SlideShare uma empresa Scribd logo
As grandes ruturas no início
do século XX
MOVIMENTOS VANGUARDISTAS
Recusa dos conceitos estéticos
tradicionais
+
Adoção de novas linguagens artísticas
Nova sensibilidade criadora:
- Originalidade
- Rutura
- Experimentalismo
- Provocação
Kandinsky, Improvisação 8
A constante
experimentação e
rutura provocam:
- Duração efémera:
os movimentos
artísticos vão
suceder-se a um
ritmo vertiginoso
- O “divórcio” com o
público: a arte
torna-se elitista
MOVIMENTOS VANGUARDISTAS
Kandinsky, Primeira Aguarela Abstracta, 1910
MOVIMENTOS VANGUARDISTAS
Duas características essenciais:
- Afastamento da arte em relação
à realidade concreta
- A arte como resultado dos
impulsos e sentimentos
individuais dos artistas
Transformação profunda da
criação artística (avant-garde)
Edvard Munch, Ansiedade, 1894
O FAUVISMO
O FAUVISMO
- Não foi uma escola organizada
- Consistiu numa união
temporária de alguns artistas
- Movimento desfez-se em 1908 Matisse
Georges RouaultMaurice de Vlaminck
Kees van Dongen Albert Marquet
Excessivo
experimentalismo
+
Abertura a novos
percursos
Exposição de pintura no
Salão de Outono, em
Paris, em 1905
O crítico de arte Louis
Vauxcelles fala em
“fauve” (fera) para se
referir à violenta
expressão cromática
das telas
O FAUVISMO
Resumo
A pintura torna-se
independente da
realidade
Matisse
O fauvismo caracteriza-
se pela libertação da cor
da sua referência directa
à realidade, por
contornos grossos e
variedade de tons vivos
na paleta
O FAUVISMO
Resumo
A pintura torna-se
independente da
realidade
Matisse
O FAUVISMO
Maurice de Vlaminck
Georges Rouault
- Transmissão de emoções
estéticas profundas através
da exaltação da cor
- Cores fortes e contrastantes
- Ausência total de
tridimensionalidade / espaço
bidimensional
- Simplificação das formas
O FAUVISMO
Kees van Dongen
- Cores lisas e finas ou
texturadas
- Pinceladas diretas e emotivas
- A temática não é relevante; o
objetivo é transmitir sensações de
alegria ou tristeza.
Utilização da cor como elemento
plástico autónomo, como elemento
estruturante do espaço do quadro
“O pintor já não precisa de preocupar-
se com pormenores insignificantes;
para isso lá está a fotografia, que é
melhor e mais rápida.
Aqui estão ideias originais: construir
com superfícies de cor, procurar mais
intensos efeitos de cor; o assunto é
indiferente. A luz não é suprimida; pelo
contrário, encontra-se na harmonia de
luminosas superfícies coloridas. Pode
chegar-se a efeitos surpreendentes por
meio de cores, fazendo uso do seu
parentesco e contraste.
Matisse, Notas de um Pintor, 1908
O FAUVISMO Henri Matisse
(1896-1954)
Matisse, Retrato da Risca Verde, 1905
No retrato da sua mulher,
Amélie, Matisse usou apenas
a cor para descrever a
imagem.
O seu rosto oval é dividido
por uma linha verde-amarelo
e o cabelo é púrpura azulado.
O seu lado direito tem uma
invasão do verde; o seu lado
esquerdo sofre os ecos da
cor do vestido.
O FAUVISMO Henri Matisse
(1896-1954)
Matisse, o Retrato da Risca Verde, 1905
A linha verde no centro do rosto
divide física e espiritualmente
Amélie em duas: um lado quente e
outro frio.
A luz natural é traduzida
directamente em cores e as
grandes pinceladas dão um
sentido dramático ao retrato.
O FAUVISMO Henri Matisse
(1896-1954)
Matisse, o Retrato da Risca Verde, 1905
O quadro tem um significado
mítico-cósmico:
- o solo é o horizonte
terrestre, a curva do mundo;
- o céu tem a profundidade
do azul-turquesa dos
espaços interestelares;
- as figuras dançam como
gigantes entre a terra e o
firmamento.
Ao Cubismo que analisa
racionalmente o objecto,
Matisse contrapõe a intuição
sintética do todo.
Matisse, A Dança, 1910
O FAUVISMO
Henri Matisse
(1896-1954)
O FAUVISMO André Dérain
(1880-1954)
Dérain, Retrato de Henri
Matisse, 1095
Dérain, A Ponte de Westminster, 1906
O FAUVISMO André Dérain
(1880-1954)
Exploração dos contrastes cromáticos em paisagens e retratos de
cores antinaturalistas, à maneira de Gauguin
O FAUVISMO André Dérain
(1880-1954)
Dérain, Retrato de Henri
Matisse, 1095
O retrato é feito em grandes
superfícies de cor, aplicada em
pinceladas fragmentadas e
texturadas, de cores fortes e
contrastadas
O FAUVISMO André Dérain
(1880-1958)
- Utilização de cores
arbitrárias, que apenas
sugerem cores reais.
- Formas construídas
através da mancha
cromática
- Pinceladas livres e
intuitivas (traduzem o
instinto criador do artista)
- A obra de arte torna-se
autónoma em relação à
Natureza
Dérain, A Ponte de
Westminster, 1906
O FAUVISMO Maurice Vlaminck
(1876-1958)
- Expressão exagerada
e dinâmica
- Utilização de cores
gritantes e
antinaturalistas, à
maneira de Van Gogh
- Pinceladas pastosas
e matéricas
Vlaminck, Jardins de Chatou, 1904
O FAUVISMO Albert Marquet
(1875-1947)
- Pintou sobretudo robustos
retratos e nus
- Expressionismo turbulento
- Fundo pintado numa técnica
quase pontilhista
Albert Marquet, Nu Fauve, 1898
Analisa a p. 190 do teu manual e
responde:
1. Qual a origem e o significado do
termo “fauve”?
2. Indica o nome de três artistas
cujas obras tenham influenciado
directamente o fauvismo.
3. Descreve as características
formais do Fauvismo.
4. Refere as razões da extinção do
fauvismo .
O FAUVISMO
O EXPRESSIONISMO
Nasceu na Alemanha e difundiu-se
pelos países do Norte da Europa
+
Primeira década do séc. XX
(c. 1905 – c.1930)
+
Simultâneo do Fauvismo francês
O EXPRESSIONISMO
O Expressionismo é o reflexo dos
tempos conturbados anteriores e
contemporâneos à primeira grande
guerra e da renovação cultural e das
mentalidades que então se operou.
Deu mais importância à expressão de
sentimentos, sensações, emoções,
ideias… à expressão da interioridade.
O EXPRESSIONISMO
Reação contra o sentido cientista
do Impressionismo e a vocação
decorativa da Arte Nova
Caracteriza-se pela procura de
formas artísticas que
exprimissem mais livre e
subjectivamente os
sentimentos do artista em
relação à realidade.
O EXPRESSIONISMO
Influências:
- Conceito de Einfühlung (empatia,
intuição)de Wilhelm Worringer – a obra
deve explicar-se pelas sensações que as
formas despertam em nós, de modo
intuitivo e empático
- As perturbações político-económicas
que se viveram na viragem do século.
- Inspiração na arte negra e tribal,
genuína, isenta da influência da
civilização moderna.
- Formas e cores de Paul Gauguin e
Van Gogh
- Cores violentas e fortes dos fauvistas
O EXPRESSIONISMO
Van Gogh, Retrato do Dr. Gachet
Influências:
- James Ensor (pintor de
máscaras e do macabro, com
fisionomias deformadas e
caricaturas tratadas com cor
vibrante e matérica, de grande
brutalidade e sentido satírico);
- Edvard Munch - pintura
dramática, solidão e desespero
emocional, numa pincelada
ondulante, formas e cores fortes,
simbólicas e emotivas
O EXPRESSIONISMO
Edvard Munch, O Grito
“Caminhava eu com dois amigos
pela estrada, então o sol pôs-se; de
repente o céu tornou-se vermelho
como o sangue. Parei, apoiei-me
no muro, morto da cansaço.
Línguas de fogo e sangue
estendiam-se sobre o fiorde azul,
negro. Os meus amigos
continuaram a andar enquanto eu,
sozinho e tremendo de medo, senti
o grito imenso, infinito, da
natureza”.
O EXPRESSIONISMO
Edvard Munch, O Grito
Exploração da força expressiva da
cor
+
Tradução de estados da alma
(comoção ou angústia)
+
Deformação das linhas e
acentuação dos contrastes
cromáticos para exprimir estados
psíquicos e anímicos
O EXPRESSIONISMO
Edvard Munch, O Grito
Na Alemanha vão existir dois grupos principais
de expressionismo:
- Die Brucke (A Ponte)
- Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul).
O EXPRESSIONISMO
Ernst Kirchner, Potsdam
