SlideShare uma empresa Scribd logo
A Hora da Estrela
Clarice Lispector (1920-1977)
A HORA DA ESTRELAA HORA DA ESTRELA
A culpa é minha Ela não sabe gritar
ou ou
A hora da estrela Uma sensação de perda
ou ou
Ela que se arranje Assovio no vento escuro
ou ou
O direito ao grito Eu não posso fazer nada
ou
Registro dos fatos antecedentes
ou
História lacrimogênica de cordel
Quanto ao futuro ou
ou Saída discreta pela porta dos fundos
Lamento de um blue
Clarice Lispector
Os títulos podem ser agrupados em quatroOs títulos podem ser agrupados em quatro
conjuntos:conjuntos:
• O primeiro: A culpa é minha; Ela que se arranje; Ela não sabe gritar;
Eu não posso fazer nada e Saída discreta pela porta dos fundos. É a
tematização do sentimento de culpa.
• O segundo: O direito ao grito; Quanto ao futuro; Uma sensação de
perda e Assovio no vento escuro. É a descrição da personagem
oprimida.
• O terceiro refere-se à forma e temor da narrativa, que na busca de
clareza correria o risco de ser trivial, mantendo-se popular: Lamento
de um blue; Registro dos fatos antecedentes; Histórias
lacrimogênicas de cordel.
• Finalmente, há um quarto conjunto. Refere-se a um instante íntimo
da personagem – a morte. Mesmo numa condição abjeta e mesmo
que seja penoso dizer isso, Macabéa tem, afinal, a sua Hora da
Estrela.
A Hora da Estrela
(1977)
CaracterísticasCaracterísticas
• Emprego dos fluxos de
consciência.
• Sondagem psicológica ( analisa
profundamente a alma das
personagens).
• Emprego do monólogo interior: ( o
narrador conversa consigo mesmo).
• Emprego da metalinguagem.
• Epifania (Revelação).Epifania (Revelação).
Estrutura da ObraEstrutura da Obra
A época retratada é dos anos posteriores a
1950, percebendo aí a paixão da
protagonista (Macabéa) pelas atrizes mais
famosas de Hollywood, como Greta Garbo
e Marylin Monrou. O tempo da narrativa
está voltado mais para o psicológico.
TempoTempo
EspaçoEspaço
A ação se passa no Rio de Janeiro, por
umas poucas referências externas de ruas
e locais característicos.
AçãoAção
O enredo não segue propriamente uma
narrativa linear. Existem três pólos que
podem ser formados de certa forma como
estruturas narrativas e que se misturam
todo o tempo para formar narrativa.
1- Rodrigo conta a história de Macabéa.
2- Rodrigo conta sua própria história.
3- Rodrigo tece as artimanhas da própria
narrativa para explicar criação, montagem e
apresentação do próprio texto.
NarradorNarrador
• O romance é narrado por Rodrigo S.M., umO romance é narrado por Rodrigo S.M., um
narrador interposto, que reflete a sua vida aonarrador interposto, que reflete a sua vida ao
personagem ao projetar-se na protagonista.personagem ao projetar-se na protagonista.
• Narrador onisciente e onipotente (ele estáNarrador onisciente e onipotente (ele está
presente em tudo: apresenta-se como autor dapresente em tudo: apresenta-se como autor da
obra, funciona como uma transfiguração daobra, funciona como uma transfiguração da
verdadeira autora).verdadeira autora).
• O narrador projeta seus pensamentos sobreO narrador projeta seus pensamentos sobre
literatura, desejos e decisões a respeito do destinoliteratura, desejos e decisões a respeito do destino
da protagonista.da protagonista.
PersonagensPersonagens
►As personagens de Clarice Lispector sãoAs personagens de Clarice Lispector são
seres em busca da revelação de mundosseres em busca da revelação de mundos
desconhecidos dentro de si mesmos.desconhecidos dentro de si mesmos.
PersonagensPersonagens
• Macabéa: É a protagonista do romance,Macabéa: É a protagonista do romance,
moça nordestina e humilde que enfrenta amoça nordestina e humilde que enfrenta a
vida na cidade grande – Rio de janeiro –vida na cidade grande – Rio de janeiro –
Orgulha-se de ser datilógrafa (emboraOrgulha-se de ser datilógrafa (embora
medíocre) ; virgem, semi-analfabeta, gostamedíocre) ; virgem, semi-analfabeta, gosta
de goiabada com queijo e coca-cola. Querde goiabada com queijo e coca-cola. Quer
ser estrela de cinema. Ouve notícias daser estrela de cinema. Ouve notícias da
Rádio – Relógio e não sabe empregá-las naRádio – Relógio e não sabe empregá-las na
conversação.conversação.
• Rodrigo S.M.: É o narrador da história deRodrigo S.M.: É o narrador da história de
Macabéa. Afirma que é escritor rico. Sente grandeMacabéa. Afirma que é escritor rico. Sente grande
