Aula saúde do idoso - turma regular

59.084 visualizações

Publicada em

7 comentários
30 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
59.084
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.417
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.823
Comentários
7
Gostaram
30
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula saúde do idoso - turma regular

  1. 1. Saúde do Idoso
  2. 2. Prof. Ismael Costa ismac@globo.comwww.blogprofismael.blogspot.com
  3. 3. www.cursoinvictus.com.br
  4. 4. Introdução A longevidade é, sem dúvida, um triunfo. Há, no entanto, importantes diferenças entre os países desenvolvidos e os países em desenvolvimento. Enquanto, nos primeiros, o envelhecimento ocorreu associado às melhorias nas condições gerais de vida, nos outros, esse processo acontece de forma rápida, sem tempo para uma reorganização social e da área de saúde adequada para atender às novas demandas emergentes. Para o ano de 2050, a expectativa no Brasil, bem como em todo o mundo, é de que existirão mais idosos que crianças abaixo de 15 anos, fenômeno esse nunca antes observado.
  5. 5. Conceitos Conceito de Idoso → Cronologicamente: Indivíduo com 65 anos ou mais, nos países desenvolvidos; Indivíduo com 60 anos ou mais, nos países em desenvolvimento, como o Brasil. Senescência: Refere-se aos processos biológicos inerentes aos organismos e que são inevitavelmente progressivos. Senilidade: Refere-se às alterações resultantes de traumas e doenças que ocorrem no ciclo vital.
  6. 6.  Geriatria: É o ramo da medicina que se dedica ao idoso, ocupando-se não só da prevenção, do diagnóstico e do tratamento das suas doenças agudas e crônicas, mas também da sua recuperação funcional e sua reinserção na sociedade. Gerontologia: Ciência que estuda o envelhecimento nos seus aspectos biológico, psicológico e social, englobando um conteúdo assistencial aos idosos.
  7. 7. Programa de saúde da pessoa idosa É função das políticas de saúde contribuir para que mais pessoas alcancem as idades avançadas com o melhor estado de saúde possível. O envelhecimento ativo e saudável é o grande objetivo nesse processo.
  8. 8. Brasil – Transição demográficaFIGURA 1: ENVELHECIMENTO DA POPULAÇÃO BRASILEIRA, POR SEXO,NOS ANOS 2000, 2025 E 2050
  9. 9. Envelhecimento - OPAS A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) define envelhecimento como “um processo seqüencial, individual, acumulativo, irreversível, universal, não patológico, de deterioração de um organismo maduro, próprio a todos os membros de uma espécie, de maneira que o tempo o torne menos capaz de fazer frente ao estresse do meio-ambiente e, portanto, aumente sua possibilidade de morte”.
  10. 10. POLÍTICAS PÚBLICAS - idoso No final da década de 90, a Organização Mundial de Saúde (OMS) passou a utilizar o conceito de “envelhecimento ativo” buscando incluir, além dos cuidados com a saúde, outros fatores que afetam o envelhecimento. Pode ser compreendido como o processo de otimização das oportunidades de saúde, participação e segurança, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida à medida que as pessoas ficam mais velhas. (...) favorecendo a prática de atividades físicas no cotidiano e no lazer, a prevenção às situações de violência familiar e urbana, o acesso à alimentos saudáveis e à redução do consumo de tabaco, entre outros.
  11. 11. Políticas do Idoso - SUS O Ministério da Saúde, em setembro de 2005, definiu a Agenda de Compromisso pela Saúde que agrega três eixos: o Pacto em Defesa do Sistema Único de Saúde (SUS), o Pacto em Defesa da Vida e o Pacto de Gestão. Destaca-se aqui o Pacto em Defesa da Vida (...). Foram pactuadas seis prioridades, sendo que três delas têm especial relevância com relação ao planejamento de saúde para a pessoa idosa. São elas: a saúde do idoso, a promoção da saúde e o fortalecimento da Atenção Básica.
  12. 12. Promoção da saúde da Pessoa idosa Ações da Política Nacional de Promoção da Saúde – Portaria 687/GM, de 30 de março de 2006 : a) Divulgação e implementação da Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS); b) Alimentação saudável; c) Prática corporal/atividade física; d) Prevenção e controle do tabagismo; e) Redução da morbi-mortalidade em decorrência do uso abusivo de álcool e outras drogas; f) Redução da morbi-mortalidade por acidentes de trânsito; g) Prevenção da violência e estímulo à cultura de paz; h) Promoção do desenvolvimento sustentável.
  13. 13. A Política Nacional de Saúde daPessoa Idosa (PNSPI) Portaria GM nº 2.528, de 19 de outubro de 2006, define que a atenção à saúde dessa população terá como porta de entrada a Atenção Básica/Saúde da Família, tendo como referência a rede de serviços especializada de média e alta complexidade.
  14. 14. Mortalidade - Brasil Óbitos p/Ocorrênc por Capítulo CID-10 e Ano do Óbito Faixa Etária: 60 a 69 anos, 70 a 79 anos, 80 anos e mais Período:2000-2010Nº Capítulo CID-10 TOTAL1º IX. Doenças do aparelho circulatório 24385092º II. Neoplasias (tumores) 10532983º X. Doenças do aparelho respiratório 8515344º XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 7774825º IV. Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas 4668526º XI. Doenças do aparelho digestivo 2972817º I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 1985198º XX. Causas externas de morbidade e mortalidade 1955639º XIV. Doenças do aparelho geniturinário 14537410º VI. Doenças do sistema nervoso 111495
  15. 15. Aspectos físicos do envelhecimento Sistema Cardiovascular -A cardiopatia é a principal causa de morte no idoso. As valvas cardíacas tornam-se mais espessas e mais rígidas, perdendo o músculo e as artérias cardíacas sua elasticidade. Para se calcular a frequência cardíaca máxima para uma pessoa idosa, deve-se usar a seguinte relação: 220 – idade em anos.
  16. 16. Cardiovascular A hipertensão é um fator de risco grave, em todas as idades, para doença cardiovascular e acidente vascular cerebral. Nas pessoas idosas a hipertensão é classificada da seguinte maneira:a) Hipertensão sistólica isolada: a leitura sistólica excede a 140mmHg, e a medição diastólica é normal ou quase normal (menor que 90mmHg);b) Hipertensão primária: a pressão diastólica é superior ou igual a 90mmHg, independente da pressão sistólica;c) Hipertensão secundária: hipertensão que pode ser atribuída a uma causa subjacente. A disfunção cardiovascular pode manifestar-se como insuficiência cardíaca congestiva, doença da artéria coronária, arteriosclerose, hipertensão, claudicação intermitente (dor na perna causada pela deambulação), doença vascular periférica, hipotensão ortostática, disritmias, acidentes vasculares cerebrais (derrames) ou infarto do miocárdio (ataque cardíaco).
  17. 17. Cardiovascular-promoção da saúde A saúde cardiovascular pode ser promovida através do exercício regular, dieta adequada, controle de peso, medições regulares da pressão arterial, gerenciamento do estresse e cessação do tabagismo. E considerar a realização de 5 ou 6 pequenas refeições por dia, em lugar de 3, para minimizar a hipotensão que pode acontecer depois de uma grande refeição. Os extremos de temperatura, também, devem ser evitados. Alterações anatomo-fisiológicas do envelhecimento. Frequência cardíaca em repouso (normal); FC em exercício ↓; Complacência ventricular ↓↓; Volume Sistólico ↓; Volume diastólico ↓↓; Débito Cardíaco ↓↓; Consumo de Oxigênio ↓; ↑ PA (pressão sistólica aumenta, tanto em repouso quanto ao exercício, cerca de 10 a 40mmHg).
  18. 18. Lembre-se tudodiminui, só a PA aumenta!
  19. 19. Sistema Respiratório diâmetro torácico ântero-posterior aumentado, o colapso osteoporótico das vértebras resultando em cifose, calcificação das cartilagens costais e mobilidade reduzida das costelas, eficiência diminuída dos músculos respiratórios, rigidez pulmonar aumentada e área de superfície alveolar diminuída. (resulta em maior volume residual pulmonar e capacidade vital diminuída). A troca gasosa e a capacidade de difusão também são diminuídas. A menor eficiência da tosse, a atividade ciliar reduzida e o espaço morto respiratório aumentado tornam a pessoa idosa mais vulnerável às infecções respiratórias.
  20. 20. Sistema Respiratório-promoção da saúde o exercício regular, a ingestão hídrica apropriada, a vacinação pneumocócica, as imunizações anuais contra gripe e a prevenção do contato com pessoas doentes, além de cessação do tabagismo. Quanto a internação atentar para o reflexo da tosse e realização de respirações profundas porque a diminuição da capacidade pulmonar e da eficiência da tosse os predispõe às infecções respiratórias e à atelectasia. As afecções respiratórias mais frequentes no idoso são as doenças crônicas, dentre elas o grupo e doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) e asma, doença restritiva, como a fibrose pulmonar idiopática, e pneumonias.
  21. 21. DPOC A DPOC é uma das doenças mais frequentes do idoso, tem evolução lenta e progressiva com alta incidência de morbidade e mortalidade em todo o mundo. Inclui enfisema pulmonar, bronquite crônica e doença inflamatória das pequenas vias aéreas, sendo comum a superposição desses quadros. Na clínica, os pacientes apresentam dispnéia, que é o sintoma mais incapacitante, tosse com expectoração e intolerância ao exercício. Apresentam sinais de hiperinsuflação pulmonar, desconforto respiratório e, em sua evolução, alterações importantes na troca gasosa com hipoxemia e hipercapnia.
  22. 22. Fibrose pulmonar idiopática A fibrose pulmonar é uma doença com maior frequência na 5ª e 6ª década de vida e se caracteriza pela fibrose das paredes alveolares, geralmente desencadeada por processos inflamatórios crônicos. A fibrose dificulta a difusão dos gases, sendo as principais conseqüências quadros de hipoxemia seguidos de hipertensão pulmonar, cor pulmonale e morte.
  23. 23. Pneumonia A pneumonia é uma reação inflamatória do parênquima pulmonar decorrente de uma agressão por microorganismos, isto é, bactérias, fungos e vírus. A população idosa é mais propensa a desenvolver pneumonia, por vários fatores como redução dos mecanismos de defesa pulmonar, presença de doenças pulmonares concomitantes, como bronquite crônica e enfisema, restrição ao leito devido à seqüelas de acidente vascular cerebral (AVC), demência em estágio avançado, pós- traumatismos e quadros de broncoaspiração. A pneumonia constitui a principal causa de mortalidade por doença infecciosa em pacientes idosos.
