SlideShare uma empresa Scribd logo
Msc: Patrícia Cisneiros
patríciacisneiros@yahoo.com.br
Doenças mediadas por anticorpos
Hipersensibilidade tipo II e III
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
Mediada por anticorpos IgG e IgM dirigidos a antígenos na
superfície de células ou tecidos
Os determinantes antigênicos podem ser intrísecos à
membrana celular ou assumir a froma de um antígeno
axógeno adsorvido à superfície célular
Destruição da célula alvo
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
Anticorpos dirigidos contra células fixas e antígenos
teciduais específicos
Podem opsonizar células que serão fagocitadas
Ativação do SC
Citotoxidade celular dependente de anticorpo (CCDA)
Disfunção celular mediada por anticorpoAnticorpos
dirigidos
Hipersensibilidade
Tipo II com anticorpos dirigidos a hemácias
Anemia hemolítica induzida por droga.
Antibióticos:
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
Penicilina
Cefalosporina
Estreptomicina
Reações transfusionais
• Ocorrem quando o indivíduo receptor possui Ac anti-hemácias
do doador
• Hemácias possuem Ag (glicoproteínas) em suas superfícies
• Sistema ABO
• Sistema Rhesus: Rh+ ou Rh
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
 Sintomas de Reações transfusionais
 Receptor não sensibilizado: geralmente ocorre reações transfusionais
agudas, podendo resultar em anemia ou Icterícia
 Receptor sensibilizado: reação imediata (náuseas,vômito, febre, hipotensão,
dores nas costas e no peito)
 Rejeições graves: antígenos do grupo ABO
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
2001/2002
Prof. Doutor José
Cabeda
Eritrobastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido.
 Ac IgG
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
Hepatoesplenomegalia : eritrólise por
Acs maternos
Petéquias hemorrágicas: função
plaquetária deficiente
Anemia
Bilirrubinemia
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
Eritrobastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido.
Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
Pênfigo ou Fogo-selvagem
Auto-anticorpos dirigidos contra epitopos envolvidos na adesão celular dos
epitélios ou da zona da membrana basal, e classificam-se conforme o nível de
formação da clivagem.
Variantes Auto-anticorpo Principais auto-antígenos
Pênfigo foliáceo clássico IgG Desmogleina 1
Pênfigo foliáceo endêmico IgG Desmogleina 1
Pênfigo vulgar IgG Desmogleina 3 e/ou 1
Pênfigo herpetiforme IgG Desmogleina 3 e/ou 1
Pênfigo droga-induzida IgG Desmogleina 3 ou 1
Pênfigo por IgA (tipo SPD) IgA Desmocolina 1
Pênfigo por IgA (tipo IEN) IgA Desconhecido
Pênfigo paraneoplasico IgG Desmogleina 3, BP230,
Infiltrado inflamatório Lesão
tecidual
Ativação de complemento
( ativação de quimioatraentes,
ex: C5)
Hipersensibilidade tipo III. Mediada por
imunocomplexos ( IgG ou IgM)
Doenças causadas
• Generalizadas – complexo imune está na circulação
• Localizadas – complexo imune está depositado nos órgãos
(rins, fígado, articulações, vasos sangüíneos)
Hipersensibilidade tipo III. Mediada por
imunocomplexos
Iunidade Mediada por Imunocomplexos
Fase I
Hipersensibilidade tipo III. Mediada por
imunocomplexos
Fase II
Hipersensibilidade tipo III. Mediada por
imunocomplexos
Fase III
Hipersensibilidade tipo III. Mediada por
imunocomplexos
Hipersensibilidade tipo III. Mediada por
imunocomplexos
Imnidafde Mediadapor Imunocomplexos
Reação de Arthus;
Reação clínica após 4-12 de injeção
Exantema
Hemorragia
Hipersensibilidade tipo III. Mediada por
imunocomplexos
Correlação entre a formação de complexos imunes e o desenvolvimento da doença
do soro.
• Reação retardada: 36 a 48 horas
• Caracterizada por endurecimento e edema
• Também conhecida como mediada por células
• Teste tuberculínico é o exemplo mais comum
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
http://www.encyclopedia.com/doc/1G2-3451601669.html
http://www.encyclopedia.com/doc/1G2-3451601669.html
Teste tuberculínico- PPD
Inoculação do Ag via i.d.
Leitura: 48-72h
Diâmetro > 0.5mm = +
Teste de Mantoux (ppd)– Tuberculose
Teste de Machado Guerreiro – Chagas
Teste de Matsuda – Lepra
Teste de Montenegro - Leishmaniose
Ilustração da hipersensibilidade de contato. (Modificadode Kuby, Immunology, 2001).
Hipersensibilidade de contato
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Dermatite de Contato
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Formação do
Granuloma
Tipo IV – Granuloma
Schistossoma mansoni - granuloma schistossomótico em fígado, causado
pela presença de ovos do parasito (setas).
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Tuberculose
Formação de granuloma na
Tuberculose (Tubérculo)
Formação de granuloma na DOENÇA DE CROHN
Hipersensibilidade tipo IIV
Mediada por Células
Miauuuuu
Dúvidas???

