SlideShare uma empresa Scribd logo
CENTRO TÉCNICO MACÊDO AMORIM – CTMA
CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM
DISCIPLINA: SAÚDE MENTAL
DOSCENTE:INGRID CARVALHO
DISCENTE: LAURA EMANUELLA
T E A
OClassificado pelo DSM V, como Transtorno
do Espectro Autista, englobando cinco
transtornos mentais que antes eram
tratados separadamente hoje são unidos
por uma única sigla.
Autismo Clássico
• De maneira geral, os
portadores são voltados
para si mesmos, não
estabelecem contato
visual com as pessoas
nem com o ambiente;
conseguem falar, mas não
usam a fala como
ferramenta de
comunicação. Embora
possam entender
enunciados simples, têm
dificuldade de
compreensão e
apreendem apenas o
sentido literal das
palavras.
Autismo de alto
desempenho
• São verbais e
inteligentes. Tão
inteligentes que
chegam a ser
confundidos com
gênios, porque são
imbatíveis nas áreas
do conhecimento em
que se especializam.
Quanto menor a
dificuldade de
interação social, mais
eles conseguem levar
vida próxima
à normal.
Autismo sem
outras
especificações
• os portadores são
considerados dentro
do espectro do
autismo (dificuldade
de comunicação e de
interação social), mas
os sintomas não são
suficientes para incluí-
los em nenhuma das
categorias específicas
do transtorno, o que
torna o diagnóstico
muito mais difícil.
O Segundo Lorna Wing 1976, relatou que os
indivíduos com autismo apresenta déficits
específicos em três áreas: imaginação,
socialização e comunicação
( tríade de Wing).
O É através dos sentidos que aprendemos, é o
sistema sensorial que nos permite sabermos se a
água do banho é fria ou quente, se a comida está
temperada, os aromas e cheiros do ambiente ou de
perfume, o abraço, a música, etc.
O As sensações podem ser diferentes para cada
pessoa, isto acontece devido a maneira que estas
informações chegam ao nosso cérebro.
HIPERSENSÍVEL HIPOSSENSÍVEL
-Apresenta incômodo ao cortar unhas e
cabelo;
-Incomoda-se com etiquetas nas
roupas;
-Incomoda-se com um simples carinho,
reage agressivamente ;
-não anda descalço;
-Evita o toque, está sempre distante
das pessoas;
-A alimentação é seletiva, escolhe
alimentos com base na textura ou
consistência;
-Escovar os dentes parece muito
sofrido;
-Enjoa ao andar em carro ou ônibus;
-Barulho de geladeira, liquidificador e
ventiladores o incomodam, muitas
vezes dificultando sua atenção nos
ambientes;
-Evita parquinhos (gira-gira, balanços,
escorregos);
-Evita sujar-se, não gosta de
brincadeiras que envolvam a pintura
ou argila.
-Quando tocado não percebe o toque;
-Adora andar descalço;
-morde-se ou morde o outro;
-Bate ou esbarra em objetos, parece
desajeitado;
-Parece ter prazer em cair;
-Adora parquinho e tem muita
intensidade nos brinquedos;
-Parece não ter saciedade ou não
sentir fome;
-Adora comer alimentos com textura
variada, crocante e/ou
apimentadas;
-Parece não ouvir e adora música alta;
-Cheira objetos;
-Leva objetos não comestíveis à boca;
-Toca objetos e pessoas
excessivamente;
-Adora tomar banho de chuveiro;
-Suja-se nas brincadeiras e não
demonstra qualquer incômodo; não
percebe que está sujo.
O Dificuldades acentuadas no uso e compreensão
de comportamentos não verbais(contato visual,
expressão facial, gestos);
O Dificuldade em fazer amigos;
O Dificuldade em demonstrar reciprocidade social ou
emocional.
O Atraso ou falta de linguagem verbal;
O Para aqueles em que a fala é presente, verifica-se
uma grande dificuldade em iniciar ou manter um
diálogo;
O Uso estereotipado e repetitivo da linguagem;
O Falta ou identificação em brincadeiras de “faz de
conta” e/ou brincadeira social, dependendo da faixa
etária.
O Preocupação insistente com um ou mais padrões de
comportamento e/ou interesses, com intensidade ou
foco anormal;
O Assumem de forma inflexível rotinas ou rituais (tem
“manias” ou focalizam-se em um único assunto de
interesse);
O Maneirismos motores estereotipados (agitar as mãos,
por exemplo);
O Preocupações com partes de objetos, em vez do todo
(fixação na roda do carro, por exemplo)
Durante muitas décadas a causa do autismo era definida
como sendo de ordem psicológica. Atualmente esta ideia é
totalmente descartada não se sabe exatamente as causas que
levam ao autismo, mas sabemos que estas envolvem os vários
circuitos cerebrais, sendo uma disfunção neurológica orgânica.
Dentro do espectro autista encontramos pessoas com todos os
graus de inteligência, assim como na população sem problemas.
A desorganização no sistema nervoso central faz com que, na
maioria das vezes não possam viver de acordo com o potencial
cognitivo que possuem.
Atualmente casos de diagnósticos de autismo aumentaram
imensamente. Várias são as explicações para este fato. A mais
comum é que se conhece melhor o problema e crianças que
recebiam outros rótulos anteriormente, agora recebem um
diagnóstico dentro do espectro autista. Fala-se também em
fatores ambientais, modificação na alimentação, etc. Acredita-se
que muitos dos comportamentos dos autistas se deva a uma
forma diferente de sentir e perceber o ambiente através dos
sentidos.
O O tratamento é multidisciplinar. O uso de medicamentos, que antes
desempenhava um papel importante e fundamental, passa a
funcionar como alivio dos sintomas do TEA para que outras
abordagens possam ser trabalhadas, como a reabilitação e educação
especial. As principais drogas utilizadas no tratamento são: os
neurolépticos, utilizados para reduzir os sintomas do TEA, tem como
resposta boa no geral e melhora no aprendizado, apesar de
apresentar efeitos colaterais como sedação excessiva, reações
distônicas (rigidez muscular), discinesia (alteração do movimento
muscular) e efeitos parkinsonianos (tremor). As anfetaminas, são
usadas com o objetivo de diminuir a hiperatividade e melhorar a
atenção, porém seu efeito colateral é a irritabilidade, excitação
motora e diminuição do apetite. Os anti-opióides, usados
principalmente em tratamento de dependência a drogas, agi
principalmente em quadros de auto agressividade. Causa como efeito
colateral a hipoatividade, diminuindo a impulsividade, a
hiperatividade, a repetição persistente de atos, frases ou palavras
sem sentido (estereotipias) e da agressividade . A utilização de
complexos vitamínicos , como a vitamina B6 associada ao aspartato
de magnésio, bem como o uso de ácido fólico, embora descritos por
diversos autores, apresenta aspectos e resultados conflitantes.
LEI Nº 12.764, DE 27 DE
DEZEMBRO DE 2012.
DECRETO Nº 8.368, DE
2 DE DEZEMBRO DE
2014
O A pessoa com transtorno
do espectro autista é
considerada pessoa com
deficiência, para todos os
efeitos legais. É garantido
à pessoa com transtorno
do espectro autista o
direito à saúde no âmbito
do Sistema Único de
Saúde - SUS, respeitadas
as suas especificidades.
TEA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
Tathiane Cuesta
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
lidia76
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
UNIME
 