  24. 24. Sistema tegumentar A epiderme e a derme tornam-se mais finas. As fibras elásticas sofrem uma redução em seu número e o colágeno torna-se mais rígido. O tecido adiposo subcutâneo diminui, principalmente nos membros. Quantidades diminuídas de capilares na pele resultam em aporte sanguíneo diminuído. Essas alterações provocam perda da elasticidade e o enrugamento e arqueamento da pele. Além disso, ocorre a cerose, que é a perda da capacidade da pele de reter a umidade e acaba ficando seca e escamosa. A cerose é quase sempre acompanhada de prurido, além da descamação da pele. A pigmentação dos pêlos diminui. A pele torna-se mais seca e suscetível às irritações por causa da atividade diminuída das glândulas sebáceas e sudoríparas. Essas alterações no tegumento reduzem a tolerância aos extremos de temperatura e à exposição ao sol.
  25. 25. Sistema tegumentar-promoção da saúde As estratégias para promover a função cutânea saudável incluem: a prevenção contra a exposição ao sol, uso de creme cutâneo lubrificante, prevenção de longas imersões na banheira e a manutenção da ingestão adequada de água, e uso de protetor/bloqueador quando exposto ao sol após o sol da manhã.
  26. 26. Sistema Reprodutor A produção ovariana de estrogênio e progesterona cessa com a menopausa (RISCO AUMENTADO PARA OSTEOPOROSE). As alterações que ocorrem no sistema reprodutor feminino incluem o adelgaçamento da parede vaginal, juntamente com o estreitamento no tamanho e a perda da elasticidade; a redução das secreções vaginais resultam em ressecamento vaginal, prurido e acidez diminuída; involução do útero e dos ovários; e tônus diminuído da musculatura pubococcígea, resultando em uma vagina e períneo relaxados. Essas alterações contribuem para o sangramento vaginal e para relação sexual dolorosa. Nos homens idosos, o pênis e os testículos diminuem de tamanho, ocorrendo redução dos níveis androgênicos. A disfunção erétil pode desenvolver-se com a doença cardiovascular concomitante, distúrbios neurológicos, diabetes ou, até mesmo, com a doença respiratória, o que limita a tolerância ao exercício.
  27. 27. Sistema reprodutor-promoção da saúde  Para homens e mulheres, a manutenção de uma rotina diária de exercícios físicos promove o desempenho sexual melhorado.
  28. 28. Sistema Genitourinário O sistema genitourinário continua a funcionar adequadamente nas pessoas idosas, embora exista uma diminuição na massa renal, principalmente por causa de uma perda de néfrons. As alterações na função renal incluem uma redução na taxa de filtração, função tubular diminuída com menor eficiência na reabsorção e concentração de urina, e uma restauração mais lenta do equilíbrio ácido-básico em resposta ao estresse. Com frequência, as mulheres idosas sofrem incontinência por estresse e/ou de urgência. A hiperplasia benigna de próstata, achado comum nos homens idosos, provoca aumento gradual na retenção urinária e na incontinência por hiperfluxo.
  29. 29. Genitourinário - promoção da saúde O consumo adequado de líquidos é importante para reduzir o risco de infecções vesicais e de incontinência urinária. Outros hábitos saudáveis compreendem ter acesso imediato às instalações sanitárias e a realizar a micção a cada 2 a 3 horas enquanto acordado. As infecções do trato urinário são prevalentes em mulheres idosas. Os motivos incluem os efeitos de estrogênio diminuído, o que encurta o comprimento uretral, possibilitando a passagem mais fácil de bactérias para dentro da bexiga; menor consumo total de líquidos, o que gera uma urina concentrada em que as bactérias podem proliferar; e a introdução de bactérias a partir do reto em consequência a uma higiene íntima deficiente secundária à mobilidade prejudicada e às alterações articulares.
  30. 30. Sexualidade na terceira idade Nos últimos anos vem ocorrendo uma revolução na concepção e na prática da sexualidade, o que tem se refletido de forma indiscutível na terceira idade. Alguns fatores tiveram influencia direta no processo, sendo três os mais importantes. 1º – A vida sexual deixou de ter apenas a função de procriação para se tornar uma fonte de satisfação e realização de pessoas de todas as idades 2º - O aumento notável e progressivo de pessoas que chegam a uma idade sempre mais avançada em condições psicofísicas satisfatórias e não dispostas a renunciar à vida sexual. 3º - O aparecimento da Aids obriga todos a repensar a sexualidade, reforçando a necessidade de informarem-se e falarem mais abertamente sobre sexo.
  31. 31. Sistema Gastrintestinal O adulto idoso está em maior risco de nutrição prejudicada. É comum a doença periodontal, que leva à deterioração e à perda dos dentes. Ressecamento da boca. Com frequência, as principais queixas são as sensações de plenitude, pirose e indigestão. A motilidade gástrica pode diminuir, resultando em esvaziamento retardado do conteúdo gástrico. A secreção diminuída de ácido e pepsina reduz a absorção de ferro, cálcio e vitamina B12. A absorção de nutrientes no intestino delgado também parece diminuir com a idade. Em geral, há a manutenção da função do fígado, vesícula biliar e pâncreas, embora a absorção e a tolerância à gordura possam diminuir. A incidência de cálculos biliares e de cálculos no duto biliar comum aumenta progressivamente com o avançar da idade. A constipação é comum nas pessoas idosas.
  32. 32. Sistema Gastrintestinal-promoção dasaúde As práticas de promoção da saúde gastrintestinal incluem a realização de cuidados dentários regulares; a ingestão de refeições pequenas e frequentes; a prevenção da atividade intensa depois da alimentação; a ingestão de uma dieta rica em fibras e pobre em gordura; a ingestão de uma quantidade adequada de líquidos; o estabelecimento de hábitos intestinais regulares; e a prevenção do uso de laxativos e antiácidos.
  33. 33. Sono Os distúrbios do sono ocorrem com frequência nas pessoas idosas, afetando mais de 50% dos adultos com 65 anos de idade ou mais. Com frequência, o idoso experimenta variações em seus ciclos normais de sono-vigília, e, em geral, a falta de qualidade de sono à noite cria a necessidade de cochilos durante o dia. Pode-se recomendar comportamentos prudentes de higiene do sono, como evitar cochilos durante o dia, ingerir um lanche leve antes da hora de dormir e diminuir o intervalo total no leito para ajustar-se ao menor número de horas de sono necessárias comparado a quando o paciente era mais jovem.
  34. 34. Sistema Musculoesquelético A perda da densidade óssea pode resultar em osteoporose, que afeta homens e mulheres idosos, mas é prevalente em mulheres pós-menopausa. Essa condição também é observada em homens idosos que estão recebendo tratamentos hormonais para o câncer de próstata. O risco de uma fratura em conseqüência da reabsorção óssea é particularmente alto para porção dorsal das vértebras, úmero, rádio, fêmur e tíbia. Ocorre uma perda de altura em um período mais avançado na vida. Os músculos diminuem de tamanho e perdem a força, flexibilidade e resistência com a atividade diminuída e a idade avançada. a partir da meia-idade, a cartilagem das articulações deteriora progressivamente.
  35. 35. Promoção da saúde Ingestão rica em cálcio; Dieta pobre em fósforo; Exercícios de sustentação de peso; Redução de cafeína e álcool; Cessação do tabagismo; Modulares seletivos do receptor de estrogênio (preservam a densidade mineral óssea); Substâncias bifosfonadas (promovem a formação óssea).
  36. 36. Sistema Nervoso A estrutura e função do sistema nervoso modificam-se com o avançar da idade, e uma redução no fluxo sanguíneo cerebral acompanha as alterações no sistema nervoso. A perda de células nervosas contribui para uma perda progressiva de massa cerebral, e também estão reduzidos a síntese e o metabolismo dos principais neurotransmissores. Como os impulsos nervosos são conduzidos de forma mais lenta, as pessoas idosas levam mais tempo para responder e reagir. O sistema nervoso autônomo age de maneira menos eficiente, podendo acontecer hipotensão postural, que faz com que a pessoa perca a consciência ou sinta tonteira ao se levantar com rapidez. Um tempo de reação retardado coloca a pessoa idosa em risco de quedas e lesões, incluindo erros na direção de veículos automotores.
  37. 37. Sistema Sensorial As perdas sensoriais com o envelhecimento afetam todos os órgãos sensoriais e podem ser devastadoras para a pessoa que não consegue enxergar para ler ou ver televisão, ouvir suficientemente a conversação para se comunicar, ou discriminar suficientemente bem o paladar para apreciar o alimento.
  38. 38. PROMOÇÃO DE HÁBITOS SAUDÁVEIS Alimentação Saudável para Pessoas Idosas – Alimentação específica. Prática Corporal/Atividade Física - Sugere-se a prática de 30 minutos de prática corporal/atividade física regular (ao menos três vezes por semana), deve-se considerar vários aspectos, como: prazer em estar realizando esta ou aquela atividade, suas necessidades físicas, suas características sociais, psicológicas e físicas. Trabalho em Grupo com Pessoas Idosas - O trabalho em grupos possibilita a ampliação do vínculo entre equipe e pessoa idosa, sendo um espaço complementar da consulta individual, de troca de informações, de oferecimento de orientação e de educação em saúde.
  39. 39. VIOLÊNCIA INTRAFAMILIAR E MAUSTRATOS A violência contra idosos se manifesta nas formas: Estrutural, que ocorre pela desigualdade social e é naturalizada nas expressões da pobreza, da miséria e da discriminação; Interpessoal que se refere nas relações cotidianas; Institucional, que se reflete na aplicação ou omissão da gestão das políticas sociais e pelas instituições de assistência. A violência intrafamiliar é importante representação da violência interpessoal.
  40. 40. Tipos de violência a) Violência física b) Violência sexual c) Violência psicológica d) Violência econômica ou financeira ou patrimonial e) Violência institucional f) Abandono/negligência g) Auto-negligência. Todo caso suspeito ou confirmado de violência contra a pessoa idosa deve ser notificado, utilizando-se a “Ficha de Notificação/Investigação Individual – Violência Doméstica, Sexual e/ou Outras Violências”.
  41. 41. Avaliação global A avaliação da pessoa idosa nos serviços de Atenção Básica tem por objetivo a avaliação global com ênfase na funcionalidade. A presença de declínio funcional pode sugerir a presença de doenças ou alterações ainda não diagnosticadas. É por meio dessa avaliação que se pode fazer um balanço entre as perdas e os recursos disponíveis para sua compensação. Vários são os instrumentos existentes que colaboram com a avaliação ampla do idoso.
