SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 64
Seccional de Presidente Prudente
A Importância do Planejamento
Financeiro para Micro e Pequenas
Empresas
Palestrante
Roberson Baggio
CRA: 106037
CRC: 1SP318790
Estatística
Mortalidade das MPEs
Ano 2014 Ano 2015 Até 19/06/2016
Fonte: http://empresometro.cnc.org.br/Estatisticas
 Falta de Planejamento
 Falta de Controle Financeiro
 Falta de Capital de Giro
(Sebrae)
Principais Causas
 21% das empresas fecham por falta de capital de
giro no primeiro ano
 51% das empresas não fazem planejamento
financeiro
 58% das empresas não tem controle de custos
(Sebrae)
Principais Causas
 43% dos empreendedores iniciam seus negócios
sem um critério de cálculo para o preço de
vendas
 26% dos empreendedores iniciam seus negócios
sem saber o investimento necessário
 23% das empresas fecham em cinco anos pela
inadimplência dos clientes
(Sebrae)
Principais Causas
 1. Não ter as informações corretas sobre:
Saldo de caixa,
Valor dos estoques das mercadorias,
Valor das contas a receber,
Valor das contas a pagar,
Volume das despesas fixas ou financeiras, etc.
Motivo não há o registro adequado das
transações realizadas.
Os Erros Mais Comuns na
Administração Financeira
 2. Não saber se a empresa está ou não tendo lucro
em suas atividades operacionais.
 Motivo  não elaboração de demonstrativo de
resultados.
 3. Não calcular corretamente o preço de venda
dos produtos.
 Motivodesconhecimento dos custos e das
despesas
Os Erros Mais Comuns na
Administração Financeira
 4. Não conhecer corretamente o volume, a origem
dos recebimentos, a quantidade e o destino dos
pagamentos.
 Motivonão há elaboração do fluxo de caixa.
 5. Não saber o valor patrimonial da empresa.
 Motivo não é feito um balanço patrimonial.
Os Erros Mais Comuns na
Administração Financeira
 6. Não saber quanto os sócios retiram de pró-
labore.
 Motivo  não existe um valor fixo para a
remuneração deles.
 7. Não conhecer corretamente o custo das
mercadorias vendidas.
 Motivo  não há um registro adequado de
estoque.
Os Erros Mais Comuns na
Administração Financeira
 8. Não saber corretamente o valor das despesas
fixas da companhia.
 Motivo as despesas pessoais dos sócios e as da
própria empresa não são calculadas
separadamente.
 9. Não saber administrar corretamente o capital
de giro.
 Motivo  desconhecimento do ciclo financeiro
das operações.
Os Erros Mais Comuns na
Administração Financeira
 10. Não fazer análise e planejamento
financeiro.
 Motivo  não existe um sistema de
informações gerenciais (fluxo de caixa,
demonstrativo de resultados e balanço
patrimonial)
Os Erros Mais Comuns na
Administração Financeira
 O que é Planejamento Financeiro?
É uma projeção de receitas e despesas, que
tem por finalidade indicar a situação
econômica geral da empresa.
Planejar as finanças da empresa é dar rumo,
meta e objetivos alcançáveis.
Planejamento Financeiro
 Planejamento financeiro, é estabelecer
metas para administrar com eficiência:
Despesas fixas e variáveis
Definir a política de compra, venda e
estoques.
Planejamento Financeiro
 O empresário tem dois conjuntos de variáveis
para realizar o planejamento:
 Variáveis que ele controla (fatores internos)
 Variáveis que ele não controla (fatores
externos).
Planejamento Financeiro
 Ajustar as Variáveis Internas e Externas
 O planejamento consiste em ajustar da
melhor forma possível as variáveis internas
que podem ser controladas, com às
variáveis externas positivas ou negativas
que não podem ser controladas.
Planejamento Financeiro
Planejamento Financeiro
Planejamento Financeiro
 “O processo de planejamento financeiro
começa com planos financeiros de longo
prazo, que por sua vez guiam a formulação de
planos e orçamentos de curto prazo”
 Gitman (2001, p.434)
Planejamento Financeiro a Curto e
Longo Prazo
 Planos de longo prazo: previsão de um período
de dois a dez anos.
 Planos de curto prazo: previsão de um período
de um a dois anos.
Planejamento Financeiro a Curto e
Longo Prazo
 Planos de longo prazo: orçamento de capital que
consiste em avaliar e selecionar investimentos de
longo prazo. Envolve cenários econômicos e
políticos de longo prazo
 Planos de curto prazo: se preocupa com ativo
