SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
Se durante o pré-natal a mulher receber informação sobre a
importância da amamentação para a sua saúde e a de seu
filho e tiver apoio dos profissionais do Alojamento Conjunto,
serão menores as chances de dificuldades de pega e posição,
fissuras mamilares, dor para amamentar e, principalmente,
desmame precoce.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
Objetivos dessa apresentação:
• Sensibilizar profissionais de saúde quanto à importância da promoção
do aleitamento materno, desde os primeiros momentos do pós parto;
• Apresentar estratégias de comunicação eficiente para a promoção do
aleitamento materno no alojamento conjunto;
• Sensibilizar os profissionais envolvidos sobre a importância do
empoderamento das mulheres e familiares quanto ao aleitamento.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• A amentação é um processo híbrido que faz parte da fisiologia da mulher, mas também
sofre influências biopsicossociais.
• Cabe ao profissional de saúde ter conhecimento de todo esse processo para que possa
compreender as inquietudes da mulher e apoiá-la da melhor forma possível.
• Em 1983, O Brasil publica a primeira Portaria que favorece a permanência do Bebê junto a
mãe por 24hs (Portaria Inamps/MS nº18/1983). Desta data em diante se inicia a
construção de diversas políticas que promovessem e protegessem o aleitamento materno.
• Dentro deste tema chamamos atenção para os seguintes componentes desta política:
Iniciativa Hospital Amigo da Criança, Rede de Bancos de Leite Humano, Método Canguru e
NBCAL.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Contato pele a pele na sala de parto: estimulando a produção precoce de leite
Almeida EA, Martins Filho J. (2004); UNICEF (2019)
Outras vantagens:
• Mantém o bebe calmo e aquecido;
• Regula a frequência cardíaca e respiratória
do RN;
• Promove a criação de laços afetivos;
• Estimula digestão e o interesse pela
alimentação;
• Ajuda a dar inicio ao aleitamento
materno, favorecendo até 3 vezes mais o
aleitamento materno exclusivo até o
sexto mês;
• Regula a temperatura corporal;
• Colonização de bactérias benéficas
precocemente proporcionando proteção;
• Protege a mãe de hemorragia pós parto.
O contato pele a pele imediato deve ser realizado para todo RN em boas condições, sendo
ininterrupto na primeira hora de vida. Neste momento, também é incentivado o aleitamento
materno. O exame físico completo pediátrico e as intervenções com o RN são realizados após
este momento.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O pós parto e início da produção do leite:
• A maioria das mulheres imagina sair da sala de parto com as mamas cheias de leite e já
amamentando seu filho. Muitas vezes isso não ocorre pois após a expulsão da placenta, o
seio inicia a produção de leite (entre o 2º e 5º dias após o parto) quando acontece a
apojadura, que se caracteriza por, intumescimento mamário, edema e ejeção de poucas
gotas de leite.
• Esse é um processo de ingurgitamento fisiológico, que nada mais é do que a preparação
das mamas para a descida do leite.
Apojadura
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O pós parto e início da produção do leite:
• A apojadura não pode ser confundida com ingurgitamento patológico, conhecido como
“empedramento”, pois esse se trata de um esvaziamento comprometido, que se
caracteriza por mamas túrgidas, hiperemia, pode ter febre, e preceder a mastite.
Durante a apojadura realize massagens apenas na aréola para facilitar a pega do
bebê. A massagem deve ocorrer com os dedos espalmados em movimento circular,
levemente profundo, sem uso de força.
Apojadura
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Boas Práticas na Amamentação no Alojamento Conjunto
• Assistência durante o trabalho de parto, sem
intervenções desnecessárias;
• Contato pele a pele e amamentação na primeira hora;
• Presença do acompanhante durante a permanência
no hospital;
• Manter mãe e bebê sempre próximos para que a mãe
aprenda a reconhecer quando seu filho está com
fome e para que as mamadas aconteçam sob livre
demanda, favorecendo aumento na produção do
leite, sem necessidade de complementos;
• Não usar bicos artificiais ou mamadeiras.
Incentivar a amamentação sob