  42. 42. AVALIAÇÃO GLOBAL - conceitos Autonomia – pode ser definida como auto-governo e se expressa na liberdade para agir e para tomar decisões. Independência – significa ser capaz de realizar as atividades sem ajuda de outra pessoa. Dependência – significa não ser capaz de realizar as atividades cotidianas sem a ajuda de outra pessoa.
  43. 43. Escalas de avaliação AVALIAÇÃO DE EQUILÍBRIO E MARCHA: TINNETI - Realizado através de protocolo de Mary Tinneti proposto em 1986. O teste é capaz de avaliar as condições vestibulares e da marcha da pessoa idosa. Em 2003, esse teste foi adaptado para ser utilizado na população brasileira recebendo o nome de POMA-Brasil. AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES BÁSICAS DE VIDA DIÁRIA: KATZ - O Índex de Independência nas Atividades Básicas de Vida Diária de Sidney Katz é um dos instrumentos mais utilizados para avaliar as AVD. Avalia a independência no desempenho de seis funções (banho, vestir-se, ir ao banheiro, transferência, continência e alimentação) classificando as pessoas idosas como independentes ou dependentes. AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES INSTRUMENTAIS DE VIDA DIÁRIA: LAWTON - De acordo com o grau de limitação apresentado para o desempenho das AIVDs é possível determinar se a pessoa idosa é ou não capaz de manter uma vida independente. 9 funções são avaliadas: usar o telefone; ir a locais distantes, usando algum transporte, sem necessidade de planejamentos especiais; fazer compras; preparar suas próprias refeições; arrumar a casa; fazer trabalhos manuais domésticos, como pequenos reparos; lavar e passar sua roupa; tomar seus remédios na dose e horários corretos; cuidar de suas finanças
  44. 44. Fragilidade em idosos Fragilidade é compreendida como uma síndrome clínica caracterizada pela diminuição da reserva energética e pela resistência reduzida aos estressores. Essa condição resulta de declínio cumulativo dos sistemas fisiológicos e causa vulnerabilidade às condições adversas, por haver dificuldade de manutenção da homeostase em situações de exposição às perturbações tais como alterações de temperaturas ambientais e variações na condição de saúde.
  45. 45. Principais alterações Alterações neuromusculares (principalmente sarcopenia); Desregulação do sistema neuroendócrino; Disfunção do sistema imunológico.
  46. 46. VACINAÇÃO Anti-influenza – dose anual – no outono. Idosos com mais de 60 anos devem também receber ao menos uma dose de vacina anti-pneumocócica durante a vida. Os idosos institucionalizados e não vacinados deverão receber uma dose da vacina (anti-pneumo) e outra após cinco anos da primeira, caso a indicação persista. A vacina dupla adulto (dT – contra difteria e tétano) deve ser administrada a cada dez anos podendo ser reforçada em cinco anos no caso de ferimentos considerados “sujos”.
  47. 47. Geriatria Objetivos da Geriatria Manutenção da Saúde em idades avançadas Manutenção da funcionalidade Prevenção de doenças Detecção e tratamento precoce Máximo grau de independência Cuidado e apoio durante doenças terminais Tratamentos seguros. As doenças no Idoso têm manifestações atípicas, com sintomas inespecíficos, de início insidioso, sub- clínico e com freqüência com sintomas não relatados, assim é comum se dizer que “É fácil perder um diagnóstico”.
  48. 48. OS CINCO “I”S E OS TRÊS “D”1. Insuficiência 1. Demência, (Incompetência) 2. Delírium, Cerebral 3. Depressão2. Imobilidade3. Incontinência4. Iatrogenia5. Instabilidade Postural e Cerebral
  49. 49. Insuficiência (Incompetência)Cerebral Origem: Degeneração e perda de células no cérebro Causas mais comuns: Doença de Alzheimer e Distúrbios circulatórios no cérebro Evolução : Lenta , progressiva geralmente irreversível CONSEQUÊNCIAS: Dificuldades de memória Desorientação Dificuldades de linguagem Incapacidade para realizar tarefas comuns do cotidiano Alterações do comportamento e da personalidade
  50. 50. Imobilidade Situação Motora e Comportamental Perda de atividades laborativas. Perda de funções sociais Naturalização da inatividade Ambiente Limitante Superproteção. Negligência Doença crônica Doença aguda Dor crônica Sedentarismo Inatividade Imobilidade
  51. 51. Incontinência A prevalência da Incontinência Urinária é maior nas mulheres que nos homens, entre os 50 e 75 anos, não apresentando variações por sexo na idade mais avançada. Estima-se que entre as pessoas idosas, a prevalência de IU é de aproximadamente 10 a 15% entre os homens e de 20 a 35% entre as mulheres. Idosos institucionalizados e os providos de internação hospitalar recente, apresentem incontinência urinária de 25 a 30%. Entre as mulheres, a principal alteração é a redução da pressão máxima de fechamento uretral, conseqüência de danos secundários à partos, cirurgias, radiação, tabagismo, obesidade, distúrbios neurológicos, da redução da vascularização e hipotrofia dos tecidos que revestem e envolvem a uretra, a bexiga e a vagina e outros. Entre os homens, o aumento da próstata é, provavelmente, o principal fator responsável pelas alterações do fluxo urinário.
  52. 52. Tratamento Evitar ingestão de grandes quantidades de líquidos quando não houver disponibilidade de banheiros acessíveis. Evitar alimentos como cafeína e bebidas alcoólicas. Tratar adequadamente quadros de obstipação intestinal crônica. Medidas não farmacológicas 1. Adaptação e manipulação ambiental – facilitando acesso e uso do banheiro ou uso de coletores (urinol, papagaio ou comadre) à beira do leito. 2.Terapias de comportamento: 2.1 Exercícios de musculatura pélvica e treinamento vesical. 2.2 treinamento do hábito e a micção programada.
  53. 53. Iatrogenia Iatrogenia - Problema de saúde induzido por diagnóstico ou tratamento. Podemos considerar dois tipos de iatrogenias: 1) Iatrogenia de ação: aquela que ocorre pela ação médica, desde a relação com o paciente, passando pelo diagnóstico, terapêutica, até a prevenção. Caracteriza imprudência ou imperícia médica; 2) Iatrogenia de omissão: aquela que ocorre pela falta de ação do médico, quer no diagnóstico, quer no tratamento, portanto, ato negligente.
  54. 54. Envelhecimento e medicamentos A complexidade do regime terapêutico, o excesso de medicamentos prescritos, a duração do tratamento, o déficit de informações (doença e medicamentos), os distúrbios (cardiovasculares, hepáticos e renais), são alguns dos fatores que contribuem para a ocorrência de eventos adversos. As interações medicamentosas são causas especiais de reações adversas em que os efeitos farmacológicos de um medicamento podem ser alterados por outro(s), quando administrados concomitantemente.
  55. 55. Polifarmácia Polifarmácia é o termo usado para descrever a situação em que vários medicamentos são prescritos simultaneamente, sendo uma prática clínica comum nas pessoas idosas. A ocorrência da polifarmácia pode ser explicada pelo número de doenças crônicas que acometem os idosos, elevada incidência de sintomas e a realização de consulta e tratamento com especialistas diferentes.
  56. 56. Instabilidade postural - quedas A queda representa um grande problema para as pessoas idosas dadas as suas conseqüências (injúria, incapacidade, institucionalização e morte) que são resultado da combinação de alta incidência com alta suscetibilidade à lesões. Cerca de 30% das pessoas idosas caem a cada ano. Essa taxa aumenta para 40% entre os idosos com mais de 80 anos e 50% entre os que residem em ILPI. As mulheres tendem a cair mais que os homens até os 75 anos de idade, a partir dessa idade as freqüências se igualam. Dos que caem, cerca de 2,5% requerem hospitalização e desses, apenas metade sobreviverá após um ano.
  57. 57. Quedas – fatores de risco • baixa aptidão física;Fatores intrínsecos: decorrem das • fraqueza muscular de alterações fisiológicas MMII e MMSS (hand relacionadas ao grip); avançar da idade, da presença de doenças, de • alterações cognitivas; fatores psicológicos e de reações • doença de Parkinson; adversas de medicações em uso. • polifarmácia;• idosos com mais de 80 • uso de sedativos, anos; hipnóticos e• sexo feminino; ansioliticos.• imobilidade;• quedas precedentes;• equilíbrio diminuído;• marcha lenta e com passos curtos;
  58. 58. Fatores extrínsecos Relacionados aos comportamentos e atividades das pessoas idosas e ao meio ambiente. Ambientes inseguros e mal iluminados, mal planejados e mal construídos, com barreiras arquitetônicas representam os principais fatores de risco para quedas. A maioria das quedas acidentais ocorre dentro de casa ou em seus arredores, geralmente durante o desempenho de atividades cotidianas como caminhar, mudar de posição, ir ao banheiro. Cerca de 10% das quedas ocorrem em escadas sendo que descê-las apresenta maior risco que subi-las.
  59. 59. Instabilidade cerebral DEPRESSÃO A depressão não é apenas tristeza e não é inerente ao processo de envelhecimento, é uma doença que deve ser tratada. Entre as pessoas idosas, a depressão talvez seja o exemplo mais comum de uma doença com apresentação clínica inespecífica e atípica. A depressão não é provocada por um só fator. Há um entrecruzamento de vários fatores: psicológicos, biológicos, sociais, culturais, econômicos, familiares, entre outros que fazem com que a depressão se manifeste em determinado sujeito. Não está claro por que umas pessoas se deprimem e outras não.
  60. 60. DEPRESSÃO DEMÊNCIAQuanto à História ClínicaAntecedentes pessoais ou Presente Ausentefamiliares de depressãoInício dos sinais e sintomas Data precisa de início Não evidenteProgressão dos sintomas Rápida LentaDuração dos sintomas Menor de seis meses Maior de seis mesesQueixas de perda cognitiva Enfatizada MinimizadaDescrição da perda Detalhada Vagacognitiva
  61. 61. Descrição da perda cognitiva Detalhada VagaIncapacidade Enfatizada Não enfatizadaEsforço para executar tarefas Menor MaiorApetite Transtorno do apetite NormalResposta ao tratamento com Boa AusenteantidepressivosQuanto ao exame clínicoPerda de memória Para acontecimentos recente e Maior perda de memória remoto similares recenteIncidência de respostas do Habitual Não habitualtipo - "não sei"Incidência de respostas tipo - Não é habitual Habitual"quase certo"
  62. 62. Tratamento O tratamento da depressão visa: à promoção da saúde e a reabilitação psicossocial; à prevenção de recorrências, a piora de outras doenças presentes e do suicídio; a melhora cognitiva e funcional; e ajuda para que a pessoa idosa possa lidar com suas dificuldades. A associação entre essas opções aumenta o potencial de resposta. De forma geral, existem alguns recursos terapêuticos como: o atendimento individual (orientação e acompanhamento, psicoterapia e farmacoterapia), o atendimento em grupo, as atividades comunitárias e o atendimento à família.
