Karl Marx e a História da Exploração <ul><li>Marx (1818-1883) </li></ul>
Materialismo Hist órico <ul><li>Materialismo Histórico foi a corrente mais revolucionária do pensamento social, tanto no c...
A idéia de Alienação econômica <ul><li>Marx desenvolve o conceito de alienação mostrando que a industrialização, a proprie...
Alienação Política <ul><li>Politicamente, também o homem se tornou alienado, pois o princípio da  representatividade ,  ba...
As Classes Sociais <ul><li>Marx identificou relações de exploração da classe dos  proprietários - a  burguesia -sobre a do...
Relações sociais de produção <ul><li>Essas mesmas relações são também de  oposição  e antagonismo, na medida em os  intere...
A História  <ul><li>A história do homem é, segundo Marx, a história da  luta de classe,  da luta constante entre interesse...
A Origem Histórica Do Capitalismo <ul><li>Segundo Marx, a Revolução industrial acelerou o processo de alienação do trabalh...
O Salário <ul><li>No capitalismo a força de trabalho se torna uma mercadoria, algo útil, que se pode comprar e vender. </l...
A mais - valia <ul><li>Uma coisa é o valor da força de trabalho, isto é, o salário, e outra é quanto esse trabalho rende a...
As Relações Políticas <ul><li>As classes sociais não apresentam apenas uma diferente quantidade de riqueza, mas também pos...
As Relações Políticas <ul><li>Cada forma assumida pelo Estado na sociedade burguesa , seja sob forma de regime liberal, mo...
Materialismo Histórico <ul><li>Marx parte do princípio de que a estrutura de uma sociedade qualquer reflete a forma como o...
História das Coisas <ul><li>O que é História das Coisas ? </li></ul><ul><li>Da extração e produção até a venda, consumo e ...
História das Coisas <ul><li>História das Coisas  revela as conexões entre diversos problemas ambientais e sociais, e é um ...
Sociedade, Produç ão e consumo. <ul><li>Podemos relacionar o v ídeo a posturas no consumo que estão implicadas com um tipo...
Fetichismo da mercadoria
Fetichismo da mercadoria <ul><li>O </li></ul><ul><li>fetichismo da mercadoria  </li></ul><ul><li>oculta as forças sociais ...
Proletariado moderno e trabalho precário. <ul><li>O trabalhador moderno fica com seus direitos degradados   é cada vez men...
Fetichismo da mercadoria <ul><li>Como podemos ver o poder da m ídia é um fenômeno sociológico a ser considerado na feitich...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado

64.205 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Educação
1 comentário
21 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
64.205
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
436
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.428
Comentários
1
Gostaram
21
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado

  1. 1. Karl Marx e a História da Exploração <ul><li>Marx (1818-1883) </li></ul>
  2. 2. Materialismo Hist órico <ul><li>Materialismo Histórico foi a corrente mais revolucionária do pensamento social, tanto no campo teórico como da ação política. </li></ul>
  3. 3. A idéia de Alienação econômica <ul><li>Marx desenvolve o conceito de alienação mostrando que a industrialização, a propriedade privada e o assalariamento separavam o trabalhador dos meios de produção- ferramentas, matéria-prima, terra e máquina- , que se tornam propriedade privada do capitalista. Separava, ou alienava, o trabalhador do fruto do seu trabalho, que também é apropriado pelo capitalista. </li></ul>
  4. 4. Alienação Política <ul><li>Politicamente, também o homem se tornou alienado, pois o princípio da representatividade , base do Liberalismo, criou a idéia de Estado como um órgão político imparcial, capaz de representar toda a sociedade e dirigi-la pelo poder delegado pelos indivíduos. Marx mostrou, entretanto, que na sociedade de classe esse Estado representa apenas a Classe dominante e age conforme o interesse desta. </li></ul>
  5. 5. As Classes Sociais <ul><li>Marx identificou relações de exploração da classe dos proprietários - a burguesia -sobre a dos trabalhadores - o proletariado . Isso porque a posse dos meios de produção, sob forma legal de propriedade privada, faz com que os trabalhadores, a fim de assegurar a sobrevivência, tenham de vender sua força de trabalho ao empresário capitalista, o qual se apropria do produto do trabalho de seus operários. </li></ul>
  6. 6. Relações sociais de produção <ul><li>Essas mesmas relações são também de oposição e antagonismo, na medida em os interesses de classe são inconciliáveis . O capitalista deseja preservar seu direito à máxima exploração do trabalho do operário, seja reduzindo os salários, seja ampliando a jornada de trabalho. O trabalhador, por sua vez, procura diminuir a exploração ao lutar por menor jornada de trabalho, melhores salários e participação nos lucros. </li></ul>
  7. 7. A História <ul><li>A história do homem é, segundo Marx, a história da luta de classe, da luta constante entre interesse opostos, embora esse conflito nem sempre se manifeste socialmente sob a forma de guerra declarada. As divergências, oposições e antagonismo de classes estão subjacentes a toda relação social, nos mais diversos níveis da sociedade, em todos os tempos, desde o surgimento </li></ul>
  8. 8. A Origem Histórica Do Capitalismo <ul><li>Segundo Marx, a Revolução industrial acelerou o processo de alienação do trabalhador dos meios e dos produtos de seu trabalho. </li></ul>
  9. 9. O Salário <ul><li>No capitalismo a força de trabalho se torna uma mercadoria, algo útil, que se pode comprar e vender. </li></ul><ul><li>O salário deve corresponder à quantia que permita ao operário alimentar-se, vestir-se,cuidar dos filhos, recuperar as energias e, assim, estar de volta ao serviço no dia seguinte.(reprodução das condições de subsistência do trabalhador e sua família). </li></ul>
  10. 10. A mais - valia <ul><li>Uma coisa é o valor da força de trabalho, isto é, o salário, e outra é quanto esse trabalho rende ao capitalista. Esse valor excedente produzido pelo operário é o que Marx chama de mais-valia. </li></ul>
  11. 11. As Relações Políticas <ul><li>As classes sociais não apresentam apenas uma diferente quantidade de riqueza, mas também posição, interesse e consciência diversa. Os indivíduos de uma mesma classe social partilham de uma situação de classe comum, que inclui valores, comportamentos, regras de convivência e interesses. </li></ul>
  12. 12. As Relações Políticas <ul><li>Cada forma assumida pelo Estado na sociedade burguesa , seja sob forma de regime liberal, monárquico constitucional ou ditatorial, representam maneiras diferentes pelas quais ele se transforma no “comitê” para gerir os negócios comuns da burguesia . (K. Marx e F Engels Manifesto do Partido Comunista) </li></ul>
  13. 13. Materialismo Histórico <ul><li>Marx parte do princípio de que a estrutura de uma sociedade qualquer reflete a forma como os homens organizam a produção social de bens. A produção social, segundo Marx, engloba dos fatores básicos: as forças produtivas e as relações de produção. </li></ul>
  14. 14. História das Coisas <ul><li>O que é História das Coisas ? </li></ul><ul><li>Da extração e produção até a venda, consumo e descarte, todos os produtos em nossa vida afetam comunidades em diversos países, a maior parte delas longe de nossos olhos. </li></ul>
  15. 15. História das Coisas <ul><li>História das Coisas revela as conexões entre diversos problemas ambientais e sociais, e é um alerta pela urgência em criarmos um mundo mais sustentável e justo. </li></ul><ul><li>História das Coisas nos ensina muita coisa, nos faz rir, e pode mudar para sempre a forma como vemos os produtos que consumimos em nossas vidas. </li></ul>
  16. 16. Sociedade, Produç ão e consumo. <ul><li>Podemos relacionar o v ídeo a posturas no consumo que estão implicadas com um tipo de produção não desejável, não consumir produtos que utilizam mão de obra escrava e trabalho infantil, que não degrade a natureza é algo desejável em uma sociedade mais justa. </li></ul><ul><li>A aprovaç ã o no Congresso da Medida Provis óri a 458 carrega um contra senso. Esta MP, que originalmente visava regularizar terras ocupadas por posseiros na ár e a da Amaz ô ni a Legal, pela atual reda ç ã o , abre margem para uma invers ão de valores, beneficiando quem desmata e destr ói </li></ul>
  17. 17. Fetichismo da mercadoria
  18. 18. Fetichismo da mercadoria <ul><li>O </li></ul><ul><li>fetichismo da mercadoria </li></ul><ul><li>oculta as forças sociais que est ã o por detr ás das coisas </li></ul>
  19. 19. Proletariado moderno e trabalho precário. <ul><li>O trabalhador moderno fica com seus direitos degradados é cada vez menos respeitado, por isso temos casos como a maioria das fábricas da China que emprega uma mão de obra cada vez mais precária. Temos que construir instituições que regulem essas relações sociais. Muitas empresas hoje, se utilizando do conceito de responsabilidade social, cobram maior rigor nas relações de trabalho de seus fornecedores. </li></ul>
  20. 20. Fetichismo da mercadoria <ul><li>Como podemos ver o poder da m ídia é um fenômeno sociológico a ser considerado na feitichização do mundo social, que transforma a maioria das relações sociais em relações com coisas. </li></ul>

×