SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª Rosimeire Areias
 A análise de amostras de urina para fins 
diagnósticos já era realizada em 1000 AC por 
sacerdotes egípcios que utilizavam amostras de 
urina para realizar um procedimento que pode ser 
considerado como o primeiro teste diagnóstico 
descrito na literatura. 
 O teste tinha como objetivo não apenas confirmar 
a gravidez, mas também identificar o sexo do feto 
e consistia em derramar urina recém emitida sobre 
uma mistura de sementes de cereais. Caso as 
sementes germinassem o teste era considerado 
positivo para gravidez, e dependendo do tipo de 
sementes que germinava seria possível prever o 
sexo do feto (Lines, 1977).
 1000 AC amostras de urina (diagnósticos) 
 Objetivo confirmar a gravidez, identificar o 
sexo do feto) derramar urina recém emitida sobre uma 
mistura de sementes de cereais. 
 (460-370 AC) Hipócrates Uroscopia (observação 
) composição da urina durante o curso de estados febris 
verificados em crianças e adultos. 
 Análise observação de diferenças na cor, no 
odor e no aspecto do sedimento das amostras de urina.
 No final do século VI e início do século VII 
Teophilus de Constantinopla escreveu um texto 
de urologia cujo objetivo foi preencher lacunas 
deixadas por Hipócrates e Galeno. Ele 
considerou as interpretações e os trabalhos 
destes e de outros inadequados, escrevendo è 
necessário procurar uma doutrina diferente e 
não examinar em vão as coisas como imaginadas 
por eles, e não levar em consideração opiniões e 
fatos que são duvidosas”. Em “A Urina” ele não 
apenas define pela primeira vez urina como um 
filtrado do sangue e como ela é formada, mas 
introduziu inovações instrutivas que 
transformaram a uroscopia em uma ferramenta 
diagnóstica de doenças.
 Entre as inovações introduzidas podemos 
ressaltar: a) a descrição da cor da urina 
baseado em espectro utilizando dez 
tonalidades cromáticas que foram 
divididas em duas categorias (fina e 
espessa); 
b) a dedicação de capítulos específicos a 
varias partículas sólidas divididas por 
aspecto e cinco cores,sedimento normal e 
aspecto turvo.
 Nó século XVI um pequeno grupo de cientistas 
liderados por Theophrastus Bombastus Von 
Hohenheim, conhecido como Paracelso (1493- 
1541) insistia em não apenas olhar para a 
amostra de urina, queria obter mais informações 
da urina e desenvolveram novos métodos para 
verificar o que ela continha. Alguns destes 
métodos se mostraram úteis, como quando 
adicionou vinagre a algumas amostras de urina e 
verificou a precipitação de proteínas (Pagel, 
1962). Assim este grupo iniciou o que 
denominamos atualmente de exame químico da 
urina.
 O exame de urina sofreu evoluções ao longo 
da história. 
 No século XX, entre os cientistas que mais 
contribuíram para a evolução do exame de 
urina esta Thomas Addis (1881 a 1949) e o 
brasileiro Sylvio Soares de Almeida com seu 
estudo publicado na Revista do Hosptital das 
Clínicas, em 1961, com título “Estudos sobre 
infecções urinárias não específicas”.
Atualmente a realização do exame de urina inclui 
a análise macroscópica (cor, espuma e 
transparência), o exame físico (densidade), o 
exame químico (pH, proteínas, glicose, 
hemoglobina, cetonas, bilirrubina, urobilinogênio, 
nitrito, esterase de leucócitos) e o exame 
microscópico (células, leucócitos, hemácias, 
cilindros, cristais, bactérias, etc.). Mas a 
padronização de sua realização, apesar de existir 
em diferentes países, inclusive no Brasil, 
apresenta diferenças significativas (European 
Urinalysis Guideline, 2000; NCCLS, 2001; ABNT 
NBR 15268, 2005).
 A solicitação de sua realização inclui razões como: 
 a) auxiliar no diagnóstico de doenças; 
 b) realizar triagem de populações para doenças 
assintomáticas, congênitas, ou hereditárias; 
 c) monitorar a progressão de doenças; 
 d) monitorar a efetividade ou complicação da terapia 
e, 
 e) realizar a triagem de trabalhadores de indústrias 
para doenças adquiridas (NCCLS, 2001).
 O exame de urina constitui ferramenta importante no: a) 
diagnóstico e acompanhamento de infecções do trato 
urinário; 
 b) diagnóstico e acompanhamento de doenças não 
infecciosas do trato urinário; 
 c) detecção de glicosúria de grupos de pacientes 
admitidos em hospitais em condição de emergência; 
 d) controle de pacientes diabéticos e 
 e) acompanhamento de pacientes com determinadas 
alterações metabólicas como vômitos, diarréia, acidose, 
alcalose, cetose ou litíase renal recorrente (European 
Urinalysis Guideline, 2000; NCCLS, 2001).
O trato urinário é constituído de dois rins e dois 
ureteres, da bexiga e da uretra. A unidade 
funcional do rim onde a urina é formada é 
denominada de néfron. Depois de formada, a 
urina segue pelos ureteres até a bexiga, onde 
ela é armazenada até ser eliminada através da 
uretra (Figura 1).
 O rim de um indivíduo adulto pesa, mais ou menos, 150g, 
tem a forma de feijão e mede, aproximadamente, 12 cm 
de comprimento, 6 cm de largura e 2,5cm de espessura. 
 Na parte côncava do rim se localiza o hilo por onde os 
nervos, vasos sangüíneos e linfáticos entram e saem e é 
por onde sai o ureter que conecta cada rim a bexiga. 
 O rim pode, ainda ,ser dividido em três regiões, córtex, 
medula e pelve. Cada rim contém, aproximadamente, 
1.200.000 néfrons.
 Na realização do exame de urina vários tipos de amostras 
poderão ser utilizados, mas é importante ressaltar que 
cada uma apresenta características próprias e que os 