circulante (caixa, estoques, contas a receber) e
passivo circulante (contas a pagar)
Planejamento Financeiro a Curto e
Longo Prazo
 1 – Tenha noção exata da situação da sua empresa
 Pontos positivos e negativos
 Tipo de serviço ou produto que oferece
 Público alvo
 Impacto da macroeconomia no negócio.
Todos os elementos que impactarão em seu
planejamento.
Etapas para a Construção do
Planejamento Financeiro
 2 – Coloque no papel, ou planilha
 Planeje seu faturamento no período de um ano,
divididos mês a mês.
 Construa um plano de vendas refletindo quais
suas fontes de receita.
 Anote tudo o que você vai gastar no período de
um ano, divididos mês a mês.
Etapas para a Construção do
Planejamento Financeiro
 3 – Trabalhe com várias possibilidades
 Projete diversos cenários.
 Procure sempre trabalhar com três: um otimista,
um realista e um pessimista.
Etapas para a Construção do
Planejamento Financeiro
 4 – Depois da apuração das informações
 Defina metas e objetivos que reflitam as projeções;
 Crie um cronograma realista dessas ações;
 Mensure resultados;
Etapas para a Construção do
Planejamento Financeiro
O fluxo de caixa financeiro é o instrumento
de planejamento mais utilizado pelas
empresas de todos os portes no mundo
inteiro.
Planejamento de Caixa
Planejamento de Caixa
 “O planejamento de caixa, é um
demonstrativo dos fluxos das entradas e
saídas de dinheiro da empresa, usado para
estimar suas necessidades de dinheiro a curto
prazo”.
 Gitman (1997, p.590)
Planejamento de Caixa
 Porque utilizar
É uma das ferramentas essenciais para
garantir uma boa administração.
Controlar as movimentações financeiras
Construir previsões para as finanças do
negócio
Planejamento de Caixa
 Objetivo
 Manter o equilíbrio financeiro
Planejamento de Caixa
 Como manter o equilíbrio financeiro?
 Conhecendo os ciclos operacional, de caixa e
econômico.
Planejamento de Caixa
Ciclo de Caixa
Ciclo Operacional
CO = CE + PMRC 90 Dias
Ciclo de Caixa
CF = CO - PMPF
Necessidade de Caixa
Recebimento de
R$ 4.000,00 de
Clientes
Pagamento de
R$ 2.000,00 a
Fornecedores
O que Fazer?
Recebia com 45 dias
direto, passa a receber
metade com 15 e a outra
metade com 30 dias
Pagava Fornecedor com 30 dias aumenta
para 60 dias
O que Fazer?
60 Dias
Recebimento
de R$ 2.000,00
de Clientes
Pagamento de
R$ 2.000,00 a
Fornecedores
Recebimento
de R$ 2.000,00
de Clientes
Saldo Inicial
R$ 1.000,00
 São normas e procedimentos, estabelecidos
pela direção da empresa, com o objetivo de
orientar os funcionários ou colaboradores
sobre os critérios para as ações de crédito.
 É ela que instrui o processo de tomada de
decisão na área de crédito da empresa.
Política de Crédito
 Perguntas a serem feitas
 Quais os critérios para a concessão de crédito?
 As formas de pagamento (cartões de crédito,
carnês, cheques pré- datados, etc) e cobranças
(avisos, protestos. etc.) estão definidas?
Política de Crédito
Principais Aspectos
 Estão estabelecidas os prazos para o pagamento
e o número de parcelas?
 Que multas e despesas por atraso deverão ser
cobradas?
 Que exigências serão feitas para a concessão do
crédito?
Política de Crédito
Principais Aspectos
 Representa a possibilidade de não recebimento
do todo ou parte da venda a crédito realizada.
Risco do Crédito
 FATORES INTERNOS: Deficiência do processo de
análise de crédito.
 FATORES EXTERNOS: Agravamento da
situação do ambiente econômico
(desemprego, achatamento salarial, etc.).
Fatores Determinantes no Risco do
Crédito
Crédito Aspectos do Marketing
 CONHECER OS SERVIÇOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO
 SPC
 SERASA.
 ORGANIZAR UMA BOA INFORMAÇÃO CADASTRAL
Condições Para Conceder Crédito
 Exemplos:
 Só aceitamos cheques mediante apresentação de
CPF e RG e sob consulta.
 Não aceitamos cheques de terceiros
 Não aceitamos pagamento com cheque
 Aceitamos pagamento somente em dinheiro ou
através de cartão crédito.
Regras Preventivas para Diminuir a
Inadimplência
 Quando uma empresa inicia as suas atividades,
recebe dois tipos de investimentos.
Investimento fixo em itens do ativo imobilizado
(aquisição das máquinas, móveis, imóvel, etc.).
A outra parte do investimento fica alocado nos
