SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
Baixar para ler offline
A FORMAÇÃO DA
BÍBLIA
www.bruno-cesar.com
INTRODUÇÃO
MATEUS 24:35: “CÉU E TERRA
PASSARÃO, MAS AS MINHAS
PALAVRAS NUNCA”.
COMO OS LIVROS DA BÍBLIA
FORAM ESCRITOS?
EM QUAIS MATERIAIS E
LÍNGUAS? QUEM OS
ESCREVEU?
QUEM DECIDIU QUAIS
LIVROS DEVERIAM COMPOR
A BÍBLIA? QUEM DEU A
ÚLTIMA PALAVRA?
PORQUE ESSES 66 LIVROS
ENTRARAM NA BÍBLIA,
ENQUANTO OUTROS NÃO
ENTRARAM?
QUAIS OS CRITÉRIOS
ESTABELECIDOS PARA QUE OS
LIVROS FIZESSEM PARTE DA
SELEÇÃO DE LIVROS
BÍBLICOS?
1) A PALAVRA DE DEUS
ESCRITA
“Haja Luz” – As primeiras
palavras
Deus falava diariamente
com o homem (Gênesis 3:8)
“Sabendo, primeiramente, isto:
que nenhuma profecia da Escritura
provém de particular elucidação;
porque nunca jamais qualquer
profecia foi dada por vontade
humana; entretanto, homens
[santos] falaram da parte de Deus,
movidos pelo Espírito Santo” (2
Pedro 1:20-21).
RAZÕES PARA ESCREVER AS
PALAVRAS DE DEUS
1) Para evitar o ocultismo – as
palavras que Deus disse não
são para ser examinadas
apenas por alguns, antes,
todos podem verificar se, de
fato, Deus disse aquilo.
2) Para a instrução das gerações
seguintes – em Israel os pais deveriam
ensinar os filhos (Dt 6:6-9) “E estas
palavras, que hoje te ordeno, estarão
no teu coração e as ensinarás a teus
filhos e delas falarás sentado em casa
e andando pelo caminho, ao deitar-te
e ao levantar-te. Também as amarrarás
como sinal na mão e como faixa na
testa; e as escreverás nos batentes da
tua casa e nas tuas portas”.
Uma geração deveria contar as
maravilhas de Deus à outra geração 6;
89:4; 102:18; 135:13; 145:4).
“A posteridade o servirá; a geração
futura ouvirá falar do SENHOR” (Sl
22:30).
“Não os encobriremos aos seus filhos,
contaremos às gerações vindouras
sobre os louvores do SENHOR, seu
poder e as maravilhas que tem feito”
“Para que a futura geração os
conhecesse, para que os filhos que
nasceriam se levantassem e os
contassem a seus filhos” (Sl 78:6).
“Estabelecerei tua descendência para
sempre e firmarei teu trono por todas
as gerações” (Sl 89:4).
“Escreva-se isso para a geração
futura, para que um povo que será
criado louve ao SENHOR” (Sl 102:18).
“Ó SENHOR, teu nome permanece
para sempre; e tua memória, SENHOR,
por todas as gerações” (Sl 135:13).
“Uma geração contará à outra das
tuas obras e anunciará os teus atos
poderosos” (Sl 145:4).
Na Igreja Deus colocou
pastores/mestres (Ef 4:11) para a
edificação do corpo. Esses são os
motivos principais pelos quais a
Palavra de Deus foi registrada, mas a
bíblia, uma vez escrita tem uma
quádrupla função, segundo ela mesma
testemunha em 2 Timóteo 3:16:
“ensinar, repreender, corrigir e instruir
em justiça”.
2) O ANTIGO TESTAMENTO
Deus revelou por meio de uma
voz direta aos homens. Assim
falou Ele aos patriarcas, a Moisés,
aos juízes de Israel, e a reis e
profetas. Às vezes essa voz de
Deus era audível como em 1
Samuel 3:1-21;
Outras vezes era acompanhada
por uma epifania ou aparição em
forma visível do Senhor, como em
Gênesis 18 ou Juízes 6 (mas
noutras ocasiões Deus também
falou por intermédio de um
mensageiro celestial que não era o
Senhor, como em Daniel 9:21-22,
de forma que nem sempre as
epifanias eram aparições divinas,
mas também podiam ser um anjo);
Contudo, na maioria das vezes, os
profetas que ouviram a voz de
Deus e escreveram a mensagem,
fizeram-no sem declarar se isso
lhes foi transmitido por visão, por
voz audível, ou por terem escrito
sem perceber o método pelo qual
o Espírito Santo inspirava as
Escrituras.
A REVELAÇÃO BÍBLICA É
PROGRESSIVA.
