SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
A CONSULTA PUERPERAL NA
ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
“O pós-parto é um momento muito delicado para a mulher, pois
envolve o cuidado do bebê e as mudanças físicas e emocionais,
no cotidiano e nas relações sociais. Deve-se dar especial atenção
às condições psíquicas e sociais da mulher neste momento, pois
uma das características marcantes desse período é a ansiedade
despertada com a chegada do bebê, o que pode ocasionar
sintomas depressivos. É preciso continuar apoiando e
protegendo essa mulher”
Ministério da Saúde, 2016
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Objetivos dessa apresentação:
• Alertar as equipes de Atenção Primária à Saúde (APS) sobre a
importância do cuidado à puérpera e ao recém-nascido, bem como a
prevenção de agravos à saúde do binômio;
• Proporcionar uma revisão de aspectos teóricos importantes para a
consulta puerperal na APS.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Introdução
No Brasil de 1996 a 2018 ocorreram 38.919 óbitos maternos;
• 67% decorreram de causas obstétricas diretas: complicações
obstétricas durante gravidez, parto ou puerpério seja por
intervenções desnecessárias, omissões, tratamento incorreto ou
ainda, uma cadeia de eventos resultantes de qualquer dessas causas.
• 29% tiveram causas obstétricas indiretas: resultantes de doenças pré-
existentes à gestação ou que se desenvolveram durante esse período,
agravadas pelos efeitos fisiológicos da gravidez.
A implantação e consolidação da Estratégia de Saúde da
Família, no Brasil, refletiu na redução da mortalidade infantil.
MS. 2020. Boletim Epidemiológico nº20
As causas obstétricas diretas
em destaque foram:
❖ hipertensão - 8.186
óbitos
❖ hemorragia - 5.160 óbitos
❖ infecção puerperal -
2.624 óbitos
❖ Aborto - 1.896 óbitos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
• O puerpério é o período que tem início, imediatamente, após o parto e dura, em média, seis
semanas.
Pode ser classificado conforme a duração:
• imediato ( 1º ao 10º pós parto),
• tardio (do 11º ao 45º dia)
• remoto (após o 45º dia, com término imprevisto).
A mulher precisa ser cuidada, evitando assim, agravos a saúde materna e neonatal e
deve incluir o parceiro, quando presente, e a família em seus diversos arranjos.
Atenção Integral à Mulher e ao Recém-nascido na APS
Ministério da Saúde, 2016
As variações desse tempo, estão
relacionadas às mudanças
anatomofisiológicas no organismo
feminino, e questões psicossociais
como: maternidade, sexualidade,
autoestima, reorganização da vida
pessoal e familiar.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
A Atenção Primária à Saúde, responsável pela coordenação e integralidade do cuidado,
deve estar atenta e preparada para apoiar a mulher e sua família, reconhecendo
condições de risco e vulnerabilidade física, psíquica e social, e utilizando recursos das
Redes de Atenção à Saúde (RAS) e intersetorial para lidar com qualquer problema surgido
nessa fase.
Atenção Integral à Mulher e ao Recém-nascido na APS
Ministério da Saúde, 2016
São frequentes os episódios de tristeza ocasionados pela mudança hormonal brusca
logo após o parto. Esse estado depressivo transitório ocorre em 70% a 90% das
puérperas.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Preconizado pela Rede Cegonha: articulação entre a rede
Maternidade
• Comunicar a alta à equipe da APS a qual o binômio está vinculado, para que organizem a
visita domiciliar e o atendimento na unidade de saúde em tempo oportuno;
• Realizar a contra referência para a APS, por meio de um relatório claro e detalhado dos
procedimentos realizados e medicamentos utilizados, bem como possíveis
intercorrências no parto e nascimento, assim como a classificação do recém-nascido
(RN), principalmente se de alto risco;
• Orientar as puérperas que se houver febre, sangramento vaginal exagerado, dor ou
infecção nos pontos da cesárea ou da episiotomia, tonturas muito frequentes, mamas
empedradas e doloridas, ela deve procurar imediatamente o serviço de saúde.
Ministério da Saúde, CAB 32, 2013
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Preconizado pela Rede Cegonha: articulação entre a rede
Do Agente Comunitário de Saúde ou outro membro da equipe da APS, ao binômio, para
orientação do cuidado de ambos, e para ofertar as ações programadas para a “Primeira
Semana de Saúde Integral (PSSI)” na UBS, tais como, apoio ao aleitamento materno,
imunizações , triagem neonatal e auditiva.
• Atender ambos em uma mesma data.
• Período: entre 3 a 10 dias pós parto, até 3 dias se RN de risco.
Visita Domiciliar
Ministério da Saúde, CAB 32, 2013
Consulta Puerperal na APS
A mãe e o bebê devem retornar à unidade de saúde de referência entre o 3º e o 5º dia
após o nascimento da criança. Sempre que possível, acompanhada do pai do bebê ou do(a)
parceiro(a) ou um familiar. As orientações sobre o retorno precoce à unidade de saúde no
pós-parto devem ocorrer no pré-natal, nas visitas dos ACS e na maternidade!!!
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Acolhimento com Escuta Qualificada
Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
• Acolher a puérpera e sua família e identificar suas necessidades;
• Ser cordial, apresentar-se, chamar pelo nome;
• Demonstrar empatia;
• Informar sobre a sequência de atendimentos e questionar se ficou alguma dúvida,
esclarecer;
• Encaminhar para o atendimento/ procedimentos. Quem faz?
Equipe Multiprofissional
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Plano de Cuidado Materno
Abordagem Integral
Puerpério Imediato e Tardio:
• Observar e avaliar a mamada: pega e posicionamento do RN. Orientar cuidados com as
mamas;
• Incentivar e apoiar a família na amamentação exclusiva, reforçando os benefícios para o
binômio;
• Orientar hidratação abundante , alimentação adequada e dieta fracionada;
• Incentivar a realização de atividade física (puerpério tardio);
• Revisar calendário vacinal da mulher, atualizar e aprazar doses conforme programa
nacional de imunizações;
• Retirar os pontos da cesariana entre sete a dez dias após o parto ou conforme prescrição
médica; Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Puerpério Imediato e Tardio:
• Tirar dúvidas e orientar quanto ao retorno da atividade sexual e planejamento
reprodutivo (as relações sexuais podem ser restabelecidas por volta de 20 dias após o
parto, quando já tiver ocorrido a cicatrização, no entanto, devem ser tomadas
providências quanto à anticoncepção. Se a mulher quiser engravidar novamente, o ideal
