SlideShare uma empresa Scribd logo
YT

UNIVERSIDADE FUMEC
FACULDADE DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS - FACE

RAFAEL DE ALMEIDA LIAL

GESTÃO EM LIDERANÇA DE EQUIPES
Estudo de quais princípios e comportamentos um líder servidor tem que possuir para
alcançar o máximo da confiança e respeito de seus liderados

Belo Horizonte
2013
RAFAEL DE ALMEIDA LIAL

GESTÃO EM LIDERANÇA DE EQUIPES
Estudo de quais princípios e comportamentos um líder servidor tem que possuir para
alcançar o máximo da confiança e respeito de seus liderados

Artigo Científico apresentado à UNIVERSIDADE FUMEC como requisito parcial
para obtenção do certificado de Especialista em MBA em Gerenciamento Estratégico de Projetos.
Orientador: Prof. Renato Ávila Soares de
Souza

Belo Horizonte
2013
RESUMO

Um dos fatores mais difíceis em um projeto ou em qualquer outro ambiente é o de
gerenciar pessoas, conseqüentemente, equipes, pois existe uma variedade altíssima
de personalidades diferentes para poder se comunicar, nesse sentido para um líder
ter um bom relacionamento interpessoal com seus liderados o mesmo tem que
possuir princípios, comportamentos, técnicas e competências para alcançar o
máximo da confiança e o respeito de seus liderados, com isso o mesmo consegue
obter melhores resultados, ter menos conflitos, melhores rendimentos, melhores
qualidades, menores custos e outros fatores que levam ao sucesso em um projeto.
Assim este artigo concentra-se em oferecer uma abordagem sobre a teoria da
liderança servidora, começando pela apresentação do conceito de liderança, depois
enfatiza propriamente a teoria da liderança servidora e por fim apresenta os
princípios, comportamentos e atitudes que um verdadeiro líder servidor tem que
possuir para alcançar a confiança e o respeito de seus liderados.

Palavras - Chave: Liderança. Líder servidor. Equipe. Confiança. Respeito.

ABSTRACT
One of the most difficult factors in a project or in any other environment is to manage
people, consequently teams, for there is a very high variety of different personalities
to be able to communicate in that sense for a leader to have a good interpersonal
relationship with their team members must possess the same principles, behaviors,
skills and techniques to achieve maximum confidence and respect of their
subordinates, with this the leader get the best results, have less conflict, better yields,
better quality, lower costs and other factors that lead to success in a project. So this
article focuses on offering an approach to the theory of servant leadership, starting
with the presentation of the concept of leadership, then properly emphasizes the
theory of servant leadership and finally presents the principles, behaviors and
attitudes that a true servant leader must possess to achieve the trust and respect of
his subordinates.
Key - Words: Leadership. Servant leader. Team. Trust. Respect.
3

1. Introdução

A liderança se transformou ao longo do tempo e houve uma diversificação muito
grande de estilos. Seus estudos começaram em uma linha de raciocínio enfocada no
líder, onde no primeiro momento considera a presença dos traços de personalidade
para diferenciá-lo dos demais. Já em um segundo momento essa idéia é contestada,
informando que o líder possui estilos de comportamento.
A liderança é alcançada quando os liderados reconhecem o líder, porque ser
líder não tem qualquer sentido sem os liderados.
Entretanto, aos poucos vai sendo descoberto uma nova visão servidora onde os
liderados são agentes ativos, capazes de influenciar o comportamento do líder. A
liderança servidora é baseada em princípios básicos e elementares, mas os pilares
são o amor e o caráter. Sua disposição é servir as pessoas atendendo suas
necessidades, essa atividade consiste em determinar um propósito, compartilhar o
aprendizado, elevar os obstáculos, priorizar a confiança para fortalecer o
relacionamento e desenvolver as pessoas.

2. O Conceito de Liderança
O processo de liderança se desenvolve em diversas situações e ambientes: no
trabalho, no esporte, na política, na família, etc. Toda pessoa é capaz de exercer
determinada influência sobre as outras pessoas e, portanto, toda a pessoa é um
líder, em potencial.
Nos vários modelos de liderança, o papel do líder tende a ser diferente, o que
leva a crer que dependendo do papel a ser desempenhado pelo líder (produtor,
diretor, coordenador, monitor, facilitador, mentor, negociador, inovador), o estilo de
liderança a ser desenvolvido também deverá ser diferente.
Segundo Chiavenato (2000), a liderança não é desenvolvida exclusivamente por
indivíduos em cargos gerenciais. Pessoas de um mesmo grupo, setor ou empresa,
podem exercê-la, independentemente de ocuparem posições gerenciais.
Como a liderança facilita as interações pessoais e grupais, ele deve ser uma das
funções primordiais exercidas por estes dirigentes. E o que se entende por
liderança?
4

Para Chiavenato (2000, p.315) a idéia de que “liderar é a capacidade de dirigir
pessoas levando-as a realizar o que deve ser feito, influenciando e mantendo a
equipe produtiva e motivada na busca e obtenção de objetivos propostos”.
Já para Gramigna (2002, p. 65), “liderar é a capacidade para catalisar os
esforços grupais, a fim de atingir ou superar os objetivos organizacionais,
estabelecendo

um

clima

motivador, formando

parcerias e

estimulando

o

desenvolvimento da equipe”.
2.1.

Liderança Servidora
O termo Liderança Servidora foi usado pela primeira vez em 1970, em um

ensaio de Robert K. Greenleaf, executivo da área de treinamento de empresa. A
definição de Greenleaf para liderança servidora no artigo foi a seguinte:
“Começa com o sentimento espontâneo de querer servir. A melhor prova da
liderança como serviço consiste em indagar-se: aqueles a quem sirvo
crescem como pessoas? Tornam-se mais sadias, mais sábias, mais
autônomas, mais aptas tornarem-se elas próprias servidoras?” Robert K.
Greenleaf, The Servant as Leader (GREENLEAF, 1998, p. 1).

A definição cunhada por Greenleaf (1998) enseja que liderar significa servir e
que o líder servidor tem a como principal preocupação a de servir, ajudando as
pessoas a se tornarem melhores e alcançarem plenamente seu potencial. Hunter
(2004), em sua obra “O monge e o executivo - uma história sobre a essência da
liderança” apresenta a liderança servidora como a “habilidade de influenciar pessoas
para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como
sendo para o bem comum”.
A abordagem de Hunter (2004) para a liderança servidora é em relação à
atuação do líder com autoridade e/ou com poder. Onde o poder é a “faculdade de
forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade, por causa de sua posição ou força,
mesmo que a pessoa preferisse não fazer” e autoridade é a “habilidade de levar as
pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer por causa de sua influência
pessoal” (Hunter, 2004, p. 26).
A liderança servidora, segundo Hunter (2004) baseia-se na atuação do líder com
autoridade e não com poder, pois a atuação através do poder faz com que os
liderados sintam medo de seus gestores, que se sintam aprisionados e realizando
5

suas atividades com menos entusiasmo e com menos concentração, pois o líder
com autoridade consegue que seus liderados realizem as atividades que ele
necessita com boa vontade, motivação e entusiasmo.
Para Hunter (2004) o desafio da liderança servidora é ter o gestor atuando a
serviço da sua equipe, mesmo que isso signifique sacrifício para ele, pois terá que
identificar e atender às necessidades dos liderados, para que estes possam
satisfazer as expectativas do cliente, que sempre é o foco principal da organização.
“Líder é alguém que identifica e satisfaz as necessidades legítimas de
seus liderados e remove todas as barreiras para que possam servir ao
cliente” (HUNTER, 2004, p. 51).

Este estilo de liderança exigirá sempre do gestor uma postura questionadora, a
fim de identificar quais são as necessidades de seus liderados.
Além dos dois aspectos abordados, o agir com autoridade e colocar-se a serviço
e sacrifício das pessoas, para Hunter (2004), ainda fazem parte do modelo da
liderança servidora, o amor e a vontade. O autor justifica, sinteticamente, a relação
entre o amor e a liderança, através do quadro 1:
Quadro 1 – Relação entre o amor e a liderança

Fonte: GROSS,2006, p.17

O amor, na obra de Hunter (2004) não significa ter o sentimento de amor em
relação a um liderado, mas agir de forma que não o diminua, que não o fira, que não
o deprecie. Ou seja, o líder deve ter atitudes humanitárias e ainda salienta que:
6

Liderança e amor são questões ligadas ao caráter. Paciência, bondade,
humildade, abnegação, respeito, generosidade, honestidade, compromisso.
Estas são as qualidades construtoras do caráter, são os hábitos que
precisamos desenvolver e amadurecer se quisermos nos tornar líderes de
sucesso, que vencem no teste do tempo. (HUNTER, 2004, p; 125).

O princípio do modelo proposto por Hunter (2004) está na vontade do líder em
agir para o bem dos liderados e entender suas reais necessidades e tentar atendêlas, colocando-se a serviço deles e, muitas vezes, se sacrificar por eles; permitir que
as necessidades dos liderados sejam atendidas antes mesmo de que as suas.
A liderança começa com a vontade, que é nossa única capacidade como
seres humanos para sintonizar nossas intenções com nossas ações e
escolher nosso comportamento. É preciso ter vontade para escolhermos
amar, isto é, sentir as reais necessidades, e não os desejos, daqueles que
lideramos. Para atender a essas necessidades, precisamos nos dispor a
servir e até mesmo a nos sacrificar. Quando servimos e nos sacrificamos
pelos outros, exercemos autoridade ou influência [...] E quando exercemos
autoridade com as pessoas, ganhamos o direito de sermos chamados de
líderes. (HUNTER, 2004, P. 70).

Agindo dessa forma estará exercendo autoridade e terá o reconhecimento da
equipe. A equipe, por sua vez, se sentirá motivada e compromissada em realizar as
atividades com eficiência e eficácia e buscar os objetivos da empresa, porque o líder
possibilitará que os colaboradores se sintam parte efetiva da empresa.

3. Princípios do líder servidor

O desenvolvimento da liderança servidora exige muita motivação, feedback e
prática intensiva na vida cotidiana. Não se trata de um exercício intelectual, talvez
seja necessária a identificação com este modelo de administrar (ROSSA, 2010).
Alguns princípios do líder servidor são:
Abrir mão da autoridade
O primeiro requisito que, pode parecer um paradoxo, é abrir mão da autoridade
formal. O líder servidor não é melhor nem pior do que ninguém. Ele dispensa
tratamentos especiais e pede ao invés de mandar.
7

Aceitar a diversidade
Para liderar grupos heterogêneos, ele aceita a diversidade como riqueza e
promove o que cada pessoa tem de melhor. Sua postura é inclusiva e apreciativa,
movendo os outros para frente.
Compartilhar experiências
Líderes servidores não gostam de ser idolatrados. Preferem ter companheiros de
jornada que compartilham experiências, se inspiram e fazem sua parte também.
Quanto mais auxilia seus aliados, mais fidelidade obtém.
Acreditar em seus ideais
O líder servidor alimenta a característica infantil da inocência. Ele acredita em
seus ideais com convicção porque é otimista e motiva quem o acompanha. Ele se
preocupa com os outros sinceramente. Quando um dos aliados fraqueja, ele estende
a mão. O líder servidor não exige a perfeição de ninguém, mas o crescimento
continuado.
Saber ouvir e receber críticas (feedback)
O líder servidor é um eterno aprendiz. Ele é sensato e acata as críticas
construtivas, pois está permanentemente aberto ao diálogo. Escuta com atenção o
que os seus aliados têm a dizer e não guarda rancor quando questionado. Sabe que
os diferentes pontos de vista nos ajudam a enxergar com mais profundidade as
situações e vê o isolamento como um grande erro. Por isso, a relação não é
unilateral, de prepotência e autoridade. A sabedoria está justamente em deixar-se
transformar e evoluir, pela influência externa de quem se aproxima no intuito de
somar.
Ter auto-confiança
O líder servidor sabe da sua competência e tem a consciência expandida. Com
mais confiança, arrisca novas tentativas e não se importa com os erros do
aprendizado. Ele é sensível ao tempo e espera o momento certo para agir. É
prudente e objetivo. Usa o tempo a seu favor. O líder servidor cuida do solo e
semeia todos os dias, pois sabe que uma boa colheita só acontece após muito
investimento.
8

