SlideShare uma empresa Scribd logo
Em 2009 Belém ganhou o Prêmio Bibi Vogel, de cidade
brasileira campeã em aleitamento.
ENAM
Enfa. Ana Paula
Oliveira Gonçalves
Professora Assistente III da
Faculdade
de Enfermagem da UFPa.
Bacharel e Licenciada em Enfermagem
–UFPa
Habilitada em Enfermagem Obstétrica
e
Neonatologia- UEPa
Especialista em Enfermagem
Obstétrica
- UNIFESP
Mestre em Programas de Saúde –
ALEITAMENTO
MATERNO EXCLUSIVO
E DESMAME.
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
ORIENTAÇÕES PARA O
ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO
ALEITAMENT
O
MATERNO:
no começo, o
melhor
alimento.
Vide um
encaixe
perfeito da
natureza.
1.Considerações:
promoção,
proteção e
apoio ao Aleitamento
Materno.
2. Anatomia da mama
Figura I e II :
Estrutura da mama
e do alvéolo
3.Fisiologia da lactação
Fig. III: Reflexo da
Prolactina
Fig.IV: Reflexo da
Ocitocina
3.1-Fatores que podem
interferir no sucesso do
Aleitamento Materno:
a) Dor
b) Insegurança
c) Ansiedade
4 . Classificação dos
mamilos
4.1. Protuso ou protruso
4.2. Semi-protuso
4.3. Plano ou pseudo-invertido
4.4. Invertido
4.5. Hipertrófico ou hiperprotuso
5. Curiosidades sobre o leite
materno
Em uma só mamada o leite
materno tem três apresentações:
a) Primeiro leite: mata a sede;
b) Segundo leite: nutre;
c) Terceiro leite: engorda.
Por isso é importante que o bebê
esvazie a mama antes da
alternância.
5.1 Variações ocorridas no
LM:
5.1. Colostro: rico em
imunoglobulinas (fatores de
proteção)- 0 ao 4º dia.
5.2. Leite de transição: rico
em proteínas – 5 ao 9º dia.
5.3. Leite maduro: rico em
gordura – 10 º dia em diante.
5.2- Composição do Colostro
Fonte: OMS/CDR/93.6
Propriedade Importância
Rico em anticorpos Protege contra infecções e alergias.
Muitos leucócitos Protege contra infecções.
Laxante Expulsa o mecônio, ajuda a prevenir a
icterícia.
Fatores de
crescimento
Acelera a maturação intestinal, previne
alergia e intolerância alimentar.
Rico em vitamina A Reduz a gravidade de algumas
infecções (como sarampo e diarréia);
previne doenças oculares causadas por
deficiência de vitamina A.
5.3) Diferença entre os leites
Leite Materno Leite Animal Leite Artificial
Proteínas Quantidade
adequada e fácil de
digerir.
Excesso, difícil de
digerir.
Parcialmente
modificado.
Lipídeos Suficiente em
ácidos graxos
essenciais, lipase
para digestão.
Deficiente em
ácidos graxos
essenciais, não
apresenta lipase.
Deficiente em
ácidos graxos
essenciais, não
apresenta lipase.
Vitaminas Suficiente. Deficiente de A e C. Vitaminas
adicionadas.
Minerais Quantidade
adequada.
Excesso. Parcialmente
correto.
Ferro Pouca quantidade,
boa absorção.
Pouca quantidade,
má absorção.
Adicionado, má
absorção.
Água Suficiente. Precisa de mais. Pode precisar de
mais.
Propriedades
antiinfecciosas
Presente. Ausente. Ausente.
Fatores de
Crescimento
Presente. Ausente. Ausente.
5.4 Fatores que influenciam na
variação da composição do leite
humano:
Idade gestacional (prematuro e à
termo);
Fase da lactação (colostro, leite
de transição e leite maduro);
Duração da mamada ( leite inicial
e leite final).
6. Promoção do aleitamento no
período pré-natal:
6.1. Preparar a mama para o
aleitamento.
6.2. Dar orientações sobre a
Técnica da Amamentação.
6.3.Informar sobre as vantagens do
aleitamento materno.
6. Promoção do aleitamento no
período pré-natal(cont):
6.4. Alertar sobre as conseqüências
do aleitamento artificial.
6.5. Instruir sobre a importância
do Alojamento Conjunto.
6.6. Dar ciência dos Direitos da
Mãe e da Criança durante a
amamentação.
6.1. Preparo da mama para o
aleitamento durante o pré-
natal:
a) Sutiã adequado;
b) Janelinha no sutiã;
c) Exercício de Hoffman;
d) Estiramento do mamilo
manual ou com seringa;
e) Banho de sol;
f) Massagem com bucha
vegetal ou com toalha
felpuda;
g) Silicone/isopor com abertura
6.2 Orientação sobre a
Técnica do Aleitamento:
a) Horário: livre demanda.
b) Alternância:
b.1 - esvaziar a mama antes
de fazer a troca para outra e
b.2 - quando reiniciar, sempre
oferecer a mama que foi
oferecida por último, ou seja a
que estiver mais cheia.
6.2 Orientação sobre a
Técnica
do Aleitamento (cont.):
c) Posições para amamentar:
Fig. V: Sentada Fig. VI:
Deitada
Obs: em qualquer posição a criança está de
frente para mãe.
6.2 Orientação sobre a Técnica
do Aleitamento (cont.):
c) Posições para amamentar:
Fig. VII Sentada cruzada Fig.VIII Sentada
invertida
6.2 Orientação sobre a Técnica
do Aleitamento (cont.):
c) Posições para amamentar:
Fig. VIII: Invertida
6.2 Orientação sobre a
Técnica do Aleitamento (cont.):
d) Pega ou sucção
6.3.Vantagens do aleitamento
materno:
a) Para o bebê,
b) Para a nutriz,
c) Para os filhos, o marido,
d) Para a cidade e nação,
e) Para o meio ambiente.
6.4. Conseqüências do
aleitamento artificial.(Fonte:
WHO/CDR/93.6)
Mais diarréia e infecção
respiratória;
Diarréia persistente;
Desnutrição e deficiência de
vit. A;
Maior mortalidade;
Não protege da gravidez;
Interfere no vínculo mãe-filho;
6.4. Conseqüências do
aleitamento artificial.(Fonte:
WHO/CDR/93.6)
Mais alergia e intolerância ao
leite;
Maior risco de doenças
crônicas;
Obesidade;
Menor desempenho em testes
de inteligência;
Maior risco de anemia, câncer
6.5. Importância do Alojamento
Conjunto.
ECA – Lei Nº 8.069 de 13 de julho de 1990.
No seu Art.10 – Os hospitais e demais estabelecimentos de
atenção à saúde de gestantes, públicos e privados são obrigados
a: no item V – manter alojamento conjunto, possibilitando ao
neonato a permanência junto à mãe.
O ALCON proporciona ao binômio mãe
e filho:
1) a conveniência de se conhecerem;
2) à mãe aprender os cuidados básicos;
3) oportuniza a naturalidade dos horários
para o aleitamento.
6.6. Direitos da Mãe e da
Criança durante a amamentação
(cont.).
Na CLT os Art. 389,398 e 400 determinam que
em locais que trabalhem pelo menos 30 mulheres
com mais de 16 anos de idade “terão local
apropriado onde seja permitido às empresas
guardar sob vigilância e assistência seus filhos no
período de amamentação” e garantem dois
descansos especiais de meia hora durante a
jornada de trabalho para mulher amamentar seu
próprio filho,”até que complete 6 meses de idade”.
Estes mesmos direitos se estendem à mãe que
trabalha onde não há creche, quando podem
negociar trabalhar 1 hora a menos ou chegar meia
hora depois e sair meia hora antes.
6.6. Direitos da Mãe e da
Criança durante a amamentação.
Legislação Documentação Duração do
benefício
-Licença a
maternidade –
Art. 395 –CLT
-Auxílio maternidade
Art. 391 a 400 - CLT
-Carteira de
Trabalho assinada;
-Atestado de tempo
de gestação;
-Certidão de
Nascimento;
-Certidão de Adoção
-Atestado de Óbito
-Comprovante do 8º
mês de gestação.
-Certidão de
Nascimento
- Atestado de Óbito.
. 120 dias, a partir do
8º mês de gestação
ou após o parto.
. duas semanas
. Estes benefícios
são válidos até 5
anos após o
nascimento do bebê.
7. Promoção do aleitamento na
Sala de Parto e ALCON:
a)Proporcionar a mãe e a criança
conforto que facilite o contato íntimo
entre eles imediatamente após o
nascimento.
b) Avaliar cuidadosamente o uso de