Deuteronômio 12:32: “Obedecerás
a tudo o que te ordeno. Nada
acrescentarás nem diminuirás”. E
quanto a Josué e seu livro?
“Assim diz o SENHOR” é o selo de
qualidade divina do Antigo
Testamento.
Os materiais utilizados para a
escrita do Antigo Testamento,
foram desde Pedras (Êx 31:18;
34:1, 4; Dt 4:13; 9:11; 10:3), a
couro de animais preparados
especialmente para esse fim. As
regras fixadas para a cópia desses
manuscritos eram bem rígidas,
vejamos algumas delas:
1) O pergaminho tinha de ser feito
da pele de animais
cerimonialmente limpos, e as
peles, costuradas umas à outras,
com cordões tirados de animais
limpos, era um trabalho que devia
ser feito por um judeu.
2) Cada coluna tinha de ter não
mais de sessenta linhas e não
menos de quarenta e oito.
3) A tinta, feita segundo fórmula
especial, era negra.
4) O escriba tinha que copiar de
um manuscrito autêntico e nunca
deveria escrever qualquer palavra
de memória.
5) Com reverência, tinha que
limpar sua pena antes de escrever
a palavra “Deus”, e era
absolutamente necessário banhar
todo o corpo antes de escrever a
palavra “Jeová” (Yavé - YHWH).
6) Havia regras escritas a respeito
da forma das letras, dos espaços
entre as letras, palavras e divisões,
a cor do pergaminho, o uso da
pena, etc.
7) O rolo tinha que ser revisado
dentro dos trinta dias seguintes
depois de terminado, ou ficaria
sem valor. Um erro condenava a
folha; três erros encontrados
numa folha só condenava todo o
manuscrito; por três palavras
escritas fora da linha, o todo era
rejeitado.
8) Cada palavra e cada letra eram
contadas, e se uma letra faltava ou
sobrava, ou se uma letra tocava
em outra, tudo era condenado e
queimado em seguida. E havia
ainda muitas outras regras.
O Antigo Testamento foi, quase
todo, escrito em hebraico. As
exceções são Daniel 2:4-7:28;
Esdras 4:8-6:18; 7:12-26; e
Jeremias 10:11, que foram escritas
em Aramaico, e, com uma simples
leitura das passagens fica claro o
porquê disso.
3) O NOVO TESTAMENTO
O texto do Novo Testamento foi
produzido num período de tempo
bem menor que o do A.T.,
enquanto aquele levou cerca de
1500 anos sendo escrito, desde
Gênesis a Malaquias, o N.T. levou
menos de 100 anos desde Tiago a
Apocalipse, cronologicamente.
O processo que envolveu a escrita
do N.T. também foi muito mais
simples, no que diz respeito às
cópias produzidas. Enquanto havia
uma série de regras para a cópia
de um livro do A.T. o N.T. foi
copiado por muitos cristãos e a
maioria deles não era copistas
profissionais, de acordo com a
necessidade de uma cópia.
Lembremos que a impressa só foi
inventada no século XV e nos
primeiros séculos uma cópia
custava muito caro.
Os apóstolos e pessoas ligadas
aos apóstolos escreveram o N.T. e
endereçaram cada livro ou carta a
uma comunidade específica,
podendo até mesmo pedir que
seus escritos fossem algo circular
entre as igrejas (Cl 4:16; Ap 2:1;
2:8; 2:12; 2:18; 3:1; 3:7; 3:14).
“Depois de lida entre vós, fazei
com que esta carta também seja
lida na igreja dos Laodicenses; e
procurai ler também a carta de
Laodiceia” (Cl 4:16).
Logo surgiram milhares de cópias
do texto do Novo Testamento, a
maioria com apenas algumas
passagens do mesmo, outras com
apenas os 4 evangelhos, algumas
com as cartas paulinas, cartas
joaninas apenas, e etc. De modo
que hoje em dia já foram
encontrados mais de 24.000
manuscritos do Novo Testamento,
... incluindo as línguas grega,
armênia, latina, georgiana, gótica
e árabe, sendo mais de 5.700 só
em grego. Aliás o grego coinê, isto
é, comum, o grego falado pelo
povo, foi a língua que Deus quis
que o N.T. fosse escrito
