SlideShare uma empresa Scribd logo
VARIAÇÕES LINGÜÍSTICAS
O QUE É LINGUAGEM? Capacidade de se comunicar por meio de um  CÓDIGO . CÓDIGO:   conjunto de sinais utilizados para passar uma determinada mensagem.
LINGUAGEM VERBAL Aquela que utiliza a língua (oral ou escrita), que manifesta-se por meio das  PALAVRAS .  “ Batatinha quando nasce esparrama pelo chão. Mamãezinha quando dorme põe a mão no coração.”
LINGUAGEM NÃO-VERBAL Aquela que utiliza qualquer código que não seja a palavra: pintura, dança, música, gesto, mímica etc ...
LINGUAGEM MISTA
VARIEDADE LINGÜÍSTICA Em um único sistema lingüístico podemos encontrar variações no que se refere ao modo como ele é utilizado pelos falantes. É isso que caracteriza as  variações lingüísticas .
Tipos de variedades: 1. Os  dialetos  - ocorrem em função das pessoas que usam a língua, ou seja, dos emissores. (regional, social, idade, sexo, geração, função); 2. Os  registros  - ocorrem em função do uso que se faz da língua, da  mensagem , da  situação . (grau de formalismo).
VARIAÇÕES DIALETAIS IDADE: Dois bons filhos   Paulo Mendes Campos Outro dia um senhor de cinqüenta anos me falava da mãe dele mais ou menos assim: - Se há alguém que eu adoro neste mundo é minha mãezinha. Ela vai fazer 73 anos no dia 19 de maio. Está forte, graças a Deus e muito lúcida. Há 41 anos que está viúva, papai, coitado, faleceu muito moço, com uma espinha de peixe atravessada no esôfago: pois não há dia em que mãezinha não se lembre dele com um amor tão bonito, com um respeito...
Deu-se que no mesmo dia encontrei um rapaz de dezoito anos, que me contou mais ou menos assim: - Velha bacaninha é a minha. Quando ela está meio adernada, mais pra lá do que pra cá, ela ainda me dá uma broncazinha. Bronca de mãe não pega, meu chapa. Eu manjo ela todinha: lá em casa só tem bronca quando ela encheu a cara demais. A velha toma pra valer! Ou então foi um troço em que eu não meto a cara. Que é que eu tenho com a vida da velha? Pensa que eu me manco. Quando ela tá de bronca, o titio aqui já sabe: taco-lhe três equanil. É batata. Daí a pouco ela fica macia e vai soltando o tutu...
SEXO: Homem:  - Cara, preciso te contar o que aconteceu ontem na festa... Mulher:  - Ai, menino! Preciso te contar o que aconteceu ontem na festa... Homem:  - Comprei uma camisa legal. Mulher:  - Comprei uma blusinha linda!
REGIÃO: Dentro do próprio Brasil: Mandioca, aipim, macaxeira. Entre Brasil e Portugal: “ (...) numa revista portuguesa, vê-se um anúncio de um refrigerante, mundialmente conhecido (...) Ao lado da famosa marca, a única frase da peça publicitária: “A vida sabe bem”. Que se entende disso? Em português e em outras línguas latinas, o verbo “saber” (que vem do latim “sapere”, que significa justamente “ter sabor”) pode ser usado com a idéia de “ter gosto”, “ter saber” (...) Esse uso é vivíssimo no italiano, no espanhol, no português de Portugal. No do Brasil, parece que se restringiu aos textos literários.” Pasquale Cipro Neto: “A vida sabe bem”. Revista Cult, nº 56.
GERAÇÃO, ÉPOCA: “ Exmo. Sr. Unicamente a necessidade me  sujerio  a publicação deste punhado de rimas (...) Eu e minha esposa, moça igualmente enferma, desde que entramos no hospital, há  quasi  dois  annos  que, por exclusiva injustiça, estamos privados das quotas dos donativos feitos pela caridade aos que, como nós, vieram esconder seu infortúnio sob o  tecto  hospitalar. E nem roupa nem um lençol recebemos do estabelecimento estipendiado pela municipalidade, cujo prefeito Dr. Miguel Penteado não se dignou prestar  attenção  às minhas queixas. Resumindo, somos  víctimas  de vezano pouco caso pelo direito dos fracos (...)” Firmo Anônio.  Argueiros , 1924.
