Gestão Estratégica de Contas a Pagar

37.308 visualizações

Publicada em

Apresentação do curso de Gestão Estratégica de Contas a pagar, ministrado por Edson Evangelista - Styllus Consultoria.

Publicada em: Economia e finanças
1 comentário
12 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
37.308
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
315
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
910
Comentários
1
Gostaram
12
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gestão Estratégica de Contas a Pagar

  1. 1. Gestão Estratégica de Contas a Pagar <ul><li>Ministrante </li></ul><ul><li>Edson Paulo Evangelista </li></ul>
  2. 2. Gestão Estratégica de Contas a Pagar <ul><li>Esta apresentação poderá ser baixada em: </li></ul><ul><li>www.facebook.com/StyllusConsultoria </li></ul><ul><li>http://twitter.com/#/StyllusConsult </li></ul>
  3. 3. O que é Contas a Pagar? <ul><li>Certamente já ouvimos alguns conceitos “erroneos” sobre este setor vital de uma organização, tais como: </li></ul><ul><li>“ Não se discute. </li></ul><ul><li>Paga-se, pois o gasto já foi realizado”. </li></ul><ul><li>“ O setor de Contas a Pagar é o último vagão do </li></ul><ul><li>trem de compras. Não há o que contestar”. </li></ul>
  4. 4. O que é Contas a Pagar? <ul><li>“ No vencimento, caso a empresa não possua caixa suficiente, deve-se fazer um empréstimo ( hot , conta garantida, factoring ) para pagar o valor vencido”. </li></ul>
  5. 5. O que é Contas a Pagar? <ul><li>Administrar pagamentos se configura uma tarefa complexa, mas não impossível. </li></ul><ul><li>Gerenciar compromissos financeiros assumidos é função nobre e de vital importância nas empresas (algumas delas não dão o reconhecido valor!). </li></ul>
  6. 6. O que é Contas a Pagar? <ul><li>Todos os compromissos legalmente constituídos, autorizados e consumados deverão ser pagos. Como e quando pagar pode ser a diferença, em termos de produtividade; </li></ul>
  7. 7. O que é contas a pagar? <ul><li>Conceito: </li></ul><ul><li>“ É a arte de honrar os compromissos (compras de materiais e serviços), devidamente constituídos e autorizados pela empresa, com o maior prazo possível e menor custo empresarial”. </li></ul>
  8. 8. Objetivos, funções e responsabilidades <ul><li>Compete aos profissionais da área de Contas a Pagar as seguintes funções e responsabilidades: </li></ul><ul><li>Montar o processo de pagamento antes da data de vencimento, detectando e corrigindo eventuais divergências; </li></ul>
  9. 9. Objetivos, funções e responsabilidades <ul><li>Controlar todos os contratos firmados que requeiram pagamentos em datas predeterminadas, inteirando-se dos seus cálculos e atualizações; </li></ul><ul><li>Manter sistemático contato com fornecedores internos e externos, de forma a facilitar a comunicação (geralmente, a grande vantagem nas negociações de encargos financeiros se consegue neste nível, ou no nível imediatamente superior); </li></ul>
  10. 10. Objetivos, funções e responsabilidades <ul><li>Preparar, para a Tesouraria, posição diária e semanal dos compromissos a liquidar, para efeito do fluxo de caixa operacional; </li></ul><ul><li>Estar sempre atento para as vantagens financeiras estratégicas em pagar ou postergar determinado compromisso. </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  11. 11. Objetivos, funções e responsabilidades <ul><li>Principais objetivos são: </li></ul><ul><li>Confrontação do contas a pagar; </li></ul><ul><li>Efetivação do pagamento; </li></ul>Entrada de documentos (fontes internas e externas) Setor de contas a pagar Liquidação de pagamentos bancos e demais fontes externas
