SlideShare uma empresa Scribd logo
“ A Revolução americana marca o nascimento de uma nação sob a égide dos ideais iluministas!”
Indicadores de aprendizagem: Indicar as causas da revolução americana Descrever os  acontecimentos  que marcaram o período revolucionário Relacionar os princípios contidos na Declaração de Independência de 1776 e na Constituição de 1787 com a aplicação dos ideais Iluministas
Entre os séculos XVI e XVIII, a Inglaterra  estendeu o seu império à América do Norte Visionamento do vídeo
No século XVIII muitos  ingleses, escoceses e irlandeses  abandonaram a Grã-Bretanha por motivos religiosos e políticos
e fundaram colónias  neste novo território
Em meados do séc. XVIII, a Inglaterra possuía  treze colónias  na costa atlântica do continente americano. Apesar de autónomas, uniam-se pela língua, pela religião e pelos inimigos comuns (franceses e índios).
As colónias do Norte e do Centro  viviam do comércio
defendiam ideais democráticos  e a tolerância entre todos os povos
As colónias do Sul viviam da agricultura,  das plantações de algodão e tabaco
onde trabalhavam escravos negros
Como tudo começou ?
A Guerra dos Sete anos foi um conflito travado entre diversas monarquias nacionais europeias pelo controlo das regiões de exploração colonial. Um dos lados dessa guerra era liderado pela França que, com o apoio militar dos austríacos, procurava rivalizar contra a supremacia exercida pelos britânicos nas regiões da América do Norte e na Índia. A  Guerra dos Sete Anos terminou com a vitória da Inglaterra e  reforçou o seu papel de grande potência colonial. . Vencedora, a Inglaterra apossou-se de  grande parte do Império Colonial Francês, especialmente das terras a oeste das treze colónias americanas. Durante a guerra a Inglaterra tinha prometido aos colonos que em troca de auxílio militar lhes permitiria a administração dos territórios conquistados. .
No entanto , os ingleses decidem não cumprir  as promessas feitas e como a sua economia estava devastada pela Guerra dos Sete Anos, decidem que seriam as colónias americanas a pagar as despesas da guerra.  Desta forma, lançaram uma série de impostos : Imposto sobre o selo -Imposto sobre o açúcar Imposto sobre o Chá
O imposto sobre o selo  tornava obrigatório a  todos, o uso de papel selado em todos os actos jurídicos , tendo um valor estipulado por lei. A Lei do Selo ( Stamp Act , 1765) provocou grandes atritos entre os colonos e a Inglaterra, pois exigia a selagem até de baralhos e dados.  Todas as publicações (jornais impressos em geral) eram selados e, por isso,  os seus preços tornavam-se mais elevados .
1-Os súbditos de sua Majestade nas colónias devem a mesma fidelidade à Coroa da Grã – Bretanha, que os súbditos do reino e toda a obediência ao Parlamento da Grã - Bretanha.  2-Os súbditos de sua Majestade nas colónias podem pretender os direitos e liberdades inalienáveis dos súbditos do reino da Grã- Bretanha 3-A liberdade de um povo e o direito reconhecido dos ingleses baseiam-se essencialmente no facto, de que  nenhum  imposto poderá ser decidido  sem o consentimento  dos seus representantes 4-o povo das colónias não está , e por circunstâncias locais , não pode estar representado na Câmara dos Comuns 5-Os únicos representantes das colónias são os seus eleitos . Nenhum imposto poderá ser constitucionalmente exigido deles  a não ser através das suas assembleias legislativas. 6-A última lei do parlamento intitulada “ Lei para decidir tributar o imposto do selo e de outros direitos nas colónias e plantações da América” e as outras leis têm como objectivo  destruir os direitos e liberdades dos colonos. Resoluções do Stamp- Act (1765) A que leis fazem referência os colonos neste documento? Que opinião é emitida sobre essa leis? Justifica
Subida dos preços do produto para os colonos Até 1773, o chá era levado pelos ingleses da Índia até às 13 colónias, onde era revendido pelos comerciantes (burguesia) à população. A partir de 1773, os burgueses coloniais são excluídos da rota do chá, e este passa a ser  , monopólio da  Companhia das Índias Orientais, onde vários políticos ingleses tinham interesses. A Companhia transportaria o chá directamente das Índias para a América. Os intermediários tiveram grande prejuízo e ficou aberto um precedente perigoso:  quem garantia que o mesmo não seria feito com outros produtos?
Perante, este novo imposto sobre o chá, os colonos americanos protestaram. Disfarçados de índios, lançaram ao mar os carregamentos de chá dos navios ancorados no porto de Boston. Estávamos em 1773, foi o início da revolução americana. Boston Tea Party
 