SÓCIO-ECONÔMICA: VÁRIAS IDÉIAS  FERRÉZ Acordou cedo, gritou: “Zica maldita!”. Rapaz, o vocabulário do tranca-ruas é ziquizira. “Rapaz, num vacila de madruga, entendeu?” “Entendi, os P.M. sobe o gás. Então vamos sumariar. Quantos de nóis cê quer matar? Grota, granja, boca, biqueira, movimento, verme, milho a vida inteira. Mil grau, frenético, qual que é a urucubaca? Que cê faz se não tiver que voltar para casa? Quem te deu um sorriso hoje, pique pá alguém de longe (...) Muitos sofre, eta que sofre, mas poucos lembra. Povo gado, voto mal dado, fila quilométrica para encher prato de deputado. Picha os muro, xinga os putos, mete a boca, depois cheira dentro da goma. (...) Caros Amigos nº 89.
FUNÇÃO: Plural majestático: “ Nós queremos que o povo dessa cidade se sinta seguro. Por isso reforçaremos nossa polícia para que possa dar maior segurança aos cidadãos.”
VARIAÇÕES DE REGISTRO A)  Senhora Diretora, Sr. Vice-Presidente, Dignos Convidados, Estimados e Distintos Colegas da nobre Profissão de Ensinar. Considero uma honra e um privilégio ter sido convidado a vir diante de vós nesta ocasião, um convite que aceitei com o mais profundo prazer e gratidão. É meu propósito, estando aqui esta noite, repartir convosco um pouco das experiências que tenho vivido na minha função de enriquecer os conhecimentos das novas gerações, daqueles que continuarão quando já estiver chegado ao fim o nosso tempo neste mundo. Espero e creio que estas experiências não serão desprovidas de interesse para aqueles que estarão, entre vós, trabalhando na mesma vinha, pois juntos conseguiremos a mais rica colheita.
B)  Senhoras e Senhores: Estou realmente feliz por ter sido convidado pelo vosso Vice-Presidente, Senhor Horácio Foladori, para vos falar, esta noite, sobre o tema “Da Variação Múltipla do Registro no Ensino de Inglês”. Espero ser capaz de apresentar umas idéias que deverão ser tanto sugestivas quanto relevantes para vossas tarefas como professores de Inglês. C)  Boa noite, amigos: O Senhor Foladori pediu-me para falar a vocês, esta noitem sobre um assunto tão amplo como o Ensino de Inglês. Espero ser capaz de dizer umas poucas coisas que serão de algum interesse para vocês e que talvez possam ajudá-los a serem professores mais eficientes.
D)  Ei pessoal: Horácio pediu-me que viesse aqui e falasse a vocês todos a respeito de como ensinar Inglês. Disse-me que poderia tocar em qualquer dos aspectos que quisesse, desde que eu não me tornasse muito técnico, pois ao contrário ninguém entenderia uma só palavra que eu dissesse. A)  Vá a merda! Cê é um fedaputa! B)  Deixe-me em paz! Você é uma pessoa que não merece consideração! A)  Na hora da dolorosa, caiu duro. B)  Quando a conta foi apresentada, assustou-se.
NORMA CULTA E LÍNGUA COLOQUIAL A  Norma ou Língua Culta  é um tipo de variação lingüística que se caracteriza por seguir as normas estabelecidas de acordo com a  gramática normativa . Ela é falada e escrita em situações que exigem formalidade. A  Língua Coloquial  é a variação lingüística utilizada em situações informais. É a  língua do cotidiano .
DISTINÇÕES ENTRE A NORMA CULTA E A LÍNGUA COLOQUIAL USO COLOQUIAL USO CULTO Pronúncia descuidada de certas palavras Maior cuidado com a pronúncia Uso de  a gente  Uso de  nós Né, aí, pois é... Uso de gírias e palavrões
USO COLOQUIAL USO CULTO Não utilização das marcas de concordância Utilização das marcas de concordância Indevida colocação pronominal segundo a gramática Devida colocação pronominal segundo a gramática Repetições  Uso excessivo de gerúndio e estrangeirismos Uso moderado de gerúndio e estrangeirismos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Apresentação Adverbios
Apresentação AdverbiosApresentação Adverbios
Apresentação Adverbios
 
