SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
A mortalidade neonatal precoce pode ser reduzida pela
adoção de boas práticas no parto e nascimento.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Objetivos:
• Apresentar as boas práticas e seus benefícios no parto e nascimento
que protegem o recém nascido de baixo risco.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
• O cuidado e a adoção de boas práticas ao recém nascido começa antes do nascimento.
• O cuidado prestado à parturiente tem grande impacto nas condições de nascimento do
bebê.
• O binômio Mãe-Bebê deve ser considerado em todas as ações e em todos os períodos
clínicos do processo parto e nascimento.
• Os profissionais e instituições devem se comprometer com a atualização e
implementação das boas práticas disponíveis.
Introdução
IOM,1990
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
1. Acolhimento com Classificação de Risco
2. Partograma preenchido em tempo real
3. Boas práticas de atenção
4. Presença do Acompanhante
5. Liberdade de posição e incentivo à posições verticalizadas no parto
6. Clampeamento Tardio do Cordão Umbilical
7. Recepção do RN de baixo risco com avaliação inicial sobre o ventre materno
8. Contato Pele a Pele imediato e ininterrupto entre mãe e bebê
9. Aleitamento Materno
10. Evitar Separações Desnecessárias
11. Alojamento Conjunto
Práticas importantes no parto e nascimento de baixo risco:
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Processo dinâmico de identificação das usuárias que precisam de atendimento/tratamento,
conforme o risco, a emergência e grau de urgência identificado, visando a priorização do
atendimento.
Benefícios:
• Priorizar o atendimento da mulher gestante ou parturiente, conforme critérios de
classificação de risco;
• Acolher de forma individualizada, solidária e empática as mulheres que chegam à
maternidade com alguma queixa, dúvida ou necessidade;
• Fortalecer o atendimento humanizado.
1. Acolhimento com Classificação de Risco
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
2. Partograma Preenchido em Tempo Real
Representação gráfica do trabalho de parto que permite
acompanhar sua evolução, documentar, diagnosticar alterações e
indicar a tomada de condutas apropriadas para a correção destes
desvios, ajudando ainda a evitar intervenções desnecessárias2.
Benefícios:
• Reduz a medicalização e intervenções desnecessárias que
afetam a vitalidade do feto;
• Sistematiza a assistência;
• Possibilita o cuidado individualizado.
Banco de Imagens Parto Seguro CEJAM
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
3. Boas Práticas de Atenção
As condutas humanizadas que promovem
bem estar materno e fetal são:
• Privacidade
• Dieta livre
• Liberdade de posição no trabalho de parto
• Acesso a métodos não farmacológicos de alívio da dor como: banho
terapêutico, deambulação, exercícios com bola, respiração,
concentração/imaginação, massagem, musicoterapia, aromaterapia e
acupressão.
Banco de Imagens CEJAM
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
4. Presença do Acompanhante
A Lei Federal nº 11.108, de 07 de abril de 2005, garante às
parturientes o direito à presença de acompanhante de livre de
escolha da mulher no acolhimento, no trabalho de parto, parto e
pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Banco de Imagens CEJAM
Segundo esta lei, o acompanhante não é apenas o companheiro legal, e sim qualquer pessoa
escolhida pela parturiente.
Benefícios: Traz segurança à mulher e apoio emocional. Proporciona vínculo entre a mãe e o
recém-nascido e a família, pois tem parte efetiva na história de vida da criança.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
5. Liberdade de Posição
Banco de Imagens CEJAM
Possibilidade de escolha da posição de parto e incentivo às
posições verticais, com foco na melhor condição materna e fetal.
Benefícios:
• Melhorar oxigenação materno-fetal com nascimento de um
bebê vigoroso;
• Reduz intervenções não recomendadas como kristeller, puxos
dirigidos e reduz traumas perineais;
• Favorece interação da mãe com seu filho.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Para o recepção do recém nascido, o setor de
realização de partos deve ter infra estrutura
necessária para reanimação de todo recém nascido,
com:
• Quarto PPP com controle de temperatura;
