SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS MULHERES
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
A estadia hospitalar da mãe e do recém-nascido é importante
para identificar problemas e certificar que a mãe se sinta
segura, capaz para cuidar dela e de seu filho em casa. Todos os
esforços devem ser feitos para que a mãe e o bebê recebam
alta simultaneamente.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
Objetivos:
• Apresentar a legislação sobre a alta hospitalar segura da
puérpera e do recém-nascido.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta para os perigos e
desvantagens de uma permanência hospitalar inferior a 48 horas e para a
necessidade de cumprimento dos critérios mínimos para que a alta de
recém-nascidos de termo saudáveis seja segura.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Desvantagens da Alta Precoce
1. Pouco tempo para orientar sobre o aleitamento materno e o cuidado ao recém-
nascido;
2. Falha na identificação de problemas neonatais e maternos, tais como: problemas
cardiopulmonares, icterícia, cardiopatias congênitas canal dependente, obstruções
gastrintestinais, megacolon congênito e endometrite ou outras infecções maternas,
que podem se tornar aparentes durante os primeiros dias pós-parto e requerem um
período de observação mais longo, por profissional qualificado e experiente;
3. Falência na identificação de problemas nutricionais precoces;
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Desvantagens da Alta Precoce
4. Não realização da triagem neonatal para erros inatos do metabolismo,
hipotireoidismo, hemoglobinopatias e fibrose cística;
5. Aumento do número de reinternações por icterícia, febre e desidratação associadas à
ingestão inadequada de leite, hipotermia, apneia, infecções e sepse com agravos à
saúde;
6. Ausência de diminuição de custos, pois um programa com profissionais treinados em
seguimento ficaria tão caro quanto o prolongamento da internação.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Portaria 2.068 do Ministério da Saúde, publicada no Diário Oficial da
União 167, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a
organização da atenção integral e humanizada à mulher e ao recém-
nascido no Alojamento Conjunto.
• Art. 9º A alta da mulher e do recém-nascido deverá ser realizada
mediante elaboração de projeto terapêutico singular, considerando-
se, para o tempo de alta, as necessidades individuais.
Banco de Imagens CEJAM
• Recomenda-se a permanência mínima de 24 horas em Alojamento Conjunto, momento a partir do
qual a alta pode ser considerada, desde que preenchidos os critérios listados na portaria 2.068.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Bom estado geral, com exame físico normal, sem sinais de infecção puerperal/sítio cirúrgico, com loquiação
fisiológica;
• Sem intercorrências mamárias como fissura, escoriação, ingurgitamento ou sinais de mastite, e orientada
nas práticas de massagem circular e ordenha do leite materno;
• Recuperação adequada, comorbidades compensadas ou com encaminhamento assegurado para
seguimento ambulatorial de acordo com as necessidades;
• Bem orientada para continuidade dos cuidados em ambiente domiciliar e referenciada para Unidade Básica
de Saúde (retorno assegurado até o 7º dia após o parto);
• Estabelecimento de vínculo entre mãe e bebê;
• Encaminhamento para unidade de referência para acesso a ações de saúde sexual e reprodutiva e escolha
de método anticoncepcional, caso a mulher não receba alta já em uso de algum método contraceptivo, ou
para seguimento pela atenção básica da prescrição ou inserção de método pela equipe da maternidade.
Condições para a alta da Puérpera
Portaria 2.068, publicada em
21 de outubro de 2016.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Revisão das sorologias da mulher realizadas durante a gestação ou no momento da internação para
o parto, Entre as sorologias, merecem destaque:
- Sífilis,
- HIV,
- Toxoplasmose,
- Hepatite B.
Outras doenças infectocontagiosas, como citomegalovírus, herpes simplex e infecções por
arbovírus deverão ser investigadas se houver história sugestiva durante a gestação e/ou sinais
clínicos sugestivos no recém-nascido.
Exames para a alta da Puérpera
Realização de tipagem sanguínea, Coombs da mãe e do recém-nascido, quando indicado.
Portaria 2.068, publicada em
21 de outubro de 2016.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Condições para a alta do Recém-Nascido
• Recém-nascido a termo e com peso adequado para a idade gestacional, sem comorbidades e com exame
físico normal;
• Ausência de icterícia nas primeiras 24 horas de vida;
• Avaliação de icterícia, preferencialmente transcutânea, e utilização do normograma de Bhutani para avaliar
a necessidade de acompanhamento dos níveis de bilirrubina quando necessário;
• Apresentando diurese e eliminação de mecônio espontâneo;
• Mantendo controle térmico adequado;
• Sucção ao seio com pega e posicionamento adequados, com boa coordenação sucção/deglutição, salvo em
situações em que há restrições ao aleitamento materno;
• Em uso de substituto do leite humano/formula láctea para situações em que a amamentação é
contraindicada de acordo com atualização OMS/2009 "Razões médicas aceitáveis para uso de substitutos
do leite".
Portaria 2.068, publicada em
21 de outubro de 2016.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Condições para a alta do Recém-Nascido SBP, 2012
Alta hospitalar após 48 horas
• Recém-nascidos em condições clinicas estáveis , em aleitamento materno exclusivo e sem intercorrências
clinicas, pais capacitados, orientados e seguros
Retorno ambulatorial em 48-72 horas após alta
• Todos os recém-nascidos que receberam alta antes de 48h de vida;
