SlideShare uma empresa Scribd logo
CJA Business Consulting
Site www.cja-bc.com
TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
BENS ESCASSOS III
Os Capitais Próprios e as
Contragarantias
Cuidados a ter no seu uso
III) Tipologia e Formalização
CJA Business Consulting NOV 2013
Bens Escassos. Capitais Próprios e Contragarantias
CJA Business Consulting NOV13 Carlos Jerónimo Augusto
TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
Quer as injecções de fundos nas Empresas, quer as garantias prestadas podem ter uma
série de tipologias, por vezes muito similares na forma, ou na concretização, mas que
na prática levam a resultados extremamente diferenciados na disponibilidade futura
dos activos para a Empresa e na sua posição negocial.
1)
Quando um Banco solicita a uma Empresa determinado nível de “comparticipação”
de capitais próprios numa operação ou entrada de fundos para o reequilíbrio da
estrutura económico financeira de uma empresa, normalmente pensa-se num
aumento de capital social.
Pode ser essa a solução escolhida.
Essa é sem dúvida a melhor solução para o Banco, se bem que outras poderiam ir ao
encontro das suas necessidades.
Mas pode não ser a melhor solução para a empresa. Se bem que em termos práticos,
na altura da subscrição seja igual fazer um aumento de capital social ou fazer
prestações suplementares ( os sócios têm de pôr dinheiro na empresa, ou transformar
os seus empréstimos em instrumentos de capital ),num médio e longo prazo podemos
dizer que existe uma total impossibilidade de os sócios reaverem o capital social e
existe a possibilidade de retirarem as prestações suplementares.
Assim, antes de fazer um reforço dos capitais próprios da empresa, deve ser muito
bem ponderada, numa perspectiva das necessidades em causa e numa perspectiva
do interesse dos detentores de capital, a tipologia que esse reforço adquirirá.
2)
Muitas vezes surge da parte dos bancos o pedido para que a empresa aumente o
capital, de modo a melhorar a sua Autonomia Financeira.
Uma forma é pôr dinheiro na empresa. Mais uma vez, essa é sem dúvida a melhor
solução para o Banco, mas pode não ser a melhor solução para a empresa.
Um reforço da Autonomia Financeira, pode ser obtido de diferentes formas e com
diferentes instrumentos.
Bens Escassos. Capitais Próprios e Contragarantias
CJA Business Consulting NOV13 Carlos Jerónimo Augusto
TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
Por exemplo a passagem de empréstimos de sócios a instrumento de capital, não
envolve qualquer esforço financeiro para os detentores de capital e tem um duplo
efeito sobre a Autonomia Financeira, já que aumenta os capitais próprios e diminui o
passivo.
Outra hipótese de reforçar capitais próprios sem esforço financeiro para os detentores
de capital, pode passar pela reavaliação de activos. Muitas vezes as empresas têm em
balanço activos subvalorizados e a sua reavaliação pode servir para reforço dos
capitais próprios melhorado assim a Autonomia Financeira.
A Autonomia Financeira de uma empresa pode ter melhorias consideráveis, sem
necessidade de esforço financeiro por partes dos detentores de capital. Uma vez
mais a capacidade de antecipação para pensar soluções antes de serem “exigidas”
pela banca, o perfeito conhecimento dos instrumentos ao dispor e alguma
imaginação resolvem situações que, tratadas de outra forma, podem ser
complicadas.
3)
No que toca à prestação de contragarantias um dos principais cuidados a ter é com o
seu caracter, ser geral ou específica.
Muitas vezes ao negociar com o banco em determinada operação, na mente do
empresário está dar essa garantia para essa operação, portanto uma garantia
específica. Muitas vezes na mente do banco está que essa garantia passará a cobrir
não só essa operação, como todas as responsabilidades. E por vezes dá-se uma
contragarantia genérica, quando a intenção era dar uma contragarantia específica.
Acontece… e só quando nos deparamos com a impossibilidade da sua libertação nos
apercebemos do erro.
A contragarantia específica “extingue-se” com a extinção das responsabilidades
associadas. A contragarantia genérica garante e responde por todas as
responsabilidades existentes, pelo que tem um grau de disponibilidade muito mais
reduzido e a sua libertação por parte do banco é totalmente discricionária enquanto
subsistir qualquer responsabilidade.
Qualquer das hipóteses pode ser vantajosa para a empresa, mas tem de ser
conscientemente tomada, com vantagens para ambas as partes e sem descurar a
componente fiscal relevante.
Bens Escassos. Capitais Próprios e Contragarantias
CJA Business Consulting NOV13 Carlos Jerónimo Augusto
TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
4)
Outra vertente tem a ver com a relação do valor da contragarantia, com o valor
garantido.
Todos, ou quase todos, os contratos de contragarantias tem cláusulas de salvaguarda
para o banco de que a contragarantia se desvalorizar a empresa se obriga a reforçar as
contragarantias, se o banco o achar necessário.
Mas raramente existem cláusulas que refiram que o valor da contragarantia pode ser
diminuído à medida que for diminuindo o valor garantido.
Muitas vezes existem operações que pela sua evolução baixaram para metade ou um
terço do seu valor inicial, mantendo contragarantias de valores muitas vezes superior
ao valor em dívida. Mais uma vez, para o banco é confortável, mas para a empresa ou
para os detentores de capital que disponibilizam as contragarantias, estamos perante
uma alocação pouco racional de activos.
Temos portanto que, se bem que os bancos sejam “alérgicos” a esse tipo de situação, a
empresa deve negociar à anteriori a possibilidade de o valor da contragarantia, ao
longo da vigência das operações, ser reduzido em função da efectiva redução das
responsabilidades.
Abordámos apenas algumas das imensas situações em que numa situação de
injecção de capital na empresa ou de prestação de contragarantias, pormenores,
podem ser extremamente relevantes. Na capacidade de acesso da empresa a crédito,
nos seus custos financeiros e na disponibilidade efectiva dos activos de empresa e
detentores de capital. Existem muitas outras abordagens, porque cada caso é um
caso, que só a análise atempada, atenta e pormenorizada permite chegar aos
melhores resultados.
Pode estar em causa o futuro da empresa ou milhares euros de custos? SIM.
Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca.
CJA Business Consulting
Carlos Jerónimo Augusto
http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758
www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242
www.cja-bc.com
carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com
TLM 911161776

