SlideShare uma empresa Scribd logo
Ribeirão Preto/SP, 19 de abril de 2012
Roberto Rodrigues
FEA/USP
Perspectivas do Agro Brasileiro
2Fontes: ONU (dez/2010) e FMI (set/2011). Elaboração: Fiesp-Deagro
Mundo: crescimento populacional e
urbanização (bilhões de indivíduos)
Crescimento do PIB
(variação % anual)
Drivers de Demanda
 China: 2015  Índia: 2045  China (2012): + 9,0%  Índia (2012): + 7,5%
Urbana
Rural
-
1.0
2.0
3.0
4.0
5.0
6.0
7.0
8.0
9.0
10.0
1950
1960
1970
1980
1990
2000
2010
2020
2030
2040
2050
3,7 4,0 4,0
1,8 1,6
1,9
6,2 6,4
6,1
AVG 00-10 2011 2012
Mundo PD PED
Fontes: FAO e ONU. Nota: Grãos - arroz, centeio, cevada, milho, soja, sorgo e trigo.
Nota: A área utilizada na agropecuária compreende lavouras temporárias, permanentes e pastagens
Nos últimos 50 anos, a
população urbana
triplicou.
Nesse período, o
consumo de grãos
aumentou 185%
e o de carnes 433%,
enquanto a área
agrícola, expandiu
apenas 11%.
0,0
0,5
1,0
1,5
2,0
2,5
3,0
3,5
4,0
4,5
5,0
5,5
6,0
6,5
1961
1963
1965
1967
1969
1971
1973
1975
1977
1979
1981
1983
1985
1987
1989
1991
1993
1995
1997
1999
2001
2003
2005
2007
População Urbana
(bilhões)
Área Utilizada na Agropecuária
(bilhões de hectares)
Área por População Urbana
(ha/invíduo)
Elaboração: FIESP-DEAGRO.
Escassez de Terras Produtivas
A importância da tecnologia
4
107
116
105
133
65
132
205
74
54
68
78
97
108
151
Grãos Milho Açúcar Arroz Soja Trigo Algodão
2000/2001 2010/2011 2011/2012
Fonte: USDA (fev2012). Elaboração: Fiesp-Deagro
Estoques mundiais
(em dias de consumo)
ZZ
Fontes: FMI, MCM, CBOT e NYCE (soja, milho e trigo) e FAO (índice de alimentos – cesta de 55 produtos)
Preços Agrícolas Internacionais
Var.últimos 12 m: -5,7%
Var. no mês: 1,6%
Milho (US$ / bushel) 1 bushel = 25,401 kg
Média 2011: 6,8
Var.últimos 12 m: -9,3%
Var. no mês: 0,2%
Índice de Preços de Alimentos da FAO (100 = 2002-04)
Média 2011: 227,6
Média 139,6
mar/12
215,86
50
75
100
125
150
175
200
225
250
jan-00
jan-01
jan-02
jan-03
jan-04
jan-05
jan-06
jan-07
jan-08
jan-09
jan-10
jan-11
jan-12
Média 3,4
mar/12
6,51
1
2
3
4
5
6
7
8
jan-00
jan-01
jan-02
jan-03
jan-04
jan-05
jan-06
jan-07
jan-08
jan-09
jan-10
jan-11
jan-12
Var.últimos 12 m: -22,0%
Var. no mês: 0,1%
Trigo (US$ / bushel) 1 bushel = 27,216 kg
Média 2011: 7,1
Var.últimos 12 m: -3,1%
Var. no mês: 7,5%
Soja (US$ / bushel) 1 bushel = 27,216 kg
Média 2011: 13,2
Média 8,1
mar/12
13,51
4
6
8
10
12
14
16
jan-00
jan-01
jan-02
jan-03
jan-04
jan-05
jan-06
jan-07
jan-08
jan-09
jan-10
jan-11
jan-12
Média 4,6
mar/12
6,4
2
4
6
8
10
12
jan-00
jan-01
jan-02
jan-03
jan-04
jan-05
jan-06
jan-07
jan-08
jan-09
jan-10
jan-11
jan-12
6
10 / 15%
10 / 15%
4%
26%
26%
40%
17%
A OCDE projeta que o mundo deverá aumentar em 20% a produção de alimentos para atender o
crescimento demanda até 2020. O Brasil é o país que mais ampliará a produção, com previsão de aumento
de 40% no período. (OCDE, 06.15.2010)
Mapa da população subnutrida (em % da pop total)
% de aumento da produção
Legenda:
Drivers : OCDE – projeção da produção de alimentos até 2020
7Elaboração: GV Agro
Brasil: um caminho
já percorrido
8
Produção brasileira de grãos
(Safras 1990/91 a 2011/12)
Produção (MMT)
Área (MMha) Variação %
Safras 1990/91 a 2011/12
Produção: + 173%
Área: + 36%
Produtividade: + 100%
Os sucessivos ganhos de
produtividade possibilitaram
a economia de 52 MMha.
Fonte: Conab (mar/2012). Nota: * 6ª Estimativa. Elaboração: Fiesp-Deagro
38
52
58
163
158
90/91
91/92
92/93
93/94
94/95
95/96
96/97
97/98
98/99
99/00
00/01
01/02
02/03
03/04
04/05
05/06
06/07
07/08
08/09
09/10
10/11
11/12*
9
Brasil EUA Mundo Brasil EUA Mundo
Crescimento da Produtividade
entre 1990/91 e 2010/11 (%)
Produtividade Média
safra 2010/11 (t / ha)
108%
84%
129%
93%
300%
25%
28%
29%
14%
28%
21%
32%
36%
19%
30%
3,3
3,0
4,1
3,1
1,5
5,3
2,9
9,6
5,1
0,9
3,1
2,5
5,1
2,8
0,7
Fonte: USDA (2011). Note: Grãos – cevada, milho, algodão, aveia, soja, arroz, centeio, sorgo e trigo. Elaboração: Fiesp-Deagro.
Produtividade Média dos Grãos – Brasil em relação ao Mundo
10
5,0
9,8
2,3
12,9
1,1
3,3
90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11
Produção brasileira de carnes
em milhões de toneladas
Fontes: CNPC, ABIEC, UBABEF, ABIPECS, USDA. Nota: 2011 estimado pelo USDA. Elaboração: Fiesp-Deagro.
Suína (+ 214%)
Frango (+ 468%)
Bovina (+ 95%)
11
Produção brasileira de cana-de-açúcar, açúcar e etanol
