SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
 “Um entendimento dos pressupostos de
outros métodos proporciona uma perspectiva
mais equilibrada e uma capacidade para um
diálogo mais significativo com os que creem
de modo diferente. Pela observação dos
erros dos que nos precederam, podemos
conscientizar-nos mais dos possíveis perigos
quando somos tentados de maneira
semelhante [...] Além do mais, à medida que
estudamos a história da interpretação, vamos
vendo que muitos dos grandes cristãos (e.g.,
Orígenes, Agostinho, Lutero) entenderam e
receitaram princípios hermenêuticos ...
 melhores do que os que praticaram. Daí a
advertência de que o conhecimento de um
princípio necessita, também, de fazer-se
acompanhar da sua aplicação ao nosso
estudo da Palavra” (VIRKLER, Henry A. Hermenêutica
Avançada. São Paulo: Vida. 1999. pp. 35-36).
 1) JUDEUS PALESTINOS – Estes tinham um
respeito profundo pela Bíblia como a Palavra
infalível de Deus. Consideravam até mesmo
as letras como sagradas, e seus copistas
tinham o hábito de contá-las com receio de
que alguma delas se perdesse na transcrição.
Ao mesmo tempo, estimavam muito mais a
Lei do que os Profetas e Escritos Sagrados.
Consequentemente, a interpretação da Lei
era seu grande objetivo. Faziam uma
distinção cuidadosa entre o mero sentido
literal da Bíblia (tecnicamente chamado
peshat) e sua exposição exegética (midrash).
 Num sentido amplo, a literatura midrash
pode ser dividida em duas categorias:
 a) interpretações de caráter legal, que lidam
com assuntos de lei que impõe obrigações
num sentido legalista (halakhah), e
 b) interpretações de uma tendência mais
edificante e livre, que cobrem todas as
partes não-legalistas da Escritura
(haggadah).
 A última é mais homilética e ilustrativa do
que exegética.
 Uma das grandes fraquezas da interpretação
dos escribas se deve ao fato de ela exaltar a
Lei Oral, a qual, em última análise, é
idêntica às inferências dos rabinos, como um
suporte necessário da Lei Escrita e que, no
final, era usada como meio para pôr a Lei
Escrita de lado. Isso deu origem a todos os
métodos de interpretação arbitrários.
Observe o veredicto de Cristo em Marcos
7:13: “invalidando a palavra de Deus pela
vossa própria tradição, que vós mesmos
transmitistes; e fazeis muitas outras coisas
semelhantes”.
 2) JUDEUS ALEXANDRINOS – Sua interpretação
era determinada mais ou menos pela filosofia de
Alexandria. Adotavam o princípio fundamental
de Platão de que não se deveria acreditar em
nada que fosse indigno de Deus. E sempre que
encontravam coisas no Antigo Testamento que
não estavam de acordo com a sua filosofia e que
ofendiam o seu censo de adequação, se valiam
das interpretações alegóricas. Filo foi o grande
mestre, entre os judeus, desse método de
interpretação. Ele não rejeitou completamente
o sentido literal da Escritura, mas o considerou
como uma concessão aos fracos. Para ele, o
sentido literal era meramente um símbolo de
coisas muito mais profundas.
 O significado escondido das Escrituras era o
que tinha grande importância. Ele, também,
nos deixou alguns princípios de interpretação.
“Negativamente, ele diz que o sentido literal
deve ser excluído quando qualquer coisa dita
for indigna de Deus; - quando então uma
contradição estaria envolvida; - e quando a
própria Escritura alegoriza. Positivamente, o
texto deve ser alegorizado quando as
expressões forem dúbias; quando palavras
supérfluas forem usadas; quando houver uma
repetição de fatos já conhecidos;
 quando uma expressão for variada; quando
houver o emprego de sinônimos; quando um
jogo de palavras for possível em qualquer
uma de suas variedades; quando as palavras
admitirem uma pequena alteração; quando a
expressão for rara; quando houver coisa
anormal; no número ou tempo verbal”. Essas
regras, naturalmente, abrem caminho para
todos os tipos de más interpretações.
 3) JUDEUS CARAÍTAS (SEGUIDORES DAS
ESCRITURAS) – Esta seita, denominada por
Steve Farrar como os “protestantes do
judaísmo”, foi fundada por Anan ben David
por volta do ano 800 d. C. Tendo em vista
suas características fundamentais dos
saduceus. A bíblia menciona os saduceus por
14 vezes. Sobre esse grupo religioso judaico
sabemos que: “Pois os saduceus declaram
não haver ressurreição, nem anjo, nem
espírito; ao passo que os fariseus admitem
todas essas coisas” (At 23:8). Os caraítas
representam um protesto contra o rabinísmo
que foi praticamente influenciado pelo
maometismo.
 O nome “caraíta” também significa “filhos da
leitura”. Eram assim chamados porque seu
princípio fundamental era considerar a Escritura
como uma autoridade única em matéria de fé.
Isso significava, de um lado, uma
desconsideração da tradição oral e da
intepretação rabínica e, de outro, um estudo
novo e cuidadoso do texto da Escritura. A fim de
refutá-los, os rabinos se incumbiram de um
estudo similar e o resultado
desse conflito literário foi o texto
massorético. Sua exegese era,
de modo geral, muito mais sadia
do que a dos judeus palestinos ou
alexandrinos.
 4) JUDEUS CABALÍSTAS – O movimento
cabalista do século XII teve uma natureza
bem diferente. Ele realmente apresenta uma
“reductio ad absurdum (redução ao
absurdo)” do método de interpretação usado
pelos judeus da Palestina, embora também
usasse o método alegórico dos judeus
alexandrinos. Precederam na suposição de
que todo o Massorah, mesmo os versos,
palavras, letras, sinais de vogais e acentos,
foram dados a Moisés no Monte Sinai; e que
os números das letras, cada uma delas, a
transposição, a substituição, tinham um
poder especial e até mesmo sobrenatural”.
 Na sua tentativa de desvendar os mistérios
divinos, valeriam dos seguintes métodos:
 A) GEMATRIA, de acordo com a qual podiam
substituir uma palavra bíblica dada por outra
que tivesse o mesmo valor numérico;
 B) NOTARIKON, que consistia em formar
palavras pela combinação das letras iniciais e
finais, ou considerando cada letra de uma
palavra como letra inicial de outras palavras;
 C) TEMOORAH, que denotava um método de
criar novos significados pela permuta de
letras.
 Um olhar para o passado pode e deve nos
orientar com relação à correta interpretação
bíblica.
 Olharemos agora questões pertinentes a
“Como os cristãos dos primeiros séculos
interpretavam as Escrituras?”
 Praticamente todo o conteúdo desses slides
são da excelente obra:
 BERKHOF, Louis. Princípios de Interpretação
Bíblica. São Paulo: Cultura Cristã, 2000. pp.
16.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêuticaRODRIGO FERREIRA
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraGesiel Oliveira
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de BibliologiaSergio Silva
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhosAndré Rocha
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaMarcos Aurélio
 