• Recém-nascidos prematuros tardios (34 a 36 semanas completas);
• Casos com perda de peso excessiva ( SBP, 2017);
• RN de risco e mães com traumas mamilares;
• Reavaliação da icterícia pós suspensão de fototerapia;
• Frênulo lingual espessado (Nota Técnica Nº 35/2018 do Ministério da Saúde).
Retorno de preferência já
agendado, para avaliar as
condições da amamentação,
hidratação, icterícia e outras
intercorrências.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Condições para a alta do Recém-Nascido
(Fonte: SBP, 2017)
Curvas com
Percentis estimados
da percentagem de
perda de peso pelo
tempo de vida:
A: Recém-nascidos
de parto vaginal
B: Recém-nascidos
de cesariana
SBP, 2012
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Exames para a alta do Recém-Nascido
Portaria 2.068, publicada em
21 de outubro de 2016.
• Oximetria de pulso (teste do coraçãozinho);
• Triagem Ocular (teste do Reflexo Vermelho ou teste do olhinho);
• Triagem Auditiva (teste da orelhinha) assegurada no primeiro mês de vida;
• Triagem Biológica (teste do pezinho) assegurada preferencialmente entre o 3º e 5º dias
de vida.
• Avaliação e vigilância adequadas dos recém-nascidos para sepse neonatal precoce com
base nos fatores de risco da mãe e de acordo com as diretrizes atuais do Ministério da
Saúde para a prevenção de infecção pelo estreptococo do grupo B.
• Investigações de outras infecções congênitas no recém-nascido, conforme necessidade.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• A mãe, o pai e outros cuidadores devem ter conhecimento e habilidade para dispensar
cuidados adequados ao recém-nascido e reconhecer situações de risco como a ingestão
inadequada de alimento, o agravamento da icterícia e eventual desidratação nos
primeiros sete dias de vida.
• Avaliação do serviço social para os fatores de risco psíquicos, sociais e ambientais, como
o uso de drogas ilícitas, alcoolismo, tabagismo, antecedentes de negligência, violência
doméstica, doença mental, doenças transmissíveis e situações de vulnerabilidade social.
• Agenda com a Atenção Básica, o retorno da mulher e do recém-nascido entre o 3º e o 5º
dia de vida.
• Preenchimento de todos os dados na Caderneta da Gestante e na Caderneta de Saúde
da Criança.
Outras Orientações
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• Procurar a Unidade Básica de Saúde ou o pronto-atendimento caso a mulher apresente
sinais de infecção (febre, secreção purulenta vaginal, por ferida operatória ou nas
mamas), sangramento com odor fétido ou com volume aumentado, edema assimétrico
de extremidades, dor refratária a analgésicos, sofrimento emocional, astenia
exacerbada ou outros desconfortos.
• Procurar a Unidade Básica de Saúde se o recém-nascido apresentar problemas com
aleitamento materno, icterícia ou qualquer outra alteração.
• Em caso de intercorrências com as mamas, os Bancos de Leite Humano poderão
oferecer a assistência referente às boas práticas da amamentação, e orientações sobre
a doação de leite humano.
• Realizar vacinação conforme calendário vacinal.
Outras Orientações
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Outras Orientações
• Higienizar as mãos antes e após o cuidado com o recém-nascido.
• Evitar ambientes aglomerados ou com pessoas apresentando sinais e sintomas de
doenças infectocontagiosas, como gripe e resfriado.
• Prevenir a morte súbita do recém-nascido por meio dos seguintes cuidados: deixar a
criança em posição supina, manter a amamentação ao seio e evitar o tabagismo
materno ou outra forma de exposição da criança ao fumo.
• Transportar o recém-nascido de forma segura e prevenir acidentes domésticos.
• Para crianças filhos de mães cuja amamentação é contraindicada de acordo com razões
médicas aceitáveis/OMS/2009, orientar o preparo correto da formula láctea e
higienização dos utensílios utilizados para preparo e oferta desse alimento.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Banco de Imagens CEJAM
• Antes da alta a puérpera deverá ser encaminhada para a
rede básica de saúde para início do atendimento de
puericultura.
• A mãe deve ser orientada antes da alta quanto ao local de
apoio à amamentação que deverá procurar caso observe
problemas na amamentação, ou outros problemas
relacionados ao binômio.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
O tempo de permanência hospitalar da mãe e do bebê após o
parto deve ser o suficiente para assegurar a identificação de
problemas e a preparação da mãe para o autocuidado e o
cuidado adequado com o recém-nascido.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 2.068, de 21 de outubro de 2016. Institui
diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada à mulher e ao recém-nascido no
Alojamento Conjunto.
• Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Neonatologia. Nascimento Seguro.
Documento Científico Nº 3, Abril de 2018.
• Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Neonatologia. Tempo de permanência
hospitalar do recém-nascido a termo saudável. Documento Científico, atualização em maio de 2012.
• Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Aleitamento Materno. Uso e abuso de
fórmula infantil na maternidade em recém-nascidos sadios a termo .Documento Científico Nº 5 , Agosto de
2017.
• BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas
Estratégicas. Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Nota Técnica n.º 35/2018 –
Anquiloglossia em recém-nascidos.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 27 de junho de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptxNatasha Louise
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básicamarianagusmao39
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerJesiele Spindler
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaRegiane Ribeiro
 
Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Juliana Maciel
 

Mais procurados (20)

Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no primeiro período
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à práticaSegurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
Segurança na Atenção ao Parto e Nascimento: da teoria à prática
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodosCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e Administração
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e AdministraçãoUso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e Administração
Uso Seguro de Medicamentos em Neonatologia: Preparo e Administração
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Periodo puerperal
Periodo puerperalPeriodo puerperal
Periodo puerperal
 
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
Posições da Mulher durante o Trabalho de Parto e Parto: benefícios da livre m...
 
Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011
 
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátricaEnfermagem em Uti neonatal e pediátrica
Enfermagem em Uti neonatal e pediátrica
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_partoAula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
 
Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno Slide Aleitamento materno
Slide Aleitamento materno
 
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de RiscoCuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
 

Semelhante a Alta Segura Mãe Bebê Critérios

Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.pptDonCorleone22
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxWellingtonTeixeira24
 
Mastite Puerperal Estudo De Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De  Fatores PredisponentesMastite Puerperal Estudo De  Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De Fatores PredisponentesBiblioteca Virtual
 
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxssuser51d27c1
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxEduardoFatdukbrGonal
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalGustavo Henrique
 
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatalDanubia7410
 

Semelhante a Alta Segura Mãe Bebê Critérios (20)

A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Rede Cegonha Carmem.ppt
Rede Cegonha  Carmem.pptRede Cegonha  Carmem.ppt
Rede Cegonha Carmem.ppt
 
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
Mastite Puerperal Estudo De Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De  Fatores PredisponentesMastite Puerperal Estudo De  Fatores Predisponentes
Mastite Puerperal Estudo De Fatores Predisponentes
 
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptxALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
ALOJAMENTO CONJUNTO.pptx
 
7333906.ppt
7333906.ppt7333906.ppt
7333906.ppt
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
 
Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?
 
