SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Wandick Rocha
wandickrocha@yahoo.com.br
http://contabilidademais.blogspot.com.br/
Concurso Bancário
 Lavagem de Dinheiro;
 Processo da Lavagem de Dinheiro;
 Crime de Lavagem de Dinheiro – Lei 9.613;
 Multa;
 Indícios da Lavagem de Dinheiro;
 Fases da Lavagem de Dinheiro;
 Identificação dos Clientes;
 COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras;
 PEP – Pessoas Politicamente Expostas
Crime de Lavagem de Dinheiro
 Lei 9.613;
 Lei 12.683;
 Carta-Circular Nº. 2826;
 http://www.coaf.fazenda.gov.br;
 Carta-Circular Nº. 3461;
 http://www.coaf.fazenda.gov.br;
BIBLIOGRAFIA
Lavagem de Dinheiro
 Lavagem de Dinheiro  processo pelo qual o
criminoso transforma recursos ganhos em atividades
ilegais em ativos com uma origem aparentemente
legal.
 Dois aspectos:
Permite que criminosos perpetuem suas atividades
ilícitas, facilitando o acesso aos lucros oriundos de
negócios escusos;
 Mancha as instituições financeiras, minando a
confiança pública, sua integridade, credibilidade e
imagem.
Processo da Lavagem de Dinheiro
1º) Distanciamento dos fundos de sua origem 
evitando uma associação direta deles com o crime;
2º) Disfarce de suas várias movimentações  para
dificultar o rastreamento desses recursos;
3º) Disponibilização do dinheiro novamente para os
criminosos  depois de ter sido suficientemente
movimentado no ciclo de lavagem e poder ser
considerado "limpo".
Crime de Lavagem de Dinheiro
 Caracteriza-se como crime de lavagem de dinheiro:
Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização,
disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos
ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de
infração penal. Pena  reclusão de 3 a 10 anos + multa.
 Incorre na mesma pena quem, para ocultar ou dissimular a
utilização de bens, direitos ou valores provenientes de
infração penal:
I - os converte em ativos lícitos;
II - os adquire, recebe, troca, negocia, dá ou recebe em
garantia, guarda, tem em depósito, movimenta ou transfere;
III - importa ou exporta bens com valores não
correspondentes aos verdadeiros.
Multa
 A multa pecuniária variável não superior:
a) ao dobro do valor da operação;
b) ao dobro do lucro real obtido ou que presumivelmente
seria obtido pela realização da operação; ou
c) ao valor de R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais).
Note e Anote
 Redução da pena  de um a dois terços em regime
semiaberto  se o autor, coautor, ou partícipe
colaborar espontaneamente com as autoridades 
esclarecimentos para apuração das infrações penais e
localização dos bens, direitos ou valores objeto do
crime.
 Aumento da Pena  de um a dois terços  crimes
cometidos de forma reinterada ou por intermédio de
organização criminosa.
Indícios da Lavagem de Dinheiro
 Aumentos substanciais no volume de depósitos de
qualquer pessoa física ou jurídica sem causa aparente.
 Troca de grandes quantidades de notas de pequeno
valor por notas de grande valor.
 Proposta de troca de grandes quantias em moeda
nacional por moeda estrangeira e vice-versa.
 Compras de cheques de viagem e cheques
administrativos, ordens de pagamento sem evidencias
de propósito claro.
 Movimentação de recursos em praças localizadas em
fronteiras.
Indícios da Lavagem de Dinheiro
 Movimentação de recursos incompatível com o
patrimônio, a atividade econômica ou a ocupação
profissional e a capacidade financeira presumida do
cliente.
 Numerosas contas com vistas ao acolhimento de
depósitos em nome de um mesmo cliente, cujos
valores, somados, resultem em quantia significativa.
 Abertura de conta em agencia bancaria localizada em
estação de passageiros.
 utilização de cartão de crédito em valor não compatível
com a capacidade financeira do usuário.
Fases da Lavagem de Dinheiro
1ª Fase – Colocação  é a colocação do dinheiro no
sistema econômico.
 Objetivo  ocultar a origem do dinheiro  o criminoso
procura movimentar o dinheiro em países com regras
mais permissivas e naqueles que possuem um sistema
financeiro liberal.
 Efetivação  depósitos, compra de instrumentos
negociáveis ou compra de bens.
 Dificuldade na identificação da procedência do
dinheiro  fracionamento dos valores que transitam
pelo sistema financeiro e a utilização de
estabelecimentos comerciais que usualmente
trabalham com dinheiro em espécie.
Fases da Lavagem de Dinheiro
2ª Fase – Ocultação  consiste em dificultar o
rastreamento contábil dos recursos ilícitos.
 Objetivo  quebrar a cadeia de evidências ante a
possibilidade da realização de investigações sobre a
