SlideShare uma empresa Scribd logo
•O Fauvismo (feras selvagens) foi um movimento
de curta duração, na passagem do Século XIX para
o Século XX.
Madame Matisse (1905) -
 abandono do uso naturalista
da cor. Líder dos fauvistas.
Para Matisse, pintar não é
  mais do que «construir
          com as cores».
              As sombras
desaparecem, substituídas
    por tons mais escuros.
A Dança (1909-1910) - Uma das realizações
mais notáveis de Matisse, que expressa vigor e
leveza ao mesmo tempo.
Nu Azul (1912)



                          Henri Matisse
Mulher de chapéu (1905)
Henri Matisse,A Cigana (1906)   Maurice de Vlaminck, Jardins de Chateau (1904)
   Uso de cores forte e puras, empregadas de forma anárquica («selvagem»)
   Rejeição de regras tradicionais de pintura
   Recusa em penetrar em questões de índole social e psíquica.
 as cores puras em grandes manchas e com fortes contrastes, para acentuar
 ao máximo o valor expressivo da cor.
Duchamps
O movimento Dadá surgiu em
Zurique, em 1916, no decurso da
Primeira Guerra Mundial, pela
mão de artistas que aí se
encontravam refugiados. Negando
o passado, o presente e o
futuro, o Dadaísmo é a total falta
de perspectiva diante da guerra;
daí ser contra as teorias, pouco se
importando com o espetador.
Contestavam o belicismo e todos
os valores considerados eternos.
Para isso, utilizava    a ironia, a
troça, o insulto, de modo a destruir
a ordem e estabelecer o caos.
                                       Raoul Hausmann, Cabeça
O próprio nome do movimento não
                                       Mecânica, 1919-1920. Madeira, couro
tem significado algum.                 e alumínio.
Duchamp foi o responsável pelo conceito
de ready made, que é o transporte de um
elemento da vida quotidiana, a priori não
reconhecido como artístico, para o campo das
artes A Fonte, obra que fez repercutir o nome
de Duchamp ao redor do mundo -
especialmente depois de sua morte -, está
baseada nesse conceito de ready made:
pensada inicialmente por Duchamp (que
enviou-a com a assinatura "R. Mutt" -fábrica
que produziu o urinol-, lida ao lado da peça)
para figurar entre as obras a serem julgadas
para um concurso de arte promovido
nos Estados Unidos, a escultura foi rejeitada
pelo júri, uma vez que, na avaliação deste, não
havia nela nenhum sinal de labor artístico. Com
efeito, trata-se de um urinol comum, branco e
esmaltado, comprado numa loja de construção
e assim mesmo enviado ao júri, entretanto, a
despeito do gesto de Duchamp, há quem veja
nas formas do urinol uma semelhança com as
formas femininas, de modo que se pode ensaiar
uma explicação psicanalítica, quando se tem
em mente o membro masculino lançando urina
sobre a forma feminina.
-Irreverência artística;
- Combate às formas de arte institucionalizadas;
- Crítica ao capitalismo e ao consumismo;
- Ênfase no absurdo e nos temas e conteúdos sem
lógica;
- Uso de vários formatos de expressão i(objetos do
quotidiano, sons, fotografias, poesias, músicas, jorn
ais, etc) na composição das obras de artes
plásticas;
- Forte caráter pessimista e irónico, principalmente
em relação aos acontecimentos políticos do mundo.
Giacomo Balla
Duchamp, Nu descendo a Escada
•Temas que exaltam a vida moderna da
     cidade, a máquina , a velocidade e o
                  dinamismo
          •Sobreposição de imagens
    •Uso do contraste de cores(vermelhos
           berrantes, laranjas, preto)
 •Uso de linhas contorcidas, emaranhadas e
                    espirais

