SlideShare uma empresa Scribd logo
HISTÓRIA DA ARTERESUMO
ISMOS – MOVIMENTOS DA ARTE MODERNA
Fonte: PROFESSORA ANDREA DRESSLER
Vimos que o primeiro movimento artístico do
período da arte moderna foi o Impressionismo
Influenciados pelo advento da fotografia,
procuraram captar a impressão da luz nas cores
dos objetos
Com o tempo esse tipo de pintura foi perdendo o
brilho e, um pouco antes da Primeira Guerra
Mundial eclodir, em 1914, o artista moderno sente a
necessidade de produzir uma arte mais
substancial, com maior peso e relevância
São os chamados Movimentos de Vanguarda, que
vamos conhecer agora, ou Ismos (de Modernismo)
CONTEXTO HISTÓRICO
Durante a realização do Salão de Outono em
Paris, em 1905, alguns jovens pintores foram
chamados pelo crítico Louis Vauxcelles de fauves
(do francês “feras”). Assim, ficaram conhecidos
como fauvistas.
FAUVISMO - 1905
O artista fauvista age por
instinto (como uma fera)
não permitindo que o lado
racional interfira na
pintura.
Por isso, a principal
característica desse grupo
é a simplificação das
formas e o emprego das
cores puras.
Essas características
podem ser vistas em “A
Dança”, de Henri Matisse
Características da pintura:
 Simplificação das formas, não há busca pela perspectiva;
 Pincelada violenta, espontânea e definitiva;
 Ausência de pinturas ao ar livre;
 Colorido brutal, pretendendo a sensação física da cor que é subjetiva, não
correspondendo à realidade;
 O movimento rítmico das linhas, texturas e para dar continuidade dos elementos
desenhados;
 Uso exclusivo das cores puras, assim como saem das bisnagas, há pouca ou
nenhuma gradação entre os matizes;
 Pintura por manchas largas, formando grandes planos;
 Impulsividade e experimentação, em vez de exaustivos estudos preparatórios.
No período da história da arte moderna, um grupo de
artistas procurou expressar as emoções humanas e
interpretar as angústias que caracterizam
psicologicamente o homem do início do século XX. É o
que chamamos de subjetivismo na arte.
Esse grupo foi identificado como os Expressionistas.
EXPRESSIONISMO - 1920
A pintura “O Grito”, de Edvard Munch,
retrata justamanete esse estado de
angústia interna que tanto o afligia,
como ele mesmo descreveu:
“Passeava com dois amigos ao pôr-
do-sol – o céu ficou de súbito
vermelho-sangue – eu parei,
exausto, e inclinei-me sobre a
mureta– havia sangue e línguas de
fogo sobre o azul escuro do fjord e
sobre a cidade – os meus amigos
continuaram, mas eu fiquei ali a
tremer de ansiedade – e senti o grito
infinito da Natureza.”
• Pesquisa no domínio psicológico;
• Cores resplandecentes, vibrantes, fundidas ou
separadas;
• Dinamismo improvisado, abrupto, inesperado;
• Pasta grossa, martelada, áspera;
• Técnica violenta: o pincel ou espátula vai e vem,
fazendo e refazendo, empastando ou provocando
explosões;
Principais características:
Ismos  arte moderna- CBG
Trabalho de Arte
 O MEU GRITO- A REFORMA EM
MIM
 Faça sua releitura da obra “O grito”
de Edvard Munch, baseado nessa
pergunta: O que hoje você gritaria
para si mesmo como uma
necessidade de Reforma em sua
vida como cristão? Sua arte
buscará retratar a expressão do
seu grito em busca de uma
mudança interior.
Os artistas cubistas passaram a representar os
objetos com todas as suas partes num mesmo
plano. É como se estivessem abertos e apresentassem
todos os lados no plano frontal em relação ao
espectador.
Existem dois tipos de Cubismo: Analítico e Sintético
CUBISMO - 1907
Principais características:
 geometrização das formas e volumes
 renúncia à perspectiva
 o claro-escuro perde sua função
 representação do volume colorido sobre
superfícies planas
 sensação de pintura escultórica
 cores austeras, do branco ao negro passando
pelo cinza, por um ocre apagado ou um
castanho suave
CUBISMO ANALÍTICO
Pablo Picasso é considerado o pai do Cubismo. Em “Guernica” ele retrata a Guerra Civil
Espanhola em que morreram vários civis da cidade de Guernica. Ele fragmentou as