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Rozangela Silva
 
Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...
Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...
Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...
Pedro Barros
 

Mais procurados (19)

Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
Créditos consignados e os correspondentes bancários 1
 
Factoring
Factoring Factoring
Factoring
 
Apresentação Factoring
Apresentação FactoringApresentação Factoring
Apresentação Factoring
 
Palestra 25 set 2012
Palestra 25 set 2012Palestra 25 set 2012
Palestra 25 set 2012
 
Conceito de factoring
Conceito de factoringConceito de factoring
Conceito de factoring
 
Lci e lca
Lci  e  lcaLci  e  lca
Lci e lca
 
Tabela sobre Investimentos
Tabela sobre InvestimentosTabela sobre Investimentos
Tabela sobre Investimentos
 
Empresarial 17
Empresarial 17Empresarial 17
Empresarial 17
 
Apostila 05 creditos
Apostila 05   creditosApostila 05   creditos
Apostila 05 creditos
 
Onde investir em 2012
Onde investir em 2012Onde investir em 2012
Onde investir em 2012
 
Cra
CraCra
Cra
 
Factoring
FactoringFactoring
Factoring
 
Inovações Financeiras e Crises
Inovações Financeiras e CrisesInovações Financeiras e Crises
Inovações Financeiras e Crises
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...
Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...
Problemas no Ressarcimento do Investidor Prejudicado no Direito Brasileiro - ...
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRAL
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRALO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRAL
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos INTEGRAL
 