  63. 63. Demência A demência é uma síndrome clínica decorrente de doença ou disfunção cerebral, de natureza crônica e progressiva, na qual ocorre perturbação de múltiplas funções cognitivas, incluindo memória, atenção e aprendizado, pensamento, orientação, compreensão, cálculo, linguagem e julgamento. O comprometimento das funções cognitivas é comumente acompanhado, e ocasionalmente precedido, por deterioração do controle emocional, comportamento social ou motivação. A demência produz um declínio apreciável no funcionamento intelectual que interfere com as atividades diárias, como higiene pessoal, vestimenta, alimentação, atividades fisiológicas e de toalete.
  64. 64. Demência Doença de Alzheimer: É a mais prevalente entre as diversas causas de demências. Demência Vascular: Início abrupto, geralmente, após um episódio vascular, com deterioração em degraus (alguma recuperação depois da piora) e flutuação do déficit cognitivo (dias de melhor e pior performance). Apresenta sinais focais, de acordo com a região cerebral acometida. A demência vascular não é uma doença, mas sim, um grupo heterogêneo de síndromes com vários mecanismos vasculares e mudanças cerebrais relacionados a diferentes causas e manifestações clínicas. É o segundo tipo mais prevalente de demência.
  65. 65.  Demências dos corpúsculos de Lewy - Do ponto-de- vista clínico, a DCL caracteriza-se por flutuação cognitiva, alucinações visuais e parkinsonismo espontâneo. O tratamento farmacológico baseia-se no emprego de inibidores de colinesterase, objetivando atenuar os déficits cognitivos e as alterações comportamentais. O emprego de neurolépticos deve ser evitado face à grande sensibilidade desses pacientes aos mesmos. A demência fronto-temporal é uma importante causa de demência no período pré-senil. Caracteriza-se por significativas modificações do comportamento e da personalidade, enquanto o funcionamento cognitivo avaliado por testes psicométricos tradicionais encontra-se relativamente preservado. O tratamento racional da demência fronto-temporal é atualmente limitado. Os sintomas comportamentais são controlados principalmente por inibidores seletivos da recaptação de serotonina.
  66. 66.  A doença de Pick é um tipo de demência fronto- temporal. Quando a lesão ocorre na área cerebral que controla o comportamento, esta forma de demência é muitas vezes marcada por mudanças notórias da personalidade na pessoa afetada. Esta pode-se revelar-se antipática, arrogante, atuar inapropriadamente e, de um modo geral, não respeitar as regras sociais. O estágio inicial costuma ser caracterizado por uma falta de iniciativa e por falhas de memória para acontecimentos recentes. A desorientação espacial ocorre também muito cedo.
  67. 67. DELIRIUM É definido como uma “síndrome cerebral orgânica sem etiologia específica”, caracterizada pela presença simultânea de perturbações da consciência e da atenção, da percepção, do pensamento, da memória, do comportamento psicomotor, das emoções e do ritmo sono- vigília. Acomete principalmente pacientes idosos. É um “estado confusional agudo” ou “confusão mental aguda”, com duração variável, e com gravidade varia de formas leves a muito graves.
  68. 68. DELIRIUM EPIDEMIOLOGIA 1% nos idosos que vivem em comunidade; 40% nos idosos admitidos em unidades de urgência; 2% a 60% no pós-operatório. SINTOMAS CLÍNICOS Distúrbio de atenção; Início agudo, com piora nos períodos noturnos; Caracterizam-se com prejuízo da consciência, atenção, cognição, ciclo sono-vigília e comportamento psicomotor; Desorientação têmporo-espacial; Disfunção da cognição - prejuízo do pensamento (vago e fragmentado nas formas leves; sem lógica ou coerência: nas formas graves).
  69. 69. DELIRIUM ETIOLOGIA Multifatorial: qualquer afecção médica, uso ou abstinência de drogas; Principais causas entre os idosos: processos infecciosos (pneumonia e ITU), afecções cardiovasculares, cerebrovasculares e pulmonares que causam hipóxia e distúrbios metabólicos.
  70. 70. MAL DE ALZHEIMER A Doença de Alzheimer é uma doença do cérebro, degenerativa, isto é, que produz atrofia progressiva, com início mais freqüente após os 65 anos, que produz a perda das habilidades de pensar, raciocinar, memorizar, que afeta as áreas da linguagem e produz alterações no comportamento. Causas - Ainda não estão conhecidas, mas sabe-se que existem relações com certas mudanças nas terminações nervosas e nas células cerebrais que interferem nas funções cognitivas. Alguns estudos apontam como fatores importantes para o desenvolvimento da doença: Aspectos neuroquímicos: diminuição de substâncias através das quais se transmite o impulso nervoso entre os neurônios, tais como a acetilcolina e noradrenalina Aspectos ambientais: exposição/intoxicação por alumínio e manganês Aspectos infecciosos: como infecções cerebrais e da medula espinhal Pré-disposição genética em algumas famílias, não necessariamente hereditária.
  71. 71. Sinais e sintomas Na fase inicial da doença, a pessoa afetada mostra-se um pouco confusa e esquecida e parece não encontrar palavras para se comunicar em determinados momentos; às vezes, apresenta descuido da aparência pessoal, perda da iniciativa e alguma perda da autonomia para as atividades da vida diária. Na fase intermediária necessita de maior ajuda para executar as tarefas de rotina, em parte devido a apraxia (incapacidade de executar movimentos voluntários coordenados, embora funções musculares e sensoriais estejam conservadas); pode passar a não reconhecer seus familiares, pode apresentar incontinência urinária e fecal; torna-se incapaz para julgamento e pensamento abstrato, precisa de auxílio direto para se vestir, comer, tomar banho, tomar suas medicações e todas as outras atividades de higiene.
  72. 72. Sinais e sintomas No período final da doença, existe perda de peso mesmo com dieta adequada; dependência completa, torna-se incapaz de qualquer atividade de rotina da vida diária e fica restrita ao leito, com perda total de julgamento e concentração. Pode apresentar reações a medicamentos, infecções bacterianas e problemas renais. Na maioria das vezes, a causa da morte não tem relação com a doença e sim com fatores relacionados à idade avançada.
  73. 73. Fatores de risco Idade Hereditariedade Metais: o alumínio e o zinco têm sido associados às alterações do tecido cerebral que ocorrem na doença de Alzheimer. Porém não há evidências diretas que liguem a exposição física a esses metais com a doença*. Síndrome de Down Uso de Estrogênio Antioxidantes
  74. 74. Diagnóstico O diagnóstico de Doença de Alzheimer é feito através da exclusão de outras doenças que podem evoluir também com quadros demenciais. Por exemplo: Traumatismos cranianos Tumores cerebrais Acidentes Vasculares Cerebrais Arterioesclerose Intoxicações ou efeitos colaterais de medicamentos Intoxicação por drogas e álcool Depressão Hidrocefalia Hipovitaminoses, Hipoteroidismo
  75. 75. Tratamento Não existe cura conhecida para a Doença de Alzheimer, por isso o tratamento destina-se a controlar os sintomas e proteger a pessoa doente dos efeitos produzidos pela deterioração trazida pela sua condição. Antipsicóticos podem ser recomendados para controlar comportamentos agressivos ou deprimidos, garantir a sua segurança e a dos que a rodeiam. Sabe-se, atualmente, que altos níveis de açúcar e colesterol no sangue podem ter relação forte com a doença e que pessoas solitárias têm o dobro de risco de desenvolverem o mal de Alzheimer. É, também, conhecido que a ingestão de vitamina E reduz o risco de morte em aproximadamente 25%, exercícios físicos, chá verde e uma dieta rica em frutas, verduras, cereais, feijão, nozes e sementes previnem o surgimento de demências.
  76. 76. Tratamento- medicamentoso 1- Tratamento dos distúrbios de comportamento: Algumas vezes, só com remédios do tipo calmante e neurolépticos (haldol, neozine, neuleptil, risperidona, melleril,entre outros) podem ser difíceis de controlar. Assim, existem outros recursos não medicamentosos, para haver um melhor controle da situação. 2- Tratamento específico: dirigido para tentar melhorar o déficit de memória, corrigindo o desequilíbrio químico do cérebro. Drogas como a rivastigmina (Exelon ou Prometax), donepezil (Eranz), galantamina (Reminyl), entre outras, podem funcionar melhor no início da doença, até a fase intermediária. Outra droga, recentemente lançada, é a memantina (Ebix ou Alois), que atua diferente dos anticolinesterásico.
  77. 77. MAL DE PARKINSON É uma doença neurológica, que afeta os movimentos da pessoa. Ocorre devido à degeneração das células situadas na substância cinzenta do cérebro. Essas células produzem dopamina, que conduz as correntes nervosas ao corpo. Com evolução lenta e que raramente acomete pessoas com idade inferior a 50 anos. Apresenta como característica rigidez muscular, tremor em repouso, diminuição de mobilidade e instabilidade postural. Causa: Desconhecida.
  78. 78. Sinais e sintomas A história usual de quem é acometido pela doença de Parkinson consiste num aumento gradual dos tremores, maior lentidão de movimentos, caminhar arrastando os pés, postura inclinada para a frente. O tremor típico afeta os dedos ou as mãos, mas pode também afetar o queixo, a cabeça ou os pés. Pode ocorrer num lado ou nos dois, e pode ser mais intenso num lado que no outro. O tremor ocorre quando nenhum movimento está sendo executado, e por isso é chamado de tremor de repouso. Por razões que ainda são desconhecidas, o tremor pode variar durante o dia.
  79. 79. Tratamento A grande arma da medicina para combater o Parkinson são os remédios e cirurgias, além da fisioterapia e a terapia ocupacional. Todas elas combatem apenas os sintomas. A fonoaudiologia também é muito importante para os que têm problemas com a fala e a voz. O tratamento farmacológico é feito com a Levodopa ou L-Dopa. Este ainda é o medicamento mais importante para amenizar os sintomas da doença. As cirurgias também podem ser bastante benéficas para determinados pacientes. As cirurgias consistem em lesões no núcleo pálido interno (Palidotomia) ou do tálamo ventro-lateral (Talamotomia), que estão envolvidos no mecanismo da rigidez e tremor. Porém, a lentidão de movimentos responde melhor aos medicamentos. Atualmente já disponível no Brasil, o marcapasso é muito benéfico, especialmente para reduzir o tremor.