estoques, nas contas a receber, no caixa ou na
conta corrente bancária (capital de giro).
Administração do Capital de Giro
 Capital de giro é o conjunto de valores necessários
para a empresa fazer seus negócios acontecerem.
 Em geral de 50% a 60% do total dos ativos de uma
empresa representam a fatia correspondente a
este capital.
Administração do Capital de Giro
 Quanto maior a necessidade de investimento nos
estoques, mais recursos financeiros a empresa
deverá ter.
 Quanto mais prazo é oferecido ao cliente ou
quanto maior for a parcela de vendas a prazo no
seu faturamento, mais recursos financeiros a
empresa deverá ter.
Administração do Capital de Giro
 Redução de vendas
 Crescimento da inadimplência
 Aumento das despesas financeiras
 Aumento de custos
Fatores que Levam à Diminuição do
Capital de Giro
 A necessidade de capital de giro é função do ciclo
de caixa da empresa.
 Quando o ciclo de caixa é longo, a necessidade de
capital de giro é maior e vice-versa.
 Assim, a redução do ciclo de caixa - em resumo,
significa receber mais cedo e pagar mais tarde -
deve ser uma meta da administração financeira.
Necessidade de Capital de Giro
 A necessidade de capital de giro é função do ciclo
de caixa da empresa.
 Quando o ciclo de caixa é longo, a necessidade de
capital de giro é maior e vice-versa.
 Assim, a redução do ciclo de caixa - em resumo,
significa receber mais cedo e pagar mais tarde -
deve ser uma meta da administração financeira.
Necessidade de Capital de Giro
Necessidade de Capital de Giro
Recebimento de
R$ 4.000,00 de
Clientes
Pagamento de
R$ 2.000,00 a
Fornecedores
 O capital de giro precisa ser acompanhado e
monitorado permanentemente, pois sofre
constantemente o impacto das diversas
mudanças no panorama econômico,
enfrentado pela empresa de forma contínua.
Administração do Capital de Giro
 Em administração e finanças, risco é a
possibilidade de perda financeira.
Risco e Retorno
 Risco e incerteza podem ser usados
como sinônimos em relação à
variabilidade de retornos associada a
um ativo.
Risco e Retorno
O risco sistemático é o risco do mercado como
um todo.
Todas as empresas estão expostas ao risco
sistemático
Vem de fatores externos não controláveis, como
decisões políticas, flutuação das taxas de juros,
forças da natureza, recessões e depressões
econômicas.
Risco Sistemático
Inerente a própria empresa ou a um determinado
setor.
Um exemplo disso seria uma greve no setor
bancário ou quando os funcionários de uma única
empresa fazem alguma paralisação ou, ainda,
alguma mudança no padrão de consumo.
Risco Não Sistemático
 As empresas implantam programas de redução de
custos e despesas de duas formas:
Espontânea  visa manter ou conseguir uma
vantagem competitiva
Compulsória  implantada diante de crise
financeira e seu objetivo é a sobrevivência da
empresa.
Análise e Redução de Custos e
Despesas
1. Otimização da qualidade em todos os processos
da empresa.
 O custo de recuperar um cliente insatisfeito é
comprovadamente maior do que o custo de
conquistá-lo.
2. Compreensão da relação entre custo, preço e
receita.
Prestar Atenção
3. Aprimoramento da qualidade de dados e de
informações de custo.
4. Crença de que todo custo é irredutível
Prestar Atenção
 1. Buscar sugestões dos empregados
 2. Renegociar contratos
 3. Eliminar o custo financeiro das compras
faturadas.
 4. Reduzir despesas financeiras
 5. Aumentar o giro dos estoques
Medidas Para Reduzir Custos
 6. Mudar o regime de tributação
 8. Usar materiais alternativos
 9. Eliminar desperdícios
 10.Aumentar a produtividade dos recursos
humanos
 11. Otimizar a rota de entrega
Medidas Para Reduzir Custos
 Fazendo um Planejamento Financeiro
 Tendo um Controle Financeiro
 Administrando o Fluxo de Caixa
 Administrando o Capital de giro
 Administrando a Política Crédito
 Administrando o Risco
 Reduzindo Custos
Como Maximizar o Lucro
 “Não é o mais forte que sobrevive, nem o
mais inteligente, mas o que melhor se
adapta às mudanças”.
 (Leon C. Megginson.)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 1 orçamento empresarial
Aula 1   orçamento empresarialAula 1   orçamento empresarial
Aula 1 orçamento empresarial
PAULO Leal
 
