SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicologia 
DOCENTE: PAULA AZEVEDO DE MEDEIROS 
DI SCI PLINA: P S ICOLOGIA JURÍDICA 
2 ° SEMESTRE DE DIREITO
Psicologia 
Psico = mente, alma logos = estudo, trabalho 
Psicologia científica x Psicologia popular/senso comum 
Ideias, crenças e convicções transmitidas culturalmente e que 
cada indivíduo possui a respeito de como as pessoas 
funcionam, se comportam, sentem e pensam. 
Termos como “personalidade” ou “depressão” têm significados 
diferentes nessas duas linguagens. 
A própria palavra “psicologia” pode ser vista muitas vezes como 
sinônimo de psicoterapia que é muitas vezes confundida com 
psicanálise ou mesmo com a análise do comportamento. 
O termo parapsicologia, por exemplo, não se refere a nehum 
conceito e não tem nenhum tipo de relação com a Psicologia.
Psicologia 
Psicologia: Estudo científico do comportamento e dos processos 
mentais. 
Dizer que a psicologia é uma ciência significa que ela é 
regida pelas mesmas leis do método científico as quais regem 
as outras ciências: ela busca um conhecimento objetivo, 
baseado em fatos empíricos. 
Comportamento é a atividade observável (de forma 
interna ou externa) dos organismos na sua busca de 
adaptação ao meio em que vivem. 
Dizer que o indivíduo é a unidade básica de estudo da 
psicologia significa dizer que, mesmo ao estudar grupos, o 
indivíduo permanece o centro de atenção. 
Os processos mentais são a maneira como a mente 
humana funciona - pensar, planejar, tirar conclusões, 
fantasiar e sonhar.
Objetivos da Psicologia 
Descrever – observar e análisar os comportamentos de 
forma mais objetiva possível para o levantamento de 
dados confiáveis. 
Explicar – procurar explicações lógicas para o 
acontecimento descrito (por que ocorre). 
Prever – identificar as condições nas quais determinado 
comportamento ocorre para poder fazer previsões de sua 
ocorrência futura (onde ocorre? O que mantêm?) 
Controlar – capacidade de influenciá-lo, com base no 
conhecimento adquirido; procurar controlar a ocorrência 
futura de comportamentos através de manipulação de 
variáveis.
Perspectivas Históricas 
“A psicologia possui um longo passado, mas uma 
história curta” (Hermann Ebbinghaus). 
• Século XIX – Psicologia se separa da filosofia se 
tornando uma ciência independente com o primeiro 
laboratório psicológico fundado pelo fisiologista 
Wilhelm Wundt em 1879 na Alemanha. 
• Formou a primeira geração de psicólogos que 
propagaram a nova ciência e fundaram vários 
laboratórios similares pela Europa e Estados Unidos.
Perspectivas Históricas 
 Estruturalismo – Wilhelm Wundt 
Propôs criar uma base verdadeiramente científica para a nova ciência com dados 
sistemáticos e objetivos para replicação. 
Procurou investigar os fenômenos da consciência, seus elementos e estrutura. 
Objeto de estudo: a estrutura consciente da mente e do comportamento, 
sobretudo as sensações (elementos mais simples da mente) através da 
introspecção. 
Foi criticado por ser: 
• reducionista (reduzir a complexidade humana a simples sensações); 
• elementarista (dedicar-se ao estudo de partes ou elementos ao invés de estudar 
estruturas mais complexas); 
• mentalista (levar em consideração apenas relatórios verbais, excluindo 
indivíduos incapazes de introspecção – crianças, animais – além de não ser um 
método cinetífico objetivo).
Perspectivas Históricas 
 Funcionalismo – Willianm James 
Concordava com Wundt que o objeto da psicologia seriam os 
processos conscientes, porém, acreditava que esses processos 
não se limitavam a uma descrição de elementos, conteúdos e 
estruturas. 
Os funcionalistas estudavam a mente não do ponto de vista da 
sua composição (uma estrutura de elementos mentais), mas 
como um aglomerado de funções ou processos que levam a 
consequências práticas no mundo real. 
Na psicologia, a seu entender, deveria haver espaço para as 
emoções, a vontade, os valores, as experiências religiosas, 
enfim, tudo o que faz cada ser humano único.
O legado dos Primórdios 
Apesar de serem perspectivas já ultrapassadas, tanto 
o estruturalismo como o funcionalismo ajudaram a 
determinar o rumo que a psicologia posterior viria a 
tomar. 
Hoje em dia os psicólogos procuram compreender 
tanto as estruturas como a função do 
comportamento e dos processos mentais absolutos.
Perspectivas Atuais 
Por estar, durante o século XIX, vinculada a outras 
áreas do conhecimento, a Psicologia moderna sofreu 
influência de algumas correntes de pensamento. 
Biológica 
Busca as causas do comportamento no funcionamento 
dos genes, do cérebro e dos sistemas nervoso e 
endócrino.
Perspectivas Atuais 
Psicodinâmica 
O comportamento é movido por uma série de forças 
internas, que buscam dissolver a tensão existente entre 
os instintos, as pulsões e as necessidades internas de um 
lado e as exigências sociais de outro. 
Enfatiza que a natureza humana não é sempre racional e 
que as ações podem ser motivadas por fatores não 
acessíveis a consciência. 
Considerava a infância como uma fase importantíssima 
para a formação da personalidade.
Perspectivas Atuais 
Comportamentalista 
Modelo de pensamento monista. 
Seu principal objetivo é a observação do comportamento e 
os efeitos que os estímulos antecedentes e as 
consequências podem causar sobre ele. 
A atenção do pesquisador está voltada para as condições 
ambientais em que determinado organismo se encontra, 
para o comportamento desse organismo, e para as 
consequências que esse comportamento lhe traz e os 
efeitos que produzem. 
Há uma relação mútua entre organismo e ambiente.
Perspectivas Atuais 
Humanismo 
O ser humano possui em si uma força de autorrealização, 
que conduz o indivíduo ao desenvolvimento de 
uma personalidade criativa e saudável. Essa força 
inerente a todo ser humano é muitas vezes, no entanto, 