formas dos seres e colocou tudo em plano frontal (observe as figuras em perfil com
os dois olhos de frente). Além disso usou poucas cores. Essas são as características do
Cubismo Analítico.
CUBISMO SINTÉTICO
já em “A Guitarra”, Picasso introduziu
alterações ao nível da utilização de
novos materiais, incorporando-os na
obra ao misturar tinta com materiais
exteriores.
A partir deste método os quadros
passam então a integrar objetos
comuns, pelo método da colagem, como
o papel, cartão, tecido, madeira, corda,
entre outros objetos do dia a dia. Essas
são as características do Cubismo
Sintético.
O surrealismo foi um movimento da literatura e das artes
plásticas que começou na França, em 1924, sob a liderança do
escritor André Breton. Influenciados pelo estudos do
subconsciente, do psicanalista Sigmund Freud, a arte
surrealista não resulta de pensamentos racionais e lógicos
do artista; ela é, isto sim, resultado de pensamentos absurdos
e ilógicos, como as imagens dos sonhos.
SURREALISMO - 1924
O principal artista surrealista foi o espanhol Salvador Dali. Ele mesmo admitiu que sua
obra era uma loucura: “Como posso querer que meus amigos entendam as coisas loucas
que passam pela minha cabeça, se eu mesmo, não entendo?”
René Magritte
Contraste entre o tratamento realista dos objetos e a atmosfera irreal dos conjuntos.
Justaposição de objetos comuns de e um modo impossível de ser encontrado na vida
real. 
Uma tela abstrata não representa a realidade que nos cerca, nem
narra com imagens uma cena histórica, literária, religiosa ou
mitológica.
A principal característica do movimento abstracionismo é
ausência de relação imediata entre as formas e as cores
representadas e as formas e as cores reais de um ser.
Nesse sentido, a pintura abstrata pode ser classificada em:
INFORMAL (ou lírica) e GEOMÉTRICA
ABSTRACIONISMO - 1910
INFORMAL
Kandinsky é o
principal
representante
desse estilo
abstrato onde as
formas e as cores
são criadas
livremente
GEOMÉTRICO
Já na obra de Piet Mondrian
as formas e as cores são
organizadas de maneira que a
composição resultante é
apenas a expressão de uma
concepção geométrica.
Trabalho de ARTE: A ARTE DA
PALAVRA
  PESQUISA: Arte abstrata informal,
Arte abstrata geométrica, Arte
concreta, Abstracionismo no Brasil,
Arte cinética, Op art
 Crie uma poesia concreta com
base em um versículo bíblico.
Alguns artistas brasileiros tiveram contatos com os
Movimentos de Vanguarda Europeus, os Ismos
Na busca por novos caminhos esses artistas idealizaram
a Semana de Arte Moderna, realizada em fevereiro de
1922 no Teatro Municipal de São Paulo (também chamada
apenas de Semana de 22)
No evento foram apresentados concertos e conferências,
além de exposições de artistas plásticos.
(CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO FEITO POR DI CAVALCANTI)
MODERNISMO NO BRASIL
INFLUÊNCIA EUROPEIA NA ARTE BRASILEIRA
SURREALISMOEXPRESSIONISMO CUBISMO
Anita
Malfatti
Ismael
Nery
Vicente
do Rêgo Monteiro
Em 1928, Tarsila do Amaral, juntamente com seu
marido, o escritor Oswald de Andrade, deu início a
uma nova fase: a Antropofágica (aquele que come)
A teoria antropofágica propunha que o artista deveria
“deglutir” a arte europeia e , a partir dela,
produzir uma arte genuinamente brasileira.
Movimento Antropofágico
“Abaporu” é o melhor exemplo desse antropofagismo:
Tarsila consegue aplicar várias características de
diferentes movimentos europeus: formas
expressionistas, um tanto surrealistas, um pouco de
abstracionismo e até fauvismo. Porém são apenas
traços desses movimentos. O que ela quis mesmo foi
retratar o homem trabalhador brasileiro (indicados
pelas mãos e pés enormes e cabeça pequena), as
cores da bandeira do Brasil, assim como o clima e a
vegetação típica brasileira.
Abaporu é uma palavra de origem tupi e significa
“homem que come”. Mais uma alusão às nossas raízes
culturais.
Fonte:
ANDREA DRESSLER <http://arteeducacaodf.blogspot.com.br/>
HISTÓRIA DAS ARTES<http://www.historiadasartes.com/>