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeira
elliando dias
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
sscutrim
 

Mais procurados (20)

Aula 1 orçamento empresarial
Aula 1   orçamento empresarialAula 1   orçamento empresarial
Aula 1 orçamento empresarial
 
Introdução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão FinanceiraIntrodução à Gestão Financeira
Introdução à Gestão Financeira
 
Administração Financeira
Administração FinanceiraAdministração Financeira
Administração Financeira
 
Orçamento
OrçamentoOrçamento
Orçamento
 
Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01Aula gestão financeira - Aula 01
Aula gestão financeira - Aula 01
 
Introdução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de CapitaisIntrodução ao Mercado de Capitais
Introdução ao Mercado de Capitais
 
Aula 1 planejamento estratégico
Aula 1   planejamento estratégicoAula 1   planejamento estratégico
Aula 1 planejamento estratégico
 
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1   Fundamentos da gestao do capital de giroCap 1   Fundamentos da gestao do capital de giro
Cap 1 Fundamentos da gestao do capital de giro
 
Aula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixaAula 8 - Fluxo de caixa
Aula 8 - Fluxo de caixa
 
Previsão da Demanda I
Previsão da Demanda IPrevisão da Demanda I
Previsão da Demanda I
 
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami KuperchmitOrçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
Orçamento Empresarial por Sami Kuperchmit
 
Contabilidade conceitos básicos
Contabilidade   conceitos básicosContabilidade   conceitos básicos
Contabilidade conceitos básicos
 
Exercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento EstrategicoExercicio de Planejamento Estrategico
Exercicio de Planejamento Estrategico
 
Fluxo de caixa
Fluxo de caixaFluxo de caixa
Fluxo de caixa
 
Contabilidade patrimônio 2
Contabilidade patrimônio 2Contabilidade patrimônio 2
Contabilidade patrimônio 2
 
Aula 1 introdução a adm financeira
Aula 1   introdução a adm financeiraAula 1   introdução a adm financeira
Aula 1 introdução a adm financeira
 
Gestão de Tesouraria
Gestão de TesourariaGestão de Tesouraria
Gestão de Tesouraria
 
Aula Compras
Aula ComprasAula Compras
Aula Compras
 
Identificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidadesIdentificação e avaliação de oportunidades
Identificação e avaliação de oportunidades
 
Administração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentáriaAdministração financeira e orçamentária
Administração financeira e orçamentária
 

Destaque

Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Kelly Queiroz
 
POR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJARPOR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJAR
2009lourdes
 
A Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento Local
A Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento LocalA Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento Local
A Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento Local
Ricardo Luiz Silva Santos
 
Planejamento Operacional
Planejamento OperacionalPlanejamento Operacional
Planejamento Operacional
Lau Yamazaki
 

Destaque (20)

Índices e estatísticas sobre as micro e pequenas empresas -SEBRAE
Índices e estatísticas sobre as micro e pequenas empresas -SEBRAEÍndices e estatísticas sobre as micro e pequenas empresas -SEBRAE
Índices e estatísticas sobre as micro e pequenas empresas -SEBRAE
 
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
Atividade Complementar (Planejamento Financeiro)
 
Por que planejar é preciso?
Por que planejar é preciso? Por que planejar é preciso?
Por que planejar é preciso?
 
POR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJARPOR QUE PLANEJAR
POR QUE PLANEJAR
 
A Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento Local
A Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento LocalA Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento Local
A Lei Geral como Política Pública de Desenvolvimento Local
 
Apresentação estratégia
Apresentação   estratégiaApresentação   estratégia
Apresentação estratégia
 
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
BRASIL E PERNAMBUCO : Cenários econômicos para 2016 e importância de iniciati...
 
Trabalho conclusão curso francine manhabosco
Trabalho conclusão curso francine manhaboscoTrabalho conclusão curso francine manhabosco
Trabalho conclusão curso francine manhabosco
 
SOP Brasil - Performa® (Sales Planning)
SOP Brasil - Performa® (Sales Planning)SOP Brasil - Performa® (Sales Planning)
SOP Brasil - Performa® (Sales Planning)
 
5a Pesquisa IOB SPED
5a Pesquisa IOB SPED5a Pesquisa IOB SPED
5a Pesquisa IOB SPED
 
Novas perspectivas para sua carreira (WS - UVV)
Novas perspectivas para sua carreira (WS - UVV)Novas perspectivas para sua carreira (WS - UVV)
Novas perspectivas para sua carreira (WS - UVV)
 
Apostila planejamento de negocios
Apostila  planejamento de negociosApostila  planejamento de negocios
Apostila planejamento de negocios
 
CURSO DE SPED FISCAL EM EAD
CURSO DE SPED FISCAL EM EADCURSO DE SPED FISCAL EM EAD
CURSO DE SPED FISCAL EM EAD
 
Palestra | Pontos Estratégicos para Elaboração e Execução do Planejamento Tri...
Palestra | Pontos Estratégicos para Elaboração e Execução do Planejamento Tri...Palestra | Pontos Estratégicos para Elaboração e Execução do Planejamento Tri...
Palestra | Pontos Estratégicos para Elaboração e Execução do Planejamento Tri...
 