impedida por fatores externos de se desenvolver 
plenamente. 
Considera o homem como um processo em construção, 
detentor de liberdade e poder de escolha. 
O estudo biográfico se torna, nesta perspectiva, uma fonte 
de conhecimento importante por descobrir como a 
pessoa vivencia sua existência.
Perspectiva Biopsicossocial 
Vimo que o ser humano pode e deve ser estudado, 
observado e compreendido sob diferentes aspectos. 
Essa realidade toma forma no modelo 
biopsicossocial que serve de base para todo o 
trabalho psicológico, desde a pesquisa mais básica 
até a prática terapêutica. 
Esse modelo afirma que o comportamento e os 
processos mentais humanos são gerados e 
influenciados por três grupos de fatores:
Perspectiva Biopsicossocial 
Biológicos: predisposição genética e os processos de 
mutação que determinam o desenvolvimento 
corporal em geral e do sistema nervoso em 
particular. 
Psicológicos: preferências, expectativas e medos, 
reações emocionais, processos cognitivos e 
interpretação das percepções, etc. 
Culturais: como a presença de outras pessoas, 
expectativas da sociedade e do meio cultural, 
influência do círculo familiar, de amigos, etc., 
modelos de papéis sociais, etc.
Críticas à Psicologia 
• Criticada pelo seu caráter “confuso” ou “impalpável”. 
• Falta de uma teoria de base unanimamente aceita. 
• Pesquisas baseadas em questionários e entrevistas - não 
ser científica. 
• Muitos fenômenos estudados pela Psicologia, como 
personalidade, pensamento e emoção, não podem ser 
medidos diretamente e devem ser estudados com o 
auxílio de relatórios subjetivos, o que pode ser um 
problema do ponto de vista metodológico. 
• “Briga” dentro da própria psicologia entre psicólogos 
experimentais e psicoterapeutas.
Áreas Práticas e de Pesquisa 
A Psicologia possui uma riqueza nas áreas práticas e de pesquisa 
que permite a inserção do profissional psicólogo nos mais diversos 
campos de atuação: 
Ψ Clínica 
Ψ Educacional 
Ψ da Saúde 
Ψ Econômica 
Ψ do Consumidor 
Ψ Oranizacional/Indústria 
Ψ Social 
Ψ Hospitalar 
Ψ Ambiental 
Ψ Esportiva 
Ψ Jurídica
Direito e Psicologia 
A junção desses dois campos do saber ainda é muito 
recente e tem muito por construir. 
O direito com sua impermeabilidade à outras áreas 
do conhecimento e a psicologia experimental e científica 
com sua recenticidade avançam, quando juntos, 
formando uma complementariedade em busca de um 
destino comum: o comportamento humano. 
Relações interdisciplinares só têm a contribuir e 
engrandecer essas áreas de conhecimento, na medida em 
que a ciência contemporânea é forçosamente plural.
Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica 
Psicologia Jurídica: 
“É o estudo do comportamento das pessoas e dos 
grupos enquanto têm a necessidade de desenvolver-se 
dentro de ambientes regulados juridicamente, 
assim como da evolução dessas regulamentações 
jurídicas ou leis enquanto os grupos sociais se 
desenvolvem neles” (Trindade, 1998).
Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica 
 Psicologia do Direito: explica a essência do direito, a 
sua fundamentação psicológica. Seria semelhante à 
Filosofia do Direito. 
 Psicologia no Direito: estuda a estrutura das normas 
Jurídicas enquanto estímulos dos vetores das 
condutas humanas: produz ou evita certos 
comportamentos. 
 Psicologia para o Direito: disciplina auxiliar do 
direito, convocada a iluminar os fins do próprio 
direito. Aplicada ao seu melhor exercício.
Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica 
 Definição de Mira y López (2000): 
“Psicologia jurídica é definida como a psicologia 
aplicada ao melhor exercício do Direito”. 
Com essa definição, a Psicologia Jurídica restringiu-se 
à psicologia para o direito, permanecendo longe de 
qualquer interferência no processo dos fundamentos do 
direito, ou seja, da psicologia do direito, bem como 
afastada das questões psicológicas que intrinsecamente 
compõem o mundo normativo, ou seja, da psicologia no 
direito.
Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica 
Psicologia jurídica x Psicologia judicial, forense ou legal 
Judicial: aplicação dos processos psicológicos à prática do 
jurista. 
Forense: tudo aquilo que é relativo ao foro, cortes ou 
tribunais 
Legal: aquilo que está contido apenas na lei, na norma 
formulada, e não no direito. 
Psicologia Jurídica: Inclui tanto aquilo que acontece no 
espaço dos fóruns e dos tribunais, como no âmbito da lei.
Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica 
Dentro da própria Psicologia Jurídica podemos ter várias 
ramificações de atuação em função da organização jurídica 
que abordam: 
 psicologia criminal (júri, depoimento, interrogatório) 
 psicologia da vítima 
 psicologia penitenciária 
 psicologia judicial (acusado, testemunhas, réu) 
 psicologia do trânsito 
 psicologia a serviço da criança e do adolescente 
 psicologia da família (SAP) 
 psicologia das decisões judiciais 
 psicologia do testemunho 
 psicologia investigativa
Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica 
Direito e Psicologia são duas disciplinas co-irmãs 
que nascem com o mesmo fim. 
Direito e Psicologia compartem o mesmo objeto de 
estudo: o homem e seu comportamento. 
Direito e Psicologia estão ambos destinados a servir 
o homem e a promover um mundo melhor. 
Podemos dizer, figurativa e expressivamente, que 
Direito e Psicologia estão “condenados” a dar as 
mãos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
Bruno Carrasco
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Edgard Lombardi
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
joaovitorinopolacimatos
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
Clínica Evolução vida
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
Botteon Consultoria
 
