SlideShare uma empresa Scribd logo
ESTRATIFICAÇÃO
SOCIAL
E PODER
POLÍTICO
NO ANTIGO
REGIME
NÍVEIS DE DESEMPENHO
• Compreender os fundamentos da organização
política e social do Antigo regime.
• Explicitar a estratificação social do Antigo Regime.
• Explicar a variedade de situações profissionais e
condições económicas em casa estrato social.
• Compreender a importância da Burguesia durante
este período.
• Identificar os princípios políticos do Absolutismo.
• Caracterizar o sistema absolutista.
• Enumerar as alterações na estrutura da sociedade
portuguesa no séc. XVIII.
AS REPÚBLICAS EUROPEIAS NO ANTIGO
REGIME
Texto do pacto federal de
1291 “Carta da Aliança”
Independência formal em
1648
Confederação Suíça
A república foi fundada
pela união de Utrecht
(1579) e sobreviveu até a
sua transformação em
república Batava na
sequência da ocupação
francesa de 1795.
Províncias
Unidas
No fim do séc. XVIII, foi
invadida por Napoleão. Os
territórios antes dominados
pela república foram
divididos em partes que se
tornaram províncias do
Império Austríaco.
A República
de Veneza
em 1796
A EUROPA DOS PARLAMENTOS NO
ANTIGO REGIME
A república foi fundada
pela união de Utrecht
(1579) e sobreviveu até a
sua transformação em
república Batava na
sequência da ocupação
francesa de 1795.
Províncias
Unidas
Guilherme III de
Inglaterra, foi rei de
Inglaterra e rei da
Escócia entre 1689 e a
sua morte. Guilherme
foi também Príncipe de
Orange e estatuder dos
Países Baixos.
ANTIGO REGIME
• Expressão usada, a partir dos finais do século XVIII, para nomear o regime que
existia antes das Revoluções Liberais.
• Atribuída ao regime político/económico/social que caracterizou os Estados
Europeus entre os séculos XV a XVII e os finais do século XVIII.
• Politicamente, caracteriza-se pela monarquia absoluta.
• Economicamente, é a época do Capitalismo comercial, com um sistema baseado
numa agricultura arcaica.
• Socialmente, é o período da sociedade estratificada em três Ordens ou Estados.
Na sociedade do Antigo Regime, o mais visível é a divisão em estados ou
ordens: clero, nobreza, braço popular. É uma divisão jurídica, por um
lado, e é, por outro, uma divisão de valores comportamentos. As pessoas
estão distribuídas por categorias, que se distinguem pelo nome, pela
forma de tratamento, pelo traje e pelas penas a que estão sujeitas.
Vitorino Magalhães Godinho, A Estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa.
ESTRUTURA SOCIAL
• Sociedade organizada em três grupos, ordens ou estratos sociais.
• Distinção social baseada no nascimento e na natureza jurídica.
• Estratificação social originada nas conceções ideológicas e
representações mentais medievais, impostas por leis
consuetudinárias.
• Condição social rígida.
• Mobilidade social muito rara.
A SOCIEDADE DE ORDENS
• Impõe um conjunto de valores e comportamentos:
• A posição social dependia do nascimento e estrato a que se pertencia;
• Os privilégios e direitos de cada ordem estavam descritos em leis civis;
• As penas a atribuir em tribunais dependiam da ordem a que se
pertencia;
• Os relacionamentos entre ordens eram legislados, assim como os
códigos de conduta pública.
• As formas de tratamento e honras eram regulamentadas e observadas
por todos.
PLURALIDADE DE ESTADOS
• Cada estrato social possuía direitos e deveres.
• O Clero e a Nobreza eram as ordens sociais privilegiadas.
• O Clero era o primeiro estado, composto por diferentes
hierarquias, que nos permitiam falar em Alto Clero e Baixo Clero.
• A Nobreza apresentava também situações internas muito distintas.
• O povo era o último estrato. O facto de compreender também
membros da Burguesia explica a sua designação de Terceiro Estado.
CLERO
• Grupo social que, na hierarquia da Sociedade de Ordens, surge em
primeiro lugar em:
• Prestígio, Privilégios, Dignidades, Honras.
• Este grupo era composto por todos os que tinham recebido a
TONSURA, antigo corte de cabelo feito aos eclesiásticos.
• Como estado religioso, o Clero estava directamente dependente do
Papa de Roma, representante de Cristo na Terra.
• Possuía Leis próprias (Foro) e Tribunais Privativos – de acordo
com o Direito Canónico - o que os distinguia na aplicação do
Direito Comum.
• Recebia uma contribuição de todos os fiéis e que consistia, de
início, num décimo dos rendimentos, ou seja, na décima parte dos
frutos colhidos pelos fiéis. Era a dízima.
• Recebia também, em nome de Deus, numerosas outras dádivas e
doações.
• devido a ser privilegiada, a igreja manteve o direito de imunidade
e asilo em todas as suas propriedades.
• Estava isenta do Serviço militar.
• Eram considerados um “Estado dentro
do Estado”.
HIERARQUIA ECLESIÁSTICA
ESTRATOS
ALTO CLERO BAIXO CLERO
REGULAR SECULAR REGULAR SECULAR
Categorias
• Abades e
Priores dos
Mosteiros e
Conventos.
• Mestres das
Ordens
Militares.
• Cardeais
• Primazes ou
Patriarcas
• Arcebispos
• Bispos
• Frades
• Monges
• Padres
• Curas
• Presbíteros
NOBREZA
• A nobreza ocupava o segundo lugar (1.5% a 2% da população).
• Grupo fechado, definido pelo nascimento, poder fundiário, função
militar e desempenho dos mais altos cargos políticos e
administrativos.
• A nobreza apresentava, contudo, situações internas muito
diversificadas:
• Nobreza de Sangue (de “casta”),
• Nobreza Rural (proprietária de latifúndios),
• Nobreza Cortesã (conselheiros do Rei),
• Nobreza de Espada (ofício das armas),
• Nobreza Togada ou de Toga (de origem burguesa).
NOBREZA
• Usufruíam do mesmo estatuto legal que lhes conferia um conjunto