livre demanda aumenta a
quantidade de leite e ganho de
peso do RN, melhora o vínculo,
ocorre menos ingurgitamento
mamário e aumenta as chances
de maior duração do
aleitamento materno.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Os profissionais de saúde das maternidades, além de conhecimentos e habilidades em
Aleitamento Materno, devem estar preparados para auxiliar as mulheres a visualizar os
problemas, analisando junto com ela suas causas e sugerindo meios de resolvê-los, através
de comunicação adequada (uso de aconselhamento em amamentação), mostrando
interesse no seu bem-estar e de seu filho, para que se sintam confiantes, apoiadas e
acolhidas pelo profissional.
Dentre os recursos utilizados para uma comunicação eficaz há: remoção de barreiras físicas
que impeçam a proximidade com a mulher, utilização de comunicação não verbal
adequada, linguagem simples, saber ouvir, demonstrar empatia, não julgar, elogiar e, o
principal, sugerir, não ordenar.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Boas Práticas na Amamentação no
Alojamento Conjunto
Incentivar a presença do pai do recém-nascido como
acompanhante durante a internação hospitalar pode
oferecer apoio emocional, físico e psíquico à mulher.
Em particular, no alojamento conjunto a presença do
pai como acompanhante é fundamental nos cuidados
com o RN, incluindo o apoio na amamentação.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• A pega incorreta pode ser evitada com o apoio dos profissionais do alojamento
conjunto.
• As primíparas podem ter dificuldade para oferecer a mama ao seu bebê, o que pode
causar dor, fissuras e abalar sua confiança para amamentar.
• Mamas muito cheias, podem levar ao desconforto para o recém nascido abocanhar.
• É preciso orientar a mãe a realizar massagens circulares e extrair um pouco do leite
facilitando a pega do bebê.
Boas Práticas na Amamentação no Alojamento Conjunto
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Ajudando as mães no Alojamento Conjunto:
É importante orientar a mulher através de:
• Consultas a beira do leito;
• Grupos educativos no alojamento conjunto;
• Indicação de leituras de qualidade (material produzido pela equipe,
Ministério da Saúde, Rede de Bancos de Leite Humano, etc).
É importante lembrar que mesmo o profissional reconhecendo os
benefícios do aleitamento, ele deve respeitar a individualidade e o
contexto de vida de cada mulher diante da amamentação, tornando
o seu manejo algo que ultrapasse os limites de interesse, do
conhecimento técnico e normas institucionais.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Não pressionar a mãe e o bebê em relação ao tempo das
primeiras mamadas;
• O profissional deve ouvir a mãe, com calma e ajuda-la a
encontrar uma posição confortável, onde o bebê fique
próximo ao corpo da mãe;
• Lembre-se sempre de encorajá-la para que acredite e tenha
confiança em si;
• Auxiliá-la e orientá-la quanto à pega em quase toda ou toda
aréola. Demonstre para ela os sinais indicativos da uma pega
correta: lábio inferior virado para fora, o queixo encosta na
mama, o nariz fica livre, as bochechas permanecem cheias e
arredondadas e às vezes é possível ouvir bebê deglutir.
• A mãe não deve sentir dor.
Unicef - IHAC – Módulo 3
Importância do bom posicionamento e da pega correta
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A importância do Colostro: o primeiro leite
• O colostro é a primeira imunização do bebê e ajuda a formação de bactérias boas no
intestino.
• É produzido nas mamas a partir do sétimo mês de gestação e durante os primeiros dias
após o nascimento. A aparência do colostro é grossa, pegajosa e de cor clara a
amarelada.
• Age como uma ‘tinta’, revestindo o sistema digestivo do bebê para protegê-lo. Caso
água ou alimentos artificiais sejam oferecidos ao bebê, parte dessa camada pode ser
removida, permitindo que infecções entrem no organismo do bebê.
• É perfeito como primeiro alimento pois contém mais proteínas e vitamina A do que o
leite materno maduro.
Unicef - IHAC – Módulo 3
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A importância do Colostro: o primeiro leite
• Age como laxante e ajuda o bebê a eliminar o mecônio, ajudando a prevenir a icterícia.
