SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
O exílio em Londres, a
Economia Política e O
Capital
 Com a derrota do proletariado nas
jornadas revolucionárias de 1848-49
na Europa, o início da contra
revolução burguesa, a instauração de
processos judiciais e a criminalização
dos revolucionários.
 Marx afastou-se temporariamente dos
estudos de economia política, que só
retomou progressivamente nos anos
seguintes, durante o exílio;
• Marx, demonstra um profundo e
minuncioso conhecimento das categorias e
do funcionamento da estrutura econômica
capitalista. Constitui uma rigorosa análise
da lógica da exploração do trabalho pelo
capital, da base econômica em que se
funda a dominação capitalista sobre o
trabalho assalariado e da luta de classes
moderna.
 Na vida cotidiana da sociedade
burguesa, parece que, ao contratar
os seus trabalhadores assalariados,
digamos por uma jornada de 8 horas
diárias, os capitalistas lhes pagam
todo o trabalho realizado;
• Os trabalhadores são levados a pensar
que recebem por todo o trabalho
desenvolvido e os próprios capitalistas e
governos se esforçam por apresentar as
suas relações econômico-sociais como as
mais justas da história.
• Os assalariados modernos têm
formalmente a aparência de liberdade,
quando se trata de escolher para quem
quer trabalhar, mas, se não trabalham,
morrem de fome, passam as mais terríveis
necessidades.
• O capitalista troca seu dinheiro pela
utilização da força de trabalho durante uma
determinada jornada, por tantas horas de
trabalho;
• O salário é o preço da força de trabalho:
“salário é apenas o nome especial dado ao
preço da força de trabalho, a que se
costuma chamar preço do trabalho; é
apenas o nome dado ao preço dessa
mercadoria particular que só existe na
carne e no sangue do homem”.
•Dessa forma, o trabalhador, ao receber pelo
uso de sua força de trabalho o seu preço, o
salário, recebe na verdade uma determinada
quantia que pode ser trocada por uma
determinada quantidade de produtos (bens e
serviços) necessários à sua reprodução e da
sua família.
 A força de trabalho sempre foi
mercadoria? Marx responde que não.
Para ele, o trabalho nem sempre foi
trabalho assalariado, isto é, trabalho
livre. O servo só vende uma parte de
sua força de trabalho. Não é ele quem
recebe um salário do proprietário da
terra: ao contrário, é o proprietário da
terra quem recebe dele um tributo.
 Segundo Marx: “os homens não agem
apenas sobre a natureza, mas
também uns sobre os outros. Eles
somente produzem colaborando entre
si de um modo determinado e
trocando entre si as suas atividades.
 Para produzirem, contraem
determinadas ligações e relações
mútuas, e é somente no interior
desses vínculos e relações sociais
que se efetua a sua ação sobre a
natureza, isto é, que se realiza a
produção.” 153
 A existência de uma classe que
possui apenas sua capacidade de
trabalho é uma condição preliminar
necessária ao capital. Somente
quando o trabalho materializado,
passado, acumulado, domina sobre o
trabalho vivo, imediato, é que o
trabalho acumulado se transforma em
capital (...).
 Consiste no fato de o trabalho vivo
servir ao trabalho acumulado como
meio para manter e aumentar o seu
valor de troca.156
 Na sociedade capitalista, a
concorrência entre os capitais
estimula a introdução de novas
técnicas e métodos de organização do
trabalho na fábrica, tendo em vista o
aumento da produtividade, a produção
de mais mercadorias e a acumulação
de trabalho excedente.
 É assim que os capitalistas podem
vencer uns aos outros e conquistar
mercados. Devem, pois, vender as
suas mercadorias a um preço menor
que as mercadorias de outros.
 Divisão do trabalho
 Teoria da mais -valia
Salário:
 É a expressão em dinheiro do valor da
força do trabalho.
 Valor da força do trabalho é determinado
pela quantidade necessária para sua
produção.
 Ao comprar a força de trabalho do operário
e ao pagar seu valor o capitalista, adquire
o direito consumir ou usar mercadoria.
 O capital tenta extrair maior quantidade de
valor da mercadoria(força de trabalho).
Quanto o trabalhador, quanto mais
organizados os trabalhadores, mais
conseguirão arrancar dos capitalistas,
melhores condições de trabalho.
 Nas sociedades viviam em relações
sociais de cooperação.
 Ao surgir as sociedades classistas a
força de trabalho é explorada pela
classe dominante nas várias
formações econômico-sociais, na
propriedade privada
 ex: Sociedade escravagista antiga, os
escravos pelos ricos, no feudalismo
os camponeses no trabalho servil, sob
o capitalismo. O proletariado e
assalariado, pela industria, comercio ,
agrária, financeira e bancaria
 Nenhuma formação social pode existir
sem trabalho, sem relação de ser
criada, e as condições de vida devem
ser satisfeita (meios de produção e de
subsistência).
 Segundo Marx: " A riqueza das
sociedades é a imensa acumulação
de mercadorias que satisfaz as
necessidades humanas. (camponês,
artesão).
Forma que sintetiza a Produção
Mercantil Simples:
 M (Mercadoria). D (Dinheiro)
(Mercadoria-Economia Capitalista:
Compra de mercadorias
 (força de trabalho e meios de
produção) produz mercadoria novas
para venda e a sua realização em
dinheiro, para acúmulo do capitalista.
O capitalismo
 É a única formação econômica que
generalizou a produção de
mercadorias internalizou o comercio e
coisas como saúde, educação,
previdência, órgãos humanos,
pessoas, conhecimentos são
transformados e valores de troca e
negociados.
 O trabalhador trabalha sob o controle
de capitalista que deve realizar de
maneira apropriada, sem desperdício
de matéria prima e cuidados com a
ferramenta de trabalho. O preço da
força de trabalho o salário depende
da oferta e procura, mas sofre os
condicionantes da luta de classes,
pois os trabalhadores lutam para
obterem melhores salários e
melhores condições de trabalho.
 A obra O Capital, de Karl Marx,
desvenda o segredo da produção
capitalista, da riqueza social e da
acumulação de capital.
 A riqueza do capitalista não é produto
de sua natural capacidade de
negociar,como defendiam teóricos
burgueses anteriores de Marx(e também
posteriores a ele),nem da proteção
divina ,como imaginavam os outros, mas
da exploração da força assalariada na
base da propriedade privado dos meios
de produção.
 Ele também analisa a parte sobre a
lei geral da acumulação capitalista, a
tendência do capitalismo de produzir,
de um lado, uma imensa quantidade
de riqueza, acumulada pela
burguesia e, de outro, uma enorme
miséria, vivenciada cotidianamente
pelos trabalhadores.
 Outro problema fundamental na
análise econômica de Marx, em O
Capital, está ligado ao fenômeno das
crises econômicas do capitalismo, que
ao contrário dos economistas
burgueses, que defendiam um
suposto equilíbrio permanente do
mercado e desprezavam a
importância das crises, Marx
demonstrou o caráter cíclico da
economia capitalista.
Referência
 SIQUEIRA, Sandra M. M.; PEREIRA,
Francisco. MARX E ENGELS Luta de classes,
Socialismo Científico e Organização
Política. Salvador: Lemarx, 2014. 179 p.
Disponível em:
<http://www.lemarx.faced.ufba.br/arquivo/marx-
engels-luta-socialismo-organizacao.pdf>. Acesso
em: 24 ago. 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Sociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino MédioSociologia de Marx para Ensino Médio
Sociologia de Marx para Ensino Médio
 