  12. 12. Objetivos, funções e responsabilidades <ul><li>Conclusão: </li></ul><ul><li>Podemos assegurar que todos os pagamentos correspondentes às aquisições de recursos e que só sejam efetuados (pagamentos), após a constatação da autenticidade e exatidão do respectivo material o serviço adquirido pela empresa. </li></ul>
  13. 13. Organograma DIRETOR PRESIDENTE DIRETOR INDUSTRIAL DIRETOR FINANCEIRO DIRETOR COMERCIAL ADM. DE CONTRATOS CONTABILIDADE TESOURARIA CONTAS A RECEBER CONTAS A PAGAR CAIXA E BANCOS SERVIÇOS MATERIAIS REGISTROS E LANÇAMENOS CONCILIAÇÃO
  14. 14. Níveis Organizacionais <ul><li>Estratégico </li></ul><ul><li>Tem como função o planejamento, a organização e o controle dos objetivos, das políticas, da estratégias e dos recursos da organização. </li></ul><ul><li>Tático </li></ul><ul><li>Tem como função a coordenação a direção e a supervisão das metas e tarefas determinadas pelo nível estratégico. </li></ul><ul><li>Operacional </li></ul><ul><li>Tem como função executar as atividades determinadas pelo nível tático. </li></ul>
  15. 15. <ul><li>1º Fase: CONTRATAÇÃO – fase em que, pela emissão da Autorização de Fornecimento (pedido de compra) ou emissão de contrato, a compra ou serviço se formaliza entre as partes contratantes (empresa x fornecedor). </li></ul>Fases do Contas a Pagar
  16. 16. Fases do Contas a Pagar <ul><li>2º Fase: EFETIVAÇÃO – corresponde ao momento no qual o fornecedor entrega o material ou conclui a prestação do serviço, junto com a emissão do documento fiscal (nota fiscal, nota fiscal de serviço ou conhecimento de frete). </li></ul>
  17. 17. Fases do Contas a Pagar <ul><li>3º Fase: VALIDAÇÃO – é a fase em que o setor de recebimento de materiais ou a área solicitante do serviço contratado confirma a efetivação da compra de acordo com as condições da contratação ou com a conferência dos produtos entregues, considerando os aspectos quantitativos, financeiros, físico-químicos, entre outros. </li></ul>
  18. 18. Fases do Contas a Pagar <ul><li>4º Fase: PROCESSAMENTO DE CONTAS A PAGAR – etapa em que se confronta os dados do documento de contratação (pedido de compra, contratos) com as informações dos documentos de efetivação (notas fiscais, conhecimento de frete), comparando-os com a respectiva validação (nota de recebimento, atestado de execução dos serviços). </li></ul>
  19. 19. Fases do Contas a Pagar <ul><li>5º fase: PAGAMENTO – aqui a Tesouraria efetua o pagamento para, posteriormente, anexar o comprovante ao processo, ou seja, a duplicata quitada ou o recibo. </li></ul>
  20. 20. Importância do Contas a Pagar <ul><li>O profissional da área de Contas a Pagar (administração de pagamentos) deverá ter sempre presente que, do rigor na execução das atividades do seu dia-a-dia de trabalho, dependerá o sucesso da organização que representa, em alcançar as metas financeiras estabelecidas. </li></ul>
  21. 21. Importância do Contas a Pagar <ul><li>Empresas que contam com profissionais de Contas a Pagar despreparados perdem receitas, sem, contudo se aperceber disso, dado o volume financeiro movimentado diariamente. Daí, porque, a facilidade em afirmar com tanta segurança que o sistema de Contas a Pagar bem estruturado é fundamental em qualquer organização. </li></ul>
  22. 22. INTERAÇÃO DO CONTAS A PAGAR COM OUTRAS ÁREAS DA EMPRESA <ul><li>A área de administração de pagamentos (CONTAS A PAGAR) se relaciona direta e indiretamente com várias unidades administrativas da organização. </li></ul><ul><li>No nosso caso, podemos classificar as áreas de Contas a Pagar, Tesouraria e Contabilidade, como unidades administrativas principais, e Compras, Contratos e Almoxarifados (Recepção de Mercadorias), como unidades administrativas secundárias. </li></ul>
