SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
Aula de Ciências Sociais. 7o 
ano: 
Preconceito e Discriminação. 
“Imagens e Palavras que 
separam”
Salão de jogo para negros, Memphis, Tennessee, 1938. 
http://es.wikipedia.org/wiki/Jim_Crow#mediaviewer/File:BilliardHallForColored.jpg
Ponto de ônibus para negros, Durham, Carolina do Norte, Maio de 1940. Fonte: 
http://es.wikipedia.org/wiki/Jim_Crow#mediaviewer/File:JimCrowInDurhamNC.jpg
Jovem afro-americano perto de um bebedouro para negros, em um jardim do 
Palácio da Justiça, no estado de Carolina do Norte, 1938.
Porta de entrada em restaurante para negros e brancos, Carolina do Norte. Fonte: 
http://es.wikipedia.org/wiki/Jim_Crow#mediaviewer/File:WhiteDoorColoredDoor.jpg
Estacionamento separado para brancos, negros e 
mexicanos nos EUA. Fonte: http://letras-unip 
culturasinglesa.blogspot.com.br/
PERDÃO PÓSTUMO 
Inglaterra perdoa Alan Turing, pai da computação 
26 de dezembro de 2013, 09:10 
Por Aline Pinheiro 
Fonte: : http://www.conjur.com.br/2013-dez-26/inglaterra-perdao-judicial-alan-turing 
A Inglaterra anunciou no Natal o perdäo judicial do matemático Alan Turing, 
considerado por muitos o pai da computaçäo. Turing foi condenado à castraçao 
química em 1952 por manter relaçöes sexuais com outro homem, numa época 
em que o homossexualismo ainda era crime no país. Ele acabou se suicidando 
dois anos depois da condenaçao. É a primeira vez que o país perdoa alguém 
que cometeu um crime previsto em lei. 
O perdão póstumo ao matemático já é discutido há mais de um ano na 
Inglaterra. Cientistas, entre eles Stephen Hawking, o físico inglês comparado a 
Einstein e Isaac Newton, chegaram a iniciar um movimento nesse sentido. Um 
projeto de lei foi apresentado ao Parlamento neste ano, mas o perdão acabou 
pulando todas essas etapas e sendo anunciado pela rainha Elizabeth II.
Embora a contribuição de Turing para a computação e para a vitória dos aliados na 
Segunda Guerra (Turing foi fundamental para que os ingleses decifrassem os códigos de 
comunicação nazistas) seja inquestionável, o perdão judicial ao matemático foi classificado 
como erro por uma parte da comunidade jurídica. De acordo com o ordenamento jurídico 
britânico, a rainha tem prerrogativa de dar perdão judicial a pessoas condenadas 
injustamente. No caso de Turing, o pedido foi feito pelo secretário de Justiça, Chris 
Grayling, e atendido por Elizabeth II. 
A peculiaridade é que Turing não foi considerado inocente nem injustiçado. Ele foi punido 
por um crime que, na época, estava previsto em lei. O homossexualismo só deixou de ser 
crime no final da década de 1960. Artigo publicado pelo jornal The Guardian dá conta de 
que pelo menos outras 75 mil pessoas foram condenadas por se relacionar com alguém 
do mesmo sexo. Muitas dessas estão vivas e não receberam nenhum perdão.
Alan Turing, em frente à casa onde viveu emWilmslow, Cheshire, Inglaterra: 
http://en.wikipedia.org/wiki/Alan_Turing#mediaviewer/File:Turing_Plaque.jpg
“Todos Negros”. Título da fotografia de Luiz Morier, repórter fotográfico, quando passava 
pela estrada Grajaú-Jacarepaguá, Rio de Janeiro (1982), e deparou-se com uma blitz da 
PM. Fonte: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2011/03/07/racismo-no-brasil-a-historia-de-uma-foto/
Eleições e voto feminino no Brasil 
(Fonte:http://www.camaraempauta.com.br/portal/artigo/ver/id/3452/nome/Eleicoes_e_voto_feminino_no_Brasil/termo/Partido/page/8) 
Rosane Santana - Dos mais de 140 milhões de eleitores aptos a votar nas 
eleições municipais brasileiras, este ano, 51,92% são mulheres, isto é, 
73.030.460. Entretanto, apesar da eleição de Dilma Rousseff para a 
presidência da República, a participação feminina em cargos públicos, nos 
poderes Legislativo e Executivo, ainda é baixa e os partidos encontram 