Marx para ensino médio
Marx para ensino médioMarx para ensino médio
Marx para ensino médio
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl Max
Karl MaxKarl Max
Karl Max
 
Aula
AulaAula
Aula
 
Karlmarx
KarlmarxKarlmarx
Karlmarx
 
Karl marx slides
Karl marx slidesKarl marx slides
Karl marx slides
 
Karl marx sociologia
Karl marx   sociologiaKarl marx   sociologia
Karl marx sociologia
 
Os modos de produção
Os modos de produçãoOs modos de produção
Os modos de produção
 
Karl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria CríticaKarl Marx: A Teoria Crítica
Karl Marx: A Teoria Crítica
 
Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado
Karl  Marx E A  História Da  Exploração AtualizadoKarl  Marx E A  História Da  Exploração Atualizado
Karl Marx E A História Da Exploração Atualizado
 
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
Capitalismo e sociedade (8º ano CPII)
 
Aula Karl Marx
Aula Karl MarxAula Karl Marx
Aula Karl Marx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Marx
MarxMarx
Marx
 
As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019As teorias socialistas 2019
As teorias socialistas 2019
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
 
Modos de Produção
Modos de ProduçãoModos de Produção
Modos de Produção
 

Destaque (9)

Planejamento Ciencias Arariba
Planejamento Ciencias AraribaPlanejamento Ciencias Arariba
Planejamento Ciencias Arariba
 
Planejamento 2013 - Sugestões
Planejamento 2013 - SugestõesPlanejamento 2013 - Sugestões
Planejamento 2013 - Sugestões
 