  23. 23. Interação do Contas a Pagar com outras áreas da empresa <ul><li>Atualmente o contas a pagar tem a interação com todas as áreas desde a aquisição do material (pois é muito comum antes de efetuar uma determinada compra o solicitante recorrer a este setor para solicitar a melhor data para pagamento) até a entrega dos documentos para a contabilidade da empresa. Ciente ainda que um lançamento indevido poderá comprometer toda uma operação e contábil/fiscal da organização. </li></ul>
  24. 24. Documentação e conferência de créditos a fornecedores <ul><li>O setor de contas a pagar é o último a verificar se os procedimentos foram cumpridos como o determinado e estabelecidos pela organização. </li></ul><ul><li>Portanto é de suma importância a conferencia dos documentos, das autorizações e revisão dos cálculos. </li></ul>
  25. 25. Tipos de documentos <ul><li>Existem vários documentos a serem observados pelo contas a pagar, mas é imprescindível destacarmos dois tipos, os hábeis e não-hábeis : </li></ul>
  26. 26. Controles internos e documentos de contas a pagar <ul><li>Hábeis – São os documentos previstos na legislação comercial/fiscal e servem de suporte (comprobatórios) para a contabilidade, exemplos: notas fiscais, recibos, notas promissórias etc. </li></ul><ul><li>Não-hábeis – São os documentos não aceitos pela legislação comercial/fiscal e não servem como suporte para a contabilidade. Exemplos: Nota de débito, nota de crédito, etc.. </li></ul>
  27. 27. Documentos a serem observados <ul><li>Pedido de compras; </li></ul><ul><li>Documento emitido pelo departamento de compras com as características e prazos firmados entre as partes. </li></ul>
  28. 28. Documentos a serem observados <ul><li>Nota fiscal / DANFE; </li></ul><ul><li>Documento emitido pela empresa (contratada) com a descrição do produto ou serviços executados ou entregues. </li></ul>
  29. 29. Documentos a serem observados <ul><li>Fatura / Duplicata; </li></ul><ul><li>Documento emitido juntamente com a nota fiscal, caracterizando a venda, por ocasião da entrega. </li></ul>
  30. 30. Documentos a serem observados <ul><li>A respeito da duplicata, podemos, ainda, destacar os seguintes passos: </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Endosso : a duplicata é transferível por endosso, no verso do título, mesmo antes de ser aceita; </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Aval: a duplicata pode ser garantida por meio de aval, como os demais títulos de crédito. O aval deve ser aposto no verso do documento ou na parte inferior esquerda do anverso. </li></ul>
  31. 31. Documentos a serem observados <ul><li>Nota de debito; </li></ul><ul><li>Documento emitido pelo setor financeiro, visando evidenciar valores a serem deduzidos do total a pagar. </li></ul>
  32. 32. Documentos a serem observados <ul><li>Autorização de pagamento </li></ul><ul><li>Documento emitido pelos departamentos da organização com a função de validar o pagamento a ser efetuado (documento essencial e indispensável ao contas a pagar). </li></ul>
  33. 33. Documentos a serem observados <ul><li>Ainda na autorização de pagamento não podemos deixar de comentar sobre os limites de alçadas. </li></ul><ul><li>Método esse muito utilizado pelas empresas a fim de agilizar os procedimentos internos, porém este deve ser verificado com frequência pelo contas a pagar. </li></ul>
  34. 34. Documentos a serem observados <ul><li>Recibo de Pagamento de Autônomo (RPA) </li></ul><ul><li>Tópico esse muito importante ao setor de contas a pagar pois é muito comum o pagamento dos profissionais através desse meio. </li></ul>
  35. 35. Documentos a serem observados <ul><li>Porém o setor de contas a pagar deverá ser muito mais criterioso na verificação desse dos documentos emitidos nesta condição e observar algumas condições: </li></ul><ul><li>a) descontos de impostos e contribuições; </li></ul><ul><li>b) manutenção e guarde desse documento como um pagamento comum sem desrespeitar a legislação previdenciária; </li></ul>