Transtorno do espectro autista
Transtorno do espectro autistaTranstorno do espectro autista
Transtorno do espectro autista
Marilene Pereira
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anos
catialipa
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
Genilson Costa e Silva
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
craeditgd
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Janderly Reis
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
luis
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Anaí Peña
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
FernandaMars1
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
Nay Ribeiro
 
Autismo orientação para os pais
Autismo   orientação para os paisAutismo   orientação para os pais
Autismo orientação para os pais
Rosane Domingues
 
Apresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinhaApresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinha
Daniela Santos
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
Eunice Palma
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
SimoneHelenDrumond
 
Autismo
AutismoAutismo
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
Maristela Couto
 

Mais procurados (20)

Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Transtorno do espectro autista
Transtorno do espectro autistaTranstorno do espectro autista
Transtorno do espectro autista
 
Apresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anosApresentação autismo para maiores de 11anos
Apresentação autismo para maiores de 11anos
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem videoLidando com o autismo em sala de aula sem video
Lidando com o autismo em sala de aula sem video
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
 
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regularAutismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
Autismo: desafios da inclusão da criança autista na escola regular
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
Estudo Coletivo sobre Transtornos do Espectro Autista - Abordagem Pedagógica ...
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
 
Autismo aula
Autismo aulaAutismo aula
Autismo aula
 
Autismo orientação para os pais
Autismo   orientação para os paisAutismo   orientação para os pais
Autismo orientação para os pais
 
Apresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinhaApresentação autismo escolinha
Apresentação autismo escolinha
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo e educação
Autismo e educaçãoAutismo e educação
Autismo e educação
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Dificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De AprendizagemDificuldades De Aprendizagem
Dificuldades De Aprendizagem
 

