SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Aiko O. Contiero RA:1299857465
Cristina Apolinário RA: 4200080418
Daiane Gomes Ferreira RA: 1299867639
Dulce Braga de Sousa RA: 4209800362
Edilaine da S.R. Carvalho RA: 3774763943
Maisa Vieira Tangerino RA: 4251869173
Roseli Dias de Vasconcelos RA: 3730695462
Disciplina: Processo do Cuidar III
Docente: Aleixo
• NASCIMENTO: processo pelo qual o concepto vivo ou morto,
é expulso ou extraído da mãe, independente da idade
gestacional.
• RN: recém-nascido, neonato ou recém-nato, é a criança do
nascimento até o 28° dia.
• NEONATOLOGIA: ramo da pediatria que se especializou no
RN: Neo+:novo Nato+:nascido Logia:estudo.
DEFINIÇÕES
CLASSIFICAÇÃO DO RN
IDADE GESTACIONAL
• RN á Termo ou Normal: é toda criança nascida de uma
gestação entre 38 a 42 semanas de gestação.
• RN Prematuro: é toda criança nascida de uma gestação
entre 28 a 37 semanas de gestação.
• RN Posmaturo: é toda criança nascida de uma gestação
com mais de 42 semanas de gestação.
PESO AO NASCER
• A.I.G (Adequado para a Idade Gestacional): peso > 2,5
a 4 Kg;
• P.I.G (Pequeno para a Idade Gestacional): peso igual ou
inferior a 2,5 Kg;
• G.I.G (Grande para a Idade Gestacional): peso igual ou
superior a 4 Kg.
CLASSIFICAÇÃO DO RN
SINAIS VITAIS DO RN
• Temperatura: 36 a 36.5ºc
• Frequência respiratória: 30 a 40 rpm
• Frequência cardíaca: 80 a 170 (normal 140) bpm
• Pressão arterial: 75 /50 mmHg
EQUIPAMENTOS E MATERIAIS
• São necessários para a realização segura e eficiente do exame
físico do RN equipamentos e materiais individuais
(termômetro, estetoscópio) e coletivos (Monitor
cardiorrespiratório, monitor de P.A, oxímetro de pulso, fita
métrica ou régua antropométrica, balança neonatal).
CUIDADOS IMEDIATOS AO RN
• Secagem e Aquecimento: Colocar o RN sob fonte de calor
radiante, secá-lo e remover os campos úmidos.
• Desobstrução das VAS: promoção de limpeza e manutenção da
respiração.
• Pinçamento e Secção do Cordão Umbilical: clampear 6 a 8 cm do
abdome e realizar curativo com álcool 70%;
• Credeização: Instila-se 1 gota de Nitrato de Prata a 1% nos olhos,
na vagina e/ou pênis do RN a fim de evitar oftalmia gonocócica,
transmitida verticalmente.
• Identificação do RN: Dados e pulseira/ esparadrapo no antebraço
e tornozelo.
• Utilizada mundialmente p/ avaliar a vitalidade e o grau de
asfixia.
• Deve ser realizado no 1º e 5º minuto de vida, se persistir
baixa nota de avaliação deve ser repetido no 10º minuto .
• O mais importante dado é o batimento cardíaco, e o menos
relevante é a cor da pele.
ESCALA DE APGAR
SIGNIFICADOS DAS NOTAS OBTIDAS NA AVALIAÇÃO DE APGAR:
0 A 3- ASFIXIA GRAVE
4 A 6- ASFIXIA MODERADA
7 A 10- BOA VITALIDADE, BOA ADAPTAÇÃO.
CUIDADOS MEDIATOS AO RN
• Higiene: O banho é realizado aproximadamente 6 horas ou
mais após o nascimento;
• Administração de Vitamina K: 1mg por via IM;
• Curativo do Coito Umbilical: solução antisséptica (álcool 70%);
• Medidas Antropométricas: Peso X Altura;
• Imunização BCG: Realizar antes da alta hospitalar se RN
apresentar peso igual ou superior a 2 Kg.
ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM
• Registrar, na ficha do recém-nascido, sua
impressão plantar e digital do polegar direito