Psicologia Jurídica
Psicologia JurídicaPsicologia Jurídica
Psicologia Jurídica
julilp10
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
Isac Soares
 
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do ComportamentoEscolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Mayara Mônica
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
julilp10
 
A evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológicaA evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológica
Eduardo Dias
 
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoA Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
Thiago Véras
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Alexandre Simoes
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
Liliane Ennes
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade iPisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Sandro Moraes
 
Artigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia socialArtigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia social
alcionirdoamarantesilva
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Felipe Saraiva Nunes de Pinho
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
lucasvazdelima
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
Profissão Professor
 

Mais procurados (20)

Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
Fenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologiaFenomenologia e a psicologia
Fenomenologia e a psicologia
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Psicologia Jurídica
Psicologia JurídicaPsicologia Jurídica
Psicologia Jurídica
 
Psicologia social
Psicologia socialPsicologia social
Psicologia social
 
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do ComportamentoEscolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
Escolas da Psicologia e Bases Biológicas do Comportamento
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
 
A evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológicaA evolução da ciência psicológica
A evolução da ciência psicológica
 
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O DireitoA Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
A Importância da Psicologia Jurídica Para O Direito
 
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
Psicopatologia I - Aula 1: Introdução aos Conceitos da Psicopatologia.
 