alargado de privilégios.
• Estavam isentos do pagamento de impostos, com exceção para os
impostos devidos em tempo de guerra.
• Possuíam direito a um Foro privado (nas leis e nas sanções).
• Cobravam os Direitos Senhoriais aos camponeses, possuíam um
Tribunal Senhorial para os seus dependentes.
• Possuíam o direito exclusivo de caça e obtinham subsídios e favores
régios que lhes viabilizavam a manutenção dos seus padrões
económicos.
TERCEIRO ESTADO
• Grupo que na hierarquia social dos Estados Europeus de Antigo
Regime, ocupava o último lugar, composto pelos não Nobres e não
Eclesiásticos.
• Era a ordem Tributária (que pagava impostos).
• Era inferior na consideração pública, na roupa, nas formas de
tratamento, nos cargos a que podia ter acesso (somente nas
administrações municipais) e nas sanções que se lhe aplicavam.
• Desempenhava profissões braçais, como agricultor, pedreiro – que
eram consideradas vis e indignas – e com uma situação
instável, dominado e explorado, sofrendo com a instabilidade das
conjunturas económico-sociais.
• Muito heterogéneo na sua composição.
DIVERSIDADE DO TERCEIRO ESTADO
No campo
(camponeses)
Na cidade
(burgueses)
Noutros locais
Categoriasetipossociais
Agricultores:
Em terra própria – proprietários
Em terra de outrem – rendeiros,
foreiros, prazeiros, …
Sem uma terra - jornaleiros
Alta Burguesia:
• Mercantil – mercadores e
financeiros e empresários
• Letrada – profissionais liberais
-- funcionalismo
Pescadores
Mineiros
Burguesia rural:
• Artesãos, pequenos
comerciantes
• Lojistas
Média/Pequena Burguesia:
• Artesãos – mestres e oficiais
• Pequenos Comerciantes e
Lojistas
Marinheiros
• Serviçais e assalariados não
qualificados
• Mendigos e Vagabundos
• Serviçais e assalariados não
qualificados
• Mendigos, Vagabundos e
Marginais.
Assalariados
não
qualificados
• Todos os comportamentos estavam rigidamente estipulados para cada uma das
ordens sociais.
• O estatuto jurídico, o vestuário, a alimentação, as profissões, as amizades, os
gastos, os divertimentos, as formas de tratamento deviam refletir a pertença a
cada uma das ordens.
PLURALIDADE DE VALORES
• A diferenciação social exprimia os
principais valores defendidos na sociedade
de ordens: a defesa dos privilégios pelas
ordens sociais mais elevadas, a primazia
do nascimento como critério de distinção e
a fraquíssima mobilidade social.
• Ao longo do Antigo Regime a mobilidade social era muito reduzida.
• Lentamente, o Terceiro Estado conseguiu ascender socialmente. As vias de
mobilidade ascendente da burguesia eram, de uma forma geral:
• O estado;
• O casamento;
• O dinheiro;
• A recompensa real.
VIAS DE MOBILIDADE SOCIAL
• Regime político em que o rei detinha autonomia total e absoluta sobre os seus
súbditos, concentrando na sua pessoa todos os poderes do estado.
• Regime que existiu na quase totalidade dos estados europeus desde o século
XVI até finais do século XVII.
• Os reis absolutos eram a primeira e mais poderosa figura dos seus estados e
exerciam o poder de forma pessoal, sem delegações.
• O poder real era absoluto – não reconheciam outro poder acima do seu - e
único – não partilhavam o poder com ninguém.
• O poder absoluto era-lhes reconhecido como um direito, recebido diretamente
quando ungidos e sacralizados como a imagem de deus na terra.
MONARQUIA ABSOLUTA
• Segundo Bossuet, o poder do rei tinha quatro características:
• Sagrado, porque deriva de Deus que o conferiu aos reis para que estes o
exerçam em seu nome;
• Paternal, pois o rei devia satisfazer as necessidades do seu povo, proteger
os fracos e governar brandamente, cultivando a imagem de “pai do povo”;
• Absoluto, o que significa independente. O rei concentrava em si os três
poderes do Estado – legislativo, executivo e judicial;
• Sujeito à razão, isto é, à sabedoria do rei. O rei,
• Escolhido por Deus, possui certas qualidades: bondade,
firmeza, força de caráter, prudência – são elas que
asseguram o bom governo do seu reino.
FUNDAMENTOS DO PODER REAL
• Na monarquia absoluta, o rei utilizava a vida em corte para mais facilmente
controlar a Nobreza e o Clero.
• O grupo que rodeava o rei (sociedade de corte) estava constantemente sujeito à
vigilância deste.
• Em França, o centro da vida de
corte desenrolava-se no Palácio de
Versalhes, onde habitavam o rei e
a alta nobreza. O Palácio era,
simultaneamente, lugar da
governação de ostentação do
poder e de controlo das ordens
privilegiadas.
O PAPEL DA CORTE
• Tal como Luís XIV é o paradigma do rei absoluto, Versalhes é o paradigma da
corte real.
• O luxo da corte arruinara a nobreza que rivalizava no traje, nas cabeleiras, na
ostentação.
• Nobres, conselheiros, “privados do rei”, funcionários que vivam na corte e para
a corte, seguem as normas impostas por uma hierarquia rígida e uma etiqueta
minuciosa.
• Esta sociedade da corte servia de modelo a todos os que
pretendiam ser importantes, pois representava o máximo
do poder e da influência.
A ENCENAÇÃO DO PODER
• Todos os atos quotidianos do rei eram
ritualizados, “encenados” de modo a endeusar
a sua pessoa e a submeter as ordens sociais.
• Cada gesto tinha um significado social ou
político, pelo que, através da etiqueta, o rei
controlava a sociedade.
• Um sorriso, um olhar reprovador assumiam um
significado político, funcionando como
recompensa ou punição de determinada
pessoa.
A ENCENAÇÃO DO PODER
A ENCENAÇÃO ESTÉTICA DO PODER
Versalhes
ABSOLUTISMO EM
PORTUGAL
