SlideShare uma empresa Scribd logo
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
PLANO DE CURSO DA
DISCIPLINA “O CÂNON DO
NOVOTESTAMENTO”
1) A INSPIRAÇÃO DO
NOVO TESTAMENTO E
SUAS IMPLICAÇÕES:
INERRÂNCIA E
SUFICIÊNCIA
“TODA A ESCRITURA É
DIVINAMENTE INSPIRADA E
PROVEITOSA PARA ENSINAR,
REPREENDER, CORRIGIR E
INSTRUIR EM JUSTIÇA A FIM
DE QUE O HOMEM DE DEUS
TENHA CAPACIDADE E PLENO
PREPARO PARA TODA BOA
OBRA” (2 TIMÓTEO 3:16-17)
“OS PRESBÍTEROS QUE
GOVERNAM BEM DEVEM SER
DIGNOS DE HONRA EM DOBRO,
PRINCIPALMENTE OS QUE
TRABALHAM NA PREGAÇÃO E
ENSINO. PORQUE A ESCRITURA
DIZ: NÃO AMARRES A BOCA DO
BOI QUANDO ELE ESTIVER
DEBULHANDO; E: O
TRABALHADOR É DIGNO DO SEU
SALÁRIO” (1 TIMÓTEO 5:17-18).
 PORQUE A ESCRITURA DIZ: NÃO
AMARRES A BOCA DO BOI QUANDO
ELE ESTIVER DEBULHANDO; E: O
TRABALHADOR É DIGNO DO SEU
SALÁRIO” (1 TIMÓTEO 5:17-18).
 “Não amordaçarás a boca do boi quando
ele estiver debulhando” (Dt 25:4).
 “Ficai nessa casa, comendo e bebendo
do que tiverem; pois o trabalhador é
digno do seu salário. Não andeis de
casa em casa” (Lc 10:7).
Os Tessalonicenses consideravam
os Escritos de Paulo como
inspirados por Deus (Palavra de
Deus):
“Por isso, nós também não
deixamos de agradecer a Deus,
pois quando ouvistes de nós a sua
Palavra, não a recebestes como
palavra de homens, mas como a
palavra de Deus, como de fato é, a
qual também atua em vós, os que
credes” (1 Ts 2:13).
 Desobedecer às ordens apostólicas
poderia incorrer em ser expulso da Igreja
ou receber prejuízos espirituais:
 “A esses, ordenamos e exortamos por
nosso Senhor Jesus Cristo que,
trabalhando em paz, consigam o próprio
pão. E vós, irmãos, não vos canseis de
fazer o bem. Se alguém desobedecer às
nossas instruções nesta carta, observai-o
atentamente e não tenhais contato com ele,
a fim de que se envergonhe; todavia, não o
considereis inimigo; pelo contrário, corrigi-
o como irmão” (2 Ts 3:12-15).
“Já disse isso quando estava
presente da segunda vez, e
estando agora ausente, volto a
dizer aos que anteriormente
pecaram e a todos os demais
que, quando voltar, eu não os
pouparei, visto que exigis uma
prova de que Cristo fala por meu
intermédio. E ele não é fraco para
convosco, antes é poderoso
entre vós” (2 Co 13:2-3).
Teorias da
Inspiração
das
Escrituras
1) Teoria da Inspiração
mecânica ou ditada
Esta teoria diz que os
escritores bíblicos receberam o
conteúdo das Escrituras por
ditado divino.
Se isso tivesse acontecido
teríamos apenas um estilo
literário nas Escrituras?
Teorias da
Inspiração
das
Escrituras
2) Teoria da Inspiração por
Iluminação
Afirma que a Inspiração
consiste apenas numa
intensificação da ação do
Espírito Santo, gerando maior
percepção espiritual nos
escritores bíblicos.
E se eles não tivessem boa
percepção?
Teorias da
Inspiração
das
Escrituras
3) Teoria da Inspiração por
Intuição
De acordo com esta teoria, a
inspiração bíblica aconteceu pelo
mesmo processo no qual os
artistas seculares (escritores,
inventores, músicos, entre outros)
também foram inspirados.
O sermão do pastor pode ser uma
palavra inspirada?
Teorias da
Inspiração
das
Escrituras
4) Teoria da Inspiração parcial
ou fracional
A ideia dos que defendem este
ponto de vista é que os autores
bíblicos receberam a
inspiração de maneira parcial.
Será que na prática nós não
somos teólogos liberais?
Teorias da
Inspiração
das
Escrituras
5) Teoria da Inspiração mental
Acredita-se que as ideias dos
autores humanos da Bíblia
foram inspiradas, mas não as
palavras.
Será que Deus faria o “serviço”
pela metade?
Teorias da
Inspiração
das
Escrituras
6) Teoria da Inspiração plenária e
verbal
É chamada plenária porque se
refere a todas as partes da Bíblia,
verbal porque alcança as
próprias palavras com que as
Escrituras foram escritas no
manuscrito original (Richard
Sturz).
Você concorda com esta teoria?
Inerrância
Bíblica
“A inerrância é o ponto de vista
de que, a Bíblia, nos seus
autógrafos originais e
corretamente interpretada, é
inteiramente verdadeira, e
nunca falsa, em tudo quanto
afirma, quer no tocante à
doutrina e à ética, quer no
tocante às ciências físicas ou
biológicas (Paul Feinberg).
Inerrância
Bíblica
Por inerrância das Escrituras
entende-se que as escrituras
nos manuscritos originais não
afirmam nada contrário aos
fatos [...] A definição em termos
simples significa que a Bíblia
sempre diz a verdade a respeito
de todas as coisas (Wayne
Grudem).
Inerrância
Bíblica
“Mas declaro-te que, segundo o
caminho, a que chamam de
seita, sirvo o Deus de nossos
pais e creio em tudo o que está
escrito na Lei e nos Profetas”
(Atos 24:14).
Inerrância
Bíblica
“Então ele lhes disse: Ó tolos,
que demorais a crer no coração
em tudo que os profetas
disseram”(Lc 24:25)
Inerrância
Bíblica
A história da Criação;
Adão e Eva;
Arca de Noé;
Sodoma e Gomorra;
Anjos;
Jonas e o peixe...
Todas histórias reais
Suficiência
Bíblica
“Não acrescentareis nada à
palavra que ele vos ordena,
nem diminuireis nada, para que
guardeis os mandamentos do
SENHOR, vosso Deus, que hoje
vos ordeno” (Dt 4:2).
Por que, então, Josué escreveu
seu livro?
Suficiência
Bíblica
“Obedecerás a tudo o que te
ordeno. Nada acrescentarás
nem diminuirás” (Dt 12:32)
Suficiência
Bíblica
Não precisamos de nenhum
outro livro para “reger” nossa
fé.
Estatutos, Confissões de Fé,
Credos, Manuais de Doutrinas,
etc...
Cópias
do
Antigo
Testamento
Os materiais utilizados para a
escrita do Antigo Testamento,
foram desde Pedras (Êx 31:18;
34:1, 4; Dt 4:13; 9:11; 10:3), a
couro de animais preparados
especialmente para esse fim.
As regras fixadas para a cópia
desses manuscritos eram bem
rígidas, vejamos algumas
delas:
Cópias
do
Antigo
Testamento
1) O pergaminho tinha de ser
feito da pele de animais
cerimonialmente limpos, e as
peles, costuradas umas à
outras, com cordões tirados de
animais limpos, era um
trabalho que devia ser feito por
um judeu.
2) Cada coluna tinha de ter não
mais de sessenta linhas e não
menos de quarenta e oito.
Cópias
do
Antigo
Testamento
3) A tinta, feita segundo fórmula
especial, era negra.
4) O escriba tinha que copiar de
um manuscrito autêntico e nunca
deveria escrever qualquer palavra
de memória.
5) Com reverência, tinha que
limpar sua pena antes de escrever
a palavra “Deus”, e era
absolutamente necessário banhar
todo o corpo antes de escrever a
palavra “Jeová” (Yavé - YHWH).
Cópias
do
Antigo
Testamento
6) Havia regras escritas a respeito
da forma das letras, dos espaços
entre as letras, palavras e divisões, a
cor do pergaminho, o uso da pena,
etc.
7) O rolo tinha que ser revisado
dentro dos trinta dias seguintes
depois de terminado, ou ficaria sem
valor. Um erro condenava a folha;
três erros encontrados numa folha
só condenava todo o manuscrito;
por três palavras escritas fora da
linha, o todo era rejeitado.
Cópias
do
Antigo
Testamento
8) Cada palavra e cada letra
eram contadas, e se uma letra
faltava ou sobrava, ou se uma
letra tocava em outra, tudo era
condenado e queimado em
seguida. E havia ainda muitas
outras regras. TURNER, Donald
D. Introdução ao Velho
Testamento. São Paulo: Batista
Regular, 2004. pp. 32-33.
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
2)OConceito de
Cânon
O que
significa
Cânon?
Os primeiros cristãos usavam o
Antigo Testamento como livro-texto
nos cultos e algumas porções, como
leitura particular:
“Enquanto aguardas a minha
chegada, aplica-te à leitura, à
exortação e ao ensino” (1 Tm 4:3)
O que
significa
Cânon?
Os cristãos entenderam que Deus
estava acrescentando novas
palavras à “Palavra de Deus”. Até
mesmo a pregação dos apóstolos
aplicando a Cristo as passagens
messiânicas do Antigo Testamento
foi chamada de Palavra de Deus:
O que
significa
Cânon?
“E a palavra de Deus era divulgada,
de modo que o número dos
discípulos em Jerusalém se
multiplicava muito, e vários
sacerdotes obedeciam à fé” (At 6:7)
“Em Jerusalém, os apóstolos
souberam que o povo de Samaria
havia recebido a palavra de Deus e
enviaram-lhes Pedro e João” (At
8:14).
O que
significa
Cânon?
“Chegando a Salamina, anunciavam
a palavra de Deus nas sinagogas
dos judeus e tinham João como
auxiliar” (At 13:5).
“Ele estava com o procônsul Sérgio
Paulo, que era um homem sensato.
Este chamou Barnabé e Saulo e
demonstrou desejo de ouvir a
palavra de Deus” (At 13:7).
O que
significa
Cânon?
“O Cânon das Escrituras é a lista de
todos os livros que pertencem à
Bíblia” (Wayne Grudem).
O que
significa
Cânon?
“A palavra Cânon deriva do termo
grego kânon, que significa “cana”,
portanto uma vara ou barra que, por
ser utilizada em medições, passou a
significar metaforicamente um padrão.
Em gramática, significava uma regra;
em cronologia, uma tabela de datas; e
em literatura, uma lista de obras que
podiam ser corretamente atribuídas a
determinado autor. Assim, o cânon de
Platão refere-se à lista de tratados que
podem ser atribuídos a Platão como
genuinamente de sua autoria” (Merrill C
Tenney).
O que
significa
Cânon?
Os livros do Novo Testamento foram
escritos por apóstolos ou pessoas
ligadas aos apóstolos (homens
apostólicos)
Mateus = apóstolo
Marcos = ligado a Barnabé, Paulo e
Pedro
Lucas = ligado a Paulo
João = apóstolo
O que
significa
Cânon?
Atos = Lucas
Romanos a Filemon = apóstolo
Hebreus = inspirado
Tiago = apóstolo
Pedro = apóstolo
João = apóstolo
Judas = apóstolo
Apocalipse = apóstolo
O que
significa
Cânon?
Sobre Hebreus “Quando o
testemunho interno das próprias
obras e o testemunho externo
daqueles que as conheciam e a
utilizavam são unânimes em mostrar
que elas provêm de Deus, os
critérios de canonicidade tornam-se
mais seguros” (Merrill C. Tenney).
O que
significa
Cânon?
A Igreja não determinou quais livros
deveriam compor o cânon, mas, os
recebeu como livros da parte de
Deus e os utilizou naturalmente
fazendo milhares de cópias.
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
3) Os livros do
Novo Testamento
aceitos no Cânon
da Igreja
Características
dos
livros
canônicos
A inspiração era o principal critério
de canonicidade de um livro
bíblico, mas, como saber se o
livros era inspirado realmente?
Vejamos as principais
características dos livros
canônicos desde o I século:
Características
dos
livros
canônicos
1) Autoridade apostólica
2) Catolicidade
3) Uso tradicional =
4) Inspiração
Características
dos
livros
canônicos
1) Autoridade apostólica
“Mas o consolador, o Espírito
Santo a quem o Pai enviará em meu
nome, ele vos ensinará todas as
coisas e vos fará lembrar de tudo o
que eu vos tenho dito” (Jo 14:26)
Características
dos
livros
canônicos
“Se alguém se considera profeta ou
espiritual, reconheça que as coisas
que vos escrevo são mandamentos
do Senhor” (1 Co 14:37).
Apostolicidade, antiguidade e
ortodoxia eram características
iniciais dos livros canônicos.
Características
dos
livros
canônicos
2) Catolicidade
Os livros foram indicados, na
maioria, a comunidades locais,
mas, logo ganharam notoriedade
universal como uma espécie de
selo divino de aprovação. A Igreja
recebeu esses livros como um
presente de Deus.
Características
dos
livros
canônicos
3) Uso Tradicional
Os livros foram sendo utilizados
nos cultos públicos e em casa
pelos cristãos e isso também foi
um atestado divino de sua
concepção.
Características
dos
livros
canônicos