• Sai em quantidades muito pequenas. Isso é bom para o estômago muito pequeno do
bebê e para os rins imaturos que não conseguem lidar com grande volume de líquidos.
• O colostro é o suficiente para o bebê, desde que esteja mamando em livre demanda e
com a pega adequada.
• Recém-nascidos amamentados não devem receber água ou água glicosada a não ser que
isso seja clinicamente indicado.
Unicef - IHAC – Módulo 3
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Como indicar para a mãe os sinais de que o bebê está com fome?
Ministério da Saúde, 2015.
• Inquietação aparente; vira o rosto para os lados, abrindo a boca;
• Movimenta a linguinha para fora da boca;
• Suga as mãos ou dedos;
• Choro (é o último sinal)
Lembrar à mãe que o bebê pode chorar por vários motivos.
Uma importante causa de desmame é o choro do bebê.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
E se o bebê chorar? Choro nem sempre é fome!
Ministério da Saúde, 2015.
• O choro é a forma dele comunicar: fralda suja, frio, calor,
vontade de arrotar, sono, desconforto, necessidade de
carinho, fome, etc. Com frequência o choro é interpretado
como fome ou cólicas.
• Na maioria das vezes, os bebês se acalmam se aconchegados
ou se colocados no peito (necessidade de se sentirem
seguros e protegidos).
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
E se o bebê chorar? Choro nem sempre é fome!
• As mães que ficam tensas, frustradas e ansiosas com o
choro dos bebês tendem a transmitir esses sentimentos à
eles, causando mais choro.
• Carinho, proteção, e pronto atendimento das necessidades
do bebê só tendem a aumentar sua confiança, favorecendo
sua independência em tempo apropriado.
• O cheiro materno, a voz e o contato fazem parte do
acolhimento ao bebê.
Ministério da Saúde, 2015.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
Algumas recomendações importantes a serem feitas ainda na internação:
• Amamentação em Livre Demanda: reforçar sempre que a criança seja amamentada sem
restrições de horários e de tempo de permanência na mama. Nos primeiros meses, é
normal que a criança mame com frequência e sem horários regulares.
• A mamadeira e a chupeta, além de serem grandes fontes de contaminação, podem
influenciar negativamente na amamentação, pois o movimento de sugar o seio é
completamente diferente do movimento de sugar esses bicos.
Ministério da Saúde, 2015.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
Algumas recomendações importantes a serem feitas ainda na internação:
• É importante chamar a atenção que o uso de chupeta está associado à maior ocorrência
de candidíase oral (sapinho), de otite média, de alterações do palato, aumentando chance
de má oclusão dentária e prejuízos no desenvolvimento da linguagem.
• Não são necessários outros alimentos ou líquidos nos primeiros 6 meses de vida –
apenas o leite da mãe, devendo a amamentação ser continuada até 2 anos ou mais.
Lembre as mães e a família que água, chás e principalmente outros leites devem ser
evitados, pois há evidências de que o seu uso está associado com desmame precoce e
aumento da morbimortalidade infantil.
Ministério da Saúde, 2015.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Vale a pena recordar antes da alta hospitalar os Direitos da mulher trabalhadora, no
período da amamentação:
• CRECHE OU BERÇÁRIO: os estabelecimentos em que trabalham pelo menos 30 mulheres com mais de 16
anos de idade deverão ter local apropriado onde seja permitido deixar, sob vigilância e assistência, seus filhos
durante a amamentação.
• PAUSAS PARA AMAMENTAR: a mulher tem direito a dois descansos especiais (30 min cada) durante a
jornada de trabalho, até o 6º mês de vida do bebê, além dos intervalos normais para repouso e alimentação.
• LICENÇA-MATERNIDADE: a Constituição de 1988 garante para todas as mulheres trabalhadoras sob o regime
CLT o direito a 120 dias de licença. Têm direito à licença-maternidade de 6 meses as mães trabalhadoras de
empresas que optarem pela Lei nº 11.770/2008 (Programa Empresa Cidadã) e os funcionários estaduais e
federais.
• PERÍODO DA LICENÇA: em casos de necessidade, os períodos de licença antes e depois do parto poderão ser
ampliados em mais duas semanas cada um, mediante apresentação de atestado médico.
