SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
UNIFESSPA
Tópicos Especiais em Psicologia IV:
Introdução à Filosofia da Mente
Aula 3:
O behaviorismo
filosófico
UNIFESSPA
Sentidos do behaviorismo
● Wilfred Sellars (1912-1989): qualificam-se como behavioristas, em
um sentido amplo, aqueles que insistem em confirmar “hipóteses
acerca dos eventos psicológicos em termos de critérios
comportamentais”
● Não há diferença cognoscível entre dois estados mentais (crenças,
desejos, &c) a não ser que exista uma diferença demonstrável no
comportamento associado a cada estado
● p. ex.: se não há diferença no meu comportamento entre acreditar
que está chuvendo e acreditar que o sol está brilhando, não há base
para atribuir uma crença ao invés da outra
SELLARS, W., 1963. “Philosophy and the Scientic Image of Man”, in Science, Perception, and Reality, Nova Iorque:
Routledge & Kegan Paul, pp. 1–40.
UNIFESSPA
A “doutrina” behaviorista
● Não há nada de muito especial no
behaviorismo lato sensu
● O behaviorismo como doutrina é uma maneira
de discutir quão central é o comportamento na
psicologia e na metafísica
UNIFESSPA
A “doutrina” behaviorista
Três afirmações centrais:
1.A Psicologia é a ciência do comportamento, não da mente
(ou ainda, mente = comportamento)
2.O comportamento pode ser descrito e explicado sem fazer
referência última a eventos mentais ou processos
psicológicos internos
3.No decurso do desenvolvimento das teorias psicológicas se,
de alguma forma, termos ou conceitos mentais são
utilizados para descrever ou explicar o comportamento,
então
a)Esses termos ou conceitos devem ser eliminados e substituídos
por termos comportamentais OU
b)Esses termos podem e devem ser traduzidos ou parafraseados
em conceitos comportamentais
UNIFESSPA
A “doutrina” behaviorista
Três afirmações centrais:
1.A Psicologia é a ciência do comportamento, não da mente
(ou ainda, mente = comportamento)
2.O comportamento pode ser descrito e explicado sem fazer
referência última a eventos mentais ou processos
psicológicos internos
3.No decurso do desenvolvimento das teorias psicológicas se,
de alguma forma, termos ou conceitos mentais são
utilizados para descrever ou explicar o comportamento,
então
a)Esses termos ou conceitos devem ser eliminados e substituídos
por termos comportamentais OU
b)Esses termos podem e devem ser traduzidos ou parafraseados
em conceitos comportamentais
Behaviorismo
metodológico
Behaviorismo
“psicológico”
Behaviorismo
filosófico
UNIFESSPA
Três tipos de behaviorismo
● Behaviorismo metodológico: teoria normativa sobre a conduta científica da
Psicologia
– A referência a estados mentais não adiciona nada ao que a Psicologia pode e deve
compreender acerca das causas do comportamento
● Behaviorismo “psicológico”: Programa de pesquisa na Psicologia que busca
explicar o comportamento em termos de estímulos físicos, respostas, histórias
de aprendizagem e, para certos tipos de comportamento, reforçamento
● Behaviorismo filosófico (analítico, lógico): Uma teoria semântica sobre os
termos ou conceitos mentais que afirma que a ideia de um estado ou condição
mental é a ideia de uma disposição comportamental evidenciada pela forma
como o sujeito se comporta em uma situação ou outra.
GRAHAM, G., 1998. Philosophy of Mind: An Introducion, Oxford: Basil Blackwell.
UNIFESSPA
O behaviorismo radical
● Combina as três formas de
behaviorismo:
– É analítico ao parafrasear termos
mentais em termos
comportamentais, quando ou se não
podem ser eliminados do discurso
explanatório
– É metodológico ao preocupar-se
com o comportamento dos
organismos, ao invés do
processamento interno ou das
cognições
– É psicológico ao entender o
comportamento como efeito da
estimulação e do ambiente externo
UNIFESSPA
Raízes do behaviorismo
● Positivismo lógico: o significado das afirmações usadas na ciência