resultados, a partir delas obtidos podem ser distintos. 
 Contudo, independente do tipo de amostra, para que o 
resultado do exame de urina possa ser corretamente 
interpretado, tanto o horário de coleta da amostra 
quanto o horário de realização do exame deve ser 
anotado e constar do resultado emitido.
 Para a realização do exame de urina, a 
amostra considerada padrão ou mais 
adequada é a denominada comumente de 
primeira amostra da manhã. 
 Esta amostra deve ser colhida imediatamente 
após acordar, pela manhã, em jejum e antes 
de realizar qualquer atividade. É 
recomendado, ainda que esta amostra seja 
colhida após oito horas de repouso e, pelo 
menos quatro horas após a última micção.
 A primeira amostra da manhã é considerada como amostra padrão para a 
realização do exame de urina porque ela é mais concentrada que as outras 
amostras e porque nesta amostra se verifica maior crescimento das bactérias 
eventualmente presentes na bexiga, assim o resultado da analise realizada 
reflete melhor as condições do paciente. 
 Embora esta amostra seja considerada padrão, ela geralmente não é a 
utilizada nos laboratórios tendo em vista o tempo e as condições de transporte 
da mesma até o laboratório. 
 A utilização da primeira amostra da manhã para a realização do exame de 
urina se tem mostrado mais viável apenas de pacientes hospitalizados. 
 Segunda amostra da manhã. Esta amostra pode ser obtida com mais facilidade 
no laboratório que a primeira amostra da manhã. 
 Esta amostra deve ser colhida de duas a quatro horas após a primeira micção 
do dia. É importante lembrar que sua composição pode ser influenciada pela 
ingestão de alimentos e líquidos no desjejum. 
 Com o objetivo de aumentar a concentração de eventuais bactérias presentes 
na bexiga pode-se recomendar a restrição de ingestão de líquido após as 22:0 
horas. A segunda amostra da manhã é a amostra mais utilizada pelos 
laboratórios.
 bastante utilizada nos laboratórios para realização do 
exame de urina é a amostra randômica. 
 Esta amostra é colhida a qualquer momento do dia sendo 
recomendável que o intervalo de tempo entre a última 
micção e a coleta da amostra seja de pelo menos duas 
horas. 
 A composição pode é, certamente, influenciada pelos 
alimentos e líquidos ingeridos durante o dia. 
 A utilização da amostra randômica é inevitável em 
situação de emergência e urgência, freqüentes em 
ambiente hospitalar. Entretanto, a utilização da amostra 
randômica realização do exame de urina deve considerar 
a elevada possibilidade de resultados falsos negativos 
assim como resultados falsos positivos dentre os 
constituintes avaliados na realização do exame.
 Além das amostras de urina acima descritas, outras 
formas de colheita podem ser utilizadas, dependendo das 
condições e da idade dos(as) pacientes a serem obtidas as 
amostras de urina, como por exemplo: inserção de 
cateter; aspiração suprapúbica e sacos coletores. 
 Em crianças que ainda não apresentam controle urinário 
a obtenção de amostra de urina através da inserção de 
cateter de cateter estéril, especificamente, para este 
fim. Esta forma de coleta de amostra é relativamente 
invasiva e deve ser obtida por profissional específico. 
 A coleta a partir de cateter pode ser obtida através de 
punção estéril de cateter permanente introduzido no(a) 
paciente. Neste caso a amostra, jamais deve ser obtida a 
partir da bolsa coletora.
 Em vista desta dificuldade, geralmente, a coleta de 
amostra de urina de crianças que ainda não 
apresentam controle urinário se dá através da 
utilização de sacos coletores específicos disponíveis 
no mercado. 
 Para obtenção da amostra através de sacos coletores, 
é necessária a higiene prévia dos órgãos genitais para 
posterior aplicação do saco coletor específico. 
 Após aplicar o saco coletor se deve freqüentemente, 
verificar se a criança urinou. Contudo, apesar de 
todo cuidado o saco coletor deve ser trocado se após 
uma hora a criança não urinou.
 Contudo, apesar de todo cuidado o saco coletor deve 
ser trocado se após uma hora a criança não urinou. 
Esta amostra obtida conforme recomendado, 
freqüentemente, apresenta elevada contaminação 
com células epiteliais. 
 No caso de o saco coletor permanecer por mais de 
uma hora e a amostra for colhida depois deste tempo 
a possibilidade de contaminação maior da amostra é 
elevada, a ponto de comprometer a confiabilidade 
do resultado do exame de urina.
 Outra possibilidade de obtenção da amostra de urina 
é através aspiração suprapúbica após punção 
realizada por profissional médico. Procedimentos de 
assepsia são indispensáveis para a obtenção da 
amostra deste modo. 
 Para a obtenção da amostra de urina por punção 
suprapúbica a bexiga deve estar cheia e a punção 
ser realizada 1 centímetro acima do osso pubiano. 
Como em condições normais esta amostra é estéril, 
esta forma de coleta apresenta como grande 
vantagem a confiabilidade do resultado que indique 
a presença infecções do trato urinário ou de outros 
distúrbios do trato urinário.
 3.1.1 FRASCOS PARA COLETA DE AMOSTRAS DE URINA 
 O frasco a ser utilizado para colheita de urina deve ser translúcido 
(Figura 2) e rigorosamente limpo e fornecido pelo laboratório. Para 
a realização do exame de urina não é necessário que o frasco seja 
estéril. 
 Entretanto, quando a requisição inclui a realização de cultura de 
urina é imprescindível que o frasco seja estéril e de preferência que 
Os frascos devem, segundo European Urinalysis Guideline (2000), 
