SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Realismo
- século XIX -
2ª Série
Professora: Eliane Mello
O Realismo, no Brasil, nasceu em consequência da crise criada com a
decadência econômica açucareira, o crescimento do prestígio dos estados
do sul e o descontentamento da classe burguesa em ascensão na época, o
que facilitou o acolhimento dos ideais abolicionistas e republicanos.
O marco do Realismo no Brasil é a publicação, em 1881, da obra realista
Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, e da
naturalista O Mulato, de Aluísio Azevedo, influenciados pelo escritor
português Eça de Queirós, com as obras O Crime do Padre Amaro (1875)
e Primo Basílio (1878).
CONTEXTO HISTÓRICO
Os realistas queriam focalizar os fatos tal qual se apresentavam em seu lado
mais sombrio, despindo a ficção da fantasia. Deixam de lado as aparências
para procurar as essências, desmistificando as hipocrisias da sociedade.
A investigação da sociedade e dos caracteres individuais é feita “de dentro
para fora”, isto é, por meio de uma análise psicológica capaz de abranger
toda sua complexidade, utilizando entre outros recursos a ironia, que sugere
e aponta, em vez de afirmar.
REALISMO
Machado de Assis (1839 – 1908) é o grande representante do Realismo no
Brasil e considerado o “O analista da alma humana”.
Poesia: discreta, sem arrebatamentos, reflexiva e densa, mas quase carente
de emoções e vibração.
Romance: “não quis fazer romance de costumes” os romances são de
observação psicológica e o interesse como móvel principal das ações
humanas.
•
Machado de Assis
•Ruptura com a narrativa linear: não segue um fio lógico ou cronológico e sim
um ordenamento interior.
• Organização metalinguística do discurso narrativo: Machado assume a
posição de quem escreve e ao mesmo tempo se vê escrevendo. O narrador
comenta com o leitor a própria escritura do romance.
• O universalismo: seu interesse jamais recaiu sobre a cor local e buscou o
universal, a essência e aparência humana na sociedade de seu tempo.
Características da ficção machadiana
Apresenta traços da estrutura formal da estética romântica, mas também a
crítica à hipocrisia, à valorização das aparências e dos interesses
financeiros.
Essa estrutura demonstra uma intenção evidente de divertir e moralizar,
muito presa à forma imposta pelo folhetim.
 Ressurreição (1872)
 A mão e a luva (1874)
 Helena (1876)
 Iaiá Garcia (1878)
Primeira fase: romântica
• Análise dos interesses obscuros que marcam as relações humanas, da
vaidade, do convencionalismo e da prevalência do poder financeiro.
• Em geral, os romances dessa fase rompem com a ordem cronológica da
narrativa, nas digressões feitas pelo narrador e na análise psicológica das
personagens.
• Os romances concentram-se na falsidade da vida depois do casamento,
marcado pela traição. As relações humanas são sempre motivadas pelo
interesse.
 Memórias póstumas de Brás Cubas (1881)
 Quincas Borba (1891)
 Dom Casmurro (1899)
 Esaú e Jacó (1904)
Segunda fase: realista
• “O alienista”
• “O espelho”
• “A igreja do diabo”
• “Cantiga de esponsais”
• “Noite de almirante”
• “Missa do galo”
• “A cartomante”,
• “Uns braços”
• “Um homem célebre”
• “A causa secreta”
• “O enfermeiro”
• entre outros.
Contos
Machado extrapola os limites da escola realista ao utilizar as seguintes
técnicas:
• O narrador em 1ª pessoa.
• Fuga ao determinismo e à descrição exterior exagerada.
• Tempo psicológico (quebra da linearidade do enredo).
• Linguagem ambígua, irônica.
• Visão pessimista sobre o homem.
• Digressão: diálogo com o leitor e metalinguagem.
• Mulher não idealizada, mostrada com defeitos e qualidades.
• Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais.
• Casamento como instituição falida, contrato de interesses.
O estilo de Machado de Assis

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slide realismo naturalismo 09 ago 13
Slide realismo  naturalismo 09 ago 13Slide realismo  naturalismo 09 ago 13
Slide realismo naturalismo 09 ago 13
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Realismo e Naturalismo
Realismo e NaturalismoRealismo e Naturalismo
Realismo e Naturalismo
 
Machado de Assis
Machado de AssisMachado de Assis
Machado de Assis
 
Romantismo na literatura
Romantismo na literaturaRomantismo na literatura
Romantismo na literatura
 
