SlideShare uma empresa Scribd logo
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
1
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
UNIASSELVI – FAMEG
Prof. Claudio Bernardi Stringari
Guaramirim, 08 de Agosto de 2016.
Sistema de Gestão da Qualidade
Módulo 01 – Introdução aos Sistemas de Gestão
http://www.folhavitoria.com.br/economia/blogs/gestaoeres
ultados/wp-content/uploads/2012/07/Digitalizar0011.jpg
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
2
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
3
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Calendário Proposto – 2º Semestre 2016
INFORMAÇÕES
IMPORTANTES
NOTA 1° BIMESTRE:
• CORRESPONDE A 40% DA
NOTA TOTAL;
NOTA 2° BIMESTRE:
• CORRESPONDE A 60% DA
NOTA TOTAL;
FORMAÇÃO DA NOTA
BIMESTRAL:
• 0,4 X (OFn*0,7 + PARn*0,3)
FORMAÇÃO DA NOTA
FINAL:
0,4XBIMESTRAL 1 +
0,6XBIMESTRAL 2
MÊS SEMANA DATA CALENDÁRIO
Carga
horária
Agosto 1 08/08 Aula 01-1 – Introdução à Matéria 1
1 09/08 Aula 01-2 – Sistemas 2
2 15/08 Aula 02-1 – TBD 1
2 22/08 Aula 03-1 – TBD 1
3 23/08 Aula 03-2 – TBD 1
3 29/08 Aula 04-1 – TBD 1
4 30/08 Aula 04-2 – TBD 2
4 05/09 Aula 05-1 – TBD 1
Setembro 5 12/09 Aula 06-1 – TBD 1
5 13/09 Aula 06-2 – TBD 2
6 19/09 Aula 07-1 – TBD 1
6 26/09 Aula 08-1 – 1° Avaliação Oficial 1
7 27/09 Aula 08-2 – 1º Avaliação Oficial 2
7 03/10 Aula 09-1 – TBD 1
8 10/10 Aula 10-1 – TBD 1
8 11/10 Aula 10-2 – TBD 2
Outubro 9 17/10 Aula 11-1 – TBD 1
9 24/10 Aula 12-1 – TBD 1
10 25/10 Aula 12-2 – TBD 2
10 31/10 Aula 13-1 – TBD 1
11 07/11 Aula 14-1 – TBD 1
11 08/11 Aula 14-2 – TBD 2
12 14/11 Aula 15-1 – TBD 1
CALENDÁRIO SUJEITO A ALTERAÇÕES.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
5
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Sistema de Gestão de Qualidade
Unidades de Ensino
1. Introdução à Gestão da Qualidade
2. Sistemas de Gestão em uma Organização
3. Estratégia de Transporte
4. Componentes, funções e propriedades dos sistemas de
distribuição
5. Operadores logísticos
6. Qualidade e o Lean Manufacturing
Baseado em material do Prof. Leandro Azanha
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
6
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Introdução – A Qualidade e as Pessoas
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
7
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
UMA ARANHA EXECUTA OPERAÇÕES
SEMELHANTES ÀS DE UM TECELÃO, E A
CONSTRUÇÃO DAS COLMEIAS PELAS
ABELHAS ATINGE TAL PERFEIÇÃO QUE
ENVERGONHA MUITOS ARQUITETOS.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
8
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
AS ABELHAS E AS ARANHAS
CONSTROEM DESSE MODO PORQUE É
SEU INSTINTO. ELAS NÃO PENSAM
SOBRE O ATO DE CONSTRUIR OU
PRODUZIR..
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
9
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
JÁ O SER HUMANO EXECUTA SUAS
AÇÕES COM OUTROS OBJETIVOS.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
10
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
O QUE DISTINGUE O TRABALHO DE UM
ARQUITETO, POR EXEMPLO, DA
PRODUÇÃO DE UMA ABELHA É QUE
ELE PROJETA MENTALMENTE A
CONSTRUÇÃO ANTES DE REALIZÁ-LA.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
11
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
NO FINAL DO PROCESSO PRODUTIVO, OBTÉM-SE UM
RESULTADO QUE, DESDE O INÍCIO, JÁ EXISTIA NA MENTE
DO PRODUTOR.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
12
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
O HOMEM NÃO TRANSFORMA APENAS O MATERIAL COM
O QUAL TRABALHA.
ELE REALIZA NO MATERIAL O PROJETO QUE HAVIA
MENTALIZADO.
ISSO EXIGE, ALÉM DE ESFORÇO FÍSICO, UMA VONTADE
ORIENTADA PARA UM OBJETIVO, QUE SE MANIFESTA
PELA ATENÇÃO E PELO CONTROLE DAS OPERAÇÕES
DURANTE O TEMPO DE TRABALHO.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
13
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
AS EMPRESAS
TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
14
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
AS EMPRESAS
TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM
PRIMEIRAMENTE EXISTE UM
CONJUNTO DE OBJETIVOS
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
15
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
AS EMPRESAS
TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM
DEPOIS É DESENHADA UMA
ESTRATÉGIA PARA QUE ESSES
OBJETIVOS SEJAM ATINGIDOS.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
16
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
AS EMPRESAS
TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM
EM SEGUIDA, SÃO LEVANTADOS
OS RECURSOS QUE SERÃO
UTILIZADOS NOS ESFORÇOS
PARA EXECUTAR TAL
ESTRATÉGIA, INCLUINDO
PESSOAS, ÁREAS, ORÇAMENTO,
E SISTEMAS DE GESTÃO.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
17
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
AS ORGANIZAÇÕES, PORTANTO, DEPENDEM DAS
PESSOAS PARA FUNCIONAR ADEQUADAMENTE,
ALCANÇAR SEUS OBJETIVOS E OBTER SUCCESSO E
CONTINUIDADE. CADA SISTEMA COMPONENTE DA
ORGANIZAÇÃO NÃO FUNCIONARIA SEM PESSOAS.
NÃO HÁ COMO CONCEBER UMA ESTRATÉGIA
EMPRESARIAL SEM LEVAR EM CONTA AS PESSOAS.
SERÃO ELAS QUE ELABORARÃO, IMPLEMENTARÃO E
DESENVOLVERÃO ESTAS ESTRATÉGIAS, LEVANDO AS
ORGANIZAÇÕES A ATINGIREM OS OBJETIVOS
TRAÇADOS.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
18
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
MAS AFINAL, O QUE ISSO TEM A VER
COM UM SISTEMA DE GESTÃO DA
QUALIDADE?
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
19
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Segundo Kaoru Ishikawa “Controle de
qualidade é fazer o que tem de ser feito em
todos os setores”.
• Ele afirmava que:
– “Para executar o controle da qualidade total,
precisamos ter educação contínua para
todos, do presidente aos operários da linha
de montagem”.
• Para os Japoneses, a execução da qualidade
era (e ainda é) tarefa de todos.
A Organização para a Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
20
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Segundo Armand Feigenbaum “o controle da
qualidade total guia e coordena ações de indivíduos,
máquinas e informação em toda série de atividades
fundamentais para a companhia”.
• Ele afirmava que a qualidade deveria ser
organizada de forma efetiva e econômica por toda a
empresa.
• Para os Americanos (e Europeus), o controle de
qualidade é de responsabilidade dos técnicos da
qualidade.
A Organização para a Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
21
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Dentro deste conceito, foram identificados três considerações para
desenvolver e operacionalizar a qualidade nas organizações:
– Identificar e confirmar a atividade e a equipe específica relacionada à
qualidade;
– Identificar e confirmar as áreas para a função de controle de qualidade (que
ajudará a atingir as metas da qualidade);
– A alta direção da empresa deve estabelecer e proporcionar a
continuidade da qualidade na organização por meio da manutenção da
organização para a qualidade.
A Organização para a Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
22
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
SISTEMAS
Fim da primeira parte – 08/08
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
23
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• As três considerações de Feigenbaum são tão fortes, que podem ser
encontrados, ainda que com outra redação nos requisitos da ISO 9001:2015
que tratam da responsabilidade da direção para com o sistema de gestão da
qualidade.
• Outro requisito relacionado as três considerações é o que determina o
estabelecimento de recursos para o sistema de gestão da qualidade.
A Organização para a Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
24
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
MAS ANTES, VAMOS ENTENDER UM
POUCO DE SISTEMAS...
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
25
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Definição de Sistema
SISTEMA 1 SISTEMA 2 SISTEMA 3
“Um conjunto de elementos
dinamicamente relacionados entre si,
formando uma atividade atingir seus
objetivos, operando sobre entradas
(dados, energia ou matérias) e
fornecendo saídas (informação,
energia ou matéria) processadas.”