  80. 80. Osteoporose É definida patologicamente como "diminuição absoluta da quantidade de osso e desestruturação da sua microarquitetura levando a um estado de fragilidade em que podem ocorrer fraturas após traumas mínimos". A fratura de fêmur é a consequência mais dramática da osteoporose. Cerca de 15% a 20% dos pacientes com fratura de quadril morrem devido à fratura ou suas complicações durante a cirurgia, ou mais tarde por embolia ou problemas cardiopulmonares em um período de 3 meses e 1/3 do total de fraturados morrerão em 6 meses. Os restantes, em sua maioria, ficam com graus variáveis de incapacidade. Em aproximadamente 20% dos casos pode ser identificada uma doença da qual a osteoporose é secundária e nos 80% restantes os pacientes são portadores de osteoporose da pós-menopausa ou osteoporose senil.
  81. 81. Osteoporose Até aproximadamente 30 anos de idade a quantidade de osso reabsorvido e reposto é igual. A partir daí, inicia-se um lento balanço negativo que vai provocar, ao final de cada ativação das unidades de remodelamento, discreta perda de massa óssea. Inicia-se, portanto, um lento processo de perda de massa óssea relacionada com a idade - osteoporose senil - no qual, ao longo de suas vidas, as mulheres perderão cerca de 35% de osso cortical (fêmur, por exemplo) e 50% de osso trabecular (vértebras), enquanto os homens perderão 2/3 desta quantidade. Além desta fase lenta de perda de massa óssea, as mulheres têm um período transitório de perda rápida de osso no qual a queda de estrógenos circulantes, que ocorre desde a pré-menopausa, desempenha papel importante. O período transitório de perda rápida pode se manter por 4 a 8 anos, nos quais a perda óssea chega até a 2% ao ano.
  82. 82. Osteoporose FATORES DE RISCO  Pouca exposição solar a) Genéticos  Nuliparidade Raça branca ou asiática  Tabagismo (*) História familiar  Alcoolismo (*)  Alta ingestão de proteínas Baixa estatura permanentemente (*) Massa muscular pouco  Alta ingestão de cafeína desenvolvida permanentemente (*) b) Estilo de vida  (*) Associado com os outros fatores Baixa ingestão de cálcio  c) Ginecológicos Sedentarismo  Menopausa precoce sem reposição hormonal Exercício excessivo levando a amenorréia (ausência de  Primeira menstruação tardia menstruação)  Retirada cirúrgica de ovários sem reposição hormonal
  83. 83. Manifestações clínicas Os sintomas são secundários às fraturas. Quando ocorre nas vértebras, a dor pode ser de dois tipos. Uma é aguda, localizada, intensa, mantendo a paciente imobilizada e relacionada com fratura em andamento. (...) Também ocorrendo com freqüência, a dor pode ser de longa duração e localizada mais difusamente. Nestes casos, ocorreram microfraturas que levam a deformidades vertebrais e anormalidades posturais e conseqüentes complicações degenerativas em articulações e sobrecarga em músculos, tendões e ligamentos
  84. 84. Manifestações clínicas O dorso curvo (cifose dorsal) é característico e escoliose (curvatura lateral) lombar e dorsal aparece com grande freqüência. Com a progressão da cifose dorsal há projeção para baixo das costelas e conseqüente aproximação à bacia, provocando dor local que pode ser bastante incômoda. Nos casos mais avançados, a inclinação anterior da bacia leva a alongamento exagerado da musculatura posterior de membros inferiores e contratura em flexão dos quadris e conseqüentes distúrbios para caminhar, dor articular e em partes moles.
  85. 85. Diagnóstico DIAGNÓSTICO O critério atual para diagnóstico de osteoporose é perda de 25% de massa óssea quando comparada com adulto jovem. Assim, diagnóstico precoce de osteoporose é feito através da densitometria óssea, pois o estudo radiológico somente mostra alterações inequívocas quando há perda de 30% da massa óssea.
  86. 86. Tratamento a) Agentes anti-reabsortivos - Não há consenso se estas drogas somente estabilizam ou aumentam discretamente a massa óssea ou se produzem ganhos significativos. O acompanhamento dos tratamentos tem mostrado aumento da densidade óssea e diminuição do número de fraturas, mas o ganho de massa óssea pode não superar o limiar de fratura, principalmente se forem iniciados tardiamente. b) Estrógeno -Tratamento de escolha na osteoporose da pós- menopausa. A fase acelerada de perda óssea que ocorre em 40% das mulheres logo após a menopausa é responsável por 30% a 50% de todo osso perdido ao longo de suas vidas. Portanto, o tratamento deve ser iniciado precocemente a fim de prevenir a queda inicial de massa óssea.
  87. 87. Tratamento c) Calcitonina e Bisfosfonatos - Inibem a atividade dos osteoclastos. Têm as mesmas indicações e resultados que os estrógenos e ação analgésica que torna atraente seu uso em fraturas por osteoporose. É uma alternativa para as mulheres que não podem ou não querem usar estrógenos. Os bisfosfonatos devem ser administrados longe de refeições e é necessária suplementação de cálcio. d) Cálcio - A quantidade de cálcio alimentar necessária para manter a massa óssea é desconhecida. O pico de massa óssea atingido na idade adulta tem um componente genético importante, mas, certamente, deficiência de ingestão ou aumento de oferta interferem em alguma proporção. Trabalhos que estudaram a influência do cálcio no ganho de massa óssea em osteoporose da posmenopausa e senil estabeleceram em 1200 a 1500 mg a quantidade a ser administrada por dia.
  88. 88. Tratamento e) Vitamina D3 - O uso de vitamina D3 nos idosos é indispensável para aumentar a absorção intestinal de cálcio e estimular o remodelamento ósseo. f) Estimulantes da formação óssea Fluoreto de sódio - é um potente estimulador da atividade osteoblástica. São muito pouco utilizados, limitando-se às situações em que precisamos estimular o osteoblasto. Exercícios e prevenção de quedas - Em uma extensa revisão, concluiu-se que exercícios de carga são úteis como coadjuvantes ao tratamento, em qualquer idade. Eles devem ser mantidos regularmente, pois sedentarismo leva à perda do que se ganha com exercícios prévios. Os indivíduos não-osteoporóticos também devem ser estimulados a praticar exercícios tais como caminhar e correr. A manutenção de musculatura potente e a destreza que a prática de exercícios e esportes mantém são importantes para a prevenção de quedas.
  89. 89. OsteoClasto – desfaz o ossoOsteoBlasto – produz o osso
  90. 90. Políticas públicas para 3º idade
  91. 91. ESTATUTO DO IDOSO LEI 10.741 DE 1 DE OUTUBRO DE 2003. Título I - Disposições Preliminares Destina-se a regular os direitos assegurados às pessoas com idade igual ou superior a 60 (sessenta) anos. (art 1) Resgata os princípios constitucionais, que garantem aos cidadãos, indistintamente, direitos que preservem a dignidade da pessoa humana, sem discriminação de origem, raça, sexo, cor e idade, proibindo a discriminação, a crueldade, a opressão, a negligência e a violência contra os idosos, punindo as pessoas que pratiquem ou escondam estes atos. (art 3 e 6) Assegura a participação na comunidade, preserva-lhe a dignidade, bem estar e direito à vida.
  92. 92. Tópicos importantes a priorização do atendimento do idoso por sua própria família, em detrimento do atendimento asilar, exceto dos que não a possuam ou careçam de condições de manutenção da própria sobrevivência; Art. 4o Nenhum idoso será objeto de qualquer tipo de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão, e todo atentado aos seus direitos, por ação ou omissão, será punido na forma da lei.
  93. 93.  Garante e privilégios condizentes com a idade, como por exemplo, o atendimento priorizado. e a facilitação dos meios e recursos de que necessitem. Por exemplo, a lei 10.048/200 que institui a maiores de 65 anos em todos os banco, órgãos públicos e concessionárias de serviço público. O amparo à pessoa idosa pela família, sociedade e Estado. Sendo dever da família, da comunidade, da sociedade e do Poder Público.
  94. 94. Capítulo IV – Do direito à saúde Atenção integral pelo SUS, com atenção especial às doenças que afetam preferencialmente aos idosos. Atendimento geriátrico e gerontológico, treinamento e capacitação de profissionais e condições mínimas para atendimento às necessidades do idoso. Obrigação do Poder Público de fornecer aos idosos, gratuitamente, os medicamentos de uso continuado, próteses, órteses e tudo que se faça necessário para sua habilitação ou reabilitação. Proibição de cobrança de valores diferenciados em razão da idade pelos planos de saúde. Direito à acompanhante durante a internação em tempo integral ou a critério médico. (art 16) Obrigatoriedade dos profissionais de saúde em comunicar maus tratos à autoridade policial, Ministério Público, Conselho Municipal do doso, Conselho estadual do Idoso ou Conselho Nacional do Idoso.
  95. 95. Direitos e vantagens Transportes Coletivos Os maiores de 65 anos têm direito ao transporte coletivo público gratuito. Antes do estatuto, apenas algumas cidades garantiam esse benefício aos idosos. A carteira de identidade é o comprovante exigido. Nos veículos de transporte coletivo é obrigatória a reserva de 10% dos assentos para os idosos, com aviso legível. Nos transportes coletivos interestaduais, o estatuto garante a reserva de duas vagas gratuitas em cada veículo para idosos com renda igual ou inferior a dois salários mínimos. Se o número de idosos exceder o previsto, eles devem ter 50% de desconto no valor da passagem, considerando-se sua renda.
  96. 96. Direitos e vantagens Violência e Abandono Nenhum idoso poderá ser objeto de negligência, discriminação, violência, crueldade ou opressão. Quem discriminar o idoso, impedindo ou dificultando seu acesso a operações bancárias, aos meios de transporte ou a qualquer outro meio de exercer sua cidadania pode ser condenado e a pena varia de seis meses a um ano de reclusão, além de multa. Famílias que abandonem o idoso em hospitais e casas de saúde, sem dar respaldo para suas necessidades básicas, podem ser condenadas a penas de seis meses a três anos de detenção e multa. Para os casos de idosos submetidos a condições desumanas, privados da alimentação e de cuidados indispensáveis, a pena para os responsáveis é de dois meses a um ano de prisão, além de multa. Se houver a morte do idoso, a punição será de 4 a 12 anos de reclusão.
