SlideShare uma empresa Scribd logo
Carboidratos
 Outras denominações:Outras denominações:
- Hidratos de carbono- Hidratos de carbono
- Glicídios, glícides ou glucídios- Glicídios, glícides ou glucídios
- Açúcares.- Açúcares.
 Ocorrência e funções gerais:Ocorrência e funções gerais:
São amplamente distribuídos nas plantas eSão amplamente distribuídos nas plantas e
nos animais, onde desempenham funçõesnos animais, onde desempenham funções
estruturais e metabólicas.estruturais e metabólicas.
É o combustível preferencial para a contraçãoÉ o combustível preferencial para a contração
muscularmuscular esquelética, sua depleção repercute em queda do desempenho.esquelética, sua depleção repercute em queda do desempenho.
IntroduçãoIntrodução

 ComposiçãoComposição
 São formados por C, H, O.São formados por C, H, O.
 Fórmula GeralFórmula Geral
CCnnHH2n2nOOnn
CarboidratosCarboidratos
 MonossacarídeosMonossacarídeos
 Açúcares Fundamentais (não necessitam deAçúcares Fundamentais (não necessitam de
qualquer alteração para serem absorvidos)qualquer alteração para serem absorvidos)
 Fórmula Geral: CFórmula Geral: CnnHH2n2nOOnn nn≥ 3≥ 3
 Propriedades:Propriedades:
 solúveis em água e insolúveis em solventessolúveis em água e insolúveis em solventes
orgânicosorgânicos
 brancos e cristalinosbrancos e cristalinos
 maioria com saber docemaioria com saber doce
 estão ligados à produção energética.estão ligados à produção energética.
ClassificaçãoClassificação
(quanto ao número de monômeros)(quanto ao número de monômeros)
Carboidratos
Amido,
GLICOGÊNIO
CARBOIDRATOS
Monossacarídios
Dissacaridíos
Polissacarídos
Glicose, frutose,
Galactose
Sacarose, lactose
e maltose

Vegetais AMIDOVegetais AMIDO
Animais GLICOGÊNIOAnimais GLICOGÊNIO
Armazenamento dos carboidratosArmazenamento dos carboidratos
Fígado (250 mmKg)
Músculos (100 mm Kg)
A Quantidade de Glicogênio
armazenada depende
Exercício DIETA
Observação:
Após uma noite de sono os estoques
de glicogênio hepático podem até
zerar, como podem alcançar valores
de 500 mmol/Kg depois de uma
refeição rica em carboidrato.
 O nome genérico do monossacarídeo é dadoO nome genérico do monossacarídeo é dado
baseado no número de carbonos mais abaseado no número de carbonos mais a
terminaçãoterminação “ose”.“ose”.
 03 carbonos – trioses03 carbonos – trioses
 04 carbonos – tetroses04 carbonos – tetroses
 05 carbonos – pentoses05 carbonos – pentoses
 06 carbonos – hexoses06 carbonos – hexoses
 07 carbonos – heptoses07 carbonos – heptoses
Podem ser classificados ainda como aldosesPodem ser classificados ainda como aldoses
ou cetoses.ou cetoses.
MonossacarídeosMonossacarídeos

Aldose x CetoseAldose x Cetose
MONOSSACARÍDEO FUNÇÃO
RIBOSE
(PENTOSE)
ESTRUTURAL
(RNA)
DESOXIRRIBOSE
(PENTOSE)
ESTRUTURAL
(DNA)
GLICOSE
(HEXOSE)
ENERGIA
FRUTOSE
(HEXOSE)
ENERGIA
GALACTOSE
(HEXOSE)
ENERGIA
Carboidratos

 Por convenção:Por convenção:
1.1. Fórmulas de projeção das oses são escritas com aFórmulas de projeção das oses são escritas com a
cadeia carbônica na posição vertical e o grupocadeia carbônica na posição vertical e o grupo ““CHOCHO””
na parte superior da cadeia.na parte superior da cadeia.
2.2. Quando a hidroxila do C mais afastado do grupoQuando a hidroxila do C mais afastado do grupo
aldeídico ou cetônico está escrito à direita recebe aaldeídico ou cetônico está escrito à direita recebe a
letraletra ““DD”” e à esquerda a letrae à esquerda a letra ““LL””..
Ex: glicoseEx: glicose
Estrutura das osesEstrutura das oses
OH ----------- H
L - glicose
Funções dos carboidratos
Fonte de energia
Estrutural
Reserva de Energia
Matéria prima para biossíntese
de outras biomoléculas

 Glicose ou dextrose: é a forma de açúcarGlicose ou dextrose: é a forma de açúcar
que circula no sangue e se oxida paraque circula no sangue e se oxida para
fornecer energia. No metabolismo humano,fornecer energia. No metabolismo humano,
todos os tipos de açúcar se transformam emtodos os tipos de açúcar se transformam em
glicose. É encontrada no milho, na uva e emglicose. É encontrada no milho, na uva e em
outras frutas e vegetais.outras frutas e vegetais.
 Frutose ou Levulose: é o açúcar das frutas.Frutose ou Levulose: é o açúcar das frutas.
 Galactose: faz parte da lactose , o açúcarGalactose: faz parte da lactose , o açúcar
do leite.do leite.
Os mais importantesOs mais importantes

 A oxidação do açúcar fornece energiaA oxidação do açúcar fornece energia
para a realização dos processos vitais dospara a realização dos processos vitais dos
organismos.organismos.
 A oxidação (completa) fornece COA oxidação (completa) fornece CO22 e He H22O.O.
 Cada grama fornece aproximadamente 4Cada grama fornece aproximadamente 4
kcal, independente da fonte.kcal, independente da fonte.
 O oposto desta oxidação é o que ocorreO oposto desta oxidação é o que ocorre
na fotossíntesena fotossíntese..
OxidaçãoOxidação