originalmente.
Diante disso podemos até nos
perguntar: “se Deus quis que sua
Palavra ficasse registrada para nós
na língua que as pessoas comuns
falavam, por que há tanta gente
querendo falar da bíblia de uma
maneira tão complicada hoje?”. Ao
todo o N.T. foi citado, nos
primeiros séculos, mais de 1
milhão de vezes. Sua
4) O CÂNON BÍBLICO
Quem, enfim, determinou quais
livros passariam a fazer parte da
bíblia? Foi Deus. E Ele o fez por
meio da aceitação dos livros por
ele inspirados na Igreja. O uso dos
livros bíblicos no mundo todo
(catolicidade), a autoridade de um
apóstolo a alguém ligado a eles ...
... (apostolicidade), e a sã doutrina
ali presente, foram as características
presentes nos livros inspirados por
Deus. A Igreja não determinou, por
assim dizer, quais livros fariam
parte da bíblia, antes, a Igreja
reconheceu e recebeu os livros de
Deus. Não foi nenhum concílio ou
mesmo o imperador Constantino,
como dizem céticos ignorantes,
Usamos a palavra “cânon” para se
referir à “coleção de livros que
formam a bíblia”. Originalmente a
palavra cânon significava uma regra
ou vara de medir, e figurativamente
fala dos livros bíblicos, que estão de
acordo com as regras de Deus para
serem recebidos pelo povo de ...
... Deus como Sua santa Palavra. O
cânon do Antigo Testamento
repousa, sobretudo no selo “Assim
diz o SENHOR” já o cânon do N.T. foi
estabelecido após um herege
chamado Marcião ter elaborado o
seu próprio cânon com apenas 11
livros, sendo 10 das cartas de Paulo
e o Evangelho de Lucas, ainda assim
muito editado.
As listas de livros Canônicos foram
muitas até que no ano 367 d. C. o
bispo Atanásio escreveu a primeira
relação de livros canônicos que
temos notícia, com os 27 livros do
N.T. e na ordem que conhecemos.
Isso só mostrava que a Igreja de
Deus já havia adotado, há muito
tempo, os livros que conhecemos
hoje como Novo Testamento.
CONCLUSÃO
A Bíblia é a Palavra de Deus
inspirada pelo Espírito Santo e
usada por Jesus Cristo para a
transformação do homem que
crê. Não há motivos racionais
para que duvidemos da
veracidade da Bíblia. Deus é
quem vela para cumprir Sua
Palavra.
Cada vez que lemos uma passagem bíblica, em
oração, podemos nos perguntar:
Há um exemplo a ser seguido?
Há um pecado a se evitar?
Há uma promessa a se apossar?
Há uma oração a se repetir?
Há um mandamento a se obedecer?
Há uma condição a se atender?
Há um versículo a memorizar?
Há um erro a se notar?
Há um desafio a se enfrentar?
REFERÊNCIAS
BÍBLIA. Bíblia Sagrada Almeida Século 21. Traduzida em Português por João Ferreira de
Almeida. 2 ed. Revisada e atualizada com o novo acordo ortográfico. São Paulo: Vida
Nova, 2010.
BRUCE, F. F. O Cânon das escrituras. São Paulo: Hagnos, 2011.
______. Merece confiança o novo testamento? 3 ed. São Paulo: Vida Nova, 2012.
COSTA, Hermisten Maia Pereira da. A Inspiração e inerrância das escrituras: uma
perspectiva reformada. São Paulo: Cultura Cristã, 1998.
GEISLER, Norman. E NIX, William. Introdução bíblica: como a bíblia chegou até nós. São
Paulo: vida, 2006.
GRUDEM, Wayne, COLLINS, C. John, Et alli. Origem, confiabilidade e significado da bíblia.
São Paulo: Vida Nova, 2013.
HENDRICKS, Howard e HENDRICKS, William. Vivendo na Palavra. São Paulo: Batista
Regular, 2010.
Manual do seminário de ciências bíblicas. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2008.
TURNER, Donald D. Introdução ao velho testamento. São Paulo: Batista Regular, 2004.
ACESSE O SITE WWW.BRUNO-
CESAR.COM
FACEBOOK.COM/BRUNOCESARTE
OLOGIA
Em breve Cursos Bíblicos e
Teológicos Online pelo site
www.bruno-cesar.com

