SlideShare uma empresa Scribd logo
Estou lidando com um problema ainda indefinido e preciso fazer o diagnóstico.
Raciocínio Clínico
Estou lidando com um problema ainda
indefinido e preciso fazer o diagnóstico.
● Como aprendemos
raciocínio clínico?
● Essas figuras são
familiares e cotidianas
para nós?
● Preciso realmente
saber usá-las?
Hoje, iremos tratar somente de
processo diagnóstico
Aliás, o assunto raciocínio clínico não se aplica
exclusivamente ao processo diagnóstico, mas
também à questões de tratamento,
prognóstico, rastreio, sobrevida, qualidade de
vida, custo-benefício.
Exercício com o colega ao lado:
Relembrar situações que vivenciamos nessa
última semana que envolveram diagnóstico e
que nos botaram prá pensar. Situações em que
tivemos que estudar, analisar, refletir, solicitar
exames…
Anotar em um papel.
5 minutos!!!
O que enfrentamos na
semana passada?
- Preceptor!, eu tô com uma paciente que estou fechando o diagnóstico de
SOP e eu não sei direito como interpretar esses valores de LH e FSH.
- Vamos ver, LH em 13 ui/L. Acho que está bastante elevado.
- Pois eu achei também, mas com isso eu posso fechar o diagnóstico de SOP?
- Sim, o diagnóstico de SOP é um pouco controverso e existe muito
debate a respeito, porém, alguns estudos demonstram que mulheres com
SOP costumam ter valores de LH acima do normal. Com isso acho bastante
provável o diagnóstico de SOP nessa tua paciente.
- Mas então eu não preciso solicitar aqueles outros exames de testosterona e
DHEA-S?
- Não precisa, mas me parece que esse assunto está um pouco
confuso prá você. Vou te recomendar uma literatura falando sobe isso -
http://web.b.ebscohost.com/dynamed/DisplayEPFT?db=mdc&AN=18549684&ftt=p&site=ehost-
live&direct=true&linktitle=Polycystic%20ovary%20syndrome&currentchunkiid=116286&sid=c6112c30-20d4-462a-8a00-1c35f3ce8138@sessionmgr198&vid=4
- Preceptor, eu estou com uma paciente minha que eu pedi uma radiografia, mas que
veio normal. Eu estava pensando numa pneumonia e estava querendo passar um
antibiótico prá ela, mas a radiografia estava normal. Será que não pode ser uma
daquelas pneumonias por germes atípicos?
-Germes atípicos? Como assim?
- Ahhh, sei lá, tipo Legionela, Mycoplasma…
-Sei, mas por que você estava pensando que ela tem uma pneumonia?
- Pelo quadro dela, sabe, tosse, falta de ar, cansaço… parece que teve um pouco de
febre e sem muito apetite. Mas ela veio caminhando da casa dela, ai achei que não
era assim uma falta de ar muito importante. Daí eu pensei em radiografar, mas o
exame veio normal.
- E no exame físico?
- Difícil, sabe. Ela é meio obesa e difícil de examinar. Acho até que a falta de ar pode
ser um pouco pela obesidade dela.
- OK. temos que ver melhor isso, hein. Pensou em pedir um BAAR? Aqui tem
muita tuberculose e você sabe disso.
- Eu sei, mas eu não pensei em tuberculose não.
- Preceptor, tem um paciente meu que vem se queixando de tontura faz
algum tempo e ele veio agora com um remédio da UPA dizendo que deram lá
prá ele.
- Sim, e daí?!
- Bem, parece que ele está um pouco melhor com esse Vertix, mas ele ainda
não está bem e ele me falou que está preocupado com isso.
- Com isso o quê?
- Ele não sabe se vai ter que ficar tomando esse remédio prá sempre, porque
tomou por uma semana e melhorou, mas quando parou, voltou a sentir.
- Sei, é uma tontura que melhora com Vertix então!
- É, melhorou, mas ele não quer ficar tomando isso prá sempre.
- Ele tem algum sinal de alarme? Alteração no exame neurológico?
Déficit auditivo? Nistagmo? Alteração de marcha?
- é… não.
O que acharam dessas três
conversas?
?!
O conhecimento prévio do
residente foi abordado?
Os residentes
foram bem
orientados?
Os pacientes
foram bem
avaliados?
Será que ele
acertou o
diagnóstico?
Será que ele acertaria novamente, caso
aparecesse um outro paciente com um
quadro parecido?
O que pode acontecer?!
- Você deveria estudar mais SOP!
- Você deveria estudar mais labirintite!
Estudar SOP e labirintite não
adiantaria muito nesses dois casos,
afinal, há muitos problemas
envolvidos no raciocínio clínico aqui.
O problema não era propriamente
SOP ou tontura, mas sim, ter um
raciocínio clínico claro e ordenado.
E então?! Como fazer para estruturar o
raciocínio clínico dos nossos residentes?
Começamos pela curva ROC?
Likelihood Ratios?
Nomograma de Fagan?
Péssima Idéia
Passo a Passo do Raciocínio Clínico.
1. Adquir bons dados.
2. Determinar qual o problema clínico em questão
3. Desenvolver um quadro de diagnósticos diferenciais.
4. Ordenar minhas hipóteses.
5. Dirigir meus “testes” de acordo com essa lista de
hipóteses que formulei.
6. Revisar minha lista de acordo com os resultados dos
testes que realizei.
7. “Testar” novamente.
Adquirir bons dados.
Dados podem vir de informações da entrevista,
sinais e achados no exame físico ou dados de
exames complementares que o paciente traga
consigo.
1.
Determinar qual o problema
clínico em questão
Aqui somamos os dados do primeiro passo e
enquadramos a história do paciente dentro de um
“problema clínico” ou Guideline.
● Dor pélvica crônica cíclica
● Amenorréia secundária
● Cefaléia crônica diária
● Perda de peso involuntária
● Parestesias
2.
● Dispnéia
● Vertigem
● Síncope
● Dor torácica
● Dispepsia
● LUTS
Desenvolver um bom quadro
de diagnósticos diferenciais.
Aqui temos uma etapa um pouco mais elaborada e que
depende do guideline em questão. Teremos sempre que
pensar em um enquadramento para o problema.
3.
● Anatômico
● Orgãos e sistemas
● Fisiopatológico
● Mnemônico
● Miscelânea
Ordenar minhas hipóteses
● hipótese principal.
● “must not miss”
● hipóteses alternativas
Probabilidades pré teste e prevalência. Aqui
introduzimos novos conceitos do dia.
4.
Probabilidades se distribuem em uma Escala Finita
Não existem probabilidades
infinitas, afinal, não é provável
que frente a um problema, as
hipóteses diagnósticas somem
mais do que 100% de
probabilidade.
O que chamamos de Probabilidade Pré Teste é
a lista de todas as hipóteses que levantamos
ordenada do mais provável para o menos
provável.
A soma de todas essas probabilidades não
pode exceder 100%.
Probabilidades se distribuem em uma Escala Finita
Mas como saber a Probabilidade Pré Teste?
Essa informação pode vir de uma combinação de
várias fontes de informação.