dificuldade para escrever e não consegue dar adificuldade para escrever e não consegue dar a
sua personagem um destino melhor.sua personagem um destino melhor.
• Olímpico: É nordestino ambicioso e cheio deOlímpico: É nordestino ambicioso e cheio de
ilusões, possuidor de um passado sujo, vemilusões, possuidor de um passado sujo, vem
também para a cidade em busca de ascensãotambém para a cidade em busca de ascensão
social. Rouba os próprios colegas de trabalho. Foisocial. Rouba os próprios colegas de trabalho. Foi
namorado de Macabéa antes de conhecer Glória.namorado de Macabéa antes de conhecer Glória.
Matou um homem antes de vir para o Rio. GostaMatou um homem antes de vir para o Rio. Gosta
de fazer discursos e mentir. Quer ser deputado, ode fazer discursos e mentir. Quer ser deputado, o
que acaba acontecendo segundo o narrador.que acaba acontecendo segundo o narrador.
• Glória: É colega de Macabéa na firma.Glória: É colega de Macabéa na firma.
Cheia de Carne. Apesar de branca eCheia de Carne. Apesar de branca e
cabelos oxigenados, não conseguecabelos oxigenados, não consegue
esconder sua origem mulata. Rouba oesconder sua origem mulata. Rouba o
namorado da colega, mas por se sentirnamorado da colega, mas por se sentir
culpada, aconselha a amiga a ir a busca deculpada, aconselha a amiga a ir a busca de
uma cartomante, emprestando-lhe dinheiro.uma cartomante, emprestando-lhe dinheiro.
• Madame Carlota: É a cartomante que já foiMadame Carlota: É a cartomante que já foi
prostituta e dona de bordel. Abusa da boaprostituta e dona de bordel. Abusa da boa
fé das pessoas lendo a sorte e predizendofé das pessoas lendo a sorte e predizendo
o futuro. Serve de instrumento de felicidadeo futuro. Serve de instrumento de felicidade
para a protagonista por uns brevespara a protagonista por uns breves
momentos.momentos.
* Outros Personagens: Seu Raimundo (chefe* Outros Personagens: Seu Raimundo (chefe
de Macabéa), as colegas de quarto dede Macabéa), as colegas de quarto de
Macabéa e o Médico.Macabéa e o Médico.
O jogo de TransfiguraçãoO jogo de Transfiguração
A Hora da Estrela tem como chave deA Hora da Estrela tem como chave de
interpretação o princípio compositivo dointerpretação o princípio compositivo do
jogo de transfiguração de identidade. Autor,jogo de transfiguração de identidade. Autor,
narrador e personagem apresentam seusnarrador e personagem apresentam seus
desempenhos constantementedesempenhos constantemente
intercambiados. O autor não se “esconde”intercambiados. O autor não se “esconde”
por trás de um narrador, mas com ele sepor trás de um narrador, mas com ele se
confunde. O Narrador não se distancia daconfunde. O Narrador não se distancia da
personagem para apreendê-la compersonagem para apreendê-la com
neutralidade, mas nela se projeta,neutralidade, mas nela se projeta,
projetando-se sobre ela também o autor.projetando-se sobre ela também o autor.
A narrativa ficcional de A Hora da EstrelaA narrativa ficcional de A Hora da Estrela
não é um espelho que devolve umanão é um espelho que devolve uma
imagem que se pretende fiel à realidade.imagem que se pretende fiel à realidade.
Na verdade, empreende um movimentoNa verdade, empreende um movimento
“especular”, nas duas acepções da palavra,“especular”, nas duas acepções da palavra,
movimento refletor e questionador aomovimento refletor e questionador ao
mesmo tempo, ou seja, especulaçãomesmo tempo, ou seja, especulação
sondagem da realidade na linguagem .sondagem da realidade na linguagem .
Clarice Lispector nos apresenta, neste
romance três histórias que se entrecruzam:
a do escritor Rodrigo S.M.; a da imigrante
Macabéa no Rio; e a do próprio ato de
escrever
ConclusãoConclusão
Assim, A Hora da Estrela assume aAssim, A Hora da Estrela assume a
inventividade artística como metáfora dainventividade artística como metáfora da
própria aventura existencial. Uma aventuraprópria aventura existencial. Uma aventura
renovada pelo leitor a cada novo ato derenovada pelo leitor a cada novo ato de
leitura. Fazendo da narrativa um jogo queleitura. Fazendo da narrativa um jogo que
incorpora a voz do outro, a transfiguraçãoincorpora a voz do outro, a transfiguração
de identidade.de identidade.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
Robert Harris
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
Ivana Mayrink
 