sedativos, analgésicos e anestésicos e
suas conseqüências para a dupla.
c)Criar condições para que o RN seja
levado ao ALCON com a mãe. E este
deve ser próximo ao setor de
neonatologia.
d) O aleitamento deve ser praticado em
livre demanda.
7. Promoção do aleitamento na
Sala de Parto e ALCON (cont):
e) Contra-indicar o aleitamento cruzado,
o uso de bicos artificiais, e líquidos,
exceto os clinicamente indicados.
f) É proibida a distribuição de bicos,
mamadeiras, propagandas e amostras
de substitutivos do leite
materno.(NBCAL, 2008)
g) Os horários de visita para os pais
devem ser flexíveis e com a maior
duração possível.
h) Na alta a mãe deve ser encaminhada
á UBS, para acompanhamento nos
primeiros 15 dias, e orientada sobre a
importância da manutenção da
8. Promoção do aleitamento no
período puerperal:
8.1. Massagem das mamas antes de
aleitar.
8.2 Preparo da díade para o
aleitamento no puerpério.
8.3. Alertar sobre os manejos que
provocam problemas com a
amamentação.
8.4. Orientar como superar os
problemas com a amamentação .
8.5. Orientação gerais para superar
8.1. Massagem das mamas antes de
aleitar.
Colocar uma fralda embaixo da mama a
ser massageada e usar uma das mãos para
sustentá-la. Com a outra usar os dedos
indicador e médio e fazer movimentos
circulares a partir da aréola.
8.1. Massagem das mamas antes de
aleitar.
Fazer massagem por toda a mama, inclusive
nas laterais. Depois disso, apalpá-la. Se ainda
sentir algum ponto duro, continuar com o
procedimento.
8.1. Massagem das mamas antes de
aleitar.
Com os dedos polegar e indicador,
pressionar o mamilo, como na ordenha –
com movimento do tórax para o bico.
Desta forma o leite sairá facilmente.
8.2. Preparo da diáde para o
aleitamento durante o puerpério:
a) o ambiente deve ser tranqüilo,
estando a nutriz e o bebê
confortáveis;
b) a mãe pode estar despida da
cintura para cima ou com sutiã
adequado e roupa com abertura
frontal;
c) a mãe deve aumentar a ingestão
de líquidos;
d) fazer massagem nas mamas, para
estimular a descida do leite;
e) avaliar se a aréola está macia, se
não estiver esvaziá-la para evitar as
fissuras.
8.3. Manejos que provocam
problemas na amamentação :
a) Usar técnica incorreta;
b) Introduzir suplementos líquidos,
que espaçam as mamadas, e
diminuem a sucção nos mamilos;
c) Oferecer bicos de borracha que
podem funcionar como substitutivo
de mamadas;
d) Usar de protetores de mamilos,
que interferem no reflexo da
sucção;
8.3. Manejos que provocam
problemas na amamentação
(cont.) :
e) Fixar horários para as mamadas,
dificultando o ajuste da produção do
leite à exigência da criança;
f) Dar mamadas muito curtas num só
seio, estimulando pouco o mamilo;
g) Fadiga ou tensão materna, os quais
interferem no reflexo da descida do
leite;
h) Usar drogas que interferem na
produção do leite ( anticoncepcionais
orais, nicotina em excesso,
8.4. Orientação para superar
problemas comuns com a
amamentação .
b.Fissura do mamilo
a. Ingurgitamento mamário
c.Mastite
d.Diminuição do leite
a)Ingurgitamento
mamário
. Ocorre quando a
mãe produz mais
leite do que o
bebê consegue
mamar. As
mamas ficam
endurecidas ou
empedradas.
. Como evitar e
tratar:
- Colocar o bebê
mais vezes para
mamar.
- Retirar
b) Fissura do mamilo
. Ocorre quando a
posição do bebê ou
a pega no mamilo
estão erradas.
. Como previnir:
- Secar bem o
mamilo.
- Colocar o bebê na
posição correta.
- Esvaziar a areóla
antes das mamadas.
b) Fissura do mamilo
. Como tratar:
- Expor os mamilos ao sol ou a luz
artificial (40watts) a distância de
40 cm.
- Iniciar a amamentação pelo lado
menos lesado.
- Variar o posicionamento dos bebês
nas mamadas evitando que ele
pressione as áreas traumatizadas.
- Usar cremes A e D ou corticóide
em caso de fissuras graves.
- Passar gotas de LM sobre os
mamilos e secar.
c) Mastite
. Ocorre quando um
dos seios inflama. A
mama fica cheia,
avermelhada, muito
dolorida e quente. A
mãe sente febre e
calafrios.
. Como evitar e
tratar:
- Retirar manualmente
o excesso de leite.
Se a mãe não
melhorar em 24
d) O leite está secando
. Ocorre na exposição a situações de
desgaste físico e/ou emocional, ou
quando se introduz chuca, mamadeira,
bico ou chupeta.
. Como evitar:
- Nesse caso, é importante orientar a
mãe a complementar a mamada ao invés
de substituí-la pelo leite artificial,
mantendo assim o estímulo da sucção,
indispensável para a produção do leite.
- A mãe deve ter assegurado o sono e os
exercícios físicos, pois ambos estão
relacionados com os níveis séricos de
prolactina.
O MELHOR TRATAMENTO PARA OS
PROBLEMAS DA AMAMENTAÇÃO É
8.5. Procedimentos para
prevenir problemas comuns com
a amamentação no puerpério:
a)Retirar delicadamente um pouco
de leite antes de amamentar,
desta forma amolece o mamilo e
facilita a apreensão.
b)Aplicar compressas de gelo
imediatamente antes de
amamentar;
c)Lubrificar os mamilos com algumas
gotas de leite retirado por
expressão antes de amamentar.
8.5. Procedimentos para
prevenir problemas comuns com
a amamentação no
puerpério(c0nt):
d) Deixar os mamilos secarem ao ar
completamente após a amamentação,
para promover a cicatrização e o
conforto.
e) Evitar aplicar sabão ou sabonete
sobre os mamilos quando estiver
lavando as mamas.
f) Fazer massagem profilática nas mamas
nos 4 dias após o parto para prevenir o
ingurgitamento mamário.
9. Promoção do aleitamento no
pós-parto (PROAME):
a) Todo RN deverá ter
assegurado acesso à equipe de
saúde, nos primeiros 15 dias de
vida em UBS próxima a sua
residência.
b) Toda mãe deve ser orientada a
permanecer em AME até os 6
meses e continuar o aleitamento
até os 02 anos. Deve ser
esclarecida sobre os direitos
trabalhistas da mulher, assim
10. Riscos para não amamentar
ou para o desmame precoce.
1. Falta de experiência anterior
e/ou convivência com a prática de
amamentação.
2. Desmame precoce do filho
anterior.
3. Intenção de não amamentar ou
fazê-lo num prazo insuficiente.
4. Mãe menor de 20 anos de idade.
5. Trabalho fora de casa.
6. Aquisição de mamadeiras,
chucas, bicos e chupetas.
10. Riscos para não amamentar
ou para o desmame precoce
(cont.).
7. Atitudes negativas dos pais ou outros
familiares, relativas a amamentação.
8. Insucesso familiar na prática da
amamentação.
9. O fato de a mulher achar o leite
artificial sem riscos para a saúde de
seus filhos.
10. Problemas anteriores ou atuais com a
mama.
11. Dificuldades na pega e na técnica de
sucção ao seio.
11. Orientações para
ordenha manual.
1º)A nutriz deve ter os cabelos
presos e as unhas curtas, lavar
as mãos com água e sabão e
passar as mãos molhadas nas
mamas, depois secar as mãos
com guardanapo descartável.
2º)Massagear delicadamente as
mamas em direção dos mamilos
11. Orientações para ordenha
manual.
3º)Segurar o vasilhame próximo a mama
e colocar o polegar na aréola acima do
mamilo e o indicador por baixo do
mamilo.
4º) pressionar a aréola atrás do mamilo,
entre o polegar e o indicador, secar o
leite em todos os seguimentos.
Frascos de vidro com tampa de
plástico – deve manter na fervura
por 10 a 20 minutos e deixar