● Pode vir da prevalência do problema na população.
● Pode vir da prevalência do problema em pessoas
que apresentam-se dentro de um quadro clínico
sindrômico.
● Pode vir de um exame clínico ou laboratorial.
PPréT
A PPréT de um homem obeso com 55 anos ter diabete é a
prevalência do problema na população com 55 anos.
A PPréT de uma mulher com dor pélvica aguda estar com DIP
não é a frequência de DIP na população geral, mas a frequência
( quantos %) de DIP nas mulheres com dor pélvica aguda (em
100%).
A PPréT de uma mulher de 68 anos com angina atípica ser
cardiopata isquêmica não é a prevalência de CI nessa
população, mas a frequência desse diagnóstico entre as
mulheres com dor torácica avaliada como angina atípica.
População de homens com 55 anos = 100%
População com Dor Pélvica Aguda = 100%
População de mulheres
com dor torácica = 100%
Dirigir meus “testes” de acordo com essa
lista de hipóteses que formulei.
Aqui é de extrema importância saber a
diferença que poderá fazer pedir um exame ou
não, ou seja, saber em que mudará a
probabilidade da doença.
5.
Somente agora aquelas figuras
“assustadoras” entram no nosso raciocínio.
Sensibilidade: é a probabilidade de resultado positivo nos doentes
(verdadeiro positivo).
Especificidade: é a probabilidade de resultado negativo nos não-
doentes (verdadeiro negativo).
Valor preditivo positivo: é a probabilidade da presença da doença
quando o teste é positivo.
Valor preditivo negativo: é a probabilidade da ausência de doença
quando o teste é negativo.
Razão de Verossimilhança (RV): é a probabilidade de um
determinado resultado em alguém com a doença dividida pela probabilidade
do mesmo resultado em alguém sem a doença. Pode ser positiva ou negativa.
Sensibilidade - a/a+c
Especificidade - d/b+d
VPP - a/a+b
VPN - d/c+d
acurácia = a+d/a+b+c+d
RVP - (a/a+c)/(b/b+d)
RVN - (c/a+c)/(d/b+d)
Sensíveis
● Quando um teste, sinal ou
sintoma de um paciente for
muito sensível, o resultado
negativo pode nos excluir o
diagnóstico.
Específicos
● Quando um teste, sinal ou sintoma
de um paciente for muito específico,
o resultado positivo pode nos
confirmar o diagnóstico.
Uso dos Testes - como eles são
diferentes?
SpPinSnNout
BAAR para tuberculose
Albuminúria para
síndrome nefrótica
3 ou 4 respostas positivas ao CAGETeste Rápido
para HIV e Sífilis
Por que tantos números?
Cada uma dessas medidas diz respeito a uma
informação na relação entre teste, paciente e
população de estudo.
Sensibilidade, especificidade e acurárica dizem
respeito ao teste em si.
Valores preditivos dizem respeito à verdade do
resultado positivo ou negativo.
E as Razões de Verossimilhança?
Dizem respeito ao meu paciente (dados
clínicos que me levaram a uma PPréT) frente
ao exame. RV+ e RV- são razões de
probabilidades, ou seja, a probabilidade do
evento sobre a probabilidade do não evento.
RVP = (sensibilidade) / (1 - especificidade)
RVN = (I -sensibilidade) / (especifidade )
Revisar minha lista de acordo com os
resultados dos testes que realizei.
Duas coisas acontecem agora: confirmar (ou
aumentar a probabilidade) de uma doença X e
eliminar (ou diminuir a probabilidade) de uma
doença Y.
6.
Probabilidades se distribuem em uma Escala Finita
Minhas hipóteses vão se
rearranjar numa escala de
100% de probabilidade.
Algumas vão perder espaço,
outras vão ganhar espaço na
minha régua PPréT.
Algumas continhas a mais
Converter probabilidade em chance:
40% de PpréT significa que de 100, 40 são evento e
60 não evento (100-40).
Como chance - 40:60, ou 4:6
Multiplicando pela RV+ (p. ex. 10) 10*4:6 = 40:6
Transformando novamente em probabilidade: o total de
eventos é 40+6 = 46, portanto a probabilidade será de
40/46 ou 0,87 (87%).
Note que 40% * 10 não é 87%!!!
Como defino os limites nessa régua?
Depende da gravidade do problema com que
estou lidando e suas hipóteses.
Cistite, Faringite Estreptocócica, Tuberculose,
Artrite Reumatóide, Lupus.
“Testar” novamente.
Até que o processo todo se feche e o
diagnóstico seja alcançado.
7.
Quanto tempo levamos para
concluir esse processo?
10 minutos?
10 dias?
10 meses?
Quanto tempo levamos para:
● diagnosticar uma pneumonia em um idoso?
● descobrir a causa de uma amenorréia
secundária?
● descobrir por que o sr. Amâncio chega na
clínica causando tumulto e assustando toda
a equipe?
Vamos Trabalhar?
Analisar os casos clínicos.
Enquadrar o quadro sindrômico.
Listar as hipóteses no quadro.
Listar as hipóteses no caso do meu paciente.
Testar as hipóteses.
Avaliar Probabilidades Pré Teste.
E nossos casos do início?
Qual era o guideline? SOP? Amenorréia
secundária? Qual a hora de pedir DHEA-s?
E a pneumonia? Era germes típicos ou
atípicos?
E a tontura? Por quanto tempo deve ser feito o
Vertix pra melhorar da labirintite?
Trabalho em pequenos grupos
Cada pequeno grupo cuidará de uma história e
deverá:
● Analisar se está seguindo corretamente os
passos.
● Demarcar se houve problema.
● Reorganizá-lo e colocá-lo em ordem.
30
minutos
Adquirir bons dados.
Será que ele fez uma boa entrevista?
Será que os dados coletados são confiáveis?
1.
● Observação direta
● Vídeo gravação
● Indo ao consultório quando o residente me
chama e refazendo a história
Como descubro
isso?
Determinar qual o problema
clínico em questão
Será que o problema foi enquadrado adequadamente?
2.
Dispnéia por
bronquite
Síncope por reação
vasovagal
Vertigem por
labirintite
LUTS por
prostatismo
Dispepsia por
gastrite
Dor torácica
por azia
Só saberei disso se eu provocar o residente no seu raciocínio e tentar saber
o conhecimento prévio dele sobre determinado assunto. Pedir que ele me
explique seu pensamento para tentar entender a imagem que ele fez na
mente sobre o que está acontecendo com o paciente.
Desenvolver um bom quadro
de diagnósticos diferenciais.
Quando o passo 2 fica falho, invariavelmente essa etapa fica muito confusa. É
nesse momento que começam a surgir as suspeitas de SOP e ICC.
3.
Quando eu suspeito
que isso está
acontecendo?
● Diagnósticos precipitados
● Pedidos de exames antes da hora
● Idéias mirabolantes de tratamento
Portanto, se eu ficar aguardando o residente me trazer a sua dúvida,
saberei que isso está acontecendo apenas nesses casos. Devo ficar
mais preocupado é com aqueles casos que o residente não me trás e