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
Maiara Giordani
 
História da Arte: Surrealismo
História da Arte: SurrealismoHistória da Arte: Surrealismo
História da Arte: Surrealismo
Raphael Lanzillotte
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
Ana Barreiros
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
Ana Barreiros
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Carla Freitas
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
Ana Barreiros
 
Minimalismo a arte conceitual 1
Minimalismo a arte conceitual 1Minimalismo a arte conceitual 1
Minimalismo a arte conceitual 1
Renata Zago
 
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Carla Freitas
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
babelisa
 
Expressionismo Alemão
Expressionismo AlemãoExpressionismo Alemão
Expressionismo Alemão
Michele Pó
 
Impressionismo neo e pos
Impressionismo neo e posImpressionismo neo e pos
Impressionismo neo e pos
jeanecsc
 
Movimento Expressionismo
Movimento ExpressionismoMovimento Expressionismo
Movimento Expressionismo
Andrea Dressler
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Carlos Pinheiro
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
BlogSJuniinho
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
cattonia
 
Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)
sheilabeca
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
Ana Barreiros
 
Pop arte
 Pop arte Pop arte
Pop arte
João Couto
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
Raphael Lanzillotte
 
Body Art
Body ArtBody Art
Body Art
Luana Colosio
 

Mais procurados (20)

Arte - Realismo
Arte - RealismoArte - Realismo
Arte - Realismo
 
História da Arte: Surrealismo
História da Arte: SurrealismoHistória da Arte: Surrealismo
História da Arte: Surrealismo
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismoMódulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
Módulo 8 - Do impressionismo ao Pós-impressionismo
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
Minimalismo a arte conceitual 1
Minimalismo a arte conceitual 1Minimalismo a arte conceitual 1
Minimalismo a arte conceitual 1
 
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico ProfissionalMódulo 10 - Contexto Histórico Profissional
Módulo 10 - Contexto Histórico Profissional
 
Slide De Cubismo
Slide De CubismoSlide De Cubismo
Slide De Cubismo
 
Expressionismo Alemão
Expressionismo AlemãoExpressionismo Alemão
Expressionismo Alemão
 
Impressionismo neo e pos
Impressionismo neo e posImpressionismo neo e pos
Impressionismo neo e pos
 
Movimento Expressionismo
Movimento ExpressionismoMovimento Expressionismo
Movimento Expressionismo
 
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismoImpressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
Impressionismo, neo-impressionismo e pós-impressionismo
 
ARTES: Renascimento
ARTES: RenascimentoARTES: Renascimento
ARTES: Renascimento
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
 
Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)Expressionismo abstrato (1)
Expressionismo abstrato (1)
 
Os caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formalOs caminhos da abstracao formal
Os caminhos da abstracao formal
 
Pop arte
 Pop arte Pop arte
Pop arte
 
História da Arte: Realismo
História da Arte: RealismoHistória da Arte: Realismo
História da Arte: Realismo
 
Body Art
Body ArtBody Art
Body Art
 

Semelhante a Ismos arte moderna- CBG

História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte ModernaHistória da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
Andrea Dressler
 
História da arte arte moderna
História da arte   arte modernaHistória da arte   arte moderna
História da arte arte moderna
Lú Carvalho
 
História da arte - Arte Moderna
História da arte  - Arte ModernaHistória da arte  - Arte Moderna
História da arte - Arte Moderna
Lú Carvalho
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Ana Paula Silva
 
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e AbstracionismoApresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Gabriel Ferraciolli
 
Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
Aline Raposo
 
Arte
ArteArte
O Modernismo na Arte
O Modernismo na ArteO Modernismo na Arte
O Modernismo na Arte
Michele Wilbert
 
Processos criativos em artes visuais
Processos criativos em artes  visuais  Processos criativos em artes  visuais
Processos criativos em artes visuais
Ediléia de Brito
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
Lú Carvalho
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
Junior Onildo
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
Inês Filipa
 
Ruptura e inovação nas artes e na literatura inês modesto
Ruptura e inovação nas artes e na literatura inês modestoRuptura e inovação nas artes e na literatura inês modesto
Ruptura e inovação nas artes e na literatura inês modesto
ceufaias
 
A arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xxA arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xx
Itamir Beserra
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Jorge Almeida
 
A Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XXA Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XX
MartadeAmorimMendona
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
Sergio Proença
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
ammarahmonteiro
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
Luana Colosio
 
Aula 9
Aula 9Aula 9

Semelhante a Ismos arte moderna- CBG (20)

História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte ModernaHistória da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
História da arte - Os ismos - Movimentos da Arte Moderna
 
