SlideShare uma empresa Scribd logo
NIETZSCHE
• Nietzsche traz um questionamento muito
agudo, muito sério sobre elementos tradicionais
da filosofia.
• O ponto de partida de sua filosofia se dá na
Grécia antiga, quando a filosofia rompe com o
mito.
• Os filósofos gregos julgavam a racionalidade
superior ao conhecimento mitológico,
supervalorizando a razão e se esquecendo dos
instintos humanos.
• A razão não é guardadora plena da verdade, e por isso essa tradição filosófica
da busca pela verdade absoluta deve ser rompida.
• O que é verdade para ele? É a soma de todos os instintos: a vida verdadeira
não é a razão, mas a soma dos instintos. Sua filosofia é mais preocupada com
a estética do que com a ética, pois opõe valores considerados tradicionais por
nós.
• Por isso, tece uma crítica profunda aos filósofos gregos e a Kant, que
buscavam idealizar valores que fossem universais: moral e verdade são apenas
palavras que não possuem realidade.
• Para ele, os valores devem ser entendidos e pensados individualmente, muito
mais pelo instinto do que pela razão!
• Quando pensamos em uma pessoa boa, por exemplo,
pensamos em alguém racional. Por outro lado, quando
pensamos em alguém que age pela emoção, pensamos em
alguém irracional.
• Para ele, somos nós quem construímos essas ideias, esses
valores. Por isso, afirma que a verdade não pode ser essa
verdade mascarada.
VONTADE DE POTÊNCIA
• Nietzsche diz que o homem tem constante vontade de dominar,
e que esta é explanada racionalmente, isto é, quer dominar a
natureza e os outros seres humanos, e por isso mesmo, o
homem cria regras e conceitos.
• Mas, será que essas regras são a verdade? Para ele não, uma vez
que quem as construiu foram os homens.
ARTE TRÁGICA
• Nietzsche afirma que a arte trágica fora abandonada desde a
Grécia Antiga, e que por ser a sabedoria instintiva ficou de lado.
• Essa desvalorização deu início à decadência do espírito humano
completo*, e o homem tentou dar ordem ao caos do mundo de
uma forma racional.
• Para ele, o homem tem um grande medo de enfrentar o mundo
como ele é e se enxerga como um sujeito que muda o universo.
• Na verdade, não há sujeito. Não há unidade.
• O que há é o acaso.
As dimensões do homem
• Alguma coisa, então, se perdeu entre a mitologia e a filosofia, e
foi justamente o outro lado do ser humano que foi deixado de
lado. O espírito humano está dividido em duas faces:
• DEUS Apolo -> Deus da harmonia, da música, da luz, da
serenidade.
• Deus Dionísio -> Deus mais caótico, do teatro, do transe.
• A filosofia é a visão do mundo constituída pela análise,
pela razão, pela lógica, pela compreensão estritamente
racional entre o homem e a natureza.
• Essa atitude é simbolizada por Apolo, que é austero e
deus da razão, da ordem e do equilíbrio.
• O espírito apolíneo é o conjunto de todas as
características que fazem parte da postura filosófica
científica.
• A tragédia grega está no afastamento das condições humanas que
também são vitais. É uma constante luta que busca tirar o homem
daquilo que lhe é natural: o instinto.
• No espírito dionísico é que Nietzsche encontra o aspecto não
filosófico/racional da natureza humana.
• Esse espírito é o que não se prende, não se institucionaliza,
representando a força vital, a alegria, o excesso do ser humano.
• Com o início da filosofia, o espírito apolíneo vence o espírito
dionísico...
GENEALOGIA DA MORAL
• A racionalidade é a negação dos aspectos vitais, pois não suporta
aceitar a vida como ela se apresenta (caos).
• Assim, o espírito apolíneo cria uma moral do fraco (ou do
rebanho), a qual não suporta a vida a acaba criando valores por
não aceitar a realidade como ela se apresenta.
• Por outro lado, temos o que ele chama de moral dos fortes:
aqueles que aceitam a vida como ela é, em sua brutalidade, sem
precisar criar conceitos.
• Afirma que as pessoas escondem suas fraquezas na moral cristã.
“Bem aventurados
os pobres de
espírito...”
A FILOSOFIA DO MARTELO
• Na obra A genealogia da moral o autor busca encontrar a origem dos
valores, dos preconceitos morais, tecendo uma crítica ao cristianismo.
• A filosofia do martelo é justamente identificar pressupostos, as bases
desses valores e destruí-los, destruindo inclusive as filosofias
anteriores.
• Não podemos dizer que seu projeto filosófico é pensar como os outros
filósofos: sua filosofia é recusar as perguntas feitas pela filosofia (qual
método seguro do conhecimento? Quais os limites do pensamento?) e
não propor uma nova questão ou perspectiva de resposta.
• Não há uma verdade absoluta! Existe sim é uma vontade de se ter
verdade. Todos os conceitos são criados para se adequar à realidade
que se deseja ter, ou seja, são baseados no nada (niilismo).
ENTÃO... Qual é a solução?
• Por isso, há um abismo entre nós e a verdade, e acreditar
nas teorias filosóficas e nos valores não passaria de uma
espécie de fé.
• O que é a verdade, então? Não há essa resposta. Mas
talvez, se nos aproximássemos mais de nossos instintos
poderíamos alcançá-la. Esse abismo nunca deixará de
existir...
• Assim, os valores e a cultura em geral buscam criar um mundo
aparente.
• A filosofia colocou o mundo ideal acima da realidade; a razão
acima da vida; os valores como verdade, justiça, bem e mal
acima da experiência humana.
• A verdadeira filosofia conduz para um pensamento que não tem
fundo, ou seja, ao desconstruir todos os valores, ele percebe que
não há nada por trás dos valores... E por trás desse nada, há
outro nada e sucessivos vazios.
• A distância entre o homem e a verdade, portanto, é um
profundo vazio. O real é o caos e não algo absoluto....
• Devemos aprender então a caminhar nesse
caos, aprender a lidar com a vida da forma
como ela se apresenta a cada momento, em
suas mais variadas formas.
Nietzsche
Nietzsche

