SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Baixar para ler offline
Preparar Materiais para o Teste
Capítulo 8

André Ferreira Dias | Bianca Galvão | Merion Evangelista
Prof. Luiz Agner
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Ergodesign de Interfaces: usabilidade e arquitetura de informação
Introdução
Prepare os materiais com antecedência.
Se tiver dificuldade em desenvolver um tipo específico de material de teste , isso pode ser um sinal
de que há falhas em seus objetivos de teste e projeto de teste.
Uma vez que eles são preparados, o seu fluxo natural irá guiar o teste para você.
Você não tem que fazer todos os materiais para cada teste. Deixe suas perguntas da pesquisa
ditarem a combinação dos itens que você precisa para fazer seu teste.

01
Diretrizes para Observadores
Observadores são importantes porque você poderá usar suas anotações mais tarde.
Treine os observadores e desenvolva uma lista de dicas sobre o que fazer e não fazer, enquanto
observa, que inclua:
Dicas sobre o que procurar e como tirar o máximo proveito de estar presente.
Deve chegar na hora certa e ficar durante toda a sessão.
Dicas sobre linguagem corporal, não fazer barulho, etc.
Que tipos de perguntas a fazer quando eles são convidados a fazer.

02
Roteiro de Orientação
Descreve o que vai acontecer durante uma sessão de teste. Mantenha o tom profissional,
mas amigável, e o discurso breve (alguns parágrafos).
Leia o roteiro na íntegra a cada participante em voz alta para que todos os participantes sejam
expostos a condições idênticas antes do ensaio.
Escrevendo o roteiro:
Apresente-se, e todos os envolvidos também.
Explique os papéis de cada um.
Ofereça refrescos.
Explique por que o participante está aqui.
Forneça bastante detalhe e contexto sobre o produto.
Descreva o equipamento de teste.

03
Roteiro de Orientação
Descreva como o teste de usabilidade prosseguirá sem fornecer todos os detalhes.
Evite qualquer referência às suas expectativas de seu comportamento ou desempenho.
Assegure o Participante que ele ou ela não está sendo testado.
Explique quaisquer exigências incomuns.
Mencione que pode fazer perguntas a qualquer hora.
Pergunte se há qualquer dúvida.
Passe todos os formulários que precisam ser preenchidos (questionário base, etc).

04
Questionário de Base
Fornece informações históricas sobre os participantes que irão ajudar a equipe a compreender o
seu comportamento e desempenho durante um teste.
As perguntas revelam a experiência do participante, atitudes e preferências em todas as áreas
que possam afetar a forma como ele faz o teste.
Normalmente é preenchido antes do teste e confirma que as pessoas "certas" apareceram.
Concentre-se em características que podem influenciar o desempenho
.
Faça o questionário de fácil preenchimento e de compilação
Teste o Questionário antes

05
Ferramentas de coleta de dados
Ao criar um formulário de coleta de dados que você e outros observadores usarão, projete para
eficiência e facilidade de uso.
A ideia é antecipar os eventos que vão acontecer durante o teste e projetar o formulário ou a
tela para limitar a quantidade de entrada de dados, tanto quanto possível. Com isso você fica
livre para prestar atenção às sutilezas do teste e para sondar cada comportamento
do participante.
As respostas as perguntas abaixo irão direcionar o desenvolvimento dos instrumentos,
ferramentas, e até mesmo o número de pessoas necessárias para coleta de dados.
Que dados/problemas serão abordados em seu plano de teste?
Como você vai coletar os dados?
Como você vai gravar os dados?
Como você planeja reduzir e analisar os dados ?
Como e para quem você irá reportar os dados?
Que recursos estão disponíveis para ajudar com todo o processo?

06
Ferramentas de coleta de dados
Para simplificar, podemos dividir os dados coletados durante o teste em duas grandes categorias:
Dados de desempenho:
Consiste em medidas objetivas do comportamento do participante, tais como as taxas de erro,
tempo para completar uma tarefa e etc. Este tipo de dados vem da observação de qualquer teste
ao vivo ou revisão da gravação de vídeo após o teste ter sido completado. Por exemplo: Percentual de tarefas concluídas com sucesso, tempo para completar uma tarefa e tempo para se recuperar de um erro.
Dados de Preferência:
Consiste em dados mais subjetivos que mensuram sentimentos ou opiniões sobre o produto na
visão do participante. Estes dados normalmente são coletado através de questionários on-line,
quetionários pós-teste e etc. Por exemplo: Preferências de Versão A vs versão B em um estudo
concorrência ou comparação, sugestões para melhorar o produto e justificativas para o desempenho (o que o participante diz sobre por que ele ou ela fez o que ele ou ela fez)

07
Confidencialidade, formulários de autorização
e gravação de cessão de direitos

Além de questionários para coletar dados dos participantes, há alguns formulários para obter
autorizações dos participantes:
Formulário de confidencialidade:
O objetivo é impedir a divulgação não autorizada de informações sobre um produto
patenteado que os participantes podem encontrar durante o teste.
Permissão de gravação:
A finalidade é obter por escrito dos participantes a autorização de gravá-los durante
o teste de usabilidade.
Formulário de consentimento:
Um termo de consentimento que explica o estudo, descreve os riscos para o participante
e apresenta uma pessoa para contatar em caso de dúvidas ou questões.

