SlideShare uma empresa Scribd logo
ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ

Assunto: Movimento Literário Trovadorismo em Portugal
Tema : A criação do Trovadorismo português
Alunos e números: Raphael Giorge Gomes dos Santos n°33
Série: 1° Ano D – Ensino Médio
Professora: Maria Teodoro Piedade da Silva

Jacareí, 25 de novembro de 2013
PERGUNTAS E OBJETIVOS DE PESQUISA

Expor o Movimento Literário Trovadorismo em Portugal, a
partir do século Xll, buscando responder os seguintes
questionamentos:
• o que é Trovadorismo e suas características(conhecer o
essa manifestação literária e suas propriedades);
• qual a importância do Trovadorismo na literatura atual.
CONTEXTO HISTÓRICO

• Queda do Império Romano e lutas entre dinastias na
a avor da independência portuguesa;

• A origem de Portugal é estabelecida quando Portugal
assume a condição de estar independente em
1143, quando o rei da Espanha , Afonso
Vll, reconhece Afonso Henriques, filho de D. Henrique
de Borgonha , como Rei de Portugal. Essa situação se
consolida com a bula papal de 1179 , em que a Santa
Sé
reconhece
a
monarquia
portuguesa
(NICOLA,2011).
CONTEXTO HISTÓRICO
• Portugal tornou-se independente e com isso a
mudanças nos aspectos econômicos, na vida em
sociedade, na política e na cultura;
• Surgimento do Estado português independente
(Condado Portucalense), estabelece-se como língua
oficial o português;
• Surge o Trovadorismo com seus trovadores (pessoas
que cantavam ou expressavam suas cantigas) e
também a criação das novelas de cavalaria.
TROVADORES E CAVALEIROS MEDIEVAIS EM
PROSA E VERSO

• A
palavra
„trovadorismo’
origina
de
trovadores,
autores
dos
poemas
cantados
„trovas, ritmas‟, acompanhado de instrumento
musical.

• Esses poetas, geralmente, pertenciam à nobreza e ao
clero e além da letra, criavam também a música das
composições (CANTIGAS) que executavam para um
seleto público da corte. Entre os cantores
populares, quem cantava e executava canções , mas
não as criavam, eram os jograis.
CANTIGA TROVADORESCA

• Cantigas trovadorescas: poemas da época medieval,
cantadas, tanto para as pessoas de alta classe social
(na corte), pelos trovadores quanto para as demais
(nas tavernas),jogral, segrel e menestrel (pessoas
que tenham uma classe social mais baixa).
• Há dois tipos de cantigas: Cantigas líricas (cantigas
de Amor e a de Amigo) e cantigas satíricas (de
Maldizer e Satírica).
CARACTERISTICAS DAS CANTIGAS
• Cantigas de Amor, o eu lírico masculino declara o seu
amor para uma dama;
• Cantigas de Amigo, o eu lírico é feminino com autoria
masculina, feminino.
• Cantigas de Escárnio se caracteriza-se em insultar
uma pessoa de maneira sutil ou indireta: ser
diretamente para pessoas nobres ou comunidades rurais.
• Cantigas de Maldizer insultam uma pessoa
diretamente, criticando-a de uma forma verbal mais
suntuosa, e, muitas vezes, utilizando “palavrões”.
• Os poemas líricos tem como base expressar os
sentimentos de amor a mulher amada, em quanto os
poemas satíricos tem como base criticar alguém, uma
instituição ou um lugar .
EXEMPLOS DE CANTIGA DE AMOR
Essa cantiga de Afonso Fernandes mostra algumas
características de não correspondência amorosa.
Senhora minha, desde que vos vi,
lutei para ocultar esta paixão
que me tomou inteiro o coração;
mas não o posso mais e decidi
que saibam todos o meu grande amor,

a tristeza que tenho, a imensa dor
que sofro desde o dia em que vos vi.
Exemplo de cantiga de Amigo ( trecho de D. Dinis)
• Ai flores, ai flores do verde
pino,
se sabedes novas do meu amigo!
• Ai Deus, e u é?
• Ai flores, ai flores do verde
ramo,
se sabedes novas do meu
amigo!
Ai Deus, e u é?
Se sabedes novas do meu
amigo,
aquele que menteiu do
que pôs comigo!
• Ai Deus, e u é?
Se sabedes novas do meu
amigo,
Exemplo de cantiga de Maldizer(de Joan Garcia de
Guilha):
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•
•