é que aguarde cerca de dois anos, pois uma gravidez muito perto da outra aumenta o
risco de problemas de saúde para o bebê (como prematuridade e baixo peso) e para a
própria mãe (como anemia, debilidade física ou hemorragia);
Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
Plano de Cuidado Materno
Abordagem Integral
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Puerpério Imediato e Tardio:
• Alertar a mulher que a transmissão vertical do HIV pode ocorrer através do
aleitamento. Checar a realização de testagem de HIV, sífilis e hepatites virais. A
testagem deve ser repetida sempre que houver exposição da lactante. Orientar
prevenção combinada (Guia do Pré-natal na AB SES/RS);
• Avaliar a condição psicoemocional, e encaminhar para avaliação em serviço de saúde
mental, se sofrimento mental grave, apoiar a família e articular a rede de apoio social,
quando necessário;
• Deixar o retorno agendado!
Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
Plano de Cuidado Materno
Abordagem Integral
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global
Entrevista – Puerpério Imediato
• Carteira da gestante: dados da gestação, nº de consultas , medicações, intercorrências
• Sobre o parto: intercorrências , uso de imunoglobulina anti-D , uso de megadose de
vitamina A , alta do RN – se não aconteceu com a mãe, registrar motivo.
• Se parto vaginal com lacerações ou realização de episiotomia, perguntar sobre dor em
local de sutura, presença de secreções e sinais flogísticos, queixas urinárias, presença de
hemorróidas ou outras alterações.
• Se cesariana, perguntar sobre sinais flogísticos e presença de secreção em ferida
operatória
• Pergunte como se sente em relação a: amamentação – frequência das mamadas,
alimentação, sono, atividades. Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global
Atentar aos Sinais de ALERTA
• Febre, sangramento vaginal em grande quantidade, dor pélvica ou infecção, leucorreia
fétida, alteração da pressão arterial, tontura muito frequente, dor e/ou edema unilateral
de membro inferior, mamas “empedradas” e doloridas.
Na presença de algum desses sintomas, deve ser realizada avaliação médica e, se
necessário, solicitar remoção para o serviço hospitalar!
Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global
Exame Físico Geral e Específico
Puerpério Imediato e Tardio:
• Verificar os sinais vitais.
• Avaliar mamas e mamilo: inspecionar e palpar , atentar para sinais flogísticos e ou
ingurgitamento.
• Examinar abdome (condição uterina, dor à palpação, aspecto da ferida operatória (se
parto cesariana).
• Examinar períneo e genitais externos (verificar a presença e características dos lóquios e
avaliar as condições das cicatrizes de lacerações ou episiotomia – não há necessidade de
retirada de pontos, pois o fio da episiorrafia é absorvível). Verificar presença de
hemorroidas.
Quem faz?
Enfermeiro(a)/Médico(a)
Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Plano de Cuidado Materno
Abordagem medicamentosa
Puerpério Imediato e Tardio:
• Prescrição de sulfato ferroso 40 mg de ferro elementar (comprimido de 200 mg), 30
minutos antes almoço, de preferência com suco de frutas cítricas, até três meses após o
parto.
• Questionar se usa outras medicações.
• Questionar sobre interesse por contraceptivo , se já fazia uso e qual intenção. Reforçar
orientação sobre uso de preservativos e prevenção de IST/AIDS.
Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
Quem faz?
Enfermeiro(a)/Médico(a)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Plano de Cuidado Materno
Abordagem medicamentosa e reavaliação de puérpera com comorbidades
Puerpério Imediato e Tardio:
• Em caso de comorbidades – Hipertensão, DMG, outros), revisar prescrição
medicamentosa e outras condutas relacionadas, com atenção às contraindicações
devido ao aleitamento.
• Egressas de pré-natal de alto risco devem retornar também ao serviço especializado
para avaliação
Quem faz?
Médico(a)
Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global e
Plano de Cuidados do Recém-nascido Quem faz?
Equipe Multiprofissional
• Avaliar as condições perinatais e verificar os registros (peso, estatura, Apgar, intercorrências,
critérios de risco);
• Se mãe HBsAg positivo, verificar registro de administração de Imunoglobulina Humana Anti-
hepatite B;
• Verificar registro vacinal de BCG e Hepatite B, encaminhar para sala de vacina se necessário;
• Registrar o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento ;
• Avaliar resultados do Teste do Olhinho, Teste do Coraçãozinho, Teste da orelhinha, encaminhar
ao especialista quando necessário, orientar agendamento quando não realizado;
• Encaminhar para coleta do Teste do Pezinho ( ideal do 3º ao 5º dia de vida);
Na Caderneta de Saúde da Criança
SES/RS, 2019
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global e
Plano de Cuidados do Recém-nascido
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
• Acolher e apoiar a nutriz em suas dúvidas, dificuldades e decisões em relação à
amamentação. Observar posição e pega, esclarecer sobre a amamentação sob livre
demanda, alimentação da nutriz e informar sobre as leis que protegem a mulher que
amamenta, no retorno ao trabalho;
• Observar a mamada e auxiliar quando necessário; - As mães que não podem amamentar
necessitam de apoio da equipe de saúde e devem ser orientadas sobre a substituição do
aleitamento materno por fórmula láctea;
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global e
Plano de Cuidados do Recém-nascido
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
• Avaliar o vínculo mãe/bebê e identificar possíveis sinais de depressão pós-parto;
• Avaliar a participação do parceiro (quando presente) e outros familiares como rede de
apoio à mulher, e propor intervenção junto aos mesmos, e se necessário, especialmente
em situações de risco, realizar articulação intersetorial;
• Identificar sinais de violência física, psicológica e/ou sexual e se necessário dar
seguimento ao cuidado conforme preconizado;
https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/04154826-nota-tecnica-saude-da-crianca.pdf-
Situações de Vulnerabilidade: utilizar os critérios de
estratificação de risco do recém-nascido
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global e
Plano de Cuidados do Recém-nascido
• Verificação do estado geral, o peso, comprimento e perímetro cefálico, frequência
cardíaca e respiratória, temperatura e coloração da pele.
