SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Prof. Bruno Cesar
www.bruno-
cesar.com
• Durante a Idade Média, muitos, até mesmo do clero, viviam
em profunda ignorância quanto à Bíblia. E o que conheciam
era devido apenas à tradução da Vulgata e aos escritos dos
Pais da Igreja. A Bíblia era, geralmente, considerada como
um livro cheio de mistérios, os quais só poderiam ser
entendidos de uma forma mística. Nesse período, o sentido
quádruplo da Escritura (literal, moral, alegórico e
escatológico) era geralmente aceito, e o princípio de que a
interpretação da Bíblia tinha de se adaptar à tradição e à
doutrina da Igreja tornou-se estabelecido. Reproduzir os
ensinos dos Pais da Igreja e descobrir os ensinos da Igreja
na Bíblia eram considerados o ápice da sabedoria.
• A regra de São Benedito foi sabiamente aplicada nos
monastérios, e decretado que as Escrituras deveriam ser
lidas e, com elas, como explicação final, a exposição dos
Pais da Igreja.
• Hugo de São Vítor chegou a dizer: “Aprenda primeiro as
coisas em que você deve crer e, então vá à Bíblia para
encontrá-las lá”. Nos casos em que as interpretações
dos Pais da Igreja diferiam, como frequentemente
acontecia, o intérprete tinha o dever de escolher. Nem
um único princípio hermenêutico foi desenvolvido nessa
época, e a exegese estava de mãos e pés atados pela
tradição oral e pela autoridade da Igreja.
• Enquanto o sentido quádruplo da Escritura era
geralmente aceito nessa época (literal, moral, alegórico e
escatológico), pelo menos alguns começaram a ver a
incongruência de tal visão. Até mesmo Tomás de Aquino
parece tê-la sentido vagamente. É verdade que ele
constantemente alegorizava mas, também, pelo menos
em teoria, considerava o sentido literal como uma base
necessária para toda a exposição da Escritura. Foi,
porém, Nicolau de Lyra quem quebrou os grilhões dessa
era. Não abandonou de modo ostensivo a opinião
vigente, mesmo na aceitação do sentido quádruplo mas,
na realidade, admitiu só dois sentidos, o literal e o
místico, e até mesmo apoiava o último exclusivamente
no primeiro.
• Argumentou quanto à necessidade de se referir ao
original, lamentou sobre o fato de se permitir que “o
sentido místico sufocasse o literal”, e requereu que o
último só fosse usado na doutrina experimental. Sua
obra influenciou profundamente Lutero e,
consequentemente a Reforma.
• Acredita-se que o método de interpretação denominado
de “quadriga” tenha sido desenvolvido por João
Cassiano (séc. V). Cria-se que a Escritura tinha quatro
sentidos:
• Histórico ou literal – o sentido evidente e óbvio do texto.
• Alegórico ou cristológico – o sentido mais profundo,
geralmente apontando para Cristo.
• Tropológico ou moral - o sentido que determinava as
obrigações do cristão e a sua conduta.
• Anagógico ou escatológico – o sentido que apontava
para as coisas vindouras que o cristão deveria esperar.
• A perspectiva de que as Escrituras têm três ou quatro
níveis de sentidos, conforme expressa a quadriga,
dominou a interpretação bíblica no período da Idade
Média. Alguns, como Bonaventura, teólogo católico
franciscano do século 13, chegaram até a defender que
havia sete níveis de sentido em cada passagem.
• A falta de leitura da Bíblia produz todo tipo de misticismo
e erro. Esse foi o principal motivo pelo qual a
interpretação bíblica “sofreu” muito nessa era. Isto é, o
povo não tinha a Bíblia em mãos e consequentemente
não sabia interpretá-la. Até mesmo os estudiosos não
sabia como ler a Palavra de Deus, e consequentemente
não sabiam aplicá-la.
• As circunstâncias clamavam por um movimento que
pusesse a Bíblia nas mãos do povo e o ajudasse a
interpretá-la e vivê-la. E foi isso o que a Reforma
Protestante fez.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

aula de Homilética, recursos da homilética
aula de Homilética,  recursos da homiléticaaula de Homilética,  recursos da homilética
aula de Homilética, recursos da homiléticaRODRIGO FERREIRA
 
