SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 34
Baixar para ler offline
Parto e Nascimento
Humanizado
Prof. Enf. Joilsom Saraiva
A enfermagem possui
importante papel como
integrante da equipe,
no sentido de
proporcionar uma
assistência humanizada
e qualificada quando do
parto, favorecendo e
estimulando a
participação efetiva dos
principais atores desse
fenômeno – a gestante,
seu acompanhante e
seu filho
recém-nascido.
“A maneira de parir é a mesma desde as
épocas mais primitivas da humanidade. O
que muda e como nós, Enfermeiros,
vemos e entendemos essas mulheres.”
Conceito
• Não é mais um tipo de parto, mas sim um processo
• Respeito
• Direito de escolha
• Não haver interferência
• Visão holística (o ser como um todo)
É bom para o bebê?
• O bebê se prepara para vir ao mundo;
• A maturação final do pulmão ocorre durante o trabalho de
parto;
• Imunização natural no momento da passagem do bebê
pelo canal vaginal;
• Ligação mãe-bebê
Tem acontecido?
PORTARIA Nº 2.418/GM DE 2 DE DEZEMBRO DE 2005.
Lei 11.108, 07 de abril de 2005
“A Lei Nº 11.108, sancionada pelo Presidente da República em
exercício, em 07/04/2005 e publicada no Diário Oficial, em
08/04/2005, altera a Lei Nº 8.080 para garantir as gestantes o
direito à presença de acompanhante durante o trabalho de
parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único
de Saúde – SUS, rede própria ou conveniada)”
“Art. 2º Os hospitais públicos e conveniados com o SUS têm
prazo de 6 (seis) meses para tomar as providências necessárias
ao atendimento do disposto nesta Portaria.”
 A promoção e manutenção do bem-estar
físico e emocional ao longo do processo de
parto e nascimento ocorrem mediante
informações e orientações permanentes à
parturiente sobre a evolução do trabalho de
parto, reconhecendo-lhe o papel principal
nesse processo e até mesmo aceitando sua
recusa a condutas que lhe causem
constrangimento ou dor; além disso, deve-se
oferecer espaço e apoio para a presença do
(a) acompanhante que a parturiente deseja.
 Precisamos valorizar esse momento, pois,
se vivenciado harmoniosamente, favorece
um contato precoce mãe recém-nascido,
estimula o aleitamento materno e
promove a interação com o
acompanhante e a família, permitindo à
mulher um momento de conforto e
segurança, com pessoas de seu
referencial pessoal.
Os profissionais devem
respeitar os
sentimentos, emoções,
necessidades e valores
culturais, ajudando-a a
diminuir a ansiedade e
insegurança, o medo
do parto, da solidão do
ambiente hospitalar e
dos possíveis
problemas do bebê.
O início do trabalho de parto é desencadeado por
fatores maternos, fetais e placentários, que se
interagem. Os sinais do desencadeamento de trabalho
de parto são:
*Eliminações vaginais, discreto sangramento, perda de
tampão mucoso, eliminação de líquido amniótico, presente
quando ocorre a ruptura da bolsa amniótica em condições
normais, apre-senta-se claro, translúcido e com pequenos
grumos semelhantes a pedaços de leite coalhado (vérnix).
*Contrações uterinas inicialmente regulares, de pequena
intensidade, com duração variável de 20 a 40 segundos,
podendo chegar a duas ou mais em dez minutos.
*Desconforto lombar.
*Alterações da cérvice, amolecimento, apagamento e
dilatação progressiva.
*Diminuição da movimentação fetal.
 Parto Natural:
• Sem Episiotomia
• Sem Ocitocina
• Pode ser realizado em
Casa
• Sem raspagem dos
pelos
 Parto Cesariana:
• Cirúrgico
• Tamanho e tipo de
pélvis desproporcional
ao tamanho do bebê
• Posição invertida
• Problemas da placenta
(placenta prévia,
descolamento
prematuro da
placenta)
• Pré-eclâmpsia
• Nascimentos múltiplos
 Parto Leboyer:
• Usado pouca luz
• Silêncio após o
nascimento
• Massagem nas costas
do bebê
 Parto de Cócoras:
• Mais rápido
• Mais cômodo
• Gravidade a favor da
mãe
 Parto na Água:
• Alívio das dores
• O bebê sai de um
líquido quentinho para
outro
A duração de cada trabalho de parto está
associada à paridade (o número de partos
da mulher), pois as primíparas demandam
maior tempo de trabalho de parto do que
as multíparas; à flexibilidade do canal de
parto, pois as mulheres que exercitam a
musculatura pélvica apresentam maior
flexibilidade do que as sedentárias; às
contrações uterinas, que devem ter
intensidade e frequência apropriadas; à
boa condição psicológica da parturiente
durante o trabalho de parto, caso contrário
dificultará o nascimento do bebê; ao
estado geral da cliente e sua reserva
orgânica para atender ao esforço do
trabalho de parto; e à situação e