Platz, Berlim, 1914
Wassily Kandinsky, Improvisação Dilúvio, 1913
Die Brücke (A Ponte)
procuravam “a ponte que leva do
visível para o invisível”
Formado em Dresden em 1905, por
Ernst-Ludwig Kirchner, Karl Schmidt-
Rottluff, Emil Nolde (1867-1956) e sob
a liderança de Max Pechstein (1881-
1955).
O EXPRESSIONISMO
Die Brücke
Rejeição do Impressionismo
e do academismo
+
Procura, através de uma
expressão direta, emotiva e
muitas vezes violenta, da
representação da realidade
social e política desse
período.
Este movimento ultrapassou os
objectivos do fauvismo, meramente
estéticos e plástico
pretendeu expressar os sentimentos
e traumas da alma humana com
vigor, dramatismo, coragem,
angústia e violência, com crítica
social e política (a prostituição, a
miséria, a opressão, injustiça).
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Emil Nolde, Crucificação, detalhe da
“Vida de Cristo”, 1911-1912
Obras de forte pendor social,
criticando o mundo moderno –
daí que as figuras expressem
os sentimentos humanos com
vigor, dramatismo e até
angustia, revelando o lado
trágico da vida.
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
Obras de forte pendor social, criticando
o mundo moderno – daí que as figuras
expressem os sentimentos humanos
com vigor, dramatismo e até angustia,
revelando o lado trágico da vida.
Temas:
- Vida íntima
- Sexualidade
- Erotismo
- Cenas de rua, cafés e cabarets
- retratos
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
Características formais
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
Características formais
- adoptou uma linguagem figurativa,
de formas simplificadas,
deformadas e aguçadas
contornadas a negro e preenchidas
por cores ou violentas ou sombrias
e uma pincelada vigorosa.
- O desenho devia ser dado através
da cor, sem prévio delineamento; a
cor foi a substância matérica
utilizada com independência em
relação ao objecto.
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
Características formais
- execução espontânea e
temperamental, desenfreada e
irreflectida, fazendo com que
as obras parecessem esboços
inacabados, com espaços da
tela por pintar.
procura de uma linguagem
plástica arcaizante, primitiva e
infantil.
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Otto Müller, Ciganas
- Linhas simplificadas das
figuras
Para esta estética contribuiu a
redescoberta das técnicas da
xilogravura (Kirchner) e da
gravura sobre metal (E.Nolde)
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Kichner, Auto-retrato
Principais artistas deste movimento:
Ernest Ludwig Kirchner
O impulsionador do grupo; mostra a vida
que pulsa nas grandes cidades alemãs.
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Kirchner, Visita ao Zoo
Principais artistas deste
movimento:
Emil Nolde
Procurou a essência
primitiva da vida, inspirando-
se na figuração dos povos
primitivos.
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Emil Nolde, Crucificação, detalhe da
“Vida de Cristo”, 1911-1912
Principais artistas deste
movimento:
Schmidt-Rottluff
Transparece nas suas
paisagens a emoção e o
mistério, dados pela violência
cromática.
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Schmidt-Rottluff, Três Mulheres à beira-mar, 1919
Principais artistas
deste movimento:
Eric Heckel
Praticou a xilogravura,
onde sobressaem as
linhas e formas
simplificadas.
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Eric Heckel, Moinho de vento, 1909
Principais artistas deste
movimento:
Otto Müller
Muito influenciado por Gauguin,
na figuração e na cor
antinaturalista e planificada.)
O EXPRESSIONISMO Die Brücke
Otto Müller, Ciganas
Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Nasceu em 1910 na cidade de
Munique, impulsionado pelo
artista russo Wassily Kandinsky,
juntamente com Franz Marc, a
quem se juntariam outros:
- Auguste Macke
- Franz Marc
- Paul Klee
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Cavalos vermelho e azul, de Franz
Marc, 1912
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Wassily Kandinsky, Capa no nº 1 da
Revista “O Cavaleiro Azul”, 1912
“Já não vivemos numa época em
que a arte seja útil à vida. Aquilo
que hoje resulta em arte autêntica
parece ser antes o sedimento de
todas as forças que a vida não
pôde absorver. Ela è a equação
que os espíritos abstractamente
meditativos tiram da vida, sem
desejarem nada, sem objectivo e
sem discussão.
Do Catálogo da Exposição de 1913
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Wassily Kandinsky, Capa no nº 1 da
Revista “O Cavaleiro Azul”, 1912
A arte é o produto da unidade
existencial entre o Homem e a
Natureza
Construção das obras de arte a
partir das experiências, dos
sentimentos subjectivos e das
sensações de cada um, atribuindo-
lhes um sentido global, de modo a
ser compreendido por todos
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Wassily Kandinsky, Capa no nº 1 da
Revista “O Cavaleiro Azul”, 1912
Pretensão de criar uma arte
livre, não dirigida a nenhum
público em especial, que
nascesse da meditação e da
necessidade interior de cada
artista, na procura pessoal da
harmonia espiritual
Kandinsky comparou a
linguagem plástica à musical,
definindo a obra como uma
necessidade interior, à qual se
cede através da intuição e da
empatia.
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Wassily Kandinsky, A Fuga, 1914
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Franz Marc, Cavalos Azuis, 1911
Inexistência de uma única identidade estilística
+
Características comuns
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Franz Marc, Cavalos Azuis, 1911
Características comuns:
- Preferência por temáticas naturalistas (irreais
e alegóricas), por vezes com cenas sociais ou
da vida animal
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Paul Klee, Vento Quente no
Jardim de Marc, 1915
Características comuns:
- Execução refletida e pensada
(menos intuitivo do que o grupo Die
Brücke)
- Simplificação/geometrização das
formas (tendência para uma
crescente abstratização)
- Valorização da mancha cromática
na construção das formas:
utilização de cores antinaturais,
arbitrárias, mas claras e líricas,
com sentido de complementaridade
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Kandinsky, Composição IV, 1911
Características comuns:
- Composições
equilibradas, orientadas
sobretudo por linhas
circulares e sinuosas,
segundo ritmos musicais
- Exploração mágica e
mística dos conteúdos,
próxima da musicalidade:
expressividade lírica e
emotiva
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Kandinsky, Composição IV, 1911
Características comuns:
- A dimensão lírica da cor, a
sua claridade, pura e
límpida, podendo ser dura
ou macia, quente ou fria,
mas sempre como
necessidade interior
- O dinamismo da forma na
sua capacidade de
fascinar, a sua magia
interna, a sua emoção, a
sua energia psíquica
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Paul Cézanne, Mont Sainte-Victoire, 1904-1906
Influências:
- Cézanne:
procura de autonomia
do quadro em relação à
natureza
+
tratamento do espaço
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Matisse, A Música
Influências:
- Cézanne:
procura de autonomia do
quadro em relação à natureza
+
tratamento do espaço
- Matisse: tratamento mágico
e lírico da cor
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Franz Marc
Cenas naturalistas com
a presença animal
+
Composições rítmicas e
abstractas
+
Procura de arte
espiritual liberta de toda
a ligação com a fachada
estlizada da natureza
Franz Marc, Cavalos Azuis, 1911