deve ser entendido em termos das condições experimentais ou
observações que verificam sua verdade (verificacionismo)
● Rejeição do dualismo de substâncias – uma crença não é uma
propriedade da substância mental, mas uma família de tendências
de meu corpo
– A crença que tenho quando chego pontualmente à aula das 07:35 (a saber,
a crença de que tenho aula às 07:35) não é uma propriedade de uma
substância mental
– Adicionalmente, não posso identificar a crença sobre a minha chegada de
forma independente dessa chegada – ou seja, não podemos tratar a crença
como causa da chegada.
UNIFESSPA
Rudolf Carnap e Carl Hempel
UNIFESSPA
Hempel: Verificacionismo
na Psicologia
●
"o significado de uma sentença psicológica consiste somente na
função de abreviara descrição de certos modos de resposta física
característicos dos corpos do homem e dos animais” (Hempel,
1949)
● Esses modos de resposta são a métrica pela qual testamos a
verdade de nossas atribuições psicológicas
●
Afirmar que Rafaella sente dor nas costas é uma forma de abreviar
“Rafaella chora e faz gestos assim e assado”; “quando perguntada
‘qual o problema?’, Rafaella afirma ‘tenho dor nas costas’”; &c
UNIFESSPA
Qual o significado
dos termos mentais?
● “Segundo os behavioristas, o significado de qualquer termo
mental é fixado pelas muitas relações que ele mantém com
determinados termos: os termos para circunstâncias e
comportamentos publicamente observáveis” (Churchland, p. 95)
● “De acordo com o behaviorismo lógico, é uma questão de
definição, uma questão de análise lógica, que os termos
mentais possam ser definidos em termos de comportamento,
que afirmações sobre a mente possam ser definidas, sem
nenhum resíduo, em afirmações sobre o comportamento”
(Searle p. 52)
CHURCHLAND, P. M. Matéria e consciência. Uma introdução contemporânea à filosofia da mente. São Paulo: Editora UNESP,
1998.
SEARLE, J. A redescoberta da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1997
UNIFESSPA
O argumento da
linguagem privada
● “Concepção-padrão”: o significado
dos termos mentais se baseia em
“ostensão interior”
– Ostensão: significado é dado
indicando um objeto que ostenta os
atributos do definiendum
– Consequência: solipsismo (os
significados mentais só podem fazer
referência a algo privado)
● Wittgenstein tentou mostrar que
uma linguagem necessariamente
privada é absolutamente
impossível
UNIFESSPA
O argumento da
linguagem privada
● Suponha que você quer explicar um termo “W”
exclusivamente por meio de sua associação com uma certa
sensação que você está experimentando no momento
● Num momento posterior, ao experimentar a sensação, você
pode afirmar que estava em um outro estado “W”, diferente
do primeiro
● Como saber se usou o termo corretamente na primeira ou
na segunda vez?
UNIFESSPA
A privacidade do mental
● Se o termo não estiver em algum tipo de conexão de significado
com outros fenômenos (causas ou efeitos que servem como
padrão para o tipo de sensação), então será absolutamente
impossível distinguir entre o uso correto e incorreto de “W”
● Do ponto de vista behaviorista, o significado da emoção mais
privativa é potencialmente observável e, portanto, público
● Se não é possível traduzir um conceito mental em uma frase
sobre uma forma real ou possível do comportamento, o
conceito mental não tem sentido
UNIFESSPA
O besouro de Wittgenstein
● Investigações Filosóficas
● Imagine que cada um tem uma pequena caixa na qual mantém um besouro. A
ninguém é permitido olhar na caixa do outro, somente em sua própria caixa. Com o
tempo, as pessoas começam a falar sobre o que há dentro de suas caixas, e a
palavra “besouro” começa a substituir o conteúdo real
● O que realmente há na caixa não importa, já que não podemos checar ou comparar
os conteúdos; para que faça sentido, a palavra “besouro” simplesmente quer dizer
“o que há na caixa”
