COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS

20.953 visualizações

Publicada em

3 comentários
19 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
20.953
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
647
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.983
Comentários
3
Gostaram
19
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Convém sensibilizar os destinatários para o processo de formação de um livro. O acento pedagógico sobre a formação da Bíblia permite diversas formas de valorização destes elementos.
  • COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓS

    1. 1. COMO A BÍBLIACHEGOU ATÉ NÓSA HISTÓRIA DO LIVRO QUEMUDOU O MUNDO
    2. 2. COMO A BÍBLIA CHEGOU ATÉ NÓSA HISTÓRIA DO LIVRO QUE MUDOU O MUNDOPROF. ANTONIO M. N. DOS REISwww.profamnr.blogspot.com
    3. 3. FATOS E NÚMEROSDA BÍBLIAA Bíblia é um livro de recordes!
    4. 4. FATOS E NÚMEROS O primeiro livro impresso: A Bíblia de Gutemberg em 1465
    5. 5. FATOS E NÚMEROS O primeiro livro impresso: A Bíblia de Gutemberg em 1465 Um dos exemplares da Bíblia impressa por Gutemberg alcançou em 1978 o valor de 1.125.000,00 € (cerca de 250 mil contos) - o mais alto valor para um livro em leilão.
    6. 6. FATOS E NÚMEROS O primeiro livro impresso: A Bíblia de Gutemberg em 1465 Um dos exemplares da Bíblia impressa por Gutemberg alcançou em 1978 o valor de 1.125.000,00 € (cerca de 250 mil contos) - o mais alto valor para um livro em leilão. Entre 1815 e 1975 foram vendidos cerca de 2.500.000.000 de exemplares da Bíblia
    7. 7. FATOS E NÚMEROS O primeiro livro impresso: A Bíblia de Gutemberg em 1465 Um dos exemplares da Bíblia impressa por Gutemberg alcançou em 1978 o valor de 1.125.000,00 € (cerca de 250 mil contos) - o mais alto valor para um livro em leilão. Entre 1815 e 1975 foram vendidos cerca de 2.500.000.000 de exemplares da Bíblia A Bíblia está traduzida em 1800 línguas e dialectos diferentes; porém, há ainda duzentos milhões de pessoas que não têm acesso à Bíblia na sua própria língua.
    8. 8. FATOS E NÚMEROS O primeiro livro impresso: A Bíblia de Gutemberg em 1465 Um dos exemplares da Bíblia impressa por Gutemberg alcançou em 1978 o valor de 1.125.000,00 € (cerca de 250 mil contos) - o mais alto valor para um livro em leilão. Entre 1815 e 1975 foram vendidos cerca de 2.500.000.000 de exemplares da Bíblia A Bíblia está traduzida em 1800 línguas e dialectos diferentes; porém, há ainda duzentos milhões de pessoas que não têm acesso à Bíblia na sua própria língua. Entre os textos da Antiguidade, a Bíblia é o mais bem documentado: existem cerca de 13.000 manuscritos antigos do Novo Testamento originários dos primeiros séculos.
    9. 9. A Bíblia é uma biblioteca de livros• Os textos da Bíblia cristã constituem uma colecção , dividida em dois grandes grupos referidos ao nascimento de Cristo: – ANTIGO TESTAMENTO e – NOVO TESTAMENTO
    10. 10. A Bíblia é uma biblioteca de livros• Porém, escritos ao longo de mais de 1000 anos, contém diversos géneros literários combinados no interior de cada livro. – Cada autor, em cada um dos textos, usa recursos diferentes para transmitir a fé do Povo: poesia e prosa, relatos históricos e ficção, leis e normas, discursos e meditações, reflexão histórica e profecias simbólicas para falar de uma experiência religiosa única.