Fonte: Chiavenatto (2000)
“Conjunto de atividades inter-
relacionadas ou interativas
que transformam entradas em
saídas”
Fonte: NBR ISO 9000 (2015)
“Conjunto de práticas
padronizadas, logicamente
inter-relacionadas, formando
um todo dinâmico.”
Fonte: Adaptado de FNQ
(2015)
Entradas Saídas
Informações
Energia
Matéria
Informações
Energia
Matéria
Fonte: Chiavenato (2000)
EXEMPLO DE SISTEMA
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
26
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Sistema Aberto
Características principais:
• Interação; Sistemas dentro de sistemas, capacidade de crescimento, homeostase
(estado firma), conflito com o ambiente (entropia), fronteiras, realimentação do
ambiente e adaptabilidade.
A ORGANIZAÇÃO E SEU MEIO AMBIENTE
Fonte: Adaptado de Chiavenatto (2000)
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
27
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Segundo a NBR ISO 9000:2015, Gestão é:
• Gestão (3.5.3) Processo para obtenção de competências.
Definição de Gestão
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
28
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Segundo a NBR ISO 9000:2015 é:
• Sistema de Gestão (3.5.3) Processo para obtenção de competências.
– Já para a FNQ (2015), Sistema de Gestão é um conjunto de práticas
padronizadas, logicamente inter-relacionadas com a função de gerir uma
organização e produzir resultados.
Sistema de Gestão
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
29
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Segundo a NBR ISO 9000:2015 um sistema de gestão é composto por :
– Política (3.5.8): Intenções e direção de uma organização, como
formalmente expressos pela sua alta direção.
– Visão (3.5.10): Aspiração do que uma organização gostaria de se tornar,
como expresso pela Alta Direção.
– Missão (3.5.11): Propósito de existência da organização, como expresso
pela alta Direção.
– Estratégia (3.5.12): Plano para alcançar um objetivo geral ou de longo
prazo.
Sistema de Gestão
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
30
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Para a NBR ISO 9000:2015 um sistema de gestão deve ser estruturado
estrategicamente, sendo planejado a partir das Políticas da organização, e do
seu conjunto estratégico formado por sua Visão, Missão e Estratégia.
• Para a Fundação Nacional da Qualidade, no entanto, as estruturas de todos os
sistemas de gestão são semelhantes.
• Para a FNQ, todos os sistemas de gestão, inclusive os estratégicos, são
compostos por processos e práticas de gestão, sendo que os processos
podem ser divididos em operacionais e gerenciais
Sistema de Gestão
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
31
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Voltando para a NBR ISO 9000:2015 um sistema de gestão da qualidade é:
Parte de um Sistema de Gestão com relação à qualidade
• Ou seja, faz parte de uma organização maior.
Sistema de Gestão da Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
32
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Voltando para Feigenbaum, este afirmava “o fundamento básico gerencial e
tecnológico para o trabalho e as relações mútuas dessa organização são
proporcionadas pelo sistema da qualidade total da companhia ou fábrica”
• Ele ainda complementa que:
• “Sem um sólido sistema da qualidade não é possível a existência de uma
organização estruturada para a qualidade.”
Sistema de Gestão da Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
33
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
O que isto significa na prática?
??????
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
34
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
• Que as empresas necessitam se organizar para a qualidade.
• Que o primeiro passo é organizar-se para ter qualidade, não importa
qual seja o tamanho da organização.
Sistema de Gestão da Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
35
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
UMA DAS FORMAS DE BUSCAR ESTA ORGANIZAÇÃO É POR MEIO DO SISTEMA DE GESTÃO
DA QUALIDADE, MESMO QUE NÃO SE PRETENDA BUSCAR UMA CERTIFICAÇÃO´ESTE É UM
MEIO PARA SE BUSCAR MENOR VARIABILIDADE NOS RESULTADOS DAS EMPRESAS.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
36
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Impacto Organizacional da Qualidade
• 100% dos problemas da qualidade são responsabilidade
gerencial.
• Este fato é refletido na organização moderna para a
qualidade.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
37
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Impacto Organizacional da Qualidade
• Neste foco, os problemas-chave da qualidade e
desempenho de são considerados responsabilidade
gerencial, econômica e técnica dos gestores de todas
as áreas da organização.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
38
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Impacto Organizacional da Qualidade
• Em adição a este foco técnico-econômico da qualidade,
existem os movimentos de envolvimento de pessoas no
estilo japonês, citado por Kaoru Ishikawa em sua
definição de Controle da Qualidade Total.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
39
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Impacto Organizacional da Qualidade
• A grande lição que nos fica é:
– As organizações para a qualidade não são todas iguais;
– Dependem fortemente da postura da alta direção das
empresas, no mercado coexistem sistemas de gestão da
qualidade que estão em todos os estágios de desenvolvimento
da qualidade.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
40
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
A Tarefa da Organização da Qualidade
• É a operação e a integração, dentro do sistema de gestão da organização,
das atividades de pessoas e grupos que atuam para:
1. Reconhecer os programas da qualidade como um grupo sistemático de
disciplinas a ser aplicado em toda a organização;
2. Associar os programas da qualidade tanto a clientes quanto a
consumidores finais dos produtos da organização;
3. Organizar o sistema de gestão da qualidade para atender a problemas
que ultrapassem as fronteiras departamentais da organização
4. Assegurar que a qualidade ocorra na fonte, evitando a geração de
problemas nos processos produtivos e permitindo a coordenação de
ações para a qualidade em toda a organização.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
41
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
A Tarefa da Organização da Qualidade
• As atividades 1 e 2 são determinantes da organização da
qualidade, com abrangência organizacional.
• As atividades 3 e 4 são determinantes no
estabelecimento em toda a organização da estruturação
do Controle da Qualidade Industrial.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
42
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
A Tarefa da Organização da Qualidade
• Fatores críticos de sucesso para a gestão da qualidade:
– A estrutura para a qualidade deve permitir um máximo de resultados e
integração com um mínimo de atrito pessoal, sombreamento de
autoridade e divergências entre grupos funcionais.
– A responsabilidade básica para a qualidade deve ser da alta direção,
que dá o empoderamento necessário para as atividades voltadas à
qualidade;
– As responsabilidades funcionais de cada grupo envolvido no processo
deve ser claramente definida e estruturada.
– Empresas de grande porte podem necessitar criar a figura do
Representante da Direção, o que não elimina a responsabilidade
definida para a qualidade das demais áreas funcionais.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
43
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Sistemas Certificáveis
• Sistema de Gestão:
• da Qualidade;
• Ambiental;
• de Responsabilidade Social;
• de Segurança e Saúde Ocupacional.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
44
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Evolução dos Sistemas de Gestão da
Qualidade
ARTESÃO
CONTROLE ESTATÍSTICO DO
PROCESSO - CEP
MESTRE
INSPETOR
EXCELÊNCIA DO
NEGÓCIO
GARANTIA DA QUALIDADE
SISTEMA DE GESTÃO DA
QUALIDADE ISO 9000
AÇÕES EMERGENCIAIS AÇÕES CORRET./PREV.