Oxidação da GlicoseOxidação da Glicose

 São combinações de açúcaresSão combinações de açúcares
simples que, por hidrólise,simples que, por hidrólise,
formam duas moléculas deformam duas moléculas de
monossacarídeos, iguais oumonossacarídeos, iguais ou
diferentes.diferentes.
DissacarídeosDissacarídeos

Ligação Glicosídica (maltose)Ligação Glicosídica (maltose)
DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE
Maltose Glicose + Glicose Cereais
Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar
Lactose Glicose + Galactose Leite
Carboidratos

Hidrólise da SacaroseHidrólise da Sacarose

 São açúcares complexos queSão açúcares complexos que
têm de 3 a 10 unidades detêm de 3 a 10 unidades de
monossacarídeos.monossacarídeos.
OligossacarídeosOligossacarídeos

 São açúcares complexos queSão açúcares complexos que
têm mais de 10 moléculas detêm mais de 10 moléculas de
monossacarídeosmonossacarídeos
PolissacarídeosPolissacarídeos
Amido composto por:
amilose e amilopectina
Amilose:Amilose:
 Macromolécula constituída de 250 a 300Macromolécula constituída de 250 a 300
resíduos de D-glicopiranose (maltose);resíduos de D-glicopiranose (maltose);
Amilopectina:Amilopectina:
 Macromolécula, menosMacromolécula, menos hidrossolúvelhidrossolúvel que aque a
amilose, constituída de aproximadamenteamilose, constituída de aproximadamente
1400 resíduos de α-glicose;1400 resíduos de α-glicose;
 A amilopectina constitui, 80% dosA amilopectina constitui, 80% dos
polissacarídeos do grão de amido.polissacarídeos do grão de amido.
AMIDOAMIDO
Glicogênio
Estrutura ramificada, permite rápida
produção da glicose em períodos de
necessidade metabólica
Polissacarídeos estruturais
Celulose e Quitina
As plantas possuem paredes celulares
rígidas compostas por celulose;
Celulose polímero linear de até 15 mil
resíduos de
glicose ligados por ligações
glicosídicas β(1" 4)
•• Difere-se da celulose na naturezaDifere-se da celulose na natureza
de monossacarídeos; na celulose ode monossacarídeos; na celulose o
monômero émonômero é ß-D-glicose, e naß-D-glicose, e na
quitina o monômero é a N-acetil- ß-quitina o monômero é a N-acetil- ß-
D-glicosamina;D-glicosamina;
•• Possui papel estrutural e apresenta boaPossui papel estrutural e apresenta boa
resistência mecânicaresistência mecânica..
Quitina
Carboidratos
Carboidratos
 É o principal componente estrutural das plantas,É o principal componente estrutural das plantas,
especialmente de madeira e plantas fibrosas.especialmente de madeira e plantas fibrosas.
 Apresenta cadeias individuais reunidas porApresenta cadeias individuais reunidas por
pontes de H, que dão às plantas fibrosas suapontes de H, que dão às plantas fibrosas sua
força mecânica.força mecânica.
 Os animais não possuem as enzimas celulases,Os animais não possuem as enzimas celulases,
que são encontradas em bactérias, incluindo asque são encontradas em bactérias, incluindo as
que habitam o trato digestivo dos cupins eque habitam o trato digestivo dos cupins e
animais de pasto e gadosanimais de pasto e gados..
CeluloseCelulose
CeluloseCelulose
1- Ação poupadora de energa: a presença: a presença
de carboidratos suficientes para satisfazerde carboidratos suficientes para satisfazer
a demanda energética impede que asa demanda energética impede que as
proteínas sejam desviadas para essaproteínas sejam desviadas para essa
proposta, permitindo que a maiorproposta, permitindo que a maior
proporção de proteína seja usada paraproporção de proteína seja usada para
função básica de construção de tecido.função básica de construção de tecido.
2-2- Efeito anticetogênico:Efeito anticetogênico: a quantidade dea quantidade de
carboidrato presente determina como ascarboidrato presente determina como as
gorduras poderiam ser quebradas paragorduras poderiam ser quebradas para
suprir uma fonte de energia imediata, destasuprir uma fonte de energia imediata, desta
forma afetando a formação e disposição dasforma afetando a formação e disposição das
cetonas.cetonas.
Funções Especiais dos Carboidratos noFunções Especiais dos Carboidratos no
Tecido CorporalTecido Corporal

3- Coração: o glicogênio é uma importante3- Coração: o glicogênio é uma importante
fonte emergencial de energia contrátil.fonte emergencial de energia contrátil.
4- Sistema Nervoso Central4- Sistema Nervoso Central: O cérebro nãoO cérebro não
armazena glicose e dessa maneiraarmazena glicose e dessa maneira
depende minuto a minuto de umdepende minuto a minuto de um
suprimento de glicose sangüínea. Umasuprimento de glicose sangüínea. Uma
interrupção prolongada glicêmica podeinterrupção prolongada glicêmica pode
causar danos irreversíveis ao cérebro.causar danos irreversíveis ao cérebro.
Funções Especiais dos Carboidratos noFunções Especiais dos Carboidratos no
Tecido CorporalTecido Corporal

 A saliva contém uma enzima que hidrolisaA saliva contém uma enzima que hidrolisa
o amido: a amilase salivar (ptialina),o amido: a amilase salivar (ptialina),
secretada pelas glândulas parótidas.secretada pelas glândulas parótidas.
 A amilase salivar consegue hidrolisarA amilase salivar consegue hidrolisar
apenas 3 a 5 % do total, pois age em umapenas 3 a 5 % do total, pois age em um
curto período de tempo, liberandocurto período de tempo, liberando
dextrinasdextrinas
(forma de maltose e isomaltose).(forma de maltose e isomaltose).
Digestão: bocaDigestão: boca

 A falta de carboidratos no organismoA falta de carboidratos no organismo
manifesta-se por sintomas de fraqueza,manifesta-se por sintomas de fraqueza,
tremores, mãos frias, nervosismo etremores, mãos frias, nervosismo e
tonturas, o que pode levar até aotonturas, o que pode levar até ao
desmaio. É o que acontece no jejumdesmaio. É o que acontece no jejum
prolongado. A carência leva o organismoprolongado. A carência leva o organismo
a utilizar-se das gorduras e reservas doa utilizar-se das gorduras e reservas do
tecido adiposo para fornecimento detecido adiposo para fornecimento de
energia, o que provoca emagrecimento.energia, o que provoca emagrecimento.
CarênciaCarência