    11. 11. Géneros Literários na Bíblia Um acontecimento é interpretado de forma diversa consoante o interesse de quem o relata. A escolha dos elementos mais relevantes a relatar, a linguagem escolhida e o estilo dependem desse desejo de não se limitar ao facto em bruto, mas com uma intenção específica
    12. 12. Géneros Literários na BíbliaO Polícia narra osfactos relevantes paraum processo judicial Um acontecimento é interpretado de forma diversa consoante o interesse de quem o relata. A escolha dos elementos mais relevantes a relatar, a linguagem escolhida e o estilo dependem desse desejo de não se limitar ao facto em bruto, mas com uma intenção específica
    13. 13. Géneros Literários na Bíblia O Jornalista descreve as circunstâncias do acidente Um acontecimento é interpretado de forma diversa consoante o interesse de quem o relata. A escolha dos elementos mais relevantes a relatar, a linguagem escolhida e o estilo dependem desse desejo de não se limitar ao facto em bruto, mas com uma intenção específica
    14. 14. Géneros Literários na Bíblia Um acontecimento é interpretado de forma diversa consoante o interesse de quem o relata. A escolha dos elementos mais relevantes a relatar, a linguagem escolhida e o estilo dependem desse desejo de não se limitar ao facto em bruto, mas com uma intenção específica O Dramaturgo desenvolve as emoções e atitudes em jogo
    15. 15. Géneros Literários na Bíblia Um acontecimento é interpretado de forma diversa consoante o interesse de quem o relata. A escolha dos elementos mais relevantes a relatar, a linguagem escolhida e o estilo dependem desse desejo de não se limitar ao facto em bruto, mas com uma intenção específicaO Humorista explora acaricatura daocorrência
    16. 16. A Bíblia é uma Biblioteca deLivros • Ao contrário da organização de uma biblioteca em função dos géneros literários, na Bíblia os livros estão organizados em grandes grupos literários que combinam vários géneros.
    17. 17. A Bíblia é uma biblioteca de livros• O Antigo Testamento é bastante maior do que o Novo Testamento É composto por quatro grandes colecções: – Pentateuco - os 5 Livros da Lei – A História – Poesia e Sabedoria – Profetas
    18. 18. A Bíblia é uma biblioteca de livros• O Antigo Testamento é bastante maior do que o Novo Testamento É composto por quatro grandes colecções: – Pentateuco – A História – Poesia e Sabedoria – Profetas •Antigo Testamento iniciado pelo povo de Israel
    19. 19. A Bíblia é uma biblioteca de livros• A tradição católica O Antigo Testamento é bastante maior do que o Novo Testamento É assumiu ainda um composto por quatro grandes colecções: Conjunto chamado – Pentateuco deuterocanónicos* – A História – Poesia e Sabedoria – Profetas * Daí a diferença de Cânone, o conjunto de livros recebidos, entre as confissões religiosas
    20. 20. A Bíblia é uma Testemunho da vida biblioteca de livros e obra de Jesus Cristo presente na Igreja• O Novo Testamento começa com a narração da vida de Jesus Cristo, e depois da sua morte e ressurreição, pela vida e expansão da Igreja: – Evangelhos - 4 livros contêm uma narrativa histórica única, a Boa Nova da vida de Jesus transmitida pelos seus discípulos. Os Actos dos Apóstolos seriam a continuação do Evangelho de Lucas. – Cartas - 21 livros, dos quais 13 são atribuídas a Paulo, revelam a vida da Igreja Primitiva. – Apocalipse - livro único no género no Novo Testamento, descreve visões que interpretam o passado, o presente e o futuro das comunidades perseguidas.
    21. 21. A Bíblia é uma biblioteca de livros• CÂNONE• Significa regra ou norma dos livros recebidos com autoridade de fé para as comunidades. Por razões diversas nem todos os livros foram recebidos igualmente, distinguindo-se um Cânone Hebraico, um Cânone Grego ou dos Setenta (LXX), o Cânone Católico e o Cânone Reformado. Note-se, porém, que hoje há uma grande convergência nas traduções, procurando que os textos aceites em comum possam exprimir-se de forma semelhante.