Ai dona feal Foste-vos queixar
Que vos nunca lou‟em meu trobar
Mais ora quero fazer um cantar
Em que vos loarei toda via ;
E vedes como vos quero loar :
Dona fea
! Se Deus mi parton !
E ,pois havestes tan gran coraçon
Que vos eu Oe em esta razon,
Dona fea, velha e sandia !
Dona fea, nunca vos eu loei
Em meu trobar . pero muito trobei ;
Mia ora já em bom cantar farei
En que vos loarei toda via;
E direi-vos como vos loarei:
Dona Fea, Velha e sandia!
NOVELAS DE CAVALARIA
• Novelas de cavalaria: conhecida como
romance, baseadas em antigas lendas nos quais
encontram cavaleiros, donzelas, rei, rainha, dentre
outros.
• Nesse mundo ficcional é importante levar em conta a
honra dos cavaleiros (integridade do caráter , a
piedades com os enfermos , a integridade do caráter
a piedade com os enfermos , a doçura com crianças e
mulheres , a justiça e valentia na guerra e a liberdade
na paz)
• Poucos cavaleiros mantiveram fieis a todos esses
preceitos, apesar persistirem com esses ideais de
comportamento.
CICLOS DAS NOVELAS DAS CAVALARIAS
• Ciclo clássico contavam historias bem antigas como
a guerra de Troia e as aventuras do Alexandre o
grande
• Ciclo do Bretã ou arturiano conta as aventuras do
Rei Arthur e seus cavaleiros (muito usado no
Trovadorismo)
• Ciclo de carolíngio conta a historia de Carlos Magno
UM EXEMPLO DE NOVELAS DE CAVALARIA É A
HISTÓRIA DO REI ARTHUR

• Arthur, o rei, é a personagem principal desta lenda.
Ele foi coroado aos 15 anos, após a cerimônia do
Gamo Rei, onde ganhou a Excalibur (sua espada
mágica). Existem duas versões para essa história, que
serão contadas mais adiante.
• Arthur teve uma irmã (Morgana) e um irmão de
criação (Cai), sua mãe (Igraine) era filha da Senhora
de Avalon e irmã de Viviane (Sacerdotisa atual de
Avalon na saga). O Mago Merlim é pai da mãe de
Arthur, seu avô de direito. Arthur não teve filhos de
seu conhecimento, mas ele foi pai em conjunto com
Morgana no ritual do Gamo Rei.
• Morgana nunca contou ao seu irmão sobre o
acontecido, visto que nesse ritual os corpos eram
doados aos deuses para a unificação do ritual que
será explicado na história do "Gamo Rei". Arthur criou
a Távola Redonda, onde todos os seus cavaleiros se
sentavam como não havia ponta nem cabeceiras,
reafirmando que todos eram iguais perante ao rei e
perante ao Cristo.
• Arthur traiu o povo das fadas (seus familiares por
parte de mãe) ao negar a bandeira do Pendragon e
instituir em Camelot a bandeira com a cruz do Cristo e
a Virgem Maria. Essa bandeira foi confeccionada por
Guinevere, sua esposa e rainha de Camelot.
Arthur, após a mudança do reino de Tintagel para
Camelot, começou a dar ouvidos a sua esposa e fazer
tudo o que ela queria, com isso negou aos seus
ancestrais, traiu o povo de Avalon e instituiu uma
religião una em toda a Bretanha, o Cristianismo.
TROVADORISMO ATUAL
• Novelas de cavalaria adaptadas para o cinema norteamericano, as pessoas podem se interagir com essas
histórias, assistindo-as a ouvir alguém contando.
• O Rei Arthur e os cavaleiros da távola redonda conta
os feitos do Rei Arthur e seus cavaleiros(do diretor Antonie
Fugea, em 17 de setembro de 2004/ nacionalidade EUA).
• Os três mosqueteiros conta sobre mosqueteiros
protetores do rei devendo lutar contra o papa (eles tinham
uma alta influência na França em plena Idade Média), do
diretor Paulo W.S.Andrade/ 21 de outubro de 2011/
nacionalidade: França, Reino Unido, Alemanha e EUA
• Sangue e Honra conta sobre um rapaz que queria ser um
cavaleiro, mas não consegue; precisa provar a um outro
cavaleiro que ele merece tornar-se um cavaleiro.
CANTIGAS TROVADORESCAS ATUAIS