• Nos séculos XVII e XVIII, os reis portugueses procederam a uma centralização
do poder que se caracterizou pelas seguintes etapas:
• D. João I a D. João II (séc. XV – o rei assume-se como o pai dos súbditos);
• D. Manuel I a D. João V (séc. XVI ao séc. XVII – estabelecimento do poder
pessoal dos reis);
• D. José I e atuação do ministro Marquês de Pombal – a autoridade régia
controla todos os aspetos da vida pública;
• 1820 – o absolutismo régio é extinto com a revolução liberal.
CENTRALIZAÇÃO DO PODER
• A figura mais marcante do absolutismo português, o rei D. João V, teve um
papel muito interventivo na governação, remodelando as secretarias criadas por
D. João IV e rodeando-se de colaboradores de confiança.
• A reforma da burocracia do Estado não se traduziu por uma maior eficiência
para os súbditos:
• por um lado, faltava estabelecer uma ligação entre a administração central
e a administração local;
• por outro lado, a dependência, para todas as decisões, da aprovação do
rei, tornava qualquer pedido um processo extremamente lento.
• Na prática a burocracia central afastava o povo do seu rei.
CENTRALIZAÇÃO DO PODER
• Após o período de renovação social verificou-se um reforço da posição
socioeconómica das ordens privilegiadas (séc. XVI e XVII).
• Nobreza: ocupava os mais altos cargos administrativos e militares do reino e
funções no império o que lhe proporcionava honras e mercês:
• Afirmação dos fidalgos-mercadores (nobres com negócios lucrativos);
• Concentração das terras nas mãos dos nobres (vínculos, comendas e
morgadios).
• Clero: aumenta o seu património fundiário.
A PREPONDERÂNCIA DOS PRIVILEGIADOS
• Característica da sociedade portuguesa foi também a fragilidade da burguesia
enquanto grupo social autónomo. Fatores que ajudam a explicar esse fenómeno
social são:
• O monopólio régio ultramarino que impossibilitou as iniciativas privadas;
• A ocupação pela nobreza do comércio colonial, que seria da burguesia;
• A dependência em relação à nobreza, que ocupava ainda os cargos
políticos, administrativos e militares.
A DEBILIDADE DA BURGUESIA
• No séc. XVII, a viragem do comércio colonial para o Atlântico favoreceu a
ascensão de alguma burguesia. Como consequências para o reino destaca-se
a:
• Permanência de uma mentalidade e valores tradicionais;
• Reforço do senhoralismo;
• Bloqueamento da economia
interna;
• Estagnação das atividades
produtivas do reino.
• A “encenação do poder” estava, também, presente na monarquia
portuguesa, em particular no reinado de D. João V. Tal como Luís XIV, D. João V
realçava a figura régia através da ostentação permitida pelo ouro e diamantes
do Brasil, da autoridade e da etiqueta, de que se salientaram os seguintes
aspetos:
• Subordinação das ordens sociais (manifestada na recusa em reunir Cortes);
• Apoio às artes e às letras (criando a Biblioteca da Universidade de Coimbra e a
Real Academia de História);
ABSOLUTISMO JOANINO
• Envio de embaixadas ao estrangeiro (destacando-se, a de 1706, ao Papa);
• Distribuição de moedas de ouro pela população;
• Política de grandes construções (Convento de Mafra);
• Política externa: o rei procurou a neutralidade face aos conflitos europeus,
salvaguardando os interesses do nosso império e do nosso comércio.
• A prosperidade económica e a paz foram determinantes para o desenvolvimento
das letras, das ciências e das artes.
• As ideias de progresso e de Razão, introduzidas em Portugal pelos diplomatas
portugueses – os estrangeirados – facilitaram uma vida cultural bastante rica:
• em peças literárias barrocas,
• na produção de comédias, farsas e tragédias, a familiarização com a
música e com a arte,
• em óperas e concertos.
• D. João V também se preocupou com o ensino da música, com o movimento
científico mas, apesar dos grandes progressos culturais verificados no período
joanino, o grande salto que iria significar a introdução da cultura iluminista
produziria os seus melhores resultados.
A POLÍTICA CULTURAL JOANINA
• O barroco foi a expressão artística adequada à imagem de grandeza e de
magnificência de D. João V.
• Com os seus efeitos de riqueza e movimento, era uma arte de corte e de
luxo, tendente a fascinar e a provocar a admiração dos seus súbditos.
• Grandiosas obras régias de arquitetura, como
igrejas, conventos, palácios, solares foram construídos nesta época.
O BARROCO JOANINO
• Foi nos interiores que o barroco joanino se revelou mais original: nos trabalhos
de talha dourada e azulejos e de outras artes decorativas, como a ourivesaria, o
mobiliário…
• A decoração barroca distingue-se pela riqueza e abundância dos materiais
empregues, pela magnificência das peças e por algum exagero ornamental.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
Carina Vale
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
cattonia
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
Gonçalo Paiva
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Laboratório de História
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
Rita Pontes
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
Vítor Santos
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
Susana Simões
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
Vítor Santos
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
Susana Simões
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
Vítor Santos
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
Ilda Bicacro
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
cattonia
 