Agregado Crédito Médio e Longo Prazo
Agregado Crédito Médio e Longo Prazo Agregado Crédito Médio e Longo Prazo
Agregado Crédito Médio e Longo Prazo
 
Tabela de Investimentos
Tabela de InvestimentosTabela de Investimentos
Tabela de Investimentos
 
Intermediação Financeira 1
Intermediação Financeira   1Intermediação Financeira   1
Intermediação Financeira 1
 

Destaque

Top 8 billing associate resume samples
Top 8 billing associate resume samplesTop 8 billing associate resume samples
Top 8 billing associate resume samples
tonychoper4405
 
Top 8 medical research assistant resume samples
Top 8 medical research assistant resume samplesTop 8 medical research assistant resume samples
Top 8 medical research assistant resume samples
tonychoper4405
 
Top 8 client services associate resume samples
Top 8 client services associate resume samplesTop 8 client services associate resume samples
Top 8 client services associate resume samples
tonychoper4405
 
Reescribir la imagen educativa
Reescribir la imagen educativaReescribir la imagen educativa
Reescribir la imagen educativa
jflenez
 
Top 8 procurement associate resume samples
Top 8 procurement associate resume samplesTop 8 procurement associate resume samples
Top 8 procurement associate resume samples
tonychoper4405
 
Top 8 retail store associate resume samples
Top 8 retail store associate resume samplesTop 8 retail store associate resume samples
Top 8 retail store associate resume samples
tonychoper4405
 
งานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟันงานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟัน
OporfunJubJub
 
งานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟันงานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟัน
OporfunJubJub
 
Project #3 script (BCA 317)
Project #3 script (BCA 317)Project #3 script (BCA 317)
Project #3 script (BCA 317)
Kyle Davis
 

Destaque (19)

Using Sports as a Classroom
Using Sports as a ClassroomUsing Sports as a Classroom
Using Sports as a Classroom
 
TDC 2014 - JavaScript de qualidade: hoje, amanhã e sempre!
TDC 2014 - JavaScript de qualidade: hoje, amanhã e sempre!TDC 2014 - JavaScript de qualidade: hoje, amanhã e sempre!
TDC 2014 - JavaScript de qualidade: hoje, amanhã e sempre!
 
Top 8 billing associate resume samples
Top 8 billing associate resume samplesTop 8 billing associate resume samples
Top 8 billing associate resume samples
 
Top 8 medical research assistant resume samples
Top 8 medical research assistant resume samplesTop 8 medical research assistant resume samples
Top 8 medical research assistant resume samples
 
Top 8 client services associate resume samples
Top 8 client services associate resume samplesTop 8 client services associate resume samples
Top 8 client services associate resume samples
 
Reescribir la imagen educativa
Reescribir la imagen educativaReescribir la imagen educativa
Reescribir la imagen educativa
 
Cell Division Crossword
Cell Division Crossword Cell Division Crossword
Cell Division Crossword
 
Chantelle brown young.
Chantelle brown young.Chantelle brown young.
Chantelle brown young.
 
Psicoanálisis
PsicoanálisisPsicoanálisis
Psicoanálisis
 
Top 8 procurement associate resume samples
Top 8 procurement associate resume samplesTop 8 procurement associate resume samples
Top 8 procurement associate resume samples
 
TDC 2015 - Metaprogramação na prática
TDC 2015 - Metaprogramação na práticaTDC 2015 - Metaprogramação na prática
TDC 2015 - Metaprogramação na prática
 
Top 8 retail store associate resume samples
Top 8 retail store associate resume samplesTop 8 retail store associate resume samples
Top 8 retail store associate resume samples
 
งานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟันงานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟัน
 
งานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟันงานโครงงานจัดฟัน
งานโครงงานจัดฟัน
 