01 - Hermeneutica bíblica
01 - Hermeneutica bíblica01 - Hermeneutica bíblica
01 - Hermeneutica bíblicaJosé Santos
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeÉder Tomé
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTRicardo Gondim
 
Panorama do AT - Provérbios
Panorama do AT - ProvérbiosPanorama do AT - Provérbios
Panorama do AT - ProvérbiosRespirando Deus
 
Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar Paulo Ferreira
 
2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdf
2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdf2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdf
2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdfWaldianaDeSouza
 

Mais procurados (20)

hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêuticahermenêutica aula 01 -  regras basicas da hermenêutica
hermenêutica aula 01 - regras basicas da hermenêutica
 
Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica Hermenêutica Bíblica
Hermenêutica Bíblica
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 01 - BÁSICO - IBADEP)
 
Curso de Bibliologia
Curso de BibliologiaCurso de Bibliologia
Curso de Bibliologia
 
Cristologia aula03
Cristologia aula03Cristologia aula03
Cristologia aula03
 
Estudos os evangelhos
Estudos os evangelhosEstudos os evangelhos
Estudos os evangelhos
 
29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías29. O profeta Isaías
29. O profeta Isaías
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
 
01 - Hermeneutica bíblica
01 - Hermeneutica bíblica01 - Hermeneutica bíblica
01 - Hermeneutica bíblica
 
Aula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completaAula hermenêutica completa
Aula hermenêutica completa
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
 
