SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
PRIMEIROS SOCORROS
PRIMEIROS SOCORROS
Apresentação
Instrutora: Giovana Tomazi
• Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho.
• Curso de Atendimento Pré Hospitalar – APH, 100h – BOMBEIRO MILITAR MT
• TOP - Urgência e Emergência – CH 50h.
• Suporte ao Trauma no APH - IBRAPH
• Bombeira Civil
• NR 35 – TRABALHO EM ALTURA
• NR 33 – TRABALHO E RESGATE EM ESPAÇO CONFINADO.
• FORMAÇÃO DE BRIGADISTAS DESDE 2016
• INSTRUTORA DE APH NO BOMBEIRO CIVIL E SOCORRISTA SAMU
Índice
1. Atribuições e Competências
2. Reconhecimento
3. Conduta
- Vitima adulta ou crianças maiores que 1 ano consciente;
- Vitima adulta ou crianças maiores que 1 ano inconsciente;
4. Situações Especiais
- Vitima crianças menores que 1 ano (bebê) consciente;
- Vitima crianças menores que 1 ano (bebê) inconsciente;
Atribuições e Competências
•Saber lidar com o público;
•Ser disciplinado no local da ocorrência;
•Ter conhecimento técnico e capacidade para fazer o atendimento necessário;
•Ser paciente com as ações anormais de pacientes em situações de estresse ou
traumas;
•Ter capacidade de liderança para dar segurança e conforto ao paciente;
•Ser honesto e autêntico;
•Garantir permeabilização das VA e SV e prevenir o segundo trauma;
•Realizar manobras de R.C.P
•Cumprir o padrões adotados para atendimento ou protocolo;
•Usar todos os EPI’s obrigatórios;
•Dar destino ao lixo hospitalar;
•Proporcionar assistência de acordo com o treinamento;
•Guardar informações sigilosas sobre pacientes;
Atribuições e Competências
SBV – Suporte Básico da Vida
• SEGURANÇA
• AVALIAÇÃO *
• ESTABILIZAÇÃO
• IMOBILIZAÇÃO
• TRANSPORTE
Via aérea
Consiste no Aparelho Respiratório:
Superiores
Inferiores
Obstrução
Pode ser causada
por...
Líquido
Relaxamento da língua
Sólido
Vítima inconsciente
Reconhecimento
Dificuldade para respirar, inquietação, cianótica ente outras.
Conduta
1º Priorizar a segurança no atendimento a ocorrência;
2º Iniciar a Avaliação Primária e intervir conforme necessidade;
3º O atendimento a OVACE inicia-se na letra “A” da avaliação inicial:
 Obstrução LEVE
Obstrução GRAVE
Conduta
4º Obstrução leve (parcial): vítima adulta ou criança, capaz de
responder se está engasgado, consegue tossir, falar e respirar:
I. Inicialmente não realizar manobras de desobstrução (não interferir);
II. Acalmar a vítima;
III. Incentivar tosse vigorosa;
IV. Monitorar e oferecer suporte de oxigênio, se necessário;
V. Observar a saída do corpo estranho;
VI. Se não desobstruir, seguir conduta para obstrução grave.
Conduta
5º Obstrução grave (total): vítima adulta ou criança, que não consegue
falar, podendo apresentar ventilação ruidosa, tosse silenciosa:
DEVEMOS SEGUIR OS PASSOS A SEGUIR =>
a) Vítima maiores que um ano consciente:
I. Abra a boca da vítima e tente visualizar o corpo estranho e tente retirá-lo;
II. Não realize exploração digital às cegas;
III. Efetuar 04 ou 05 tapotagens entre as omoplatas;
IV. Manobra de Heimlich ou no esterno (gestantes, obesos);
V. Repita os passos nas ações 1, 2, 3 e 4, caso não obtenha sucesso;
b) Vítima maiores que um ano inconsciente:
I. Posicionar a vítima em decúbito dorsal em uma superfície rígida;
II. Tente visualizar o corpo estranho, caso o encontre, tente retirá-lo;
III. Não realize exploração digital às cegas;
IV. Executar compressões torácicas com objetivo de remoção do corpo
estranho e ventilações, conforme protocolo de RCP;
V. Reiniciar a RCP e considerar o transporte imediato mantendo as
manobras básicas de desobstrução e ressuscitação;
Não se realiza compressões abdominais (manobra de Heimlich) em
vítima inconsciente, devendo realizar compressões torácicas
equivalentes à RCP.
SITUAÇÕES ESPECIAIS
De igual forma, na vítima pediátrica (bebê menor que 1 ano de idade) com
obstrução leve, não se realiza manobras de desobstrução quando o bebê
está responsivo.
O socorrista deverá tentar acalmar a vítima, permitir tosse vigorosa e
observar atenta e constantemente a evolução.
Já em caso de obstrução grave em bebê responsivo, o profissional deve
sentar-se para realizar a manobra da seguinte maneira:
a) Vítima: criança menor que um ano (bebê) consciente:
I. Pegue a criança, posicione em decúbito dorsal e verifique a cavidade oral,
removendo corpos estranhos ou aspirando secreções, não sendo possível:
II. Posicione a criança em decúbito ventral em seu antebraço, com a cabeça
mais baixa que o tronco, podendo apoiá-la em seus membros inferiores;
III. Efetue cinco tapotagens entre as escapulas;
IV. Caso não obtenha sucesso, vire a criança em decúbito dorsal em superfície
rígida e realize cinco compressões no esterno;
V. Não realize exploração digital às cegas;
VI. Se não obtiver sucesso, repita as ações I, II, III e IV quantas vezes for
necessário, até a chegada do Suporte Avançado, se disponível.
b) Vítima criança menor que um ano (bebê) inconsciente:
I. Pegue a vítima (criança) e posicione em decúbito dorsal em superfície
rígida e realize 4 ou 5 compressões no esterno;
II. Verifique a cavidade oral se há algum corpo estranho, caso tenha, retire;
III. Não realize exploração digital às cegas;
IV. Realize as compressões torácicas;
São sinais de OVACE em lactente: cianose e olhos arregalados, além da
dificuldade de chorar, tossir e emitir sons.
 Em lactente e neonato, fazer somente compressões torácicas com dois
dedos e mantendo a cabeça mais baixa que os pés;
O socorrista deve tomar cuidado quanto a cabeça da criança, devendo
apoiá-la e evitar chicote.
Saiba o que fazer
Solido
Líquido
Relaxamento
da língua
2. Tapotagem (abaixo de 1 ano de idade)
1. Heimlich (acima de 1 ano de idade)
1. Rolamento 90 º.
1. Elevação do mento
Sólido
Relaxamento da língua
Líquido
O que fazer em caso de bebe engasgado
SBV - RCP
Reanimação Cardiopulmonar
Conjunto de manobras destinadas a garantir a oxigenação
dos órgãos quando a circulação do sangue de uma pessoa
parada (parada cardiorrespiratória).
RCP – Reanimação
Cardiopulmonar
Ovace
Ovace