da mãe;
• Em partos múltiplos a ordem de nascimento
deverá ser especificada nas pulseiras através
de números (1,2,3,4 etc.) após o nome da
mãe;
• Preencher a ficha do recém-nascido com os
dados referentes ás condições de
nascimento, hora e data do parto.
EXAME FÍSICO DO RN
O crânio tem 6 ossos: 1 frontal, 1 occipital, 2 parietais e 2
temporais. Sua forma mais comum é a ovóide, mas ao passar
pelo canal vaginal pode sofrer alterações:
Cavalgamento: superposição dos ossos.
Caput- Succedanuem: edema dos tecidos moles do couro
cabeludo.
Cefalohematoma: hemorragia com acúmulo de sangue entre
periósteo e o osso.
Crânio
Fontanelas: Espaços cartilaginosos quadriláteros encontrados
na Cabeça através da palpação. As principais são:
• Bregma ou Bregmática ou Anterior: se fecha por volta de 18
meses.
• Lâmbda ou Lambdóide ou Posterior: se fecha por volta de 4
meses.
Face: Todo o RN pode apresentar a face edemacia, com
manchas, em consequência do trabalho de parto, regredindo
espontaneamente.
• Face assimétrica: face desigual devido a uma posição
desigual na vida fetal.
• Millium Facial ou sebáceo: pequenos pontos brancos na
região frontal e nasal (1º mês).
• Estrabismo: o RN não consegue coordenar o globo ocular,
podendo persistir até o 6º mês.
Pele: Os recém-nascidos de cor branca são rosados e os de cor
preta tendem para o avermelhado.
• Vérnix Caseoso: secreção normal da pele, rica em
glicoproteínas, colesterina, ferro e albumina.
• Icterícia Fisiológica: surge após 48 horas e tem como causa a
imaturidade das células hepáticas.
• Mancha Mongólica: mancha de forma irregular e de
coloração azulada, que desaparece por volta dos 10 anos.
• Descamação Fisiológica: descamações mais comuns no
abdome, mãos e pés.
• Lanugem: pelos finos e ralos, localizados na face, orelhas,
dorso, MMSS, MMII, desaparecendo por volta do 1º mês.
Orelhas: observar forma, tamanho, simetria, implantação e
papilomas pré-auriculares.
Nariz: observar forma; permeabilidade mediante a oclusão da
boca e de cada narina separadamente e a presença de
secreção serossanguinolenta.
Boca: observar conformação do palato; a presença de fenda
palatina; o desvio da labial que pode ser associado á paralisia
facial por traumatismo de parto; visualizar a úvula e avaliar
tamanho da língua.
Pescoço: curto e com mobilidade. Por volta dos 3 meses, há
sustentação.
Tórax: é cilíndrico, torna-se assimétrico quando há
malformações de coração, pulmões, colunas ou arcabouço
costal.
Abdome: inspeção (abdome flácido).
Pulmões: a respiração é abdominal e a frequência respiratória
média é de 40 movimentos no RN de termo e até 60, no
prematuro.
Exame Cardiovascular: frequência cardíaca varia entre 120 a
160 batimentos por minuto.
Exame Neurológico: compreende a observação da atitude,
reatividade, choro, tônus, movimentos e reflexos dos recém-
nascidos.
Genitália:
Masculina- a fimose é fisiológica ao nascimento.
Feminina- pode haver secreção esbranquiçada nos primeiros dias.
CONCLUSÃO
• É dever do enfermeiro sanar dúvidas quanto eliminações e
demartites de fraldas, sono, choro, medidas de higiene,
curativo do coto umbilical e avaliação de temperatura,
aleitamento materno e prevenção de acidentes em casa. Para