  36. 36. Documentos a serem observados <ul><li>c) documentação pessoal do autônomo: </li></ul><ul><li>c.1) carteira de identidade; </li></ul><ul><li>c.2) registro no órgão profissional ou de classe ( no caso de profissões regulamentadas – CRA, CREA, CRC etc). </li></ul><ul><li>c.3) inscrição na prefeitura; </li></ul><ul><li>c.4) inscrição no INSS; </li></ul><ul><li>c.5) cadastro de pessoa física – CPF; </li></ul>
  37. 37. Documentos a serem observados <ul><li>OBS: Importante lembrar que atualmente o RPA é um importante instrumento de comprovação de pagamento, porém ele onera o respectivo serviço em mais 20% (vinte por cento) que deverão ser recolhidos ao INSS. </li></ul>
  38. 38. ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS <ul><li>A implantação dos processos de terceirização nas empresas é uma tendência cada vez mais consolidada. </li></ul><ul><li>O grande número de prestadores de serviços e fornecedores de materiais e produtos regidos por contratos, faz a empresa definir um setor especifico para o gerenciamento dessas atividades. </li></ul>
  39. 39. ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS <ul><li>São as chamadas áreas de “Controle e Avaliação” que as empresas também chamam de “ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS”. </li></ul><ul><li>Esta área deve participar das atividades técnicas de negociação, celebração, monitoramento, avaliação dos contratos e respectivos controles. </li></ul>
  40. 40. ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS <ul><li>Compete aos gestores de contratos, fiscalizar e acompanhar de maneira segura as tratativas formalizadas entre as partes (organização x fornecedores), salvaguardando os interesses da empresa, evitando exposições legais, custos desnecessários e desgastes, permitindo dessa forma a verificação continua e eficaz da obras, serviços e compras de materiais. </li></ul>
  41. 41. ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS <ul><li>Cabe ainda a esta área subsidiar as demais áreas da organização, informando sobre os principais pontos que influenciam na fiscalização dos contratos: as medições efetuadas pela contratada; o reembolso das despesas, alterações contratuais; exigências obrigatórias ou não. As responsabilidades contratuais (penais, civis, trabalhistas e previdenciárias), entre outras. </li></ul>
  42. 42. ADMINISTRAÇÃO DE CONTRATOS <ul><li>IMPORTANTE: </li></ul><ul><li>É fundamental a sincronia entre este setor e o contas a pagar justamente para que este não efetue qualquer pagamento em desconformidade com o pactuado. </li></ul>
  43. 43. Abatimentos de impostos e contribuições <ul><li>Um dos principais pontos a serem observados pelo contas a pagar é referente aos abatimentos de impostos e contribuições. </li></ul><ul><li>A não observância desse ponto trará a empresa conseqüências da responsabilidade solidária (INSS) pela não retenção e pagamentos dessa contribuição. </li></ul><ul><li>Sem contar com o custo operacional e o desgaste dessas operações. </li></ul>
  44. 44. Abatimentos de impostos e contribuições <ul><li>Vejamos a seguir as principais retenções de impostos e contribuições a serem observadas pelo Contas a Pagar: </li></ul>
  45. 45. PIS/COFINS E CSLL - RETENÇÕES <ul><li>Estão sujeitas à retenção na fonte as receitas provenientes da prestação de serviços e do fornecimento de bens efetuados por pessoa jurídica de direito privado, independentemente de se enquadrarem ou não no regime da não-cumulatividade da cobrança da contribuição para o PIS/PASEP e da COFINS (art. 31, §1º, da Lei 10.833/03). </li></ul>