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Atendimento Pré Hospitalar
Atendimento Pré HospitalarAtendimento Pré Hospitalar
Atendimento Pré HospitalarVivi Medeiros
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSJulio Jayme
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaMarkus Fiuza
 
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSNOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSRobson Peixoto
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Leila Daniele
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Prof Silvio Rosa
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosRocha Neto
 
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
2ª aula slides   avaliação inicial da vitima2ª aula slides   avaliação inicial da vitima
2ª aula slides avaliação inicial da vitimaSimone Alvarenga
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no traumaProf Silvio Rosa
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Will Nunes
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1mariacristinasn
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaNilton Goulart
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadahospital
 
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimasS.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimasDeise
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxEnfermeiraLuciana1
 

Mais procurados (20)

Atendimento Pré Hospitalar
Atendimento Pré HospitalarAtendimento Pré Hospitalar
Atendimento Pré Hospitalar
 
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROSTREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
TREINAMENTO PRIMEIROS SOCORROS
 
Parada Cardiorrespiratória
Parada CardiorrespiratóriaParada Cardiorrespiratória
Parada Cardiorrespiratória
 
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROSNOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS
 
1 socorros
1 socorros1 socorros
1 socorros
 
Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória Parada cardiorrespiratória
Parada cardiorrespiratória
 
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)Aph   conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
Aph conceitos, modalidades, histórico (aula 1)
 
Pcr
PcrPcr
Pcr
 
Noções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorrosNoções básicas sobre primeiros socorros
Noções básicas sobre primeiros socorros
 