08
Questionário pré-teste e entrevistas
O questionário pré-teste ou entrevistas abordam os objetivos de testes específicos, como:
A Primeira impressão de um produto sobre a facilidade de uso.
Se os participantes possuem empatia pelo produto.
Qualificar os participantes para colocá-los em um grupo específico, ou para
estabelecer seu nível de especialização.

Como tal, o questionário pré-teste e entrevistas são considerados integrantes do processo
testes.

09
Teste de protótipos ou produtos
Protótipos ou produtos em versões beta provavelmente não finalizados e com funcionalidades faltando podem fazer parte do momento de teste.
Familiarizar-se com o produto que está sendo testado antes da primeira sessão, mesmo antes da
sessão piloto, é altamente recomendado. Ao usá-lo pela primeira vez, você terá uma ideia muito
melhor do que esperar quando os participantes utilizarem: onde eles podem ter dificuldade, onde
poderão fazer perguntas, o que não é óbvio na primeira visualização.
Essa breve análise exploratória ajudará a desenvolver os cenários e tarefas para os testes com
usuários.

10
Cenário das tarefas
Cenários das tarefas são versões expandidas da lista original de tarefas, porém, com a adição de
contexto, razões e elementos que motivem o participante a realizar as tarefas.
Os cenários das tarefas para a realização dos testes devem descrever:
os resultados que os participantes deverão se esforçar para atingir;
motivos para a realização da tarefa;
dados e nomes reais ao invés de generalização;
o estado do sistema quando uma tarefa é iniciada;

Cinco diretrizes para o desenvolvimento de cenários das taréfas são:
proveja cenários realisticos, complete com motivação para realização;
informe os cenários das taréfas em sequência de execução;
nivele os cenários das tarefas ao nível de experiência dos participantes;
evite o uso de jargões e dicas;
busque prover uma quantidade significativa de trabalho em cada cenário.

11
Materiais opcionais de treinamento
Se referem a qualquer treinamento fornecido aos participantes anteriormente ao atual teste de
usabilidade, que elevem seus níveis de conhecimento a algum critério pré-estabelecido ou os permitem serem testados durante suas curvas de aprendizado.
Algumas situações que justificam treinamentos prévios são:
Assegurar perícia miníma
Obter uma visão do usuário após utilizar o produto.
Testar funcionalidades para usuários avançados

Quais são os benefícios da aplicação de Treinamentos Prévios?
Poder conduzir um teste de usabilidade mais compreensivo e desafiador
Poder testar funcionalidades que caso contrário poderiam ser negligenciadas
Elaborar o treinamento, lhe força a entender como alguem aprende a utilizar o seu produto

Com está técnica é possível testemunhar comportamentos que normalmente poderiam não
ocorrer até mesmo após uma ou duas semanas de uso do produto, o que é muito vantajoso.

12
Questionário pós-teste
O principal objetivo do(s) questionário(s) pós-teste é coletar informações dos participantes, tendo
como objetivo esclarecer e aprofundar seu entendimento sobre os pontos fortes e fracos do
produto.
As informações coletadas tipicamente incluem as opiniões e sentimentos dos participantes sobre a
usabilidade do sistema e facilidade de aprendizado do mesmo.
Ao desenvolver um questionário, deve-se atentar aos pontos Conteúdo e Formato:
Conteúdo tem a ver com o assunto sobre o qual você escolher para perguntar.
Formato tem a ver com a concepção e formulação de cada questão e a organização do
questionário em geral

Se você não possuir tempo para desenvolver um bom questionário, é preferível apresentar as
questões oralmente aos participantes, uma vez que no formato oral, pode-se interagir com os participantes e esclarecer ambiguidades e mal-entendidos no local.
Desenvolver um questionário eficaz e inequívoco leva tempo e esforço

13
Formatos comuns de perguntas
Os seguintes formatos podem ser utilizados para desenvolver questões para screener, roteiros de
orientação e questionários de pré e pós testes:
Escala Likert
São escalas onde cada participante registra o quanto concorda ou discorda com uma afirmação.
Diferencial Semantico
São escalas (geralmente com 7 pontos) onde os participantes são convidados a registrar o quanto concordam com uma opção, entre duas visões antagonicas.
Questões de Preenchimento
Dão mais liberdade ao participante, pois ficam livres para escrever o que pensam ao invés de selecionar
uma resposta em uma lista.
Questões de Marcar
Permitem que os participantes selecionem uma ou mais alternativas em uma lista de opções predefinidas.
Questões ramificadas
Permitem que você controle o caminho dos participantes ao longo do questionário e destine certas
questões exclusivamente a alguns usuários.