-Pintores: Umberto Boccioni e Fillipo Marinetti
Uso de cores
fortes




               Rosto expressivo
               para acentuar as
               emoções




 Corpo mal
 esboçado
Natureza Morta (A Assassina), Edvard
Munch, 1906, Óleo s/ tela, 110x120 cm. Munch-
museet. Oslo
Edvard Munch




Vampiro, 1893; óleo sobre tela
•Procura revelar o interior do indivíduo

•Deformação da formas ou objectos e das
  cores de modo a representar o drama
                humano
•Representação dos vícios e sentimentos (
       angústia, terror), a miséria

  -Pintores: Van Gogh, Edward Munch

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesEline Lima
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
ExpressionismoAgostinho
 
Arte no Séc. XX
 Arte no Séc. XX Arte no Séc. XX
Arte no Séc. XXomniblog
 
Os finais do século xix
Os finais do século xixOs finais do século xix
Os finais do século xixCarla Teixeira
 
Vanguardas Artísticas Europeias
Vanguardas Artísticas EuropeiasVanguardas Artísticas Europeias
Vanguardas Artísticas EuropeiasJhonatan Max
 
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»   Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor» Carlos Pinheiro
 
A arte do século XIX
A arte do século XIXA arte do século XIX
A arte do século XIXbecresforte
 
Primeira metade do século XX
Primeira metade do século XXPrimeira metade do século XX
Primeira metade do século XXCEF16
 
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5   Fauvismo Expressionismo CubismoAula 5   Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5 Fauvismo Expressionismo CubismoAline Okumura
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Ana Barreiros
 
Arte, revolução e século XX
Arte, revolução e século XXArte, revolução e século XX
Arte, revolução e século XXNuria Barbosa
 

Mais procurados (20)

Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Vanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slidesVanguardas europeias slides
Vanguardas europeias slides
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Arte no Séc. XX
 Arte no Séc. XX Arte no Séc. XX
Arte no Séc. XX
 
Arte Século XX
Arte Século XXArte Século XX
Arte Século XX
 
Arte seculo xx 4
Arte seculo xx 4Arte seculo xx 4
Arte seculo xx 4
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Os finais do século xix
Os finais do século xixOs finais do século xix
Os finais do século xix
 
Vanguardas Artísticas Europeias
Vanguardas Artísticas EuropeiasVanguardas Artísticas Europeias
Vanguardas Artísticas Europeias
 
Vanguardas Européias
Vanguardas EuropéiasVanguardas Européias
Vanguardas Européias
 
HCA grupo A
HCA   grupo AHCA   grupo A
HCA grupo A
 
O realismo na pintura
O realismo na pinturaO realismo na pintura
O realismo na pintura
 
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»   Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
Gustave Courbet - «O ateliê do pintor»
 
A arte do século XIX
A arte do século XIXA arte do século XIX
A arte do século XIX
 
Primeira metade do século XX
Primeira metade do século XXPrimeira metade do século XX
Primeira metade do século XX
 
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5   Fauvismo Expressionismo CubismoAula 5   Fauvismo Expressionismo Cubismo
Aula 5 Fauvismo Expressionismo Cubismo
 
Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo Naturalismo, realismo
Naturalismo, realismo
 
Arte romantica
Arte romanticaArte romantica
Arte romantica
 
Arte, revolução e século XX
Arte, revolução e século XXArte, revolução e século XX
Arte, revolução e século XX
 
9 realismo e impressionismo
9 realismo e impressionismo9 realismo e impressionismo
9 realismo e impressionismo
 

Destaque

A cultura do cinema ficha 1
A cultura do cinema  ficha 1A cultura do cinema  ficha 1
A cultura do cinema ficha 1Carla Teixeira
 
O desenvolvimento cultural e científico parte 1
O desenvolvimento cultural e científico parte 1O desenvolvimento cultural e científico parte 1
O desenvolvimento cultural e científico parte 1Carla Teixeira
 
A cultura do cinema ficha 2
A cultura do cinema  ficha 2A cultura do cinema  ficha 2
A cultura do cinema ficha 2Carla Teixeira
 
