uma vida de penitências e sacrifícios para alcançar Deus; Foi essencialmente um místico e não um pensador apesar de ter publicado inúmeras obras escritas. HCA - Curso Profissional de Turismo 55
  • 56. Temas das suas obras: O itinerário que todo o crente deve ter em direção a Deus Define-o como o caminho da humildade ao êxtase, que passa por várias fases: 1º - Encontro com Deus; 2º - Conversão para Deus; 3º - Restauração da ordem e da caridade Para percorrer estas etapas devia-se meditar, contemplar (Cristo) e desprender-se de si mesmo HCA - Curso Profissional de Turismo 56
  • 57. São Bernardo de Claraval foi um pensador místico que marcou o pensamento cristão medieval; Lutou pelo regresso à pobreza e humildade da Igreja; . HCA - Curso Profissional de Turismo 57
  • 58. Coroação de Carlos Magno 25 de Dezembro de 800 (Acontecimento) O Império Carolíngio HCA - Curso Profissional de Turismo 58
  • 59. Subiu ao trono em 768 do reino Franco, grande conquistador; Com Carlos Magno, no século VIII, a Europa vai conhecer uma época de estabilidade e ordem; Vai surgir um curto renascimento cultural que se designou de Renascimento Carolíngio. Dividiu o território em condados, governados pelos condes, vigiados pelos missi dominici (fiscais do rei; Aliança com a Igreja, converteu e batizou os povos conquistados. HCA - Curso Profissional de Turismo 59
  • 60. Papa (Leão III) concedeu-lhe a coroa de Imperador do Ocidente, herdeiro dos imperadores romanos , Imperador de todo o mundo cristão; Unificou o Ocidente: Sob o mesmo poder político (do imperador); Sob o mesmo poder espiritual – Cristianismo – Papas (Roma). HCA - Curso Profissional de Turismo 60