Destaque

O papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensinoO papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensino
Marly Gonçalves
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Secretaria de Educação e Cultura - SEMEC aAcari
 
estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
Majit Islav
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
Erivaldo Rosendo
 
Emergências-Psiquiatricas
Emergências-PsiquiatricasEmergências-Psiquiatricas
Emergências-Psiquiatricas
Solange Broggine
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
Aliny Lima
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
Oficina Psicologia
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
Aroldo Gavioli
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
Rosemar Prota
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
Simone Elisa Heitor
 

Destaque (10)

O papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensinoO papel do professor – tutor no ensino
O papel do professor – tutor no ensino
 
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação InclusivaCapacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
Capacitação de educadores e cuidadores Educação Inclusiva
 
estruturas de contenção
estruturas de contençãoestruturas de contenção
estruturas de contenção
 
Aula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricasAula emergencias psiquiatricas
Aula emergencias psiquiatricas
 
Emergências-Psiquiatricas
Emergências-PsiquiatricasEmergências-Psiquiatricas
Emergências-Psiquiatricas
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Saúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalhoSaúde mental e trabalho
Saúde mental e trabalho
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Saúde Mental
Saúde MentalSaúde Mental
Saúde Mental
 
Aula Saúde Mental
Aula Saúde MentalAula Saúde Mental
Aula Saúde Mental
 

Semelhante a TEA

AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptxAULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
emanoelefreitas2
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
AutismoAutismo
Autismo 1º encontro
Autismo 1º encontroAutismo 1º encontro
Autismo 1º encontro
Solange Das Graças Seno
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
lojakeuke
 
Panfletoautismo
PanfletoautismoPanfletoautismo
Panfletoautismo
SA Asperger
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
Solange Breit
 
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnósticoTEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
DanilloPalmeira3
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
Myrian Cra
 
Educação Física Adaptada - TEA Autismo.pptx
Educação Física Adaptada - TEA Autismo.pptxEducação Física Adaptada - TEA Autismo.pptx
Educação Física Adaptada - TEA Autismo.pptx
AlineRibeiro942570
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
lrlradp
 
Neuropedagogia
NeuropedagogiaNeuropedagogia
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Instituto Consciência GO
 
Autismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historicoAutismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historico
SilviaReis46
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
ESMTG
 
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
Hebert Campos
 
Deficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, AutismoDeficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, Autismo
craeditgd
 
Apresentação Espectro Autista - Doutor Jean
Apresentação Espectro Autista - Doutor JeanApresentação Espectro Autista - Doutor Jean
Apresentação Espectro Autista - Doutor Jean
JoelUchoa2
 
Inclusao e educacao
Inclusao e educacaoInclusao e educacao
Inclusao e educacao
Jéssica Boscaini
 
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam GuimarãesTranstorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
anaceucok
 

Semelhante a TEA (20)

AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptxAULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
AULA AUTISMO - PARTE 1 - DA DEFINIÇÃO A TERAPIA.pptx
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Autismo 1º encontro
Autismo 1º encontroAutismo 1º encontro
Autismo 1º encontro
 
autismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdfautismo como tratar.pdf
autismo como tratar.pdf
 
Panfletoautismo
PanfletoautismoPanfletoautismo
Panfletoautismo
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnósticoTEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
TEA- Transtorno do Espectro Autista, conceito, diagnóstico
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Educação Física Adaptada - TEA Autismo.pptx
Educação Física Adaptada - TEA Autismo.pptxEducação Física Adaptada - TEA Autismo.pptx
Educação Física Adaptada - TEA Autismo.pptx
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
Neuropedagogia
NeuropedagogiaNeuropedagogia
Neuropedagogia
 
Transtornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do DesenvolvimentoTranstornos Globais do Desenvolvimento
Transtornos Globais do Desenvolvimento
 
Autismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historicoAutismo - Pedagogia difinição e historico
Autismo - Pedagogia difinição e historico
 
Autismo
AutismoAutismo
Autismo
 
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
A Síndrome de Asperger e o Autismo de Alto Funcionamento: Diferenciando as du...
 
Deficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, AutismoDeficiência Mental, Autismo
Deficiência Mental, Autismo
 
Apresentação Espectro Autista - Doutor Jean
Apresentação Espectro Autista - Doutor JeanApresentação Espectro Autista - Doutor Jean
Apresentação Espectro Autista - Doutor Jean
 
Inclusao e educacao
Inclusao e educacaoInclusao e educacao
Inclusao e educacao
 
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam GuimarãesTranstorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
Transtorno Espectro autista -Fisioterapeuta Myriam Guimarães
 

Mais de LAURA EMANUELLA MARINHO

DVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergênciaDVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergência
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Sentido da olfação
Sentido da olfaçãoSentido da olfação
Sentido da olfação
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Saúde e segurança
Saúde e segurançaSaúde e segurança
Saúde e segurança
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
DST
DSTDST
Câncer de pele
Câncer de peleCâncer de pele
Câncer de pele
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Anemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefróticaAnemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefrótica
LAURA EMANUELLA MARINHO
 
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
LAURA EMANUELLA MARINHO
 

Mais de LAURA EMANUELLA MARINHO (8)

DVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergênciaDVA's utilizadas na emergência
DVA's utilizadas na emergência
 
Sentido da olfação
Sentido da olfaçãoSentido da olfação
Sentido da olfação
 
Saúde e segurança
Saúde e segurançaSaúde e segurança
Saúde e segurança
 
DST
DSTDST
DST
 
Câncer de pele
Câncer de peleCâncer de pele
Câncer de pele
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
Anemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefróticaAnemia e sindrome nefrótica
Anemia e sindrome nefrótica
 
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
Alterações fisiológicas durante a gestação, aleitamento e (1)
 

Último

A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
FeridoZitoJonas
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
Luiz Henrique Pimentel Novais Silva
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
AmaroAlmeidaChimbala
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
JandersonGeorgeGuima
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
CatieleAlmeida1
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
Klaisn
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 

Último (9)

A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptxA ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
A ÉTICA NA MODERNIDADE(Crise d moral e problemas atuais).pptx
 
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
A DISSOLUÇÃO DO COMPLEXO DE ÉDIPO (1924)
 
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
4.Tecidos Excitáveis - Tecido Nervoso.pptx
 
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdfHistória da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
História da Enfermagem-Enfermagem 2024.pdf
 
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do TrabalhoApostila Gerência de Riscos PDF   voltado para Segurança do Trabalho
Apostila Gerência de Riscos PDF voltado para Segurança do Trabalho
 
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptxDESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
DESVIOS POSTURAIS DA COLUNA VERTEBRAL 0001.pptx
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 