Fonte: MAPA. Nota: * posição de 01/03/2012. Elaboração: GVAgro.
254,9
292,3 316,1
357,1 381,4 382,5
428,8
495,8
572,7
603,1 624,5
557,4
00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12*
Cana-de-açúcar (milhões de t) Crise Mundial
16,0
19,0
22,4
24,9
26,6
26,2
30,7
31,3
31,5
33,0
38,1
35,7
00/01
01/02
02/03
03/04
04/05
05/06
06/07
07/08
08/09
09/10
10/11
11/12*
Açúcar (milhões de t)
10,5
11,5
12,5
14,6
15,2
15,8
17,9
22,4
27,7
25,7
27,6
22,7
00/01
01/02
02/03
03/04
04/05
05/06
06/07
07/08
08/09
09/10
10/11
11/12*
Etanol (bilhões de l)
12
Ciclo de vida do etanol de cana
Balanço das Emissões de CO2
Cultivo e Colheita
Emissão: 2.961 kg
Processamento da Cana
Emissão: 3.604 kg
Transporte: Campo>Usina
Emissão: 50 kg
Motor automóveis
Emissão: 1.520 kg
Crescimento da Cana
Absorção: 7.650 kg
Bioeletricidade
Emissão evitada: 225 kg
Emissões com uso
da Gasolina: 2.280 kg
Emissões Totais:
8.135 kg CO2
Emissões Evitadas:
7.875 kg CO2
Balanço do etanol: 260 kg CO2 (- 89% das emissões da gasolina)
EPA/EUA reconheceu o derivado da cana como etanol avançado.
Fonte: Macedo, I. 2008
Dados relativos à
emissão de CO2
para cada 1.000 litros
de etanol produzido
e consumido.
13
Renovável:
45,3%
Não-
Renovável:
54,7%
Matriz energética (2010) – o exemplo brasileiro
Mundo: 12.029 milhões t.e.p Brasil: 267 milhões t.e.p
OCDE: 6.115 milhões t.e.p
Não-
Renovável
Renovável
87%
13%
Renovável
Não-Renovável
Petróleo
37,7%
Cana
17,7%
Hidro
14,1%
Não-
Renovável
Renovável
93%
7%
Fonte: MTE (BEN 2011). Elaboração: Fiesp-Deagro.
14
Uma nova geopolítica mundial
Trópico de Câncer
Trópico de Capricórnio
Equador
tons petróleo equivalente Fonte: BPStatistical Review of World Energy Elaboração: Fiesp-Deagro
Mundo: consumo per capita de energia (2006)
15
80,9
59,1
43,3
12,4
2,4
0,9
EUA
Japã
o
U.E
Bras
il
Chin
a
Índia
Potencial aos biocombustíveis
número de veículos por 100 habitantes
Fontes: ANFAVEA, ANU, JAMA, ACEA. Nota: dados de 2005 e Índia (2004)
16
A Importância do Agronegócio para o Brasil
Fontes: CEPEA/USP, CNA, IPEA, MAPA e MDIC. Elaboração: Fiesp-Deagro.
22,3% (US$ 467 bi)
37% 36,9% (US$ 94,6 bi)
Empregos (2007) Exportações (2011)
10,8% 26,5% 30,2% 32,1%
Insumos Agro-
pecuária
Agro-
indústria
Distribuição
Distribuição do PIB no Sistema Agroindustrial
PIB (2010)
Outros Setores
Outros Setores Outros Setores
Fontes: WTO
5.0
5.1
6.5
6.8
7.7
10.3
10.7
12.2
15.6
19.5
Chile
Dinamarca
Nova Zelândia
França
Tailândia
Argentina
Brasil
Austrália
Holanda
Canadá
2000
12.8
16.0
16.2
20.2
20.3
23.2
26.1
32.4
32.6
57.9
Malásia
Austrália
Nova Zelândia
Canadá
Indonésia
Tailândia
EUA
Argentina
Holanda
Brasil
2010
Produtos Agrícolas – 10 Maiores Saldos Comerciais US$ bilhões
18
Exportações do agronegócio - Produtos
Fonte: MAPA. Elaboração: Fiesp-Deagro.
2000
(US$ 20,6 bi)
2011
(US$ 94,6 bi)
Complexo Soja - 26%
Açúcar e Etanol - 17%
Carnes - 17%
Produtos Florestais - 10%
Café - 9%
Cereais - 4%
Fumo e Produtos - 3%
Couros e Peleteria - 3%
Sucos de Fruta - 3%
Demais - 8%
Complexo Soja - 20%
Açúcar e Etanol - 6%
Carnes - 9%
Produtos Florestais - 21%
Café - 9%
Cereais - 0%
Fumo e Produtos - 4%
Couros e Peleteria - 10%
Sucos de Fruta - 5%
Demais - 14%
19
U.E 27 - 41%
EUA - 18%
Asia (-China, Or.Médio) - 11%
Mercosul - 8%
Or.Médio - 5%
Aladi (-Mercosul) - 4%
Europa Oriental - 3%
África (-Or.Médio) - 3%
China - 3%
Demais - 5%
U.E 27 - 25%
China - 17%
Asia (-China, Or.Médio) - 15%
África (-Or.Médio) - 9%
Or.Médio - 9%
EUA - 7%
Europa Oriental - 6%
Aladi (-Mercosul) - 5%
Mercosul - 3%
Demais - 3%
Exportações do agronegócio - Destinos
Fonte: MAPA. Elaboração: Fiesp-Deagro.
59%
32%
2000
(186 países)
2011
(214 países)
20Fonte: OCDE (2011). Elaboração: Fiesp-Deagro.
Estimativa de Apoio ao Produtor – PSE
0,5%
3,2% 5,0%
8,6%
12,3% 11,3%
16,0%
20,1% 21,8% 21,8%
48,8%
NovaZelândia
Austrália
Brasil
EUA
México
China
Canadá
OCDE
U.E
Rússia
Japão
Média 2008 a 2010 - (%)
Nota: O PSE mede o apoio resultante de políticas direcionadas à agricultura em relação a uma situação em que os
produtores estão sujeitos apenas às políticas gerais do país, incluindo políticas econômicas, sociais, ambientais e fiscais.
21
Potencial
vs.
Gargalos
22
Brasil – vantagens comparativas
 Terra disponível
 Tecnologia‘
 Recursos humanos
23
Brasil - uso da terra
Fontes: IBGE (Censo Agropecuário e Pesquisa Agrícola Municipal) e Conab (Levantamento Safra de Cana). Elaboração: GVAgro.
24