• O Trovadorismo, então, faz parte da literatura, no
entanto não existem mais trovadores, nem
cantigas, mas existem poetas que escrevem seus
poemas-canções como se fossem cantigas
trovadorescas, como, compositores e intérpretes
Chico Buarque “Atrás da Porta”.
Atrás da Porta
• Quando olhaste bem nos olhos meus
E o teu olhar era de adeus
Juro que não acreditei
Eu te estranhei
Me debrucei sobre
teu corpo e duvidei
E me arrastei e te arranhei
E me agarrei nos teus cabelos
Nos teus pêlos,
Teu pijama
Nos teus pés
Ao pé da cama
Sem carinho, sem coberta
No tapete atrás da porta
Reclamei baixinho
Dei pra maldizer o nosso lar
Pra sujar teu nome, te humilhar
E me vingar a qualquer preço
Te adorando pelo avesso
Pra mostrar que ainda sou tua
Só pra provar que ainda sou tua...
Outro exemplo de cantigas atuais
• Minha Senhora, de Gilberto Gil e Torquato Neto

Onde é que você mora
Em que parte desse mundo
Em que cidade escondida
Dizei-me que sem demora
Lá também quero morar
Onde fica essa morada
Em que reino, qual parada
Dizei-me por qual estrada
É que eu devo caminhar
Minha senhora
Onde é que você mora
Venho da beira da praia
Tantas prendas que eu lhe trago
Pulseira, sandália e saia
Sem saber como entregar
CONSIDERAÇÕES FINAIS

• O Movimento Literário Trovadorismo (século Xll) apresenta o
eu lírico expressando seus sentimentos por meio de
cantigas(poemas-canções) líricas e satíricas, além das
novelas de cavalaria com base nas aventuras dos cavaleiros
medievais.
•

As características do Trovadorismo ainda influenciam a
literatura atual, pois poetas escrevem poemas-canções ao
estilo das cantigas trovadorescas além de adaptarem as
novelas de cavalaria antigas para o cinema, séries de TV e
teatro.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• CEREJA, William Roberto & MAGALHAES, Tereza Cochar.
Português: linguagens volume único. São Paulo:
Atual, 2003.
• NICOLA, José de. Português ensino médio volume. São
Paulo: Scipione, 2005.
• MAIA, João Domingues Português: ensino médio volume
único. São Paulo: Ática, 2003.
• BARRETO, Ricardo Gonçalves Português: ensino médio
1° ano. São Paulo: SM editora, 2010.
• Disponível em
http://lerliteratura.blogspot.com.br/2011/04/cantigastrovadorescas-ix.html>Acesso em 25 de novembro de 20013
• Disponível em http://www.colegioweb.com.br/trabalhosescolares/literatura/trovadorismo/as-cantigas-deamor.html>Acesso em 25 de novembro de 20013.
• Disponível em
http://www.eusouluz.iet.pro.br/reiarthur.htm>Acesso em 25

de novembro de 20013.
•
•
•
•
•
•

Disponível em http://danicunha.wordpress.com/tag/novelasde-cavalaria/>Acesso em 25 de novembro de 20013
Disponível em
http://tracostrovadorescosatuais.blogspot.com.br/>Acesso em
25 de novembro de 20013
Disponível em
http://www.eusouluz.iet.pro.br/reiarthur.htm>Acesso em 25
de novembro de 20013
Disponível em
http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno1010.html>Acesso em 25 de novembro de 20013
Disponível em
http://faroldasletras.no.sapo.pt/cantigas_amigo_ddinis.html>
Acesso em 25 de novembro de 20013
Disponível em http://www.colegioweb.com.br/trabalhosescolares/literatura/trovadorismo/as-cantigas-deamor.html>Acesso em 25 de novembro de 20013