dificuldades para cumprir a Lei 9.504, que obriga a reservar, para 
candidaturas de cada sexo, o mínimo de 30% e o máximo de 70% das 
vagas. 
A história do voto feminino no mundo é bastante recente. Antes da Primeira 
Guerra Mundial, as mulheres só tinham direito de votar na Finlândia, 
Noruega, Austrália e Nova Zelândia. No Brasil, tem exatos 78 anos. 
Curiosamente, mais tempo do que na Suíça, por exemplo, onde as mulheres 
só adquiriram esse direito em 1974. As mulheres adquiriram o direito de 
votar, em nível nacional, no Brasil, a partir de 1932, com o Código Eleitoral 
Provisório, aprovado por Getúlio Vargas no bojo das transformações sociais 
e políticas que marcaram a década de 30 do século passado, um divisor de 
águas na história do país.
A primeira mulher a votar e a se eleger deputada federal foi a médica paulista 
Carlota Pereira de Queiroz, constituinte em 1934.Conservadora, Carlota 
assumiu o mandato com discurso em que agradecia aos homens sua chegada 
ao Parlamento. Antes disso, em 1927, o Rio Grande do Norte se tornaria o 
primeiro estado a permitir o alistamento eleitoral de mulheres, sendo a 
professora Celina Guimarães a primeira a alistar-se. 
Surpreendentemente, foi também do Rio Grande do Norte a primeira mulher - 
Alzira Soriano - a eleger-se para o cargo de prefeita, em 1928, no município de 
Lages, cujo mandato foi cassado pelo Senado, num país de tradição patriarcal, 
onde os coronéis das velhas oligarquias estaduais reconheciam, como espaço 
feminino, apenas, o universo privado das famílias.
O direito de voto feminino instituído em 1932, o foi sob a tutela dos maridos, a 
quem cabia autorizar as mulheres a votarem. O voto também era permitido às 
viúvas e solteiras com renda própria. Tais restrições foram eliminadas pela 
Constituinte de 1934. Mas o voto era facultativo para mulheres, até então, e sua 
obrigatoriedade aconteceu a partir de 1946, considerado o período mais 
democrático da história da República, antes a Revolução de 1964. 
No livro, “O Segundo Sexo”, publicado em 1949 e que logo se tornaria uma 
referência para o movimento feminista em todo o mundo, a francesa Simone de 
Beauvoir escreveu: “A sociedade sempre foi masculina e o poder político 
sempre esteve nas mãos dos homens”. 
No Brasil, a história do voto feminino e da participação da mulher na política, 
apesar dos avanços, ainda hoje, quando uma mulher ocupa pela primeira vez a 
presidência da República, parece reforçar a constatação feita pela filósofa 
existencialista há mais de meio século, especialmente nos pequenos e médios 
municípios, que representam a maioria entre os mais de cinco mil existentes. 
Rosane Santana é jornalista e professora universitária. Tem mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia(UFBA). Colaborou 
com a revista eletrônica Terra Magazine, de Boston e Nova Iorque,EUA, onde residiu entre 2007 e 2009. Integrou a equipe de coordenação 
editorial da cobertura nacional das eleições presidenciais 2010 pelo Portal Terra, São Paulo. Atuou em todos os jornais de Salvador-Bahia, nos 
anos 80 e 90.
Protesto no Zimbabwe contra o apartheid (1971). 
Fonte: http://www.korubo.com/erling.htm
Hospitais para europeus e não-europeus durante o sistema do apartheid na África do 
Sul. 
Fonte: : http://sabemais.wordpress.com/2010/08/18/apartheid-2/
Áreas de banho (praia) reservadas para negros e brancos, Durban, África do Sul (1989). 
Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Apartheid
Manifestação de preconceito contra brasileiros em Portugal (Anos 2000). 
Fonte: http://brasiliano.wordpress.com/2008/06/10/brasileiras-em-portugal-sofrem-com-a-discriminacao/
Prisioneiros ciganos em fila para inspeção pelos nazistas no campo de concentração de 
Dachau. Alemanha. Dia 20 de junho de 1938. 
Fonte: http://www.ushmm.org/wlc/ptbr/article.php?ModuleId=10005219