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
Alexandre Misturini
 
Filosofia.1º ano
Filosofia.1º anoFilosofia.1º ano
Filosofia.1º ano
Jorge Marcos Oliveira
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
iranildespm
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
Alison Nunes
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
rafaforte
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
Lucas Sousa
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Turma Olímpica
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
Professor Marcelo
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
José Ferreira Júnior
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
Leonardo Leitão
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
PriscillaTomazi2015
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
Péricles Penuel
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
José Ferreira Júnior
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
Luci Bonini
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
Erica Frau
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
Lara Luisa
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Juliana Corvino de Araújo
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
Jailson Lima
 

Mais procurados (20)

Filosofia moderna
Filosofia modernaFilosofia moderna
Filosofia moderna
 
Filosofia.1º ano
Filosofia.1º anoFilosofia.1º ano
Filosofia.1º ano
 
Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1Slide a origem da filosofia1
Slide a origem da filosofia1
 
Maquiavel
MaquiavelMaquiavel
Maquiavel
 
Pré socráticos
Pré socráticosPré socráticos
Pré socráticos
 
Filosofia contemporânea
Filosofia contemporâneaFilosofia contemporânea
Filosofia contemporânea
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre A Liberdade Filosófica
 
Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Cap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia HelenísticaCap 4 - Filosofia Helenística
Cap 4 - Filosofia Helenística
 
Racionalismo x Empirismo
Racionalismo x EmpirismoRacionalismo x Empirismo
Racionalismo x Empirismo
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Aulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platãoAulas de filosofia platão
Aulas de filosofia platão
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
Cap 2   os filosofos da natureza - postarCap 2   os filosofos da natureza - postar
Cap 2 os filosofos da natureza - postar
 