A cultura do cinema ficha 5-a
A cultura do cinema  ficha 5-aA cultura do cinema  ficha 5-a
A cultura do cinema ficha 5-aCarla Teixeira
 
Cinema – canção de lisboa parte 2
Cinema – canção de lisboa parte 2Cinema – canção de lisboa parte 2
Cinema – canção de lisboa parte 2Carla Teixeira
 
A cultura do cinema ficha 3
A cultura do cinema  ficha 3A cultura do cinema  ficha 3
A cultura do cinema ficha 3Carla Teixeira
 
A cultura do cinema ficha 4
A cultura do cinema  ficha 4A cultura do cinema  ficha 4
A cultura do cinema ficha 4Carla Teixeira
 
Impressionismo e arte nova ficha 4
Impressionismo e arte nova  ficha 4Impressionismo e arte nova  ficha 4
Impressionismo e arte nova ficha 4Carla Teixeira
 
A cultura do cinema ficha 5 b
A cultura do cinema  ficha 5 bA cultura do cinema  ficha 5 b
A cultura do cinema ficha 5 bCarla Teixeira
 
Realismo e arquitctura do ferro ficha 3
Realismo e arquitctura do ferro  ficha 3Realismo e arquitctura do ferro  ficha 3
Realismo e arquitctura do ferro ficha 3Carla Teixeira
 
A cultura da gare contexto
A cultura da gare contextoA cultura da gare contexto
A cultura da gare contextocattonia
 
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesA cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesJoão Couto
 
A cultura da gare ficha 1
A cultura da gare  ficha 1A cultura da gare  ficha 1
A cultura da gare ficha 1Carla Teixeira
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoCarlos Pinheiro
 
A cultura da gare o romantismo ficha 2
A cultura da gare o romantismo ficha 2A cultura da gare o romantismo ficha 2
A cultura da gare o romantismo ficha 2Carla Teixeira
 

Destaque (20)

A cultura do cinema ficha 1
A cultura do cinema  ficha 1A cultura do cinema  ficha 1
A cultura do cinema ficha 1
 
O desenvolvimento cultural e científico parte 1
O desenvolvimento cultural e científico parte 1O desenvolvimento cultural e científico parte 1
O desenvolvimento cultural e científico parte 1
 
A cultura do cinema ficha 2
A cultura do cinema  ficha 2A cultura do cinema  ficha 2
A cultura do cinema ficha 2
 
A cultura do cinema ficha 5-a
A cultura do cinema  ficha 5-aA cultura do cinema  ficha 5-a
A cultura do cinema ficha 5-a
 
Arte século xx3
Arte século xx3Arte século xx3
Arte século xx3
 
Cinema – canção de lisboa parte 2
Cinema – canção de lisboa parte 2Cinema – canção de lisboa parte 2
Cinema – canção de lisboa parte 2
 
A cultura do cinema ficha 3
A cultura do cinema  ficha 3A cultura do cinema  ficha 3
A cultura do cinema ficha 3
 
A cultura do cinema ficha 4
A cultura do cinema  ficha 4A cultura do cinema  ficha 4
A cultura do cinema ficha 4
 
Impressionismo e arte nova ficha 4
Impressionismo e arte nova  ficha 4Impressionismo e arte nova  ficha 4
Impressionismo e arte nova ficha 4
 
A cultura do cinema ficha 5 b
A cultura do cinema  ficha 5 bA cultura do cinema  ficha 5 b
A cultura do cinema ficha 5 b
 
Realismo e arquitctura do ferro ficha 3
Realismo e arquitctura do ferro  ficha 3Realismo e arquitctura do ferro  ficha 3
Realismo e arquitctura do ferro ficha 3
 
Arte seculo xx 4
Arte seculo xx 4Arte seculo xx 4
Arte seculo xx 4
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
A cultura da gare contexto
A cultura da gare contextoA cultura da gare contexto
A cultura da gare contexto
 