  46. 46. PIS/COFINS E CSLL - RETENÇÕES <ul><li>Serviços de Limpeza, conservação, manutenção, segurança, vigilância, transporte de valores e locação de mão-de-obra, assessoria creditícia, mercadológica, gestão de crédito, seleção e riscos, administração de contas a pagar e a receber, bem como pela remuneração de serviços profissionais. </li></ul>
  47. 47. PIS/COFINS E CSLL - RETENÇÕES <ul><li>IMPORTANTE </li></ul><ul><li>As empresas optantes pelo Simples Nacional estão dispensadas da retenção, para estas contribuições. </li></ul>
  48. 48. VALORES INFERIORES A R$ 5.000,00 <ul><li>É dispensada a retenção para pagamentos de valor igual ou inferior a R$ 5.000,00. </li></ul><ul><li>Ocorrendo mais de um pagamento no mesmo mês à mesma pessoa jurídica, deverá ser efetuada a soma de todos os valores pagos no mês para efeito de cálculo do limite de retenção, compensando-se o valor retido anteriormente. </li></ul>
  49. 49. ALÍQUOTAS DE RETENÇÃO <ul><li>PIS / PASEP.................................0,65% </li></ul><ul><li>COFINS........................................3,00% </li></ul><ul><li>CSLL.............................................1,00% </li></ul><ul><li>TOTAL..........................................4,65% </li></ul>
  50. 50. RECOLHIMENTO <ul><li>Os valores retidos deverão ser recolhidos ao Tesouro Nacional, de forma centralizada, pelo estabelecimento matriz da pessoa jurídica que efetuar a retenção. </li></ul><ul><li>O recolhimento das importâncias retidas deverá ser efetuado até o último dia útil da quinzena subseqüente , à aquela em que tiver ocorrido o pagamento à pessoa jurídica fornecedora dos bens ou prestadora do serviço. </li></ul>
  51. 51. RETENÇÕES - INSS <ul><li>A empresa contratante de serviços prestados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, inclusive em regime de trabalho temporário, a partir da competência fevereiro de 1999, deverá reter 11% do valor bruto da nota fiscal, da fatura ou do recibo de prestação de serviços e recolher à Previdência Social a importância retida. </li></ul>
  52. 52. SERVIÇOS SUJEITOS Á RETENÇÃO - CESSÃO DE MÃO DE OBRA OU EMPREITADA <ul><li>Estarão sujeitos à retenção, se contratados mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, os serviços de:  </li></ul><ul><li>I - limpeza, conservação ou zeladoria, que se constituam em varrição, lavagem, enceramento ou em outros serviços destinados a manter a higiene, o asseio ou a conservação de praias, jardins, rodovias, monumentos, edificações, instalações, dependências, logradouros, vias públicas, pátios ou de áreas de uso comum; </li></ul>
  53. 53. SERVIÇOS SUJEITOS Á RETENÇÃO – CESSÃO DE MÃO DE OBRA OU EMPREITADA <ul><li>II - vigilância ou segurança, que tenham por finalidade a garantia da integridade física de pessoas ou a preservação de bens patrimoniais; </li></ul><ul><li>III - construção civil, que envolvam a construção, a demolição, a reforma ou o acréscimo de edificações ou de qualquer benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo ou obras complementares que se integrem a esse conjunto, tais como a reparação de jardins ou passeios, a colocação de grades ou de instrumentos de recreação, de urbanização ou de sinalização de rodovias ou de vias públicas;  </li></ul>
  54. 54. A RETENÇÃO NOS CASOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL <ul><li>Na construção civil, quando os serviços abaixo relacionados forem executados com equipamentos mecânicos, não constando no contrato o valor referente a equipamento, deverá ser discriminada a respectiva parcela na Nota Fiscal, fatura ou recibo, não podendo a importância relativa aos serviços em relação ao valor bruto ser inferior a: </li></ul>