4) Inspiração
“Por muitos séculos a inspiração e
a canonicidade estiveram
intimamente ligadas no
pensamento cristão: crê-se que
obras foram incluídas no cânon
porque eram inspiradas; uma obra
era reconhecida como inspirada
porque era canônica (...)”. (F.F.
Bruce).
Vários
cânones
da
Igreja
Marcião
Lucas
retaliado
10
Paulinas
Vários
cânones
da
Igreja
Irineu
de Lion
4 Evangelhos
Atos
Cartas de Paulo
Apocalipse
Algumas Cartas Universais
O Pastor de Hermas
Vários
cânones
da
Igreja
Hipólito
de Roma
Não sabemos ao certo quais livros
formavam seu Cânon
Vários
cânones
da
Igreja
Muratoriano
Paulinas
2 de João
Judas
Sabedoria de Salomão
O Pastor de Hermas
Vários
cânones
da
Igreja
Tertuliano
de
Cartago
4
Evangelhos
Paulinas
Vários
cânones
da
Igreja
Origenes
de
Alexandria
RECONHECIDOS DISCUTIDOS
4 Evangelhos Tiago
14 epístolas de Paulo 2 e 3 João
Atos 2 Pedro
1 Pedro Judas
1 João Epístola de Barnabé
Apocalipse O Pastor de Hermas
Vários
cânones
da
Igreja
Atanásiano
Atanásio foi Bispo por quase 50
anos e enviava cartas às “suas”
igrejas na Páscoa. No ano 367 ele
escreveu a Carta Pascal 39 e
menciona os 27 livros na sequência
que temos hoje. Nosso cânon é
Atanasiano!
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
4) Recepção do
Novo Testamento
no Período
Patrístico
“Marcião é a primeira pessoa
conhecida por nós que publicou
uma coleção fixa do que viríamos a
chamar de livros do Novo
Testamento” (F.F. Bruce)
Marcião
“O Pai era o Deus bom e
misericordioso de que ninguém
jamais ouvira até que Jesus viera
revelá-lo”.
Paulo foi “o único apóstolo fiel de
Cristo”.
Rejeitou qualquer ligação com o
A.T.
Afirmou que Jesus desceu do céu
da mesma forma que subiu.
Montano, Priscila e Maximila
“Nova Profecia” = Montanismo
Dizia ser o Espírito Santo e tão
inspirado quanto o Novo
Testamento.
Montano
Egípcio (c. 296-373).
Negro e de pequena estatura.
Escritor e Bispo.
Atanásio
“Uma coisa precisa ser afirmada
com toda ênfase: os livros do Novo
Testamento não se tornaram
escritos revestidos de autoridade
para a Igreja porque foram
incluídos em uma lista canônica;
pelo contrário, a igreja incluiu-os
no cânon porque já os considerava
divinamente inspirados,
reconhecendo neles o valor inato e,
em geral, a autoridade apostólica,
direta ou indireta” (F.F. Bruce).Atanásio
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
5) Recepção do
Novo Testamento
no Período
Escolástico
Anselmo de
Cantuária
Tomás de
Aquino
Anselmo (1033-1109) nasceu na
Itália e estudou na França.
Recebeu o cânon Atanasiano mas
tentou elaborar uma explicação
meramente lógica da fé cristã.
Tomás de Aquino (1225-1274) Itália
e viveu em Paris.
Elaborou os cinco argumentos.
Recebeu o cânon Atanasiano, mas,
misturou a Filosofia à fé.
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
6) Recepção do
Novo Testamento
no Período da
Reforma
Protestante
Martinho Lutero
João Calvino
Thomas
Cranmer
Quem foi Martinho Lutero? (1483-
1546). Depende a quem você
perguntar.
Seu pai queria que ele fosse
advogado.
Chegou a declarar que odiava a
Deus por não entender de fato
quem Deus era.
Em 1515 leu e entendeu Romanos
1:17 “O justo viverá pela fé” e, a
partir daí encontrou Deus.
Ele passou a pregar na linguagem
do povo diferente do que os Padres
faziam.
No dia 31 de outubro de 1517 ele
afixou na porta da Catedral de
Wittenberg suas 95 teses contra o
papado e a Igreja católica.
Ele recebeu os 27 livros como
canônicos, mas, acreditava que
nem todos tinha o mesmo valor.
As partes mais importantes, as
mais úteis para o culto e o ensino,
são as que melhor refletem as boas
novas de Cristo, como o Evangelho
de João, sua primeira epístola, as
cartas de Paulo aos Romanos,
Gálatas e Efésios, e a primeira
epístola de Pedro.
Já a epístola de Tiago e o
Apocalipse foram consideradas de
pouca utilidade.
Seu princípio era “o que promove
Cristo”.
Para Lutero, a Bíblia e a Palavra de
Deus (o próprio Deus) eram coisas
diferentes, além disto, ele recebeu
o cânon do Novo Testamento com
algumas reservas.
“Os pontos de vista de Lutero
quanto ao cânon do Novo
Testamento ganharam ampla
divulgação com o lançamento de
seu N.T. alemão em 1522 (...). O
índice de assuntos sugere que
Lutero distinguia entre dois níveis
de canonicidade no N.T.: os nomes
dos 23 primeiros livros (de Mateus
a 3 João) são precedidos por
números de série 1-23.
Os quatro livros restantes –
Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse
– são separados dos demais por
um espaço adicional e não recebem
numeração. Lutero não excluiu do
cânon esses quatro livros, mas não
reconheceu neles a elevada
qualidade de “certos livros
capitais” e expressou abertamente
sua opinião nos prefácios de cada
livro.
João Calvino (1509-1564), nasceu
na França mas ficou conhecido
pelo que fez na Suíça.
Recebeu o cânon atanasiano do
N.T.
Ele escreveu comentários sobre
quase todos os livros do N.T. (2 e 3
João e Apocalipse são as
exceções).
“Calvino aceitava o cânon do N.T.
como lhe havia sido transmitido.
Para ele, a autoridade do N.T., como
a de toda a Escritura, repousava
não em qualquer decreto
eclesiástico, mas na qualidade em
si mesma do que ali estava escrito,
atestada no coração receptivo pelo
testemunho interno do Espírito
Santo” (F.F. Bruce).
Hebreus = Lucas ou Clemente de
Roma
Tiago = Não sabia qual Tiago era o
autor
2 Pedro “Não ele mesmo a tenha
escrito, mas que um de seus
discípulos compôs sob suas
ordens aquilo que a necessidade
da época demandava”.
Em 1536 escreveu a primeira
edição das Institutas.
Ele criou escolas e cursos
profissionalizantes como resultado
de suas leituras e estudos bíblicos,
e, assim difundiu o Evangelho a
vários povos.
A respeito da pregação: “É
ordenado a todos os servos de
Deus que não apresentem
invenções próprias, mas que
simplesmente entreguem aquilo
que receberam de Deus para a
congregação, da mesma forma
como alguém que passa algo de
uma mão para outra”.
Em relação à Bíblia: “Devemos às
Escrituras a mesma reverência que
devemos a Deus, porque elas
procedem somente dele, e não há
nada do homem misturado a elas”.
Thomas Cranmer promoveu a
reforma na Inglaterra sobretudo por
meio dos seus escritos.
“Arcebispo de Cantuária no tempo
de ruptura entre Henrique VIII e
Roma. Suas ideias foram se
tornando protestantes, e durante o
reinado de Eduardo VI fez muito
para promover a reforma na
Inglaterra” (Justo L. González).
Prefaciou e distribuiu muitas
Bíblias (Bíblia de Cranmer ou
Grande Bíblia).
Foi autor de dois documentos
básicos do Anglicanismo:
O Livro de Oração Comum (1549-
1552)
E os Quarenta e dois artigos (1553),
que depois viraram 39 artigos.
O Artigo VI dos 39, cujo título é
“Suficiência das Sagradas Escrituras Para
a Salvação” diz o seguinte: “A Escritura
Sagrada contém todas as coisas
necessárias para a salvação; de modo
que tudo o que nela não se lê, nem por
ela se pode provar, não deve ser exigido
de pessoa alguma que seja crido como
artigo de fé ou julgado como requerido ou
necessário para a salvação. Pelo nome de
Escritura Sagrada entendemos os Livros
canônicos do Antigo e Novo Testamentos,
de cuja autoridade jamais houve qualquer
dúvida na Igreja”.
Quando menciona os 39 livros do
Antigo Testamento também diz: “E
os outros livros (como diz
Jerônimo), a Igreja os lê para
exemplo de vida e instrução de
costumes; mas não os aplica para
estabelecer doutrina alguma. São
os seguintes:
1. Terceiro Livro de Esdras. 2.
Quarto Livro de Esdras. 3. Livro de
Tobias. 4. Livro de Judite. 5. O
Restante do Livro de Ester. 6. Livro
de Sabedoria. 7. Jesus, Filho de
Siraque. 8. O Profeta de Baruque. 9.
O Cântico dos Três Mancebos. 10.
A História de Susana. 11. De Bel e o
Dragão.
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
7) Recepção do
Novo Testamento
no Período
Moderno
Friedrich
Schleiermacher
David Strauss
Dietrich Bonhoeffer
Friedrich Daniel Ernst
Schleiermacher (1768-1834).
O pai da teologia liberal moderna.
“Schleiermacher está para a
Teologia como Newton está para a
Física, Freud para a Psicologia e
Darwin para a Biologia” (Grenz e
Olson).
Filho de Protestantes pietistas.
Estudou na Universidade de Halle.
Tornou-se ministro na Igreja
Reformada.
Atuou como capelão hospitalar em
Berlim e catedrático de Teologia onde
estudou.
Em 1806 pastoreou uma igreja
influente em Berlim.
Tornou-se Deão da Faculdade de
Teologia.
Não aceitava a inspiração e
inerrância das Escrituras.
“A Bíblia é o registro das
experiências religiosas do antigo
povo de Deus. Não é divinamente
inspirada nem infalível”.
“Em sua obra mais importante, A
Fé Cristã (1821, revisada em 1830),
elaborou um sistema de doutrina
cristã para os tempos modernos.
Esse livro foi considerado o texto
mais significativo e sistemático de
teologia protestante desde as
Institutas de João Calvino” (Alderi
Matos).
David Friedrich Strauss (1808-1874).
Escreveu “A Vida de Jesus”.
“É uma obra desconstrutiva que
critica a historicidade dos
evangelhos; interpreta este material
como uma teoria do mito; critica os
esforços construtivos das teologias
ortodoxas e racionalistas, que
assume a historicidade dos
evangelhos; e propõe uma
interpretação cristológica de natureza
hegeliana:...
a humanidade como espécie em
sua unidade com o Espírito, é o
verdadeiro Deus-homem da fé
ortodoxa. Jesus é a representação
da imaginação religiosa dessa ideia
e verdade religiosa” (González).
Cria que os milagres de Jesus eram
mitos e foi demitido por isso.
Rompeu com o protestantismo.
Tornou-se Deputado mau sucedido,
depois voltou a escrever,
publicando biografias de diversas
personalidades.
Rompeu com qualquer religião e
tornou-se materialista.
Dietrich Bonhoeffer (1906-1945).
Foi discípulo de Karl Barth.
Opôs-se a Hitler na tentativa de
instituir uma Igreja que
concordasse com suas práticas
nazistas.
Foi enforcado em 1945.
“A Igreja da Confissão” foi um
grupo criado para resistir a Hitler.
Ele foi o mais destacado membro
deste grupo.
“A obra do jovem pastor e teólogo
alemão Dietrich Bonhoeffer (1906-
1945), discípulo de Karl Barth,
recebeu atenção pelo fato de ele ter
sido executado pelos nazistas nas
últimas semanas da II Guerra
Mundial” (González).
Ele escreveu: “A Comunhão dos
Santos (1927);
“Ato e Ser” (1931);
“O Preço do Discipulado” (1937);
“Vida em Comunidade” (1939);
“Cartas e Papéis da Prisão”.
Ele esteve preso por 2 anos e 4
meses.
Tornou-se o capelão dos detentos.
Foi martirizado em 9 de abril de
1945.
Recebeu o cânon atanasiano.
“Para ele a Bíblia não é um livro
religioso, pois a religião se volta
para o indivíduo, a interioridade e o
porvir, preocupações essas
opostas às das Escrituras, que se
concentram na comunidade e no
discipulado no mundo” (Alderi
Matos).
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
9) A insuficiência
das Escrituras
Sagradas no
Neopentecostalismo
 Mateus 7:15-23: “Cuidado com os
falsos profetas! Eles chegam disfarçados de
ovelhas, mas por dentro são lobos
selvagens. Vocês os conhecerão pelo que
eles fazem. Os espinheiros não dão uvas, e
os pés de urtiga não dão figos. Assim, toda
árvore boa dá frutas boas, e a árvore que não
presta dá frutas ruins. A árvore boa não pode
dar frutas ruins, e a árvore que não presta
não pode dar frutas boas. Toda árvore que