Em 1774, 12 representantes das colónias (a Geórgia não enviou delegados) reúnem-se em Filadélfia, num edifício conhecido como  Carpenter’s Hall , exigindo os mesmos direitos e liberdades concedidos aos súbditos da metrópole.
1º Congresso na Filadélfia (1774):  Proibiu o comércio com a Inglaterra. Os colonos americanos só podiam exportar os seus produtos para Inglaterra ou para outras colónias inglesas e só podiam importar mercadorias europeias por intermédio de Londres (teoria do exclusivo comercial). 2º Congresso na Filadélfia (1775):  foi decidido responder à guerra declarada pela metrópole e constituiu-se um exército, cujo comando foi entregue a George Washington. 3º Congresso na Filadélfia (1776):  os delegados de todas as colónias aprovaram a  Declaração da independência .
Ó amigos da humanidade! Vós quereis opor-vos não somente à tirania  mas ao tirano, avancem! A opressão destrói cada recanto do Velho Mundo . A liberdade foi perseguida  em toda a superfície do globo. A Ásia e África baniram-na  desde há muito. A Europa olha-a  como a uma estrangeira e a Inglaterra dispensou-a. Recolham a fugitiva e  preparem a tempo um refúgio  para o género humano! Ninguém desejaria mais ardentemente a reconciliação do que eu, antes da data fatídica de 19 de Abril de 1775, mas no mesmo instante que anunciaram os acontecimentos do dia,  tomei partido de renegar para sempre o Faraó insensível e carrancudo da Inglaterra  e desprezar o malvado que, dizendo-se pai do seu povo, fica impassível perante a notícia do massacre dos seus súbditos  e adormece em paz com a alma manchada do seu sangue. Um só homem honesto tem mais valor para a sociedade e, aos olhos de deus, que todos os ladrões coroados da história! Jamais o sol iluminou uma  maior e digna causa. Não há assunto de um só dia, ano ou século: a posteridade inteira está, de facto, ligada a esta querela  e ela ressentir-se –á pouco ou muito, até ao fim dos tempos, dos gestos e feitos que hoje fizermos! Thomas  Paine, Senso Comum 1-Justica a expressão sublinhada. 2-Que consciência tem Thomas Paine dos acontecimentos sucedidos na América do norte? Que papel estaria reservado a este continente? 3-Que opinião tem o autor das monarquias? 4- Pode-se considerar este documento um panfleto revolucionário? Justifique
John Trumbull A Declaração da independência Capitólio, Washington, D.C.
(...) Consideramos estas verdades evidentes: todos os Homens nascem iguais; o seu Criador dotou-os de certos direitos inalienáveis, como a Vida, a Liberdade e a procura da Felicidade; para garantir esses direitos, os Homens instituem entre eles governos que adquirem os seus justos poderes com o consentimento dos governados; sempre que um Governo não reconheça esses fins, o povo tem o direito de modificá-lo ou aboli-lo e de instituir um novo Governo fundado nesses princípios (...). Tal foi o caso destas colónias e tal é agora a necessidade que as leva a modificar o anterior sistema de governo. A história do virtual rei da Grã-Bretanha é a de um tirano sobre estes Estados. (...) Nós, os representantes dos Estados Unidos da América, reunidos em Congresso Geral (...) publicamos e declaramos solenemente que estas colónias unidas são, e têm o direito de ser, Estados livres e independentes. Excerto da Declaração de Independência (adaptado), 4 de Julho de 1776 George Washington 1732 - 1799 A intransigência dos ingleses levou à  declaração de independência.
Pela primeira vez na Hist ó ria da expansão europeia, uma col ó nia tornava-se independente por meio de um acto revolucion á rio. E fazia-o não s ó  proclamando ao mundo, no documento hist ó rico aprovado em 4 de Julho, o direito  à   independência e  à  livre escolha de cada povo e de cada pessoa  ("o direito  à  vida,  à  liberdade e  à  procura da felicidade"  é  definido como inalien á vel e de origem divina), mas ainda construindo uma  federa ç ão de estados dotados de uma grande autonomia e aprovando uma constitui ç ão pol í tica. A declaração da Independência de 1776:  Defende o direito à igualdade e à independência como  “Lei da Natureza”  Proclama, como direitos  “inalienáveis”  (isto é, que não se podem transmitir a outrem) e concedidos por Deus, “a Vida, a Liberdade e a procura da Felicidade” Soberania popular com base em  “governos, cujo justo poder vem do consentimento dos governados” Prevê o direito dos povos deporem um governo que não os represente e de  “instituir um novo governo” Rejeita o  “ absolutismo”  
Emanuel Leutze  (1851) George Washington atravessa o Delaware em Dezembro de 1776 Metropolitan Museum George Washington forma um exército de voluntários. Inicia-se a guerra da independência.
    A Guerra da Independência começa em Março de  1775 . Os americanos tomam Boston. Tinham força de vontade, mas interesses divergentes e falta de organização. Das colónias do Sul, só a Virgínia agia com decisão. A intervenção francesa foi decisiva.  Os franceses estavam  influenciados  pelos ideais de liberdade do movimento, estimulados pela propaganda feita por Franklin e motivados pela intenção de golpear a Inglaterra, que lhes havia imposto pesadas perdas em 1763.  Assinaram um tratado, transferindo dinheiro para os americanos e procuraram estabelecer uma aliança com os espanhóis contra os ingleses.    
Após algumas derrotas, os independentistas vencem os ingleses na  batalha de Yorktown  (1781). A Inglaterra reconhecerá a independência dos Estados Unidos da América em 1783, no tratado de Versalhes. Marquês de Lafayette 1757 – 1834 Os franceses auxiliaram os independentistas americanos na luta contra a Inglaterra.
O trabalho dos chamados  “ pais fundadores ”  do novo Estado afigurava-se extremamente dif í cil. A 17 de Setembro de 1787 em Filad é lfia foi poss í vel obter um consenso e assinar um documento:  A constitui ç ão dos Estados Unidos.  A constitui ç ão inclui uma introdu ç ão e 7 artigos suficientemente amplos e flex í veis, deixando  à  lei ordin á ria a tarefa da sua adapta ç ão face  à s necessidades conjunturais da comunidade. A Constitui ç ão Americana estabelece um Estado central forte ao mesmo tempo que garante, pelo  sistema federal , a relativa autonomia de cada Estado( um Estado Federal é uma  forma de organização estadual caracterizada pela existência de vários poderes políticos, sendo um deles o soberano (Estado Federal) e os restantes, os dependentes (Estados Federados) . Os direitos e liberdades individuais são assegurados pelas dez primeiras emendas, mas a escravatura dos negros  é  mantida e os  í ndios são exclu í dos da na ç ão americana. Thomas Jefferson Benjamin Franklin George Washington