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)Daniel Junior
 
Introdução às Sagradas Escrituras
Introdução às Sagradas EscriturasIntrodução às Sagradas Escrituras
Introdução às Sagradas EscriturasCursos Católicos
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Márcio Martins
 
Evangélico stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...
Evangélico   stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...Evangélico   stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...
Evangélico stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...manoel ramos de oliveira
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Maduraguestc5d870
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosGcom digital factory
 
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns DesafiosLição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns DesafiosÉder Tomé
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeÉder Tomé
 

Mais procurados (20)

aula de Homilética, recursos da homilética
aula de Homilética,  recursos da homiléticaaula de Homilética,  recursos da homilética
aula de Homilética, recursos da homilética
 
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
Estudo Bíblico 1 Coríntios - Estudo 3 (power point)
 
Uma igreja genuinamente pentecostal
Uma igreja genuinamente pentecostalUma igreja genuinamente pentecostal
Uma igreja genuinamente pentecostal
 
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1Introdução ao estudo da hermenêutica 1
Introdução ao estudo da hermenêutica 1
 
O diaconato
O diaconatoO diaconato
O diaconato
 
Introdução às Sagradas Escrituras
Introdução às Sagradas EscriturasIntrodução às Sagradas Escrituras
Introdução às Sagradas Escrituras
 
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
Escatologia o Estudo das Últimas Coisas.
 
1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica1ªaula de hermenêutica
1ªaula de hermenêutica
 
Evangélico stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...
Evangélico   stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...Evangélico   stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...
Evangélico stanley m horton - apocalipse - as coisas que brevemente devem a...
 
Marcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa MaduraMarcas De Uma Pessoa Madura
Marcas De Uma Pessoa Madura
 
Teologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - AspectosTeologia Contemporânea - Aspectos
Teologia Contemporânea - Aspectos
 
Culto e Liturgia
Culto e LiturgiaCulto e Liturgia
Culto e Liturgia
 
Aula 01-homilética-v1
Aula 01-homilética-v1Aula 01-homilética-v1
Aula 01-homilética-v1
 
4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos4. O Evangelho Segundo Marcos
4. O Evangelho Segundo Marcos
 
001 um breve histórico dos pequenos grupos
001   um breve histórico dos pequenos grupos001   um breve histórico dos pequenos grupos
001 um breve histórico dos pequenos grupos
 
HERMENÊUTICA
HERMENÊUTICAHERMENÊUTICA
HERMENÊUTICA
 
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns DesafiosLição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
Lição 6 - A Igreja Atual e alguns Desafios
 
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na VerdadeLição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
Lição 1 - As Cartas de Pedro: Vivendo em Esperança e Firmados na Verdade
 
Palestra maturidade cristã
Palestra   maturidade cristãPalestra   maturidade cristã
Palestra maturidade cristã
 
Cristologia aula01
Cristologia aula01Cristologia aula01
Cristologia aula01
 

Destaque

O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do DireitoFabiana Del Padre Tomé
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPastor W. Costa
 
Aula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele soutoAula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele soutoFernanda Moreira
 
História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)Aniel Wagner Cruz
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutóriaibpcursos
 
Historia de la hermenéutica
Historia de la hermenéuticaHistoria de la hermenéutica
Historia de la hermenéuticaamfyce
 

Destaque (20)

Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7Hermenêutica na igreja primitiva 7
Hermenêutica na igreja primitiva 7
 
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2A necessidade do estudo da hermenêutica 2
A necessidade do estudo da hermenêutica 2
 