Mais procurados (20)

Poder régio
Poder régioPoder régio
Poder régio
 
Mercantilismo
MercantilismoMercantilismo
Mercantilismo
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo RégioApresentação sobre o Absolutismo Régio
Apresentação sobre o Absolutismo Régio
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia4 04 construção da modernidade europeia
4 04 construção da modernidade europeia
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
O espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do territórioO espaço português: da formação à fixação do território
O espaço português: da formação à fixação do território
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
O país rural e senhorial
O país rural e senhorialO país rural e senhorial
O país rural e senhorial
 
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
4 02 a europa dos estados absolutos e a europa dos parlamentos
 
Regioes agrarias
Regioes agrariasRegioes agrarias
Regioes agrarias
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Liberalismo em portugal
Liberalismo em portugalLiberalismo em portugal
Liberalismo em portugal
 

Destaque

Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
JoanaRitaSilva
 
A Estratificação Social
A Estratificação SocialA Estratificação Social
A Estratificação Social
Gilmar Rodrigues
 
Sociologia e Indivíduo
Sociologia e IndivíduoSociologia e Indivíduo
Sociologia e Indivíduo
Carlos Benjoino Bidu
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Beatriz cerqueira frança
 
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e EstratificaçãoResumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Fabio Salvari
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Dênis Valério Martins
 
Estrutura e Estratificação Social
Estrutura e Estratificação Social Estrutura e Estratificação Social
Estrutura e Estratificação Social
Carlos Benjoino Bidu
 
Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
Gabriel D
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
Bianca Wild
 
Aula 6e 7
Aula 6e 7Aula 6e 7
Aula 6e 7
josepedrosilva
 

Destaque (10)

Luís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o AbsolutismoLuís XIV e o Absolutismo
Luís XIV e o Absolutismo
 
A Estratificação Social
A Estratificação SocialA Estratificação Social
A Estratificação Social
 
Sociologia e Indivíduo
Sociologia e IndivíduoSociologia e Indivíduo
Sociologia e Indivíduo
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e EstratificaçãoResumo de Mobilidade social e Estratificação
Resumo de Mobilidade social e Estratificação
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Estrutura e Estratificação Social
Estrutura e Estratificação Social Estrutura e Estratificação Social
Estrutura e Estratificação Social
 
Mobilidade social
Mobilidade socialMobilidade social
Mobilidade social
 
Estratificação social
Estratificação socialEstratificação social
Estratificação social
 
Aula 6e 7
Aula 6e 7Aula 6e 7
Aula 6e 7
 

Semelhante a 2.1 estratificação social e poder político

Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
josepedrosilva
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
Vítor Santos
 
Apresentação Sociedade de Ordens
Apresentação Sociedade de Ordens Apresentação Sociedade de Ordens
Apresentação Sociedade de Ordens
Laboratório de História
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
Anabela Costa
 
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.pptA Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
ssuser05d3dd
 
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
NunoFilipeFelixFaust
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
Laboratório de História
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Laboratório de História
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
Historia2000
 
00 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_201700 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_2017
Vítor Santos
 
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- ResumosEuropa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Nome Sobrenome
 
História
HistóriaHistória
História
Ana Vilardouro
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
Marcia Fernandes
 
Aula 2 E 3
Aula 2 E 3Aula 2 E 3
Aula 2 E 3
josepedrosilva
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
Isabel Ribeiro
 