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Preconceito, racismo e discriminação no contexto escolar
Preconceito, racismo e discriminação no contexto escolarPreconceito, racismo e discriminação no contexto escolar
Preconceito, racismo e discriminação no contexto escolarFlávia Cunha Lima
 
Desigualdade racial
Desigualdade racialDesigualdade racial
Desigualdade racialMaira Conde
 
Apresentação feminismo final
Apresentação feminismo finalApresentação feminismo final
Apresentação feminismo finalGreice Keli
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade culturalPaula Tomaz
 
Racismo e Educação - A Lei 10639/03
Racismo e Educação - A Lei 10639/03Racismo e Educação - A Lei 10639/03
Racismo e Educação - A Lei 10639/03André Santos Luigi
 
preconceito
preconceitopreconceito
preconceitobsilva73
 
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC)
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC) PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC)
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC) Nyla Dias
 
Pluralidade cultural
Pluralidade culturalPluralidade cultural
Pluralidade culturalAna Lúcia
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaTurma Olímpica
 
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAISRELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAISLudmila Moura
 

Mais procurados (20)

Preconceito, racismo e discriminação no contexto escolar
Preconceito, racismo e discriminação no contexto escolarPreconceito, racismo e discriminação no contexto escolar
Preconceito, racismo e discriminação no contexto escolar
 
Preconceito racial
Preconceito racialPreconceito racial
Preconceito racial
 
Desigualdade racial
Desigualdade racialDesigualdade racial
Desigualdade racial
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
Apresentação feminismo final
Apresentação feminismo finalApresentação feminismo final
Apresentação feminismo final
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Diversidade Sexual Gênero e Homofobia
Diversidade Sexual Gênero e HomofobiaDiversidade Sexual Gênero e Homofobia
Diversidade Sexual Gênero e Homofobia
 
Respeito
RespeitoRespeito
Respeito
 
Racismo e Educação - A Lei 10639/03
Racismo e Educação - A Lei 10639/03Racismo e Educação - A Lei 10639/03
Racismo e Educação - A Lei 10639/03
 
Étnico racial
Étnico racialÉtnico racial
Étnico racial
 
Racismo no Brasil
Racismo no BrasilRacismo no Brasil
Racismo no Brasil
 
preconceito
preconceitopreconceito
preconceito
 
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC)
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC) PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC)
PRECONCEITO - CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS (SEMINÁRIO/TCC)
 
Pluralidade cultural
Pluralidade culturalPluralidade cultural
Pluralidade cultural
 
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre ViolênciaSlides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
Slides da aula de Sociologia (Luciano) sobre Violência
 
O Racismo
O RacismoO Racismo
O Racismo
 
Sociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade SocialSociologia Desigualdade Social
Sociologia Desigualdade Social
 
Inclusão Social
Inclusão SocialInclusão Social
Inclusão Social
 
Racismo
RacismoRacismo
Racismo
 
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAISRELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS
 

Destaque

Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãomafertoval
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.Vitor Manuel de Carvalho
 
estereotipos e preconceitos
estereotipos e preconceitosestereotipos e preconceitos
estereotipos e preconceitosJoannedream
 