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros ApócrifosViva a Igreja
 
Os Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutórioOs Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutórioViva a Igreja
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamentofaculdadeteologica
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.RODRIGO FERREIRA
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoÉder Tomé
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus ipbmorrinhos
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasErivelton Rodrigues Nunes
 
(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíblia(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíbliaGlauciaSlides
 
A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo André Rocha
 

Mais procurados (20)

O pentateuco
O pentateucoO pentateuco
O pentateuco
 
Os livros Apócrifos
Os livros ApócrifosOs livros Apócrifos
Os livros Apócrifos
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Apostila de bibliologia
Apostila de bibliologiaApostila de bibliologia
Apostila de bibliologia
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
Os Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutórioOs Profetas Maiores: estudo introdutório
Os Profetas Maiores: estudo introdutório
 
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo TestamentoDisciplina de Teologia do Novo Testamento
Disciplina de Teologia do Novo Testamento
 
hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.hamartiologia - Doutrina do pecado.
hamartiologia - Doutrina do pecado.
 
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de CristoLição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
Lição 1 - A Carta aos Hebreus e a Excelência de Cristo
 
A Doutrina das Escrituras
A Doutrina das EscriturasA Doutrina das Escrituras
A Doutrina das Escrituras
 
Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus Introdução à Carta aos Hebreus
Introdução à Carta aos Hebreus
 
Introdução bíblica
Introdução bíblicaIntrodução bíblica
Introdução bíblica
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíblia(01) apresentação aula 1 a bíblia
(01) apresentação aula 1 a bíblia
 
Estudo biblia
Estudo bibliaEstudo biblia
Estudo biblia
 
Doutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicasDoutrinas bíblicas
Doutrinas bíblicas
 
Síntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento ISíntese do novo testamento I
Síntese do novo testamento I
 
A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo A doutrina do espírito santo
A doutrina do espírito santo
 

Destaque

O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Origem e formação da bíblia
Origem e formação da bíbliaOrigem e formação da bíblia
Origem e formação da bíblialuciano campos
 
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIAFORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIAWebExecutivo1
 
História da formação do novo testamento
História da formação do novo testamentoHistória da formação do novo testamento
História da formação do novo testamentoanaccc2013
 
0 a bíblia
0 a bíblia0 a bíblia
0 a bíbliaPib Penha
 

Destaque (20)

A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
 
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
 
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
 
Estrutura interna da bíblia
Estrutura interna da bíbliaEstrutura interna da bíblia
Estrutura interna da bíblia
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
 
