02 a materialização da vida nos movimentos

5.508 visualizações

Publicada em

Pop Art, Arte Cinética, Arte Acontecimento, Body Art, Arte Conceptual, Land Art, Arte Pobre, Hiper-realismo

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.508
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.476
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

02 a materialização da vida nos movimentos

  1. 1. A Cultura do Espaço Virtual Apresentação concebida para o Curso Profissional de Turismo – Módulo 10 http://divulgacaohistoria.wordpress.com/ A materialização da vida nos movimentos, gestos e objetos do quotidiano HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 1
  2. 2. A Pop Art, um movimento iconoclasta HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 2
  3. 3. Numa sociedade caracterizada pelo consumo surge uma arte que é o reflexo das novas formas de relacionamento social, onde determinados objetos, imagens ou pessoas se impõem como ícones; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 3
  4. 4. A arte do século XX, a partir dos anos 60, muda radicalmente, quer na forma quer no pensamento; Opondo-se ao abstracionismo intelectualizado e hermético dos anos 50, surge uma arte virada para o concreto e o quotidiano; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 4
  5. 5. A Pop Art (Popular Art) é um movimento que instaura o seu programa na cultura da civilização urbana, nos mass media, nos objetos e imagens produzidos pela sociedade de consumo; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 5
  6. 6. Oldenburg, Hamburger Gigante, 1962, 2,13 m x 1,32 m A Pop Art nasceu em meados dos anos 50, sobretudo nos grandes núcleos urbanos como Nova Iorque e Londres; Utilizou uma linguagem figurativa recorrendo a símbolos, figuras e objectos próprios da cidade e do seu quotidiano; Não se baseou em teorias, não teve atitudes programáticas HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 6
  7. 7. A sua temática esteve ligada à “cultura popular” constituída por imagens do quotidiano, retiradas da BD, das revistas e dos jornais, da fotografia, do cinema e da televisão; Os mitos da vida diária, que se manifestam na cultura de consumo, os meios de comunicação de massas e a euforia tecnológica manifestam-se na Pop Art HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 7
  8. 8. Utilizou recursos mecânicos ou semimecânicos como a serigrafia, fotografia e a fotomontagem; Foi influenciada pelo dadaísmo utilizando a descontextualização de objetos de uso quotidiano, tornando-os ícones da sociedade de consumo; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 8
  9. 9. Warhol, Caixa de sabão Brillo HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 9
  10. 10. O movimento nasceu em Inglaterra, onde desenvolve-se uma atitude mais crítica em relação à sociedade de consumo, do que nos EUA; Hamilton, O que é que faz exatamente os lugares de hoje tão diferentes, tão atrativos?, 1956 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 10
  11. 11. Em Inglaterra os artistas de maior renome são: Richard Hamilton (1922); Peter Blake (1932); David Hockney (1937); Allen Jones (1937); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 11
  12. 12. Blake, A varanda HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 12
  13. 13. Foi nos EUA que a Pop Art exprimiu completamente o seu significado; Desenvolve-se em duas vertentes, uma “neodadaísta” que incluiu artistas como: Robert Rauschenberg (1925-1997); Jasper Jones (1930); O artista mais conhecido foi Andy Warhol (1928-1987); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 13
  14. 14. Rauschenberg, Cama, 1959 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 14
  15. 15. Jones, Três bandeiras, 1958 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 15
  16. 16. A outra vertente é composta por artistas como: Roy Lichtenstein (1923), que utilizou personagens retiradas da BD (banda desenhada), pintadas com cores lisas onde é quase impossível ver as pinceladas; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 16
  17. 17. Lichtenstein, Wham HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 17
  18. 18. Lichtenstein, Rapariga lavada em lágrimas HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 18
  19. 19. Wesselmann, The Great American Nude, 1963 Tom Wesselmann (1931-2004) que utilizou a assemblage para criar ambientes de tipo “classe média”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 19
  20. 20. Coca-Cola (1961) Andy Warhol (1928-1987) HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 20
  21. 21. HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 21
  22. 22. Cronologia: 1928 – Nasce Andrew Warhola; 1949 – Depois de concluídos os estudos parte para Nova Iorque para trabalhar como artista comercial; 1952 – realiza uma exposição do seu trabalho; Warhol, Auto-retrato, 1964 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 22