Preconceitodiscriminação jasmine
Preconceitodiscriminação   jasminePreconceitodiscriminação   jasmine
Preconceitodiscriminação jasmineJasmine Nunes
 
Preconceito e discriminação
Preconceito e discriminaçãoPreconceito e discriminação
Preconceito e discriminaçãoRobert Joseph
 
Preconceito, discriminação, exclusão, desinformação
Preconceito, discriminação, exclusão, desinformaçãoPreconceito, discriminação, exclusão, desinformação
Preconceito, discriminação, exclusão, desinformaçãoDayse Alves
 
Preconceito versao atualizada
Preconceito versao atualizadaPreconceito versao atualizada
Preconceito versao atualizadacdlportoalegre
 
Projeto Pensar, Refletirslides
Projeto Pensar, RefletirslidesProjeto Pensar, Refletirslides
Projeto Pensar, RefletirslidesAlice Bispo
 
"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezes
"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezes"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezes
"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezesguest9578d1
 
Mulheres na TI: o que mudou?
Mulheres na TI: o que mudou?Mulheres na TI: o que mudou?
Mulheres na TI: o que mudou?bacastro
 
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDtexto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDroberto mosca junior
 
Educacao inclusiva 31 3
Educacao inclusiva 31 3Educacao inclusiva 31 3
Educacao inclusiva 31 3Gabriel Nabuco
 
Pictogramas dos Esportes Olímpicos
Pictogramas dos Esportes OlímpicosPictogramas dos Esportes Olímpicos
Pictogramas dos Esportes Olímpicossintian
 
Quais os tipos de preconceitos
Quais os tipos de preconceitosQuais os tipos de preconceitos
Quais os tipos de preconceitosFer Nanda
 
Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico brasileiro. 1859-1906
Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico  brasileiro. 1859-1906Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico  brasileiro. 1859-1906
Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico brasileiro. 1859-1906pesquisaracaesaude
 
Palestra homofobia e escola - alexandre araripe
Palestra   homofobia e escola - alexandre araripePalestra   homofobia e escola - alexandre araripe
Palestra homofobia e escola - alexandre araripefanny71
 

Destaque (20)

Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.Power point   estereótipos, preconceitos e discriminação.
Power point estereótipos, preconceitos e discriminação.
 
estereotipos e preconceitos
estereotipos e preconceitosestereotipos e preconceitos
estereotipos e preconceitos
 
Preconceitodiscriminação jasmine
Preconceitodiscriminação   jasminePreconceitodiscriminação   jasmine
Preconceitodiscriminação jasmine
 
Preconceito e discriminação
Preconceito e discriminaçãoPreconceito e discriminação
Preconceito e discriminação
 
O preconceito
O preconceito O preconceito
O preconceito
 
Preconceito
PreconceitoPreconceito
Preconceito
 
Discriminação
DiscriminaçãoDiscriminação
Discriminação
 
Preconceito, discriminação, exclusão, desinformação
Preconceito, discriminação, exclusão, desinformaçãoPreconceito, discriminação, exclusão, desinformação
Preconceito, discriminação, exclusão, desinformação
 
Preconceito versao atualizada
Preconceito versao atualizadaPreconceito versao atualizada
Preconceito versao atualizada
 
Projeto Pensar, Refletirslides
Projeto Pensar, RefletirslidesProjeto Pensar, Refletirslides
Projeto Pensar, Refletirslides
 
"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezes
"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezes"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezes
"Os poderes e limites da ciência...Resumo comun Marta de Menezes
 
Mulheres na TI: o que mudou?
Mulheres na TI: o que mudou?Mulheres na TI: o que mudou?
Mulheres na TI: o que mudou?
 