Em  1787 , os Estados Unidos proclamaram sua primeira  Constitui ç ão . Esta, resumia a tendência republicana defendida por  Thommas Jefferson, que queria grande autonomia pol í tica para os Estados membros da Federa ç ão, e a tendência federalista, que lutava por um poder central forte.    O presidente seria eleito pelo per í odo de  quatro anos  por representantes das Assembl e ias dos cidadãos. Duas câmaras compunham o Congresso: a  Câmara dos Representantes ,  com delegados de cada Estado na propor ç ão de suas popula ç ões; e o  Senado , com dois representantes por Estado.     O Congresso votaria leis e or ç amentos. O Senado velaria pela pol í tica exterior principalmente.  Uma Corte Suprema composta por nove ju í zes indicados pelo presidente resolveria os conflitos entre Estados e entre estes e a União.  Nas suas linhas mestras, tais princ í pios constitucionais permanecem at é  hoje.    Esta Constitui ç ão    era a primeira da Hist ó ria mundial onde se consignavam os direitos individuais dos cidadãos, se definiam os limites dos poderes dos diversos estados e do governo federal, e se estabelecia um sistema de equil í brio entre os poderes legislativo, judicial e executivo de modo a impedir a supremacia de qualquer deles, al é m de outras disposi ç ões inovadoras.
Em 1787, é aprovada a Constituição americana, garantindo as liberdades e direitos dos cidadãos, a divisão tripartida dos poderes, a soberania da nação e a liberdade religiosa. Os Estados Unidos da América são um Estado Federal. Poder legislativo Poder Executivo Poder Judicial Congresso Presidente e vice- presidente Supremo tribunal Câmara dos Representantes Senado Colégio Eleitoral Tribunais Cidadãos
Relativamente  à   organiza ç ão dos poderes ,  a Constitui ç ão americana estabelece a separa ç ão entre os poderes , legislativo, executivo e judicial e um sistema de governo presidencialista, em que o chefe do Estado  é  tamb é m chefe do governo, eleito por um col é gio eleitoral escolhido pelos cidadãos eleitores.  Os tribunais têm o poder de controlo dos actos dos governantes. O facto de a revolução Americana ter origem num acto de rebeldia, contra os alegados actos de tirania do governo britânico, e o estabelecimento pela lei constitucional de um sistema representativo, favoreceu a difusão na opinião pública internacional, a ideia de que esta foi a primeira  revolução liberal, isto é, o primeiro movimento de ruptura com o Antigo Regime inspirado nos ideais iluministas de liberdade e igualdade jurídica dos cidadãos, da separação dos poderes, do sistema representativo, da tolerância religiosa e do laicismo do Estado.  
  Em comemora ç ão do  primeiro centen á rio dos Estados Unidos,  em 1876, a Fran ç a ofereceu ao povo americano uma est á tua que representa uma mulher erguendo uma tocha para proclamar a liberdade.  Esta est á tua de cobre, com 57 metros de altura, formalmente denominada "Liberdade iluminando o mundo" situa-se em Liberty Island, na parte superior da ba í a do porto de Nova Iorque.        A est á tua foi feita de chapas de cobre batido à mão, que foram então unidas sobre uma estrutura de suportes de a ç o, projectada por Eugéne Emmanuel Viollet-le-Duc e Alexandre- Gustave Eiffel.            A est á tua completa, pesa quase 225 toneladas, foi desmontada e enviada para Nova Iorque, onde então foi montada  num pedestal projectado pelo arquitecto americano Richard Morris Hunt.
A revolu ç ão americana deu inicio a uma vaga de revolu ç ões liberais que ocorreram entre os s é culos XVII e XIX e que puseram fim ao sistema de Antigo Regime baseado no absolutismo e na sociedade de ordens.  Estes movimentos institu í ram a soberania popular, a separa ç ão de poderes, a livre iniciativa econ ó mica, a tolerância religiosa e a descoloniza ç ão. OS  séculos XVII e XVIII correspondem ao auge do absolutismo e, ao mesmo tempo, um período em que a sociedade burguesa esbarra nas reminiscências do feudalismo (privilégios da nobreza, servidão,...). Na 2ª metade do XVIII, vários intelectuais passaram a criticar o antigo regime anunciando novos valores condizentes com o progresso daqueles tempos.  Assim, o  iluminismo  constituiu o fundamento teórico que levou às revoluções burguesas.    Os seus grandes Precursores foram:  -Locke  que transferiu o racionalismo para análise política e social. Locke confrontava as bases teóricas do absolutismo ao formular a concepção de bondade natural do homem e de sua capacidade de construir sua felicidade e lutar pela liberdade. Os governos foram criados para garantir os  direitos naturais  do cidadão: vida, liberdade e propriedade. Caso não houvesse estas garantias caberia a sociedade civil o  direito de rebelião . Negava-se o autoritarismo e o direito divino . -Montesquieu:  sistematizou  a teoria da divisão de poderes . -Voltaire: defendeu uma monarquia esclarecida , o que na prática significava um governo burguês baseado nas ideias dos filósofos. Criticava violentamente a igreja, a servidão, a guerra e a censura. - Rousseau: criticava o absolutismo, acreditava na bondade inata do homem, na sua capacidade de aprendizagem e que o voto da maioria era sempre justo.
Em suma, a  guerra da independência das colónias americanas foi o ponto de partida para um movimento de revoluções em cadeia. Pela primeira vez os ideais iluministas da igualdade entre os Homens e da soberania popular eram aplicados na libertação de um povo. O nascimento da Nação Americana  criou o primeiro país descolonizado e a primeira república democrática que se fundamentava no voto dos seus cidadãos, a escolha dos órgãos máximos de soberania( Congresso e Presidente da República). Esta revolução serviu de exemplo  e de estímulo para outras , tais como a Revolução Francesa. Texto original da Constituição Americana