FOCONO
PRODUTO
FOCO
SISTÊMICO
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
45
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Sistema de Gestão da Qualidade
• SISTEMA baseado na última versão da norma ISO 9001.
• É o meio pelo qual uma organização dirige e controla as atividades do negócios
associadas com a qualidade.
• COMENTÁRIOS:
• Limitado às atividades que afetam a qualidade do produto.
• Representa uma forma estruturada de executar as atividades da organização.
• É aplicável a qualquer tipo de organização;
• Baseado nos princípios da qualidade
• Configura um sistema administrativo de garantia da qualidade baseado no
modelo de abordagem de processos.
• A versão 1994 foi a base para a criação das normas de ISO 14001, OHSAS
18001 e SA 8000.
• A partir da versão 2015, passa a dar grande ênfase em gestão de risco.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
46
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
O QUE É ISO AFINAL?
• International Organization for Standardization;
• Fundada em 23 de fevereiro de 1947;
• Mais de 120 países participantes.
Seus objetivos são os de estabelecer normas que representem e traduzam o
consenso dos diferentes países do mundo, recebendo para isto
recomendações dos governos, indústrias e outras partes interessadas.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
47
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Componentes de um Sistema de Gestão
da Qualidade
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
48
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
OS 7 PRINCÍPIOS DE GESTÃO
DA QUALIDADE DA NBR ISO
9000:2015
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
49
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
“Regras fundamentais para dirigir e
controlar uma organização e melhorar
continuamente seu desempenho a longo
prazo, pelo foco nos clientes, não podendo
se descuidar das necessidades de todas
as partes interessadas.”
PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA
QUALIDADE
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
50
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
51
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
1
Organizações dependem dos seus clientes e,
portanto, convém que entendam as necessidades
atuais e futuras do cliente, os seus requisitos e
procurem exceder as suas expectatativas
Foco no Cliente
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
52
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Foco no Cliente
• Quando se pensa em Qualidade, sempre virão várias
definições e visões distintas.
• O que muita gente não sabe é que Qualidade não é uma
palavra solitária, deve ser acompanhada de uma
pergunta:
Qualidade pra quem?
• Quando se pensa dessa forma, fica muito mais fácil
imaginar o que é Qualidade.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
53
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
2
Liderança
Líderes estabelecem unidade de propósito e o rumo da organização.
Convém que eles criem e mantenham um ambiente interno, no qual
as pessoas possam estar totalmente envolvidas no proposito de
atingir os objetivos da organização.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
54
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Liderança
• É importante entender que liderança não trata apenas de
cargos gerenciais ou de pessoas que estão à frente de
equipes, mas é quem toma atitude de liderar mudanças,
ações e resultados.
• Se os gestores não lideram a Qualidade, possivelmente
o SGQ vai falhar, simplesmente porque eles não
trabalharam para engajar as pessoas no seu projeto.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
55
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
3
Pessoas de todos os níveis são a essência de uma organização e
seu total envolvimento possibilita que as suas habilidades sejam
usadas benefício da organização.
Engajamento das
Pessoas
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
56
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Engajamento das Pessoas
• Quando houver líderes da Qualidade na organização,
pessoas que conversem sobre este tema e que em cada
atividade e resultado apontem uma relação direta com a
Qualidade, ficará mais nítido o porquê ela é importante e
tem que funcionar.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
57
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
4
Um resultado desejado é alcançado mais eficientemente quando as
atividades e os recursos relacionados são gerenciados como um
processo.
Abordagem de Processos
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
58
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Abordagem de Processos
• A padronização acontece quando você estabelece
processos.
• Pessoas engajadas tendem a buscar o entendimento dos
processos e o quanto eles podem contribuir para a
Qualidade, tornando mais rápida a aderência ao SGQ.
• Depois que você consegue estabelecer processos e fazer
com que eles sejam seguidos, é necessário saber se
esses são realmente bons e se estão satisfazendo os
clientes.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
59
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
5
Tomada de decisão baseada em
evidências
Identificar, entender e gerenciar os processos inter-relacionados como um
sistema contribui para a eficácia e eficiência da organização no sentido desta
atingir seus objetivos.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
60
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Tomada de decisão baseada em
evidências
• Monitorar e medir os processos é uma atividade que deve ser
feita continuamente… por todos!
• Analisando evidências e números é possível identificar o que está
falhando ou o que não está dando o resultado e que deveria dar.
• É muito divertido fazer análises com base em opiniões pessoais,
e com certeza, a experiência é muito válida nesse sentido.
• Mas Deming tinha algum motivo para dizer “eu acredito em Deus,
para o resto quero ver fatos e dados”.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
61
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
6
Melhoria
Convém que melhoria do desempenho global da organização seja seu
objetivo permanente.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
62
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Melhoria
• “O que pode ser medido, pode ser melhorado!” (Peter Drucker)
• O que você deve analisar para melhorar? Para quem deve melhorar? É mais
fácil analisar a resposta dessas perguntas quando se tem os outros
princípios realizados.
• Uma das filosofias da Honda é: “um dos motivos pelos quais nossos clientes
estão sempre satisfeitos é porque nós nunca estamos”.
• Para que um SGQ cumpra o objetivo de satisfazer clientes, a equipe
precisa dormir e acordar pensando em melhorar.
• As melhorias são essenciais para conseguir gerir pessoas e processos.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
63
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
7
Gestão de
relacionamentos
Uma organização e seus fornecedores são interdependentes e uma
relação de benefícios mútuos aumenta a capacidade de ambos em
agregar valor.
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
64
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Até a próxima aula!
Prof. Claudio Bernardi Stringari
http://processoenxuto.blogspot.com.br/
Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp.
65
UNIASSELVI – FAMEG
SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
Referências
• NBR ISO 9000:2015
• Sistemas de Gestão, FNQ, 2015.
• http://www.blogdaqualidade.com.br/iso-90012015-qual-a-
relacao-entre-os-7-principios-da-gestao-da-qualidade/,
acessado em 08/08/2016.
• Gestão da Qualidade, Marshal Jr. Et al, 9° Ed. 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Adeildo Caboclo
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
Homero Alves de Lima
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
Sergio Dias
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Pricila Yessayan
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
elliando dias
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
Roberto Luna Mendes Monteiro Filho
 