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
2ª aula slides   avaliação inicial da vitima2ª aula slides   avaliação inicial da vitima
2ª aula slides avaliação inicial da vitima
 
Enfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência EmergênciaEnfermagem em Urgência Emergência
Enfermagem em Urgência Emergência
 
3ª aula atendimento inicial no trauma
3ª aula   atendimento inicial no trauma3ª aula   atendimento inicial no trauma
3ª aula atendimento inicial no trauma
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Emergencias clinicas
Emergencias clinicasEmergencias clinicas
Emergencias clinicas
 
Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1Aula de emergencia pediatrica 1
Aula de emergencia pediatrica 1
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Abordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de traumaAbordagem da vitima de trauma
Abordagem da vitima de trauma
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimasS.T.A.R.T Triagem de vítimas
S.T.A.R.T Triagem de vítimas
 
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptxUrgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
Urgencia e emergencia - aula 1 (1).pptx
 

Semelhante a Ovace

10_mch9_sbv.pptx
10_mch9_sbv.pptx10_mch9_sbv.pptx
10_mch9_sbv.pptxmariagrave
 
OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptx
OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptxOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptx
OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptxlucianaluqueis84
 
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptxCARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptxAlexandreAlmeida213
 
Formação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptxFormação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptxmariacanadas2
 
Formação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptxFormação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptxmariacanadas2
 
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First AidAlgoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First AidPedro Ferrer
 
Aula 4 Primeiros Socorros.pdf
Aula 4 Primeiros Socorros.pdfAula 4 Primeiros Socorros.pdf
Aula 4 Primeiros Socorros.pdfontimiza
 
4- OVACE, Hemorragias e Ferimentos
4- OVACE, Hemorragias e Ferimentos4- OVACE, Hemorragias e Ferimentos
4- OVACE, Hemorragias e FerimentosElioenaiAlmeida1
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxsoniaalmeida38
 
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOPRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOMarco Lamim
 
Rcr pediatrica.escola
Rcr pediatrica.escolaRcr pediatrica.escola
Rcr pediatrica.escolaCatiaDuarte_1
 

Semelhante a Ovace (20)

Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
10_mch9_sbv.pptx
10_mch9_sbv.pptx10_mch9_sbv.pptx
10_mch9_sbv.pptx
 
Apresentação Final
Apresentação FinalApresentação Final
Apresentação Final
 
OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptx
OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptxOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptx
OBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS POR CORPO ESTRANHO (ovace).pptx
 
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptxCARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
CARTILHADIGITALPRIMEROSSOCORROSATUAODEADOLESCENTESEJOVENS.pptx
 
Formação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptxFormação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptx
 
Formação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptxFormação em primeiros socorros.pptx
Formação em primeiros socorros.pptx
 
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First AidAlgoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid
Algoritmo dos primeiros socorros / Algorithm First Aid
 
Engasmento
EngasmentoEngasmento
Engasmento
 
Aula 4 Primeiros Socorros.pdf
Aula 4 Primeiros Socorros.pdfAula 4 Primeiros Socorros.pdf
Aula 4 Primeiros Socorros.pdf
 
4- OVACE, Hemorragias e Ferimentos
4- OVACE, Hemorragias e Ferimentos4- OVACE, Hemorragias e Ferimentos
4- OVACE, Hemorragias e Ferimentos
 
M9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptxM9 Primeiros Socorros.pptx
M9 Primeiros Socorros.pptx
 
apresentação SBV.pptx
apresentação SBV.pptxapresentação SBV.pptx
apresentação SBV.pptx
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Suporte básico 1
Suporte básico 1Suporte básico 1
Suporte básico 1
 
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICOPRIMEIROS SOCORROS TEORICO
PRIMEIROS SOCORROS TEORICO
 
Recomendacoes vitima-de-engasgamento
Recomendacoes vitima-de-engasgamentoRecomendacoes vitima-de-engasgamento
Recomendacoes vitima-de-engasgamento
 
Apres0000158
Apres0000158Apres0000158
Apres0000158
 
Primeiros socorros
Primeiros socorrosPrimeiros socorros
Primeiros socorros
 
Rcr pediatrica.escola
Rcr pediatrica.escolaRcr pediatrica.escola
Rcr pediatrica.escola
 