    22. 22. Como apareceu a escrita1. As pinturas nas 2. Com o avanço da 3. Há 5.000 anos, osCavernas civilização, os egípcios criaram osrepresentam o desejo desenhos passam a Hieroglifos, umade guardar a memória ser sinais estilizados, escrita sistemática ados acontecimentos dando origem a uma partir de símbolos escrita pictórica
    23. 23. Como apareceu a escrita4. Os babilónios 5. O passo decisivo foi adoptar um alfabeto.simplificaram os Em Canaan fixaram-se 22 sons fundamentaissinais em forma de transcritos num símbolo. Possivelmentecunhas gravadas com houve algum cuidado no desenho aum estilete - a escrita representar um ser de fácil reconhecimento.cuneiforme Mais tarde adoptaram-se vogais no Ocidente.
    24. 24. EVOLUÇÃO DOALFABETO • Põe-se a hipótese de que há uma evolução lenta entre a escrita pictórica simbólica e a fixação das principais letras do alfabeto.
    25. 25. Como apareceu a escrita• Interpretar a escrita antiga – Quando as línguas da Antiguidade deixaram de ser faladas, os seus alfabetos deixaram de ser conhecidos. Só por meio de traduções era possível reconstituir essas línguas.
    26. 26. Como apareceu a escrita• Interpretar por comparação – Em 1799 Napoleão invadiu o Egipto e aí descobriram uma grande pedra, a Pedra de Roseta, que tinha um decreto real escrito em 3 línguas - duas egípcias e uma grega. Isso permitiu a interpretação dos HIEROGLIFOS , e assim, a literatura egípcia foi conhecida por todos.
    27. 27. As línguas da Bíblia As mudanças culturais dos povos bíblicos produziu escritos originais em diferentes línguas dominantes na época da redacção.HEBRAICO ARAMAICO GREGOCom 22 consoantes, No séc. V tornou-se a Com a expansão do Império deadoptou o alfabeto aramaico língua internacional do Alexandre Magno e do Império Romano no Oriente, o Gregosem vogais. O AT foi Próximo Oriente por causa foi a principal língua deescrito maioritariamente do Império Persa. Foi a comunicação. A versãonesta língua que deixou de língua popular no tempo de popular, chamada Koinè foiser falada no séc. V aC e foi Jesus e ainda hoje é falada usada no NT, muitas vezesrestaurada no séc. XX como na região de Malula, na traduzindo mecanicamentelíngua oficial de Israel Síria. construções aramaicas.
    28. 28. Quem escreveu a Bíblia? • A maior parte dos escritores e editores da Bíblia é anónima ou pouco conhecemos delas, e muitas vezes os escritos são colocados sob o patrocínio de personagens famosas, quer pela coerência de pensamento, quer pela autoridade que significam.
    29. 29. Quem escreveu a Bíblia? • Homens inspirados por Deus, embora em alguns livros não possamos identificar facilmente a sua autoria, o que em nada retira a autoridade.