Direito comparado - Japão
Direito comparado - JapãoDireito comparado - Japão
Direito comparado - Japão
Agatha Brandão
 
Roma antiga- Monarquia, República e Império
Roma antiga- Monarquia, República e Império Roma antiga- Monarquia, República e Império
Roma antiga- Monarquia, República e Império
RmuloSilvrio
 
F2.antigo regime
F2.antigo regimeF2.antigo regime
F2.antigo regime
Caio Cesar
 

Semelhante a 2.1 estratificação social e poder político (20)

Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
Hist A11 Europa Politica Social Xvi Ie Xviii Denise S Almeida[1]
 
04 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_404 historia a_revisoes_modulo_4
04 historia a_revisoes_modulo_4
 
00 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_400 04 revisoes_modulo_4
00 04 revisoes_modulo_4
 
Apresentação Sociedade de Ordens
Apresentação Sociedade de Ordens Apresentação Sociedade de Ordens
Apresentação Sociedade de Ordens
 
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
4-Sociedade-Absolut. e mercant. numa soc. de ordens (4).ppt
 
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.pptA Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
A Europa dos Estados Absolutos e a Europa dos Parlamentos.ppt
 
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.pptMódulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
Módulo 2 – Do Antigo Regime à afirmação do Liberalismo.ppt
 
Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415Apresentação O Absolutismo 1415
Apresentação O Absolutismo 1415
 
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
Apresentação A Sociedade de Ordens 1415
 
O Antigo Regime
O Antigo RegimeO Antigo Regime
O Antigo Regime
 
00 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_201700 2 preparação_exame_nacional_2017
00 2 preparação_exame_nacional_2017
 
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- ResumosEuropa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
Europa dos Estados Absolutos e Europa dos Parlamentos- Resumos
 
História
HistóriaHistória
História
 
Roma antiga
Roma antigaRoma antiga
Roma antiga
 
Aula 2 E 3
Aula 2 E 3Aula 2 E 3
Aula 2 E 3
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
Sociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo RegimeSociedade Antigo Regime
Sociedade Antigo Regime
 
Direito comparado - Japão
Direito comparado - JapãoDireito comparado - Japão
Direito comparado - Japão
 
Roma antiga- Monarquia, República e Império
Roma antiga- Monarquia, República e Império Roma antiga- Monarquia, República e Império
Roma antiga- Monarquia, República e Império
 
F2.antigo regime
F2.antigo regimeF2.antigo regime
F2.antigo regime
 

Mais de cattonia

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
cattonia
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
cattonia
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
cattonia
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
cattonia
 
Família
FamíliaFamília
Família
cattonia
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
cattonia
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
cattonia
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
cattonia
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
cattonia
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
cattonia
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
cattonia
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
cattonia
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
cattonia
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
cattonia
 
Roma
RomaRoma
Roma
cattonia
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
cattonia
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
cattonia
 

Mais de cattonia (20)

Deseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptxDeseq regionais.pptx
Deseq regionais.pptx
 
arte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsxarte portuguesa.ppsx
arte portuguesa.ppsx
 
A reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsxA reinvenção das formas.ppsx
A reinvenção das formas.ppsx
 
A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
Era digital
Era digitalEra digital
Era digital
 
Família
FamíliaFamília
Família
 
A revolução francesa
A revolução francesaA revolução francesa
A revolução francesa
 
O alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundoO alargamento do conhec do mundo
O alargamento do conhec do mundo
 
2. o espaço português
2. o espaço português2. o espaço português
2. o espaço português
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
O quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xivO quadro económico e demográfico xii xiv
O quadro económico e demográfico xii xiv
 
3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento3. hesitações do crescimento
3. hesitações do crescimento
 
1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa1. a identidade civilizacional da europa
1. a identidade civilizacional da europa
 
Globalização
GlobalizaçãoGlobalização
Globalização
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos1. uma europa a dois ritmos
1. uma europa a dois ritmos
 