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Claudio Bernardi Stringari
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Silvio Carlos Valentini
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Alisson Sena, MBA
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Laura Inafuko
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade total
institutocarvalho
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
BWS Contabilidade, Consultoria e Perícias
 
Aula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretiva
Aula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretivaAula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretiva
Aula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretiva
Claudio Bernardi Stringari
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
José Paulo Alves Fusco
 
Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001
Greice Marques
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
Gerisval Pessoa
 
Aula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISOAula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISO
Claudio Bernardi Stringari
 
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviçosISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
Templum Consultoria Online
 
Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e PreventivaNão Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Templum Consultoria Online
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
Giovana Noskoski Bianchini
 

Mais procurados (20)

Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
Apresentacao mudanças ISO 9001:2015
 
01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade01 aula sistema de qualidade
01 aula sistema de qualidade
 
Sistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da QualidadeSistema de gestão da Qualidade
Sistema de gestão da Qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
 
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
Aula 03 SGQ ISO 9001:2015 – Capítulos 1 e 2
 
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
Gestão da Qualidade Total - Modulo  2Gestão da Qualidade Total - Modulo  2
Gestão da Qualidade Total - Modulo 2
 
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
Gestão da qualidade - ISO 9001:2015
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Aula 2 controle da qualidade total
Aula 2  controle da qualidade totalAula 2  controle da qualidade total
Aula 2 controle da qualidade total
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
 
Aula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretiva
Aula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretivaAula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretiva
Aula 06 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 8 e 9 + acao corretiva
 
Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000Aula 2 iso 9000
Aula 2 iso 9000
 
Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001Gestão da Qualidade ISO:9001
Gestão da Qualidade ISO:9001
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Aula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISOAula 02 02 SGQ ISO
Aula 02 02 SGQ ISO
 
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviçosISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
ISO 9001 para leigos: terceiro setor e prestação de serviços
 
Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e PreventivaNão Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
Não Conformidade, Ação Corretiva e Preventiva
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 

Destaque

Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Djesser Juan Vaes
 
Unidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científicaUnidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científica
Marta Carolina Santos
 
Prova de metodologia cientifica
Prova de metodologia cientificaProva de metodologia cientifica
Prova de metodologia cientifica
Professora Flavia
 
Prova_metodologia cientifica
Prova_metodologia cientificaProva_metodologia cientifica
Prova_metodologia cientifica
Marcelo Leite
 
Unidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científicaUnidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científica
Marta Carolina Santos
 
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.
Marta Carolina Santos
 
Metodologia científica - parte 1
Metodologia científica - parte 1Metodologia científica - parte 1
Metodologia científica - parte 1
Karen Carvalho
 
Aula 11 eq 2015 01 fameg qualidade na origem
Aula 11 eq 2015 01 fameg   qualidade na origemAula 11 eq 2015 01 fameg   qualidade na origem
Aula 11 eq 2015 01 fameg qualidade na origem
Claudio Bernardi Stringari
 
Unidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científicaUnidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científica
Marta Carolina Santos
 
Projeto Qualidade de Vida: ArcelorMittal
Projeto Qualidade de Vida: ArcelorMittalProjeto Qualidade de Vida: ArcelorMittal
Projeto Qualidade de Vida: ArcelorMittal
André Augusto Damasceno Mendes
 
Filosofia enxuta textos
Filosofia enxuta   textosFilosofia enxuta   textos
Filosofia enxuta textos
Éder Wendel Battagiotto
 
Metodologia científica 3
Metodologia científica 3Metodologia científica 3
Metodologia científica 3
Aldenei Barros
 
Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7
Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7
Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7
Claudio Bernardi Stringari
 
Workshop de Introdução ao Pensamento Enxuto
Workshop de Introdução ao Pensamento EnxutoWorkshop de Introdução ao Pensamento Enxuto
Workshop de Introdução ao Pensamento Enxuto
Mayra de Souza
 
Sistema de produção fordismo e toyotismo
Sistema de produção   fordismo e toyotismoSistema de produção   fordismo e toyotismo
Sistema de produção fordismo e toyotismo
GrupoAlves - professor
 
Festas com sustentabilidade
Festas com sustentabilidadeFestas com sustentabilidade
Festas com sustentabilidade
Claudio Bernardi Stringari
 
Lean
LeanLean
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade ModernaTCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
Wilson Rodrigues
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Luiz Gustavo de Sassarrão Moraes
 
Organização empresarial
Organização empresarialOrganização empresarial
Organização empresarial
marcelo rodrigues
 

Destaque (20)

Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
Aulão Revisão Prova Final Metodologia científica
 
Unidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científicaUnidade 3 metodologia científica
Unidade 3 metodologia científica
 
Prova de metodologia cientifica
Prova de metodologia cientificaProva de metodologia cientifica
Prova de metodologia cientifica
 
Prova_metodologia cientifica
Prova_metodologia cientificaProva_metodologia cientifica
Prova_metodologia cientifica
 
Unidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científicaUnidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científica
 
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.Unidade  i     tópicos discutidos com exemplos na prática.
Unidade i tópicos discutidos com exemplos na prática.
 
Metodologia científica - parte 1
Metodologia científica - parte 1Metodologia científica - parte 1
Metodologia científica - parte 1
 
Aula 11 eq 2015 01 fameg qualidade na origem
Aula 11 eq 2015 01 fameg   qualidade na origemAula 11 eq 2015 01 fameg   qualidade na origem
Aula 11 eq 2015 01 fameg qualidade na origem
 
Unidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científicaUnidade ii metodologia científica
Unidade ii metodologia científica
 
Projeto Qualidade de Vida: ArcelorMittal
Projeto Qualidade de Vida: ArcelorMittalProjeto Qualidade de Vida: ArcelorMittal
Projeto Qualidade de Vida: ArcelorMittal
 
Filosofia enxuta textos
Filosofia enxuta   textosFilosofia enxuta   textos
Filosofia enxuta textos
 
Metodologia científica 3
Metodologia científica 3Metodologia científica 3
Metodologia científica 3
 
Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7
Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7
Aula 05 SGQ ISO 9001:2015 – Seções 6 e 7
 
Workshop de Introdução ao Pensamento Enxuto
Workshop de Introdução ao Pensamento EnxutoWorkshop de Introdução ao Pensamento Enxuto
Workshop de Introdução ao Pensamento Enxuto
 
Sistema de produção fordismo e toyotismo
Sistema de produção   fordismo e toyotismoSistema de produção   fordismo e toyotismo
Sistema de produção fordismo e toyotismo
 
Festas com sustentabilidade
Festas com sustentabilidadeFestas com sustentabilidade
Festas com sustentabilidade
 
Lean
LeanLean
Lean
 
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade ModernaTCC -  Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
TCC - Engenharia da Qualidade - O Idoso Na Sociedade Moderna
 
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na ProduçãoOs Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
Os Custos da Qualidade e da Não Qualidade na Produção
 
Organização empresarial
Organização empresarialOrganização empresarial
Organização empresarial
 

Semelhante a Aula 01 SGQ - Introdução

Aula 10 eq 2015 01 fameg
Aula 10 eq 2015 01 famegAula 10 eq 2015 01 fameg
Aula 10 eq 2015 01 fameg
Claudio Bernardi Stringari
 
Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015
Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015
Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015
Claudio Bernardi Stringari
 
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para ImplantaçãoAula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Claudio Bernardi Stringari
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3
Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3
Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3
Claudio Bernardi Stringari
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processosGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processos
Claudio Bernardi Stringari
 
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Claudio Bernardi Stringari
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5
Claudio Bernardi Stringari
 
Apresentacao iso90002010
Apresentacao iso90002010Apresentacao iso90002010
Apresentacao iso90002010
José Paulo Alves Fusco
 
Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...
Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...
Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...
Fafa Alheio
 
Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04
Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04
Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04
Claudio Bernardi Stringari
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processosGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processos
Claudio Bernardi Stringari
 
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi PresencialCurso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Claudio Bernardi Stringari
 
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Lechan Colares
 
A indicadores 1 -2010
A indicadores 1 -2010A indicadores 1 -2010
A indicadores 1 -2010
Jorge Ramalho
 
Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03
Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03
Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03
Claudio Bernardi Stringari
 
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Ariadne Canedo
 
Projeto i
Projeto iProjeto i
Projeto i
JE Barbosa JE
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processosGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processos
Claudio Bernardi Stringari
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentação
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentaçãoGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentação
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentação
Claudio Bernardi Stringari
 
Apresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaumApresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaum
Felipe Pereira
 

Semelhante a Aula 01 SGQ - Introdução (20)

Aula 10 eq 2015 01 fameg
Aula 10 eq 2015 01 famegAula 10 eq 2015 01 fameg
Aula 10 eq 2015 01 fameg
 
Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015
Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015
Aula 02 SGQ ISO 9001:2015 – Introdução à ISO 9001:2015
 
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para ImplantaçãoAula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
Aula 07 SGQ ISO 9001:2015 – Seção 10 + Razões para Implantação
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3
Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3
Gestão da Qualidade de Produto e Processo Aulas 2 e 3
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processosGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 06 fameg processos
 
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
Aula 07 resumo modulos 01 e 02 2015 01
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 4 e 5
 
Apresentacao iso90002010
Apresentacao iso90002010Apresentacao iso90002010
Apresentacao iso90002010
 
Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...
Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...
Vitoreli 2011-anlisedaintegraodossistemasdehgestonormalizadosiso9001eohsas180...
 
Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04
Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04
Aula 06 eq 2015 01 fameg qualidade estrategica 07 04
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processosGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 07 08 fameg processos
 
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi PresencialCurso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
Curso de Engenharia da Qualidade - Semi Presencial
 
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
Vitoreli. 2011. análise da integração dos sistemas de hgestão normalizados is...
 
A indicadores 1 -2010
A indicadores 1 -2010A indicadores 1 -2010
A indicadores 1 -2010
 
Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03
Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03
Aula 07 eq 2015 01 fameg inicio modulo 03
 
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
 
Projeto i
Projeto iProjeto i
Projeto i
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processosGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processos
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 09 10 fameg processos
 
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentação
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentaçãoGestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentação
Gestão da Qualidade de Produto e Processo 2013 01 introdução e apresentação
 
Apresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaumApresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaum
 

Mais de Claudio Bernardi Stringari

Como Funciona a Gestão Visual
Como Funciona a Gestão VisualComo Funciona a Gestão Visual
Como Funciona a Gestão Visual
Claudio Bernardi Stringari
 
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Claudio Bernardi Stringari
 
Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03
Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03
Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03
Claudio Bernardi Stringari
 
Ferramentas de gestao lean primeira e segunda aulas
Ferramentas de gestao lean   primeira e segunda aulasFerramentas de gestao lean   primeira e segunda aulas
Ferramentas de gestao lean primeira e segunda aulas
Claudio Bernardi Stringari
 
Roteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEG
Roteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEGRoteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEG
Roteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEG
Claudio Bernardi Stringari
 
Desenho de Célula Administrativa - Lean Office
Desenho de Célula Administrativa - Lean OfficeDesenho de Célula Administrativa - Lean Office
Desenho de Célula Administrativa - Lean Office
Claudio Bernardi Stringari
 

Mais de Claudio Bernardi Stringari (6)

Como Funciona a Gestão Visual
Como Funciona a Gestão VisualComo Funciona a Gestão Visual
Como Funciona a Gestão Visual
 
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
Aula 09 eq 2014 02 fameg 3ra aula modulo 03 12 05
 
Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03
Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03
Aula 08 eq 2015 01 fameg 2nda aula modulo 03
 
Ferramentas de gestao lean primeira e segunda aulas
Ferramentas de gestao lean   primeira e segunda aulasFerramentas de gestao lean   primeira e segunda aulas
Ferramentas de gestao lean primeira e segunda aulas
 
Roteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEG
Roteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEGRoteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEG
Roteiro de elaboração de artigos tecnicos - Uniasselvi/FAMEG
 
Desenho de Célula Administrativa - Lean Office
Desenho de Célula Administrativa - Lean OfficeDesenho de Célula Administrativa - Lean Office
Desenho de Célula Administrativa - Lean Office
 