Juego interactivo
Juego interactivo Juego interactivo
Juego interactivo
 
Psicologia
Psicologia Psicologia
Psicologia
 
Project #3 script (BCA 317)
Project #3 script (BCA 317)Project #3 script (BCA 317)
Project #3 script (BCA 317)
 
Yani
YaniYani
Yani
 
ADNOC
ADNOCADNOC
ADNOC
 

Semelhante a Bens escassos Parte 3 tipologia

Capital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagensCapital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagens
Rui Filipe Garcia
 

Semelhante a Bens escassos Parte 3 tipologia (20)

Bens escassos Parte 1 visão global
Bens escassos Parte 1 visão globalBens escassos Parte 1 visão global
Bens escassos Parte 1 visão global
 
Bens escassos Parte 2 oportunidade
Bens escassos Parte 2 oportunidadeBens escassos Parte 2 oportunidade
Bens escassos Parte 2 oportunidade
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIII
 
Como conseguir financiamento para o seu negócio
Como conseguir financiamento para o seu negócio Como conseguir financiamento para o seu negócio
Como conseguir financiamento para o seu negócio
 
Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
Princípios Facilitadores Para Obtenção De Crédito Bancário Empresas Texto Int...
 
O que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializadoO que posso ganhar com o apoio especializado
O que posso ganhar com o apoio especializado
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos V
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos II
 
Capital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagensCapital de risco Vantagens e desvantagens
Capital de risco Vantagens e desvantagens
 
Gabinetes de Contabilidade
Gabinetes de ContabilidadeGabinetes de Contabilidade
Gabinetes de Contabilidade
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VI
 
Crédito no varejo para pessoas físicas e jurídicas
Crédito no varejo para pessoas físicas e jurídicasCrédito no varejo para pessoas físicas e jurídicas
Crédito no varejo para pessoas físicas e jurídicas
 
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidadeGuia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
Guia descomplicado para investir com segurança e rentabilidade
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Análise de crédito
Análise de créditoAnálise de crédito
Análise de crédito
 
CJA Liquidez
CJA LiquidezCJA Liquidez
CJA Liquidez
 
10 dicas importantes sobre linhas de crédito
10 dicas importantes sobre linhas de crédito10 dicas importantes sobre linhas de crédito
10 dicas importantes sobre linhas de crédito
 
A polêmica da chamada trava bancária ecio perin júnior - sustentare escola ...
A polêmica da chamada trava bancária   ecio perin júnior - sustentare escola ...A polêmica da chamada trava bancária   ecio perin júnior - sustentare escola ...
A polêmica da chamada trava bancária ecio perin júnior - sustentare escola ...
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IVO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IV
 

Mais de CJA Business Consulting

Mais de CJA Business Consulting (18)

Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 agoOquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
Oquefazacjabc 140109141120-phpapp01 2 ago
 
A PME e O Risco Banco
A PME e O Risco BancoA PME e O Risco Banco
A PME e O Risco Banco
 
A oportunidade das taxas de juro no crédito
A oportunidade das taxas de juro no créditoA oportunidade das taxas de juro no crédito
A oportunidade das taxas de juro no crédito
 
Oferta Mais Portugal 2020
Oferta Mais Portugal 2020Oferta Mais Portugal 2020
Oferta Mais Portugal 2020
 
Acção DOWN
Acção DOWNAcção DOWN
Acção DOWN
 
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORESDESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
DESMONTAR O MONSTRO PACOTE FORMAÇÃO PARA EMPRESÁRIOS E EMPREENDEDORES
 
Tópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
Tópicos Sobre Apoio Especializado III DocumentaçãoTópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
Tópicos Sobre Apoio Especializado III Documentação
 
Tópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
Tópicos Sobre Apoio Especializado II PapelTópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
Tópicos Sobre Apoio Especializado II Papel
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas VPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas V
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas IIPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas II
 
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas IPrincípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
Princípios Facilitadores para Obtenção de Crédito Bancário Empresas I
 