origem do dinheiro.
 Efetivação  movimentação de forma eletrônica,
transferindo os ativos para contas anônimas –
preferencialmente, em países amparados por lei de
sigilo bancário – ou realizando depósitos em contas
"fantasmas".
Fases da Lavagem de Dinheiro
3ª Fase – Integração  os ativos são incorporados
formalmente ao sistema econômico.
 Objetivo  legalizar o dinheiro  “lavagem”.
 Efetivação  as organizações criminosas fazem
investimentos em empreendimentos que facilitem as
atividades ilegais  podendo várias organizações
prestarem serviços entre si.
 Uma vez formada essa “teia de lavagem”, torna-se
cada vez mais fácil legitimar o dinheiro ilegal.
Identificação dos Clientes
 As instituições financeiras são obrigadas a:
 Identificar seus clientes e manter cadastro atualizado
dos clientes – pessoas físicas ou jurídicas.
 Manter registro de toda transação em moeda nacional
ou estrangeira, títulos e valores mobiliários, títulos de
crédito, metais, ou qualquer ativo passível de ser
convertido em dinheiro.
 Arquivar por 5 anos os cadastros e registros das
transações financeiras.
 BACEN  manterá registro centralizado, formando o
cadastro geral de correntistas e clientes de instituições
financeiras, bem como de seus procuradores.
Identificação dos Clientes
 As instituições financeiras são obrigadas a:
 Identificar seus clientes e manter cadastro atualizado
dos clientes – pessoas físicas ou jurídicas.
 Manter registro de toda transação em moeda nacional
ou estrangeira, títulos e valores mobiliários, títulos de
crédito, metais, ou qualquer ativo passível de ser
convertido em dinheiro.
 Arquivar por 5 anos os cadastros e registros das
transações financeiras.
 BACEN  manterá registro centralizado, formando o
cadastro geral de correntistas e clientes de instituições
financeiras, bem como de seus procuradores.
COAF
 Conselho de Controle de Atividade Financeira –
Unidade de Inteligência Financeira do Brasil
 Órgão criado no âmbito do Ministério da Fazenda  atua
eminentemente na prevenção e combate à lavagem de
dinheiro e ao financiamento ao terrorismo.
 Competências:
 Receber, examinar e identificar as ocorrências suspeitas de
atividades ilícitas;
 Comunicar às autoridades competentes crimes de
“lavagem”, ocultação de bens, direitos e valores, ou de
qualquer outro ilícito;
 Coordenar e propor mecanismos de cooperação e de troca
de informações que viabilizem ações rápidas e eficientes no
combate à ocultação ou dissimulação de bens, direitos e
valores;
 Disciplinar e aplicar penas administrativas.
Comunicação ao COAF
 As instituições financeiras devem comunicar ao
COAF, na forma determinada pelo Banco Central do
Brasil:
As operações realizadas ou serviços prestados cujo
valor seja igual ou superior a R$10.000,00 que possam
configurar indícios de crime.
Movimentações financeiras em espécie igual ou
superior a R$ 100.000,00.
 Atos suspeitos de financiamento do terrorismo ou de
lavagem de dinheiro.
Pessoas Politicamente Expostas
 A Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e
Lavagem de Dinheiro (ENCLA) criada em 2003 pelo
Ministério da Justiça estabeleceu como meta a
definição e regulamentação das obrigações do sistema
financeiro em relação às Pessoas Politicamente
Expostas (PPE).
 Consideram-se pessoas politicamente expostas os
agentes públicos que desempenham ou tenham
desempenhado, nos cinco anos anteriores, no Brasil ou
em países, territórios e dependências estrangeiros,
cargos, empregos ou funções públicas relevantes,
assim como seus representantes, familiares e outras
pessoas de seu relacionamento próximo, conforme
definido pela ENCLA.
Pessoas Politicamente Expostas
 As instituições financeiras devem considerar como
pessoas politicamente expostas:
Empregados com função pública relevante – chefes de
Estado e de Governo;
Políticos;
Servidores do Poder Público e da Justiça;
Magistrados ou militares de alto escalão;
Dirigentes de empresas públicas;
Dirigentes de partidos políticos;
Prefeitos e os presidentes de Câmara Municipal das
capitais de Estado;
Seus parentes de primeiro grau.
Pessoas Politicamente Expostas
 A distinção de Pessoas Politicamente Expostas e o
estabelecimento de rotinas de monitoramento de sua
movimentação financeira visa a prevenção da
corrupção da corrosão dos valores morais e éticos da
sociedade e da articulação de crimes de lavagem de
dinheiro.
 Trafico de drogas;
 Terrorismo e seu financiamento;
 Contrabando ou trafico de armas e munição;
 Sequestro;
 Atentados contra a administração publica;
 Atentados contra o Sistema Financeiro Nacional;