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Hipersensibilidade tipo iii
Hipersensibilidade tipo iiiHipersensibilidade tipo iii
Hipersensibilidade tipo iii
Marta Grumann
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
LABIMUNO UFBA
 
Hipersensibilidade tipo IV
Hipersensibilidade tipo  IVHipersensibilidade tipo  IV
Hipersensibilidade tipo IV
Pamela botelho pinheiro
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
Ricardo Portela
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
Gildo Crispim
 
Hipersensibilidade tipo II
Hipersensibilidade tipo IIHipersensibilidade tipo II
Hipersensibilidade tipo II
Pamela botelho pinheiro
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
Annie Oliveira
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
Ricardo Portela
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
mfernandamb
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Gildo Crispim
 
Reações de-hipersensibilidade
Reações de-hipersensibilidadeReações de-hipersensibilidade
Reações de-hipersensibilidade
Hotanilde Lima
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
Ricardo Portela
 
Imunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaImunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e Adaptativa
LABIMUNO UFBA
 
Antígenos
AntígenosAntígenos
Antígenos
LABIMUNO UFBA
 
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IVDiabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Marina Sousa
 
Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia
Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - ImunologiaReaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia
Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia
Fisio Unipampa
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Messias Miranda
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
LABIMUNO UFBA
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
Messias Miranda
 

Mais procurados (20)

Hipersensibilidade tipo iii
Hipersensibilidade tipo iiiHipersensibilidade tipo iii
Hipersensibilidade tipo iii
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
 
Hipersensibilidade tipo IV
Hipersensibilidade tipo  IVHipersensibilidade tipo  IV
Hipersensibilidade tipo IV
 
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune HumoralICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
ICSA17 - Ativação de linfócitos B e Resposta Imune Humoral
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
Resposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunosResposta inata e adquirida para alunos
Resposta inata e adquirida para alunos
 
Hipersensibilidade tipo II
Hipersensibilidade tipo IIHipersensibilidade tipo II
Hipersensibilidade tipo II
 
A resposta imune
A resposta imuneA resposta imune
A resposta imune
 
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de AntígenosICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
ICSA17 - MHC e Apresentação de Antígenos
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Reações de-hipersensibilidade
Reações de-hipersensibilidadeReações de-hipersensibilidade
Reações de-hipersensibilidade
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Imunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaImunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e Adaptativa
 
Antígenos
AntígenosAntígenos
Antígenos
 
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IVDiabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
Diabetes tipo I e a hipersensibilidade tipo IV
 
Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia
Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - ImunologiaReaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia
Reaes De Hipersensibilidades e Alergias - Imunologia
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 

Semelhante a Hipersensibilidade II ,III e IV

REAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.ppt
REAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.pptREAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.ppt
REAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.ppt
PolianaLopesDESiquei
 
Imuno 3
Imuno 3Imuno 3
Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]
Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]
Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]
Profª. Zilka Nanes Lima - UEPB - Microbiologia e Imunologia
 
Microbiologia & munologia Hipersensibilidade
Microbiologia & munologia   HipersensibilidadeMicrobiologia & munologia   Hipersensibilidade
Microbiologia & munologia Hipersensibilidade
Defesa da Classe Biomédica
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
Leonor Vaz Pereira
 
Imunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbriosImunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbrios
anabela
 