  23. 23. 1961 – Série de pinturas baseadas em produtos comerciais (Sopa Campbell, detergente Brillo, Coca-Cola); 1963 – Criação do atelier “Factory”, local de reunião de pintores, músicos, filosofos, etc.; 1964 – Exposição de serigrafias com o tema das Flores (relacionados com a ideologia hippie); 1966 – Exposição de serigrafias cujo tema é a vaca; 1975 – Publica obras literárias; 1987 – Morre após uma operação à vesícula; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 23
  24. 24. Warhol, 100 latas de sopa Campbell Filho de emigrantes eslovacos, Andy Warhol é a figura mais conhecida e controversa da Pop Art; Utilizou imagens da BD, de objetos de consumo e retratos de personalidades (conhecidas são as suas séries das sopas Campbell e as garrafas de Coca-Cola; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 24
  25. 25. Warhol, Marylin, díptico Este artista não quis só converter em arte algo de trivial e vulgar, mas também trivializar e vulgarizar a própria arte; Os temas pictóricos da Pop são motivados pela vida quotidiana, reflectem as realidades de uma época; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 25
  26. 26. Warhol, 16 Jackies Os grandes símbolos da época, os mitos produzidos pelos mass media (as grandes marcas, os produtos de consumo, as estrelas de cinema, etc.) vão integrar o programa do movimento cujo propósito é evidenciar a extrema vulgaridade, o kitsch e o mau gosto que a crescente cultura de massas e a globalização conduziram o homem; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 26
  27. 27. Warhol, Sopas Campbell Nos inícios dos anos 60 começa a criar, sobretudo serigrafias, representando objectos da sociedade de consumo; Reproduziu-as continuamente, introduzindo alterações; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 27
  28. 28. Warhol, Coca-Cola, serigrafia As suas garrafas de Coca-Cola tornaram-se num ícone da cultura pop; A Coca-Cola, quer pela bebida, quer pela conceção da garrafa, era já um símbolo de consumismo; Tornam-se um símbolo do “american way of life”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 28
  29. 29. Warhol, Coca-Cola Verdes, 1962 A serigrafia permitia desmultiplicação da imagem, tornando-a acessível a um público numeroso, tornando-a num produto comercial como qualquer outro; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 29
  30. 30. Warhol, Coca- Cola, serigrafia, 1961 As imagens eram representadas sem qualquer conotação intelectual, elevando os objetos comuns à categoria de arte; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 30
  31. 31. Warhol, Coca-Cola, 1960 Usando a arte como a vida, tão fugaz quanto os “quinze minutos de fama” que considerava ao alcance de todos, Warhol concebeu a arte mais popular de todo o movimento; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 31
  32. 32. No seu livro de 1975, A Filosofia de Andy Warhol afirmava: “Foi a América que atingiu a verdadeira democratização da sociedade, os consumidores ricos compram essencialmente a mesma coisa que os pobres. Podes ver TV e pensar, eu também posso beber uma Coca- Cola; o presidente bebe Coca-Cola, Liz Taylor bebe Coca-Cola (…). Todas as Coca-Colas são iguais e igualmente boas”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  33. 33. Warhol, Coca-Cola, serigrafia HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 33
  34. 34. Op Arte e a Arte Cinética HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 34
  35. 35. A Op Art (Optical Art) designa uma forma de arte que utiliza a ilusão ótica do movimento, ou seja o cinetismo; O termo cinético vem do grego Kinesis que significa movimento; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 35
  36. 36. Riley, August, 1995 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 36
  37. 37. Esta arte foi influenciada pelos construtivistas russos (Naum Gabo e Anton Pevsner, que criaram esculturas dinâmicas), pelo Futurismo e pelo Orfismo; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 37
  38. 38. Calder, Lagosta e cauda de peixe, Mobile Um dos primeiros artistas a conferir mobilidade às suas obras foi o escultor americano Alexander Calder (1898-1976) suspendendo no tecto estruturas metálicas de cores puras e formas orgânicas e ligadas por arames; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 38
  39. 39. Duchamp chamou “mobiles” a estas peças inspiradas na arte de Mondrian; O simples movimento do ar produzia movimento; Calder também realizou esculturas apoiadas no solo, que Jean Arp chamou “stabiles”, que produziam uma sensação dinâmica através da articulação entre forma, cor e movimento; Calder, Obus, 1972 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 39
  40. 40. Le Parc, Mobile Perpétuo, 1964, alumínio e madeira pintada A Op Art desenvolveu este espírito instável e dinâmico; Convocando a participação do espectador estas obras privilegiam os valores visuais sobre os expressivos, produzem efeitos e ilusões de ótica que geram sensação de movimento e provocam instabilidade percetiva; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 40
