Ferramentas decoleta de dadosPUC-RIO / CCEPUC-RIO / CCEPós-graduação em Ergodesign de InterfacesPós-graduação em Ergodesig...
Plano de aulaPlano de aula Atividade em gruposAtividade em grupos O que é uma pesquisaO que é uma pesquisa Elementos do...
Atividade em gruposAtividade em grupos DEFINIR em uma frase os conceitos de:DEFINIR em uma frase os conceitos de: Ciênci...
Princípios do DesignPrincípios do DesignCentrado no UsuárioCentrado no Usuário Foco nos usuários e tarefasFoco nos usuári...
Ciclo de vida + U.C.D.Ciclo de vida + U.C.D.
Ciclo de vida + U.C.D.Ciclo de vida + U.C.D. ConceitoConceito Objetivos; perfis de usuários; personasObjetivos; perfis d...
Exemplo de requisitosExemplo de requisitos Todas as páginas devem carregar em atéTodas as páginas devem carregar em até5 ...
Para que pesquisar?Para que pesquisar? Adquirir conhecimento;Adquirir conhecimento;construir uma porção do saber.construi...
Objetivos da pesquisaObjetivos da pesquisa1.1. Resolver problemas práticosResolver problemas práticos2.2. Gerar teoriasGer...
Pensar como cientistaPensar como cientista1.1. Pensar a realidade criticamentePensar a realidade criticamente2.2. Usar a e...
Problemas da ciênciaProblemas da ciência1.1. Conhecimento indutivo é incompleto.Conhecimento indutivo é incompleto.2.2. Mu...
Epistemologia científicaEpistemologia científica O pressuposto ontológico coloca aquestão sobre “qual é a natureza dareal...
Epistemologia científicaEpistemologia científica Pressupostos ontológicos e denatureza humana que representam oponto de v...
Correntes principaisCorrentes principais 3 correntes das Ciências Sociaisno séc. XX Positivismo lógico Estruturalismo ...
Positivismo lógicoPositivismo lógico Surgiu na primeira metade do séc. XIX Teoria evolucionista de Darwin; teoriada form...
Positivismo lógicoPositivismo lógicoAuguste Comte (1798-1857) Herbert Spencer (1820 – 1903)
Positivismo lógicoPositivismo lógico Uma proposição é significativa quandoverificável e provável a partir daexperiência....
EstruturalismoEstruturalismoClaude Lévi-Strauss(1908 — 2009)
EstruturalismoEstruturalismoConceito básico:Estrutura social – correspondia àquilo quenão pode ser observado, mas apreendi...
EstruturalismoEstruturalismoEstrutura social – esse conceito já foiutilizado pelos funcionalistas, mas quecorrespondia , p...
EstruturalismoEstruturalismo• Nega a realidade como algo singular• Rejeita o império da experiência sensível• Considera in...
EstruturalismoEstruturalismoRoland BarthesEstudo das narrativasSemióticaFerdinand deSaussureLinguística, Semiótica
EstruturalismoEstruturalismoLouis Althusser(1918 — 1990)Jean William Fritz Piaget(1896 — 1980)
Materialismo dialéticoMaterialismo dialéticoKarl Marx (1818 — 1883)Friedrich Engels (1820-1895)
Materialismo dialéticoMaterialismo dialéticoPRINCÍPIOS:1 – Conexão universalTodos os fenômenos da natureza sãointerconecta...
Materialismo dialéticoMaterialismo dialéticoLEIS:1 – Unidade e luta dos contráriosEx.: o átomo; o ímã; o capitalismo2 – Tr...
Resumo: 2 grandesResumo: 2 grandesabordagens da ciênciaabordagens da ciência1. Quantitativa2. Qualitativa
QuantitativaQuantitativa1. Formulação de hipóteses,2. definições operacionais de variáveis,3. quantificação nas modalidade...
QualitativaQualitativa1. Não emprega instrumentos estatísticos comobase para a análise.2. busca descrever a complexidade d...
QualitativaQualitativa Objeto de estudo: as situações complexasou bastante particulares descreve melhor a complexidade d...
Pesquisa em ergonomiaPesquisa em ergonomia• Ergonomia é uma disciplina científica quetrata da interação entre os homens e ...
Pesquisa em ergonomiaPesquisa em ergonomia• O homem como ser integral• Valorização do trabalho como agir humano• Contra a ...
Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidadeA ideologia da usabilidade representa acrença em direitos do ser humano:• o ...
Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidadeSegundo NIELSEN (2004), existem dois tiposprincipais de pesquisas com usuári...
Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidade• O benefício dos estudos quantitativos seriaque eles reduzem uma situação c...
Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidade• A pesquisa em usabilidade de interfaces nãoé a mesma coisa que a ciência m...
Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidade• Questões que são tão específicas, a pontode uma fórmula estatística poder ...
Passos de uma pesquisaPassos de uma pesquisa1. observações preliminares;2. problema;3. fundamentação teórica;4. amostragem...
Problema de pesquisaProblema de pesquisa O problema é uma questão não resolvida,algo para o qual vai-se buscar uma respos...