Preconceito e discriminacao
Preconceito e discriminacaoPreconceito e discriminacao
Preconceito e discriminacao
 
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do EDtexto de apoio movimentos sociais e correção do ED
texto de apoio movimentos sociais e correção do ED
 
Educacao inclusiva 31 3
Educacao inclusiva 31 3Educacao inclusiva 31 3
Educacao inclusiva 31 3
 
Pictogramas dos Esportes Olímpicos
Pictogramas dos Esportes OlímpicosPictogramas dos Esportes Olímpicos
Pictogramas dos Esportes Olímpicos
 
Quais os tipos de preconceitos
Quais os tipos de preconceitosQuais os tipos de preconceitos
Quais os tipos de preconceitos
 
Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico brasileiro. 1859-1906
Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico  brasileiro. 1859-1906Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico  brasileiro. 1859-1906
Epilepsia: Raça e Gênero. Preconceito e pensamento médico brasileiro. 1859-1906
 
Palestra homofobia e escola - alexandre araripe
Palestra   homofobia e escola - alexandre araripePalestra   homofobia e escola - alexandre araripe
Palestra homofobia e escola - alexandre araripe
 

Semelhante a Aula preconceito e discriminação

Direitos universais do homem
Direitos universais do homemDireitos universais do homem
Direitos universais do homemJoanaPaiva16
 
Dia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto feminino
Dia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto femininoDia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto feminino
Dia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto femininoNadya Nunes
 
A participação política da mulher no Brasil
A participação política da mulher no BrasilA participação política da mulher no Brasil
A participação política da mulher no BrasilCélia Regina Carvalho
 
Mulheres e o Direito de Participação Política
Mulheres e o Direito de Participação PolíticaMulheres e o Direito de Participação Política
Mulheres e o Direito de Participação PolíticaGleisi Hoffmann
 
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdfAula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdfNomedenome
 
Antonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdf
Antonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdfAntonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdf
Antonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdfssuser92fa08
 
Texto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As SufragistasTexto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As SufragistasPIBIDSolondeLucena
 
Roteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherRoteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherSadrak Silva
 
Em discussão! maio internet
Em discussão! maio internetEm discussão! maio internet
Em discussão! maio internetrcatanese
 
Em discussão! maio internet (1)
Em discussão! maio internet (1)Em discussão! maio internet (1)
Em discussão! maio internet (1)rcatanese
 
Oficina de Direitos Humanos - Programa Escola Lilás
Oficina de Direitos Humanos - Programa Escola LilásOficina de Direitos Humanos - Programa Escola Lilás
Oficina de Direitos Humanos - Programa Escola LilásRoberta Mello
 
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil RepublicanoO movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil RepublicanoUniversidade das Quebradas
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICODanillo Rodrigues
 

Semelhante a Aula preconceito e discriminação (20)

A cor da pele
A cor  da peleA cor  da pele
A cor da pele
 
Direitos universais do homem
Direitos universais do homemDireitos universais do homem
Direitos universais do homem
 
Dia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto feminino
Dia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto femininoDia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto feminino
Dia internacional da mulher/ 80 anos da conquista do voto feminino
 
As sufragistas
As sufragistasAs sufragistas
As sufragistas
 
A participação política da mulher no Brasil
A participação política da mulher no BrasilA participação política da mulher no Brasil
A participação política da mulher no Brasil
 
Mulheres e o Direito de Participação Política
Mulheres e o Direito de Participação PolíticaMulheres e o Direito de Participação Política
Mulheres e o Direito de Participação Política
 
Voto uma história
Voto uma históriaVoto uma história
Voto uma história
 
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdfAula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdf
 
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
Democracia - História (Esquadrão VIP 2013)
 
Antonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdf
Antonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdfAntonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdf
Antonieta de Barros_ conheça a 1ª mulher negra eleita no Brasil.pdf
 
Texto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As SufragistasTexto introdutório - As Sufragistas
Texto introdutório - As Sufragistas
 
Roteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulherRoteiro violência contra a mulher
Roteiro violência contra a mulher
 
Em discussão! maio internet
Em discussão! maio internetEm discussão! maio internet
Em discussão! maio internet
 