  97. 97. Direitos e vantagens Entidades de atendimento ao Idoso O dirigente de instituição de atendimento ao idoso responde civil e criminalmente pelos atos praticados contra o idoso. A fiscalização dessas instituições fica a cargo do Conselho Municipal do Idoso de cada cidade, da Vigilância Sanitária e do Ministério Público. A punição em caso de mau atendimento aos idosos vai de advertência e multa até a interdição da unidade e a proibição do atendimento aos idosos. Qualquer pessoa que se aproprie ou desvie bens, cartão magnético (de conta bancária ou de crédito), pensão ou qualquer rendimento do idoso é passível de condenação, com pena que varia de um a quatro anos de prisão, além de multa. Lazer, Cultura e Esporte - Todo idoso tem direito a 50% de desconto em atividades de cultura, esporte e lazer.
  98. 98. Direitos e vantagens Trabalho É proibida a discriminação por idade e a fixação de limite máximo de idade na contratação de empregados, sendo passível de punição quem o fizer. O primeiro critério de desempate em concurso público é o da idade, com preferência para os concorrentes com idade mais avançada. Habitação É obrigatória a reserva de 3% das unidades residenciais para os idosos nos programas habitacionais públicos ou subsidiados por recursos públicos.
  99. 99. PNSPI PORTARIA 2.528 DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Aprova a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Revoga a Portaria nº 1.395/1999. FINALIDADE A finalidade primordial da Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa é recuperar, manter e promover a autonomia e a independência dos indivíduos idosos, direcionando medidas coletivas e individuais de saúde para esse fim, em consonância com os princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde. É alvo dessa política todo cidadão e cidadã brasileiros com 60 anos ou mais de idade.
  100. 100. Diretrizes a) promoção do envelhecimento ativo e saudável; b) atenção integral, integrada à saúde da pessoa idosa; c) estímulo às ações intersetoriais, visando à integralidade da atenção; d) provimento de recursos capazes de assegurar qualidade da atenção à saúde da pessoa idosa; e) estímulo à participação e fortalecimento do controle social; f) formação e educação permanente dos profissionais de saúde do SUS na área de saúde da pessoa idosa; g) divulgação e informação sobre a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa para profissionais de saúde, gestores e usuários do SUS; h) promoção de cooperação nacional e internacional das experiências na atenção à saúde da pessoa idosa; e i) apoio ao desenvolvimento de estudos e pesquisas.
  101. 101. ESTRATÉGIAS DA PNSPI
  102. 102. CADERNETA DO IDOSO A Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa é uma ferramenta de identificação de situações de riscos potenciais para a saúde da pessoa idosa. A implantação da caderneta, que se deu inicialmente a partir das equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF), (...). A distribuição da Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa iniciou-se em 2007, por meio das Secretarias Estaduais e Municipais (capitais e municípios com mais de 500 mil habitantes) de Saúde. Espera-se que até 2011, todos os idosos, usuários do SUS, recebam a Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa.
  103. 103. questões
  104. 104. Ministério da saúde 2008Estima-se que, em 40 anos, a população de idosos, aqueles com idade igual ousuperior a 60 anos, irá duplicar, chegando a aproximadamente 15% do total dapopulação brasileira. Considerando que o foco da intervenção para essa populaçãodeve ser centrado na prevenção, julgue os itens subseqüentes, acerca dapromoção e manutenção da saúde do idoso.1__ O uso de instrumentos de avaliação funcional não está recomendado visto quetais instrumentos são de difícil acesso e poderiam focalizar intervenções centradasna doença e não na prevenção, o que dificultaria a avaliação de problemas queafetam a qualidade de vida do idoso.2__ As condições do ambiente domiciliar do idoso podem aumentar os riscos dequeda, o que representa sério problema para os idosos. A melhora na iluminação, aopção por tapetes fixos e a utilização de barras de apoio nos banheiros sãomedidas efetivas que devem ser instituídas a fim de prevenir as quedas deindivíduos dessa clientela.
  105. 105. Ministério da saúde 2008Estima-se que, em 40 anos, a população de idosos, aqueles com idade igual ousuperior a 60 anos, irá duplicar, chegando a aproximadamente 15% do total dapopulação brasileira. Considerando que o foco da intervenção para essa populaçãodeve ser centrado na prevenção, julgue os itens subseqüentes, acerca dapromoção e manutenção da saúde do idoso.1__ O uso de instrumentos de avaliação funcional não está recomendadovisto que tais instrumentos são de difícil acesso e poderiam focalizarintervenções centradas na doença e não na prevenção, o que dificultaria aavaliação de problemas que afetam a qualidade de vida do idoso.2__ As condições do ambiente domiciliar do idoso podem aumentar os riscos dequeda, o que representa sério problema para os idosos. A melhora na iluminação, aopção por tapetes fixos e a utilização de barras de apoio nos banheiros sãomedidas efetivas que devem ser instituídas a fim de prevenir as quedas deindivíduos dessa clientela.
  106. 106. Ministério da saúde 2008Estima-se que, em 40 anos, a população de idosos, aqueles com idade igual ousuperior a 60 anos, irá duplicar, chegando a aproximadamente 15% do total dapopulação brasileira. Considerando que o foco da intervenção para essa populaçãodeve ser centrado na prevenção, julgue os itens subseqüentes, acerca dapromoção e manutenção da saúde do idoso.1__ O uso de instrumentos de avaliação funcional não está recomendadovisto que tais instrumentos são de difícil acesso e poderiam focalizarintervenções centradas na doença e não na prevenção, o que dificultaria aavaliação de problemas que afetam a qualidade de vida do idoso.2__ As condições do ambiente domiciliar do idoso podem aumentar os riscosde queda, o que representa sério problema para os idosos. A melhora nailuminação, a opção por tapetes fixos e a utilização de barras de apoio nosbanheiros são medidas efetivas que devem ser instituídas a fim de preveniras quedas de indivíduos dessa clientela.
  107. 107. 3__ A condição vacinal do idoso deve ser verificada e algumasvacinas devem ser realizadas, a exemplo da vacina contrainfluenza; outras devem ser evitadas, como a vacinapneumocócica ou a dupla dT, pois, além de não trazerembenefícios, podem colocar o idoso em risco.
  108. 108. 3__ A condição vacinal do idoso deve ser verificada ealgumas vacinas devem ser realizadas, a exemplo davacina contra influenza; outras devem ser evitadas, comoa vacina pneumocócica ou a dupla dT, pois, além de nãotrazerem benefícios, podem colocar o idoso em risco.
  109. 109. Polícia civil 20074-O perfil demográfico do Brasil vem sofrendo mudanças importantes desde asúltimas décadas do século passado, em decorrência do aumento dalongevidade e da redução das taxas de mortalidade, o que pode ser observadona tendência geral de envelhecimento populacional. Considerando aassistência integral ao idoso e as diretrizes vinculadas ao Estatuto do Idoso doMinistério da Saúde, assinale a opção correta.a) De acordo com o Estatuto do Idoso, qualquer pessoa que, por qualquer motivo, discriminar um idoso, desdenhando-o, humilhando-o ou menosprezando-o, mesmo que seja seu cuidador, deve sofrer punição.b) A previsão de crime com punição aplica-se apenas nos casos de assistência à saúde, não sendo ainda prevista no Estatuto do Idoso a punição a alguém que negue emprego ou trabalho a uma pessoa por motivo de idade.c) A pena para omissão de assistência ao idoso é aumentada somente nos casos em que haja comprovação de que a mesma tenha resultado na morte do idoso.d) A única pena prevista para abandono de idoso em hospitais é a multa.
  110. 110. Polícia civil 20074-O perfil demográfico do Brasil vem sofrendo mudanças importantes desde asúltimas décadas do século passado, em decorrência do aumento dalongevidade e da redução das taxas de mortalidade, o que pode ser observadona tendência geral de envelhecimento populacional. Considerando aassistência integral ao idoso e as diretrizes vinculadas ao Estatuto do Idoso doMinistério da Saúde, assinale a opção correta.a) De acordo com o Estatuto do Idoso, qualquer pessoa que, por qualquer motivo, discriminar um idoso, desdenhando-o, humilhando- o ou menosprezando-o, mesmo que seja seu cuidador, deve sofrer punição.b) A previsão de crime com punição aplica-se apenas nos casos de assistência à saúde, não sendo ainda prevista no Estatuto do Idoso a punição a alguém que negue emprego ou trabalho a uma pessoa por motivo de idade.c) A pena para omissão de assistência ao idoso é aumentada somente nos casos em que haja comprovação de que a mesma tenha resultado na morte do idoso.d) A única pena prevista para abandono de idoso em hospitais é a multa.
  111. 111. Rio Branco 2007Há dois anos, uma mulher de 62 anos de idade iniciou quadro de demênciaprogressiva, sendo diagnosticada doença de Alzheimer. Atualmente, a pacienteapresenta dificuldades para dormir, disfagia e incontinência. Devido à suadependência para realizar atividades diárias, é cuidada pelos familiares em casa eirá receber a visita de uma enfermeira vinculada a um serviço de saúde domiciliar.Levando em consideração a situação hipotética apresentada e as peculiaridades nocuidado domiciliar, julgue os itens a seguir.5 Na visita, a enfermeira deve avaliar o estado geral da paciente, procurandoverificar o seu grau de dependência, e encorajar os familiares a assumirem todasas atividades de cuidado da paciente, tendo em vista o fato de se tratar de umadoença debilitante.6 Para a adequada nutrição dessa paciente, é importante avaliar o seu grau dedisfagia, verificar a necessidade de adaptar a sua dieta, como, por exemplo,ofertando-lhe alimentos mais pastosos ou líquidos, e orientar os familiares quantoaos riscos de sufocação.
  112. 112. Rio Branco 2007Há dois anos, uma mulher de 62 anos de idade iniciou quadro de demênciaprogressiva, sendo diagnosticada doença de Alzheimer. Atualmente, a pacienteapresenta dificuldades para dormir, disfagia e incontinência. Devido à suadependência para realizar atividades diárias, é cuidada pelos familiares em casa eirá receber a visita de uma enfermeira vinculada a um serviço de saúde domiciliar.Levando em consideração a situação hipotética apresentada e as peculiaridades nocuidado domiciliar, julgue os itens a seguir.5 Na visita, a enfermeira deve avaliar o estado geral da paciente, procurandoverificar o seu grau de dependência, e encorajar os familiares a assumiremtodas as atividades de cuidado da paciente, tendo em vista o fato de se tratarde uma doença debilitante.6 Para a adequada nutrição dessa paciente, é importante avaliar o seu grau dedisfagia, verificar a necessidade de adaptar a sua dieta, como, por exemplo,ofertando-lhe alimentos mais pastosos ou líquidos, e orientar os familiares quantoaos riscos de sufocação.