História da arte arte moderna
História da arte   arte modernaHistória da arte   arte moderna
História da arte arte moderna
 
História da arte - Arte Moderna
História da arte  - Arte ModernaHistória da arte  - Arte Moderna
História da arte - Arte Moderna
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e AbstracionismoApresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
Apresentação de História da Arte - G5 - Fovismo, Cubismo e Abstracionismo
 
Vanguardas CBG
Vanguardas CBGVanguardas CBG
Vanguardas CBG
 
Arte
ArteArte
Arte
 
O Modernismo na Arte
O Modernismo na ArteO Modernismo na Arte
O Modernismo na Arte
 
Processos criativos em artes visuais
Processos criativos em artes  visuais  Processos criativos em artes  visuais
Processos criativos em artes visuais
 
Arte moderna
Arte modernaArte moderna
Arte moderna
 
Fauvismo
FauvismoFauvismo
Fauvismo
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Ruptura e inovação nas artes e na literatura inês modesto
Ruptura e inovação nas artes e na literatura inês modestoRuptura e inovação nas artes e na literatura inês modesto
Ruptura e inovação nas artes e na literatura inês modesto
 
A arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xxA arte da primeira metade do século xx
A arte da primeira metade do século xx
 
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e SurrealismoCubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
Cubismo, Abstraccionismo, Futurismo e Surrealismo
 
A Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XXA Arte e a Ciência no Séc.XX
A Arte e a Ciência no Séc.XX
 
Arte Contemporânea
Arte ContemporâneaArte Contemporânea
Arte Contemporânea
 
Artes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EVArtes - Trabalho de história e EV
Artes - Trabalho de história e EV
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
Aula 9
Aula 9Aula 9
Aula 9
 

Mais de Aline Raposo

Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
Aline Raposo
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
Aline Raposo
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
Aline Raposo
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBG
Aline Raposo
 
Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco
Aline Raposo
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
Aline Raposo
 
Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4
Aline Raposo
 
Arte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscarasArte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscaras
Aline Raposo
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
Aline Raposo
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
Aline Raposo
 
Tabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçaoTabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçao
Aline Raposo
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
Aline Raposo
 
Apresentação teatro medieval
Apresentação teatro medievalApresentação teatro medieval
Apresentação teatro medieval
Aline Raposo
 
A xilogravura no cordel
A xilogravura no cordelA xilogravura no cordel
A xilogravura no cordel
Aline Raposo
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
Aline Raposo
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Aline Raposo
 
Maneirismo e rococó
Maneirismo e rococóManeirismo e rococó
Maneirismo e rococó
Aline Raposo
 
Artes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicasArtes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicas
Aline Raposo
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
Aline Raposo
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementos
Aline Raposo
 

Mais de Aline Raposo (20)

Resumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBGResumo idade media- CBG
Resumo idade media- CBG
 
Roma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBGRoma e paleocristã- CBG
Roma e paleocristã- CBG
 
Textura aula 7 ano- CBG
Textura  aula 7 ano- CBGTextura  aula 7 ano- CBG
Textura aula 7 ano- CBG
 
Arte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBGArte barroca luz e sombra- CBG
Arte barroca luz e sombra- CBG
 
Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco Luz e Sombra e artes do Barroco
Luz e Sombra e artes do Barroco
 
Arte grega e romana
Arte grega e romanaArte grega e romana
Arte grega e romana
 
Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4Tabela reforma parte 4
Tabela reforma parte 4
 
Arte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscarasArte pre colombiana e máscaras
Arte pre colombiana e máscaras
 
Arte grega
Arte gregaArte grega
Arte grega
 
Teatro grego
Teatro gregoTeatro grego
Teatro grego
 
Tabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçaoTabela reforma ultima apresentaçao
Tabela reforma ultima apresentaçao
 
Parâmetros do som
Parâmetros do somParâmetros do som
Parâmetros do som
 
Apresentação teatro medieval
Apresentação teatro medievalApresentação teatro medieval
Apresentação teatro medieval
 
A xilogravura no cordel
A xilogravura no cordelA xilogravura no cordel
A xilogravura no cordel
 
Gêneros dramáticos
Gêneros dramáticosGêneros dramáticos
Gêneros dramáticos
 
Arte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; NeoclassicismoArte acadêmica; Neoclassicismo
Arte acadêmica; Neoclassicismo
 