secar naturalmente sem enxugá-
11.1)Variação da técnica
• A mãe pode assumir posição levemente
inclinada para frente, na tentativa de
facilitar e aumentar o fluxo lácteo.
• Podem ser usadas ambas as mãos
numa mesma mama para a extração
do leite (Técnica Bimanual).
• Podem ser ordenhados os
dois seios
simultaneamente em
um único
vasilhame de boca
larga ou em 2
11.2.Ordenha mecânica.
Se usar
bomba de
leite, ferver
antes de usar
e não deixar
o leite cair
na pêra de
borracha.
• Tira-leite com
pêra de borracha
e bulbo
• Tira-leite tipo
seringa
• Bomba elétrica para tirar leite
12. Estocagem do leite
materno (Manual de aleitamento
materno da FSCMPa. e SBP)
► Temperatura
ambiente – por até
2 horas.
► Refrigerador – por
24 horas.
►Congelador e no
freezer - por 15
dias.
OBS: Na rotina dos bancos
de leite o leite materno
ordenhado é pasteurizado,
podendo ser acondicionado
13. Passos para administração
do
LM ordenhado
.Aquecimento – retirar do freezer e
descongelar em banho- maria, nunca
ferver, não deve ser deixado em
temperatura ambiente.
. Manter após descongelado em geladeira
por até 24 horas.
.Atenção: não congelar este leite
novamente – a sobra após
24 hs na geladeira deve
ser desprezada.
13.1 Administração do leite
humano ordenhado
Dar somente de
colherinha,
xícara ou
copinho. Não
usar
mamadeira.
Aleitamento de
prematuros no
copinho é um
capítulo à
13.2. A técnica do copinho
. A criança deve estar calma, em posição
semi-vertical e com os braços contidos.
. Colocar o copo gentilmente no lábio
inferior.
. Inclinar o copo levemente para que a
criança sinta o leite no lábio inferior.
. Nunca despejar o leite dentro da boca do
bebê.
. A criança deve “lamber” o leite para depois
deglutir.
. Interagir com a criança durante a
alimentação.
. Oferecer o copinho até que a criança
mostre sinais de estar saciada
(ex.: mostra-se com
sono ou para de se
alimentar).
mamaraopeito.blogspot.com/2009/03/tecnica-do-..
AMAMENTAR É UM IDEAL QUE
DEVE SER ACALENTADO DESDE
O ALVORECER DA VIDA.
Autor
desconhecido
A CRIANÇA QUE MAMA NO
PEITO DIFICILMENTE ADOECE E
QUANDO ADOECE RARAMENTE
MORRE.
Nossa
mensagem:
ENAM
Esta é minha foto preferida,
ela demonstra que
amamentação é sinônimo de
prazer.
ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt
Bibliografia e webliografia:
. KING, FS. Como ajudar as mães a amamentar. Ministério
da Saúde - Brasília,DF; 1994
. LANG, S. Aleitamento do Lactente - Cuidados
especiais. Livraria Santos Editora Comércio e Importação
Ltda. 1ªed São Paulo, SP; 1999
. REGO, JD. Aleitamento Materno. Editora Atheneu; 1ªed.
São Paulo-Rio de Janeiro-Belo Horizonte; 2001
. SILVA, MFAG; MARQUES, RFSV. [Revisado pelo
Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade
Paraense de Pediatria]. Manual de aleitamento materno
exclusivo. 1ªed.Belém, Pará.
. www.unicef.org/brazil/pt/where_ 9425.htm
www.demaeparamae.pt/artigos/marido-amamentacao-bebe
A partir dos 6º. mês de vida deve ocorrer a
transição do peito para o prato.
ORIENTAÇÃO PARA O DESMAME
Conceitos.
Desmame: é a introdução de qualquer
outro tipo de alimento que não o leite
materno.
Período de desmame: período que vai
desde a introdução do novo alimento até a
suspensão completa do aleitamento
materno.
Criança desmamada: quando ocorre a
suspensão total do leite materno para a
criança.
Período adequado ao desmame: a
partir do 6º mês de vida.
OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME
1º) O desmame deve ser
gradual, tanto do ponto
de vista da quantidade e
qualidade dos alimentos
quanto a consistência.
No início, os alimentos
devem ser passados em
peneira, depois
amassados com garfo e ,
finalmente, oferecidos em
grãos ou pedaços.
OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME
2º) Ao introduzir
novos alimentos
deve-se levar em
consideração os
hábitos alimentares
da família, a
disponibilidade
local dos
alimentos, as
variações sazonais
e o preço de
mercado.
OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME
3º) Na preparação dos
alimentos deve-se
evitar dietas muito
diluídas e volumosas
que são de baixa
densidade energética e
ultrapassam a
capacidade gástrica da
criança pequena.
OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME
4º) O uso de lipídeos
sob a forma de óleos
vegetais ou margarina
no preparo das dietas
tem a vantagem de
elevar a densidade
energética sem o
aumento de volume (1g
de gordura oferece 9
kcal, enquanto 1g de
proteína ou carboidrato
oferece 4 kcal).
OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME
5º) A dieta de desmame deve conter,
em cada porção preparada, cerca de
300kcal, 8 g de proteína e densidade
energética de 1,8 kcal/g.
6º) Os alimentos de desmame devem
sempre ser oferecidos de colher.
7º) A higiene ao manuseio,
estocagem, preparo e administração
dos alimentos é de grande
importância para evitar a
contaminação.
Componentes da dieta do desmame –
cada alimento é fonte de um ou mais nutrientes específicos:
Fonte Tipo de alimento Exemplo
CARBOI-
DRATOS
Cereais
ou
Tubérculos
Arroz, milho, fubá, trigo
Mandioca ou macaxeira,
cará ou inhame, batata
doce, beterraba
Proteína
animal, ferro
e cálcio
Carnes, vísceras,
ovos, leites e seus
derivados
Boi, Peixes e Aves
Proteína
vegetal
Leguminosas Feijão, fava, soja,
lentilha
Vitaminas
e sais
minerais
Frutas
Verduras e
Hortaliças
Caju, goiaba,
laranja,manga, etc.
Abóbora, cenoura,
couve, agrião.
Combinação dos diversos
componentes na dieta do desmame
A dieta do
desmame
deve ser
constituída de
um alimento
básico
principal e um
ou mais
alimentos
complementares
formando as
chamadas
misturas
duplas ou
múltiplas.
Tu-
bércu
lo
ou
Ce-
real
+
Legumino
sa
= Mistura
dupla
Legumino
sa,
proteína
animal e
hortaliça
= Mistura
múltipla
Combinação das diversas misturas
Quando não for possível usar mistura múltipla, lembrar que
a mistura dupla, pode ser pobre em vitaminas e sais
minerais, deverá ser complementada com estes elementos,
principalmente ferro e vitamina C e A.
Tubérculo
ou
Cereal
+
Leguminosas
Misturas
duplas
Proteína de origem animal
Leguminosa + proteína de
origem animal
Misturas
múltiplas
Leguminosa + Hortaliça ou
vegetal
Prot. de origem animal +
Hortaliça ou vegetal
Leguminosa + Prot. Animal +
Hortaliça ou vegetal
Sugestão de refeições para crianças
com misturas duplas e múltiplas
MISTURA DUPLA
Tipo Alimentos Medidas caseiras
Refeição de sal Arroz
Feijão
Abóbora
Óleo
3 colher de sopa
2 colher de sopa
1 pedaço médio
1 colher de sopa
Suco Laranja 2 unidades médias
MISTURA MÚLTIPLA
Tipo Alimentos Medidas caseiras
Refeição de sal Mandioca
Carne moída
Cenoura
Óleo
1 pedaço médio
1 colher de sopa
1 unidade média
1 colher de sopa
Suco Goiaba
Açúcar
1 unidade média
1 col. de sobremesa e
um copo d’agua
Sopinhas, bom apetite!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP
Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP
Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento MaternoO Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Alimentação na gestação
Alimentação na gestaçãoAlimentação na gestação
Alimentação na gestação
Alinebrauna Brauna
 