ter a capacidade de armazenar de 50 a 100ml e abertura de no 
mínimo 5 cm de diâmetro a fim de facilitar a colheita de amostra 
de urina tanto para pacientes do sexo masculino como pacientes do 
sexo feminino. 
 È recomendado também que o frasco tenha base ampla, de forma 
que seja difícil que o mesmo vire acidentalmente. Os frascos devem 
estar livres de contaminação com substâncias interferentes. A 
reutilização de frascos para colheita de amostras de urina eleva o 
em muito o risco de contaminação com substâncias interferentes.
 A preparação do paciente e a colheita da amostra de urina 
constituem de fato a primeira fase do exame de urina. 
 O paciente deve ser, primeiramente, informado de que para a 
realização do exame solicitado, uma amostra de urina deve ser 
colhida. 
 Em seguida o paciente deve ser orientado sobre como se 
procede a coleta da amostra de urina para o exame solicitado. 
Esta orientação é importante para que o resultado da análise 
de urina a ser realizada permita a interpretação confiável que 
reflita as reais condições do trato urinário do(a) paciente. 
 As orientações ao(a) paciente devem ser fornecidas oralmente 
e por escrito, sendo estas, sempre, acompanhadas de material 
ilustrativo para facilitar a compreensão do(as) mesmo(a).
 A orientação e preparação adequadas dos pacientes, 
principalmente quando do sexo feminino, não se 
constitui, na prática diária, em procedimento dos 
mais simples. Por isto, frequentemente no 
deparamos com amostras de urina inadequadamente 
colhidas, que apresentam características de 
contaminação com fluxo vaginal. 
 No caso do sexo feminino as pacientes devem ser 
orientadas a lavarem cuidadosamente as mãos e 
após enxaguá-las, afastar os lábios vaginais e lavar 
os órgãos genitais externos em torno da uretra com 
água e secar com lenços de papel ou limpar com 
lenços de higiene. Após esta higiene os lábios 
vaginais devem ser mantidos afastados até a micção 
e durante a mesma.
 A primeira parte jato da micção deve ser desprezada, 
após deve-se colher, aproximadamente, 50 mililitros e 
desprezar o restante. As pacientes, devem colher a 
amostra de urina imediatamente após realizar a higiene, 
sem se levantar do vaso para isto, caso contrario o 
procedimento de higiene deve ser repetido. 
 O rigor necessário na higiene dos órgãos genitais externos 
torna o êxito do procedimento de coleta difícil de ser 
alcançado. 
 Como alternativa para o procedimento de higiene no caso 
de pacientes do sexo feminino se pode recomendar que 
esta proceda a colheita da urina, após lavar bem as 
mãos, com os dedos indicado e médio afastar bem os 
grandes lábios vaginais e com leve pressão promover a 
retificação da uretra feminina, que normalmente 
apresenta uma curva descendente de aproximadamente 
45°.
 Os pacientes do sexo masculino devem ser 
orientados a lavarem cuidadosamente as mãos e 
após enxaguá-las, retrair o prepúcio, se existente, 
para permitir cuidadosa lavagem da glande 
peniana, apenas com água ou então realizar a 
limpeza desta com lenços de higiene. 
 Após esta higiene, sem permitir que o prepúcio 
volte a cobrir a glande peniana, deve ser realizada 
a coleta desprezando a primeira parte jato da 
micção, recolhendo no frasco fornecido pelo 
laboratório, aproximadamente, 50 mililitros e 
desprezando o restante da urina desta micção.
 Com relação ao volume da amostra é importante 
considerar que pacientes que apresentam 
distúrbios do trato urinário podem emitir 
diariamente apenas reduzido volume de urina, de 
modo que o volume total de uma micção seja até 
mesmo inferior a 10 mililitros. 
 Nestes casos as amostras de urina devem ser 
analisadas com qualquer que seja o volume de 
amostra obtido. 
 Depois de colhida a amostra deve ser anotada pelo 
laboratório o tipo de amostra que foi obtida, o 
horário de sua obtenção que dever ser informado 
ao médico requisitante, juntamente com o 
resultado da análise realizada.
 No caso de pacientes de ambulatório, não deve ser 
permitida a colheita da amostra de urina fora das 
dependências do mesmo tendo em vista não se dispor 
de garantia da hora de realização da mesma. 
 Se o laboratório estiver impedido de realizar o exame 
de urina no período uma hora após colheita da amostra, 
esta pode, excepcionalmente, ser mantida sob 
refrigeração entre 4 a 8° centígrados por até 8 horas, 
entretanto devem ser observados os cuidados relativos 
às possíveis alterações decorrentes deste procedimento 
que serão abordados no exame químico e no exame 
microscópico. 
 No caso de a amostra ser conservada sob refrigeração 
conforme, conforme descrito acima, o fato deve ser 
comunicado ao medico requisitante do exame.
 As amostras de “urina” devem ser cuidadosamente 
analisadas, sob todos os aspectos, pois diversos 
líquidos apresentam características físicas similares 
às da urina e também reagem com as tiras 
reagentes. 
 A preparação e orientação do(a) paciente para a 
realização do exame de urina deve, 
preferencialmente incluir questões como hábitos 
alimentares e medicação de utilizada pelo 
paciente, pois juntamente com a orientação 
quanto aos procedimentos relativos à higiene 
íntima e a colheita da amostra estas informações 
podem ser úteis na interpretação e na 
confiabilidade dos resultados.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Hamilton Nobrega
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
Lilian Keila Alves
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Hamilton Nobrega
 