Tipologia textual
Tipologia textualTipologia textual
Tipologia textual
 
Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Crônica
CrônicaCrônica
Crônica
 
Regência nominal e verbal
Regência nominal e verbalRegência nominal e verbal
Regência nominal e verbal
 
Período Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e SubordinaçãoPeríodo Composto por Coordenação e Subordinação
Período Composto por Coordenação e Subordinação
 
Aula intertextualidade
Aula intertextualidadeAula intertextualidade
Aula intertextualidade
 
Pronomes
PronomesPronomes
Pronomes
 
Conto
ContoConto
Conto
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Variação linguística
Variação linguísticaVariação linguística
Variação linguística
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Crase
CraseCrase
Crase
 
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURAAULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
AULA 01 - TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO - ESTRUTURA
 
Variação linguistica aulão
Variação linguistica   aulãoVariação linguistica   aulão
Variação linguistica aulão
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Sujeito. Predicado
Sujeito. PredicadoSujeito. Predicado
Sujeito. Predicado
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 

Destaque

O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgulaRita Cunha
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbalRita Cunha
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação LinguísticaAngélica Manenti
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas7 de Setembro
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância VerbalAngela Santos
 

Destaque (7)

Uso da vírgula
Uso da vírgulaUso da vírgula
Uso da vírgula
 
O emprego da vírgula
O emprego da vírgulaO emprego da vírgula
O emprego da vírgula
 
Como usar a vírgula.
Como usar a vírgula.Como usar a vírgula.
Como usar a vírgula.
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 
6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística6º ano E. F. II - Variação Linguística
6º ano E. F. II - Variação Linguística
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
 
Concordância Verbal
Concordância VerbalConcordância Verbal
Concordância Verbal
 

Semelhante a VariaçãO LinguíStica

Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Tuh Caldas
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Orniane Pinheiro
 
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfvariao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfEdilmaBrando1
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticasGabriel Lima
 
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdfaula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdfJacquelineAssis3
 
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.pptVARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.pptRildeniceSantos
 
Funções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularFunções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularSilene Faro
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoblogdoalunocefa
 
Declaração universal dos direitos linguísticos
Declaração universal dos direitos linguísticosDeclaração universal dos direitos linguísticos
Declaração universal dos direitos linguísticosdivamar
 
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.pptTEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.pptEliandaVianadaSilva1
 
Lpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesa
Lpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesaLpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesa
Lpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesaMarcus Vinicius Santos Kucharski
 
Slide sobre as linguagens, aula para - 1º ANO
Slide sobre as linguagens, aula para   - 1º ANOSlide sobre as linguagens, aula para   - 1º ANO
Slide sobre as linguagens, aula para - 1º ANOy6bf72znm9
 
Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)
Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)
Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)annatica
 

Semelhante a VariaçãO LinguíStica (20)

Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3
 
Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3Variao lingustica-1234443479839338-3
Variao lingustica-1234443479839338-3
 
Variação linguística
Variação linguística Variação linguística
Variação linguística
 
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdfvariao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
variao-lingustica-1234443479839338-3 (1).pdf
 
Variações linguísticas
Variações linguísticasVariações linguísticas
Variações linguísticas
 
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdfaula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
aula_2_variedadeslinguisticascompleto.pdf
 
Nossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesaNossa lingua portuguesa
Nossa lingua portuguesa
 
Módulo 1
Módulo 1Módulo 1
Módulo 1
 
Textos e pretextos[1]
Textos e pretextos[1]Textos e pretextos[1]
Textos e pretextos[1]
 
Antropologia - Racismo
Antropologia - RacismoAntropologia - Racismo
Antropologia - Racismo
 
A literatura e o mundo
A literatura e o mundoA literatura e o mundo
A literatura e o mundo
 
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.pptVARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
VARIAÇÕES LINGUÍSTICAS.ppt
 
Funções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibularFunções da linguagem para o vestibular
Funções da linguagem para o vestibular
 
Slides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentaçãoSlides língua portuguesa apresentação
Slides língua portuguesa apresentação
 
Declaração universal dos direitos linguísticos
Declaração universal dos direitos linguísticosDeclaração universal dos direitos linguísticos
Declaração universal dos direitos linguísticos
 
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.pptTEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO.ppt
 
atividades-2018.ppt
atividades-2018.pptatividades-2018.ppt
atividades-2018.ppt
 
Lpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesa
Lpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesaLpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesa
Lpt2 1 alunos_conceitos_iniciais_histvariacoesdalinguaportuguesa
 