Roma
RomaRoma
Roma
 
Constr do social ii
Constr do social iiConstr do social ii
Constr do social ii
 
A constr do social
A constr do socialA constr do social
A constr do social
 

Último

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 

2.1 estratificação social e poder político

  • 2. NÍVEIS DE DESEMPENHO • Compreender os fundamentos da organização política e social do Antigo regime. • Explicitar a estratificação social do Antigo Regime. • Explicar a variedade de situações profissionais e condições económicas em casa estrato social. • Compreender a importância da Burguesia durante este período. • Identificar os princípios políticos do Absolutismo. • Caracterizar o sistema absolutista. • Enumerar as alterações na estrutura da sociedade portuguesa no séc. XVIII.
  • 3. AS REPÚBLICAS EUROPEIAS NO ANTIGO REGIME Texto do pacto federal de 1291 “Carta da Aliança” Independência formal em 1648 Confederação Suíça A república foi fundada pela união de Utrecht (1579) e sobreviveu até a sua transformação em república Batava na sequência da ocupação francesa de 1795. Províncias Unidas No fim do séc. XVIII, foi invadida por Napoleão. Os territórios antes dominados pela república foram divididos em partes que se tornaram províncias do Império Austríaco. A República de Veneza em 1796
  • 4. A EUROPA DOS PARLAMENTOS NO ANTIGO REGIME A república foi fundada pela união de Utrecht (1579) e sobreviveu até a sua transformação em república Batava na sequência da ocupação francesa de 1795. Províncias Unidas Guilherme III de Inglaterra, foi rei de Inglaterra e rei da Escócia entre 1689 e a sua morte. Guilherme foi também Príncipe de Orange e estatuder dos Países Baixos.
  • 5. ANTIGO REGIME • Expressão usada, a partir dos finais do século XVIII, para nomear o regime que existia antes das Revoluções Liberais. • Atribuída ao regime político/económico/social que caracterizou os Estados Europeus entre os séculos XV a XVII e os finais do século XVIII. • Politicamente, caracteriza-se pela monarquia absoluta. • Economicamente, é a época do Capitalismo comercial, com um sistema baseado numa agricultura arcaica. • Socialmente, é o período da sociedade estratificada em três Ordens ou Estados.
  • 6. Na sociedade do Antigo Regime, o mais visível é a divisão em estados ou ordens: clero, nobreza, braço popular. É uma divisão jurídica, por um lado, e é, por outro, uma divisão de valores comportamentos. As pessoas estão distribuídas por categorias, que se distinguem pelo nome, pela forma de tratamento, pelo traje e pelas penas a que estão sujeitas. Vitorino Magalhães Godinho, A Estrutura da Antiga Sociedade Portuguesa.
  • 7. ESTRUTURA SOCIAL • Sociedade organizada em três grupos, ordens ou estratos sociais. • Distinção social baseada no nascimento e na natureza jurídica. • Estratificação social originada nas conceções ideológicas e representações mentais medievais, impostas por leis consuetudinárias. • Condição social rígida. • Mobilidade social muito rara.
  • 8.
  • 9. A SOCIEDADE DE ORDENS • Impõe um conjunto de valores e comportamentos: • A posição social dependia do nascimento e estrato a que se pertencia; • Os privilégios e direitos de cada ordem estavam descritos em leis civis; • As penas a atribuir em tribunais dependiam da ordem a que se pertencia; • Os relacionamentos entre ordens eram legislados, assim como os códigos de conduta pública. • As formas de tratamento e honras eram regulamentadas e observadas por todos.
  • 10. PLURALIDADE DE ESTADOS • Cada estrato social possuía direitos e deveres. • O Clero e a Nobreza eram as ordens sociais privilegiadas. • O Clero era o primeiro estado, composto por diferentes hierarquias, que nos permitiam falar em Alto Clero e Baixo Clero. • A Nobreza apresentava também situações internas muito distintas. • O povo era o último estrato. O facto de compreender também membros da Burguesia explica a sua designação de Terceiro Estado.
  • 11.
  • 12. CLERO • Grupo social que, na hierarquia da Sociedade de Ordens, surge em primeiro lugar em: • Prestígio, Privilégios, Dignidades, Honras. • Este grupo era composto por todos os que tinham recebido a TONSURA, antigo corte de cabelo feito aos eclesiásticos. • Como estado religioso, o Clero estava directamente dependente do Papa de Roma, representante de Cristo na Terra.
  • 13. • Possuía Leis próprias (Foro) e Tribunais Privativos – de acordo com o Direito Canónico - o que os distinguia na aplicação do Direito Comum. • Recebia uma contribuição de todos os fiéis e que consistia, de início, num décimo dos rendimentos, ou seja, na décima parte dos frutos colhidos pelos fiéis. Era a dízima. • Recebia também, em nome de Deus, numerosas outras dádivas e doações. • devido a ser privilegiada, a igreja manteve o direito de imunidade e asilo em todas as suas propriedades. • Estava isenta do Serviço militar. • Eram considerados um “Estado dentro do Estado”.
  • 14. HIERARQUIA ECLESIÁSTICA ESTRATOS ALTO CLERO BAIXO CLERO REGULAR SECULAR REGULAR SECULAR Categorias • Abades e Priores dos Mosteiros e Conventos. • Mestres das Ordens Militares. • Cardeais • Primazes ou Patriarcas • Arcebispos • Bispos • Frades • Monges • Padres • Curas • Presbíteros