Problema: exemploProblema: exemplo “O portal IBGE é um site emblemático paraos serviços de governo eletrônico (e-Gov).Pub...
Hipótese de pesquisaHipótese de pesquisa é uma suposição que se faz na tentativa deexplicar o que se desconhece. a hipót...
Hipótese: exemploHipótese: exemplo “Devido a sua alta complexidadeinformacional, a Arquitetura de Informaçãodo portal IBG...
Objetivos da pesquisaObjetivos da pesquisa Geral Específicos Operacionais
Objetivos: exemplosObjetivos: exemplos Geral– Contribuir para o aprimoramento do portal IBGE e do e-Gov,levando em consid...
Objetivos: exemplosObjetivos: exemplos• Operacionais– Aprofundar referências teóricas em Interação Humano-Computador (IHC)...
AmostragemAmostragemPrincipais tipos de pesquisas:• PESQUISAS CENSITÁRIASColetam informações sobre TODAS asunidades da pop...
Processo de Amostragem:• consiste em selecionar parte de umapopulação para estudo, de modo queseja possível generalizar os...
Exemplos: pesquisas censitárias:• Censo Demográfico (2010)• Censo Agropecuário (2006)• Munic (2011)• Estadic (2012)Fonte: ...
Exemplos: pesquisas amostrais• Pesquisa Nacional por Amostra deDomicílios(PNAD) e seus Suplementos.• Pesquisa Mensal de Em...
Pesquisas amostraisPesquisas amostraisVANTAGENS:• Custo menor.• Velocidade maior.• Precisão controlada.• Redução da carga ...
Censos x amostrasCensos x amostrasPor quê não fazer sempre pesquisapor amostragem e esquecer o Censo?• Há ocasiões onde a ...
AmostrasAmostrasCaracterísticas desejáveis:• Capacidade de generalizar estimativas daamostra para toda a população.• “Impa...
Tipos de amostrasTipos de amostras• Probabilísticas• Não probabilísticasFonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidad...
Amostra probabilísticaAmostra probabilística• Cada unidade da população temprobabilidade positiva de ser incluída naamostr...
Amostra nãoAmostra nãoprobabilísticaprobabilísticaAmostras que não satisfazem esses critérios:• Podem não permitir general...
Amostra intencionalAmostra intencionalAmostra não probabilística subordinadaa objetivos específicos do pesquisador.Exemplo...
Amostras probabilísticasAmostras probabilísticas• Amostra Aleatória Simples (AAS)• Amostra Sistemática (AS)• Amostra Estra...
Amostra aleatóriaAmostra aleatóriasimples (AAS)simples (AAS)• Processo de amostragem consistindo emselecionar n unidades d...
Amostra aleatóriaAmostra aleatóriasimples (AAS)simples (AAS)Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesqui...
Amostra sistemática (AS)Amostra sistemática (AS)Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013• Co...
Amostra sistemáticaAmostra sistemática(N=36, K=4, n=9, partida A=4)
Amostra sistemáticaAmostra sistemática(N=36, K=3, n=12, partida A=2)
Amostra estratificadaAmostra estratificadaÉ o processo de amostragem querequer:• Dividir a população em grupos (mais)homog...
Amostra estratificadaAmostra estratificada• População é dividida em 2 ou maisgrupos de acordo com algumacaracterística.• R...
Amostra estratificadaAmostra estratificadaFonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
Amostra estratificadaAmostra estratificada• Amostragem estratificada maiseficiente que AAS de igual tamanho.• AES requer c...
RegistrosRegistrosadministrativosadministrativos• Informações obtidas com finalidade de gestãoe controle, geralmente por i...
Ferramentas de coletaFerramentas de coletade dados em IHCde dados em IHC QuestionáriosQuestionários EntrevistasEntrevist...
QuestionárioQuestionário É uma sequência de perguntasÉ uma sequência de perguntas As questões e como perguntá-lasAs ques...
Questionários na IHCQuestionários na IHC Quando usá-los?Quando usá-los? Principais fatoresPrincipais fatores Como criar...
Questionários:Questionários:quando usarquando usar PRODUTO NOVO:PRODUTO NOVO: Identificar população de usuáriosIdentific...
Questionários:Questionários:quando usarquando usar PRODUTO EXISTENTE:PRODUTO EXISTENTE: Características da população deC...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Tendenciamento nas respostasTendenciamento nas respostas...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Como melhorar a taxa de resposta:Como melhorar a taxa de...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Tempo de preparação é grande:Tempo de preparação é grand...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Redigindo as questões:Redigindo as questões: Manter cur...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Redigindo as questões:Redigindo as questões: Entre 15 e...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Perguntas sensíveisPerguntas sensíveis Somente se realm...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso FormataçãoFormatação Layout claro e concisoLayout claro...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Formatos de múltipla-escolhaFormatos de múltipla-escolha...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Evitar os erros comuns:Evitar os erros comuns: Evitar r...
Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Redação das perguntasRedação das perguntas Redação é fa...