Apostila de Filosofia
Apostila de FilosofiaApostila de Filosofia
Apostila de Filosofia
 
4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum 4 filosofia e senso comum
4 filosofia e senso comum
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
Mito e Filosofia
Mito e FilosofiaMito e Filosofia
Mito e Filosofia
 

Destaque

Nietzsche filosofia final
Nietzsche filosofia  finalNietzsche filosofia  final
Nietzsche filosofia final
Hugo Lima
 
Friedrich nietzsche
Friedrich nietzscheFriedrich nietzsche
Friedrich nietzsche
Kelly Maria
 
Nietzsche e a transmutacao de valores
Nietzsche e a transmutacao de valoresNietzsche e a transmutacao de valores
Nietzsche e a transmutacao de valores
Matheus Felipe
 
Apresentação Nietzsche
Apresentação NietzscheApresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche
Carlos Faria
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
minervagigia
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
Rafael Reis
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
Kauê Martins
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
Jussamara Novais
 
Nietzsche - Genealogia da Moral
Nietzsche - Genealogia da MoralNietzsche - Genealogia da Moral
Nietzsche - Genealogia da Moral
José Augusto Fiorin
 
Genealogia da moral nietzsche
Genealogia da moral  nietzscheGenealogia da moral  nietzsche
Genealogia da moral nietzsche
masalas
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
rocio1991
 
Nietzsche.ppt
Nietzsche.pptNietzsche.ppt
Nietzsche.ppt
Nombre Apellidos
 
Nietzsche e sua filosofia a golpes de martelo
Nietzsche e sua filosofia a golpes de marteloNietzsche e sua filosofia a golpes de martelo
Nietzsche e sua filosofia a golpes de martelo
Paloma Meneses
 
6 nietzsche e a virada linguistica
6   nietzsche e a virada linguistica6   nietzsche e a virada linguistica
6 nietzsche e a virada linguistica
Octavio Silvério de Souza Vieira Neto
 
Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche
Marcos Ramon
 
Game Gamification Uni BH
Game Gamification Uni BHGame Gamification Uni BH
Game Gamification Uni BH
Alexandre Oliveira
 
La metafísica del erotismo en Freud y Shopenhauer
La metafísica del erotismo en Freud y ShopenhauerLa metafísica del erotismo en Freud y Shopenhauer
La metafísica del erotismo en Freud y Shopenhauer
מישה קאנו
 
Nietzsche para além do bem e do mal
Nietzsche   para além do bem e do malNietzsche   para além do bem e do mal
Nietzsche para além do bem e do mal
999lalala
 
Seminario campbell herói das mil faces
Seminario campbell  herói das mil facesSeminario campbell  herói das mil faces
Seminario campbell herói das mil faces
João de Deus Dias Neto
 
Asp 2015 cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-moderna
Asp 2015   cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-modernaAsp 2015   cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-moderna
Asp 2015 cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-moderna
Vagner Gavioli
 

Destaque (20)

Nietzsche filosofia final
Nietzsche filosofia  finalNietzsche filosofia  final
Nietzsche filosofia final
 
Friedrich nietzsche
Friedrich nietzscheFriedrich nietzsche
Friedrich nietzsche
 
Nietzsche e a transmutacao de valores
Nietzsche e a transmutacao de valoresNietzsche e a transmutacao de valores
Nietzsche e a transmutacao de valores
 
Apresentação Nietzsche
Apresentação NietzscheApresentação Nietzsche
Apresentação Nietzsche
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Nietzsche - Genealogia da Moral
Nietzsche - Genealogia da MoralNietzsche - Genealogia da Moral
Nietzsche - Genealogia da Moral
 
Genealogia da moral nietzsche
Genealogia da moral  nietzscheGenealogia da moral  nietzsche
Genealogia da moral nietzsche
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Nietzsche.ppt
Nietzsche.pptNietzsche.ppt
Nietzsche.ppt
 