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagemExames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Elys Regina
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
Joziane Brunelli
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
Julio Dutra
 
1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
Jéssica Bomfim
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
resenfe2013
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Claysson Xavier
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
Fábio Baía
 
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
HIAGO SANTOS
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
Stephany Strombeck
 
Aula 2
Aula 2   Aula 2
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
Cíntia Costa
 
1 c
1  c1  c
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
Roberta Araujo
 
Sistema hematológico
Sistema hematológicoSistema hematológico
Sistema hematológico
Denise Terenzi
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Inglid Fontoura
 

Mais procurados (20)

Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos RinsNefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
Nefrologia: Anatomia e Fisiologia dos Rins
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologiaAula 13   sistema urinário - anatomia e fisiologia
Aula 13 sistema urinário - anatomia e fisiologia
 
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagemExames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
Exames laboratoriais e-intervencoes-de-enfermagem
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
1ª Aula Bioquimica - http://bio-quimica.blogspot.com
 
1. coleta de sangue
1. coleta de sangue1. coleta de sangue
1. coleta de sangue
 
Hemotransfusão
Hemotransfusão Hemotransfusão
Hemotransfusão
 
Coleta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras emColeta, transporte e conservação de amostras em
Coleta, transporte e conservação de amostras em
 
Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
 
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Introdução a análises clínicas
Introdução a análises clínicasIntrodução a análises clínicas
Introdução a análises clínicas
 
Aula 2
Aula 2   Aula 2
Aula 2
 
Rins - Apresentação
Rins - ApresentaçãoRins - Apresentação
Rins - Apresentação
 
1 c
1  c1  c
1 c
 
Patologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinárioPatologias do sistema urinário
Patologias do sistema urinário
 
Sistema hematológico
Sistema hematológicoSistema hematológico
Sistema hematológico
 
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto    exame clinico (roteiros) - 7 ª edPorto    exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
Porto exame clinico (roteiros) - 7 ª ed
 

Destaque

Análises da urina
Análises da urinaAnálises da urina
Análises da urina
giovani
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
rdgomlk
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
Arley Melo
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
Juliana Lima
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
Marcia Rodrigues
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
P Lima
 
111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
ReginaReiniger
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
ReginaReiniger
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
Anderson Galvao
 
Manual de hematologia
Manual de hematologiaManual de hematologia
Manual de hematologia
Priscila Oliveira
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
P Lima
 
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
Gregorio Leal da Silva
 
Câmara de neubauer
Câmara de neubauerCâmara de neubauer
Câmara de neubauer
Evaneide Ferreira
 
Urina rotina
Urina rotinaUrina rotina
Urina rotina
Cínthia Corrêa
 
Análises especiais de urina
Análises especiais de urinaAnálises especiais de urina
Análises especiais de urina
rafaelmenezes
 
6. líquidos corporais e os rins
6. líquidos corporais e os rins6. líquidos corporais e os rins
6. líquidos corporais e os rins
Lorrane1
 
3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia
omar
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
Maria Jaqueline Mesquita
 
Exame hemograma
Exame hemogramaExame hemograma
Exame hemograma
Rachel de Queiroz
 

Destaque (20)

Análises da urina
Análises da urinaAnálises da urina
Análises da urina
 
Urinalise - 2010
Urinalise - 2010Urinalise - 2010
Urinalise - 2010
 
Exame quimico da urina
Exame quimico da urinaExame quimico da urina
Exame quimico da urina
 
Urinálise
UrináliseUrinálise
Urinálise
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
 
111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise111780598 questoes-urinalise
111780598 questoes-urinalise
 
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015Principais diisturbios do sistema urinario 2015
Principais diisturbios do sistema urinario 2015
 
Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015Aula urinalise 2015
Aula urinalise 2015
 
Apostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpqApostila coleta cnpq
Apostila coleta cnpq
 
Manual de hematologia
Manual de hematologiaManual de hematologia
Manual de hematologia
 
Estudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinicaEstudo dirigido pato clinica
Estudo dirigido pato clinica
 
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
APOSTILA DE MICOLOGIA CLÍNICA
 
Câmara de neubauer
Câmara de neubauerCâmara de neubauer
Câmara de neubauer
 
Urina rotina
Urina rotinaUrina rotina
Urina rotina
 
Análises especiais de urina
Análises especiais de urinaAnálises especiais de urina
Análises especiais de urina
 
6. líquidos corporais e os rins
6. líquidos corporais e os rins6. líquidos corporais e os rins
6. líquidos corporais e os rins
 
3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia3246166 practicas-de-hematologia
3246166 practicas-de-hematologia
 
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp0238515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
38515565 bioquimica-da-urina-110512144604-phpapp02
 
Exame hemograma
Exame hemogramaExame hemograma
Exame hemograma
 

Semelhante a Urinalise 1

uroanalise livro.pdf
uroanalise livro.pdfuroanalise livro.pdf
uroanalise livro.pdf
EmilianaGonalves1
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
LarissaMachado97
 
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptxFundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
VeridyanaValverde1
 
Alula contrastado urografia e uretrocistografia
Alula contrastado  urografia e uretrocistografiaAlula contrastado  urografia e uretrocistografia
Alula contrastado urografia e uretrocistografia
lucianooliveira306
 
ELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EAS
ELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EASELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EAS
ELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EAS
vitorandrey
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinárioInfecção do trato urinário
Infecção do trato urinário
rodsilva2013
 
Atlas de sedimento_urinario_com_fotos
Atlas de sedimento_urinario_com_fotosAtlas de sedimento_urinario_com_fotos
Atlas de sedimento_urinario_com_fotos
Abraham Jorque
 
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptxA 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
FabianoDoVale
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Aula de Urinálise Conceitos Básicos.pdf
Aula de Urinálise Conceitos Básicos.pdfAula de Urinálise Conceitos Básicos.pdf
Aula de Urinálise Conceitos Básicos.pdf
nataniacoutinho1
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
Maria Jaqueline Mesquita
 
Apostila enfermagem cirurgica
Apostila   enfermagem cirurgica Apostila   enfermagem cirurgica
Apostila enfermagem cirurgica
Ricardo Araujo
 
CETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjj
CETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjjCETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjj
CETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjj
RicardoGabriel55
 
CETERP_slide[1][1].pptx
CETERP_slide[1][1].pptxCETERP_slide[1][1].pptx
CETERP_slide[1][1].pptx
RicardoGabriel55
 
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urinaInterpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Aélida Canuto
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
Rafael Lima
 
Biomedicina
BiomedicinaBiomedicina
URINA II.pptx
URINA II.pptxURINA II.pptx
URINA II.pptx
MendesMalude
 
Aula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxx
Aula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxxAula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxx
Aula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxx
yasminnnasscimento
 

Semelhante a Urinalise 1 (20)

uroanalise livro.pdf
uroanalise livro.pdfuroanalise livro.pdf
uroanalise livro.pdf
 
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdfAula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
Aula 10- Coleta de materiais laboratoriais.pdf
 
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptxFundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
Fundamentos de Enfermagem - Grau 3 (2).pptx
 
Alula contrastado urografia e uretrocistografia
Alula contrastado  urografia e uretrocistografiaAlula contrastado  urografia e uretrocistografia
Alula contrastado urografia e uretrocistografia
 
ELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EAS
ELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EASELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EAS
ELEMENTOS ANORMAIS E SEDIMENTOSCOPIA - EAS
 
Infecção do trato urinário
Infecção do trato urinárioInfecção do trato urinário
Infecção do trato urinário
 
Atlas de sedimento_urinario_com_fotos
Atlas de sedimento_urinario_com_fotosAtlas de sedimento_urinario_com_fotos
Atlas de sedimento_urinario_com_fotos
 
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptxA 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
A 3.1 Coleta de Exames AE 64.pptx
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Aula de Urinálise Conceitos Básicos.pdf
Aula de Urinálise Conceitos Básicos.pdfAula de Urinálise Conceitos Básicos.pdf
Aula de Urinálise Conceitos Básicos.pdf
 
80502431 urinalise
80502431 urinalise80502431 urinalise
80502431 urinalise
 
Apostila enfermagem cirurgica
Apostila   enfermagem cirurgica Apostila   enfermagem cirurgica
Apostila enfermagem cirurgica
 
CETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjj
CETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjjCETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjj
CETERP_slide[1][1].pptxhhhhhhhhhhjjjjjjjj
 
CETERP_slide[1][1].pptx
CETERP_slide[1][1].pptxCETERP_slide[1][1].pptx
CETERP_slide[1][1].pptx
 
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urinaInterpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
Interpretacao de exame_laboratoriais_o_exame_sumario_de_urina
 
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISEPESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
PESQUISA BIBLIOGRÁFICA HEMODIÁLISE
 
Biomedicina
BiomedicinaBiomedicina
Biomedicina
 
URINA II.pptx
URINA II.pptxURINA II.pptx
URINA II.pptx
 
Aula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxx
Aula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxxAula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxx
Aula sobre Cateterismo Vesical.pptxxxxxxx
 

Mais de Rosimeire Areias

Livreto SAE
Livreto SAELivreto SAE
Livreto SAE
Rosimeire Areias
 
Protocolo acidentes material_biologico_06052013
Protocolo acidentes material_biologico_06052013Protocolo acidentes material_biologico_06052013
Protocolo acidentes material_biologico_06052013
Rosimeire Areias
 
manual acidentes
manual acidentesmanual acidentes
manual acidentes
Rosimeire Areias
 
Protocolo acidentes material biologico
Protocolo acidentes material biologicoProtocolo acidentes material biologico
Protocolo acidentes material biologico
Rosimeire Areias
 
Apostila dnit- tecnico infrestr
Apostila dnit-  tecnico infrestrApostila dnit-  tecnico infrestr
Apostila dnit- tecnico infrestr
Rosimeire Areias
 
Wagner costa ribeiro a ordem ambiental internacional
Wagner costa ribeiro   a ordem ambiental internacionalWagner costa ribeiro   a ordem ambiental internacional
Wagner costa ribeiro a ordem ambiental internacional
Rosimeire Areias
 
Manual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinasManual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinas
Rosimeire Areias
 
Edital etsus 0005
Edital etsus 0005Edital etsus 0005
Edital etsus 0005
Rosimeire Areias
 
Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Rosimeire Areias
 

Mais de Rosimeire Areias (9)

Livreto SAE
Livreto SAELivreto SAE
Livreto SAE
 
Protocolo acidentes material_biologico_06052013
Protocolo acidentes material_biologico_06052013Protocolo acidentes material_biologico_06052013
Protocolo acidentes material_biologico_06052013
 
manual acidentes
manual acidentesmanual acidentes
manual acidentes
 
Protocolo acidentes material biologico
Protocolo acidentes material biologicoProtocolo acidentes material biologico
Protocolo acidentes material biologico
 