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
Tadeu Mendes
 
Capital De Giro
Capital De GiroCapital De Giro
Capital De Giro
fabricio vitoria
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
Nyedson Barbosa
 
"Introdução e Prática dos Incoterms"
"Introdução e Prática dos Incoterms""Introdução e Prática dos Incoterms"
"Introdução e Prática dos Incoterms"
ABRACOMEX
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
Milton Henrique do Couto Neto
 
Empresário individual pp
Empresário individual ppEmpresário individual pp
Empresário individual pp
Rebeca Nascimento
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
Danilo Pereira
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
Letícia Spina Tapia
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
Roberty Pires Teixeira
 
Exercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e créditoExercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e crédito
Raimundo Filho
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
Dayane Dias
 
Contabilidade patrimônio 2
Contabilidade patrimônio 2Contabilidade patrimônio 2
Contabilidade patrimônio 2
Rita Lombarde Vilela Vitoriano
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
José Vitor Alves
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
Isabel Castilho
 
Lançamento contabil
Lançamento contabilLançamento contabil
Lançamento contabil
Jesus Bandeira
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Principios contábeis
Principios contábeisPrincipios contábeis
Principios contábeis
Cássio Lima
 
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária iiApostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
GJ MARKETING DIGITAL
 
Fundamentos de contabilidade i
Fundamentos de contabilidade iFundamentos de contabilidade i
Fundamentos de contabilidade i
Kleber Mantovanelli
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
Conselho Regional de Administração de São Paulo
 

Mais procurados (20)

Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 
Capital De Giro
Capital De GiroCapital De Giro
Capital De Giro
 
Etica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de TrabalhoEtica no Ambiente de Trabalho
Etica no Ambiente de Trabalho
 
"Introdução e Prática dos Incoterms"
"Introdução e Prática dos Incoterms""Introdução e Prática dos Incoterms"
"Introdução e Prática dos Incoterms"
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
 
Empresário individual pp
Empresário individual ppEmpresário individual pp
Empresário individual pp
 
Balanço patrimonial
Balanço patrimonialBalanço patrimonial
Balanço patrimonial
 
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIATEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
TEORIAS DA ENFERMAGEM - HISTÓRIA
 
Métodos de formação de preços
Métodos de formação de preçosMétodos de formação de preços
Métodos de formação de preços
 
Exercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e créditoExercício contabilidade débito e crédito
Exercício contabilidade débito e crédito
 
Contabilidade basica
Contabilidade basicaContabilidade basica
Contabilidade basica
 
Contabilidade patrimônio 2
Contabilidade patrimônio 2Contabilidade patrimônio 2
Contabilidade patrimônio 2
 
Aula 6 POP
Aula 6   POPAula 6   POP
Aula 6 POP
 
Analise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações FinanceirasAnalise das Demonstrações Financeiras
Analise das Demonstrações Financeiras
 
Lançamento contabil
Lançamento contabilLançamento contabil
Lançamento contabil
 
Noções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de ContabilidadeNoções Básicas de Contabilidade
Noções Básicas de Contabilidade
 
Principios contábeis
Principios contábeisPrincipios contábeis
Principios contábeis
 
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária iiApostila de administração financeira e orçamentária ii
Apostila de administração financeira e orçamentária ii
 
Fundamentos de contabilidade i
Fundamentos de contabilidade iFundamentos de contabilidade i
Fundamentos de contabilidade i
 
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.
 