que tem a “certeza” do que está fazendo.
Ordenar minhas hipóteses
● hipótese principal.
● “must not miss”
● hipóteses alternativas
Essa é a etapa que vai me orientar à
fase dos exames, números, likelihood
ratios, curvas ROC.
4.
É um exercício que devo praticar diariamente com
meus residentes.
Dirigir meus “testes” de acordo com essa
lista de hipóteses que formulei.
Se eu consegui fazer todos os passos corretamente, por mais
que eu ainda não saiba com o que estou lidando e ainda me
sinta inseguro, estou menos perdido e sei quais foram os
passos que dei até aqui.
5.
Somente agora aquelas figuras
“assustadoras” entram no nosso raciocínio.
Mas, quando vamos falar delas?
Revisar minha lista de
acordo com os resultados
dos testes que realizei e
testar novamente.
O principal sintoma aqui é o momento em que o
residente começa a insistir naquele
diagnóstico que ele gostaria que estivesse
correto, mas que não bate com os achados
dos exames ou com o tratamento proposto.
6 e 7.
Aqui é onde
descobrimos muitos
casos, porém,
tardiamente. Muita
coisa já foi feita e
poderia ser evitada.
Afinal, como eu faço prá ajudar o
meu residente a desenvolver um
bom raciocínio clínico?
Exercício em grupo:
● Voltar aos casos iniciais.
● Desenvolver um plano de estudo focado nas etapas
que trabalhamos juntos e escrever no portfólio.
● Focar principalmente no ponto chave do caso.
30 minutos
Chegamos ao fim, mas...
...quando vamos trabalhar com esses monstrengos?
Um
pedaço
de
cada
vez
1. Beatriz, 37 anos
Está preocupada porque tem sentido
formigamento nas mãos há 6 meses. Uma
sensação incômoda entre formigamento e dor.
Sem melhora desde então, procurou observar
fatores de piora, mas não sabe o que poderia
estar lhe causando isso. Trabalha como
doméstica todos os dias da semana. Não tem
doenças ou vícios.
2. Beatriz, 37 anos
No último mês começou a sentir durante a
madrugada a mesma sensação de
formigamento e dor, sendo que chegou a ser
acordada pela sensação. Quando acordou
tentou agitar as mãos “prá ver se aliviava”. Em
alguns minutos a sensação amenizou, mas não
completamente.
3. Beatriz, 37 anos
Examinando você não encontrou limitações no
exame físico, sem dores ou sinais de sinovite
ou tendinopatia. Fez Tinnel e Phallen que
resultaram positivos e com isso você levantou
a hipótese de síndrome do túnel do carpo.
4. Beatriz, 37 anos
Frente ao diagnóstico de Síndrome do Túnel
do Carpo, o que você poderia propor como
tratamento à Beatriz?
Qual o benefício esperado para ela?
1. Seu José, 72 anos.
Veio na consulta com sua esposa, Aparecida, com quem
vive há 50 anos. Ela está preocupada por achá-lo
“esquecido das coisas”. Já se perdeu ao tentar voltar para
casa e teve que ser resgatado longe de casa por duas
vezes. Na consulta, responde quando você conversa com
ele, mas sempre com respostas curtas e não trás nenhum
assunto. A conversa se limita a você e D. Aparecida.
2. Seu José, 72 anos
Hígido até o momento, usava alguns
medicamentos prescritos ao longo dos últimos
anos - losartan 50 mg (1), metformina 850 (1) e
analgésicos para um dor lombar que o
incomodava nos últimos anos.
3. Seu José, 72 anos
Dificuldade de lembrar de eventos recentes. Você
tenta fazer com que ele converse e responda
diretamente às suas perguntas, mas as respostas
sempre são simples e evasivas, agindo como que
pedisse que sua esposa respondesse por ele.
Quando perguntado se sabia em que dia, mês e
ano estávamos, não soube responder. Você lhe
disse 3 palavras - casaco, janela e avião. Menos
de 5 minutos depois ele não se lembrava delas.
4. Seu José, 72 anos
No minimental pontuou 18 em 30 pontos.
No MIS conseguiu apenas 4 pontos.
Quais seriam os passos necessários no
raciocínio clínico nesse momento? Afinal, se
temos 66% de probabilidade de estarmos
lidando com Alzheimer, a mais comum das
causas, o que mais devemos fazer?
5. Seu José, 72 anos
Fechando o diagnóstico com Alzheimer, sua
esposa e os familiares te perguntam: Dr., não
seria bom darmos um remédio prá ele? Algum
remédio que ajude na memória? Ou talvez
algum remédio que ajude a evitar que a
doença progrida? Ouvimos falar da risperidona
- o que o sr. acha?
6. Seu José, 72 anos
1. Dona Petrona, 69 anos.
Dona Petrona veio preocupada porque tem
sentido falta de ar. Há 6 meses começou a
sentir uma falta de ar que nunca havia sentido
antes. Com dispnéia aos esforços habituais,
quase não conseguia mais cuidar da casa,
cozinhar, lavar a louça e até mesmo tomar
banho sozinha.
2. Dona Petrona, 69 anos.
Hipertensa de longa data e ex tabagista.
Parou de fumar depois que teve um
infarto há 1 ano atrás. Sentia, além do
cansaço aos esforços, momentos em que
lhe faltava o ar quando ia dormir e
algumas vezes foi despertada pela falta
de ar, tendo que levantar da cama.
3. Dona Petrona, 69 anos.
Afebril, com 105 bpm, ritmo regular
com algumas extrasístoles, S3 em
galope. Edema pré tibial 2+/4. Em
pulmões com crepitações em bases,
bilateralmente.
4. Dona Petrona, 69 anos.
Depois de levantar a suspeita de ICC, você
encontra uma área cardíaca aumentada na
radiografia de tórax e sinais de sobrecarga de
VE em ECG. Quais seriam as melhores opções
terapêuticas nesse caso?
1. Seu Silvio, 67 anos
Seu Sílvio veio preocupado porque tem sentido
falta de ar. Há 6 meses começou a sentir uma
falta de ar que nunca havia sentido antes. Com
dispnéia aos esforços habituais, quase não
conseguia mais cuidar da casa, cozinhar, lavar
a louça e até mesmo tomar banho sozinho.
2. Seu Silvio, 67 anos
Fuma 10 cigarros ao dia. Costumava fumar
mais quando era mais jovem e ainda
trabalhava, mas suas filhas sempre lhe
avisaram de que deveria parar. Ficou
preocupado e reduziu quando um amigo seu
faleceu por câncer de pulmão. Mesmo com
medo da doença, não parou.
3. Seu Silvio, 67 anos
Sempre achou que todos os fumantes
normalmente tem tosse e catarro, bem como
algum cansaço para as atividades do dia a dia.
Ultimamente o cansaço ficou pior do que era e
tem sentido que não consegue mais fazer os
esforços que fazia antes. Reduziu novamente o
cigarro, mas o catarro e a tosse persistiram.
4. Seu Silvio, 67 anos
Com a suspeita de DPOC no caso do S. Sílvio,
você solicita uma espiromatria e encontra uma
FEV1 em 60%. Qual seria a melhor conduta
terapêutica nesse momento?
Raciocínio clínico

