SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Os índices de mortalidade materna nos países em desenvolvimento são
alarmantes. Um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde
UNICEF, UNPFA e o Banco Mundial, estimou que, em 2005
aproximadamente 536.000 mulheres em todo o mundo morreram
vítimas de complicações ligadas ao ciclo gravídico-puerperal. Apenas
15% delas viviam em países desenvolvidos.
Brasil, 2009
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Objetivos dessa apresentação:
• Apresentar os 10 passos do cuidado
obstétrico para a redução da
morbimortalidade materna.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
59,1
0,0
20,0
40,0
60,0
80,0
100,0
120,0
140,0
160,0
Razão de Mortalidade Materna
Brasil Polinomial (Brasil)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Razão de Mortalidade Materna
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
01 Garanta encontros de qualidade, centrados nas
necessidades de cada mulher, durante todos os
contatos com os serviços de saúde.
02 Institua ações de profilaxia e identificação das
síndromes hipertensivas durante o pré-natal.
03 Realize triagem oportuna de infecções do trato
geniturinário.
04 Identifique precocemente sinais de gravidade
clínica materna e garanta tratamento oportuno.
05 Ofereça treinamento das equipes de
assistência regularmente, para o pronto
reconhecimento e condução dos casos de
urgências e emergências obstétricas.
06 Garanta o reconhecimento precoce e
tratamento oportuno e adequado dos quadros
de síndromes hipertensivas graves na gestação.
07 Garanta o reconhecimento precoce e
tratamento oportuno e adequado dos quadros
infecciosos na gestação.
08 Garanta o reconhecimento precoce e
tratamento oportuno e adequado das síndromes
hemorrágicas na gestação e puerpério.
09 Reduza as taxas de cesariana
desnecessárias.
10 Garanta vigilância e assistência permanente
no puerpério.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 01 Garanta encontros de qualidade, centrados nas necessidades de cada mulher,
durante todos os contatos com os serviços de saúde.
• Utilize a consulta de pré-natal como oportunidade para
conhecer as necessidades individuais da mulher e promova
sua saúde de forma integral.
• Sempre ofereça informações claras, com orientações sobre
hábitos saudáveis, preparo para o parto, direitos
reprodutivos, planejamento reprodutivo, rede de apoio e
preparo para o puerpério e certifique-se de que foram
compreendidas por ela.
• Estimule a discussão e elaboração conjunta do Plano de Parto.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 01 Garanta encontros de qualidade, centrados nas necessidades de cada mulher,
durante todos os contatos com os serviços de saúde.
• Identifique desde o início do atendimento e a cada contato
com a mulher no pré-natal os fatores de risco para
síndromes hipertensivas, hemorragias na gestação, diabetes
e outras condições clínicas intercorrentes na gestação.
• Garanta encaminhamento oportuno e adequadamente
referenciado para as pacientes que necessitem.
• Considere as necessidades de proteção específica de
doenças com a vacinação segundo o calendário proposto
para gestantes.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 02 Institua ações de profilaxia e identificação das síndromes hipertensivas durante o
pré-natal.
• Inicie profilaxia com ácido acetilsalicílico e cálcio preferencialmente até 18 semanas de
gestação para as mulheres com maior risco de pré-eclâmpsia (HAC, hipertensão em
gestação anterior, gemelaridade, diabetes, obesidade, doenças autoimunes).
• Mantenha atenção contínua durante o pré-natal para identificação dos sinais e sintomas
de pré-eclâmpsia (ganho de peso excessivo (+1kg/semana) e repentino, edema,
especialmente no rosto e nas mãos, PA maior ou igual a 140 x 90 mmHg).
• Permaneça atento e oriente sobre queixas como cefaleia, epigastralgia e escotomas.
• Cheque periodicamente os valores de proteinúria nas pacientes com sintomas ou risco
importante (> 300mg em 24h, relação proteína/creatinina urinária > 0,3 amostra isolada
de urina > 100 mg/dl ou >1+ em fita urinária).
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 02 Institua ações de profilaxia e identificação das síndromes hipertensivas
durante o pré-natal.
• Atente para as indicações de promoção oportuna do nascimento
conforme a apresentação clínica da síndrome hipertensiva.
• Se não puder realizar proteinúria, considere presença de edema,
ganho excessivo de peso (+1kg/semana) e alteração dos valores
pressóricos. Conte com apoio oportuno de equipe de especialistas
(considere o uso de telemedicina) para as mulheres com um início
de hipertensão na segunda metade da gravidez, especialmente
quando associada à proteinúria ou aos demais fatores associados.
Fique atento às hipertensas crônicas que apresentem edema ou
ganho de peso excessivo, elas podem estar desenvolvendo pré-
eclâmpsia sobreposta.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 03 Realize triagem oportuna de infecções do trato geniturinário.
• Solicite cultura urinária e antibiograma ao menos na
primeira consulta e no terceiro trimestre.
• Trate adequadamente a bacteriúria assintomática e a
infecção urinária, realizando controle de cura (na consulta
subsequente ao término do tratamento - não deixe de
solicitar Urocultura).
• Sempre avalie corrimento vaginal, principalmente em
casos sintomáticos, com especial atenção a vaginose
bacteriana, tricomoníase e candidíase recorrente.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 04 Identifique precocemente sinais de gravidade clínica materna e garanta
tratamento oportuno.
• Em todos os contextos, mas em especial nos serviços de
urgência e emergência, atente para sinais de alerta clínicos
durante a gestação (FR > 22, SatO2 <95%, FC > 100bpm,
Temperatura > 37,8°C, confusão mental, sangramento genital).
• Considere a inclusão de escores de gravidade específicos para
a gestação (como o MEOWS) desde o primeiro contato com a
mulher que procura o serviço de saúde para uma avaliação
eventual, a fim de identificar pacientes prioritárias.
• O tratamento oportuno de condições potencialmente
ameaçadoras da vida só poderá ser instituído se houver
reconhecimento precoce das condições de gravidade.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 05 Ofereça treinamento das equipes de assistência regularmente, para o pronto