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
ma.no.el.ne.ves
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
Cláudia Heloísa
 
Simbolismo no brasil
Simbolismo no brasilSimbolismo no brasil
Simbolismo no brasil
Don Veneziani
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 
Literatura de autoria feminina
Literatura de autoria feminina Literatura de autoria feminina
Literatura de autoria feminina
Jean Daiane Chiumento
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
CrisBiagio
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
Louyse Tenório
 
Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
NAPNE
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
Julimac
 
Blog segunda fase modernista - prosa
Blog    segunda fase modernista - prosaBlog    segunda fase modernista - prosa
Blog segunda fase modernista - prosa
Luciene Gomes
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
Luciene Gomes
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
Zenia Ferreira
 
Barroco
BarrocoBarroco
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
Faell Vasconcelos
 
Auto da barca do inferno 2
Auto da barca do inferno 2Auto da barca do inferno 2
Auto da barca do inferno 2
Bernadete Carrijo Oliveira
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
Jose Arnaldo Silva
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
Hildalene Pinheiro
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
Ademir Miranda
 

Mais procurados (20)

Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresmaQuestões sobre triste fim de policarpo quaresma
Questões sobre triste fim de policarpo quaresma
 
Trovadorismo I
Trovadorismo ITrovadorismo I
Trovadorismo I
 
Simbolismo no brasil
Simbolismo no brasilSimbolismo no brasil
Simbolismo no brasil
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Literatura de autoria feminina
Literatura de autoria feminina Literatura de autoria feminina
Literatura de autoria feminina
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Mapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismoMapa Resumo classicismo
Mapa Resumo classicismo
 
Blog segunda fase modernista - prosa
Blog    segunda fase modernista - prosaBlog    segunda fase modernista - prosa
Blog segunda fase modernista - prosa
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Pré modernismo-slides
Pré modernismo-slidesPré modernismo-slides
Pré modernismo-slides
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Pré-Modernismo
Pré-ModernismoPré-Modernismo
Pré-Modernismo
 
Auto da barca do inferno 2
Auto da barca do inferno 2Auto da barca do inferno 2
Auto da barca do inferno 2
 
O Humanismo
O Humanismo O Humanismo
O Humanismo
 
Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: PoesiaA Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
A Segunda Geração modernista brasileira: Poesia
 

Semelhante a Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013

Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Seduc/AM
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Colégio Santa Luzia
 
Movimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário TrovadorismoMovimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário Trovadorismo
Thalita Dias
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
rosangelajoao
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
Josi Motta
 
literaturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdf
literaturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdfliteraturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdf
literaturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdf
Kennedy430427
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
SluaTemisTyMonteiroF
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
Ana Lúcia Moura Neves
 
poesia_trovadoresca.pptx
poesia_trovadoresca.pptxpoesia_trovadoresca.pptx
poesia_trovadoresca.pptx
NdiaMonteiro17
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
Gijasilvelitz 2
 
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptxBOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
ssuser7869761
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
elenir duarte dias
 
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo,  Novelas de Cavalaria e HumanismoTrovadorismo,  Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
CrisBiagio
 
Literatura medieval prof katty
Literatura medieval    prof kattyLiteratura medieval    prof katty
Literatura medieval prof katty
Katty Rasga
 
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Trovadorismo ao barroco   power point (1)Trovadorismo ao barroco   power point (1)
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Gustavo Cuin
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
solsioli
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
GANHADODINHEIRO
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
niltonrafachine
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
MnicaOliveira567571
 