Sugestão de avaliação
Sugestão de avaliaçãoSugestão de avaliação
Sugestão de avaliação
 
Abordagem comportamentalista
Abordagem comportamentalistaAbordagem comportamentalista
Abordagem comportamentalista
 
Arariba geral
Arariba geralArariba geral
Arariba geral
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
 
Rubrica Avaliação Trabalho Escrito
Rubrica Avaliação Trabalho EscritoRubrica Avaliação Trabalho Escrito
Rubrica Avaliação Trabalho Escrito
 
Abordagem cognitivista
Abordagem cognitivistaAbordagem cognitivista
Abordagem cognitivista
 
Formas De Avaliação
Formas De AvaliaçãoFormas De Avaliação
Formas De Avaliação
 

Semelhante a O exílio em Londres, a Economia Política e O Capital

Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científicoRonaldo Silva
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaJosias Vitor
 
Bakunin m.-o-sistema-capitalista
Bakunin m.-o-sistema-capitalistaBakunin m.-o-sistema-capitalista
Bakunin m.-o-sistema-capitalistamoratonoise
 
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismoKARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismoMeg Rioko Chan
 
KARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
KARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxKARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
KARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxRodrigo Cardoso
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.Italo Colares
 
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.pptCLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.pptssuser30948b
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA
INTRODUÇÃO A PSICOLOGIAINTRODUÇÃO A PSICOLOGIA
INTRODUÇÃO A PSICOLOGIANdiaCortez
 
3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matéria3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matériatakahico
 
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista Bolivar Motta
 

Semelhante a O exílio em Londres, a Economia Política e O Capital (20)

Karl marx atualizado
Karl marx atualizadoKarl marx atualizado
Karl marx atualizado
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Socialismo científico
Socialismo científicoSocialismo científico
Socialismo científico
 
Karl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de SociologiaKarl Marx. Aula de Sociologia
Karl Marx. Aula de Sociologia
 
Karl marx
 Karl marx Karl marx
Karl marx
 
Sociologia jullia
Sociologia julliaSociologia jullia
Sociologia jullia
 
Bakunin m.-o-sistema-capitalista
Bakunin m.-o-sistema-capitalistaBakunin m.-o-sistema-capitalista
Bakunin m.-o-sistema-capitalista
 
Capitalismo e trabalho 2020
Capitalismo e trabalho   2020Capitalismo e trabalho   2020
Capitalismo e trabalho 2020
 
Karl Marx
Karl MarxKarl Marx
Karl Marx
 
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismoKARL MARX - sua dialética do capitalismo
KARL MARX - sua dialética do capitalismo
 
KARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
KARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptxKARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
KARL MARX E AS RELAÇÕES DE TRABALHO.pptx
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Karl marx1
Karl marx1Karl marx1
Karl marx1
 
O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.O trabalho em nossa vida.
O trabalho em nossa vida.
 
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.pptCLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
CLASSE SOCIAL, CONSCIÊNCIA DE CLASSE E LUTAS.ppt
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA
INTRODUÇÃO A PSICOLOGIAINTRODUÇÃO A PSICOLOGIA
INTRODUÇÃO A PSICOLOGIA
 
O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO O MUNDO DO TRABALHO
O MUNDO DO TRABALHO
 
3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matéria3ano 2bi sociologia_matéria
3ano 2bi sociologia_matéria
 
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
Economia e Mercado - Socialismo Científico ou Marxista
 

Mais de Lílian Reis

Educação dos surdos
Educação dos surdosEducação dos surdos
Educação dos surdosLílian Reis
 
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativoEsboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo Lílian Reis
 
Quando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiaisQuando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiaisLílian Reis
 
Política Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilPolítica Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilLílian Reis
 
Pensamentos René Descartes
Pensamentos René DescartesPensamentos René Descartes
Pensamentos René DescartesLílian Reis
 
O direito à educação infantil
O direito à educação infantilO direito à educação infantil
O direito à educação infantilLílian Reis
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaLílian Reis
 
EJ.A paraiba e rio grande do sul
 EJ.A  paraiba e rio grande do sul EJ.A  paraiba e rio grande do sul
EJ.A paraiba e rio grande do sulLílian Reis
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica gréciaLílian Reis
 
Aula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográficoAula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográficoLílian Reis
 

Mais de Lílian Reis (20)

Dadaísmo
Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
 
Educação dos surdos
Educação dos surdosEducação dos surdos
Educação dos surdos
 
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativoEsboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
Esboço de organização de sistema de ensino com base no princípio educativo
 
Quando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiaisQuando deus fez os especiais
Quando deus fez os especiais
 