• Avaliar também fontanelas e suturas, olhos, implantação das orelhas, otoscopia, exame
da boca e orofaringe, pescoço, gânglios, tórax, abdome, genitália e períneo, membros,
pulsos e perfusão periférica;
• Reavaliar os sinais de Ortolani e Barlow e verificação de reflexos próprios do recém-
nascido;
https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/04154826-nota-tecnica-saude-da-crianca.pdf-
Quem faz?
Enfermeiro(a)/Médico(a)
Exame Físico do RN
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Avaliação Global e
Plano de Cuidados do Recém-nascido
• Técnica correta do banho diário;
• Evitar uso de talcos e perfumes;
• Higiene do coto umbilical;
• Prevenção de acidentes;
• Evitar contato com fumantes;
• Evitar levar o bebê à locais com aglomerados de
pessoas;
• Posição supina para dormir (barriga para cima);
• Amamentação sob livre demanda (guiada pelo bebê);
• Desestimular o uso de mamadeiras e chupetas para
evitar interferências na fisiologia da amamentação,
favorecendo assim, o aleitamento materno exclusivo;
• Imunizações: seguir o Calendário Nacional de
Imunizações vigente disponível no site do MS;
• Medidas preventivas como a suplementação de
Vitaminas e Ferro;
• Orientar sobre icterícia e outros sinais de perigo,
quando é recomendado o retorno imediato à UBS. São
considerados sinais de alerta a icterícia que atinge
braços e pernas em crianças com mais de duas
semanas de vida e a presença de urina escura e fezes
claras conforme o item “Cuidados com a saúde da
criança: sinais de perigo”, da Caderneta de Saúde da
Criança.
https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/04154826-nota-tecnica-saude-da-crianca.pdf-
Orientações Gerais
Quem faz?
Equipe Multiprofissional
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
A equipe de Atenção Primária deve ter uma postura vigilante durante o acompanhamento
gestacional, considerando o grave problema social que é a violência doméstica, e os diversos
agravos à saúde da mulher e bebê, que ela pode gerar. Dentre as diversas formas de
violência, a mais prevalente é a psicológica, seguida da física, verbal e sexual.
Os profissionais de saúde devem estar atentos e sempre acolher a vítima, com escuta
qualificada, sem demonstrar pressa e valorizando o relato. Devem ainda, a partir do
diagnóstico de violência, dar encaminhamentos necessários para rede intersetorial, a fim de
evitar desfechos desfavoráveis a saúde biopsicossocial dos envolvidos.
Considerando que o puerpério é o período imediato após o parto, este vigilância também é
recomendada.
Vigilância da Violência
https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201901/09090527-guia-pre-natal-na-atencao-basica-web.pdf
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
• O encerramento do ciclo gravídico puerperal acontece após a realização de pelo menos
uma consulta puerperal.
• Registrar todas as consultas, visitas domiciliares, atividades educativas e demais ações ou
procedimentos realizados no prontuário eletrônico do e-SUS ou prontuário próprio com
“thrift” para o SISAB ;
• Após o desfecho da gestação informar por meio do campo ProblemaCondição Avaliada no
atendimento ao Puerpério com os CIAP2/CID10 correspondentes
Códigos CIAP2: W18;W19;W70;W94;W96
Códigos CID10: O152, O85, O86, O860, O861, O862, O863, O864, O868, O87,O870, O871,
O872, O873, O878, O879, O89, O890, O891, O892, O893,O894, O895, O896, O898, O899)
Acompanhamento Puerperal - Registros
Importante: Não esquecer de finalizar as condições de
gestação e puerpério após o término das mesmas.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
• A Atenção Primária à Saúde cuida das pessoas. É a porta de entrada do usuário no
sistema, e deve facilitar o acesso e prestar um cuidado integral e longitudinal,
responsabilizando-se pela coordenação do cuidado das pessoas do seu território.
• Os profissionais da APS, conhecendo as gestantes de sua área de atuação,
acompanhando o pré-natal, sabendo de seus fatores de risco, podem organizar e
oferecer as atividades da Primeira Semana de Saúde Integral, a visita domiciliar e a
consulta de puerpério imediato, na primeira semana após o nascimento.
• Esse cuidado é fundamental para a prevenção de agravos à saúde do neonato e da
puérpera, uma vez que a maioria dos eventos de morbimortalidade materna e infantil
acontecem na primeira semana de vida.
MS, CAB 32, 2016; UFRGS, 2020.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde.
Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.318 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais
Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n° 32)
• Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica : Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa –
Brasília : Ministério da Saúde, 2016.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico N° 20. Volume 51. Maio/2020.
• RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Disponível em:
<https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201812/20142025-e-sus-registro-gestantes.pdf>
• Rio Grande do Sul. Secretaria de Estado da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Departamento de Assistência Hospitalar e Ambulatorial. Assessoria
Técnica e Planejamento. Guia do pré-natal na Atenção Básica/Porto Alegre: Secretaria de Estado da Saúde/RS, 2018. 40p. Il.
• Rio Grande do Sul. Secretaria de Estado da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Departamento de Assistência Hospitalar e Ambulatorial. Assessoria
Técnica e Planejamento. Nota Técnica 01/2019 Assistência à Saúde da Criança de 0 A 2 ANOS na Atenção Básica.
• UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. TelessaúdeRS. Curso EaD sobre
o sistema e-SUS: profissionais da saúde. Porto Alegre: Telessaúde-UFRGS, 2020. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/telessauders/cursos/>.
• Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 2.068, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e
humanizada à mulher e ao recém-nascido no Alojamento Conjunto.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.Saúde da criança : crescimento e desenvolvimento /
Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 28 de novembro de 2020
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno blogped1
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaNadja Salgueiro
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOblogped1
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Mateus Clemente
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxWellingtonTeixeira24
 