  55. 55. A RETENÇÃO NOS CASOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL <ul><li>Drenagem 50% (cinqüenta por cento); </li></ul><ul><li>Obras de arte (pontes e viadutos) 45% (quarenta e cinco por cento); </li></ul><ul><li>Pavimentação asfáltica 10% (dez por cento); </li></ul><ul><li>Terraplenagem / Aterro Sanitário 15% (quinze por cento); </li></ul><ul><li>Demais serviços com utilização de meios mecânicos 35% (trinta e cinco por cento). </li></ul>
  56. 56. RECOLHIMENTO <ul><li>A falta de recolhimento das importâncias retidas, no prazo legal, configura, em tese, crime contra a Seguridade Social nos termos da alínea &quot;d&quot; do artigo 95 da Lei nº 8.212/91, ensejando representação fiscal para fins penais. </li></ul><ul><li>&quot; Art. 95. Constitui crime: </li></ul><ul><li>d) deixar de recolher, na época própria, contribuição ou outra importância devida à Seguridade Social e arrecadada dos segurados ou do público&quot;. </li></ul>
  57. 57. IRPF-PJ - Imposto de Renda Retido na Fonte Pessoa Jurídica <ul><li>Neste outro caso ocorre pela prestação de serviços constantes na legislação do IR arts. 647, 649 em diante, caso o serviço que estiver sendo prestado constar na legislação, este deverá ser retido na fonte pagadora a titulo de antecipação o percentual correspondente (Ver Anexo I). </li></ul>
  58. 58. IRPF-PJ - Imposto de Renda Retido na Fonte Pessoa Jurídica <ul><li>Texto do RIR/99: </li></ul><ul><li>Art. 647.  Estão sujeitas à incidência do imposto na fonte, à alíquota de 1,5% (um e meio por cento) , as importâncias pagas ou creditadas por pessoas jurídicas a outras pessoas jurídicas, civis ou mercantis, pela prestação de serviços caracterizadamente de natureza profissional. </li></ul>
  59. 59. <ul><li>Os serviços de limpeza, conservação, segurança, vigilância e por locação de mão-de-obra, estão sujeito a retenção, a alíquota de 1% (um porcento) conforme art. 649 RIR/99. </li></ul>IRPF-PJ - Imposto de Renda Retido na Fonte Pessoa Jurídica
  60. 60. ISSQN – IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS DE QUALQUER NATUREZA <ul><li>ISS – A Lei Complementar 116/03, define que para alguns serviços o ISS será devido no local de prestação de serviços e alguns e ainda por conta dessa mesma Lei e legislações municipais deverão ser retidos na fonte tal percentual de 2 a 5%. </li></ul>
  61. 61. COMO DETERMINAR SE UM SERVIÇO DEVE TER RETENÇÃO DE ISS? <ul><li>A primeira análise que temos que efetuar é qual o tipo de serviço esta sendo contratado e qual o seu local de execução? </li></ul><ul><li>Após realizada essa análise preliminar, temos que verificar se o objeto da contratação consta na lista de serviços que cita a L.C. 116/03 em consonância com o artigo 3º desta Lei. </li></ul>
  62. 62. COMO DETERMINAR SE UM SERVIÇO DEVE TER RETENÇÃO DE ISS? <ul><li>Diante dessa definição vamos analisar o seguinte caso: </li></ul>
  63. 63. 1) Identificação do serviço. 2)Verificar se este serviço consta na lista de serviços da LC 116/03 – item 7.02. Este serviço esta no inciso III da referida lei (pag. 10). Nome da empresa FATURA   Endereço: Av. Marechal de Costa Aguiar, 1500 DATA: 30 de abril de 2011.   Campinas - São Paulo FATURA nº 100   Telefone (019) 555-0190  Fax (019) 555-0191   COBRAR DE: Descrição do projeto ou serviço   Nome da empresa: Modelo Ltda.   Endereço: Av. Ipiranga, 1500 - São Paulo - SP   DESCRIÇÃO VALOR           Prestação de serviços de engenharia, referente ao mês 04/2011.     Total dos Serviços..............................................................................................   6.000,00   Total dos Materiais empregados........................................................................   4.000,00     SUBTOTAL R$ 10.000,00     ALÍQUOTA DE IMPOSTO 5,00%     IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS 300,00     TOTAL R$ 10.000,00          