Varicela
VaricelaVaricela
Varicela
 
Política Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. InfantilPolítica Nacional da Ed. Infantil
Política Nacional da Ed. Infantil
 
Pensamentos René Descartes
Pensamentos René DescartesPensamentos René Descartes
Pensamentos René Descartes
 
Higiene pessoal
Higiene pessoalHigiene pessoal
Higiene pessoal
 
Feminismo
FeminismoFeminismo
Feminismo
 
Genero
GeneroGenero
Genero
 
O direito à educação infantil
O direito à educação infantilO direito à educação infantil
O direito à educação infantil
 
Concepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da históriaConcepção de infância ao longo da história
Concepção de infância ao longo da história
 
EJ.A paraiba e rio grande do sul
 EJ.A  paraiba e rio grande do sul EJ.A  paraiba e rio grande do sul
EJ.A paraiba e rio grande do sul
 
Sondagem
SondagemSondagem
Sondagem
 
A educação na antiguidade clássica grécia
A educação na antiguidade clássica  gréciaA educação na antiguidade clássica  grécia
A educação na antiguidade clássica grécia
 
metodo fônico
metodo fônicometodo fônico
metodo fônico
 
Louis althusser
Louis althusserLouis althusser
Louis althusser
 
Lev vygotsky
Lev vygotsky Lev vygotsky
Lev vygotsky
 
Aula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográficoAula construção espaço geográfico
Aula construção espaço geográfico
 
problematização
problematizaçãoproblematização
problematização
 

Último

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...LizanSantos1
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Centro Jacques Delors
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Susana Stoffel
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 

Último (20)

Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
Intolerância religiosa. Trata-se de uma apresentação sobre o respeito a diver...
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
Apresentação | Eleições Europeias 2024-2029
 
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
Família de palavras.ppt com exemplos e exercícios interativos.
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 