não dá frutas boas é cortada e jogada no
fogo. Portanto, vocês conhecerão os falsos
profetas pelas coisas que eles fazem.
 Não é toda pessoa que me chama de
“Senhor, Senhor” que entrará no Reino do
Céu, mas somente quem faz a vontade do
meu Pai, que está no céu. Quando aquele dia
chegar, muitas pessoas vão me dizer:
“Senhor, Senhor, pelo poder do seu nome
anunciamos a mensagem de Deus e pelo seu
nome expulsamos demônios e fizemos
muitos milagres!” Então eu direi claramente a
essas pessoas: “Eu nunca conheci vocês!
Afastem-se de mim, vocês que só fazem o
mal!” (NTLH).
O desejo de se igualar a Deus é
antigo, tem raízes no Paraíso do
Éden, quando a serpente prometeu
à mulher que ela e seu marido
seriam iguais a Deus ao comerem
do fruto que Deus proibira (Gn 3:1-
6). Desde então o homem vem
nutrindo o desejo pecaminoso de
ser igual a Deus, ou no mínimo, de
ser um pequeno deus.
 Em tempos mais recentes, por volta do
começo do século XIX, surgiu um
homem chamado Essek William Kenyon,
a quem os especialistas, como Romeiro,
por exemplo, denominam de Pai da
confissão positiva (outro nome da
Teologia da Prosperidade). Romeiro
(1998, p.8) diz: “quando se investiga o
desenvolvimento histórico do
movimento, chega-se à conclusão de
que o verdadeiro pai da confissão
positiva é Essek William Kenyon.”
 O homem que veio a ser o pai da
chamada confissão positiva, ou Teologia
da Prosperidade, nasceu no ano de
1867, em Nova York, Estados Unidos e
morreu em 1948. Quando tinha 19 anos
de idade pregou seu primeiro sermão
numa igreja Metodista. Começou cedo
como pregador, e iria mais adiante
querendo o aperfeiçoamento no estudo
das Sagradas Escrituras. Matriculou-se
numa escola para aprender a
hermenêutica do professor Charles
Emerson.
Emerson, foi um homem
religiosamente inseguro, passou por
diversos tipos de religião. Emerson
mudou diversas vezes de opinião
tendo no seu currículo crenças das
mais bizarras no que diz repeito à
Bíblia Sagrada, como por exemplo, foi
universalista, unitariano,
trancendentalista, e terminou na seita
conhecida por Ciência Cristã, que
explica que toda causa e efeito são
mentais, não físicos (ROMEIRO,
2005).
 Kenyon chegou a ser escritor, pregador
Batista, Metodista, Pentecostal, e
itinerante sem vínculos
denominacionais, radialista de sucesso
no final dos anos 30 e começo dos 40
iniciou-se nos ensinos das “seitas
metafísicas” (MARIANO, 1999, p. 90).
 O Pai da Teologia da Prosperidade
enfatizava seus ensinos na cura divina e
confisão positiva, ato de ordenar
verbalmente às coisas, às vezes até
mesmo a coisas que ainda não existem,
e essas ordens têm de ser obedecidas,
segundo dizem, para se cumprir o que
está escrito na Bíblia em Marcos 11: 23-
24.
 Os ensinos sobre a prosperidade
financeira exagerada e fora dos
parâmetros bíblicos, de que todos os
crentes independente da situação
econômica do país onde viva e da sua
própria história de vida devem
enriquecer, advêm do televangelista
norte-americano Oral Roberts. Roberts
começou a crer assim quando inicou na
televisão e passou por apertos
financeiros para pagar seus próprios
programas que iam ao ar.
 Pouco antes de sua morte em 1948,
Kenyon passou às mãos de sua filha
Ruth a incumbência de propagar seus
ensinamentos. Pouco tempo depois
surge Kenneth E. Hagin como o maior
propagador das ideias de Kenyon até o
presente momento. Sua influência foi
sofrida por meios dos escritos
publicados pela filha de Kenyon,
certamente seus escritos não exerceram
influência apenas em Hagin, pois, hoje
em dia, no Brasil tais ensinos têm
formado parte da teologia de muita
gente, como veremos mais a frente.
 Kenneth Erwin Hagin nasceu no estado
do Texas, no mesmo país de seu
antecessor Kenyon, no dia 20 de agosto
de 1917. Logo que nasceu foi
desenganado pelos médicos por sofrer
de problemas cardíacos. Tudo ficou pior
quando, por motivos que
desconhecemos, seu pai abandonou a
família quando este tinha seis anos de
idade. Com a saída de seu pai de casa,
Hagin ainda criança passou a ter forte
inclinação para o suicídio.
 Aos nove anos foi morar com a avó. Prestes a
completar 16 anos sofreu uma piora em sua
saúde, o que o obrigou a viver por uns tempos
numa cama sem poder andar. Mas, duas coisas
bastante significativas e que geram polêmica
ainda hoje, estavam para acontecer com o
adolescente que seria o maior propagador da
teologia da prosperidade do século passado. A
primeira coisa a acontecer foram suas visitas,
como ele mesmo dizia, ao inferno por três
vezes que o levou a se converter ao Senhor
Jesus. A segunda coisa marcante nessa fase
da vida do, então jovem, Hagin foi sua
miraculosa cura.
 Ele conta que orou e “confessou”,
baseado em Marcos 11:23-24, que
estaria curado de suas enfermidades,
isso aconteceu no dia 1º de janeiro de
1934, alguns meses depois, na segunda
semana de agosto do mesmo ano, ele
finalmente se recuperou, e, para a
surpresa de todos, voltou
inexplicavelmente a andar.
 Continuando com a história [controversa] de
Kenneth E. Hagin, vemos que, durante os anos
de 1934-1937 Hagin pastoreou uma Igreja
Batista na cidade onde morava. No ano de 1937
recebeu o batismo no Espírito Santo, falou em
línguas e se tornou um ministro das
Assembleias de Deus no Estado do Texas onde
pastoreou algumas igrejas desta denominação
até 1949. Nessa mesma época, Hagin se
associou com pregadores pentecostais
independentes, também pregadores da cura
divina, nomes como William Marion Branham
(que era unitariano), Oral Roberts e T. L.
Osborn.
 Em 1963, ele fundou a Associação
Evangelística Kenneth Hagin. Em 1966 Hagin
recebeu inúmeros convites para pregar e
realizar seminários, no mesmo ano começou a
pregar no rádio. Em 1976 foi ao ar seu primeiro
programa de televisão. Em 1974 seu filho
Kenneth Hagin Junior fundou o Centro de
Treinamento Bíblico Rhema, justamente para
ensinar a Teologia da Confissão Positiva, o que
logrou muito êxito, pois, diversos alunos, das
mais diferentes partes dos Estados Unidos
começaram a se matricular a fim de receber e
propagar pelo mundo tal doutrina.
 Até hoje, o centro de treinamento Rhema já
formou mais de 23 mil alunos. O programa de
rádio da mesma Escola é atualmente
transmitido por mais de 250 estações na
América do Norte. Kenneth Hagin e seu filho já
produziram cerca de 150 livros e livretos com
ensinamentos da Teologia da Prosperidade
que, ao todo tiveram uma tiragem de
aproximadamente 65 milhões de cópias em
todo o mundo (ROMEIRO, 2005, p. 96).
 O que Hagin ensinou:
 “Deus quer que seus filhos usem a melhor
roupa. Ele quer que eles dirijam os melhores
carros e quer que tenham o melhor de tudo [...]
simplesmente exija o que você precisa”
(HAGIN, p. 43) Noutra ocasião ele também
disse: “Você é tão encarnação de Deus quanto
Jesus Cristo o foi: cada homem que nasceu de
Deus é uma encarnação de Deus tanto quanto
o foi Jesus de Nazaré” (HAGIN, dezembro 1980
apud ROMEIRO 1998, p. 43).
 A respeito da conversão de um irmão seu,
disse:
 “Sempre orava ‘Deus, salva-o’. Tinha até
mesmo jejuado. Estava propenso a voltar ao
habitual modo de orar, mas depois que o
Senhor me desafiou a fazer alguma coisa a
respeito – depois de me ter dito que eu tinha
autoridade – eu disse: ‘Em nome de Jesus,
desfaço o poder do diabo na vida de meu irmão
e clamo por sua salvação!’. Ordenei. Não fiquei
repetindo a mesma coisa ou orando e orando.
Quando um rei dá uma ordem, ele sabe que vai
ser cumprida” (A Autoridade do Crente. p. 30).
 “Descobri que o modo mais eficaz de orar é
aquele pelo qual você requer os seus direitos.
É assim que eu oro: Exijo meus direitos!” (A
Autoridade do Crente. p. 30).
 Ler página 99 do livro “Novo Testamento:
desafios históricos e atuais”.
Ele diz:
Usar a frase “se for da tua vontade”
em oração pode parecer espiritual,
e demonstrar atitude piedosa de
quem é submisso à vontade do
Senhor, mas, além de não adiantar
nada, destrói a própria oração
(SOARES, 2004 p.11).
131
137
138
140
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
10) A Igreja que
recebe as Escrituras
Sagradas como
Palavra de Deus
Confissão de Augsburgo (25/07/1530).
Artigo V, do ofício da pregação:
“Para conseguirmos essa fé, instituiu Deus
o ofício da pregação, dando-nos o
evangelho e os sacramentos, pelos quais,
como por meios, dá o Espírito Santo, que
opera a fé, onde e quando lhe apraz,
naqueles que ouvem o evangelho, o qual
ensina que temos, pelos méritos de Cristo,
não pelos nossos, um Deus gracioso, se o
crermos. Condenam-se os anabatistas e
outros que ensinam alcançarmos o
Espírito Santo mediante preparação,
pensamentos e obras próprias, sem a
Palavra física do Evangelho”
Artigo VI, “Da Suficiência das
Escrituras Sagradas Para a
Salvação”:
“Recebemos e contamos por
canônicos todos os livros do Novo
Testamento como são comumente
recebidos”.
“Das Sagradas Escrituras, capítulo
1:
1. (...) Isto torna as Escrituras
Sagradas indispensável, tendo
cessado aqueles antigos modos de
Deus revelar sua vontade ao seu
povo.
2. Sob o nome de Escrituras
Sagradas, ou Palavra de Deus
escrita, incluem-se agora todos os
livros do Antigo Testamento, que
são os seguintes”.
“Todos eles são dados por
inspiração de Deus para serem a
regra de fé e de prática”.
Ponto 5, capítulo I:
Pelo testemunho da Igreja
podemos ser movidos e incitados a
um alto e reverente apreço pelas
Escrituras Sagradas; (...).
Confissão Batista de New
Hampshire (1833), Artigo VI
DAS ESCRITURAS – Cremos que a
Bíblia Sagrada foi escrita por
homens divinamente inspirados, e
é um tesouro perfeito de instrução
celestial; que tem um Deus por seu
autor, salvação por sua finalidade,
e verdade sem qualquer mistura de
erro em seu conteúdo; (...)
Convenção Batista do Sul (EUA)
(1925, revisada em 1963), Artigo I,
DAS ESCRITURAS – “A Bíblia
Sagrada foi escrita por homens
divinamente inspirados e é o
registro da revelação do próprio
Deus ao homem”.
“Declaração de Chicago Sobre a
Inerrância da Bíblia” – Artigo I:
“Afirmamos que as Sagradas
Escrituras devem ser recebidas
como a Palavra oficial de Deus”.
“Convenção Batista Brasileira”.
Artigo I:
“A aceitação das Escrituras
Sagradas como única regra de fé e
conduta”.
“Igreja Cristã Evangélica”. Artigo V:
“Da Doutrina das Sagradas
Escrituras”:
“Cremos na plena inspiração divina
e na inerrância dos manuscritos
originais das Sagradas Escrituras –
Antigo e Novo Testamentos,
formados por sessenta e seis livros
que foram escritos por homens
santos e da parte de Deus”.
“ACEV (Ação Evangélica)”. Artigo I:
“[Cremos] na plena inspiração das
Escrituras canônicas (os 66 livros
da Bíblia Sagrada), sua
infalibilidade, sua única e final
autoridade em assuntos de fé e
prática”.
“Missão Evangélica Pentecostal do
Brasil”. Artigo I:
“Sagradas Escrituras”
“Cremos que as Escrituras do
Velho Testamento (trinta e nove
livros) e do Novo Testamento (vinte
e sete livros) são a Palavra de Deus
divinamente inspirada, infalível e
autoridade máxima de nossa regra
de fé e prática”.
OCânon do Novo
Testamento
SeminárioTeológico da Missão JUVEP
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-cesar.com
CONCLUSÃO
Acesse o site www.bruno-cesar.com
facebook.com/brunocesarteologiaAdquira
nossos
livros e
em breve
cursos
online