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lesão Medular
Lesão MedularLesão Medular
Lesão Medular
Marcelo Lopes
 
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas FontesIncontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Lucas Fontes
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
Gilmar Roberto Batista
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
David Sadigursky
 
O que nao e ef
O que nao e efO que nao e ef
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
Caio Veloso da Costa, ICU-PT
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
resenfe2013
 
Síndrome do Imobilismo
Síndrome do ImobilismoSíndrome do Imobilismo
Síndrome do Imobilismo
Danyllo Lucas
 
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
José Alexandre Pires de Almeida
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
Renata Nobre
 
Alzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementaresAlzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementares
Luciana Mateus
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Fernando Didier
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
Ágatha Mayara
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
gisa_legal
 
Contracao muscular
Contracao muscularContracao muscular
Contracao muscular
Rafael Portela
 
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Daniel Valente
 
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânicaEfeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Doenca falciforme
Doenca falciformeDoenca falciforme
Doenca falciforme
dapab
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
IAPES - Instituto Amazonense de Aprimoramento e Ensino em Saúde
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
janinemagalhaes
 

Mais procurados (20)

Lesão Medular
Lesão MedularLesão Medular
Lesão Medular
 
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas FontesIncontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
Incontinência Urinária e Fecal No Caminho da Enfermagem Lucas Fontes
 
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
VMNI-Ventilação Mecânica Nao Invasiva
 
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David SadigurskyAula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
Aula Tratamento da Osteoartrose do Joelho - Dr David Sadigursky
 
O que nao e ef
O que nao e efO que nao e ef
O que nao e ef
 
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
ABCDE da Fisioterapia em Terapia Intensiva
 
Ventilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasivaVentilação Não-invasiva
Ventilação Não-invasiva
 
Síndrome do Imobilismo
Síndrome do ImobilismoSíndrome do Imobilismo
Síndrome do Imobilismo
 
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar FisioterapeutasExames laboratoriais parar Fisioterapeutas
Exames laboratoriais parar Fisioterapeutas
 
Teste de glicemia capilar slide
Teste de glicemia capilar   slideTeste de glicemia capilar   slide
Teste de glicemia capilar slide
 
Alzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementaresAlzheimer terapias complementares
Alzheimer terapias complementares
 
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOCDoença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica - DPOC
 
Slides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedularSlides trauma raquimedular
Slides trauma raquimedular
 
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
Hipertensao arterial infanc_e_adolesc sbp 2019
 
Contracao muscular
Contracao muscularContracao muscular
Contracao muscular
 
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
Índice Tornozelo-Braquial (ITB)
 
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânicaEfeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
Efeitos da toxicidade de oxigênio no paciente sob ventilação mecânica
 
Doenca falciforme
Doenca falciformeDoenca falciforme
Doenca falciforme
 
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensivaRelevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
Relevância do hemograma na conduta fisioterapêutica em terapia intensiva
 
Enxaqueca
Enxaqueca Enxaqueca
Enxaqueca
 

Destaque

Folder do PRMFC -SMS/RJ
Folder do PRMFC -SMS/RJFolder do PRMFC -SMS/RJ
Folder do PRMFC -SMS/RJ
Inaiara Bragante
 
Sessao de raciocinio clinico
Sessao de raciocinio clinicoSessao de raciocinio clinico
Sessao de raciocinio clinico
janinemagalhaes
 
Raciocínio clínico
Raciocínio clínicoRaciocínio clínico
Raciocínio clínico
Inaiara Bragante
 
Formulação de diagnóstico diferencial
Formulação de diagnóstico diferencialFormulação de diagnóstico diferencial
Formulação de diagnóstico diferencial
adlai lustosa
 
Rmnf2222
Rmnf2222Rmnf2222
Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2
Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2
Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2
João Mariano
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
biogeoma
 
Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)
Inaiara Bragante
 
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)
Inaiara Bragante
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
Eduardo Santana Cordeiro
 
Meu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemas
Meu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemasMeu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemas
Meu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemas
Leonardo Alves
 

Destaque (11)

Folder do PRMFC -SMS/RJ
Folder do PRMFC -SMS/RJFolder do PRMFC -SMS/RJ
Folder do PRMFC -SMS/RJ
 
Sessao de raciocinio clinico
Sessao de raciocinio clinicoSessao de raciocinio clinico
Sessao de raciocinio clinico
 
Raciocínio clínico
Raciocínio clínicoRaciocínio clínico
Raciocínio clínico
 
Formulação de diagnóstico diferencial
Formulação de diagnóstico diferencialFormulação de diagnóstico diferencial
Formulação de diagnóstico diferencial
 
Rmnf2222
Rmnf2222Rmnf2222
Rmnf2222
 
Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2
Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2
Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem v2
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)Curriculo baseado em competencias(1)
Curriculo baseado em competencias(1)
 
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)Edital   residência médica 2017 - ano opcional (1)
Edital residência médica 2017 - ano opcional (1)
 
Diagnóstico clínico
Diagnóstico clínicoDiagnóstico clínico
Diagnóstico clínico
 
Meu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemas
Meu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemasMeu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemas
Meu Prontuário - O prontuario medico orientado por problemas
 

Semelhante a Raciocínio clínico

Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebralCobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Carlos Ladeira
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
Nelio Dinis
 
Aula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica CancroAula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica Cancro
Cidalia Aguiar
 
Aula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica CancroAula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica Cancro
Cidalia Aguiar
 
Semiologia geral final
Semiologia geral finalSemiologia geral final
Semiologia geral final
Dr madhumati Varma
 
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdfSemiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
Jucie Vasconcelos
 
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
Ricardo Portela
 
Medicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidênciasMedicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidências
Ricardo Alexandre
 
Critérios de Validação
Critérios de ValidaçãoCritérios de Validação
Critérios de Validação
LABIMUNO UFBA
 
Sensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e EspecificidadeSensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e Especificidade
Daniela Frizon Alfieri
 
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Vic Fernandes
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
ctisaolucascopacabana
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
Ricardo Portela
 
delirium.pptx
delirium.pptxdelirium.pptx
delirium.pptx
GustavoRibeiro521422
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria
Leonardo Savassi
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Laped Ufrn
 
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã OC R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã O
LABIMUNO UFBA
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
angelitamelo
 
Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica
Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica
Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica
David Rodrigues
 

Semelhante a Raciocínio clínico (20)

Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebralCobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
Cobrafim brasil 2012 avaliação vertebral
 
Semiologia
SemiologiaSemiologia
Semiologia
 
Aula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica CancroAula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica Cancro
 
Aula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica CancroAula TeóRico Pratica Cancro
Aula TeóRico Pratica Cancro
 
Semiologia geral final
Semiologia geral finalSemiologia geral final
Semiologia geral final
 
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdfSemiologia 06   neurologia - semiologia neurológica pdf
Semiologia 06 neurologia - semiologia neurológica pdf
 
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacaoICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
ICSA29 Imunodiagnostico - Criterios de validacao
 
Medicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidênciasMedicina baseada em evidências
Medicina baseada em evidências
 
Critérios de Validação
Critérios de ValidaçãoCritérios de Validação
Critérios de Validação
 
Sensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e EspecificidadeSensibilidade e Especificidade
Sensibilidade e Especificidade
 
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
Aula Teste Diagnostico - Mestrado PPGMS nov2013
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
 
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
ICSA17 Imunologia (Prática) - Critérios de validação de ensaios de diagnóstico
 
delirium.pptx
delirium.pptxdelirium.pptx
delirium.pptx
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
 
2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria2012 cma prevenção quaternaria
2012 cma prevenção quaternaria
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
 
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã OC R I T E R I O S  D E  V A L I D A Ç Ã O
C R I T E R I O S D E V A L I D A Ç Ã O
 
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
As bases do raciocínio clínico para a prescrição farmacêutica e provisão de s...
 
Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica
Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica
Curso Curricular Consulta 1 ano - Decisão clínica
 

Mais de Inaiara Bragante

Parecer
ParecerParecer
Calendário SET_FEVEREIRO
Calendário SET_FEVEREIROCalendário SET_FEVEREIRO
Calendário SET_FEVEREIRO
Inaiara Bragante
 
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJFolder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Inaiara Bragante
 
Calendário temas aulas 2019 R1 e R2s
Calendário temas aulas 2019  R1 e R2sCalendário temas aulas 2019  R1 e R2s
Calendário temas aulas 2019 R1 e R2s
Inaiara Bragante
 
2017 é o ano do galo calendário teórico- r1
2017 é o ano do galo   calendário teórico- r12017 é o ano do galo   calendário teórico- r1
2017 é o ano do galo calendário teórico- r1
Inaiara Bragante
 
Artigo23 05 2017
Artigo23 05 2017Artigo23 05 2017
Artigo23 05 2017
Inaiara Bragante
 
D.o. 17 03-2016 (1)
D.o. 17 03-2016 (1)D.o. 17 03-2016 (1)
D.o. 17 03-2016 (1)
Inaiara Bragante
 
D.o. 17 03-2016
D.o. 17 03-2016D.o. 17 03-2016
D.o. 17 03-2016
Inaiara Bragante
 
Carteiradeserviços
CarteiradeserviçosCarteiradeserviços
Carteiradeserviços
Inaiara Bragante
 
Revista cremerj
Revista cremerjRevista cremerj
Revista cremerj
Inaiara Bragante
 
Memoria dr. roberto sánchez
Memoria dr. roberto sánchezMemoria dr. roberto sánchez
Memoria dr. roberto sánchez
Inaiara Bragante
 
Testes diagnósticos
Testes diagnósticosTestes diagnósticos
Testes diagnósticos
Inaiara Bragante
 
Carta aos residentes i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
Carta aos residentes   i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgaçãoCarta aos residentes   i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
Carta aos residentes i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
Inaiara Bragante
 
Residência
ResidênciaResidência
Residência
Inaiara Bragante
 
Residencia Uerj Donato
Residencia Uerj DonatoResidencia Uerj Donato
Residencia Uerj Donato
Inaiara Bragante
 
Formação em mfc donato
Formação em mfc donatoFormação em mfc donato
Formação em mfc donato
Inaiara Bragante
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
Inaiara Bragante
 
Aula6 01 2015
Aula6 01 2015Aula6 01 2015
Aula6 01 2015
Inaiara Bragante
 
Revistaout dez
Revistaout dezRevistaout dez
Revistaout dez
Inaiara Bragante
 

Mais de Inaiara Bragante (20)

Parecer
ParecerParecer
Parecer
 
Calendário SET_FEVEREIRO
Calendário SET_FEVEREIROCalendário SET_FEVEREIRO
Calendário SET_FEVEREIRO
 
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJFolder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
Folder do Programa de Residência em MFC - SMS/RJ
 
Calendário temas aulas 2019 R1 e R2s
Calendário temas aulas 2019  R1 e R2sCalendário temas aulas 2019  R1 e R2s
Calendário temas aulas 2019 R1 e R2s
 
2017 é o ano do galo calendário teórico- r1
2017 é o ano do galo   calendário teórico- r12017 é o ano do galo   calendário teórico- r1
2017 é o ano do galo calendário teórico- r1
 
Artigo23 05 2017
Artigo23 05 2017Artigo23 05 2017
Artigo23 05 2017
 
D.o. 17 03-2016 (1)
D.o. 17 03-2016 (1)D.o. 17 03-2016 (1)
D.o. 17 03-2016 (1)
 
D.o. 17 03-2016
D.o. 17 03-2016D.o. 17 03-2016
D.o. 17 03-2016
 
Carteiradeserviços
CarteiradeserviçosCarteiradeserviços
Carteiradeserviços
 
Revista cremerj
Revista cremerjRevista cremerj
Revista cremerj
 
Memoria dr. roberto sánchez
Memoria dr. roberto sánchezMemoria dr. roberto sánchez
Memoria dr. roberto sánchez
 
Testes diagnósticos
Testes diagnósticosTestes diagnósticos
Testes diagnósticos
 
Carta aos residentes i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
Carta aos residentes   i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgaçãoCarta aos residentes   i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
Carta aos residentes i encontro dos residentes em mfc - rj - divulgação
 
Residência
ResidênciaResidência
Residência
 
Residencia Uerj Donato
Residencia Uerj DonatoResidencia Uerj Donato
Residencia Uerj Donato
 
Formação em mfc donato
Formação em mfc donatoFormação em mfc donato
Formação em mfc donato
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
 