Em discussão! maio internet (1)
Em discussão! maio internet (1)Em discussão! maio internet (1)
Em discussão! maio internet (1)
 
Oficina de Direitos Humanos - Programa Escola Lilás
Oficina de Direitos Humanos - Programa Escola LilásOficina de Direitos Humanos - Programa Escola Lilás
Oficina de Direitos Humanos - Programa Escola Lilás
 
Acafe 2011
Acafe 2011Acafe 2011
Acafe 2011
 
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil RepublicanoO movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
O movimento negro brasileiro no Brasil Republicano
 
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICOA EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
A EVOLUÇÃO DA MULHER NO CENÁRIO POLÍTICO
 
Femina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquioFemina2011 oficina prof_eustaquio
Femina2011 oficina prof_eustaquio
 
Bertha Lutz
Bertha LutzBertha Lutz
Bertha Lutz
 

Mais de roberto mosca junior

Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade   fordismo e toyotismoTrabalho e sociedade   fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade fordismo e toyotismoroberto mosca junior
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalroberto mosca junior
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)roberto mosca junior
 
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoAula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoroberto mosca junior
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoroberto mosca junior
 
Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.roberto mosca junior
 
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisMosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisroberto mosca junior
 
Constituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilConstituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilroberto mosca junior
 

Mais de roberto mosca junior (20)

Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade   fordismo e toyotismoTrabalho e sociedade   fordismo e toyotismo
Trabalho e sociedade fordismo e toyotismo
 
Trabalho e sociedade
Trabalho e sociedadeTrabalho e sociedade
Trabalho e sociedade
 
Cultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria culturalCultura, ideologia e indústria cultural
Cultura, ideologia e indústria cultural
 
Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)Questões de Antropologia (livro)
Questões de Antropologia (livro)
 
Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01Questões de antropologia_01
Questões de antropologia_01
 
Antropologia alteridade
Antropologia alteridadeAntropologia alteridade
Antropologia alteridade
 
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º anoAula de revisão de conteúdo – 8º ano
Aula de revisão de conteúdo – 8º ano
 
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º anoAula de revisão de conteúdo – 7º ano
Aula de revisão de conteúdo – 7º ano
 
RASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICORASCISMO CIENTIFICO
RASCISMO CIENTIFICO
 
Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.Racismo e miscigenação, democracia racial.
Racismo e miscigenação, democracia racial.
 
Revisão 3º tri
Revisão 3º triRevisão 3º tri
Revisão 3º tri
 
Direitos humanos
Direitos humanosDireitos humanos
Direitos humanos
 
Discussão doc. "Atrásdaporta"
Discussão doc. "Atrásdaporta"Discussão doc. "Atrásdaporta"
Discussão doc. "Atrásdaporta"
 
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociaisMosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
Mosca viu correção de atividade - texto de apoio movimentos sociais
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 
Constituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasilConstituição da república federativa do brasil
Constituição da república federativa do brasil
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Aula 25 09_14
Aula 25 09_14Aula 25 09_14
Aula 25 09_14
 
Cultura material imaterial
Cultura material imaterialCultura material imaterial
Cultura material imaterial
 