• Material para aspiração;
• Material para ventilação;
• Material para intubação traqueal;
• Medicações;
• Material para cateterismo umbilical7.
Banco de Imagens CEJAM
Todo bebê deve ser atendido da
melhor forma possível no minuto
inicial de vida, de acordo com as
evidências científicas disponíveis.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Perguntas a serem respondidas no momento antes do
parto:
• Gestação a termo?
• Respirando ou chorando?
• Tônus muscular em flexão?
Sim
Banco de Imagens CEJAM
Cuidados de rotina junto à mãe.
Se a resposta for não às 3 perguntas iniciais, o RN
deve ser reanimado conforme protocolo da
Sociedade Brasileira de Pediatria7.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
6. Clampeamento Tardio do Cordão Umbilical
Cuidados para o clampeamento tardio/oportuno do cordão
umbilical:
O RN a termo com boa vitalidade deve ser posicionado sobre
o abdome materno ou ao nível da placenta, secado e o
cordão deve ser clampeado após parar de pulsar
(aproximadamente entre um a três minutos após o
nascimento).8 Banco de Imagens CEJAM
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Benefícios: Três metanálises recentes com vários ensaios
clínicos randomizados, além de um estudo nacional,
concluíram que:
“o clampeamento em tempo oportuno do cordão umbilical é
benéfico em comparação ao clampeamento imediato com
relação aos índices hematológicos na idade de 3 a 6 meses.9”
Ajuda alcançar o 4 passo da IHAC10 .
Banco de Imagens CEJAM
6. Clampeamento Tardio do Cordão Umbilical
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
7. Recepção do RN de baixo risco com avaliação inicial sobre o ventre materno
No quarto de parto, após a primeira hora do nascimento, ou a qualquer momento se necessário, deve ser feito
um exame físico sumário do RN, que, dependendo das condições da mãe e do bebê, pode ser feito com o bebê
sobre o corpo da mãe.
BancodeImagensCEJAM
Os cuidados junto à mãe tem o objetivo de evitar perda de calor; manter vias
aéreas pérvias e avaliar frequência cardíaca e respiração continuamente.
Esse exame é necessário a fim de determinar as condições respiratórias,
cardiocirculatórias e malformações grosseiras7.
Benefícios: Proporcionar o contato pele a pele e o início do aleitamento na
primeira hora de vida.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
8. Contato Pele a Pele
“Colocar os bebês em contato pele a
pele com suas mães imediatamente
após o parto e mantê-los por pelo
menos uma hora, encorajar as mães a
reconhecer sinais de que o bebê quer
mamar e oferecer ajuda se necessário”,
é o passo 4 da Iniciativa Hospital Amigo
da Criança10.
Banco de Imagens CEJAM
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
8. Contato Pele a Pele
Para o contato pele a pele imediatamente após o nascimento, o RN poderá ser mantido
sobre o abdome e/ou tórax materno, usando o corpo da mãe como fonte de calor,
garantindo que o posicionamento permita movimentos respiratórios efetivos11.
Benefícios:
• Reduz o risco de hipotermia em RNs a termo que nascem com respiração espontânea e
que não necessitam de ventilação, desde que cobertos com campos preaquecidos.
• Permite iniciar a amamentação;
• Permite a colonização de bactérias do RN com flora materna.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
9. Aleitamento Materno
A Organização Mundial da Saúde recomenda que o
Aleitamento Materno seja iniciado na primeira hora de vida10.
Benefícios:
A amamentação na primeira hora de vida está associada à:
• Menor mortalidade neonatal;
• Maior período de amamentação;
• Melhor interação mãe-bebê;
• Menor risco de hemorragia materna.
Banco de Imagens CEJAM
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
10. Evitar Separações Desnecessárias
A fim de se evitar separações desnecessárias entre o binômio, é importante reduzir ao
estritamente necessário os procedimentos realizados no pós-parto imediato, quando se
tratar de um bebê de baixo risco11.
Podem ser adiados:
• Prevenção da oftalmia gonocócica pelo método de Credé: realizar após 1 hora de
nascimento;
• Antropometria: Realizar exame físico simplificado, com medição de peso, comprimento e
os perímetros cefálico, torácico e abdominal após 1 hora de nascimento.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Banco de Imagens CEJAM
Outros procedimentos:
• Prevenção do sangramento por deficiência de vitamina
K: realizar após 1 hora de nascimento.
• Identificação do RN – colocar pulseiras no RN ainda
sobre o ventre materno;
• Banho do RN – deve ser feito após 6h de vida, sem a
retirada do vernix caseoso que promove melhor
hidratação da pele do bebê.
Benefícios: Possibilitar o contato pele a pele e o
aleitamento materno na primeira hora de vida.
10. Evitar Separações Desnecessárias
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
11. Alojamento Conjunto
Manutenção da Mãe e RN no mesmo quarto desde o parto
até o momento da alta11.
Benefícios:
• Promove a interação e estimula o vínculo mãe-bebê;
• Proporciona aprendizagem de cuidados ao RN;
• Promove o aleitamento materno exclusivo por livre demanda;
• Possibilita a resolução de problemas iniciais da amamentação
que surgirem ainda durante a internação.
Banco de Imagens CEJAM
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Banco de Imagens CEJAM
• Antes da alta a puérpera deverá ser encaminhada para a rede
básica de saúde para inicio do atendimento de puericultura.
• A mãe deve ser orientada antes da alta quanto ao local de
apoio a amamentação que deverá procurar caso observe
problemas na amamentação, ou outros problemas
relacionados ao binômio.
• A equipe de saúde deve ser periodicamente orientada quanto
a utilização das boas práticas evidenciadas, para possibilitar a
redução da taxa de mortalidade10.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
As ações dos profissionais de saúde no pós-parto imediato em
relação aos cuidados prestados ao recém-nascido podem
interferir na aproximação precoce entre a mãe e o bebê, e
deve ser estimulado o vínculo entre o binômio.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL
Referências
1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas,
Departamento de Atenção Hospitalar e Urgência. Brasília : Ministério da Saúde, 2017. 64 p. : il.
2. BASILE A.L.O, MIYASHITA N.T. Partograma humanizado e sua aplicação. IN: PROENF: Saúde Materna e Neonatal. Programa de Atualização em Enfermagem / Associação Brasileira de
Enfermagem; Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras. Porto Alegre: Artmed p.121 - 49, 2011.
3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de
assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e
Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017
4. BRASIL. Lei n. 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei n. 8080, de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto,
parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde/SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 8 abr. 2005. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm>. Acesso em 13 mar. 2012.
5. Cruz DCS, Symam NS, Spíndola T. Os cuidados imediatos prestados ao recém-nascido e a promoção do vínculo mãe-bebê. Rev Esc Enferm USP 2007; 41(4):690-7
6. SCHIRMER, J.; FUSTINONI, S. M.; BASILE, A. L. O. Perineal outcomes on the left lateral versus vertical semisitting birth positions: a randomized study. Acta Paul. Enferm., v.24, n.6, p.
745-50, 2011.
7. Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria 26 de janeiro de 2016 Texto disponível em:
www.sbp.com.br/reanimacao
8. Vain N. E. Em tempo: como e quando deve ser feito o clampeamento do cordão umbilical: será que realmente importa? Rev Paul Pediatr. 2015;33(3):258---259.
9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido : guia para os profissionais de saúde
/ Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.v4 il.
10. UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. INICIATIVA HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado: Módulo 3: promovendo e
incentivando a amamentação em um Hospital Amigo da Criança: Curso de 20 horas para Equipes de Maternidade. Fundo das Nações Unidas para a Infância, Organização Mundial da
Saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 276 p.
11. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Além da sobrevivência: Práticas integradas de atenção ao parto,
benéficas para a nutrição e a saúde de mães e crianças. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde / MS. Brasília, 2011.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 28 de agosto de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO
DE RISCO HABITUAL