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
diariohistoria
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
Joana Filipa Rodrigues
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
cattonia
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
Carla Teixeira
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
cattonia
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
Carla Freitas
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
Vítor Santos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
Vítor Santos
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
José Augusto Fiorin
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
Vítor Santos
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
Vítor Santos
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
Susana Simões
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
Vítor Santos
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
13_ines_silva
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
Vítor Santos
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
Fernando Alvarado
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
Vítor Santos
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
Maria Adelaide
 

Mais procurados (20)

O novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomicoO novo ordenamento politico e socioeconomico
O novo ordenamento politico e socioeconomico
 
Aula 8
Aula 8Aula 8
Aula 8
 
Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820Revolução liberal portuguesa de 1820
Revolução liberal portuguesa de 1820
 
Hegemonia inglesa
Hegemonia inglesaHegemonia inglesa
Hegemonia inglesa
 
Vintismo
VintismoVintismo
Vintismo
 
Mercantilismo português
Mercantilismo portuguêsMercantilismo português
Mercantilismo português
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
11 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 111 ha m4 u3 1
11 ha m4 u3 1
 
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
4 03 triunfo dos estados e dinamicas economicas nos seculos xvii e xviii
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
11. revolução francesa
11. revolução francesa11. revolução francesa
11. revolução francesa
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
04 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_404 história a_revisões_módulo_4
04 história a_revisões_módulo_4
 
A Revolução Americana
A Revolução Americana   A Revolução Americana
A Revolução Americana
 
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
5 03 a geografia dos movimentos revolucionários
 
A hegemonia económica britânica
A hegemonia económica  britânicaA hegemonia económica  britânica
A hegemonia económica britânica
 
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 
Parlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglêsParlamentarismo inglês
Parlamentarismo inglês
 
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
6 01 as transformacoes economicas na europa e no mundo
 
A Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola ComumA Politica AgríCola Comum
A Politica AgríCola Comum
 

Destaque

Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
diogovalesousa8
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Joanasoph
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Maria Costa
 
Causas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americanaCausas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americana
Lucilia Fonseca
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
Susana Simões
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
bolonas
 
Revolução Liberal Americana
Revolução Liberal AmericanaRevolução Liberal Americana
Revolução Liberal Americana
tomas-soares-oliveira
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
MarinaMartsenyuk
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Alexandre Ribeiro
 
A Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados UnidosA Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados Unidos
Professor Marcelo
 
O isla alem dos nossos preconceitos
O isla alem dos nossos preconceitosO isla alem dos nossos preconceitos
O isla alem dos nossos preconceitos
Zé Knust
 
5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
Vítor Santos
 
Independência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperial
Independência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperialIndependência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperial
Independência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperial
Ana Martins
 
trabalho sobre a independência dos Estados Unidos da America
trabalho sobre a independência dos Estados Unidos da Americatrabalho sobre a independência dos Estados Unidos da America
trabalho sobre a independência dos Estados Unidos da America
Daniel Dias
 
A Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados UnidosA Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados Unidos
Ritsu Onodera
 
Independencia eua.filé
Independencia eua.filéIndependencia eua.filé
Independencia eua.filé
mundica broda
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
Slides de Tudo
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
crie_historia8
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Vítor Santos
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Lucas Nunes de Souza
 

Destaque (20)

Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Causas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americanaCausas e consequências da revolução americana
Causas e consequências da revolução americana
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
Revolução Liberal Americana
Revolução Liberal AmericanaRevolução Liberal Americana
Revolução Liberal Americana
 
Revolução americana
Revolução americanaRevolução americana
Revolução americana
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
A Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados UnidosA Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados Unidos
 
O isla alem dos nossos preconceitos
O isla alem dos nossos preconceitosO isla alem dos nossos preconceitos
O isla alem dos nossos preconceitos
 
5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
 
Independência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperial
Independência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperialIndependência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperial
Independência dos estados unidos, revolução francesa, frança imperial
 
trabalho sobre a independência dos Estados Unidos da America
trabalho sobre a independência dos Estados Unidos da Americatrabalho sobre a independência dos Estados Unidos da America
trabalho sobre a independência dos Estados Unidos da America
 
A Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados UnidosA Independência dos Estados Unidos
A Independência dos Estados Unidos
 
Independencia eua.filé
Independencia eua.filéIndependencia eua.filé
Independencia eua.filé
 
Independencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados UnidosIndependencia dos Estados Unidos
Independencia dos Estados Unidos
 
Revolução francesa
Revolução francesaRevolução francesa
Revolução francesa
 
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadoresUnidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
Unidade 6 revoluções e estados_liberais_e_conservadores
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 

Semelhante a Rev americana 11º d

Independência das 13 colônias
Independência das 13 colôniasIndependência das 13 colônias
Independência das 13 colônias
José Gomes
 
Revolução francesa aisha
Revolução francesa aishaRevolução francesa aisha
Revolução francesa aisha
sr adil
 
O triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberaisO triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberais
angelamoliveira
 
2˚ano independência eua cap28
2˚ano  independência eua cap282˚ano  independência eua cap28
2˚ano independência eua cap28
Kerol Brombal
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colônias
ProfessoresColeguium
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
Acrópole - História & Educação
 