reconhecimento e condução dos casos de urgências e emergências obstétricas.
• O atendimento de pacientes com sinais de gravidade
deve ser rápido e qualificado, o que exige educação
permanente das equipes de APS, de atendimento pré-
hospitalar (móvel e fixo), quanto das equipes hospitalares
e um sistema de referência estruturado e eficaz.
• Ofereça treinamento regular para as condições de menor
frequência, mas de alta gravidade como hemorragia
pósparto, pré-eclâmpsia com sinais de gravidade e
eclâmpsia, sepse e parada cardiorrespiratória.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 06 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado
dos quadros de síndromes hipertensivas graves na gestação.
• Identifique as mulheres com iminência de eclâmpsia
(hipertensão e sintomas como cefaleia nucal, dispneia,
epigastralgia, escotomas) ou crise hipertensiva (PA >=
160x110 independentemente de sintomas).
• Garanta a disponibilidade de caixa/kit para atendimento
oportuno.
• Assegure-se de uma rede de referência institucional para
rápida transferência ao adequado nível de atenção, capaz
de dar suporte de UTI obstétrica para a continuidade dos
cuidados clínicos e avaliação da necessidade e do momento
de promoção do nascimento.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 07 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado dos
quadros infecciosos na gestação.
• Valorize quadros febris mesmo que referidos.
• Identifique condições de deterioração clínica e alterações de sinais vitais que podem indicar sepse
materna.
• Proceda com hidratação ótima, coleta de culturas e prescrição de antibioticoterapia de amplo
espectro na primeira hora de suspeita de sepse.
• Esteja atento também no puerpério, dando orientações à mulher
para reconhecimento dos sinais de alerta, como febre, dores na
cicatriz de parto (cesária e episiotomia/lacerações).
• Assegure-se de uma rede de suporte institucional para rápida
transferência para centro de referência capaz de dar suporte clínico
para a continuidade dos cuidados e avaliar a necessidade e o
momento para a indução do parto.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 08 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado das
síndromes hemorrágicas na gestação e puerpério.
• Garanta o reconhecimento e tratamento das anemias na gestação
em todos os contatos com a mulher.
• Garanta a implementação de ações essenciais na prevenção da
hemorragia pós-parto e pós-abortamento como a estratificação de
risco para sangramento, identificação do local de inserção da
placenta/suspeita de acretismo, estimativa do volume de
sangramento, a avaliação sistemática dos sinais vitais (incluindo o
índice de choque) e a administração de ocitocina 10UI IM após
desprendimento fetal para todas as parturientes.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 08 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado das
síndromes hemorrágicas na gestação e puerpério.
• Promova vigilância em ambiente controlado nas 02 primeiras horas
de pós-parto para todas as puérperas com alto risco de
sangramento.
• Garanta a existência de uma caixa/kit de emergência com
medicações e dispositivos de resgate para tratamento de
hemorragia pós-parto: ocitocina, ergometrina, ácido tranexâmico,
misoprostol, balão de tamponamento intrauterino.
• Assegure-se de uma rede de suporte institucional para
disponibilidade oportuna de hemocomponentes e transferência
para centro de referência capaz de realizar procedimentos cirúrgicos
de hemostáticos e eventual suporte de UTI obstétrica.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 09 Reduza as taxas de cesariana desnecessárias.
• Garanta assistência ao parto baseada em evidências
científicas.
• Considere o Plano de Parto apresentado pela mulher.
• Converse sempre com a mulher sobre riscos e benefícios da
via de parto, avaliando a individualidade das condições
obstétricas em cada mulher.
• Indique o parto operatório de maneira criteriosa, utilizando
protocolos específicos e atendendo as indicações absolutas e
relativas de parto cesariana.
• Evite cesarianas desnecessárias e considere a utilização da
classificação de Robson como instrumento para vigilância.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Passo 10 Garanta vigilância e assistência permanente no puerpério.
• Promova vigilância nas 02 primeiras horas de pós parto para todas as
puérperas com alto risco de sangramento.
• Mantenha vigilância e cuidado próximo à mulher no puerpério
identificando sinais precoces de infecção, dificuldades de amamentação
e no autocuidado e alterações de saúde mental.
• Identifique sinais precoces de infecção (como febre, dores na cicatriz de
parto - cesárea e episiotomia/lacerações), dificuldades de amamentação,
alterações de saúde mental e autocuidado.
• Promova continuidade de tratamento de patologias identificadas
durante a gestação, com transferência adequada do cuidado para a
atenção primária.
• Ofereça método contraceptivo eficaz de acordo com as necessidades de
planejamento reprodutivo da mulher.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
A redução da mortalidade materna no Brasil é ainda um desafio para
os serviços de saúde e para a sociedade como um todo. As altas taxas
encontradas se configuram um grave problema de saúde pública,
atingindo desigualmente as regiões brasileiras, com maior prevalência
entre mulheres das classes sociais com menor ingresso e acesso aos
bens sociais. Se configura como uma das mais graves violações dos
direitos humanos das mulheres, por ser uma tragédia evitável em 92%
dos casos e por ocorrer principalmente nos países em
desenvolvimento. Brasil, 2011.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de
vigilância epidemiológica do óbito materno / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de
Análise de Situação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 84 p. : il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Manual
de Preenchimento das Fichas de Investigação do Óbito Materno/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde,
Departamento de Análise de Situação em Saúde.–Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
Material de 03 de junho de 2022
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA
REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Fernanda Marinho
 