  41. 41. Riley, Cataract 3 As obras são abstratas e provocam no espectador sensação de vibração e agitação; O termo surgiu pela primeira vez na Time Magazine em 1964, mas as experiências decorrem desde os anos 30; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 41
  42. 42. Em 1965, a exposição The Responsive Eye, em Nova Iorque, foi determinante para a divulgação do estilo, impondo-se como alternativa à Pop Art; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 42
  43. 43. Vasarely, Veja 200, 1968, acrílico HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 43
  44. 44. A Op Art desenvolve-se em 4 tipologias principais: A do movimento real, produzido por motores ou manipulação do espectador; As que vivem dos efeitos e jogos de luzes e reflexos luminosos; As que são baseadas nas reações fisiológicas da perceção visual; As que com linhas e tramas sobrepostas provocam efeitos de ondulado; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 44
  45. 45. Soto, Grande Parede Panorâmica Vibrante, 1966 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 45
  46. 46. Principais artistas; Alexander Calder; Victor Vasarely (1908-1997); Bridget Riley (1931); Rafael Soto (1923); Le Parc (1928); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 46
  47. 47. Vasarely, Veja-Gyongly-2, 1971 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 47
  48. 48. A Arte-Acontecimento HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 48
  49. 49. Na década de 50 surgiram formas de arte efémeras que influenciados pelo futurismo, dadaísmo e surrealismo (provocação e desenraizamento do objeto) e pela Action Painting (a importância da ação), vão dar origem às artes performativas (Performance, Happening e Body Art): HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 49
  50. 50. O músico John Cage (1912-1992) e o coreógrafo Merce Cunningham (1919) desenvolveram experiências que conjugavam várias expressões artísticas: teatro, dança, música, vídeo, fotografia, etc.; O artista recorria ao corpo como alicerce e referência da sua intervenção, reduzindo-o à essência do projeto artístico; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 50 http://www.youtube.com/watch?v=gGHvnRtr3TI
  51. 51. O Happening não tem definição nem regras específicas, é uma manifestação artística que valoriza o ato criativo em detrimento da obra plástica; É um acontecimento que se desenvolve na presença de público, através dos seus gestos e atitudes o artista estabelece uma comunicação com o público; Happening Grupo Catalão de Paris, Ritual HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 51
  52. 52. 52 Vostel, 1963, Happening na cidade alemã de Wuppertal, com nove localizações diferentes Não é uma representação teatral, não tem um objetivo específico, não tem princípio, meio e fim (narrativa); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  53. 53. 53 Kaprow, Depósito, 1961, amontoado de pneus e outros materiais. O público circula livremente O Happening foi criado por Allan Kaprow (1927); Um facto e uma ação são descontextualizados à semelhança dos ready-made; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  54. 54. 54 Kaprow, Spring Happening, 1961 O Happening pretendeu chegar a um público vasto, que é ao mesmo tempo espectador e participante na criação; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  55. 55. Principais autores: Allan Kaprow, inventor do Happening, discípulo de J. Cage; Jiro Yoshihara (1905-1972) fundador do grupo Gutai; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 55
  56. 56. Beüys, Antes de sair do campo, Bomba de mel no local de trabalho HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 56
  57. 57. Wolf Vostel do grupo alemão Fluxus; Joseph Beüys (1921-1986) HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 57
  58. 58. Performance é uma atividade artística que se confunde com o Happening; A sua ação é de carácter único e irrepetível, esgota-se no ato de fazer; Os autores desenvolvem uma atividade baseada na expressão corporal; 58 Performance HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  59. 59. 59 Brus, Autodecoração, 1964, ação realizada em Viena HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  60. 60. 60 Nitsch, cena de uma performance Está presente a estética do espetáculo mas não se assemelha nem à dança nem ao teatro, servem-se das diferentes formas da atividade humana; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  61. 61. Os performers são na sua quase totalidade os artistas que se dedicam ao Happening (Kaprow e Beüys); Outros performers: Günter Brus; Hermann Nitsch; 61HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  62. 62. A Body Art confunde-se com o Happening e a Performance, desenvolve-se em ações de curta duração; O corpo é o protagonista, é utilizado como principal meio de expressão; Surgiu nos anos 60; 62 Body Art HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  63. 