Semelhante a Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013 (20)

Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
Movimento Literário Trovadorismo 1º ano A 2013
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Movimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário TrovadorismoMovimento Literário Trovadorismo
Movimento Literário Trovadorismo
 
Trovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismoTrovadorismo e humanismo
Trovadorismo e humanismo
 
Trovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismoTrovadorismo humanismo
Trovadorismo humanismo
 
literaturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdf
literaturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdfliteraturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdf
literaturabrasileira-resumo-150521005228-lva1-app6891.pdf
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Literatura brasileira resumo
Literatura brasileira resumoLiteratura brasileira resumo
Literatura brasileira resumo
 
poesia_trovadoresca.pptx
poesia_trovadoresca.pptxpoesia_trovadoresca.pptx
poesia_trovadoresca.pptx
 
Poesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - ResumoPoesia Trovadoresca - Resumo
Poesia Trovadoresca - Resumo
 
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptxBOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
BOM_Sintese_poesia_trovadoresca.pptx
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo,  Novelas de Cavalaria e HumanismoTrovadorismo,  Novelas de Cavalaria e Humanismo
Trovadorismo, Novelas de Cavalaria e Humanismo
 
Literatura medieval prof katty
Literatura medieval    prof kattyLiteratura medieval    prof katty
Literatura medieval prof katty
 
Trovadorismo ao barroco power point (1)
Trovadorismo ao barroco   power point (1)Trovadorismo ao barroco   power point (1)
Trovadorismo ao barroco power point (1)
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptxslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptx
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.pptslides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
slides-aula-Romantismo-no-Brasil-poesia.ppt
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP

Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP
 

Mais de Doutora em Linguística Aplicada pela PUC-SP (20)

Diferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tiraDiferenças entre cartum charge e tira
Diferenças entre cartum charge e tira
 
Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014Classe gramatical 2014
Classe gramatical 2014
 
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
Caderno número 2 dp língua portuguesa 9º ano 2015
 
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
Prova sobre o conto A cartomante de Machado de Assis 2015
 
A hora da_estrela
A hora da_estrelaA hora da_estrela
A hora da_estrela
 
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...O retrato real da sociedade burguesa  no século XIX pela percepção do Movimen...
O retrato real da sociedade burguesa no século XIX pela percepção do Movimen...
 
REALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMOREALISMO E NATURALISMO
REALISMO E NATURALISMO
 
A máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurroA máscara da ópera em dom casmurro
A máscara da ópera em dom casmurro
 
Iracema de alencar
Iracema de alencarIracema de alencar
Iracema de alencar
 
Sintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simplesSintaxe do periodo simples
Sintaxe do periodo simples
 
Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014Orações subordinadas adverbiais 2014
Orações subordinadas adverbiais 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014Orações subordinadas adjetivas 2014
Orações subordinadas adjetivas 2014
 
Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014Orações subordinadas substantivas 2014
Orações subordinadas substantivas 2014
 
Gentileza gera gentileza (1)
Gentileza gera gentileza  (1)Gentileza gera gentileza  (1)
Gentileza gera gentileza (1)
 
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO DMovimento Literário Barroco do 1º ANO D
Movimento Literário Barroco do 1º ANO D
 
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
Movimento Literário Classicismo em Portugal 1º ano D 2013
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano A 2013
 
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
Literatura Informativa e Jesuítica no Brasil 1º B 2013
 
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
Movimento Literário Humanismo em Portugal 1º ano B 2013
 

Último

farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
AngelicaCostaMeirele2
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 

Último (20)

farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
farmacologia-segura-em-mapas-mentais-reduzindo-os-riscos-da-terapeutica-24040...
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptxSlides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
Slides Lição 2, CPAD, O Livro de Rute, 3Tr24.pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 