Vinicius de moraes
Vinicius de moraesVinicius de moraes
Vinicius de moraes
hercoles mateus
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
Gerlane Galvao
 
Clarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da EstrelaClarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da Estrela
Giuliane Alves Berchele
 
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismoPoesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
claudia tc
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
Jéssica Moresi
 
Arcadismo no brasil - autores e obras
Arcadismo no brasil  - autores e obrasArcadismo no brasil  - autores e obras
Arcadismo no brasil - autores e obras
Cynthia Funchal
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Quezia Neves
 
Chico Buarque
Chico BuarqueChico Buarque
Chico Buarque
angelamariagomes
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
Andrieli Muhl
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
whybells
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
adenicio
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
licss
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
Luan Victor
 
Slide realismo
Slide realismoSlide realismo
Slide realismo
JulianaBibiano
 
Historia da Literatura
Historia da LiteraturaHistoria da Literatura
Historia da Literatura
Miriam Zelmikaitis
 
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 302 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
Jaqueline Soares
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
clemildapetrolina
 

Mais procurados (20)

Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Barroco no brasil
Barroco no brasilBarroco no brasil
Barroco no brasil
 
Vinicius de moraes
Vinicius de moraesVinicius de moraes
Vinicius de moraes
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Pré modernismo
Pré  modernismoPré  modernismo
Pré modernismo
 
Clarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da EstrelaClarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da Estrela
 
Poesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismoPoesia marginal e tropicalismo
Poesia marginal e tropicalismo
 
Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações. Romantismo e suas gerações.
Romantismo e suas gerações.
 
Arcadismo no brasil - autores e obras
Arcadismo no brasil  - autores e obrasArcadismo no brasil  - autores e obras
Arcadismo no brasil - autores e obras
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Chico Buarque
Chico BuarqueChico Buarque
Chico Buarque
 
Segunda geração modernista
Segunda geração modernistaSegunda geração modernista
Segunda geração modernista
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
 
Realismo x Naturalismo
Realismo x NaturalismoRealismo x Naturalismo
Realismo x Naturalismo
 
Semana de arte moderna
Semana de arte moderna Semana de arte moderna
Semana de arte moderna
 
Modernismo e suas fases
Modernismo e suas fasesModernismo e suas fases
Modernismo e suas fases
 
Slide realismo
Slide realismoSlide realismo
Slide realismo
 
Historia da Literatura
Historia da LiteraturaHistoria da Literatura
Historia da Literatura
 