Slide sobre as linguagens, aula para - 1º ANO
Slide sobre as linguagens, aula para   - 1º ANOSlide sobre as linguagens, aula para   - 1º ANO
Slide sobre as linguagens, aula para - 1º ANO
 
Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)
Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)
Nôs Terra - filme documentário (Press Kit)
 

VariaçãO LinguíStica

  • 2. O QUE É LINGUAGEM? Capacidade de se comunicar por meio de um CÓDIGO . CÓDIGO: conjunto de sinais utilizados para passar uma determinada mensagem.
  • 3. LINGUAGEM VERBAL Aquela que utiliza a língua (oral ou escrita), que manifesta-se por meio das PALAVRAS . “ Batatinha quando nasce esparrama pelo chão. Mamãezinha quando dorme põe a mão no coração.”
  • 4. LINGUAGEM NÃO-VERBAL Aquela que utiliza qualquer código que não seja a palavra: pintura, dança, música, gesto, mímica etc ...
  • 6. VARIEDADE LINGÜÍSTICA Em um único sistema lingüístico podemos encontrar variações no que se refere ao modo como ele é utilizado pelos falantes. É isso que caracteriza as variações lingüísticas .
  • 7. Tipos de variedades: 1. Os dialetos - ocorrem em função das pessoas que usam a língua, ou seja, dos emissores. (regional, social, idade, sexo, geração, função); 2. Os registros - ocorrem em função do uso que se faz da língua, da mensagem , da situação . (grau de formalismo).
  • 8. VARIAÇÕES DIALETAIS IDADE: Dois bons filhos Paulo Mendes Campos Outro dia um senhor de cinqüenta anos me falava da mãe dele mais ou menos assim: - Se há alguém que eu adoro neste mundo é minha mãezinha. Ela vai fazer 73 anos no dia 19 de maio. Está forte, graças a Deus e muito lúcida. Há 41 anos que está viúva, papai, coitado, faleceu muito moço, com uma espinha de peixe atravessada no esôfago: pois não há dia em que mãezinha não se lembre dele com um amor tão bonito, com um respeito...
  • 9. Deu-se que no mesmo dia encontrei um rapaz de dezoito anos, que me contou mais ou menos assim: - Velha bacaninha é a minha. Quando ela está meio adernada, mais pra lá do que pra cá, ela ainda me dá uma broncazinha. Bronca de mãe não pega, meu chapa. Eu manjo ela todinha: lá em casa só tem bronca quando ela encheu a cara demais. A velha toma pra valer! Ou então foi um troço em que eu não meto a cara. Que é que eu tenho com a vida da velha? Pensa que eu me manco. Quando ela tá de bronca, o titio aqui já sabe: taco-lhe três equanil. É batata. Daí a pouco ela fica macia e vai soltando o tutu...
  • 10. SEXO: Homem: - Cara, preciso te contar o que aconteceu ontem na festa... Mulher: - Ai, menino! Preciso te contar o que aconteceu ontem na festa... Homem: - Comprei uma camisa legal. Mulher: - Comprei uma blusinha linda!
  • 11. REGIÃO: Dentro do próprio Brasil: Mandioca, aipim, macaxeira. Entre Brasil e Portugal: “ (...) numa revista portuguesa, vê-se um anúncio de um refrigerante, mundialmente conhecido (...) Ao lado da famosa marca, a única frase da peça publicitária: “A vida sabe bem”. Que se entende disso? Em português e em outras línguas latinas, o verbo “saber” (que vem do latim “sapere”, que significa justamente “ter sabor”) pode ser usado com a idéia de “ter gosto”, “ter saber” (...) Esse uso é vivíssimo no italiano, no espanhol, no português de Portugal. No do Brasil, parece que se restringiu aos textos literários.” Pasquale Cipro Neto: “A vida sabe bem”. Revista Cult, nº 56.
  • 12. GERAÇÃO, ÉPOCA: “ Exmo. Sr. Unicamente a necessidade me sujerio a publicação deste punhado de rimas (...) Eu e minha esposa, moça igualmente enferma, desde que entramos no hospital, há quasi dois annos que, por exclusiva injustiça, estamos privados das quotas dos donativos feitos pela caridade aos que, como nós, vieram esconder seu infortúnio sob o tecto hospitalar. E nem roupa nem um lençol recebemos do estabelecimento estipendiado pela municipalidade, cujo prefeito Dr. Miguel Penteado não se dignou prestar attenção às minhas queixas. Resumindo, somos víctimas de vezano pouco caso pelo direito dos fracos (...)” Firmo Anônio. Argueiros , 1924.