Movimento literário Trovadorismo 1º ano D 2013

  • 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ Assunto: Movimento Literário Trovadorismo em Portugal Tema : A criação do Trovadorismo português Alunos e números: Raphael Giorge Gomes dos Santos n°33 Série: 1° Ano D – Ensino Médio Professora: Maria Teodoro Piedade da Silva Jacareí, 25 de novembro de 2013
  • 2. PERGUNTAS E OBJETIVOS DE PESQUISA Expor o Movimento Literário Trovadorismo em Portugal, a partir do século Xll, buscando responder os seguintes questionamentos: • o que é Trovadorismo e suas características(conhecer o essa manifestação literária e suas propriedades); • qual a importância do Trovadorismo na literatura atual.
  • 3. CONTEXTO HISTÓRICO • Queda do Império Romano e lutas entre dinastias na a avor da independência portuguesa; • A origem de Portugal é estabelecida quando Portugal assume a condição de estar independente em 1143, quando o rei da Espanha , Afonso Vll, reconhece Afonso Henriques, filho de D. Henrique de Borgonha , como Rei de Portugal. Essa situação se consolida com a bula papal de 1179 , em que a Santa Sé reconhece a monarquia portuguesa (NICOLA,2011).
  • 4. CONTEXTO HISTÓRICO • Portugal tornou-se independente e com isso a mudanças nos aspectos econômicos, na vida em sociedade, na política e na cultura; • Surgimento do Estado português independente (Condado Portucalense), estabelece-se como língua oficial o português; • Surge o Trovadorismo com seus trovadores (pessoas que cantavam ou expressavam suas cantigas) e também a criação das novelas de cavalaria.
  • 5. TROVADORES E CAVALEIROS MEDIEVAIS EM PROSA E VERSO • A palavra „trovadorismo’ origina de trovadores, autores dos poemas cantados „trovas, ritmas‟, acompanhado de instrumento musical. • Esses poetas, geralmente, pertenciam à nobreza e ao clero e além da letra, criavam também a música das composições (CANTIGAS) que executavam para um seleto público da corte. Entre os cantores populares, quem cantava e executava canções , mas não as criavam, eram os jograis.
  • 6. CANTIGA TROVADORESCA • Cantigas trovadorescas: poemas da época medieval, cantadas, tanto para as pessoas de alta classe social (na corte), pelos trovadores quanto para as demais (nas tavernas),jogral, segrel e menestrel (pessoas que tenham uma classe social mais baixa). • Há dois tipos de cantigas: Cantigas líricas (cantigas de Amor e a de Amigo) e cantigas satíricas (de Maldizer e Satírica).
  • 7. CARACTERISTICAS DAS CANTIGAS • Cantigas de Amor, o eu lírico masculino declara o seu amor para uma dama; • Cantigas de Amigo, o eu lírico é feminino com autoria masculina, feminino. • Cantigas de Escárnio se caracteriza-se em insultar uma pessoa de maneira sutil ou indireta: ser diretamente para pessoas nobres ou comunidades rurais. • Cantigas de Maldizer insultam uma pessoa diretamente, criticando-a de uma forma verbal mais suntuosa, e, muitas vezes, utilizando “palavrões”. • Os poemas líricos tem como base expressar os sentimentos de amor a mulher amada, em quanto os poemas satíricos tem como base criticar alguém, uma instituição ou um lugar .
  • 8. EXEMPLOS DE CANTIGA DE AMOR Essa cantiga de Afonso Fernandes mostra algumas características de não correspondência amorosa. Senhora minha, desde que vos vi, lutei para ocultar esta paixão que me tomou inteiro o coração; mas não o posso mais e decidi que saibam todos o meu grande amor, a tristeza que tenho, a imensa dor que sofro desde o dia em que vos vi.