Hermenêutica
HermenêuticaHermenêutica
Hermenêutica
 
Introdução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NTIntrodução ao Estudo do NT
Introdução ao Estudo do NT
 
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 02-1 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 02-1 - BÁSICO - IBADEP)GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 02-1 - BÁSICO - IBADEP)
GEOGRAFIA BÍBLICA (AULA 02-1 - BÁSICO - IBADEP)
 
Panorama do AT - Provérbios
Panorama do AT - ProvérbiosPanorama do AT - Provérbios
Panorama do AT - Provérbios
 
Homilética arte de pregar
Homilética   arte de pregar Homilética   arte de pregar
Homilética arte de pregar
 
Panorama do AT - Salmos
Panorama do AT - SalmosPanorama do AT - Salmos
Panorama do AT - Salmos
 
2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdf
2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdf2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdf
2 PEDRO E JUDAS Hernandes dias Lopes -.pdf
 
Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01Bibliologia - Introdução - Aula 01
Bibliologia - Introdução - Aula 01
 

Destaque

As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPastor W. Costa
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutóriaibpcursos
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4Bruno Cesar Santos de Sousa
 
03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegóricaDiego Fortunatto
 
Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica idenilsonlemes
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretaçãoIago Rodrigues
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do DireitoFabiana Del Padre Tomé
 

Destaque (20)

As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
 
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
 
Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1Hermenêutica Parte 1
Hermenêutica Parte 1
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
 
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
 
03 a interpretação literal e a alegórica
03   a interpretação literal e a alegórica03   a interpretação literal e a alegórica
03 a interpretação literal e a alegórica
 
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silvaIntrodução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
 
Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica i
 
Curso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizadoCurso de hermeneutica 1 atualizado
Curso de hermeneutica 1 atualizado
 
Hermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblicaHermeneutica bíblica
Hermeneutica bíblica
 
Aula 9 regras gerais da interpretação
Aula 9   regras gerais da interpretaçãoAula 9   regras gerais da interpretação
Aula 9 regras gerais da interpretação
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
 
A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
 

Semelhante a Métodos de interpretação bíblica na história

As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptxAs Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptxbpclaudio11
 
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert LockyerTodas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyerjesusnaveia
 
Herbert lockyer todas as parábolas da bíblia
Herbert lockyer   todas as parábolas da bíbliaHerbert lockyer   todas as parábolas da bíblia
Herbert lockyer todas as parábolas da bíbliaRodolfo Neves
 
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_IIILivro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_IIIPatricia Farias
 
Os essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismoOs essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismoV.X. Carmo
 
Cabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdf
Cabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdfCabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdf
Cabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdfVIEIRA RESENDE
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaArturAMF
 
Jesus o os saduceus
Jesus o os saduceusJesus o os saduceus
Jesus o os saduceusHelio Cruz
 
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e HistóricoA Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e HistóricoGustavo Zimmermann
 
Slides yehoshua - o nome sagrado
Slides   yehoshua - o nome sagradoSlides   yehoshua - o nome sagrado
Slides yehoshua - o nome sagradoAbdias Barreto
 
II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita Patricia Farias
 
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert LockyerTodas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert LockyerArão Zuconelli
 
5º módulo 4ª aula
5º módulo   4ª aula5º módulo   4ª aula
5º módulo 4ª aulaJoel Silva
 

Semelhante a Métodos de interpretação bíblica na história (20)

As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptxAs Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
As Seitas Judaicas e o Sin+®drio nos tempos de Jesus.pptx
 
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert LockyerTodas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
Todas as parábolas da bíblia - Herbert Lockyer
 
Herbert lockyer todas as parábolas da bíblia
Herbert lockyer   todas as parábolas da bíbliaHerbert lockyer   todas as parábolas da bíblia
Herbert lockyer todas as parábolas da bíblia
 
A Doutrina das Escrituras
A Doutrina das EscriturasA Doutrina das Escrituras
A Doutrina das Escrituras
 
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_IIILivro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
Livro dos Espiritos Q406 e ESE Introdução_III
 
Os essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismoOs essênios e o cristianismo
Os essênios e o cristianismo
 
Cabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdf
Cabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdfCabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdf
Cabala -A Tradição Esotérica do Ocidente (F. V. Lorenz).pdf
 