O exílio em Londres, a Economia Política e O Capital

  • 1. O exílio em Londres, a Economia Política e O Capital
  • 2.  Com a derrota do proletariado nas jornadas revolucionárias de 1848-49 na Europa, o início da contra revolução burguesa, a instauração de processos judiciais e a criminalização dos revolucionários.  Marx afastou-se temporariamente dos estudos de economia política, que só retomou progressivamente nos anos seguintes, durante o exílio;
  • 3. • Marx, demonstra um profundo e minuncioso conhecimento das categorias e do funcionamento da estrutura econômica capitalista. Constitui uma rigorosa análise da lógica da exploração do trabalho pelo capital, da base econômica em que se funda a dominação capitalista sobre o trabalho assalariado e da luta de classes moderna.
  • 4.  Na vida cotidiana da sociedade burguesa, parece que, ao contratar os seus trabalhadores assalariados, digamos por uma jornada de 8 horas diárias, os capitalistas lhes pagam todo o trabalho realizado;
  • 5. • Os trabalhadores são levados a pensar que recebem por todo o trabalho desenvolvido e os próprios capitalistas e governos se esforçam por apresentar as suas relações econômico-sociais como as mais justas da história. • Os assalariados modernos têm formalmente a aparência de liberdade, quando se trata de escolher para quem quer trabalhar, mas, se não trabalham, morrem de fome, passam as mais terríveis necessidades.
  • 6. • O capitalista troca seu dinheiro pela utilização da força de trabalho durante uma determinada jornada, por tantas horas de trabalho; • O salário é o preço da força de trabalho: “salário é apenas o nome especial dado ao preço da força de trabalho, a que se costuma chamar preço do trabalho; é apenas o nome dado ao preço dessa mercadoria particular que só existe na carne e no sangue do homem”.
  • 7. •Dessa forma, o trabalhador, ao receber pelo uso de sua força de trabalho o seu preço, o salário, recebe na verdade uma determinada quantia que pode ser trocada por uma determinada quantidade de produtos (bens e serviços) necessários à sua reprodução e da sua família.
  • 8.  A força de trabalho sempre foi mercadoria? Marx responde que não. Para ele, o trabalho nem sempre foi trabalho assalariado, isto é, trabalho livre. O servo só vende uma parte de sua força de trabalho. Não é ele quem recebe um salário do proprietário da terra: ao contrário, é o proprietário da terra quem recebe dele um tributo.
  • 9.  Segundo Marx: “os homens não agem apenas sobre a natureza, mas também uns sobre os outros. Eles somente produzem colaborando entre si de um modo determinado e trocando entre si as suas atividades.
  • 10.  Para produzirem, contraem determinadas ligações e relações mútuas, e é somente no interior desses vínculos e relações sociais que se efetua a sua ação sobre a natureza, isto é, que se realiza a produção.” 153
  • 11.  A existência de uma classe que possui apenas sua capacidade de trabalho é uma condição preliminar necessária ao capital. Somente quando o trabalho materializado, passado, acumulado, domina sobre o trabalho vivo, imediato, é que o trabalho acumulado se transforma em capital (...).
  • 12.  Consiste no fato de o trabalho vivo servir ao trabalho acumulado como meio para manter e aumentar o seu valor de troca.156
  • 13.  Na sociedade capitalista, a concorrência entre os capitais estimula a introdução de novas técnicas e métodos de organização do trabalho na fábrica, tendo em vista o aumento da produtividade, a produção de mais mercadorias e a acumulação de trabalho excedente.
  • 14.  É assim que os capitalistas podem vencer uns aos outros e conquistar mercados. Devem, pois, vender as suas mercadorias a um preço menor que as mercadorias de outros.  Divisão do trabalho  Teoria da mais -valia
  • 15. Salário:  É a expressão em dinheiro do valor da força do trabalho.  Valor da força do trabalho é determinado pela quantidade necessária para sua produção.  Ao comprar a força de trabalho do operário e ao pagar seu valor o capitalista, adquire o direito consumir ou usar mercadoria.  O capital tenta extrair maior quantidade de valor da mercadoria(força de trabalho). Quanto o trabalhador, quanto mais organizados os trabalhadores, mais conseguirão arrancar dos capitalistas, melhores condições de trabalho.
  • 16.  Nas sociedades viviam em relações sociais de cooperação.  Ao surgir as sociedades classistas a força de trabalho é explorada pela classe dominante nas várias formações econômico-sociais, na propriedade privada
  • 17.  ex: Sociedade escravagista antiga, os escravos pelos ricos, no feudalismo os camponeses no trabalho servil, sob o capitalismo. O proletariado e assalariado, pela industria, comercio , agrária, financeira e bancaria
  • 18.  Nenhuma formação social pode existir sem trabalho, sem relação de ser criada, e as condições de vida devem ser satisfeita (meios de produção e de subsistência).  Segundo Marx: " A riqueza das sociedades é a imensa acumulação de mercadorias que satisfaz as necessidades humanas. (camponês, artesão).
  • 19. Forma que sintetiza a Produção Mercantil Simples:  M (Mercadoria). D (Dinheiro) (Mercadoria-Economia Capitalista: Compra de mercadorias  (força de trabalho e meios de produção) produz mercadoria novas para venda e a sua realização em dinheiro, para acúmulo do capitalista.
  • 20. O capitalismo  É a única formação econômica que generalizou a produção de mercadorias internalizou o comercio e coisas como saúde, educação, previdência, órgãos humanos, pessoas, conhecimentos são transformados e valores de troca e negociados.
  • 21.  O trabalhador trabalha sob o controle de capitalista que deve realizar de maneira apropriada, sem desperdício de matéria prima e cuidados com a ferramenta de trabalho. O preço da força de trabalho o salário depende da oferta e procura, mas sofre os condicionantes da luta de classes, pois os trabalhadores lutam para obterem melhores salários e melhores condições de trabalho.
  • 22.  A obra O Capital, de Karl Marx, desvenda o segredo da produção capitalista, da riqueza social e da acumulação de capital.  A riqueza do capitalista não é produto de sua natural capacidade de negociar,como defendiam teóricos burgueses anteriores de Marx(e também posteriores a ele),nem da proteção divina ,como imaginavam os outros, mas da exploração da força assalariada na base da propriedade privado dos meios de produção.
  • 23.  Ele também analisa a parte sobre a lei geral da acumulação capitalista, a tendência do capitalismo de produzir, de um lado, uma imensa quantidade de riqueza, acumulada pela burguesia e, de outro, uma enorme miséria, vivenciada cotidianamente pelos trabalhadores.
  • 24.  Outro problema fundamental na análise econômica de Marx, em O Capital, está ligado ao fenômeno das crises econômicas do capitalismo, que ao contrário dos economistas burgueses, que defendiam um suposto equilíbrio permanente do mercado e desprezavam a importância das crises, Marx demonstrou o caráter cíclico da economia capitalista.
  • 25. Referência  SIQUEIRA, Sandra M. M.; PEREIRA, Francisco. MARX E ENGELS Luta de classes, Socialismo Científico e Organização Política. Salvador: Lemarx, 2014. 179 p. Disponível em: <http://www.lemarx.faced.ufba.br/arquivo/marx- engels-luta-socialismo-organizacao.pdf>. Acesso em: 24 ago. 2015