Aula juventude
Aula juventudeAula juventude
Aula juventude
 

Aula preconceito e discriminação

  • 1. Aula de Ciências Sociais. 7o ano: Preconceito e Discriminação. “Imagens e Palavras que separam”
  • 2. Salão de jogo para negros, Memphis, Tennessee, 1938. http://es.wikipedia.org/wiki/Jim_Crow#mediaviewer/File:BilliardHallForColored.jpg
  • 3. Ponto de ônibus para negros, Durham, Carolina do Norte, Maio de 1940. Fonte: http://es.wikipedia.org/wiki/Jim_Crow#mediaviewer/File:JimCrowInDurhamNC.jpg
  • 4. Jovem afro-americano perto de um bebedouro para negros, em um jardim do Palácio da Justiça, no estado de Carolina do Norte, 1938.
  • 5. Porta de entrada em restaurante para negros e brancos, Carolina do Norte. Fonte: http://es.wikipedia.org/wiki/Jim_Crow#mediaviewer/File:WhiteDoorColoredDoor.jpg
  • 6. Estacionamento separado para brancos, negros e mexicanos nos EUA. Fonte: http://letras-unip culturasinglesa.blogspot.com.br/
  • 7. PERDÃO PÓSTUMO Inglaterra perdoa Alan Turing, pai da computação 26 de dezembro de 2013, 09:10 Por Aline Pinheiro Fonte: : http://www.conjur.com.br/2013-dez-26/inglaterra-perdao-judicial-alan-turing A Inglaterra anunciou no Natal o perdäo judicial do matemático Alan Turing, considerado por muitos o pai da computaçäo. Turing foi condenado à castraçao química em 1952 por manter relaçöes sexuais com outro homem, numa época em que o homossexualismo ainda era crime no país. Ele acabou se suicidando dois anos depois da condenaçao. É a primeira vez que o país perdoa alguém que cometeu um crime previsto em lei. O perdão póstumo ao matemático já é discutido há mais de um ano na Inglaterra. Cientistas, entre eles Stephen Hawking, o físico inglês comparado a Einstein e Isaac Newton, chegaram a iniciar um movimento nesse sentido. Um projeto de lei foi apresentado ao Parlamento neste ano, mas o perdão acabou pulando todas essas etapas e sendo anunciado pela rainha Elizabeth II.
  • 8. Embora a contribuição de Turing para a computação e para a vitória dos aliados na Segunda Guerra (Turing foi fundamental para que os ingleses decifrassem os códigos de comunicação nazistas) seja inquestionável, o perdão judicial ao matemático foi classificado como erro por uma parte da comunidade jurídica. De acordo com o ordenamento jurídico britânico, a rainha tem prerrogativa de dar perdão judicial a pessoas condenadas injustamente. No caso de Turing, o pedido foi feito pelo secretário de Justiça, Chris Grayling, e atendido por Elizabeth II. A peculiaridade é que Turing não foi considerado inocente nem injustiçado. Ele foi punido por um crime que, na época, estava previsto em lei. O homossexualismo só deixou de ser crime no final da década de 1960. Artigo publicado pelo jornal The Guardian dá conta de que pelo menos outras 75 mil pessoas foram condenadas por se relacionar com alguém do mesmo sexo. Muitas dessas estão vivas e não receberam nenhum perdão.
  • 9. Alan Turing, em frente à casa onde viveu emWilmslow, Cheshire, Inglaterra: http://en.wikipedia.org/wiki/Alan_Turing#mediaviewer/File:Turing_Plaque.jpg
  • 10. “Todos Negros”. Título da fotografia de Luiz Morier, repórter fotográfico, quando passava pela estrada Grajaú-Jacarepaguá, Rio de Janeiro (1982), e deparou-se com uma blitz da PM. Fonte: http://www.conversaafiada.com.br/brasil/2011/03/07/racismo-no-brasil-a-historia-de-uma-foto/