Último

Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxsaraferraz09
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfWendelldaLuz
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxnarayaskara215
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...wilkaccb
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxLanaMonteiro8
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoPAULOVINICIUSDOSSANT1
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfJorge Filho
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoJose Ribamar
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...quelenfermeira
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Astrid Mühle Moreira Ferreira
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01perfilnovo3rich
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxLanaMonteiro8
 

Último (12)

Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptxSlides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
Slides-trabalho-biossegurança em hospitais.pptx
 
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdfATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
ATLAS DE FOTOGRAMETRIA FORENSE - EEPHCFMUSP .pdf
 
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptxanemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
anemia ferropriva e megaloblástica FINAL.pptx
 
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
CARL ROGERS E A ACPNascido em 1902, em Oak Park, Illinois, subúrbio de Chicag...
 
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptxAULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
AULA 07 - PROTOZOARIO E PRINCIPAIS DOENÇAS.pptx
 
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso AutonomoFarmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
Farmacologia do Sistema Nervoso Autonomo
 
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdfSINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
SINAIS VITAIS guia prático do cuidador de idoso.pdf
 
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismoEscala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
Escala-CARS-1.pdf teste para crianças com autismo
 
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
aula de Me enxergou na minha tormenta Me livrou em meus problemas Transformou...
 
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
Rowe_etal_2024Evidence for planning and motor subtypes of stuttering based on...
 
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01Protocolo Zero Rugas - formato digital01
Protocolo Zero Rugas - formato digital01
 
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptxaula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
aula sobre HELMINTOS E DOENÇAS CAUSADAS.pptx
 