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaProfessor Robson
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherEnfº Ícaro Araújo
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno blogped1
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto tvf
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Riscochirlei ferreira
 
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesarianatvf
 

Mais procurados (20)

A Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejoA Dor no Parto: significados e manejo
A Dor no Parto: significados e manejo
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
 
Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodosCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
 
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
preparação parto
preparação partopreparação parto
preparação parto
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Parto
PartoParto
Parto
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Cesariana
CesarianaCesariana
Cesariana
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
 

Semelhante a Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual

AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxEduardoFatdukbrGonal
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptxNatasha Louise
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Neto Pontes
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoRebeca - Doula
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdfANA FONSECA
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxDokiNorkis
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxWellingtonTeixeira24
 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEpamelacastro71
 

Semelhante a Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual (20)

cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
 
Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?
 
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento ConjuntoPromoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDOMANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
 
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peitoO leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
 
Recem nascido
Recem nascidoRecem nascido
Recem nascido
 
Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e parto
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
 
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.pptALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
 
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatalSegurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
 
Contato Pele a Pele na Cesárea
Contato Pele a Pele na CesáreaContato Pele a Pele na Cesárea
Contato Pele a Pele na Cesárea
 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (7)

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 

Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL A mortalidade neonatal precoce pode ser reduzida pela adoção de boas práticas no parto e nascimento.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Objetivos: • Apresentar as boas práticas e seus benefícios no parto e nascimento que protegem o recém nascido de baixo risco.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL • O cuidado e a adoção de boas práticas ao recém nascido começa antes do nascimento. • O cuidado prestado à parturiente tem grande impacto nas condições de nascimento do bebê. • O binômio Mãe-Bebê deve ser considerado em todas as ações e em todos os períodos clínicos do processo parto e nascimento. • Os profissionais e instituições devem se comprometer com a atualização e implementação das boas práticas disponíveis. Introdução IOM,1990
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 1. Acolhimento com Classificação de Risco 2. Partograma preenchido em tempo real 3. Boas práticas de atenção 4. Presença do Acompanhante 5. Liberdade de posição e incentivo à posições verticalizadas no parto 6. Clampeamento Tardio do Cordão Umbilical 7. Recepção do RN de baixo risco com avaliação inicial sobre o ventre materno 8. Contato Pele a Pele imediato e ininterrupto entre mãe e bebê 9. Aleitamento Materno 10. Evitar Separações Desnecessárias 11. Alojamento Conjunto Práticas importantes no parto e nascimento de baixo risco:
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Processo dinâmico de identificação das usuárias que precisam de atendimento/tratamento, conforme o risco, a emergência e grau de urgência identificado, visando a priorização do atendimento. Benefícios: • Priorizar o atendimento da mulher gestante ou parturiente, conforme critérios de classificação de risco; • Acolher de forma individualizada, solidária e empática as mulheres que chegam à maternidade com alguma queixa, dúvida ou necessidade; • Fortalecer o atendimento humanizado. 1. Acolhimento com Classificação de Risco
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 2. Partograma Preenchido em Tempo Real Representação gráfica do trabalho de parto que permite acompanhar sua evolução, documentar, diagnosticar alterações e indicar a tomada de condutas apropriadas para a correção destes desvios, ajudando ainda a evitar intervenções desnecessárias2. Benefícios: • Reduz a medicalização e intervenções desnecessárias que afetam a vitalidade do feto; • Sistematiza a assistência; • Possibilita o cuidado individualizado. Banco de Imagens Parto Seguro CEJAM