Destaque

Etapas do Processo Seletivo
Etapas do Processo SeletivoEtapas do Processo Seletivo
Etapas do Processo Seletivo
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Wandick Rocha de Aquino
 
Produtividade no Trabalho em 30 Passos
Produtividade no Trabalho em 30 PassosProdutividade no Trabalho em 30 Passos
Produtividade no Trabalho em 30 Passos
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão por Processos
Gestão por ProcessosGestão por Processos
Gestão por Processos
Wandick Rocha de Aquino
 
30 Things to Start Doing for Yourself…
30 Things to Start Doing  for Yourself…30 Things to Start Doing  for Yourself…
30 Things to Start Doing for Yourself…
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Wandick Rocha de Aquino
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
Wandick Rocha de Aquino
 
Negociation - 20 errors of unprepared negotiator
Negociation - 20 errors of unprepared negotiatorNegociation - 20 errors of unprepared negotiator
Negociation - 20 errors of unprepared negotiator
Wandick Rocha de Aquino
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
Wandick Rocha de Aquino
 
Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.
Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.
Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.
Wandick Rocha de Aquino
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
Wandick Rocha de Aquino
 
Liderança
LiderançaLiderança
NEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparado
NEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparadoNEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparado
NEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparado
Wandick Rocha de Aquino
 
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociadorNEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
Wandick Rocha de Aquino
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Wandick Rocha de Aquino
 

Destaque (20)

Etapas do Processo Seletivo
Etapas do Processo SeletivoEtapas do Processo Seletivo
Etapas do Processo Seletivo
 
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
Práticas de Recursos Humanos - Aula 1 a 10
 
Produtividade no Trabalho em 30 Passos
Produtividade no Trabalho em 30 PassosProdutividade no Trabalho em 30 Passos
Produtividade no Trabalho em 30 Passos
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 13 e 14
 
Gestão por Processos
Gestão por ProcessosGestão por Processos
Gestão por Processos
 
30 Things to Start Doing for Yourself…
30 Things to Start Doing  for Yourself…30 Things to Start Doing  for Yourself…
30 Things to Start Doing for Yourself…
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 5 e 6
 
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivaçãoQualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
Qualidade no Trabalho: atendiemento, ética e motivação
 
Novo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planosNovo emprego, novos planos
Novo emprego, novos planos
 
Negociation - 20 errors of unprepared negotiator
Negociation - 20 errors of unprepared negotiatorNegociation - 20 errors of unprepared negotiator
Negociation - 20 errors of unprepared negotiator
 
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de TrabalhoCurrículo - A chave para o mercado de Trabalho
Currículo - A chave para o mercado de Trabalho
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 7 e 8
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
 
Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.
Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.
Atendimento e Vendas: Oferta Qualificada.
 
Práticas Administrativas
Práticas AdministrativasPráticas Administrativas
Práticas Administrativas
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
NEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparado
NEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparadoNEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparado
NEGOCIAÇÃO - 20 erros de um negociador despreparado
 
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociadorNEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
NEGOCIAÇÃO - 20 características indispensáveis de um bom negociador
 
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
Gestão e Liderança de Pessoas - Aulas 15 e 16
 

Semelhante a Crime de Lavagem de Dinheiro

Lavagem de dinheiro 2013
Lavagem de dinheiro 2013Lavagem de dinheiro 2013
Lavagem de dinheiro 2013
Ruralcredi
 
Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13
Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13
Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13
Anderson dos Santos Silva
 
Mapa Mental T2 - CPA20.pdf
Mapa Mental T2 - CPA20.pdfMapa Mental T2 - CPA20.pdf
Mapa Mental T2 - CPA20.pdf
Alessandro Diniz
 
Denuncia figueiredo-basto
Denuncia figueiredo-bastoDenuncia figueiredo-basto
Denuncia figueiredo-basto
Luiz Carlos Azenha
 
Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998
Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998
Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998
Marketingcma
 
A situação de Dirceu no processo: integral
A situação de Dirceu no processo: integralA situação de Dirceu no processo: integral
A situação de Dirceu no processo: integral
Maristela Bairros
 
Aula 03 controle interno e externo dos operadores do sfn
Aula 03 controle interno e externo dos operadores do sfnAula 03 controle interno e externo dos operadores do sfn
Aula 03 controle interno e externo dos operadores do sfn
CentrodeEnsinoFirmae
 