Dar o exemplo
Seu poder emerge da própria coerência, atitude e credibilidade. Tem o
magnetismo natural que exerce pela palavra e pelo exemplo. É mestre, além de
conhecer o que ensina, o líder servidor sabe a importância de ser o que ensina.
Quando surgem conflitos age como um pacificador, gerando um sentimento de
comunidade fraterna. Ele é generoso e agregador, buscando sempre uma solução
cooperativa para preservar a harmonia das relações.
Ser humilde e naturalmente imperfeito
O líder servidor assume inteiramente a responsabilidade sobre seus atos. Admite
quando erra e pede desculpas, abrindo espaço para que os outros façam o mesmo
quando sentem necessidade. Ele é solidário, descontraído e naturalmente
imperfeito. Isso inibe o medo de errar e permite que seus aliados experimentem
novos desafios. Sem a pressão da cobrança demasiada, podem aprender mais e
melhor.
4. Técnicas comportamentais de um verdadeiro líder servidor
Uma das principais características do líder servidor é a capacidade de persuadir,
de procurar sempre convencer e nunca coagir ou constranger ninguém. A verdadeira
liderança servidora está baseada na capacidade de influenciar pessoas a agir por
meio da persuasão. Quando mandamos, determinamos ou obrigamos alguém a
fazer alguma coisa, não estamos liderando, embora até consigamos resultados.
Nessa situação estamos apenas ignorando completamente a alma e o espírito das
pessoas, ou seja, a paixão e, dessa forma, deliberadamente excluímos o melhor de
cada um. Há uma grande vantagem em usar a persuasão ao invés de qualquer outro
meio para se conseguir alguma coisa.
“O trato com as pessoas, sem dúvida alguma, é o maior problema que o
indivíduo tem a encarar, sendo comerciante, arquiteto, engenheiro ou uma
esposa que dirija a sua casa. Mesmo em carreiras técnicas como a
Engenharia, essas investigações demonstraram que apenas 15% dos
sucessos financeiros de um indivíduo são devidos aos conhecimentos
profissionais e cerca de 85% à competência na “engenharia humana” – à
personalidade e à habilidade para dirigir as pessoas.”( CARNEGIE, 2012,p.
26)
9

Essa bibliografia apresenta técnicas e princípios para despertar novos
pensamentos e novas visões, tornar mais fácil a conquista de pessoas a pensarem
do seu modo, aumentar sua influência, seu prestígio e sua habilidade em conseguir
as coisas, ajudar a acabar com as queixas, a evitar discussões e a manter as formas
de contato humano agradáveis e amenas, fazer de você um orador melhor e um
conversador mais interessante, ajudar a despertar o entusiasmo entre os seus
companheiros e muitas outras ações para alcançar o máximo a confiança e o
reconhecimento de pessoas.
As técnicas e princípios para alcançar esses sucessos são:
Não critique, não condene e não se queixe.
“A crítica é fútil, porque coloca um homem na defensiva, e, comumente, faz
com que ele se esforce para justificar-se. A crítica é perigosa, porque fere o
precioso orgulho do indivíduo, alcança o seu senso de importância e gera o
ressentimento. B. F. Skinner, mundialmente famoso psicólogo, através de
seus experimentos, demonstrou que um animal que é recompensado por
bom comportamento aprenderá com maior rapidez e reterá o conteúdo
aprendido com maior habilidade do que um animal que é castigado por mau
comportamento. Estudos recentes mostram que o mesmo se aplica ao
homem. O ressentimento que as críticas geram podem desmoralizar os
liderados, os empregados, os membros de uma família e os amigos, e ainda
assim não melhorar a situação que tem-se condenado.” ( CARNEGIE,
2012,p. 41)

Assim em lugar de condenar os outros, procuremos compreendê-los. Procuremos
descobrir por que fazem o que fazem. Essa atitude é muito mais benéfica e
intrigante do que criticar, assim gera simpatia, tolerância e bondade.

Aprecie honesta e sinceramente.
Existe um desejo que se apresenta tão profundo, quase tão imperioso como o
desejo de alimento ou de repouso e que raramente é satisfeito. É o que Freud
chama “o desejo de ser grande”. Essa é uma espécie de fome humana insaciável, e
os poucos indivíduos que honestamente satisfazem esta avidez tão enraizada no
coração, terão as pessoas na palma da sua mão. Este desejo faz você querer usar
roupas da última moda, ter o melhor celular e falar sobre seus inteligentes filhos.
10

Muitas pessoas se consideram tão famintas, tão sedentas por apreciação, que
aceitam qualquer coisa. Uma das virtudes mais negligenciadas no nosso dia-a-dia é
a valorização. Ás vezes, por algum motivo, descuidamos de fazer um elogio a um
liderado quando nos apresentam seus ótimos serviços realizados. Nada alegra mais
um liderado do que um elogio e o interesse por parte do líder. Magoar as pessoas,
além de não modificá-las, jamais as desperta para suas atividades.
Assim experimentemos descobrir as qualidades boas de um outro homem,
esquecemos então a bajulação, façamos um honesto e sincero elogio. Seja “sincero
na sua aprovação e prodígio no seu elogio” e as pessoas prezarão suas palavras,
guardando-as e repetindo-as durante toda a vida – repetindo-as anos depois,
quando você já as tiver esquecido.
Desperte um forte desejo na outra pessoa.
O único meio existente na terra para influenciar uma pessoa é falar sobre o que
ela quer e mostrar-lhe como realizar o seu intento. Lembre-se disso amanhã,
quando estiver procurando conseguir que alguém faça uma determinada coisa.
“A ação emana daquilo que fundamentalmente desejamos e o melhor
conselho que se pode dar às pessoas que têm necessidade de convencer
alguém, é despertar na outra pessoa um desejo ardente.”( CARNEGIE,
2012,p. 68)

Amanhã, você quer persuadir alguém a fazer alguma coisa? Antes de abordar o
assunto, faça a si mesmo pergunta: “Como poderei fazer com que ele queira isto?”
Uma pergunta assim evitará a nossa pressa e a falta de tato com outras pessoas,
tagarelando futilmente apenas sobre nossos desejos.
Disse Henry Ford, “se há algum segredo de sucesso, ele consiste na
habilidade de apreender o ponto de vista da outra pessoa e ver as coisas
tão bem pelo ângulo dela como pelo seu.” (CARNEGIE, 2012,p.71)

Considerar o ponto de vista alheio e despertar no outro um desejo de possuir
algo não deve ser entendido como manipulação, decorrendo disso que a pessoa
fará alguma coisa em detrimento dela e em benefício de quem a persuadiu.
11

Torne-se verdadeiramente interessado na outra pessoa.
Qualquer pessoa pode fazer mais amigos em 2 meses, tornando-se
verdadeiramente interessado nas outras pessoas, do que um outro em 2 anos
procurando fazer as outras pessoas tornarem-se interessadas nele. As pessoas
erram pela vida tentando em vão fazer com que os outros se interessem por elas. As
pessoas não estão interessadas em você, estão interessadas nelas mesmas - pela
manhã, ao meio dia e depois do jantar. As palavras de Adler são ricas de significado:
“É o individuo que não está interessado no seu semelhante quem tem as
maiores dificuldades na vida e causa os maiores males aos outros. È entre
tais indivíduos que se verificam todos os fracassos humanos” (CARNEGIE,
2012,p.89)

Um líder pode conseguir a atenção, o tempo e a cooperação mesmo das mais
eminentes personalidades de liderados, tornando-se verdadeiramente interessado
neles. Todos nós – sejamos o açougueiro ou o padeiro, ou o rei no seu trono – todos
nós gostamos das pessoas que nos admiram. Se quisermos conseguir amigos,
coloquemo-nos à disposição de outras pessoas para fazer por elas certas coisas
que requeiram tempo, energia, desprendimento e meditação.
Sorria sempre.
“Ações falam mais que palavras e um sorriso diz: “ Gosto de você, você me
faz feliz, estou satisfeito por vê-lo.” Eis por que os cachorros fazem isso com
saltos. Eles ficam tão contentes quando nos vêem que pulam para nós. Por
isso, naturalmente, nós sentimos satisfação em vê-lo.” Um sorriso
insincero? Não. Este não engana ninguém. Nós conhecemos e sentimos
quando ele é mecânico. Estou falando é sobre um sorriso verdadeiro, um
sorriso que traz calor do coração, um sorriso que vem de dentro. Segundo
James V. McConnell, expressa seu ponto de vista da seguinte forma: “As
pessoas que sorriem tendem a dirigir, ensinar e vender com muita
eficiência, além de criar filhos felizes. Existe mais informação num sorriso do
que numa expressão carrancuda. Por essa razão, o incentivo é um
conselho instrutivo mais eficiente que a punição”.” (CARNEGIE, 2012,p.99)

Seu sorriso é o mensageiro de suas boa intenções. Seu sorriso ilumina a vida
de todo aquele que o vê, traz a felicidade, alimenta a boa vontade nos negócios e é
a senha dos amigos.
12

Lembre-se que o nome de uma pessoa é para ela o som mais doce e
importante que existe em qualquer idioma.
Uma pessoa comum é mais interessada no seu próprio nome do que em todos
os outros nomes da terra juntos. Lembre-se do nome, chame-o facilmente e terá
prestado a qualquer pessoa um sutil e muito eficiente cumprimento. Mas esquecê-lo
ou chamá-lo por nome diferente é colocar-se numa grande desvantagem.
Um dos mais simples, mais óbvios e mais importantes meios para conseguir a
boa vontade é lembrar os nomes e fazer com que as pessoas se sintam importantes.
Segundo Franklin Roosevelt “Lembrar o nome de uma pessoa é conquistá-la,
esquecer é perder-la”.
“Devemos atentar para a mágica que existe num nome e compreender que
esse singular elemento pertence exclusivamente à pessoa com quem
estamos lidando e a ninguém mais.” (CARNEGIE, 2012,p.114)

O nome destaca a singularidade do indivíduo, tornando-o único entre a multidão. A
informação que comunicamos e a solicitação que fazemos em determinada situação
assumem uma importância especial quando mantemos vivo em nosso mente o
nome do indivíduo. Do faxineiro ao diretor, o nome exercerá um efeito mágico
enquanto lidamos com as pessoas.