14
Guia de tópicos do debriefing
Debriefing refere-se a explorar e analisar as ações dos participantes durante a parte de
desempenho de um teste de usabilidade
A finalidade do guia de tópicos do debriefing é proporcionar a estrutura para realização da sessão
de debriefing. Ao contrário de um questionário, que lista as perguntas específicas que cada participante deverá responder, nos tópicos do debriefing é sugerida uma linha de questionamento.
A natureza das perguntas depende das circunstâncias de cada teste realizado.
Tenha em mente que, além do guia, você também estará fazendo anotações durante o teste
sobre os itens específicos que você precisa para investigar durante a sessão de debriefing .
Então, podem haver dois conjuntos de notas a partir do qual você está desenhando o conteúdo de
sua sessão de debriefing

15
Obrigado :)

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4. Debriefing em testes de usabilidade
4. Debriefing  em testes de usabilidade4. Debriefing  em testes de usabilidade
4. Debriefing em testes de usabilidadeLuiz Agner
 
Teste de usabilidade - Conclusões e recomendações
Teste de usabilidade - Conclusões e recomendaçõesTeste de usabilidade - Conclusões e recomendações
Teste de usabilidade - Conclusões e recomendaçõesLuiz Agner
 
Teste de usabilidade - Materiais do teste
Teste de usabilidade - Materiais do testeTeste de usabilidade - Materiais do teste
Teste de usabilidade - Materiais do testeLuiz Agner
 
Teste de usabilidade - Variantes do método básico
Teste de usabilidade - Variantes do método básicoTeste de usabilidade - Variantes do método básico
Teste de usabilidade - Variantes do método básicoLuiz Agner
 
Cap. 11 análise de dados e observações
Cap. 11   análise de dados e observaçõesCap. 11   análise de dados e observações
Cap. 11 análise de dados e observaçõesLuiz Agner
 
Cap. 13 variações no método básico
Cap. 13   variações no método básicoCap. 13   variações no método básico
Cap. 13 variações no método básicoLuiz Agner
 
9. Ferramentas de testes online user zoom
9. Ferramentas de testes online user zoom9. Ferramentas de testes online user zoom
9. Ferramentas de testes online user zoomLuiz Agner
 
Testes remotos de usabilidade
Testes remotos de usabilidadeTestes remotos de usabilidade
Testes remotos de usabilidadeLuiz Agner
 
5. Análise de dados em testes de usabilidade
5. Análise de dados em testes de usabilidade5. Análise de dados em testes de usabilidade
5. Análise de dados em testes de usabilidadeLuiz Agner
 
3. Conduzindo sessões de testes de usabilidade
3. Conduzindo sessões de testes de usabilidade3. Conduzindo sessões de testes de usabilidade
3. Conduzindo sessões de testes de usabilidadeLuiz Agner
 
Teste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testes
Teste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testesTeste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testes
Teste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testesLuiz Agner
 
7. Variantes de testes de usabilidade
7. Variantes de testes de usabilidade7. Variantes de testes de usabilidade
7. Variantes de testes de usabilidadeLuiz Agner
 
Como fazer testes de usabilidade
Como fazer testes de usabilidadeComo fazer testes de usabilidade
Como fazer testes de usabilidadeUTFPR
 
Teste de usabilidade - Ferramentas online para testes
Teste de usabilidade - Ferramentas online para testesTeste de usabilidade - Ferramentas online para testes
Teste de usabilidade - Ferramentas online para testesLuiz Agner
 
CAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e Chsinell
CAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e ChsinellCAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e Chsinell
CAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e ChsinellFernanda Sarmento
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEAlan Vasconcelos
 
Teste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresa
Teste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresaTeste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresa
Teste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresaLuiz Agner
 
Minicurso Avaliação de Interfaces
Minicurso Avaliação de InterfacesMinicurso Avaliação de Interfaces
Minicurso Avaliação de InterfacesUTFPR
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadeLuiz Agner
 

Mais procurados (20)

4. Debriefing em testes de usabilidade
4. Debriefing  em testes de usabilidade4. Debriefing  em testes de usabilidade
4. Debriefing em testes de usabilidade
 
Teste de usabilidade - Conclusões e recomendações
Teste de usabilidade - Conclusões e recomendaçõesTeste de usabilidade - Conclusões e recomendações
Teste de usabilidade - Conclusões e recomendações
 