63. 63 Acconcci, Body art, 1971 O artista recorre ao corpo como suporte e referência da sua intervenção; Nesta arte estiveram incluídas ações muito variadas algumas levaram a práticas brutais de tipo sadomasoquista; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  64. 64. O grupo vienense (Günter Brus e Hermann Nitsch é conhecido pelas suas atuações violentas; Yves Klein, nos anos 60, executou uma série de ações que combinavam várias artes e a pintura de corpos nus que depois se imprimiam em telas; 64HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  65. 65. 65 Klein, Antropometrias HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  66. 66. 66 Klein, Antropometrias HCA, Módulo 10, Curso de Turismo
  67. 67. Klein, Sudário, 1961 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 67
  68. 68. Pólos de criação contemporânea Arte Conceptual HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 68
  69. 69. A Arte Conceptual iniciou-se nos anos 60 e implicou uma profunda revisão dos processos criativos; O mais importante é a ideia, o conceito, ou seja, a conceção do objeto mais do que a sua realização; Arte Conceptual Magritte, A Traição das Imagens,1929, obra surrealista demonstra um carácter conceptual, Magritte é um precursor da arte conceptual HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 69
  70. 70. Valoriza o processo mental e a reflexão sobre o trabalho, a teoria ocupa o lugar da prática; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 70
  71. 71. Kosuth, Uma e três cadeiras, 1966. Mostra três tipos de linguagem: a cadeira, a fotografia da cadeira e a definição de cadeira. O artista interroga-se acerca da relação que existe entre um objeto, a representação dele e a linguagem. HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 71
  72. 72. Kosuth, Luz eléctrica de néon, Inglês, Letras de vidro, 1966 Recorreu a referências e bases teóricas questionando: Os fundamentos da arte; A colocação da obra de arte na sociedade; O reconhecimento público do artista; Põe em causa a razão de existir e a função da arte; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 72
  73. 73. Arnatt, Autofuneral, 1969, fotografias sobre cartão Atribui à arte um papel de documento; Afirmam: “A arte é uma coisa mental, é reflexão filosófica desprovida de aplicação prática”; “O artista da sociedade multimédia e da era da informática trata exclusivamente de problemas filosóficos”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 73
  74. 74. Kosuth, Alinhamento, Transparente, Vidro, Quadrado, 1965, 4 quadrados de vidro (1mx1m) Este movimento inspirou-se em Magritte e Duchamp, no Abstraccionismo, na Action Paiting e no Informalismo; A arte é uma acção linguística como comunicação e formação do pensamento; Utilizaram suportes pouco comuns: fotografia, vídeo, documentos escritos, vidro, etc.; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 74
  75. 75. Principais artistas: Joseph Kosuth (1945); Hans Haacke (1936); Joseph Beüys (ligado ao Happening e à Instalação); Keith Arnatt; Denis Oppenheim (1938); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 75
  76. 76. Kosuth em 1966 escreveu um texto intitulado “A arte como ideia” onde coloca os princípios deste movimento e debate o papel do artista. Demonstra grandes conhecimentos de filosofia e estabelece ligações entre a linguagem e a perceção visual; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 76
  77. 77. Alguns destes artistas enveredaram por outras formas de arte como: a Instalação, a Minimal Art, a Arte Pobre e a Land Art; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 77
  78. 78. Manifestação artística ligada a preocupações ecológicas, questiona a arte como objeto comercial; Esta forma de arte é efémera, esgota-se no próprio ato de execução; Ligados à arte conceptual e com pontos de contacto com a Arte Pobre; Land Art HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 78
  79. 79. Christo, Jeanne-Claude, Reichstag Embrulhado, 1995 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 79
  80. 80. Christo, Jeanne-Claude, Guarda-sóis, 1984-91, Japão, EUA; Portões, 2005, Nova Iorque; Chapéus, 1991, Califórnia Dela ficam os registos da planificação, o registo fotográfico, fílmico ou digital quer da execução quer do trabalho final; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 80
  81. 81. Smithson, Spiral Jetty, 1970, Grande Lago, Utah Na maioria dos casos trata-se de uma manifestação interventiva na Natureza; Utiliza elementos naturais que se degradam e são absorvidos pela natureza ou elementos artificiais que se desmontam; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 81
  82. 82. Principais artistas: Robert Smithson (1938-1973); Denis Oppenheim (1938); Richard Long (1927-1974); Christo (1935) que trabalha em colaboração com a mulher Jeanne-Claude; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 82