 Os carboidratos, quando em excessoOs carboidratos, quando em excesso
no organismo, transformam-se emno organismo, transformam-se em
gordura e ficam acumulados nosgordura e ficam acumulados nos
adipósitos, podendo causar obesidadeadipósitos, podendo causar obesidade
e arterosclerosee arterosclerose
(aumento dos triglicerídeos(aumento dos triglicerídeos
sangüíneos).sangüíneos).
ExcessoExcesso

 Níveis de carboidratos no sangue sãoNíveis de carboidratos no sangue são
controlados por hormônioscontrolados por hormônios
secretados por células pancreáticas:secretados por células pancreáticas:
 INSULINAINSULINA
 GLUCAGONGLUCAGON
Mecanismos de regulaçãoMecanismos de regulação

O açúcar no sangue é regulado pelaO açúcar no sangue é regulado pela
Insulina e GlucagonInsulina e Glucagon

 É a taxa de glicose no sangue.É a taxa de glicose no sangue.
 Varia em função da nossa alimentaçãoVaria em função da nossa alimentação
e nossa atividade.e nossa atividade.
 Uma pessoa em situação de equilíbrioUma pessoa em situação de equilíbrio
glicêmico ou homeostase possui umaglicêmico ou homeostase possui uma
glicemia que varia, em geral, de 80 aglicemia que varia, em geral, de 80 a
110 mg/dL.110 mg/dL.
 Segundo recente sugestão daSegundo recente sugestão da
Associação Americana de Diabetes, aAssociação Americana de Diabetes, a
glicemia normal seria de 70 a 99glicemia normal seria de 70 a 99
mg/dL.mg/dL.
GlicemiaGlicemia

 Estimula a secreção da insulina peloEstimula a secreção da insulina pelo
pâncreas.pâncreas.
 Esse hormônio estimula as células doEsse hormônio estimula as células do
nosso organismo a absorver a glicosenosso organismo a absorver a glicose
presente no sangue.presente no sangue.
 Se essas células não necessitamSe essas células não necessitam
imediatamente do açúcar disponível, asimediatamente do açúcar disponível, as
células do fígado se responsabilizamcélulas do fígado se responsabilizam
pela transformação da glicose,pela transformação da glicose,
estocando-a sob a forma de glicogênio.estocando-a sob a forma de glicogênio.
HiperglicemiaHiperglicemia

 Quando o pâncreas pára de fabricar aQuando o pâncreas pára de fabricar a
insulina, ou o organismo não consegueinsulina, ou o organismo não consegue
utilizá-la de forma eficiente, a glicoseutilizá-la de forma eficiente, a glicose
fica circulando na corrente sanguínea,fica circulando na corrente sanguínea,
gerando a hiperglicemia e levando agerando a hiperglicemia e levando a
uma doença conhecida como ouma doença conhecida como o
diabetesdiabetes
DiabetesDiabetes


 Estimula o pâncreas a secretar outro hormônio: oEstimula o pâncreas a secretar outro hormônio: o
glucagon.glucagon.
 O fígado transforma o glicogênio em glicose e liberaO fígado transforma o glicogênio em glicose e libera
a glicose no sangue.a glicose no sangue.
 A glicemia retorna, então, ao valor de referência.A glicemia retorna, então, ao valor de referência.
Glicemia baixaGlicemia baixa
 Após detectar excesso de glicose (HIPERGLICEMIA);Após detectar excesso de glicose (HIPERGLICEMIA);
 Exerce três efeitos principais:Exerce três efeitos principais:
 Estimula a captação de glicose pelas células;Estimula a captação de glicose pelas células;
 Estimula a glicogênese (armazenamento da glicose na formaEstimula a glicogênese (armazenamento da glicose na forma
de glicogênio);de glicogênio);
 Estimula armazenamento de aa e ácidos graxos.Estimula armazenamento de aa e ácidos graxos.
Liberação da InsulinaLiberação da Insulina

 Efeito antagônico à insulina;Efeito antagônico à insulina;
 Formado pelas célulasFormado pelas células αα pancreáticas;pancreáticas;
 Liberado quando na HIPOGLICEMIA;Liberado quando na HIPOGLICEMIA;
 Atua:Atua:
 Estimulando a degradação de glicogênio hepático e muscular;Estimulando a degradação de glicogênio hepático e muscular;
 Estimula a mobilização de aa e ácidos graxos;Estimula a mobilização de aa e ácidos graxos;
 Estimula a lipóliseEstimula a lipólise..
GLUCAGONGLUCAGON
 Regulação inibitória da liberação de insulina e glucagon;Regulação inibitória da liberação de insulina e glucagon;
 Sintetizada pelas células delta.Sintetizada pelas células delta.
SOMATOSTATINASOMATOSTATINA
 A amilase salivar é rapidamente inativada em pH 4,0 ouA amilase salivar é rapidamente inativada em pH 4,0 ou
mais baixo, de modo que a digestão do amido iniciada namais baixo, de modo que a digestão do amido iniciada na
boca, cessa rapidamente no meio ácido do estômago.boca, cessa rapidamente no meio ácido do estômago.
Digestão: estômagoDigestão: estômago
 DuodenoDuodeno: A amilase pancreática é capaz de realizar à: A amilase pancreática é capaz de realizar à
digestão completa do amido, transformando-o em maltosedigestão completa do amido, transformando-o em maltose
e dextrina.e dextrina.
 Intestino DelgadoIntestino Delgado: Temos a ação das dissacaridases: Temos a ação das dissacaridases
( enzimas que hidrolisam os dissacarídeos), que estão na( enzimas que hidrolisam os dissacarídeos), que estão na
borda das células intestinais.borda das células intestinais.
Digestão: intestinoDigestão: intestino
1.1. Na rapadura encontramos 90% de carboidratos.Na rapadura encontramos 90% de carboidratos.
Sendo 80% de sacarose.Sendo 80% de sacarose.
2.2. Os carboidratos da nossa dieta são oriundos deOs carboidratos da nossa dieta são oriundos de
alimentos de origem vegetal. A exceção é aalimentos de origem vegetal. A exceção é a
lactose, proveniente do leite e seus derivados.lactose, proveniente do leite e seus derivados.
3.3. Mais da metade do carbono orgânico do planetaMais da metade do carbono orgânico do planeta
está armazenado em apenas duas moléculasestá armazenado em apenas duas moléculas
de carboidratos: amido e celulose.de carboidratos: amido e celulose.
CuriosidadesCuriosidades