    30. 30. Quem escreveu a Bíblia? Eis alguns nomes de mais autoridade… Antigo Testamento Novo TestamentoMoisés a ele são Isaías, Jeremias Mateus, Marcos e Lucas - chamadosreferidas as principaise Ezequiel - os Evangelistas Sinópticos, seguindo tradiçõestradições da profetas que se comuns relativas à vida de Jesus, mostramlibertação do Egipto e tornaram a sensibilidade particular a alguns aspectos dada aliança com Deus consciência crítica de vida de CristoDavid protagonista Israel e João - é o Paulo - a tradiçãode uma história protagonizaram a evangelista que mais atribuiu-lhe 13 cartas,decisiva para Israel, é esperança da salvação usa símbolos para em que se mostra ochamado o poeta de nos momentos de falar da vida diálogo entre oDeus crise. espiritual. Foram-lhe mundo do judaísmo e atribuídas 3 cartas e o a cultura greco- Apocalipse romana na perspectiva de umEsdras e Neemias - representam o Pedro - São-lhe missionárioperíodo de reconstrução de Jerusalém após o atribuídas 2 cartas apaixonado.Exílio de 585- 544 a.C
    31. 31. A História do LivroOs suportes de escrita evoluíram de acordo com as tecnologias existentes • Papiros • Tábuas de Argila • Pergaminhos • Papel
    32. 32. Os suportes de Escrita
    33. 33. Os suportes de Escrita
    34. 34. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• As dificuldades relativas ao processo de escrita fazem perceber a importância do escriba como profissional da escrita. Costumavam ocupar lugares destacados na corte do rei e no templo, aperfeiçoando a escrita sem cessar.
    35. 35. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• Tendo o seu escritório nos lugares centrais, os escribas eram procurados para a escrita de cartas, contratos, testamentos e documentos legais.
    36. 36. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• Os escribas, com frequência, ocupavam cargos de governo e administração, não sendo meros copistas.
    37. 37. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• Elaboravam registos e arquivos, organizavam o censo da população para a cobrança de impostos, procurando o máximo de cuidado para não haver erros no seu trabalho. Estavam sujeitos a regras muito exigentes no dia a dia, especialmente no controle das cópias com os originais.
    38. 38. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• No interior da narrativa bíblica, o escriba que alcançou maior relevo social, político e religioso foi Esdras. Pelo esforço de passar a escrito todas as tradições do seu povo ou reunir escritos dispersos, conseguiu unificar muitas memórias do passado e tornar o corpo dos livros religiosos de Israel um LIVRO DE LIVROS e de TRADIÇÕES.
    39. 39. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• Mas que conhecemos da actividade dos escribas do passado?• O conjunto mais significativo de cópias da Bíblia foi encontrado em Qumran, junto ao Mar Morto.
    40. 40. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• O conjunto mais significativo de cópias encontrado em ânforas de barro. Aí, em 1946, encontraram-se textos minuciosamente copiados desde o séc. II aC. até ao séc I dC.
    41. 41. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• Como até então os textos hebraicos do AT mais antigos eram do séc. X, houve muita expectativa se estariam muito modificados ao longo dos séculos.
    42. 42. Os Secretários de Deus• A vida de um Escriba• Os manuscritos de Qumran revelaram diferenças mínimas em relação às cópias mais recentes da Idade Média.• Isso ajudou a mostrar o rigor e precisão do trabalho de cópia da Bíblia ao longo dos séculos. Por outro lado, mostra que os textos mais importantes da Bíblia estavam já fixados como tradição num período bastante antigo. Cópia de Isaías finais do séc. I aC.
    43. 43. Os Secretários de Deus• A Memória da Fé• Houve uma grande preocupação das comunidades cristãs primitivas em conservarem a memória das palavras e dos factos relativos à pessoa de Jesus. Por testemunhos recebidos em primeira mão e por tradições que circulavam pelas comunidades, quiseram escrever uma biografia, mas num género literário específico: O Evangelho.• Os 4 Evangelistas representam este esforço de memória da fé e de instrução para as comunidades futuras, passado a escrito.
    44. 44. A Bíblia ao serviço da Cultura• Cópias para a memória futura• Essa relação entre a Escrita, a Cultura e a Fé dominaram a Idade Média.• A fragilidade dos suportes de pergaminho e a dificuldade económica de ter uma edição pessoal fez com que o trabalho de cópia se prolongasse na vida dos monges. Preservar a fé e preservar a cultura estavam de mãos dadas.