Utilizou o cavalo, em perfeita sintonia com o mundo,
onde a cor se liberta de qualquer conotação ou
dependência naturalista, para exprimir apenas
emoção da mais elevada espiritualidade
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
August Macke, No Jardim de Oberhofen, 1912
August Macke
Utilização de uma
linguagem figurativa:
paisagens animadas por
cenas sociais
+
Conotação espiritual e
lírica devido à harmonia
do colorido
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
Paul Klee
A pintura é reveladora de uma
arte muito pessoal, baseada
num desenho muito elaborado,
situado entre a figuração e a
abstracção.
Paul Klee, Vento Quente no Jardim
de Marc, 1915
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
W.Kandinsky
“Não é a questão da
forma que interessa mas
o conteúdo, o espírito, o
tom interior”
Kandinsky, Composição IV, 1911
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
W.Kandinsky
Concluiu que a pintura pode
viver sem objecto.
Em 1910 pintou a primeira
obra abstracta, sendo o
criador do Abstraccionismo
lírico.
No ciclo das composições, a
harmonia é conseguida com
as cores primárias, diluindo ou
difundindo deliberadamente a
forma(apesar de utilizar o
contorno a negro).
Kandinsky, Composição IV, 1911
O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter
(O Cavaleiro Azul)
O grupo dispersou-se com a
Primeira Guerra Mundial.
Marc e Macke morreram.
Kandinsky e Klee, prosseguiram
as suas pesquisas plásticas e
foram professores na Bauhaus.
Resumo das características do
Expressionismo:
· O realismo e as proporções são
distorcidas pelas emoções do artista
· Arte surgida de reacções subjectivas à
realidade e não directamente da
realidade
· Emotividade e introspecção
· Expressão de sentimentos humanos,
com vigor, dramatismo e angústia
· Prevalência da cor sobre o desenho
· Esboço tosco, inacabado
· Linguagem arcaizante, primitiva,
infantil
O EXPRESSIONISMO
Através da análise das páginas 192 a 195,
responde às seguintes questões:
1. Integra o aparecimento do
Expressionismo no contexto da época.
2. Identifica as principais influências do
movimento.
3. Descreve as características da
linguagem estética do grupo Die
Brucke.
4. Refere os principais pintores desse
grupo.
5. Descreve as teorias expressas por
Kandinsky nas obras “Do Espiritual na
Arte” e “O Almanaque do Cavaleiro
Azul”.
O EXPRESSIONISMO
O DADAÍSMO
O DADAÍSMO
Movimento cultural, artístico e filosófico abrangente
- Cinema
- Teatro
- Fotografia
- Pintura
- Escultura
Apareceu:
- Durante a 1ª Guerra
Mundial
- Zurique (Suíça)
- Nova Iorque (EUA)
Intelectuais refugiados
de guerra
A Fonte, Marcel Duchamp
O DADAÍSMO
O DADAÍSMO
Dada = palavra alemã que caricaturiza os
sons balbuciados pelos bebés
O termo anedótico simboliza a intenção dos
intelectuais: impressionados pelo sofrimento
da guerra, pretendiam negar os conceitos
de arte e de objeto e as técnicas artísticas
tradicionais
A autêntica arte seria a antiarte
Anulam o conceito de arte
Roda de bicicleta, Marcel Duchamp
O DADAÍSMO
Critica aos regimes capitalistas e
burgueses vigentes pela violência e
crueldade da guerra
Proclamavam o vazio espiritual e o
sentimento do absurdo que a guerra
criara – tornando obsoleta a cultura
tradicional
A imagem das Estrelas, Kurt Schwitters
O DADAÍSMO
Defesa da destruição da sociedade
burguesa de forma a permitir a
construção de uma nova sociedade
Suportes teóricos:
- Filosofia negativista de
Schopenhauer
- Teorias niilistas de Nietszche
- Anarquismo
A imagem das Estrelas, Kurt Schwitters
O DADAÍSMO
Focos iniciais do Dadaísmo:
- Zurique: em 1915-16, no
Cabaret Voltaire nasceu a
ideia do movimento
- Tristan Tzara
- Jean Arp
- Hugo Ball
- Richard Hüsselbeck
O crítico de arte, Raoul Hausmann
O DADAÍSMO
Focos iniciais do Dadaísmo:
- Nova Iorque
- Marcel Duchamp
- Man Ray
- Francis Picabia
- Marius de Zayas
- Arensberg
Lançamento da Revista 291 (1915),
órgão do movimento antipintura
Duchamp, A Noiva Despida Pelos Seus Jovens Pretendentes
O DADAÍSMO
Fim da guerra
Formação de novos núcleos devido
à dispersão geográfica dos
membros dos grupos iniciais:
- Barcelona: Picabia e Duchamp
- Colónia: Max Ernst
- Hanover: Kurt Schwitters
- Berlim: Hüsselbeck e Georg
Grosz
- Paris: Breton, Aragon, Paul
Éluard, A. Ribemont
O DADAÍSMO
Fim da guerra
Formação de novos núcleos devido
à dispersão geográfica dos
membros dos grupos iniciais:
- Barcelona: Picabia e Duchamp
- Colónia: Max Ernst
- Hanover: Kurt Schwitters
- Berlim: Hüsselbeck e Georg
Grosz
- Paris: Breton, Aragon, Paul
Éluard, A. Ribemont
O DADAÍSMO
Dissidências e
desentendimentos a partir de
1922
Dispersão do movimento
Surrealismo
Duchamp, Com um Barulho Secreto, 1916
O DADAÍSMO
Francis Picabia, Retrato de uma Jovem
Americana em Estado de Nudez, 1915, vela de
automóvel
CARACTERÍSTICAS
- Temátivas provocatórias: conteúdos insólitos
e incongruentes, aparentemente sem sentido
(nonsense)
O DADAÍSMO
CARACTERÍSTICAS
- Execução plástica baseada no cubismo
sintético, mas adicionando técnicas inventadas:
- na pintura - a mistura de colagem com
objetos encontrados (objects-trouvé),
fotomontagens, merzbilders;
- na fotografia - fotomontagens e os
rayographs
- na escultura – ready-made (urinol) – neste
caso pretendiam demonstrar que o que
determina o valor estético de algo, é um ato
mental.
O DADAÍSMO
CARACTERÍSTICAS
- Execução plástica baseada no cubismo
sintético, mas adicionando técnicas inventadas:
- na pintura - a mistura de colagem com
objetos encontrados (objects-trouvé),
fotomontagens, merzbilders;
- na fotografia - fotomontagens e os
rayographs
- na escultura – ready-made (urinol) – neste
caso pretendiam demonstrar que o que
determina o valor estético de algo, é um ato
mental.
Objetos já feitos, retirados da sua
função utilitária habitual,
assinados e tomados por obras
de arte. A única ação do artista é
descontextualizá-los e com isso
atribuir-lhes uma nova função,
logo um novo valor mental.
O DADAÍSMO
Max Ernst, Fruto de Uma Longa Experiência, 1919
CARACTERÍSTICAS
- Intencionalidade: as
obras pretenderam
inquietar, provocar o
público, promovendo a
consciencialização do
vazio e do absurdo,
contestando a ideia de
arte e levando à sua
própria negação.
O DADAÍSMO
- libertação da arte de valores pré-
estabelecidos
- procura de experiências e formas
expressivas mais apropriadas à
expressão do homem moderno e da sua
vida.
- Defesa da ideia de que o artista deve
voltar a artesão ou operário
especializado, contribuindo de modo útil
para o bem estar da sociedade
Max Ernest. A Grande Roda Ortocromática
que Faz Amor Sob Medida, 1920. Lápis e
tinta sobre papel colado sobre cartão.
O Violino de Ingres, Man Ray, 1924 Banhista de Valpiçon, Ingres, 1808
O DADAÍSMO
O DADAÍSMO
Influência sobre outros
movimentos:
• Surrealismo
• Bauhaus
• New Dada(após 1945)
• Artes Conceptual, Povera
e Comportamental ou
Euvironement
Kurt Schwitters, Merzbilder 1A
O DADAÍSMO
Sugestões a ver:
http://www.youtube.com/watch?v=qUIP_HS-vDo
http://www.youtube.com/watch?v=sGArcwGJts0&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=m7QspfFDdmU&feature=related
http://www.youtube.com/watch?v=rSZvoxPeOlg
O DADAÍSMO
1. Onde e quando surgiu o Dadaismo?
2. Qual a importância do café Voltaire?
3. Quais os objetivos do movimento?
4. Representantes/características do
movimento e técnicas
5. Escolher 3 autores e 3 obras para
caraterizar
6. Ler o Manifesto dadaísta.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
Ana Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
Ana Barreiros
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
Ana Barreiros
 
Modulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCAModulo 9 de HCA
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
Carla Freitas
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
Tekas1967
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Carla Freitas
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
Hca Faro
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
Ana Barreiros
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
Ana Barreiros
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Carlos Pinheiro
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
cattonia
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
Carlos Pinheiro
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
Ana Barreiros
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
cattonia
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
Carla Freitas
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássica
Ana Barreiros
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
CrisBiagio
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Carla Freitas
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

Surrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismoSurrealismo e neorealismo
Surrealismo e neorealismo
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
Modulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCAModulo 9 de HCA
Modulo 9 de HCA
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
A cultura do cinema
A cultura do cinemaA cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
Palácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso práticoPalácio da Pena - caso prático
Palácio da Pena - caso prático
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
 
A Arte Rococó
A Arte RococóA Arte Rococó
A Arte Rococó
 
Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual Cultura do espaço virtual
Cultura do espaço virtual
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
 
Módulo 8 contextualização histórica
Módulo 8   contextualização históricaMódulo 8   contextualização histórica
Módulo 8 contextualização histórica
 
Pintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássicaPintura e escultura neoclássica
Pintura e escultura neoclássica
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIXMódulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
Módulo 8 - Arte em Portugal nos finais do século XIX
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 

Destaque

10 caderno professor-1_2010
10 caderno professor-1_201010 caderno professor-1_2010
10 caderno professor-1_2010
Dulcilene Figueiredo
 
Ficha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris Lessmore
Ficha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris LessmoreFicha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris Lessmore
Ficha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris Lessmore
tessvalente
 
CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL 2O11 - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...
CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL  2O11 -  2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL  2O11 -  2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...
CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL 2O11 - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Apresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamentoApresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamento
Olívia Oliveira
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
Carlos Pinheiro
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ana Barreiros
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
Ana Barreiros
 

Destaque (8)

10 caderno professor-1_2010
10 caderno professor-1_201010 caderno professor-1_2010
10 caderno professor-1_2010
 
Ficha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris Lessmore
Ficha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris LessmoreFicha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris Lessmore
Ficha de Leitura os fantásticos livros do Sr Morris Lessmore
 
CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL 2O11 - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...
CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL  2O11 -  2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL  2O11 -  2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...
CADERNO DO ALUNO: PROVINHA BRASIL 2O11 - 2º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL 1- AV...
 
Apresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamentoApresentação unidade2 planejamento
Apresentação unidade2 planejamento
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinemaCorrecao 2ª ficha formativa cultura do cinema
Correcao 2ª ficha formativa cultura do cinema
 
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
Ficha formativa "A Cultura do Cinema 1"
 
Casa Sommer
Casa SommerCasa Sommer
Casa Sommer
 

Semelhante a As grandes ruturas no início do seculo xx

Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5   Fauvismo Expressionismo CubismoAula 5   Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aline Okumura
 
A Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XXA Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XX
MartadeAmorimMendona
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
Junior Onildo
 
Expressionismo .ppt
Expressionismo .pptExpressionismo .ppt
Expressionismo .ppt
AnaLuizaGomes34
 
A arte da 1ª metade do séc beatriz
A arte da 1ª metade do séc   beatrizA arte da 1ª metade do séc   beatriz
A arte da 1ª metade do séc beatriz
Bioquinha
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
Aline Raposo
 
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
GoisBemnoEnem
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
GoisBemnoEnem
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
GoisBemnoEnem
 
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte modernaHistória da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
Safra Brasileira
 
HCA grupo A
HCA   grupo AHCA   grupo A
HCA grupo A
becresforte
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Inês Filipa
 
Expressionismo Alemão
Expressionismo AlemãoExpressionismo Alemão
Expressionismo Alemão
Michele Pó
 
Aula 1 - Arte - 2º e.m
Aula 1 - Arte - 2º e.mAula 1 - Arte - 2º e.m
Aula 1 - Arte - 2º e.m
VIVIAN TROMBINI
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
Paula Meyer Piagentini
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
ArtesElisa
 