  64. 64. RECOLHIMENTO <ul><li>BASE DE CÁLCULO </li></ul><ul><li>É o preço do serviço, contratado. </li></ul><ul><li>ALÍQUOTAS </li></ul><ul><li>Mínima de 2% e Máxima de 5% </li></ul>
  65. 65. Noções básicas de matemática financeira aplicadas ao contas a pagar <ul><li>O que não podemos esquecer é que esta aplicabilidade é fundamental e totalmente usual no dia a dia do contas a pagar, para os mais diversos tipos de pagamentos, validos para antecipação ou para cálculo de mora (atraso). </li></ul>
  66. 66. Noções básicas de matemática financeira aplicadas ao contas a pagar <ul><li>Porcentagem </li></ul><ul><li>Muito utilizada para os cálculos de mora e de concessão de descontos, as representações podem ser feitas de 3 (três) maneiras: </li></ul><ul><li>Utilizando o símbolo %; </li></ul><ul><li>Fração decimal (10/100); </li></ul><ul><li>Notação decimal (0,10); </li></ul>
  67. 67. Noções básicas de matemática financeira aplicadas ao contas a pagar <ul><li>Juros </li></ul><ul><li>Conceito </li></ul><ul><li>do ponto de vista do detento do capital, ou seja aquele que empresta (ou aplica) o dinheiro, os juros representam a importância a ser recebido, a título de remuneração, pela cessão temporária de um capital (aqui usado no sentido restrito de dinheiro). </li></ul>
  68. 68. Noções básicas de matemática financeira aplicadas ao contas a pagar <ul><li>do ponto de vista daquele que faz uso do capital, ou seja, aquele que toma o dinheiro emprestado, os juros representam a importância a ser paga, a titulo de despesa, pela utilização temporária de um capital. </li></ul>
  69. 69. Juros Simples <ul><li>São aqueles calculados sempre com base no mesmo capital inicial, ao longo dos períodos de tempo. Isso equivale a dizer que o valor dos juros, em cada um dos períodos de tempo, será sempre igual. </li></ul>
  70. 70. Juros Compostos <ul><li>Os juros compostos são aqueles calculados com base no capital inicial, mais o valor dos juros gerados até o período imediatamente anterior ( juros sobre juros ). Com o valor dos juros de um período passa a produzir rendimentos no período seguinte, o valor, período a período, será sempre de valor presente. </li></ul>
  71. 71. Multa <ul><li>Temos dois tipos de multas: </li></ul><ul><li>MORA – decorre do atraso de uma obrigação o caráter punitivo pela a infração do combinado (neste caso o contrato ou duplicata). </li></ul><ul><li>PUNITIVA – decorre de uma infração legal (Lei). </li></ul>
  72. 72. Desconto <ul><li>Tem como condição a beneficiar o contratante/comprador, pela adimplência ou pagamento antecipado. </li></ul>
  73. 73. Desconto <ul><li>Tipos de descontos </li></ul><ul><li>Descontos simples são obtidos com cálculos lineares, mas os Descontos compostos são obtidos com cálculos exponenciais. </li></ul>
  74. 74. Discussão e estudos de casos <ul><li>Como já comentamos setor de contas a pagar é fundamental para a vitalidade econômico-financeira da empresa, e por esse mesmo fator existem grandes problemas a serem resolvidos com “inteligência, expertise e criatividade” do profissional da área. </li></ul>
  75. 75. Discussão e estudos de casos <ul><li>A seguir relatamos alguns problemas que se não passamos por tais situações, com certeza vamos nos deparar e temos que ter em mente a visão estratégica do negócio e não o lado pessoal. </li></ul>
  76. 76. <ul><li>Pagamentos com urgência; </li></ul><ul><li>Documentação incompleta ou incorreta; </li></ul><ul><li>Intromissão externa; </li></ul>Discussão e estudos de casos
  77. 77. F I M <ul><li>www.facebook.com/StyllusConsultoria </li></ul><ul><li>http://twitter.com/#/StyllusConsult </li></ul><ul><li>www.styllusconsultoria.com.br </li></ul>

×