A importância das unidades de recuperação de crédito
A importância das unidades de recuperação de créditoA importância das unidades de recuperação de crédito
A importância das unidades de recuperação de crédito
 
RATING PME
RATING PMERATING PME
RATING PME
 
Linha de crédito PME Crescimento 2014
Linha de crédito PME Crescimento 2014Linha de crédito PME Crescimento 2014
Linha de crédito PME Crescimento 2014
 
Acção DOWN
Acção DOWNAcção DOWN
Acção DOWN
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos VII
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IIIO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos III
 
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos IO tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
O tipo e o horizonte temporal dos financiamentos I
 

Último

018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
Renandantas16
 
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
Senior Consultoria em Gestão e Marketing
 

Último (6)

Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptxProfissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
Profissional de Vendas - Funcao e Competencias.pptx
 
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
018627000101011 (13).pdfdddddddddddddddddddddddddddddd
 
Opções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdfOpções estratégicas de competitividade.pdf
Opções estratégicas de competitividade.pdf
 
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdfCRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
CRC e CRM - A Dupla Perfeita Para Atrair e Fidelizar Pacientes.pdf
 
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto EconomicoGLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
GLP ou GPT? A revolução Ozempic - O Impacto Economico
 
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
7 hábitos das pessoas altamente eficazes EMERSON EDUARDO RODRIGUES.pdf
 