Psicologia conceitos
Psicologia   conceitosPsicologia   conceitos
Psicologia conceitos
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade iPisicologia organizacional e do trabalho unidade i
Pisicologia organizacional e do trabalho unidade i
 
Artigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia socialArtigo - A psicologia social
Artigo - A psicologia social
 
Psicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do TrabalhoPsicologia Organizacional e do Trabalho
Psicologia Organizacional e do Trabalho
 
Introdução psicopatologia
Introdução psicopatologiaIntrodução psicopatologia
Introdução psicopatologia
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 

Destaque

Números de idosos no brasil
Números de idosos no brasilNúmeros de idosos no brasil
Números de idosos no brasil
Inacia Lucia Medeiros
 
Liderar e Motivar Equipes
Liderar e Motivar EquipesLiderar e Motivar Equipes
Liderar e Motivar Equipes
Enrico Cardoso
 
População brasil
População brasilPopulação brasil
População brasil
israelfrois
 
Manual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoria
Manual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoriaManual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoria
Manual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoria
iicabrasil
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
Joao Balbi
 
Pensamento crítico
Pensamento crítico   Pensamento crítico
Pensamento crítico
AnaCarla000
 
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelosAula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Fernando Monteiro D'Andrea
 
introdução ao pensamento crítico
 introdução ao pensamento crítico introdução ao pensamento crítico
introdução ao pensamento crítico
Tavares tavares
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Edimar Sartoro
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
Rondinelli Salvador Silva
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Claudia Paola Aguilar
 
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTOBIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
Rubens De Fraga Junior
 
Workshop Criatividade e Design Thinking
Workshop Criatividade e Design ThinkingWorkshop Criatividade e Design Thinking
Workshop Criatividade e Design Thinking
Bruno Duarte
 
Miniguia do Pensamento Critico
Miniguia do Pensamento CriticoMiniguia do Pensamento Critico
Miniguia do Pensamento Critico
Jairo Siqueira
 
Design Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação SustentávelDesign Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação Sustentável
Denise Eler
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Nadjane Barros Costa
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
Márcio Roberto de Mattos
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Renato Martinelli
 

Destaque (20)

Números de idosos no brasil
Números de idosos no brasilNúmeros de idosos no brasil
Números de idosos no brasil
 
Liderar e Motivar Equipes
Liderar e Motivar EquipesLiderar e Motivar Equipes
Liderar e Motivar Equipes
 
População brasil
População brasilPopulação brasil
População brasil
 
Manual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoria
Manual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoriaManual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoria
Manual para apresentação de relatórios técnicos, produtos e consultoria
 
01 o conhecimento
01 o conhecimento01 o conhecimento
01 o conhecimento
 
Pensamento crítico
Pensamento crítico   Pensamento crítico
Pensamento crítico
 
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelosAula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
Aula 14-15 - qvt histórico conceitos e modelos
 
introdução ao pensamento crítico
 introdução ao pensamento crítico introdução ao pensamento crítico
introdução ao pensamento crítico
 
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESMEVelhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
Velhice e Envelhecimento - Profa. Rilva Muñoz / GESME
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
 
Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2Conceito de Saúde 2
Conceito de Saúde 2
 
Psicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e AdolescênciaPsicopatologia da Infância e Adolescência
Psicopatologia da Infância e Adolescência
 
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTOBIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
BIOLOGIA DO ENVELHECIMENTO
 
Workshop Criatividade e Design Thinking
Workshop Criatividade e Design ThinkingWorkshop Criatividade e Design Thinking
Workshop Criatividade e Design Thinking
 
Miniguia do Pensamento Critico
Miniguia do Pensamento CriticoMiniguia do Pensamento Critico
Miniguia do Pensamento Critico
 
Design Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação SustentávelDesign Thinking e Inovação Sustentável
Design Thinking e Inovação Sustentável
 
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e AnamnesePropedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
Propedêutica em Fisioterapia - Semiologia e Anamnese
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
O que é liderança
O que é liderançaO que é liderança
O que é liderança
 
Estilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do LíderEstilos de Liderança - Postura do Líder
Estilos de Liderança - Postura do Líder
 

Semelhante a Unidade 01 psicologia (1)

Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
Filipe Rhuan
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
Edleusa Silva
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Thaisremo
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
Jonia Lacerda
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
Miguel Pascoal
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
Luiz Maciel
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
Jose Arnaldo Silva
 