Arte século xx 2
Arte século xx  2Arte século xx  2
Arte século xx 2
Carla Teixeira
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
VIVIAN TROMBINI
 
Aula: Modernismo
Aula: ModernismoAula: Modernismo
Aula: Modernismo
Léo Rossetti
 

Semelhante a As grandes ruturas no início do seculo xx (20)

Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5   Fauvismo Expressionismo CubismoAula 5   Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
 
A Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XXA Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XX
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
 
Expressionismo .ppt
Expressionismo .pptExpressionismo .ppt
Expressionismo .ppt
 
A arte da 1ª metade do séc beatriz
A arte da 1ª metade do séc   beatrizA arte da 1ª metade do séc   beatriz
A arte da 1ª metade do séc beatriz
 
Ismos arte moderna- CBG
Ismos  arte moderna- CBGIsmos  arte moderna- CBG
Ismos arte moderna- CBG
 
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
 
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte modernaHistória da arte ii   profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
História da arte ii profª sônia pardim (11) movimentos de arte moderna
 
HCA grupo A
HCA   grupo AHCA   grupo A
HCA grupo A
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Expressionismo Alemão
Expressionismo AlemãoExpressionismo Alemão
Expressionismo Alemão
 
Aula 1 - Arte - 2º e.m
Aula 1 - Arte - 2º e.mAula 1 - Arte - 2º e.m
Aula 1 - Arte - 2º e.m
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...Ensino médio  1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
Ensino médio 1o. bimestre- a arte da primeira metade do século xx-expression...
 
Arte século xx 2
Arte século xx  2Arte século xx  2
Arte século xx 2
 
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.MAULA 4 - ARTE - 1º E.M
AULA 4 - ARTE - 1º E.M
 
Aula: Modernismo
Aula: ModernismoAula: Modernismo
Aula: Modernismo
 

Mais de Ana Barreiros

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
Ana Barreiros
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
Ana Barreiros
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
Ana Barreiros
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
Ana Barreiros
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
Ana Barreiros
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
Ana Barreiros
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
Ana Barreiros
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
Ana Barreiros
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
Ana Barreiros
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
Ana Barreiros
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ana Barreiros
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ana Barreiros
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
Ana Barreiros
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
Ana Barreiros
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
Ana Barreiros
 
O dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalistaO dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalista
Ana Barreiros
 

Mais de Ana Barreiros (20)

Pintura barroca na Europa
Pintura barroca na EuropaPintura barroca na Europa
Pintura barroca na Europa
 
Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação Rubrica de avaliação
Rubrica de avaliação
 
Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade Lista de verificação e-atividade
Lista de verificação e-atividade
 
Bairro dos museus
Bairro dos museusBairro dos museus
Bairro dos museus
 
Imagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura BarrocaImagens de Arquitetura Barroca
Imagens de Arquitetura Barroca
 
Pintura do quattrocento
Pintura do quattrocentoPintura do quattrocento
Pintura do quattrocento
 
O aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte goticaO aparecimento da arte gotica
O aparecimento da arte gotica
 
Escultura romana
Escultura romanaEscultura romana
Escultura romana
 
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºGA modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
A modernização de Portugal na 2ª metade séc. XIX - trabalho de Beatriz, 6ºG
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 2"
 
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
Ficha formativa "A Cultura da Gare 1"
 
Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"Ficha "A Cultura do Palco"
Ficha "A Cultura do Palco"
 
Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"Ficha "A Cultura do Salão"
Ficha "A Cultura do Salão"
 
Ficha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoesFicha formativa grandes_civilizacoes
Ficha formativa grandes_civilizacoes
 
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcaoFicha formativa 1820 e o liberalismo correcao
Ficha formativa 1820 e o liberalismo correcao
 
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º anoFicha formativa 1 HGP 6º ano
Ficha formativa 1 HGP 6º ano
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
Arte abstrata
Arte abstrataArte abstrata
Arte abstrata
 
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista   desenvolvimento e ruturasO mundo comunista   desenvolvimento e ruturas
O mundo comunista desenvolvimento e ruturas
 
O dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalistaO dinamismo económico do mundo capitalista
O dinamismo económico do mundo capitalista
 

Último

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 

Último (20)

Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 

As grandes ruturas no início do seculo xx

  • 1. As grandes ruturas no início do século XX
  • 2. MOVIMENTOS VANGUARDISTAS Recusa dos conceitos estéticos tradicionais + Adoção de novas linguagens artísticas Nova sensibilidade criadora: - Originalidade - Rutura - Experimentalismo - Provocação Kandinsky, Improvisação 8
  • 3. A constante experimentação e rutura provocam: - Duração efémera: os movimentos artísticos vão suceder-se a um ritmo vertiginoso - O “divórcio” com o público: a arte torna-se elitista MOVIMENTOS VANGUARDISTAS Kandinsky, Primeira Aguarela Abstracta, 1910
  • 4. MOVIMENTOS VANGUARDISTAS Duas características essenciais: - Afastamento da arte em relação à realidade concreta - A arte como resultado dos impulsos e sentimentos individuais dos artistas Transformação profunda da criação artística (avant-garde) Edvard Munch, Ansiedade, 1894
  • 6. O FAUVISMO - Não foi uma escola organizada - Consistiu numa união temporária de alguns artistas - Movimento desfez-se em 1908 Matisse Georges RouaultMaurice de Vlaminck Kees van Dongen Albert Marquet Excessivo experimentalismo + Abertura a novos percursos
  • 7. Exposição de pintura no Salão de Outono, em Paris, em 1905 O crítico de arte Louis Vauxcelles fala em “fauve” (fera) para se referir à violenta expressão cromática das telas O FAUVISMO Resumo A pintura torna-se independente da realidade Matisse
  • 8. O fauvismo caracteriza- se pela libertação da cor da sua referência directa à realidade, por contornos grossos e variedade de tons vivos na paleta O FAUVISMO Resumo A pintura torna-se independente da realidade Matisse
  • 9. O FAUVISMO Maurice de Vlaminck Georges Rouault - Transmissão de emoções estéticas profundas através da exaltação da cor - Cores fortes e contrastantes - Ausência total de tridimensionalidade / espaço bidimensional - Simplificação das formas
  • 10. O FAUVISMO Kees van Dongen - Cores lisas e finas ou texturadas - Pinceladas diretas e emotivas - A temática não é relevante; o objetivo é transmitir sensações de alegria ou tristeza. Utilização da cor como elemento plástico autónomo, como elemento estruturante do espaço do quadro
  • 11. “O pintor já não precisa de preocupar- se com pormenores insignificantes; para isso lá está a fotografia, que é melhor e mais rápida. Aqui estão ideias originais: construir com superfícies de cor, procurar mais intensos efeitos de cor; o assunto é indiferente. A luz não é suprimida; pelo contrário, encontra-se na harmonia de luminosas superfícies coloridas. Pode chegar-se a efeitos surpreendentes por meio de cores, fazendo uso do seu parentesco e contraste. Matisse, Notas de um Pintor, 1908 O FAUVISMO Henri Matisse (1896-1954) Matisse, Retrato da Risca Verde, 1905
  • 12. No retrato da sua mulher, Amélie, Matisse usou apenas a cor para descrever a imagem. O seu rosto oval é dividido por uma linha verde-amarelo e o cabelo é púrpura azulado. O seu lado direito tem uma invasão do verde; o seu lado esquerdo sofre os ecos da cor do vestido. O FAUVISMO Henri Matisse (1896-1954) Matisse, o Retrato da Risca Verde, 1905
  • 13. A linha verde no centro do rosto divide física e espiritualmente Amélie em duas: um lado quente e outro frio. A luz natural é traduzida directamente em cores e as grandes pinceladas dão um sentido dramático ao retrato. O FAUVISMO Henri Matisse (1896-1954) Matisse, o Retrato da Risca Verde, 1905
  • 14. O quadro tem um significado mítico-cósmico: - o solo é o horizonte terrestre, a curva do mundo; - o céu tem a profundidade do azul-turquesa dos espaços interestelares; - as figuras dançam como gigantes entre a terra e o firmamento. Ao Cubismo que analisa racionalmente o objecto, Matisse contrapõe a intuição sintética do todo. Matisse, A Dança, 1910 O FAUVISMO Henri Matisse (1896-1954)
  • 15. O FAUVISMO André Dérain (1880-1954) Dérain, Retrato de Henri Matisse, 1095 Dérain, A Ponte de Westminster, 1906
  • 16. O FAUVISMO André Dérain (1880-1954) Exploração dos contrastes cromáticos em paisagens e retratos de cores antinaturalistas, à maneira de Gauguin
  • 17. O FAUVISMO André Dérain (1880-1954) Dérain, Retrato de Henri Matisse, 1095 O retrato é feito em grandes superfícies de cor, aplicada em pinceladas fragmentadas e texturadas, de cores fortes e contrastadas
  • 18. O FAUVISMO André Dérain (1880-1958) - Utilização de cores arbitrárias, que apenas sugerem cores reais. - Formas construídas através da mancha cromática - Pinceladas livres e intuitivas (traduzem o instinto criador do artista) - A obra de arte torna-se autónoma em relação à Natureza Dérain, A Ponte de Westminster, 1906
  • 19. O FAUVISMO Maurice Vlaminck (1876-1958) - Expressão exagerada e dinâmica - Utilização de cores gritantes e antinaturalistas, à maneira de Van Gogh - Pinceladas pastosas e matéricas Vlaminck, Jardins de Chatou, 1904
  • 20. O FAUVISMO Albert Marquet (1875-1947) - Pintou sobretudo robustos retratos e nus - Expressionismo turbulento - Fundo pintado numa técnica quase pontilhista Albert Marquet, Nu Fauve, 1898
  • 21. Analisa a p. 190 do teu manual e responde: 1. Qual a origem e o significado do termo “fauve”? 2. Indica o nome de três artistas cujas obras tenham influenciado directamente o fauvismo. 3. Descreve as características formais do Fauvismo. 4. Refere as razões da extinção do fauvismo . O FAUVISMO
  • 23. Nasceu na Alemanha e difundiu-se pelos países do Norte da Europa + Primeira década do séc. XX (c. 1905 – c.1930) + Simultâneo do Fauvismo francês O EXPRESSIONISMO
  • 24. O Expressionismo é o reflexo dos tempos conturbados anteriores e contemporâneos à primeira grande guerra e da renovação cultural e das mentalidades que então se operou. Deu mais importância à expressão de sentimentos, sensações, emoções, ideias… à expressão da interioridade. O EXPRESSIONISMO
  • 25. Reação contra o sentido cientista do Impressionismo e a vocação decorativa da Arte Nova Caracteriza-se pela procura de formas artísticas que exprimissem mais livre e subjectivamente os sentimentos do artista em relação à realidade. O EXPRESSIONISMO
  • 26. Influências: - Conceito de Einfühlung (empatia, intuição)de Wilhelm Worringer – a obra deve explicar-se pelas sensações que as formas despertam em nós, de modo intuitivo e empático - As perturbações político-económicas que se viveram na viragem do século. - Inspiração na arte negra e tribal, genuína, isenta da influência da civilização moderna. - Formas e cores de Paul Gauguin e Van Gogh - Cores violentas e fortes dos fauvistas O EXPRESSIONISMO Van Gogh, Retrato do Dr. Gachet
  • 27. Influências: - James Ensor (pintor de máscaras e do macabro, com fisionomias deformadas e caricaturas tratadas com cor vibrante e matérica, de grande brutalidade e sentido satírico); - Edvard Munch - pintura dramática, solidão e desespero emocional, numa pincelada ondulante, formas e cores fortes, simbólicas e emotivas O EXPRESSIONISMO Edvard Munch, O Grito
  • 28.
  • 29. “Caminhava eu com dois amigos pela estrada, então o sol pôs-se; de repente o céu tornou-se vermelho como o sangue. Parei, apoiei-me no muro, morto da cansaço. Línguas de fogo e sangue estendiam-se sobre o fiorde azul, negro. Os meus amigos continuaram a andar enquanto eu, sozinho e tremendo de medo, senti o grito imenso, infinito, da natureza”. O EXPRESSIONISMO Edvard Munch, O Grito
  • 30. Exploração da força expressiva da cor + Tradução de estados da alma (comoção ou angústia) + Deformação das linhas e acentuação dos contrastes cromáticos para exprimir estados psíquicos e anímicos O EXPRESSIONISMO Edvard Munch, O Grito