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
Erly Batista Neto
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português
Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português
Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
DayrlaneTorres
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
Mishela Kelly Almeida
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Pre-natal de baixo risco
Pre-natal de baixo riscoPre-natal de baixo risco
Pre-natal de baixo risco
Centro Universitário Ages
 
Lactente
LactenteLactente
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
Lourdes Piedade
 
Vantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento maternoVantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento materno
Rebeca - Doula
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
blogped1
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Saude da gestante
Saude da gestanteSaude da gestante
Saude da gestante
Dessa Reis
 
Pse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na EscolaPse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na Escola
Ana Luzia
 
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natalPromoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Gestação 2
Gestação 2Gestação 2
Gestação 2
Saúde Hervalense
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
Heloísa Ximenes
 

Mais procurados (20)

Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP
Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP
Aleitamento: 5a turma de Especialização - Passo 1 SP
 
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento MaternoO Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
O Papel dos Bancos de Leite Humano na Promoção e Proteção do Aleitamento Materno
 
Alimentação na gestação
Alimentação na gestaçãoAlimentação na gestação
Alimentação na gestação
 
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO NA GRAVIDEZ
 
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a AmamentaçãoAgosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
Agosto Dourado 2021: Proteger a Amamentação
 
Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português
Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português
Breastfeeding The Lancet 2023: artigos em português
 
AGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptxAGOSTO DOURADO.pptx
AGOSTO DOURADO.pptx
 
Orientações a gestantes
Orientações a gestantesOrientações a gestantes
Orientações a gestantes
 
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
The Lancet: AMAMENTAÇÃO no século 21 - Epidemiologia, mecanismos e efeitos ao...
 