Teste de usabilidade - Materiais do teste
Teste de usabilidade - Materiais do testeTeste de usabilidade - Materiais do teste
Teste de usabilidade - Materiais do teste
 
Teste de usabilidade - Variantes do método básico
Teste de usabilidade - Variantes do método básicoTeste de usabilidade - Variantes do método básico
Teste de usabilidade - Variantes do método básico
 
Cap. 11 análise de dados e observações
Cap. 11   análise de dados e observaçõesCap. 11   análise de dados e observações
Cap. 11 análise de dados e observações
 
Cap. 13 variações no método básico
Cap. 13   variações no método básicoCap. 13   variações no método básico
Cap. 13 variações no método básico
 
9. Ferramentas de testes online user zoom
9. Ferramentas de testes online user zoom9. Ferramentas de testes online user zoom
9. Ferramentas de testes online user zoom
 
Testes remotos de usabilidade
Testes remotos de usabilidadeTestes remotos de usabilidade
Testes remotos de usabilidade
 
5. Análise de dados em testes de usabilidade
5. Análise de dados em testes de usabilidade5. Análise de dados em testes de usabilidade
5. Análise de dados em testes de usabilidade
 
3. Conduzindo sessões de testes de usabilidade
3. Conduzindo sessões de testes de usabilidade3. Conduzindo sessões de testes de usabilidade
3. Conduzindo sessões de testes de usabilidade
 
Teste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testes
Teste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testesTeste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testes
Teste de usabilidade - Configurando o seu ambiente de testes
 
Teste de usabilidade
Teste de usabilidadeTeste de usabilidade
Teste de usabilidade
 
7. Variantes de testes de usabilidade
7. Variantes de testes de usabilidade7. Variantes de testes de usabilidade
7. Variantes de testes de usabilidade
 
Como fazer testes de usabilidade
Como fazer testes de usabilidadeComo fazer testes de usabilidade
Como fazer testes de usabilidade
 
Teste de usabilidade - Ferramentas online para testes
Teste de usabilidade - Ferramentas online para testesTeste de usabilidade - Ferramentas online para testes
Teste de usabilidade - Ferramentas online para testes
 
CAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e Chsinell
CAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e ChsinellCAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e Chsinell
CAPÍTULO 12 - Handbook of Usability Testing” de Rubin e Chsinell
 
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDEMta1 aula-04 Framework DECIDE
Mta1 aula-04 Framework DECIDE
 
Teste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresa
Teste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresaTeste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresa
Teste de Usabilidade - Expandindo a usabilidade na sua empresa
 
Minicurso Avaliação de Interfaces
Minicurso Avaliação de InterfacesMinicurso Avaliação de Interfaces
Minicurso Avaliação de Interfaces
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de Usabilidade
 

Destaque

EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...
EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...
EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...Luiz Agner
 
Cap. 12 relatório de descobertas e recomendações
Cap. 12   relatório de descobertas e recomendaçõesCap. 12   relatório de descobertas e recomendações
Cap. 12 relatório de descobertas e recomendaçõesLuiz Agner
 
Palestra - A Interação Gestual
Palestra - A Interação GestualPalestra - A Interação Gestual
Palestra - A Interação GestualLuiz Agner
 
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014Luiz Agner
 
Palestra UX - Interaction South America 2012
Palestra UX - Interaction South America 2012Palestra UX - Interaction South America 2012
Palestra UX - Interaction South America 2012Luiz Agner
 
O modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagens
O modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagensO modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagens
O modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagensLuiz Agner
 
Palestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a Distância
Palestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a DistânciaPalestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a Distância
Palestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a DistânciaLuiz Agner
 
Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - Questionários
Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - QuestionáriosPalestra - Ferramentas de Coleta de Dados - Questionários
Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - QuestionáriosLuiz Agner
 
Usabilidade Pedagógica e Design de Interação
Usabilidade Pedagógica e Design de InteraçãoUsabilidade Pedagógica e Design de Interação
Usabilidade Pedagógica e Design de InteraçãoLuiz Agner
 
Ferramentas de coleta de dados - Entrevistas
Ferramentas de coleta de dados - EntrevistasFerramentas de coleta de dados - Entrevistas
Ferramentas de coleta de dados - EntrevistasLuiz Agner
 
Palestra - Cultura da Convergência
Palestra - Cultura da ConvergênciaPalestra - Cultura da Convergência
Palestra - Cultura da ConvergênciaLuiz Agner
 
Clean up the mess with MVP
Clean up the mess with MVPClean up the mess with MVP
Clean up the mess with MVPGena Drahun
 
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...Arlei Mosmann
 
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.Diego Ventura
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Fran Maciel
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1queenbianca
 

Destaque (18)

EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...
EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...
EXITUS - Interface amigável para questionários utilizando tablets em entrevis...
 
