Antropologia alteridade

2.047 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.047
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
606
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
32
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antropologia alteridade

  1. 1. Antropologia  como  ciência  da   alteridade   Roberto  Mosca  Jr.  
  2. 2. Sociologia   •  Estudo   da   sociedade   europeia.   •  Descoberta   de   leis   gerais     •  Análises   qualita;vas   e   estudos  esta=s;cos.   •  Modelo   teórico   único   que   explicasse   os   diversos   aspectos   da   sociedade  capitalista  
  3. 3. Antropologia     •  Estudo   dos   povos   colonizados   na   África,   Ásia   e   América   e   Oceania.   •  Método   empiricista   e   qualita;vo:   descoberta   das  par;cularidades.   •  I d e n ; fi c a r   o   n ã o   europeu.    
  4. 4. Contexto  histórico   •  Séc.   XIX:   destruição   do   mundo   feudal,   expansão   da   indústria  e  consolidação  da  sociedade  capitalista     •  Necessidade   de   expansão:   exploração   das   nações   africanas  e  asiá;cas.   •  As   estruturas   sociais   e   produ;vas   não   atendiam   às   necessidades   do   capitalismo   europeu:   politeísmo,   poligamia,  castas  sem  mobilidade,  economia  agrária  e   de  subsistência.   •  “Missão   civilizadora”:   a   conquista,   dominação   e   transformação  da  África  e  da  Ásia  exigiam  jus;fica;vas   que  ultrapassassem  os  interesses  econômicos.  
  5. 5. O  evolucionismo   •  Séc.  XIX:  Europa  -­‐  modelo   econômico   e   polí;co   ú n i c o ,   q u e   j u l g a v a   universal.   •  Base   teórica   para   os   interesses  econômicos  e  a   expansão  do  capitalismo.   •  D e s e n v o l v i m e n t o   uniforme   numa   escala   evolu;va,   indo   da   mais   atrasada   para   as   mais   complexas.  
  6. 6. Darwinismo  social   •  Tese  do  cien;sta  natural  inglês  Charles  Darwin:  a   seleção   natural   pressiona   as   espécies   para   se   adaptarem   ao   ambiente;   sobrevivem   os   mais   aptos  e  evoluídos.   •  As   sociedades   se   desenvolvem   de   forma   uniforme   numa   escala   evolu;va,   indo   das   mais   atrasadas  para  as  mais  complexas.   •  Esse  ;po  de  mudança  garan;ria  a  sobrevivência   dos  organismos  -­‐  sociedades  e  indivíduos  -­‐,  mais   fortes  e  mais  evoluídos.  
  7. 7.  Edward  Tylor  (1832-­‐1917)   •  Etnólogo   e   evolucionista   inglês,   defendeu   a   existência  de  uma  natureza  humana  universal     •  A   cultura   é   um   conjunto   de   traços   comportamentais  e  psicológicos  adquiridos  e  não   herdados  biologicamente.   •  Cultura:   um   conjunto   “complexo   de   conhecimentos,   crenças,   arte,   moral,   leis,   costumes   ou   qualquer   outra   capacidade   ou   hábitos   adquiridos   pelo   homem   como   membro   de  uma  sociedade”  (Cultura  Primi1va,  1871)    
  8. 8.  Franz  Boas  (1858-­‐1942)   •  Antropólogo   norte-­‐americano,   cri;cou   o   evolucionismo.   •  Não   estava   interessado   nas   leis,   mas   nos   processos   e   na   história   do   desenvolvimento   de  costumes  e  crenças.   •  Pretendia  estudar  cada  cultura  em  par:cular.     •  “Par;cularismo  histórico”:  cada  cultura  segue   os   seus   próprios   caminhos   em   função   dos   diferentes  eventos  históricos  que  enfrentou.    
  9. 9. Bronislaw  Malinowski  (1884-­‐1942)   •  As   sociedades   não   devem   ser   comparadas,   mas   estudadas   em  si  mesmas.   •  Um  traço  cultural  só  pode  ser   entendido   no   contexto   da   cultural  à  qual  pertence  e  não   em  relação  a  outra  qualquer.   •  Observar  cada  detalhe  da  vida   social   -­‐   mesmo   os   sem   importância   e   incoerentes,   tentando   descobrir   seu   significados  e  inter-­‐relações.  
  10. 10. Observação  par;cipante   •  Método   de   pesquisa   caracterizado   pelo   longo   processo   de   inves;gação   e   convivência   do   antropólogo  com  o  grupo  estudado.   •  Subs;tui   as   informações   superficiais   e   ques;onários   inadequados   pelo   estudo   sistemá;co  das  sociedades.   •  O   inves;gador   “mergulha”   na   vida   na;va,   penetra  na  cultura,  desvenda  significados,  guiado   por  suas  informações  e  não  por  teorias  externas   à  realidade  estudada.  
  11. 11. Etnocentrismo  X  Rela;vismo  Cultural   •  Etnocentrismo:  a;tude  na  qual  a  visão  ou  avaliação  de   um   grupo   social   está   baseada   nos   seus   próprios   valores,   no   seu   grupo   de   referência.   Daí   resulta   incompreensão  e  intolerância  em  relação  aos  aspectos   das  outras  culturas,  incluindo  etnia,  gênero,  religião  e   outras  variáveis.     •  Rela:vismo  Cultural:  só  podemos  estudar  uma  cultura   pelos  seus  próprios  princípios.  A  compreensão  de  um   fato   deve   implicar   a   sua   contextualização   numa   determinada  cultura,  ou  seja,  uma  sociedade  deve  ser   compreendida  em  relação  a  seus  próprios  costumes  e   traços  culturais.    

×