Apostila dnit- tecnico infrestr
Apostila dnit-  tecnico infrestrApostila dnit-  tecnico infrestr
Apostila dnit- tecnico infrestr
 
Wagner costa ribeiro a ordem ambiental internacional
Wagner costa ribeiro   a ordem ambiental internacionalWagner costa ribeiro   a ordem ambiental internacional
Wagner costa ribeiro a ordem ambiental internacional
 
Manual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinasManual de..procedimentos vacinas
Manual de..procedimentos vacinas
 
Edital etsus 0005
Edital etsus 0005Edital etsus 0005
Edital etsus 0005
 
Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1Apresentacao legislacao em enfermagem 1
Apresentacao legislacao em enfermagem 1
 

Urinalise 1

  • 2.  A análise de amostras de urina para fins diagnósticos já era realizada em 1000 AC por sacerdotes egípcios que utilizavam amostras de urina para realizar um procedimento que pode ser considerado como o primeiro teste diagnóstico descrito na literatura.  O teste tinha como objetivo não apenas confirmar a gravidez, mas também identificar o sexo do feto e consistia em derramar urina recém emitida sobre uma mistura de sementes de cereais. Caso as sementes germinassem o teste era considerado positivo para gravidez, e dependendo do tipo de sementes que germinava seria possível prever o sexo do feto (Lines, 1977).
  • 3.  1000 AC amostras de urina (diagnósticos)  Objetivo confirmar a gravidez, identificar o sexo do feto) derramar urina recém emitida sobre uma mistura de sementes de cereais.  (460-370 AC) Hipócrates Uroscopia (observação ) composição da urina durante o curso de estados febris verificados em crianças e adultos.  Análise observação de diferenças na cor, no odor e no aspecto do sedimento das amostras de urina.
  • 4.  No final do século VI e início do século VII Teophilus de Constantinopla escreveu um texto de urologia cujo objetivo foi preencher lacunas deixadas por Hipócrates e Galeno. Ele considerou as interpretações e os trabalhos destes e de outros inadequados, escrevendo è necessário procurar uma doutrina diferente e não examinar em vão as coisas como imaginadas por eles, e não levar em consideração opiniões e fatos que são duvidosas”. Em “A Urina” ele não apenas define pela primeira vez urina como um filtrado do sangue e como ela é formada, mas introduziu inovações instrutivas que transformaram a uroscopia em uma ferramenta diagnóstica de doenças.
  • 5.  Entre as inovações introduzidas podemos ressaltar: a) a descrição da cor da urina baseado em espectro utilizando dez tonalidades cromáticas que foram divididas em duas categorias (fina e espessa); b) a dedicação de capítulos específicos a varias partículas sólidas divididas por aspecto e cinco cores,sedimento normal e aspecto turvo.
  • 6.  Nó século XVI um pequeno grupo de cientistas liderados por Theophrastus Bombastus Von Hohenheim, conhecido como Paracelso (1493- 1541) insistia em não apenas olhar para a amostra de urina, queria obter mais informações da urina e desenvolveram novos métodos para verificar o que ela continha. Alguns destes métodos se mostraram úteis, como quando adicionou vinagre a algumas amostras de urina e verificou a precipitação de proteínas (Pagel, 1962). Assim este grupo iniciou o que denominamos atualmente de exame químico da urina.
  • 7.  O exame de urina sofreu evoluções ao longo da história.  No século XX, entre os cientistas que mais contribuíram para a evolução do exame de urina esta Thomas Addis (1881 a 1949) e o brasileiro Sylvio Soares de Almeida com seu estudo publicado na Revista do Hosptital das Clínicas, em 1961, com título “Estudos sobre infecções urinárias não específicas”.
  • 8. Atualmente a realização do exame de urina inclui a análise macroscópica (cor, espuma e transparência), o exame físico (densidade), o exame químico (pH, proteínas, glicose, hemoglobina, cetonas, bilirrubina, urobilinogênio, nitrito, esterase de leucócitos) e o exame microscópico (células, leucócitos, hemácias, cilindros, cristais, bactérias, etc.). Mas a padronização de sua realização, apesar de existir em diferentes países, inclusive no Brasil, apresenta diferenças significativas (European Urinalysis Guideline, 2000; NCCLS, 2001; ABNT NBR 15268, 2005).
  • 9.  A solicitação de sua realização inclui razões como:  a) auxiliar no diagnóstico de doenças;  b) realizar triagem de populações para doenças assintomáticas, congênitas, ou hereditárias;  c) monitorar a progressão de doenças;  d) monitorar a efetividade ou complicação da terapia e,  e) realizar a triagem de trabalhadores de indústrias para doenças adquiridas (NCCLS, 2001).
  • 10.  O exame de urina constitui ferramenta importante no: a) diagnóstico e acompanhamento de infecções do trato urinário;  b) diagnóstico e acompanhamento de doenças não infecciosas do trato urinário;  c) detecção de glicosúria de grupos de pacientes admitidos em hospitais em condição de emergência;  d) controle de pacientes diabéticos e  e) acompanhamento de pacientes com determinadas alterações metabólicas como vômitos, diarréia, acidose, alcalose, cetose ou litíase renal recorrente (European Urinalysis Guideline, 2000; NCCLS, 2001).
  • 11. O trato urinário é constituído de dois rins e dois ureteres, da bexiga e da uretra. A unidade funcional do rim onde a urina é formada é denominada de néfron. Depois de formada, a urina segue pelos ureteres até a bexiga, onde ela é armazenada até ser eliminada através da uretra (Figura 1).