  113. 113. Rio Branco 2007Há dois anos, uma mulher de 62 anos de idade iniciou quadro de demênciaprogressiva, sendo diagnosticada doença de Alzheimer. Atualmente, a pacienteapresenta dificuldades para dormir, disfagia e incontinência. Devido à suadependência para realizar atividades diárias, é cuidada pelos familiares em casa eirá receber a visita de uma enfermeira vinculada a um serviço de saúde domiciliar.Levando em consideração a situação hipotética apresentada e as peculiaridades nocuidado domiciliar, julgue os itens a seguir.5 Na visita, a enfermeira deve avaliar o estado geral da paciente, procurandoverificar o seu grau de dependência, e encorajar os familiares a assumiremtodas as atividades de cuidado da paciente, tendo em vista o fato de se tratarde uma doença debilitante.6 Para a adequada nutrição dessa paciente, é importante avaliar o seu grau dedisfagia, verificar a necessidade de adaptar a sua dieta, como, por exemplo,ofertando-lhe alimentos mais pastosos ou líquidos, e orientar os familiaresquanto aos riscos de sufocação.
  114. 114. 7 A dificuldade de dormir da paciente pode ser minimizadacom orientação aos familiares para que evitem que a pacientetenha longos períodos de sono diurno, incentivando-a apraticar atividades físicas durante o dia, e adotem medidasque facilitem o sono noturno.8 Para melhora da disfunção vesical, a enfermeira deveensinar à própria paciente a técnica do autocateterismointermitente, mostrando-lhe a necessidade de se esvaziar abexiga periodicamente e a de se empregar técnica assépticarigorosa.9 A família deve receber apoio e educação, pois a doença dapaciente exige cuidado e dedicação, sendo freqüente ocansaço físico e emocional dos cuidadores.
  115. 115. 7 A dificuldade de dormir da paciente pode ser minimizadacom orientação aos familiares para que evitem que apaciente tenha longos períodos de sono diurno,incentivando-a a praticar atividades físicas durante o dia,e adotem medidas que facilitem o sono noturno.8 Para melhora da disfunção vesical, a enfermeira deveensinar à própria paciente a técnica do autocateterismointermitente, mostrando-lhe a necessidade de se esvaziar abexiga periodicamente e a de se empregar técnica assépticarigorosa.9 A família deve receber apoio e educação, pois a doença dapaciente exige cuidado e dedicação, sendo freqüente ocansaço físico e emocional dos cuidadores.
  116. 116. 7 A dificuldade de dormir da paciente pode ser minimizadacom orientação aos familiares para que evitem que apaciente tenha longos períodos de sono diurno,incentivando-a a praticar atividades físicas durante o dia,e adotem medidas que facilitem o sono noturno.8 Para melhora da disfunção vesical, a enfermeira deveensinar à própria paciente a técnica do autocateterismointermitente, mostrando-lhe a necessidade de se esvaziara bexiga periodicamente e a de se empregar técnicaasséptica rigorosa.9 A família deve receber apoio e educação, pois a doença dapaciente exige cuidado e dedicação, sendo freqüente ocansaço físico e emocional dos cuidadores.
  117. 117. 7 A dificuldade de dormir da paciente pode ser minimizadacom orientação aos familiares para que evitem que apaciente tenha longos períodos de sono diurno,incentivando-a a praticar atividades físicas durante o dia,e adotem medidas que facilitem o sono noturno.8 Para melhora da disfunção vesical, a enfermeira deveensinar à própria paciente a técnica do autocateterismointermitente, mostrando-lhe a necessidade de se esvaziara bexiga periodicamente e a de se empregar técnicaasséptica rigorosa.9 A família deve receber apoio e educação, pois a doençada paciente exige cuidado e dedicação, sendo freqüente ocansaço físico e emocional dos cuidadores.
  118. 118. Samu – Sergipe- 2008Uma mulher de 84 anos de idade iniciou quadro gradativo de esquecimento e perdade memória. Houve perda da capacidade de reconhecimento de familiares, e, apósalguns meses, foi diagnosticada doença de Alzheimer, com uso regular demedicamentos para depressão; aos poucos, foi-se tornando cada vez maisdependente de ajuda de terceiros. Deu entrada em um pronto-socorro,acompanhada da filha, apresentando dificuldades respiratórias com quadro depneumonia grave; está desorientada, agitada, repetindo frases e usando fralda,devido a incontinência urinária. A paciente tem certa limitação motora, mas, comajuda, consegue deambular. Apresenta picos febris diários e a pele dela encontra-se seca. Considerando a assistência de enfermagem no caso hipotético acima,julgue os itens de 10 a 15.10 Para a melhora dos aspectos ligados à função cognitiva, deve-se abordar apaciente de maneira tranquila, dar explicações claras e simples e reforçar aspectosque permitam maior orientação no tempo e espaço, como repetir a data do dia e olocal onde se está.
  119. 119. Samu – Sergipe- 2008Uma mulher de 84 anos de idade iniciou quadro gradativo de esquecimento e perdade memória. Houve perda da capacidade de reconhecimento de familiares, e, apósalguns meses, foi diagnosticada doença de Alzheimer, com uso regular demedicamentos para depressão; aos poucos, foi-se tornando cada vez maisdependente de ajuda de terceiros. Deu entrada em um pronto-socorro,acompanhada da filha, apresentando dificuldades respiratórias com quadro depneumonia grave; está desorientada, agitada, repetindo frases e usando fralda,devido a incontinência urinária. A paciente tem certa limitação motora, mas, comajuda, consegue deambular. Apresenta picos febris diários e a pele dela encontra-se seca. Considerando a assistência de enfermagem no caso hipotético acima,julgue os itens de 10 a 15.10 Para a melhora dos aspectos ligados à função cognitiva, deve-se abordar apaciente de maneira tranquila, dar explicações claras e simples e reforçaraspectos que permitam maior orientação no tempo e espaço, como repetir adata do dia e o local onde se está.
  120. 120. 11 Devem-se administrar sedativos para diminuir a agitação; erealizar contensão no leito, a fim de minimizar riscos deferimentos e encorajar longos períodos de sono diurno.12 Devem-se oferecer líquidos orais para fluidificar assecreções respiratórias e controlar as infusões venosasprescritas, a fim de repor o volume de sangue circulante emelhorar a hidratação da paciente.13 Deve-se monitorar o padrão respiratório, avaliandofrequência, profundidade das respirações e movimentotorácico, além de realizar ausculta respiratória e atentar paramudanças no padrão da ausculta.
  121. 121. 11 Devem-se administrar sedativos para diminuir aagitação; e realizar contensão no leito, a fim de minimizarriscos de ferimentos e encorajar longos períodos de sonodiurno.12 Devem-se oferecer líquidos orais para fluidificar assecreções respiratórias e controlar as infusões venosasprescritas, a fim de repor o volume de sangue circulante emelhorar a hidratação da paciente.13 Deve-se monitorar o padrão respiratório, avaliandofrequência, profundidade das respirações e movimentotorácico, além de realizar ausculta respiratória e atentar paramudanças no padrão da ausculta.
  122. 122. 11 Devem-se administrar sedativos para diminuir aagitação; e realizar contensão no leito, a fim de minimizarriscos de ferimentos e encorajar longos períodos de sonodiurno.12 Devem-se oferecer líquidos orais para fluidificar assecreções respiratórias e controlar as infusões venosasprescritas, a fim de repor o volume de sangue circulante emelhorar a hidratação da paciente.13 Deve-se monitorar o padrão respiratório, avaliandofrequência, profundidade das respirações e movimentotorácico, além de realizar ausculta respiratória e atentar paramudanças no padrão da ausculta.
  123. 123. 11 Devem-se administrar sedativos para diminuir aagitação; e realizar contensão no leito, a fim de minimizarriscos de ferimentos e encorajar longos períodos de sonodiurno.12 Devem-se oferecer líquidos orais para fluidificar assecreções respiratórias e controlar as infusões venosasprescritas, a fim de repor o volume de sangue circulante emelhorar a hidratação da paciente.13 Deve-se monitorar o padrão respiratório, avaliandofrequência, profundidade das respirações e movimentotorácico, além de realizar ausculta respiratória e atentarpara mudanças no padrão da ausculta.
  124. 124. 14 Devem-se oferecer cuidados para incontinência urinária,como monitorar o padrão de micção, cuidar da higiene íntima,manter a pele o mais limpa e seca possível; e avaliar apossibilidade de instituir medidas de educação vesical aosfamiliares.15 Devem-se monitorar a temperatura corporal no mínimo acada 4 horas; administrar os medicamentos prescritos; eempregar medidas de redução da febre excessiva (comobanho com água tépida).
  125. 125. 14 Devem-se oferecer cuidados para incontinênciaurinária, como monitorar o padrão de micção, cuidar dahigiene íntima, manter a pele o mais limpa e secapossível; e avaliar a possibilidade de instituir medidas deeducação vesical aos familiares.15 Devem-se monitorar a temperatura corporal no mínimo acada 4 horas; administrar os medicamentos prescritos; eempregar medidas de redução da febre excessiva (comobanho com água tépida).
  126. 126. 14 Devem-se oferecer cuidados para incontinênciaurinária, como monitorar o padrão de micção, cuidar dahigiene íntima, manter a pele o mais limpa e secapossível; e avaliar a possibilidade de instituir medidas deeducação vesical aos familiares.15 Devem-se monitorar a temperatura corporal no mínimoa cada 4 horas; administrar os medicamentos prescritos;e empregar medidas de redução da febre excessiva (comobanho com água tépida). TÉPIDO = MORNO
  127. 127. O idoso apresenta peculiaridades que tornam difícil a avaliação inicial nopronto-socorro. Destaca-se o rebaixamento do nível de consciência que,com frequência, é sinal preponderante no paciente, independentemente dadoença base, sendo um marcador importante e potencialmente grave. Comrelação a esse assunto, julgue os itens seguintes.16 As alterações hormonais, as incontinências urinárias, as medicações emá higiene perianal são causas de bacteriúria assintomática e infecção dotrato urinário (ITU) em idosos.17 No caso de cirurgia de urgência em idoso, os fatores preditores demortalidade incluem o tempo de demora para a cirurgia e condiçõeslimitantes que permitem somente cirurgia paliativa.18 Os traumas representam a quinta causa de mortalidade de idosos,estando entre as principais as doenças ortopédicas e os acidentesdomésticos.
  128. 128. O idoso apresenta peculiaridades que tornam difícil a avaliação inicial nopronto-socorro. Destaca-se o rebaixamento do nível de consciência que,com frequência, é sinal preponderante no paciente, independentemente dadoença base, sendo um marcador importante e potencialmente grave. Comrelação a esse assunto, julgue os itens seguintes.16 As alterações hormonais, as incontinências urinárias, asmedicações e má higiene perianal são causas de bacteriúriaassintomática e infecção do trato urinário (ITU) em idosos.17 No caso de cirurgia de urgência em idoso, os fatores preditores demortalidade incluem o tempo de demora para a cirurgia e condiçõeslimitantes que permitem somente cirurgia paliativa.18 Os traumas representam a quinta causa de mortalidade de idosos,estando entre as principais as doenças ortopédicas e os acidentesdomésticos.