Rede Cegonha SP
Rede Cegonha SPRede Cegonha SP
Rede Cegonha SP
estrategiabrasileirinhos
 
Aleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatalAleitamento materno na unidade neonatal
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011
jorge luiz dos santos de souza
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
jusantos_
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
Ruth Milhomem
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Caroline Reis Gonçalves
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Fundamentos da Enfermagem 2
Fundamentos da Enfermagem 2Fundamentos da Enfermagem 2
Fundamentos da Enfermagem 2
Atena Editora
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
chirlei ferreira
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
Alanna Alexandre
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
ilanaseixasladeia
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
Ismael Costa
 
Obstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoObstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjunto
Renata Nobre
 
Ambientes de atenção ao parto
Ambientes de atenção ao partoAmbientes de atenção ao parto
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodosCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
Centro Universitário Ages
 

Mais procurados (20)

Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 
Rede Cegonha SP
Rede Cegonha SPRede Cegonha SP
Rede Cegonha SP
 
Aleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatalAleitamento materno na unidade neonatal
Aleitamento materno na unidade neonatal
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
 
Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011Rede cegonha 24022011
Rede cegonha 24022011
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Fundamentos da Enfermagem 2
Fundamentos da Enfermagem 2Fundamentos da Enfermagem 2
Fundamentos da Enfermagem 2
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
Aula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo EstadoAula de imunização intensivo Estado
Aula de imunização intensivo Estado
 
Obstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjuntoObstetricia e alojamento conjunto
Obstetricia e alojamento conjunto
 