Ovace

  • 2. Apresentação Instrutora: Giovana Tomazi • Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho. • Curso de Atendimento Pré Hospitalar – APH, 100h – BOMBEIRO MILITAR MT • TOP - Urgência e Emergência – CH 50h. • Suporte ao Trauma no APH - IBRAPH • Bombeira Civil • NR 35 – TRABALHO EM ALTURA • NR 33 – TRABALHO E RESGATE EM ESPAÇO CONFINADO. • FORMAÇÃO DE BRIGADISTAS DESDE 2016 • INSTRUTORA DE APH NO BOMBEIRO CIVIL E SOCORRISTA SAMU
  • 3. Índice 1. Atribuições e Competências 2. Reconhecimento 3. Conduta - Vitima adulta ou crianças maiores que 1 ano consciente; - Vitima adulta ou crianças maiores que 1 ano inconsciente; 4. Situações Especiais - Vitima crianças menores que 1 ano (bebê) consciente; - Vitima crianças menores que 1 ano (bebê) inconsciente;
  • 4. Atribuições e Competências •Saber lidar com o público; •Ser disciplinado no local da ocorrência; •Ter conhecimento técnico e capacidade para fazer o atendimento necessário; •Ser paciente com as ações anormais de pacientes em situações de estresse ou traumas; •Ter capacidade de liderança para dar segurança e conforto ao paciente; •Ser honesto e autêntico;
  • 5. •Garantir permeabilização das VA e SV e prevenir o segundo trauma; •Realizar manobras de R.C.P •Cumprir o padrões adotados para atendimento ou protocolo; •Usar todos os EPI’s obrigatórios; •Dar destino ao lixo hospitalar; •Proporcionar assistência de acordo com o treinamento; •Guardar informações sigilosas sobre pacientes; Atribuições e Competências
  • 6. SBV – Suporte Básico da Vida • SEGURANÇA • AVALIAÇÃO * • ESTABILIZAÇÃO • IMOBILIZAÇÃO • TRANSPORTE
  • 7. Via aérea Consiste no Aparelho Respiratório: Superiores Inferiores
  • 8. Obstrução Pode ser causada por... Líquido Relaxamento da língua Sólido Vítima inconsciente
  • 9. Reconhecimento Dificuldade para respirar, inquietação, cianótica ente outras.
  • 10. Conduta 1º Priorizar a segurança no atendimento a ocorrência; 2º Iniciar a Avaliação Primária e intervir conforme necessidade; 3º O atendimento a OVACE inicia-se na letra “A” da avaliação inicial:  Obstrução LEVE Obstrução GRAVE
  • 11. Conduta 4º Obstrução leve (parcial): vítima adulta ou criança, capaz de responder se está engasgado, consegue tossir, falar e respirar: I. Inicialmente não realizar manobras de desobstrução (não interferir); II. Acalmar a vítima; III. Incentivar tosse vigorosa; IV. Monitorar e oferecer suporte de oxigênio, se necessário; V. Observar a saída do corpo estranho; VI. Se não desobstruir, seguir conduta para obstrução grave.
  • 12. Conduta 5º Obstrução grave (total): vítima adulta ou criança, que não consegue falar, podendo apresentar ventilação ruidosa, tosse silenciosa: DEVEMOS SEGUIR OS PASSOS A SEGUIR =>
  • 13. a) Vítima maiores que um ano consciente: I. Abra a boca da vítima e tente visualizar o corpo estranho e tente retirá-lo; II. Não realize exploração digital às cegas; III. Efetuar 04 ou 05 tapotagens entre as omoplatas; IV. Manobra de Heimlich ou no esterno (gestantes, obesos); V. Repita os passos nas ações 1, 2, 3 e 4, caso não obtenha sucesso;
  • 14. b) Vítima maiores que um ano inconsciente: I. Posicionar a vítima em decúbito dorsal em uma superfície rígida; II. Tente visualizar o corpo estranho, caso o encontre, tente retirá-lo; III. Não realize exploração digital às cegas; IV. Executar compressões torácicas com objetivo de remoção do corpo estranho e ventilações, conforme protocolo de RCP; V. Reiniciar a RCP e considerar o transporte imediato mantendo as manobras básicas de desobstrução e ressuscitação; Não se realiza compressões abdominais (manobra de Heimlich) em vítima inconsciente, devendo realizar compressões torácicas equivalentes à RCP.
  • 15. SITUAÇÕES ESPECIAIS De igual forma, na vítima pediátrica (bebê menor que 1 ano de idade) com obstrução leve, não se realiza manobras de desobstrução quando o bebê está responsivo. O socorrista deverá tentar acalmar a vítima, permitir tosse vigorosa e observar atenta e constantemente a evolução. Já em caso de obstrução grave em bebê responsivo, o profissional deve sentar-se para realizar a manobra da seguinte maneira:
  • 16. a) Vítima: criança menor que um ano (bebê) consciente: I. Pegue a criança, posicione em decúbito dorsal e verifique a cavidade oral, removendo corpos estranhos ou aspirando secreções, não sendo possível: II. Posicione a criança em decúbito ventral em seu antebraço, com a cabeça mais baixa que o tronco, podendo apoiá-la em seus membros inferiores; III. Efetue cinco tapotagens entre as escapulas; IV. Caso não obtenha sucesso, vire a criança em decúbito dorsal em superfície rígida e realize cinco compressões no esterno; V. Não realize exploração digital às cegas; VI. Se não obtiver sucesso, repita as ações I, II, III e IV quantas vezes for necessário, até a chegada do Suporte Avançado, se disponível.
  • 17. b) Vítima criança menor que um ano (bebê) inconsciente: I. Pegue a vítima (criança) e posicione em decúbito dorsal em superfície rígida e realize 4 ou 5 compressões no esterno; II. Verifique a cavidade oral se há algum corpo estranho, caso tenha, retire; III. Não realize exploração digital às cegas; IV. Realize as compressões torácicas;
  • 18. São sinais de OVACE em lactente: cianose e olhos arregalados, além da dificuldade de chorar, tossir e emitir sons.  Em lactente e neonato, fazer somente compressões torácicas com dois dedos e mantendo a cabeça mais baixa que os pés; O socorrista deve tomar cuidado quanto a cabeça da criança, devendo apoiá-la e evitar chicote.
  • 19. Saiba o que fazer Solido Líquido Relaxamento da língua 2. Tapotagem (abaixo de 1 ano de idade) 1. Heimlich (acima de 1 ano de idade) 1. Rolamento 90 º. 1. Elevação do mento
  • 22.
  • 24.
  • 25. O que fazer em caso de bebe engasgado
  • 26. SBV - RCP Reanimação Cardiopulmonar Conjunto de manobras destinadas a garantir a oxigenação dos órgãos quando a circulação do sangue de uma pessoa parada (parada cardiorrespiratória).