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 302 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
2 Fase Modernista- ROMANCE DE 30
 
Literatura Contemporânea
Literatura  ContemporâneaLiteratura  Contemporânea
Literatura Contemporânea
 

Destaque

REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
Italo Delavechia
 
Trabalho De SemâNtica Do PortuguêS
Trabalho De SemâNtica Do PortuguêSTrabalho De SemâNtica Do PortuguêS
Trabalho De SemâNtica Do PortuguêS
Caterina Blacher Picorelli Aleixo
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Clarice
ClariceClarice
Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.
Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.
Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.
Italo Delavechia
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
A Hora da Estrela
A Hora da EstrelaA Hora da Estrela
A Hora da Estrela
Elie Wu
 
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Clarice lispector
Clarice lispectorClarice lispector
Clarice lispector
Liz Blascovich
 
Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
Marcia Simone
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
Elza Silveira
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
7 de Setembro
 

Destaque (14)

REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMO
 
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
LITERATURA INFORMATIVA E JESUÍTICA
 
Trabalho De SemâNtica Do PortuguêS
Trabalho De SemâNtica Do PortuguêSTrabalho De SemâNtica Do PortuguêS
Trabalho De SemâNtica Do PortuguêS
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
Clarice
ClariceClarice
Clarice
 
Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.
Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.
Gestão da Qualidade - Histórico, conceitos, princípios e estratégias.
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014
 
A Hora da Estrela
A Hora da EstrelaA Hora da Estrela
A Hora da Estrela
 
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
 
Clarice lispector
Clarice lispectorClarice lispector
Clarice lispector
 
Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
 
Aula 04 variacao linguistica
Aula 04   variacao linguisticaAula 04   variacao linguistica
Aula 04 variacao linguistica
 
VariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíSticaVariaçãO LinguíStica
VariaçãO LinguíStica
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
 

Semelhante a A hora da_estrela

Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
José Ricardo Lima
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Tamara Amaral
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
aulasdejornalismo
 
trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza
trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza
trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza
Larissa Souza
 
Narracao
NarracaoNarracao
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
Ana Sales
 
Sagarana
SagaranaSagarana
Sagarana
Bia Buganeme
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
Eduardo Almeida Falleiros Terçariol
 
A hora da estrela, filme e livro de clarice
A hora da estrela, filme e livro de clariceA hora da estrela, filme e livro de clarice
A hora da estrela, filme e livro de clarice
JhonatasHenrique10
 
Eu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolfEu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolf
Fabricio Rocha
 
Especificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto LiterárioEspecificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto Literário
Joselaine
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
guestd9a4ef3c
 
Feliz ano novo
Feliz ano novoFeliz ano novo
Feliz ano novo
Eduarda Bonora Kern
 
Roteiro 0006
Roteiro 0006Roteiro 0006
Roteiro 0006
Bruno G.
 
White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...
White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...
White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...
janielandeson
 
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
eveelang
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Marilene dos Santos
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
Andre Guerra
 
A hora de estrela
A hora de estrelaA hora de estrela
A hora de estrela
美滿 江
 
Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
Thalita Dias
 

Semelhante a A hora da_estrela (20)

Vidas secas
Vidas secasVidas secas
Vidas secas
 
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães RosaModernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
Modernismo geração de 45: Clarice Lispector e Guimarães Rosa
 
Oficina de jornalismo literário 2014
Oficina de jornalismo literário   2014Oficina de jornalismo literário   2014
Oficina de jornalismo literário 2014
 
trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza
trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza
trabalho de lingua portuguesa -Larissa de souza
 
Narracao
NarracaoNarracao
Narracao
 
10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira10 livros essenciais da literatura brasileira
10 livros essenciais da literatura brasileira
 
Sagarana
SagaranaSagarana
Sagarana
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
A hora da estrela, filme e livro de clarice
A hora da estrela, filme e livro de clariceA hora da estrela, filme e livro de clarice
A hora da estrela, filme e livro de clarice
 
Eu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolfEu tenho medo de virginia woolf
Eu tenho medo de virginia woolf
 
Especificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto LiterárioEspecificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto Literário
 
Gênero de texto conto
Gênero de texto contoGênero de texto conto
Gênero de texto conto
 
Feliz ano novo
Feliz ano novoFeliz ano novo
Feliz ano novo
 
Roteiro 0006
Roteiro 0006Roteiro 0006
Roteiro 0006
 
White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...
White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...
White Illustrative Creative Literature Project Presentation_20240618_060802_0...
 