  • 15. NOBREZA • A nobreza ocupava o segundo lugar (1.5% a 2% da população). • Grupo fechado, definido pelo nascimento, poder fundiário, função militar e desempenho dos mais altos cargos políticos e administrativos. • A nobreza apresentava, contudo, situações internas muito diversificadas: • Nobreza de Sangue (de “casta”), • Nobreza Rural (proprietária de latifúndios), • Nobreza Cortesã (conselheiros do Rei), • Nobreza de Espada (ofício das armas), • Nobreza Togada ou de Toga (de origem burguesa).
  • 16. NOBREZA • Usufruíam do mesmo estatuto legal que lhes conferia um conjunto alargado de privilégios. • Estavam isentos do pagamento de impostos, com exceção para os impostos devidos em tempo de guerra. • Possuíam direito a um Foro privado (nas leis e nas sanções). • Cobravam os Direitos Senhoriais aos camponeses, possuíam um Tribunal Senhorial para os seus dependentes. • Possuíam o direito exclusivo de caça e obtinham subsídios e favores régios que lhes viabilizavam a manutenção dos seus padrões económicos.
  • 17. TERCEIRO ESTADO • Grupo que na hierarquia social dos Estados Europeus de Antigo Regime, ocupava o último lugar, composto pelos não Nobres e não Eclesiásticos. • Era a ordem Tributária (que pagava impostos). • Era inferior na consideração pública, na roupa, nas formas de tratamento, nos cargos a que podia ter acesso (somente nas administrações municipais) e nas sanções que se lhe aplicavam. • Desempenhava profissões braçais, como agricultor, pedreiro – que eram consideradas vis e indignas – e com uma situação instável, dominado e explorado, sofrendo com a instabilidade das conjunturas económico-sociais. • Muito heterogéneo na sua composição.
  • 18. DIVERSIDADE DO TERCEIRO ESTADO No campo (camponeses) Na cidade (burgueses) Noutros locais Categoriasetipossociais Agricultores: Em terra própria – proprietários Em terra de outrem – rendeiros, foreiros, prazeiros, … Sem uma terra - jornaleiros Alta Burguesia: • Mercantil – mercadores e financeiros e empresários • Letrada – profissionais liberais -- funcionalismo Pescadores Mineiros Burguesia rural: • Artesãos, pequenos comerciantes • Lojistas Média/Pequena Burguesia: • Artesãos – mestres e oficiais • Pequenos Comerciantes e Lojistas Marinheiros • Serviçais e assalariados não qualificados • Mendigos e Vagabundos • Serviçais e assalariados não qualificados • Mendigos, Vagabundos e Marginais. Assalariados não qualificados
  • 19. • Todos os comportamentos estavam rigidamente estipulados para cada uma das ordens sociais. • O estatuto jurídico, o vestuário, a alimentação, as profissões, as amizades, os gastos, os divertimentos, as formas de tratamento deviam refletir a pertença a cada uma das ordens. PLURALIDADE DE VALORES • A diferenciação social exprimia os principais valores defendidos na sociedade de ordens: a defesa dos privilégios pelas ordens sociais mais elevadas, a primazia do nascimento como critério de distinção e a fraquíssima mobilidade social.
  • 20. • Ao longo do Antigo Regime a mobilidade social era muito reduzida. • Lentamente, o Terceiro Estado conseguiu ascender socialmente. As vias de mobilidade ascendente da burguesia eram, de uma forma geral: • O estado; • O casamento; • O dinheiro; • A recompensa real. VIAS DE MOBILIDADE SOCIAL
  • 21. • Regime político em que o rei detinha autonomia total e absoluta sobre os seus súbditos, concentrando na sua pessoa todos os poderes do estado. • Regime que existiu na quase totalidade dos estados europeus desde o século XVI até finais do século XVII. • Os reis absolutos eram a primeira e mais poderosa figura dos seus estados e exerciam o poder de forma pessoal, sem delegações. • O poder real era absoluto – não reconheciam outro poder acima do seu - e único – não partilhavam o poder com ninguém. • O poder absoluto era-lhes reconhecido como um direito, recebido diretamente quando ungidos e sacralizados como a imagem de deus na terra. MONARQUIA ABSOLUTA
  • 22. • Segundo Bossuet, o poder do rei tinha quatro características: • Sagrado, porque deriva de Deus que o conferiu aos reis para que estes o exerçam em seu nome; • Paternal, pois o rei devia satisfazer as necessidades do seu povo, proteger os fracos e governar brandamente, cultivando a imagem de “pai do povo”; • Absoluto, o que significa independente. O rei concentrava em si os três poderes do Estado – legislativo, executivo e judicial; • Sujeito à razão, isto é, à sabedoria do rei. O rei, • Escolhido por Deus, possui certas qualidades: bondade, firmeza, força de caráter, prudência – são elas que asseguram o bom governo do seu reino. FUNDAMENTOS DO PODER REAL
  • 23. • Na monarquia absoluta, o rei utilizava a vida em corte para mais facilmente controlar a Nobreza e o Clero. • O grupo que rodeava o rei (sociedade de corte) estava constantemente sujeito à vigilância deste. • Em França, o centro da vida de corte desenrolava-se no Palácio de Versalhes, onde habitavam o rei e a alta nobreza. O Palácio era, simultaneamente, lugar da governação de ostentação do poder e de controlo das ordens privilegiadas. O PAPEL DA CORTE
  • 24. • Tal como Luís XIV é o paradigma do rei absoluto, Versalhes é o paradigma da corte real. • O luxo da corte arruinara a nobreza que rivalizava no traje, nas cabeleiras, na ostentação. • Nobres, conselheiros, “privados do rei”, funcionários que vivam na corte e para a corte, seguem as normas impostas por uma hierarquia rígida e uma etiqueta minuciosa. • Esta sociedade da corte servia de modelo a todos os que pretendiam ser importantes, pois representava o máximo do poder e da influência. A ENCENAÇÃO DO PODER