Independência dos estados unidos
Independência dos estados unidosIndependência dos estados unidos
Independência dos estados unidos
Karyna Emmanuelly
 
5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
vitormbsantos
 
Revolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power PointRevolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power Point
secretaria estadual de educação
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
João Gonçalves Macedo
 
A indepen..[1][1]
A indepen..[1][1]A indepen..[1][1]
A indepen..[1][1]
Miqueias Barbosa
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
Eduardo Sousa
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
Ana Catarina
 
5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana
Vítor Santos
 
60248.pptx
60248.pptx60248.pptx
60248.pptx
MarcosRamos392778
 
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair AguilarA independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
Altair Moisés Aguilar
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
Vítor Santos
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
Elisângela Martins Rodrigues
 
Independência dos estados unidos
Independência dos estados unidosIndependência dos estados unidos
Independência dos estados unidos
blpgui
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
Gilmar Rodrigues
 

Semelhante a Rev americana 11º d (20)

Independência das 13 colônias
Independência das 13 colôniasIndependência das 13 colônias
Independência das 13 colônias
 
Revolução francesa aisha
Revolução francesa aishaRevolução francesa aisha
Revolução francesa aisha
 
O triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberaisO triunfo das revoluções liberais
O triunfo das revoluções liberais
 
2˚ano independência eua cap28
2˚ano  independência eua cap282˚ano  independência eua cap28
2˚ano independência eua cap28
 
Esquema a independência das 13 colônias
Esquema   a independência das 13 colôniasEsquema   a independência das 13 colônias
Esquema a independência das 13 colônias
 
Independência dos eua
Independência dos euaIndependência dos eua
Independência dos eua
 
Independência dos estados unidos
Independência dos estados unidosIndependência dos estados unidos
Independência dos estados unidos
 
5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana5 01 a revolução americana
5 01 a revolução americana
 
Revolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power PointRevolucao Americana Power Point
Revolucao Americana Power Point
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
A indepen..[1][1]
A indepen..[1][1]A indepen..[1][1]
A indepen..[1][1]
 
A revoluções liberais
A revoluções liberaisA revoluções liberais
A revoluções liberais
 
Resumos História A
Resumos História AResumos História A
Resumos História A
 
5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana5 01 a revolucao americana
5 01 a revolucao americana
 
60248.pptx
60248.pptx60248.pptx
60248.pptx
 
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair AguilarA independência Americana - Prof. Altair Aguilar
A independência Americana - Prof. Altair Aguilar
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
Independência dos EUA
Independência dos EUAIndependência dos EUA
Independência dos EUA
 
Independência dos estados unidos
Independência dos estados unidosIndependência dos estados unidos
Independência dos estados unidos
 
A revolução americana
A revolução americanaA revolução americana
A revolução americana
 

Mais de Carla Teixeira

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
Carla Teixeira
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
Carla Teixeira
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
Carla Teixeira
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
Carla Teixeira
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
Carla Teixeira
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
Carla Teixeira
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
Carla Teixeira
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
Carla Teixeira
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
Carla Teixeira
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
Carla Teixeira
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
Carla Teixeira
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
Carla Teixeira
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
Carla Teixeira
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
Carla Teixeira
 

Mais de Carla Teixeira (20)

A civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.pptA civilização industrial no séc XIX.ppt
A civilização industrial no séc XIX.ppt
 
1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt1-guerra-mundial-esic.ppt
1-guerra-mundial-esic.ppt
 
a polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppta polis no mundo grego.ppt
a polis no mundo grego.ppt
 
O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1O tempo das reformas religiosas parte 1
O tempo das reformas religiosas parte 1
 
Arte renascentista parte 3
Arte renascentista  parte 3Arte renascentista  parte 3
Arte renascentista parte 3
 
Arte renascentista
Arte renascentistaArte renascentista
Arte renascentista
 
A reforma religiosa parte 2
A reforma religiosa  parte 2A reforma religiosa  parte 2
A reforma religiosa parte 2
 
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
A reforma católica e a contra  reforma- parte 1A reforma católica e a contra  reforma- parte 1
A reforma católica e a contra reforma- parte 1
 
A contra reforma parte 3
A contra reforma  parte 3A contra reforma  parte 3
A contra reforma parte 3
 
A contra reforma parte 2
A contra reforma   parte 2A contra reforma   parte 2
A contra reforma parte 2
 
A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2A arte renascentista parte 2
A arte renascentista parte 2
 
O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1O rococó e o neoclássico parte 1
O rococó e o neoclássico parte 1
 
Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2Neoclássico parte 2
Neoclássico parte 2
 
Neoclássico parte3
Neoclássico parte3Neoclássico parte3
Neoclássico parte3
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1Ficha de trabalho nº 1
Ficha de trabalho nº 1
 
Revolução francesa módulo 7
Revolução francesa  módulo 7Revolução francesa  módulo 7
Revolução francesa módulo 7
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 
Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3Revolução francesa parte 3
Revolução francesa parte 3
 
Revolução francesa 2
Revolução francesa 2Revolução francesa 2
Revolução francesa 2
 