Classes de imunoglobulinas
Classes de imunoglobulinasClasses de imunoglobulinas
Classes de imunoglobulinas
JoiceCou
 
ymunx
ymunxymunx
Distúrbios de hipersensibilidades.......
Distúrbios de hipersensibilidades.......Distúrbios de hipersensibilidades.......
Distúrbios de hipersensibilidades.......
CarolLima702690
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Isabel Lopes
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
Pelo Siro
 
Imunodeficiências
ImunodeficiênciasImunodeficiências
Imunodeficiências
Salminhacoimbra
 
Doencas hipersensibilidade
Doencas hipersensibilidadeDoencas hipersensibilidade
Doencas hipersensibilidade
ARNON ANDRADE
 
2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes
FAMENE 2018.2b
 
Disbiose intestinal
Disbiose intestinalDisbiose intestinal
Disbiose intestinal
Bru Resende
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
Cidalia Aguiar
 
Reações de hipersensibilidade_
Reações de hipersensibilidade_Reações de hipersensibilidade_
Reações de hipersensibilidade_
Alice Castro
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
LABIMUNO UFBA
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
João Pereira
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
Cidalia Aguiar
 

Semelhante a Hipersensibilidade II ,III e IV (20)

REAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.ppt
REAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.pptREAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.ppt
REAÇÕES-DE-HIPERSENSIBILIDADE.ppt
 
Imuno 3
Imuno 3Imuno 3
Imuno 3
 
Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]
Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]
Parte_6_ImunologiaBásica_Hipersensibilidade [Profª.Zilka]
 
Microbiologia & munologia Hipersensibilidade
Microbiologia & munologia   HipersensibilidadeMicrobiologia & munologia   Hipersensibilidade
Microbiologia & munologia Hipersensibilidade
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
 
Imunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbriosImunidade ativa, passiva e desequilíbrios
Imunidade ativa, passiva e desequilíbrios
 
Classes de imunoglobulinas
Classes de imunoglobulinasClasses de imunoglobulinas
Classes de imunoglobulinas
 
ymunx
ymunxymunx
ymunx
 
Distúrbios de hipersensibilidades.......
Distúrbios de hipersensibilidades.......Distúrbios de hipersensibilidades.......
Distúrbios de hipersensibilidades.......
 
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e AlergiasDoenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
Doenças Auto-Imunes, Transplantes e Alergias
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
 
Imunodeficiências
ImunodeficiênciasImunodeficiências
Imunodeficiências
 
Doencas hipersensibilidade
Doencas hipersensibilidadeDoencas hipersensibilidade
Doencas hipersensibilidade
 
2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes2. aspectos gerais das respostas imunes
2. aspectos gerais das respostas imunes
 
Disbiose intestinal
Disbiose intestinalDisbiose intestinal
Disbiose intestinal
 
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
1 power-point 12º sistema imunitário-doenças e desequilíbrios [modo de compat...
 
Reações de hipersensibilidade_
Reações de hipersensibilidade_Reações de hipersensibilidade_
Reações de hipersensibilidade_
 
Hipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo IHipersensibilidade tipo I
Hipersensibilidade tipo I
 
Imunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12ºImunodeficiência Congénita 12º
Imunodeficiência Congénita 12º
 
.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário.Apresentação 12º sistema imunitário
.Apresentação 12º sistema imunitário
 

Mais de LABIMUNO UFBA

Resposta inata
Resposta inataResposta inata
Resposta inata
LABIMUNO UFBA
 
Órgãos linfóides
Órgãos linfóidesÓrgãos linfóides
Órgãos linfóides
LABIMUNO UFBA
 
Aspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumoresAspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumores
LABIMUNO UFBA
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
LABIMUNO UFBA
 
Ri virus helmintos
Ri virus helmintosRi virus helmintos
Ri virus helmintos
LABIMUNO UFBA
 
Resposta imune infecções
Resposta imune infecçõesResposta imune infecções
Resposta imune infecções
LABIMUNO UFBA
 
Tolerância
TolerânciaTolerância
Tolerância
LABIMUNO UFBA
 
Imunidades das mucosas
Imunidades das mucosasImunidades das mucosas
Imunidades das mucosas
LABIMUNO UFBA
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
LABIMUNO UFBA
 
Critérios de Validação
Critérios de ValidaçãoCritérios de Validação
Critérios de Validação
LABIMUNO UFBA
 
Citometria de fluxo
Citometria de fluxoCitometria de fluxo
Citometria de fluxo
LABIMUNO UFBA
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
LABIMUNO UFBA
 