  • 25. • Todos os atos quotidianos do rei eram ritualizados, “encenados” de modo a endeusar a sua pessoa e a submeter as ordens sociais. • Cada gesto tinha um significado social ou político, pelo que, através da etiqueta, o rei controlava a sociedade. • Um sorriso, um olhar reprovador assumiam um significado político, funcionando como recompensa ou punição de determinada pessoa. A ENCENAÇÃO DO PODER
  • 26. A ENCENAÇÃO ESTÉTICA DO PODER Versalhes
  • 28. • Nos séculos XVII e XVIII, os reis portugueses procederam a uma centralização do poder que se caracterizou pelas seguintes etapas: • D. João I a D. João II (séc. XV – o rei assume-se como o pai dos súbditos); • D. Manuel I a D. João V (séc. XVI ao séc. XVII – estabelecimento do poder pessoal dos reis); • D. José I e atuação do ministro Marquês de Pombal – a autoridade régia controla todos os aspetos da vida pública; • 1820 – o absolutismo régio é extinto com a revolução liberal. CENTRALIZAÇÃO DO PODER
  • 29. • A figura mais marcante do absolutismo português, o rei D. João V, teve um papel muito interventivo na governação, remodelando as secretarias criadas por D. João IV e rodeando-se de colaboradores de confiança. • A reforma da burocracia do Estado não se traduziu por uma maior eficiência para os súbditos: • por um lado, faltava estabelecer uma ligação entre a administração central e a administração local; • por outro lado, a dependência, para todas as decisões, da aprovação do rei, tornava qualquer pedido um processo extremamente lento. • Na prática a burocracia central afastava o povo do seu rei. CENTRALIZAÇÃO DO PODER
  • 30. • Após o período de renovação social verificou-se um reforço da posição socioeconómica das ordens privilegiadas (séc. XVI e XVII). • Nobreza: ocupava os mais altos cargos administrativos e militares do reino e funções no império o que lhe proporcionava honras e mercês: • Afirmação dos fidalgos-mercadores (nobres com negócios lucrativos); • Concentração das terras nas mãos dos nobres (vínculos, comendas e morgadios). • Clero: aumenta o seu património fundiário. A PREPONDERÂNCIA DOS PRIVILEGIADOS
  • 31. • Característica da sociedade portuguesa foi também a fragilidade da burguesia enquanto grupo social autónomo. Fatores que ajudam a explicar esse fenómeno social são: • O monopólio régio ultramarino que impossibilitou as iniciativas privadas; • A ocupação pela nobreza do comércio colonial, que seria da burguesia; • A dependência em relação à nobreza, que ocupava ainda os cargos políticos, administrativos e militares. A DEBILIDADE DA BURGUESIA
  • 32. • No séc. XVII, a viragem do comércio colonial para o Atlântico favoreceu a ascensão de alguma burguesia. Como consequências para o reino destaca-se a: • Permanência de uma mentalidade e valores tradicionais; • Reforço do senhoralismo; • Bloqueamento da economia interna; • Estagnação das atividades produtivas do reino.
  • 33. • A “encenação do poder” estava, também, presente na monarquia portuguesa, em particular no reinado de D. João V. Tal como Luís XIV, D. João V realçava a figura régia através da ostentação permitida pelo ouro e diamantes do Brasil, da autoridade e da etiqueta, de que se salientaram os seguintes aspetos: • Subordinação das ordens sociais (manifestada na recusa em reunir Cortes); • Apoio às artes e às letras (criando a Biblioteca da Universidade de Coimbra e a Real Academia de História); ABSOLUTISMO JOANINO
  • 34. • Envio de embaixadas ao estrangeiro (destacando-se, a de 1706, ao Papa); • Distribuição de moedas de ouro pela população; • Política de grandes construções (Convento de Mafra); • Política externa: o rei procurou a neutralidade face aos conflitos europeus, salvaguardando os interesses do nosso império e do nosso comércio.
  • 35. • A prosperidade económica e a paz foram determinantes para o desenvolvimento das letras, das ciências e das artes. • As ideias de progresso e de Razão, introduzidas em Portugal pelos diplomatas portugueses – os estrangeirados – facilitaram uma vida cultural bastante rica: • em peças literárias barrocas, • na produção de comédias, farsas e tragédias, a familiarização com a música e com a arte, • em óperas e concertos. • D. João V também se preocupou com o ensino da música, com o movimento científico mas, apesar dos grandes progressos culturais verificados no período joanino, o grande salto que iria significar a introdução da cultura iluminista produziria os seus melhores resultados. A POLÍTICA CULTURAL JOANINA
  • 36. • O barroco foi a expressão artística adequada à imagem de grandeza e de magnificência de D. João V. • Com os seus efeitos de riqueza e movimento, era uma arte de corte e de luxo, tendente a fascinar e a provocar a admiração dos seus súbditos. • Grandiosas obras régias de arquitetura, como igrejas, conventos, palácios, solares foram construídos nesta época. O BARROCO JOANINO
  • 37. • Foi nos interiores que o barroco joanino se revelou mais original: nos trabalhos de talha dourada e azulejos e de outras artes decorativas, como a ourivesaria, o mobiliário… • A decoração barroca distingue-se pela riqueza e abundância dos materiais empregues, pela magnificência das peças e por algum exagero ornamental.