Nietzsche e sua filosofia a golpes de martelo
Nietzsche e sua filosofia a golpes de marteloNietzsche e sua filosofia a golpes de martelo
Nietzsche e sua filosofia a golpes de martelo
 
6 nietzsche e a virada linguistica
6   nietzsche e a virada linguistica6   nietzsche e a virada linguistica
6 nietzsche e a virada linguistica
 
Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche Schopenhauer e Nietzsche
Schopenhauer e Nietzsche
 
Game Gamification Uni BH
Game Gamification Uni BHGame Gamification Uni BH
Game Gamification Uni BH
 
La metafísica del erotismo en Freud y Shopenhauer
La metafísica del erotismo en Freud y ShopenhauerLa metafísica del erotismo en Freud y Shopenhauer
La metafísica del erotismo en Freud y Shopenhauer
 
Nietzsche para além do bem e do mal
Nietzsche   para além do bem e do malNietzsche   para além do bem e do mal
Nietzsche para além do bem e do mal
 
Seminario campbell herói das mil faces
Seminario campbell  herói das mil facesSeminario campbell  herói das mil faces
Seminario campbell herói das mil faces
 
Asp 2015 cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-moderna
Asp 2015   cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-modernaAsp 2015   cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-moderna
Asp 2015 cfo i - filosofia - trabalho - 20140606 - filosofia pós-moderna
 

Semelhante a Nietzsche

Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
Juliana Corvino de Araújo
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ernandez Oliveira
 
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a MarxFilosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Rodrigo Moysés
 
Filosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptxFilosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptx
Josevandro Soares
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
Juliana Corvino de Araújo
 
Johannes Hessen 06-06.pptx
Johannes Hessen  06-06.pptxJohannes Hessen  06-06.pptx
Johannes Hessen 06-06.pptx
GUILHERMEBERTOLIN2
 
Filosofias helenisticas
Filosofias helenisticasFilosofias helenisticas
Filosofias helenisticas
Milton Fabiano Silva
 
Filosofia: trajetórias
Filosofia: trajetóriasFilosofia: trajetórias
Filosofia: trajetórias
Roney Gusmão
 
Filosofia - Idealismo Alemão e outros
Filosofia - Idealismo Alemão e outrosFilosofia - Idealismo Alemão e outros
Filosofia - Idealismo Alemão e outros
Rodrigo Moysés
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Fabiana Melo Sousa
 
Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
Pedro Almeida
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Rita Gonçalves
 
Mito
MitoMito
Mito
MitoMito
Nietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptx
Nietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptxNietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptx
Nietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptx
Renan7669
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Altair Moisés Aguilar
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
superego
 
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
AnaKlein1
 
O Homem, Deus e o Universo - Introdução
O Homem, Deus e o Universo - IntroduçãoO Homem, Deus e o Universo - Introdução
O Homem, Deus e o Universo - Introdução
André Ricardo Marcondes
 

Semelhante a Nietzsche (20)

Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez OliveiraÉtica na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
Ética na Grécia antiga by Ernandez Oliveira
 
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a MarxFilosofia - do Idealismo Alemão a Marx
Filosofia - do Idealismo Alemão a Marx
 
Filosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptxFilosofia e realidade2.pptx
Filosofia e realidade2.pptx
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Johannes Hessen 06-06.pptx
Johannes Hessen  06-06.pptxJohannes Hessen  06-06.pptx
Johannes Hessen 06-06.pptx
 
Filosofias helenisticas
Filosofias helenisticasFilosofias helenisticas
Filosofias helenisticas
 
Filosofia: trajetórias
Filosofia: trajetóriasFilosofia: trajetórias
Filosofia: trajetórias
 
Filosofia - Idealismo Alemão e outros
Filosofia - Idealismo Alemão e outrosFilosofia - Idealismo Alemão e outros
Filosofia - Idealismo Alemão e outros
 