tanto, é fundamental que o enfermeiro seja um profundo
conhecedor das características anátomo-fisiológicas e das
necessidades básicas do RN e ser capaz de reconhecer os
sinais clínicos, apurando seus sentidos e sua técnica de exame,
sempre de acordo com os princípios gerais da semiologia.
REFERÊNCIAS
BRASIL, Secretaria de Atenção à Saúde, Atenção à Saúde do recém-nascido.
Ministério da Saúde. Disponível em:
<http://www.redeblh.fiocruz.br/media/arn_v1.pdf > Brasília, DF, 2011.
CALIF, VMLT. Caracterização do recém-nascido. In: LEONE, CR e TRONCHIN,
DMR. Assistência integrada ao recém-nascido. São Paulo: Atheneu, 1996.
Disponível em:<http://www.webartigos.com/artigos/enfermagem-atuando-
no-exame-fisico-do-recem-nascido/60968/#ixzz2g7IgrImn> Acessado em 23
de setembro.
MORGATO, P. R. et al. Assistência ao recém-nascido de risco, Brasília, Pórfiro,
2002.
SEGRE, C. A. M. Avaliação e exame do RN. 4º ed. São Paulo: Sarvier, 1995.
SILVA A. S. Enfermagem atuando no exame físico do recém-nascido, São
Paulo. Disponível em: <http://www.webartigos.com/artigos/enfermagem-
atuando-no-exame-fisico-do-recem-nascido/60968/#ixzz2dqVy5x7R>
Acessado em 17 de setembro.
SILVA F.A.C., NASCIMENTO M.J.P. Importância do exame físico do recém-
nascido para o planejamento da assistência de enfermagem. Rev Enferm
UNISA 2000; 1: 826. Disponível em:
<http://www.unisa.br/graduacao/biologicas/enfer/revista/arquivos/2000-
19.pdf> Acessado em 17 de setembro.
WONG, D.L, Enfermagem Pediátrica: elementos essenciais a intervenção
efetiva. 5 ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoLaped Ufrn
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemBeatriz Cordeiro
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Eduardo Gomes da Silva
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básicamarianagusmao39
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consultablogped1
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaLaped Ufrn
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoAmanda Thomé
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éViviane da Silva
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rnMickael Gomes
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anosMichelle Santos
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaRegiane Ribeiro
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoHIAGO SANTOS
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Caroline Reis Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Semiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascidoSemiologia do recém nascido
Semiologia do recém nascido
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
Pediatria Aula Emergencias Pediatricas[ Revisado]
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Semiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em PediatriaSemiologia: Anamnese em Pediatria
Semiologia: Anamnese em Pediatria
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de PartoReanimação Neonatal em Sala de Parto
Reanimação Neonatal em Sala de Parto
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn1.anamnese, exame físico e classificações do rn
1.anamnese, exame físico e classificações do rn
 
Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
Hospitalização infantil de  0 a 17 anosHospitalização infantil de  0 a 17 anos
Hospitalização infantil de 0 a 17 anos
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 

Semelhante a Cuidados com o RN

AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfKarineRibeiro57
 
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxmaterno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxLuanMiguelCosta
 
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfJackeline Moraes
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxSuaMeKksh
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxEduardoFatdukbrGonal
 
Adaptação e exame fisico RN_2018.pdf
Adaptação e exame fisico RN_2018.pdfAdaptação e exame fisico RN_2018.pdf
Adaptação e exame fisico RN_2018.pdfTalitaCaldeiro
 
Síndromes da Deleção 13q -Relato
Síndromes da Deleção 13q -RelatoSíndromes da Deleção 13q -Relato
Síndromes da Deleção 13q -RelatoBrunno Rosique
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Larissa Lemos
 
Estudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaEstudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaCaroline Lopes
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericulturablogped1
 
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN  Rodrigo Mont'AlverneExame Físico RN  Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN Rodrigo Mont'AlverneRodrigo Mont'Alverne
 
0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marionlaiscarlini
 
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxgizaraposo
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOJonathan Sampaio
 

Semelhante a Cuidados com o RN (20)

AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdfAULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
AULA 2 - CONCEITOS , CUIDADOS MEDIATOS E IMEDIATOS.pdf
 
Recem nascido
Recem nascidoRecem nascido
Recem nascido
 
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptxmaterno infantil II mecanismo do parto.pptx
materno infantil II mecanismo do parto.pptx
 
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdfAssistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
Assistencia_Imediata_e_Mediata_ao_RN_revisada.pdf
 
NEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptxNEONATOLOGIA AULA.pptx
NEONATOLOGIA AULA.pptx
 
Neonatologia
NeonatologiaNeonatologia
Neonatologia
 
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptxAULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
AULA 01- SEMIOLOGIA PEDIATRICA (1).pptx
 
exame fisico do RN
exame fisico do RNexame fisico do RN
exame fisico do RN
 
Caderno de coco ped
Caderno de coco pedCaderno de coco ped
Caderno de coco ped
 
Adaptação e exame fisico RN_2018.pdf
Adaptação e exame fisico RN_2018.pdfAdaptação e exame fisico RN_2018.pdf
Adaptação e exame fisico RN_2018.pdf
 
ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA ADOLESCENTE - AULA
ADOLESCENTE - AULA
 
Síndromes da Deleção 13q -Relato
Síndromes da Deleção 13q -RelatoSíndromes da Deleção 13q -Relato
Síndromes da Deleção 13q -Relato
 
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
Assistnciadeenfermagememneonatologia 110324125323-phpapp02
 
Estudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - HisterectomiaEstudo de Caso - Histerectomia
Estudo de Caso - Histerectomia
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN  Rodrigo Mont'AlverneExame Físico RN  Rodrigo Mont'Alverne
Exame Físico RN Rodrigo Mont'Alverne
 
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDOMANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
 
0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion0416 emergências obstétricas - Marion
0416 emergências obstétricas - Marion
 
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptxSaúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
Saúde da Criança - 10.07 campinas.pptx
 
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASOCUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
CUIDADOS DE ENFERMAGEM AO PACIENTE ONCOLÓGICO: RELATO DE CASO
 

Último

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 

Último (20)

Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 

Cuidados com o RN

  • 1.
  • 2. Aiko O. Contiero RA:1299857465 Cristina Apolinário RA: 4200080418 Daiane Gomes Ferreira RA: 1299867639 Dulce Braga de Sousa RA: 4209800362 Edilaine da S.R. Carvalho RA: 3774763943 Maisa Vieira Tangerino RA: 4251869173 Roseli Dias de Vasconcelos RA: 3730695462 Disciplina: Processo do Cuidar III Docente: Aleixo
  • 3. • NASCIMENTO: processo pelo qual o concepto vivo ou morto, é expulso ou extraído da mãe, independente da idade gestacional. • RN: recém-nascido, neonato ou recém-nato, é a criança do nascimento até o 28° dia. • NEONATOLOGIA: ramo da pediatria que se especializou no RN: Neo+:novo Nato+:nascido Logia:estudo. DEFINIÇÕES
  • 4. CLASSIFICAÇÃO DO RN IDADE GESTACIONAL • RN á Termo ou Normal: é toda criança nascida de uma gestação entre 38 a 42 semanas de gestação. • RN Prematuro: é toda criança nascida de uma gestação entre 28 a 37 semanas de gestação. • RN Posmaturo: é toda criança nascida de uma gestação com mais de 42 semanas de gestação.
  • 5. PESO AO NASCER • A.I.G (Adequado para a Idade Gestacional): peso > 2,5 a 4 Kg; • P.I.G (Pequeno para a Idade Gestacional): peso igual ou inferior a 2,5 Kg; • G.I.G (Grande para a Idade Gestacional): peso igual ou superior a 4 Kg. CLASSIFICAÇÃO DO RN
  • 6. SINAIS VITAIS DO RN • Temperatura: 36 a 36.5ºc • Frequência respiratória: 30 a 40 rpm • Frequência cardíaca: 80 a 170 (normal 140) bpm • Pressão arterial: 75 /50 mmHg EQUIPAMENTOS E MATERIAIS • São necessários para a realização segura e eficiente do exame físico do RN equipamentos e materiais individuais (termômetro, estetoscópio) e coletivos (Monitor cardiorrespiratório, monitor de P.A, oxímetro de pulso, fita métrica ou régua antropométrica, balança neonatal).
  • 7.
  • 8. CUIDADOS IMEDIATOS AO RN • Secagem e Aquecimento: Colocar o RN sob fonte de calor radiante, secá-lo e remover os campos úmidos. • Desobstrução das VAS: promoção de limpeza e manutenção da respiração. • Pinçamento e Secção do Cordão Umbilical: clampear 6 a 8 cm do abdome e realizar curativo com álcool 70%; • Credeização: Instila-se 1 gota de Nitrato de Prata a 1% nos olhos, na vagina e/ou pênis do RN a fim de evitar oftalmia gonocócica, transmitida verticalmente. • Identificação do RN: Dados e pulseira/ esparadrapo no antebraço e tornozelo.
  • 9.
  • 10. • Utilizada mundialmente p/ avaliar a vitalidade e o grau de asfixia. • Deve ser realizado no 1º e 5º minuto de vida, se persistir baixa nota de avaliação deve ser repetido no 10º minuto . • O mais importante dado é o batimento cardíaco, e o menos relevante é a cor da pele. ESCALA DE APGAR
  • 11. SIGNIFICADOS DAS NOTAS OBTIDAS NA AVALIAÇÃO DE APGAR: 0 A 3- ASFIXIA GRAVE 4 A 6- ASFIXIA MODERADA 7 A 10- BOA VITALIDADE, BOA ADAPTAÇÃO.
  • 12. CUIDADOS MEDIATOS AO RN • Higiene: O banho é realizado aproximadamente 6 horas ou mais após o nascimento; • Administração de Vitamina K: 1mg por via IM; • Curativo do Coito Umbilical: solução antisséptica (álcool 70%); • Medidas Antropométricas: Peso X Altura; • Imunização BCG: Realizar antes da alta hospitalar se RN apresentar peso igual ou superior a 2 Kg.
  • 13. ANOTAÇÕES DE ENFERMAGEM • Registrar, na ficha do recém-nascido, sua impressão plantar e digital do polegar direito da mãe; • Em partos múltiplos a ordem de nascimento deverá ser especificada nas pulseiras através de números (1,2,3,4 etc.) após o nome da mãe; • Preencher a ficha do recém-nascido com os dados referentes ás condições de nascimento, hora e data do parto.
  • 14. EXAME FÍSICO DO RN O crânio tem 6 ossos: 1 frontal, 1 occipital, 2 parietais e 2 temporais. Sua forma mais comum é a ovóide, mas ao passar pelo canal vaginal pode sofrer alterações: Cavalgamento: superposição dos ossos. Caput- Succedanuem: edema dos tecidos moles do couro cabeludo. Cefalohematoma: hemorragia com acúmulo de sangue entre periósteo e o osso. Crânio
  • 15.
  • 16. Fontanelas: Espaços cartilaginosos quadriláteros encontrados na Cabeça através da palpação. As principais são: • Bregma ou Bregmática ou Anterior: se fecha por volta de 18 meses. • Lâmbda ou Lambdóide ou Posterior: se fecha por volta de 4 meses.