  • 9. Exemplo de cantiga de Amigo ( trecho de D. Dinis) • Ai flores, ai flores do verde pino, se sabedes novas do meu amigo! • Ai Deus, e u é? • Ai flores, ai flores do verde ramo, se sabedes novas do meu amigo! Ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo, aquele que menteiu do que pôs comigo! • Ai Deus, e u é? Se sabedes novas do meu amigo,
  • 10. Exemplo de cantiga de Maldizer(de Joan Garcia de Guilha): • • • • • • • • • • • • • • • • Ai dona feal Foste-vos queixar Que vos nunca lou‟em meu trobar Mais ora quero fazer um cantar Em que vos loarei toda via ; E vedes como vos quero loar : Dona fea ! Se Deus mi parton ! E ,pois havestes tan gran coraçon Que vos eu Oe em esta razon, Dona fea, velha e sandia ! Dona fea, nunca vos eu loei Em meu trobar . pero muito trobei ; Mia ora já em bom cantar farei En que vos loarei toda via; E direi-vos como vos loarei: Dona Fea, Velha e sandia!
  • 11. NOVELAS DE CAVALARIA • Novelas de cavalaria: conhecida como romance, baseadas em antigas lendas nos quais encontram cavaleiros, donzelas, rei, rainha, dentre outros. • Nesse mundo ficcional é importante levar em conta a honra dos cavaleiros (integridade do caráter , a piedades com os enfermos , a integridade do caráter a piedade com os enfermos , a doçura com crianças e mulheres , a justiça e valentia na guerra e a liberdade na paz) • Poucos cavaleiros mantiveram fieis a todos esses preceitos, apesar persistirem com esses ideais de comportamento.
  • 12. CICLOS DAS NOVELAS DAS CAVALARIAS • Ciclo clássico contavam historias bem antigas como a guerra de Troia e as aventuras do Alexandre o grande • Ciclo do Bretã ou arturiano conta as aventuras do Rei Arthur e seus cavaleiros (muito usado no Trovadorismo) • Ciclo de carolíngio conta a historia de Carlos Magno
  • 13. UM EXEMPLO DE NOVELAS DE CAVALARIA É A HISTÓRIA DO REI ARTHUR • Arthur, o rei, é a personagem principal desta lenda. Ele foi coroado aos 15 anos, após a cerimônia do Gamo Rei, onde ganhou a Excalibur (sua espada mágica). Existem duas versões para essa história, que serão contadas mais adiante. • Arthur teve uma irmã (Morgana) e um irmão de criação (Cai), sua mãe (Igraine) era filha da Senhora de Avalon e irmã de Viviane (Sacerdotisa atual de Avalon na saga). O Mago Merlim é pai da mãe de Arthur, seu avô de direito. Arthur não teve filhos de seu conhecimento, mas ele foi pai em conjunto com Morgana no ritual do Gamo Rei.
  • 14. • Morgana nunca contou ao seu irmão sobre o acontecido, visto que nesse ritual os corpos eram doados aos deuses para a unificação do ritual que será explicado na história do "Gamo Rei". Arthur criou a Távola Redonda, onde todos os seus cavaleiros se sentavam como não havia ponta nem cabeceiras, reafirmando que todos eram iguais perante ao rei e perante ao Cristo.
  • 15. • Arthur traiu o povo das fadas (seus familiares por parte de mãe) ao negar a bandeira do Pendragon e instituir em Camelot a bandeira com a cruz do Cristo e a Virgem Maria. Essa bandeira foi confeccionada por Guinevere, sua esposa e rainha de Camelot. Arthur, após a mudança do reino de Tintagel para Camelot, começou a dar ouvidos a sua esposa e fazer tudo o que ela queria, com isso negou aos seus ancestrais, traiu o povo de Avalon e instituiu uma religião una em toda a Bretanha, o Cristianismo.
  • 16. TROVADORISMO ATUAL • Novelas de cavalaria adaptadas para o cinema norteamericano, as pessoas podem se interagir com essas histórias, assistindo-as a ouvir alguém contando. • O Rei Arthur e os cavaleiros da távola redonda conta os feitos do Rei Arthur e seus cavaleiros(do diretor Antonie Fugea, em 17 de setembro de 2004/ nacionalidade EUA). • Os três mosqueteiros conta sobre mosqueteiros protetores do rei devendo lutar contra o papa (eles tinham uma alta influência na França em plena Idade Média), do diretor Paulo W.S.Andrade/ 21 de outubro de 2011/ nacionalidade: França, Reino Unido, Alemanha e EUA • Sangue e Honra conta sobre um rapaz que queria ser um cavaleiro, mas não consegue; precisa provar a um outro cavaleiro que ele merece tornar-se um cavaleiro.