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
RESENHA CRÍTICA DO FILME "ENSAIO SOBRE A CEGUEIRA"
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
A hora de estrela
A hora de estrelaA hora de estrela
A hora de estrela
 
Livros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileiraLivros essenciais da literatura brasileira
Livros essenciais da literatura brasileira
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP

Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Apresentação concepções defendidas pela seesp
Apresentação concepções defendidas pela seespApresentação concepções defendidas pela seesp
Apresentação concepções defendidas pela seesp
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Teoria literária 2013
Teoria literária 2013Teoria literária 2013
O passarinho engaiolado de ruben alves
O passarinho engaiolado de ruben alvesO passarinho engaiolado de ruben alves
O passarinho engaiolado de ruben alves
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Os Lusíadas Luis Vaz de Camões
Os Lusíadas  Luis Vaz de  Camões Os Lusíadas  Luis Vaz de  Camões
Os Lusíadas Luis Vaz de Camões
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP (20)

Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
 
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
 
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
 
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simples
 
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
 
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
 
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
 
Apresentação concepções defendidas pela seesp
Apresentação concepções defendidas pela seespApresentação concepções defendidas pela seesp
Apresentação concepções defendidas pela seesp
 
Teoria literária 2013
Teoria literária 2013Teoria literária 2013
Teoria literária 2013
 
O passarinho engaiolado de ruben alves
O passarinho engaiolado de ruben alvesO passarinho engaiolado de ruben alves
O passarinho engaiolado de ruben alves
 
Os Lusíadas Luis Vaz de Camões
Os Lusíadas  Luis Vaz de  Camões Os Lusíadas  Luis Vaz de  Camões
Os Lusíadas Luis Vaz de Camões
 

Último

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Falcão Brasil
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
ArapiracaNoticiasFat
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
Plano Estratégico Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de ...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdfPlano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
Plano Diretor da Tecnologia da Informação PDTIC 2020 a 2023.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIALA GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
A GEOPOLÍTICA ATUAL E A INTEGRAÇÃO ECONÔMICA E SOCIAL
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 