Bens escassos Parte 3 tipologia

  • 1. CJA Business Consulting Site www.cja-bc.com TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com BENS ESCASSOS III Os Capitais Próprios e as Contragarantias Cuidados a ter no seu uso III) Tipologia e Formalização CJA Business Consulting NOV 2013
  • 2. Bens Escassos. Capitais Próprios e Contragarantias CJA Business Consulting NOV13 Carlos Jerónimo Augusto TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com Quer as injecções de fundos nas Empresas, quer as garantias prestadas podem ter uma série de tipologias, por vezes muito similares na forma, ou na concretização, mas que na prática levam a resultados extremamente diferenciados na disponibilidade futura dos activos para a Empresa e na sua posição negocial. 1) Quando um Banco solicita a uma Empresa determinado nível de “comparticipação” de capitais próprios numa operação ou entrada de fundos para o reequilíbrio da estrutura económico financeira de uma empresa, normalmente pensa-se num aumento de capital social. Pode ser essa a solução escolhida. Essa é sem dúvida a melhor solução para o Banco, se bem que outras poderiam ir ao encontro das suas necessidades. Mas pode não ser a melhor solução para a empresa. Se bem que em termos práticos, na altura da subscrição seja igual fazer um aumento de capital social ou fazer prestações suplementares ( os sócios têm de pôr dinheiro na empresa, ou transformar os seus empréstimos em instrumentos de capital ),num médio e longo prazo podemos dizer que existe uma total impossibilidade de os sócios reaverem o capital social e existe a possibilidade de retirarem as prestações suplementares. Assim, antes de fazer um reforço dos capitais próprios da empresa, deve ser muito bem ponderada, numa perspectiva das necessidades em causa e numa perspectiva do interesse dos detentores de capital, a tipologia que esse reforço adquirirá. 2) Muitas vezes surge da parte dos bancos o pedido para que a empresa aumente o capital, de modo a melhorar a sua Autonomia Financeira. Uma forma é pôr dinheiro na empresa. Mais uma vez, essa é sem dúvida a melhor solução para o Banco, mas pode não ser a melhor solução para a empresa. Um reforço da Autonomia Financeira, pode ser obtido de diferentes formas e com diferentes instrumentos.
  • 3. Bens Escassos. Capitais Próprios e Contragarantias CJA Business Consulting NOV13 Carlos Jerónimo Augusto TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com Por exemplo a passagem de empréstimos de sócios a instrumento de capital, não envolve qualquer esforço financeiro para os detentores de capital e tem um duplo efeito sobre a Autonomia Financeira, já que aumenta os capitais próprios e diminui o passivo. Outra hipótese de reforçar capitais próprios sem esforço financeiro para os detentores de capital, pode passar pela reavaliação de activos. Muitas vezes as empresas têm em balanço activos subvalorizados e a sua reavaliação pode servir para reforço dos capitais próprios melhorado assim a Autonomia Financeira. A Autonomia Financeira de uma empresa pode ter melhorias consideráveis, sem necessidade de esforço financeiro por partes dos detentores de capital. Uma vez mais a capacidade de antecipação para pensar soluções antes de serem “exigidas” pela banca, o perfeito conhecimento dos instrumentos ao dispor e alguma imaginação resolvem situações que, tratadas de outra forma, podem ser complicadas. 3) No que toca à prestação de contragarantias um dos principais cuidados a ter é com o seu caracter, ser geral ou específica. Muitas vezes ao negociar com o banco em determinada operação, na mente do empresário está dar essa garantia para essa operação, portanto uma garantia específica. Muitas vezes na mente do banco está que essa garantia passará a cobrir não só essa operação, como todas as responsabilidades. E por vezes dá-se uma contragarantia genérica, quando a intenção era dar uma contragarantia específica. Acontece… e só quando nos deparamos com a impossibilidade da sua libertação nos apercebemos do erro. A contragarantia específica “extingue-se” com a extinção das responsabilidades associadas. A contragarantia genérica garante e responde por todas as responsabilidades existentes, pelo que tem um grau de disponibilidade muito mais reduzido e a sua libertação por parte do banco é totalmente discricionária enquanto subsistir qualquer responsabilidade. Qualquer das hipóteses pode ser vantajosa para a empresa, mas tem de ser conscientemente tomada, com vantagens para ambas as partes e sem descurar a componente fiscal relevante.
  • 4. Bens Escassos. Capitais Próprios e Contragarantias CJA Business Consulting NOV13 Carlos Jerónimo Augusto TLM 911161776 Mail carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com 4) Outra vertente tem a ver com a relação do valor da contragarantia, com o valor garantido. Todos, ou quase todos, os contratos de contragarantias tem cláusulas de salvaguarda para o banco de que a contragarantia se desvalorizar a empresa se obriga a reforçar as contragarantias, se o banco o achar necessário. Mas raramente existem cláusulas que refiram que o valor da contragarantia pode ser diminuído à medida que for diminuindo o valor garantido. Muitas vezes existem operações que pela sua evolução baixaram para metade ou um terço do seu valor inicial, mantendo contragarantias de valores muitas vezes superior ao valor em dívida. Mais uma vez, para o banco é confortável, mas para a empresa ou para os detentores de capital que disponibilizam as contragarantias, estamos perante uma alocação pouco racional de activos. Temos portanto que, se bem que os bancos sejam “alérgicos” a esse tipo de situação, a empresa deve negociar à anteriori a possibilidade de o valor da contragarantia, ao longo da vigência das operações, ser reduzido em função da efectiva redução das responsabilidades. Abordámos apenas algumas das imensas situações em que numa situação de injecção de capital na empresa ou de prestação de contragarantias, pormenores, podem ser extremamente relevantes. Na capacidade de acesso da empresa a crédito, nos seus custos financeiros e na disponibilidade efectiva dos activos de empresa e detentores de capital. Existem muitas outras abordagens, porque cada caso é um caso, que só a análise atempada, atenta e pormenorizada permite chegar aos melhores resultados. Pode estar em causa o futuro da empresa ou milhares euros de custos? SIM. Utilize Apoio Especializado Na Relação Com a Banca. CJA Business Consulting Carlos Jerónimo Augusto http://www.linkedin.com/pub/carlos-jeronimo-augusto/66/279/758 www.facebook.com/pages/CJA-Business-Consulting/308092695989242 www.cja-bc.com carlos.jeronimo.augusto@cja-bc.com TLM 911161776