● Quando falamos em mentes (ou em besouros), usamos termos que aprendemos
através da conversação e do discurso público, e esses termos só tem sentido
através do uso público.
WITTGENSTEIN, L., 2005. Investigações filosoficas, São Paulo: Vozes
UNIFESSPA
“The concept of mind”
RYLE, G., 1949. The concept of mind,Chicago: University of Chicago Press.
UNIFESSPA
O dogma do fantasma
na máquina
● O dualismo cartesiano é um erro de categoria – um erro baseado no
uso conceitual da linguagem
– Exemplo clássico: um visitante é apresentado aos prédios, laboratórios,
bibliotecas, e salas de aula de uma universidade, e ao final pergunta “mas onde
está a universidade?”
– “Não é, meramente, um conjunto de erros particulares. É um grande erro e um
erro de tipo especial: um erro categorial. Apresenta os fatos da vida mental
como se pertencessem a um tipo de categoria lógica (ou classes de tipos ou
categorias) quando na realidade eles pertencem a outra categoria” (Ryle, 1949,
p. 17)
● Do ponto de vista semântico, no dualismo as propriedades mentais são
negações lógicas das propriedades físicas; por isso, pertencem ao
mesmo tipo lógico
RYLE, G., 1949. The concept of mind,Chicago: University of Chicago Press.
UNIFESSPA
Conceitos disposicionais
● Afirmações contendo termos mentais podem ser traduzidos, sem perda de significado,
em condicionais subjuntivas sobre o que o indivíduo fará em diferentes circunstâncias
● “enunciados que afirmam que uma coisa, um animal ou uma dada pessoa, possui certa
capacidade ou tendência ou inclinação, ou está sujeita a certa propensão. É claro que
tais enunciados não são leis, pois mencionam coisas ou pessoas particulares. Por outro
lado, se assemelham com as leis porque são parcialmente ‘variavéis’ ou ‘abertas’. O
açúcar, por exemplo, é uma substância que tem a qualidade de dissolver-se em meio
aquoso e o conceito ‘dissolver’ designa uma disposição do açúcar. A solubilidade é uma
propriedade física do açúcar: normalmente toda vez que o açúcar for posto em um meio
aquoso, se dissolverá” (Ryle, 1949, p. 119)
● “O termo ‘solúvel’ é definido com base em certas operações ou testes que revelariam se
o termo realmente se aplica, ou não, ao caso a ser testado” (Churchland, p. 49)
RYLE, G., 1949. The concept of mind,Chicago: University of Chicago Press.
CHURCHLAND, P. M. Matéria e consciência. Uma introdução contemporânea à filosofia da mente. São Paulo: Editora UNESP,
1998.
UNIFESSPA
Conceitos mentais como
disposições
● Esse mesmo tipo de explicação vale para estados mentais
como “quer férias no Caribe”
– Dizer que quero férias no Caribe é dizer que
1. Se me perguntassem se desejo passar férias no Caribe, diria que sim
2.Se eu recebesse um orçamento de passagem para a Jamaica ou para o
Japão, priorizaria o primeiro
3.Se ganhasse uma passagem de avião para a Jamaica no dia 19 de
setembro, iria
4.Et caetera
● Falar sobre a mente não é falar sobre algo que o indivíduo
possui, mas sobre as capacidades e disposições do indivíduo
UNIFESSPA
Behaviorismo e materialismo
● Não há necessidade de adotar o dualismo para dar sentido ao vocabulário
psicológico, porque os objetos materiais podem ter propriedades
disposicionais
● O behaviorismo filosófico é comumente interpretado e aplicado como uma
teoria reducionista – um termo mental é reduzido ou traduzido em
termos físicos
● “Devemos assinalar, no entanto, que o behaviorismo também é
perfeitamente compatível com o dualismo: mesmo aceitando o
behaviorismo filosófico como verdadeiro, ainda continua sendo possível
que nossas disposições com múltiplas vias sejam enraizadas numa coisa-
mente imaterial, e não em estruturas moleculares” (Churchland, p. 50).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimo
Silvia Cintra
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
Jorge Barbosa
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educação
unieubra
 