Redação do questionárioRedação do questionário O QUE FAZERO QUE FAZER Perguntas de até 20 palavrasPerguntas de até 20 pa...
Redação do questionárioRedação do questionário O QUE FAZERO QUE FAZER Usuários podem usar um diárioUsuários podem usar u...
Redação do questionárioRedação do questionário O QUE NÃO FAZERO QUE NÃO FAZER Forçar usuários a escolher umaForçar usuár...
Redação do questionárioRedação do questionário O QUE NÃO FAZERO QUE NÃO FAZER Pedir para criar soluçõesPedir para criar ...
Questionário:Questionário:itens-padrãoitens-padrão INCLUIR SEMPRE:INCLUIR SEMPRE: TítuloTítulo InstruçõesInstruções In...
VantagensVantagens Obter informações de um grandeObter informações de um grandenúmero de pessoasnúmero de pessoas Abrang...
DesvantagensDesvantagens Não se obtém 100% de respostasNão se obtém 100% de respostas Problemas de viés na amostragemPro...
Exemplo de questionárioExemplo de questionário QUISQUIS Questionnaire of UserQuestionnaire of UserInterface Satisfaction...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - Questionários

4.874 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina Ferramentas para Coleta de Dados, 2013. Pós-graduação em Ergodesign de Interfaces, Usabilidade e Arquitetura de Informação. Prof. Luiz Agner

Publicada em: Educação
1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.874
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.718
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
97
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Palestra - Ferramentas de Coleta de Dados - Questionários

  1. 1. Ferramentas decoleta de dadosPUC-RIO / CCEPUC-RIO / CCEPós-graduação em Ergodesign de InterfacesPós-graduação em Ergodesign de Interfaces20132013LUIZ AGNERLUIZ AGNER
  2. 2. Plano de aulaPlano de aula Atividade em gruposAtividade em grupos O que é uma pesquisaO que é uma pesquisa Elementos do método científicoElementos do método científico Epistemologia do trabalho científicoEpistemologia do trabalho científico Pesquisa em ergonomia e em usabilidadePesquisa em ergonomia e em usabilidade Passos de uma pesquisaPassos de uma pesquisa Objetivos, problema e hipóteseObjetivos, problema e hipótese AmostragemAmostragem Ferramentas de coleta de dadosFerramentas de coleta de dados QuestionáriosQuestionários QUIS – Usabilidade e satisfaçãoQUIS – Usabilidade e satisfação Atividade em grupos: questionárioAtividade em grupos: questionário
  3. 3. Atividade em gruposAtividade em grupos DEFINIR em uma frase os conceitos de:DEFINIR em uma frase os conceitos de: CiênciaCiência PesquisaPesquisa Dados e informaçãoDados e informação ConhecimentoConhecimento Senso comumSenso comum TécnicaTécnica HipóteseHipótese TeoriaTeoria Método de pesquisaMétodo de pesquisa Técnica de pesquisaTécnica de pesquisa Ferramenta de coleta de dadosFerramenta de coleta de dados
  4. 4. Princípios do DesignPrincípios do DesignCentrado no UsuárioCentrado no Usuário Foco nos usuários e tarefasFoco nos usuários e tarefas Coletar de modo sistemático dadosColetar de modo sistemático dadosestruturados e requisitos de uso.estruturados e requisitos de uso. Observações empíricas do usoObservações empíricas do uso Testes com protótipos de baixa, média eTestes com protótipos de baixa, média ealta fidelidade.alta fidelidade. Projeto iterativoProjeto iterativo O produto é desenhado, testado eO produto é desenhado, testado emodificado, repetidamente.modificado, repetidamente.
  5. 5. Ciclo de vida + U.C.D.Ciclo de vida + U.C.D.
  6. 6. Ciclo de vida + U.C.D.Ciclo de vida + U.C.D. ConceitoConceito Objetivos; perfis de usuários; personasObjetivos; perfis de usuários; personas Entrevistas, estudo de campo, análise da tarefaEntrevistas, estudo de campo, análise da tarefa DesignDesign Walkthroughs; aval. heurísticasWalkthroughs; aval. heurísticas Entrevistas, focus groups, card sortingEntrevistas, focus groups, card sorting DesenvolvimentoDesenvolvimento Avaliações heurísticas; testes de usabilidadeAvaliações heurísticas; testes de usabilidade LançamentoLançamento Testes de usabilidade, questionários,Testes de usabilidade, questionários,entrevistas, observações de campo.entrevistas, observações de campo.
  7. 7. Exemplo de requisitosExemplo de requisitos Todas as páginas devem carregar em atéTodas as páginas devem carregar em até5 segundos5 segundos Usuários devem se registrar no site antesUsuários devem se registrar no site antesde comprarde comprar O site deve estar disponível em Inglês,O site deve estar disponível em Inglês,Português e EspanholPortuguês e Espanhol Os usuários não precisarão de treinamentoOs usuários não precisarão de treinamento O site deve possuir apelo para diversosO site deve possuir apelo para diversosperfis demográficosperfis demográficos
  8. 8. Para que pesquisar?Para que pesquisar? Adquirir conhecimento;Adquirir conhecimento;construir uma porção do saber.construir uma porção do saber. Confronto entre dados, asConfronto entre dados, asevidências, as informaçõesevidências, as informaçõescoletadas sobre determinadocoletadas sobre determinadoassunto e o conhecimentoassunto e o conhecimentoacumulado a respeito dele.acumulado a respeito dele.