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
Respirando Deus
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
Respirando Deus
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Panorama do NT - Introdução
Panorama do NT - IntroduçãoPanorama do NT - Introdução
Panorama do NT - Introdução
Respirando Deus
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Coop. Fabio Silva
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Gesiel Oliveira
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
Antonio Marcos
 
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
marquione ban
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
André Luiz Marques
 
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - ApresentaçãoTeologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Missões Adoração
 
Panorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2TimóteoPanorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2Timóteo
Respirando Deus
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2Coríntios
Respirando Deus
 
Panorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1PedroPanorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1Pedro
Respirando Deus
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
Respirando Deus
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
Moisés Sampaio
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
Pastor W. Costa
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
Moisés Sampaio
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
DimensaoCatolica
 

Mais procurados (20)

Panorama do NT - Tito
Panorama do NT - TitoPanorama do NT - Tito
Panorama do NT - Tito
 
Panorama do NT - Mateus
Panorama do NT - MateusPanorama do NT - Mateus
Panorama do NT - Mateus
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Panorama do NT - Introdução
Panorama do NT - IntroduçãoPanorama do NT - Introdução
Panorama do NT - Introdução
 
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01Bibliologia - IBADEP: AULA 01
Bibliologia - IBADEP: AULA 01
 
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza OliveiraPentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
Pentateuco (lições 1 e 2) - EETAD - Pr Gesiel de Souza Oliveira
 
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSCOMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS
 
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas Estudo sobre a Carta aos Gálatas
Estudo sobre a Carta aos Gálatas
 
A Doutrina de Cristo
A Doutrina de CristoA Doutrina de Cristo
A Doutrina de Cristo
 
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - ApresentaçãoTeologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
Teologia Sistemática - Aula 1 - Apresentação
 
Panorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2TimóteoPanorama do NT - 2Timóteo
Panorama do NT - 2Timóteo
 
Panorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2CoríntiosPanorama do NT - 2Coríntios
Panorama do NT - 2Coríntios
 
Panorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1PedroPanorama do NT - 1Pedro
Panorama do NT - 1Pedro
 
Panorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - HebreusPanorama do NT - Hebreus
Panorama do NT - Hebreus
 
7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos7. atos dos apóstolos
7. atos dos apóstolos
 
O evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo LucasO evangelho segundo Lucas
O evangelho segundo Lucas
 
3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus3. O Evangelho Segundo Mateus
3. O Evangelho Segundo Mateus
 
Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01Teontologia - AULA 01
Teontologia - AULA 01
 
Curso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEPCurso de teologia IBADEP
Curso de teologia IBADEP
 
O Cânone Das Escrituras
O Cânone Das EscriturasO Cânone Das Escrituras
O Cânone Das Escrituras
 

Destaque

Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Francisco Sales
 
Aula 2 cânon bíblico
Aula 2   cânon bíblicoAula 2   cânon bíblico
Aula 2 cânon bíblico
npmscampos
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Erivelton Rodrigues Nunes
 
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
José Santos
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Marcos Aurélio
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
Robson Rocha
 
Aula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon SagradoAula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon Sagrado
Maxsuel Aquino
 
Apostila do novo testamento
Apostila do novo testamentoApostila do novo testamento
Apostila do novo testamento
HALAINDELON PEREIRA
 
Introdução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamentoIntrodução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamento
João Áquila Lima Dos Santos
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
Jeane Kátia
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
CursosTeologicos
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
Igreja Presbiteriana de Dourados
 
2016 3 tri lição 10 o messias davídico e seu reino
2016 3 tri lição 10   o messias davídico e seu reino2016 3 tri lição 10   o messias davídico e seu reino
2016 3 tri lição 10 o messias davídico e seu reino
boasnovassena
 
Os Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar MortoOs Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar Morto
Amor pela EBD
 
Bibliologia: Canonicidade
Bibliologia: CanonicidadeBibliologia: Canonicidade
Bibliologia: Canonicidade
Dilean Melo
 
Mar Morto
Mar MortoMar Morto
Mar Morto
Luiz Carlos Dias
 
Formação sobre Bíblia
Formação sobre BíbliaFormação sobre Bíblia
Formação sobre Bíblia
Francisco Rodrigo
 
Lição 13 - A igreja e a lei de deus
Lição 13 - A igreja e a lei de deusLição 13 - A igreja e a lei de deus
Lição 13 - A igreja e a lei de deus
Pr. Andre Luiz
 
Aula 3 as características da canonicidade
Aula 3   as características da canonicidadeAula 3   as características da canonicidade
Aula 3 as características da canonicidade
luizadell
 
Estudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as EscriturasEstudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as Escrituras
Alberto Simonton
 

Destaque (20)

Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
Introdução Bíblica - O Cânon Sagrado - aula4
 
Aula 2 cânon bíblico
Aula 2   cânon bíblicoAula 2   cânon bíblico
Aula 2 cânon bíblico
 