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESASGESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
GESTAO DE PEQUENAS E MEDIAS EMPRESAS
 
Empreendedorismo 11 - Plano Operacional
Empreendedorismo 11 - Plano OperacionalEmpreendedorismo 11 - Plano Operacional
Empreendedorismo 11 - Plano Operacional
 
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-ContribuiçõesQuestões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
Questões Polêmicas de PIS e COFINS e seus reflexos na EFD-Contribuições
 
SPED na Prática - José Augusto Picão
SPED na Prática - José Augusto PicãoSPED na Prática - José Augusto Picão
SPED na Prática - José Augusto Picão
 
Planejamento integrado
Planejamento integradoPlanejamento integrado
Planejamento integrado
 
Planejamento Operacional
Planejamento OperacionalPlanejamento Operacional
Planejamento Operacional
 

Semelhante a A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.

Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)
Fernando Moura
 
Em busca da realização pessoal quanto vale o seu sonho
Em busca da realização pessoal   quanto vale o seu sonhoEm busca da realização pessoal   quanto vale o seu sonho
Em busca da realização pessoal quanto vale o seu sonho
Vitória Varea
 
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos NegociosGuia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
comunicacao6
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
Théo Ferreira
 

Semelhante a A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas. (18)

Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)Planejamento financeiro (2)
Planejamento financeiro (2)
 
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptxSLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
SLIDES - Princípios Finanças NPG0011.pptx
 
12_Orcamento_de_Caixa.ppt
12_Orcamento_de_Caixa.ppt12_Orcamento_de_Caixa.ppt
12_Orcamento_de_Caixa.ppt
 
Apresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeiraApresentação do Curso de Gestao financeira
Apresentação do Curso de Gestao financeira
 
Controles Financeiros Inova Brasil
Controles Financeiros   Inova BrasilControles Financeiros   Inova Brasil
Controles Financeiros Inova Brasil
 
Controles financeiros inova brasil
Controles financeiros   inova brasilControles financeiros   inova brasil
Controles financeiros inova brasil
 
Gestao financeira -_apresentacao_slides.pdf
Gestao financeira -_apresentacao_slides.pdfGestao financeira -_apresentacao_slides.pdf
Gestao financeira -_apresentacao_slides.pdf
 
Em busca da realização pessoal quanto vale o seu sonho
Em busca da realização pessoal   quanto vale o seu sonhoEm busca da realização pessoal   quanto vale o seu sonho
Em busca da realização pessoal quanto vale o seu sonho
 
Apostila financ i
Apostila financ iApostila financ i
Apostila financ i
 
Loja virtual análise econômica financeira
Loja virtual   análise econômica financeiraLoja virtual   análise econômica financeira
Loja virtual análise econômica financeira
 
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos NegociosGuia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
Guia prático de Gestão Financeira para Pequenos Negocios
 
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - FinanceiroMiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
MiniBA - Gestão de MicroEmpresas - Financeiro
 
Consultoria
ConsultoriaConsultoria
Consultoria
 
Atps administração financeira.doc
Atps administração financeira.docAtps administração financeira.doc
Atps administração financeira.doc
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
Material de Estudo - DAF
Material de Estudo - DAFMaterial de Estudo - DAF
Material de Estudo - DAF
 
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamentoCapital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
Capital de giro: decisão de investimento e estratégia de financiamento
 
Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa Fluxo de Caixa
Fluxo de Caixa
 

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo

Mais de Conselho Regional de Administração de São Paulo (20)

Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SPResponsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
Responsabilidade Social e Sustentabilidade no CRA-SP
 
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
JORNADA DE TRANSFORMAÇÃO ÁGIL NAS EMPRESAS
 
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃOCOMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
COMO APLICAR A CULTURA ÁGIL EM SUA ORGANIZAÇÃO
 
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistasWebinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
Webinar - Mediação: como minimizar os riscos nas relações trabalhistas
 
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no BrasilAdministrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
Administrador 5.0: Protagonista da Transformação Digital no Brasil
 
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimentoAmbiente favorável ao autodesenvolvimento
Ambiente favorável ao autodesenvolvimento
 
Compliance no setor de energia
Compliance no setor de energiaCompliance no setor de energia
Compliance no setor de energia
 
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiaresA tributação na estruturação societária das empresas familiares
A tributação na estruturação societária das empresas familiares
 
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
A experiência feminina no sistema de franchising: como definir o segmento mai...
 