Cap. 12 relatório de descobertas e recomendações
Cap. 12   relatório de descobertas e recomendaçõesCap. 12   relatório de descobertas e recomendações
Cap. 12 relatório de descobertas e recomendações
 
Palestra - A Interação Gestual
Palestra - A Interação GestualPalestra - A Interação Gestual
Palestra - A Interação Gestual
 
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
O Desafio da Usabilidade - Seminário de Metodologia do IBGE 2014
 
Palestra UX - Interaction South America 2012
Palestra UX - Interaction South America 2012Palestra UX - Interaction South America 2012
Palestra UX - Interaction South America 2012
 
Coleta de dados
Coleta de dadosColeta de dados
Coleta de dados
 
O modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagens
O modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagensO modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagens
O modelo crowdsourcing aplicado à produção de imagens
 
Palestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a Distância
Palestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a DistânciaPalestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a Distância
Palestra - Usabilidade Pedagógica e Educação a Distância
 
Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - Questionários
Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - QuestionáriosPalestra - Ferramentas de Coleta de Dados - Questionários
Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - Questionários
 
Usabilidade Pedagógica e Design de Interação
Usabilidade Pedagógica e Design de InteraçãoUsabilidade Pedagógica e Design de Interação
Usabilidade Pedagógica e Design de Interação
 
Ferramentas de coleta de dados - Entrevistas
Ferramentas de coleta de dados - EntrevistasFerramentas de coleta de dados - Entrevistas
Ferramentas de coleta de dados - Entrevistas
 
Palestra - Cultura da Convergência
Palestra - Cultura da ConvergênciaPalestra - Cultura da Convergência
Palestra - Cultura da Convergência
 
5ºteste bg versão 1
5ºteste bg versão 15ºteste bg versão 1
5ºteste bg versão 1
 
Clean up the mess with MVP
Clean up the mess with MVPClean up the mess with MVP
Clean up the mess with MVP
 
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
02 coleta-de-dados-entrevistas-grupos-de-foco-técnicas-de-observação-question...
 
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
TÉCNICAS DE COLETA DE DADOS.
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
 
Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1Métodos quantitativos e_qualitativos1
Métodos quantitativos e_qualitativos1
 

Semelhante a Preparar materiais teste

Handbook Usability Testing - Capitulo 8
Handbook Usability Testing - Capitulo 8Handbook Usability Testing - Capitulo 8
Handbook Usability Testing - Capitulo 8Luiz Agner
 
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdfDesafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdfIonaChaves1
 
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdfDesafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdfIonaChaves1
 
Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009eriveltonxe
 
Teste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executarTeste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executarMarconi Pacheco
 
O que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de UsabilidadeO que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de UsabilidadeGustavo Silveira
 
Apostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidadeApostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidadeAlexandre Calonego
 
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHCIdentificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHCAlanna Gianin
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAndré Constantino da Silva
 
Teste de usabilidade - Análise dos dados
Teste de usabilidade - Análise dos dadosTeste de usabilidade - Análise dos dados
Teste de usabilidade - Análise dos dadosLuiz Agner
 
Um Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na PadronizaçãoUm Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na Padronizaçãowallyvianna
 
Testes de usabilidade com uma pitada de lean ux
Testes de usabilidade com uma pitada de lean uxTestes de usabilidade com uma pitada de lean ux
Testes de usabilidade com uma pitada de lean uxQualister
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Luiz Agner
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoAlan Vasconcelos
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaAlan Vasconcelos
 
Estrategia de prova 03
Estrategia de prova 03Estrategia de prova 03
Estrategia de prova 03mateusjardim
 
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...Impacta Eventos
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 9
Handbook Usability Testing - Capitulo 9Handbook Usability Testing - Capitulo 9
Handbook Usability Testing - Capitulo 9Luiz Agner
 

Semelhante a Preparar materiais teste (20)

Handbook Usability Testing - Capitulo 8
Handbook Usability Testing - Capitulo 8Handbook Usability Testing - Capitulo 8
Handbook Usability Testing - Capitulo 8
 
Framework
FrameworkFramework
Framework
 
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdfDesafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
 
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdfDesafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
Desafio PM3 - Documentação de Contexto .pdf
 
Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009Modelando Os Usuarios maio 2009
Modelando Os Usuarios maio 2009
 
Teste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executarTeste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executar
 
O que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de UsabilidadeO que é e como fazer um Teste de Usabilidade
O que é e como fazer um Teste de Usabilidade
 
Apostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidadeApostila ferramentas da qualidade
Apostila ferramentas da qualidade
 
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHCIdentificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
Identificação de Necessidades dos Usuários e Requisitos IHC
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
 
Teste de usabilidade - Análise dos dados
Teste de usabilidade - Análise dos dadosTeste de usabilidade - Análise dos dados
Teste de usabilidade - Análise dos dados
 