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 3. Boas Práticas de Atenção As condutas humanizadas que promovem bem estar materno e fetal são: • Privacidade • Dieta livre • Liberdade de posição no trabalho de parto • Acesso a métodos não farmacológicos de alívio da dor como: banho terapêutico, deambulação, exercícios com bola, respiração, concentração/imaginação, massagem, musicoterapia, aromaterapia e acupressão. Banco de Imagens CEJAM
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 4. Presença do Acompanhante A Lei Federal nº 11.108, de 07 de abril de 2005, garante às parturientes o direito à presença de acompanhante de livre de escolha da mulher no acolhimento, no trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Banco de Imagens CEJAM Segundo esta lei, o acompanhante não é apenas o companheiro legal, e sim qualquer pessoa escolhida pela parturiente. Benefícios: Traz segurança à mulher e apoio emocional. Proporciona vínculo entre a mãe e o recém-nascido e a família, pois tem parte efetiva na história de vida da criança.
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 5. Liberdade de Posição Banco de Imagens CEJAM Possibilidade de escolha da posição de parto e incentivo às posições verticais, com foco na melhor condição materna e fetal. Benefícios: • Melhorar oxigenação materno-fetal com nascimento de um bebê vigoroso; • Reduz intervenções não recomendadas como kristeller, puxos dirigidos e reduz traumas perineais; • Favorece interação da mãe com seu filho.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Para o recepção do recém nascido, o setor de realização de partos deve ter infra estrutura necessária para reanimação de todo recém nascido, com: • Quarto PPP com controle de temperatura; • Material para aspiração; • Material para ventilação; • Material para intubação traqueal; • Medicações; • Material para cateterismo umbilical7. Banco de Imagens CEJAM Todo bebê deve ser atendido da melhor forma possível no minuto inicial de vida, de acordo com as evidências científicas disponíveis.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Perguntas a serem respondidas no momento antes do parto: • Gestação a termo? • Respirando ou chorando? • Tônus muscular em flexão? Sim Banco de Imagens CEJAM Cuidados de rotina junto à mãe. Se a resposta for não às 3 perguntas iniciais, o RN deve ser reanimado conforme protocolo da Sociedade Brasileira de Pediatria7.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 6. Clampeamento Tardio do Cordão Umbilical Cuidados para o clampeamento tardio/oportuno do cordão umbilical: O RN a termo com boa vitalidade deve ser posicionado sobre o abdome materno ou ao nível da placenta, secado e o cordão deve ser clampeado após parar de pulsar (aproximadamente entre um a três minutos após o nascimento).8 Banco de Imagens CEJAM
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Benefícios: Três metanálises recentes com vários ensaios clínicos randomizados, além de um estudo nacional, concluíram que: “o clampeamento em tempo oportuno do cordão umbilical é benéfico em comparação ao clampeamento imediato com relação aos índices hematológicos na idade de 3 a 6 meses.9” Ajuda alcançar o 4 passo da IHAC10 . Banco de Imagens CEJAM 6. Clampeamento Tardio do Cordão Umbilical
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 7. Recepção do RN de baixo risco com avaliação inicial sobre o ventre materno No quarto de parto, após a primeira hora do nascimento, ou a qualquer momento se necessário, deve ser feito um exame físico sumário do RN, que, dependendo das condições da mãe e do bebê, pode ser feito com o bebê sobre o corpo da mãe. BancodeImagensCEJAM Os cuidados junto à mãe tem o objetivo de evitar perda de calor; manter vias aéreas pérvias e avaliar frequência cardíaca e respiração continuamente. Esse exame é necessário a fim de determinar as condições respiratórias, cardiocirculatórias e malformações grosseiras7. Benefícios: Proporcionar o contato pele a pele e o início do aleitamento na primeira hora de vida.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 8. Contato Pele a Pele “Colocar os bebês em contato pele a pele com suas mães imediatamente após o parto e mantê-los por pelo menos uma hora, encorajar as mães a reconhecer sinais de que o bebê quer mamar e oferecer ajuda se necessário”, é o passo 4 da Iniciativa Hospital Amigo da Criança10. Banco de Imagens CEJAM
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 8. Contato Pele a Pele Para o contato pele a pele imediatamente após o nascimento, o RN poderá ser mantido sobre o abdome e/ou tórax materno, usando o corpo da mãe como fonte de calor, garantindo que o posicionamento permita movimentos respiratórios efetivos11. Benefícios: • Reduz o risco de hipotermia em RNs a termo que nascem com respiração espontânea e que não necessitam de ventilação, desde que cobertos com campos preaquecidos. • Permite iniciar a amamentação; • Permite a colonização de bactérias do RN com flora materna.