Lavagem dinheiroposcrise
Lavagem dinheiroposcriseLavagem dinheiroposcrise
Lavagem dinheiroposcrise
James Wright
 
Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016
Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016
Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016
Jose Adriano Pinto
 
Carta circular2826 bancen (1)
Carta circular2826 bancen (1)Carta circular2826 bancen (1)
Carta circular2826 bancen (1)
Debora Gomes
 
Curso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro unieducar
Curso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro   unieducarCurso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro   unieducar
Curso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro unieducar
Unichristus Centro Universitário
 
L13254 lei de repatriação de capitais
L13254 lei de repatriação de capitaisL13254 lei de repatriação de capitais
L13254 lei de repatriação de capitais
Esdras Arthur Lopes Pessoa
 
8ª CONSEGURO - RENATA GIL
8ª CONSEGURO - RENATA GIL8ª CONSEGURO - RENATA GIL
8ª CONSEGURO - RENATA GIL
CNseg
 
Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...
Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...
Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...
Daniel Reis Duarte Pousa
 
Apresentacao operacao zelotes cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...
Apresentacao operacao zelotes  cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...Apresentacao operacao zelotes  cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...
Apresentacao operacao zelotes cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...
Daniel Pousa
 
Criptoativos e Lavagem de Dinheiro
Criptoativos e Lavagem de DinheiroCriptoativos e Lavagem de Dinheiro
Criptoativos e Lavagem de Dinheiro
Isac Costa
 
criptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptx
criptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptxcriptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptx
criptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptx
raick1
 
Contabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO ContadoresContabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO Contadores
Leonardo Novaes
 
Investigacao Forense - seminario 14-6-2019
Investigacao Forense - seminario 14-6-2019Investigacao Forense - seminario 14-6-2019
Investigacao Forense - seminario 14-6-2019
Gilberto C Porto
 
Mandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da Petrobras
Mandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da PetrobrasMandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da Petrobras
Mandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da Petrobras
José Ripardo
 

Semelhante a Crime de Lavagem de Dinheiro (20)

Lavagem de dinheiro 2013
Lavagem de dinheiro 2013Lavagem de dinheiro 2013
Lavagem de dinheiro 2013
 
Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13
Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13
Lavagem de dinheiro, Compliance e a Resolução CFC 1.445/13
 
Mapa Mental T2 - CPA20.pdf
Mapa Mental T2 - CPA20.pdfMapa Mental T2 - CPA20.pdf
Mapa Mental T2 - CPA20.pdf
 
Denuncia figueiredo-basto
Denuncia figueiredo-bastoDenuncia figueiredo-basto
Denuncia figueiredo-basto
 
Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998
Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998
Artigo - 20 anos da lei 9.613 de 1998
 
A situação de Dirceu no processo: integral
A situação de Dirceu no processo: integralA situação de Dirceu no processo: integral
A situação de Dirceu no processo: integral
 
Aula 03 controle interno e externo dos operadores do sfn
Aula 03 controle interno e externo dos operadores do sfnAula 03 controle interno e externo dos operadores do sfn
Aula 03 controle interno e externo dos operadores do sfn
 
Lavagem dinheiroposcrise
Lavagem dinheiroposcriseLavagem dinheiroposcrise
Lavagem dinheiroposcrise
 
Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016
Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016
Receita detalha grandes operações de Fiscalização em 2016
 
Carta circular2826 bancen (1)
Carta circular2826 bancen (1)Carta circular2826 bancen (1)
Carta circular2826 bancen (1)
 
Curso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro unieducar
Curso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro   unieducarCurso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro   unieducar
Curso online estudo dirigido prevencao a lavagem de dinheiro unieducar
 
L13254 lei de repatriação de capitais
L13254 lei de repatriação de capitaisL13254 lei de repatriação de capitais
L13254 lei de repatriação de capitais
 
8ª CONSEGURO - RENATA GIL
8ª CONSEGURO - RENATA GIL8ª CONSEGURO - RENATA GIL
8ª CONSEGURO - RENATA GIL
 
Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...
Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...
Comissao cpi-comissao-cpihsbc-swiss leaks-heleno taveira torres-7reuniao-30-0...
 
Apresentacao operacao zelotes cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...
Apresentacao operacao zelotes  cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...Apresentacao operacao zelotes  cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...
Apresentacao operacao zelotes cpi carf Marlon Oliveira Cajado dos Santos 29-...
 