  83. 83. Long, Círculo de Verão, 1991 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 83
  84. 84. Minimal Art foi o nome atribuído por Richard Wollheim, em 1965, à forma de arte que apelou à necessidade de recorrer aos elementos básicos e essenciais da matéria plástica; Decorre da Land Art, não utiliza a figuração e emprega um número mínimo de elementos plásticos e de cores e usam materiais industriais; Minimal Art HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 84
  85. 85. Judd, Sem título, aço inoxidável e alumínio Na sua maioria estas obras são tridimensionais, designando-se por “estruturas primordiais”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 85
  86. 86. Judd, Sem título, 1968, aço inoxidável e alumínio HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 86
  87. 87. Serra, Casa de Cartas, 1969, chumbo HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 87
  88. 88. Na pintura pode ser definida pela utilização de um número restrito de elementos, sendo por vezes constituídas por superfícies monocromáticas; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 88
  89. 89. LeWitt, Três cubos com uma metade – Fora, 1969 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 89
  90. 90. Principais artistas: Donald Judd (1928-1994); Richard Serra (1939); Carl Andre (1935); Robert Smithson e Christo (também ligados à Land Art); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 90
  91. 91. Decorrente da Arte Conceptual, a Instalação surge nos anos 70; Define-se como uma realização plástica que contempla a construção de cenários e ambientes, muitas vezes povoados por objetos do quotidiano; Instalação HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 91
  92. 92. Merz, Fibonacci Igloo, 1972 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 92
  93. 93. Flavin, Sem título, 1968, tubos de néon A sua expressão é complexa e é crítica em relação ao fenómeno artístico; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 93
  94. 94. Kippenberger, Instalação HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 94
  95. 95. O pendor crítico e satírico é revelado pelo carácter não comercial destas obras; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 95
  96. 96. Hoover, Movimento em qualquer direção, Instalação vídeo Nas décadas de 80 e 90 integrou as novas tecnologias: fotografia, vídeo, computador, para criar ambientes e narrativas com sons e imagens pluridirecionais; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 96
  97. 97. Plessi, Instalação vídeo, lajes de mármore, 43 monitores, 1987 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 97
  98. 98. Lafontaine, Vitória, 1988, instalação em madeira, 19 monitores HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 98
  99. 99. Principais artistas: Nam Hoover; Fabrizzio Plessi (1940); Martin Kippenberger (1953-1997); Marie Jo Lafontaine ; Peter Campus (1937); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 99
  100. 100. O Hiper-Realismo nasceu nos EUA, no final da década de 60, abrangeu a pintura e a escultura e propôs uma visão fotográfica na aproximação à realidade; Hiper-Realismo HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 100
  101. 101. Close, Autorretrato HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 101
  102. 102. Utilizou o recurso à máquina fotográfica e às técnicas de fotografia como fonte de informação e registo da realidade; Utilizou meios mecânicos para transportar as imagens para a tela (projeção de diapositivos e telas fotossensíveis); O Hiper-Realismo também é designado de Fotorrealismo; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 102
  103. 103. Blackwell, Motocicleta É uma expressão fria e impessoal, onde não estão patentes as emoções do artista; A pintura aparece sem marcas de individualidade, parecem fotografia de tamanho gigante; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 103
  104. 104. Hanson, esculturas, Mulher no supermercado, Turistas HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 104
  105. 105. Andrew Flack dizia: ”a Nikon tinha-se convertido no prolongamento dos seus olhos”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 105
  106. 106. Estes, Farmácia HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 106
  107. 107. Wood, Gótico Americano, HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 107
  108. 108. Eddy, Estacionamento privado III, 1971 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 108
  109. 109. Principais artistas: Chuck Close (1940); Don Eddy; Grant Wood; John Salt; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 109
  110. 110. O Hiper-Realismo teve algumas repercussões na Europa embora não significativas; Alguns artistas utilizaram a máquina fotográfica mas de maneiras diferentes; O novo interesse pela figuração está presente em grupos e artistas individuais de características muito diferentes; Nova Figuração ou Novo Realismo Europeu HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 110