Mais procurados (20)

Fenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimoFenomenologia e existencialimo
Fenomenologia e existencialimo
 
Método de pesquisa observacional
Método de pesquisa observacionalMétodo de pesquisa observacional
Método de pesquisa observacional
 
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIAAula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
Aula 01 FUNDAMENTOS DA PSICOLOGIA
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
Introdução À Psicologia
Introdução À PsicologiaIntrodução À Psicologia
Introdução À Psicologia
 
fenomenologia husserl
fenomenologia husserlfenomenologia husserl
fenomenologia husserl
 
Popper
PopperPopper
Popper
 
Behaviorismo
BehaviorismoBehaviorismo
Behaviorismo
 
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slidesExistencialismo e Psicologia - minicurso slides
Existencialismo e Psicologia - minicurso slides
 
Jean Piaget
Jean PiagetJean Piaget
Jean Piaget
 
Tipos de trabalhos acadêmicos
Tipos de trabalhos acadêmicosTipos de trabalhos acadêmicos
Tipos de trabalhos acadêmicos
 
Historia da Educação Especial no Brasil
 Historia da Educação Especial no Brasil Historia da Educação Especial no Brasil
Historia da Educação Especial no Brasil
 
Liberdade, angústia e autenticidade
Liberdade, angústia e autenticidadeLiberdade, angústia e autenticidade
Liberdade, angústia e autenticidade
 
O homem e sua eterna busca de sentido
O homem e sua eterna busca de sentidoO homem e sua eterna busca de sentido
O homem e sua eterna busca de sentido
 
Senso Comum e Ciência
Senso Comum e CiênciaSenso Comum e Ciência
Senso Comum e Ciência
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
 
Avaliacão psicometria teoria da medida
Avaliacão psicometria teoria da medidaAvaliacão psicometria teoria da medida
Avaliacão psicometria teoria da medida
 
Psicologia da Educação
Psicologia da EducaçãoPsicologia da Educação
Psicologia da Educação
 

Destaque

LA e Pós Modernidade
LA e Pós ModernidadeLA e Pós Modernidade
LA e Pós Modernidade
Luciane Lira
 
Acrisedarazo 130702220619-phpapp021
Acrisedarazo 130702220619-phpapp021Acrisedarazo 130702220619-phpapp021
Acrisedarazo 130702220619-phpapp021
Felipe Guse
 
Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)
Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)
Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)
Fernando Lima
 
Linguagem e realidade
Linguagem e realidadeLinguagem e realidade
Linguagem e realidade
Lucas Fonseca
 
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
UNEB
 

Destaque (20)

Materialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismoMaterialismo eliminativista e naturalismo
Materialismo eliminativista e naturalismo
 
Funcionalismo
FuncionalismoFuncionalismo
Funcionalismo
 
Skinner slides
Skinner   slidesSkinner   slides
Skinner slides
 
Paul churchland atitudes proposicionais
Paul churchland   atitudes proposicionaisPaul churchland   atitudes proposicionais
Paul churchland atitudes proposicionais
 
LA e Pós Modernidade
LA e Pós ModernidadeLA e Pós Modernidade
LA e Pós Modernidade
 
Teorias da significação: Teoria Referencial
Teorias da significação: Teoria ReferencialTeorias da significação: Teoria Referencial
Teorias da significação: Teoria Referencial
 
Acrisedarazo 130702220619-phpapp021
Acrisedarazo 130702220619-phpapp021Acrisedarazo 130702220619-phpapp021
Acrisedarazo 130702220619-phpapp021
 
O dualismo cartesiano
O dualismo cartesianoO dualismo cartesiano
O dualismo cartesiano
 
Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)
Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)
Wittgenstein. tractatus logico philosophicus (português)
 
A virada pragmática
A virada pragmáticaA virada pragmática
A virada pragmática
 
Resumo filosofia
Resumo filosofiaResumo filosofia
Resumo filosofia
 
Linguagem e realidade
Linguagem e realidadeLinguagem e realidade
Linguagem e realidade
 
Essencialismo e anti essencialismo e pragmatismo
Essencialismo e anti essencialismo e pragmatismoEssencialismo e anti essencialismo e pragmatismo
Essencialismo e anti essencialismo e pragmatismo
 
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.pptAula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
Aula 01 o behaviorismo radical e a psicologia como ciência.ppt
 
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
A importância da motivação para a aprendizagem da língua inglesa um estudo co...
 
Behaviorismo ss
Behaviorismo ssBehaviorismo ss
Behaviorismo ss
 
Circulo de viena
Circulo de vienaCirculo de viena
Circulo de viena
 
Behaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História FilosofiaBehaviorismo - História Filosofia
Behaviorismo - História Filosofia
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre O que é Linguagem?
 
Filosofia analitica
Filosofia analiticaFilosofia analitica
Filosofia analitica
 

Semelhante a Behaviorismo filosófico

Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradical
Lima Venancio
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Vilciele
 

Semelhante a Behaviorismo filosófico (20)

Behaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. RadicalBehaviorismo Metodológico e B. Radical
Behaviorismo Metodológico e B. Radical
 
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radicalBehaviorismo metodologico behaviorismo_radical
Behaviorismo metodologico behaviorismo_radical
 
PSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdfPSICOLOGIA.pdf
PSICOLOGIA.pdf
 
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
O problema mente-cérebro por Jerry Fodor - Scientific American 1981
 
Psicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiolaPsicologia geral fabiola
Psicologia geral fabiola
 
Behavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradicalBehavorismo metodologicoeradical
Behavorismo metodologicoeradical
 
aula-2-bases-filosc3b3ficas-do-behaviorismo-e-princc3adpios-bc3a1sicos-da-anc...
aula-2-bases-filosc3b3ficas-do-behaviorismo-e-princc3adpios-bc3a1sicos-da-anc...aula-2-bases-filosc3b3ficas-do-behaviorismo-e-princc3adpios-bc3a1sicos-da-anc...
aula-2-bases-filosc3b3ficas-do-behaviorismo-e-princc3adpios-bc3a1sicos-da-anc...
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
 
Psicologia da Educação
Psicologia da Educação Psicologia da Educação
Psicologia da Educação
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Cor na psicologia
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
 
Unidade 01 psicologia (1)
Unidade 01   psicologia (1)Unidade 01   psicologia (1)
Unidade 01 psicologia (1)
 
Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdfPortfólio Historia da Psicologia.pdf
Portfólio Historia da Psicologia.pdf
 
EaD ETG
EaD ETGEaD ETG
EaD ETG
 
Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1Passo 1 2007 1
Passo 1 2007 1
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
 
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
Faceli - Direito - 2° Período - Curso de Psicologia Jurídica - 03
 

Mais de Caio Maximino

Mais de Caio Maximino (20)

Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebraPapel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
Papel de receptores 5-HT2CL en la socialidad del pez cebra
 
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipoEfectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
Efectos de fluoxetina sobre la agresión del pez cebra dependiente del fenotipo
 
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurocienciasImpacto del pez cebra en biología y neurociencias
Impacto del pez cebra en biología y neurociencias
 
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacosEl pez cebra en el estudio de psicofarmacos
El pez cebra en el estudio de psicofarmacos
 
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
Minicurso "Primeiros socorros: Em caso de ataque de pânico"
 
A cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquicoA cerebralização do sofrimento psíquico
A cerebralização do sofrimento psíquico
 
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitaloceneHuman physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
Human physiological response in perspective: Focus on the capitalocene
 
Vertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under changeVertebrate stress mechanisms under change
Vertebrate stress mechanisms under change
 
The nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approachThe nervous system: an evolutionary approach
The nervous system: an evolutionary approach
 
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividadeO monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
O monstruoso do capital: Ansiedades culturais e subjetividade
 
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência críticaPor um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
Por um cérebro histórico-cultural: Uma introdução à neurociência crítica
 
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
Genética dos transtornos mentais: Cultura, genética e epigenética em uma pers...
 
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensinoMétodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
Métodos quantitativos na pesquisa em educação e ensino
 
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciênciaAula 2: Um pouco de filosofia da ciência
Aula 2: Um pouco de filosofia da ciência
 
Inferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentaisInferência estatística nas ciências experimentais
Inferência estatística nas ciências experimentais
 
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remotoAprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
Aprendizagem baseada em problemas: Adaptações ao ensino remoto
 
A importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mentalA importância das práticas corporais para a saúde mental
A importância das práticas corporais para a saúde mental
 
Transtornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimentoTranstornos do neurodesenvolvimento
Transtornos do neurodesenvolvimento
 
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapiaEvidências científicas de eficácia em farmacoterapia
Evidências científicas de eficácia em farmacoterapia
 
Transtornos alimentares
Transtornos alimentaresTranstornos alimentares
Transtornos alimentares
 

Último

Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptxMovimento Negro Unificado , slide completo.pptx
Movimento Negro Unificado , slide completo.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditivaO que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
O que é uma Revolução Solar. tecnica preditiva
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docxUnidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
Unidade 4 (Texto poético) (Teste sem correção) (2).docx
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 

Behaviorismo filosófico

  • 1. UNIFESSPA Tópicos Especiais em Psicologia IV: Introdução à Filosofia da Mente Aula 3: O behaviorismo filosófico
  • 2. UNIFESSPA Sentidos do behaviorismo ● Wilfred Sellars (1912-1989): qualificam-se como behavioristas, em um sentido amplo, aqueles que insistem em confirmar “hipóteses acerca dos eventos psicológicos em termos de critérios comportamentais” ● Não há diferença cognoscível entre dois estados mentais (crenças, desejos, &c) a não ser que exista uma diferença demonstrável no comportamento associado a cada estado ● p. ex.: se não há diferença no meu comportamento entre acreditar que está chuvendo e acreditar que o sol está brilhando, não há base para atribuir uma crença ao invés da outra SELLARS, W., 1963. “Philosophy and the Scientic Image of Man”, in Science, Perception, and Reality, Nova Iorque: Routledge & Kegan Paul, pp. 1–40.
  • 3. UNIFESSPA A “doutrina” behaviorista ● Não há nada de muito especial no behaviorismo lato sensu ● O behaviorismo como doutrina é uma maneira de discutir quão central é o comportamento na psicologia e na metafísica
  • 4. UNIFESSPA A “doutrina” behaviorista Três afirmações centrais: 1.A Psicologia é a ciência do comportamento, não da mente (ou ainda, mente = comportamento) 2.O comportamento pode ser descrito e explicado sem fazer referência última a eventos mentais ou processos psicológicos internos 3.No decurso do desenvolvimento das teorias psicológicas se, de alguma forma, termos ou conceitos mentais são utilizados para descrever ou explicar o comportamento, então a)Esses termos ou conceitos devem ser eliminados e substituídos por termos comportamentais OU b)Esses termos podem e devem ser traduzidos ou parafraseados em conceitos comportamentais
  • 5. UNIFESSPA A “doutrina” behaviorista Três afirmações centrais: 1.A Psicologia é a ciência do comportamento, não da mente (ou ainda, mente = comportamento) 2.O comportamento pode ser descrito e explicado sem fazer referência última a eventos mentais ou processos psicológicos internos 3.No decurso do desenvolvimento das teorias psicológicas se, de alguma forma, termos ou conceitos mentais são utilizados para descrever ou explicar o comportamento, então a)Esses termos ou conceitos devem ser eliminados e substituídos por termos comportamentais OU b)Esses termos podem e devem ser traduzidos ou parafraseados em conceitos comportamentais Behaviorismo metodológico Behaviorismo “psicológico” Behaviorismo filosófico
  • 6. UNIFESSPA Três tipos de behaviorismo ● Behaviorismo metodológico: teoria normativa sobre a conduta científica da Psicologia – A referência a estados mentais não adiciona nada ao que a Psicologia pode e deve compreender acerca das causas do comportamento ● Behaviorismo “psicológico”: Programa de pesquisa na Psicologia que busca explicar o comportamento em termos de estímulos físicos, respostas, histórias de aprendizagem e, para certos tipos de comportamento, reforçamento ● Behaviorismo filosófico (analítico, lógico): Uma teoria semântica sobre os termos ou conceitos mentais que afirma que a ideia de um estado ou condição mental é a ideia de uma disposição comportamental evidenciada pela forma como o sujeito se comporta em uma situação ou outra. GRAHAM, G., 1998. Philosophy of Mind: An Introducion, Oxford: Basil Blackwell.
  • 7. UNIFESSPA O behaviorismo radical ● Combina as três formas de behaviorismo: – É analítico ao parafrasear termos mentais em termos comportamentais, quando ou se não podem ser eliminados do discurso explanatório – É metodológico ao preocupar-se com o comportamento dos organismos, ao invés do processamento interno ou das cognições – É psicológico ao entender o comportamento como efeito da estimulação e do ambiente externo
  • 8. UNIFESSPA Raízes do behaviorismo ● Positivismo lógico: o significado das afirmações usadas na ciência deve ser entendido em termos das condições experimentais ou observações que verificam sua verdade (verificacionismo) ● Rejeição do dualismo de substâncias – uma crença não é uma propriedade da substância mental, mas uma família de tendências de meu corpo – A crença que tenho quando chego pontualmente à aula das 07:35 (a saber, a crença de que tenho aula às 07:35) não é uma propriedade de uma substância mental – Adicionalmente, não posso identificar a crença sobre a minha chegada de forma independente dessa chegada – ou seja, não podemos tratar a crença como causa da chegada.
  • 10. UNIFESSPA Hempel: Verificacionismo na Psicologia ● "o significado de uma sentença psicológica consiste somente na função de abreviara descrição de certos modos de resposta física característicos dos corpos do homem e dos animais” (Hempel, 1949) ● Esses modos de resposta são a métrica pela qual testamos a verdade de nossas atribuições psicológicas ● Afirmar que Rafaella sente dor nas costas é uma forma de abreviar “Rafaella chora e faz gestos assim e assado”; “quando perguntada ‘qual o problema?’, Rafaella afirma ‘tenho dor nas costas’”; &c
  • 11. UNIFESSPA Qual o significado dos termos mentais? ● “Segundo os behavioristas, o significado de qualquer termo mental é fixado pelas muitas relações que ele mantém com determinados termos: os termos para circunstâncias e comportamentos publicamente observáveis” (Churchland, p. 95) ● “De acordo com o behaviorismo lógico, é uma questão de definição, uma questão de análise lógica, que os termos mentais possam ser definidos em termos de comportamento, que afirmações sobre a mente possam ser definidas, sem nenhum resíduo, em afirmações sobre o comportamento” (Searle p. 52) CHURCHLAND, P. M. Matéria e consciência. Uma introdução contemporânea à filosofia da mente. São Paulo: Editora UNESP, 1998. SEARLE, J. A redescoberta da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1997
  • 12. UNIFESSPA O argumento da linguagem privada ● “Concepção-padrão”: o significado dos termos mentais se baseia em “ostensão interior” – Ostensão: significado é dado indicando um objeto que ostenta os atributos do definiendum – Consequência: solipsismo (os significados mentais só podem fazer referência a algo privado) ● Wittgenstein tentou mostrar que uma linguagem necessariamente privada é absolutamente impossível
  • 13. UNIFESSPA O argumento da linguagem privada ● Suponha que você quer explicar um termo “W” exclusivamente por meio de sua associação com uma certa sensação que você está experimentando no momento ● Num momento posterior, ao experimentar a sensação, você pode afirmar que estava em um outro estado “W”, diferente do primeiro ● Como saber se usou o termo corretamente na primeira ou na segunda vez?
  • 14. UNIFESSPA A privacidade do mental ● Se o termo não estiver em algum tipo de conexão de significado com outros fenômenos (causas ou efeitos que servem como padrão para o tipo de sensação), então será absolutamente impossível distinguir entre o uso correto e incorreto de “W” ● Do ponto de vista behaviorista, o significado da emoção mais privativa é potencialmente observável e, portanto, público ● Se não é possível traduzir um conceito mental em uma frase sobre uma forma real ou possível do comportamento, o conceito mental não tem sentido