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das ArtesA cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
A cultura da Gare - História da Cultura e das Artes
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
A cultura da gare ficha 1
A cultura da gare  ficha 1A cultura da gare  ficha 1
A cultura da gare ficha 1
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
A cultura da gare o romantismo ficha 2
A cultura da gare o romantismo ficha 2A cultura da gare o romantismo ficha 2
A cultura da gare o romantismo ficha 2
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 

Semelhante a Arte século xx 2

Vanguardas do século XX.pdf
Vanguardas do século XX.pdfVanguardas do século XX.pdf
Vanguardas do século XX.pdfRicardo Santos
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAna Barreiros
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismoJunior Onildo
 
Movimento Dada
Movimento DadaMovimento Dada
Movimento Dadahcaslides
 
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
[HAVC] Dadaísmo: Marcel DuchampRicardo Sousa
 
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASGoisBemnoEnem
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASGoisBemnoEnem
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASGoisBemnoEnem
 
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoRevisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoCLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018CLEBER LUIS DAMACENO
 
Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp- -12 slides-
Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp-  -12 slides-Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp-  -12 slides-
Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp- -12 slides-ArtesElisa
 
As Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCulo
As Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCuloAs Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCulo
As Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCuloMarquês de Pombal
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 artecattonia
 
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e SurrealismoVanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e SurrealismoColégio Santa Luzia
 
História da Arte: Expressionismo
História da Arte: ExpressionismoHistória da Arte: Expressionismo
História da Arte: ExpressionismoRaphael Lanzillotte
 

Semelhante a Arte século xx 2 (20)

Vanguardas do século XX.pdf
Vanguardas do século XX.pdfVanguardas do século XX.pdf
Vanguardas do século XX.pdf
 
As grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xxAs grandes ruturas no início do seculo xx
As grandes ruturas no início do seculo xx
 
Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"Tabela "Vanguardas Europeias"
Tabela "Vanguardas Europeias"
 
A arte como expressão expressionismo
A arte como expressão   expressionismoA arte como expressão   expressionismo
A arte como expressão expressionismo
 
Movimento Dada
Movimento DadaMovimento Dada
Movimento Dada
 
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
[HAVC] Dadaísmo: Marcel Duchamp
 
Marcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - DadaismoMarcel Duchamp - Dadaismo
Marcel Duchamp - Dadaismo
 
Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011
Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011
Dadaísmo e Surrealismo - 3ª A - 2011
 
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 1ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
 
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIASARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
ARTE | SEMANA 35 | 3ª Série | VANGUARDAS EUROPEIAS
 
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneoRevisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
Revisão para o Enem 2018 / Do moderno ao contemporâneo
 
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
Aula História da Arte / Cursinho Novo Colégio 2018
 
Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp- -12 slides-
Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp-  -12 slides-Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp-  -12 slides-
Ensino Médio- Dadaísmo -Marcel Duchamp- -12 slides-
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
 
As Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCulo
As Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCuloAs Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCulo
As Primeiras Grandes TendêNcias Da Pintura Do SéCulo
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 arte
 
Aula Vanguardas Europeias
Aula Vanguardas EuropeiasAula Vanguardas Europeias
Aula Vanguardas Europeias
 
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e SurrealismoVanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
Vanguardas europeias: Futurismo, Cubismo, Expressionismo, Dadaísmo e Surrealismo
 
História da Arte: Expressionismo
História da Arte: ExpressionismoHistória da Arte: Expressionismo
História da Arte: Expressionismo
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptCarla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.pptCarla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.pptCarla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Arte século xx 2