Mais procurados (20)

Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Cuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascidoCuidados ao recém nascido
Cuidados ao recém nascido
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
Planejamento Reprodutivo: o que há de novo e além do planejamento familiar?
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
Estrategia de Saúde da Família (ESF) e Núcleo de Apoio a Saúde da Família (NA...
 
Planjamento familiar
Planjamento familiarPlanjamento familiar
Planjamento familiar
 
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo UterinoColeta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 

Semelhante a A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde

admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxDokiNorkis
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherTania Fonseca
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatalDanubia7410
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxVanessaAlvesDeSouza4
 
Apresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptx
Apresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptxApresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptx
Apresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptxIsabelleLetcia1
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoyasminroriz3
 
SaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM NascidoSaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM NascidoBiblioteca Virtual
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalGustavo Henrique
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxWellingtonTeixeira24
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalEliete Santos
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.pptDonCorleone22
 

Semelhante a A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde (20)

1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da MulherApresentaçãO SaúDe Da Mulher
ApresentaçãO SaúDe Da Mulher
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
 
puerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.pptpuerp-period.LM.ppt
puerp-period.LM.ppt
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
7333906.ppt
7333906.ppt7333906.ppt
7333906.ppt
 
Apresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptx
Apresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptxApresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptx
Apresentação proposta comercial para marcas simples tons pastéis (1).pptx
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
SaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM NascidoSaúDe Materna E Do RecéM Nascido
SaúDe Materna E Do RecéM Nascido
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
Saude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natalSaude mulher-pre-natal
Saude mulher-pre-natal
 
Cuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
Cuidado para a redução da Morbimortalidade MaternaCuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
Cuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.ppt
 
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
Assegurando condições mínimas às famílias para uma atenção adequada à primeir...
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfDanieldaSade
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosThaiseGerber2
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfDanieldaSade
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisbertoadelinofelisberto3
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (11)

Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 

A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE “O pós-parto é um momento muito delicado para a mulher, pois envolve o cuidado do bebê e as mudanças físicas e emocionais, no cotidiano e nas relações sociais. Deve-se dar especial atenção às condições psíquicas e sociais da mulher neste momento, pois uma das características marcantes desse período é a ansiedade despertada com a chegada do bebê, o que pode ocasionar sintomas depressivos. É preciso continuar apoiando e protegendo essa mulher” Ministério da Saúde, 2016
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Objetivos dessa apresentação: • Alertar as equipes de Atenção Primária à Saúde (APS) sobre a importância do cuidado à puérpera e ao recém-nascido, bem como a prevenção de agravos à saúde do binômio; • Proporcionar uma revisão de aspectos teóricos importantes para a consulta puerperal na APS.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Introdução No Brasil de 1996 a 2018 ocorreram 38.919 óbitos maternos; • 67% decorreram de causas obstétricas diretas: complicações obstétricas durante gravidez, parto ou puerpério seja por intervenções desnecessárias, omissões, tratamento incorreto ou ainda, uma cadeia de eventos resultantes de qualquer dessas causas. • 29% tiveram causas obstétricas indiretas: resultantes de doenças pré- existentes à gestação ou que se desenvolveram durante esse período, agravadas pelos efeitos fisiológicos da gravidez. A implantação e consolidação da Estratégia de Saúde da Família, no Brasil, refletiu na redução da mortalidade infantil. MS. 2020. Boletim Epidemiológico nº20 As causas obstétricas diretas em destaque foram: ❖ hipertensão - 8.186 óbitos ❖ hemorragia - 5.160 óbitos ❖ infecção puerperal - 2.624 óbitos ❖ Aborto - 1.896 óbitos
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE • O puerpério é o período que tem início, imediatamente, após o parto e dura, em média, seis semanas. Pode ser classificado conforme a duração: • imediato ( 1º ao 10º pós parto), • tardio (do 11º ao 45º dia) • remoto (após o 45º dia, com término imprevisto). A mulher precisa ser cuidada, evitando assim, agravos a saúde materna e neonatal e deve incluir o parceiro, quando presente, e a família em seus diversos arranjos. Atenção Integral à Mulher e ao Recém-nascido na APS Ministério da Saúde, 2016 As variações desse tempo, estão relacionadas às mudanças anatomofisiológicas no organismo feminino, e questões psicossociais como: maternidade, sexualidade, autoestima, reorganização da vida pessoal e familiar.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE A Atenção Primária à Saúde, responsável pela coordenação e integralidade do cuidado, deve estar atenta e preparada para apoiar a mulher e sua família, reconhecendo condições de risco e vulnerabilidade física, psíquica e social, e utilizando recursos das Redes de Atenção à Saúde (RAS) e intersetorial para lidar com qualquer problema surgido nessa fase. Atenção Integral à Mulher e ao Recém-nascido na APS Ministério da Saúde, 2016 São frequentes os episódios de tristeza ocasionados pela mudança hormonal brusca logo após o parto. Esse estado depressivo transitório ocorre em 70% a 90% das puérperas.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Preconizado pela Rede Cegonha: articulação entre a rede Maternidade • Comunicar a alta à equipe da APS a qual o binômio está vinculado, para que organizem a visita domiciliar e o atendimento na unidade de saúde em tempo oportuno; • Realizar a contra referência para a APS, por meio de um relatório claro e detalhado dos procedimentos realizados e medicamentos utilizados, bem como possíveis intercorrências no parto e nascimento, assim como a classificação do recém-nascido (RN), principalmente se de alto risco; • Orientar as puérperas que se houver febre, sangramento vaginal exagerado, dor ou infecção nos pontos da cesárea ou da episiotomia, tonturas muito frequentes, mamas empedradas e doloridas, ela deve procurar imediatamente o serviço de saúde. Ministério da Saúde, CAB 32, 2013
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Preconizado pela Rede Cegonha: articulação entre a rede Do Agente Comunitário de Saúde ou outro membro da equipe da APS, ao binômio, para orientação do cuidado de ambos, e para ofertar as ações programadas para a “Primeira Semana de Saúde Integral (PSSI)” na UBS, tais como, apoio ao aleitamento materno, imunizações , triagem neonatal e auditiva. • Atender ambos em uma mesma data. • Período: entre 3 a 10 dias pós parto, até 3 dias se RN de risco. Visita Domiciliar Ministério da Saúde, CAB 32, 2013 Consulta Puerperal na APS A mãe e o bebê devem retornar à unidade de saúde de referência entre o 3º e o 5º dia após o nascimento da criança. Sempre que possível, acompanhada do pai do bebê ou do(a) parceiro(a) ou um familiar. As orientações sobre o retorno precoce à unidade de saúde no pós-parto devem ocorrer no pré-natal, nas visitas dos ACS e na maternidade!!!