Evolução do Desmatamento na Amazônia
Fonte: Ministério do Meio Ambiente. Elaboração: GV Agro.
desmatamento anual em km²
variação % do desmatamento / ano
25
Tecnologia
1. Biotecnologia
2. Nanotecnologia
3. Melhoramento genético animal
4. Agroenergia e Biorrefinaria
5. Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura
6. Plantio Direto e Agricultura de Precisão
7. Coordenação da pesquisa
8. Difusão da tecnologia
26
Visa difundir uma nova
agricultura sustentável,
que reduza o
aquecimento global e a
liberação de gás
carbônico na atmosfera.
O Programa ABC
incentiva seis iniciativas,
com metas até 2020.
PAP 2011/12: foram disponibilizados R$ 3,15 bi, com limite de R$ 1 milhão
por produtor, taxas de juros de 5,5% ao ano e prazo de 5 a 15 anos.
Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
27
1
A técnica dispensa o revolvimento do solo e
evita a erosão com a semeadura direta na
palha da cultura anterior.
Protege o solo, reduz o uso de água, aumenta
a produtividade da lavoura e diminui
despesas com maquinário e combustível.
O objetivo é ampliar os atuais 26 milhões de
hectares para 33 milhões de hectares. Esse
acréscimo permitirá a redução da emissão de
16 milhões a 20 milhões de toneladas de CO2
Plantio Direto na Palha
Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
28
Tecnologia – Plantio Direto na Palha (PDP)
Fontes: FEBRAPDP e Conab. Elaboração: Fiesp-Deagro.
Brasil – Área sob PDP
25,9
54,3%
0
5
10
15
20
25
30
76/77
78/79
80/81
82/83
84/85
86/87
88/89
90/91
92/93
94/95
96/97
98/99
00/01
02/03
04/05
06/07
08/09
milhõesdeha
Área em PDP
% da área total de grãos
O PDP teve início no Brasil em 1972/73,
quando foram plantados 180 ha.
» Sequestro de Carbono: 0,5 t/ha/ano,
ou seja, 13 milhões de t de C / ano.
PDP por país – 2004/05 (milhões de ha)
25,3
23,6
18,3
12,5
9,0
1,7
EUA
Brasil
Argentina
Canadá
Austrália
Paraguai
29
2
É preciso transformar as terras
degradadas em áreas produtivas
para a produção de alimentos, fibras
e florestas.
O objetivo é recuperar 15 milhões de
hectares e reduzir entre 83 milhões e
104 milhões de toneladas de CO2
Recuperação de
Áreas Degradadas
Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
30
3 O sistema busca alternar pastagem com
agricultura e floresta em uma mesma
área.
Isso recupera o solo, incrementa a renda
e gera empregos.
A meta é aumentar a utilização do
sistema em 4 milhões de hectares e
evitar que entre 18 e 22 milhões de
toneladas de CO2 sejam liberadas.
Integração Lavoura-
Pecuária-Floresta
Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (IPLS)
Recuperação de pastagens degradas na região do Cerrado
1 ha de pastagem recuperada = 1,8 ha de florestas preservadas
32
4 O plantio de eucalipto e de pinus
proporciona renda futura para o
produtor e reduz o gás carbônico do ar,
graças ao oxigênio liberado pelas
árvores.
O objetivo do Programa ABC é expandir
em 3 milhões de ha a área de florestas
plantadas, passando dos atuais
6 milhões de hectares para 9 milhões de
hectares em 2020.
Plantio de Florestas
Comerciais
Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
33
5
A técnica busca desenvolver
microorganismos (bactérias) para captar o
nitrogênio existente no ar e transformá-lo
disponível para as culturas.
Isso permite a redução do custo de
produção e melhora a fertilidade do solo.
O governo quer incentivar a utilização
dessa técnica em 5,5 milhões de hectares,
resultando na redução da emissão de
10 milhões de toneladas de CO2
Fixação Biológica
de Nitrogênio
Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
34
6
A iniciativa aproveita os dejetos de suínos e
de outros animais para a produção de
energia (gás) e de composto orgânico.
Outro benefício é a possibilidade de
certificados de redução de emissão de gases,
emitidos por mercados compradores.
O objetivo é tratar 4,4 milhões de metros
cúbicos de resíduos da suinocultura e outras
atividades, deixando de lançar 6,9 milhões
de toneladas de CO2 na atmosfera.
Tratamento de
Resíduos Animais
Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
35
1. Uma Estratégia Nacional
Política de renda
Política comercial
Política tecnológica
Custo Brasil
- Infraestrutura e Logística
- Juros, Tributos, Câmbio
- Burocracia
Defesa Agropecuária
2. Segurança Jurídica 3. Comunicação
Elaboração: GV Agro
A Lição de Casa
Roberto Rodrigues
Obrigado!
 gvagro@fgv.br
 +55 (11) 3799-3645