Hermeneutica biblica
Hermeneutica biblicaHermeneutica biblica
Hermeneutica biblica
 
Jesus o os saduceus
Jesus o os saduceusJesus o os saduceus
Jesus o os saduceus
 
Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3Religioes mundiais aula 3
Religioes mundiais aula 3
 
Beviláqua, Clovis Juristas Philosophos
Beviláqua, Clovis   Juristas PhilosophosBeviláqua, Clovis   Juristas Philosophos
Beviláqua, Clovis Juristas Philosophos
 
Princípios gerais
Princípios geraisPrincípios gerais
Princípios gerais
 
ESCATOLOGIA AULA 5 (1).ppt
ESCATOLOGIA AULA 5 (1).pptESCATOLOGIA AULA 5 (1).ppt
ESCATOLOGIA AULA 5 (1).ppt
 
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e HistóricoA Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
A Bíblia (Aula 9): Livros Bibliográficos e Histórico
 
Slides yehoshua - o nome sagrado
Slides   yehoshua - o nome sagradoSlides   yehoshua - o nome sagrado
Slides yehoshua - o nome sagrado
 
II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita II – Autoridade da Doutrina Espírita
II – Autoridade da Doutrina Espírita
 
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert LockyerTodas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
Todas as Parábolas da Bíblia - Herbert Lockyer
 
STNB-NT1-M2
STNB-NT1-M2STNB-NT1-M2
STNB-NT1-M2
 
5º módulo 4ª aula
5º módulo   4ª aula5º módulo   4ª aula
5º módulo 4ª aula
 
O talmude
O talmudeO talmude
O talmude
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa (17)

Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
 
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
 
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Hare krishna
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 