• SALA DE APOIO À AMAMENTAÇÃO: é um local simples, dentro da empresa, destinado às mulheres
trabalhadoras que retornam da licença-maternidade e desejam continuar amamentando seus filhos. Nesta
sala, a mulher pode retirar e armazenar o seu leite em condições higiênico-sanitárias adequadas durante a
jornada de trabalho. Mulher Trabalhadora que Amamenta, MS, 2015.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Manutenção do aleitamento materno no retorno ao trabalho
• Escolher um frasco de vidro com tampa plástica, ferver por 15 min e deixar secar para
armazenar o leite;
• Tirar adornos, lavar as mãos, utilizar touca e máscara (se não tiver touca, prender bem os
cabelos e evitar falar por cima do frasco de leite);
• Realizar a massagem e a extração de leite;
• Desprezar os primeiros jatos ou gotas;
Mulher Trabalhadora que Amamenta, MS, 2015.
Orientações às mães
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Após terminar a coleta, fechar bem o frasco, guardar no congelador ou no freezer,
certificando-se de que o recipiente esteja identificado com data e horário do início da
coleta;
• O prazo de validade é de 12 horas se na geladeira e de 15 dias se no freezer ou
congelador;
• Quando for oferecer o leite para o bebê, o frasco deverá ser retirado do congelador, ser
descongelado em banho-maria com fogo desligado.
Mulher Trabalhadora que Amamenta, MS, 2015.
Manutenção do aleitamento materno no retorno ao trabalho
Orientações às mães
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
• Para manter a amamentação, é essencial esvaziar as mamas, extraindo o
leite em intervalos regulares. Quanto mais se retira, mais leite será
produzido. Alimentar o bebê com xícara, copinho ou colher é fácil, mas é
necessário que a pessoa que vai cuidar do bebê aprenda a fazer isso.
• Em casos de dor ou dificuldade para amamentar, qualquer mulher pode
procurar ajuda e atendimento em Bancos de Leite Humano (que são
locais de apoio à amamentação), Unidades Básicas de Saúde ou os
profissionais de saúde que acompanham mãe e bebê.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
O sucesso ou o fracasso no processo de amamentação
depende do esforço conjunto de profissionais, familiares e da
sociedade.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança : aleitamento materno e alimentação complementar /
Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2015. 184 p. : il. – (Cadernos de Atenção Básica
; n. 23).
• WABA. Cartilha Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação. 2019.
• WHO. World Health Organization/UNICEF. Breastfeeding counselling: A training course. Geneva. 1993.
• FUNDO DAS NACOES UNIDAS PARA A INFANCIA. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado: modulo 3: promovendo e
incentivando amamentação em um Hospital Amigo da Criança: curso de 20 horas para equipes de maternidade / Fundo das Nações Unidas para a Infância, Organização
Mundial da Saúde. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 276 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)
• Almeida EA, Martins Filho J. O contato precoce mãe-filho e sua contribuição para o sucesso do aleitamento materno. Rev Ciên Méd 2004; 13(4): 381-8.
• Bueno, Lais Graci dos Santos, & Teruya, Keiko Miyasaki. (2004). Aconselhamento em amamentação e sua prática. Jornal de Pediatria, 80(5, Suppl. ), s126-s130.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Cartilha para a mulher trabalhadora que amamenta /
Essentials of breastfeeding and the working woman / Cartilla para la mujer trabajadora que amamanta. Brasília; Ministério da Saúde; 2 ed; fev. 2015. 27 p. Folhetoilus.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança :
orientações para implementação / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde,
2018. 180 p. : il. ISBN 978-85-334-2596-5
• UNICEF. Research on skin-to-skin contact. Disponível em: <https://www.unicef.org.uk/babyfriendly/news-and-research/baby-friendly-research/research-supporting-
breastfeeding/skin-to-skin-contact/>
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 20 de setembro de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO
NO ALOJAMENTO CONJUNTO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemjusantos_
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAmanda Corrêa
 
Obstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoObstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoRenata Nobre
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOblogped1
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoEnayad
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaProf Ana Paula Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.Recepção e avaliação do recém-nascido.
Recepção e avaliação do recém-nascido.
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de RiscoCuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
 
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Obstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoObstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjunto
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
 
Exame do Recém-Nascido
Exame do Recém-NascidoExame do Recém-Nascido
Exame do Recém-Nascido
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
 

Semelhante a Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto

Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoRebeca - Doula
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasEuSaúde
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulherDessa Reis
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisRebeca - Doula
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento maternoNadjadBarros
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Neto Pontes
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxWellingtonTeixeira24
 
Manual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - GeofarManual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - GeofarRicardo Nunes
 
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresRebeca - Doula
 
AMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.ppt
AMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.pptAMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.ppt
AMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.pptBiancaMartins896007
 
Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2lejomoyas
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Claudia Xavier
 

Semelhante a Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto (20)

Como promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e partoComo promover a amamentação na gravidez e parto
Como promover a amamentação na gravidez e parto
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
 
Aleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdfAleitamento materno.pptx.pdf
Aleitamento materno.pptx.pdf
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Conselhos Aos Pais
Conselhos Aos PaisConselhos Aos Pais
Conselhos Aos Pais
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
 
Aleitamento materno
Aleitamento maternoAleitamento materno
Aleitamento materno
 
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da AmamentaçãoPromovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
Promovendo o Aleitamento Materno Exclusivo: desafios do início da Amamentação
 
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
Informações Básicas (Cuidados com o RN e Amamentação)
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
 
Manual Aleitamento
Manual AleitamentoManual Aleitamento
Manual Aleitamento
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
Manual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - GeofarManual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - Geofar
 
Cartilha Odete Valadares
Cartilha Odete ValadaresCartilha Odete Valadares
Cartilha Odete Valadares
 
AMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.ppt
AMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.pptAMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.ppt
AMAMENTAÇÃO aula de obstetriciaenf.ppt
 
Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2Trabalho tpa 2
Trabalho tpa 2
 