    45. 45. A Bíblia ao serviço da Cultura• Espaços para a memória futura• O Scriptorium, o lugar da actividade de escrita, torna-se uma dependência central nos mosteiros e catedrais medievais. Copiar é garantir um legado ao futuro, que passa pelo compromisso pessoal ininterrupto.• De alguma forma, o esforço de tornar acessível a Bíblia a maior número de pessoas permitiu que muitas outras obras da cultura clássica e medieval tivessem uma difusão admirável muito antes da generalização da Imprensa.
    46. 46. A Bíblia ao serviço da Cultura• Arte para a memória futura• O Scriptorium é, também, o lugar onde a escrita se associa à beleza. As Iluminuras são o reflexo por imagens desse mundo que a palavra escrita faz brotar do coração. Decorando com motivos naturais ou fantásticos as letras mais destacadas, o texto, além de tido como santo, é agora proclamado como belo e apetecível.
    47. 47. A Bíblia em larga escala• Tecnologia para chegar a todos• O processo manuscrito de reprodução do texto era moroso, caro, e difícil difusão universal.• Em Mainz, na Alemanha, João Gutemberg experimentou montar elementos metálicos numas calhas, montadas num prelo simples. Assim, em 1465 conseguiu imprimir a primeira edição impressa de um livro, a Bíblia Vulgata em latim.
    48. 48. A Bíblia em larga escala• Tecnologia para chegar a todos• O invento de Gutemberg renovou a velocidade e a qualidade das cópias. Um prelo, milhares de tipos / caracteres individuais, um espaço mínimo, permitiam multiplicar em pouco tempo o que levaria uma vida a ser conseguido. Em poucos anos a invenção da imprensa por caracteres individuais difundiu-se pela Europa, e já em 1497, Rodrigo Álvares, da cidade do Porto, imprimiu o primeiro livro português: Evangelhos e Epístolas.
    49. 49. A Bíblia em larga escala • Tecnologia para chegar a todos • A difusão da Imprensa trouxe consigo uma maior difusão de outros meios artísticos - a Gravura veio ilustrar o texto oferecendo imagens de grande expressividade a um universo cada vez mais amplo. • Esta democratização da ilustração bíblica por meio de gravuras ganhou grande relevo até aos tempos mais recentes. Se a iluminura era obra única, a gravura é universal.
    50. 50. A Bíblia num novo contexto cultural• Imprensa e imagem será tudo?• A democratização da imprensa e da imagem não esmagou o impacto do encontro com a Bíblia. Poucos livros reflectem tantos pontos de vista diversos, tantas mudanças culturais, tantos povos e sensibilidades, e nenhum outro consegue tamanha unidade.• Não precisarão os dias de hoje redescobrir esse processo de memória que passa pela escrita? Será que o acesso ao texto pela inteligência não exige o compromisso das mãos para a acção transformadora?
    51. 51. A Bíblia num novo contexto cultural • Um mundo plural • O contexto multicultural das nossas sociedades interrogam a nossa capacidade de conhecer diferentes tradições, sem preconceitos, mas de forma a melhor participar num mundo inclusivo, de cooperação, de paz, de respeito pelas diferenças. • Algumas narrativas dos textos das Escrituras são inspiradoras de grandes movimentos religiosos: Judaísmo, Cristianismo, e têm contactos com tradições do Islamismo. Nesta linha, compreender o processo da sua formação ajuda-nos a descobrir a importância que o texto da Bíblia adquiriu no mundo.
    52. 52. A Bíblia num novo contexto cultural• Um mundo de contrastes• No presente todos experimentamos os contrastes inevitáveis entre o passado e o futuro, do pensar o intramundano e o transcendente, de experimentar harmonia na diversidade.• Com certeza nenhuma outra obra literária reúne em si uma diversidade de contrastes, e ao mesmo tempo, testemunha uma harmonia possível e ao alcance de todos.
    53. 53. Prof. Antonio Marcos N. dos Reiswww.pamnr.blogspot.comwww.profamnr.blogspot.comantonio_ead@hotmail.com 06/02/12 53

    ×