Seja um bom ouvinte, incentive as pessoas a falarem sobre elas mesmas.
Ouvir verdadeiramente interessado agrada qualquer pessoa, essa espécie de
atenção é uma das mais altas considerações que podemos prestar aos outros. Além
de prestar uma atenção interessada, tem que ser sincero na apreciação e generoso
em um elogio. Conseguimos que a pessoa julgue “uma boa prosa” quando, você ser
apenas um bom ouvinte que incentiva a pessoa a falar.
“A atenção exclusiva para a pessoa que lhe estiver falando é muito
importante. Nada mais é tão lisonjeador como isso.” (CARNEGIE,
2012,p.117)

Muitas pessoas deixam de causar uma boa impressão porque não ouvem
atentamente. Ficam tão interessadas no que vão dizer em seguida que não abrem
os ouvidos. Grandes homens disseram que preferem bons ouvintes a bons
faladores, mas a habilidade de ouvir parece mais rara do que qualquer outra boa
maneira.
13

As vezes as pessoas não querem conselhos, querem apenas um ouvinte
amigo e simpatizante com quem pode descarregar seus argumentos. Eis o que
todos nós queremos quando estamos preocupados, é isso que, freqüentemente,
todos os clientes irritados querem, bem como o empregado insatisfeito ou amigo
magoado.
Se quiser saber como fazer as pessoas correrem de você e o ridicularizarem
pelas costas ou mesmo desprezá-lo, eis aqui a receita: nunca se mostre disposto a
ouvir alguém por muito tempo, fale incessantemente sobre você mesmo, se tiver
uma idéia enquanto a outra pessoa estiver falando, não espere que ela termine. Isso
mostra que a pessoa não é tão importante como você. Importunos, eis o que essas
pessoas são – importunos intoxicados com o próprio “ego”, ébrios com o sentimento
de sua própria importância.
Assim, se quiser ser um bom conversador, seja um ouvinte atento. Para ser
interessante, seja interessado. Faça perguntas que o outro sinta prazer em
responder. Incite-o a falar sobre si mesmo e sobre assuntos prediletos. Lembre-se
de que a pessoa com o qual estiver falando está centenas de vezes mais
interessado em si mesmo, nos seus problemas e vontades do que em você e seus
problemas.
Fale de coisas que interessem à outra pessoa.
Todos os líderes tem que saber que a estrada real para o coração de uma
pessoa é falar sobre as coisas que ele mais estima. Se o líder não encontrar a coisa
em que o liderado se acha interessado e não desperta seu entusiasmo no princípio,
não irá ter facilidade de ter a dedicação nas realizações do grupo.

Faça a outra pessoa sentir-se importante e faça-o com sinceridade.
Se somos tão desprezivelmente egoístas que não podemos irradiar um pouco
de felicidade e passar um pouco de sincero reconhecimento sem tentar tirar algo da
outra pessoa em troca, nos encontraremos diante do fracasso que tão justamente
merecemos. Fazendo isso o líder consegue a satisfação de fazer alguma coisa para
o liderado, sem que ele necessitasse fazer alguma coisa em retribuição, o que
significa um sentimento que crescerá e ecoará na memória dele mesmo muito tempo
depois de passado o incidente.
14

Há uma lei da conduta humana de máxima importância, que se obedecermos
essa lei, quase nunca teremos preocupações, nos trará inúmeros amigos e
constante felicidade. Mas se violarmos, teremos logo de enfrentar uma série de
infinitos transtornos. A lei é a seguinte: Fazer sempre a pessoa sentir-se importante.
Ser importante e ser apreciado são os desejos mais profundos da natureza humana.
Se o líder deseja a aprovação de todos aqueles com quem está em contato,
quer o reconhecimento do seu real valor, quer sentir-se importante no seu mundo e
quer que os seus liderados sejam cordiais na sua aprovação e generosos no seu
elogio, deve-se obedecer a lei em todas as vezes que conversar com um liderado.
A verdade crua é que quase todo homem que você encontra se julga superior a
você em algum ponto. Um caminho seguro para tocar-lhe o coração é fazê-lo
compreender, de uma maneira sutil, que você reconhece a importância dele no seu
mundo e o faz sinceramente. Assim fale com as pessoas a respeito delas mesmas e
elas o ouvirão por muitas horas.
A única maneira de ganhar uma discussão é evitando-a.
Nove vezes em dez, uma discussão termina com cada um dos contestantes
convencido, mais firmemente do que nunca, de que está absolutamente certo. Você
não pode vencer uma discussão, não pode porque, se perder, perdeu mesmo e se
ganhar, também perdeu. Pois, suponha que triunfou sobre um outra pessoa e
arrasou seus argumentos cheios de pontos fracos e provou que ele estava errado.
Você o fez sentir-se inferior e feriu o amor-próprio. Geralmente em uma discussão,
assim que o liderado sentir-se importante e reconhecido, cessa-se a discussão, pois
seu ego foi conquistado.
Buda dizia: “Ódio nunca termina por ódio, mas por amor”, e um mal- entendido
nunca termina pela discussão, mas pela tática, diplomacia, conciliação e um desejo
simpático de ver o ponto de vista a outra pessoa.
Respeite a opinião dos outros, nunca diga: “Você está enganado”.
Se um líder ter a segurança de estar certo apenas 55% das vezes, pode jogar
na Mega Sena. E se você pode estar seguro de acertar mesmo 55% das vezes, por
que dizer às outras pessoas que elas estão erradas?
15

O líder pode dizer a um liderado que ele está errado por meio do olhar, do gesto,
da entonação da voz, como também por meio de palavras, mas se lhe disser que ele
está errado, pensa que o levará a concordar com o líder? Nunca! Pois o líder
desferiu um golpe direto contra sua inteligência, contra seu julgamento, contra seu
orgulho, contra seu amor-próprio. O líder então poderá atacá-lo com todo
conhecimento do mundo, mas não alterará a opinião dele, pois lhe feriu os
sentimentos.
Nunca o líder deve começar dizendo: “Vou provar isso ou aquilo”, isso equivale
a dizer “Sou mais inteligente que você. Vou dizer-lhe uma coisa e mudar sua
opinião”. Isso é um desafio. Gera oposição e faz com que o liderado sinta vontade
de discutir com o líder, mesmo antes de começar. Segundo Lord Chesterfield: “Seja
mais sábio que as outras pessoas, mas nunca lhes diga isso”. Ninguém, mesmo que
viva no céu, aqui na terra, ou mesmo nas águas ou debaixo da terra, se oporá a
você, se disser: “Posso estar errado. Vamos examinar os fatos”. Você nunca terá
aborrecimentos admitindo que pode estar errado, e isto evitará todas as discussões
e fará com que o outro torne-se tão inteligente, tão claro e tão sensato como o foi
você, fará com que ele também queria admitir que pode estar errado.
Assim não discuta com o seu cliente, com a sua esposa nem com o seu
adversário. Não lhes diga que estão errados, não os aborreça, use um pouco de
diplomacia.

Se estiver errado, reconheça o seu erro rápida e enfaticamente.
Se sabemos que vamos ouvir de alguém alguma reprimenda, não é muito
melhor precedermos a outra pessoa e dizermos nós mesmos o que ela vai dizer?
Não é muito mais fácil ouvir a autocrítica do que a condenação vinda de lábios
alheios? Diga sobre si mesmo todas as coisas em que você sabe que a outra
pessoa está pensando, ou coisas que ela quer e pretende dizer – diga antes que ela
tenha uma oportunidade de dizê-la. As possibilidades são na proporção de cem para
uma de como a outra pessoa tomará, então, uma atitude generosa, de perdão, e
reduzirá o seu erro ao mínimo.
Existe certo grau de satisfação em se ter a coragem de admitir o próprio erro.
Não apenas alivia a sensação de culpa e a atitude de defesa, como também com
freqüência ajuda a resolver o problema criado pelo erro. Qualquer louco pode
16

procurar justificar as suas faltas, e muitos loucos fazem isso, mas reconhecer seus
próprios erros, o que é muito raro, dá uma auréola de nobreza e exaltação.
Assim quando estivermos com a razão, procuraremos convencer os outros aos
poucos e com toda a habilidade, conquistando-os assim a pensar como nós, quando
estivermos errado reconheçamos nossos erros sem demora e com entusiasmo.
Essa técnica não produzirá apenas resultados surpreendentes mas, acredite ou não,
é muito mais interessante, em certas circunstâncias, do que uma pessoa tentar
justificar os seus erros.

Comece de maneira amigável.
Se o coração de um homem está inflamado pela discórdia e pelos maus
sentimentos com você, nem com toda a lógica do Cristianismo você conseguirá
conquistá-lo para o seu modo de pensar. Líderes altamente exigentes, pçais
repreendedores,

patrões

e

maridos

mandões,

esposas

ranzinzas,

deviam

compreender que as pessoas não gostam de mudar suas idéias. Elas não podem
ser forçadas a concordar com você, mas podem ser levadas a isso se formos gentis
e amistosos. Segundo Esopo escravo grego há 25 séculos atrás ensinou: “O sol
pode fazer com que você tire sua capa mais depressa que o vento, e a bondade,
aproximação amistosa e a apreciação podem fazer as pessoas mudarem de idéia
mais prontamente que todo o barulho e as tempestades do mundo”.
Consiga que a outra pessoa diga “sim, sim”, imediatamente.
Um líder falando com os liderados, não pode começar a discutir as coisas em
que divergem. Comece enfatizando – e continue enfatizando – as coisas em que
estão de acordo. Faça questão de frisar, que ambos estão marchando para o
mesmo fim e a única diferença que os separa é de método e não de propósito.
Mantenha o liderado dizendo “sim, sim”, desde o começo, evite que ele diga não.
Uma resposta “não”, é a desvantagem mais difícil a ser vencida, quando uma
pessoa diz “não” todo o seu orgulho, toda sua personalidade, exigem que continue
coerente com ela mesma. O orador hábil consegue logo de início uma série de
respostas afirmativas. Ele orienta assim, no sentido afirmativo, todo o processo
psicológico dos ouvintes. As normas psicológicas são aqui as mais claras. Quando
17

uma pessoa diz “não”, e realmente sente isto, está fazendo muito mais do que dizer
uma palavra de três letras, todo o seu organismo - glândulas, nervos e músculos –
se reúne nesta recusa.
Desse modo, o maior número possível de “sim” obtido logo de início conduz ao
máximo de probabilidades em conseguirmos a atenção precisa para a nossa última
proposta.
Deixe a outra pessoa falar durante boa parte da conversa.
Quando a maioria das pessoas procura conquistar outras para os seu modo de
pensar, faz isso conversando demasiadamente. Vendedores, especialmente, são
vítimas desse grave erro. Deixe a outra pessoa falar dela mesma, ela conhece muito
mais sobre o seu negócio e os seus problemas do que você, assim faça-lhe
perguntas.
Se discorda dessa pessoa, você pode ser tentado a interrompê-la, mas não faça
isso, é arriscado. A pessoa não lhe prestará atenção enquanto tiver idéias suas para
expor, ousa-a pacientemente e com boa vontade, seja sincero nisso e encoraje-a a
expressar suas idéias. De acordo com La Rochefoucaud, filósofo francês:
“Se quiser ter inimigos, sobreponha-se aos seus amigos, se quiser ter
amigos, deixe que seus amigos se sobreponham a você”. Isso é verdade
porque quando nossos amigos se sobressaem sobre nós, isso lhes dá uma
sensação de importância, mas quando nós nos sobressaímos causamoslhes uma sensação de inferioridade, que gera a inveja.” (CARNEGIE,
2012,p.186)

Deixe que a outra pessoa sinta que a idéia é dela.
Você não confia muito mais nas idéias que descobriu por si mesmo do que
naquelas que lhe são trazidas numa “bandeja de prata”? Se é assim, não acha uma
má resolução tentar fazer as outras pessoas seguirem as suas opiniões à força?
Não seria muito mais sabia da sua parte fazer sugestões e deixar a outra pessoa
tirar a conclusão por si mesma?
Deixar que a outra pessoa pense que determinada idéia é dela leva a
conseqüências positivas não só nos negócios ou na política, mas também na vida
familiar.
18