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto RodriguesPalestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
24x7 COMUNICAÇÃO
 
Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15
Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15
Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15
Sistema FARSUL
 
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Rural Pecuária
 
Agronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia Abreu
Agronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia AbreuAgronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia Abreu
Agronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia Abreu
Revista Cafeicultura
 
A Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma Sustentável
A Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma SustentávelA Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma Sustentável
A Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma Sustentável
AgriculturaSustentavel
 
Os Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiro
Os Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiroOs Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiro
Os Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiro
AgriculturaSustentavel
 
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Revista Cafeicultura
 
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
Rural Pecuária
 
Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro
Inserção Internacional do Agronegócio BrasileiroInserção Internacional do Agronegócio Brasileiro
Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro
Verônica Muccini
 
Os Desafios Socioambientais para o Agro Sustentável
Os Desafios Socioambientais para o Agro SustentávelOs Desafios Socioambientais para o Agro Sustentável
Os Desafios Socioambientais para o Agro Sustentável
AgriculturaSustentavel
 
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura BrasileiraEnfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Oxya Agro e Biociências
 
Ministério da Agricultura
Ministério da AgriculturaMinistério da Agricultura
Ministério da Agricultura
Portal Canal Rural
 
Apresentção fundos de investimento
Apresentção fundos de investimentoApresentção fundos de investimento
Apresentção fundos de investimento
Felipe Souto
 
Aula 2 cenario_nacional
Aula 2 cenario_nacionalAula 2 cenario_nacional
Aula 2 cenario_nacional
Instituto Federal do Maranhão
 
Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456
Julio Iacia
 
Agroenergia No Brasil
Agroenergia No BrasilAgroenergia No Brasil
Agroenergia No Brasil
Fernando Pereira Braga
 
IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...
IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...
IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...
Portal Canal Rural
 
Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
Agroenergia
Zeca B.
 
Outlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiro
Outlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiroOutlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiro
Outlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiro
AgroTalento
 

Mais procurados (19)

Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto RodriguesPalestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
Palestra - A reconstrução do agronegócio do Brasil - Roberto Rodrigues
 
Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15
Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15
Análise e Perspectivas para os mercados de arroz e soja set15
 
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
Projeções do Agronegócio 2014/2015 a 2024/2025
 
Agronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia Abreu
Agronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia AbreuAgronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia Abreu
Agronegócio Brasileiro: Pespectivas 2016 - Palestra Katia Abreu
 
A Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma Sustentável
A Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma SustentávelA Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma Sustentável
A Capacidade do Agro Brasileiro de Produzir de Forma Sustentável
 
Os Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiro
Os Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiroOs Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiro
Os Desafios na Agro Sociedade como o mundo vê o agro brasileiro
 
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
Perspectivas Agrícolas no Brasil:desafios da agricultura brasileira 2015-2024
 
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
MAPA disponibiliza projeção do Agronegócio 2016/2026
 
Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro
Inserção Internacional do Agronegócio BrasileiroInserção Internacional do Agronegócio Brasileiro
Inserção Internacional do Agronegócio Brasileiro
 
Os Desafios Socioambientais para o Agro Sustentável
Os Desafios Socioambientais para o Agro SustentávelOs Desafios Socioambientais para o Agro Sustentável
Os Desafios Socioambientais para o Agro Sustentável
 
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura BrasileiraEnfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
Enfisa 2014 - O Futuro do Desenvolvimento Tecnológico da Agricultura Brasileira
 
Ministério da Agricultura
Ministério da AgriculturaMinistério da Agricultura
Ministério da Agricultura
 
Apresentção fundos de investimento
Apresentção fundos de investimentoApresentção fundos de investimento
Apresentção fundos de investimento
 
Aula 2 cenario_nacional
Aula 2 cenario_nacionalAula 2 cenario_nacional
Aula 2 cenario_nacional
 
Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456Arquivo 120911124456
Arquivo 120911124456
 
Agroenergia No Brasil
Agroenergia No BrasilAgroenergia No Brasil
Agroenergia No Brasil
 
IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...
IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...
IBGE: safra brasileira de grãos deve ser 0,7% menor em 2012 - Redução em rela...
 
Agroenergia
AgroenergiaAgroenergia
Agroenergia
 
Outlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiro
Outlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiroOutlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiro
Outlook Fiesp 2023 - Projeções para o agronegócio brasileiro
 

Destaque

Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Portal Canal Rural
 
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica RuralAgência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Palácio do Planalto
 
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Juliano Hoffmann
 
Gestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégociosGestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégocios
CompanyWeb
 
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Fundação de Economia e Estatística
 
Apresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI AgroApresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI Agro
Claudecir Santos
 
Gestão de agronegócios
Gestão de agronegóciosGestão de agronegócios
Gestão de agronegócios
Verbo Educacional
 
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovatec JF
 
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
PROFIGESTÃO - Profissionais em Gestão de Empresas e Pessoas
 
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Paulo Henrique Leme
 
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Revista Cafeicultura
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Palácio do Planalto
 
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Paulo Henrique Leme
 
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e LogísticaProjetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
encontrocomgabrielli
 
Gestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradores
Gestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradoresGestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradores
Gestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradores
Érlei José de Araújo
 
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Juliano Hoffmann
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
Bruno Rodrigues
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
sionara14
 
Processos e funções administrativas
Processos e funções administrativasProcessos e funções administrativas
Processos e funções administrativas
Jose Alexandre Santos
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
Valéria Lins
 

Destaque (20)

Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
Apresentação do Ministro Antônio Andrade na solenidade de lançamento do Plano...
 
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica RuralAgência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
Agência Nacional de Tecnologia e Assistência Técnica Rural
 
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
Apres sen katia_mma_demandas_cna_agronegocio_08_11_12
 
Gestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégociosGestão profissional AgroNégocios
Gestão profissional AgroNégocios
 
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
Indicadores Econômicos do Agronegócio (02/2016)
 
Apresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI AgroApresentação prodix BI Agro
Apresentação prodix BI Agro
 
Gestão de agronegócios
Gestão de agronegóciosGestão de agronegócios
Gestão de agronegócios
 
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do LeiteInovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
Inovação Tecnológica Sustentável no Agronegócio do Leite
 
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
6ª Aula do Curso de Administração Empresarial
 
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...Marketing e qualidade   desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
Marketing e qualidade desafios do novo agronegócio brasileiro - versão 2013...
 
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
Roberto Rodrigues - UMA AGENDA PARA O AGRONEGÓCIO NO SÉCULO XXI.
 
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
Plano Safra da Agricultura Familiar 2016/17
 
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...Marketing e qualidade  - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
Marketing e qualidade - os desafios do novo agronegócio para o século XXI - ...
 