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIOTrabalho Conclusão Didática - UNIRIO
Trabalho Conclusão Didática - UNIRIO
 
Passagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofiaPassagem do mito à filosofia
Passagem do mito à filosofia
 
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
Para que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizadoPara que filosofia   capítulo 1 resenha  chauí -  atualizado
Para que filosofia capítulo 1 resenha chauí - atualizado
 
Mito
MitoMito
Mito
 
Mito
MitoMito
Mito
 
Nietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptx
Nietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptxNietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptx
Nietzsche - Crepúsculo dos ídolos v05.pptx
 
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
Filosofia Grega Clássica ao Helenismo-Prof.Altair Aguilar.
 
Para que serve a filosofia
Para que serve a filosofiaPara que serve a filosofia
Para que serve a filosofia
 
O conhecimento
O conhecimentoO conhecimento
O conhecimento
 
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
Jornal de Filosofia - Versão Papel - nº1
 
O Homem, Deus e o Universo - Introdução
O Homem, Deus e o Universo - IntroduçãoO Homem, Deus e o Universo - Introdução
O Homem, Deus e o Universo - Introdução
 

Mais de Juliana Corvino de Araújo

Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
Juliana Corvino de Araújo
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Juliana Corvino de Araújo
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Juliana Corvino de Araújo
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Kant
KantKant
Francis bacon
Francis baconFrancis bacon
Descartes
DescartesDescartes
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
Juliana Corvino de Araújo
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
Juliana Corvino de Araújo
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
Juliana Corvino de Araújo
 

Mais de Juliana Corvino de Araújo (11)

Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Kant
KantKant
Kant
 
Francis bacon
Francis baconFrancis bacon
Francis bacon
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
 