  • 13. SÓCIO-ECONÔMICA: VÁRIAS IDÉIAS FERRÉZ Acordou cedo, gritou: “Zica maldita!”. Rapaz, o vocabulário do tranca-ruas é ziquizira. “Rapaz, num vacila de madruga, entendeu?” “Entendi, os P.M. sobe o gás. Então vamos sumariar. Quantos de nóis cê quer matar? Grota, granja, boca, biqueira, movimento, verme, milho a vida inteira. Mil grau, frenético, qual que é a urucubaca? Que cê faz se não tiver que voltar para casa? Quem te deu um sorriso hoje, pique pá alguém de longe (...) Muitos sofre, eta que sofre, mas poucos lembra. Povo gado, voto mal dado, fila quilométrica para encher prato de deputado. Picha os muro, xinga os putos, mete a boca, depois cheira dentro da goma. (...) Caros Amigos nº 89.
  • 14. FUNÇÃO: Plural majestático: “ Nós queremos que o povo dessa cidade se sinta seguro. Por isso reforçaremos nossa polícia para que possa dar maior segurança aos cidadãos.”
  • 15. VARIAÇÕES DE REGISTRO A) Senhora Diretora, Sr. Vice-Presidente, Dignos Convidados, Estimados e Distintos Colegas da nobre Profissão de Ensinar. Considero uma honra e um privilégio ter sido convidado a vir diante de vós nesta ocasião, um convite que aceitei com o mais profundo prazer e gratidão. É meu propósito, estando aqui esta noite, repartir convosco um pouco das experiências que tenho vivido na minha função de enriquecer os conhecimentos das novas gerações, daqueles que continuarão quando já estiver chegado ao fim o nosso tempo neste mundo. Espero e creio que estas experiências não serão desprovidas de interesse para aqueles que estarão, entre vós, trabalhando na mesma vinha, pois juntos conseguiremos a mais rica colheita.
  • 16. B) Senhoras e Senhores: Estou realmente feliz por ter sido convidado pelo vosso Vice-Presidente, Senhor Horácio Foladori, para vos falar, esta noite, sobre o tema “Da Variação Múltipla do Registro no Ensino de Inglês”. Espero ser capaz de apresentar umas idéias que deverão ser tanto sugestivas quanto relevantes para vossas tarefas como professores de Inglês. C) Boa noite, amigos: O Senhor Foladori pediu-me para falar a vocês, esta noitem sobre um assunto tão amplo como o Ensino de Inglês. Espero ser capaz de dizer umas poucas coisas que serão de algum interesse para vocês e que talvez possam ajudá-los a serem professores mais eficientes.
  • 17. D) Ei pessoal: Horácio pediu-me que viesse aqui e falasse a vocês todos a respeito de como ensinar Inglês. Disse-me que poderia tocar em qualquer dos aspectos que quisesse, desde que eu não me tornasse muito técnico, pois ao contrário ninguém entenderia uma só palavra que eu dissesse. A) Vá a merda! Cê é um fedaputa! B) Deixe-me em paz! Você é uma pessoa que não merece consideração! A) Na hora da dolorosa, caiu duro. B) Quando a conta foi apresentada, assustou-se.
  • 18. NORMA CULTA E LÍNGUA COLOQUIAL A Norma ou Língua Culta é um tipo de variação lingüística que se caracteriza por seguir as normas estabelecidas de acordo com a gramática normativa . Ela é falada e escrita em situações que exigem formalidade. A Língua Coloquial é a variação lingüística utilizada em situações informais. É a língua do cotidiano .
  • 19. DISTINÇÕES ENTRE A NORMA CULTA E A LÍNGUA COLOQUIAL USO COLOQUIAL USO CULTO Pronúncia descuidada de certas palavras Maior cuidado com a pronúncia Uso de a gente Uso de nós Né, aí, pois é... Uso de gírias e palavrões
  • 20. USO COLOQUIAL USO CULTO Não utilização das marcas de concordância Utilização das marcas de concordância Indevida colocação pronominal segundo a gramática Devida colocação pronominal segundo a gramática Repetições Uso excessivo de gerúndio e estrangeirismos Uso moderado de gerúndio e estrangeirismos