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptxAULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
AULA 02- BERÇÁRIO PATOLÓGICO.pptx
 
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natalAula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
Aula 4 -_consulta_de_enfermagem_na_assistencia_pre-natal
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
Rede Cegonha SP
Rede Cegonha SPRede Cegonha SP
Rede Cegonha SP
 
Blog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal SlaydBlog Pré Natal Slayd
Blog Pré Natal Slayd
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
 
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptAlberto205764
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASArtthurPereira2
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxcontatofelipearaujos
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxWenderSantos21
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERCarlaDaniela33
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfClivyFache
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 

Último (10)

PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.pptPSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
PSORÍASE-Resumido.Diagnostico E Tratamento- aula.ppt
 
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICASAULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
AULA SOBRE SAMU, CONCEITOS E CARACTERICAS
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptxENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
ENFERMAGEM - MÃ_DULO IV - ENFERMAGEM EM PACIENTES CRITICOS.pptx
 
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptxCONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 011.pptx
 
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASERTERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE - ENDOLASER
 
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdfManual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
Manual_Gestao e Administracao_III__Julho13_FINAL..pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 

Alta Segura Mãe Bebê Critérios

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ A estadia hospitalar da mãe e do recém-nascido é importante para identificar problemas e certificar que a mãe se sinta segura, capaz para cuidar dela e de seu filho em casa. Todos os esforços devem ser feitos para que a mãe e o bebê recebam alta simultaneamente.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ Objetivos: • Apresentar a legislação sobre a alta hospitalar segura da puérpera e do recém-nascido.
  • 4. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) alerta para os perigos e desvantagens de uma permanência hospitalar inferior a 48 horas e para a necessidade de cumprimento dos critérios mínimos para que a alta de recém-nascidos de termo saudáveis seja segura.
  • 5. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Desvantagens da Alta Precoce 1. Pouco tempo para orientar sobre o aleitamento materno e o cuidado ao recém- nascido; 2. Falha na identificação de problemas neonatais e maternos, tais como: problemas cardiopulmonares, icterícia, cardiopatias congênitas canal dependente, obstruções gastrintestinais, megacolon congênito e endometrite ou outras infecções maternas, que podem se tornar aparentes durante os primeiros dias pós-parto e requerem um período de observação mais longo, por profissional qualificado e experiente; 3. Falência na identificação de problemas nutricionais precoces;
  • 6. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Desvantagens da Alta Precoce 4. Não realização da triagem neonatal para erros inatos do metabolismo, hipotireoidismo, hemoglobinopatias e fibrose cística; 5. Aumento do número de reinternações por icterícia, febre e desidratação associadas à ingestão inadequada de leite, hipotermia, apneia, infecções e sepse com agravos à saúde; 6. Ausência de diminuição de custos, pois um programa com profissionais treinados em seguimento ficaria tão caro quanto o prolongamento da internação.
  • 7. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Portaria 2.068 do Ministério da Saúde, publicada no Diário Oficial da União 167, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada à mulher e ao recém- nascido no Alojamento Conjunto. • Art. 9º A alta da mulher e do recém-nascido deverá ser realizada mediante elaboração de projeto terapêutico singular, considerando- se, para o tempo de alta, as necessidades individuais. Banco de Imagens CEJAM • Recomenda-se a permanência mínima de 24 horas em Alojamento Conjunto, momento a partir do qual a alta pode ser considerada, desde que preenchidos os critérios listados na portaria 2.068.