Ultimasvagas
UltimasvagasUltimasvagas
Ultimasvagas
 
Aula6 01 2015
Aula6 01 2015Aula6 01 2015
Aula6 01 2015
 
Revistaout dez
Revistaout dezRevistaout dez
Revistaout dez
 

Raciocínio clínico

  • 1. Estou lidando com um problema ainda indefinido e preciso fazer o diagnóstico. Raciocínio Clínico
  • 2. Estou lidando com um problema ainda indefinido e preciso fazer o diagnóstico. ● Como aprendemos raciocínio clínico? ● Essas figuras são familiares e cotidianas para nós? ● Preciso realmente saber usá-las?
  • 3. Hoje, iremos tratar somente de processo diagnóstico Aliás, o assunto raciocínio clínico não se aplica exclusivamente ao processo diagnóstico, mas também à questões de tratamento, prognóstico, rastreio, sobrevida, qualidade de vida, custo-benefício.
  • 4. Exercício com o colega ao lado: Relembrar situações que vivenciamos nessa última semana que envolveram diagnóstico e que nos botaram prá pensar. Situações em que tivemos que estudar, analisar, refletir, solicitar exames… Anotar em um papel. 5 minutos!!!
  • 5. O que enfrentamos na semana passada?
  • 6. - Preceptor!, eu tô com uma paciente que estou fechando o diagnóstico de SOP e eu não sei direito como interpretar esses valores de LH e FSH. - Vamos ver, LH em 13 ui/L. Acho que está bastante elevado. - Pois eu achei também, mas com isso eu posso fechar o diagnóstico de SOP? - Sim, o diagnóstico de SOP é um pouco controverso e existe muito debate a respeito, porém, alguns estudos demonstram que mulheres com SOP costumam ter valores de LH acima do normal. Com isso acho bastante provável o diagnóstico de SOP nessa tua paciente. - Mas então eu não preciso solicitar aqueles outros exames de testosterona e DHEA-S? - Não precisa, mas me parece que esse assunto está um pouco confuso prá você. Vou te recomendar uma literatura falando sobe isso - http://web.b.ebscohost.com/dynamed/DisplayEPFT?db=mdc&AN=18549684&ftt=p&site=ehost- live&direct=true&linktitle=Polycystic%20ovary%20syndrome&currentchunkiid=116286&sid=c6112c30-20d4-462a-8a00-1c35f3ce8138@sessionmgr198&vid=4
  • 7. - Preceptor, eu estou com uma paciente minha que eu pedi uma radiografia, mas que veio normal. Eu estava pensando numa pneumonia e estava querendo passar um antibiótico prá ela, mas a radiografia estava normal. Será que não pode ser uma daquelas pneumonias por germes atípicos? -Germes atípicos? Como assim? - Ahhh, sei lá, tipo Legionela, Mycoplasma… -Sei, mas por que você estava pensando que ela tem uma pneumonia? - Pelo quadro dela, sabe, tosse, falta de ar, cansaço… parece que teve um pouco de febre e sem muito apetite. Mas ela veio caminhando da casa dela, ai achei que não era assim uma falta de ar muito importante. Daí eu pensei em radiografar, mas o exame veio normal. - E no exame físico? - Difícil, sabe. Ela é meio obesa e difícil de examinar. Acho até que a falta de ar pode ser um pouco pela obesidade dela. - OK. temos que ver melhor isso, hein. Pensou em pedir um BAAR? Aqui tem muita tuberculose e você sabe disso. - Eu sei, mas eu não pensei em tuberculose não.
  • 8. - Preceptor, tem um paciente meu que vem se queixando de tontura faz algum tempo e ele veio agora com um remédio da UPA dizendo que deram lá prá ele. - Sim, e daí?! - Bem, parece que ele está um pouco melhor com esse Vertix, mas ele ainda não está bem e ele me falou que está preocupado com isso. - Com isso o quê? - Ele não sabe se vai ter que ficar tomando esse remédio prá sempre, porque tomou por uma semana e melhorou, mas quando parou, voltou a sentir. - Sei, é uma tontura que melhora com Vertix então! - É, melhorou, mas ele não quer ficar tomando isso prá sempre. - Ele tem algum sinal de alarme? Alteração no exame neurológico? Déficit auditivo? Nistagmo? Alteração de marcha? - é… não.
  • 9. O que acharam dessas três conversas? ?! O conhecimento prévio do residente foi abordado? Os residentes foram bem orientados? Os pacientes foram bem avaliados? Será que ele acertou o diagnóstico? Será que ele acertaria novamente, caso aparecesse um outro paciente com um quadro parecido?
  • 10. O que pode acontecer?! - Você deveria estudar mais SOP! - Você deveria estudar mais labirintite! Estudar SOP e labirintite não adiantaria muito nesses dois casos, afinal, há muitos problemas envolvidos no raciocínio clínico aqui. O problema não era propriamente SOP ou tontura, mas sim, ter um raciocínio clínico claro e ordenado.
  • 11. E então?! Como fazer para estruturar o raciocínio clínico dos nossos residentes? Começamos pela curva ROC? Likelihood Ratios? Nomograma de Fagan? Péssima Idéia
  • 12. Passo a Passo do Raciocínio Clínico. 1. Adquir bons dados. 2. Determinar qual o problema clínico em questão 3. Desenvolver um quadro de diagnósticos diferenciais. 4. Ordenar minhas hipóteses. 5. Dirigir meus “testes” de acordo com essa lista de hipóteses que formulei. 6. Revisar minha lista de acordo com os resultados dos testes que realizei. 7. “Testar” novamente.
  • 13. Adquirir bons dados. Dados podem vir de informações da entrevista, sinais e achados no exame físico ou dados de exames complementares que o paciente traga consigo. 1.
  • 14. Determinar qual o problema clínico em questão Aqui somamos os dados do primeiro passo e enquadramos a história do paciente dentro de um “problema clínico” ou Guideline. ● Dor pélvica crônica cíclica ● Amenorréia secundária ● Cefaléia crônica diária ● Perda de peso involuntária ● Parestesias 2. ● Dispnéia ● Vertigem ● Síncope ● Dor torácica ● Dispepsia ● LUTS
  • 15. Desenvolver um bom quadro de diagnósticos diferenciais. Aqui temos uma etapa um pouco mais elaborada e que depende do guideline em questão. Teremos sempre que pensar em um enquadramento para o problema. 3. ● Anatômico ● Orgãos e sistemas ● Fisiopatológico ● Mnemônico ● Miscelânea
  • 16. Ordenar minhas hipóteses ● hipótese principal. ● “must not miss” ● hipóteses alternativas Probabilidades pré teste e prevalência. Aqui introduzimos novos conceitos do dia. 4.
  • 17. Probabilidades se distribuem em uma Escala Finita Não existem probabilidades infinitas, afinal, não é provável que frente a um problema, as hipóteses diagnósticas somem mais do que 100% de probabilidade.
  • 18. O que chamamos de Probabilidade Pré Teste é a lista de todas as hipóteses que levantamos ordenada do mais provável para o menos provável. A soma de todas essas probabilidades não pode exceder 100%. Probabilidades se distribuem em uma Escala Finita