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Acolhimento com Escuta Qualificada Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016 • Acolher a puérpera e sua família e identificar suas necessidades; • Ser cordial, apresentar-se, chamar pelo nome; • Demonstrar empatia; • Informar sobre a sequência de atendimentos e questionar se ficou alguma dúvida, esclarecer; • Encaminhar para o atendimento/ procedimentos. Quem faz? Equipe Multiprofissional
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Plano de Cuidado Materno Abordagem Integral Puerpério Imediato e Tardio: • Observar e avaliar a mamada: pega e posicionamento do RN. Orientar cuidados com as mamas; • Incentivar e apoiar a família na amamentação exclusiva, reforçando os benefícios para o binômio; • Orientar hidratação abundante , alimentação adequada e dieta fracionada; • Incentivar a realização de atividade física (puerpério tardio); • Revisar calendário vacinal da mulher, atualizar e aprazar doses conforme programa nacional de imunizações; • Retirar os pontos da cesariana entre sete a dez dias após o parto ou conforme prescrição médica; Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016 Quem faz? Equipe Multiprofissional
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Puerpério Imediato e Tardio: • Tirar dúvidas e orientar quanto ao retorno da atividade sexual e planejamento reprodutivo (as relações sexuais podem ser restabelecidas por volta de 20 dias após o parto, quando já tiver ocorrido a cicatrização, no entanto, devem ser tomadas providências quanto à anticoncepção. Se a mulher quiser engravidar novamente, o ideal é que aguarde cerca de dois anos, pois uma gravidez muito perto da outra aumenta o risco de problemas de saúde para o bebê (como prematuridade e baixo peso) e para a própria mãe (como anemia, debilidade física ou hemorragia); Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016 Plano de Cuidado Materno Abordagem Integral Quem faz? Equipe Multiprofissional
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Puerpério Imediato e Tardio: • Alertar a mulher que a transmissão vertical do HIV pode ocorrer através do aleitamento. Checar a realização de testagem de HIV, sífilis e hepatites virais. A testagem deve ser repetida sempre que houver exposição da lactante. Orientar prevenção combinada (Guia do Pré-natal na AB SES/RS); • Avaliar a condição psicoemocional, e encaminhar para avaliação em serviço de saúde mental, se sofrimento mental grave, apoiar a família e articular a rede de apoio social, quando necessário; • Deixar o retorno agendado! Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016 Plano de Cuidado Materno Abordagem Integral Quem faz? Equipe Multiprofissional
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global Entrevista – Puerpério Imediato • Carteira da gestante: dados da gestação, nº de consultas , medicações, intercorrências • Sobre o parto: intercorrências , uso de imunoglobulina anti-D , uso de megadose de vitamina A , alta do RN – se não aconteceu com a mãe, registrar motivo. • Se parto vaginal com lacerações ou realização de episiotomia, perguntar sobre dor em local de sutura, presença de secreções e sinais flogísticos, queixas urinárias, presença de hemorróidas ou outras alterações. • Se cesariana, perguntar sobre sinais flogísticos e presença de secreção em ferida operatória • Pergunte como se sente em relação a: amamentação – frequência das mamadas, alimentação, sono, atividades. Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016 Quem faz? Equipe Multiprofissional
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global Atentar aos Sinais de ALERTA • Febre, sangramento vaginal em grande quantidade, dor pélvica ou infecção, leucorreia fétida, alteração da pressão arterial, tontura muito frequente, dor e/ou edema unilateral de membro inferior, mamas “empedradas” e doloridas. Na presença de algum desses sintomas, deve ser realizada avaliação médica e, se necessário, solicitar remoção para o serviço hospitalar! Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016 Quem faz? Equipe Multiprofissional
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global Exame Físico Geral e Específico Puerpério Imediato e Tardio: • Verificar os sinais vitais. • Avaliar mamas e mamilo: inspecionar e palpar , atentar para sinais flogísticos e ou ingurgitamento. • Examinar abdome (condição uterina, dor à palpação, aspecto da ferida operatória (se parto cesariana). • Examinar períneo e genitais externos (verificar a presença e características dos lóquios e avaliar as condições das cicatrizes de lacerações ou episiotomia – não há necessidade de retirada de pontos, pois o fio da episiorrafia é absorvível). Verificar presença de hemorroidas. Quem faz? Enfermeiro(a)/Médico(a) Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Plano de Cuidado Materno Abordagem medicamentosa Puerpério Imediato e Tardio: • Prescrição de sulfato ferroso 40 mg de ferro elementar (comprimido de 200 mg), 30 minutos antes almoço, de preferência com suco de frutas cítricas, até três meses após o parto. • Questionar se usa outras medicações. • Questionar sobre interesse por contraceptivo , se já fazia uso e qual intenção. Reforçar orientação sobre uso de preservativos e prevenção de IST/AIDS. Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016 Quem faz? Enfermeiro(a)/Médico(a)