Aula 01 SGQ - Introdução

  • 1. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 1 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 UNIASSELVI – FAMEG Prof. Claudio Bernardi Stringari Guaramirim, 08 de Agosto de 2016. Sistema de Gestão da Qualidade Módulo 01 – Introdução aos Sistemas de Gestão http://www.folhavitoria.com.br/economia/blogs/gestaoeres ultados/wp-content/uploads/2012/07/Digitalizar0011.jpg
  • 2. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 2 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8
  • 3. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 3 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Calendário Proposto – 2º Semestre 2016 INFORMAÇÕES IMPORTANTES NOTA 1° BIMESTRE: • CORRESPONDE A 40% DA NOTA TOTAL; NOTA 2° BIMESTRE: • CORRESPONDE A 60% DA NOTA TOTAL; FORMAÇÃO DA NOTA BIMESTRAL: • 0,4 X (OFn*0,7 + PARn*0,3) FORMAÇÃO DA NOTA FINAL: 0,4XBIMESTRAL 1 + 0,6XBIMESTRAL 2 MÊS SEMANA DATA CALENDÁRIO Carga horária Agosto 1 08/08 Aula 01-1 – Introdução à Matéria 1 1 09/08 Aula 01-2 – Sistemas 2 2 15/08 Aula 02-1 – TBD 1 2 22/08 Aula 03-1 – TBD 1 3 23/08 Aula 03-2 – TBD 1 3 29/08 Aula 04-1 – TBD 1 4 30/08 Aula 04-2 – TBD 2 4 05/09 Aula 05-1 – TBD 1 Setembro 5 12/09 Aula 06-1 – TBD 1 5 13/09 Aula 06-2 – TBD 2 6 19/09 Aula 07-1 – TBD 1 6 26/09 Aula 08-1 – 1° Avaliação Oficial 1 7 27/09 Aula 08-2 – 1º Avaliação Oficial 2 7 03/10 Aula 09-1 – TBD 1 8 10/10 Aula 10-1 – TBD 1 8 11/10 Aula 10-2 – TBD 2 Outubro 9 17/10 Aula 11-1 – TBD 1 9 24/10 Aula 12-1 – TBD 1 10 25/10 Aula 12-2 – TBD 2 10 31/10 Aula 13-1 – TBD 1 11 07/11 Aula 14-1 – TBD 1 11 08/11 Aula 14-2 – TBD 2 12 14/11 Aula 15-1 – TBD 1 CALENDÁRIO SUJEITO A ALTERAÇÕES.
  • 4. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 5 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Sistema de Gestão de Qualidade Unidades de Ensino 1. Introdução à Gestão da Qualidade 2. Sistemas de Gestão em uma Organização 3. Estratégia de Transporte 4. Componentes, funções e propriedades dos sistemas de distribuição 5. Operadores logísticos 6. Qualidade e o Lean Manufacturing Baseado em material do Prof. Leandro Azanha
  • 5. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 6 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Introdução – A Qualidade e as Pessoas
  • 6. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 7 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 UMA ARANHA EXECUTA OPERAÇÕES SEMELHANTES ÀS DE UM TECELÃO, E A CONSTRUÇÃO DAS COLMEIAS PELAS ABELHAS ATINGE TAL PERFEIÇÃO QUE ENVERGONHA MUITOS ARQUITETOS.
  • 7. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 8 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 AS ABELHAS E AS ARANHAS CONSTROEM DESSE MODO PORQUE É SEU INSTINTO. ELAS NÃO PENSAM SOBRE O ATO DE CONSTRUIR OU PRODUZIR..
  • 8. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 9 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 JÁ O SER HUMANO EXECUTA SUAS AÇÕES COM OUTROS OBJETIVOS.
  • 9. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 10 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 O QUE DISTINGUE O TRABALHO DE UM ARQUITETO, POR EXEMPLO, DA PRODUÇÃO DE UMA ABELHA É QUE ELE PROJETA MENTALMENTE A CONSTRUÇÃO ANTES DE REALIZÁ-LA.
  • 10. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 11 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 NO FINAL DO PROCESSO PRODUTIVO, OBTÉM-SE UM RESULTADO QUE, DESDE O INÍCIO, JÁ EXISTIA NA MENTE DO PRODUTOR.
  • 11. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 12 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 O HOMEM NÃO TRANSFORMA APENAS O MATERIAL COM O QUAL TRABALHA. ELE REALIZA NO MATERIAL O PROJETO QUE HAVIA MENTALIZADO. ISSO EXIGE, ALÉM DE ESFORÇO FÍSICO, UMA VONTADE ORIENTADA PARA UM OBJETIVO, QUE SE MANIFESTA PELA ATENÇÃO E PELO CONTROLE DAS OPERAÇÕES DURANTE O TEMPO DE TRABALHO.
  • 12. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 13 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 AS EMPRESAS TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM
  • 13. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 14 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 AS EMPRESAS TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM PRIMEIRAMENTE EXISTE UM CONJUNTO DE OBJETIVOS
  • 14. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 15 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 AS EMPRESAS TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM DEPOIS É DESENHADA UMA ESTRATÉGIA PARA QUE ESSES OBJETIVOS SEJAM ATINGIDOS.
  • 15. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 16 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 AS EMPRESAS TAMBÉM FUNCIONAM ASSIM EM SEGUIDA, SÃO LEVANTADOS OS RECURSOS QUE SERÃO UTILIZADOS NOS ESFORÇOS PARA EXECUTAR TAL ESTRATÉGIA, INCLUINDO PESSOAS, ÁREAS, ORÇAMENTO, E SISTEMAS DE GESTÃO.
  • 16. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 17 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 AS ORGANIZAÇÕES, PORTANTO, DEPENDEM DAS PESSOAS PARA FUNCIONAR ADEQUADAMENTE, ALCANÇAR SEUS OBJETIVOS E OBTER SUCCESSO E CONTINUIDADE. CADA SISTEMA COMPONENTE DA ORGANIZAÇÃO NÃO FUNCIONARIA SEM PESSOAS. NÃO HÁ COMO CONCEBER UMA ESTRATÉGIA EMPRESARIAL SEM LEVAR EM CONTA AS PESSOAS. SERÃO ELAS QUE ELABORARÃO, IMPLEMENTARÃO E DESENVOLVERÃO ESTAS ESTRATÉGIAS, LEVANDO AS ORGANIZAÇÕES A ATINGIREM OS OBJETIVOS TRAÇADOS.
  • 17. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 18 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 MAS AFINAL, O QUE ISSO TEM A VER COM UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE?
  • 18. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 19 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Segundo Kaoru Ishikawa “Controle de qualidade é fazer o que tem de ser feito em todos os setores”. • Ele afirmava que: – “Para executar o controle da qualidade total, precisamos ter educação contínua para todos, do presidente aos operários da linha de montagem”. • Para os Japoneses, a execução da qualidade era (e ainda é) tarefa de todos. A Organização para a Qualidade
  • 19. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 20 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Segundo Armand Feigenbaum “o controle da qualidade total guia e coordena ações de indivíduos, máquinas e informação em toda série de atividades fundamentais para a companhia”. • Ele afirmava que a qualidade deveria ser organizada de forma efetiva e econômica por toda a empresa. • Para os Americanos (e Europeus), o controle de qualidade é de responsabilidade dos técnicos da qualidade. A Organização para a Qualidade
  • 20. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 21 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Dentro deste conceito, foram identificados três considerações para desenvolver e operacionalizar a qualidade nas organizações: – Identificar e confirmar a atividade e a equipe específica relacionada à qualidade; – Identificar e confirmar as áreas para a função de controle de qualidade (que ajudará a atingir as metas da qualidade); – A alta direção da empresa deve estabelecer e proporcionar a continuidade da qualidade na organização por meio da manutenção da organização para a qualidade. A Organização para a Qualidade
  • 21. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 22 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 SISTEMAS Fim da primeira parte – 08/08
  • 22. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 23 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • As três considerações de Feigenbaum são tão fortes, que podem ser encontrados, ainda que com outra redação nos requisitos da ISO 9001:2015 que tratam da responsabilidade da direção para com o sistema de gestão da qualidade. • Outro requisito relacionado as três considerações é o que determina o estabelecimento de recursos para o sistema de gestão da qualidade. A Organização para a Qualidade
  • 23. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 24 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 MAS ANTES, VAMOS ENTENDER UM POUCO DE SISTEMAS...