 Assistam os vídeos sugeridos!Assistam os vídeos sugeridos!
FIM!FIM!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bioquimica introducao
Bioquimica introducaoBioquimica introducao
Bioquimica introducao
Richele Soares
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
Lipidios Lipidios
Lipidios
Giovanna Martins
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
UERGS
 
Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )
Bio
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
Messias Miranda
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
Luis Dantas
 
Bioquimica. agua
Bioquimica. aguaBioquimica. agua
Bioquimica. agua
Naisa Leal
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
Paula Fletcher
 
Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)
Adrianne Mendonça
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
César Milani
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Gabriel Resende
 
Bioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínasBioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínas
Viviane Vasconcelos
 
Aula carboidratos
Aula carboidratosAula carboidratos
Aula carboidratos
Tatiana Santos
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
Adrianne Mendonça
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
barbara_carlini
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
bradok157
 
Lipídios prof. Sandro Baldez
Lipídios  prof. Sandro BaldezLipídios  prof. Sandro Baldez
Lipídios prof. Sandro Baldez
Sandro Baldez
 
1º ano- Lipídios
1º ano- Lipídios1º ano- Lipídios
1º ano- Lipídios
Aline Tonin
 

Mais procurados (20)

Bioquimica introducao
Bioquimica introducaoBioquimica introducao
Bioquimica introducao
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
 
Lipidios
Lipidios Lipidios
Lipidios
 
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2Definição, classificação, composição e conservação aula 2
Definição, classificação, composição e conservação aula 2
 
Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )Lipídios ( Power Point )
Lipídios ( Power Point )
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 
Lipídeos
LipídeosLipídeos
Lipídeos
 
Bioquimica. agua
Bioquimica. aguaBioquimica. agua
Bioquimica. agua
 
Lipidios
LipidiosLipidios
Lipidios
 
Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)Metabolismo celular (completo)
Metabolismo celular (completo)
 
Vitaminas
VitaminasVitaminas
Vitaminas
 
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
Ácidos Nucléicos (DNA e RNA)
 
Bioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínasBioquimica das proteínas
Bioquimica das proteínas
 
Aula carboidratos
Aula carboidratosAula carboidratos
Aula carboidratos
 
Proteinas
ProteinasProteinas
Proteinas
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Aula Citologia
Aula CitologiaAula Citologia
Aula Citologia
 
Lipídios prof. Sandro Baldez
Lipídios  prof. Sandro BaldezLipídios  prof. Sandro Baldez
Lipídios prof. Sandro Baldez
 
1º ano- Lipídios
1º ano- Lipídios1º ano- Lipídios
1º ano- Lipídios
 

Destaque

DOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOS
DOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOSDOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOS
DOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOS
Enfº Ícaro Araújo
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
Gleyson Costa
 
Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.
Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.
Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.
Paulo Henrique Barbosa do Nascimento
 
A química da vida água e sais minerais
A química da vida  água e sais mineraisA química da vida  água e sais minerais
A química da vida água e sais minerais
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Exemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicosExemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicos
Escola Pública/Particular
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
naymarques
 
Carboidratos slideshare
Carboidratos   slideshareCarboidratos   slideshare
Carboidratos slideshare
Sid Siqueira
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
Eldon Clayton
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Douglas Barreto
 
Fisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratórioFisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratório
Raul Tomé
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Herbert Santana
 
Sistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpointSistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpoint
isabelalexandrapinto
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
Fabiano Reis
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
Cláudia Moura
 
Aula Proteínas
Aula ProteínasAula Proteínas
Aula Proteínas
Daniele Teixeira
 

Destaque (16)

DOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOS
DOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOSDOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOS
DOENÇAS CAUSADAS PELOS EXCESSOS DE CARBOIDRATOS
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.
Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.
Estrutura de Carboidratos: Monossacarídeos, Oligossacarídeos e Polissacarídeos.
 
A química da vida água e sais minerais
A química da vida  água e sais mineraisA química da vida  água e sais minerais
A química da vida água e sais minerais
 
Exemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicosExemplos de compostos orgânicos
Exemplos de compostos orgânicos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Carboidratos slideshare
Carboidratos   slideshareCarboidratos   slideshare
Carboidratos slideshare
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Fisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratórioFisiologia sistema respiratório
Fisiologia sistema respiratório
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
 
Sistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpointSistema respiratorio powerpoint
Sistema respiratorio powerpoint
 
Composição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivosComposição química dos seres vivos
Composição química dos seres vivos
 
Sistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aulaSistema respiratorio slides da aula
Sistema respiratorio slides da aula
 
Sistema respiratório
Sistema respiratórioSistema respiratório
Sistema respiratório
 
Aula Proteínas
Aula ProteínasAula Proteínas
Aula Proteínas
 

Semelhante a Carboidratos

CARBOIDRATOS.pdf
CARBOIDRATOS.pdfCARBOIDRATOS.pdf
CARBOIDRATOS.pdf
SilvioMattos3
 
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdfFundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Jorgepedro38
 
Bioquímica dos alimentos.pptx
Bioquímica dos alimentos.pptxBioquímica dos alimentos.pptx
Bioquímica dos alimentos.pptx
SamanthaBatistaMeles
 