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e LogísticaProjetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
Projetos e Desafios - Infraestrutura e Logística
 
Gestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradores
Gestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradoresGestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradores
Gestão do agronegócio - a hora e a vez dos administradores
 
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
 
Administração rural
Administração ruralAdministração rural
Administração rural
 
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIROAula  13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
Aula 13 - AGRONEGÓCIO BRASILEIRO
 
Processos e funções administrativas
Processos e funções administrativasProcessos e funções administrativas
Processos e funções administrativas
 
Rotinas administrativas
Rotinas administrativasRotinas administrativas
Rotinas administrativas
 

Semelhante a Agronegócio.

Agrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXI
Agrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXIAgrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXI
Agrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXI
nataliafernandes
 
Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela
Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e PelaCampanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela
Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela
alantygel
 
Projeções Agronegócio 2012 - 2022
Projeções Agronegócio 2012 - 2022Projeções Agronegócio 2012 - 2022
Projeções Agronegócio 2012 - 2022
pepontocom
 
Palestra.pptx
Palestra.pptxPalestra.pptx
Palestra.pptx
MarceloFernando23
 
03-05
03-0503-05
AGRO FESCAFÉ 2014
AGRO FESCAFÉ 2014AGRO FESCAFÉ 2014
AGRO FESCAFÉ 2014
AgriculturaSustentavel
 
Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global
Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global
Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global
Macroplan
 
Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012
Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012
Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012
Luciano Roppa
 
Perfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
Perfil do Produtor Agropecuário BrasileiroPerfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
Perfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
Fiesp Federação das Indústrias do Estado de SP
 
Matheus: Rabobank
Matheus: RabobankMatheus: Rabobank
Matheus: Rabobank
Strider
 
Estudos de longo prazo 2050
Estudos de longo prazo 2050Estudos de longo prazo 2050
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Revista Cafeicultura
 
Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012
Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012
Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012
Luciano Roppa
 
Humberto jr msg iii 121
Humberto jr msg iii 121Humberto jr msg iii 121
Humberto jr msg iii 121
Humberto Jr
 
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e FuturaCarne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Fabio Nunes
 
Pitch AEGRO 100 open startups
Pitch AEGRO 100 open startupsPitch AEGRO 100 open startups
Pitch AEGRO 100 open startups
AEGRO
 
Pet desafios agronegócio_2016.05.30
Pet desafios agronegócio_2016.05.30Pet desafios agronegócio_2016.05.30
Pet desafios agronegócio_2016.05.30
equipeagroplus
 
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
FAO
 
[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...
[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...
[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...
AgroTalento
 
"A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne""A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne"
UNDP Policy Centre
 

Semelhante a Agronegócio. (20)

Agrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXI
Agrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXIAgrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXI
Agrocafé_Roberto Rodrigues_Uma agenda para o agronegócio no século XXI
 
Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela
Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e PelaCampanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela
Campanha Permanente Contra os Agrotóxicos e Pela
 
Projeções Agronegócio 2012 - 2022
Projeções Agronegócio 2012 - 2022Projeções Agronegócio 2012 - 2022
Projeções Agronegócio 2012 - 2022
 
Palestra.pptx
Palestra.pptxPalestra.pptx
Palestra.pptx
 
03-05
03-0503-05
03-05
 
AGRO FESCAFÉ 2014
AGRO FESCAFÉ 2014AGRO FESCAFÉ 2014
AGRO FESCAFÉ 2014
 
Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global
Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global
Pará pode ser um dos vetores de inserção do País na economia global
 
Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012
Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012
Conference at DB-DanBred Annual Meeting, Brazil, 2012
 
Perfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
Perfil do Produtor Agropecuário BrasileiroPerfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
Perfil do Produtor Agropecuário Brasileiro
 
Matheus: Rabobank
Matheus: RabobankMatheus: Rabobank
Matheus: Rabobank
 
Estudos de longo prazo 2050
Estudos de longo prazo 2050Estudos de longo prazo 2050
Estudos de longo prazo 2050
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
 
Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012
Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012
Conference at FEICORTE, Campo Grande, BRAZIL, 2012
 
Humberto jr msg iii 121
Humberto jr msg iii 121Humberto jr msg iii 121
Humberto jr msg iii 121
 
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e FuturaCarne de frango - Perspectivas Atual e Futura
Carne de frango - Perspectivas Atual e Futura
 
Pitch AEGRO 100 open startups
Pitch AEGRO 100 open startupsPitch AEGRO 100 open startups
Pitch AEGRO 100 open startups
 
Pet desafios agronegócio_2016.05.30
Pet desafios agronegócio_2016.05.30Pet desafios agronegócio_2016.05.30
Pet desafios agronegócio_2016.05.30
 
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
Políticas agroambientais e mudancas climáticas - experiencias e desafios no c...
 
[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...
[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...
[BeefSummit Brasil] Luciano Roppa: Principais conclusões do I América Bovina:...
 
"A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne""A cadeia Produtiva da Carne"
"A cadeia Produtiva da Carne"
 

Mais de Zeca B.

Estado e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo
Estado e Desenvolvimento no Brasil ContemporâneoEstado e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo
Estado e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo
Zeca B.
 
Apresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográficaApresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográfica
Zeca B.
 
Revolução Verde
Revolução VerdeRevolução Verde
Revolução Verde
Zeca B.
 
C. Geertz - Etnográfia
C. Geertz - EtnográfiaC. Geertz - Etnográfia
C. Geertz - Etnográfia
Zeca B.
 
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder SimbólicoPierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Zeca B.
 
A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.
A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.
A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.
Zeca B.
 
Caminhos Cruzados
Caminhos CruzadosCaminhos Cruzados
Caminhos Cruzados
Zeca B.
 
Castas, Estamentos e Classes sociais
Castas, Estamentos e Classes sociaisCastas, Estamentos e Classes sociais
Castas, Estamentos e Classes sociais
Zeca B.
 
Ilhas de História, sahlins
Ilhas de História, sahlinsIlhas de História, sahlins
Ilhas de História, sahlins
Zeca B.
 