apresentação fetais (transversa, acromial,
pélvica e de face).
Os Hormônios do Parto
 OCITOCINA –potencializa as contrações
uterinas tornando-as fortes e
coordenadas, até completar-se o parto.
 PROSTAGLANDINAS – dilata o colo do
útero.
 O parto depende tanto da secreção de ocitocina
quanto da produção das prostaglandinas, pois sem
estas, não haverá dilatação adequada do colo do
útero e consequentemente, o parto não irá progredir
normalmente. Não são bem conhecidos os fatores
desencadeantes do trabalho de parto, mas sabe-se
que, quando o hipotálamo do feto alcança certo grau
de maturação, estimula a hipófise fetal a liberar
ACTH. Agindo sobre a adrenal do feto, esse hormônio
aumenta a secreção de CORTISOL e outros
hormônios, que estimulam a placenta a secretar as
prostaglandinas que promovem contrações da
musculatura lisa do útero.
 A PROGESTERONA mantém seus níveis
elevados durante toda a gravidez, inibindo
o músculo liso uterino e bloqueando sua
resposta a ocitocina e as prostaglandinas.
 O ESTROGÊNIO aumenta o grau de
contratilidade uterina. Na última etapa da
gestação, o estrogênio tende a aumentar
mais que a progesterona, o que faz com
que o útero consiga ter uma maior
contratilidade.
 A RELAXINA aumenta o
número de receptores da
ocitocina, além de
produzir um ligeiro
amolecimento das
articulações pélvicas,
dando-lhes a flexibilidade
necessária para o parto.
Tem ação importante no
útero para que ele se
distenda, à medida que o
bebê cresce. Ainda não
se conhecem os fatores
que realmente interferem
no trabalho de parto,
mais uma vez iniciado, o
aumento do nível de
ocitocina se eleva até a
expulsão do feto.
Assistência durante o trabalho de
parto natural
 O trajeto do parto ou canal de parto é a passagem que o
feto percorre ao nascer, desde o útero à abertura vulvar. É
formado pelo conjunto dos ossos ilíaco, sacro e cóccix -
que compõem a pequena bacia pélvica, também
denominada de trajeto duro e pelos tecidos moles (parte
inferior do útero, colo uterino, canal vaginal e períneo) que
revestem essa parte óssea, também denominada de trajeto
mole.
 No trajeto mole, ocorrem as seguintes alterações:
aumento do útero; amolecimento do colo para a
dilatação e apagamento; hipervascularização e
aumento do tecido elástico da vagina, facilitando sua
distensão; aumento das glândulas cervicais para
lubrificar o trajeto do parto.
 No trajeto duro, a principal alteração é o aumento da
mobilidade nas articulações (sacroilíaca,
sacrococcígea, lombo-sacral, sínfise púbica), auxiliado
pelo hormônio relaxina. O feto tem importante
participação na evolução do trabalho de parto: realiza
os mecanismos de flexão, extensão e rotação,
permitindo sua entrada e passagem pelo canal de
parto - fenômeno facilitado pelo cavalgamento dos
ossos do crânio, ocasionando a redução do diâmetro
da cabeça e facilitando a passagem pela pelve
materna.
 O atendimento da parturiente na sala de
admissão de uma maternidade deve ter como
preocupação principal uma recepção acolhedora
à mulher e sua família, informando-os da
dinâmica da assistência na maternidade e os
cuidados pertinentes a esse momento:
 Fazer a admissão da parturiente;
 Orientar sobre a evolução do trabalho de parto;
 Incentivar a deambulação;
 Administrar medicamentos prescritos;
 Orientar sobre a vontade de defecar;
 Colher exames laboratoriais de rotina;
 Promover um ambiente tranquilo e com
privacidade.
Estática fetal e relações útero-fetais
Atitude ou hábito fetal
 Forma ovóide 2
pólos: cefálico e
pélvico (tronco e
membros)
Situação
 É a relação entre o
maior eixo uterino
com o maior eixo
fetal.
Situação
 Longitudinal: maior
eixo uterino e fetal
coincidem (cefálica e
pélvica) 99,5%
 Transversa: quando
perpendicular
 Oblíqua: cruzado ou
inclinada (fase
transição p/
longitudinal ou
transversa).
Apresentação
 É a região do
feto que ocupa
a área do
estreito
superior e que
nele se
insinuará.
Apresentação
 Cefálica (96,5
%)
 Córmica ou
situação
transversa
(0,5%)
 Pélvica (3 a 4 %)
TIPOS DE BACIA
Platipelóide Andróide
Antropóide
Ginecóide
Os Tempos do Mecanismo do
Parto
 Dilatação
 Expulsão
 Dequitação
 Greenberg
MECANISMOS DO PARTO
 TRAJETO: bacia
 OBJETO: feto
 MOTOR: contrações uterinas e a prensa
abdominal
 MECANISMO: conjunto de movimentos
passivos desempenhados pelo feto para que
possa nascer.
TEMPOS DO MECANSMO DE PARTO
 INSINUAÇÃO (flexão)
 DESCIDA (Rotação Interna)
 DESPRENDIMENTO (Deflexão)
 RESTITUIÇÃO OU ROTAÇÃO EXTERNA
(Desprendimento dos ombros)
Parto humanizado: a importância da enfermagem