  • 8. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Bom estado geral, com exame físico normal, sem sinais de infecção puerperal/sítio cirúrgico, com loquiação fisiológica; • Sem intercorrências mamárias como fissura, escoriação, ingurgitamento ou sinais de mastite, e orientada nas práticas de massagem circular e ordenha do leite materno; • Recuperação adequada, comorbidades compensadas ou com encaminhamento assegurado para seguimento ambulatorial de acordo com as necessidades; • Bem orientada para continuidade dos cuidados em ambiente domiciliar e referenciada para Unidade Básica de Saúde (retorno assegurado até o 7º dia após o parto); • Estabelecimento de vínculo entre mãe e bebê; • Encaminhamento para unidade de referência para acesso a ações de saúde sexual e reprodutiva e escolha de método anticoncepcional, caso a mulher não receba alta já em uso de algum método contraceptivo, ou para seguimento pela atenção básica da prescrição ou inserção de método pela equipe da maternidade. Condições para a alta da Puérpera Portaria 2.068, publicada em 21 de outubro de 2016.
  • 9. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Revisão das sorologias da mulher realizadas durante a gestação ou no momento da internação para o parto, Entre as sorologias, merecem destaque: - Sífilis, - HIV, - Toxoplasmose, - Hepatite B. Outras doenças infectocontagiosas, como citomegalovírus, herpes simplex e infecções por arbovírus deverão ser investigadas se houver história sugestiva durante a gestação e/ou sinais clínicos sugestivos no recém-nascido. Exames para a alta da Puérpera Realização de tipagem sanguínea, Coombs da mãe e do recém-nascido, quando indicado. Portaria 2.068, publicada em 21 de outubro de 2016.
  • 10. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Condições para a alta do Recém-Nascido • Recém-nascido a termo e com peso adequado para a idade gestacional, sem comorbidades e com exame físico normal; • Ausência de icterícia nas primeiras 24 horas de vida; • Avaliação de icterícia, preferencialmente transcutânea, e utilização do normograma de Bhutani para avaliar a necessidade de acompanhamento dos níveis de bilirrubina quando necessário; • Apresentando diurese e eliminação de mecônio espontâneo; • Mantendo controle térmico adequado; • Sucção ao seio com pega e posicionamento adequados, com boa coordenação sucção/deglutição, salvo em situações em que há restrições ao aleitamento materno; • Em uso de substituto do leite humano/formula láctea para situações em que a amamentação é contraindicada de acordo com atualização OMS/2009 "Razões médicas aceitáveis para uso de substitutos do leite". Portaria 2.068, publicada em 21 de outubro de 2016.
  • 11. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Condições para a alta do Recém-Nascido SBP, 2012 Alta hospitalar após 48 horas • Recém-nascidos em condições clinicas estáveis , em aleitamento materno exclusivo e sem intercorrências clinicas, pais capacitados, orientados e seguros Retorno ambulatorial em 48-72 horas após alta • Todos os recém-nascidos que receberam alta antes de 48h de vida; • Recém-nascidos prematuros tardios (34 a 36 semanas completas); • Casos com perda de peso excessiva ( SBP, 2017); • RN de risco e mães com traumas mamilares; • Reavaliação da icterícia pós suspensão de fototerapia; • Frênulo lingual espessado (Nota Técnica Nº 35/2018 do Ministério da Saúde). Retorno de preferência já agendado, para avaliar as condições da amamentação, hidratação, icterícia e outras intercorrências.
  • 12. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Condições para a alta do Recém-Nascido (Fonte: SBP, 2017) Curvas com Percentis estimados da percentagem de perda de peso pelo tempo de vida: A: Recém-nascidos de parto vaginal B: Recém-nascidos de cesariana SBP, 2012
  • 13. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Exames para a alta do Recém-Nascido Portaria 2.068, publicada em 21 de outubro de 2016. • Oximetria de pulso (teste do coraçãozinho); • Triagem Ocular (teste do Reflexo Vermelho ou teste do olhinho); • Triagem Auditiva (teste da orelhinha) assegurada no primeiro mês de vida; • Triagem Biológica (teste do pezinho) assegurada preferencialmente entre o 3º e 5º dias de vida. • Avaliação e vigilância adequadas dos recém-nascidos para sepse neonatal precoce com base nos fatores de risco da mãe e de acordo com as diretrizes atuais do Ministério da Saúde para a prevenção de infecção pelo estreptococo do grupo B. • Investigações de outras infecções congênitas no recém-nascido, conforme necessidade.