Raca e Mobilidade social
Raca e Mobilidade socialRaca e Mobilidade social
Raca e Mobilidade social
Zeca B.
 
Umbanda e loucura
Umbanda e loucuraUmbanda e loucura
Umbanda e loucura
Zeca B.
 
FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.
FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.
FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.
Zeca B.
 

Mais de Zeca B. (12)

Estado e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo
Estado e Desenvolvimento no Brasil ContemporâneoEstado e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo
Estado e Desenvolvimento no Brasil Contemporâneo
 
Apresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográficaApresentação sobre a transição demográfica
Apresentação sobre a transição demográfica
 
Revolução Verde
Revolução VerdeRevolução Verde
Revolução Verde
 
C. Geertz - Etnográfia
C. Geertz - EtnográfiaC. Geertz - Etnográfia
C. Geertz - Etnográfia
 
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder SimbólicoPierre Bourdieu - O Poder Simbólico
Pierre Bourdieu - O Poder Simbólico
 
A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.
A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.
A história da cultura brasileira segundo as línguas nativas.
 
Caminhos Cruzados
Caminhos CruzadosCaminhos Cruzados
Caminhos Cruzados
 
Castas, Estamentos e Classes sociais
Castas, Estamentos e Classes sociaisCastas, Estamentos e Classes sociais
Castas, Estamentos e Classes sociais
 
Ilhas de História, sahlins
Ilhas de História, sahlinsIlhas de História, sahlins
Ilhas de História, sahlins
 
Raca e Mobilidade social
Raca e Mobilidade socialRaca e Mobilidade social
Raca e Mobilidade social
 
Umbanda e loucura
Umbanda e loucuraUmbanda e loucura
Umbanda e loucura
 
FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.
FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.
FHC - O Modelo Político Brasileiro e Outros Ensaios.
 

Último

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
enpfilosofiaufu
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdfCaderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
Caderno de Resumos XVIII ENPFil UFU, IX EPGFil UFU E VII EPFEM.pdf
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Agronegócio.