Novo testamento
Novo testamentoNovo testamento
Novo testamento
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 
Origem e formação da bíblia
Origem e formação da bíbliaOrigem e formação da bíblia
Origem e formação da bíblia
 
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIAFORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
FORMAÇÃO SOBRE A BÍBLIA
 
História da formação do novo testamento
História da formação do novo testamentoHistória da formação do novo testamento
História da formação do novo testamento
 
0 a bíblia
0 a bíblia0 a bíblia
0 a bíblia
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
 
1ª palestra a comunhão na trindade
1ª palestra  a comunhão na trindade1ª palestra  a comunhão na trindade
1ª palestra a comunhão na trindade
 
2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade
2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade
2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade
 
3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade
3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade
3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade
 

Semelhante a A formação da bíblia

4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01Joel de Oliveira
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01Joel Silva
 
aula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptxaula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptxMissoBetel
 
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completoIntrodução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completoFrancelia Carvalho Oliveira
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaMarcos Aurélio
 
A bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoA bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoErberson Pinheiro
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoViva a Igreja
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPTMárcio Azevedo
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPTMárcio Azevedo
 
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontroTEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontroEmanuel Costa
 
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptxIBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptxRubens Sohn
 
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13GersonPrates
 

Semelhante a A formação da bíblia (20)

4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
 
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 014º trimestre 2015 adolescentes lição 01
4º trimestre 2015 adolescentes lição 01
 
aula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptxaula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptx
 
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completoIntrodução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
Introdução ao Estudo do Antigo Testamento - completo
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
 
A bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósitoA bíblia: origem e propósito
A bíblia: origem e propósito
 
A Historicidade da Bíblia
A Historicidade da BíbliaA Historicidade da Bíblia
A Historicidade da Bíblia
 
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo TestamentoApostila de Introdução ao Antigo Testamento
Apostila de Introdução ao Antigo Testamento
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS.PPT
 
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
29052014060457BIBLIA___CURSO_DE_FORMACAO_DOS_MINISTROS (1).PPT
 
Slides panorama do velho testamento 2
Slides   panorama do velho testamento 2Slides   panorama do velho testamento 2
Slides panorama do velho testamento 2
 
Dia da bíblia
Dia da bíbliaDia da bíblia
Dia da bíblia
 
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontroTEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
TEMA BIBLIA para crisma 2° encontro
 
Apostilavidanova
ApostilavidanovaApostilavidanova
Apostilavidanova
 
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptxIBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptx
IBADEP - BIBLIOLOGIA AULA 1.pptx
 
1 - BIBLIOLOGIA.doc
1 -  BIBLIOLOGIA.doc1 -  BIBLIOLOGIA.doc
1 - BIBLIOLOGIA.doc
 
Biblia
BibliaBiblia
Biblia
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
 
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa (14)

Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
 
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
 
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Hare krishna
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
 
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
 

Último

Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 

Último (20)

Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 

A formação da bíblia

  • 2. INTRODUÇÃO MATEUS 24:35: “CÉU E TERRA PASSARÃO, MAS AS MINHAS PALAVRAS NUNCA”.
  • 3. COMO OS LIVROS DA BÍBLIA FORAM ESCRITOS? EM QUAIS MATERIAIS E LÍNGUAS? QUEM OS ESCREVEU? QUEM DECIDIU QUAIS LIVROS DEVERIAM COMPOR A BÍBLIA? QUEM DEU A ÚLTIMA PALAVRA?
  • 4. PORQUE ESSES 66 LIVROS ENTRARAM NA BÍBLIA, ENQUANTO OUTROS NÃO ENTRARAM? QUAIS OS CRITÉRIOS ESTABELECIDOS PARA QUE OS LIVROS FIZESSEM PARTE DA SELEÇÃO DE LIVROS BÍBLICOS?
  • 5. 1) A PALAVRA DE DEUS ESCRITA “Haja Luz” – As primeiras palavras Deus falava diariamente com o homem (Gênesis 3:8)
  • 6. “Sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (2 Pedro 1:20-21).
  • 7. RAZÕES PARA ESCREVER AS PALAVRAS DE DEUS 1) Para evitar o ocultismo – as palavras que Deus disse não são para ser examinadas apenas por alguns, antes, todos podem verificar se, de fato, Deus disse aquilo.
  • 8. 2) Para a instrução das gerações seguintes – em Israel os pais deveriam ensinar os filhos (Dt 6:6-9) “E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração e as ensinarás a teus filhos e delas falarás sentado em casa e andando pelo caminho, ao deitar-te e ao levantar-te. Também as amarrarás como sinal na mão e como faixa na testa; e as escreverás nos batentes da tua casa e nas tuas portas”.
  • 9. Uma geração deveria contar as maravilhas de Deus à outra geração 6; 89:4; 102:18; 135:13; 145:4). “A posteridade o servirá; a geração futura ouvirá falar do SENHOR” (Sl 22:30). “Não os encobriremos aos seus filhos, contaremos às gerações vindouras sobre os louvores do SENHOR, seu poder e as maravilhas que tem feito”
  • 10. “Para que a futura geração os conhecesse, para que os filhos que nasceriam se levantassem e os contassem a seus filhos” (Sl 78:6). “Estabelecerei tua descendência para sempre e firmarei teu trono por todas as gerações” (Sl 89:4).
  • 11. “Escreva-se isso para a geração futura, para que um povo que será criado louve ao SENHOR” (Sl 102:18). “Ó SENHOR, teu nome permanece para sempre; e tua memória, SENHOR, por todas as gerações” (Sl 135:13). “Uma geração contará à outra das tuas obras e anunciará os teus atos poderosos” (Sl 145:4).
  • 12. Na Igreja Deus colocou pastores/mestres (Ef 4:11) para a edificação do corpo. Esses são os motivos principais pelos quais a Palavra de Deus foi registrada, mas a bíblia, uma vez escrita tem uma quádrupla função, segundo ela mesma testemunha em 2 Timóteo 3:16: “ensinar, repreender, corrigir e instruir em justiça”.
  • 13. 2) O ANTIGO TESTAMENTO Deus revelou por meio de uma voz direta aos homens. Assim falou Ele aos patriarcas, a Moisés, aos juízes de Israel, e a reis e profetas. Às vezes essa voz de Deus era audível como em 1 Samuel 3:1-21;
  • 14. Outras vezes era acompanhada por uma epifania ou aparição em forma visível do Senhor, como em Gênesis 18 ou Juízes 6 (mas noutras ocasiões Deus também falou por intermédio de um mensageiro celestial que não era o Senhor, como em Daniel 9:21-22, de forma que nem sempre as epifanias eram aparições divinas, mas também podiam ser um anjo);
  • 15. Contudo, na maioria das vezes, os profetas que ouviram a voz de Deus e escreveram a mensagem, fizeram-no sem declarar se isso lhes foi transmitido por visão, por voz audível, ou por terem escrito sem perceber o método pelo qual o Espírito Santo inspirava as Escrituras.
  • 16. A REVELAÇÃO BÍBLICA É PROGRESSIVA. Deuteronômio 12:32: “Obedecerás a tudo o que te ordeno. Nada acrescentarás nem diminuirás”. E quanto a Josué e seu livro? “Assim diz o SENHOR” é o selo de qualidade divina do Antigo Testamento.