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Assistência materno infantil
Assistência materno infantilAssistência materno infantil
Assistência materno infantil
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
 
Aula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricasAula 8 emergencias obstétricas
Aula 8 emergencias obstétricas
 
Violencia Obstetrica
Violencia ObstetricaViolencia Obstetrica
Violencia Obstetrica
 
Saude da mulher1
Saude da mulher1Saude da mulher1
Saude da mulher1
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Hemorragia pós-parto
Hemorragia pós-partoHemorragia pós-parto
Hemorragia pós-parto
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
 
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizado
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Abortamento
AbortamentoAbortamento
Abortamento
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Assistência pré natal
Assistência pré natalAssistência pré natal
Assistência pré natal
 

Destaque

Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoKaren Kaline
 
PARTO HUMANIZADO
PARTO HUMANIZADOPARTO HUMANIZADO
PARTO HUMANIZADOguest7f16de
 
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizadoDaCoGoJo
 
Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015
Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015
Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015Proqualis
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoViviane da Silva
 
Tipos de parto
Tipos de partoTipos de parto
Tipos de parto3163332545
 
De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!
De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!
De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Parto normal ou cesárea
Parto normal ou cesáreaParto normal ou cesárea
Parto normal ou cesáreaadrianomedico
 

Destaque (20)

Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de partoFisiologia e mecanismo do trabalho de parto
Fisiologia e mecanismo do trabalho de parto
 
PARTO HUMANIZADO
PARTO HUMANIZADOPARTO HUMANIZADO
PARTO HUMANIZADO
 
preparação parto
preparação partopreparação parto
preparação parto
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
 
Parto
PartoParto
Parto
 
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizado
 
Depressão na gravidez e puerpério
Depressão na gravidez e puerpérioDepressão na gravidez e puerpério
Depressão na gravidez e puerpério
 
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizado
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Tipos de parto
Tipos de partoTipos de parto
Tipos de parto
 
Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015
Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015
Segurança do Paciente na Atenção ao Parto e ao Nascimento_abril 2015
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Tipos de parto
Tipos de partoTipos de parto
Tipos de parto
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
 
Grupo com gestantes
Grupo com gestantesGrupo com gestantes
Grupo com gestantes
 
Programa Nacional de Qualificação da Gestão e da Atenção ao Parto e Nasciment...
Programa Nacional de Qualificação da Gestão e da Atenção ao Parto e Nasciment...Programa Nacional de Qualificação da Gestão e da Atenção ao Parto e Nasciment...
Programa Nacional de Qualificação da Gestão e da Atenção ao Parto e Nasciment...
 
De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!
De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!
De mãe para mãe 2a. ed.: Por uma maternagem empoderada!
 