  • 19. Mas como saber a Probabilidade Pré Teste? Essa informação pode vir de uma combinação de várias fontes de informação. ● Pode vir da prevalência do problema na população. ● Pode vir da prevalência do problema em pessoas que apresentam-se dentro de um quadro clínico sindrômico. ● Pode vir de um exame clínico ou laboratorial. PPréT
  • 20. A PPréT de um homem obeso com 55 anos ter diabete é a prevalência do problema na população com 55 anos. A PPréT de uma mulher com dor pélvica aguda estar com DIP não é a frequência de DIP na população geral, mas a frequência ( quantos %) de DIP nas mulheres com dor pélvica aguda (em 100%). A PPréT de uma mulher de 68 anos com angina atípica ser cardiopata isquêmica não é a prevalência de CI nessa população, mas a frequência desse diagnóstico entre as mulheres com dor torácica avaliada como angina atípica. População de homens com 55 anos = 100% População com Dor Pélvica Aguda = 100% População de mulheres com dor torácica = 100%
  • 21. Dirigir meus “testes” de acordo com essa lista de hipóteses que formulei. Aqui é de extrema importância saber a diferença que poderá fazer pedir um exame ou não, ou seja, saber em que mudará a probabilidade da doença. 5. Somente agora aquelas figuras “assustadoras” entram no nosso raciocínio.
  • 22. Sensibilidade: é a probabilidade de resultado positivo nos doentes (verdadeiro positivo). Especificidade: é a probabilidade de resultado negativo nos não- doentes (verdadeiro negativo). Valor preditivo positivo: é a probabilidade da presença da doença quando o teste é positivo. Valor preditivo negativo: é a probabilidade da ausência de doença quando o teste é negativo. Razão de Verossimilhança (RV): é a probabilidade de um determinado resultado em alguém com a doença dividida pela probabilidade do mesmo resultado em alguém sem a doença. Pode ser positiva ou negativa.
  • 23. Sensibilidade - a/a+c Especificidade - d/b+d VPP - a/a+b VPN - d/c+d acurácia = a+d/a+b+c+d RVP - (a/a+c)/(b/b+d) RVN - (c/a+c)/(d/b+d)
  • 24. Sensíveis ● Quando um teste, sinal ou sintoma de um paciente for muito sensível, o resultado negativo pode nos excluir o diagnóstico. Específicos ● Quando um teste, sinal ou sintoma de um paciente for muito específico, o resultado positivo pode nos confirmar o diagnóstico. Uso dos Testes - como eles são diferentes? SpPinSnNout BAAR para tuberculose Albuminúria para síndrome nefrótica 3 ou 4 respostas positivas ao CAGETeste Rápido para HIV e Sífilis
  • 25. Por que tantos números? Cada uma dessas medidas diz respeito a uma informação na relação entre teste, paciente e população de estudo. Sensibilidade, especificidade e acurárica dizem respeito ao teste em si. Valores preditivos dizem respeito à verdade do resultado positivo ou negativo.
  • 26. E as Razões de Verossimilhança? Dizem respeito ao meu paciente (dados clínicos que me levaram a uma PPréT) frente ao exame. RV+ e RV- são razões de probabilidades, ou seja, a probabilidade do evento sobre a probabilidade do não evento. RVP = (sensibilidade) / (1 - especificidade) RVN = (I -sensibilidade) / (especifidade )
  • 27. Revisar minha lista de acordo com os resultados dos testes que realizei. Duas coisas acontecem agora: confirmar (ou aumentar a probabilidade) de uma doença X e eliminar (ou diminuir a probabilidade) de uma doença Y. 6.
  • 28. Probabilidades se distribuem em uma Escala Finita Minhas hipóteses vão se rearranjar numa escala de 100% de probabilidade. Algumas vão perder espaço, outras vão ganhar espaço na minha régua PPréT.
  • 29. Algumas continhas a mais Converter probabilidade em chance: 40% de PpréT significa que de 100, 40 são evento e 60 não evento (100-40). Como chance - 40:60, ou 4:6 Multiplicando pela RV+ (p. ex. 10) 10*4:6 = 40:6 Transformando novamente em probabilidade: o total de eventos é 40+6 = 46, portanto a probabilidade será de 40/46 ou 0,87 (87%). Note que 40% * 10 não é 87%!!!
  • 30.
  • 31. Como defino os limites nessa régua? Depende da gravidade do problema com que estou lidando e suas hipóteses. Cistite, Faringite Estreptocócica, Tuberculose, Artrite Reumatóide, Lupus.
  • 32. “Testar” novamente. Até que o processo todo se feche e o diagnóstico seja alcançado. 7.
  • 33. Quanto tempo levamos para concluir esse processo? 10 minutos? 10 dias? 10 meses?
  • 34. Quanto tempo levamos para: ● diagnosticar uma pneumonia em um idoso? ● descobrir a causa de uma amenorréia secundária? ● descobrir por que o sr. Amâncio chega na clínica causando tumulto e assustando toda a equipe?
  • 35. Vamos Trabalhar? Analisar os casos clínicos. Enquadrar o quadro sindrômico. Listar as hipóteses no quadro. Listar as hipóteses no caso do meu paciente. Testar as hipóteses. Avaliar Probabilidades Pré Teste.
  • 36. E nossos casos do início? Qual era o guideline? SOP? Amenorréia secundária? Qual a hora de pedir DHEA-s? E a pneumonia? Era germes típicos ou atípicos? E a tontura? Por quanto tempo deve ser feito o Vertix pra melhorar da labirintite?
  • 37. Trabalho em pequenos grupos Cada pequeno grupo cuidará de uma história e deverá: ● Analisar se está seguindo corretamente os passos. ● Demarcar se houve problema. ● Reorganizá-lo e colocá-lo em ordem.
  • 39. Adquirir bons dados. Será que ele fez uma boa entrevista? Será que os dados coletados são confiáveis? 1. ● Observação direta ● Vídeo gravação ● Indo ao consultório quando o residente me chama e refazendo a história Como descubro isso?
  • 40. Determinar qual o problema clínico em questão Será que o problema foi enquadrado adequadamente? 2. Dispnéia por bronquite Síncope por reação vasovagal Vertigem por labirintite LUTS por prostatismo Dispepsia por gastrite Dor torácica por azia Só saberei disso se eu provocar o residente no seu raciocínio e tentar saber o conhecimento prévio dele sobre determinado assunto. Pedir que ele me explique seu pensamento para tentar entender a imagem que ele fez na mente sobre o que está acontecendo com o paciente.
  • 41. Desenvolver um bom quadro de diagnósticos diferenciais. Quando o passo 2 fica falho, invariavelmente essa etapa fica muito confusa. É nesse momento que começam a surgir as suspeitas de SOP e ICC. 3. Quando eu suspeito que isso está acontecendo? ● Diagnósticos precipitados ● Pedidos de exames antes da hora ● Idéias mirabolantes de tratamento Portanto, se eu ficar aguardando o residente me trazer a sua dúvida, saberei que isso está acontecendo apenas nesses casos. Devo ficar mais preocupado é com aqueles casos que o residente não me trás e que tem a “certeza” do que está fazendo.