Pre-natal de baixo risco
Pre-natal de baixo riscoPre-natal de baixo risco
Pre-natal de baixo risco
 
Lactente
LactenteLactente
Lactente
 
Alimentação da gestante
Alimentação da gestanteAlimentação da gestante
Alimentação da gestante
 
Vantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento maternoVantagens do aleitamento materno
Vantagens do aleitamento materno
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Saude da gestante
Saude da gestanteSaude da gestante
Saude da gestante
 
Pse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na EscolaPse - Programa Saúde na Escola
Pse - Programa Saúde na Escola
 
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natalPromoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
Promoção do Aleitamento Materno no Pré-natal
 
Gestação 2
Gestação 2Gestação 2
Gestação 2
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 

Semelhante a ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt

ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Amamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestreAmamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestre
Vitor D Angelis
 
Manual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - GeofarManual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - Geofar
Ricardo Nunes
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Claudia Xavier
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
Praxis Educativa
 
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento ConjuntoPromoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Manual Aleitamento
Manual AleitamentoManual Aleitamento
Manual Aleitamento
Biblioteca Virtual
 
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRioProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
Biblioteca Virtual
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
Rebeca - Doula
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
Lorrayne Ferreira
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
EuSaúde
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
Dessa Reis
 
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peitoO leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...
Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...
Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...
Biblioteca Virtual
 
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Juliane Stivanin da Silva
 
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Semelhante a ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt (20)

ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Amamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestreAmamentacao 5c2ba-semestre
Amamentacao 5c2ba-semestre
 
Manual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - GeofarManual aleitamento - Geofar
Manual aleitamento - Geofar
 
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
Aleitamento Materno, copinho, mamadeiras, complemento e controvérsias por Cla...
 
01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido01 gestação, amamentação e o recém nascido
01 gestação, amamentação e o recém nascido
 
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento ConjuntoPromoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
Promoção do Aleitamento Materno no Alojamento Conjunto
 
Manual Aleitamento
Manual AleitamentoManual Aleitamento
Manual Aleitamento
 
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRioProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
ProteçãO, PromoçãO E Apoio Ao Aleitamento Materno Em Um Hospital UniversitáRio
 
Bebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiaisBebês que exigem cuidados especiais
Bebês que exigem cuidados especiais
 
Aleitamento materno slide
Aleitamento materno slideAleitamento materno slide
Aleitamento materno slide
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
Desafios Iniciais para a Garantia do Aleitamento Materno Exclusivo (AME): os ...
 
E-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - CriançasE-book EuSaúde - Crianças
E-book EuSaúde - Crianças
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peitoO leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
 
Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...
Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...
Dificuldades Para O Estabelecimento Da AmamentaçãO O Papel Das PráTicas Assis...
 
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
AMAMENTAÇÃO - livro digital para mães e pais do Click Bebê parte I
 
Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)Por que a amamentação é importante (lição 1)
Por que a amamentação é importante (lição 1)
 
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
Consultório Amigo da Amamentação - nova iniciativa tem apoio da Sociedade Bra...
 
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
O que não pode faltar na Primeira Visita Domiciliar ao Recém Nascido e à sua ...
 