Aula quarto de despejo
Aula quarto de despejoAula quarto de despejo
Aula quarto de despejo
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Prosa romântica
Prosa românticaProsa romântica
Prosa romântica
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Romance regionalista
Romance regionalistaRomance regionalista
Romance regionalista
 

Semelhante a Literatura - Realismo

Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Equipemundi2014
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptANDRESSASILVADESOUSA
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptAliceEmanuelladeOliv
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptCarlos100coliCoimbra
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptLeandroBolivar1
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasilMonica Burgos
 
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1pptFernandaRibeiro419723
 
Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo Luiz Fernando
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europawhybells
 
A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt okSabrina Gomes
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOCntiaAleixo
 

Semelhante a Literatura - Realismo (20)

Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)Literaturas sobre realismo (2)
Literaturas sobre realismo (2)
 
realismoenaturalismo.pdf
realismoenaturalismo.pdfrealismoenaturalismo.pdf
realismoenaturalismo.pdf
 
Realismo 2 ano
Realismo 2 anoRealismo 2 ano
Realismo 2 ano
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie (1).ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.pptrealismo-naturalismo resumo slides.ppt
realismo-naturalismo resumo slides.ppt
 
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.pptrealismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
realismo-naturalismo-2c2aa-sc3a9rie.ppt
 
Romantismo no brasil
Romantismo no brasilRomantismo no brasil
Romantismo no brasil
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
2ano_machado_de_assis.auladerevisaoparte1ppt
 
Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo Movimento Literário Realismo
Movimento Literário Realismo
 
Naturalismo( apostila)
Naturalismo( apostila)Naturalismo( apostila)
Naturalismo( apostila)
 
realismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europarealismo e naturalismo na europa
realismo e naturalismo na europa
 
2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt2ano_machado_de_assis.ppt
2ano_machado_de_assis.ppt
 
Romantismo,realismo
Romantismo,realismoRomantismo,realismo
Romantismo,realismo
 
A literatura brasileira ppt ok
A literatura brasileira   ppt okA literatura brasileira   ppt ok
A literatura brasileira ppt ok
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIOO ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
O ROMANTISMO BRASILEIRO - MOVIMENTO LITERARIO
 

Mais de NAPNE

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoNAPNE
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoNAPNE
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoNAPNE
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento culturalNAPNE
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoNAPNE
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasNAPNE
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTANAPNE
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUANAPNE
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)NAPNE
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosNAPNE
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - FísicaNAPNE
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanosNAPNE
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)NAPNE
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonNAPNE
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaNAPNE
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - PaisagensNAPNE
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - AtividadeNAPNE
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaNAPNE
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaNAPNE
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaNAPNE
 

Mais de NAPNE (20)

Literatura - Naturalismo
Literatura - NaturalismoLiteratura - Naturalismo
Literatura - Naturalismo
 
Fisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - ResumoFisiologia Vegetal - Resumo
Fisiologia Vegetal - Resumo
 
Sistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - ResumoSistema circulatório e excretor - Resumo
Sistema circulatório e excretor - Resumo
 
Slide renascimento cultural
Slide   renascimento culturalSlide   renascimento cultural
Slide renascimento cultural
 
Período composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - IntroduçãoPeríodo composto por subordinação - Introdução
Período composto por subordinação - Introdução
 
Orações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivasOrações subordinadas substantivas
Orações subordinadas substantivas
 
NAFTA
NAFTANAFTA
NAFTA
 
Imperialismo - EUA
Imperialismo - EUAImperialismo - EUA
Imperialismo - EUA
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Romantismo - Exercícios
Romantismo - ExercíciosRomantismo - Exercícios
Romantismo - Exercícios
 
Resumo - Física
Resumo - FísicaResumo - Física
Resumo - Física
 
Digestão em humanos
Digestão em humanosDigestão em humanos
Digestão em humanos
 
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
Reino Monera (Arqueas e Bactérias)
 
Biologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príonBiologia - vírus e príon
Biologia - vírus e príon
 
Atividades - Pré-História
Atividades - Pré-HistóriaAtividades - Pré-História
Atividades - Pré-História
 
Geografia - Paisagens
Geografia - PaisagensGeografia - Paisagens
Geografia - Paisagens
 
Ciências - Atividade
Ciências - AtividadeCiências - Atividade
Ciências - Atividade
 
Cruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e CulturaCruzada - Arte e Cultura
Cruzada - Arte e Cultura
 
Apostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e RomaApostila - Grécia e Roma
Apostila - Grécia e Roma
 