A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6A hermenêutica entre os judeus 6
A hermenêutica entre os judeus 6
 
A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx A hermenêutica nos séculos xix e xx
A hermenêutica nos séculos xix e xx
 
Hermenêutica ensinai
Hermenêutica  ensinaiHermenêutica  ensinai
Hermenêutica ensinai
 
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
O papel do espírito santo na interpretação bíblica 4
 
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do DireitoInterpretação e tradução   2013-2 - Teoria Geral do Direito
Interpretação e tradução 2013-2 - Teoria Geral do Direito
 
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblicaPr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
Pr. Weverton Costa - Hermenêutica bíblica
 
Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2Hermenêutica Parte 2
Hermenêutica Parte 2
 
Aula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele soutoAula do dia 30 04 - professora daniele souto
Aula do dia 30 04 - professora daniele souto
 
A formação da bíblia
A formação da bíbliaA formação da bíblia
A formação da bíblia
 
História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)História da interpretação bíblica (1)
História da interpretação bíblica (1)
 
Hermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - IntrodutóriaHermenêutica - Introdutória
Hermenêutica - Introdutória
 
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silvaIntrodução a hermeneutica bíblica   walter c. kaiser jr. e moisés silva
Introdução a hermeneutica bíblica walter c. kaiser jr. e moisés silva
 
Historia de la hermenéutica
Historia de la hermenéuticaHistoria de la hermenéutica
Historia de la hermenéutica
 
03 exege bíblica
03 exege bíblica03 exege bíblica
03 exege bíblica
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
 
2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade
2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade
2ª palestra: Nossa comunhão com a Trindade
 
3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade
3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade
3ª palestra: Nossa comunhão mútua à luz da Trindade
 
1ª palestra a comunhão na trindade
1ª palestra  a comunhão na trindade1ª palestra  a comunhão na trindade
1ª palestra a comunhão na trindade
 

Semelhante a Idade Média interpretação bíblica

Estrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.pptEstrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.pptJose Sanches
 
Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica idenilsonlemes
 
A ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdf
A ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdfA ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdf
A ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdfRafaelSerafim14
 
Qual biblia devo_comprar
Qual biblia devo_comprarQual biblia devo_comprar
Qual biblia devo_comprarRodrigo Soares
 
Santo Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdf
Santo Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdfSanto Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdf
Santo Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdfTarcioFonsecaFurtado
 
AGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdf
AGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdfAGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdf
AGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdfVIEIRA RESENDE
 
Patrística - Padres Apostólicos (1).pdf
Patrística - Padres Apostólicos (1).pdfPatrística - Padres Apostólicos (1).pdf
Patrística - Padres Apostólicos (1).pdfLuizEduardo136978
 
Interpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemosInterpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemosisraelfaifa
 
Panorama do Antigo Testamento
Panorama do Antigo TestamentoPanorama do Antigo Testamento
Panorama do Antigo TestamentoAlberto Simonton
 

Semelhante a Idade Média interpretação bíblica (20)

A biblia e_a_reforma_protestante
A biblia e_a_reforma_protestanteA biblia e_a_reforma_protestante
A biblia e_a_reforma_protestante
 
Estrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.pptEstrutura da Bíblia.ppt
Estrutura da Bíblia.ppt
 
# Ivan r franzolim - dicas para estudar o evangelho - [ espiritismo]
#   Ivan r franzolim - dicas para estudar o evangelho - [ espiritismo]#   Ivan r franzolim - dicas para estudar o evangelho - [ espiritismo]
# Ivan r franzolim - dicas para estudar o evangelho - [ espiritismo]
 
Hermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica iHermenêutica bíblica i
Hermenêutica bíblica i
 
Introdução Bíblica
Introdução BíblicaIntrodução Bíblica
Introdução Bíblica
 
A ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdf
A ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdfA ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdf
A ORIGEM DA Biblia. Um guia para os perplexos.pdf
 