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natalPromoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO Se durante o pré-natal a mulher receber informação sobre a importância da amamentação para a sua saúde e a de seu filho e tiver apoio dos profissionais do Alojamento Conjunto, serão menores as chances de dificuldades de pega e posição, fissuras mamilares, dor para amamentar e, principalmente, desmame precoce.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO Objetivos dessa apresentação: • Sensibilizar profissionais de saúde quanto à importância da promoção do aleitamento materno, desde os primeiros momentos do pós parto; • Apresentar estratégias de comunicação eficiente para a promoção do aleitamento materno no alojamento conjunto; • Sensibilizar os profissionais envolvidos sobre a importância do empoderamento das mulheres e familiares quanto ao aleitamento.
  • 4. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • A amentação é um processo híbrido que faz parte da fisiologia da mulher, mas também sofre influências biopsicossociais. • Cabe ao profissional de saúde ter conhecimento de todo esse processo para que possa compreender as inquietudes da mulher e apoiá-la da melhor forma possível. • Em 1983, O Brasil publica a primeira Portaria que favorece a permanência do Bebê junto a mãe por 24hs (Portaria Inamps/MS nº18/1983). Desta data em diante se inicia a construção de diversas políticas que promovessem e protegessem o aleitamento materno. • Dentro deste tema chamamos atenção para os seguintes componentes desta política: Iniciativa Hospital Amigo da Criança, Rede de Bancos de Leite Humano, Método Canguru e NBCAL.
  • 5. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Contato pele a pele na sala de parto: estimulando a produção precoce de leite Almeida EA, Martins Filho J. (2004); UNICEF (2019) Outras vantagens: • Mantém o bebe calmo e aquecido; • Regula a frequência cardíaca e respiratória do RN; • Promove a criação de laços afetivos; • Estimula digestão e o interesse pela alimentação; • Ajuda a dar inicio ao aleitamento materno, favorecendo até 3 vezes mais o aleitamento materno exclusivo até o sexto mês; • Regula a temperatura corporal; • Colonização de bactérias benéficas precocemente proporcionando proteção; • Protege a mãe de hemorragia pós parto. O contato pele a pele imediato deve ser realizado para todo RN em boas condições, sendo ininterrupto na primeira hora de vida. Neste momento, também é incentivado o aleitamento materno. O exame físico completo pediátrico e as intervenções com o RN são realizados após este momento.
  • 6. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O pós parto e início da produção do leite: • A maioria das mulheres imagina sair da sala de parto com as mamas cheias de leite e já amamentando seu filho. Muitas vezes isso não ocorre pois após a expulsão da placenta, o seio inicia a produção de leite (entre o 2º e 5º dias após o parto) quando acontece a apojadura, que se caracteriza por, intumescimento mamário, edema e ejeção de poucas gotas de leite. • Esse é um processo de ingurgitamento fisiológico, que nada mais é do que a preparação das mamas para a descida do leite. Apojadura
  • 7. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O pós parto e início da produção do leite: • A apojadura não pode ser confundida com ingurgitamento patológico, conhecido como “empedramento”, pois esse se trata de um esvaziamento comprometido, que se caracteriza por mamas túrgidas, hiperemia, pode ter febre, e preceder a mastite. Durante a apojadura realize massagens apenas na aréola para facilitar a pega do bebê. A massagem deve ocorrer com os dedos espalmados em movimento circular, levemente profundo, sem uso de força. Apojadura
  • 8. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Boas Práticas na Amamentação no Alojamento Conjunto • Assistência durante o trabalho de parto, sem intervenções desnecessárias; • Contato pele a pele e amamentação na primeira hora; • Presença do acompanhante durante a permanência no hospital; • Manter mãe e bebê sempre próximos para que a mãe aprenda a reconhecer quando seu filho está com fome e para que as mamadas aconteçam sob livre demanda, favorecendo aumento na produção do leite, sem necessidade de complementos; • Não usar bicos artificiais ou mamadeiras. Incentivar a amamentação sob livre demanda aumenta a quantidade de leite e ganho de peso do RN, melhora o vínculo, ocorre menos ingurgitamento mamário e aumenta as chances de maior duração do aleitamento materno.
  • 9. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Os profissionais de saúde das maternidades, além de conhecimentos e habilidades em Aleitamento Materno, devem estar preparados para auxiliar as mulheres a visualizar os problemas, analisando junto com ela suas causas e sugerindo meios de resolvê-los, através de comunicação adequada (uso de aconselhamento em amamentação), mostrando interesse no seu bem-estar e de seu filho, para que se sintam confiantes, apoiadas e acolhidas pelo profissional. Dentre os recursos utilizados para uma comunicação eficaz há: remoção de barreiras físicas que impeçam a proximidade com a mulher, utilização de comunicação não verbal adequada, linguagem simples, saber ouvir, demonstrar empatia, não julgar, elogiar e, o principal, sugerir, não ordenar.
  • 10. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Boas Práticas na Amamentação no Alojamento Conjunto Incentivar a presença do pai do recém-nascido como acompanhante durante a internação hospitalar pode oferecer apoio emocional, físico e psíquico à mulher. Em particular, no alojamento conjunto a presença do pai como acompanhante é fundamental nos cuidados com o RN, incluindo o apoio na amamentação.