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia HospitalarDimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
Dimensões Clínicas, Técnicas e Gerenciais da Farmácia Hospitalar
 
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimentoAcolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
Acolhimento, Hospitalidade e Hotelaria: excelência no atendimento
 
Legislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e AmbientalLegislação Sanitária e Ambiental
Legislação Sanitária e Ambiental
 
Logística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafiosLogística 4.0: oportunidades e desafios
Logística 4.0: oportunidades e desafios
 
Como ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado esperaComo ser o lider que o mercado espera
Como ser o lider que o mercado espera
 
Coaching em grupos
Coaching em gruposCoaching em grupos
Coaching em grupos
 
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?Mediação: onde estamos e para onde vamos?
Mediação: onde estamos e para onde vamos?
 
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
Arbitragem: onde estamos e para onde vamos?
 
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
ADM Tendências (Episódio 06) Case Grow: Empreendedorismo e Negócios com Respo...
 
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenárioAs organizações estão doentes: como mudar este cenário
As organizações estão doentes: como mudar este cenário
 
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
O Futuro do Branding, das Marcas e da Comunicação até 2050
 

A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas.

  • 1. Seccional de Presidente Prudente A Importância do Planejamento Financeiro para Micro e Pequenas Empresas Palestrante Roberson Baggio CRA: 106037 CRC: 1SP318790
  • 2. Estatística Mortalidade das MPEs Ano 2014 Ano 2015 Até 19/06/2016 Fonte: http://empresometro.cnc.org.br/Estatisticas
  • 3.  Falta de Planejamento  Falta de Controle Financeiro  Falta de Capital de Giro (Sebrae) Principais Causas
  • 4.  21% das empresas fecham por falta de capital de giro no primeiro ano  51% das empresas não fazem planejamento financeiro  58% das empresas não tem controle de custos (Sebrae) Principais Causas
  • 5.  43% dos empreendedores iniciam seus negócios sem um critério de cálculo para o preço de vendas  26% dos empreendedores iniciam seus negócios sem saber o investimento necessário  23% das empresas fecham em cinco anos pela inadimplência dos clientes (Sebrae) Principais Causas
  • 6.  1. Não ter as informações corretas sobre: Saldo de caixa, Valor dos estoques das mercadorias, Valor das contas a receber, Valor das contas a pagar, Volume das despesas fixas ou financeiras, etc. Motivo não há o registro adequado das transações realizadas. Os Erros Mais Comuns na Administração Financeira
  • 7.  2. Não saber se a empresa está ou não tendo lucro em suas atividades operacionais.  Motivo  não elaboração de demonstrativo de resultados.  3. Não calcular corretamente o preço de venda dos produtos.  Motivodesconhecimento dos custos e das despesas Os Erros Mais Comuns na Administração Financeira
  • 8.  4. Não conhecer corretamente o volume, a origem dos recebimentos, a quantidade e o destino dos pagamentos.  Motivonão há elaboração do fluxo de caixa.  5. Não saber o valor patrimonial da empresa.  Motivo não é feito um balanço patrimonial. Os Erros Mais Comuns na Administração Financeira
  • 9.  6. Não saber quanto os sócios retiram de pró- labore.  Motivo  não existe um valor fixo para a remuneração deles.  7. Não conhecer corretamente o custo das mercadorias vendidas.  Motivo  não há um registro adequado de estoque. Os Erros Mais Comuns na Administração Financeira
  • 10.  8. Não saber corretamente o valor das despesas fixas da companhia.  Motivo as despesas pessoais dos sócios e as da própria empresa não são calculadas separadamente.  9. Não saber administrar corretamente o capital de giro.  Motivo  desconhecimento do ciclo financeiro das operações. Os Erros Mais Comuns na Administração Financeira
  • 11.  10. Não fazer análise e planejamento financeiro.  Motivo  não existe um sistema de informações gerenciais (fluxo de caixa, demonstrativo de resultados e balanço patrimonial) Os Erros Mais Comuns na Administração Financeira
  • 12.  O que é Planejamento Financeiro? É uma projeção de receitas e despesas, que tem por finalidade indicar a situação econômica geral da empresa. Planejar as finanças da empresa é dar rumo, meta e objetivos alcançáveis. Planejamento Financeiro
  • 13.  Planejamento financeiro, é estabelecer metas para administrar com eficiência: Despesas fixas e variáveis Definir a política de compra, venda e estoques. Planejamento Financeiro
  • 14.  O empresário tem dois conjuntos de variáveis para realizar o planejamento:  Variáveis que ele controla (fatores internos)  Variáveis que ele não controla (fatores externos). Planejamento Financeiro
  • 15.  Ajustar as Variáveis Internas e Externas  O planejamento consiste em ajustar da melhor forma possível as variáveis internas que podem ser controladas, com às variáveis externas positivas ou negativas que não podem ser controladas. Planejamento Financeiro
  • 18.  “O processo de planejamento financeiro começa com planos financeiros de longo prazo, que por sua vez guiam a formulação de planos e orçamentos de curto prazo”  Gitman (2001, p.434) Planejamento Financeiro a Curto e Longo Prazo
  • 19.  Planos de longo prazo: previsão de um período de dois a dez anos.  Planos de curto prazo: previsão de um período de um a dois anos. Planejamento Financeiro a Curto e Longo Prazo
  • 20.  Planos de longo prazo: orçamento de capital que consiste em avaliar e selecionar investimentos de longo prazo. Envolve cenários econômicos e políticos de longo prazo  Planos de curto prazo: se preocupa com ativo circulante (caixa, estoques, contas a receber) e passivo circulante (contas a pagar) Planejamento Financeiro a Curto e Longo Prazo
  • 21.  1 – Tenha noção exata da situação da sua empresa  Pontos positivos e negativos  Tipo de serviço ou produto que oferece  Público alvo  Impacto da macroeconomia no negócio. Todos os elementos que impactarão em seu planejamento. Etapas para a Construção do Planejamento Financeiro
  • 22.  2 – Coloque no papel, ou planilha  Planeje seu faturamento no período de um ano, divididos mês a mês.  Construa um plano de vendas refletindo quais suas fontes de receita.  Anote tudo o que você vai gastar no período de um ano, divididos mês a mês. Etapas para a Construção do Planejamento Financeiro
  • 23.  3 – Trabalhe com várias possibilidades  Projete diversos cenários.  Procure sempre trabalhar com três: um otimista, um realista e um pessimista. Etapas para a Construção do Planejamento Financeiro
  • 24.  4 – Depois da apuração das informações  Defina metas e objetivos que reflitam as projeções;  Crie um cronograma realista dessas ações;  Mensure resultados; Etapas para a Construção do Planejamento Financeiro
  • 25. O fluxo de caixa financeiro é o instrumento de planejamento mais utilizado pelas empresas de todos os portes no mundo inteiro. Planejamento de Caixa
  • 27.  “O planejamento de caixa, é um demonstrativo dos fluxos das entradas e saídas de dinheiro da empresa, usado para estimar suas necessidades de dinheiro a curto prazo”.  Gitman (1997, p.590) Planejamento de Caixa
  • 28.  Porque utilizar É uma das ferramentas essenciais para garantir uma boa administração. Controlar as movimentações financeiras Construir previsões para as finanças do negócio Planejamento de Caixa
  • 29.  Objetivo  Manter o equilíbrio financeiro Planejamento de Caixa
  • 30.  Como manter o equilíbrio financeiro?  Conhecendo os ciclos operacional, de caixa e econômico. Planejamento de Caixa
  • 32. Ciclo Operacional CO = CE + PMRC 90 Dias
  • 33. Ciclo de Caixa CF = CO - PMPF
  • 34. Necessidade de Caixa Recebimento de R$ 4.000,00 de Clientes Pagamento de R$ 2.000,00 a Fornecedores
  • 35. O que Fazer? Recebia com 45 dias direto, passa a receber metade com 15 e a outra metade com 30 dias Pagava Fornecedor com 30 dias aumenta para 60 dias
  • 37. Recebimento de R$ 2.000,00 de Clientes Pagamento de R$ 2.000,00 a Fornecedores Recebimento de R$ 2.000,00 de Clientes Saldo Inicial R$ 1.000,00
  • 38.  São normas e procedimentos, estabelecidos pela direção da empresa, com o objetivo de orientar os funcionários ou colaboradores sobre os critérios para as ações de crédito.  É ela que instrui o processo de tomada de decisão na área de crédito da empresa. Política de Crédito
  • 39.  Perguntas a serem feitas  Quais os critérios para a concessão de crédito?  As formas de pagamento (cartões de crédito, carnês, cheques pré- datados, etc) e cobranças (avisos, protestos. etc.) estão definidas? Política de Crédito Principais Aspectos
  • 40.  Estão estabelecidas os prazos para o pagamento e o número de parcelas?  Que multas e despesas por atraso deverão ser cobradas?  Que exigências serão feitas para a concessão do crédito? Política de Crédito Principais Aspectos
  • 41.  Representa a possibilidade de não recebimento do todo ou parte da venda a crédito realizada. Risco do Crédito
  • 42.  FATORES INTERNOS: Deficiência do processo de análise de crédito.  FATORES EXTERNOS: Agravamento da situação do ambiente econômico (desemprego, achatamento salarial, etc.). Fatores Determinantes no Risco do Crédito
  • 43. Crédito Aspectos do Marketing