Um Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na PadronizaçãoUm Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na Padronização
 
Testes de usabilidade com uma pitada de lean ux
Testes de usabilidade com uma pitada de lean uxTestes de usabilidade com uma pitada de lean ux
Testes de usabilidade com uma pitada de lean ux
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
 
Cesar.Edu Turma S2I
Cesar.Edu Turma S2ICesar.Edu Turma S2I
Cesar.Edu Turma S2I
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
 
Estrategia de prova 03
Estrategia de prova 03Estrategia de prova 03
Estrategia de prova 03
 
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
Usuários são peças fundamentais no quebra-cabeça da inovação: entenda e inter...
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 9
Handbook Usability Testing - Capitulo 9Handbook Usability Testing - Capitulo 9
Handbook Usability Testing - Capitulo 9
 

Mais de Luiz Agner

Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User ExperienceRecommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User ExperienceLuiz Agner
 
Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)Luiz Agner
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-RioWIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-RioLuiz Agner
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MGWIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MGLuiz Agner
 
Marketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleMarketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemasArquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemasLuiz Agner
 
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)Luiz Agner
 
Marco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no BrasilMarco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no BrasilLuiz Agner
 
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura DigitalVigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura DigitalLuiz Agner
 
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de GarrettDiagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de GarrettLuiz Agner
 
Bridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipeBridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipeLuiz Agner
 
Marketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de ConceitosMarketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de ConceitosLuiz Agner
 
Cultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. CastellsCultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. CastellsLuiz Agner
 
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de InformaçãoBridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de InformaçãoLuiz Agner
 
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi SelectionAvaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi SelectionLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIMArquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIMLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto ImaginariumArquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto ImaginariumLuiz Agner
 
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHAArquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHALuiz Agner
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJLuiz Agner
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJLuiz Agner
 

Mais de Luiz Agner (20)

Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User ExperienceRecommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
Recommendation Systems and Machine Learning: Mapping the User Experience
 
Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)Pós Branded Content (1c)
Pós Branded Content (1c)
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-RioWIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - MeetUp PUC-Rio
 
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MGWIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
WIAD - World Information Architecture Day 2019 - Belo Horizonte, MG
 
Marketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controleMarketing digital como instrumento de controle
Marketing digital como instrumento de controle
 
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemasArquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
Arquitetura de Informação na era dos espaços mistos e ecossistemas
 
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
Lei de Proteção aos Dados (LGPD)
 
Marco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no BrasilMarco Civil da Internet no Brasil
Marco Civil da Internet no Brasil
 
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura DigitalVigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
Vigilância Ampliada: Poder e Controle na Cultura Digital
 
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de GarrettDiagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
Diagrama de Navegação e Vocabulário Visual de Garrett
 
Bridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipeBridge e Análise da Tarefa em equipe
Bridge e Análise da Tarefa em equipe
 
Marketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de ConceitosMarketing - Revisão de Conceitos
Marketing - Revisão de Conceitos
 
Cultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. CastellsCultura da Internet - segundo M. Castells
Cultura da Internet - segundo M. Castells
 
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de InformaçãoBridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
Bridge e Group Task Analysis - Arquitetura de Informação
 
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi SelectionAvaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
Avaliação dos apps Coral Visualizer e Polenghi Selection
 
Arquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIMArquitetura de Informação: Projeto TIM
Arquitetura de Informação: Projeto TIM
 
Arquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto ImaginariumArquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
Arquitetura de Informação: Projeto Imaginarium
 
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHAArquitetura da Informação Pervasiva  - Semana Acadêmica FACHA
Arquitetura da Informação Pervasiva - Semana Acadêmica FACHA
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
 
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJArquitetura de Informação - DETRAN RJ
Arquitetura de Informação - DETRAN RJ
 