  • 42. Ordenar minhas hipóteses ● hipótese principal. ● “must not miss” ● hipóteses alternativas Essa é a etapa que vai me orientar à fase dos exames, números, likelihood ratios, curvas ROC. 4. É um exercício que devo praticar diariamente com meus residentes.
  • 43. Dirigir meus “testes” de acordo com essa lista de hipóteses que formulei. Se eu consegui fazer todos os passos corretamente, por mais que eu ainda não saiba com o que estou lidando e ainda me sinta inseguro, estou menos perdido e sei quais foram os passos que dei até aqui. 5. Somente agora aquelas figuras “assustadoras” entram no nosso raciocínio. Mas, quando vamos falar delas?
  • 44. Revisar minha lista de acordo com os resultados dos testes que realizei e testar novamente. O principal sintoma aqui é o momento em que o residente começa a insistir naquele diagnóstico que ele gostaria que estivesse correto, mas que não bate com os achados dos exames ou com o tratamento proposto. 6 e 7. Aqui é onde descobrimos muitos casos, porém, tardiamente. Muita coisa já foi feita e poderia ser evitada.
  • 45. Afinal, como eu faço prá ajudar o meu residente a desenvolver um bom raciocínio clínico? Exercício em grupo: ● Voltar aos casos iniciais. ● Desenvolver um plano de estudo focado nas etapas que trabalhamos juntos e escrever no portfólio. ● Focar principalmente no ponto chave do caso. 30 minutos
  • 46. Chegamos ao fim, mas... ...quando vamos trabalhar com esses monstrengos?
  • 48. 1. Beatriz, 37 anos Está preocupada porque tem sentido formigamento nas mãos há 6 meses. Uma sensação incômoda entre formigamento e dor. Sem melhora desde então, procurou observar fatores de piora, mas não sabe o que poderia estar lhe causando isso. Trabalha como doméstica todos os dias da semana. Não tem doenças ou vícios.
  • 49. 2. Beatriz, 37 anos No último mês começou a sentir durante a madrugada a mesma sensação de formigamento e dor, sendo que chegou a ser acordada pela sensação. Quando acordou tentou agitar as mãos “prá ver se aliviava”. Em alguns minutos a sensação amenizou, mas não completamente.
  • 50. 3. Beatriz, 37 anos Examinando você não encontrou limitações no exame físico, sem dores ou sinais de sinovite ou tendinopatia. Fez Tinnel e Phallen que resultaram positivos e com isso você levantou a hipótese de síndrome do túnel do carpo.
  • 51. 4. Beatriz, 37 anos Frente ao diagnóstico de Síndrome do Túnel do Carpo, o que você poderia propor como tratamento à Beatriz? Qual o benefício esperado para ela?
  • 52. 1. Seu José, 72 anos. Veio na consulta com sua esposa, Aparecida, com quem vive há 50 anos. Ela está preocupada por achá-lo “esquecido das coisas”. Já se perdeu ao tentar voltar para casa e teve que ser resgatado longe de casa por duas vezes. Na consulta, responde quando você conversa com ele, mas sempre com respostas curtas e não trás nenhum assunto. A conversa se limita a você e D. Aparecida.
  • 53. 2. Seu José, 72 anos Hígido até o momento, usava alguns medicamentos prescritos ao longo dos últimos anos - losartan 50 mg (1), metformina 850 (1) e analgésicos para um dor lombar que o incomodava nos últimos anos.
  • 54. 3. Seu José, 72 anos Dificuldade de lembrar de eventos recentes. Você tenta fazer com que ele converse e responda diretamente às suas perguntas, mas as respostas sempre são simples e evasivas, agindo como que pedisse que sua esposa respondesse por ele. Quando perguntado se sabia em que dia, mês e ano estávamos, não soube responder. Você lhe disse 3 palavras - casaco, janela e avião. Menos de 5 minutos depois ele não se lembrava delas.
  • 55. 4. Seu José, 72 anos No minimental pontuou 18 em 30 pontos. No MIS conseguiu apenas 4 pontos.
  • 56. Quais seriam os passos necessários no raciocínio clínico nesse momento? Afinal, se temos 66% de probabilidade de estarmos lidando com Alzheimer, a mais comum das causas, o que mais devemos fazer? 5. Seu José, 72 anos
  • 57. Fechando o diagnóstico com Alzheimer, sua esposa e os familiares te perguntam: Dr., não seria bom darmos um remédio prá ele? Algum remédio que ajude na memória? Ou talvez algum remédio que ajude a evitar que a doença progrida? Ouvimos falar da risperidona - o que o sr. acha? 6. Seu José, 72 anos
  • 58. 1. Dona Petrona, 69 anos. Dona Petrona veio preocupada porque tem sentido falta de ar. Há 6 meses começou a sentir uma falta de ar que nunca havia sentido antes. Com dispnéia aos esforços habituais, quase não conseguia mais cuidar da casa, cozinhar, lavar a louça e até mesmo tomar banho sozinha.
  • 59. 2. Dona Petrona, 69 anos. Hipertensa de longa data e ex tabagista. Parou de fumar depois que teve um infarto há 1 ano atrás. Sentia, além do cansaço aos esforços, momentos em que lhe faltava o ar quando ia dormir e algumas vezes foi despertada pela falta de ar, tendo que levantar da cama.
  • 60. 3. Dona Petrona, 69 anos. Afebril, com 105 bpm, ritmo regular com algumas extrasístoles, S3 em galope. Edema pré tibial 2+/4. Em pulmões com crepitações em bases, bilateralmente.
  • 61. 4. Dona Petrona, 69 anos. Depois de levantar a suspeita de ICC, você encontra uma área cardíaca aumentada na radiografia de tórax e sinais de sobrecarga de VE em ECG. Quais seriam as melhores opções terapêuticas nesse caso?
  • 62. 1. Seu Silvio, 67 anos Seu Sílvio veio preocupado porque tem sentido falta de ar. Há 6 meses começou a sentir uma falta de ar que nunca havia sentido antes. Com dispnéia aos esforços habituais, quase não conseguia mais cuidar da casa, cozinhar, lavar a louça e até mesmo tomar banho sozinho.
  • 63. 2. Seu Silvio, 67 anos Fuma 10 cigarros ao dia. Costumava fumar mais quando era mais jovem e ainda trabalhava, mas suas filhas sempre lhe avisaram de que deveria parar. Ficou preocupado e reduziu quando um amigo seu faleceu por câncer de pulmão. Mesmo com medo da doença, não parou.
  • 64. 3. Seu Silvio, 67 anos Sempre achou que todos os fumantes normalmente tem tosse e catarro, bem como algum cansaço para as atividades do dia a dia. Ultimamente o cansaço ficou pior do que era e tem sentido que não consegue mais fazer os esforços que fazia antes. Reduziu novamente o cigarro, mas o catarro e a tosse persistiram.
  • 65. 4. Seu Silvio, 67 anos Com a suspeita de DPOC no caso do S. Sílvio, você solicita uma espiromatria e encontra uma FEV1 em 60%. Qual seria a melhor conduta terapêutica nesse momento?