  • 24. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 25 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Definição de Sistema SISTEMA 1 SISTEMA 2 SISTEMA 3 “Um conjunto de elementos dinamicamente relacionados entre si, formando uma atividade atingir seus objetivos, operando sobre entradas (dados, energia ou matérias) e fornecendo saídas (informação, energia ou matéria) processadas.” Fonte: Chiavenatto (2000) “Conjunto de atividades inter- relacionadas ou interativas que transformam entradas em saídas” Fonte: NBR ISO 9000 (2015) “Conjunto de práticas padronizadas, logicamente inter-relacionadas, formando um todo dinâmico.” Fonte: Adaptado de FNQ (2015) Entradas Saídas Informações Energia Matéria Informações Energia Matéria Fonte: Chiavenato (2000) EXEMPLO DE SISTEMA
  • 25. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 26 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Sistema Aberto Características principais: • Interação; Sistemas dentro de sistemas, capacidade de crescimento, homeostase (estado firma), conflito com o ambiente (entropia), fronteiras, realimentação do ambiente e adaptabilidade. A ORGANIZAÇÃO E SEU MEIO AMBIENTE Fonte: Adaptado de Chiavenatto (2000)
  • 26. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 27 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Segundo a NBR ISO 9000:2015, Gestão é: • Gestão (3.5.3) Processo para obtenção de competências. Definição de Gestão
  • 27. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 28 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Segundo a NBR ISO 9000:2015 é: • Sistema de Gestão (3.5.3) Processo para obtenção de competências. – Já para a FNQ (2015), Sistema de Gestão é um conjunto de práticas padronizadas, logicamente inter-relacionadas com a função de gerir uma organização e produzir resultados. Sistema de Gestão
  • 28. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 29 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Segundo a NBR ISO 9000:2015 um sistema de gestão é composto por : – Política (3.5.8): Intenções e direção de uma organização, como formalmente expressos pela sua alta direção. – Visão (3.5.10): Aspiração do que uma organização gostaria de se tornar, como expresso pela Alta Direção. – Missão (3.5.11): Propósito de existência da organização, como expresso pela alta Direção. – Estratégia (3.5.12): Plano para alcançar um objetivo geral ou de longo prazo. Sistema de Gestão
  • 29. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 30 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Para a NBR ISO 9000:2015 um sistema de gestão deve ser estruturado estrategicamente, sendo planejado a partir das Políticas da organização, e do seu conjunto estratégico formado por sua Visão, Missão e Estratégia. • Para a Fundação Nacional da Qualidade, no entanto, as estruturas de todos os sistemas de gestão são semelhantes. • Para a FNQ, todos os sistemas de gestão, inclusive os estratégicos, são compostos por processos e práticas de gestão, sendo que os processos podem ser divididos em operacionais e gerenciais Sistema de Gestão
  • 30. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 31 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Voltando para a NBR ISO 9000:2015 um sistema de gestão da qualidade é: Parte de um Sistema de Gestão com relação à qualidade • Ou seja, faz parte de uma organização maior. Sistema de Gestão da Qualidade
  • 31. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 32 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Voltando para Feigenbaum, este afirmava “o fundamento básico gerencial e tecnológico para o trabalho e as relações mútuas dessa organização são proporcionadas pelo sistema da qualidade total da companhia ou fábrica” • Ele ainda complementa que: • “Sem um sólido sistema da qualidade não é possível a existência de uma organização estruturada para a qualidade.” Sistema de Gestão da Qualidade
  • 32. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 33 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 O que isto significa na prática? ??????
  • 33. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 34 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 • Que as empresas necessitam se organizar para a qualidade. • Que o primeiro passo é organizar-se para ter qualidade, não importa qual seja o tamanho da organização. Sistema de Gestão da Qualidade
  • 34. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 35 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 UMA DAS FORMAS DE BUSCAR ESTA ORGANIZAÇÃO É POR MEIO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE, MESMO QUE NÃO SE PRETENDA BUSCAR UMA CERTIFICAÇÃO´ESTE É UM MEIO PARA SE BUSCAR MENOR VARIABILIDADE NOS RESULTADOS DAS EMPRESAS.
  • 35. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 36 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Impacto Organizacional da Qualidade • 100% dos problemas da qualidade são responsabilidade gerencial. • Este fato é refletido na organização moderna para a qualidade.
  • 36. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 37 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Impacto Organizacional da Qualidade • Neste foco, os problemas-chave da qualidade e desempenho de são considerados responsabilidade gerencial, econômica e técnica dos gestores de todas as áreas da organização.
  • 37. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 38 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Impacto Organizacional da Qualidade • Em adição a este foco técnico-econômico da qualidade, existem os movimentos de envolvimento de pessoas no estilo japonês, citado por Kaoru Ishikawa em sua definição de Controle da Qualidade Total.
  • 38. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 39 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Impacto Organizacional da Qualidade • A grande lição que nos fica é: – As organizações para a qualidade não são todas iguais; – Dependem fortemente da postura da alta direção das empresas, no mercado coexistem sistemas de gestão da qualidade que estão em todos os estágios de desenvolvimento da qualidade.
  • 39. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 40 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 A Tarefa da Organização da Qualidade • É a operação e a integração, dentro do sistema de gestão da organização, das atividades de pessoas e grupos que atuam para: 1. Reconhecer os programas da qualidade como um grupo sistemático de disciplinas a ser aplicado em toda a organização; 2. Associar os programas da qualidade tanto a clientes quanto a consumidores finais dos produtos da organização; 3. Organizar o sistema de gestão da qualidade para atender a problemas que ultrapassem as fronteiras departamentais da organização 4. Assegurar que a qualidade ocorra na fonte, evitando a geração de problemas nos processos produtivos e permitindo a coordenação de ações para a qualidade em toda a organização.
  • 40. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 41 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 A Tarefa da Organização da Qualidade • As atividades 1 e 2 são determinantes da organização da qualidade, com abrangência organizacional. • As atividades 3 e 4 são determinantes no estabelecimento em toda a organização da estruturação do Controle da Qualidade Industrial.
  • 41. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 42 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 A Tarefa da Organização da Qualidade • Fatores críticos de sucesso para a gestão da qualidade: – A estrutura para a qualidade deve permitir um máximo de resultados e integração com um mínimo de atrito pessoal, sombreamento de autoridade e divergências entre grupos funcionais. – A responsabilidade básica para a qualidade deve ser da alta direção, que dá o empoderamento necessário para as atividades voltadas à qualidade; – As responsabilidades funcionais de cada grupo envolvido no processo deve ser claramente definida e estruturada. – Empresas de grande porte podem necessitar criar a figura do Representante da Direção, o que não elimina a responsabilidade definida para a qualidade das demais áreas funcionais.
  • 42. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 43 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Sistemas Certificáveis • Sistema de Gestão: • da Qualidade; • Ambiental; • de Responsabilidade Social; • de Segurança e Saúde Ocupacional.