TEA

  • 1. CENTRO TÉCNICO MACÊDO AMORIM – CTMA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA: SAÚDE MENTAL DOSCENTE:INGRID CARVALHO DISCENTE: LAURA EMANUELLA
  • 2. T E A OClassificado pelo DSM V, como Transtorno do Espectro Autista, englobando cinco transtornos mentais que antes eram tratados separadamente hoje são unidos por uma única sigla.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9. Autismo Clássico • De maneira geral, os portadores são voltados para si mesmos, não estabelecem contato visual com as pessoas nem com o ambiente; conseguem falar, mas não usam a fala como ferramenta de comunicação. Embora possam entender enunciados simples, têm dificuldade de compreensão e apreendem apenas o sentido literal das palavras. Autismo de alto desempenho • São verbais e inteligentes. Tão inteligentes que chegam a ser confundidos com gênios, porque são imbatíveis nas áreas do conhecimento em que se especializam. Quanto menor a dificuldade de interação social, mais eles conseguem levar vida próxima à normal. Autismo sem outras especificações • os portadores são considerados dentro do espectro do autismo (dificuldade de comunicação e de interação social), mas os sintomas não são suficientes para incluí- los em nenhuma das categorias específicas do transtorno, o que torna o diagnóstico muito mais difícil.
  • 10. O Segundo Lorna Wing 1976, relatou que os indivíduos com autismo apresenta déficits específicos em três áreas: imaginação, socialização e comunicação ( tríade de Wing).
  • 11. O É através dos sentidos que aprendemos, é o sistema sensorial que nos permite sabermos se a água do banho é fria ou quente, se a comida está temperada, os aromas e cheiros do ambiente ou de perfume, o abraço, a música, etc. O As sensações podem ser diferentes para cada pessoa, isto acontece devido a maneira que estas informações chegam ao nosso cérebro.
  • 12. HIPERSENSÍVEL HIPOSSENSÍVEL -Apresenta incômodo ao cortar unhas e cabelo; -Incomoda-se com etiquetas nas roupas; -Incomoda-se com um simples carinho, reage agressivamente ; -não anda descalço; -Evita o toque, está sempre distante das pessoas; -A alimentação é seletiva, escolhe alimentos com base na textura ou consistência; -Escovar os dentes parece muito sofrido; -Enjoa ao andar em carro ou ônibus; -Barulho de geladeira, liquidificador e ventiladores o incomodam, muitas vezes dificultando sua atenção nos ambientes; -Evita parquinhos (gira-gira, balanços, escorregos); -Evita sujar-se, não gosta de brincadeiras que envolvam a pintura ou argila. -Quando tocado não percebe o toque; -Adora andar descalço; -morde-se ou morde o outro; -Bate ou esbarra em objetos, parece desajeitado; -Parece ter prazer em cair; -Adora parquinho e tem muita intensidade nos brinquedos; -Parece não ter saciedade ou não sentir fome; -Adora comer alimentos com textura variada, crocante e/ou apimentadas; -Parece não ouvir e adora música alta; -Cheira objetos; -Leva objetos não comestíveis à boca; -Toca objetos e pessoas excessivamente; -Adora tomar banho de chuveiro; -Suja-se nas brincadeiras e não demonstra qualquer incômodo; não percebe que está sujo.
  • 13. O Dificuldades acentuadas no uso e compreensão de comportamentos não verbais(contato visual, expressão facial, gestos); O Dificuldade em fazer amigos; O Dificuldade em demonstrar reciprocidade social ou emocional.
  • 14. O Atraso ou falta de linguagem verbal; O Para aqueles em que a fala é presente, verifica-se uma grande dificuldade em iniciar ou manter um diálogo; O Uso estereotipado e repetitivo da linguagem; O Falta ou identificação em brincadeiras de “faz de conta” e/ou brincadeira social, dependendo da faixa etária.
  • 15. O Preocupação insistente com um ou mais padrões de comportamento e/ou interesses, com intensidade ou foco anormal; O Assumem de forma inflexível rotinas ou rituais (tem “manias” ou focalizam-se em um único assunto de interesse); O Maneirismos motores estereotipados (agitar as mãos, por exemplo); O Preocupações com partes de objetos, em vez do todo (fixação na roda do carro, por exemplo)
  • 16. Durante muitas décadas a causa do autismo era definida como sendo de ordem psicológica. Atualmente esta ideia é totalmente descartada não se sabe exatamente as causas que levam ao autismo, mas sabemos que estas envolvem os vários circuitos cerebrais, sendo uma disfunção neurológica orgânica. Dentro do espectro autista encontramos pessoas com todos os graus de inteligência, assim como na população sem problemas. A desorganização no sistema nervoso central faz com que, na maioria das vezes não possam viver de acordo com o potencial cognitivo que possuem. Atualmente casos de diagnósticos de autismo aumentaram imensamente. Várias são as explicações para este fato. A mais comum é que se conhece melhor o problema e crianças que recebiam outros rótulos anteriormente, agora recebem um diagnóstico dentro do espectro autista. Fala-se também em fatores ambientais, modificação na alimentação, etc. Acredita-se que muitos dos comportamentos dos autistas se deva a uma forma diferente de sentir e perceber o ambiente através dos sentidos.
  • 17. O O tratamento é multidisciplinar. O uso de medicamentos, que antes desempenhava um papel importante e fundamental, passa a funcionar como alivio dos sintomas do TEA para que outras abordagens possam ser trabalhadas, como a reabilitação e educação especial. As principais drogas utilizadas no tratamento são: os neurolépticos, utilizados para reduzir os sintomas do TEA, tem como resposta boa no geral e melhora no aprendizado, apesar de apresentar efeitos colaterais como sedação excessiva, reações distônicas (rigidez muscular), discinesia (alteração do movimento muscular) e efeitos parkinsonianos (tremor). As anfetaminas, são usadas com o objetivo de diminuir a hiperatividade e melhorar a atenção, porém seu efeito colateral é a irritabilidade, excitação motora e diminuição do apetite. Os anti-opióides, usados principalmente em tratamento de dependência a drogas, agi principalmente em quadros de auto agressividade. Causa como efeito colateral a hipoatividade, diminuindo a impulsividade, a hiperatividade, a repetição persistente de atos, frases ou palavras sem sentido (estereotipias) e da agressividade . A utilização de complexos vitamínicos , como a vitamina B6 associada ao aspartato de magnésio, bem como o uso de ácido fólico, embora descritos por diversos autores, apresenta aspectos e resultados conflitantes.
  • 18. LEI Nº 12.764, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. DECRETO Nº 8.368, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2014 O A pessoa com transtorno do espectro autista é considerada pessoa com deficiência, para todos os efeitos legais. É garantido à pessoa com transtorno do espectro autista o direito à saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS, respeitadas as suas especificidades.