Procure honestamente ver as coisas do ponto de vista da outra pessoa.
Lembre-se de que os liderados, mesmo quando estão completamente errados,
não gostam de saber de tal coisa, não os condene, qualquer louco pode fazer isso, o
líder servidor tem que se esforçar para entendê-los. Apenas um líder servidor sábio,
tolerante e mesmo excepcional é capaz de proceder assim.
Um liderado age de determinado modo porque existe alguma razão para isso,
assim descubra essa razão oculta e o líder servidor terá a chave de suas ações e
talvez de sua personalidade. Experimente, honestamente, colocar-se no lugar do
liderado. Se o líder servidor disser para si mesmo: “Como me sentiria, como reagiria
se estivesse no seu lugar?”, terá ganho uma porção de tempo e evitado muita
irritação, pois “ o líder servido tornando interessado na causa, temos menos
probabilidades de não gostar do efeito”. E, desse modo, estará sutilmente
aumentando sua capacidade nas relações humanas.
De acordo com Dr. Gerald Nirenberg:
“Só se alcança a cooperação numa conversa quando você demonstra que
considera as idéias e os sentimentos da outra pessoa como tão importantes
quanto os seus próprios. Comece uma conversa dando à outra pessoa o
objetivo e a direção da sua conversa, controlando o que diz através daquilo
que gostaria de ouvir se fosse o ouvinte, e aceitando o ponto de vista que
ela lhe apresenta – essa atitude irá encorajar o ouvinte a abrir a mente para
as suas idéias.” (CARNEGIE, 2012,p.195)

Assim, tal coisa tomará algum tempo, mas atrairá mais confiança e respeito de
seus liderados e trará melhores resultados, obtidos com menos atritos e menos
gastos de energia.
Seja receptivo às idéias e desejos da outra pessoa.
Para um líder servidor cessar uma discussão, eliminar um sentimento hostil,
despertar uma boa vontade e fizer os liderados ouvirem atentamente, o mesmo tem
que começar dizendo: “Eu não o condeno de jeito nenhum por pensar assim. Se eu
estivesse no seu lugar sem dúvida alguma pensaria exatamente como você”. Uma
resposta como essa abranda qualquer liderado furioso que existir. Três quartos das
pessoas com que você se encontrar amanhã estarão desejosas de simpatia, então
lhes demonstre simpatia e elas o estimarão.
19

5. Conclusão

Podemos concluir com esse estudo que a liderança está presente em todos os
lugares, desde no trabalho, na família, no esporte, nos amigos e em outros grupos.
Mas especificamente a liderança servidora vem ganhando mais importância por ser
um ideal onde o líder e os liderados ganham mutuamente, pois se o líder servidor
aplicar os princípios, comportamentos e atitudes apresentados nesse estudo, o clima
entre os mesmos são de altíssima satisfação, pois o líder irá transmitir bons
conselhos, respeito, bondade, conhecimentos, experiências, incentivos, motivações
e outras ações servidoras e irá receber dos liderados confiança, respeito, melhores
resultados, menos gastos e perdas, maiores rendimentos, menos conflitos, maiores
satisfações em fazer parte da equipe, ter idéias novas, ter menos erros de execução
e muitas outras vantagens, ou seja, aumenta e muito a obtenção do sucesso em
algum projeto ou serviço a ser realizado.
Assim um líder servidor nato seja ele um diretor, gerente, coordenador,
supervisor, negociador, administrador ou qualquer outro cargo de liderança, tem que
sempre lembrar que não é melhor que ninguém e sempre irá ter que servir
compaixão, amor e simpatia para conquistar ao máximo a confiança, o respeito e
obter os melhores resultados de seus liderados.

Referências

CARNEGIE, Dale. Como fazer amigos e Influenciar pessoas. 52° ed. atualizada.
São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2012.
CHIAVENATO, Adalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 6 ed. Rio
de Janeiro: Campus, 2000.
GRAMIGNA, Maria Rita. Modelo de competências e gestão dos talentos. São
Paulo: Makron Books, 2002.
GREENLEAF, Robert K. The power of servant leadership. San Francisco/USA:
Berret-Koehler Publishers, Inc, 1998.
GROSS, Pedro Luiz. Liderança servidora no ambiente organizacional. Artigo
Científico do curso de Tecnólogo em Processamento de Dados da UNISINOS. São
Leopoldo(RS).
20

HUNTER, James C. O monge e o executivo – uma história sobre a essência da
liderança. Tradução Maria da Conceição Fornos de Magalhães. Rio de Janeiro:
Sextante, 2004.
OLIVEIRA, Calné de. As principais competências de um líder. Trabalho para a
disciplina História das Organizações da Universidade Veiga de Almeida. Disponível
em:<http://www.arte-multipla.com/docs/Competencias%20de%20um%20lider.pdf>.
Acesso em: 01 set. 2013.
ROSSA, Giovana. Um líder servidor, por favor! Artigo do Blog Qualidade Simples,
2010. Disponível em: <http:// blog.qualidadesimples.com.br /2010/05/07/ um-liderservidor-por-favor/>. Acesso em: 01 set. 2013.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TCC
TCCTCC
Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1
Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1
Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1
Cátia Mateus
 
Liderança, clima e cultura organizacional
Liderança, clima e cultura organizacionalLiderança, clima e cultura organizacional
Liderança, clima e cultura organizacional
pcm1nd
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Carlos Alves
 
DiferençA De Coach
DiferençA De CoachDiferençA De Coach
DiferençA De Coach
henrysamara
 
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Unip e Uniplan
 
Coaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectivaCoaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectiva
Andrea Oliveira
 
5 grandes teorias sobre liderança
5 grandes teorias sobre liderança5 grandes teorias sobre liderança
5 grandes teorias sobre liderança
Luis Branco, PMP
 
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
Eduardo Rocha
 
Gestao de equipas
Gestao de equipasGestao de equipas
Gestao de equipas
cARLOS CAMPOS
 
Liderança na atualidade
Liderança na atualidadeLiderança na atualidade
Liderança na atualidade
Conceição Moraes
 
Apostila 04 -_2011
Apostila 04 -_2011Apostila 04 -_2011
Apostila 04 -_2011
Fernanda Germano
 
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Unip e Uniplan
 
Liderança coaching e mentoring apresentação
Liderança coaching e mentoring   apresentaçãoLiderança coaching e mentoring   apresentação
Liderança coaching e mentoring apresentação
MBIANCHINI CONSULTING
 
Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011
Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011
Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011
Unip e Uniplan
 
Pesquisa 1 versao final nelson
Pesquisa 1 versao final  nelsonPesquisa 1 versao final  nelson
Pesquisa 1 versao final nelson
_Nellsum
 
Liderança e gestão de pessoas em ambientes competitivos
Liderança e gestão de pessoas em ambientes competitivosLiderança e gestão de pessoas em ambientes competitivos
Liderança e gestão de pessoas em ambientes competitivos
Luciana Rezende
 
Sustentabilidade da Liderança
Sustentabilidade da Liderança Sustentabilidade da Liderança
Sustentabilidade da Liderança
Daniel de Carvalho Luz
 
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
christianceapcursos
 

Mais procurados (19)

TCC
TCCTCC
TCC
 
Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1
Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1
Manual ufcd-7844-gestao-de-equipas-manual-1
 
Liderança, clima e cultura organizacional
Liderança, clima e cultura organizacionalLiderança, clima e cultura organizacional
Liderança, clima e cultura organizacional
 
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimentoAula 10   Estilos de liderança e gestão do conhecimento
Aula 10 Estilos de liderança e gestão do conhecimento
 
DiferençA De Coach
DiferençA De CoachDiferençA De Coach
DiferençA De Coach
 
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
Modelos de liderança 2a aula - 17/02/2011
 
Coaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectivaCoaching lideranca-nova-perspectiva
Coaching lideranca-nova-perspectiva
 
5 grandes teorias sobre liderança
5 grandes teorias sobre liderança5 grandes teorias sobre liderança
5 grandes teorias sobre liderança
 
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
2. liderança transformacional e o desenvolvimento de equipes de alta performance
 
Gestao de equipas
Gestao de equipasGestao de equipas
Gestao de equipas
 
Liderança na atualidade
Liderança na atualidadeLiderança na atualidade
Liderança na atualidade
 
Apostila 04 -_2011
Apostila 04 -_2011Apostila 04 -_2011
Apostila 04 -_2011
 
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
Modelos de liderança 3a aula 03/03/2011
 
Liderança coaching e mentoring apresentação
Liderança coaching e mentoring   apresentaçãoLiderança coaching e mentoring   apresentação
Liderança coaching e mentoring apresentação
 
Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011
Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011
Modelos de liderança 2a aula- 24/02/2011
 
Pesquisa 1 versao final nelson
Pesquisa 1 versao final  nelsonPesquisa 1 versao final  nelson
Pesquisa 1 versao final nelson
 
Liderança e gestão de pessoas em ambientes competitivos
Liderança e gestão de pessoas em ambientes competitivosLiderança e gestão de pessoas em ambientes competitivos
Liderança e gestão de pessoas em ambientes competitivos
 
Sustentabilidade da Liderança
Sustentabilidade da Liderança Sustentabilidade da Liderança
Sustentabilidade da Liderança
 
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
22. o novo papel do lider nas organizações rosatricia
 

Destaque

Liderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizações
Liderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizaçõesLiderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizações
Liderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizações
Marcelo Cassales
 
A Culpa é Dos Outros
A Culpa é Dos OutrosA Culpa é Dos Outros
A Culpa é Dos Outros
Helder Marques
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
Márcio Roberto de Mattos
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Renato Martinelli
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Rosineia Oliveira dos Santos
 
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDerLiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
Carlos Silva
 
Liderança e Motivação
Liderança e  MotivaçãoLiderança e  Motivação
Liderança e Motivação
Vania Cardoso
 
O poder da gentileza
O poder da gentilezaO poder da gentileza
O poder da gentileza
Angelica Cunha
 
Gente toxica
Gente toxicaGente toxica
Gente toxica
Marlah Durden
 
Liderança para equipes de projetos
Liderança para equipes de projetosLiderança para equipes de projetos
Liderança para equipes de projetos
Dimitri Campana, PMP
 
Apresentação Faculdade Maurício de Nassau
Apresentação Faculdade Maurício de NassauApresentação Faculdade Maurício de Nassau
Apresentação Faculdade Maurício de Nassau
Interação - Interatividade Corporativa
 
Equipe de trabalho
Equipe de trabalhoEquipe de trabalho
Equipe de trabalho
Ligia Coppetti
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Rosario Cação
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
ntebrusque
 
Conceitos de Liderança
Conceitos de LiderançaConceitos de Liderança
Conceitos de Liderança
Gerente Consciente
 
Teorias contemporaneas de motivação
Teorias contemporaneas de motivaçãoTeorias contemporaneas de motivação
Teorias contemporaneas de motivação
Ana Paula Bittencourt Okamoto
 
Slides sobre Lideranca
Slides sobre LiderancaSlides sobre Lideranca
Slides sobre Lideranca
guest99f679
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
tati_spazziano
 

Destaque (20)

Liderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizações
Liderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizaçõesLiderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizações
Liderança e coaching - desenvolvendo pessoas, recriando organizações
 
A Culpa é Dos Outros
A Culpa é Dos OutrosA Culpa é Dos Outros
A Culpa é Dos Outros
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
 
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDerLiderançA & GestãO De Equipes   1º Passo   Como Ser LíDer
LiderançA & GestãO De Equipes 1º Passo Como Ser LíDer
 
Liderança e Motivação
Liderança e  MotivaçãoLiderança e  Motivação
Liderança e Motivação
 
O poder da gentileza
O poder da gentilezaO poder da gentileza
O poder da gentileza
 
Gente toxica
Gente toxicaGente toxica
Gente toxica
 
Liderança para equipes de projetos
Liderança para equipes de projetosLiderança para equipes de projetos
Liderança para equipes de projetos
 
Apresentação Faculdade Maurício de Nassau
Apresentação Faculdade Maurício de NassauApresentação Faculdade Maurício de Nassau
Apresentação Faculdade Maurício de Nassau
 
Brand book - Faculdade Maurício de Nassau
Brand book - Faculdade Maurício de NassauBrand book - Faculdade Maurício de Nassau
Brand book - Faculdade Maurício de Nassau
 
Equipe de trabalho
Equipe de trabalhoEquipe de trabalho
Equipe de trabalho
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Marketing Pessoal
Marketing PessoalMarketing Pessoal
Marketing Pessoal
 
Apresentação TCC
Apresentação TCCApresentação TCC
Apresentação TCC
 
Conceitos de Liderança
Conceitos de LiderançaConceitos de Liderança
Conceitos de Liderança
 
Teorias contemporaneas de motivação
Teorias contemporaneas de motivaçãoTeorias contemporaneas de motivação
Teorias contemporaneas de motivação
 
Slides sobre Lideranca
Slides sobre LiderancaSlides sobre Lideranca
Slides sobre Lideranca
 
O Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDerO Papel Do Novo LíDer
O Papel Do Novo LíDer
 

Semelhante a Artigo gestão-em-liderança-de-equipes

Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Aula 4   comportamento mesoorganizacionalAula 4   comportamento mesoorganizacional
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Liderança 01
Liderança 01Liderança 01
Liderança 01
Universidade Unesa
 
LIDERANÇA.pdf
LIDERANÇA.pdfLIDERANÇA.pdf
LIDERANÇA.pdf
MarianaTakitane1
 
03.Slides Liderança e Comunicação.pdf
03.Slides Liderança e Comunicação.pdf03.Slides Liderança e Comunicação.pdf
03.Slides Liderança e Comunicação.pdf
mariasantana771293
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
Hesau Monteiro
 
Liderança e motivação no ambiente de trabalho junho
Liderança e motivação no ambiente de trabalho    junhoLiderança e motivação no ambiente de trabalho    junho
Liderança e motivação no ambiente de trabalho junho
Yuri Moralles
 
Gestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de LiderançaGestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de Liderança
Ludmila Moura
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
Filipe Simão Kembo
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Anderson Pontes
 
Gestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de LiderançaGestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de Liderança
Ludmila Moura
 
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potxLider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Norberto Tomasini Jr
 
Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita
NorbertoTomasini
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
HOME
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
HOME
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
HOME
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
HOME
 
Aula 3 lgc
Aula 3 lgcAula 3 lgc
Aula 3 lgc
Tuane Paixão
 
Silid modelo de liderança
Silid modelo de liderançaSilid modelo de liderança
Silid modelo de liderança
profmariaduarte
 
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em ComércioComportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Antonio Pinto Pereira
 

Semelhante a Artigo gestão-em-liderança-de-equipes (20)

Aula 4 comportamento mesoorganizacional
Aula 4   comportamento mesoorganizacionalAula 4   comportamento mesoorganizacional
Aula 4 comportamento mesoorganizacional
 
Liderança 01
Liderança 01Liderança 01
Liderança 01
 
LIDERANÇA.pdf
LIDERANÇA.pdfLIDERANÇA.pdf
LIDERANÇA.pdf
 
03.Slides Liderança e Comunicação.pdf
03.Slides Liderança e Comunicação.pdf03.Slides Liderança e Comunicação.pdf
03.Slides Liderança e Comunicação.pdf
 
comportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacionalcomportamento mesoorganizacional
comportamento mesoorganizacional
 
Liderança
LiderançaLiderança
Liderança
 
Liderança e motivação no ambiente de trabalho junho
Liderança e motivação no ambiente de trabalho    junhoLiderança e motivação no ambiente de trabalho    junho
Liderança e motivação no ambiente de trabalho junho
 
Gestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de LiderançaGestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de Liderança
 
A liderança
A liderançaA liderança
A liderança
 
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇAGestão Aplicada - LIDERANÇA
Gestão Aplicada - LIDERANÇA
 
Gestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de LiderançaGestão de equipes e sistema de Liderança
Gestão de equipes e sistema de Liderança
 
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potxLider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
Lider-Liderança-Workshop - Tatuape.potx
 
Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita Lider-Liderança- Espírita
Lider-Liderança- Espírita
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
 
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
1572544318 e book--_aprenda_a_pensar_e_agir_como_um_grande_lder_-_dale_carnegie
 
Aula 3 lgc
Aula 3 lgcAula 3 lgc
Aula 3 lgc
 
Silid modelo de liderança
Silid modelo de liderançaSilid modelo de liderança
Silid modelo de liderança
 
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em ComércioComportamento Organizacional - Técnico em Comércio
Comportamento Organizacional - Técnico em Comércio
 

Mais de Rafael Lial

Acionamentos de Máquinas Elétricas: Projeto de Auditoria Energética
Acionamentos de Máquinas Elétricas:  Projeto de Auditoria EnergéticaAcionamentos de Máquinas Elétricas:  Projeto de Auditoria Energética
Acionamentos de Máquinas Elétricas: Projeto de Auditoria Energética
Rafael Lial
 
Robótica: Reconhecimento de Padrões
Robótica: Reconhecimento de PadrõesRobótica: Reconhecimento de Padrões
Robótica: Reconhecimento de Padrões
Rafael Lial
 
Automação industrial: Encoder - Transdutor de posição angular
Automação industrial:  Encoder - Transdutor de posição angularAutomação industrial:  Encoder - Transdutor de posição angular
Automação industrial: Encoder - Transdutor de posição angular
Rafael Lial
 
Fabricação de uma peça real utilizando CNC e o código G
Fabricação de uma peça real utilizando CNC e o código GFabricação de uma peça real utilizando CNC e o código G
Fabricação de uma peça real utilizando CNC e o código G
Rafael Lial
 
Processos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápida
Processos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápidaProcessos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápida
Processos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápida
Rafael Lial
 
Artigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrial
Artigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrialArtigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrial
Artigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrial
Rafael Lial
 
Elementos Finitos: Análise do Rotor de uma Turbina
Elementos Finitos: Análise do Rotor de uma TurbinaElementos Finitos: Análise do Rotor de uma Turbina
Elementos Finitos: Análise do Rotor de uma Turbina
Rafael Lial
 
Braço mecânico controlado pela diferença de potencial ocular
Braço mecânico controlado pela diferença de potencial ocularBraço mecânico controlado pela diferença de potencial ocular
Braço mecânico controlado pela diferença de potencial ocular
Rafael Lial
 

Mais de Rafael Lial (8)

Acionamentos de Máquinas Elétricas: Projeto de Auditoria Energética
Acionamentos de Máquinas Elétricas:  Projeto de Auditoria EnergéticaAcionamentos de Máquinas Elétricas:  Projeto de Auditoria Energética
Acionamentos de Máquinas Elétricas: Projeto de Auditoria Energética
 
Robótica: Reconhecimento de Padrões
Robótica: Reconhecimento de PadrõesRobótica: Reconhecimento de Padrões
Robótica: Reconhecimento de Padrões
 
Automação industrial: Encoder - Transdutor de posição angular
Automação industrial:  Encoder - Transdutor de posição angularAutomação industrial:  Encoder - Transdutor de posição angular
Automação industrial: Encoder - Transdutor de posição angular
 
Fabricação de uma peça real utilizando CNC e o código G
Fabricação de uma peça real utilizando CNC e o código GFabricação de uma peça real utilizando CNC e o código G
Fabricação de uma peça real utilizando CNC e o código G
 
Processos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápida
Processos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápidaProcessos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápida
Processos de fabricação: Estudo avançados sobre a prototipagem rápida
 
Artigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrial
Artigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrialArtigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrial
Artigo elementos finitos-modelagem e análise de predio industrial
 
Elementos Finitos: Análise do Rotor de uma Turbina
Elementos Finitos: Análise do Rotor de uma TurbinaElementos Finitos: Análise do Rotor de uma Turbina
Elementos Finitos: Análise do Rotor de uma Turbina
 
Braço mecânico controlado pela diferença de potencial ocular
Braço mecânico controlado pela diferença de potencial ocularBraço mecânico controlado pela diferença de potencial ocular
Braço mecânico controlado pela diferença de potencial ocular
 

Artigo gestão-em-liderança-de-equipes

  • 1. YT UNIVERSIDADE FUMEC FACULDADE DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS - FACE RAFAEL DE ALMEIDA LIAL GESTÃO EM LIDERANÇA DE EQUIPES Estudo de quais princípios e comportamentos um líder servidor tem que possuir para alcançar o máximo da confiança e respeito de seus liderados Belo Horizonte 2013
  • 2. RAFAEL DE ALMEIDA LIAL GESTÃO EM LIDERANÇA DE EQUIPES Estudo de quais princípios e comportamentos um líder servidor tem que possuir para alcançar o máximo da confiança e respeito de seus liderados Artigo Científico apresentado à UNIVERSIDADE FUMEC como requisito parcial para obtenção do certificado de Especialista em MBA em Gerenciamento Estratégico de Projetos. Orientador: Prof. Renato Ávila Soares de Souza Belo Horizonte 2013
  • 3. RESUMO Um dos fatores mais difíceis em um projeto ou em qualquer outro ambiente é o de gerenciar pessoas, conseqüentemente, equipes, pois existe uma variedade altíssima de personalidades diferentes para poder se comunicar, nesse sentido para um líder ter um bom relacionamento interpessoal com seus liderados o mesmo tem que possuir princípios, comportamentos, técnicas e competências para alcançar o máximo da confiança e o respeito de seus liderados, com isso o mesmo consegue obter melhores resultados, ter menos conflitos, melhores rendimentos, melhores qualidades, menores custos e outros fatores que levam ao sucesso em um projeto. Assim este artigo concentra-se em oferecer uma abordagem sobre a teoria da liderança servidora, começando pela apresentação do conceito de liderança, depois enfatiza propriamente a teoria da liderança servidora e por fim apresenta os princípios, comportamentos e atitudes que um verdadeiro líder servidor tem que possuir para alcançar a confiança e o respeito de seus liderados. Palavras - Chave: Liderança. Líder servidor. Equipe. Confiança. Respeito. ABSTRACT One of the most difficult factors in a project or in any other environment is to manage people, consequently teams, for there is a very high variety of different personalities to be able to communicate in that sense for a leader to have a good interpersonal relationship with their team members must possess the same principles, behaviors, skills and techniques to achieve maximum confidence and respect of their subordinates, with this the leader get the best results, have less conflict, better yields, better quality, lower costs and other factors that lead to success in a project. So this article focuses on offering an approach to the theory of servant leadership, starting with the presentation of the concept of leadership, then properly emphasizes the theory of servant leadership and finally presents the principles, behaviors and attitudes that a true servant leader must possess to achieve the trust and respect of his subordinates. Key - Words: Leadership. Servant leader. Team. Trust. Respect.
  • 4. 3 1. Introdução A liderança se transformou ao longo do tempo e houve uma diversificação muito grande de estilos. Seus estudos começaram em uma linha de raciocínio enfocada no líder, onde no primeiro momento considera a presença dos traços de personalidade para diferenciá-lo dos demais. Já em um segundo momento essa idéia é contestada, informando que o líder possui estilos de comportamento. A liderança é alcançada quando os liderados reconhecem o líder, porque ser líder não tem qualquer sentido sem os liderados. Entretanto, aos poucos vai sendo descoberto uma nova visão servidora onde os liderados são agentes ativos, capazes de influenciar o comportamento do líder. A liderança servidora é baseada em princípios básicos e elementares, mas os pilares são o amor e o caráter. Sua disposição é servir as pessoas atendendo suas necessidades, essa atividade consiste em determinar um propósito, compartilhar o aprendizado, elevar os obstáculos, priorizar a confiança para fortalecer o relacionamento e desenvolver as pessoas. 2. O Conceito de Liderança O processo de liderança se desenvolve em diversas situações e ambientes: no trabalho, no esporte, na política, na família, etc. Toda pessoa é capaz de exercer determinada influência sobre as outras pessoas e, portanto, toda a pessoa é um líder, em potencial. Nos vários modelos de liderança, o papel do líder tende a ser diferente, o que leva a crer que dependendo do papel a ser desempenhado pelo líder (produtor, diretor, coordenador, monitor, facilitador, mentor, negociador, inovador), o estilo de liderança a ser desenvolvido também deverá ser diferente. Segundo Chiavenato (2000), a liderança não é desenvolvida exclusivamente por indivíduos em cargos gerenciais. Pessoas de um mesmo grupo, setor ou empresa, podem exercê-la, independentemente de ocuparem posições gerenciais. Como a liderança facilita as interações pessoais e grupais, ele deve ser uma das funções primordiais exercidas por estes dirigentes. E o que se entende por liderança?
  • 5. 4 Para Chiavenato (2000, p.315) a idéia de que “liderar é a capacidade de dirigir pessoas levando-as a realizar o que deve ser feito, influenciando e mantendo a equipe produtiva e motivada na busca e obtenção de objetivos propostos”. Já para Gramigna (2002, p. 65), “liderar é a capacidade para catalisar os esforços grupais, a fim de atingir ou superar os objetivos organizacionais, estabelecendo um clima motivador, formando parcerias e estimulando o desenvolvimento da equipe”. 2.1. Liderança Servidora O termo Liderança Servidora foi usado pela primeira vez em 1970, em um ensaio de Robert K. Greenleaf, executivo da área de treinamento de empresa. A definição de Greenleaf para liderança servidora no artigo foi a seguinte: “Começa com o sentimento espontâneo de querer servir. A melhor prova da liderança como serviço consiste em indagar-se: aqueles a quem sirvo crescem como pessoas? Tornam-se mais sadias, mais sábias, mais autônomas, mais aptas tornarem-se elas próprias servidoras?” Robert K. Greenleaf, The Servant as Leader (GREENLEAF, 1998, p. 1). A definição cunhada por Greenleaf (1998) enseja que liderar significa servir e que o líder servidor tem a como principal preocupação a de servir, ajudando as pessoas a se tornarem melhores e alcançarem plenamente seu potencial. Hunter (2004), em sua obra “O monge e o executivo - uma história sobre a essência da liderança” apresenta a liderança servidora como a “habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente visando atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum”. A abordagem de Hunter (2004) para a liderança servidora é em relação à atuação do líder com autoridade e/ou com poder. Onde o poder é a “faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade, por causa de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não fazer” e autoridade é a “habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer por causa de sua influência pessoal” (Hunter, 2004, p. 26). A liderança servidora, segundo Hunter (2004) baseia-se na atuação do líder com autoridade e não com poder, pois a atuação através do poder faz com que os liderados sintam medo de seus gestores, que se sintam aprisionados e realizando
  • 6. 5 suas atividades com menos entusiasmo e com menos concentração, pois o líder com autoridade consegue que seus liderados realizem as atividades que ele necessita com boa vontade, motivação e entusiasmo. Para Hunter (2004) o desafio da liderança servidora é ter o gestor atuando a serviço da sua equipe, mesmo que isso signifique sacrifício para ele, pois terá que identificar e atender às necessidades dos liderados, para que estes possam satisfazer as expectativas do cliente, que sempre é o foco principal da organização. “Líder é alguém que identifica e satisfaz as necessidades legítimas de seus liderados e remove todas as barreiras para que possam servir ao cliente” (HUNTER, 2004, p. 51). Este estilo de liderança exigirá sempre do gestor uma postura questionadora, a fim de identificar quais são as necessidades de seus liderados. Além dos dois aspectos abordados, o agir com autoridade e colocar-se a serviço e sacrifício das pessoas, para Hunter (2004), ainda fazem parte do modelo da liderança servidora, o amor e a vontade. O autor justifica, sinteticamente, a relação entre o amor e a liderança, através do quadro 1: Quadro 1 – Relação entre o amor e a liderança Fonte: GROSS,2006, p.17 O amor, na obra de Hunter (2004) não significa ter o sentimento de amor em relação a um liderado, mas agir de forma que não o diminua, que não o fira, que não o deprecie. Ou seja, o líder deve ter atitudes humanitárias e ainda salienta que:
  • 7. 6 Liderança e amor são questões ligadas ao caráter. Paciência, bondade, humildade, abnegação, respeito, generosidade, honestidade, compromisso. Estas são as qualidades construtoras do caráter, são os hábitos que precisamos desenvolver e amadurecer se quisermos nos tornar líderes de sucesso, que vencem no teste do tempo. (HUNTER, 2004, p; 125). O princípio do modelo proposto por Hunter (2004) está na vontade do líder em agir para o bem dos liderados e entender suas reais necessidades e tentar atendêlas, colocando-se a serviço deles e, muitas vezes, se sacrificar por eles; permitir que as necessidades dos liderados sejam atendidas antes mesmo de que as suas. A liderança começa com a vontade, que é nossa única capacidade como seres humanos para sintonizar nossas intenções com nossas ações e escolher nosso comportamento. É preciso ter vontade para escolhermos amar, isto é, sentir as reais necessidades, e não os desejos, daqueles que lideramos. Para atender a essas necessidades, precisamos nos dispor a servir e até mesmo a nos sacrificar. Quando servimos e nos sacrificamos pelos outros, exercemos autoridade ou influência [...] E quando exercemos autoridade com as pessoas, ganhamos o direito de sermos chamados de líderes. (HUNTER, 2004, P. 70). Agindo dessa forma estará exercendo autoridade e terá o reconhecimento da equipe. A equipe, por sua vez, se sentirá motivada e compromissada em realizar as atividades com eficiência e eficácia e buscar os objetivos da empresa, porque o líder possibilitará que os colaboradores se sintam parte efetiva da empresa. 3. Princípios do líder servidor O desenvolvimento da liderança servidora exige muita motivação, feedback e prática intensiva na vida cotidiana. Não se trata de um exercício intelectual, talvez seja necessária a identificação com este modelo de administrar (ROSSA, 2010). Alguns princípios do líder servidor são: Abrir mão da autoridade O primeiro requisito que, pode parecer um paradoxo, é abrir mão da autoridade formal. O líder servidor não é melhor nem pior do que ninguém. Ele dispensa tratamentos especiais e pede ao invés de mandar.
  • 8. 7 Aceitar a diversidade Para liderar grupos heterogêneos, ele aceita a diversidade como riqueza e promove o que cada pessoa tem de melhor. Sua postura é inclusiva e apreciativa, movendo os outros para frente. Compartilhar experiências Líderes servidores não gostam de ser idolatrados. Preferem ter companheiros de jornada que compartilham experiências, se inspiram e fazem sua parte também. Quanto mais auxilia seus aliados, mais fidelidade obtém. Acreditar em seus ideais O líder servidor alimenta a característica infantil da inocência. Ele acredita em seus ideais com convicção porque é otimista e motiva quem o acompanha. Ele se preocupa com os outros sinceramente. Quando um dos aliados fraqueja, ele estende a mão. O líder servidor não exige a perfeição de ninguém, mas o crescimento continuado. Saber ouvir e receber críticas (feedback) O líder servidor é um eterno aprendiz. Ele é sensato e acata as críticas construtivas, pois está permanentemente aberto ao diálogo. Escuta com atenção o que os seus aliados têm a dizer e não guarda rancor quando questionado. Sabe que os diferentes pontos de vista nos ajudam a enxergar com mais profundidade as situações e vê o isolamento como um grande erro. Por isso, a relação não é unilateral, de prepotência e autoridade. A sabedoria está justamente em deixar-se transformar e evoluir, pela influência externa de quem se aproxima no intuito de somar. Ter auto-confiança O líder servidor sabe da sua competência e tem a consciência expandida. Com mais confiança, arrisca novas tentativas e não se importa com os erros do aprendizado. Ele é sensível ao tempo e espera o momento certo para agir. É prudente e objetivo. Usa o tempo a seu favor. O líder servidor cuida do solo e semeia todos os dias, pois sabe que uma boa colheita só acontece após muito investimento.