  • 14. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • A mãe, o pai e outros cuidadores devem ter conhecimento e habilidade para dispensar cuidados adequados ao recém-nascido e reconhecer situações de risco como a ingestão inadequada de alimento, o agravamento da icterícia e eventual desidratação nos primeiros sete dias de vida. • Avaliação do serviço social para os fatores de risco psíquicos, sociais e ambientais, como o uso de drogas ilícitas, alcoolismo, tabagismo, antecedentes de negligência, violência doméstica, doença mental, doenças transmissíveis e situações de vulnerabilidade social. • Agenda com a Atenção Básica, o retorno da mulher e do recém-nascido entre o 3º e o 5º dia de vida. • Preenchimento de todos os dados na Caderneta da Gestante e na Caderneta de Saúde da Criança. Outras Orientações
  • 15. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • Procurar a Unidade Básica de Saúde ou o pronto-atendimento caso a mulher apresente sinais de infecção (febre, secreção purulenta vaginal, por ferida operatória ou nas mamas), sangramento com odor fétido ou com volume aumentado, edema assimétrico de extremidades, dor refratária a analgésicos, sofrimento emocional, astenia exacerbada ou outros desconfortos. • Procurar a Unidade Básica de Saúde se o recém-nascido apresentar problemas com aleitamento materno, icterícia ou qualquer outra alteração. • Em caso de intercorrências com as mamas, os Bancos de Leite Humano poderão oferecer a assistência referente às boas práticas da amamentação, e orientações sobre a doação de leite humano. • Realizar vacinação conforme calendário vacinal. Outras Orientações
  • 16. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Outras Orientações • Higienizar as mãos antes e após o cuidado com o recém-nascido. • Evitar ambientes aglomerados ou com pessoas apresentando sinais e sintomas de doenças infectocontagiosas, como gripe e resfriado. • Prevenir a morte súbita do recém-nascido por meio dos seguintes cuidados: deixar a criança em posição supina, manter a amamentação ao seio e evitar o tabagismo materno ou outra forma de exposição da criança ao fumo. • Transportar o recém-nascido de forma segura e prevenir acidentes domésticos. • Para crianças filhos de mães cuja amamentação é contraindicada de acordo com razões médicas aceitáveis/OMS/2009, orientar o preparo correto da formula láctea e higienização dos utensílios utilizados para preparo e oferta desse alimento.
  • 17. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Banco de Imagens CEJAM • Antes da alta a puérpera deverá ser encaminhada para a rede básica de saúde para início do atendimento de puericultura. • A mãe deve ser orientada antes da alta quanto ao local de apoio à amamentação que deverá procurar caso observe problemas na amamentação, ou outros problemas relacionados ao binômio.
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ O tempo de permanência hospitalar da mãe e do bebê após o parto deve ser o suficiente para assegurar a identificação de problemas e a preparação da mãe para o autocuidado e o cuidado adequado com o recém-nascido.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 2.068, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada à mulher e ao recém-nascido no Alojamento Conjunto. • Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Neonatologia. Nascimento Seguro. Documento Científico Nº 3, Abril de 2018. • Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Neonatologia. Tempo de permanência hospitalar do recém-nascido a termo saudável. Documento Científico, atualização em maio de 2012. • Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Aleitamento Materno. Uso e abuso de fórmula infantil na maternidade em recém-nascidos sadios a termo .Documento Científico Nº 5 , Agosto de 2017. • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. Nota Técnica n.º 35/2018 – Anquiloglossia em recém-nascidos.
  • 20. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 27 de junho de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ALTA SEGURA DA MÃE E DO BEBÊ