Ambientes de atenção ao parto
Ambientes de atenção ao partoAmbientes de atenção ao parto
Ambientes de atenção ao parto
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodosCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no 3º e 4º períodos
 
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
Trabalho interdisciplinar na assistência ao parto e nascimento: a atuação da ...
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 

Semelhante a 1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna

Cuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
Cuidado para a redução da Morbimortalidade MaternaCuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
Cuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
jgbkjbjhvhchgfcgh
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
Natasha Louise
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Osmarino Gomes Pereira
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
DokiNorkis
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Prevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
Prevenção da Mortalidade Materna no Período PuerperalPrevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpérioDiretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
raquelwleal
 
cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
ShesterDamaceno1
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
MARY SOUSA
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
MARY SOUSA
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Professor Robson
 
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptxLocal de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
pamelacastro71
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Auro Gonçalves
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
Danubia7410
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
ANA FONSECA
 
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Centro Universitário Ages
 

Semelhante a 1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna (20)

Cuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
Cuidado para a redução da Morbimortalidade MaternaCuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
Cuidado para a redução da Morbimortalidade Materna
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
 
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
5° AULA - Assistência de Enfermagem no PARTO-PUÉRPERIO.pptx
 
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
Caso clinico e.s.f hiv na gestaçâo.
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 
Prevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
Prevenção da Mortalidade Materna no Período PuerperalPrevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
Prevenção da Mortalidade Materna no Período Puerperal
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpérioDiretrizes de sms pré natal e puerpério
Diretrizes de sms pré natal e puerpério
 
cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo riscoProtocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
Protocolo clínico de atendimento na rede básica de pré natal de baixo risco
 
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptxLocal de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
Local de Nascimento e Enf no SUS (1).pptx
 
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2Resumo pré natal de baixo risco parte 2
Resumo pré natal de baixo risco parte 2
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
trabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdftrabalho de parto .pdf
trabalho de parto .pdf
 
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
Protocolo de atendimento mulheres em idade fértil, gestantes, puérperas e beb...
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 