ALEITAMENTO MATERNOII ana paula2010.ppt

  • 1. Em 2009 Belém ganhou o Prêmio Bibi Vogel, de cidade brasileira campeã em aleitamento. ENAM
  • 2. Enfa. Ana Paula Oliveira Gonçalves Professora Assistente III da Faculdade de Enfermagem da UFPa. Bacharel e Licenciada em Enfermagem –UFPa Habilitada em Enfermagem Obstétrica e Neonatologia- UEPa Especialista em Enfermagem Obstétrica - UNIFESP Mestre em Programas de Saúde – ALEITAMENTO MATERNO EXCLUSIVO E DESMAME.
  • 7. 2. Anatomia da mama Figura I e II : Estrutura da mama e do alvéolo
  • 8. 3.Fisiologia da lactação Fig. III: Reflexo da Prolactina Fig.IV: Reflexo da Ocitocina
  • 9. 3.1-Fatores que podem interferir no sucesso do Aleitamento Materno: a) Dor b) Insegurança c) Ansiedade
  • 10. 4 . Classificação dos mamilos 4.1. Protuso ou protruso 4.2. Semi-protuso 4.3. Plano ou pseudo-invertido 4.4. Invertido 4.5. Hipertrófico ou hiperprotuso
  • 11. 5. Curiosidades sobre o leite materno Em uma só mamada o leite materno tem três apresentações: a) Primeiro leite: mata a sede; b) Segundo leite: nutre; c) Terceiro leite: engorda. Por isso é importante que o bebê esvazie a mama antes da alternância.
  • 12. 5.1 Variações ocorridas no LM: 5.1. Colostro: rico em imunoglobulinas (fatores de proteção)- 0 ao 4º dia. 5.2. Leite de transição: rico em proteínas – 5 ao 9º dia. 5.3. Leite maduro: rico em gordura – 10 º dia em diante.
  • 13. 5.2- Composição do Colostro Fonte: OMS/CDR/93.6 Propriedade Importância Rico em anticorpos Protege contra infecções e alergias. Muitos leucócitos Protege contra infecções. Laxante Expulsa o mecônio, ajuda a prevenir a icterícia. Fatores de crescimento Acelera a maturação intestinal, previne alergia e intolerância alimentar. Rico em vitamina A Reduz a gravidade de algumas infecções (como sarampo e diarréia); previne doenças oculares causadas por deficiência de vitamina A.
  • 14. 5.3) Diferença entre os leites Leite Materno Leite Animal Leite Artificial Proteínas Quantidade adequada e fácil de digerir. Excesso, difícil de digerir. Parcialmente modificado. Lipídeos Suficiente em ácidos graxos essenciais, lipase para digestão. Deficiente em ácidos graxos essenciais, não apresenta lipase. Deficiente em ácidos graxos essenciais, não apresenta lipase. Vitaminas Suficiente. Deficiente de A e C. Vitaminas adicionadas. Minerais Quantidade adequada. Excesso. Parcialmente correto. Ferro Pouca quantidade, boa absorção. Pouca quantidade, má absorção. Adicionado, má absorção. Água Suficiente. Precisa de mais. Pode precisar de mais. Propriedades antiinfecciosas Presente. Ausente. Ausente. Fatores de Crescimento Presente. Ausente. Ausente.
  • 15. 5.4 Fatores que influenciam na variação da composição do leite humano: Idade gestacional (prematuro e à termo); Fase da lactação (colostro, leite de transição e leite maduro); Duração da mamada ( leite inicial e leite final).
  • 16. 6. Promoção do aleitamento no período pré-natal: 6.1. Preparar a mama para o aleitamento. 6.2. Dar orientações sobre a Técnica da Amamentação. 6.3.Informar sobre as vantagens do aleitamento materno.
  • 17. 6. Promoção do aleitamento no período pré-natal(cont): 6.4. Alertar sobre as conseqüências do aleitamento artificial. 6.5. Instruir sobre a importância do Alojamento Conjunto. 6.6. Dar ciência dos Direitos da Mãe e da Criança durante a amamentação.
  • 18. 6.1. Preparo da mama para o aleitamento durante o pré- natal: a) Sutiã adequado; b) Janelinha no sutiã; c) Exercício de Hoffman; d) Estiramento do mamilo manual ou com seringa; e) Banho de sol; f) Massagem com bucha vegetal ou com toalha felpuda; g) Silicone/isopor com abertura
  • 19. 6.2 Orientação sobre a Técnica do Aleitamento: a) Horário: livre demanda. b) Alternância: b.1 - esvaziar a mama antes de fazer a troca para outra e b.2 - quando reiniciar, sempre oferecer a mama que foi oferecida por último, ou seja a que estiver mais cheia.
  • 20. 6.2 Orientação sobre a Técnica do Aleitamento (cont.): c) Posições para amamentar: Fig. V: Sentada Fig. VI: Deitada Obs: em qualquer posição a criança está de frente para mãe.
  • 21. 6.2 Orientação sobre a Técnica do Aleitamento (cont.): c) Posições para amamentar: Fig. VII Sentada cruzada Fig.VIII Sentada invertida
  • 22. 6.2 Orientação sobre a Técnica do Aleitamento (cont.): c) Posições para amamentar: Fig. VIII: Invertida
  • 23. 6.2 Orientação sobre a Técnica do Aleitamento (cont.): d) Pega ou sucção
  • 24. 6.3.Vantagens do aleitamento materno: a) Para o bebê, b) Para a nutriz, c) Para os filhos, o marido, d) Para a cidade e nação, e) Para o meio ambiente.
  • 25. 6.4. Conseqüências do aleitamento artificial.(Fonte: WHO/CDR/93.6) Mais diarréia e infecção respiratória; Diarréia persistente; Desnutrição e deficiência de vit. A; Maior mortalidade; Não protege da gravidez; Interfere no vínculo mãe-filho;
  • 26. 6.4. Conseqüências do aleitamento artificial.(Fonte: WHO/CDR/93.6) Mais alergia e intolerância ao leite; Maior risco de doenças crônicas; Obesidade; Menor desempenho em testes de inteligência; Maior risco de anemia, câncer
  • 27. 6.5. Importância do Alojamento Conjunto. ECA – Lei Nº 8.069 de 13 de julho de 1990. No seu Art.10 – Os hospitais e demais estabelecimentos de atenção à saúde de gestantes, públicos e privados são obrigados a: no item V – manter alojamento conjunto, possibilitando ao neonato a permanência junto à mãe. O ALCON proporciona ao binômio mãe e filho: 1) a conveniência de se conhecerem; 2) à mãe aprender os cuidados básicos; 3) oportuniza a naturalidade dos horários para o aleitamento.
  • 28. 6.6. Direitos da Mãe e da Criança durante a amamentação (cont.). Na CLT os Art. 389,398 e 400 determinam que em locais que trabalhem pelo menos 30 mulheres com mais de 16 anos de idade “terão local apropriado onde seja permitido às empresas guardar sob vigilância e assistência seus filhos no período de amamentação” e garantem dois descansos especiais de meia hora durante a jornada de trabalho para mulher amamentar seu próprio filho,”até que complete 6 meses de idade”. Estes mesmos direitos se estendem à mãe que trabalha onde não há creche, quando podem negociar trabalhar 1 hora a menos ou chegar meia hora depois e sair meia hora antes.
  • 29. 6.6. Direitos da Mãe e da Criança durante a amamentação. Legislação Documentação Duração do benefício -Licença a maternidade – Art. 395 –CLT -Auxílio maternidade Art. 391 a 400 - CLT -Carteira de Trabalho assinada; -Atestado de tempo de gestação; -Certidão de Nascimento; -Certidão de Adoção -Atestado de Óbito -Comprovante do 8º mês de gestação. -Certidão de Nascimento - Atestado de Óbito. . 120 dias, a partir do 8º mês de gestação ou após o parto. . duas semanas . Estes benefícios são válidos até 5 anos após o nascimento do bebê.