  129. 129. O idoso apresenta peculiaridades que tornam difícil a avaliação inicial nopronto-socorro. Destaca-se o rebaixamento do nível de consciência que,com frequência, é sinal preponderante no paciente, independentemente dadoença base, sendo um marcador importante e potencialmente grave. Comrelação a esse assunto, julgue os itens seguintes.16 As alterações hormonais, as incontinências urinárias, asmedicações e má higiene perianal são causas de bacteriúriaassintomática e infecção do trato urinário (ITU) em idosos.17 No caso de cirurgia de urgência em idoso, os fatores preditores demortalidade incluem o tempo de demora para a cirurgia e condiçõeslimitantes que permitem somente cirurgia paliativa.18 Os traumas representam a quinta causa de mortalidade de idosos,estando entre as principais as doenças ortopédicas e os acidentesdomésticos.
  130. 130. O idoso apresenta peculiaridades que tornam difícil a avaliação inicial nopronto-socorro. Destaca-se o rebaixamento do nível de consciência que,com frequência, é sinal preponderante no paciente, independentemente dadoença base, sendo um marcador importante e potencialmente grave. Comrelação a esse assunto, julgue os itens seguintes.16 As alterações hormonais, as incontinências urinárias, asmedicações e má higiene perianal são causas de bacteriúriaassintomática e infecção do trato urinário (ITU) em idosos.17 No caso de cirurgia de urgência em idoso, os fatores preditores demortalidade incluem o tempo de demora para a cirurgia e condiçõeslimitantes que permitem somente cirurgia paliativa.18 Os traumas representam a quinta causa de mortalidade de idosos,estando entre as principais as doenças ortopédicas e os acidentesdomésticos.
  131. 131. Mortalidade - Brasil Óbitos p/Ocorrênc por Capítulo CID-10 e Ano do Óbito Faixa Etária: 60 a 69 anos, 70 a 79 anos, 80 anos e mais Período:2000-2010Nº Capítulo CID-10 TOTAL1º IX. Doenças do aparelho circulatório 24385092º II. Neoplasias (tumores) 10532983º X. Doenças do aparelho respiratório 8515344º XVIII.Sint sinais e achad anorm ex clín e laborat 7774825º IV. Doenças endócrinas nutricionais e metabólicas 4668526º XI. Doenças do aparelho digestivo 2972817º I. Algumas doenças infecciosas e parasitárias 1985198º XX. Causas externas de morbidade e mortalidade 1955639º XIV. Doenças do aparelho geniturinário 14537410º VI. Doenças do sistema nervoso 111495
  132. 132. HUPE 201219- Para a efetivação do acolhimento de pessoas idosas, que chegamdiariamente ao ambulatório de especialidades, os profissionais de saúdetêm o dever de compreender as especificidades dessa população e aprópria legislação brasileira vigente. Portanto, os profissionais deenfermagem devem:a) investir na qualificação de cuidadores profissionais, no que se refere àsaúde da pessoa idosab) romper com a fragmentação do processo de trabalho e interaçãoprecária nas equipes multiprofissionaisc) facilitar o acesso dos idosos aos mais altos níveis de complexidade daatenção prestada por equipes multiprofissionaisd) estar preparados para lidar com as questões do processo deenvelhecimento, particularmente no que concerne à dimensão objetiva dafamília da pessoa idosa.
  133. 133. HUPE 201219- Para a efetivação do acolhimento de pessoas idosas, que chegamdiariamente ao ambulatório de especialidades, os profissionais de saúdetêm o dever de compreender as especificidades dessa população e aprópria legislação brasileira vigente. Portanto, os profissionais deenfermagem devem:a) investir na qualificação de cuidadores profissionais, no que se refere àsaúde da pessoa idosab) romper com a fragmentação do processo de trabalho e interaçãoprecária nas equipes multiprofissionaisc) facilitar o acesso dos idosos aos mais altos níveis de complexidade daatenção prestada por equipes multiprofissionaisd) estar preparados para lidar com as questões do processo deenvelhecimento, particularmente no que concerne à dimensão objetiva dafamília da pessoa idosa.
  134. 134. HUPE 201220- Considerando a necessidade de buscar a qualidade da atenção aosindivíduos idosos, por meio de ações fundamentadas no paradigma dapromoção da saúde, a finalidade da Política Nacional de Saúde da PessoaIdosa é:a) dar visibilidade a um segmento populacional, até então pouco notado pelasaúde pública, os idosos e as idosas com alto grau de dependência funcionalb) incorporar, na atenção básica à saúde, mecanismos que promovam amelhoria da qualidade e o aumento da resolutividade da atenção à pessoaidosac) recuperar, manter e promover a autonomia e a independência dosindivíduos idosos, direcionando medidas coletivas e individuais de saúde paraesse fimd) ser uma atenção à saúde adequada e digna para os idosos, principalmentepara os que têm um processo de envelhecimento marcado por doenças eagravos
  135. 135. HUPE 201220- Considerando a necessidade de buscar a qualidade da atenção aosindivíduos idosos, por meio de ações fundamentadas no paradigma dapromoção da saúde, a finalidade da Política Nacional de Saúde da PessoaIdosa é:a) dar visibilidade a um segmento populacional, até então pouco notado pelasaúde pública, os idosos e as idosas com alto grau de dependência funcionalb) incorporar, na atenção básica à saúde, mecanismos que promovam amelhoria da qualidade e o aumento da resolutividade da atenção à pessoaidosac) recuperar, manter e promover a autonomia e a independência dosindivíduos idosos, direcionando medidas coletivas e individuais de saúdepara esse fimd) ser uma atenção à saúde adequada e digna para os idosos, principalmentepara os que têm um processo de envelhecimento marcado por doenças eagravos
  136. 136. FSPA 200521-Na Síntese de Indicadores Sociais 2003, divulgada pelo IBGE em13/4/2004, consta que, em 2020, haverá 25 milhões de idosos no Brasil, cercade 11,4% da população brasileira. Considerando que a transição demográficatem acarretado transição epidemiológica, assinale a opção incorreta.A O aumento da incidência de doenças crônico-degenerativas implicarácertamente maiores gastos para o SUS.B As altas taxas de mortalidade por causas externas interferem no cálculo daexpectativa de vida da população, principalmente da masculina, que se tornamenor em algumas regiões.C A persistência de doenças infectocontagiosas indica que a transiçãoepidemiológica ainda não se completou.D Devido às características específicas da população brasileira, a transiçãodemográfica no Brasil não implicará aumento da prevalência de doençascrônico-degenerativas.
  137. 137. FSPA 200521-Na Síntese de Indicadores Sociais 2003, divulgada pelo IBGE em13/4/2004, consta que, em 2020, haverá 25 milhões de idosos no Brasil, cercade 11,4% da população brasileira. Considerando que a transição demográficatem acarretado transição epidemiológica, assinale a opção incorreta.A O aumento da incidência de doenças crônico-degenerativas implicarácertamente maiores gastos para o SUS.B As altas taxas de mortalidade por causas externas interferem no cálculo daexpectativa de vida da população, principalmente da masculina, que se tornamenor em algumas regiões.C A persistência de doenças infectocontagiosas indica que a transiçãoepidemiológica ainda não se completou.D Devido às características específicas da população brasileira, atransição demográfica no Brasil não implicará aumento da prevalência dedoenças crônico-degenerativas.
  138. 138. FSPA 200522-Acerca do Estatuto do Idoso, assinale a opção incorreta.A O estatuto foi instituído com o objetivo de assegurar os direitos às pessoascom idade igual ou superior a 65 anos.B É vedada a discriminação do idoso nos planos de saúde, pela cobrança devalores diferenciados em razão da idade.C Um critério de desempate em concurso público será a idade, dando-sepreferência ao candidato de maior idade.D Os benefícios de aposentadoria e pensão do regime geral da previdênciasocial devem preservar o valor real dos salários sobre os quais incidiu acontribuição, nos termos da legislação vigente.
  139. 139. FSPA 200522-Acerca do Estatuto do Idoso, assinale a opção incorreta.A O estatuto foi instituído com o objetivo de assegurar os direitos às pessoascom idade igual ou superior a 65 anos.B É vedada a discriminação do idoso nos planos de saúde, pela cobrança devalores diferenciados em razão da idade.C Um critério de desempate em concurso público será a idade, dando-sepreferência ao candidato de maior idade.D Os benefícios de aposentadoria e pensão do regime geral da previdênciasocial devem preservar o valor real dos salários sobre os quais incidiu acontribuição, nos termos da legislação vigente.
  140. 140. FSPA 200522-Acerca do Estatuto do Idoso, assinale a opção incorreta.A O estatuto foi instituído com o objetivo de assegurar os direitos àspessoas com idade igual ou superior a 65 anos.B É vedada a discriminação do idoso nos planos de saúde, pela cobrança devalores diferenciados em razão da idade.C Um critério de desempate em concurso público será a idade, dando-sepreferência ao candidato de maior idade.D Os benefícios de aposentadoria e pensão do regime geral da previdênciasocial devem preservar o valor real dos salários sobre os quais incidiu acontribuição, nos termos da legislação vigente.
  141. 141. HEMOPA 2004O Estatuto do Idoso e o Estatuto da Criança e do Adolescente são exemplosdos avanços na busca por melhores condições de saúde da população.Acerca desse tema, julgue os itens subseqüentes.24 Um idoso portador de doença crônica tem, de acordo com o Estatuto doIdoso, direito a receber gratuitamente do poder público os medicamentos deque necessite para o seu tratamento. Assim, a família necessita arcar apenascom os procedimentos de alta complexidade indisponíveis no SUS.25 A prioridade do idoso no atendimento à saúde determinada pelo Estatuto doIdoso é inconstitucional, pois afronta o princípio da igualdade na assistência àsaúde, sem preconceitos nem privilégios de qualquer espécie.26 Os estatutos do Idoso e da Criança e do Adolescente têm em comum agarantia de, em caso de internação hospitalar de indivíduos desses grupospopulacionais, direito a acompanhante em tempo integral, incorporando oconceito de humanização aos serviços de saúde.27 Um profissional, independentemente do cargo que ocupe, ao suspeitar demaus tratos em instituições de saúde contra crianças, adolescentes ou idosos,tem a obrigação de comunicar o fato aos órgãos competentes, sob pena decometer crime de responsabilidade.

×