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzettiComposicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
MatheusMesquitaMelo
 
Carboidratos shared
Carboidratos sharedCarboidratos shared
Carboidratos shared
Erica Alves
 
Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)
Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)
Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)
Marcialila
 
42951 carboidratos --introdução.2012
42951 carboidratos --introdução.201242951 carboidratos --introdução.2012
42951 carboidratos --introdução.2012
Marcelo Roberto Lazzari
 
Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)
Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)
Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)
WashingtonFormiga1
 
Biologia bmrn
Biologia bmrnBiologia bmrn
Biologia bmrn
Valdemir Marques
 
Quimica da vida
Quimica da vida   Quimica da vida
Quimica da vida
Marina Machado
 
Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012
Paulo Filho
 
Bioquímica 2012
Bioquímica 2012Bioquímica 2012
Bioquímica 2012
Paulo Filho
 
Bioquímica ii 12 biossíntese do colesterol (arlindo netto)
Bioquímica ii 12   biossíntese do colesterol (arlindo netto)Bioquímica ii 12   biossíntese do colesterol (arlindo netto)
Bioquímica ii 12 biossíntese do colesterol (arlindo netto)
Jucie Vasconcelos
 
Componentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: CarboidratosComponentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: Carboidratos
Werner Mendoza Blanco
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
URCA
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I   Carboidratos e LipídiosMetabolismo Energético I   Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
Alpha Colégio e Vestibulares
 
Carboidratos.pdf
Carboidratos.pdfCarboidratos.pdf
Carboidratos.pdf
Gilmargomesdasilva7
 
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.pptaula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
ssuser2b53fe
 
Bioquimica i 02 carboidratos
Bioquimica i 02   carboidratosBioquimica i 02   carboidratos
Bioquimica i 02 carboidratos
Jucie Vasconcelos
 

Semelhante a Carboidratos (20)

CARBOIDRATOS.pdf
CARBOIDRATOS.pdfCARBOIDRATOS.pdf
CARBOIDRATOS.pdf
 
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdfFundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
Fundamentos da bioquímica - carboidratos.pdf
 
Bioquímica dos alimentos.pptx
Bioquímica dos alimentos.pptxBioquímica dos alimentos.pptx
Bioquímica dos alimentos.pptx
 
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzettiComposicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
Composicao quimica compostosrelacionadosaos_seresvivos_eu_mazzetti
 
Carboidratos shared
Carboidratos sharedCarboidratos shared
Carboidratos shared
 
Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)
Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)
Aula 2 e_3_-_carboidratos,_glicólise, _ciclo_de_krebs_e_via_das_pentoses (1)
 
42951 carboidratos --introdução.2012
42951 carboidratos --introdução.201242951 carboidratos --introdução.2012
42951 carboidratos --introdução.2012
 
Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)
Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)
Bioquímica - Noções Básicas Carbpidrato (i)
 
Biologia bmrn
Biologia bmrnBiologia bmrn
Biologia bmrn
 
Quimica da vida
Quimica da vida   Quimica da vida
Quimica da vida
 
Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012Bioquímica Porto 2012
Bioquímica Porto 2012
 
Bioquímica 2012
Bioquímica 2012Bioquímica 2012
Bioquímica 2012
 
Bioquímica ii 12 biossíntese do colesterol (arlindo netto)
Bioquímica ii 12   biossíntese do colesterol (arlindo netto)Bioquímica ii 12   biossíntese do colesterol (arlindo netto)
Bioquímica ii 12 biossíntese do colesterol (arlindo netto)
 
Componentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: CarboidratosComponentes orgânicos: Carboidratos
Componentes orgânicos: Carboidratos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I   Carboidratos e LipídiosMetabolismo Energético I   Carboidratos e Lipídios
Metabolismo Energético I Carboidratos e Lipídios
 
Carboidratos.pdf
Carboidratos.pdfCarboidratos.pdf
Carboidratos.pdf
 
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.pptaula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
aula de bioquímica bioquímica dos carboidratos.ppt
 
Bioquimica i 02 carboidratos
Bioquimica i 02   carboidratosBioquimica i 02   carboidratos
Bioquimica i 02 carboidratos
 

Mais de Renata Almeida Freitas

TREINAMENTO SEGURANÇA para portaria .ppt
TREINAMENTO  SEGURANÇA para portaria .pptTREINAMENTO  SEGURANÇA para portaria .ppt
TREINAMENTO SEGURANÇA para portaria .ppt
Renata Almeida Freitas
 
Lipideos aula 1
Lipideos aula 1Lipideos aula 1
Lipideos aula 1
Renata Almeida Freitas
 
Introdução a apicultura
Introdução a apicultura Introdução a apicultura
Introdução a apicultura
Renata Almeida Freitas
 
Agroindstria bioqumica dos_alimentos
Agroindstria bioqumica dos_alimentosAgroindstria bioqumica dos_alimentos
Agroindstria bioqumica dos_alimentos
Renata Almeida Freitas
 
Aula 11
Aula 11Aula 11
5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade
5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade
5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade
Renata Almeida Freitas
 
Arroz
ArrozArroz

Mais de Renata Almeida Freitas (7)

TREINAMENTO SEGURANÇA para portaria .ppt
TREINAMENTO  SEGURANÇA para portaria .pptTREINAMENTO  SEGURANÇA para portaria .ppt
TREINAMENTO SEGURANÇA para portaria .ppt
 
Lipideos aula 1
Lipideos aula 1Lipideos aula 1
Lipideos aula 1
 
Introdução a apicultura
Introdução a apicultura Introdução a apicultura
Introdução a apicultura
 
Agroindstria bioqumica dos_alimentos
Agroindstria bioqumica dos_alimentosAgroindstria bioqumica dos_alimentos
Agroindstria bioqumica dos_alimentos
 
Aula 11
Aula 11Aula 11
Aula 11
 
5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade
5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade
5s um-programa-de-qualidade-e-produtividade
 