A hora da_estrela

  • 1. A Hora da Estrela Clarice Lispector (1920-1977)
  • 2. A HORA DA ESTRELAA HORA DA ESTRELA A culpa é minha Ela não sabe gritar ou ou A hora da estrela Uma sensação de perda ou ou Ela que se arranje Assovio no vento escuro ou ou O direito ao grito Eu não posso fazer nada ou Registro dos fatos antecedentes ou História lacrimogênica de cordel Quanto ao futuro ou ou Saída discreta pela porta dos fundos Lamento de um blue Clarice Lispector
  • 3. Os títulos podem ser agrupados em quatroOs títulos podem ser agrupados em quatro conjuntos:conjuntos: • O primeiro: A culpa é minha; Ela que se arranje; Ela não sabe gritar; Eu não posso fazer nada e Saída discreta pela porta dos fundos. É a tematização do sentimento de culpa. • O segundo: O direito ao grito; Quanto ao futuro; Uma sensação de perda e Assovio no vento escuro. É a descrição da personagem oprimida. • O terceiro refere-se à forma e temor da narrativa, que na busca de clareza correria o risco de ser trivial, mantendo-se popular: Lamento de um blue; Registro dos fatos antecedentes; Histórias lacrimogênicas de cordel. • Finalmente, há um quarto conjunto. Refere-se a um instante íntimo da personagem – a morte. Mesmo numa condição abjeta e mesmo que seja penoso dizer isso, Macabéa tem, afinal, a sua Hora da Estrela.
  • 4. A Hora da Estrela (1977)
  • 5. CaracterísticasCaracterísticas • Emprego dos fluxos de consciência. • Sondagem psicológica ( analisa profundamente a alma das personagens). • Emprego do monólogo interior: ( o narrador conversa consigo mesmo). • Emprego da metalinguagem. • Epifania (Revelação).Epifania (Revelação).
  • 6. Estrutura da ObraEstrutura da Obra A época retratada é dos anos posteriores a 1950, percebendo aí a paixão da protagonista (Macabéa) pelas atrizes mais famosas de Hollywood, como Greta Garbo e Marylin Monrou. O tempo da narrativa está voltado mais para o psicológico. TempoTempo
  • 7. EspaçoEspaço A ação se passa no Rio de Janeiro, por umas poucas referências externas de ruas e locais característicos.
  • 8. AçãoAção O enredo não segue propriamente uma narrativa linear. Existem três pólos que podem ser formados de certa forma como estruturas narrativas e que se misturam todo o tempo para formar narrativa. 1- Rodrigo conta a história de Macabéa. 2- Rodrigo conta sua própria história. 3- Rodrigo tece as artimanhas da própria narrativa para explicar criação, montagem e apresentação do próprio texto.
  • 9. NarradorNarrador • O romance é narrado por Rodrigo S.M., umO romance é narrado por Rodrigo S.M., um narrador interposto, que reflete a sua vida aonarrador interposto, que reflete a sua vida ao personagem ao projetar-se na protagonista.personagem ao projetar-se na protagonista. • Narrador onisciente e onipotente (ele estáNarrador onisciente e onipotente (ele está presente em tudo: apresenta-se como autor dapresente em tudo: apresenta-se como autor da obra, funciona como uma transfiguração daobra, funciona como uma transfiguração da verdadeira autora).verdadeira autora). • O narrador projeta seus pensamentos sobreO narrador projeta seus pensamentos sobre literatura, desejos e decisões a respeito do destinoliteratura, desejos e decisões a respeito do destino da protagonista.da protagonista.
  • 10. PersonagensPersonagens ►As personagens de Clarice Lispector sãoAs personagens de Clarice Lispector são seres em busca da revelação de mundosseres em busca da revelação de mundos desconhecidos dentro de si mesmos.desconhecidos dentro de si mesmos.
  • 11. PersonagensPersonagens • Macabéa: É a protagonista do romance,Macabéa: É a protagonista do romance, moça nordestina e humilde que enfrenta amoça nordestina e humilde que enfrenta a vida na cidade grande – Rio de janeiro –vida na cidade grande – Rio de janeiro – Orgulha-se de ser datilógrafa (emboraOrgulha-se de ser datilógrafa (embora medíocre) ; virgem, semi-analfabeta, gostamedíocre) ; virgem, semi-analfabeta, gosta de goiabada com queijo e coca-cola. Querde goiabada com queijo e coca-cola. Quer ser estrela de cinema. Ouve notícias daser estrela de cinema. Ouve notícias da Rádio – Relógio e não sabe empregá-las naRádio – Relógio e não sabe empregá-las na conversação.conversação.