1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna

  • 1. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO ÀS MULHERES 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA
  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Os índices de mortalidade materna nos países em desenvolvimento são alarmantes. Um estudo realizado pela Organização Mundial de Saúde UNICEF, UNPFA e o Banco Mundial, estimou que, em 2005 aproximadamente 536.000 mulheres em todo o mundo morreram vítimas de complicações ligadas ao ciclo gravídico-puerperal. Apenas 15% delas viviam em países desenvolvidos. Brasil, 2009
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Objetivos dessa apresentação: • Apresentar os 10 passos do cuidado obstétrico para a redução da morbimortalidade materna.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA 59,1 0,0 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 120,0 140,0 160,0 Razão de Mortalidade Materna Brasil Polinomial (Brasil)
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Razão de Mortalidade Materna
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA 01 Garanta encontros de qualidade, centrados nas necessidades de cada mulher, durante todos os contatos com os serviços de saúde. 02 Institua ações de profilaxia e identificação das síndromes hipertensivas durante o pré-natal. 03 Realize triagem oportuna de infecções do trato geniturinário. 04 Identifique precocemente sinais de gravidade clínica materna e garanta tratamento oportuno. 05 Ofereça treinamento das equipes de assistência regularmente, para o pronto reconhecimento e condução dos casos de urgências e emergências obstétricas. 06 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado dos quadros de síndromes hipertensivas graves na gestação. 07 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado dos quadros infecciosos na gestação. 08 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado das síndromes hemorrágicas na gestação e puerpério. 09 Reduza as taxas de cesariana desnecessárias. 10 Garanta vigilância e assistência permanente no puerpério.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 01 Garanta encontros de qualidade, centrados nas necessidades de cada mulher, durante todos os contatos com os serviços de saúde. • Utilize a consulta de pré-natal como oportunidade para conhecer as necessidades individuais da mulher e promova sua saúde de forma integral. • Sempre ofereça informações claras, com orientações sobre hábitos saudáveis, preparo para o parto, direitos reprodutivos, planejamento reprodutivo, rede de apoio e preparo para o puerpério e certifique-se de que foram compreendidas por ela. • Estimule a discussão e elaboração conjunta do Plano de Parto.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 01 Garanta encontros de qualidade, centrados nas necessidades de cada mulher, durante todos os contatos com os serviços de saúde. • Identifique desde o início do atendimento e a cada contato com a mulher no pré-natal os fatores de risco para síndromes hipertensivas, hemorragias na gestação, diabetes e outras condições clínicas intercorrentes na gestação. • Garanta encaminhamento oportuno e adequadamente referenciado para as pacientes que necessitem. • Considere as necessidades de proteção específica de doenças com a vacinação segundo o calendário proposto para gestantes.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 02 Institua ações de profilaxia e identificação das síndromes hipertensivas durante o pré-natal. • Inicie profilaxia com ácido acetilsalicílico e cálcio preferencialmente até 18 semanas de gestação para as mulheres com maior risco de pré-eclâmpsia (HAC, hipertensão em gestação anterior, gemelaridade, diabetes, obesidade, doenças autoimunes). • Mantenha atenção contínua durante o pré-natal para identificação dos sinais e sintomas de pré-eclâmpsia (ganho de peso excessivo (+1kg/semana) e repentino, edema, especialmente no rosto e nas mãos, PA maior ou igual a 140 x 90 mmHg). • Permaneça atento e oriente sobre queixas como cefaleia, epigastralgia e escotomas. • Cheque periodicamente os valores de proteinúria nas pacientes com sintomas ou risco importante (> 300mg em 24h, relação proteína/creatinina urinária > 0,3 amostra isolada de urina > 100 mg/dl ou >1+ em fita urinária).
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 02 Institua ações de profilaxia e identificação das síndromes hipertensivas durante o pré-natal. • Atente para as indicações de promoção oportuna do nascimento conforme a apresentação clínica da síndrome hipertensiva. • Se não puder realizar proteinúria, considere presença de edema, ganho excessivo de peso (+1kg/semana) e alteração dos valores pressóricos. Conte com apoio oportuno de equipe de especialistas (considere o uso de telemedicina) para as mulheres com um início de hipertensão na segunda metade da gravidez, especialmente quando associada à proteinúria ou aos demais fatores associados. Fique atento às hipertensas crônicas que apresentem edema ou ganho de peso excessivo, elas podem estar desenvolvendo pré- eclâmpsia sobreposta.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 03 Realize triagem oportuna de infecções do trato geniturinário. • Solicite cultura urinária e antibiograma ao menos na primeira consulta e no terceiro trimestre. • Trate adequadamente a bacteriúria assintomática e a infecção urinária, realizando controle de cura (na consulta subsequente ao término do tratamento - não deixe de solicitar Urocultura). • Sempre avalie corrimento vaginal, principalmente em casos sintomáticos, com especial atenção a vaginose bacteriana, tricomoníase e candidíase recorrente.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 04 Identifique precocemente sinais de gravidade clínica materna e garanta tratamento oportuno. • Em todos os contextos, mas em especial nos serviços de urgência e emergência, atente para sinais de alerta clínicos durante a gestação (FR > 22, SatO2 <95%, FC > 100bpm, Temperatura > 37,8°C, confusão mental, sangramento genital). • Considere a inclusão de escores de gravidade específicos para a gestação (como o MEOWS) desde o primeiro contato com a mulher que procura o serviço de saúde para uma avaliação eventual, a fim de identificar pacientes prioritárias. • O tratamento oportuno de condições potencialmente ameaçadoras da vida só poderá ser instituído se houver reconhecimento precoce das condições de gravidade.