Aula Ppp 2 Pai Em Tp
Aula Ppp 2 Pai Em TpAula Ppp 2 Pai Em Tp
Aula Ppp 2 Pai Em Tp
 
Ciclo Gestacional
Ciclo GestacionalCiclo Gestacional
Ciclo Gestacional
 
Parto normal ou cesárea
Parto normal ou cesáreaParto normal ou cesárea
Parto normal ou cesárea
 

Semelhante a Parto humanizado: a importância da enfermagem

Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezmarianagusmao39
 
EaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdf
EaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdfEaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdf
EaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdfcursosentidosdonascer
 
Curso mediadores ea d sdn
Curso mediadores ea d sdnCurso mediadores ea d sdn
Curso mediadores ea d sdnFernanda Storck
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaJuliana Costa
 
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitenciaenf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitenciaJhivagoOliveira
 
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentotvf
 
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentotvf
 
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfMykaCordeiro
 
Tipos de Parto - Saúde Materna
Tipos de Parto - Saúde MaternaTipos de Parto - Saúde Materna
Tipos de Parto - Saúde MaternaRitaPereira877535
 
9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e Humanização
9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e Humanização9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e Humanização
9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e HumanizaçãoFurb
 
Celebrando a vida
Celebrando a vidaCelebrando a vida
Celebrando a vidameridam
 
Abordagens Obstétricas
Abordagens ObstétricasAbordagens Obstétricas
Abordagens ObstétricasLaiz Cristina
 
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doulaAtenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doulaArtur Mamed
 

Semelhante a Parto humanizado: a importância da enfermagem (20)

Gravidez e parto
Gravidez e partoGravidez e parto
Gravidez e parto
 
Biologia slidesshare
Biologia slidesshareBiologia slidesshare
Biologia slidesshare
 
Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidez
 
EaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdf
EaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdfEaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdf
EaD sdn 2. aprofundando no assunto_pdf
 
Aprofundando no assunto
Aprofundando no assuntoAprofundando no assunto
Aprofundando no assunto
 
EaD sdn 2. aprofundando no assunto2
EaD sdn 2. aprofundando no assunto2EaD sdn 2. aprofundando no assunto2
EaD sdn 2. aprofundando no assunto2
 
Curso mediadores ea d sdn
Curso mediadores ea d sdnCurso mediadores ea d sdn
Curso mediadores ea d sdn
 
Gravidez na Adolescência
Gravidez na AdolescênciaGravidez na Adolescência
Gravidez na Adolescência
 
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitenciaenf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
enf 7- aula 3.pptx saude da mulher assitencia
 
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimento
 
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimento
 
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
 
Tipos de Parto - Saúde Materna
Tipos de Parto - Saúde MaternaTipos de Parto - Saúde Materna
Tipos de Parto - Saúde Materna
 
9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e Humanização
9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e Humanização9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e Humanização
9ª MIPE - Plano de Parto: Direitos e Humanização
 
EaD sdn 2. aprofundando no assunto
EaD sdn 2. aprofundando no assuntoEaD sdn 2. aprofundando no assunto
EaD sdn 2. aprofundando no assunto
 
Celebrando a vida
Celebrando a vidaCelebrando a vida
Celebrando a vida
 
Abordagens Obstétricas
Abordagens ObstétricasAbordagens Obstétricas
Abordagens Obstétricas
 
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doulaAtenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
 
Parto domiciliar novo
Parto domiciliar novoParto domiciliar novo
Parto domiciliar novo
 
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_partoAula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
 

Último

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 

Último (20)

Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 

Parto humanizado: a importância da enfermagem

  • 1. Parto e Nascimento Humanizado Prof. Enf. Joilsom Saraiva
  • 2. A enfermagem possui importante papel como integrante da equipe, no sentido de proporcionar uma assistência humanizada e qualificada quando do parto, favorecendo e estimulando a participação efetiva dos principais atores desse fenômeno – a gestante, seu acompanhante e seu filho recém-nascido. “A maneira de parir é a mesma desde as épocas mais primitivas da humanidade. O que muda e como nós, Enfermeiros, vemos e entendemos essas mulheres.”
  • 3. Conceito • Não é mais um tipo de parto, mas sim um processo • Respeito • Direito de escolha • Não haver interferência • Visão holística (o ser como um todo)
  • 4. É bom para o bebê? • O bebê se prepara para vir ao mundo; • A maturação final do pulmão ocorre durante o trabalho de parto; • Imunização natural no momento da passagem do bebê pelo canal vaginal; • Ligação mãe-bebê
  • 5. Tem acontecido? PORTARIA Nº 2.418/GM DE 2 DE DEZEMBRO DE 2005. Lei 11.108, 07 de abril de 2005 “A Lei Nº 11.108, sancionada pelo Presidente da República em exercício, em 07/04/2005 e publicada no Diário Oficial, em 08/04/2005, altera a Lei Nº 8.080 para garantir as gestantes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS, rede própria ou conveniada)” “Art. 2º Os hospitais públicos e conveniados com o SUS têm prazo de 6 (seis) meses para tomar as providências necessárias ao atendimento do disposto nesta Portaria.”
  • 6.  A promoção e manutenção do bem-estar físico e emocional ao longo do processo de parto e nascimento ocorrem mediante informações e orientações permanentes à parturiente sobre a evolução do trabalho de parto, reconhecendo-lhe o papel principal nesse processo e até mesmo aceitando sua recusa a condutas que lhe causem constrangimento ou dor; além disso, deve-se oferecer espaço e apoio para a presença do (a) acompanhante que a parturiente deseja.
  • 7.  Precisamos valorizar esse momento, pois, se vivenciado harmoniosamente, favorece um contato precoce mãe recém-nascido, estimula o aleitamento materno e promove a interação com o acompanhante e a família, permitindo à mulher um momento de conforto e segurança, com pessoas de seu referencial pessoal.
  • 8. Os profissionais devem respeitar os sentimentos, emoções, necessidades e valores culturais, ajudando-a a diminuir a ansiedade e insegurança, o medo do parto, da solidão do ambiente hospitalar e dos possíveis problemas do bebê.
  • 9.
  • 10. O início do trabalho de parto é desencadeado por fatores maternos, fetais e placentários, que se interagem. Os sinais do desencadeamento de trabalho de parto são: *Eliminações vaginais, discreto sangramento, perda de tampão mucoso, eliminação de líquido amniótico, presente quando ocorre a ruptura da bolsa amniótica em condições normais, apre-senta-se claro, translúcido e com pequenos grumos semelhantes a pedaços de leite coalhado (vérnix). *Contrações uterinas inicialmente regulares, de pequena intensidade, com duração variável de 20 a 40 segundos, podendo chegar a duas ou mais em dez minutos. *Desconforto lombar. *Alterações da cérvice, amolecimento, apagamento e dilatação progressiva. *Diminuição da movimentação fetal.
  • 11.  Parto Natural: • Sem Episiotomia • Sem Ocitocina • Pode ser realizado em Casa • Sem raspagem dos pelos
  • 12.  Parto Cesariana: • Cirúrgico • Tamanho e tipo de pélvis desproporcional ao tamanho do bebê • Posição invertida • Problemas da placenta (placenta prévia, descolamento prematuro da placenta) • Pré-eclâmpsia • Nascimentos múltiplos
  • 13.  Parto Leboyer: • Usado pouca luz • Silêncio após o nascimento • Massagem nas costas do bebê
  • 14.  Parto de Cócoras: • Mais rápido • Mais cômodo • Gravidade a favor da mãe
  • 15.  Parto na Água: • Alívio das dores • O bebê sai de um líquido quentinho para outro
  • 16. A duração de cada trabalho de parto está associada à paridade (o número de partos da mulher), pois as primíparas demandam maior tempo de trabalho de parto do que as multíparas; à flexibilidade do canal de parto, pois as mulheres que exercitam a musculatura pélvica apresentam maior flexibilidade do que as sedentárias; às contrações uterinas, que devem ter intensidade e frequência apropriadas; à boa condição psicológica da parturiente durante o trabalho de parto, caso contrário dificultará o nascimento do bebê; ao estado geral da cliente e sua reserva orgânica para atender ao esforço do trabalho de parto; e à situação e apresentação fetais (transversa, acromial, pélvica e de face).