Maneirismo e rococó
Maneirismo e rococóManeirismo e rococó
Maneirismo e rococó
 
Artes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicasArtes clássica e não clássicas
Artes clássica e não clássicas
 
Arte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° anoArte egipicia 1° ano
Arte egipicia 1° ano
 
Arte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementosArte, leitura e elementos
Arte, leitura e elementos
 

Último

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Bibliotecas Escolares AEIDH
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 

Último (20)

Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
Boletim informativo - Contacto - julho de 2024
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
Endereços — Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia - ...
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 

Ismos arte moderna- CBG

  • 1. HISTÓRIA DA ARTERESUMO ISMOS – MOVIMENTOS DA ARTE MODERNA Fonte: PROFESSORA ANDREA DRESSLER
  • 2. Vimos que o primeiro movimento artístico do período da arte moderna foi o Impressionismo Influenciados pelo advento da fotografia, procuraram captar a impressão da luz nas cores dos objetos Com o tempo esse tipo de pintura foi perdendo o brilho e, um pouco antes da Primeira Guerra Mundial eclodir, em 1914, o artista moderno sente a necessidade de produzir uma arte mais substancial, com maior peso e relevância São os chamados Movimentos de Vanguarda, que vamos conhecer agora, ou Ismos (de Modernismo) CONTEXTO HISTÓRICO
  • 3. Durante a realização do Salão de Outono em Paris, em 1905, alguns jovens pintores foram chamados pelo crítico Louis Vauxcelles de fauves (do francês “feras”). Assim, ficaram conhecidos como fauvistas. FAUVISMO - 1905
  • 4. O artista fauvista age por instinto (como uma fera) não permitindo que o lado racional interfira na pintura. Por isso, a principal característica desse grupo é a simplificação das formas e o emprego das cores puras. Essas características podem ser vistas em “A Dança”, de Henri Matisse
  • 5. Características da pintura:  Simplificação das formas, não há busca pela perspectiva;  Pincelada violenta, espontânea e definitiva;  Ausência de pinturas ao ar livre;  Colorido brutal, pretendendo a sensação física da cor que é subjetiva, não correspondendo à realidade;  O movimento rítmico das linhas, texturas e para dar continuidade dos elementos desenhados;  Uso exclusivo das cores puras, assim como saem das bisnagas, há pouca ou nenhuma gradação entre os matizes;  Pintura por manchas largas, formando grandes planos;  Impulsividade e experimentação, em vez de exaustivos estudos preparatórios.
  • 6. No período da história da arte moderna, um grupo de artistas procurou expressar as emoções humanas e interpretar as angústias que caracterizam psicologicamente o homem do início do século XX. É o que chamamos de subjetivismo na arte. Esse grupo foi identificado como os Expressionistas. EXPRESSIONISMO - 1920
  • 7. A pintura “O Grito”, de Edvard Munch, retrata justamanete esse estado de angústia interna que tanto o afligia, como ele mesmo descreveu: “Passeava com dois amigos ao pôr- do-sol – o céu ficou de súbito vermelho-sangue – eu parei, exausto, e inclinei-me sobre a mureta– havia sangue e línguas de fogo sobre o azul escuro do fjord e sobre a cidade – os meus amigos continuaram, mas eu fiquei ali a tremer de ansiedade – e senti o grito infinito da Natureza.”
  • 8. • Pesquisa no domínio psicológico; • Cores resplandecentes, vibrantes, fundidas ou separadas; • Dinamismo improvisado, abrupto, inesperado; • Pasta grossa, martelada, áspera; • Técnica violenta: o pincel ou espátula vai e vem, fazendo e refazendo, empastando ou provocando explosões; Principais características:
  • 10. Trabalho de Arte  O MEU GRITO- A REFORMA EM MIM  Faça sua releitura da obra “O grito” de Edvard Munch, baseado nessa pergunta: O que hoje você gritaria para si mesmo como uma necessidade de Reforma em sua vida como cristão? Sua arte buscará retratar a expressão do seu grito em busca de uma mudança interior.
  • 11. Os artistas cubistas passaram a representar os objetos com todas as suas partes num mesmo plano. É como se estivessem abertos e apresentassem todos os lados no plano frontal em relação ao espectador. Existem dois tipos de Cubismo: Analítico e Sintético CUBISMO - 1907