Desenvolvimento
DesenvolvimentoDesenvolvimento
Desenvolvimento
Kalina Lima Santos
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
MariaDeMatos2
 
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
António Moreira
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
Adrianadiasbrito
 
Apostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacionalApostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacional
Gilvane Pereira
 
Psicologia Esse
Psicologia EssePsicologia Esse
Psicologia Esse
Vanessa Santos
 
Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1
Universidade Federal do Ceará
 
03áreas+de+..
03áreas+de+..03áreas+de+..
03áreas+de+..
Micas Cullen
 
áReas+de+..
áReas+de+..áReas+de+..
áReas+de+..
Daniela Dádá
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
brelua
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
zecaviana1
 

Semelhante a Unidade 01 psicologia (1) (20)

Psicologia
PsicologiaPsicologia
Psicologia
 
Psicologia pastoral
Psicologia pastoralPsicologia pastoral
Psicologia pastoral
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Cor na psicologia
Cor na psicologiaCor na psicologia
Cor na psicologia
 
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
 
psicologia geral
psicologia geralpsicologia geral
psicologia geral
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia da educação
Psicologia da educaçãoPsicologia da educação
Psicologia da educação
 
Desenvolvimento
DesenvolvimentoDesenvolvimento
Desenvolvimento
 
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
37280slides aula desenvolvimento humano, psicologgia da educaçao
 
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
1_introducao_ao_estudo_da_psicologia _ descobrindo a psicologia.pptx
 
Comportamento Humano
Comportamento HumanoComportamento Humano
Comportamento Humano
 
Apostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacionalApostila psicologia organizacional
Apostila psicologia organizacional
 
Psicologia Esse
Psicologia EssePsicologia Esse
Psicologia Esse
 
Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1Psicologia da educação 1
Psicologia da educação 1
 
03áreas+de+..
03áreas+de+..03áreas+de+..
03áreas+de+..
 
áReas+de+..
áReas+de+..áReas+de+..
áReas+de+..
 
1 psicologia
1 psicologia1 psicologia
1 psicologia
 
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdfPsicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
Psicologia da Educação e da Aprendizagem.pdf
 

Unidade 01 psicologia (1)