  • 9. 8 Dar o exemplo Seu poder emerge da própria coerência, atitude e credibilidade. Tem o magnetismo natural que exerce pela palavra e pelo exemplo. É mestre, além de conhecer o que ensina, o líder servidor sabe a importância de ser o que ensina. Quando surgem conflitos age como um pacificador, gerando um sentimento de comunidade fraterna. Ele é generoso e agregador, buscando sempre uma solução cooperativa para preservar a harmonia das relações. Ser humilde e naturalmente imperfeito O líder servidor assume inteiramente a responsabilidade sobre seus atos. Admite quando erra e pede desculpas, abrindo espaço para que os outros façam o mesmo quando sentem necessidade. Ele é solidário, descontraído e naturalmente imperfeito. Isso inibe o medo de errar e permite que seus aliados experimentem novos desafios. Sem a pressão da cobrança demasiada, podem aprender mais e melhor. 4. Técnicas comportamentais de um verdadeiro líder servidor Uma das principais características do líder servidor é a capacidade de persuadir, de procurar sempre convencer e nunca coagir ou constranger ninguém. A verdadeira liderança servidora está baseada na capacidade de influenciar pessoas a agir por meio da persuasão. Quando mandamos, determinamos ou obrigamos alguém a fazer alguma coisa, não estamos liderando, embora até consigamos resultados. Nessa situação estamos apenas ignorando completamente a alma e o espírito das pessoas, ou seja, a paixão e, dessa forma, deliberadamente excluímos o melhor de cada um. Há uma grande vantagem em usar a persuasão ao invés de qualquer outro meio para se conseguir alguma coisa. “O trato com as pessoas, sem dúvida alguma, é o maior problema que o indivíduo tem a encarar, sendo comerciante, arquiteto, engenheiro ou uma esposa que dirija a sua casa. Mesmo em carreiras técnicas como a Engenharia, essas investigações demonstraram que apenas 15% dos sucessos financeiros de um indivíduo são devidos aos conhecimentos profissionais e cerca de 85% à competência na “engenharia humana” – à personalidade e à habilidade para dirigir as pessoas.”( CARNEGIE, 2012,p. 26)
  • 10. 9 Essa bibliografia apresenta técnicas e princípios para despertar novos pensamentos e novas visões, tornar mais fácil a conquista de pessoas a pensarem do seu modo, aumentar sua influência, seu prestígio e sua habilidade em conseguir as coisas, ajudar a acabar com as queixas, a evitar discussões e a manter as formas de contato humano agradáveis e amenas, fazer de você um orador melhor e um conversador mais interessante, ajudar a despertar o entusiasmo entre os seus companheiros e muitas outras ações para alcançar o máximo a confiança e o reconhecimento de pessoas. As técnicas e princípios para alcançar esses sucessos são: Não critique, não condene e não se queixe. “A crítica é fútil, porque coloca um homem na defensiva, e, comumente, faz com que ele se esforce para justificar-se. A crítica é perigosa, porque fere o precioso orgulho do indivíduo, alcança o seu senso de importância e gera o ressentimento. B. F. Skinner, mundialmente famoso psicólogo, através de seus experimentos, demonstrou que um animal que é recompensado por bom comportamento aprenderá com maior rapidez e reterá o conteúdo aprendido com maior habilidade do que um animal que é castigado por mau comportamento. Estudos recentes mostram que o mesmo se aplica ao homem. O ressentimento que as críticas geram podem desmoralizar os liderados, os empregados, os membros de uma família e os amigos, e ainda assim não melhorar a situação que tem-se condenado.” ( CARNEGIE, 2012,p. 41) Assim em lugar de condenar os outros, procuremos compreendê-los. Procuremos descobrir por que fazem o que fazem. Essa atitude é muito mais benéfica e intrigante do que criticar, assim gera simpatia, tolerância e bondade. Aprecie honesta e sinceramente. Existe um desejo que se apresenta tão profundo, quase tão imperioso como o desejo de alimento ou de repouso e que raramente é satisfeito. É o que Freud chama “o desejo de ser grande”. Essa é uma espécie de fome humana insaciável, e os poucos indivíduos que honestamente satisfazem esta avidez tão enraizada no coração, terão as pessoas na palma da sua mão. Este desejo faz você querer usar roupas da última moda, ter o melhor celular e falar sobre seus inteligentes filhos.
  • 11. 10 Muitas pessoas se consideram tão famintas, tão sedentas por apreciação, que aceitam qualquer coisa. Uma das virtudes mais negligenciadas no nosso dia-a-dia é a valorização. Ás vezes, por algum motivo, descuidamos de fazer um elogio a um liderado quando nos apresentam seus ótimos serviços realizados. Nada alegra mais um liderado do que um elogio e o interesse por parte do líder. Magoar as pessoas, além de não modificá-las, jamais as desperta para suas atividades. Assim experimentemos descobrir as qualidades boas de um outro homem, esquecemos então a bajulação, façamos um honesto e sincero elogio. Seja “sincero na sua aprovação e prodígio no seu elogio” e as pessoas prezarão suas palavras, guardando-as e repetindo-as durante toda a vida – repetindo-as anos depois, quando você já as tiver esquecido. Desperte um forte desejo na outra pessoa. O único meio existente na terra para influenciar uma pessoa é falar sobre o que ela quer e mostrar-lhe como realizar o seu intento. Lembre-se disso amanhã, quando estiver procurando conseguir que alguém faça uma determinada coisa. “A ação emana daquilo que fundamentalmente desejamos e o melhor conselho que se pode dar às pessoas que têm necessidade de convencer alguém, é despertar na outra pessoa um desejo ardente.”( CARNEGIE, 2012,p. 68) Amanhã, você quer persuadir alguém a fazer alguma coisa? Antes de abordar o assunto, faça a si mesmo pergunta: “Como poderei fazer com que ele queira isto?” Uma pergunta assim evitará a nossa pressa e a falta de tato com outras pessoas, tagarelando futilmente apenas sobre nossos desejos. Disse Henry Ford, “se há algum segredo de sucesso, ele consiste na habilidade de apreender o ponto de vista da outra pessoa e ver as coisas tão bem pelo ângulo dela como pelo seu.” (CARNEGIE, 2012,p.71) Considerar o ponto de vista alheio e despertar no outro um desejo de possuir algo não deve ser entendido como manipulação, decorrendo disso que a pessoa fará alguma coisa em detrimento dela e em benefício de quem a persuadiu.
  • 12. 11 Torne-se verdadeiramente interessado na outra pessoa. Qualquer pessoa pode fazer mais amigos em 2 meses, tornando-se verdadeiramente interessado nas outras pessoas, do que um outro em 2 anos procurando fazer as outras pessoas tornarem-se interessadas nele. As pessoas erram pela vida tentando em vão fazer com que os outros se interessem por elas. As pessoas não estão interessadas em você, estão interessadas nelas mesmas - pela manhã, ao meio dia e depois do jantar. As palavras de Adler são ricas de significado: “É o individuo que não está interessado no seu semelhante quem tem as maiores dificuldades na vida e causa os maiores males aos outros. È entre tais indivíduos que se verificam todos os fracassos humanos” (CARNEGIE, 2012,p.89) Um líder pode conseguir a atenção, o tempo e a cooperação mesmo das mais eminentes personalidades de liderados, tornando-se verdadeiramente interessado neles. Todos nós – sejamos o açougueiro ou o padeiro, ou o rei no seu trono – todos nós gostamos das pessoas que nos admiram. Se quisermos conseguir amigos, coloquemo-nos à disposição de outras pessoas para fazer por elas certas coisas que requeiram tempo, energia, desprendimento e meditação. Sorria sempre. “Ações falam mais que palavras e um sorriso diz: “ Gosto de você, você me faz feliz, estou satisfeito por vê-lo.” Eis por que os cachorros fazem isso com saltos. Eles ficam tão contentes quando nos vêem que pulam para nós. Por isso, naturalmente, nós sentimos satisfação em vê-lo.” Um sorriso insincero? Não. Este não engana ninguém. Nós conhecemos e sentimos quando ele é mecânico. Estou falando é sobre um sorriso verdadeiro, um sorriso que traz calor do coração, um sorriso que vem de dentro. Segundo James V. McConnell, expressa seu ponto de vista da seguinte forma: “As pessoas que sorriem tendem a dirigir, ensinar e vender com muita eficiência, além de criar filhos felizes. Existe mais informação num sorriso do que numa expressão carrancuda. Por essa razão, o incentivo é um conselho instrutivo mais eficiente que a punição”.” (CARNEGIE, 2012,p.99) Seu sorriso é o mensageiro de suas boa intenções. Seu sorriso ilumina a vida de todo aquele que o vê, traz a felicidade, alimenta a boa vontade nos negócios e é a senha dos amigos.
  • 13. 12 Lembre-se que o nome de uma pessoa é para ela o som mais doce e importante que existe em qualquer idioma. Uma pessoa comum é mais interessada no seu próprio nome do que em todos os outros nomes da terra juntos. Lembre-se do nome, chame-o facilmente e terá prestado a qualquer pessoa um sutil e muito eficiente cumprimento. Mas esquecê-lo ou chamá-lo por nome diferente é colocar-se numa grande desvantagem. Um dos mais simples, mais óbvios e mais importantes meios para conseguir a boa vontade é lembrar os nomes e fazer com que as pessoas se sintam importantes. Segundo Franklin Roosevelt “Lembrar o nome de uma pessoa é conquistá-la, esquecer é perder-la”. “Devemos atentar para a mágica que existe num nome e compreender que esse singular elemento pertence exclusivamente à pessoa com quem estamos lidando e a ninguém mais.” (CARNEGIE, 2012,p.114) O nome destaca a singularidade do indivíduo, tornando-o único entre a multidão. A informação que comunicamos e a solicitação que fazemos em determinada situação assumem uma importância especial quando mantemos vivo em nosso mente o nome do indivíduo. Do faxineiro ao diretor, o nome exercerá um efeito mágico enquanto lidamos com as pessoas. Seja um bom ouvinte, incentive as pessoas a falarem sobre elas mesmas. Ouvir verdadeiramente interessado agrada qualquer pessoa, essa espécie de atenção é uma das mais altas considerações que podemos prestar aos outros. Além de prestar uma atenção interessada, tem que ser sincero na apreciação e generoso em um elogio. Conseguimos que a pessoa julgue “uma boa prosa” quando, você ser apenas um bom ouvinte que incentiva a pessoa a falar. “A atenção exclusiva para a pessoa que lhe estiver falando é muito importante. Nada mais é tão lisonjeador como isso.” (CARNEGIE, 2012,p.117) Muitas pessoas deixam de causar uma boa impressão porque não ouvem atentamente. Ficam tão interessadas no que vão dizer em seguida que não abrem os ouvidos. Grandes homens disseram que preferem bons ouvintes a bons faladores, mas a habilidade de ouvir parece mais rara do que qualquer outra boa maneira.
  • 14. 13 As vezes as pessoas não querem conselhos, querem apenas um ouvinte amigo e simpatizante com quem pode descarregar seus argumentos. Eis o que todos nós queremos quando estamos preocupados, é isso que, freqüentemente, todos os clientes irritados querem, bem como o empregado insatisfeito ou amigo magoado. Se quiser saber como fazer as pessoas correrem de você e o ridicularizarem pelas costas ou mesmo desprezá-lo, eis aqui a receita: nunca se mostre disposto a ouvir alguém por muito tempo, fale incessantemente sobre você mesmo, se tiver uma idéia enquanto a outra pessoa estiver falando, não espere que ela termine. Isso mostra que a pessoa não é tão importante como você. Importunos, eis o que essas pessoas são – importunos intoxicados com o próprio “ego”, ébrios com o sentimento de sua própria importância. Assim, se quiser ser um bom conversador, seja um ouvinte atento. Para ser interessante, seja interessado. Faça perguntas que o outro sinta prazer em responder. Incite-o a falar sobre si mesmo e sobre assuntos prediletos. Lembre-se de que a pessoa com o qual estiver falando está centenas de vezes mais interessado em si mesmo, nos seus problemas e vontades do que em você e seus problemas. Fale de coisas que interessem à outra pessoa. Todos os líderes tem que saber que a estrada real para o coração de uma pessoa é falar sobre as coisas que ele mais estima. Se o líder não encontrar a coisa em que o liderado se acha interessado e não desperta seu entusiasmo no princípio, não irá ter facilidade de ter a dedicação nas realizações do grupo. Faça a outra pessoa sentir-se importante e faça-o com sinceridade. Se somos tão desprezivelmente egoístas que não podemos irradiar um pouco de felicidade e passar um pouco de sincero reconhecimento sem tentar tirar algo da outra pessoa em troca, nos encontraremos diante do fracasso que tão justamente merecemos. Fazendo isso o líder consegue a satisfação de fazer alguma coisa para o liderado, sem que ele necessitasse fazer alguma coisa em retribuição, o que significa um sentimento que crescerá e ecoará na memória dele mesmo muito tempo depois de passado o incidente.