  9. 9. Objetivos da pesquisaObjetivos da pesquisa1.1. Resolver problemas práticosResolver problemas práticos2.2. Gerar teoriasGerar teorias3.3. Avaliar teorias existentesAvaliar teorias existentesA maneira de testar a validade de umaA maneira de testar a validade de umaafirmação é submetê-la a exameafirmação é submetê-la a exameempírico.empírico.
  10. 10. Pensar como cientistaPensar como cientista1.1. Pensar a realidade criticamentePensar a realidade criticamente2.2. Usar a evidência empíricaUsar a evidência empírica3.3. Ter raciocínio lógicoTer raciocínio lógico4.4. Ter atitude céticaTer atitude cética(questionamento constante de(questionamento constante decrenças e conclusões).crenças e conclusões).
  11. 11. Problemas da ciênciaProblemas da ciência1.1. Conhecimento indutivo é incompleto.Conhecimento indutivo é incompleto.2.2. Muita ênfase na lógica e matemática.Muita ênfase na lógica e matemática.3.3. Pressupõe que todos os fenômenosPressupõe que todos os fenômenostêm causas.têm causas.4.4. Confiança na percepção doConfiança na percepção dopesquisador.pesquisador.5.5. Todo fenômeno deve ser perceptível,Todo fenômeno deve ser perceptível,classificável e mensurável.classificável e mensurável.6.6. É poderosa ferramenta de convicção.É poderosa ferramenta de convicção. Mas há outras: aceitação da autoridade,Mas há outras: aceitação da autoridade,
  12. 12. Epistemologia científicaEpistemologia científica O pressuposto ontológico coloca aquestão sobre “qual é a natureza darealidade?” O pressuposto epistemológico pergunta“como sabemos o que sabemos?”.“Qual a relação entre o pesquisador e oobjeto pesquisado?
  13. 13. Epistemologia científicaEpistemologia científica Pressupostos ontológicos e denatureza humana que representam oponto de vista do pesquisadorsobre o mundo. A perspectiva epistemológica dopesquisador vai orientar a escolha dométodo, metodologia e técnicasde uma pesquisa.
  14. 14. Correntes principaisCorrentes principais 3 correntes das Ciências Sociaisno séc. XX Positivismo lógico Estruturalismo Materialismo dialético
  15. 15. Positivismo lógicoPositivismo lógico Surgiu na primeira metade do séc. XIX Teoria evolucionista de Darwin; teoriada formação do sistema solar (E. Kant& Laplace) Fé absoluta no poder da investigaçãoexperimental Atração pelos métodos empíricos Técnicas das ciências naturais devemser aplicadas às ciências sociais.
  16. 16. Positivismo lógicoPositivismo lógicoAuguste Comte (1798-1857) Herbert Spencer (1820 – 1903)
  17. 17. Positivismo lógicoPositivismo lógico Uma proposição é significativa quandoverificável e provável a partir daexperiência. Uma proposição é significativa se fortautológica *(como a matemática e as leis da lógica). São descartadas a filosofia, a ética, ateologia e a estética, pois nãocumprem estas condições.* Um sistema é tautológico quando não apresenta saídas à sua próprialógica interna.
  18. 18. EstruturalismoEstruturalismoClaude Lévi-Strauss(1908 — 2009)
  19. 19. EstruturalismoEstruturalismoConceito básico:Estrutura social – correspondia àquilo quenão pode ser observado, mas apreendidopela interpretação científica.A sociedade funciona como um modelo, deacordo com as regras intrinsecamentecoerentes e válidas, cujo entendimentoescapava ao senso comum.
  20. 20. EstruturalismoEstruturalismoEstrutura social – esse conceito já foiutilizado pelos funcionalistas, mas quecorrespondia , para eles , à organizaçãode dados empíricos, estabelecendo-se,assim, uma correspondência entre osfenômenos observáveis e a estrutura da qualfaziam parte.Ideia é de elementos não visíveis naconstrução de um edifício.O objetivo da Ciência seria identificar as estruturasinvisíveis.
  21. 21. EstruturalismoEstruturalismo• Nega a realidade como algo singular• Rejeita o império da experiência sensível• Considera insignificante o estudo dos fatosisolados• Considera a relação cultura-indivíduo• Usa o conceito de inconsciente• Alternativa para o Positivismo• Problemas: Excesso de pessimismo;Não considera a História
  22. 22. EstruturalismoEstruturalismoRoland BarthesEstudo das narrativasSemióticaFerdinand deSaussureLinguística, Semiótica
  23. 23. EstruturalismoEstruturalismoLouis Althusser(1918 — 1990)Jean William Fritz Piaget(1896 — 1980)
  24. 24. Materialismo dialéticoMaterialismo dialéticoKarl Marx (1818 — 1883)Friedrich Engels (1820-1895)
  25. 25. Materialismo dialéticoMaterialismo dialéticoPRINCÍPIOS:1 – Conexão universalTodos os fenômenos da natureza sãointerconectados e determinadosmutuamente.2 – Movimento permanente edesenvolvimentoTudo está em movimento. A sua fonte são ascontradições internas dos objetos e
  26. 26. Materialismo dialéticoMaterialismo dialéticoLEIS:1 – Unidade e luta dos contráriosEx.: o átomo; o ímã; o capitalismo2 – Transformação da quantidade emqualidade. Ex: água fervendo3 – A negação da negaçãoO desenvolvimento está ligado à morte dovelho e ao nascimento do novo.
  27. 27. Resumo: 2 grandesResumo: 2 grandesabordagens da ciênciaabordagens da ciência1. Quantitativa2. Qualitativa
  28. 28. QuantitativaQuantitativa1. Formulação de hipóteses,2. definições operacionais de variáveis,3. quantificação nas modalidades de coleta dedados e de informações,4. utilização de tratamentos estatísticos.Os critérios de cientificidade são a verificação, ademonstração, os testes e a lógica matemática.
  29. 29. QualitativaQualitativa1. Não emprega instrumentos estatísticos comobase para a análise.2. busca descrever a complexidade dedeterminado problema – não envolvendomanipulação de variáveis ou estudosexperimentais.3. busca levar em consideração todos oscomponentes de uma situação e suasinterações e influências recíprocas, numavisão holística.
  30. 30. QualitativaQualitativa Objeto de estudo: as situações complexasou bastante particulares descreve melhor a complexidade dosproblemas.OBS.: há possibilidade de aporte dopotencial do método quantitativo ao métodoqualitativo.
  31. 31. Pesquisa em ergonomiaPesquisa em ergonomia• Ergonomia é uma disciplina científica quetrata da interação entre os homens e atecnologia.• Segundo MORAES & MONT´ALVÃO (1998),o objeto da Ergonomia – seja qual for a sualinha de atuação ou as estratégias emétodos que utiliza – é o homem no seutrabalho trabalhando.
  32. 32. Pesquisa em ergonomiaPesquisa em ergonomia• O homem como ser integral• Valorização do trabalho como agir humano• Contra a alienação do trabalhador• Gerar conhecimento atuante e reformador• Transformação do homem e da sociedade• Livre expressão da atividade criadora• Superação dos limites da natureza pelaespécie humana(MORAES e MONTALVÃO)
  33. 33. Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidadeA ideologia da usabilidade representa acrença em direitos do ser humano:• o direito a ser superior à tecnologia;• o direito ao empoderamento (os usuários devemcompreender o que está acontecendo e devempoder controlar o computador e seus resultados);• o direito à simplicidade (os usuários devemencontrar seu caminho nos sistemas, sem esforçoscognitivos demasiados); e• o direito a ter seu tempo pessoal respeitado.
  34. 34. Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidadeSegundo NIELSEN (2004), existem dois tiposprincipais de pesquisas com usuários:• a pesquisa quantitativa (estatísticas) e• a pesquisa qualitativa (insights).A pesquisa qualitativa apresenta melhoresresultados. Além disso, estudos quantitativossão reducionistas demais para serem úteis epodem gerar interpretações enganosas.
  35. 35. Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidade• O benefício dos estudos quantitativos seriaque eles reduzem uma situação complexa aum número – fácil de ser compreendido ediscutido.• Mas é um erro acreditar que a pesquisaestatística seria de algum modo maiscientífica ou crível do que os insights deensaios observacionais qualitativos.
  36. 36. Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidade• A pesquisa em usabilidade de interfaces nãoé a mesma coisa que a ciência médica; osestudos etnográficos seriam a sua analogiamais próxima no campo das ciênciastradicionais.• Os estudos sobre interfaces e usabilidadesão conceituais e dependem dacompreensão sobre o comportamentohumano.
  37. 37. Pesquisa em usabilidadePesquisa em usabilidade• Questões que são tão específicas, a pontode uma fórmula estatística poder resumi-las,são irrelevantes para o Design de interfaces.• O emprego de estatísticas pode levar aanálises simplistas, resultados aleatórios oumensurações distorcidas.
  38. 38. Passos de uma pesquisaPassos de uma pesquisa1. observações preliminares;2. problema;3. fundamentação teórica;4. amostragem;5. instrumentos;6. coleta de dados;7. organização dos dados;8. análise, inferências e conclusões.
  39. 39. Problema de pesquisaProblema de pesquisa O problema é uma questão não resolvida,algo para o qual vai-se buscar uma resposta,através de pesquisa. Pode estar referido a alguma lacunaepistemológica ou metodológica percebida, aalguma dúvida quanto à sustentação de umaafirmação geralmente aceita, à necessidadede pôr à prova uma suposição, a interessespráticos ou à vontade de compreender eexplicar uma situação do cotidiano
  40. 40. Problema: exemploProblema: exemplo “O portal IBGE é um site emblemático paraos serviços de governo eletrônico (e-Gov).Publica informações estatísticas queembasam políticas e ações sociais doEstado e da sociedade civil. Porém, segundoo próprio IBGE, os usuários do portal têmdificuldades em encontrar as informaçõesdisponibilizadas. Isto se configura numproblema de usabilidade de interfaces e deArquitetura de Informação.”
  41. 41. Hipótese de pesquisaHipótese de pesquisa é uma suposição que se faz na tentativa deexplicar o que se desconhece. a hipótese pode ser a suposição de umacausa ou de uma lei destinada a explicarprovisoriamente um fenômeno, até queapareçam fatos que a contradigam ou areafirmem.
  42. 42. Hipótese: exemploHipótese: exemplo “Devido a sua alta complexidadeinformacional, a Arquitetura de Informaçãodo portal IBGE não espelha as expectativasdos usuários. Isto dificulta o acesso depesquisadores e de cidadãos comuns, quenão conhecem previamente a estrutura deprodução e divulgação das pesquisas doIBGE, gerando problemas deencontrabilidade de informações. O fato estáem desacordo com princípios nacionais einternacionais aceitos para os portais degoverno eletrônico (e-Gov).”
  43. 43. Objetivos da pesquisaObjetivos da pesquisa Geral Específicos Operacionais
  44. 44. Objetivos: exemplosObjetivos: exemplos Geral– Contribuir para o aprimoramento do portal IBGE e do e-Gov,levando em consideração questões práticas relacionadas àusabilidade e à Arquitetura de Informação. Específicos- Relacionar as recomendações de usabilidade e deArquitetura de Informação estudadas com as recomendaçõesgerais para portais de e-Gov, visando a transparência doEstado e a inclusão digital.- Gerar uma contribuição para a linha de pesquisa deErgonomia e Usabilidade de Interfaces Humano-Computadordo programa de Pós-graduação em Design da PUC-Rio.
  45. 45. Objetivos: exemplosObjetivos: exemplos• Operacionais– Aprofundar referências teóricas em Interação Humano-Computador (IHC) e Arquitetura de Informação.– Levantar as necessidades, opiniões e sugestões de usuários emrelação à Arquitetura de Informação do portal IBGE, a partir detestes.– Explicitar dificuldades e constrangimentos dos usuários noreferido portal quanto a aspectos ergonômicos das interfaces.– Aplicar técnicas de pesquisa para levantamento de dadosqualitativos.– Observar representantes do público-alvo do portal e registrarseu comportamento e opiniões durante a interação com ainterface avaliada.
  46. 46. AmostragemAmostragemPrincipais tipos de pesquisas:• PESQUISAS CENSITÁRIASColetam informações sobre TODAS asunidades da população.• PESQUISAS POR AMOSTRAColetam informações sobre uma parte dapopulação.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  47. 47. Processo de Amostragem:• consiste em selecionar parte de umapopulação para estudo, de modo queseja possível generalizar os resultadospara toda a população.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013AmostragemAmostragem
  48. 48. Exemplos: pesquisas censitárias:• Censo Demográfico (2010)• Censo Agropecuário (2006)• Munic (2011)• Estadic (2012)Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013AmostragemAmostragem
  49. 49. Exemplos: pesquisas amostrais• Pesquisa Nacional por Amostra deDomicílios(PNAD) e seus Suplementos.• Pesquisa Mensal de Emprego (PME).• Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF).• Pesquisa Anual de Comércio (PAC).• Pesquisa Mensal de Comércio (PMC).• Pesquisa Industrial Anual (PIA).Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013AmostragemAmostragem
  50. 50. Pesquisas amostraisPesquisas amostraisVANTAGENS:• Custo menor.• Velocidade maior.• Precisão controlada.• Redução da carga de coleta sobreunidades da população.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  51. 51. Censos x amostrasCensos x amostrasPor quê não fazer sempre pesquisapor amostragem e esquecer o Censo?• Há ocasiões onde a natureza dainformação faz com que o Censo sejanão apenas desejável, mas essencial:– Eleições;– Pequenas populações.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  52. 52. AmostrasAmostrasCaracterísticas desejáveis:• Capacidade de generalizar estimativas daamostra para toda a população.• “Imparcialidade”.• Menor erro amostral possível, dado o custo,tempo e restrições operacionais.• Capacidade de medir a precisão dasestimativas.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  53. 53. Tipos de amostrasTipos de amostras• Probabilísticas• Não probabilísticasFonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  54. 54. Amostra probabilísticaAmostra probabilística• Cada unidade da população temprobabilidade positiva de ser incluída naamostra, e esta probabilidade pode sercalculada.• Amostra extraída por algum método deseleção aleatória (ao acaso, por sorteio).• Probabilidades de seleção incorporadas naobtenção de estimativas para população.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  55. 55. Amostra nãoAmostra nãoprobabilísticaprobabilísticaAmostras que não satisfazem esses critérios:• Podem não permitir generalizar inferênciaspara a população.• Exemplos:• amostras de conveniência• amostras de voluntários• amostras intencionais (de "corte”)• amostras por cotasFonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  56. 56. Amostra intencionalAmostra intencionalAmostra não probabilística subordinadaa objetivos específicos do pesquisador.Exemplo: estudantes entre 15 e 18 anosusuários de smartphones na Zona Sulda cidade do Rio de Janeiro.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  57. 57. Amostras probabilísticasAmostras probabilísticas• Amostra Aleatória Simples (AAS)• Amostra Sistemática (AS)• Amostra Estratificada (AE)Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  58. 58. Amostra aleatóriaAmostra aleatóriasimples (AAS)simples (AAS)• Processo de amostragem consistindo emselecionar n unidades distintas de umcadastro ou lista com N unidades tal que:1.todas as amostras (de tamanho n) têm igualchance de seleção;2. as unidades são selecionadas semrepetição (sem reposição); e3. as unidades têm chance igual a n/N depertencerem à amostra.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  59. 59. Amostra aleatóriaAmostra aleatóriasimples (AAS)simples (AAS)Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013• Tamanho do universo(população ou cadastro):N = 36.• Tamanho da amostra:n = 9 (amostra=azuis).• Probabilidade de umaunidade qualquerpertencer à amostra: 9/36= 1/4.
  60. 60. Amostra sistemática (AS)Amostra sistemática (AS)Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013• Consiste em selecionar uma unidade a cadaKunidades de um cadastro, começando de umapartida aleatória (sorteada).• Unidades selecionadas sem reposição (semrepetição);• Unidades têm a mesma chance de seremselecionadas (1/K).• Esquema usado nos Censos Demográficos.
  61. 61. Amostra sistemáticaAmostra sistemática(N=36, K=4, n=9, partida A=4)
  62. 62. Amostra sistemáticaAmostra sistemática(N=36, K=3, n=12, partida A=2)
  63. 63. Amostra estratificadaAmostra estratificadaÉ o processo de amostragem querequer:• Dividir a população em grupos (mais)homogêneos chamados estratos;• Selecionar amostras independentesem cada um dos estratos;• Estimar parâmetros para cada estrato;• Agregar estimativas para o conjuntoda população.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  64. 64. Amostra estratificadaAmostra estratificada• População é dividida em 2 ou maisgrupos de acordo com algumacaracterística.• Retira-se uma amostra aleatóriasimples (ou outro tipo) em cadaestrato.• As amostras são combinadas em umaamostra total.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  65. 65. Amostra estratificadaAmostra estratificadaFonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  66. 66. Amostra estratificadaAmostra estratificada• Amostragem estratificada maiseficiente que AAS de igual tamanho.• AES requer cadastro com variável(is)para estratificação.• Estratificação é quase sempre usadanas pesquisas amostrais para garantirobtenção de amostras nos domínios deinteresse.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  67. 67. RegistrosRegistrosadministrativosadministrativos• Informações obtidas com finalidade de gestãoe controle, geralmente por instituiçõespúblicasou empresas.• Dão origem a bases de dados ou cadastros.Fonte: IBGE –Curso de Desenvolvimento de Habilidades de Pesquisa, 2013
  68. 68. Ferramentas de coletaFerramentas de coletade dados em IHCde dados em IHC QuestionáriosQuestionários EntrevistasEntrevistas Card sortingCard sorting Análise da TarefaAnálise da Tarefa Lista de desejos/necessidadesLista de desejos/necessidades Grupos de FocoGrupos de Foco Observações de campoObservações de campo Testes de usabilidadeTestes de usabilidade
  69. 69. QuestionárioQuestionário É uma sequência de perguntasÉ uma sequência de perguntas As questões e como perguntá-lasAs questões e como perguntá-lassão os fatores mais críticos.são os fatores mais críticos. Pode atingir grande número dePode atingir grande número depessoas:pessoas: Análise quantitativa/estatísticaAnálise quantitativa/estatística Em IHC, pode ser uma pesquisa emEm IHC, pode ser uma pesquisa emsi ou um complemento de outrasi ou um complemento de outra(p. ex.: card sort ou teste).(p. ex.: card sort ou teste).
  70. 70. Questionários na IHCQuestionários na IHC Quando usá-los?Quando usá-los? Principais fatoresPrincipais fatores Como criar e distribuirComo criar e distribuir Análise e interpretaçãoAnálise e interpretação
  71. 71. Questionários:Questionários:quando usarquando usar PRODUTO NOVO:PRODUTO NOVO: Identificar população de usuáriosIdentificar população de usuários Descobrir necessidades e desejosDescobrir necessidades e desejos Como desempenham as tarefasComo desempenham as tarefas
  72. 72. Questionários:Questionários:quando usarquando usar PRODUTO EXISTENTE:PRODUTO EXISTENTE: Características da população deCaracterísticas da população deusuáriosusuários Forças e fraquezas do produtoForças e fraquezas do produtoexistenteexistente Como este produto é usado hojeComo este produto é usado hoje
  73. 73. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Tendenciamento nas respostasTendenciamento nas respostas(bias)(bias) Respostas socialmente desejáveisRespostas socialmente desejáveis Prover anonimatoProver anonimato Evitar perguntas sensíveisEvitar perguntas sensíveis Taxa de respostaTaxa de resposta Somente alguns responderãoSomente alguns responderão Taxa de até 20%Taxa de até 20% Há algumas dicas para melhorar aHá algumas dicas para melhorar ataxa de resposta.taxa de resposta.