  • 12. Principais características:  geometrização das formas e volumes  renúncia à perspectiva  o claro-escuro perde sua função  representação do volume colorido sobre superfícies planas  sensação de pintura escultórica  cores austeras, do branco ao negro passando pelo cinza, por um ocre apagado ou um castanho suave
  • 13. CUBISMO ANALÍTICO Pablo Picasso é considerado o pai do Cubismo. Em “Guernica” ele retrata a Guerra Civil Espanhola em que morreram vários civis da cidade de Guernica. Ele fragmentou as formas dos seres e colocou tudo em plano frontal (observe as figuras em perfil com os dois olhos de frente). Além disso usou poucas cores. Essas são as características do Cubismo Analítico.
  • 14. CUBISMO SINTÉTICO já em “A Guitarra”, Picasso introduziu alterações ao nível da utilização de novos materiais, incorporando-os na obra ao misturar tinta com materiais exteriores. A partir deste método os quadros passam então a integrar objetos comuns, pelo método da colagem, como o papel, cartão, tecido, madeira, corda, entre outros objetos do dia a dia. Essas são as características do Cubismo Sintético.
  • 15. O surrealismo foi um movimento da literatura e das artes plásticas que começou na França, em 1924, sob a liderança do escritor André Breton. Influenciados pelo estudos do subconsciente, do psicanalista Sigmund Freud, a arte surrealista não resulta de pensamentos racionais e lógicos do artista; ela é, isto sim, resultado de pensamentos absurdos e ilógicos, como as imagens dos sonhos. SURREALISMO - 1924
  • 16. O principal artista surrealista foi o espanhol Salvador Dali. Ele mesmo admitiu que sua obra era uma loucura: “Como posso querer que meus amigos entendam as coisas loucas que passam pela minha cabeça, se eu mesmo, não entendo?”
  • 18. Contraste entre o tratamento realista dos objetos e a atmosfera irreal dos conjuntos. Justaposição de objetos comuns de e um modo impossível de ser encontrado na vida real. 
  • 19. Uma tela abstrata não representa a realidade que nos cerca, nem narra com imagens uma cena histórica, literária, religiosa ou mitológica. A principal característica do movimento abstracionismo é ausência de relação imediata entre as formas e as cores representadas e as formas e as cores reais de um ser. Nesse sentido, a pintura abstrata pode ser classificada em: INFORMAL (ou lírica) e GEOMÉTRICA ABSTRACIONISMO - 1910
  • 20. INFORMAL Kandinsky é o principal representante desse estilo abstrato onde as formas e as cores são criadas livremente
  • 21. GEOMÉTRICO Já na obra de Piet Mondrian as formas e as cores são organizadas de maneira que a composição resultante é apenas a expressão de uma concepção geométrica.
  • 22. Trabalho de ARTE: A ARTE DA PALAVRA   PESQUISA: Arte abstrata informal, Arte abstrata geométrica, Arte concreta, Abstracionismo no Brasil, Arte cinética, Op art  Crie uma poesia concreta com base em um versículo bíblico.
  • 23. Alguns artistas brasileiros tiveram contatos com os Movimentos de Vanguarda Europeus, os Ismos Na busca por novos caminhos esses artistas idealizaram a Semana de Arte Moderna, realizada em fevereiro de 1922 no Teatro Municipal de São Paulo (também chamada apenas de Semana de 22) No evento foram apresentados concertos e conferências, além de exposições de artistas plásticos. (CATÁLOGO DA EXPOSIÇÃO FEITO POR DI CAVALCANTI) MODERNISMO NO BRASIL
  • 24. INFLUÊNCIA EUROPEIA NA ARTE BRASILEIRA SURREALISMOEXPRESSIONISMO CUBISMO Anita Malfatti Ismael Nery Vicente do Rêgo Monteiro
  • 25. Em 1928, Tarsila do Amaral, juntamente com seu marido, o escritor Oswald de Andrade, deu início a uma nova fase: a Antropofágica (aquele que come) A teoria antropofágica propunha que o artista deveria “deglutir” a arte europeia e , a partir dela, produzir uma arte genuinamente brasileira. Movimento Antropofágico
  • 26. “Abaporu” é o melhor exemplo desse antropofagismo: Tarsila consegue aplicar várias características de diferentes movimentos europeus: formas expressionistas, um tanto surrealistas, um pouco de abstracionismo e até fauvismo. Porém são apenas traços desses movimentos. O que ela quis mesmo foi retratar o homem trabalhador brasileiro (indicados pelas mãos e pés enormes e cabeça pequena), as cores da bandeira do Brasil, assim como o clima e a vegetação típica brasileira. Abaporu é uma palavra de origem tupi e significa “homem que come”. Mais uma alusão às nossas raízes culturais.