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Plano de Cuidado Materno Abordagem medicamentosa e reavaliação de puérpera com comorbidades Puerpério Imediato e Tardio: • Em caso de comorbidades – Hipertensão, DMG, outros), revisar prescrição medicamentosa e outras condutas relacionadas, com atenção às contraindicações devido ao aleitamento. • Egressas de pré-natal de alto risco devem retornar também ao serviço especializado para avaliação Quem faz? Médico(a) Brasil, MS, 2013; Brasil, MS, 2016
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global e Plano de Cuidados do Recém-nascido Quem faz? Equipe Multiprofissional • Avaliar as condições perinatais e verificar os registros (peso, estatura, Apgar, intercorrências, critérios de risco); • Se mãe HBsAg positivo, verificar registro de administração de Imunoglobulina Humana Anti- hepatite B; • Verificar registro vacinal de BCG e Hepatite B, encaminhar para sala de vacina se necessário; • Registrar o acompanhamento do crescimento e desenvolvimento ; • Avaliar resultados do Teste do Olhinho, Teste do Coraçãozinho, Teste da orelhinha, encaminhar ao especialista quando necessário, orientar agendamento quando não realizado; • Encaminhar para coleta do Teste do Pezinho ( ideal do 3º ao 5º dia de vida); Na Caderneta de Saúde da Criança SES/RS, 2019
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global e Plano de Cuidados do Recém-nascido Quem faz? Equipe Multiprofissional • Acolher e apoiar a nutriz em suas dúvidas, dificuldades e decisões em relação à amamentação. Observar posição e pega, esclarecer sobre a amamentação sob livre demanda, alimentação da nutriz e informar sobre as leis que protegem a mulher que amamenta, no retorno ao trabalho; • Observar a mamada e auxiliar quando necessário; - As mães que não podem amamentar necessitam de apoio da equipe de saúde e devem ser orientadas sobre a substituição do aleitamento materno por fórmula láctea;
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global e Plano de Cuidados do Recém-nascido Quem faz? Equipe Multiprofissional • Avaliar o vínculo mãe/bebê e identificar possíveis sinais de depressão pós-parto; • Avaliar a participação do parceiro (quando presente) e outros familiares como rede de apoio à mulher, e propor intervenção junto aos mesmos, e se necessário, especialmente em situações de risco, realizar articulação intersetorial; • Identificar sinais de violência física, psicológica e/ou sexual e se necessário dar seguimento ao cuidado conforme preconizado; https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/04154826-nota-tecnica-saude-da-crianca.pdf- Situações de Vulnerabilidade: utilizar os critérios de estratificação de risco do recém-nascido
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global e Plano de Cuidados do Recém-nascido • Verificação do estado geral, o peso, comprimento e perímetro cefálico, frequência cardíaca e respiratória, temperatura e coloração da pele. • Avaliar também fontanelas e suturas, olhos, implantação das orelhas, otoscopia, exame da boca e orofaringe, pescoço, gânglios, tórax, abdome, genitália e períneo, membros, pulsos e perfusão periférica; • Reavaliar os sinais de Ortolani e Barlow e verificação de reflexos próprios do recém- nascido; https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/04154826-nota-tecnica-saude-da-crianca.pdf- Quem faz? Enfermeiro(a)/Médico(a) Exame Físico do RN
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Avaliação Global e Plano de Cuidados do Recém-nascido • Técnica correta do banho diário; • Evitar uso de talcos e perfumes; • Higiene do coto umbilical; • Prevenção de acidentes; • Evitar contato com fumantes; • Evitar levar o bebê à locais com aglomerados de pessoas; • Posição supina para dormir (barriga para cima); • Amamentação sob livre demanda (guiada pelo bebê); • Desestimular o uso de mamadeiras e chupetas para evitar interferências na fisiologia da amamentação, favorecendo assim, o aleitamento materno exclusivo; • Imunizações: seguir o Calendário Nacional de Imunizações vigente disponível no site do MS; • Medidas preventivas como a suplementação de Vitaminas e Ferro; • Orientar sobre icterícia e outros sinais de perigo, quando é recomendado o retorno imediato à UBS. São considerados sinais de alerta a icterícia que atinge braços e pernas em crianças com mais de duas semanas de vida e a presença de urina escura e fezes claras conforme o item “Cuidados com a saúde da criança: sinais de perigo”, da Caderneta de Saúde da Criança. https://saude.rs.gov.br/upload/arquivos/202006/04154826-nota-tecnica-saude-da-crianca.pdf- Orientações Gerais Quem faz? Equipe Multiprofissional