  • 12. • Rodrigo S.M.: É o narrador da história deRodrigo S.M.: É o narrador da história de Macabéa. Afirma que é escritor rico. Sente grandeMacabéa. Afirma que é escritor rico. Sente grande dificuldade para escrever e não consegue dar adificuldade para escrever e não consegue dar a sua personagem um destino melhor.sua personagem um destino melhor. • Olímpico: É nordestino ambicioso e cheio deOlímpico: É nordestino ambicioso e cheio de ilusões, possuidor de um passado sujo, vemilusões, possuidor de um passado sujo, vem também para a cidade em busca de ascensãotambém para a cidade em busca de ascensão social. Rouba os próprios colegas de trabalho. Foisocial. Rouba os próprios colegas de trabalho. Foi namorado de Macabéa antes de conhecer Glória.namorado de Macabéa antes de conhecer Glória. Matou um homem antes de vir para o Rio. GostaMatou um homem antes de vir para o Rio. Gosta de fazer discursos e mentir. Quer ser deputado, ode fazer discursos e mentir. Quer ser deputado, o que acaba acontecendo segundo o narrador.que acaba acontecendo segundo o narrador.
  • 13. • Glória: É colega de Macabéa na firma.Glória: É colega de Macabéa na firma. Cheia de Carne. Apesar de branca eCheia de Carne. Apesar de branca e cabelos oxigenados, não conseguecabelos oxigenados, não consegue esconder sua origem mulata. Rouba oesconder sua origem mulata. Rouba o namorado da colega, mas por se sentirnamorado da colega, mas por se sentir culpada, aconselha a amiga a ir a busca deculpada, aconselha a amiga a ir a busca de uma cartomante, emprestando-lhe dinheiro.uma cartomante, emprestando-lhe dinheiro. • Madame Carlota: É a cartomante que já foiMadame Carlota: É a cartomante que já foi prostituta e dona de bordel. Abusa da boaprostituta e dona de bordel. Abusa da boa fé das pessoas lendo a sorte e predizendofé das pessoas lendo a sorte e predizendo o futuro. Serve de instrumento de felicidadeo futuro. Serve de instrumento de felicidade para a protagonista por uns brevespara a protagonista por uns breves momentos.momentos.
  • 14. * Outros Personagens: Seu Raimundo (chefe* Outros Personagens: Seu Raimundo (chefe de Macabéa), as colegas de quarto dede Macabéa), as colegas de quarto de Macabéa e o Médico.Macabéa e o Médico.
  • 15. O jogo de TransfiguraçãoO jogo de Transfiguração A Hora da Estrela tem como chave deA Hora da Estrela tem como chave de interpretação o princípio compositivo dointerpretação o princípio compositivo do jogo de transfiguração de identidade. Autor,jogo de transfiguração de identidade. Autor, narrador e personagem apresentam seusnarrador e personagem apresentam seus desempenhos constantementedesempenhos constantemente intercambiados. O autor não se “esconde”intercambiados. O autor não se “esconde” por trás de um narrador, mas com ele sepor trás de um narrador, mas com ele se confunde. O Narrador não se distancia daconfunde. O Narrador não se distancia da personagem para apreendê-la compersonagem para apreendê-la com neutralidade, mas nela se projeta,neutralidade, mas nela se projeta, projetando-se sobre ela também o autor.projetando-se sobre ela também o autor.
  • 16. A narrativa ficcional de A Hora da EstrelaA narrativa ficcional de A Hora da Estrela não é um espelho que devolve umanão é um espelho que devolve uma imagem que se pretende fiel à realidade.imagem que se pretende fiel à realidade. Na verdade, empreende um movimentoNa verdade, empreende um movimento “especular”, nas duas acepções da palavra,“especular”, nas duas acepções da palavra, movimento refletor e questionador aomovimento refletor e questionador ao mesmo tempo, ou seja, especulaçãomesmo tempo, ou seja, especulação sondagem da realidade na linguagem .sondagem da realidade na linguagem . Clarice Lispector nos apresenta, neste romance três histórias que se entrecruzam: a do escritor Rodrigo S.M.; a da imigrante Macabéa no Rio; e a do próprio ato de escrever
  • 17. ConclusãoConclusão Assim, A Hora da Estrela assume aAssim, A Hora da Estrela assume a inventividade artística como metáfora dainventividade artística como metáfora da própria aventura existencial. Uma aventuraprópria aventura existencial. Uma aventura renovada pelo leitor a cada novo ato derenovada pelo leitor a cada novo ato de leitura. Fazendo da narrativa um jogo queleitura. Fazendo da narrativa um jogo que incorpora a voz do outro, a transfiguraçãoincorpora a voz do outro, a transfiguração de identidade.de identidade.