Último

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Nietzsche

  • 2. • Nietzsche traz um questionamento muito agudo, muito sério sobre elementos tradicionais da filosofia. • O ponto de partida de sua filosofia se dá na Grécia antiga, quando a filosofia rompe com o mito. • Os filósofos gregos julgavam a racionalidade superior ao conhecimento mitológico, supervalorizando a razão e se esquecendo dos instintos humanos.
  • 3. • A razão não é guardadora plena da verdade, e por isso essa tradição filosófica da busca pela verdade absoluta deve ser rompida. • O que é verdade para ele? É a soma de todos os instintos: a vida verdadeira não é a razão, mas a soma dos instintos. Sua filosofia é mais preocupada com a estética do que com a ética, pois opõe valores considerados tradicionais por nós. • Por isso, tece uma crítica profunda aos filósofos gregos e a Kant, que buscavam idealizar valores que fossem universais: moral e verdade são apenas palavras que não possuem realidade. • Para ele, os valores devem ser entendidos e pensados individualmente, muito mais pelo instinto do que pela razão!
  • 4. • Quando pensamos em uma pessoa boa, por exemplo, pensamos em alguém racional. Por outro lado, quando pensamos em alguém que age pela emoção, pensamos em alguém irracional. • Para ele, somos nós quem construímos essas ideias, esses valores. Por isso, afirma que a verdade não pode ser essa verdade mascarada.
  • 5. VONTADE DE POTÊNCIA • Nietzsche diz que o homem tem constante vontade de dominar, e que esta é explanada racionalmente, isto é, quer dominar a natureza e os outros seres humanos, e por isso mesmo, o homem cria regras e conceitos. • Mas, será que essas regras são a verdade? Para ele não, uma vez que quem as construiu foram os homens.
  • 6. ARTE TRÁGICA • Nietzsche afirma que a arte trágica fora abandonada desde a Grécia Antiga, e que por ser a sabedoria instintiva ficou de lado. • Essa desvalorização deu início à decadência do espírito humano completo*, e o homem tentou dar ordem ao caos do mundo de uma forma racional. • Para ele, o homem tem um grande medo de enfrentar o mundo como ele é e se enxerga como um sujeito que muda o universo. • Na verdade, não há sujeito. Não há unidade. • O que há é o acaso.
  • 7. As dimensões do homem • Alguma coisa, então, se perdeu entre a mitologia e a filosofia, e foi justamente o outro lado do ser humano que foi deixado de lado. O espírito humano está dividido em duas faces: • DEUS Apolo -> Deus da harmonia, da música, da luz, da serenidade. • Deus Dionísio -> Deus mais caótico, do teatro, do transe.
  • 8. • A filosofia é a visão do mundo constituída pela análise, pela razão, pela lógica, pela compreensão estritamente racional entre o homem e a natureza. • Essa atitude é simbolizada por Apolo, que é austero e deus da razão, da ordem e do equilíbrio. • O espírito apolíneo é o conjunto de todas as características que fazem parte da postura filosófica científica.
  • 9. • A tragédia grega está no afastamento das condições humanas que também são vitais. É uma constante luta que busca tirar o homem daquilo que lhe é natural: o instinto. • No espírito dionísico é que Nietzsche encontra o aspecto não filosófico/racional da natureza humana. • Esse espírito é o que não se prende, não se institucionaliza, representando a força vital, a alegria, o excesso do ser humano. • Com o início da filosofia, o espírito apolíneo vence o espírito dionísico...
  • 10. GENEALOGIA DA MORAL • A racionalidade é a negação dos aspectos vitais, pois não suporta aceitar a vida como ela se apresenta (caos). • Assim, o espírito apolíneo cria uma moral do fraco (ou do rebanho), a qual não suporta a vida a acaba criando valores por não aceitar a realidade como ela se apresenta. • Por outro lado, temos o que ele chama de moral dos fortes: aqueles que aceitam a vida como ela é, em sua brutalidade, sem precisar criar conceitos. • Afirma que as pessoas escondem suas fraquezas na moral cristã. “Bem aventurados os pobres de espírito...”
  • 11. A FILOSOFIA DO MARTELO • Na obra A genealogia da moral o autor busca encontrar a origem dos valores, dos preconceitos morais, tecendo uma crítica ao cristianismo. • A filosofia do martelo é justamente identificar pressupostos, as bases desses valores e destruí-los, destruindo inclusive as filosofias anteriores. • Não podemos dizer que seu projeto filosófico é pensar como os outros filósofos: sua filosofia é recusar as perguntas feitas pela filosofia (qual método seguro do conhecimento? Quais os limites do pensamento?) e não propor uma nova questão ou perspectiva de resposta. • Não há uma verdade absoluta! Existe sim é uma vontade de se ter verdade. Todos os conceitos são criados para se adequar à realidade que se deseja ter, ou seja, são baseados no nada (niilismo).
  • 12. ENTÃO... Qual é a solução? • Por isso, há um abismo entre nós e a verdade, e acreditar nas teorias filosóficas e nos valores não passaria de uma espécie de fé. • O que é a verdade, então? Não há essa resposta. Mas talvez, se nos aproximássemos mais de nossos instintos poderíamos alcançá-la. Esse abismo nunca deixará de existir...
  • 13.
  • 14. • Assim, os valores e a cultura em geral buscam criar um mundo aparente. • A filosofia colocou o mundo ideal acima da realidade; a razão acima da vida; os valores como verdade, justiça, bem e mal acima da experiência humana. • A verdadeira filosofia conduz para um pensamento que não tem fundo, ou seja, ao desconstruir todos os valores, ele percebe que não há nada por trás dos valores... E por trás desse nada, há outro nada e sucessivos vazios. • A distância entre o homem e a verdade, portanto, é um profundo vazio. O real é o caos e não algo absoluto....
  • 15. • Devemos aprender então a caminhar nesse caos, aprender a lidar com a vida da forma como ela se apresenta a cada momento, em suas mais variadas formas.