  • 44.  CONHECER OS SERVIÇOS DE PROTEÇÃO AO CRÉDITO  SPC  SERASA.  ORGANIZAR UMA BOA INFORMAÇÃO CADASTRAL Condições Para Conceder Crédito
  • 45.  Exemplos:  Só aceitamos cheques mediante apresentação de CPF e RG e sob consulta.  Não aceitamos cheques de terceiros  Não aceitamos pagamento com cheque  Aceitamos pagamento somente em dinheiro ou através de cartão crédito. Regras Preventivas para Diminuir a Inadimplência
  • 46.  Quando uma empresa inicia as suas atividades, recebe dois tipos de investimentos. Investimento fixo em itens do ativo imobilizado (aquisição das máquinas, móveis, imóvel, etc.). A outra parte do investimento fica alocado nos estoques, nas contas a receber, no caixa ou na conta corrente bancária (capital de giro). Administração do Capital de Giro
  • 47.  Capital de giro é o conjunto de valores necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem.  Em geral de 50% a 60% do total dos ativos de uma empresa representam a fatia correspondente a este capital. Administração do Capital de Giro
  • 48.  Quanto maior a necessidade de investimento nos estoques, mais recursos financeiros a empresa deverá ter.  Quanto mais prazo é oferecido ao cliente ou quanto maior for a parcela de vendas a prazo no seu faturamento, mais recursos financeiros a empresa deverá ter. Administração do Capital de Giro
  • 49.  Redução de vendas  Crescimento da inadimplência  Aumento das despesas financeiras  Aumento de custos Fatores que Levam à Diminuição do Capital de Giro
  • 50.  A necessidade de capital de giro é função do ciclo de caixa da empresa.  Quando o ciclo de caixa é longo, a necessidade de capital de giro é maior e vice-versa.  Assim, a redução do ciclo de caixa - em resumo, significa receber mais cedo e pagar mais tarde - deve ser uma meta da administração financeira. Necessidade de Capital de Giro
  • 51.  A necessidade de capital de giro é função do ciclo de caixa da empresa.  Quando o ciclo de caixa é longo, a necessidade de capital de giro é maior e vice-versa.  Assim, a redução do ciclo de caixa - em resumo, significa receber mais cedo e pagar mais tarde - deve ser uma meta da administração financeira. Necessidade de Capital de Giro
  • 52. Necessidade de Capital de Giro Recebimento de R$ 4.000,00 de Clientes Pagamento de R$ 2.000,00 a Fornecedores
  • 53.  O capital de giro precisa ser acompanhado e monitorado permanentemente, pois sofre constantemente o impacto das diversas mudanças no panorama econômico, enfrentado pela empresa de forma contínua. Administração do Capital de Giro
  • 54.  Em administração e finanças, risco é a possibilidade de perda financeira. Risco e Retorno
  • 55.  Risco e incerteza podem ser usados como sinônimos em relação à variabilidade de retornos associada a um ativo. Risco e Retorno
  • 56. O risco sistemático é o risco do mercado como um todo. Todas as empresas estão expostas ao risco sistemático Vem de fatores externos não controláveis, como decisões políticas, flutuação das taxas de juros, forças da natureza, recessões e depressões econômicas. Risco Sistemático
  • 57. Inerente a própria empresa ou a um determinado setor. Um exemplo disso seria uma greve no setor bancário ou quando os funcionários de uma única empresa fazem alguma paralisação ou, ainda, alguma mudança no padrão de consumo. Risco Não Sistemático
  • 58.  As empresas implantam programas de redução de custos e despesas de duas formas: Espontânea  visa manter ou conseguir uma vantagem competitiva Compulsória  implantada diante de crise financeira e seu objetivo é a sobrevivência da empresa. Análise e Redução de Custos e Despesas
  • 59. 1. Otimização da qualidade em todos os processos da empresa.  O custo de recuperar um cliente insatisfeito é comprovadamente maior do que o custo de conquistá-lo. 2. Compreensão da relação entre custo, preço e receita. Prestar Atenção
  • 60. 3. Aprimoramento da qualidade de dados e de informações de custo. 4. Crença de que todo custo é irredutível Prestar Atenção
  • 61.  1. Buscar sugestões dos empregados  2. Renegociar contratos  3. Eliminar o custo financeiro das compras faturadas.  4. Reduzir despesas financeiras  5. Aumentar o giro dos estoques Medidas Para Reduzir Custos
  • 62.  6. Mudar o regime de tributação  8. Usar materiais alternativos  9. Eliminar desperdícios  10.Aumentar a produtividade dos recursos humanos  11. Otimizar a rota de entrega Medidas Para Reduzir Custos
  • 63.  Fazendo um Planejamento Financeiro  Tendo um Controle Financeiro  Administrando o Fluxo de Caixa  Administrando o Capital de giro  Administrando a Política Crédito  Administrando o Risco  Reduzindo Custos Como Maximizar o Lucro
  • 64.  “Não é o mais forte que sobrevive, nem o mais inteligente, mas o que melhor se adapta às mudanças”.  (Leon C. Megginson.)