Criptoativos e Lavagem de Dinheiro
Criptoativos e Lavagem de DinheiroCriptoativos e Lavagem de Dinheiro
Criptoativos e Lavagem de Dinheiro
 
criptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptx
criptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptxcriptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptx
criptomoedas_aspectos_regulatorios_e_tributarios (1).pptx
 
Contabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO ContadoresContabilidade Para NãO Contadores
Contabilidade Para NãO Contadores
 
Investigacao Forense - seminario 14-6-2019
Investigacao Forense - seminario 14-6-2019Investigacao Forense - seminario 14-6-2019
Investigacao Forense - seminario 14-6-2019
 
Mandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da Petrobras
Mandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da PetrobrasMandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da Petrobras
Mandado de prisão de Nestor Cerveró, ex diretor da Petrobras
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
Wandick Rocha de Aquino
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
Wandick Rocha de Aquino
 
Sped
SpedSped
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
Wandick Rocha de Aquino
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
Wandick Rocha de Aquino
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
Wandick Rocha de Aquino
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
Wandick Rocha de Aquino
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
Wandick Rocha de Aquino
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
Wandick Rocha de Aquino
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
Wandick Rocha de Aquino
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
Wandick Rocha de Aquino
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
Wandick Rocha de Aquino
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Wandick Rocha de Aquino
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
Wandick Rocha de Aquino
 
Apostila de Conhecimentos Bancários
Apostila de Conhecimentos BancáriosApostila de Conhecimentos Bancários
Apostila de Conhecimentos Bancários
Wandick Rocha de Aquino
 
ISO
ISOISO
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupo
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupoEMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupo
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupo
Wandick Rocha de Aquino
 
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevista
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevistaEMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevista
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevista
Wandick Rocha de Aquino
 

Mais de Wandick Rocha de Aquino (19)

Parte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do LíderParte 1 - Habilidades do Líder
Parte 1 - Habilidades do Líder
 
Processo Seletivo
Processo Seletivo Processo Seletivo
Processo Seletivo
 
Sped
SpedSped
Sped
 
Comportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura ProfissionalComportamento e Postura Profissional
Comportamento e Postura Profissional
 
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração  do Resultado do ExercícioDRE - Demonstração  do Resultado do Exercício
DRE - Demonstração do Resultado do Exercício
 
Treinamento & Desenvolvimento
Treinamento & DesenvolvimentoTreinamento & Desenvolvimento
Treinamento & Desenvolvimento
 
Qualidade no Trabalho
Qualidade no TrabalhoQualidade no Trabalho
Qualidade no Trabalho
 
Organização
OrganizaçãoOrganização
Organização
 
Noções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura OrganizacionalNoções de Cultura Organizacional
Noções de Cultura Organizacional
 
Reforma Trabalhista
Reforma TrabalhistaReforma Trabalhista
Reforma Trabalhista
 
Empreendedorismo
EmpreendedorismoEmpreendedorismo
Empreendedorismo
 
Manual do Novo Empregado
Manual do Novo EmpregadoManual do Novo Empregado
Manual do Novo Empregado
 
Trabalho da Mulher
Trabalho da MulherTrabalho da Mulher
Trabalho da Mulher
 
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações CríticasResiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
Resiliência: Noção, Conceitos Afins e Considerações Críticas
 
Cultura Organizacional
Cultura OrganizacionalCultura Organizacional
Cultura Organizacional
 
Apostila de Conhecimentos Bancários
Apostila de Conhecimentos BancáriosApostila de Conhecimentos Bancários
Apostila de Conhecimentos Bancários
 
ISO
ISOISO
ISO
 
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupo
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupoEMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupo
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na dinâmica de grupo
 
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevista
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevistaEMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevista
EMPREGABILIDADE - 20 dicas para se dar bem na entrevista
 

Último

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
jetroescola
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptxLicao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
Licao de adultos Topico 1 CPAD edit.pptx
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 