  • 15. UNIFESSPA O besouro de Wittgenstein ● Investigações Filosóficas ● Imagine que cada um tem uma pequena caixa na qual mantém um besouro. A ninguém é permitido olhar na caixa do outro, somente em sua própria caixa. Com o tempo, as pessoas começam a falar sobre o que há dentro de suas caixas, e a palavra “besouro” começa a substituir o conteúdo real ● O que realmente há na caixa não importa, já que não podemos checar ou comparar os conteúdos; para que faça sentido, a palavra “besouro” simplesmente quer dizer “o que há na caixa” ● Quando falamos em mentes (ou em besouros), usamos termos que aprendemos através da conversação e do discurso público, e esses termos só tem sentido através do uso público. WITTGENSTEIN, L., 2005. Investigações filosoficas, São Paulo: Vozes
  • 16. UNIFESSPA “The concept of mind” RYLE, G., 1949. The concept of mind,Chicago: University of Chicago Press.
  • 17. UNIFESSPA O dogma do fantasma na máquina ● O dualismo cartesiano é um erro de categoria – um erro baseado no uso conceitual da linguagem – Exemplo clássico: um visitante é apresentado aos prédios, laboratórios, bibliotecas, e salas de aula de uma universidade, e ao final pergunta “mas onde está a universidade?” – “Não é, meramente, um conjunto de erros particulares. É um grande erro e um erro de tipo especial: um erro categorial. Apresenta os fatos da vida mental como se pertencessem a um tipo de categoria lógica (ou classes de tipos ou categorias) quando na realidade eles pertencem a outra categoria” (Ryle, 1949, p. 17) ● Do ponto de vista semântico, no dualismo as propriedades mentais são negações lógicas das propriedades físicas; por isso, pertencem ao mesmo tipo lógico RYLE, G., 1949. The concept of mind,Chicago: University of Chicago Press.
  • 18. UNIFESSPA Conceitos disposicionais ● Afirmações contendo termos mentais podem ser traduzidos, sem perda de significado, em condicionais subjuntivas sobre o que o indivíduo fará em diferentes circunstâncias ● “enunciados que afirmam que uma coisa, um animal ou uma dada pessoa, possui certa capacidade ou tendência ou inclinação, ou está sujeita a certa propensão. É claro que tais enunciados não são leis, pois mencionam coisas ou pessoas particulares. Por outro lado, se assemelham com as leis porque são parcialmente ‘variavéis’ ou ‘abertas’. O açúcar, por exemplo, é uma substância que tem a qualidade de dissolver-se em meio aquoso e o conceito ‘dissolver’ designa uma disposição do açúcar. A solubilidade é uma propriedade física do açúcar: normalmente toda vez que o açúcar for posto em um meio aquoso, se dissolverá” (Ryle, 1949, p. 119) ● “O termo ‘solúvel’ é definido com base em certas operações ou testes que revelariam se o termo realmente se aplica, ou não, ao caso a ser testado” (Churchland, p. 49) RYLE, G., 1949. The concept of mind,Chicago: University of Chicago Press. CHURCHLAND, P. M. Matéria e consciência. Uma introdução contemporânea à filosofia da mente. São Paulo: Editora UNESP, 1998.
  • 19. UNIFESSPA Conceitos mentais como disposições ● Esse mesmo tipo de explicação vale para estados mentais como “quer férias no Caribe” – Dizer que quero férias no Caribe é dizer que 1. Se me perguntassem se desejo passar férias no Caribe, diria que sim 2.Se eu recebesse um orçamento de passagem para a Jamaica ou para o Japão, priorizaria o primeiro 3.Se ganhasse uma passagem de avião para a Jamaica no dia 19 de setembro, iria 4.Et caetera ● Falar sobre a mente não é falar sobre algo que o indivíduo possui, mas sobre as capacidades e disposições do indivíduo
  • 20. UNIFESSPA Behaviorismo e materialismo ● Não há necessidade de adotar o dualismo para dar sentido ao vocabulário psicológico, porque os objetos materiais podem ter propriedades disposicionais ● O behaviorismo filosófico é comumente interpretado e aplicado como uma teoria reducionista – um termo mental é reduzido ou traduzido em termos físicos ● “Devemos assinalar, no entanto, que o behaviorismo também é perfeitamente compatível com o dualismo: mesmo aceitando o behaviorismo filosófico como verdadeiro, ainda continua sendo possível que nossas disposições com múltiplas vias sejam enraizadas numa coisa- mente imaterial, e não em estruturas moleculares” (Churchland, p. 50).