  • 1. •O Fauvismo (feras selvagens) foi um movimento de curta duração, na passagem do Século XIX para o Século XX.
  • 2. Madame Matisse (1905) - abandono do uso naturalista da cor. Líder dos fauvistas. Para Matisse, pintar não é mais do que «construir com as cores». As sombras desaparecem, substituídas por tons mais escuros.
  • 3. A Dança (1909-1910) - Uma das realizações mais notáveis de Matisse, que expressa vigor e leveza ao mesmo tempo.
  • 4. Nu Azul (1912) Henri Matisse Mulher de chapéu (1905)
  • 5. Henri Matisse,A Cigana (1906) Maurice de Vlaminck, Jardins de Chateau (1904) Uso de cores forte e puras, empregadas de forma anárquica («selvagem») Rejeição de regras tradicionais de pintura Recusa em penetrar em questões de índole social e psíquica. as cores puras em grandes manchas e com fortes contrastes, para acentuar ao máximo o valor expressivo da cor.
  • 6.
  • 8. O movimento Dadá surgiu em Zurique, em 1916, no decurso da Primeira Guerra Mundial, pela mão de artistas que aí se encontravam refugiados. Negando o passado, o presente e o futuro, o Dadaísmo é a total falta de perspectiva diante da guerra; daí ser contra as teorias, pouco se importando com o espetador. Contestavam o belicismo e todos os valores considerados eternos. Para isso, utilizava a ironia, a troça, o insulto, de modo a destruir a ordem e estabelecer o caos. Raoul Hausmann, Cabeça O próprio nome do movimento não Mecânica, 1919-1920. Madeira, couro tem significado algum. e alumínio.
  • 9. Duchamp foi o responsável pelo conceito de ready made, que é o transporte de um elemento da vida quotidiana, a priori não reconhecido como artístico, para o campo das artes A Fonte, obra que fez repercutir o nome de Duchamp ao redor do mundo - especialmente depois de sua morte -, está baseada nesse conceito de ready made: pensada inicialmente por Duchamp (que enviou-a com a assinatura "R. Mutt" -fábrica que produziu o urinol-, lida ao lado da peça) para figurar entre as obras a serem julgadas para um concurso de arte promovido nos Estados Unidos, a escultura foi rejeitada pelo júri, uma vez que, na avaliação deste, não havia nela nenhum sinal de labor artístico. Com efeito, trata-se de um urinol comum, branco e esmaltado, comprado numa loja de construção e assim mesmo enviado ao júri, entretanto, a despeito do gesto de Duchamp, há quem veja nas formas do urinol uma semelhança com as formas femininas, de modo que se pode ensaiar uma explicação psicanalítica, quando se tem em mente o membro masculino lançando urina sobre a forma feminina.
  • 10.
  • 11. -Irreverência artística; - Combate às formas de arte institucionalizadas; - Crítica ao capitalismo e ao consumismo; - Ênfase no absurdo e nos temas e conteúdos sem lógica; - Uso de vários formatos de expressão i(objetos do quotidiano, sons, fotografias, poesias, músicas, jorn ais, etc) na composição das obras de artes plásticas; - Forte caráter pessimista e irónico, principalmente em relação aos acontecimentos políticos do mundo.
  • 12.
  • 13.
  • 15.
  • 17. •Temas que exaltam a vida moderna da cidade, a máquina , a velocidade e o dinamismo •Sobreposição de imagens •Uso do contraste de cores(vermelhos berrantes, laranjas, preto) •Uso de linhas contorcidas, emaranhadas e espirais -Pintores: Umberto Boccioni e Fillipo Marinetti
  • 18.
  • 19. Uso de cores fortes Rosto expressivo para acentuar as emoções Corpo mal esboçado
  • 20.
  • 21. Natureza Morta (A Assassina), Edvard Munch, 1906, Óleo s/ tela, 110x120 cm. Munch- museet. Oslo
  • 22. Edvard Munch Vampiro, 1893; óleo sobre tela
  • 23. •Procura revelar o interior do indivíduo •Deformação da formas ou objectos e das cores de modo a representar o drama humano •Representação dos vícios e sentimentos ( angústia, terror), a miséria -Pintores: Van Gogh, Edward Munch