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE A equipe de Atenção Primária deve ter uma postura vigilante durante o acompanhamento gestacional, considerando o grave problema social que é a violência doméstica, e os diversos agravos à saúde da mulher e bebê, que ela pode gerar. Dentre as diversas formas de violência, a mais prevalente é a psicológica, seguida da física, verbal e sexual. Os profissionais de saúde devem estar atentos e sempre acolher a vítima, com escuta qualificada, sem demonstrar pressa e valorizando o relato. Devem ainda, a partir do diagnóstico de violência, dar encaminhamentos necessários para rede intersetorial, a fim de evitar desfechos desfavoráveis a saúde biopsicossocial dos envolvidos. Considerando que o puerpério é o período imediato após o parto, este vigilância também é recomendada. Vigilância da Violência https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201901/09090527-guia-pre-natal-na-atencao-basica-web.pdf
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE • O encerramento do ciclo gravídico puerperal acontece após a realização de pelo menos uma consulta puerperal. • Registrar todas as consultas, visitas domiciliares, atividades educativas e demais ações ou procedimentos realizados no prontuário eletrônico do e-SUS ou prontuário próprio com “thrift” para o SISAB ; • Após o desfecho da gestação informar por meio do campo ProblemaCondição Avaliada no atendimento ao Puerpério com os CIAP2/CID10 correspondentes Códigos CIAP2: W18;W19;W70;W94;W96 Códigos CID10: O152, O85, O86, O860, O861, O862, O863, O864, O868, O87,O870, O871, O872, O873, O878, O879, O89, O890, O891, O892, O893,O894, O895, O896, O898, O899) Acompanhamento Puerperal - Registros Importante: Não esquecer de finalizar as condições de gestação e puerpério após o término das mesmas.
  • 25. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE • A Atenção Primária à Saúde cuida das pessoas. É a porta de entrada do usuário no sistema, e deve facilitar o acesso e prestar um cuidado integral e longitudinal, responsabilizando-se pela coordenação do cuidado das pessoas do seu território. • Os profissionais da APS, conhecendo as gestantes de sua área de atuação, acompanhando o pré-natal, sabendo de seus fatores de risco, podem organizar e oferecer as atividades da Primeira Semana de Saúde Integral, a visita domiciliar e a consulta de puerpério imediato, na primeira semana após o nascimento. • Esse cuidado é fundamental para a prevenção de agravos à saúde do neonato e da puérpera, uma vez que a maioria dos eventos de morbimortalidade materna e infantil acontecem na primeira semana de vida. MS, CAB 32, 2016; UFRGS, 2020.
  • 26. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2012.318 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) (Cadernos de Atenção Básica, n° 32) • Brasil. Ministério da Saúde. Protocolos da Atenção Básica : Saúde das Mulheres / Ministério da Saúde, Instituto Sírio-Libanês de Ensino e Pesquisa – Brasília : Ministério da Saúde, 2016. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico N° 20. Volume 51. Maio/2020. • RIO GRANDE DO SUL. Secretaria de Estado da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Disponível em: <https://atencaobasica.saude.rs.gov.br/upload/arquivos/201812/20142025-e-sus-registro-gestantes.pdf> • Rio Grande do Sul. Secretaria de Estado da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Departamento de Assistência Hospitalar e Ambulatorial. Assessoria Técnica e Planejamento. Guia do pré-natal na Atenção Básica/Porto Alegre: Secretaria de Estado da Saúde/RS, 2018. 40p. Il. • Rio Grande do Sul. Secretaria de Estado da Saúde. Departamento de Ações em Saúde. Departamento de Assistência Hospitalar e Ambulatorial. Assessoria Técnica e Planejamento. Nota Técnica 01/2019 Assistência à Saúde da Criança de 0 A 2 ANOS na Atenção Básica. • UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. Faculdade de Medicina. Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia. TelessaúdeRS. Curso EaD sobre o sistema e-SUS: profissionais da saúde. Porto Alegre: Telessaúde-UFRGS, 2020. Disponível em: <https://www.ufrgs.br/telessauders/cursos/>. • Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 2.068, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada à mulher e ao recém-nascido no Alojamento Conjunto. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.Saúde da criança : crescimento e desenvolvimento / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Ministério da Saúde, 2012.
  • 27. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 28 de novembro de 2020 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. A CONSULTA PUERPERAL NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE