SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
Avaliação de Usabilidade
Parte 2
Prof. André Constantino da Silva
IHC
Baseado nos slides da
Prof. Dr. Heloísa Vieira da Rocha
• Compreender a importância da avaliação em um
processo de desenvolvimento de interfaces de usuário
• Conhecer e aplicar dois métodos de avaliação de
usabilidade
Objetivo das Aulas
Teste de Usabilidade
– Processo empírico que visa avaliar a usabilidade de um
produto observando os usuários durante a sua utilização
– Método fundamental de usabilidade
–Tem o objetivo de aprimorar a usabilidade do produto
–Os participantes do teste devem ser usuários reais,
executando tarefas reais
–Realizado com 4 a 5 usuários representativos, já traz
resultados satisfatórios
Teste de Usabilidade – Tipos de Teste
Tipos de Teste:
• Teste de Exploração
• Teste de Avaliação
• Teste de Validação
• Teste de Comparação
Teste de Usabilidade – Teste de Exploração
Teste de Exploração
Quando usar: fases iniciais do design. Que funcionalidades incluir?
Objetivo: Explorar o modelo mental do usuário a respeito das tarefas em
questão. Verificar se o usuário aprova as funcionalidades propostas e da
maneira proposta.
Metodologia: Walkthrough. O usuário explora o modelo da interface dando
sugestões para o avaliador.
Exemplo: O usuário é apresentado a um problema concreto e estimulado a
falar sobre suas expectativas suposições e intenções para a resolução do
problema.
http://www.youtube.com/watch?v=0aHGLCAhxYY
Teste de Usabilidade – Teste de Avaliação
Teste de Avaliação
Quando usar: nas fases intermediárias do ciclo de design.
Objetivo: Determinar se os modelos conceituais foram implementados
adequadamente. Busca verificar se o usuário consegue realizar as tarefas.
Visa identificar problemas de usabilidade.
Metodologia: O usuários executa tarefas e o avaliador observa sem
interferir. Alguns dados quantitativos de eficiência de uso são anotados
(tempo, quantidade erros, etc), mas é dado mais ênfase ao comportamento
do usuário.
Exemplo: Usuário é solicitado a renovar um livro no sistema on-line da
biblioteca.
Teste de Usabilidade – Teste de Validação
Teste de Validação
Quando usar: na fase final, perto do lançamento do produto.
Objetivo: Certificar que o produto está de acordo com o que foi
especificado e se enquadra nos padrões de usabilidade e performance
definidos.
Metodologia: Determinar tempos para as tarefas e verificar se o usuário
consegue realizá-las dentro daquele tempo.
Exemplo: Tarefa: renovar livro na biblioteca (tempo previsto 1 min).
http://www.youtube.com/watch?v=46fdXjLXhw8
Teste de Usabilidade – Teste de Comparação
Teste de Comparação
Quando usar: em qualquer estágio do ciclo de design. Nos primeiros
estágios pode ser usado para comparar designs alternativos, nos estágios
intermediários pode ser usado para medir a efetividade de um elemento da
interface e no final pode ser usado para comparar se o produto atinge um
concorrente.
Objetivo: Comparar soluções alternativas entre si e determinar qual delas é
mais fácil de usar.
Metodologia: Um teste exploratório onde diversas soluções são
comparadas entre si. O resultado é um produto que combina o melhor
dessas idéias.
Exemplo: Localize onde se encontra o help nos seguintes sites...
Teste de Usabilidade
– Duas maiores preocupações:
• Confiabilidade: grau de certeza de que o mesmo
resultado será obtido se o teste for repetido
• Validade: o fato dos resultados de teste refletirem os
aspectos de usabilidade que se deseja testar
– 2 fases principais:
• Planejamento
• Execução
Teste de Usabilidade – Planejamento (i)
– Estabelecer a equipe
• Quem participará da parte de planejamento?
• Quem serão os experimentadores?
– Características e tipo de teste
– Público-alvo
• Quem serão os usuários e como serão conseguidos?
• Quantos usuários são necessários?
Teste de Usabilidade – Planejamento (ii)
–Recursos necessários para a realização do teste
• Quando e onde o teste irá acontecer?
• Qual a duração prevista de cada sessão de teste?
• Qual o suporte computacional necessário?
• Quais softwares precisam estar a disposição?
• Qual deverá ser o estado do sistema no início do teste?
– Objetivos e métricas
• O que se deseja obter através do teste?
• Quais dados serão coletados?
Teste de Usabilidade – Planejamento (iii)
–Cenários e tarefas
• Quais as tarefas que serão solicitadas aos usuários?
• Quanto o experimentador poderá ajudar o usuário durante o
teste?
– Definição de como será a análise dos resultados
• Como os dados serão analisados uma vez que tenham sido
coletados?
• Qual critério será utilizado para definir que os usuários
terminaram cada tarefa corretamente?
• Qual o critério para determinar que a interface é um sucesso?
Teste de Usabilidade – Os experimentadores
– Escolha usuários significativos
– Envolva usuários reais
– Se não for possível, selecione usuários tão próximos quanto
possível
– Idade
– Nível educacional
– Experiência com computadores
– Conhecimento do domínio da tarefa
– Erro comum: interface para público em geral e recrutar
alunos de computação como usuários nos testes
– Devem ter conhecimento extenso sobre a aplicação e sobre a
interface
– Não precisam saber como o sistema foi implementado
• Mas devem estar prontos para lidar com problemas que afetam o
teste (sistema ‘travar’)
– Podem ser os designers, desde que mantenham isenção
Teste de Usabilidade – Os usuários
Teste de Usabilidade – Métricas
– Tempo de cada tarefa
– Porcentagem de tarefas completadas
– Porcentagem de tarefas não-completadas
– Números de erros
– Tempo de navegação para encontrar uma informação
– Número de passos
– Número de cliques
– Quantidade de informações encontradas
– Número de acessos ao help
– ...
Teste de Usabilidade – Dados qualitativos
Dados qualitativos são coletados oralmente, por escrito, por
questionário ou através de perguntas feitas para o usuário
As percepções e a satisfação, apesar de dados qualitativo
(subjetivos) podem ser quantificados usando-se “notas” para:
– Facilidade de uso
– Facilidade de navegação
– Utilidade
– Facilidade de aprendizagem
– Facilidade de se recuperar de um erro
– Help
Teste de Usabilidade – Tarefas
– Tarefas mais representativas possíveis
– Cobertura razoável das partes mais significativas da interface
– As tarefas devem poder ser completadas no tempo definido para o teste
– Grau de dificuldade gradativo
– Planejar para que possam ser interrompidas a qualquer momento, caso o
usuário deseje
– Descreva a tarefa da forma mais realista possível
• Evite redigi-las na linguagem do produto, elas devem estar na linguagem
do usuário
• Exemplo: “A partir da página do IBGE na Internet, identifique em que
estado do Brasil reside a maior concentração de pessoas com mais de 60
anos”
– As tarefas devem estar inseridas em um cenário
–Questionário de pré-teste: para definir o perfil dos participantes
–Questionário pós-teste: geralmente utilizado para obter a
satisfação do usuário e opinião
–Autorização (termo de consentimento): declaração de que o
usuário está de acordo em participar dos teste e que esses dados
serão utilizados para um determinado fim “X”, mantendo-se o
anonimato das informações
Teste de Usabilidade – Documentos de apoio
–Preparação
• Preparar o ambiente e equipamentos
–Introdução
• Explicar que não é o participante e sim a interface que será testada
• Não devem se preocupar em ferir sentimentos dos experimentadores
(designers) com suas observações
• Os resultados do teste servirão para melhorar a interface do usuário
• Relembrar que o sistema é confidencial e não deve ser comentado
com outros (que inclusive podem vir a ser futuros usuários em outros
testes)
• A participação no teste é voluntária e podem parar a qualquer tempo
• Os resultados do teste não serão colocados publicamente e o
anonimato do participante estará garantido
Teste de Usabilidade – Execução (i)
–Introdução (cont.)
• Explicar sobre o uso de gravações de vídeo ou áudio que estarão
sendo feitas (o ideal é não gravar a face do usuário)
• Explicar que podem fazer qualquer pergunta durante o teste, mas que
nem sempre o experimentador irá ajudá-los ou responder suas
questões
• Informar ao participante sobre o tempo de duração do teste
• Solicitar a leitura e assinatura do termo de consentimento
• Explicar como o teste vai acontecer
• Explicar a técnica de “thinking aloud” (se for utilizada)
• Perguntar se existem e esclarecer dúvidas
• Solicitar o preenchimento do pré-teste
Teste de Usabilidade – Execução (ii)
–Teste
• Apresentar o cenário e as tarefas por escrito
• Iniciar a gravação (se houver) e anotar os tempos
• Lembrar ao usuário sobre “thinking aloud” durante o teste
• Solicitar que o usuário indique quando completar e mudar de tarefa
• evite qualquer tipo de comentário ou expressões sobre a performance
ou observações do usuário
• evite ajudar o usuário, a não ser que ele esteja realmente em
dificuldades muito graves
–Sessão final
• convidados a fazerem comentários ou sugestões gerais, ou a
responderem um questionário específico (questionário de pós-teste)
Teste de Usabilidade – Execução (iii)
Thinking aloud (pensando em voz alta):
– Usuário verbaliza seus pensamentos
– Permite observar como o usuário interpreta cada item da
interface
– Não adequado quando se deseja medidas de performance
– Principal objetivo é mostrar o que os usuários estão fazendo e
porque estão fazendo, enquanto estão fazendo, evitando as
racionalizações posteriores
– Torna o teste muito mais difícil de ser realizado
• usuários ficam mais lentos mas cometem menos erros quando
pensam em voz alta
Teste de Usabilidade – Thinking aloud
–O avaliador tem que levar o usuário a falar sempre e nunca
interferir no uso do sistema pelo usuário
• O que você está pensando agora?
• O que você acha que essa mensagem significa ? (depois do usuário
notar a mensagem)
–– Se o usuário pergunta se pode fazer alguma coisa:
• O que você acha que vai acontecer se fizer isso?
–– Se o usuário se mostra surpreso:
• Era isso que você esperava que iria acontecer? O que esperava?
Teste de Usabilidade – Thinking aloud
Interação construtiva
– 2 ou mais usuários trabalhando conjuntamente
–problema: diferenças de estilo de interação dos usuários
–Indicado: para testar interfaces para crianças
Retrospective testing
– usuário comenta sua ação gravada em vídeo
– todo teste demora pelo menos o dobro do tempo
– não indicado para usuários caros
Coaching Method
– manter o usuário no caminho correto
– focado no usuário novato
–bom para testar help/manual, etc..
Teste de Usabilidade – Thinking aloud -
alternativas
Teste de usabilidade - JEMS
Atividades
Preparação dos testes
– Seleção dos usuários
– Desenvolvimento das tarefas dos usuários
– Definir critérios da observação/avaliação
– Elaborar formulário dos experimentadores
– Preparação do ambiente de teste
• Execução dos testes
• Análise dos resultados
Teste de usabilidade - JEMS
– Análise dos perfis de usuários que utilizam o sistema
• Chair
• Avaliadores de artigos
• Autores de artigos
– Quantos usuários? 7 no total
• 2 Chairs
• 3 avaliadores de artigos
• 3 escritores de artigos
– Por que 8? Por que estas proporções?
Seleção dos Usuários (i)
– 7 usuários
• 2 no papel de “Chair”
– um doutorando em Ciência da Computação e outro professor doutor na
mesma área
• 3 no papel de “Avaliadores de artigos”
– Um dos usuários foi o mesmo doutorando que participou dos testes como
usuário-coordenador, os demais foram uma doutoranda em Pedagogia,
que costuma submeter e revisar artigos para congressos e periódicos da
área de informática na educação, e um mestrando em Ciência da
Computação
• 3 no papel de “Autores de artigos”
– três usuários estudantes de graduação em Ciência da Computação,
participantes de projetos de pesquisa, portanto possíveis candidatos à
submissão de artigos para conferências, embora nenhum deles havia
utilizado o JEMS anteriormente
Seleção dos Usuários (ii)
Desenvolvimento das tarefas dos usuários
Documento entregue para o
Usuário com a definição
das tarefas
Desenvolvimento das tarefas dos usuários
Definição das tarefas a serem
executadas por cada usuário
A definição de um percurso
de execução de cada tarefa
facilitou identificar se o usuário
estava no caminho certo
Elaborar formulário dos experimentadores
softwares que capturam em
áudio e vídeo a interação do
usuário
Formulário para ser preenchido
pelos experimentadores
• Realizados em um laboratório improvisado, contendo um
computador com acesso à internet, com microfone e programas
para capturar o áudio e o vídeo da interação
O Ambiente
3 experimentadores
• 1 fazendo esclarecimentos, tirando dúvidas, etc
• 2 observando e fazendo anotações
O que foi observado/registrado:
• Completude das tarefas
• Tempo de execução
• Erros (tipos e descrição dos erros)
• Dúvidas, comentários
• Comportamento (navegação)
Métodos Utilizados
• Thinking aloud
• Captura da interação em áudio e vídeo
• Observação
Desenvolvimento dos testes
Dados coletados:
• Anotações dos avaliadores (tempo, número de erros, acesso ao help,
solicitação de ajuda e comentários) + Vídeo
Análise:
– Compilação das anotações de cada avaliador identificando os problemas
registrados e comentários dos usuários
– Os vídeos foram observados apenas quando se pretendia resgatar algum
evento específico ocorrido durante os testes
– Elaboração de uma lista de problemas ordenada (mais grave –> menos
grave)
– Unificação da lista
– Elaboração do relatório de problemas
– Sugestões para solução dos problemas
Análise dos Resultados
Análise dos Resultados
Um relatório de avaliação
também tem que ter
“boa usabilidade” ?
Quem é o usuário do relatório?
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
Atividades
• Preparação do teste:
– Seleção dos usuários;
– Elaboração de uma atividade;
– Elaboração dos questionários;
– Preparação do ambiente (instalação e teste);
– Implementação do log da interação;
• Execução
• Análise dos resultados
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de
Cinema
Usuários
• Grupo 1 (26 alunos – 6 a 8 anos)
• Grupo 2 (31 alunos – 10 a 12 anos)
• Atividade – 90 minutos para cada grupo.
Métodos e Dados coletados
• Respostas aos questionários;
• Log da interação;
• Observação do avaliador;
• Material produzido pelos alunos;
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de
Cinema
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
Emoticons
Linguagem
Escala de valores
Análise das Respostas do questionário:
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de
Cinema
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
Análise do log
Análise Combinada dos três elementos
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de
Cinema
Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
Laboratórios
• Avaliação Remota de Usabilidade
• Métodos Síncronos – Usuário e Avaliador (locais diferentes),
testes realizados através de vídeo conferência e
compartilhamento de desktop;
• Métodos Assíncronos – Usuário e Avaliador (local e tempo
diferentes).
• Captura de log da interação – a avaliação do log da interação é feita
posteriormente e pode ser feita “manualmente” pelo avaliador ou de forma
automática/semi-automática com auxílio de ferramentas;
• Envio de Incidentes críticos pelo usuário – o usuário utiliza o sistema e relata
os problemas obtidos; Ex: algo como o Bugzilla.
Novas Abordagens
Equipamentos
• Estamos lidando com pessoas!
– http://www.youtube.com/watch?v=7vG67i1P
vA4&NR=1
Cuidado!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosCloves da Rocha
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitosMailson Queiroz
 
Validação e Testes de software
Validação e Testes de softwareValidação e Testes de software
Validação e Testes de softwareRondinelli Mesquita
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitoselliando dias
 
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de SoftwareÁlvaro Farias Pinheiro
 
Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de SoftwareCapgemini
 
Aps lista de exercícios
Aps lista de exercíciosAps lista de exercícios
Aps lista de exercíciosGuilherme
 
Gerência de Configuração
Gerência de ConfiguraçãoGerência de Configuração
Gerência de ConfiguraçãoWagner Zaparoli
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De SoftwareCursoSENAC
 
Principais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de RequisitosPrincipais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de RequisitosNorton Guimarães
 
Mini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeisMini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeisQualister
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareRonney Moreira de Castro
 

Mais procurados (20)

Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Engenharia de Requisitos
Engenharia de RequisitosEngenharia de Requisitos
Engenharia de Requisitos
 
Teste de Software - Introdução
Teste de Software - IntroduçãoTeste de Software - Introdução
Teste de Software - Introdução
 
Usabilidade IHC
Usabilidade IHCUsabilidade IHC
Usabilidade IHC
 
Engenharia de requisitos
Engenharia de requisitosEngenharia de requisitos
Engenharia de requisitos
 
Validação e Testes de software
Validação e Testes de softwareValidação e Testes de software
Validação e Testes de software
 
Qualidade de software
Qualidade de softwareQualidade de software
Qualidade de software
 
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de RequisitosPrincípios Fundamentais da Análise de Requisitos
Princípios Fundamentais da Análise de Requisitos
 
Metodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de SoftwareMetodologias de Desenvolvimento de Software
Metodologias de Desenvolvimento de Software
 
Testes de Software
Testes de SoftwareTestes de Software
Testes de Software
 
Aps lista de exercícios
Aps lista de exercíciosAps lista de exercícios
Aps lista de exercícios
 
Scrum
ScrumScrum
Scrum
 
Gerência de Configuração
Gerência de ConfiguraçãoGerência de Configuração
Gerência de Configuração
 
Engenharia De Software
Engenharia De SoftwareEngenharia De Software
Engenharia De Software
 
engenharia-de-requisitos
engenharia-de-requisitosengenharia-de-requisitos
engenharia-de-requisitos
 
Principais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de RequisitosPrincipais Técnicas de Elicitação de Requisitos
Principais Técnicas de Elicitação de Requisitos
 
Aula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias ÁgeisAula - Metodologias Ágeis
Aula - Metodologias Ágeis
 
Mini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeisMini curso de testes ágeis
Mini curso de testes ágeis
 
Conceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de softwareConceitos de básicos de qualidade de software
Conceitos de básicos de qualidade de software
 
Heuristicas De Nielsen
Heuristicas De NielsenHeuristicas De Nielsen
Heuristicas De Nielsen
 

Destaque

Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAndré Constantino da Silva
 
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimentoAula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimentoAndré Constantino da Silva
 
Usabilidade 7-8 - Teste de Usabilidade
Usabilidade 7-8 - Teste de UsabilidadeUsabilidade 7-8 - Teste de Usabilidade
Usabilidade 7-8 - Teste de UsabilidadeMarcello Cardoso
 
Relatório teste formal de usabilidade - RioCard
Relatório teste formal de usabilidade - RioCard Relatório teste formal de usabilidade - RioCard
Relatório teste formal de usabilidade - RioCard Luiz Agner
 
10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de Website
10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de Website10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de Website
10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de WebsiteArthur Leon
 
Arnoux texto academico
Arnoux texto academicoArnoux texto academico
Arnoux texto academiconeique
 
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de RepetiçãoAula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de RepetiçãoAndré Constantino da Silva
 
Exemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmico
Exemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmicoExemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmico
Exemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmicoCristine Alonso
 
Slides Usabilidade
Slides UsabilidadeSlides Usabilidade
Slides UsabilidadeBarbara_z
 
Como fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasComo fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasAndré Constantino da Silva
 
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...André Constantino da Silva
 
Guião e questionários do teste de usabilidade
Guião e questionários do teste de usabilidadeGuião e questionários do teste de usabilidade
Guião e questionários do teste de usabilidadeLiliana Almeida
 
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...André Constantino da Silva
 

Destaque (20)

Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de UsuárioAula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
Aula 6 - Design e Processo de Design de Interfaces de Usuário
 
Apresentação do curso Engenharia de Usabilidade
Apresentação do curso Engenharia de UsabilidadeApresentação do curso Engenharia de Usabilidade
Apresentação do curso Engenharia de Usabilidade
 
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimentoAula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
Aula sobre texto academico - elaboração do desenvolvimento
 
Usabilidade 7-8 - Teste de Usabilidade
Usabilidade 7-8 - Teste de UsabilidadeUsabilidade 7-8 - Teste de Usabilidade
Usabilidade 7-8 - Teste de Usabilidade
 
Avaliação de Interface
Avaliação de InterfaceAvaliação de Interface
Avaliação de Interface
 
Introdução ao TelEduc
Introdução ao TelEducIntrodução ao TelEduc
Introdução ao TelEduc
 
Relatório teste formal de usabilidade - RioCard
Relatório teste formal de usabilidade - RioCard Relatório teste formal de usabilidade - RioCard
Relatório teste formal de usabilidade - RioCard
 
10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de Website
10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de Website10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de Website
10 Perguntas Antes de Iniciar seu Projeto de Website
 
Arnoux texto academico
Arnoux texto academicoArnoux texto academico
Arnoux texto academico
 
Aula 7
Aula 7Aula 7
Aula 7
 
Aula 1 final
Aula 1 finalAula 1 final
Aula 1 final
 
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de RepetiçãoAula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
Aula 10 - Comando de Decisão Múltipla e Comandos de Repetição
 
Exemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmico
Exemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmicoExemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmico
Exemplo 1 2_3_4_de_texto_acadêmico
 
IHC Parte1
IHC Parte1IHC Parte1
IHC Parte1
 
Slides Usabilidade
Slides UsabilidadeSlides Usabilidade
Slides Usabilidade
 
Como fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficasComo fazer citações e referências bibliográficas
Como fazer citações e referências bibliográficas
 
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
Aula 9 - Resultado Operandos Matemáticos, Operadores Aritmeticos, Relacionais...
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
Guião e questionários do teste de usabilidade
Guião e questionários do teste de usabilidadeGuião e questionários do teste de usabilidade
Guião e questionários do teste de usabilidade
 
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
Mouse+Teclado x Toque+Caneta: as modalidades de interação em contextos educac...
 

Semelhante a Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários

127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007Marco Guimarães
 
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidadeQual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidadeRafael Lima
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadeLuiz Agner
 
Métodos de Avaliação de IHC
Métodos de Avaliação de IHCMétodos de Avaliação de IHC
Métodos de Avaliação de IHCGeorgiaCruz7
 
Teste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executarTeste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executarMarconi Pacheco
 
Um Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na PadronizaçãoUm Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na Padronizaçãowallyvianna
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaAlan Vasconcelos
 
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasUsabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasAlan Vasconcelos
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoAlan Vasconcelos
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Luiz Agner
 
Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfacesaiadufmg
 
Aula 9. Técnicas de avaliação de interface
Aula 9. Técnicas de avaliação de interfaceAula 9. Técnicas de avaliação de interface
Aula 9. Técnicas de avaliação de interfaceSilvia Dotta
 
ALM - Testes Exploratórios
ALM - Testes ExploratóriosALM - Testes Exploratórios
ALM - Testes ExploratóriosAlan Carlos
 
Usabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoUsabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoAlan Vasconcelos
 
Usabilidade de Interfaces - Parte 2
Usabilidade de Interfaces - Parte 2Usabilidade de Interfaces - Parte 2
Usabilidade de Interfaces - Parte 2Oziel Moreira Neto
 

Semelhante a Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários (20)

Usabilidade1
Usabilidade1Usabilidade1
Usabilidade1
 
127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007
 
Aula 01.ppt
Aula 01.pptAula 01.ppt
Aula 01.ppt
 
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidadeQual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
 
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de Usabilidade
 
Testes de Usabilidade
Testes de UsabilidadeTestes de Usabilidade
Testes de Usabilidade
 
Métodos de Avaliação de IHC
Métodos de Avaliação de IHCMétodos de Avaliação de IHC
Métodos de Avaliação de IHC
 
Teste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executarTeste de Usabilidade Como planejar e executar
Teste de Usabilidade Como planejar e executar
 
Um Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na PadronizaçãoUm Esforço Combinado Na Padronização
Um Esforço Combinado Na Padronização
 
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação HeurísticaMta1 aula-05 Avaliação Heurística
Mta1 aula-05 Avaliação Heurística
 
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicasUsabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
Usabilidade Aula-05. Processos: heuristicas
 
MTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. IntroduçãoMTA1 Aula-01. Introdução
MTA1 Aula-01. Introdução
 
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6Handbook Usability Testing - Capitulo 6
Handbook Usability Testing - Capitulo 6
 
Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfaces
 
Aula 9. Técnicas de avaliação de interface
Aula 9. Técnicas de avaliação de interfaceAula 9. Técnicas de avaliação de interface
Aula 9. Técnicas de avaliação de interface
 
Teste de usabilidade
Teste de usabilidadeTeste de usabilidade
Teste de usabilidade
 
ALM - Testes Exploratórios
ALM - Testes ExploratóriosALM - Testes Exploratórios
ALM - Testes Exploratórios
 
Usabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 IntroduçãoUsabilidade aula-01 Introdução
Usabilidade aula-01 Introdução
 
Usabilidade de Interfaces - Parte 2
Usabilidade de Interfaces - Parte 2Usabilidade de Interfaces - Parte 2
Usabilidade de Interfaces - Parte 2
 

Mais de André Constantino da Silva

Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEducIntrodução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEducAndré Constantino da Silva
 
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHCAula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHCAndré Constantino da Silva
 
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHCAula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHCAndré Constantino da Silva
 
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning EnvironmentsInkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning EnvironmentsAndré Constantino da Silva
 
Aula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativo
Aula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativoAula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativo
Aula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativoAndré Constantino da Silva
 
Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores
Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e OperadoresAula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores
Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e OperadoresAndré Constantino da Silva
 
Aula 3 – Linguagem HTML - formatação de texto
Aula 3 – Linguagem HTML -  formatação de textoAula 3 – Linguagem HTML -  formatação de texto
Aula 3 – Linguagem HTML - formatação de textoAndré Constantino da Silva
 
Aula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estrutura
Aula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estruturaAula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estrutura
Aula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estruturaAndré Constantino da Silva
 
Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...
Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...
Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...André Constantino da Silva
 
Raciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas Matemáticos
Raciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas MatemáticosRaciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas Matemáticos
Raciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas MatemáticosAndré Constantino da Silva
 

Mais de André Constantino da Silva (20)

Aula 3 - Fatores Humanos
Aula 3 - Fatores HumanosAula 3 - Fatores Humanos
Aula 3 - Fatores Humanos
 
Aula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHCAula 2 - A área de IHC
Aula 2 - A área de IHC
 
Aula 1 - Apresentação da Disciplina
Aula 1 - Apresentação da DisciplinaAula 1 - Apresentação da Disciplina
Aula 1 - Apresentação da Disciplina
 
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEducIntrodução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
Introdução ao ambiente virtual de aprendizagem TelEduc
 
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHCAula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
Aula 5 - Fatores Humanos - Parte 2 - Disciplina de IHC
 
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHCAula 4   Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
Aula 4 Fatores Humanos - parte 1 - Disciplina de IHC
 
Aula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHCAula 3 – A áera de IHC
Aula 3 – A áera de IHC
 
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning EnvironmentsInkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
InkBlog: A Pen-Based Blog Tool for e-Learning Environments
 
Aula 3
Aula 3Aula 3
Aula 3
 
Aula 2 final
Aula 2 finalAula 2 final
Aula 2 final
 
Aula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativo
Aula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativoAula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativo
Aula 6 – linguagem HTML - Endereço absoluto e relativo
 
Aula 7 – linguagem HTML - Frames
Aula 7 – linguagem HTML - FramesAula 7 – linguagem HTML - Frames
Aula 7 – linguagem HTML - Frames
 
Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores
Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e OperadoresAula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores
Aula 8 - Lógica de Programação - Variáveis, Tipos de dados e Operadores
 
Aula 4 – Linguagem HTML - Imagens e links
Aula 4 – Linguagem HTML - Imagens e linksAula 4 – Linguagem HTML - Imagens e links
Aula 4 – Linguagem HTML - Imagens e links
 
Aula 3 – Linguagem HTML - formatação de texto
Aula 3 – Linguagem HTML -  formatação de textoAula 3 – Linguagem HTML -  formatação de texto
Aula 3 – Linguagem HTML - formatação de texto
 
Aula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estrutura
Aula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estruturaAula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estrutura
Aula 2 – Introdução a HTML - conceitos básicos e estrutura
 
Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...
Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...
Desenvolvimento de Sistemas Interativos - Integração das Visões de Engenharia...
 
Uml - Exemplos de Modelagem em UML
Uml - Exemplos de Modelagem em UMLUml - Exemplos de Modelagem em UML
Uml - Exemplos de Modelagem em UML
 
Raciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas Matemáticos
Raciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas MatemáticosRaciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas Matemáticos
Raciocínio Lógico Aplicado a Resolução de Problemas Matemáticos
 
Introdução ao TelEduc
Introdução ao TelEducIntrodução ao TelEduc
Introdução ao TelEduc
 

Último

A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasRosalina Simão Nunes
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesMary Alvarenga
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfmirandadudu08
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresLilianPiola
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 

Último (20)

A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicasCenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
Cenários de Aprendizagem - Estratégia para implementação de práticas pedagógicas
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das MãesA Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
A Arte de Escrever Poemas - Dia das Mães
 
Regência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdfRegência Nominal e Verbal português .pdf
Regência Nominal e Verbal português .pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolaresALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
ALMANANHE DE BRINCADEIRAS - 500 atividades escolares
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 

Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários

  • 1. Avaliação de Usabilidade Parte 2 Prof. André Constantino da Silva IHC Baseado nos slides da Prof. Dr. Heloísa Vieira da Rocha
  • 2. • Compreender a importância da avaliação em um processo de desenvolvimento de interfaces de usuário • Conhecer e aplicar dois métodos de avaliação de usabilidade Objetivo das Aulas
  • 3. Teste de Usabilidade – Processo empírico que visa avaliar a usabilidade de um produto observando os usuários durante a sua utilização – Método fundamental de usabilidade –Tem o objetivo de aprimorar a usabilidade do produto –Os participantes do teste devem ser usuários reais, executando tarefas reais –Realizado com 4 a 5 usuários representativos, já traz resultados satisfatórios
  • 4. Teste de Usabilidade – Tipos de Teste Tipos de Teste: • Teste de Exploração • Teste de Avaliação • Teste de Validação • Teste de Comparação
  • 5. Teste de Usabilidade – Teste de Exploração Teste de Exploração Quando usar: fases iniciais do design. Que funcionalidades incluir? Objetivo: Explorar o modelo mental do usuário a respeito das tarefas em questão. Verificar se o usuário aprova as funcionalidades propostas e da maneira proposta. Metodologia: Walkthrough. O usuário explora o modelo da interface dando sugestões para o avaliador. Exemplo: O usuário é apresentado a um problema concreto e estimulado a falar sobre suas expectativas suposições e intenções para a resolução do problema. http://www.youtube.com/watch?v=0aHGLCAhxYY
  • 6. Teste de Usabilidade – Teste de Avaliação Teste de Avaliação Quando usar: nas fases intermediárias do ciclo de design. Objetivo: Determinar se os modelos conceituais foram implementados adequadamente. Busca verificar se o usuário consegue realizar as tarefas. Visa identificar problemas de usabilidade. Metodologia: O usuários executa tarefas e o avaliador observa sem interferir. Alguns dados quantitativos de eficiência de uso são anotados (tempo, quantidade erros, etc), mas é dado mais ênfase ao comportamento do usuário. Exemplo: Usuário é solicitado a renovar um livro no sistema on-line da biblioteca.
  • 7. Teste de Usabilidade – Teste de Validação Teste de Validação Quando usar: na fase final, perto do lançamento do produto. Objetivo: Certificar que o produto está de acordo com o que foi especificado e se enquadra nos padrões de usabilidade e performance definidos. Metodologia: Determinar tempos para as tarefas e verificar se o usuário consegue realizá-las dentro daquele tempo. Exemplo: Tarefa: renovar livro na biblioteca (tempo previsto 1 min). http://www.youtube.com/watch?v=46fdXjLXhw8
  • 8. Teste de Usabilidade – Teste de Comparação Teste de Comparação Quando usar: em qualquer estágio do ciclo de design. Nos primeiros estágios pode ser usado para comparar designs alternativos, nos estágios intermediários pode ser usado para medir a efetividade de um elemento da interface e no final pode ser usado para comparar se o produto atinge um concorrente. Objetivo: Comparar soluções alternativas entre si e determinar qual delas é mais fácil de usar. Metodologia: Um teste exploratório onde diversas soluções são comparadas entre si. O resultado é um produto que combina o melhor dessas idéias. Exemplo: Localize onde se encontra o help nos seguintes sites...
  • 9. Teste de Usabilidade – Duas maiores preocupações: • Confiabilidade: grau de certeza de que o mesmo resultado será obtido se o teste for repetido • Validade: o fato dos resultados de teste refletirem os aspectos de usabilidade que se deseja testar – 2 fases principais: • Planejamento • Execução
  • 10. Teste de Usabilidade – Planejamento (i) – Estabelecer a equipe • Quem participará da parte de planejamento? • Quem serão os experimentadores? – Características e tipo de teste – Público-alvo • Quem serão os usuários e como serão conseguidos? • Quantos usuários são necessários?
  • 11. Teste de Usabilidade – Planejamento (ii) –Recursos necessários para a realização do teste • Quando e onde o teste irá acontecer? • Qual a duração prevista de cada sessão de teste? • Qual o suporte computacional necessário? • Quais softwares precisam estar a disposição? • Qual deverá ser o estado do sistema no início do teste? – Objetivos e métricas • O que se deseja obter através do teste? • Quais dados serão coletados?
  • 12. Teste de Usabilidade – Planejamento (iii) –Cenários e tarefas • Quais as tarefas que serão solicitadas aos usuários? • Quanto o experimentador poderá ajudar o usuário durante o teste? – Definição de como será a análise dos resultados • Como os dados serão analisados uma vez que tenham sido coletados? • Qual critério será utilizado para definir que os usuários terminaram cada tarefa corretamente? • Qual o critério para determinar que a interface é um sucesso?
  • 13. Teste de Usabilidade – Os experimentadores – Escolha usuários significativos – Envolva usuários reais – Se não for possível, selecione usuários tão próximos quanto possível – Idade – Nível educacional – Experiência com computadores – Conhecimento do domínio da tarefa – Erro comum: interface para público em geral e recrutar alunos de computação como usuários nos testes
  • 14. – Devem ter conhecimento extenso sobre a aplicação e sobre a interface – Não precisam saber como o sistema foi implementado • Mas devem estar prontos para lidar com problemas que afetam o teste (sistema ‘travar’) – Podem ser os designers, desde que mantenham isenção Teste de Usabilidade – Os usuários
  • 15. Teste de Usabilidade – Métricas – Tempo de cada tarefa – Porcentagem de tarefas completadas – Porcentagem de tarefas não-completadas – Números de erros – Tempo de navegação para encontrar uma informação – Número de passos – Número de cliques – Quantidade de informações encontradas – Número de acessos ao help – ...
  • 16. Teste de Usabilidade – Dados qualitativos Dados qualitativos são coletados oralmente, por escrito, por questionário ou através de perguntas feitas para o usuário As percepções e a satisfação, apesar de dados qualitativo (subjetivos) podem ser quantificados usando-se “notas” para: – Facilidade de uso – Facilidade de navegação – Utilidade – Facilidade de aprendizagem – Facilidade de se recuperar de um erro – Help
  • 17. Teste de Usabilidade – Tarefas – Tarefas mais representativas possíveis – Cobertura razoável das partes mais significativas da interface – As tarefas devem poder ser completadas no tempo definido para o teste – Grau de dificuldade gradativo – Planejar para que possam ser interrompidas a qualquer momento, caso o usuário deseje – Descreva a tarefa da forma mais realista possível • Evite redigi-las na linguagem do produto, elas devem estar na linguagem do usuário • Exemplo: “A partir da página do IBGE na Internet, identifique em que estado do Brasil reside a maior concentração de pessoas com mais de 60 anos” – As tarefas devem estar inseridas em um cenário
  • 18. –Questionário de pré-teste: para definir o perfil dos participantes –Questionário pós-teste: geralmente utilizado para obter a satisfação do usuário e opinião –Autorização (termo de consentimento): declaração de que o usuário está de acordo em participar dos teste e que esses dados serão utilizados para um determinado fim “X”, mantendo-se o anonimato das informações Teste de Usabilidade – Documentos de apoio
  • 19. –Preparação • Preparar o ambiente e equipamentos –Introdução • Explicar que não é o participante e sim a interface que será testada • Não devem se preocupar em ferir sentimentos dos experimentadores (designers) com suas observações • Os resultados do teste servirão para melhorar a interface do usuário • Relembrar que o sistema é confidencial e não deve ser comentado com outros (que inclusive podem vir a ser futuros usuários em outros testes) • A participação no teste é voluntária e podem parar a qualquer tempo • Os resultados do teste não serão colocados publicamente e o anonimato do participante estará garantido Teste de Usabilidade – Execução (i)
  • 20. –Introdução (cont.) • Explicar sobre o uso de gravações de vídeo ou áudio que estarão sendo feitas (o ideal é não gravar a face do usuário) • Explicar que podem fazer qualquer pergunta durante o teste, mas que nem sempre o experimentador irá ajudá-los ou responder suas questões • Informar ao participante sobre o tempo de duração do teste • Solicitar a leitura e assinatura do termo de consentimento • Explicar como o teste vai acontecer • Explicar a técnica de “thinking aloud” (se for utilizada) • Perguntar se existem e esclarecer dúvidas • Solicitar o preenchimento do pré-teste Teste de Usabilidade – Execução (ii)
  • 21. –Teste • Apresentar o cenário e as tarefas por escrito • Iniciar a gravação (se houver) e anotar os tempos • Lembrar ao usuário sobre “thinking aloud” durante o teste • Solicitar que o usuário indique quando completar e mudar de tarefa • evite qualquer tipo de comentário ou expressões sobre a performance ou observações do usuário • evite ajudar o usuário, a não ser que ele esteja realmente em dificuldades muito graves –Sessão final • convidados a fazerem comentários ou sugestões gerais, ou a responderem um questionário específico (questionário de pós-teste) Teste de Usabilidade – Execução (iii)
  • 22. Thinking aloud (pensando em voz alta): – Usuário verbaliza seus pensamentos – Permite observar como o usuário interpreta cada item da interface – Não adequado quando se deseja medidas de performance – Principal objetivo é mostrar o que os usuários estão fazendo e porque estão fazendo, enquanto estão fazendo, evitando as racionalizações posteriores – Torna o teste muito mais difícil de ser realizado • usuários ficam mais lentos mas cometem menos erros quando pensam em voz alta Teste de Usabilidade – Thinking aloud
  • 23. –O avaliador tem que levar o usuário a falar sempre e nunca interferir no uso do sistema pelo usuário • O que você está pensando agora? • O que você acha que essa mensagem significa ? (depois do usuário notar a mensagem) –– Se o usuário pergunta se pode fazer alguma coisa: • O que você acha que vai acontecer se fizer isso? –– Se o usuário se mostra surpreso: • Era isso que você esperava que iria acontecer? O que esperava? Teste de Usabilidade – Thinking aloud
  • 24. Interação construtiva – 2 ou mais usuários trabalhando conjuntamente –problema: diferenças de estilo de interação dos usuários –Indicado: para testar interfaces para crianças Retrospective testing – usuário comenta sua ação gravada em vídeo – todo teste demora pelo menos o dobro do tempo – não indicado para usuários caros Coaching Method – manter o usuário no caminho correto – focado no usuário novato –bom para testar help/manual, etc.. Teste de Usabilidade – Thinking aloud - alternativas
  • 26. Atividades Preparação dos testes – Seleção dos usuários – Desenvolvimento das tarefas dos usuários – Definir critérios da observação/avaliação – Elaborar formulário dos experimentadores – Preparação do ambiente de teste • Execução dos testes • Análise dos resultados Teste de usabilidade - JEMS
  • 27. – Análise dos perfis de usuários que utilizam o sistema • Chair • Avaliadores de artigos • Autores de artigos – Quantos usuários? 7 no total • 2 Chairs • 3 avaliadores de artigos • 3 escritores de artigos – Por que 8? Por que estas proporções? Seleção dos Usuários (i)
  • 28. – 7 usuários • 2 no papel de “Chair” – um doutorando em Ciência da Computação e outro professor doutor na mesma área • 3 no papel de “Avaliadores de artigos” – Um dos usuários foi o mesmo doutorando que participou dos testes como usuário-coordenador, os demais foram uma doutoranda em Pedagogia, que costuma submeter e revisar artigos para congressos e periódicos da área de informática na educação, e um mestrando em Ciência da Computação • 3 no papel de “Autores de artigos” – três usuários estudantes de graduação em Ciência da Computação, participantes de projetos de pesquisa, portanto possíveis candidatos à submissão de artigos para conferências, embora nenhum deles havia utilizado o JEMS anteriormente Seleção dos Usuários (ii)
  • 29. Desenvolvimento das tarefas dos usuários Documento entregue para o Usuário com a definição das tarefas
  • 30. Desenvolvimento das tarefas dos usuários Definição das tarefas a serem executadas por cada usuário A definição de um percurso de execução de cada tarefa facilitou identificar se o usuário estava no caminho certo
  • 31. Elaborar formulário dos experimentadores softwares que capturam em áudio e vídeo a interação do usuário Formulário para ser preenchido pelos experimentadores
  • 32. • Realizados em um laboratório improvisado, contendo um computador com acesso à internet, com microfone e programas para capturar o áudio e o vídeo da interação O Ambiente
  • 33. 3 experimentadores • 1 fazendo esclarecimentos, tirando dúvidas, etc • 2 observando e fazendo anotações O que foi observado/registrado: • Completude das tarefas • Tempo de execução • Erros (tipos e descrição dos erros) • Dúvidas, comentários • Comportamento (navegação) Métodos Utilizados • Thinking aloud • Captura da interação em áudio e vídeo • Observação Desenvolvimento dos testes
  • 34. Dados coletados: • Anotações dos avaliadores (tempo, número de erros, acesso ao help, solicitação de ajuda e comentários) + Vídeo Análise: – Compilação das anotações de cada avaliador identificando os problemas registrados e comentários dos usuários – Os vídeos foram observados apenas quando se pretendia resgatar algum evento específico ocorrido durante os testes – Elaboração de uma lista de problemas ordenada (mais grave –> menos grave) – Unificação da lista – Elaboração do relatório de problemas – Sugestões para solução dos problemas Análise dos Resultados
  • 35. Análise dos Resultados Um relatório de avaliação também tem que ter “boa usabilidade” ? Quem é o usuário do relatório?
  • 36. Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
  • 37. Atividades • Preparação do teste: – Seleção dos usuários; – Elaboração de uma atividade; – Elaboração dos questionários; – Preparação do ambiente (instalação e teste); – Implementação do log da interação; • Execução • Análise dos resultados Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
  • 38. Usuários • Grupo 1 (26 alunos – 6 a 8 anos) • Grupo 2 (31 alunos – 10 a 12 anos) • Atividade – 90 minutos para cada grupo. Métodos e Dados coletados • Respostas aos questionários; • Log da interação; • Observação do avaliador; • Material produzido pelos alunos; Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
  • 39. Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema Emoticons Linguagem Escala de valores
  • 40. Análise das Respostas do questionário: Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
  • 41. Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema Análise do log
  • 42. Análise Combinada dos três elementos Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
  • 43. Teste Ferramenta Educacional Estúdio de Cinema
  • 45. • Avaliação Remota de Usabilidade • Métodos Síncronos – Usuário e Avaliador (locais diferentes), testes realizados através de vídeo conferência e compartilhamento de desktop; • Métodos Assíncronos – Usuário e Avaliador (local e tempo diferentes). • Captura de log da interação – a avaliação do log da interação é feita posteriormente e pode ser feita “manualmente” pelo avaliador ou de forma automática/semi-automática com auxílio de ferramentas; • Envio de Incidentes críticos pelo usuário – o usuário utiliza o sistema e relata os problemas obtidos; Ex: algo como o Bugzilla. Novas Abordagens
  • 47. • Estamos lidando com pessoas! – http://www.youtube.com/watch?v=7vG67i1P vA4&NR=1 Cuidado!