  • 1. Ribeirão Preto/SP, 19 de abril de 2012 Roberto Rodrigues FEA/USP Perspectivas do Agro Brasileiro
  • 2. 2Fontes: ONU (dez/2010) e FMI (set/2011). Elaboração: Fiesp-Deagro Mundo: crescimento populacional e urbanização (bilhões de indivíduos) Crescimento do PIB (variação % anual) Drivers de Demanda  China: 2015  Índia: 2045  China (2012): + 9,0%  Índia (2012): + 7,5% Urbana Rural - 1.0 2.0 3.0 4.0 5.0 6.0 7.0 8.0 9.0 10.0 1950 1960 1970 1980 1990 2000 2010 2020 2030 2040 2050 3,7 4,0 4,0 1,8 1,6 1,9 6,2 6,4 6,1 AVG 00-10 2011 2012 Mundo PD PED
  • 3. Fontes: FAO e ONU. Nota: Grãos - arroz, centeio, cevada, milho, soja, sorgo e trigo. Nota: A área utilizada na agropecuária compreende lavouras temporárias, permanentes e pastagens Nos últimos 50 anos, a população urbana triplicou. Nesse período, o consumo de grãos aumentou 185% e o de carnes 433%, enquanto a área agrícola, expandiu apenas 11%. 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 1961 1963 1965 1967 1969 1971 1973 1975 1977 1979 1981 1983 1985 1987 1989 1991 1993 1995 1997 1999 2001 2003 2005 2007 População Urbana (bilhões) Área Utilizada na Agropecuária (bilhões de hectares) Área por População Urbana (ha/invíduo) Elaboração: FIESP-DEAGRO. Escassez de Terras Produtivas A importância da tecnologia
  • 4. 4 107 116 105 133 65 132 205 74 54 68 78 97 108 151 Grãos Milho Açúcar Arroz Soja Trigo Algodão 2000/2001 2010/2011 2011/2012 Fonte: USDA (fev2012). Elaboração: Fiesp-Deagro Estoques mundiais (em dias de consumo)
  • 5. ZZ Fontes: FMI, MCM, CBOT e NYCE (soja, milho e trigo) e FAO (índice de alimentos – cesta de 55 produtos) Preços Agrícolas Internacionais Var.últimos 12 m: -5,7% Var. no mês: 1,6% Milho (US$ / bushel) 1 bushel = 25,401 kg Média 2011: 6,8 Var.últimos 12 m: -9,3% Var. no mês: 0,2% Índice de Preços de Alimentos da FAO (100 = 2002-04) Média 2011: 227,6 Média 139,6 mar/12 215,86 50 75 100 125 150 175 200 225 250 jan-00 jan-01 jan-02 jan-03 jan-04 jan-05 jan-06 jan-07 jan-08 jan-09 jan-10 jan-11 jan-12 Média 3,4 mar/12 6,51 1 2 3 4 5 6 7 8 jan-00 jan-01 jan-02 jan-03 jan-04 jan-05 jan-06 jan-07 jan-08 jan-09 jan-10 jan-11 jan-12 Var.últimos 12 m: -22,0% Var. no mês: 0,1% Trigo (US$ / bushel) 1 bushel = 27,216 kg Média 2011: 7,1 Var.últimos 12 m: -3,1% Var. no mês: 7,5% Soja (US$ / bushel) 1 bushel = 27,216 kg Média 2011: 13,2 Média 8,1 mar/12 13,51 4 6 8 10 12 14 16 jan-00 jan-01 jan-02 jan-03 jan-04 jan-05 jan-06 jan-07 jan-08 jan-09 jan-10 jan-11 jan-12 Média 4,6 mar/12 6,4 2 4 6 8 10 12 jan-00 jan-01 jan-02 jan-03 jan-04 jan-05 jan-06 jan-07 jan-08 jan-09 jan-10 jan-11 jan-12
  • 6. 6 10 / 15% 10 / 15% 4% 26% 26% 40% 17% A OCDE projeta que o mundo deverá aumentar em 20% a produção de alimentos para atender o crescimento demanda até 2020. O Brasil é o país que mais ampliará a produção, com previsão de aumento de 40% no período. (OCDE, 06.15.2010) Mapa da população subnutrida (em % da pop total) % de aumento da produção Legenda: Drivers : OCDE – projeção da produção de alimentos até 2020
  • 7. 7Elaboração: GV Agro Brasil: um caminho já percorrido
  • 8. 8 Produção brasileira de grãos (Safras 1990/91 a 2011/12) Produção (MMT) Área (MMha) Variação % Safras 1990/91 a 2011/12 Produção: + 173% Área: + 36% Produtividade: + 100% Os sucessivos ganhos de produtividade possibilitaram a economia de 52 MMha. Fonte: Conab (mar/2012). Nota: * 6ª Estimativa. Elaboração: Fiesp-Deagro 38 52 58 163 158 90/91 91/92 92/93 93/94 94/95 95/96 96/97 97/98 98/99 99/00 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12*
  • 9. 9 Brasil EUA Mundo Brasil EUA Mundo Crescimento da Produtividade entre 1990/91 e 2010/11 (%) Produtividade Média safra 2010/11 (t / ha) 108% 84% 129% 93% 300% 25% 28% 29% 14% 28% 21% 32% 36% 19% 30% 3,3 3,0 4,1 3,1 1,5 5,3 2,9 9,6 5,1 0,9 3,1 2,5 5,1 2,8 0,7 Fonte: USDA (2011). Note: Grãos – cevada, milho, algodão, aveia, soja, arroz, centeio, sorgo e trigo. Elaboração: Fiesp-Deagro. Produtividade Média dos Grãos – Brasil em relação ao Mundo
  • 10. 10 5,0 9,8 2,3 12,9 1,1 3,3 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 00 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 Produção brasileira de carnes em milhões de toneladas Fontes: CNPC, ABIEC, UBABEF, ABIPECS, USDA. Nota: 2011 estimado pelo USDA. Elaboração: Fiesp-Deagro. Suína (+ 214%) Frango (+ 468%) Bovina (+ 95%)
  • 11. 11 Produção brasileira de cana-de-açúcar, açúcar e etanol Fonte: MAPA. Nota: * posição de 01/03/2012. Elaboração: GVAgro. 254,9 292,3 316,1 357,1 381,4 382,5 428,8 495,8 572,7 603,1 624,5 557,4 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12* Cana-de-açúcar (milhões de t) Crise Mundial 16,0 19,0 22,4 24,9 26,6 26,2 30,7 31,3 31,5 33,0 38,1 35,7 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12* Açúcar (milhões de t) 10,5 11,5 12,5 14,6 15,2 15,8 17,9 22,4 27,7 25,7 27,6 22,7 00/01 01/02 02/03 03/04 04/05 05/06 06/07 07/08 08/09 09/10 10/11 11/12* Etanol (bilhões de l)
  • 12. 12 Ciclo de vida do etanol de cana Balanço das Emissões de CO2 Cultivo e Colheita Emissão: 2.961 kg Processamento da Cana Emissão: 3.604 kg Transporte: Campo>Usina Emissão: 50 kg Motor automóveis Emissão: 1.520 kg Crescimento da Cana Absorção: 7.650 kg Bioeletricidade Emissão evitada: 225 kg Emissões com uso da Gasolina: 2.280 kg Emissões Totais: 8.135 kg CO2 Emissões Evitadas: 7.875 kg CO2 Balanço do etanol: 260 kg CO2 (- 89% das emissões da gasolina) EPA/EUA reconheceu o derivado da cana como etanol avançado. Fonte: Macedo, I. 2008 Dados relativos à emissão de CO2 para cada 1.000 litros de etanol produzido e consumido.
  • 13. 13 Renovável: 45,3% Não- Renovável: 54,7% Matriz energética (2010) – o exemplo brasileiro Mundo: 12.029 milhões t.e.p Brasil: 267 milhões t.e.p OCDE: 6.115 milhões t.e.p Não- Renovável Renovável 87% 13% Renovável Não-Renovável Petróleo 37,7% Cana 17,7% Hidro 14,1% Não- Renovável Renovável 93% 7% Fonte: MTE (BEN 2011). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 14. 14 Uma nova geopolítica mundial Trópico de Câncer Trópico de Capricórnio Equador tons petróleo equivalente Fonte: BPStatistical Review of World Energy Elaboração: Fiesp-Deagro Mundo: consumo per capita de energia (2006)
  • 15. 15 80,9 59,1 43,3 12,4 2,4 0,9 EUA Japã o U.E Bras il Chin a Índia Potencial aos biocombustíveis número de veículos por 100 habitantes Fontes: ANFAVEA, ANU, JAMA, ACEA. Nota: dados de 2005 e Índia (2004)