Literatura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - ProsaLiteratura: Romantismo - Prosa
Literatura: Romantismo - Prosa
 

Último

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfCarolineNunes80
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"Ilda Bicacro
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteIpdaWellington
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persafelipescherner
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdfAntonio Barros
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfAntonio Barros
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxpatriciapedroso82
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persaConteúdo sobre a formação e expansão persa
Conteúdo sobre a formação e expansão persa
 
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
08-05 - Atividade de língua Portuguesa.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdfSistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
Sistema de Acompanhamento - Diário Online 2021.pdf
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Literatura - Realismo

  • 1. Realismo - século XIX - 2ª Série Professora: Eliane Mello
  • 2. O Realismo, no Brasil, nasceu em consequência da crise criada com a decadência econômica açucareira, o crescimento do prestígio dos estados do sul e o descontentamento da classe burguesa em ascensão na época, o que facilitou o acolhimento dos ideais abolicionistas e republicanos. O marco do Realismo no Brasil é a publicação, em 1881, da obra realista Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis, e da naturalista O Mulato, de Aluísio Azevedo, influenciados pelo escritor português Eça de Queirós, com as obras O Crime do Padre Amaro (1875) e Primo Basílio (1878). CONTEXTO HISTÓRICO
  • 3. Os realistas queriam focalizar os fatos tal qual se apresentavam em seu lado mais sombrio, despindo a ficção da fantasia. Deixam de lado as aparências para procurar as essências, desmistificando as hipocrisias da sociedade. A investigação da sociedade e dos caracteres individuais é feita “de dentro para fora”, isto é, por meio de uma análise psicológica capaz de abranger toda sua complexidade, utilizando entre outros recursos a ironia, que sugere e aponta, em vez de afirmar. REALISMO
  • 4. Machado de Assis (1839 – 1908) é o grande representante do Realismo no Brasil e considerado o “O analista da alma humana”. Poesia: discreta, sem arrebatamentos, reflexiva e densa, mas quase carente de emoções e vibração. Romance: “não quis fazer romance de costumes” os romances são de observação psicológica e o interesse como móvel principal das ações humanas. • Machado de Assis
  • 5. •Ruptura com a narrativa linear: não segue um fio lógico ou cronológico e sim um ordenamento interior. • Organização metalinguística do discurso narrativo: Machado assume a posição de quem escreve e ao mesmo tempo se vê escrevendo. O narrador comenta com o leitor a própria escritura do romance. • O universalismo: seu interesse jamais recaiu sobre a cor local e buscou o universal, a essência e aparência humana na sociedade de seu tempo. Características da ficção machadiana
  • 6. Apresenta traços da estrutura formal da estética romântica, mas também a crítica à hipocrisia, à valorização das aparências e dos interesses financeiros. Essa estrutura demonstra uma intenção evidente de divertir e moralizar, muito presa à forma imposta pelo folhetim.  Ressurreição (1872)  A mão e a luva (1874)  Helena (1876)  Iaiá Garcia (1878) Primeira fase: romântica
  • 7. • Análise dos interesses obscuros que marcam as relações humanas, da vaidade, do convencionalismo e da prevalência do poder financeiro. • Em geral, os romances dessa fase rompem com a ordem cronológica da narrativa, nas digressões feitas pelo narrador e na análise psicológica das personagens. • Os romances concentram-se na falsidade da vida depois do casamento, marcado pela traição. As relações humanas são sempre motivadas pelo interesse.  Memórias póstumas de Brás Cubas (1881)  Quincas Borba (1891)  Dom Casmurro (1899)  Esaú e Jacó (1904) Segunda fase: realista
  • 8. • “O alienista” • “O espelho” • “A igreja do diabo” • “Cantiga de esponsais” • “Noite de almirante” • “Missa do galo” • “A cartomante”, • “Uns braços” • “Um homem célebre” • “A causa secreta” • “O enfermeiro” • entre outros. Contos
  • 9. Machado extrapola os limites da escola realista ao utilizar as seguintes técnicas: • O narrador em 1ª pessoa. • Fuga ao determinismo e à descrição exterior exagerada. • Tempo psicológico (quebra da linearidade do enredo). • Linguagem ambígua, irônica. • Visão pessimista sobre o homem. • Digressão: diálogo com o leitor e metalinguagem. • Mulher não idealizada, mostrada com defeitos e qualidades. • Amor e outros sentimentos subordinados aos interesses sociais. • Casamento como instituição falida, contrato de interesses. O estilo de Machado de Assis