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 9. Aleitamento Materno A Organização Mundial da Saúde recomenda que o Aleitamento Materno seja iniciado na primeira hora de vida10. Benefícios: A amamentação na primeira hora de vida está associada à: • Menor mortalidade neonatal; • Maior período de amamentação; • Melhor interação mãe-bebê; • Menor risco de hemorragia materna. Banco de Imagens CEJAM
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 10. Evitar Separações Desnecessárias A fim de se evitar separações desnecessárias entre o binômio, é importante reduzir ao estritamente necessário os procedimentos realizados no pós-parto imediato, quando se tratar de um bebê de baixo risco11. Podem ser adiados: • Prevenção da oftalmia gonocócica pelo método de Credé: realizar após 1 hora de nascimento; • Antropometria: Realizar exame físico simplificado, com medição de peso, comprimento e os perímetros cefálico, torácico e abdominal após 1 hora de nascimento.
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Banco de Imagens CEJAM Outros procedimentos: • Prevenção do sangramento por deficiência de vitamina K: realizar após 1 hora de nascimento. • Identificação do RN – colocar pulseiras no RN ainda sobre o ventre materno; • Banho do RN – deve ser feito após 6h de vida, sem a retirada do vernix caseoso que promove melhor hidratação da pele do bebê. Benefícios: Possibilitar o contato pele a pele e o aleitamento materno na primeira hora de vida. 10. Evitar Separações Desnecessárias
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL 11. Alojamento Conjunto Manutenção da Mãe e RN no mesmo quarto desde o parto até o momento da alta11. Benefícios: • Promove a interação e estimula o vínculo mãe-bebê; • Proporciona aprendizagem de cuidados ao RN; • Promove o aleitamento materno exclusivo por livre demanda; • Possibilita a resolução de problemas iniciais da amamentação que surgirem ainda durante a internação. Banco de Imagens CEJAM
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Banco de Imagens CEJAM • Antes da alta a puérpera deverá ser encaminhada para a rede básica de saúde para inicio do atendimento de puericultura. • A mãe deve ser orientada antes da alta quanto ao local de apoio a amamentação que deverá procurar caso observe problemas na amamentação, ou outros problemas relacionados ao binômio. • A equipe de saúde deve ser periodicamente orientada quanto a utilização das boas práticas evidenciadas, para possibilitar a redução da taxa de mortalidade10.
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL As ações dos profissionais de saúde no pós-parto imediato em relação aos cuidados prestados ao recém-nascido podem interferir na aproximação precoce entre a mãe e o bebê, e deve ser estimulado o vínculo entre o binômio.
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL Referências 1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas, Departamento de Atenção Hospitalar e Urgência. Brasília : Ministério da Saúde, 2017. 64 p. : il. 2. BASILE A.L.O, MIYASHITA N.T. Partograma humanizado e sua aplicação. IN: PROENF: Saúde Materna e Neonatal. Programa de Atualização em Enfermagem / Associação Brasileira de Enfermagem; Associação Brasileira de Obstetrizes e Enfermeiros Obstetras. Porto Alegre: Artmed p.121 - 49, 2011. 3. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal: versão resumida [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017 4. BRASIL. Lei n. 11.108, de 7 de abril de 2005. Altera a Lei n. 8080, de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde/SUS. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 8 abr. 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11108.htm>. Acesso em 13 mar. 2012. 5. Cruz DCS, Symam NS, Spíndola T. Os cuidados imediatos prestados ao recém-nascido e a promoção do vínculo mãe-bebê. Rev Esc Enferm USP 2007; 41(4):690-7 6. SCHIRMER, J.; FUSTINONI, S. M.; BASILE, A. L. O. Perineal outcomes on the left lateral versus vertical semisitting birth positions: a randomized study. Acta Paul. Enferm., v.24, n.6, p. 745-50, 2011. 7. Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto: Diretrizes 2016 da Sociedade Brasileira de Pediatria 26 de janeiro de 2016 Texto disponível em: www.sbp.com.br/reanimacao 8. Vain N. E. Em tempo: como e quando deve ser feito o clampeamento do cordão umbilical: será que realmente importa? Rev Paul Pediatr. 2015;33(3):258---259. 9. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-nascido : guia para os profissionais de saúde / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.v4 il. 10. UNICEF. Fundo das Nações Unidas para a Infância. INICIATIVA HOSPITAL AMIGO DA CRIANÇA: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado: Módulo 3: promovendo e incentivando a amamentação em um Hospital Amigo da Criança: Curso de 20 horas para Equipes de Maternidade. Fundo das Nações Unidas para a Infância, Organização Mundial da Saúde. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 276 p. 11. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Além da sobrevivência: Práticas integradas de atenção ao parto, benéficas para a nutrição e a saúde de mães e crianças. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde / MS. Brasília, 2011.
  • 25. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 28 de agosto de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. CUIDADO AO PARTO E NASCIMENTO DE RISCO HABITUAL