  • 16. 16 A Importância do Agronegócio para o Brasil Fontes: CEPEA/USP, CNA, IPEA, MAPA e MDIC. Elaboração: Fiesp-Deagro. 22,3% (US$ 467 bi) 37% 36,9% (US$ 94,6 bi) Empregos (2007) Exportações (2011) 10,8% 26,5% 30,2% 32,1% Insumos Agro- pecuária Agro- indústria Distribuição Distribuição do PIB no Sistema Agroindustrial PIB (2010) Outros Setores Outros Setores Outros Setores
  • 18. 18 Exportações do agronegócio - Produtos Fonte: MAPA. Elaboração: Fiesp-Deagro. 2000 (US$ 20,6 bi) 2011 (US$ 94,6 bi) Complexo Soja - 26% Açúcar e Etanol - 17% Carnes - 17% Produtos Florestais - 10% Café - 9% Cereais - 4% Fumo e Produtos - 3% Couros e Peleteria - 3% Sucos de Fruta - 3% Demais - 8% Complexo Soja - 20% Açúcar e Etanol - 6% Carnes - 9% Produtos Florestais - 21% Café - 9% Cereais - 0% Fumo e Produtos - 4% Couros e Peleteria - 10% Sucos de Fruta - 5% Demais - 14%
  • 19. 19 U.E 27 - 41% EUA - 18% Asia (-China, Or.Médio) - 11% Mercosul - 8% Or.Médio - 5% Aladi (-Mercosul) - 4% Europa Oriental - 3% África (-Or.Médio) - 3% China - 3% Demais - 5% U.E 27 - 25% China - 17% Asia (-China, Or.Médio) - 15% África (-Or.Médio) - 9% Or.Médio - 9% EUA - 7% Europa Oriental - 6% Aladi (-Mercosul) - 5% Mercosul - 3% Demais - 3% Exportações do agronegócio - Destinos Fonte: MAPA. Elaboração: Fiesp-Deagro. 59% 32% 2000 (186 países) 2011 (214 países)
  • 20. 20Fonte: OCDE (2011). Elaboração: Fiesp-Deagro. Estimativa de Apoio ao Produtor – PSE 0,5% 3,2% 5,0% 8,6% 12,3% 11,3% 16,0% 20,1% 21,8% 21,8% 48,8% NovaZelândia Austrália Brasil EUA México China Canadá OCDE U.E Rússia Japão Média 2008 a 2010 - (%) Nota: O PSE mede o apoio resultante de políticas direcionadas à agricultura em relação a uma situação em que os produtores estão sujeitos apenas às políticas gerais do país, incluindo políticas econômicas, sociais, ambientais e fiscais.
  • 22. 22 Brasil – vantagens comparativas  Terra disponível  Tecnologia‘  Recursos humanos
  • 23. 23 Brasil - uso da terra Fontes: IBGE (Censo Agropecuário e Pesquisa Agrícola Municipal) e Conab (Levantamento Safra de Cana). Elaboração: GVAgro.
  • 24. 24 Evolução do Desmatamento na Amazônia Fonte: Ministério do Meio Ambiente. Elaboração: GV Agro. desmatamento anual em km² variação % do desmatamento / ano
  • 25. 25 Tecnologia 1. Biotecnologia 2. Nanotecnologia 3. Melhoramento genético animal 4. Agroenergia e Biorrefinaria 5. Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura 6. Plantio Direto e Agricultura de Precisão 7. Coordenação da pesquisa 8. Difusão da tecnologia
  • 26. 26 Visa difundir uma nova agricultura sustentável, que reduza o aquecimento global e a liberação de gás carbônico na atmosfera. O Programa ABC incentiva seis iniciativas, com metas até 2020. PAP 2011/12: foram disponibilizados R$ 3,15 bi, com limite de R$ 1 milhão por produtor, taxas de juros de 5,5% ao ano e prazo de 5 a 15 anos. Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 27. 27 1 A técnica dispensa o revolvimento do solo e evita a erosão com a semeadura direta na palha da cultura anterior. Protege o solo, reduz o uso de água, aumenta a produtividade da lavoura e diminui despesas com maquinário e combustível. O objetivo é ampliar os atuais 26 milhões de hectares para 33 milhões de hectares. Esse acréscimo permitirá a redução da emissão de 16 milhões a 20 milhões de toneladas de CO2 Plantio Direto na Palha Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 28. 28 Tecnologia – Plantio Direto na Palha (PDP) Fontes: FEBRAPDP e Conab. Elaboração: Fiesp-Deagro. Brasil – Área sob PDP 25,9 54,3% 0 5 10 15 20 25 30 76/77 78/79 80/81 82/83 84/85 86/87 88/89 90/91 92/93 94/95 96/97 98/99 00/01 02/03 04/05 06/07 08/09 milhõesdeha Área em PDP % da área total de grãos O PDP teve início no Brasil em 1972/73, quando foram plantados 180 ha. » Sequestro de Carbono: 0,5 t/ha/ano, ou seja, 13 milhões de t de C / ano. PDP por país – 2004/05 (milhões de ha) 25,3 23,6 18,3 12,5 9,0 1,7 EUA Brasil Argentina Canadá Austrália Paraguai
  • 29. 29 2 É preciso transformar as terras degradadas em áreas produtivas para a produção de alimentos, fibras e florestas. O objetivo é recuperar 15 milhões de hectares e reduzir entre 83 milhões e 104 milhões de toneladas de CO2 Recuperação de Áreas Degradadas Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 30. 30 3 O sistema busca alternar pastagem com agricultura e floresta em uma mesma área. Isso recupera o solo, incrementa a renda e gera empregos. A meta é aumentar a utilização do sistema em 4 milhões de hectares e evitar que entre 18 e 22 milhões de toneladas de CO2 sejam liberadas. Integração Lavoura- Pecuária-Floresta Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 31. Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (IPLS) Recuperação de pastagens degradas na região do Cerrado 1 ha de pastagem recuperada = 1,8 ha de florestas preservadas
  • 32. 32 4 O plantio de eucalipto e de pinus proporciona renda futura para o produtor e reduz o gás carbônico do ar, graças ao oxigênio liberado pelas árvores. O objetivo do Programa ABC é expandir em 3 milhões de ha a área de florestas plantadas, passando dos atuais 6 milhões de hectares para 9 milhões de hectares em 2020. Plantio de Florestas Comerciais Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 33. 33 5 A técnica busca desenvolver microorganismos (bactérias) para captar o nitrogênio existente no ar e transformá-lo disponível para as culturas. Isso permite a redução do custo de produção e melhora a fertilidade do solo. O governo quer incentivar a utilização dessa técnica em 5,5 milhões de hectares, resultando na redução da emissão de 10 milhões de toneladas de CO2 Fixação Biológica de Nitrogênio Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 34. 34 6 A iniciativa aproveita os dejetos de suínos e de outros animais para a produção de energia (gás) e de composto orgânico. Outro benefício é a possibilidade de certificados de redução de emissão de gases, emitidos por mercados compradores. O objetivo é tratar 4,4 milhões de metros cúbicos de resíduos da suinocultura e outras atividades, deixando de lançar 6,9 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera. Tratamento de Resíduos Animais Fonte: MAPA (2012). Elaboração: Fiesp-Deagro.
  • 35. 35 1. Uma Estratégia Nacional Política de renda Política comercial Política tecnológica Custo Brasil - Infraestrutura e Logística - Juros, Tributos, Câmbio - Burocracia Defesa Agropecuária 2. Segurança Jurídica 3. Comunicação Elaboração: GV Agro A Lição de Casa
  • 36.