  • 11. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • A pega incorreta pode ser evitada com o apoio dos profissionais do alojamento conjunto. • As primíparas podem ter dificuldade para oferecer a mama ao seu bebê, o que pode causar dor, fissuras e abalar sua confiança para amamentar. • Mamas muito cheias, podem levar ao desconforto para o recém nascido abocanhar. • É preciso orientar a mãe a realizar massagens circulares e extrair um pouco do leite facilitando a pega do bebê. Boas Práticas na Amamentação no Alojamento Conjunto
  • 12. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Ajudando as mães no Alojamento Conjunto: É importante orientar a mulher através de: • Consultas a beira do leito; • Grupos educativos no alojamento conjunto; • Indicação de leituras de qualidade (material produzido pela equipe, Ministério da Saúde, Rede de Bancos de Leite Humano, etc). É importante lembrar que mesmo o profissional reconhecendo os benefícios do aleitamento, ele deve respeitar a individualidade e o contexto de vida de cada mulher diante da amamentação, tornando o seu manejo algo que ultrapasse os limites de interesse, do conhecimento técnico e normas institucionais.
  • 13. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Não pressionar a mãe e o bebê em relação ao tempo das primeiras mamadas; • O profissional deve ouvir a mãe, com calma e ajuda-la a encontrar uma posição confortável, onde o bebê fique próximo ao corpo da mãe; • Lembre-se sempre de encorajá-la para que acredite e tenha confiança em si; • Auxiliá-la e orientá-la quanto à pega em quase toda ou toda aréola. Demonstre para ela os sinais indicativos da uma pega correta: lábio inferior virado para fora, o queixo encosta na mama, o nariz fica livre, as bochechas permanecem cheias e arredondadas e às vezes é possível ouvir bebê deglutir. • A mãe não deve sentir dor. Unicef - IHAC – Módulo 3 Importância do bom posicionamento e da pega correta
  • 14. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A importância do Colostro: o primeiro leite • O colostro é a primeira imunização do bebê e ajuda a formação de bactérias boas no intestino. • É produzido nas mamas a partir do sétimo mês de gestação e durante os primeiros dias após o nascimento. A aparência do colostro é grossa, pegajosa e de cor clara a amarelada. • Age como uma ‘tinta’, revestindo o sistema digestivo do bebê para protegê-lo. Caso água ou alimentos artificiais sejam oferecidos ao bebê, parte dessa camada pode ser removida, permitindo que infecções entrem no organismo do bebê. • É perfeito como primeiro alimento pois contém mais proteínas e vitamina A do que o leite materno maduro. Unicef - IHAC – Módulo 3
  • 15. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A importância do Colostro: o primeiro leite • Age como laxante e ajuda o bebê a eliminar o mecônio, ajudando a prevenir a icterícia. • Sai em quantidades muito pequenas. Isso é bom para o estômago muito pequeno do bebê e para os rins imaturos que não conseguem lidar com grande volume de líquidos. • O colostro é o suficiente para o bebê, desde que esteja mamando em livre demanda e com a pega adequada. • Recém-nascidos amamentados não devem receber água ou água glicosada a não ser que isso seja clinicamente indicado. Unicef - IHAC – Módulo 3
  • 16. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Como indicar para a mãe os sinais de que o bebê está com fome? Ministério da Saúde, 2015. • Inquietação aparente; vira o rosto para os lados, abrindo a boca; • Movimenta a linguinha para fora da boca; • Suga as mãos ou dedos; • Choro (é o último sinal) Lembrar à mãe que o bebê pode chorar por vários motivos. Uma importante causa de desmame é o choro do bebê.
  • 17. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br E se o bebê chorar? Choro nem sempre é fome! Ministério da Saúde, 2015. • O choro é a forma dele comunicar: fralda suja, frio, calor, vontade de arrotar, sono, desconforto, necessidade de carinho, fome, etc. Com frequência o choro é interpretado como fome ou cólicas. • Na maioria das vezes, os bebês se acalmam se aconchegados ou se colocados no peito (necessidade de se sentirem seguros e protegidos).
  • 18. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br E se o bebê chorar? Choro nem sempre é fome! • As mães que ficam tensas, frustradas e ansiosas com o choro dos bebês tendem a transmitir esses sentimentos à eles, causando mais choro. • Carinho, proteção, e pronto atendimento das necessidades do bebê só tendem a aumentar sua confiança, favorecendo sua independência em tempo apropriado. • O cheiro materno, a voz e o contato fazem parte do acolhimento ao bebê. Ministério da Saúde, 2015.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO Algumas recomendações importantes a serem feitas ainda na internação: • Amamentação em Livre Demanda: reforçar sempre que a criança seja amamentada sem restrições de horários e de tempo de permanência na mama. Nos primeiros meses, é normal que a criança mame com frequência e sem horários regulares. • A mamadeira e a chupeta, além de serem grandes fontes de contaminação, podem influenciar negativamente na amamentação, pois o movimento de sugar o seio é completamente diferente do movimento de sugar esses bicos. Ministério da Saúde, 2015.
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO Algumas recomendações importantes a serem feitas ainda na internação: • É importante chamar a atenção que o uso de chupeta está associado à maior ocorrência de candidíase oral (sapinho), de otite média, de alterações do palato, aumentando chance de má oclusão dentária e prejuízos no desenvolvimento da linguagem. • Não são necessários outros alimentos ou líquidos nos primeiros 6 meses de vida – apenas o leite da mãe, devendo a amamentação ser continuada até 2 anos ou mais. Lembre as mães e a família que água, chás e principalmente outros leites devem ser evitados, pois há evidências de que o seu uso está associado com desmame precoce e aumento da morbimortalidade infantil. Ministério da Saúde, 2015.