  • 30. 7. Promoção do aleitamento na Sala de Parto e ALCON: a)Proporcionar a mãe e a criança conforto que facilite o contato íntimo entre eles imediatamente após o nascimento. b) Avaliar cuidadosamente o uso de sedativos, analgésicos e anestésicos e suas conseqüências para a dupla. c)Criar condições para que o RN seja levado ao ALCON com a mãe. E este deve ser próximo ao setor de neonatologia. d) O aleitamento deve ser praticado em livre demanda.
  • 31. 7. Promoção do aleitamento na Sala de Parto e ALCON (cont): e) Contra-indicar o aleitamento cruzado, o uso de bicos artificiais, e líquidos, exceto os clinicamente indicados. f) É proibida a distribuição de bicos, mamadeiras, propagandas e amostras de substitutivos do leite materno.(NBCAL, 2008) g) Os horários de visita para os pais devem ser flexíveis e com a maior duração possível. h) Na alta a mãe deve ser encaminhada á UBS, para acompanhamento nos primeiros 15 dias, e orientada sobre a importância da manutenção da
  • 32. 8. Promoção do aleitamento no período puerperal: 8.1. Massagem das mamas antes de aleitar. 8.2 Preparo da díade para o aleitamento no puerpério. 8.3. Alertar sobre os manejos que provocam problemas com a amamentação. 8.4. Orientar como superar os problemas com a amamentação . 8.5. Orientação gerais para superar
  • 33. 8.1. Massagem das mamas antes de aleitar. Colocar uma fralda embaixo da mama a ser massageada e usar uma das mãos para sustentá-la. Com a outra usar os dedos indicador e médio e fazer movimentos circulares a partir da aréola.
  • 34. 8.1. Massagem das mamas antes de aleitar. Fazer massagem por toda a mama, inclusive nas laterais. Depois disso, apalpá-la. Se ainda sentir algum ponto duro, continuar com o procedimento.
  • 35. 8.1. Massagem das mamas antes de aleitar. Com os dedos polegar e indicador, pressionar o mamilo, como na ordenha – com movimento do tórax para o bico. Desta forma o leite sairá facilmente.
  • 36. 8.2. Preparo da diáde para o aleitamento durante o puerpério: a) o ambiente deve ser tranqüilo, estando a nutriz e o bebê confortáveis; b) a mãe pode estar despida da cintura para cima ou com sutiã adequado e roupa com abertura frontal; c) a mãe deve aumentar a ingestão de líquidos; d) fazer massagem nas mamas, para estimular a descida do leite; e) avaliar se a aréola está macia, se não estiver esvaziá-la para evitar as fissuras.
  • 37. 8.3. Manejos que provocam problemas na amamentação : a) Usar técnica incorreta; b) Introduzir suplementos líquidos, que espaçam as mamadas, e diminuem a sucção nos mamilos; c) Oferecer bicos de borracha que podem funcionar como substitutivo de mamadas; d) Usar de protetores de mamilos, que interferem no reflexo da sucção;
  • 38. 8.3. Manejos que provocam problemas na amamentação (cont.) : e) Fixar horários para as mamadas, dificultando o ajuste da produção do leite à exigência da criança; f) Dar mamadas muito curtas num só seio, estimulando pouco o mamilo; g) Fadiga ou tensão materna, os quais interferem no reflexo da descida do leite; h) Usar drogas que interferem na produção do leite ( anticoncepcionais orais, nicotina em excesso,
  • 39. 8.4. Orientação para superar problemas comuns com a amamentação . b.Fissura do mamilo a. Ingurgitamento mamário c.Mastite d.Diminuição do leite
  • 40. a)Ingurgitamento mamário . Ocorre quando a mãe produz mais leite do que o bebê consegue mamar. As mamas ficam endurecidas ou empedradas. . Como evitar e tratar: - Colocar o bebê mais vezes para mamar. - Retirar
  • 41. b) Fissura do mamilo . Ocorre quando a posição do bebê ou a pega no mamilo estão erradas. . Como previnir: - Secar bem o mamilo. - Colocar o bebê na posição correta. - Esvaziar a areóla antes das mamadas.
  • 42. b) Fissura do mamilo . Como tratar: - Expor os mamilos ao sol ou a luz artificial (40watts) a distância de 40 cm. - Iniciar a amamentação pelo lado menos lesado. - Variar o posicionamento dos bebês nas mamadas evitando que ele pressione as áreas traumatizadas. - Usar cremes A e D ou corticóide em caso de fissuras graves. - Passar gotas de LM sobre os mamilos e secar.
  • 43. c) Mastite . Ocorre quando um dos seios inflama. A mama fica cheia, avermelhada, muito dolorida e quente. A mãe sente febre e calafrios. . Como evitar e tratar: - Retirar manualmente o excesso de leite. Se a mãe não melhorar em 24
  • 44. d) O leite está secando . Ocorre na exposição a situações de desgaste físico e/ou emocional, ou quando se introduz chuca, mamadeira, bico ou chupeta. . Como evitar: - Nesse caso, é importante orientar a mãe a complementar a mamada ao invés de substituí-la pelo leite artificial, mantendo assim o estímulo da sucção, indispensável para a produção do leite. - A mãe deve ter assegurado o sono e os exercícios físicos, pois ambos estão relacionados com os níveis séricos de prolactina. O MELHOR TRATAMENTO PARA OS PROBLEMAS DA AMAMENTAÇÃO É
  • 45. 8.5. Procedimentos para prevenir problemas comuns com a amamentação no puerpério: a)Retirar delicadamente um pouco de leite antes de amamentar, desta forma amolece o mamilo e facilita a apreensão. b)Aplicar compressas de gelo imediatamente antes de amamentar; c)Lubrificar os mamilos com algumas gotas de leite retirado por expressão antes de amamentar.
  • 46. 8.5. Procedimentos para prevenir problemas comuns com a amamentação no puerpério(c0nt): d) Deixar os mamilos secarem ao ar completamente após a amamentação, para promover a cicatrização e o conforto. e) Evitar aplicar sabão ou sabonete sobre os mamilos quando estiver lavando as mamas. f) Fazer massagem profilática nas mamas nos 4 dias após o parto para prevenir o ingurgitamento mamário.
  • 47. 9. Promoção do aleitamento no pós-parto (PROAME): a) Todo RN deverá ter assegurado acesso à equipe de saúde, nos primeiros 15 dias de vida em UBS próxima a sua residência. b) Toda mãe deve ser orientada a permanecer em AME até os 6 meses e continuar o aleitamento até os 02 anos. Deve ser esclarecida sobre os direitos trabalhistas da mulher, assim
  • 48. 10. Riscos para não amamentar ou para o desmame precoce. 1. Falta de experiência anterior e/ou convivência com a prática de amamentação. 2. Desmame precoce do filho anterior. 3. Intenção de não amamentar ou fazê-lo num prazo insuficiente. 4. Mãe menor de 20 anos de idade. 5. Trabalho fora de casa. 6. Aquisição de mamadeiras, chucas, bicos e chupetas.
  • 49. 10. Riscos para não amamentar ou para o desmame precoce (cont.). 7. Atitudes negativas dos pais ou outros familiares, relativas a amamentação. 8. Insucesso familiar na prática da amamentação. 9. O fato de a mulher achar o leite artificial sem riscos para a saúde de seus filhos. 10. Problemas anteriores ou atuais com a mama. 11. Dificuldades na pega e na técnica de sucção ao seio.
  • 50. 11. Orientações para ordenha manual. 1º)A nutriz deve ter os cabelos presos e as unhas curtas, lavar as mãos com água e sabão e passar as mãos molhadas nas mamas, depois secar as mãos com guardanapo descartável. 2º)Massagear delicadamente as mamas em direção dos mamilos