Crime de Lavagem de Dinheiro

  • 2.  Lavagem de Dinheiro;  Processo da Lavagem de Dinheiro;  Crime de Lavagem de Dinheiro – Lei 9.613;  Multa;  Indícios da Lavagem de Dinheiro;  Fases da Lavagem de Dinheiro;  Identificação dos Clientes;  COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras;  PEP – Pessoas Politicamente Expostas Crime de Lavagem de Dinheiro
  • 3.  Lei 9.613;  Lei 12.683;  Carta-Circular Nº. 2826;  http://www.coaf.fazenda.gov.br;  Carta-Circular Nº. 3461;  http://www.coaf.fazenda.gov.br; BIBLIOGRAFIA
  • 4. Lavagem de Dinheiro  Lavagem de Dinheiro  processo pelo qual o criminoso transforma recursos ganhos em atividades ilegais em ativos com uma origem aparentemente legal.  Dois aspectos: Permite que criminosos perpetuem suas atividades ilícitas, facilitando o acesso aos lucros oriundos de negócios escusos;  Mancha as instituições financeiras, minando a confiança pública, sua integridade, credibilidade e imagem.
  • 5. Processo da Lavagem de Dinheiro 1º) Distanciamento dos fundos de sua origem  evitando uma associação direta deles com o crime; 2º) Disfarce de suas várias movimentações  para dificultar o rastreamento desses recursos; 3º) Disponibilização do dinheiro novamente para os criminosos  depois de ter sido suficientemente movimentado no ciclo de lavagem e poder ser considerado "limpo".
  • 6. Crime de Lavagem de Dinheiro  Caracteriza-se como crime de lavagem de dinheiro: Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal. Pena  reclusão de 3 a 10 anos + multa.  Incorre na mesma pena quem, para ocultar ou dissimular a utilização de bens, direitos ou valores provenientes de infração penal: I - os converte em ativos lícitos; II - os adquire, recebe, troca, negocia, dá ou recebe em garantia, guarda, tem em depósito, movimenta ou transfere; III - importa ou exporta bens com valores não correspondentes aos verdadeiros.
  • 7. Multa  A multa pecuniária variável não superior: a) ao dobro do valor da operação; b) ao dobro do lucro real obtido ou que presumivelmente seria obtido pela realização da operação; ou c) ao valor de R$ 20.000.000,00 (vinte milhões de reais).
  • 8. Note e Anote  Redução da pena  de um a dois terços em regime semiaberto  se o autor, coautor, ou partícipe colaborar espontaneamente com as autoridades  esclarecimentos para apuração das infrações penais e localização dos bens, direitos ou valores objeto do crime.  Aumento da Pena  de um a dois terços  crimes cometidos de forma reinterada ou por intermédio de organização criminosa.
  • 9. Indícios da Lavagem de Dinheiro  Aumentos substanciais no volume de depósitos de qualquer pessoa física ou jurídica sem causa aparente.  Troca de grandes quantidades de notas de pequeno valor por notas de grande valor.  Proposta de troca de grandes quantias em moeda nacional por moeda estrangeira e vice-versa.  Compras de cheques de viagem e cheques administrativos, ordens de pagamento sem evidencias de propósito claro.  Movimentação de recursos em praças localizadas em fronteiras.
  • 10. Indícios da Lavagem de Dinheiro  Movimentação de recursos incompatível com o patrimônio, a atividade econômica ou a ocupação profissional e a capacidade financeira presumida do cliente.  Numerosas contas com vistas ao acolhimento de depósitos em nome de um mesmo cliente, cujos valores, somados, resultem em quantia significativa.  Abertura de conta em agencia bancaria localizada em estação de passageiros.  utilização de cartão de crédito em valor não compatível com a capacidade financeira do usuário.
  • 11. Fases da Lavagem de Dinheiro 1ª Fase – Colocação  é a colocação do dinheiro no sistema econômico.  Objetivo  ocultar a origem do dinheiro  o criminoso procura movimentar o dinheiro em países com regras mais permissivas e naqueles que possuem um sistema financeiro liberal.  Efetivação  depósitos, compra de instrumentos negociáveis ou compra de bens.  Dificuldade na identificação da procedência do dinheiro  fracionamento dos valores que transitam pelo sistema financeiro e a utilização de estabelecimentos comerciais que usualmente trabalham com dinheiro em espécie.
  • 12. Fases da Lavagem de Dinheiro 2ª Fase – Ocultação  consiste em dificultar o rastreamento contábil dos recursos ilícitos.  Objetivo  quebrar a cadeia de evidências ante a possibilidade da realização de investigações sobre a origem do dinheiro.  Efetivação  movimentação de forma eletrônica, transferindo os ativos para contas anônimas – preferencialmente, em países amparados por lei de sigilo bancário – ou realizando depósitos em contas "fantasmas".