Qual biblia devo_comprar
Qual biblia devo_comprarQual biblia devo_comprar
Qual biblia devo_comprar
 
ESCATOLOGIA AULA 4.ppt
ESCATOLOGIA AULA 4.pptESCATOLOGIA AULA 4.ppt
ESCATOLOGIA AULA 4.ppt
 
Santo Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdf
Santo Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdfSanto Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdf
Santo Agostinho - O Livre-Arbítrio -Paulus (1995).pdf
 
AGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdf
AGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdfAGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdf
AGOSTINHO. O Livre-Arbítrio (1).pdf
 
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA  AULA 2.pptESCATOLOGIA  AULA 2.ppt
ESCATOLOGIA AULA 2.ppt
 
Patrística - Padres Apostólicos (1).pdf
Patrística - Padres Apostólicos (1).pdfPatrística - Padres Apostólicos (1).pdf
Patrística - Padres Apostólicos (1).pdf
 
05 A Bíblia
05  A Bíblia05  A Bíblia
05 A Bíblia
 
Catolicismo romano brain schwertley
Catolicismo romano   brain schwertleyCatolicismo romano   brain schwertley
Catolicismo romano brain schwertley
 
Catolicismo romano brain schwertley
Catolicismo romano   brain schwertleyCatolicismo romano   brain schwertley
Catolicismo romano brain schwertley
 
Biblia 05-o-canone
Biblia 05-o-canoneBiblia 05-o-canone
Biblia 05-o-canone
 
Interpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemosInterpretando a bíblia nicodemos
Interpretando a bíblia nicodemos
 
Providentissimus Deus
Providentissimus DeusProvidentissimus Deus
Providentissimus Deus
 
3 nota
3 nota3 nota
3 nota
 
Panorama do Antigo Testamento
Panorama do Antigo TestamentoPanorama do Antigo Testamento
Panorama do Antigo Testamento
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa

O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblicoBruno Cesar Santos de Sousa
 
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5Bruno Cesar Santos de Sousa
 

Mais de Bruno Cesar Santos de Sousa (18)

Como estudar a bíblia
Como estudar a bíbliaComo estudar a bíblia
Como estudar a bíblia
 
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblicoO que pode acontecer a um cristão que  despreza o estudo bíblico
O que pode acontecer a um cristão que despreza o estudo bíblico
 
A importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igrejaA importância do estudo bíblico para a igreja
A importância do estudo bíblico para a igreja
 
Panorama do novo testamento
Panorama do novo testamentoPanorama do novo testamento
Panorama do novo testamento
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Hare krishna
Hare krishnaHare krishna
Hare krishna
 
Espiritismo
EspiritismoEspiritismo
Espiritismo
 
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2   2016.1 tarde e noiteNovo testamento 2   2016.1 tarde e noite
Novo testamento 2 2016.1 tarde e noite
 
Novo testamento 1 noite 2016.1
Novo testamento 1   noite 2016.1Novo testamento 1   noite 2016.1
Novo testamento 1 noite 2016.1
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Homilética I Itaporanga
Homilética I ItaporangaHomilética I Itaporanga
Homilética I Itaporanga
 
O cânon do novo testamento
O cânon do novo testamentoO cânon do novo testamento
O cânon do novo testamento
 
Principais Tipos de Sermão
Principais Tipos de SermãoPrincipais Tipos de Sermão
Principais Tipos de Sermão
 
Teologia da prosperidade
Teologia da prosperidadeTeologia da prosperidade
Teologia da prosperidade
 
A corrida da vida cristã
A corrida da vida cristãA corrida da vida cristã
A corrida da vida cristã
 
O papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de AtosO papel do espírito santo no livro de Atos
O papel do espírito santo no livro de Atos
 
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5As traduções bíblicas e o significado do texto 5
As traduções bíblicas e o significado do texto 5
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 