Preparar materiais teste

  • 1. Preparar Materiais para o Teste Capítulo 8 André Ferreira Dias | Bianca Galvão | Merion Evangelista Prof. Luiz Agner Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Ergodesign de Interfaces: usabilidade e arquitetura de informação
  • 2. Introdução Prepare os materiais com antecedência. Se tiver dificuldade em desenvolver um tipo específico de material de teste , isso pode ser um sinal de que há falhas em seus objetivos de teste e projeto de teste. Uma vez que eles são preparados, o seu fluxo natural irá guiar o teste para você. Você não tem que fazer todos os materiais para cada teste. Deixe suas perguntas da pesquisa ditarem a combinação dos itens que você precisa para fazer seu teste. 01
  • 3. Diretrizes para Observadores Observadores são importantes porque você poderá usar suas anotações mais tarde. Treine os observadores e desenvolva uma lista de dicas sobre o que fazer e não fazer, enquanto observa, que inclua: Dicas sobre o que procurar e como tirar o máximo proveito de estar presente. Deve chegar na hora certa e ficar durante toda a sessão. Dicas sobre linguagem corporal, não fazer barulho, etc. Que tipos de perguntas a fazer quando eles são convidados a fazer. 02
  • 4. Roteiro de Orientação Descreve o que vai acontecer durante uma sessão de teste. Mantenha o tom profissional, mas amigável, e o discurso breve (alguns parágrafos). Leia o roteiro na íntegra a cada participante em voz alta para que todos os participantes sejam expostos a condições idênticas antes do ensaio. Escrevendo o roteiro: Apresente-se, e todos os envolvidos também. Explique os papéis de cada um. Ofereça refrescos. Explique por que o participante está aqui. Forneça bastante detalhe e contexto sobre o produto. Descreva o equipamento de teste. 03
  • 5. Roteiro de Orientação Descreva como o teste de usabilidade prosseguirá sem fornecer todos os detalhes. Evite qualquer referência às suas expectativas de seu comportamento ou desempenho. Assegure o Participante que ele ou ela não está sendo testado. Explique quaisquer exigências incomuns. Mencione que pode fazer perguntas a qualquer hora. Pergunte se há qualquer dúvida. Passe todos os formulários que precisam ser preenchidos (questionário base, etc). 04
  • 6. Questionário de Base Fornece informações históricas sobre os participantes que irão ajudar a equipe a compreender o seu comportamento e desempenho durante um teste. As perguntas revelam a experiência do participante, atitudes e preferências em todas as áreas que possam afetar a forma como ele faz o teste. Normalmente é preenchido antes do teste e confirma que as pessoas "certas" apareceram. Concentre-se em características que podem influenciar o desempenho . Faça o questionário de fácil preenchimento e de compilação Teste o Questionário antes 05
  • 7. Ferramentas de coleta de dados Ao criar um formulário de coleta de dados que você e outros observadores usarão, projete para eficiência e facilidade de uso. A ideia é antecipar os eventos que vão acontecer durante o teste e projetar o formulário ou a tela para limitar a quantidade de entrada de dados, tanto quanto possível. Com isso você fica livre para prestar atenção às sutilezas do teste e para sondar cada comportamento do participante. As respostas as perguntas abaixo irão direcionar o desenvolvimento dos instrumentos, ferramentas, e até mesmo o número de pessoas necessárias para coleta de dados. Que dados/problemas serão abordados em seu plano de teste? Como você vai coletar os dados? Como você vai gravar os dados? Como você planeja reduzir e analisar os dados ? Como e para quem você irá reportar os dados? Que recursos estão disponíveis para ajudar com todo o processo? 06
  • 8. Ferramentas de coleta de dados Para simplificar, podemos dividir os dados coletados durante o teste em duas grandes categorias: Dados de desempenho: Consiste em medidas objetivas do comportamento do participante, tais como as taxas de erro, tempo para completar uma tarefa e etc. Este tipo de dados vem da observação de qualquer teste ao vivo ou revisão da gravação de vídeo após o teste ter sido completado. Por exemplo: Percentual de tarefas concluídas com sucesso, tempo para completar uma tarefa e tempo para se recuperar de um erro. Dados de Preferência: Consiste em dados mais subjetivos que mensuram sentimentos ou opiniões sobre o produto na visão do participante. Estes dados normalmente são coletado através de questionários on-line, quetionários pós-teste e etc. Por exemplo: Preferências de Versão A vs versão B em um estudo concorrência ou comparação, sugestões para melhorar o produto e justificativas para o desempenho (o que o participante diz sobre por que ele ou ela fez o que ele ou ela fez) 07
  • 9. Confidencialidade, formulários de autorização e gravação de cessão de direitos Além de questionários para coletar dados dos participantes, há alguns formulários para obter autorizações dos participantes: Formulário de confidencialidade: O objetivo é impedir a divulgação não autorizada de informações sobre um produto patenteado que os participantes podem encontrar durante o teste. Permissão de gravação: A finalidade é obter por escrito dos participantes a autorização de gravá-los durante o teste de usabilidade. Formulário de consentimento: Um termo de consentimento que explica o estudo, descreve os riscos para o participante e apresenta uma pessoa para contatar em caso de dúvidas ou questões. 08