  • 17. Face: Todo o RN pode apresentar a face edemacia, com manchas, em consequência do trabalho de parto, regredindo espontaneamente. • Face assimétrica: face desigual devido a uma posição desigual na vida fetal. • Millium Facial ou sebáceo: pequenos pontos brancos na região frontal e nasal (1º mês). • Estrabismo: o RN não consegue coordenar o globo ocular, podendo persistir até o 6º mês.
  • 18.
  • 19. Pele: Os recém-nascidos de cor branca são rosados e os de cor preta tendem para o avermelhado. • Vérnix Caseoso: secreção normal da pele, rica em glicoproteínas, colesterina, ferro e albumina. • Icterícia Fisiológica: surge após 48 horas e tem como causa a imaturidade das células hepáticas. • Mancha Mongólica: mancha de forma irregular e de coloração azulada, que desaparece por volta dos 10 anos. • Descamação Fisiológica: descamações mais comuns no abdome, mãos e pés. • Lanugem: pelos finos e ralos, localizados na face, orelhas, dorso, MMSS, MMII, desaparecendo por volta do 1º mês.
  • 20.
  • 21. Orelhas: observar forma, tamanho, simetria, implantação e papilomas pré-auriculares. Nariz: observar forma; permeabilidade mediante a oclusão da boca e de cada narina separadamente e a presença de secreção serossanguinolenta. Boca: observar conformação do palato; a presença de fenda palatina; o desvio da labial que pode ser associado á paralisia facial por traumatismo de parto; visualizar a úvula e avaliar tamanho da língua. Pescoço: curto e com mobilidade. Por volta dos 3 meses, há sustentação.
  • 22. Tórax: é cilíndrico, torna-se assimétrico quando há malformações de coração, pulmões, colunas ou arcabouço costal. Abdome: inspeção (abdome flácido). Pulmões: a respiração é abdominal e a frequência respiratória média é de 40 movimentos no RN de termo e até 60, no prematuro. Exame Cardiovascular: frequência cardíaca varia entre 120 a 160 batimentos por minuto. Exame Neurológico: compreende a observação da atitude, reatividade, choro, tônus, movimentos e reflexos dos recém- nascidos.
  • 23. Genitália: Masculina- a fimose é fisiológica ao nascimento. Feminina- pode haver secreção esbranquiçada nos primeiros dias.
  • 24. CONCLUSÃO • É dever do enfermeiro sanar dúvidas quanto eliminações e demartites de fraldas, sono, choro, medidas de higiene, curativo do coto umbilical e avaliação de temperatura, aleitamento materno e prevenção de acidentes em casa. Para tanto, é fundamental que o enfermeiro seja um profundo conhecedor das características anátomo-fisiológicas e das necessidades básicas do RN e ser capaz de reconhecer os sinais clínicos, apurando seus sentidos e sua técnica de exame, sempre de acordo com os princípios gerais da semiologia.
  • 25. REFERÊNCIAS BRASIL, Secretaria de Atenção à Saúde, Atenção à Saúde do recém-nascido. Ministério da Saúde. Disponível em: <http://www.redeblh.fiocruz.br/media/arn_v1.pdf > Brasília, DF, 2011. CALIF, VMLT. Caracterização do recém-nascido. In: LEONE, CR e TRONCHIN, DMR. Assistência integrada ao recém-nascido. São Paulo: Atheneu, 1996. Disponível em:<http://www.webartigos.com/artigos/enfermagem-atuando- no-exame-fisico-do-recem-nascido/60968/#ixzz2g7IgrImn> Acessado em 23 de setembro. MORGATO, P. R. et al. Assistência ao recém-nascido de risco, Brasília, Pórfiro, 2002. SEGRE, C. A. M. Avaliação e exame do RN. 4º ed. São Paulo: Sarvier, 1995.
  • 26. SILVA A. S. Enfermagem atuando no exame físico do recém-nascido, São Paulo. Disponível em: <http://www.webartigos.com/artigos/enfermagem- atuando-no-exame-fisico-do-recem-nascido/60968/#ixzz2dqVy5x7R> Acessado em 17 de setembro. SILVA F.A.C., NASCIMENTO M.J.P. Importância do exame físico do recém- nascido para o planejamento da assistência de enfermagem. Rev Enferm UNISA 2000; 1: 826. Disponível em: <http://www.unisa.br/graduacao/biologicas/enfer/revista/arquivos/2000- 19.pdf> Acessado em 17 de setembro. WONG, D.L, Enfermagem Pediátrica: elementos essenciais a intervenção efetiva. 5 ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1999.