  • 31. Na Alemanha vão existir dois grupos principais de expressionismo: - Die Brucke (A Ponte) - Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul). O EXPRESSIONISMO Ernst Kirchner, Potsdam Platz, Berlim, 1914 Wassily Kandinsky, Improvisação Dilúvio, 1913
  • 32. Die Brücke (A Ponte) procuravam “a ponte que leva do visível para o invisível” Formado em Dresden em 1905, por Ernst-Ludwig Kirchner, Karl Schmidt- Rottluff, Emil Nolde (1867-1956) e sob a liderança de Max Pechstein (1881- 1955). O EXPRESSIONISMO Die Brücke Rejeição do Impressionismo e do academismo + Procura, através de uma expressão direta, emotiva e muitas vezes violenta, da representação da realidade social e política desse período.
  • 33. Este movimento ultrapassou os objectivos do fauvismo, meramente estéticos e plástico pretendeu expressar os sentimentos e traumas da alma humana com vigor, dramatismo, coragem, angústia e violência, com crítica social e política (a prostituição, a miséria, a opressão, injustiça). O EXPRESSIONISMO Die Brücke Emil Nolde, Crucificação, detalhe da “Vida de Cristo”, 1911-1912
  • 34. Obras de forte pendor social, criticando o mundo moderno – daí que as figuras expressem os sentimentos humanos com vigor, dramatismo e até angustia, revelando o lado trágico da vida. O EXPRESSIONISMO Die Brücke Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
  • 35. Obras de forte pendor social, criticando o mundo moderno – daí que as figuras expressem os sentimentos humanos com vigor, dramatismo e até angustia, revelando o lado trágico da vida. Temas: - Vida íntima - Sexualidade - Erotismo - Cenas de rua, cafés e cabarets - retratos O EXPRESSIONISMO Die Brücke Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
  • 36. Características formais O EXPRESSIONISMO Die Brücke Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
  • 37. Características formais - adoptou uma linguagem figurativa, de formas simplificadas, deformadas e aguçadas contornadas a negro e preenchidas por cores ou violentas ou sombrias e uma pincelada vigorosa. - O desenho devia ser dado através da cor, sem prévio delineamento; a cor foi a substância matérica utilizada com independência em relação ao objecto. O EXPRESSIONISMO Die Brücke Ernst Kirchner, Mulher na Rua, 1915
  • 38. Características formais - execução espontânea e temperamental, desenfreada e irreflectida, fazendo com que as obras parecessem esboços inacabados, com espaços da tela por pintar. procura de uma linguagem plástica arcaizante, primitiva e infantil. O EXPRESSIONISMO Die Brücke Otto Müller, Ciganas
  • 39. - Linhas simplificadas das figuras Para esta estética contribuiu a redescoberta das técnicas da xilogravura (Kirchner) e da gravura sobre metal (E.Nolde) O EXPRESSIONISMO Die Brücke Kichner, Auto-retrato
  • 40. Principais artistas deste movimento: Ernest Ludwig Kirchner O impulsionador do grupo; mostra a vida que pulsa nas grandes cidades alemãs. O EXPRESSIONISMO Die Brücke Kirchner, Visita ao Zoo
  • 41. Principais artistas deste movimento: Emil Nolde Procurou a essência primitiva da vida, inspirando- se na figuração dos povos primitivos. O EXPRESSIONISMO Die Brücke Emil Nolde, Crucificação, detalhe da “Vida de Cristo”, 1911-1912
  • 42. Principais artistas deste movimento: Schmidt-Rottluff Transparece nas suas paisagens a emoção e o mistério, dados pela violência cromática. O EXPRESSIONISMO Die Brücke Schmidt-Rottluff, Três Mulheres à beira-mar, 1919
  • 43. Principais artistas deste movimento: Eric Heckel Praticou a xilogravura, onde sobressaem as linhas e formas simplificadas. O EXPRESSIONISMO Die Brücke Eric Heckel, Moinho de vento, 1909
  • 44. Principais artistas deste movimento: Otto Müller Muito influenciado por Gauguin, na figuração e na cor antinaturalista e planificada.) O EXPRESSIONISMO Die Brücke Otto Müller, Ciganas
  • 45. Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Nasceu em 1910 na cidade de Munique, impulsionado pelo artista russo Wassily Kandinsky, juntamente com Franz Marc, a quem se juntariam outros: - Auguste Macke - Franz Marc - Paul Klee O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Cavalos vermelho e azul, de Franz Marc, 1912
  • 46. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Wassily Kandinsky, Capa no nº 1 da Revista “O Cavaleiro Azul”, 1912 “Já não vivemos numa época em que a arte seja útil à vida. Aquilo que hoje resulta em arte autêntica parece ser antes o sedimento de todas as forças que a vida não pôde absorver. Ela è a equação que os espíritos abstractamente meditativos tiram da vida, sem desejarem nada, sem objectivo e sem discussão. Do Catálogo da Exposição de 1913
  • 47. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Wassily Kandinsky, Capa no nº 1 da Revista “O Cavaleiro Azul”, 1912 A arte é o produto da unidade existencial entre o Homem e a Natureza Construção das obras de arte a partir das experiências, dos sentimentos subjectivos e das sensações de cada um, atribuindo- lhes um sentido global, de modo a ser compreendido por todos
  • 48. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Wassily Kandinsky, Capa no nº 1 da Revista “O Cavaleiro Azul”, 1912 Pretensão de criar uma arte livre, não dirigida a nenhum público em especial, que nascesse da meditação e da necessidade interior de cada artista, na procura pessoal da harmonia espiritual
  • 49. Kandinsky comparou a linguagem plástica à musical, definindo a obra como uma necessidade interior, à qual se cede através da intuição e da empatia. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Wassily Kandinsky, A Fuga, 1914
  • 50. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Franz Marc, Cavalos Azuis, 1911 Inexistência de uma única identidade estilística + Características comuns
  • 51. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Franz Marc, Cavalos Azuis, 1911 Características comuns: - Preferência por temáticas naturalistas (irreais e alegóricas), por vezes com cenas sociais ou da vida animal
  • 52. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Paul Klee, Vento Quente no Jardim de Marc, 1915 Características comuns: - Execução refletida e pensada (menos intuitivo do que o grupo Die Brücke) - Simplificação/geometrização das formas (tendência para uma crescente abstratização) - Valorização da mancha cromática na construção das formas: utilização de cores antinaturais, arbitrárias, mas claras e líricas, com sentido de complementaridade
  • 53. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Kandinsky, Composição IV, 1911 Características comuns: - Composições equilibradas, orientadas sobretudo por linhas circulares e sinuosas, segundo ritmos musicais - Exploração mágica e mística dos conteúdos, próxima da musicalidade: expressividade lírica e emotiva
  • 54. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Kandinsky, Composição IV, 1911 Características comuns: - A dimensão lírica da cor, a sua claridade, pura e límpida, podendo ser dura ou macia, quente ou fria, mas sempre como necessidade interior - O dinamismo da forma na sua capacidade de fascinar, a sua magia interna, a sua emoção, a sua energia psíquica
  • 55. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Paul Cézanne, Mont Sainte-Victoire, 1904-1906 Influências: - Cézanne: procura de autonomia do quadro em relação à natureza + tratamento do espaço
  • 56. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Matisse, A Música Influências: - Cézanne: procura de autonomia do quadro em relação à natureza + tratamento do espaço - Matisse: tratamento mágico e lírico da cor