  • 1. Psicologia DOCENTE: PAULA AZEVEDO DE MEDEIROS DI SCI PLINA: P S ICOLOGIA JURÍDICA 2 ° SEMESTRE DE DIREITO
  • 2. Psicologia Psico = mente, alma logos = estudo, trabalho Psicologia científica x Psicologia popular/senso comum Ideias, crenças e convicções transmitidas culturalmente e que cada indivíduo possui a respeito de como as pessoas funcionam, se comportam, sentem e pensam. Termos como “personalidade” ou “depressão” têm significados diferentes nessas duas linguagens. A própria palavra “psicologia” pode ser vista muitas vezes como sinônimo de psicoterapia que é muitas vezes confundida com psicanálise ou mesmo com a análise do comportamento. O termo parapsicologia, por exemplo, não se refere a nehum conceito e não tem nenhum tipo de relação com a Psicologia.
  • 3. Psicologia Psicologia: Estudo científico do comportamento e dos processos mentais. Dizer que a psicologia é uma ciência significa que ela é regida pelas mesmas leis do método científico as quais regem as outras ciências: ela busca um conhecimento objetivo, baseado em fatos empíricos. Comportamento é a atividade observável (de forma interna ou externa) dos organismos na sua busca de adaptação ao meio em que vivem. Dizer que o indivíduo é a unidade básica de estudo da psicologia significa dizer que, mesmo ao estudar grupos, o indivíduo permanece o centro de atenção. Os processos mentais são a maneira como a mente humana funciona - pensar, planejar, tirar conclusões, fantasiar e sonhar.
  • 4. Objetivos da Psicologia Descrever – observar e análisar os comportamentos de forma mais objetiva possível para o levantamento de dados confiáveis. Explicar – procurar explicações lógicas para o acontecimento descrito (por que ocorre). Prever – identificar as condições nas quais determinado comportamento ocorre para poder fazer previsões de sua ocorrência futura (onde ocorre? O que mantêm?) Controlar – capacidade de influenciá-lo, com base no conhecimento adquirido; procurar controlar a ocorrência futura de comportamentos através de manipulação de variáveis.
  • 5. Perspectivas Históricas “A psicologia possui um longo passado, mas uma história curta” (Hermann Ebbinghaus). • Século XIX – Psicologia se separa da filosofia se tornando uma ciência independente com o primeiro laboratório psicológico fundado pelo fisiologista Wilhelm Wundt em 1879 na Alemanha. • Formou a primeira geração de psicólogos que propagaram a nova ciência e fundaram vários laboratórios similares pela Europa e Estados Unidos.
  • 6. Perspectivas Históricas  Estruturalismo – Wilhelm Wundt Propôs criar uma base verdadeiramente científica para a nova ciência com dados sistemáticos e objetivos para replicação. Procurou investigar os fenômenos da consciência, seus elementos e estrutura. Objeto de estudo: a estrutura consciente da mente e do comportamento, sobretudo as sensações (elementos mais simples da mente) através da introspecção. Foi criticado por ser: • reducionista (reduzir a complexidade humana a simples sensações); • elementarista (dedicar-se ao estudo de partes ou elementos ao invés de estudar estruturas mais complexas); • mentalista (levar em consideração apenas relatórios verbais, excluindo indivíduos incapazes de introspecção – crianças, animais – além de não ser um método cinetífico objetivo).
  • 7. Perspectivas Históricas  Funcionalismo – Willianm James Concordava com Wundt que o objeto da psicologia seriam os processos conscientes, porém, acreditava que esses processos não se limitavam a uma descrição de elementos, conteúdos e estruturas. Os funcionalistas estudavam a mente não do ponto de vista da sua composição (uma estrutura de elementos mentais), mas como um aglomerado de funções ou processos que levam a consequências práticas no mundo real. Na psicologia, a seu entender, deveria haver espaço para as emoções, a vontade, os valores, as experiências religiosas, enfim, tudo o que faz cada ser humano único.
  • 8. O legado dos Primórdios Apesar de serem perspectivas já ultrapassadas, tanto o estruturalismo como o funcionalismo ajudaram a determinar o rumo que a psicologia posterior viria a tomar. Hoje em dia os psicólogos procuram compreender tanto as estruturas como a função do comportamento e dos processos mentais absolutos.
  • 9. Perspectivas Atuais Por estar, durante o século XIX, vinculada a outras áreas do conhecimento, a Psicologia moderna sofreu influência de algumas correntes de pensamento. Biológica Busca as causas do comportamento no funcionamento dos genes, do cérebro e dos sistemas nervoso e endócrino.
  • 10. Perspectivas Atuais Psicodinâmica O comportamento é movido por uma série de forças internas, que buscam dissolver a tensão existente entre os instintos, as pulsões e as necessidades internas de um lado e as exigências sociais de outro. Enfatiza que a natureza humana não é sempre racional e que as ações podem ser motivadas por fatores não acessíveis a consciência. Considerava a infância como uma fase importantíssima para a formação da personalidade.
  • 11. Perspectivas Atuais Comportamentalista Modelo de pensamento monista. Seu principal objetivo é a observação do comportamento e os efeitos que os estímulos antecedentes e as consequências podem causar sobre ele. A atenção do pesquisador está voltada para as condições ambientais em que determinado organismo se encontra, para o comportamento desse organismo, e para as consequências que esse comportamento lhe traz e os efeitos que produzem. Há uma relação mútua entre organismo e ambiente.