Rev americana 11º d

  • 1. “ A Revolução americana marca o nascimento de uma nação sob a égide dos ideais iluministas!”
  • 2. Indicadores de aprendizagem: Indicar as causas da revolução americana Descrever os acontecimentos que marcaram o período revolucionário Relacionar os princípios contidos na Declaração de Independência de 1776 e na Constituição de 1787 com a aplicação dos ideais Iluministas
  • 3. Entre os séculos XVI e XVIII, a Inglaterra estendeu o seu império à América do Norte Visionamento do vídeo
  • 4. No século XVIII muitos ingleses, escoceses e irlandeses abandonaram a Grã-Bretanha por motivos religiosos e políticos
  • 5. e fundaram colónias neste novo território
  • 6. Em meados do séc. XVIII, a Inglaterra possuía treze colónias na costa atlântica do continente americano. Apesar de autónomas, uniam-se pela língua, pela religião e pelos inimigos comuns (franceses e índios).
  • 7. As colónias do Norte e do Centro viviam do comércio
  • 8. defendiam ideais democráticos e a tolerância entre todos os povos
  • 9. As colónias do Sul viviam da agricultura, das plantações de algodão e tabaco
  • 12. A Guerra dos Sete anos foi um conflito travado entre diversas monarquias nacionais europeias pelo controlo das regiões de exploração colonial. Um dos lados dessa guerra era liderado pela França que, com o apoio militar dos austríacos, procurava rivalizar contra a supremacia exercida pelos britânicos nas regiões da América do Norte e na Índia. A Guerra dos Sete Anos terminou com a vitória da Inglaterra e reforçou o seu papel de grande potência colonial. . Vencedora, a Inglaterra apossou-se de grande parte do Império Colonial Francês, especialmente das terras a oeste das treze colónias americanas. Durante a guerra a Inglaterra tinha prometido aos colonos que em troca de auxílio militar lhes permitiria a administração dos territórios conquistados. .
  • 13. No entanto , os ingleses decidem não cumprir as promessas feitas e como a sua economia estava devastada pela Guerra dos Sete Anos, decidem que seriam as colónias americanas a pagar as despesas da guerra. Desta forma, lançaram uma série de impostos : Imposto sobre o selo -Imposto sobre o açúcar Imposto sobre o Chá
  • 14. O imposto sobre o selo tornava obrigatório a todos, o uso de papel selado em todos os actos jurídicos , tendo um valor estipulado por lei. A Lei do Selo ( Stamp Act , 1765) provocou grandes atritos entre os colonos e a Inglaterra, pois exigia a selagem até de baralhos e dados. Todas as publicações (jornais impressos em geral) eram selados e, por isso, os seus preços tornavam-se mais elevados .
  • 15. 1-Os súbditos de sua Majestade nas colónias devem a mesma fidelidade à Coroa da Grã – Bretanha, que os súbditos do reino e toda a obediência ao Parlamento da Grã - Bretanha. 2-Os súbditos de sua Majestade nas colónias podem pretender os direitos e liberdades inalienáveis dos súbditos do reino da Grã- Bretanha 3-A liberdade de um povo e o direito reconhecido dos ingleses baseiam-se essencialmente no facto, de que nenhum imposto poderá ser decidido sem o consentimento dos seus representantes 4-o povo das colónias não está , e por circunstâncias locais , não pode estar representado na Câmara dos Comuns 5-Os únicos representantes das colónias são os seus eleitos . Nenhum imposto poderá ser constitucionalmente exigido deles a não ser através das suas assembleias legislativas. 6-A última lei do parlamento intitulada “ Lei para decidir tributar o imposto do selo e de outros direitos nas colónias e plantações da América” e as outras leis têm como objectivo destruir os direitos e liberdades dos colonos. Resoluções do Stamp- Act (1765) A que leis fazem referência os colonos neste documento? Que opinião é emitida sobre essa leis? Justifica
  • 16. Subida dos preços do produto para os colonos Até 1773, o chá era levado pelos ingleses da Índia até às 13 colónias, onde era revendido pelos comerciantes (burguesia) à população. A partir de 1773, os burgueses coloniais são excluídos da rota do chá, e este passa a ser , monopólio da Companhia das Índias Orientais, onde vários políticos ingleses tinham interesses. A Companhia transportaria o chá directamente das Índias para a América. Os intermediários tiveram grande prejuízo e ficou aberto um precedente perigoso: quem garantia que o mesmo não seria feito com outros produtos?
  • 17. Perante, este novo imposto sobre o chá, os colonos americanos protestaram. Disfarçados de índios, lançaram ao mar os carregamentos de chá dos navios ancorados no porto de Boston. Estávamos em 1773, foi o início da revolução americana. Boston Tea Party
  • 18.  
  • 19. Em 1774, 12 representantes das colónias (a Geórgia não enviou delegados) reúnem-se em Filadélfia, num edifício conhecido como Carpenter’s Hall , exigindo os mesmos direitos e liberdades concedidos aos súbditos da metrópole.
  • 20. 1º Congresso na Filadélfia (1774): Proibiu o comércio com a Inglaterra. Os colonos americanos só podiam exportar os seus produtos para Inglaterra ou para outras colónias inglesas e só podiam importar mercadorias europeias por intermédio de Londres (teoria do exclusivo comercial). 2º Congresso na Filadélfia (1775): foi decidido responder à guerra declarada pela metrópole e constituiu-se um exército, cujo comando foi entregue a George Washington. 3º Congresso na Filadélfia (1776): os delegados de todas as colónias aprovaram a Declaração da independência .