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras SagradasBibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
Bibliologia - Inspiração - Cânon das Escrituras Sagradas
 
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia02 - IGB - formação do cânon do bíblia
02 - IGB - formação do cânon do bíblia
 
Bibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da BíbliaBibliologia - Estudo da Bíblia
Bibliologia - Estudo da Bíblia
 
A origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua HistóriaA origem da Bíblia e a sua História
A origem da Bíblia e a sua História
 
Aula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon SagradoAula 02- O Cânon Sagrado
Aula 02- O Cânon Sagrado
 
Apostila do novo testamento
Apostila do novo testamentoApostila do novo testamento
Apostila do novo testamento
 
Introdução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamentoIntrodução ao Novo testamento
Introdução ao Novo testamento
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Bibliologia
BibliologiaBibliologia
Bibliologia
 
2. introdução ao novo testamento
2.  introdução ao novo testamento2.  introdução ao novo testamento
2. introdução ao novo testamento
 
2016 3 tri lição 10 o messias davídico e seu reino
2016 3 tri lição 10   o messias davídico e seu reino2016 3 tri lição 10   o messias davídico e seu reino
2016 3 tri lição 10 o messias davídico e seu reino
 
Os Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar MortoOs Manuscritos do Mar Morto
Os Manuscritos do Mar Morto
 
Bibliologia: Canonicidade
Bibliologia: CanonicidadeBibliologia: Canonicidade
Bibliologia: Canonicidade
 
Mar Morto
Mar MortoMar Morto
Mar Morto
 
Formação sobre Bíblia
Formação sobre BíbliaFormação sobre Bíblia
Formação sobre Bíblia
 
Lição 13 - A igreja e a lei de deus
Lição 13 - A igreja e a lei de deusLição 13 - A igreja e a lei de deus
Lição 13 - A igreja e a lei de deus
 
Aula 3 as características da canonicidade
Aula 3   as características da canonicidadeAula 3   as características da canonicidade
Aula 3 as características da canonicidade
 
Estudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as EscriturasEstudo sobre as Escrituras
Estudo sobre as Escrituras
 

Semelhante a O cânon do novo testamento

Aula 3 e 4 Bibliologia.pdf
Aula 3 e 4 Bibliologia.pdfAula 3 e 4 Bibliologia.pdf
Aula 3 e 4 Bibliologia.pdf
EdilsonJanuariodeSou
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O rico e o mendigo
O rico e o mendigo   O rico e o mendigo
O rico e o mendigo
RibamarCantanhede3
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
13 A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)
13   A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)13   A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)
13 A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)
Robson Tavares Fernandes
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Erberson Pinheiro
 
aula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptxaula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptx
MissoBetel
 
O lençol zoológico de pedro
O lençol zoológico de pedroO lençol zoológico de pedro
O lençol zoológico de pedro
RibamarCantanhede3
 
Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014
Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014
Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014
Gerson G. Ramos
 
A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Biologia crista um estudo do homem
Biologia crista um estudo do homemBiologia crista um estudo do homem
Biologia crista um estudo do homem
vilsonmarsouza
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
Gilson Marcomini
 
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Noimix
 
1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf
DanielSantana688069
 
1 - BIBLIOLOGIA.doc
1 -  BIBLIOLOGIA.doc1 -  BIBLIOLOGIA.doc
1 - BIBLIOLOGIA.doc
HumanizaTeologia
 
Doutrina da palavra
Doutrina da palavraDoutrina da palavra
Doutrina da palavra
Gcom digital factory
 
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZA MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
Cristiane Patricio
 
Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1
Viva a Igreja
 
A DISTÂNCIA
A DISTÂNCIAA DISTÂNCIA
A DISTÂNCIA
Cristiane Patricio
 
Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Gerson G. Ramos
 

Semelhante a O cânon do novo testamento (20)

Aula 3 e 4 Bibliologia.pdf
Aula 3 e 4 Bibliologia.pdfAula 3 e 4 Bibliologia.pdf
Aula 3 e 4 Bibliologia.pdf
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
O rico e o mendigo
O rico e o mendigo   O rico e o mendigo
O rico e o mendigo
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
13 A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)
13   A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)13   A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)
13 A Bíblia: História, Escrita e Legado (Parte 1)
 
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da BíbliaLição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
Lição 1 - Inspiração divina e autoridade da Bíblia
 
aula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptxaula bibliologia.pptx
aula bibliologia.pptx
 
O lençol zoológico de pedro
O lençol zoológico de pedroO lençol zoológico de pedro
O lençol zoológico de pedro
 
Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014
Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014
Os discípulos e as Escrituras_Resumo_112014
 
A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
 
Biologia crista um estudo do homem
Biologia crista um estudo do homemBiologia crista um estudo do homem
Biologia crista um estudo do homem
 
Biblia Facil
Biblia FacilBiblia Facil
Biblia Facil
 
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
Bíblia: Palavra de Deus ou de homens?
 
1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf1405-2548-1-PB.pdf
1405-2548-1-PB.pdf
 
1 - BIBLIOLOGIA.doc
1 -  BIBLIOLOGIA.doc1 -  BIBLIOLOGIA.doc
1 - BIBLIOLOGIA.doc
 
Doutrina da palavra
Doutrina da palavraDoutrina da palavra
Doutrina da palavra
 
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZA MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
A MÚSICA A SERVIÇO DAS TREVAS E A SERVIÇO DA LUZ
 
Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1Como interpretar a Bíblia 1
Como interpretar a Bíblia 1
 
A DISTÂNCIA
A DISTÂNCIAA DISTÂNCIA
A DISTÂNCIA
 
Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
Deus e a revelação_Lição da Escola Sabatina_original_com_textos
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa

Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Budismo
BudismoBudismo
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
Bruno Cesar Santos de Sousa
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa (20)

Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
 
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
 
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Hare krishna
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
 
A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9A hermenêutica na reforma protestante 9
A hermenêutica na reforma protestante 9
 
A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8A hermenêutica na idade média 8
A hermenêutica na idade média 8
 
Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
 

Último

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
fernandacosta37763
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
ClaudiaMainoth
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
Atividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º anoAtividade de reforço de matemática 2º ano
Atividade de reforço de matemática 2º ano
 
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdfJOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
JOGO DA VELHA FESTA JUNINA - ARQUIVO GRATUITO.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