  • 13. Fases da Lavagem de Dinheiro 3ª Fase – Integração  os ativos são incorporados formalmente ao sistema econômico.  Objetivo  legalizar o dinheiro  “lavagem”.  Efetivação  as organizações criminosas fazem investimentos em empreendimentos que facilitem as atividades ilegais  podendo várias organizações prestarem serviços entre si.  Uma vez formada essa “teia de lavagem”, torna-se cada vez mais fácil legitimar o dinheiro ilegal.
  • 14. Identificação dos Clientes  As instituições financeiras são obrigadas a:  Identificar seus clientes e manter cadastro atualizado dos clientes – pessoas físicas ou jurídicas.  Manter registro de toda transação em moeda nacional ou estrangeira, títulos e valores mobiliários, títulos de crédito, metais, ou qualquer ativo passível de ser convertido em dinheiro.  Arquivar por 5 anos os cadastros e registros das transações financeiras.  BACEN  manterá registro centralizado, formando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições financeiras, bem como de seus procuradores.
  • 15. Identificação dos Clientes  As instituições financeiras são obrigadas a:  Identificar seus clientes e manter cadastro atualizado dos clientes – pessoas físicas ou jurídicas.  Manter registro de toda transação em moeda nacional ou estrangeira, títulos e valores mobiliários, títulos de crédito, metais, ou qualquer ativo passível de ser convertido em dinheiro.  Arquivar por 5 anos os cadastros e registros das transações financeiras.  BACEN  manterá registro centralizado, formando o cadastro geral de correntistas e clientes de instituições financeiras, bem como de seus procuradores.
  • 16. COAF  Conselho de Controle de Atividade Financeira – Unidade de Inteligência Financeira do Brasil  Órgão criado no âmbito do Ministério da Fazenda  atua eminentemente na prevenção e combate à lavagem de dinheiro e ao financiamento ao terrorismo.  Competências:  Receber, examinar e identificar as ocorrências suspeitas de atividades ilícitas;  Comunicar às autoridades competentes crimes de “lavagem”, ocultação de bens, direitos e valores, ou de qualquer outro ilícito;  Coordenar e propor mecanismos de cooperação e de troca de informações que viabilizem ações rápidas e eficientes no combate à ocultação ou dissimulação de bens, direitos e valores;  Disciplinar e aplicar penas administrativas.
  • 17. Comunicação ao COAF  As instituições financeiras devem comunicar ao COAF, na forma determinada pelo Banco Central do Brasil: As operações realizadas ou serviços prestados cujo valor seja igual ou superior a R$10.000,00 que possam configurar indícios de crime. Movimentações financeiras em espécie igual ou superior a R$ 100.000,00.  Atos suspeitos de financiamento do terrorismo ou de lavagem de dinheiro.
  • 18. Pessoas Politicamente Expostas  A Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro (ENCLA) criada em 2003 pelo Ministério da Justiça estabeleceu como meta a definição e regulamentação das obrigações do sistema financeiro em relação às Pessoas Politicamente Expostas (PPE).  Consideram-se pessoas politicamente expostas os agentes públicos que desempenham ou tenham desempenhado, nos cinco anos anteriores, no Brasil ou em países, territórios e dependências estrangeiros, cargos, empregos ou funções públicas relevantes, assim como seus representantes, familiares e outras pessoas de seu relacionamento próximo, conforme definido pela ENCLA.
  • 19. Pessoas Politicamente Expostas  As instituições financeiras devem considerar como pessoas politicamente expostas: Empregados com função pública relevante – chefes de Estado e de Governo; Políticos; Servidores do Poder Público e da Justiça; Magistrados ou militares de alto escalão; Dirigentes de empresas públicas; Dirigentes de partidos políticos; Prefeitos e os presidentes de Câmara Municipal das capitais de Estado; Seus parentes de primeiro grau.
  • 20. Pessoas Politicamente Expostas  A distinção de Pessoas Politicamente Expostas e o estabelecimento de rotinas de monitoramento de sua movimentação financeira visa a prevenção da corrupção da corrosão dos valores morais e éticos da sociedade e da articulação de crimes de lavagem de dinheiro.  Trafico de drogas;  Terrorismo e seu financiamento;  Contrabando ou trafico de armas e munição;  Sequestro;  Atentados contra a administração publica;  Atentados contra o Sistema Financeiro Nacional;