  • 12.  O rim de um indivíduo adulto pesa, mais ou menos, 150g, tem a forma de feijão e mede, aproximadamente, 12 cm de comprimento, 6 cm de largura e 2,5cm de espessura.  Na parte côncava do rim se localiza o hilo por onde os nervos, vasos sangüíneos e linfáticos entram e saem e é por onde sai o ureter que conecta cada rim a bexiga.  O rim pode, ainda ,ser dividido em três regiões, córtex, medula e pelve. Cada rim contém, aproximadamente, 1.200.000 néfrons.
  • 13.  Na realização do exame de urina vários tipos de amostras poderão ser utilizados, mas é importante ressaltar que cada uma apresenta características próprias e que os resultados, a partir delas obtidos podem ser distintos.  Contudo, independente do tipo de amostra, para que o resultado do exame de urina possa ser corretamente interpretado, tanto o horário de coleta da amostra quanto o horário de realização do exame deve ser anotado e constar do resultado emitido.
  • 14.  Para a realização do exame de urina, a amostra considerada padrão ou mais adequada é a denominada comumente de primeira amostra da manhã.  Esta amostra deve ser colhida imediatamente após acordar, pela manhã, em jejum e antes de realizar qualquer atividade. É recomendado, ainda que esta amostra seja colhida após oito horas de repouso e, pelo menos quatro horas após a última micção.
  • 15.  A primeira amostra da manhã é considerada como amostra padrão para a realização do exame de urina porque ela é mais concentrada que as outras amostras e porque nesta amostra se verifica maior crescimento das bactérias eventualmente presentes na bexiga, assim o resultado da analise realizada reflete melhor as condições do paciente.  Embora esta amostra seja considerada padrão, ela geralmente não é a utilizada nos laboratórios tendo em vista o tempo e as condições de transporte da mesma até o laboratório.  A utilização da primeira amostra da manhã para a realização do exame de urina se tem mostrado mais viável apenas de pacientes hospitalizados.  Segunda amostra da manhã. Esta amostra pode ser obtida com mais facilidade no laboratório que a primeira amostra da manhã.  Esta amostra deve ser colhida de duas a quatro horas após a primeira micção do dia. É importante lembrar que sua composição pode ser influenciada pela ingestão de alimentos e líquidos no desjejum.  Com o objetivo de aumentar a concentração de eventuais bactérias presentes na bexiga pode-se recomendar a restrição de ingestão de líquido após as 22:0 horas. A segunda amostra da manhã é a amostra mais utilizada pelos laboratórios.
  • 16.  bastante utilizada nos laboratórios para realização do exame de urina é a amostra randômica.  Esta amostra é colhida a qualquer momento do dia sendo recomendável que o intervalo de tempo entre a última micção e a coleta da amostra seja de pelo menos duas horas.  A composição pode é, certamente, influenciada pelos alimentos e líquidos ingeridos durante o dia.  A utilização da amostra randômica é inevitável em situação de emergência e urgência, freqüentes em ambiente hospitalar. Entretanto, a utilização da amostra randômica realização do exame de urina deve considerar a elevada possibilidade de resultados falsos negativos assim como resultados falsos positivos dentre os constituintes avaliados na realização do exame.
  • 17.  Além das amostras de urina acima descritas, outras formas de colheita podem ser utilizadas, dependendo das condições e da idade dos(as) pacientes a serem obtidas as amostras de urina, como por exemplo: inserção de cateter; aspiração suprapúbica e sacos coletores.  Em crianças que ainda não apresentam controle urinário a obtenção de amostra de urina através da inserção de cateter de cateter estéril, especificamente, para este fim. Esta forma de coleta de amostra é relativamente invasiva e deve ser obtida por profissional específico.  A coleta a partir de cateter pode ser obtida através de punção estéril de cateter permanente introduzido no(a) paciente. Neste caso a amostra, jamais deve ser obtida a partir da bolsa coletora.
  • 18.  Em vista desta dificuldade, geralmente, a coleta de amostra de urina de crianças que ainda não apresentam controle urinário se dá através da utilização de sacos coletores específicos disponíveis no mercado.  Para obtenção da amostra através de sacos coletores, é necessária a higiene prévia dos órgãos genitais para posterior aplicação do saco coletor específico.  Após aplicar o saco coletor se deve freqüentemente, verificar se a criança urinou. Contudo, apesar de todo cuidado o saco coletor deve ser trocado se após uma hora a criança não urinou.
  • 19.  Contudo, apesar de todo cuidado o saco coletor deve ser trocado se após uma hora a criança não urinou. Esta amostra obtida conforme recomendado, freqüentemente, apresenta elevada contaminação com células epiteliais.  No caso de o saco coletor permanecer por mais de uma hora e a amostra for colhida depois deste tempo a possibilidade de contaminação maior da amostra é elevada, a ponto de comprometer a confiabilidade do resultado do exame de urina.
  • 20.  Outra possibilidade de obtenção da amostra de urina é através aspiração suprapúbica após punção realizada por profissional médico. Procedimentos de assepsia são indispensáveis para a obtenção da amostra deste modo.  Para a obtenção da amostra de urina por punção suprapúbica a bexiga deve estar cheia e a punção ser realizada 1 centímetro acima do osso pubiano. Como em condições normais esta amostra é estéril, esta forma de coleta apresenta como grande vantagem a confiabilidade do resultado que indique a presença infecções do trato urinário ou de outros distúrbios do trato urinário.