Arroz
ArrozArroz
Arroz
 

Último

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Yan Kayk da Cruz Ferreira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
EduardoLealSilva
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
FLAVIOROBERTOGOUVEA
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 

Último (20)

Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFVRegistros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
Registros da 8ª edição da FECINTEC - AFV
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa CivilSeminário de Gestão Pública e Defesa Civil
Seminário de Gestão Pública e Defesa Civil
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdfGuia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
Guia referencial de Apoio - Planejamento Escolar 2024.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 

Carboidratos

  • 2.  Outras denominações:Outras denominações: - Hidratos de carbono- Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios- Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares.- Açúcares.  Ocorrência e funções gerais:Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas eSão amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde desempenham funçõesnos animais, onde desempenham funções estruturais e metabólicas.estruturais e metabólicas. É o combustível preferencial para a contraçãoÉ o combustível preferencial para a contração muscularmuscular esquelética, sua depleção repercute em queda do desempenho.esquelética, sua depleção repercute em queda do desempenho. IntroduçãoIntrodução
  • 3.   ComposiçãoComposição  São formados por C, H, O.São formados por C, H, O.  Fórmula GeralFórmula Geral CCnnHH2n2nOOnn CarboidratosCarboidratos
  • 4.  MonossacarídeosMonossacarídeos  Açúcares Fundamentais (não necessitam deAçúcares Fundamentais (não necessitam de qualquer alteração para serem absorvidos)qualquer alteração para serem absorvidos)  Fórmula Geral: CFórmula Geral: CnnHH2n2nOOnn nn≥ 3≥ 3  Propriedades:Propriedades:  solúveis em água e insolúveis em solventessolúveis em água e insolúveis em solventes orgânicosorgânicos  brancos e cristalinosbrancos e cristalinos  maioria com saber docemaioria com saber doce  estão ligados à produção energética.estão ligados à produção energética. ClassificaçãoClassificação (quanto ao número de monômeros)(quanto ao número de monômeros)
  • 6.  Vegetais AMIDOVegetais AMIDO Animais GLICOGÊNIOAnimais GLICOGÊNIO Armazenamento dos carboidratosArmazenamento dos carboidratos Fígado (250 mmKg) Músculos (100 mm Kg)
  • 7. A Quantidade de Glicogênio armazenada depende Exercício DIETA Observação: Após uma noite de sono os estoques de glicogênio hepático podem até zerar, como podem alcançar valores de 500 mmol/Kg depois de uma refeição rica em carboidrato.
  • 8.  O nome genérico do monossacarídeo é dadoO nome genérico do monossacarídeo é dado baseado no número de carbonos mais abaseado no número de carbonos mais a terminaçãoterminação “ose”.“ose”.  03 carbonos – trioses03 carbonos – trioses  04 carbonos – tetroses04 carbonos – tetroses  05 carbonos – pentoses05 carbonos – pentoses  06 carbonos – hexoses06 carbonos – hexoses  07 carbonos – heptoses07 carbonos – heptoses Podem ser classificados ainda como aldosesPodem ser classificados ainda como aldoses ou cetoses.ou cetoses. MonossacarídeosMonossacarídeos
  • 12.   Por convenção:Por convenção: 1.1. Fórmulas de projeção das oses são escritas com aFórmulas de projeção das oses são escritas com a cadeia carbônica na posição vertical e o grupocadeia carbônica na posição vertical e o grupo ““CHOCHO”” na parte superior da cadeia.na parte superior da cadeia. 2.2. Quando a hidroxila do C mais afastado do grupoQuando a hidroxila do C mais afastado do grupo aldeídico ou cetônico está escrito à direita recebe aaldeídico ou cetônico está escrito à direita recebe a letraletra ““DD”” e à esquerda a letrae à esquerda a letra ““LL””.. Ex: glicoseEx: glicose Estrutura das osesEstrutura das oses OH ----------- H L - glicose
  • 13. Funções dos carboidratos Fonte de energia Estrutural Reserva de Energia Matéria prima para biossíntese de outras biomoléculas
  • 14.   Glicose ou dextrose: é a forma de açúcarGlicose ou dextrose: é a forma de açúcar que circula no sangue e se oxida paraque circula no sangue e se oxida para fornecer energia. No metabolismo humano,fornecer energia. No metabolismo humano, todos os tipos de açúcar se transformam emtodos os tipos de açúcar se transformam em glicose. É encontrada no milho, na uva e emglicose. É encontrada no milho, na uva e em outras frutas e vegetais.outras frutas e vegetais.  Frutose ou Levulose: é o açúcar das frutas.Frutose ou Levulose: é o açúcar das frutas.  Galactose: faz parte da lactose , o açúcarGalactose: faz parte da lactose , o açúcar do leite.do leite. Os mais importantesOs mais importantes
  • 15.   A oxidação do açúcar fornece energiaA oxidação do açúcar fornece energia para a realização dos processos vitais dospara a realização dos processos vitais dos organismos.organismos.  A oxidação (completa) fornece COA oxidação (completa) fornece CO22 e He H22O.O.  Cada grama fornece aproximadamente 4Cada grama fornece aproximadamente 4 kcal, independente da fonte.kcal, independente da fonte.  O oposto desta oxidação é o que ocorreO oposto desta oxidação é o que ocorre na fotossíntesena fotossíntese.. OxidaçãoOxidação
  • 17.   São combinações de açúcaresSão combinações de açúcares simples que, por hidrólise,simples que, por hidrólise, formam duas moléculas deformam duas moléculas de monossacarídeos, iguais oumonossacarídeos, iguais ou diferentes.diferentes. DissacarídeosDissacarídeos
  • 19. DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose + Galactose Leite