  • 12. Perspectivas Atuais Humanismo O ser humano possui em si uma força de autorrealização, que conduz o indivíduo ao desenvolvimento de uma personalidade criativa e saudável. Essa força inerente a todo ser humano é muitas vezes, no entanto, impedida por fatores externos de se desenvolver plenamente. Considera o homem como um processo em construção, detentor de liberdade e poder de escolha. O estudo biográfico se torna, nesta perspectiva, uma fonte de conhecimento importante por descobrir como a pessoa vivencia sua existência.
  • 13. Perspectiva Biopsicossocial Vimo que o ser humano pode e deve ser estudado, observado e compreendido sob diferentes aspectos. Essa realidade toma forma no modelo biopsicossocial que serve de base para todo o trabalho psicológico, desde a pesquisa mais básica até a prática terapêutica. Esse modelo afirma que o comportamento e os processos mentais humanos são gerados e influenciados por três grupos de fatores:
  • 14. Perspectiva Biopsicossocial Biológicos: predisposição genética e os processos de mutação que determinam o desenvolvimento corporal em geral e do sistema nervoso em particular. Psicológicos: preferências, expectativas e medos, reações emocionais, processos cognitivos e interpretação das percepções, etc. Culturais: como a presença de outras pessoas, expectativas da sociedade e do meio cultural, influência do círculo familiar, de amigos, etc., modelos de papéis sociais, etc.
  • 15. Críticas à Psicologia • Criticada pelo seu caráter “confuso” ou “impalpável”. • Falta de uma teoria de base unanimamente aceita. • Pesquisas baseadas em questionários e entrevistas - não ser científica. • Muitos fenômenos estudados pela Psicologia, como personalidade, pensamento e emoção, não podem ser medidos diretamente e devem ser estudados com o auxílio de relatórios subjetivos, o que pode ser um problema do ponto de vista metodológico. • “Briga” dentro da própria psicologia entre psicólogos experimentais e psicoterapeutas.
  • 16. Áreas Práticas e de Pesquisa A Psicologia possui uma riqueza nas áreas práticas e de pesquisa que permite a inserção do profissional psicólogo nos mais diversos campos de atuação: Ψ Clínica Ψ Educacional Ψ da Saúde Ψ Econômica Ψ do Consumidor Ψ Oranizacional/Indústria Ψ Social Ψ Hospitalar Ψ Ambiental Ψ Esportiva Ψ Jurídica
  • 17. Direito e Psicologia A junção desses dois campos do saber ainda é muito recente e tem muito por construir. O direito com sua impermeabilidade à outras áreas do conhecimento e a psicologia experimental e científica com sua recenticidade avançam, quando juntos, formando uma complementariedade em busca de um destino comum: o comportamento humano. Relações interdisciplinares só têm a contribuir e engrandecer essas áreas de conhecimento, na medida em que a ciência contemporânea é forçosamente plural.
  • 18. Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica Psicologia Jurídica: “É o estudo do comportamento das pessoas e dos grupos enquanto têm a necessidade de desenvolver-se dentro de ambientes regulados juridicamente, assim como da evolução dessas regulamentações jurídicas ou leis enquanto os grupos sociais se desenvolvem neles” (Trindade, 1998).
  • 19. Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica  Psicologia do Direito: explica a essência do direito, a sua fundamentação psicológica. Seria semelhante à Filosofia do Direito.  Psicologia no Direito: estuda a estrutura das normas Jurídicas enquanto estímulos dos vetores das condutas humanas: produz ou evita certos comportamentos.  Psicologia para o Direito: disciplina auxiliar do direito, convocada a iluminar os fins do próprio direito. Aplicada ao seu melhor exercício.
  • 20. Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica  Definição de Mira y López (2000): “Psicologia jurídica é definida como a psicologia aplicada ao melhor exercício do Direito”. Com essa definição, a Psicologia Jurídica restringiu-se à psicologia para o direito, permanecendo longe de qualquer interferência no processo dos fundamentos do direito, ou seja, da psicologia do direito, bem como afastada das questões psicológicas que intrinsecamente compõem o mundo normativo, ou seja, da psicologia no direito.
  • 21. Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica Psicologia jurídica x Psicologia judicial, forense ou legal Judicial: aplicação dos processos psicológicos à prática do jurista. Forense: tudo aquilo que é relativo ao foro, cortes ou tribunais Legal: aquilo que está contido apenas na lei, na norma formulada, e não no direito. Psicologia Jurídica: Inclui tanto aquilo que acontece no espaço dos fóruns e dos tribunais, como no âmbito da lei.
  • 22. Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica Dentro da própria Psicologia Jurídica podemos ter várias ramificações de atuação em função da organização jurídica que abordam:  psicologia criminal (júri, depoimento, interrogatório)  psicologia da vítima  psicologia penitenciária  psicologia judicial (acusado, testemunhas, réu)  psicologia do trânsito  psicologia a serviço da criança e do adolescente  psicologia da família (SAP)  psicologia das decisões judiciais  psicologia do testemunho  psicologia investigativa
  • 23. Da Psicologia e do Direito à Psicologia Jurídica Direito e Psicologia são duas disciplinas co-irmãs que nascem com o mesmo fim. Direito e Psicologia compartem o mesmo objeto de estudo: o homem e seu comportamento. Direito e Psicologia estão ambos destinados a servir o homem e a promover um mundo melhor. Podemos dizer, figurativa e expressivamente, que Direito e Psicologia estão “condenados” a dar as mãos.