  • 11. Eleições e voto feminino no Brasil (Fonte:http://www.camaraempauta.com.br/portal/artigo/ver/id/3452/nome/Eleicoes_e_voto_feminino_no_Brasil/termo/Partido/page/8) Rosane Santana - Dos mais de 140 milhões de eleitores aptos a votar nas eleições municipais brasileiras, este ano, 51,92% são mulheres, isto é, 73.030.460. Entretanto, apesar da eleição de Dilma Rousseff para a presidência da República, a participação feminina em cargos públicos, nos poderes Legislativo e Executivo, ainda é baixa e os partidos encontram dificuldades para cumprir a Lei 9.504, que obriga a reservar, para candidaturas de cada sexo, o mínimo de 30% e o máximo de 70% das vagas. A história do voto feminino no mundo é bastante recente. Antes da Primeira Guerra Mundial, as mulheres só tinham direito de votar na Finlândia, Noruega, Austrália e Nova Zelândia. No Brasil, tem exatos 78 anos. Curiosamente, mais tempo do que na Suíça, por exemplo, onde as mulheres só adquiriram esse direito em 1974. As mulheres adquiriram o direito de votar, em nível nacional, no Brasil, a partir de 1932, com o Código Eleitoral Provisório, aprovado por Getúlio Vargas no bojo das transformações sociais e políticas que marcaram a década de 30 do século passado, um divisor de águas na história do país.
  • 12. A primeira mulher a votar e a se eleger deputada federal foi a médica paulista Carlota Pereira de Queiroz, constituinte em 1934.Conservadora, Carlota assumiu o mandato com discurso em que agradecia aos homens sua chegada ao Parlamento. Antes disso, em 1927, o Rio Grande do Norte se tornaria o primeiro estado a permitir o alistamento eleitoral de mulheres, sendo a professora Celina Guimarães a primeira a alistar-se. Surpreendentemente, foi também do Rio Grande do Norte a primeira mulher - Alzira Soriano - a eleger-se para o cargo de prefeita, em 1928, no município de Lages, cujo mandato foi cassado pelo Senado, num país de tradição patriarcal, onde os coronéis das velhas oligarquias estaduais reconheciam, como espaço feminino, apenas, o universo privado das famílias.
  • 13. O direito de voto feminino instituído em 1932, o foi sob a tutela dos maridos, a quem cabia autorizar as mulheres a votarem. O voto também era permitido às viúvas e solteiras com renda própria. Tais restrições foram eliminadas pela Constituinte de 1934. Mas o voto era facultativo para mulheres, até então, e sua obrigatoriedade aconteceu a partir de 1946, considerado o período mais democrático da história da República, antes a Revolução de 1964. No livro, “O Segundo Sexo”, publicado em 1949 e que logo se tornaria uma referência para o movimento feminista em todo o mundo, a francesa Simone de Beauvoir escreveu: “A sociedade sempre foi masculina e o poder político sempre esteve nas mãos dos homens”. No Brasil, a história do voto feminino e da participação da mulher na política, apesar dos avanços, ainda hoje, quando uma mulher ocupa pela primeira vez a presidência da República, parece reforçar a constatação feita pela filósofa existencialista há mais de meio século, especialmente nos pequenos e médios municípios, que representam a maioria entre os mais de cinco mil existentes. Rosane Santana é jornalista e professora universitária. Tem mestrado em História Social pela Universidade Federal da Bahia(UFBA). Colaborou com a revista eletrônica Terra Magazine, de Boston e Nova Iorque,EUA, onde residiu entre 2007 e 2009. Integrou a equipe de coordenação editorial da cobertura nacional das eleições presidenciais 2010 pelo Portal Terra, São Paulo. Atuou em todos os jornais de Salvador-Bahia, nos anos 80 e 90.
  • 14. Protesto no Zimbabwe contra o apartheid (1971). Fonte: http://www.korubo.com/erling.htm
  • 15. Hospitais para europeus e não-europeus durante o sistema do apartheid na África do Sul. Fonte: : http://sabemais.wordpress.com/2010/08/18/apartheid-2/
  • 16. Áreas de banho (praia) reservadas para negros e brancos, Durban, África do Sul (1989). Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Apartheid
  • 17. Manifestação de preconceito contra brasileiros em Portugal (Anos 2000). Fonte: http://brasiliano.wordpress.com/2008/06/10/brasileiras-em-portugal-sofrem-com-a-discriminacao/
  • 18. Prisioneiros ciganos em fila para inspeção pelos nazistas no campo de concentração de Dachau. Alemanha. Dia 20 de junho de 1938. Fonte: http://www.ushmm.org/wlc/ptbr/article.php?ModuleId=10005219

Notas do Editor

  1. Estacionamento: http://letras-unip-culturasinglesa.blogspot.com.br/