O cânon do novo testamento

  • 1. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 2. PLANO DE CURSO DA DISCIPLINA “O CÂNON DO NOVOTESTAMENTO”
  • 3. 1) A INSPIRAÇÃO DO NOVO TESTAMENTO E SUAS IMPLICAÇÕES: INERRÂNCIA E SUFICIÊNCIA
  • 4. “TODA A ESCRITURA É DIVINAMENTE INSPIRADA E PROVEITOSA PARA ENSINAR, REPREENDER, CORRIGIR E INSTRUIR EM JUSTIÇA A FIM DE QUE O HOMEM DE DEUS TENHA CAPACIDADE E PLENO PREPARO PARA TODA BOA OBRA” (2 TIMÓTEO 3:16-17)
  • 5. “OS PRESBÍTEROS QUE GOVERNAM BEM DEVEM SER DIGNOS DE HONRA EM DOBRO, PRINCIPALMENTE OS QUE TRABALHAM NA PREGAÇÃO E ENSINO. PORQUE A ESCRITURA DIZ: NÃO AMARRES A BOCA DO BOI QUANDO ELE ESTIVER DEBULHANDO; E: O TRABALHADOR É DIGNO DO SEU SALÁRIO” (1 TIMÓTEO 5:17-18).
  • 6.  PORQUE A ESCRITURA DIZ: NÃO AMARRES A BOCA DO BOI QUANDO ELE ESTIVER DEBULHANDO; E: O TRABALHADOR É DIGNO DO SEU SALÁRIO” (1 TIMÓTEO 5:17-18).  “Não amordaçarás a boca do boi quando ele estiver debulhando” (Dt 25:4).  “Ficai nessa casa, comendo e bebendo do que tiverem; pois o trabalhador é digno do seu salário. Não andeis de casa em casa” (Lc 10:7).
  • 7. Os Tessalonicenses consideravam os Escritos de Paulo como inspirados por Deus (Palavra de Deus): “Por isso, nós também não deixamos de agradecer a Deus, pois quando ouvistes de nós a sua Palavra, não a recebestes como palavra de homens, mas como a palavra de Deus, como de fato é, a qual também atua em vós, os que credes” (1 Ts 2:13).
  • 8.  Desobedecer às ordens apostólicas poderia incorrer em ser expulso da Igreja ou receber prejuízos espirituais:  “A esses, ordenamos e exortamos por nosso Senhor Jesus Cristo que, trabalhando em paz, consigam o próprio pão. E vós, irmãos, não vos canseis de fazer o bem. Se alguém desobedecer às nossas instruções nesta carta, observai-o atentamente e não tenhais contato com ele, a fim de que se envergonhe; todavia, não o considereis inimigo; pelo contrário, corrigi- o como irmão” (2 Ts 3:12-15).
  • 9. “Já disse isso quando estava presente da segunda vez, e estando agora ausente, volto a dizer aos que anteriormente pecaram e a todos os demais que, quando voltar, eu não os pouparei, visto que exigis uma prova de que Cristo fala por meu intermédio. E ele não é fraco para convosco, antes é poderoso entre vós” (2 Co 13:2-3).
  • 10. Teorias da Inspiração das Escrituras 1) Teoria da Inspiração mecânica ou ditada Esta teoria diz que os escritores bíblicos receberam o conteúdo das Escrituras por ditado divino. Se isso tivesse acontecido teríamos apenas um estilo literário nas Escrituras?
  • 11. Teorias da Inspiração das Escrituras 2) Teoria da Inspiração por Iluminação Afirma que a Inspiração consiste apenas numa intensificação da ação do Espírito Santo, gerando maior percepção espiritual nos escritores bíblicos. E se eles não tivessem boa percepção?
  • 12. Teorias da Inspiração das Escrituras 3) Teoria da Inspiração por Intuição De acordo com esta teoria, a inspiração bíblica aconteceu pelo mesmo processo no qual os artistas seculares (escritores, inventores, músicos, entre outros) também foram inspirados. O sermão do pastor pode ser uma palavra inspirada?
  • 13. Teorias da Inspiração das Escrituras 4) Teoria da Inspiração parcial ou fracional A ideia dos que defendem este ponto de vista é que os autores bíblicos receberam a inspiração de maneira parcial. Será que na prática nós não somos teólogos liberais?
  • 14. Teorias da Inspiração das Escrituras 5) Teoria da Inspiração mental Acredita-se que as ideias dos autores humanos da Bíblia foram inspiradas, mas não as palavras. Será que Deus faria o “serviço” pela metade?
  • 15. Teorias da Inspiração das Escrituras 6) Teoria da Inspiração plenária e verbal É chamada plenária porque se refere a todas as partes da Bíblia, verbal porque alcança as próprias palavras com que as Escrituras foram escritas no manuscrito original (Richard Sturz). Você concorda com esta teoria?
  • 16. Inerrância Bíblica “A inerrância é o ponto de vista de que, a Bíblia, nos seus autógrafos originais e corretamente interpretada, é inteiramente verdadeira, e nunca falsa, em tudo quanto afirma, quer no tocante à doutrina e à ética, quer no tocante às ciências físicas ou biológicas (Paul Feinberg).
  • 17. Inerrância Bíblica Por inerrância das Escrituras entende-se que as escrituras nos manuscritos originais não afirmam nada contrário aos fatos [...] A definição em termos simples significa que a Bíblia sempre diz a verdade a respeito de todas as coisas (Wayne Grudem).
  • 18. Inerrância Bíblica “Mas declaro-te que, segundo o caminho, a que chamam de seita, sirvo o Deus de nossos pais e creio em tudo o que está escrito na Lei e nos Profetas” (Atos 24:14).
  • 19. Inerrância Bíblica “Então ele lhes disse: Ó tolos, que demorais a crer no coração em tudo que os profetas disseram”(Lc 24:25)
  • 20. Inerrância Bíblica A história da Criação; Adão e Eva; Arca de Noé; Sodoma e Gomorra; Anjos; Jonas e o peixe... Todas histórias reais
  • 21. Suficiência Bíblica “Não acrescentareis nada à palavra que ele vos ordena, nem diminuireis nada, para que guardeis os mandamentos do SENHOR, vosso Deus, que hoje vos ordeno” (Dt 4:2). Por que, então, Josué escreveu seu livro?
  • 22. Suficiência Bíblica “Obedecerás a tudo o que te ordeno. Nada acrescentarás nem diminuirás” (Dt 12:32)
  • 23. Suficiência Bíblica Não precisamos de nenhum outro livro para “reger” nossa fé. Estatutos, Confissões de Fé, Credos, Manuais de Doutrinas, etc...
  • 24. Cópias do Antigo Testamento Os materiais utilizados para a escrita do Antigo Testamento, foram desde Pedras (Êx 31:18; 34:1, 4; Dt 4:13; 9:11; 10:3), a couro de animais preparados especialmente para esse fim. As regras fixadas para a cópia desses manuscritos eram bem rígidas, vejamos algumas delas:
  • 25. Cópias do Antigo Testamento 1) O pergaminho tinha de ser feito da pele de animais cerimonialmente limpos, e as peles, costuradas umas à outras, com cordões tirados de animais limpos, era um trabalho que devia ser feito por um judeu. 2) Cada coluna tinha de ter não mais de sessenta linhas e não menos de quarenta e oito.
  • 26. Cópias do Antigo Testamento 3) A tinta, feita segundo fórmula especial, era negra. 4) O escriba tinha que copiar de um manuscrito autêntico e nunca deveria escrever qualquer palavra de memória. 5) Com reverência, tinha que limpar sua pena antes de escrever a palavra “Deus”, e era absolutamente necessário banhar todo o corpo antes de escrever a palavra “Jeová” (Yavé - YHWH).
  • 27. Cópias do Antigo Testamento 6) Havia regras escritas a respeito da forma das letras, dos espaços entre as letras, palavras e divisões, a cor do pergaminho, o uso da pena, etc. 7) O rolo tinha que ser revisado dentro dos trinta dias seguintes depois de terminado, ou ficaria sem valor. Um erro condenava a folha; três erros encontrados numa folha só condenava todo o manuscrito; por três palavras escritas fora da linha, o todo era rejeitado.
  • 28. Cópias do Antigo Testamento 8) Cada palavra e cada letra eram contadas, e se uma letra faltava ou sobrava, ou se uma letra tocava em outra, tudo era condenado e queimado em seguida. E havia ainda muitas outras regras. TURNER, Donald D. Introdução ao Velho Testamento. São Paulo: Batista Regular, 2004. pp. 32-33.
  • 29. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 31. O que significa Cânon? Os primeiros cristãos usavam o Antigo Testamento como livro-texto nos cultos e algumas porções, como leitura particular: “Enquanto aguardas a minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação e ao ensino” (1 Tm 4:3)
  • 32. O que significa Cânon? Os cristãos entenderam que Deus estava acrescentando novas palavras à “Palavra de Deus”. Até mesmo a pregação dos apóstolos aplicando a Cristo as passagens messiânicas do Antigo Testamento foi chamada de Palavra de Deus:
  • 33. O que significa Cânon? “E a palavra de Deus era divulgada, de modo que o número dos discípulos em Jerusalém se multiplicava muito, e vários sacerdotes obedeciam à fé” (At 6:7) “Em Jerusalém, os apóstolos souberam que o povo de Samaria havia recebido a palavra de Deus e enviaram-lhes Pedro e João” (At 8:14).
  • 34. O que significa Cânon? “Chegando a Salamina, anunciavam a palavra de Deus nas sinagogas dos judeus e tinham João como auxiliar” (At 13:5). “Ele estava com o procônsul Sérgio Paulo, que era um homem sensato. Este chamou Barnabé e Saulo e demonstrou desejo de ouvir a palavra de Deus” (At 13:7).
  • 35. O que significa Cânon? “O Cânon das Escrituras é a lista de todos os livros que pertencem à Bíblia” (Wayne Grudem).
  • 36. O que significa Cânon? “A palavra Cânon deriva do termo grego kânon, que significa “cana”, portanto uma vara ou barra que, por ser utilizada em medições, passou a significar metaforicamente um padrão. Em gramática, significava uma regra; em cronologia, uma tabela de datas; e em literatura, uma lista de obras que podiam ser corretamente atribuídas a determinado autor. Assim, o cânon de Platão refere-se à lista de tratados que podem ser atribuídos a Platão como genuinamente de sua autoria” (Merrill C Tenney).
  • 37. O que significa Cânon? Os livros do Novo Testamento foram escritos por apóstolos ou pessoas ligadas aos apóstolos (homens apostólicos) Mateus = apóstolo Marcos = ligado a Barnabé, Paulo e Pedro Lucas = ligado a Paulo João = apóstolo
  • 38. O que significa Cânon? Atos = Lucas Romanos a Filemon = apóstolo Hebreus = inspirado Tiago = apóstolo Pedro = apóstolo João = apóstolo Judas = apóstolo Apocalipse = apóstolo
  • 39. O que significa Cânon? Sobre Hebreus “Quando o testemunho interno das próprias obras e o testemunho externo daqueles que as conheciam e a utilizavam são unânimes em mostrar que elas provêm de Deus, os critérios de canonicidade tornam-se mais seguros” (Merrill C. Tenney).
  • 40. O que significa Cânon? A Igreja não determinou quais livros deveriam compor o cânon, mas, os recebeu como livros da parte de Deus e os utilizou naturalmente fazendo milhares de cópias.
  • 41. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 42. 3) Os livros do Novo Testamento aceitos no Cânon da Igreja
  • 43. Características dos livros canônicos A inspiração era o principal critério de canonicidade de um livro bíblico, mas, como saber se o livros era inspirado realmente? Vejamos as principais características dos livros canônicos desde o I século:
  • 44. Características dos livros canônicos 1) Autoridade apostólica 2) Catolicidade 3) Uso tradicional = 4) Inspiração
  • 45. Características dos livros canônicos 1) Autoridade apostólica “Mas o consolador, o Espírito Santo a quem o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará todas as coisas e vos fará lembrar de tudo o que eu vos tenho dito” (Jo 14:26)
  • 46. Características dos livros canônicos “Se alguém se considera profeta ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor” (1 Co 14:37). Apostolicidade, antiguidade e ortodoxia eram características iniciais dos livros canônicos.
  • 47. Características dos livros canônicos 2) Catolicidade Os livros foram indicados, na maioria, a comunidades locais, mas, logo ganharam notoriedade universal como uma espécie de selo divino de aprovação. A Igreja recebeu esses livros como um presente de Deus.
  • 48. Características dos livros canônicos 3) Uso Tradicional Os livros foram sendo utilizados nos cultos públicos e em casa pelos cristãos e isso também foi um atestado divino de sua concepção.