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 05 Ofereça treinamento das equipes de assistência regularmente, para o pronto reconhecimento e condução dos casos de urgências e emergências obstétricas. • O atendimento de pacientes com sinais de gravidade deve ser rápido e qualificado, o que exige educação permanente das equipes de APS, de atendimento pré- hospitalar (móvel e fixo), quanto das equipes hospitalares e um sistema de referência estruturado e eficaz. • Ofereça treinamento regular para as condições de menor frequência, mas de alta gravidade como hemorragia pósparto, pré-eclâmpsia com sinais de gravidade e eclâmpsia, sepse e parada cardiorrespiratória.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 06 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado dos quadros de síndromes hipertensivas graves na gestação. • Identifique as mulheres com iminência de eclâmpsia (hipertensão e sintomas como cefaleia nucal, dispneia, epigastralgia, escotomas) ou crise hipertensiva (PA >= 160x110 independentemente de sintomas). • Garanta a disponibilidade de caixa/kit para atendimento oportuno. • Assegure-se de uma rede de referência institucional para rápida transferência ao adequado nível de atenção, capaz de dar suporte de UTI obstétrica para a continuidade dos cuidados clínicos e avaliação da necessidade e do momento de promoção do nascimento.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 07 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado dos quadros infecciosos na gestação. • Valorize quadros febris mesmo que referidos. • Identifique condições de deterioração clínica e alterações de sinais vitais que podem indicar sepse materna. • Proceda com hidratação ótima, coleta de culturas e prescrição de antibioticoterapia de amplo espectro na primeira hora de suspeita de sepse. • Esteja atento também no puerpério, dando orientações à mulher para reconhecimento dos sinais de alerta, como febre, dores na cicatriz de parto (cesária e episiotomia/lacerações). • Assegure-se de uma rede de suporte institucional para rápida transferência para centro de referência capaz de dar suporte clínico para a continuidade dos cuidados e avaliar a necessidade e o momento para a indução do parto.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 08 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado das síndromes hemorrágicas na gestação e puerpério. • Garanta o reconhecimento e tratamento das anemias na gestação em todos os contatos com a mulher. • Garanta a implementação de ações essenciais na prevenção da hemorragia pós-parto e pós-abortamento como a estratificação de risco para sangramento, identificação do local de inserção da placenta/suspeita de acretismo, estimativa do volume de sangramento, a avaliação sistemática dos sinais vitais (incluindo o índice de choque) e a administração de ocitocina 10UI IM após desprendimento fetal para todas as parturientes.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 08 Garanta o reconhecimento precoce e tratamento oportuno e adequado das síndromes hemorrágicas na gestação e puerpério. • Promova vigilância em ambiente controlado nas 02 primeiras horas de pós-parto para todas as puérperas com alto risco de sangramento. • Garanta a existência de uma caixa/kit de emergência com medicações e dispositivos de resgate para tratamento de hemorragia pós-parto: ocitocina, ergometrina, ácido tranexâmico, misoprostol, balão de tamponamento intrauterino. • Assegure-se de uma rede de suporte institucional para disponibilidade oportuna de hemocomponentes e transferência para centro de referência capaz de realizar procedimentos cirúrgicos de hemostáticos e eventual suporte de UTI obstétrica.
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 09 Reduza as taxas de cesariana desnecessárias. • Garanta assistência ao parto baseada em evidências científicas. • Considere o Plano de Parto apresentado pela mulher. • Converse sempre com a mulher sobre riscos e benefícios da via de parto, avaliando a individualidade das condições obstétricas em cada mulher. • Indique o parto operatório de maneira criteriosa, utilizando protocolos específicos e atendendo as indicações absolutas e relativas de parto cesariana. • Evite cesarianas desnecessárias e considere a utilização da classificação de Robson como instrumento para vigilância.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Passo 10 Garanta vigilância e assistência permanente no puerpério. • Promova vigilância nas 02 primeiras horas de pós parto para todas as puérperas com alto risco de sangramento. • Mantenha vigilância e cuidado próximo à mulher no puerpério identificando sinais precoces de infecção, dificuldades de amamentação e no autocuidado e alterações de saúde mental. • Identifique sinais precoces de infecção (como febre, dores na cicatriz de parto - cesárea e episiotomia/lacerações), dificuldades de amamentação, alterações de saúde mental e autocuidado. • Promova continuidade de tratamento de patologias identificadas durante a gestação, com transferência adequada do cuidado para a atenção primária. • Ofereça método contraceptivo eficaz de acordo com as necessidades de planejamento reprodutivo da mulher.
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA A redução da mortalidade materna no Brasil é ainda um desafio para os serviços de saúde e para a sociedade como um todo. As altas taxas encontradas se configuram um grave problema de saúde pública, atingindo desigualmente as regiões brasileiras, com maior prevalência entre mulheres das classes sociais com menor ingresso e acesso aos bens sociais. Se configura como uma das mais graves violações dos direitos humanos das mulheres, por ser uma tragédia evitável em 92% dos casos e por ocorrer principalmente nos países em desenvolvimento. Brasil, 2011.
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Guia de vigilância epidemiológica do óbito materno / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009. 84 p. : il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos) • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Manual de Preenchimento das Fichas de Investigação do Óbito Materno/Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Análise de Situação em Saúde.–Brasília: Ministério da Saúde, 2011.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ATENÇÃO ÀS MULHERES Material de 03 de junho de 2022 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres 1O PASSOS DO CUIDADO OBSTÉTRICO PARA REDUÇÃO DA MORBIMORTALIDADE MATERNA