Métodos de interpretação bíblica na história

  • 2.  “Um entendimento dos pressupostos de outros métodos proporciona uma perspectiva mais equilibrada e uma capacidade para um diálogo mais significativo com os que creem de modo diferente. Pela observação dos erros dos que nos precederam, podemos conscientizar-nos mais dos possíveis perigos quando somos tentados de maneira semelhante [...] Além do mais, à medida que estudamos a história da interpretação, vamos vendo que muitos dos grandes cristãos (e.g., Orígenes, Agostinho, Lutero) entenderam e receitaram princípios hermenêuticos ...
  • 3.  melhores do que os que praticaram. Daí a advertência de que o conhecimento de um princípio necessita, também, de fazer-se acompanhar da sua aplicação ao nosso estudo da Palavra” (VIRKLER, Henry A. Hermenêutica Avançada. São Paulo: Vida. 1999. pp. 35-36).
  • 4.  1) JUDEUS PALESTINOS – Estes tinham um respeito profundo pela Bíblia como a Palavra infalível de Deus. Consideravam até mesmo as letras como sagradas, e seus copistas tinham o hábito de contá-las com receio de que alguma delas se perdesse na transcrição. Ao mesmo tempo, estimavam muito mais a Lei do que os Profetas e Escritos Sagrados. Consequentemente, a interpretação da Lei era seu grande objetivo. Faziam uma distinção cuidadosa entre o mero sentido literal da Bíblia (tecnicamente chamado peshat) e sua exposição exegética (midrash).
  • 5.  Num sentido amplo, a literatura midrash pode ser dividida em duas categorias:  a) interpretações de caráter legal, que lidam com assuntos de lei que impõe obrigações num sentido legalista (halakhah), e  b) interpretações de uma tendência mais edificante e livre, que cobrem todas as partes não-legalistas da Escritura (haggadah).  A última é mais homilética e ilustrativa do que exegética.
  • 6.  Uma das grandes fraquezas da interpretação dos escribas se deve ao fato de ela exaltar a Lei Oral, a qual, em última análise, é idêntica às inferências dos rabinos, como um suporte necessário da Lei Escrita e que, no final, era usada como meio para pôr a Lei Escrita de lado. Isso deu origem a todos os métodos de interpretação arbitrários. Observe o veredicto de Cristo em Marcos 7:13: “invalidando a palavra de Deus pela vossa própria tradição, que vós mesmos transmitistes; e fazeis muitas outras coisas semelhantes”.
  • 7.  2) JUDEUS ALEXANDRINOS – Sua interpretação era determinada mais ou menos pela filosofia de Alexandria. Adotavam o princípio fundamental de Platão de que não se deveria acreditar em nada que fosse indigno de Deus. E sempre que encontravam coisas no Antigo Testamento que não estavam de acordo com a sua filosofia e que ofendiam o seu censo de adequação, se valiam das interpretações alegóricas. Filo foi o grande mestre, entre os judeus, desse método de interpretação. Ele não rejeitou completamente o sentido literal da Escritura, mas o considerou como uma concessão aos fracos. Para ele, o sentido literal era meramente um símbolo de coisas muito mais profundas.
  • 8.  O significado escondido das Escrituras era o que tinha grande importância. Ele, também, nos deixou alguns princípios de interpretação. “Negativamente, ele diz que o sentido literal deve ser excluído quando qualquer coisa dita for indigna de Deus; - quando então uma contradição estaria envolvida; - e quando a própria Escritura alegoriza. Positivamente, o texto deve ser alegorizado quando as expressões forem dúbias; quando palavras supérfluas forem usadas; quando houver uma repetição de fatos já conhecidos;
  • 9.  quando uma expressão for variada; quando houver o emprego de sinônimos; quando um jogo de palavras for possível em qualquer uma de suas variedades; quando as palavras admitirem uma pequena alteração; quando a expressão for rara; quando houver coisa anormal; no número ou tempo verbal”. Essas regras, naturalmente, abrem caminho para todos os tipos de más interpretações.
  • 10.  3) JUDEUS CARAÍTAS (SEGUIDORES DAS ESCRITURAS) – Esta seita, denominada por Steve Farrar como os “protestantes do judaísmo”, foi fundada por Anan ben David por volta do ano 800 d. C. Tendo em vista suas características fundamentais dos saduceus. A bíblia menciona os saduceus por 14 vezes. Sobre esse grupo religioso judaico sabemos que: “Pois os saduceus declaram não haver ressurreição, nem anjo, nem espírito; ao passo que os fariseus admitem todas essas coisas” (At 23:8). Os caraítas representam um protesto contra o rabinísmo que foi praticamente influenciado pelo maometismo.
  • 11.  O nome “caraíta” também significa “filhos da leitura”. Eram assim chamados porque seu princípio fundamental era considerar a Escritura como uma autoridade única em matéria de fé. Isso significava, de um lado, uma desconsideração da tradição oral e da intepretação rabínica e, de outro, um estudo novo e cuidadoso do texto da Escritura. A fim de refutá-los, os rabinos se incumbiram de um estudo similar e o resultado desse conflito literário foi o texto massorético. Sua exegese era, de modo geral, muito mais sadia do que a dos judeus palestinos ou alexandrinos.
  • 12.  4) JUDEUS CABALÍSTAS – O movimento cabalista do século XII teve uma natureza bem diferente. Ele realmente apresenta uma “reductio ad absurdum (redução ao absurdo)” do método de interpretação usado pelos judeus da Palestina, embora também usasse o método alegórico dos judeus alexandrinos. Precederam na suposição de que todo o Massorah, mesmo os versos, palavras, letras, sinais de vogais e acentos, foram dados a Moisés no Monte Sinai; e que os números das letras, cada uma delas, a transposição, a substituição, tinham um poder especial e até mesmo sobrenatural”.
  • 13.  Na sua tentativa de desvendar os mistérios divinos, valeriam dos seguintes métodos:  A) GEMATRIA, de acordo com a qual podiam substituir uma palavra bíblica dada por outra que tivesse o mesmo valor numérico;  B) NOTARIKON, que consistia em formar palavras pela combinação das letras iniciais e finais, ou considerando cada letra de uma palavra como letra inicial de outras palavras;  C) TEMOORAH, que denotava um método de criar novos significados pela permuta de letras.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.  Um olhar para o passado pode e deve nos orientar com relação à correta interpretação bíblica.  Olharemos agora questões pertinentes a “Como os cristãos dos primeiros séculos interpretavam as Escrituras?”
  • 23.  Praticamente todo o conteúdo desses slides são da excelente obra:  BERKHOF, Louis. Princípios de Interpretação Bíblica. São Paulo: Cultura Cristã, 2000. pp. 16.