  • 49. Características dos livros canônicos 4) Inspiração “Por muitos séculos a inspiração e a canonicidade estiveram intimamente ligadas no pensamento cristão: crê-se que obras foram incluídas no cânon porque eram inspiradas; uma obra era reconhecida como inspirada porque era canônica (...)”. (F.F. Bruce).
  • 51. Vários cânones da Igreja Irineu de Lion 4 Evangelhos Atos Cartas de Paulo Apocalipse Algumas Cartas Universais O Pastor de Hermas
  • 52. Vários cânones da Igreja Hipólito de Roma Não sabemos ao certo quais livros formavam seu Cânon
  • 55. Vários cânones da Igreja Origenes de Alexandria RECONHECIDOS DISCUTIDOS 4 Evangelhos Tiago 14 epístolas de Paulo 2 e 3 João Atos 2 Pedro 1 Pedro Judas 1 João Epístola de Barnabé Apocalipse O Pastor de Hermas
  • 56. Vários cânones da Igreja Atanásiano Atanásio foi Bispo por quase 50 anos e enviava cartas às “suas” igrejas na Páscoa. No ano 367 ele escreveu a Carta Pascal 39 e menciona os 27 livros na sequência que temos hoje. Nosso cânon é Atanasiano!
  • 57. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 58. 4) Recepção do Novo Testamento no Período Patrístico
  • 59.
  • 60. “Marcião é a primeira pessoa conhecida por nós que publicou uma coleção fixa do que viríamos a chamar de livros do Novo Testamento” (F.F. Bruce) Marcião
  • 61. “O Pai era o Deus bom e misericordioso de que ninguém jamais ouvira até que Jesus viera revelá-lo”. Paulo foi “o único apóstolo fiel de Cristo”. Rejeitou qualquer ligação com o A.T. Afirmou que Jesus desceu do céu da mesma forma que subiu.
  • 62. Montano, Priscila e Maximila “Nova Profecia” = Montanismo Dizia ser o Espírito Santo e tão inspirado quanto o Novo Testamento. Montano
  • 63. Egípcio (c. 296-373). Negro e de pequena estatura. Escritor e Bispo. Atanásio
  • 64. “Uma coisa precisa ser afirmada com toda ênfase: os livros do Novo Testamento não se tornaram escritos revestidos de autoridade para a Igreja porque foram incluídos em uma lista canônica; pelo contrário, a igreja incluiu-os no cânon porque já os considerava divinamente inspirados, reconhecendo neles o valor inato e, em geral, a autoridade apostólica, direta ou indireta” (F.F. Bruce).Atanásio
  • 65. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 66. 5) Recepção do Novo Testamento no Período Escolástico
  • 68. Anselmo (1033-1109) nasceu na Itália e estudou na França. Recebeu o cânon Atanasiano mas tentou elaborar uma explicação meramente lógica da fé cristã.
  • 69. Tomás de Aquino (1225-1274) Itália e viveu em Paris. Elaborou os cinco argumentos. Recebeu o cânon Atanasiano, mas, misturou a Filosofia à fé.
  • 70. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 71. 6) Recepção do Novo Testamento no Período da Reforma Protestante
  • 73. Quem foi Martinho Lutero? (1483- 1546). Depende a quem você perguntar. Seu pai queria que ele fosse advogado. Chegou a declarar que odiava a Deus por não entender de fato quem Deus era.
  • 74. Em 1515 leu e entendeu Romanos 1:17 “O justo viverá pela fé” e, a partir daí encontrou Deus. Ele passou a pregar na linguagem do povo diferente do que os Padres faziam.
  • 75. No dia 31 de outubro de 1517 ele afixou na porta da Catedral de Wittenberg suas 95 teses contra o papado e a Igreja católica.
  • 76. Ele recebeu os 27 livros como canônicos, mas, acreditava que nem todos tinha o mesmo valor. As partes mais importantes, as mais úteis para o culto e o ensino, são as que melhor refletem as boas novas de Cristo, como o Evangelho de João, sua primeira epístola, as cartas de Paulo aos Romanos, Gálatas e Efésios, e a primeira epístola de Pedro.
  • 77. Já a epístola de Tiago e o Apocalipse foram consideradas de pouca utilidade. Seu princípio era “o que promove Cristo”.
  • 78. Para Lutero, a Bíblia e a Palavra de Deus (o próprio Deus) eram coisas diferentes, além disto, ele recebeu o cânon do Novo Testamento com algumas reservas.
  • 79. “Os pontos de vista de Lutero quanto ao cânon do Novo Testamento ganharam ampla divulgação com o lançamento de seu N.T. alemão em 1522 (...). O índice de assuntos sugere que Lutero distinguia entre dois níveis de canonicidade no N.T.: os nomes dos 23 primeiros livros (de Mateus a 3 João) são precedidos por números de série 1-23.
  • 80. Os quatro livros restantes – Hebreus, Tiago, Judas e Apocalipse – são separados dos demais por um espaço adicional e não recebem numeração. Lutero não excluiu do cânon esses quatro livros, mas não reconheceu neles a elevada qualidade de “certos livros capitais” e expressou abertamente sua opinião nos prefácios de cada livro.
  • 81. João Calvino (1509-1564), nasceu na França mas ficou conhecido pelo que fez na Suíça. Recebeu o cânon atanasiano do N.T. Ele escreveu comentários sobre quase todos os livros do N.T. (2 e 3 João e Apocalipse são as exceções).
  • 82. “Calvino aceitava o cânon do N.T. como lhe havia sido transmitido. Para ele, a autoridade do N.T., como a de toda a Escritura, repousava não em qualquer decreto eclesiástico, mas na qualidade em si mesma do que ali estava escrito, atestada no coração receptivo pelo testemunho interno do Espírito Santo” (F.F. Bruce).
  • 83. Hebreus = Lucas ou Clemente de Roma Tiago = Não sabia qual Tiago era o autor 2 Pedro “Não ele mesmo a tenha escrito, mas que um de seus discípulos compôs sob suas ordens aquilo que a necessidade da época demandava”.
  • 84. Em 1536 escreveu a primeira edição das Institutas. Ele criou escolas e cursos profissionalizantes como resultado de suas leituras e estudos bíblicos, e, assim difundiu o Evangelho a vários povos.
  • 85. A respeito da pregação: “É ordenado a todos os servos de Deus que não apresentem invenções próprias, mas que simplesmente entreguem aquilo que receberam de Deus para a congregação, da mesma forma como alguém que passa algo de uma mão para outra”.
  • 86. Em relação à Bíblia: “Devemos às Escrituras a mesma reverência que devemos a Deus, porque elas procedem somente dele, e não há nada do homem misturado a elas”.
  • 87. Thomas Cranmer promoveu a reforma na Inglaterra sobretudo por meio dos seus escritos. “Arcebispo de Cantuária no tempo de ruptura entre Henrique VIII e Roma. Suas ideias foram se tornando protestantes, e durante o reinado de Eduardo VI fez muito para promover a reforma na Inglaterra” (Justo L. González).
  • 88. Prefaciou e distribuiu muitas Bíblias (Bíblia de Cranmer ou Grande Bíblia). Foi autor de dois documentos básicos do Anglicanismo: O Livro de Oração Comum (1549- 1552) E os Quarenta e dois artigos (1553), que depois viraram 39 artigos.
  • 89. O Artigo VI dos 39, cujo título é “Suficiência das Sagradas Escrituras Para a Salvação” diz o seguinte: “A Escritura Sagrada contém todas as coisas necessárias para a salvação; de modo que tudo o que nela não se lê, nem por ela se pode provar, não deve ser exigido de pessoa alguma que seja crido como artigo de fé ou julgado como requerido ou necessário para a salvação. Pelo nome de Escritura Sagrada entendemos os Livros canônicos do Antigo e Novo Testamentos, de cuja autoridade jamais houve qualquer dúvida na Igreja”.
  • 90. Quando menciona os 39 livros do Antigo Testamento também diz: “E os outros livros (como diz Jerônimo), a Igreja os lê para exemplo de vida e instrução de costumes; mas não os aplica para estabelecer doutrina alguma. São os seguintes:
  • 91. 1. Terceiro Livro de Esdras. 2. Quarto Livro de Esdras. 3. Livro de Tobias. 4. Livro de Judite. 5. O Restante do Livro de Ester. 6. Livro de Sabedoria. 7. Jesus, Filho de Siraque. 8. O Profeta de Baruque. 9. O Cântico dos Três Mancebos. 10. A História de Susana. 11. De Bel e o Dragão.
  • 92. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 93. 7) Recepção do Novo Testamento no Período Moderno
  • 95. Friedrich Daniel Ernst Schleiermacher (1768-1834). O pai da teologia liberal moderna. “Schleiermacher está para a Teologia como Newton está para a Física, Freud para a Psicologia e Darwin para a Biologia” (Grenz e Olson).
  • 96. Filho de Protestantes pietistas. Estudou na Universidade de Halle. Tornou-se ministro na Igreja Reformada. Atuou como capelão hospitalar em Berlim e catedrático de Teologia onde estudou. Em 1806 pastoreou uma igreja influente em Berlim. Tornou-se Deão da Faculdade de Teologia.
  • 97. Não aceitava a inspiração e inerrância das Escrituras. “A Bíblia é o registro das experiências religiosas do antigo povo de Deus. Não é divinamente inspirada nem infalível”.
  • 98. “Em sua obra mais importante, A Fé Cristã (1821, revisada em 1830), elaborou um sistema de doutrina cristã para os tempos modernos. Esse livro foi considerado o texto mais significativo e sistemático de teologia protestante desde as Institutas de João Calvino” (Alderi Matos).
  • 99. David Friedrich Strauss (1808-1874). Escreveu “A Vida de Jesus”. “É uma obra desconstrutiva que critica a historicidade dos evangelhos; interpreta este material como uma teoria do mito; critica os esforços construtivos das teologias ortodoxas e racionalistas, que assume a historicidade dos evangelhos; e propõe uma interpretação cristológica de natureza hegeliana:...
  • 100. a humanidade como espécie em sua unidade com o Espírito, é o verdadeiro Deus-homem da fé ortodoxa. Jesus é a representação da imaginação religiosa dessa ideia e verdade religiosa” (González).
  • 101. Cria que os milagres de Jesus eram mitos e foi demitido por isso. Rompeu com o protestantismo. Tornou-se Deputado mau sucedido, depois voltou a escrever, publicando biografias de diversas personalidades. Rompeu com qualquer religião e tornou-se materialista.
  • 102. Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Foi discípulo de Karl Barth. Opôs-se a Hitler na tentativa de instituir uma Igreja que concordasse com suas práticas nazistas. Foi enforcado em 1945.
  • 103. “A Igreja da Confissão” foi um grupo criado para resistir a Hitler. Ele foi o mais destacado membro deste grupo.
  • 104. “A obra do jovem pastor e teólogo alemão Dietrich Bonhoeffer (1906- 1945), discípulo de Karl Barth, recebeu atenção pelo fato de ele ter sido executado pelos nazistas nas últimas semanas da II Guerra Mundial” (González).
  • 105. Ele escreveu: “A Comunhão dos Santos (1927); “Ato e Ser” (1931); “O Preço do Discipulado” (1937); “Vida em Comunidade” (1939); “Cartas e Papéis da Prisão”.
  • 106. Ele esteve preso por 2 anos e 4 meses. Tornou-se o capelão dos detentos. Foi martirizado em 9 de abril de 1945. Recebeu o cânon atanasiano.
  • 107. “Para ele a Bíblia não é um livro religioso, pois a religião se volta para o indivíduo, a interioridade e o porvir, preocupações essas opostas às das Escrituras, que se concentram na comunidade e no discipulado no mundo” (Alderi Matos).
  • 108. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 109. 9) A insuficiência das Escrituras Sagradas no Neopentecostalismo
  • 110.  Mateus 7:15-23: “Cuidado com os falsos profetas! Eles chegam disfarçados de ovelhas, mas por dentro são lobos selvagens. Vocês os conhecerão pelo que eles fazem. Os espinheiros não dão uvas, e os pés de urtiga não dão figos. Assim, toda árvore boa dá frutas boas, e a árvore que não presta dá frutas ruins. A árvore boa não pode dar frutas ruins, e a árvore que não presta não pode dar frutas boas. Toda árvore que não dá frutas boas é cortada e jogada no fogo. Portanto, vocês conhecerão os falsos profetas pelas coisas que eles fazem.