  • 17. CANTIGAS TROVADORESCAS ATUAIS • O Trovadorismo, então, faz parte da literatura, no entanto não existem mais trovadores, nem cantigas, mas existem poetas que escrevem seus poemas-canções como se fossem cantigas trovadorescas, como, compositores e intérpretes Chico Buarque “Atrás da Porta”.
  • 18. Atrás da Porta • Quando olhaste bem nos olhos meus E o teu olhar era de adeus Juro que não acreditei Eu te estranhei Me debrucei sobre teu corpo e duvidei E me arrastei e te arranhei E me agarrei nos teus cabelos Nos teus pêlos, Teu pijama Nos teus pés Ao pé da cama Sem carinho, sem coberta No tapete atrás da porta Reclamei baixinho Dei pra maldizer o nosso lar Pra sujar teu nome, te humilhar E me vingar a qualquer preço Te adorando pelo avesso Pra mostrar que ainda sou tua Só pra provar que ainda sou tua...
  • 19. Outro exemplo de cantigas atuais • Minha Senhora, de Gilberto Gil e Torquato Neto Onde é que você mora Em que parte desse mundo Em que cidade escondida Dizei-me que sem demora Lá também quero morar Onde fica essa morada Em que reino, qual parada Dizei-me por qual estrada É que eu devo caminhar Minha senhora Onde é que você mora Venho da beira da praia Tantas prendas que eu lhe trago Pulseira, sandália e saia Sem saber como entregar
  • 20. CONSIDERAÇÕES FINAIS • O Movimento Literário Trovadorismo (século Xll) apresenta o eu lírico expressando seus sentimentos por meio de cantigas(poemas-canções) líricas e satíricas, além das novelas de cavalaria com base nas aventuras dos cavaleiros medievais. • As características do Trovadorismo ainda influenciam a literatura atual, pois poetas escrevem poemas-canções ao estilo das cantigas trovadorescas além de adaptarem as novelas de cavalaria antigas para o cinema, séries de TV e teatro.
  • 21. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • CEREJA, William Roberto & MAGALHAES, Tereza Cochar. Português: linguagens volume único. São Paulo: Atual, 2003. • NICOLA, José de. Português ensino médio volume. São Paulo: Scipione, 2005. • MAIA, João Domingues Português: ensino médio volume único. São Paulo: Ática, 2003. • BARRETO, Ricardo Gonçalves Português: ensino médio 1° ano. São Paulo: SM editora, 2010.
  • 22. • Disponível em http://lerliteratura.blogspot.com.br/2011/04/cantigastrovadorescas-ix.html>Acesso em 25 de novembro de 20013 • Disponível em http://www.colegioweb.com.br/trabalhosescolares/literatura/trovadorismo/as-cantigas-deamor.html>Acesso em 25 de novembro de 20013. • Disponível em http://www.eusouluz.iet.pro.br/reiarthur.htm>Acesso em 25 de novembro de 20013.
  • 23. • • • • • • Disponível em http://danicunha.wordpress.com/tag/novelasde-cavalaria/>Acesso em 25 de novembro de 20013 Disponível em http://tracostrovadorescosatuais.blogspot.com.br/>Acesso em 25 de novembro de 20013 Disponível em http://www.eusouluz.iet.pro.br/reiarthur.htm>Acesso em 25 de novembro de 20013 Disponível em http://www.filologia.org.br/viiicnlf/anais/caderno1010.html>Acesso em 25 de novembro de 20013 Disponível em http://faroldasletras.no.sapo.pt/cantigas_amigo_ddinis.html> Acesso em 25 de novembro de 20013 Disponível em http://www.colegioweb.com.br/trabalhosescolares/literatura/trovadorismo/as-cantigas-deamor.html>Acesso em 25 de novembro de 20013