  • 21. Ó amigos da humanidade! Vós quereis opor-vos não somente à tirania mas ao tirano, avancem! A opressão destrói cada recanto do Velho Mundo . A liberdade foi perseguida em toda a superfície do globo. A Ásia e África baniram-na desde há muito. A Europa olha-a como a uma estrangeira e a Inglaterra dispensou-a. Recolham a fugitiva e preparem a tempo um refúgio para o género humano! Ninguém desejaria mais ardentemente a reconciliação do que eu, antes da data fatídica de 19 de Abril de 1775, mas no mesmo instante que anunciaram os acontecimentos do dia, tomei partido de renegar para sempre o Faraó insensível e carrancudo da Inglaterra e desprezar o malvado que, dizendo-se pai do seu povo, fica impassível perante a notícia do massacre dos seus súbditos e adormece em paz com a alma manchada do seu sangue. Um só homem honesto tem mais valor para a sociedade e, aos olhos de deus, que todos os ladrões coroados da história! Jamais o sol iluminou uma maior e digna causa. Não há assunto de um só dia, ano ou século: a posteridade inteira está, de facto, ligada a esta querela e ela ressentir-se –á pouco ou muito, até ao fim dos tempos, dos gestos e feitos que hoje fizermos! Thomas Paine, Senso Comum 1-Justica a expressão sublinhada. 2-Que consciência tem Thomas Paine dos acontecimentos sucedidos na América do norte? Que papel estaria reservado a este continente? 3-Que opinião tem o autor das monarquias? 4- Pode-se considerar este documento um panfleto revolucionário? Justifique
  • 22. John Trumbull A Declaração da independência Capitólio, Washington, D.C.
  • 23. (...) Consideramos estas verdades evidentes: todos os Homens nascem iguais; o seu Criador dotou-os de certos direitos inalienáveis, como a Vida, a Liberdade e a procura da Felicidade; para garantir esses direitos, os Homens instituem entre eles governos que adquirem os seus justos poderes com o consentimento dos governados; sempre que um Governo não reconheça esses fins, o povo tem o direito de modificá-lo ou aboli-lo e de instituir um novo Governo fundado nesses princípios (...). Tal foi o caso destas colónias e tal é agora a necessidade que as leva a modificar o anterior sistema de governo. A história do virtual rei da Grã-Bretanha é a de um tirano sobre estes Estados. (...) Nós, os representantes dos Estados Unidos da América, reunidos em Congresso Geral (...) publicamos e declaramos solenemente que estas colónias unidas são, e têm o direito de ser, Estados livres e independentes. Excerto da Declaração de Independência (adaptado), 4 de Julho de 1776 George Washington 1732 - 1799 A intransigência dos ingleses levou à declaração de independência.
  • 24. Pela primeira vez na Hist ó ria da expansão europeia, uma col ó nia tornava-se independente por meio de um acto revolucion á rio. E fazia-o não s ó proclamando ao mundo, no documento hist ó rico aprovado em 4 de Julho, o direito à independência e à livre escolha de cada povo e de cada pessoa ("o direito à vida, à liberdade e à procura da felicidade" é definido como inalien á vel e de origem divina), mas ainda construindo uma federa ç ão de estados dotados de uma grande autonomia e aprovando uma constitui ç ão pol í tica. A declaração da Independência de 1776: Defende o direito à igualdade e à independência como “Lei da Natureza” Proclama, como direitos “inalienáveis” (isto é, que não se podem transmitir a outrem) e concedidos por Deus, “a Vida, a Liberdade e a procura da Felicidade” Soberania popular com base em “governos, cujo justo poder vem do consentimento dos governados” Prevê o direito dos povos deporem um governo que não os represente e de “instituir um novo governo” Rejeita o “ absolutismo”  
  • 25. Emanuel Leutze (1851) George Washington atravessa o Delaware em Dezembro de 1776 Metropolitan Museum George Washington forma um exército de voluntários. Inicia-se a guerra da independência.
  • 26.     A Guerra da Independência começa em Março de 1775 . Os americanos tomam Boston. Tinham força de vontade, mas interesses divergentes e falta de organização. Das colónias do Sul, só a Virgínia agia com decisão. A intervenção francesa foi decisiva. Os franceses estavam  influenciados  pelos ideais de liberdade do movimento, estimulados pela propaganda feita por Franklin e motivados pela intenção de golpear a Inglaterra, que lhes havia imposto pesadas perdas em 1763. Assinaram um tratado, transferindo dinheiro para os americanos e procuraram estabelecer uma aliança com os espanhóis contra os ingleses.    
  • 27. Após algumas derrotas, os independentistas vencem os ingleses na batalha de Yorktown (1781). A Inglaterra reconhecerá a independência dos Estados Unidos da América em 1783, no tratado de Versalhes. Marquês de Lafayette 1757 – 1834 Os franceses auxiliaram os independentistas americanos na luta contra a Inglaterra.
  • 28. O trabalho dos chamados “ pais fundadores ” do novo Estado afigurava-se extremamente dif í cil. A 17 de Setembro de 1787 em Filad é lfia foi poss í vel obter um consenso e assinar um documento: A constitui ç ão dos Estados Unidos. A constitui ç ão inclui uma introdu ç ão e 7 artigos suficientemente amplos e flex í veis, deixando à lei ordin á ria a tarefa da sua adapta ç ão face à s necessidades conjunturais da comunidade. A Constitui ç ão Americana estabelece um Estado central forte ao mesmo tempo que garante, pelo sistema federal , a relativa autonomia de cada Estado( um Estado Federal é uma forma de organização estadual caracterizada pela existência de vários poderes políticos, sendo um deles o soberano (Estado Federal) e os restantes, os dependentes (Estados Federados) . Os direitos e liberdades individuais são assegurados pelas dez primeiras emendas, mas a escravatura dos negros é mantida e os í ndios são exclu í dos da na ç ão americana. Thomas Jefferson Benjamin Franklin George Washington