  • 111.  Não é toda pessoa que me chama de “Senhor, Senhor” que entrará no Reino do Céu, mas somente quem faz a vontade do meu Pai, que está no céu. Quando aquele dia chegar, muitas pessoas vão me dizer: “Senhor, Senhor, pelo poder do seu nome anunciamos a mensagem de Deus e pelo seu nome expulsamos demônios e fizemos muitos milagres!” Então eu direi claramente a essas pessoas: “Eu nunca conheci vocês! Afastem-se de mim, vocês que só fazem o mal!” (NTLH).
  • 112.
  • 113. O desejo de se igualar a Deus é antigo, tem raízes no Paraíso do Éden, quando a serpente prometeu à mulher que ela e seu marido seriam iguais a Deus ao comerem do fruto que Deus proibira (Gn 3:1- 6). Desde então o homem vem nutrindo o desejo pecaminoso de ser igual a Deus, ou no mínimo, de ser um pequeno deus.
  • 114.  Em tempos mais recentes, por volta do começo do século XIX, surgiu um homem chamado Essek William Kenyon, a quem os especialistas, como Romeiro, por exemplo, denominam de Pai da confissão positiva (outro nome da Teologia da Prosperidade). Romeiro (1998, p.8) diz: “quando se investiga o desenvolvimento histórico do movimento, chega-se à conclusão de que o verdadeiro pai da confissão positiva é Essek William Kenyon.”
  • 115.  O homem que veio a ser o pai da chamada confissão positiva, ou Teologia da Prosperidade, nasceu no ano de 1867, em Nova York, Estados Unidos e morreu em 1948. Quando tinha 19 anos de idade pregou seu primeiro sermão numa igreja Metodista. Começou cedo como pregador, e iria mais adiante querendo o aperfeiçoamento no estudo das Sagradas Escrituras. Matriculou-se numa escola para aprender a hermenêutica do professor Charles Emerson.
  • 116. Emerson, foi um homem religiosamente inseguro, passou por diversos tipos de religião. Emerson mudou diversas vezes de opinião tendo no seu currículo crenças das mais bizarras no que diz repeito à Bíblia Sagrada, como por exemplo, foi universalista, unitariano, trancendentalista, e terminou na seita conhecida por Ciência Cristã, que explica que toda causa e efeito são mentais, não físicos (ROMEIRO, 2005).
  • 117.  Kenyon chegou a ser escritor, pregador Batista, Metodista, Pentecostal, e itinerante sem vínculos denominacionais, radialista de sucesso no final dos anos 30 e começo dos 40 iniciou-se nos ensinos das “seitas metafísicas” (MARIANO, 1999, p. 90).
  • 118.  O Pai da Teologia da Prosperidade enfatizava seus ensinos na cura divina e confisão positiva, ato de ordenar verbalmente às coisas, às vezes até mesmo a coisas que ainda não existem, e essas ordens têm de ser obedecidas, segundo dizem, para se cumprir o que está escrito na Bíblia em Marcos 11: 23- 24.
  • 119.  Os ensinos sobre a prosperidade financeira exagerada e fora dos parâmetros bíblicos, de que todos os crentes independente da situação econômica do país onde viva e da sua própria história de vida devem enriquecer, advêm do televangelista norte-americano Oral Roberts. Roberts começou a crer assim quando inicou na televisão e passou por apertos financeiros para pagar seus próprios programas que iam ao ar.
  • 120.  Pouco antes de sua morte em 1948, Kenyon passou às mãos de sua filha Ruth a incumbência de propagar seus ensinamentos. Pouco tempo depois surge Kenneth E. Hagin como o maior propagador das ideias de Kenyon até o presente momento. Sua influência foi sofrida por meios dos escritos publicados pela filha de Kenyon, certamente seus escritos não exerceram influência apenas em Hagin, pois, hoje em dia, no Brasil tais ensinos têm formado parte da teologia de muita gente, como veremos mais a frente.
  • 121.  Kenneth Erwin Hagin nasceu no estado do Texas, no mesmo país de seu antecessor Kenyon, no dia 20 de agosto de 1917. Logo que nasceu foi desenganado pelos médicos por sofrer de problemas cardíacos. Tudo ficou pior quando, por motivos que desconhecemos, seu pai abandonou a família quando este tinha seis anos de idade. Com a saída de seu pai de casa, Hagin ainda criança passou a ter forte inclinação para o suicídio.
  • 122.  Aos nove anos foi morar com a avó. Prestes a completar 16 anos sofreu uma piora em sua saúde, o que o obrigou a viver por uns tempos numa cama sem poder andar. Mas, duas coisas bastante significativas e que geram polêmica ainda hoje, estavam para acontecer com o adolescente que seria o maior propagador da teologia da prosperidade do século passado. A primeira coisa a acontecer foram suas visitas, como ele mesmo dizia, ao inferno por três vezes que o levou a se converter ao Senhor Jesus. A segunda coisa marcante nessa fase da vida do, então jovem, Hagin foi sua miraculosa cura.
  • 123.  Ele conta que orou e “confessou”, baseado em Marcos 11:23-24, que estaria curado de suas enfermidades, isso aconteceu no dia 1º de janeiro de 1934, alguns meses depois, na segunda semana de agosto do mesmo ano, ele finalmente se recuperou, e, para a surpresa de todos, voltou inexplicavelmente a andar.
  • 124.  Continuando com a história [controversa] de Kenneth E. Hagin, vemos que, durante os anos de 1934-1937 Hagin pastoreou uma Igreja Batista na cidade onde morava. No ano de 1937 recebeu o batismo no Espírito Santo, falou em línguas e se tornou um ministro das Assembleias de Deus no Estado do Texas onde pastoreou algumas igrejas desta denominação até 1949. Nessa mesma época, Hagin se associou com pregadores pentecostais independentes, também pregadores da cura divina, nomes como William Marion Branham (que era unitariano), Oral Roberts e T. L. Osborn.
  • 125.  Em 1963, ele fundou a Associação Evangelística Kenneth Hagin. Em 1966 Hagin recebeu inúmeros convites para pregar e realizar seminários, no mesmo ano começou a pregar no rádio. Em 1976 foi ao ar seu primeiro programa de televisão. Em 1974 seu filho Kenneth Hagin Junior fundou o Centro de Treinamento Bíblico Rhema, justamente para ensinar a Teologia da Confissão Positiva, o que logrou muito êxito, pois, diversos alunos, das mais diferentes partes dos Estados Unidos começaram a se matricular a fim de receber e propagar pelo mundo tal doutrina.
  • 126.  Até hoje, o centro de treinamento Rhema já formou mais de 23 mil alunos. O programa de rádio da mesma Escola é atualmente transmitido por mais de 250 estações na América do Norte. Kenneth Hagin e seu filho já produziram cerca de 150 livros e livretos com ensinamentos da Teologia da Prosperidade que, ao todo tiveram uma tiragem de aproximadamente 65 milhões de cópias em todo o mundo (ROMEIRO, 2005, p. 96).
  • 127.  O que Hagin ensinou:  “Deus quer que seus filhos usem a melhor roupa. Ele quer que eles dirijam os melhores carros e quer que tenham o melhor de tudo [...] simplesmente exija o que você precisa” (HAGIN, p. 43) Noutra ocasião ele também disse: “Você é tão encarnação de Deus quanto Jesus Cristo o foi: cada homem que nasceu de Deus é uma encarnação de Deus tanto quanto o foi Jesus de Nazaré” (HAGIN, dezembro 1980 apud ROMEIRO 1998, p. 43).
  • 128.  A respeito da conversão de um irmão seu, disse:  “Sempre orava ‘Deus, salva-o’. Tinha até mesmo jejuado. Estava propenso a voltar ao habitual modo de orar, mas depois que o Senhor me desafiou a fazer alguma coisa a respeito – depois de me ter dito que eu tinha autoridade – eu disse: ‘Em nome de Jesus, desfaço o poder do diabo na vida de meu irmão e clamo por sua salvação!’. Ordenei. Não fiquei repetindo a mesma coisa ou orando e orando. Quando um rei dá uma ordem, ele sabe que vai ser cumprida” (A Autoridade do Crente. p. 30).
  • 129.  “Descobri que o modo mais eficaz de orar é aquele pelo qual você requer os seus direitos. É assim que eu oro: Exijo meus direitos!” (A Autoridade do Crente. p. 30).  Ler página 99 do livro “Novo Testamento: desafios históricos e atuais”.
  • 130. Ele diz: Usar a frase “se for da tua vontade” em oração pode parecer espiritual, e demonstrar atitude piedosa de quem é submisso à vontade do Senhor, mas, além de não adiantar nada, destrói a própria oração (SOARES, 2004 p.11).
  • 131. 131
  • 132.
  • 133.
  • 134.
  • 135.
  • 136.
  • 137. 137
  • 138. 138
  • 139.
  • 140. 140
  • 141. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 142. 10) A Igreja que recebe as Escrituras Sagradas como Palavra de Deus
  • 143. Confissão de Augsburgo (25/07/1530). Artigo V, do ofício da pregação: “Para conseguirmos essa fé, instituiu Deus o ofício da pregação, dando-nos o evangelho e os sacramentos, pelos quais, como por meios, dá o Espírito Santo, que opera a fé, onde e quando lhe apraz, naqueles que ouvem o evangelho, o qual ensina que temos, pelos méritos de Cristo, não pelos nossos, um Deus gracioso, se o crermos. Condenam-se os anabatistas e outros que ensinam alcançarmos o Espírito Santo mediante preparação, pensamentos e obras próprias, sem a Palavra física do Evangelho”
  • 144. Artigo VI, “Da Suficiência das Escrituras Sagradas Para a Salvação”: “Recebemos e contamos por canônicos todos os livros do Novo Testamento como são comumente recebidos”.
  • 145. “Das Sagradas Escrituras, capítulo 1: 1. (...) Isto torna as Escrituras Sagradas indispensável, tendo cessado aqueles antigos modos de Deus revelar sua vontade ao seu povo. 2. Sob o nome de Escrituras Sagradas, ou Palavra de Deus escrita, incluem-se agora todos os livros do Antigo Testamento, que são os seguintes”.
  • 146. “Todos eles são dados por inspiração de Deus para serem a regra de fé e de prática”. Ponto 5, capítulo I: Pelo testemunho da Igreja podemos ser movidos e incitados a um alto e reverente apreço pelas Escrituras Sagradas; (...).
  • 147. Confissão Batista de New Hampshire (1833), Artigo VI DAS ESCRITURAS – Cremos que a Bíblia Sagrada foi escrita por homens divinamente inspirados, e é um tesouro perfeito de instrução celestial; que tem um Deus por seu autor, salvação por sua finalidade, e verdade sem qualquer mistura de erro em seu conteúdo; (...)
  • 148. Convenção Batista do Sul (EUA) (1925, revisada em 1963), Artigo I, DAS ESCRITURAS – “A Bíblia Sagrada foi escrita por homens divinamente inspirados e é o registro da revelação do próprio Deus ao homem”.
  • 149. “Declaração de Chicago Sobre a Inerrância da Bíblia” – Artigo I: “Afirmamos que as Sagradas Escrituras devem ser recebidas como a Palavra oficial de Deus”.
  • 150. “Convenção Batista Brasileira”. Artigo I: “A aceitação das Escrituras Sagradas como única regra de fé e conduta”.
  • 151. “Igreja Cristã Evangélica”. Artigo V: “Da Doutrina das Sagradas Escrituras”: “Cremos na plena inspiração divina e na inerrância dos manuscritos originais das Sagradas Escrituras – Antigo e Novo Testamentos, formados por sessenta e seis livros que foram escritos por homens santos e da parte de Deus”.
  • 152. “ACEV (Ação Evangélica)”. Artigo I: “[Cremos] na plena inspiração das Escrituras canônicas (os 66 livros da Bíblia Sagrada), sua infalibilidade, sua única e final autoridade em assuntos de fé e prática”.
  • 153. “Missão Evangélica Pentecostal do Brasil”. Artigo I: “Sagradas Escrituras” “Cremos que as Escrituras do Velho Testamento (trinta e nove livros) e do Novo Testamento (vinte e sete livros) são a Palavra de Deus divinamente inspirada, infalível e autoridade máxima de nossa regra de fé e prática”.
  • 154. OCânon do Novo Testamento SeminárioTeológico da Missão JUVEP Prof. Bruno Cesar www.bruno-cesar.com
  • 156. Acesse o site www.bruno-cesar.com facebook.com/brunocesarteologiaAdquira nossos livros e em breve cursos online