  • 57. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Franz Marc Cenas naturalistas com a presença animal + Composições rítmicas e abstractas + Procura de arte espiritual liberta de toda a ligação com a fachada estlizada da natureza Franz Marc, Cavalos Azuis, 1911 Utilizou o cavalo, em perfeita sintonia com o mundo, onde a cor se liberta de qualquer conotação ou dependência naturalista, para exprimir apenas emoção da mais elevada espiritualidade
  • 58. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) August Macke, No Jardim de Oberhofen, 1912 August Macke Utilização de uma linguagem figurativa: paisagens animadas por cenas sociais + Conotação espiritual e lírica devido à harmonia do colorido
  • 59. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) Paul Klee A pintura é reveladora de uma arte muito pessoal, baseada num desenho muito elaborado, situado entre a figuração e a abstracção. Paul Klee, Vento Quente no Jardim de Marc, 1915
  • 60. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) W.Kandinsky “Não é a questão da forma que interessa mas o conteúdo, o espírito, o tom interior” Kandinsky, Composição IV, 1911
  • 61. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) W.Kandinsky Concluiu que a pintura pode viver sem objecto. Em 1910 pintou a primeira obra abstracta, sendo o criador do Abstraccionismo lírico. No ciclo das composições, a harmonia é conseguida com as cores primárias, diluindo ou difundindo deliberadamente a forma(apesar de utilizar o contorno a negro). Kandinsky, Composição IV, 1911
  • 62. O EXPRESSIONISMO Der Blaue Reiter (O Cavaleiro Azul) O grupo dispersou-se com a Primeira Guerra Mundial. Marc e Macke morreram. Kandinsky e Klee, prosseguiram as suas pesquisas plásticas e foram professores na Bauhaus.
  • 63. Resumo das características do Expressionismo: · O realismo e as proporções são distorcidas pelas emoções do artista · Arte surgida de reacções subjectivas à realidade e não directamente da realidade · Emotividade e introspecção · Expressão de sentimentos humanos, com vigor, dramatismo e angústia · Prevalência da cor sobre o desenho · Esboço tosco, inacabado · Linguagem arcaizante, primitiva, infantil O EXPRESSIONISMO
  • 64. Através da análise das páginas 192 a 195, responde às seguintes questões: 1. Integra o aparecimento do Expressionismo no contexto da época. 2. Identifica as principais influências do movimento. 3. Descreve as características da linguagem estética do grupo Die Brucke. 4. Refere os principais pintores desse grupo. 5. Descreve as teorias expressas por Kandinsky nas obras “Do Espiritual na Arte” e “O Almanaque do Cavaleiro Azul”. O EXPRESSIONISMO
  • 66. O DADAÍSMO Movimento cultural, artístico e filosófico abrangente - Cinema - Teatro - Fotografia - Pintura - Escultura Apareceu: - Durante a 1ª Guerra Mundial - Zurique (Suíça) - Nova Iorque (EUA) Intelectuais refugiados de guerra A Fonte, Marcel Duchamp
  • 68. O DADAÍSMO Dada = palavra alemã que caricaturiza os sons balbuciados pelos bebés O termo anedótico simboliza a intenção dos intelectuais: impressionados pelo sofrimento da guerra, pretendiam negar os conceitos de arte e de objeto e as técnicas artísticas tradicionais A autêntica arte seria a antiarte Anulam o conceito de arte Roda de bicicleta, Marcel Duchamp
  • 69. O DADAÍSMO Critica aos regimes capitalistas e burgueses vigentes pela violência e crueldade da guerra Proclamavam o vazio espiritual e o sentimento do absurdo que a guerra criara – tornando obsoleta a cultura tradicional A imagem das Estrelas, Kurt Schwitters
  • 70. O DADAÍSMO Defesa da destruição da sociedade burguesa de forma a permitir a construção de uma nova sociedade Suportes teóricos: - Filosofia negativista de Schopenhauer - Teorias niilistas de Nietszche - Anarquismo A imagem das Estrelas, Kurt Schwitters
  • 71. O DADAÍSMO Focos iniciais do Dadaísmo: - Zurique: em 1915-16, no Cabaret Voltaire nasceu a ideia do movimento - Tristan Tzara - Jean Arp - Hugo Ball - Richard Hüsselbeck O crítico de arte, Raoul Hausmann
  • 72. O DADAÍSMO Focos iniciais do Dadaísmo: - Nova Iorque - Marcel Duchamp - Man Ray - Francis Picabia - Marius de Zayas - Arensberg Lançamento da Revista 291 (1915), órgão do movimento antipintura Duchamp, A Noiva Despida Pelos Seus Jovens Pretendentes
  • 73. O DADAÍSMO Fim da guerra Formação de novos núcleos devido à dispersão geográfica dos membros dos grupos iniciais: - Barcelona: Picabia e Duchamp - Colónia: Max Ernst - Hanover: Kurt Schwitters - Berlim: Hüsselbeck e Georg Grosz - Paris: Breton, Aragon, Paul Éluard, A. Ribemont
  • 74. O DADAÍSMO Fim da guerra Formação de novos núcleos devido à dispersão geográfica dos membros dos grupos iniciais: - Barcelona: Picabia e Duchamp - Colónia: Max Ernst - Hanover: Kurt Schwitters - Berlim: Hüsselbeck e Georg Grosz - Paris: Breton, Aragon, Paul Éluard, A. Ribemont
  • 75. O DADAÍSMO Dissidências e desentendimentos a partir de 1922 Dispersão do movimento Surrealismo Duchamp, Com um Barulho Secreto, 1916
  • 76. O DADAÍSMO Francis Picabia, Retrato de uma Jovem Americana em Estado de Nudez, 1915, vela de automóvel CARACTERÍSTICAS - Temátivas provocatórias: conteúdos insólitos e incongruentes, aparentemente sem sentido (nonsense)
  • 77. O DADAÍSMO CARACTERÍSTICAS - Execução plástica baseada no cubismo sintético, mas adicionando técnicas inventadas: - na pintura - a mistura de colagem com objetos encontrados (objects-trouvé), fotomontagens, merzbilders; - na fotografia - fotomontagens e os rayographs - na escultura – ready-made (urinol) – neste caso pretendiam demonstrar que o que determina o valor estético de algo, é um ato mental.
  • 78. O DADAÍSMO CARACTERÍSTICAS - Execução plástica baseada no cubismo sintético, mas adicionando técnicas inventadas: - na pintura - a mistura de colagem com objetos encontrados (objects-trouvé), fotomontagens, merzbilders; - na fotografia - fotomontagens e os rayographs - na escultura – ready-made (urinol) – neste caso pretendiam demonstrar que o que determina o valor estético de algo, é um ato mental. Objetos já feitos, retirados da sua função utilitária habitual, assinados e tomados por obras de arte. A única ação do artista é descontextualizá-los e com isso atribuir-lhes uma nova função, logo um novo valor mental.
  • 79. O DADAÍSMO Max Ernst, Fruto de Uma Longa Experiência, 1919 CARACTERÍSTICAS - Intencionalidade: as obras pretenderam inquietar, provocar o público, promovendo a consciencialização do vazio e do absurdo, contestando a ideia de arte e levando à sua própria negação.
  • 80. O DADAÍSMO - libertação da arte de valores pré- estabelecidos - procura de experiências e formas expressivas mais apropriadas à expressão do homem moderno e da sua vida. - Defesa da ideia de que o artista deve voltar a artesão ou operário especializado, contribuindo de modo útil para o bem estar da sociedade Max Ernest. A Grande Roda Ortocromática que Faz Amor Sob Medida, 1920. Lápis e tinta sobre papel colado sobre cartão.
  • 81. O Violino de Ingres, Man Ray, 1924 Banhista de Valpiçon, Ingres, 1808
  • 83. O DADAÍSMO Influência sobre outros movimentos: • Surrealismo • Bauhaus • New Dada(após 1945) • Artes Conceptual, Povera e Comportamental ou Euvironement Kurt Schwitters, Merzbilder 1A
  • 84. O DADAÍSMO Sugestões a ver: http://www.youtube.com/watch?v=qUIP_HS-vDo http://www.youtube.com/watch?v=sGArcwGJts0&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=m7QspfFDdmU&feature=related http://www.youtube.com/watch?v=rSZvoxPeOlg
  • 85. O DADAÍSMO 1. Onde e quando surgiu o Dadaismo? 2. Qual a importância do café Voltaire? 3. Quais os objetivos do movimento? 4. Representantes/características do movimento e técnicas 5. Escolher 3 autores e 3 obras para caraterizar 6. Ler o Manifesto dadaísta.