  • 17. Os materiais utilizados para a escrita do Antigo Testamento, foram desde Pedras (Êx 31:18; 34:1, 4; Dt 4:13; 9:11; 10:3), a couro de animais preparados especialmente para esse fim. As regras fixadas para a cópia desses manuscritos eram bem rígidas, vejamos algumas delas:
  • 18. 1) O pergaminho tinha de ser feito da pele de animais cerimonialmente limpos, e as peles, costuradas umas à outras, com cordões tirados de animais limpos, era um trabalho que devia ser feito por um judeu.
  • 19. 2) Cada coluna tinha de ter não mais de sessenta linhas e não menos de quarenta e oito. 3) A tinta, feita segundo fórmula especial, era negra.
  • 20. 4) O escriba tinha que copiar de um manuscrito autêntico e nunca deveria escrever qualquer palavra de memória. 5) Com reverência, tinha que limpar sua pena antes de escrever a palavra “Deus”, e era absolutamente necessário banhar todo o corpo antes de escrever a palavra “Jeová” (Yavé - YHWH).
  • 21. 6) Havia regras escritas a respeito da forma das letras, dos espaços entre as letras, palavras e divisões, a cor do pergaminho, o uso da pena, etc.
  • 22. 7) O rolo tinha que ser revisado dentro dos trinta dias seguintes depois de terminado, ou ficaria sem valor. Um erro condenava a folha; três erros encontrados numa folha só condenava todo o manuscrito; por três palavras escritas fora da linha, o todo era rejeitado.
  • 23. 8) Cada palavra e cada letra eram contadas, e se uma letra faltava ou sobrava, ou se uma letra tocava em outra, tudo era condenado e queimado em seguida. E havia ainda muitas outras regras.
  • 24. O Antigo Testamento foi, quase todo, escrito em hebraico. As exceções são Daniel 2:4-7:28; Esdras 4:8-6:18; 7:12-26; e Jeremias 10:11, que foram escritas em Aramaico, e, com uma simples leitura das passagens fica claro o porquê disso.
  • 25. 3) O NOVO TESTAMENTO O texto do Novo Testamento foi produzido num período de tempo bem menor que o do A.T., enquanto aquele levou cerca de 1500 anos sendo escrito, desde Gênesis a Malaquias, o N.T. levou menos de 100 anos desde Tiago a Apocalipse, cronologicamente.
  • 26. O processo que envolveu a escrita do N.T. também foi muito mais simples, no que diz respeito às cópias produzidas. Enquanto havia uma série de regras para a cópia de um livro do A.T. o N.T. foi copiado por muitos cristãos e a maioria deles não era copistas profissionais, de acordo com a necessidade de uma cópia.
  • 27. Lembremos que a impressa só foi inventada no século XV e nos primeiros séculos uma cópia custava muito caro.
  • 28. Os apóstolos e pessoas ligadas aos apóstolos escreveram o N.T. e endereçaram cada livro ou carta a uma comunidade específica, podendo até mesmo pedir que seus escritos fossem algo circular entre as igrejas (Cl 4:16; Ap 2:1; 2:8; 2:12; 2:18; 3:1; 3:7; 3:14).
  • 29. “Depois de lida entre vós, fazei com que esta carta também seja lida na igreja dos Laodicenses; e procurai ler também a carta de Laodiceia” (Cl 4:16).
  • 30. Logo surgiram milhares de cópias do texto do Novo Testamento, a maioria com apenas algumas passagens do mesmo, outras com apenas os 4 evangelhos, algumas com as cartas paulinas, cartas joaninas apenas, e etc. De modo que hoje em dia já foram encontrados mais de 24.000 manuscritos do Novo Testamento,
  • 31. ... incluindo as línguas grega, armênia, latina, georgiana, gótica e árabe, sendo mais de 5.700 só em grego. Aliás o grego coinê, isto é, comum, o grego falado pelo povo, foi a língua que Deus quis que o N.T. fosse escrito originalmente.