  • 21. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Vale a pena recordar antes da alta hospitalar os Direitos da mulher trabalhadora, no período da amamentação: • CRECHE OU BERÇÁRIO: os estabelecimentos em que trabalham pelo menos 30 mulheres com mais de 16 anos de idade deverão ter local apropriado onde seja permitido deixar, sob vigilância e assistência, seus filhos durante a amamentação. • PAUSAS PARA AMAMENTAR: a mulher tem direito a dois descansos especiais (30 min cada) durante a jornada de trabalho, até o 6º mês de vida do bebê, além dos intervalos normais para repouso e alimentação. • LICENÇA-MATERNIDADE: a Constituição de 1988 garante para todas as mulheres trabalhadoras sob o regime CLT o direito a 120 dias de licença. Têm direito à licença-maternidade de 6 meses as mães trabalhadoras de empresas que optarem pela Lei nº 11.770/2008 (Programa Empresa Cidadã) e os funcionários estaduais e federais. • PERÍODO DA LICENÇA: em casos de necessidade, os períodos de licença antes e depois do parto poderão ser ampliados em mais duas semanas cada um, mediante apresentação de atestado médico. • SALA DE APOIO À AMAMENTAÇÃO: é um local simples, dentro da empresa, destinado às mulheres trabalhadoras que retornam da licença-maternidade e desejam continuar amamentando seus filhos. Nesta sala, a mulher pode retirar e armazenar o seu leite em condições higiênico-sanitárias adequadas durante a jornada de trabalho. Mulher Trabalhadora que Amamenta, MS, 2015.
  • 22. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Manutenção do aleitamento materno no retorno ao trabalho • Escolher um frasco de vidro com tampa plástica, ferver por 15 min e deixar secar para armazenar o leite; • Tirar adornos, lavar as mãos, utilizar touca e máscara (se não tiver touca, prender bem os cabelos e evitar falar por cima do frasco de leite); • Realizar a massagem e a extração de leite; • Desprezar os primeiros jatos ou gotas; Mulher Trabalhadora que Amamenta, MS, 2015. Orientações às mães
  • 23. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Após terminar a coleta, fechar bem o frasco, guardar no congelador ou no freezer, certificando-se de que o recipiente esteja identificado com data e horário do início da coleta; • O prazo de validade é de 12 horas se na geladeira e de 15 dias se no freezer ou congelador; • Quando for oferecer o leite para o bebê, o frasco deverá ser retirado do congelador, ser descongelado em banho-maria com fogo desligado. Mulher Trabalhadora que Amamenta, MS, 2015. Manutenção do aleitamento materno no retorno ao trabalho Orientações às mães
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO • Para manter a amamentação, é essencial esvaziar as mamas, extraindo o leite em intervalos regulares. Quanto mais se retira, mais leite será produzido. Alimentar o bebê com xícara, copinho ou colher é fácil, mas é necessário que a pessoa que vai cuidar do bebê aprenda a fazer isso. • Em casos de dor ou dificuldade para amamentar, qualquer mulher pode procurar ajuda e atendimento em Bancos de Leite Humano (que são locais de apoio à amamentação), Unidades Básicas de Saúde ou os profissionais de saúde que acompanham mãe e bebê.
  • 25. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO O sucesso ou o fracasso no processo de amamentação depende do esforço conjunto de profissionais, familiares e da sociedade.
  • 26. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde da criança : aleitamento materno e alimentação complementar / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2015. 184 p. : il. – (Cadernos de Atenção Básica ; n. 23). • WABA. Cartilha Empoderar Mães e Pais, Favorecer a Amamentação. 2019. • WHO. World Health Organization/UNICEF. Breastfeeding counselling: A training course. Geneva. 1993. • FUNDO DAS NACOES UNIDAS PARA A INFANCIA. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado: modulo 3: promovendo e incentivando amamentação em um Hospital Amigo da Criança: curso de 20 horas para equipes de maternidade / Fundo das Nações Unidas para a Infância, Organização Mundial da Saúde. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2009. 276 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) • Almeida EA, Martins Filho J. O contato precoce mãe-filho e sua contribuição para o sucesso do aleitamento materno. Rev Ciên Méd 2004; 13(4): 381-8. • Bueno, Lais Graci dos Santos, & Teruya, Keiko Miyasaki. (2004). Aconselhamento em amamentação e sua prática. Jornal de Pediatria, 80(5, Suppl. ), s126-s130. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Cartilha para a mulher trabalhadora que amamenta / Essentials of breastfeeding and the working woman / Cartilla para la mujer trabajadora que amamanta. Brasília; Ministério da Saúde; 2 ed; fev. 2015. 27 p. Folhetoilus. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança : orientações para implementação / Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018. 180 p. : il. ISBN 978-85-334-2596-5 • UNICEF. Research on skin-to-skin contact. Disponível em: <https://www.unicef.org.uk/babyfriendly/news-and-research/baby-friendly-research/research-supporting- breastfeeding/skin-to-skin-contact/>
  • 27. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 20 de setembro de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. PROMOÇÃO DO ALEITAMENTO MATERNO NO ALOJAMENTO CONJUNTO