  • 21.  3.1.1 FRASCOS PARA COLETA DE AMOSTRAS DE URINA  O frasco a ser utilizado para colheita de urina deve ser translúcido (Figura 2) e rigorosamente limpo e fornecido pelo laboratório. Para a realização do exame de urina não é necessário que o frasco seja estéril.  Entretanto, quando a requisição inclui a realização de cultura de urina é imprescindível que o frasco seja estéril e de preferência que Os frascos devem, segundo European Urinalysis Guideline (2000), ter a capacidade de armazenar de 50 a 100ml e abertura de no mínimo 5 cm de diâmetro a fim de facilitar a colheita de amostra de urina tanto para pacientes do sexo masculino como pacientes do sexo feminino.  È recomendado também que o frasco tenha base ampla, de forma que seja difícil que o mesmo vire acidentalmente. Os frascos devem estar livres de contaminação com substâncias interferentes. A reutilização de frascos para colheita de amostras de urina eleva o em muito o risco de contaminação com substâncias interferentes.
  • 22.  A preparação do paciente e a colheita da amostra de urina constituem de fato a primeira fase do exame de urina.  O paciente deve ser, primeiramente, informado de que para a realização do exame solicitado, uma amostra de urina deve ser colhida.  Em seguida o paciente deve ser orientado sobre como se procede a coleta da amostra de urina para o exame solicitado. Esta orientação é importante para que o resultado da análise de urina a ser realizada permita a interpretação confiável que reflita as reais condições do trato urinário do(a) paciente.  As orientações ao(a) paciente devem ser fornecidas oralmente e por escrito, sendo estas, sempre, acompanhadas de material ilustrativo para facilitar a compreensão do(as) mesmo(a).
  • 23.  A orientação e preparação adequadas dos pacientes, principalmente quando do sexo feminino, não se constitui, na prática diária, em procedimento dos mais simples. Por isto, frequentemente no deparamos com amostras de urina inadequadamente colhidas, que apresentam características de contaminação com fluxo vaginal.  No caso do sexo feminino as pacientes devem ser orientadas a lavarem cuidadosamente as mãos e após enxaguá-las, afastar os lábios vaginais e lavar os órgãos genitais externos em torno da uretra com água e secar com lenços de papel ou limpar com lenços de higiene. Após esta higiene os lábios vaginais devem ser mantidos afastados até a micção e durante a mesma.
  • 24.  A primeira parte jato da micção deve ser desprezada, após deve-se colher, aproximadamente, 50 mililitros e desprezar o restante. As pacientes, devem colher a amostra de urina imediatamente após realizar a higiene, sem se levantar do vaso para isto, caso contrario o procedimento de higiene deve ser repetido.  O rigor necessário na higiene dos órgãos genitais externos torna o êxito do procedimento de coleta difícil de ser alcançado.  Como alternativa para o procedimento de higiene no caso de pacientes do sexo feminino se pode recomendar que esta proceda a colheita da urina, após lavar bem as mãos, com os dedos indicado e médio afastar bem os grandes lábios vaginais e com leve pressão promover a retificação da uretra feminina, que normalmente apresenta uma curva descendente de aproximadamente 45°.
  • 25.  Os pacientes do sexo masculino devem ser orientados a lavarem cuidadosamente as mãos e após enxaguá-las, retrair o prepúcio, se existente, para permitir cuidadosa lavagem da glande peniana, apenas com água ou então realizar a limpeza desta com lenços de higiene.  Após esta higiene, sem permitir que o prepúcio volte a cobrir a glande peniana, deve ser realizada a coleta desprezando a primeira parte jato da micção, recolhendo no frasco fornecido pelo laboratório, aproximadamente, 50 mililitros e desprezando o restante da urina desta micção.
  • 26.  Com relação ao volume da amostra é importante considerar que pacientes que apresentam distúrbios do trato urinário podem emitir diariamente apenas reduzido volume de urina, de modo que o volume total de uma micção seja até mesmo inferior a 10 mililitros.  Nestes casos as amostras de urina devem ser analisadas com qualquer que seja o volume de amostra obtido.  Depois de colhida a amostra deve ser anotada pelo laboratório o tipo de amostra que foi obtida, o horário de sua obtenção que dever ser informado ao médico requisitante, juntamente com o resultado da análise realizada.
  • 27.  No caso de pacientes de ambulatório, não deve ser permitida a colheita da amostra de urina fora das dependências do mesmo tendo em vista não se dispor de garantia da hora de realização da mesma.  Se o laboratório estiver impedido de realizar o exame de urina no período uma hora após colheita da amostra, esta pode, excepcionalmente, ser mantida sob refrigeração entre 4 a 8° centígrados por até 8 horas, entretanto devem ser observados os cuidados relativos às possíveis alterações decorrentes deste procedimento que serão abordados no exame químico e no exame microscópico.  No caso de a amostra ser conservada sob refrigeração conforme, conforme descrito acima, o fato deve ser comunicado ao medico requisitante do exame.
  • 28.  As amostras de “urina” devem ser cuidadosamente analisadas, sob todos os aspectos, pois diversos líquidos apresentam características físicas similares às da urina e também reagem com as tiras reagentes.  A preparação e orientação do(a) paciente para a realização do exame de urina deve, preferencialmente incluir questões como hábitos alimentares e medicação de utilizada pelo paciente, pois juntamente com a orientação quanto aos procedimentos relativos à higiene íntima e a colheita da amostra estas informações podem ser úteis na interpretação e na confiabilidade dos resultados.