  • 15. 14 Há uma lei da conduta humana de máxima importância, que se obedecermos essa lei, quase nunca teremos preocupações, nos trará inúmeros amigos e constante felicidade. Mas se violarmos, teremos logo de enfrentar uma série de infinitos transtornos. A lei é a seguinte: Fazer sempre a pessoa sentir-se importante. Ser importante e ser apreciado são os desejos mais profundos da natureza humana. Se o líder deseja a aprovação de todos aqueles com quem está em contato, quer o reconhecimento do seu real valor, quer sentir-se importante no seu mundo e quer que os seus liderados sejam cordiais na sua aprovação e generosos no seu elogio, deve-se obedecer a lei em todas as vezes que conversar com um liderado. A verdade crua é que quase todo homem que você encontra se julga superior a você em algum ponto. Um caminho seguro para tocar-lhe o coração é fazê-lo compreender, de uma maneira sutil, que você reconhece a importância dele no seu mundo e o faz sinceramente. Assim fale com as pessoas a respeito delas mesmas e elas o ouvirão por muitas horas. A única maneira de ganhar uma discussão é evitando-a. Nove vezes em dez, uma discussão termina com cada um dos contestantes convencido, mais firmemente do que nunca, de que está absolutamente certo. Você não pode vencer uma discussão, não pode porque, se perder, perdeu mesmo e se ganhar, também perdeu. Pois, suponha que triunfou sobre um outra pessoa e arrasou seus argumentos cheios de pontos fracos e provou que ele estava errado. Você o fez sentir-se inferior e feriu o amor-próprio. Geralmente em uma discussão, assim que o liderado sentir-se importante e reconhecido, cessa-se a discussão, pois seu ego foi conquistado. Buda dizia: “Ódio nunca termina por ódio, mas por amor”, e um mal- entendido nunca termina pela discussão, mas pela tática, diplomacia, conciliação e um desejo simpático de ver o ponto de vista a outra pessoa. Respeite a opinião dos outros, nunca diga: “Você está enganado”. Se um líder ter a segurança de estar certo apenas 55% das vezes, pode jogar na Mega Sena. E se você pode estar seguro de acertar mesmo 55% das vezes, por que dizer às outras pessoas que elas estão erradas?
  • 16. 15 O líder pode dizer a um liderado que ele está errado por meio do olhar, do gesto, da entonação da voz, como também por meio de palavras, mas se lhe disser que ele está errado, pensa que o levará a concordar com o líder? Nunca! Pois o líder desferiu um golpe direto contra sua inteligência, contra seu julgamento, contra seu orgulho, contra seu amor-próprio. O líder então poderá atacá-lo com todo conhecimento do mundo, mas não alterará a opinião dele, pois lhe feriu os sentimentos. Nunca o líder deve começar dizendo: “Vou provar isso ou aquilo”, isso equivale a dizer “Sou mais inteligente que você. Vou dizer-lhe uma coisa e mudar sua opinião”. Isso é um desafio. Gera oposição e faz com que o liderado sinta vontade de discutir com o líder, mesmo antes de começar. Segundo Lord Chesterfield: “Seja mais sábio que as outras pessoas, mas nunca lhes diga isso”. Ninguém, mesmo que viva no céu, aqui na terra, ou mesmo nas águas ou debaixo da terra, se oporá a você, se disser: “Posso estar errado. Vamos examinar os fatos”. Você nunca terá aborrecimentos admitindo que pode estar errado, e isto evitará todas as discussões e fará com que o outro torne-se tão inteligente, tão claro e tão sensato como o foi você, fará com que ele também queria admitir que pode estar errado. Assim não discuta com o seu cliente, com a sua esposa nem com o seu adversário. Não lhes diga que estão errados, não os aborreça, use um pouco de diplomacia. Se estiver errado, reconheça o seu erro rápida e enfaticamente. Se sabemos que vamos ouvir de alguém alguma reprimenda, não é muito melhor precedermos a outra pessoa e dizermos nós mesmos o que ela vai dizer? Não é muito mais fácil ouvir a autocrítica do que a condenação vinda de lábios alheios? Diga sobre si mesmo todas as coisas em que você sabe que a outra pessoa está pensando, ou coisas que ela quer e pretende dizer – diga antes que ela tenha uma oportunidade de dizê-la. As possibilidades são na proporção de cem para uma de como a outra pessoa tomará, então, uma atitude generosa, de perdão, e reduzirá o seu erro ao mínimo. Existe certo grau de satisfação em se ter a coragem de admitir o próprio erro. Não apenas alivia a sensação de culpa e a atitude de defesa, como também com freqüência ajuda a resolver o problema criado pelo erro. Qualquer louco pode
  • 17. 16 procurar justificar as suas faltas, e muitos loucos fazem isso, mas reconhecer seus próprios erros, o que é muito raro, dá uma auréola de nobreza e exaltação. Assim quando estivermos com a razão, procuraremos convencer os outros aos poucos e com toda a habilidade, conquistando-os assim a pensar como nós, quando estivermos errado reconheçamos nossos erros sem demora e com entusiasmo. Essa técnica não produzirá apenas resultados surpreendentes mas, acredite ou não, é muito mais interessante, em certas circunstâncias, do que uma pessoa tentar justificar os seus erros. Comece de maneira amigável. Se o coração de um homem está inflamado pela discórdia e pelos maus sentimentos com você, nem com toda a lógica do Cristianismo você conseguirá conquistá-lo para o seu modo de pensar. Líderes altamente exigentes, pçais repreendedores, patrões e maridos mandões, esposas ranzinzas, deviam compreender que as pessoas não gostam de mudar suas idéias. Elas não podem ser forçadas a concordar com você, mas podem ser levadas a isso se formos gentis e amistosos. Segundo Esopo escravo grego há 25 séculos atrás ensinou: “O sol pode fazer com que você tire sua capa mais depressa que o vento, e a bondade, aproximação amistosa e a apreciação podem fazer as pessoas mudarem de idéia mais prontamente que todo o barulho e as tempestades do mundo”. Consiga que a outra pessoa diga “sim, sim”, imediatamente. Um líder falando com os liderados, não pode começar a discutir as coisas em que divergem. Comece enfatizando – e continue enfatizando – as coisas em que estão de acordo. Faça questão de frisar, que ambos estão marchando para o mesmo fim e a única diferença que os separa é de método e não de propósito. Mantenha o liderado dizendo “sim, sim”, desde o começo, evite que ele diga não. Uma resposta “não”, é a desvantagem mais difícil a ser vencida, quando uma pessoa diz “não” todo o seu orgulho, toda sua personalidade, exigem que continue coerente com ela mesma. O orador hábil consegue logo de início uma série de respostas afirmativas. Ele orienta assim, no sentido afirmativo, todo o processo psicológico dos ouvintes. As normas psicológicas são aqui as mais claras. Quando
  • 18. 17 uma pessoa diz “não”, e realmente sente isto, está fazendo muito mais do que dizer uma palavra de três letras, todo o seu organismo - glândulas, nervos e músculos – se reúne nesta recusa. Desse modo, o maior número possível de “sim” obtido logo de início conduz ao máximo de probabilidades em conseguirmos a atenção precisa para a nossa última proposta. Deixe a outra pessoa falar durante boa parte da conversa. Quando a maioria das pessoas procura conquistar outras para os seu modo de pensar, faz isso conversando demasiadamente. Vendedores, especialmente, são vítimas desse grave erro. Deixe a outra pessoa falar dela mesma, ela conhece muito mais sobre o seu negócio e os seus problemas do que você, assim faça-lhe perguntas. Se discorda dessa pessoa, você pode ser tentado a interrompê-la, mas não faça isso, é arriscado. A pessoa não lhe prestará atenção enquanto tiver idéias suas para expor, ousa-a pacientemente e com boa vontade, seja sincero nisso e encoraje-a a expressar suas idéias. De acordo com La Rochefoucaud, filósofo francês: “Se quiser ter inimigos, sobreponha-se aos seus amigos, se quiser ter amigos, deixe que seus amigos se sobreponham a você”. Isso é verdade porque quando nossos amigos se sobressaem sobre nós, isso lhes dá uma sensação de importância, mas quando nós nos sobressaímos causamoslhes uma sensação de inferioridade, que gera a inveja.” (CARNEGIE, 2012,p.186) Deixe que a outra pessoa sinta que a idéia é dela. Você não confia muito mais nas idéias que descobriu por si mesmo do que naquelas que lhe são trazidas numa “bandeja de prata”? Se é assim, não acha uma má resolução tentar fazer as outras pessoas seguirem as suas opiniões à força? Não seria muito mais sabia da sua parte fazer sugestões e deixar a outra pessoa tirar a conclusão por si mesma? Deixar que a outra pessoa pense que determinada idéia é dela leva a conseqüências positivas não só nos negócios ou na política, mas também na vida familiar.
  • 19. 18 Procure honestamente ver as coisas do ponto de vista da outra pessoa. Lembre-se de que os liderados, mesmo quando estão completamente errados, não gostam de saber de tal coisa, não os condene, qualquer louco pode fazer isso, o líder servidor tem que se esforçar para entendê-los. Apenas um líder servidor sábio, tolerante e mesmo excepcional é capaz de proceder assim. Um liderado age de determinado modo porque existe alguma razão para isso, assim descubra essa razão oculta e o líder servidor terá a chave de suas ações e talvez de sua personalidade. Experimente, honestamente, colocar-se no lugar do liderado. Se o líder servidor disser para si mesmo: “Como me sentiria, como reagiria se estivesse no seu lugar?”, terá ganho uma porção de tempo e evitado muita irritação, pois “ o líder servido tornando interessado na causa, temos menos probabilidades de não gostar do efeito”. E, desse modo, estará sutilmente aumentando sua capacidade nas relações humanas. De acordo com Dr. Gerald Nirenberg: “Só se alcança a cooperação numa conversa quando você demonstra que considera as idéias e os sentimentos da outra pessoa como tão importantes quanto os seus próprios. Comece uma conversa dando à outra pessoa o objetivo e a direção da sua conversa, controlando o que diz através daquilo que gostaria de ouvir se fosse o ouvinte, e aceitando o ponto de vista que ela lhe apresenta – essa atitude irá encorajar o ouvinte a abrir a mente para as suas idéias.” (CARNEGIE, 2012,p.195) Assim, tal coisa tomará algum tempo, mas atrairá mais confiança e respeito de seus liderados e trará melhores resultados, obtidos com menos atritos e menos gastos de energia. Seja receptivo às idéias e desejos da outra pessoa. Para um líder servidor cessar uma discussão, eliminar um sentimento hostil, despertar uma boa vontade e fizer os liderados ouvirem atentamente, o mesmo tem que começar dizendo: “Eu não o condeno de jeito nenhum por pensar assim. Se eu estivesse no seu lugar sem dúvida alguma pensaria exatamente como você”. Uma resposta como essa abranda qualquer liderado furioso que existir. Três quartos das pessoas com que você se encontrar amanhã estarão desejosas de simpatia, então lhes demonstre simpatia e elas o estimarão.
  • 20. 19 5. Conclusão Podemos concluir com esse estudo que a liderança está presente em todos os lugares, desde no trabalho, na família, no esporte, nos amigos e em outros grupos. Mas especificamente a liderança servidora vem ganhando mais importância por ser um ideal onde o líder e os liderados ganham mutuamente, pois se o líder servidor aplicar os princípios, comportamentos e atitudes apresentados nesse estudo, o clima entre os mesmos são de altíssima satisfação, pois o líder irá transmitir bons conselhos, respeito, bondade, conhecimentos, experiências, incentivos, motivações e outras ações servidoras e irá receber dos liderados confiança, respeito, melhores resultados, menos gastos e perdas, maiores rendimentos, menos conflitos, maiores satisfações em fazer parte da equipe, ter idéias novas, ter menos erros de execução e muitas outras vantagens, ou seja, aumenta e muito a obtenção do sucesso em algum projeto ou serviço a ser realizado. Assim um líder servidor nato seja ele um diretor, gerente, coordenador, supervisor, negociador, administrador ou qualquer outro cargo de liderança, tem que sempre lembrar que não é melhor que ninguém e sempre irá ter que servir compaixão, amor e simpatia para conquistar ao máximo a confiança, o respeito e obter os melhores resultados de seus liderados. Referências CARNEGIE, Dale. Como fazer amigos e Influenciar pessoas. 52° ed. atualizada. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2012. CHIAVENATO, Adalberto. Introdução à Teoria Geral da Administração. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, 2000. GRAMIGNA, Maria Rita. Modelo de competências e gestão dos talentos. São Paulo: Makron Books, 2002. GREENLEAF, Robert K. The power of servant leadership. San Francisco/USA: Berret-Koehler Publishers, Inc, 1998. GROSS, Pedro Luiz. Liderança servidora no ambiente organizacional. Artigo Científico do curso de Tecnólogo em Processamento de Dados da UNISINOS. São Leopoldo(RS).
  • 21. 20 HUNTER, James C. O monge e o executivo – uma história sobre a essência da liderança. Tradução Maria da Conceição Fornos de Magalhães. Rio de Janeiro: Sextante, 2004. OLIVEIRA, Calné de. As principais competências de um líder. Trabalho para a disciplina História das Organizações da Universidade Veiga de Almeida. Disponível em:<http://www.arte-multipla.com/docs/Competencias%20de%20um%20lider.pdf>. Acesso em: 01 set. 2013. ROSSA, Giovana. Um líder servidor, por favor! Artigo do Blog Qualidade Simples, 2010. Disponível em: <http:// blog.qualidadesimples.com.br /2010/05/07/ um-liderservidor-por-favor/>. Acesso em: 01 set. 2013.