  • 17. Os Hormônios do Parto  OCITOCINA –potencializa as contrações uterinas tornando-as fortes e coordenadas, até completar-se o parto.  PROSTAGLANDINAS – dilata o colo do útero.
  • 18.  O parto depende tanto da secreção de ocitocina quanto da produção das prostaglandinas, pois sem estas, não haverá dilatação adequada do colo do útero e consequentemente, o parto não irá progredir normalmente. Não são bem conhecidos os fatores desencadeantes do trabalho de parto, mas sabe-se que, quando o hipotálamo do feto alcança certo grau de maturação, estimula a hipófise fetal a liberar ACTH. Agindo sobre a adrenal do feto, esse hormônio aumenta a secreção de CORTISOL e outros hormônios, que estimulam a placenta a secretar as prostaglandinas que promovem contrações da musculatura lisa do útero.
  • 19.  A PROGESTERONA mantém seus níveis elevados durante toda a gravidez, inibindo o músculo liso uterino e bloqueando sua resposta a ocitocina e as prostaglandinas.  O ESTROGÊNIO aumenta o grau de contratilidade uterina. Na última etapa da gestação, o estrogênio tende a aumentar mais que a progesterona, o que faz com que o útero consiga ter uma maior contratilidade.
  • 20.  A RELAXINA aumenta o número de receptores da ocitocina, além de produzir um ligeiro amolecimento das articulações pélvicas, dando-lhes a flexibilidade necessária para o parto. Tem ação importante no útero para que ele se distenda, à medida que o bebê cresce. Ainda não se conhecem os fatores que realmente interferem no trabalho de parto, mais uma vez iniciado, o aumento do nível de ocitocina se eleva até a expulsão do feto.
  • 21. Assistência durante o trabalho de parto natural  O trajeto do parto ou canal de parto é a passagem que o feto percorre ao nascer, desde o útero à abertura vulvar. É formado pelo conjunto dos ossos ilíaco, sacro e cóccix - que compõem a pequena bacia pélvica, também denominada de trajeto duro e pelos tecidos moles (parte inferior do útero, colo uterino, canal vaginal e períneo) que revestem essa parte óssea, também denominada de trajeto mole.
  • 22.  No trajeto mole, ocorrem as seguintes alterações: aumento do útero; amolecimento do colo para a dilatação e apagamento; hipervascularização e aumento do tecido elástico da vagina, facilitando sua distensão; aumento das glândulas cervicais para lubrificar o trajeto do parto.  No trajeto duro, a principal alteração é o aumento da mobilidade nas articulações (sacroilíaca, sacrococcígea, lombo-sacral, sínfise púbica), auxiliado pelo hormônio relaxina. O feto tem importante participação na evolução do trabalho de parto: realiza os mecanismos de flexão, extensão e rotação, permitindo sua entrada e passagem pelo canal de parto - fenômeno facilitado pelo cavalgamento dos ossos do crânio, ocasionando a redução do diâmetro da cabeça e facilitando a passagem pela pelve materna.
  • 23.  O atendimento da parturiente na sala de admissão de uma maternidade deve ter como preocupação principal uma recepção acolhedora à mulher e sua família, informando-os da dinâmica da assistência na maternidade e os cuidados pertinentes a esse momento:  Fazer a admissão da parturiente;  Orientar sobre a evolução do trabalho de parto;  Incentivar a deambulação;  Administrar medicamentos prescritos;  Orientar sobre a vontade de defecar;  Colher exames laboratoriais de rotina;  Promover um ambiente tranquilo e com privacidade.
  • 24. Estática fetal e relações útero-fetais
  • 25. Atitude ou hábito fetal  Forma ovóide 2 pólos: cefálico e pélvico (tronco e membros)
  • 26. Situação  É a relação entre o maior eixo uterino com o maior eixo fetal.
  • 27. Situação  Longitudinal: maior eixo uterino e fetal coincidem (cefálica e pélvica) 99,5%  Transversa: quando perpendicular  Oblíqua: cruzado ou inclinada (fase transição p/ longitudinal ou transversa).
  • 28. Apresentação  É a região do feto que ocupa a área do estreito superior e que nele se insinuará.
  • 29. Apresentação  Cefálica (96,5 %)  Córmica ou situação transversa (0,5%)  Pélvica (3 a 4 %)
  • 30. TIPOS DE BACIA Platipelóide Andróide Antropóide Ginecóide
  • 31. Os Tempos do Mecanismo do Parto  Dilatação  Expulsão  Dequitação  Greenberg
  • 32. MECANISMOS DO PARTO  TRAJETO: bacia  OBJETO: feto  MOTOR: contrações uterinas e a prensa abdominal  MECANISMO: conjunto de movimentos passivos desempenhados pelo feto para que possa nascer.
  • 33. TEMPOS DO MECANSMO DE PARTO  INSINUAÇÃO (flexão)  DESCIDA (Rotação Interna)  DESPRENDIMENTO (Deflexão)  RESTITUIÇÃO OU ROTAÇÃO EXTERNA (Desprendimento dos ombros)