  • 10. Questionário pré-teste e entrevistas O questionário pré-teste ou entrevistas abordam os objetivos de testes específicos, como: A Primeira impressão de um produto sobre a facilidade de uso. Se os participantes possuem empatia pelo produto. Qualificar os participantes para colocá-los em um grupo específico, ou para estabelecer seu nível de especialização. Como tal, o questionário pré-teste e entrevistas são considerados integrantes do processo testes. 09
  • 11. Teste de protótipos ou produtos Protótipos ou produtos em versões beta provavelmente não finalizados e com funcionalidades faltando podem fazer parte do momento de teste. Familiarizar-se com o produto que está sendo testado antes da primeira sessão, mesmo antes da sessão piloto, é altamente recomendado. Ao usá-lo pela primeira vez, você terá uma ideia muito melhor do que esperar quando os participantes utilizarem: onde eles podem ter dificuldade, onde poderão fazer perguntas, o que não é óbvio na primeira visualização. Essa breve análise exploratória ajudará a desenvolver os cenários e tarefas para os testes com usuários. 10
  • 12. Cenário das tarefas Cenários das tarefas são versões expandidas da lista original de tarefas, porém, com a adição de contexto, razões e elementos que motivem o participante a realizar as tarefas. Os cenários das tarefas para a realização dos testes devem descrever: os resultados que os participantes deverão se esforçar para atingir; motivos para a realização da tarefa; dados e nomes reais ao invés de generalização; o estado do sistema quando uma tarefa é iniciada; Cinco diretrizes para o desenvolvimento de cenários das taréfas são: proveja cenários realisticos, complete com motivação para realização; informe os cenários das taréfas em sequência de execução; nivele os cenários das tarefas ao nível de experiência dos participantes; evite o uso de jargões e dicas; busque prover uma quantidade significativa de trabalho em cada cenário. 11
  • 13. Materiais opcionais de treinamento Se referem a qualquer treinamento fornecido aos participantes anteriormente ao atual teste de usabilidade, que elevem seus níveis de conhecimento a algum critério pré-estabelecido ou os permitem serem testados durante suas curvas de aprendizado. Algumas situações que justificam treinamentos prévios são: Assegurar perícia miníma Obter uma visão do usuário após utilizar o produto. Testar funcionalidades para usuários avançados Quais são os benefícios da aplicação de Treinamentos Prévios? Poder conduzir um teste de usabilidade mais compreensivo e desafiador Poder testar funcionalidades que caso contrário poderiam ser negligenciadas Elaborar o treinamento, lhe força a entender como alguem aprende a utilizar o seu produto Com está técnica é possível testemunhar comportamentos que normalmente poderiam não ocorrer até mesmo após uma ou duas semanas de uso do produto, o que é muito vantajoso. 12
  • 14. Questionário pós-teste O principal objetivo do(s) questionário(s) pós-teste é coletar informações dos participantes, tendo como objetivo esclarecer e aprofundar seu entendimento sobre os pontos fortes e fracos do produto. As informações coletadas tipicamente incluem as opiniões e sentimentos dos participantes sobre a usabilidade do sistema e facilidade de aprendizado do mesmo. Ao desenvolver um questionário, deve-se atentar aos pontos Conteúdo e Formato: Conteúdo tem a ver com o assunto sobre o qual você escolher para perguntar. Formato tem a ver com a concepção e formulação de cada questão e a organização do questionário em geral Se você não possuir tempo para desenvolver um bom questionário, é preferível apresentar as questões oralmente aos participantes, uma vez que no formato oral, pode-se interagir com os participantes e esclarecer ambiguidades e mal-entendidos no local. Desenvolver um questionário eficaz e inequívoco leva tempo e esforço 13
  • 15. Formatos comuns de perguntas Os seguintes formatos podem ser utilizados para desenvolver questões para screener, roteiros de orientação e questionários de pré e pós testes: Escala Likert São escalas onde cada participante registra o quanto concorda ou discorda com uma afirmação. Diferencial Semantico São escalas (geralmente com 7 pontos) onde os participantes são convidados a registrar o quanto concordam com uma opção, entre duas visões antagonicas. Questões de Preenchimento Dão mais liberdade ao participante, pois ficam livres para escrever o que pensam ao invés de selecionar uma resposta em uma lista. Questões de Marcar Permitem que os participantes selecionem uma ou mais alternativas em uma lista de opções predefinidas. Questões ramificadas Permitem que você controle o caminho dos participantes ao longo do questionário e destine certas questões exclusivamente a alguns usuários. 14
  • 16. Guia de tópicos do debriefing Debriefing refere-se a explorar e analisar as ações dos participantes durante a parte de desempenho de um teste de usabilidade A finalidade do guia de tópicos do debriefing é proporcionar a estrutura para realização da sessão de debriefing. Ao contrário de um questionário, que lista as perguntas específicas que cada participante deverá responder, nos tópicos do debriefing é sugerida uma linha de questionamento. A natureza das perguntas depende das circunstâncias de cada teste realizado. Tenha em mente que, além do guia, você também estará fazendo anotações durante o teste sobre os itens específicos que você precisa para investigar durante a sessão de debriefing . Então, podem haver dois conjuntos de notas a partir do qual você está desenhando o conteúdo de sua sessão de debriefing 15