  • 22.   São açúcares complexos queSão açúcares complexos que têm de 3 a 10 unidades detêm de 3 a 10 unidades de monossacarídeos.monossacarídeos. OligossacarídeosOligossacarídeos
  • 23.   São açúcares complexos queSão açúcares complexos que têm mais de 10 moléculas detêm mais de 10 moléculas de monossacarídeosmonossacarídeos PolissacarídeosPolissacarídeos
  • 24. Amido composto por: amilose e amilopectina
  • 25. Amilose:Amilose:  Macromolécula constituída de 250 a 300Macromolécula constituída de 250 a 300 resíduos de D-glicopiranose (maltose);resíduos de D-glicopiranose (maltose); Amilopectina:Amilopectina:  Macromolécula, menosMacromolécula, menos hidrossolúvelhidrossolúvel que aque a amilose, constituída de aproximadamenteamilose, constituída de aproximadamente 1400 resíduos de α-glicose;1400 resíduos de α-glicose;  A amilopectina constitui, 80% dosA amilopectina constitui, 80% dos polissacarídeos do grão de amido.polissacarídeos do grão de amido. AMIDOAMIDO
  • 26. Glicogênio Estrutura ramificada, permite rápida produção da glicose em períodos de necessidade metabólica
  • 27. Polissacarídeos estruturais Celulose e Quitina As plantas possuem paredes celulares rígidas compostas por celulose; Celulose polímero linear de até 15 mil resíduos de glicose ligados por ligações glicosídicas β(1" 4)
  • 28. •• Difere-se da celulose na naturezaDifere-se da celulose na natureza de monossacarídeos; na celulose ode monossacarídeos; na celulose o monômero émonômero é ß-D-glicose, e naß-D-glicose, e na quitina o monômero é a N-acetil- ß-quitina o monômero é a N-acetil- ß- D-glicosamina;D-glicosamina; •• Possui papel estrutural e apresenta boaPossui papel estrutural e apresenta boa resistência mecânicaresistência mecânica.. Quitina
  • 31.  É o principal componente estrutural das plantas,É o principal componente estrutural das plantas, especialmente de madeira e plantas fibrosas.especialmente de madeira e plantas fibrosas.  Apresenta cadeias individuais reunidas porApresenta cadeias individuais reunidas por pontes de H, que dão às plantas fibrosas suapontes de H, que dão às plantas fibrosas sua força mecânica.força mecânica.  Os animais não possuem as enzimas celulases,Os animais não possuem as enzimas celulases, que são encontradas em bactérias, incluindo asque são encontradas em bactérias, incluindo as que habitam o trato digestivo dos cupins eque habitam o trato digestivo dos cupins e animais de pasto e gadosanimais de pasto e gados.. CeluloseCelulose
  • 33. 1- Ação poupadora de energa: a presença: a presença de carboidratos suficientes para satisfazerde carboidratos suficientes para satisfazer a demanda energética impede que asa demanda energética impede que as proteínas sejam desviadas para essaproteínas sejam desviadas para essa proposta, permitindo que a maiorproposta, permitindo que a maior proporção de proteína seja usada paraproporção de proteína seja usada para função básica de construção de tecido.função básica de construção de tecido. 2-2- Efeito anticetogênico:Efeito anticetogênico: a quantidade dea quantidade de carboidrato presente determina como ascarboidrato presente determina como as gorduras poderiam ser quebradas paragorduras poderiam ser quebradas para suprir uma fonte de energia imediata, destasuprir uma fonte de energia imediata, desta forma afetando a formação e disposição dasforma afetando a formação e disposição das cetonas.cetonas. Funções Especiais dos Carboidratos noFunções Especiais dos Carboidratos no Tecido CorporalTecido Corporal
  • 34.  3- Coração: o glicogênio é uma importante3- Coração: o glicogênio é uma importante fonte emergencial de energia contrátil.fonte emergencial de energia contrátil. 4- Sistema Nervoso Central4- Sistema Nervoso Central: O cérebro nãoO cérebro não armazena glicose e dessa maneiraarmazena glicose e dessa maneira depende minuto a minuto de umdepende minuto a minuto de um suprimento de glicose sangüínea. Umasuprimento de glicose sangüínea. Uma interrupção prolongada glicêmica podeinterrupção prolongada glicêmica pode causar danos irreversíveis ao cérebro.causar danos irreversíveis ao cérebro. Funções Especiais dos Carboidratos noFunções Especiais dos Carboidratos no Tecido CorporalTecido Corporal
  • 35.   A saliva contém uma enzima que hidrolisaA saliva contém uma enzima que hidrolisa o amido: a amilase salivar (ptialina),o amido: a amilase salivar (ptialina), secretada pelas glândulas parótidas.secretada pelas glândulas parótidas.  A amilase salivar consegue hidrolisarA amilase salivar consegue hidrolisar apenas 3 a 5 % do total, pois age em umapenas 3 a 5 % do total, pois age em um curto período de tempo, liberandocurto período de tempo, liberando dextrinasdextrinas (forma de maltose e isomaltose).(forma de maltose e isomaltose). Digestão: bocaDigestão: boca
  • 36.   A falta de carboidratos no organismoA falta de carboidratos no organismo manifesta-se por sintomas de fraqueza,manifesta-se por sintomas de fraqueza, tremores, mãos frias, nervosismo etremores, mãos frias, nervosismo e tonturas, o que pode levar até aotonturas, o que pode levar até ao desmaio. É o que acontece no jejumdesmaio. É o que acontece no jejum prolongado. A carência leva o organismoprolongado. A carência leva o organismo a utilizar-se das gorduras e reservas doa utilizar-se das gorduras e reservas do tecido adiposo para fornecimento detecido adiposo para fornecimento de energia, o que provoca emagrecimento.energia, o que provoca emagrecimento. CarênciaCarência
  • 37.   Os carboidratos, quando em excessoOs carboidratos, quando em excesso no organismo, transformam-se emno organismo, transformam-se em gordura e ficam acumulados nosgordura e ficam acumulados nos adipósitos, podendo causar obesidadeadipósitos, podendo causar obesidade e arterosclerosee arterosclerose (aumento dos triglicerídeos(aumento dos triglicerídeos sangüíneos).sangüíneos). ExcessoExcesso
  • 38.   Níveis de carboidratos no sangue sãoNíveis de carboidratos no sangue são controlados por hormônioscontrolados por hormônios secretados por células pancreáticas:secretados por células pancreáticas:  INSULINAINSULINA  GLUCAGONGLUCAGON Mecanismos de regulaçãoMecanismos de regulação
  • 39.  O açúcar no sangue é regulado pelaO açúcar no sangue é regulado pela Insulina e GlucagonInsulina e Glucagon
  • 40.   É a taxa de glicose no sangue.É a taxa de glicose no sangue.  Varia em função da nossa alimentaçãoVaria em função da nossa alimentação e nossa atividade.e nossa atividade.  Uma pessoa em situação de equilíbrioUma pessoa em situação de equilíbrio glicêmico ou homeostase possui umaglicêmico ou homeostase possui uma glicemia que varia, em geral, de 80 aglicemia que varia, em geral, de 80 a 110 mg/dL.110 mg/dL.  Segundo recente sugestão daSegundo recente sugestão da Associação Americana de Diabetes, aAssociação Americana de Diabetes, a glicemia normal seria de 70 a 99glicemia normal seria de 70 a 99 mg/dL.mg/dL. GlicemiaGlicemia
  • 41.   Estimula a secreção da insulina peloEstimula a secreção da insulina pelo pâncreas.pâncreas.  Esse hormônio estimula as células doEsse hormônio estimula as células do nosso organismo a absorver a glicosenosso organismo a absorver a glicose presente no sangue.presente no sangue.  Se essas células não necessitamSe essas células não necessitam imediatamente do açúcar disponível, asimediatamente do açúcar disponível, as células do fígado se responsabilizamcélulas do fígado se responsabilizam pela transformação da glicose,pela transformação da glicose, estocando-a sob a forma de glicogênio.estocando-a sob a forma de glicogênio. HiperglicemiaHiperglicemia
  • 42.   Quando o pâncreas pára de fabricar aQuando o pâncreas pára de fabricar a insulina, ou o organismo não consegueinsulina, ou o organismo não consegue utilizá-la de forma eficiente, a glicoseutilizá-la de forma eficiente, a glicose fica circulando na corrente sanguínea,fica circulando na corrente sanguínea, gerando a hiperglicemia e levando agerando a hiperglicemia e levando a uma doença conhecida como ouma doença conhecida como o diabetesdiabetes DiabetesDiabetes
  • 43.
  • 44.   Estimula o pâncreas a secretar outro hormônio: oEstimula o pâncreas a secretar outro hormônio: o glucagon.glucagon.  O fígado transforma o glicogênio em glicose e liberaO fígado transforma o glicogênio em glicose e libera a glicose no sangue.a glicose no sangue.  A glicemia retorna, então, ao valor de referência.A glicemia retorna, então, ao valor de referência. Glicemia baixaGlicemia baixa
  • 45.  Após detectar excesso de glicose (HIPERGLICEMIA);Após detectar excesso de glicose (HIPERGLICEMIA);  Exerce três efeitos principais:Exerce três efeitos principais:  Estimula a captação de glicose pelas células;Estimula a captação de glicose pelas células;  Estimula a glicogênese (armazenamento da glicose na formaEstimula a glicogênese (armazenamento da glicose na forma de glicogênio);de glicogênio);  Estimula armazenamento de aa e ácidos graxos.Estimula armazenamento de aa e ácidos graxos. Liberação da InsulinaLiberação da Insulina
  • 46.   Efeito antagônico à insulina;Efeito antagônico à insulina;  Formado pelas célulasFormado pelas células αα pancreáticas;pancreáticas;  Liberado quando na HIPOGLICEMIA;Liberado quando na HIPOGLICEMIA;  Atua:Atua:  Estimulando a degradação de glicogênio hepático e muscular;Estimulando a degradação de glicogênio hepático e muscular;  Estimula a mobilização de aa e ácidos graxos;Estimula a mobilização de aa e ácidos graxos;  Estimula a lipóliseEstimula a lipólise.. GLUCAGONGLUCAGON
  • 47.  Regulação inibitória da liberação de insulina e glucagon;Regulação inibitória da liberação de insulina e glucagon;  Sintetizada pelas células delta.Sintetizada pelas células delta. SOMATOSTATINASOMATOSTATINA
  • 48.  A amilase salivar é rapidamente inativada em pH 4,0 ouA amilase salivar é rapidamente inativada em pH 4,0 ou mais baixo, de modo que a digestão do amido iniciada namais baixo, de modo que a digestão do amido iniciada na boca, cessa rapidamente no meio ácido do estômago.boca, cessa rapidamente no meio ácido do estômago. Digestão: estômagoDigestão: estômago
  • 49.  DuodenoDuodeno: A amilase pancreática é capaz de realizar à: A amilase pancreática é capaz de realizar à digestão completa do amido, transformando-o em maltosedigestão completa do amido, transformando-o em maltose e dextrina.e dextrina.  Intestino DelgadoIntestino Delgado: Temos a ação das dissacaridases: Temos a ação das dissacaridases ( enzimas que hidrolisam os dissacarídeos), que estão na( enzimas que hidrolisam os dissacarídeos), que estão na borda das células intestinais.borda das células intestinais. Digestão: intestinoDigestão: intestino
  • 50. 1.1. Na rapadura encontramos 90% de carboidratos.Na rapadura encontramos 90% de carboidratos. Sendo 80% de sacarose.Sendo 80% de sacarose. 2.2. Os carboidratos da nossa dieta são oriundos deOs carboidratos da nossa dieta são oriundos de alimentos de origem vegetal. A exceção é aalimentos de origem vegetal. A exceção é a lactose, proveniente do leite e seus derivados.lactose, proveniente do leite e seus derivados. 3.3. Mais da metade do carbono orgânico do planetaMais da metade do carbono orgânico do planeta está armazenado em apenas duas moléculasestá armazenado em apenas duas moléculas de carboidratos: amido e celulose.de carboidratos: amido e celulose. CuriosidadesCuriosidades
  • 51.   Assistam os vídeos sugeridos!Assistam os vídeos sugeridos! FIM!FIM!