  111. 111. Garcia, Lavabo e espelho, 1967 López Garcia (1936) representou temáticas variadas mas partindo da observação direta e não da representação fotográfica; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 111
  112. 112. Na Inglaterra pode-se destacar a figura de Lucien Freud (1922) pelo tratamento realista da figura humana com uma grande carga psicológica; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 112
  113. 113. Freud, Retrato da mãe do artista descansando, 1976 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 113
  114. 114. Freud, Ronald Regan, Mulher nua HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 114
  115. 115. Francis Bacon (1909-1992) a sua obra tem uma temática figurativa, o principal assunto é a figura humana distorcida em relação ao original; Usa uma técnica expressionista e já foi rotulado de “realista surreal”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 115
  116. 116. Bacon, autorretrato HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 116
  117. 117. Bacon, estudo para auto-retrato HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 117
  118. 118. Rego, Lessons, 1999 Neste movimento também pode ser integrada a pintora portuguesa Paula Rego (1935); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 118
  119. 119. A transvanguarda nasceu na década de 80, é o mais recente movimento de características figurativas; É considerado uma metamorfose do Expressionismo e é a primeira manifestação pós- moderna; Transvanguarda italiana HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 119
  120. 120. Chia, Homem de Azul A sua designação foi-lhe atribuída pelo crítico Achille Oliva classificando-a como “instrumento de transição, de passagem, de uma obra para outra, e de um estilo para outro (…) tem uma atitude inconstante, revertendo todas as linguagens artísticas do passado”; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 120
  121. 121. Clemente, Fogo HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 121
  122. 122. Clemente, Fortuna, 1982 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 122
  123. 123. Principais artistas: Sandro Chia (1946); Enzo Cuchi (1952); Francesco Clemente (1952); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 123
  124. 124. A Abstracção pós-pictórica nasceu nos EUA, nos anos 60, no auge da Pop Art, como ela é marcada pela impessoalidade e uma certa frieza; Abstração pós-pictórica HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 124
  125. 125. Stella, sem título HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 125
  126. 126. Kelly, Azul Vermelho, 1965 É uma arte estruturalista, a forma ou a estrutura foram o único veículo de significação; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 126
  127. 127. Stella, Six Mile Bottom, 1960 Foi uma pintura de tipo geométrico, restringe-se à bidimensionalidade da tela, procura a pureza plástica; Muitos dos seus autores enveredaram, mais tarde, por uma arte minimalista; HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 127
  128. 128. Principais artistas: Frank Stella (1936); Ellsworth Kelly (1923); Kenneth Noland (1924); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 128
  129. 129. Noland, Zona Tropical, 1964 Stella, Quathlamba, 1964 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 129
  130. 130. Decorrente deste abstracionismo de tipo geométrico são de referir alguns autores mais recentes: Helmut Federle (1944); Peter Halley (1953); Philip Taaffe (1955); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 130
  131. 131. Federle, Sem título HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 131
  132. 132. Halley, Seis Cores na Prisão HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 132
  133. 133. Taaffe, sem título HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 133
  134. 134. A Arte Povera nasceu em Itália em 1967 com a publicação do manifesto do crítico de arte italiano Germano Celant; É uma forma de arte constituída por formas artísticas variadas, pouco definidas, o ponto comum é a sua elaboração com materiais pobres, já usados e desgastados; Arte Pobre HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 134
  135. 135. Pistoletto, Vénus de Trapos HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 135
  136. 136. Esta forma de arte teve muitos adeptos em Itália: Michelangelo Pistoletto; Mario Merz (1925); Piero Manzoni (1933-63); Jannis Kounellis (1936); HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 136
  137. 137. Manzoni, Artist’s Shit HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 137
  138. 138. Kounellis, sem título, 1975 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 138
  139. 139. Merz, Que Fazer?, 1968 Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011 HCA, Módulo 10, Curso de Turismo 139

×