  • 32. Diante disso podemos até nos perguntar: “se Deus quis que sua Palavra ficasse registrada para nós na língua que as pessoas comuns falavam, por que há tanta gente querendo falar da bíblia de uma maneira tão complicada hoje?”. Ao todo o N.T. foi citado, nos primeiros séculos, mais de 1 milhão de vezes. Sua
  • 33. 4) O CÂNON BÍBLICO Quem, enfim, determinou quais livros passariam a fazer parte da bíblia? Foi Deus. E Ele o fez por meio da aceitação dos livros por ele inspirados na Igreja. O uso dos livros bíblicos no mundo todo (catolicidade), a autoridade de um apóstolo a alguém ligado a eles ...
  • 34. ... (apostolicidade), e a sã doutrina ali presente, foram as características presentes nos livros inspirados por Deus. A Igreja não determinou, por assim dizer, quais livros fariam parte da bíblia, antes, a Igreja reconheceu e recebeu os livros de Deus. Não foi nenhum concílio ou mesmo o imperador Constantino, como dizem céticos ignorantes,
  • 35. Usamos a palavra “cânon” para se referir à “coleção de livros que formam a bíblia”. Originalmente a palavra cânon significava uma regra ou vara de medir, e figurativamente fala dos livros bíblicos, que estão de acordo com as regras de Deus para serem recebidos pelo povo de ...
  • 36. ... Deus como Sua santa Palavra. O cânon do Antigo Testamento repousa, sobretudo no selo “Assim diz o SENHOR” já o cânon do N.T. foi estabelecido após um herege chamado Marcião ter elaborado o seu próprio cânon com apenas 11 livros, sendo 10 das cartas de Paulo e o Evangelho de Lucas, ainda assim muito editado.
  • 37. As listas de livros Canônicos foram muitas até que no ano 367 d. C. o bispo Atanásio escreveu a primeira relação de livros canônicos que temos notícia, com os 27 livros do N.T. e na ordem que conhecemos. Isso só mostrava que a Igreja de Deus já havia adotado, há muito tempo, os livros que conhecemos hoje como Novo Testamento.
  • 38. CONCLUSÃO A Bíblia é a Palavra de Deus inspirada pelo Espírito Santo e usada por Jesus Cristo para a transformação do homem que crê. Não há motivos racionais para que duvidemos da veracidade da Bíblia. Deus é quem vela para cumprir Sua Palavra.
  • 39. Cada vez que lemos uma passagem bíblica, em oração, podemos nos perguntar: Há um exemplo a ser seguido? Há um pecado a se evitar? Há uma promessa a se apossar? Há uma oração a se repetir? Há um mandamento a se obedecer? Há uma condição a se atender? Há um versículo a memorizar? Há um erro a se notar? Há um desafio a se enfrentar?
  • 40. REFERÊNCIAS BÍBLIA. Bíblia Sagrada Almeida Século 21. Traduzida em Português por João Ferreira de Almeida. 2 ed. Revisada e atualizada com o novo acordo ortográfico. São Paulo: Vida Nova, 2010. BRUCE, F. F. O Cânon das escrituras. São Paulo: Hagnos, 2011. ______. Merece confiança o novo testamento? 3 ed. São Paulo: Vida Nova, 2012. COSTA, Hermisten Maia Pereira da. A Inspiração e inerrância das escrituras: uma perspectiva reformada. São Paulo: Cultura Cristã, 1998. GEISLER, Norman. E NIX, William. Introdução bíblica: como a bíblia chegou até nós. São Paulo: vida, 2006. GRUDEM, Wayne, COLLINS, C. John, Et alli. Origem, confiabilidade e significado da bíblia. São Paulo: Vida Nova, 2013. HENDRICKS, Howard e HENDRICKS, William. Vivendo na Palavra. São Paulo: Batista Regular, 2010. Manual do seminário de ciências bíblicas. Barueri: Sociedade Bíblica do Brasil, 2008. TURNER, Donald D. Introdução ao velho testamento. São Paulo: Batista Regular, 2004.
  • 41. ACESSE O SITE WWW.BRUNO- CESAR.COM FACEBOOK.COM/BRUNOCESARTE OLOGIA
  • 42.
  • 43. Em breve Cursos Bíblicos e Teológicos Online pelo site www.bruno-cesar.com