  • 51. 11. Orientações para ordenha manual. 3º)Segurar o vasilhame próximo a mama e colocar o polegar na aréola acima do mamilo e o indicador por baixo do mamilo. 4º) pressionar a aréola atrás do mamilo, entre o polegar e o indicador, secar o leite em todos os seguimentos. Frascos de vidro com tampa de plástico – deve manter na fervura por 10 a 20 minutos e deixar secar naturalmente sem enxugá-
  • 52. 11.1)Variação da técnica • A mãe pode assumir posição levemente inclinada para frente, na tentativa de facilitar e aumentar o fluxo lácteo. • Podem ser usadas ambas as mãos numa mesma mama para a extração do leite (Técnica Bimanual). • Podem ser ordenhados os dois seios simultaneamente em um único vasilhame de boca larga ou em 2
  • 53. 11.2.Ordenha mecânica. Se usar bomba de leite, ferver antes de usar e não deixar o leite cair na pêra de borracha. • Tira-leite com pêra de borracha e bulbo • Tira-leite tipo seringa • Bomba elétrica para tirar leite
  • 54. 12. Estocagem do leite materno (Manual de aleitamento materno da FSCMPa. e SBP) ► Temperatura ambiente – por até 2 horas. ► Refrigerador – por 24 horas. ►Congelador e no freezer - por 15 dias. OBS: Na rotina dos bancos de leite o leite materno ordenhado é pasteurizado, podendo ser acondicionado
  • 55. 13. Passos para administração do LM ordenhado .Aquecimento – retirar do freezer e descongelar em banho- maria, nunca ferver, não deve ser deixado em temperatura ambiente. . Manter após descongelado em geladeira por até 24 horas. .Atenção: não congelar este leite novamente – a sobra após 24 hs na geladeira deve ser desprezada.
  • 56. 13.1 Administração do leite humano ordenhado Dar somente de colherinha, xícara ou copinho. Não usar mamadeira. Aleitamento de prematuros no copinho é um capítulo à
  • 57. 13.2. A técnica do copinho . A criança deve estar calma, em posição semi-vertical e com os braços contidos. . Colocar o copo gentilmente no lábio inferior. . Inclinar o copo levemente para que a criança sinta o leite no lábio inferior. . Nunca despejar o leite dentro da boca do bebê. . A criança deve “lamber” o leite para depois deglutir. . Interagir com a criança durante a alimentação. . Oferecer o copinho até que a criança mostre sinais de estar saciada (ex.: mostra-se com sono ou para de se alimentar). mamaraopeito.blogspot.com/2009/03/tecnica-do-..
  • 58. AMAMENTAR É UM IDEAL QUE DEVE SER ACALENTADO DESDE O ALVORECER DA VIDA. Autor desconhecido A CRIANÇA QUE MAMA NO PEITO DIFICILMENTE ADOECE E QUANDO ADOECE RARAMENTE MORRE. Nossa mensagem:
  • 59. ENAM Esta é minha foto preferida, ela demonstra que amamentação é sinônimo de prazer.
  • 61. Bibliografia e webliografia: . KING, FS. Como ajudar as mães a amamentar. Ministério da Saúde - Brasília,DF; 1994 . LANG, S. Aleitamento do Lactente - Cuidados especiais. Livraria Santos Editora Comércio e Importação Ltda. 1ªed São Paulo, SP; 1999 . REGO, JD. Aleitamento Materno. Editora Atheneu; 1ªed. São Paulo-Rio de Janeiro-Belo Horizonte; 2001 . SILVA, MFAG; MARQUES, RFSV. [Revisado pelo Departamento de Aleitamento Materno da Sociedade Paraense de Pediatria]. Manual de aleitamento materno exclusivo. 1ªed.Belém, Pará. . www.unicef.org/brazil/pt/where_ 9425.htm www.demaeparamae.pt/artigos/marido-amamentacao-bebe
  • 62. A partir dos 6º. mês de vida deve ocorrer a transição do peito para o prato.
  • 64. Conceitos. Desmame: é a introdução de qualquer outro tipo de alimento que não o leite materno. Período de desmame: período que vai desde a introdução do novo alimento até a suspensão completa do aleitamento materno. Criança desmamada: quando ocorre a suspensão total do leite materno para a criança.
  • 65. Período adequado ao desmame: a partir do 6º mês de vida.
  • 66. OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME 1º) O desmame deve ser gradual, tanto do ponto de vista da quantidade e qualidade dos alimentos quanto a consistência. No início, os alimentos devem ser passados em peneira, depois amassados com garfo e , finalmente, oferecidos em grãos ou pedaços.
  • 67. OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME 2º) Ao introduzir novos alimentos deve-se levar em consideração os hábitos alimentares da família, a disponibilidade local dos alimentos, as variações sazonais e o preço de mercado.
  • 68. OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME 3º) Na preparação dos alimentos deve-se evitar dietas muito diluídas e volumosas que são de baixa densidade energética e ultrapassam a capacidade gástrica da criança pequena.
  • 69. OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME 4º) O uso de lipídeos sob a forma de óleos vegetais ou margarina no preparo das dietas tem a vantagem de elevar a densidade energética sem o aumento de volume (1g de gordura oferece 9 kcal, enquanto 1g de proteína ou carboidrato oferece 4 kcal).
  • 70. OS 07 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO DESMAME 5º) A dieta de desmame deve conter, em cada porção preparada, cerca de 300kcal, 8 g de proteína e densidade energética de 1,8 kcal/g. 6º) Os alimentos de desmame devem sempre ser oferecidos de colher. 7º) A higiene ao manuseio, estocagem, preparo e administração dos alimentos é de grande importância para evitar a contaminação.
  • 71. Componentes da dieta do desmame – cada alimento é fonte de um ou mais nutrientes específicos: Fonte Tipo de alimento Exemplo CARBOI- DRATOS Cereais ou Tubérculos Arroz, milho, fubá, trigo Mandioca ou macaxeira, cará ou inhame, batata doce, beterraba Proteína animal, ferro e cálcio Carnes, vísceras, ovos, leites e seus derivados Boi, Peixes e Aves Proteína vegetal Leguminosas Feijão, fava, soja, lentilha Vitaminas e sais minerais Frutas Verduras e Hortaliças Caju, goiaba, laranja,manga, etc. Abóbora, cenoura, couve, agrião.
  • 72. Combinação dos diversos componentes na dieta do desmame A dieta do desmame deve ser constituída de um alimento básico principal e um ou mais alimentos complementares formando as chamadas misturas duplas ou múltiplas. Tu- bércu lo ou Ce- real + Legumino sa = Mistura dupla Legumino sa, proteína animal e hortaliça = Mistura múltipla
  • 73. Combinação das diversas misturas Quando não for possível usar mistura múltipla, lembrar que a mistura dupla, pode ser pobre em vitaminas e sais minerais, deverá ser complementada com estes elementos, principalmente ferro e vitamina C e A. Tubérculo ou Cereal + Leguminosas Misturas duplas Proteína de origem animal Leguminosa + proteína de origem animal Misturas múltiplas Leguminosa + Hortaliça ou vegetal Prot. de origem animal + Hortaliça ou vegetal Leguminosa + Prot. Animal + Hortaliça ou vegetal
  • 74. Sugestão de refeições para crianças com misturas duplas e múltiplas MISTURA DUPLA Tipo Alimentos Medidas caseiras Refeição de sal Arroz Feijão Abóbora Óleo 3 colher de sopa 2 colher de sopa 1 pedaço médio 1 colher de sopa Suco Laranja 2 unidades médias MISTURA MÚLTIPLA Tipo Alimentos Medidas caseiras Refeição de sal Mandioca Carne moída Cenoura Óleo 1 pedaço médio 1 colher de sopa 1 unidade média 1 colher de sopa Suco Goiaba Açúcar 1 unidade média 1 col. de sobremesa e um copo d’agua