  • 43. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 44 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Evolução dos Sistemas de Gestão da Qualidade ARTESÃO CONTROLE ESTATÍSTICO DO PROCESSO - CEP MESTRE INSPETOR EXCELÊNCIA DO NEGÓCIO GARANTIA DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9000 AÇÕES EMERGENCIAIS AÇÕES CORRET./PREV. FOCONO PRODUTO FOCO SISTÊMICO
  • 44. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 45 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Sistema de Gestão da Qualidade • SISTEMA baseado na última versão da norma ISO 9001. • É o meio pelo qual uma organização dirige e controla as atividades do negócios associadas com a qualidade. • COMENTÁRIOS: • Limitado às atividades que afetam a qualidade do produto. • Representa uma forma estruturada de executar as atividades da organização. • É aplicável a qualquer tipo de organização; • Baseado nos princípios da qualidade • Configura um sistema administrativo de garantia da qualidade baseado no modelo de abordagem de processos. • A versão 1994 foi a base para a criação das normas de ISO 14001, OHSAS 18001 e SA 8000. • A partir da versão 2015, passa a dar grande ênfase em gestão de risco.
  • 45. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 46 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 O QUE É ISO AFINAL? • International Organization for Standardization; • Fundada em 23 de fevereiro de 1947; • Mais de 120 países participantes. Seus objetivos são os de estabelecer normas que representem e traduzam o consenso dos diferentes países do mundo, recebendo para isto recomendações dos governos, indústrias e outras partes interessadas.
  • 46. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 47 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Componentes de um Sistema de Gestão da Qualidade
  • 47. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 48 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 OS 7 PRINCÍPIOS DE GESTÃO DA QUALIDADE DA NBR ISO 9000:2015
  • 48. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 49 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 “Regras fundamentais para dirigir e controlar uma organização e melhorar continuamente seu desempenho a longo prazo, pelo foco nos clientes, não podendo se descuidar das necessidades de todas as partes interessadas.” PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE
  • 49. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 50 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 PRINCÍPIOS DA GESTÃO DA QUALIDADE
  • 50. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 51 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 1 Organizações dependem dos seus clientes e, portanto, convém que entendam as necessidades atuais e futuras do cliente, os seus requisitos e procurem exceder as suas expectatativas Foco no Cliente
  • 51. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 52 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Foco no Cliente • Quando se pensa em Qualidade, sempre virão várias definições e visões distintas. • O que muita gente não sabe é que Qualidade não é uma palavra solitária, deve ser acompanhada de uma pergunta: Qualidade pra quem? • Quando se pensa dessa forma, fica muito mais fácil imaginar o que é Qualidade.
  • 52. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 53 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 2 Liderança Líderes estabelecem unidade de propósito e o rumo da organização. Convém que eles criem e mantenham um ambiente interno, no qual as pessoas possam estar totalmente envolvidas no proposito de atingir os objetivos da organização.
  • 53. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 54 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Liderança • É importante entender que liderança não trata apenas de cargos gerenciais ou de pessoas que estão à frente de equipes, mas é quem toma atitude de liderar mudanças, ações e resultados. • Se os gestores não lideram a Qualidade, possivelmente o SGQ vai falhar, simplesmente porque eles não trabalharam para engajar as pessoas no seu projeto.
  • 54. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 55 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 3 Pessoas de todos os níveis são a essência de uma organização e seu total envolvimento possibilita que as suas habilidades sejam usadas benefício da organização. Engajamento das Pessoas
  • 55. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 56 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Engajamento das Pessoas • Quando houver líderes da Qualidade na organização, pessoas que conversem sobre este tema e que em cada atividade e resultado apontem uma relação direta com a Qualidade, ficará mais nítido o porquê ela é importante e tem que funcionar.
  • 56. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 57 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 4 Um resultado desejado é alcançado mais eficientemente quando as atividades e os recursos relacionados são gerenciados como um processo. Abordagem de Processos
  • 57. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 58 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Abordagem de Processos • A padronização acontece quando você estabelece processos. • Pessoas engajadas tendem a buscar o entendimento dos processos e o quanto eles podem contribuir para a Qualidade, tornando mais rápida a aderência ao SGQ. • Depois que você consegue estabelecer processos e fazer com que eles sejam seguidos, é necessário saber se esses são realmente bons e se estão satisfazendo os clientes.
  • 58. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 59 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 5 Tomada de decisão baseada em evidências Identificar, entender e gerenciar os processos inter-relacionados como um sistema contribui para a eficácia e eficiência da organização no sentido desta atingir seus objetivos.
  • 59. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 60 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Tomada de decisão baseada em evidências • Monitorar e medir os processos é uma atividade que deve ser feita continuamente… por todos! • Analisando evidências e números é possível identificar o que está falhando ou o que não está dando o resultado e que deveria dar. • É muito divertido fazer análises com base em opiniões pessoais, e com certeza, a experiência é muito válida nesse sentido. • Mas Deming tinha algum motivo para dizer “eu acredito em Deus, para o resto quero ver fatos e dados”.
  • 60. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 61 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 6 Melhoria Convém que melhoria do desempenho global da organização seja seu objetivo permanente.
  • 61. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 62 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Melhoria • “O que pode ser medido, pode ser melhorado!” (Peter Drucker) • O que você deve analisar para melhorar? Para quem deve melhorar? É mais fácil analisar a resposta dessas perguntas quando se tem os outros princípios realizados. • Uma das filosofias da Honda é: “um dos motivos pelos quais nossos clientes estão sempre satisfeitos é porque nós nunca estamos”. • Para que um SGQ cumpra o objetivo de satisfazer clientes, a equipe precisa dormir e acordar pensando em melhorar. • As melhorias são essenciais para conseguir gerir pessoas e processos.
  • 62. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 63 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 7 Gestão de relacionamentos Uma organização e seus fornecedores são interdependentes e uma relação de benefícios mútuos aumenta a capacidade de ambos em agregar valor.
  • 63. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 64 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Até a próxima aula! Prof. Claudio Bernardi Stringari http://processoenxuto.blogspot.com.br/
  • 64. Prof. Claudio Bernardi Stringari, Eng. Esp. 65 UNIASSELVI – FAMEG SistemadeGestãodaQualidade-EPR1.7e1.8 Referências • NBR ISO 9000:2015 • Sistemas de Gestão, FNQ, 2015. • http://www.blogdaqualidade.com.br/iso-90012015-qual-a- relacao-entre-os-7-principios-da-gestao-da-qualidade/, acessado em 08/08/2016. • Gestão da Qualidade, Marshal Jr. Et al, 9° Ed. 2009.