  • 29. Em 1787 , os Estados Unidos proclamaram sua primeira Constitui ç ão . Esta, resumia a tendência republicana defendida por Thommas Jefferson, que queria grande autonomia pol í tica para os Estados membros da Federa ç ão, e a tendência federalista, que lutava por um poder central forte.   O presidente seria eleito pelo per í odo de quatro anos por representantes das Assembl e ias dos cidadãos. Duas câmaras compunham o Congresso: a Câmara dos Representantes , com delegados de cada Estado na propor ç ão de suas popula ç ões; e o Senado , com dois representantes por Estado.     O Congresso votaria leis e or ç amentos. O Senado velaria pela pol í tica exterior principalmente. Uma Corte Suprema composta por nove ju í zes indicados pelo presidente resolveria os conflitos entre Estados e entre estes e a União. Nas suas linhas mestras, tais princ í pios constitucionais permanecem at é hoje.   Esta Constitui ç ão   era a primeira da Hist ó ria mundial onde se consignavam os direitos individuais dos cidadãos, se definiam os limites dos poderes dos diversos estados e do governo federal, e se estabelecia um sistema de equil í brio entre os poderes legislativo, judicial e executivo de modo a impedir a supremacia de qualquer deles, al é m de outras disposi ç ões inovadoras.
  • 30. Em 1787, é aprovada a Constituição americana, garantindo as liberdades e direitos dos cidadãos, a divisão tripartida dos poderes, a soberania da nação e a liberdade religiosa. Os Estados Unidos da América são um Estado Federal. Poder legislativo Poder Executivo Poder Judicial Congresso Presidente e vice- presidente Supremo tribunal Câmara dos Representantes Senado Colégio Eleitoral Tribunais Cidadãos
  • 31. Relativamente à organiza ç ão dos poderes , a Constitui ç ão americana estabelece a separa ç ão entre os poderes , legislativo, executivo e judicial e um sistema de governo presidencialista, em que o chefe do Estado é tamb é m chefe do governo, eleito por um col é gio eleitoral escolhido pelos cidadãos eleitores. Os tribunais têm o poder de controlo dos actos dos governantes. O facto de a revolução Americana ter origem num acto de rebeldia, contra os alegados actos de tirania do governo britânico, e o estabelecimento pela lei constitucional de um sistema representativo, favoreceu a difusão na opinião pública internacional, a ideia de que esta foi a primeira revolução liberal, isto é, o primeiro movimento de ruptura com o Antigo Regime inspirado nos ideais iluministas de liberdade e igualdade jurídica dos cidadãos, da separação dos poderes, do sistema representativo, da tolerância religiosa e do laicismo do Estado.  
  • 32.   Em comemora ç ão do primeiro centen á rio dos Estados Unidos, em 1876, a Fran ç a ofereceu ao povo americano uma est á tua que representa uma mulher erguendo uma tocha para proclamar a liberdade. Esta est á tua de cobre, com 57 metros de altura, formalmente denominada "Liberdade iluminando o mundo" situa-se em Liberty Island, na parte superior da ba í a do porto de Nova Iorque.       A est á tua foi feita de chapas de cobre batido à mão, que foram então unidas sobre uma estrutura de suportes de a ç o, projectada por Eugéne Emmanuel Viollet-le-Duc e Alexandre- Gustave Eiffel.          A est á tua completa, pesa quase 225 toneladas, foi desmontada e enviada para Nova Iorque, onde então foi montada num pedestal projectado pelo arquitecto americano Richard Morris Hunt.
  • 33. A revolu ç ão americana deu inicio a uma vaga de revolu ç ões liberais que ocorreram entre os s é culos XVII e XIX e que puseram fim ao sistema de Antigo Regime baseado no absolutismo e na sociedade de ordens. Estes movimentos institu í ram a soberania popular, a separa ç ão de poderes, a livre iniciativa econ ó mica, a tolerância religiosa e a descoloniza ç ão. OS séculos XVII e XVIII correspondem ao auge do absolutismo e, ao mesmo tempo, um período em que a sociedade burguesa esbarra nas reminiscências do feudalismo (privilégios da nobreza, servidão,...). Na 2ª metade do XVIII, vários intelectuais passaram a criticar o antigo regime anunciando novos valores condizentes com o progresso daqueles tempos. Assim, o iluminismo constituiu o fundamento teórico que levou às revoluções burguesas.   Os seus grandes Precursores foram: -Locke que transferiu o racionalismo para análise política e social. Locke confrontava as bases teóricas do absolutismo ao formular a concepção de bondade natural do homem e de sua capacidade de construir sua felicidade e lutar pela liberdade. Os governos foram criados para garantir os direitos naturais do cidadão: vida, liberdade e propriedade. Caso não houvesse estas garantias caberia a sociedade civil o direito de rebelião . Negava-se o autoritarismo e o direito divino . -Montesquieu: sistematizou a teoria da divisão de poderes . -Voltaire: defendeu uma monarquia esclarecida , o que na prática significava um governo burguês baseado nas ideias dos filósofos. Criticava violentamente a igreja, a servidão, a guerra e a censura. - Rousseau: criticava o absolutismo, acreditava na bondade inata do homem, na sua capacidade de aprendizagem e que o voto da maioria era sempre justo.
  • 34. Em suma, a guerra da independência das colónias americanas foi o ponto de partida para um movimento de revoluções em cadeia. Pela primeira vez os ideais iluministas da igualdade entre os Homens e da soberania popular eram aplicados na libertação de um povo. O nascimento da Nação Americana criou o primeiro país descolonizado e a primeira república democrática que se fundamentava no voto dos seus cidadãos, a escolha dos órgãos máximos de soberania( Congresso e Presidente da República). Esta revolução serviu de exemplo e de estímulo para outras , tais como a Revolução Francesa. Texto original da Constituição Americana