Resposta imune celular
Resposta imune celularResposta imune celular
Resposta imune celular
LABIMUNO UFBA
 
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenosProcessamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
LABIMUNO UFBA
 
MHC
MHCMHC
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
LABIMUNO UFBA
 
Ativação das células T
Ativação das células TAtivação das células T
Ativação das células T
LABIMUNO UFBA
 
Sistema complemento
Sistema complementoSistema complemento
Sistema complemento
LABIMUNO UFBA
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
LABIMUNO UFBA
 
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e SecundáriosOrgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
LABIMUNO UFBA
 

Mais de LABIMUNO UFBA (20)

Resposta inata
Resposta inataResposta inata
Resposta inata
 
Órgãos linfóides
Órgãos linfóidesÓrgãos linfóides
Órgãos linfóides
 
Aspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumoresAspectos da resposta imune a tumores
Aspectos da resposta imune a tumores
 
Vacinas
VacinasVacinas
Vacinas
 
Ri virus helmintos
Ri virus helmintosRi virus helmintos
Ri virus helmintos
 
Resposta imune infecções
Resposta imune infecçõesResposta imune infecções
Resposta imune infecções
 
Tolerância
TolerânciaTolerância
Tolerância
 
Imunidades das mucosas
Imunidades das mucosasImunidades das mucosas
Imunidades das mucosas
 
Imunofluorescencia
ImunofluorescenciaImunofluorescencia
Imunofluorescencia
 
Critérios de Validação
Critérios de ValidaçãoCritérios de Validação
Critérios de Validação
 
Citometria de fluxo
Citometria de fluxoCitometria de fluxo
Citometria de fluxo
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
 
Resposta imune celular
Resposta imune celularResposta imune celular
Resposta imune celular
 
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenosProcessamento antigênico células apresentadoras de antígenos
Processamento antigênico células apresentadoras de antígenos
 
MHC
MHCMHC
MHC
 
Linfócitos B
Linfócitos BLinfócitos B
Linfócitos B
 
Ativação das células T
Ativação das células TAtivação das células T
Ativação das células T
 
Sistema complemento
Sistema complementoSistema complemento
Sistema complemento
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e SecundáriosOrgãos Linfóides Primários e Secundários
Orgãos Linfóides Primários e Secundários
 

Último

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (7)

Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

Hipersensibilidade II ,III e IV

  • 2.
  • 3. Doenças mediadas por anticorpos Hipersensibilidade tipo II e III
  • 4. Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica Mediada por anticorpos IgG e IgM dirigidos a antígenos na superfície de células ou tecidos Os determinantes antigênicos podem ser intrísecos à membrana celular ou assumir a froma de um antígeno axógeno adsorvido à superfície célular Destruição da célula alvo
  • 5. Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica Anticorpos dirigidos contra células fixas e antígenos teciduais específicos Podem opsonizar células que serão fagocitadas Ativação do SC Citotoxidade celular dependente de anticorpo (CCDA) Disfunção celular mediada por anticorpoAnticorpos dirigidos
  • 6. Hipersensibilidade Tipo II com anticorpos dirigidos a hemácias
  • 7. Anemia hemolítica induzida por droga. Antibióticos: Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica Penicilina Cefalosporina Estreptomicina
  • 8. Reações transfusionais • Ocorrem quando o indivíduo receptor possui Ac anti-hemácias do doador • Hemácias possuem Ag (glicoproteínas) em suas superfícies • Sistema ABO • Sistema Rhesus: Rh+ ou Rh Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
  • 9.  Sintomas de Reações transfusionais  Receptor não sensibilizado: geralmente ocorre reações transfusionais agudas, podendo resultar em anemia ou Icterícia  Receptor sensibilizado: reação imediata (náuseas,vômito, febre, hipotensão, dores nas costas e no peito)  Rejeições graves: antígenos do grupo ABO Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
  • 10. 2001/2002 Prof. Doutor José Cabeda Eritrobastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido.  Ac IgG Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica
  • 11. Hepatoesplenomegalia : eritrólise por Acs maternos Petéquias hemorrágicas: função plaquetária deficiente Anemia Bilirrubinemia Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica Eritrobastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido.
  • 12. Hipersensibilidade tipo II ou citotóxica Pênfigo ou Fogo-selvagem Auto-anticorpos dirigidos contra epitopos envolvidos na adesão celular dos epitélios ou da zona da membrana basal, e classificam-se conforme o nível de formação da clivagem.
  • 13. Variantes Auto-anticorpo Principais auto-antígenos Pênfigo foliáceo clássico IgG Desmogleina 1 Pênfigo foliáceo endêmico IgG Desmogleina 1 Pênfigo vulgar IgG Desmogleina 3 e/ou 1 Pênfigo herpetiforme IgG Desmogleina 3 e/ou 1 Pênfigo droga-induzida IgG Desmogleina 3 ou 1 Pênfigo por IgA (tipo SPD) IgA Desmocolina 1 Pênfigo por IgA (tipo IEN) IgA Desconhecido Pênfigo paraneoplasico IgG Desmogleina 3, BP230,
  • 14. Infiltrado inflamatório Lesão tecidual Ativação de complemento ( ativação de quimioatraentes, ex: C5) Hipersensibilidade tipo III. Mediada por imunocomplexos ( IgG ou IgM)
  • 15.
  • 16. Doenças causadas • Generalizadas – complexo imune está na circulação • Localizadas – complexo imune está depositado nos órgãos (rins, fígado, articulações, vasos sangüíneos) Hipersensibilidade tipo III. Mediada por imunocomplexos
  • 17. Iunidade Mediada por Imunocomplexos Fase I Hipersensibilidade tipo III. Mediada por imunocomplexos
  • 18. Fase II Hipersensibilidade tipo III. Mediada por imunocomplexos
  • 19. Fase III Hipersensibilidade tipo III. Mediada por imunocomplexos
  • 20. Hipersensibilidade tipo III. Mediada por imunocomplexos
  • 21. Imnidafde Mediadapor Imunocomplexos Reação de Arthus; Reação clínica após 4-12 de injeção Exantema Hemorragia Hipersensibilidade tipo III. Mediada por imunocomplexos
  • 22. Correlação entre a formação de complexos imunes e o desenvolvimento da doença do soro.
  • 23. • Reação retardada: 36 a 48 horas • Caracterizada por endurecimento e edema • Também conhecida como mediada por células • Teste tuberculínico é o exemplo mais comum Hipersensibilidade tipo IIV Mediada por Células
  • 26. Hipersensibilidade tipo IIV Mediada por Células http://www.encyclopedia.com/doc/1G2-3451601669.html http://www.encyclopedia.com/doc/1G2-3451601669.html Teste tuberculínico- PPD Inoculação do Ag via i.d. Leitura: 48-72h Diâmetro > 0.5mm = + Teste de Mantoux (ppd)– Tuberculose Teste de Machado Guerreiro – Chagas Teste de Matsuda – Lepra Teste de Montenegro - Leishmaniose
  • 27. Ilustração da hipersensibilidade de contato. (Modificadode Kuby, Immunology, 2001). Hipersensibilidade de contato
  • 28. Hipersensibilidade tipo IIV Mediada por Células Dermatite de Contato
  • 30. Hipersensibilidade tipo IIV Mediada por Células Formação do Granuloma
  • 31. Tipo IV – Granuloma Schistossoma mansoni - granuloma schistossomótico em fígado, causado pela presença de ovos do parasito (setas). Hipersensibilidade tipo IIV Mediada por Células
  • 32. Hipersensibilidade tipo IIV Mediada por Células Tuberculose Formação de granuloma na Tuberculose (Tubérculo)
  • 33. Formação de granuloma na DOENÇA DE CROHN Hipersensibilidade tipo IIV Mediada por Células

Notas do Editor

  1. QUANDO A CÉLULA CRUZA O LASER OCORRE DISPERSÃO DA LUZ PARA TODOS OS LADOS, MAS SÓ EM DUAS DIREÇÕES ELA É ANALISADA: A REFRAÇÃO DA LUZ NO ÂNGULO DE 950 É DENOMINADA ÂNGULO DE DISPERSÃO LATERAL E REVELA A COMPLEXIDADE DO CONTEÚDO CITOPLASMATICO. A REFLEXÃO DA LUZ NA FAIXA DE 1 A 50 FORMA O ÂNGULO DE DISPERSÃO FRONTAL E REVELA O VOLUME DA CÉLULA.