Idade Média interpretação bíblica

  • 2.
  • 3. • Durante a Idade Média, muitos, até mesmo do clero, viviam em profunda ignorância quanto à Bíblia. E o que conheciam era devido apenas à tradução da Vulgata e aos escritos dos Pais da Igreja. A Bíblia era, geralmente, considerada como um livro cheio de mistérios, os quais só poderiam ser entendidos de uma forma mística. Nesse período, o sentido quádruplo da Escritura (literal, moral, alegórico e escatológico) era geralmente aceito, e o princípio de que a interpretação da Bíblia tinha de se adaptar à tradição e à doutrina da Igreja tornou-se estabelecido. Reproduzir os ensinos dos Pais da Igreja e descobrir os ensinos da Igreja na Bíblia eram considerados o ápice da sabedoria.
  • 4. • A regra de São Benedito foi sabiamente aplicada nos monastérios, e decretado que as Escrituras deveriam ser lidas e, com elas, como explicação final, a exposição dos Pais da Igreja. • Hugo de São Vítor chegou a dizer: “Aprenda primeiro as coisas em que você deve crer e, então vá à Bíblia para encontrá-las lá”. Nos casos em que as interpretações dos Pais da Igreja diferiam, como frequentemente acontecia, o intérprete tinha o dever de escolher. Nem um único princípio hermenêutico foi desenvolvido nessa época, e a exegese estava de mãos e pés atados pela tradição oral e pela autoridade da Igreja.
  • 5. • Enquanto o sentido quádruplo da Escritura era geralmente aceito nessa época (literal, moral, alegórico e escatológico), pelo menos alguns começaram a ver a incongruência de tal visão. Até mesmo Tomás de Aquino parece tê-la sentido vagamente. É verdade que ele constantemente alegorizava mas, também, pelo menos em teoria, considerava o sentido literal como uma base necessária para toda a exposição da Escritura. Foi, porém, Nicolau de Lyra quem quebrou os grilhões dessa era. Não abandonou de modo ostensivo a opinião vigente, mesmo na aceitação do sentido quádruplo mas, na realidade, admitiu só dois sentidos, o literal e o místico, e até mesmo apoiava o último exclusivamente no primeiro.
  • 6. • Argumentou quanto à necessidade de se referir ao original, lamentou sobre o fato de se permitir que “o sentido místico sufocasse o literal”, e requereu que o último só fosse usado na doutrina experimental. Sua obra influenciou profundamente Lutero e, consequentemente a Reforma.
  • 7. • Acredita-se que o método de interpretação denominado de “quadriga” tenha sido desenvolvido por João Cassiano (séc. V). Cria-se que a Escritura tinha quatro sentidos:
  • 8. • Histórico ou literal – o sentido evidente e óbvio do texto. • Alegórico ou cristológico – o sentido mais profundo, geralmente apontando para Cristo. • Tropológico ou moral - o sentido que determinava as obrigações do cristão e a sua conduta. • Anagógico ou escatológico – o sentido que apontava para as coisas vindouras que o cristão deveria esperar. • A perspectiva de que as Escrituras têm três ou quatro níveis de sentidos, conforme expressa a quadriga, dominou a interpretação bíblica no período da Idade Média. Alguns, como Bonaventura, teólogo católico franciscano do século 13, chegaram até a defender que havia sete níveis de sentido em cada passagem.
  • 9. • A falta de leitura da Bíblia produz todo tipo de misticismo e erro. Esse foi o principal motivo pelo qual a interpretação bíblica “sofreu” muito nessa era. Isto é, o povo não tinha a Bíblia em mãos e consequentemente não sabia interpretá-la. Até mesmo os estudiosos não sabia como ler a Palavra de Deus, e consequentemente não sabiam aplicá-la. • As circunstâncias clamavam por um movimento que pusesse a Bíblia nas mãos do povo e o ajudasse a interpretá-la e vivê-la. E foi isso o que a Reforma Protestante fez.