  74. 74. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Como melhorar a taxa de resposta:Como melhorar a taxa de resposta: Incluir carta personalizadaIncluir carta personalizada Reduzir perguntas abertasReduzir perguntas abertas Ser curtoSer curto Atraente e de fácil compreensãoAtraente e de fácil compreensão Facilitar o retorno do questionárioFacilitar o retorno do questionário Oferecer pequena recompensaOferecer pequena recompensa Contatar não-respondentes deContatar não-respondentes demodo diferenciadomodo diferenciado
  75. 75. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Tempo de preparação é grande:Tempo de preparação é grande: Identificar objetivosIdentificar objetivos Identificar os respondentesIdentificar os respondentes Compor as questõesCompor as questões Determinar a forma de análiseDeterminar a forma de análise Construir o questionárioConstruir o questionário Forma de distribuiçãoForma de distribuição Testar o questionárioTestar o questionário
  76. 76. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Redigindo as questões:Redigindo as questões: Manter curtoManter curto Perguntas sensíveisPerguntas sensíveis Formatação e redaçãoFormatação e redação Evitar erros comunsEvitar erros comuns Itens-padrãoItens-padrão
  77. 77. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Redigindo as questões:Redigindo as questões: Entre 15 e 25 questõesEntre 15 e 25 questões Até 20 minutos de duraçãoAté 20 minutos de duração Cada pergunta deve agregar aoCada pergunta deve agregar aoobjetivo, caso contrário deve serobjetivo, caso contrário deve sereliminada da listaeliminada da lista Equipe dá notas de 1 a 3 a cadaEquipe dá notas de 1 a 3 a cadapergunta para facilitar o descarte.pergunta para facilitar o descarte.
  78. 78. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Perguntas sensíveisPerguntas sensíveis Somente se realmente necessáriasSomente se realmente necessárias Adicionar pequena explicação doAdicionar pequena explicação doporquê ou objetivoporquê ou objetivo Não colocar no inícioNão colocar no início Nunca tornar este campoNunca tornar este campomandatório no questionáriomandatório no questionário
  79. 79. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso FormataçãoFormatação Layout claro e concisoLayout claro e conciso Usar perguntas fechadas:Usar perguntas fechadas: Valor ou fato simplesValor ou fato simples Selecionar de uma listaSelecionar de uma lista Escala de opiniãoEscala de opinião Evitar as perguntas abertas:Evitar as perguntas abertas: Análise torna-se tediosa e complexaAnálise torna-se tediosa e complexa Maior dificuldade de compreensãoMaior dificuldade de compreensão Aumento no tempo de preenchimentoAumento no tempo de preenchimento
  80. 80. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Formatos de múltipla-escolhaFormatos de múltipla-escolha1.1. Resposta múltiplaResposta múltipla2.2. Resposta únicaResposta única3.3. Resposta bináriaResposta binária Escalas de avaliaçãoEscalas de avaliação1.1. Escala LikertEscala Likert2.2. Escalas de ranqueamentoEscalas de ranqueamento
  81. 81. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Evitar os erros comuns:Evitar os erros comuns: Evitar respostas vagas: “poucas”,Evitar respostas vagas: “poucas”,“muitas”, “bastante”.“muitas”, “bastante”. Distâncias equivalentes em tamanho eDistâncias equivalentes em tamanho esem interseções: 0-4, 5-10, 11-15.sem interseções: 0-4, 5-10, 11-15. Oferecer saídas alternativas: “semOferecer saídas alternativas: “semopinião”, “nenhuma das respostas”,opinião”, “nenhuma das respostas”,“não aplicável”.“não aplicável”. Resposta “Outros” - deve ser seguida deResposta “Outros” - deve ser seguida deum campo aberto.um campo aberto.
  82. 82. Questionários:Questionários:fatores de sucessofatores de sucesso Redação das perguntasRedação das perguntas Redação é fator críticoRedação é fator crítico Pode influenciar as respostasPode influenciar as respostas Devem ser claras e semDevem ser claras e semtendenciamentostendenciamentos
  83. 83. Redação do questionárioRedação do questionário O QUE FAZERO QUE FAZER Perguntas de até 20 palavrasPerguntas de até 20 palavras Um assunto de cada vezUm assunto de cada vez Perguntar com clarezaPerguntar com clareza Opções de resposta precisasOpções de resposta precisas Respostas com distânciasRespostas com distânciasequivalentesequivalentes Perguntas concretas e baseadas naPerguntas concretas e baseadas naexperiência do usuárioexperiência do usuário
  84. 84. Redação do questionárioRedação do questionário O QUE FAZERO QUE FAZER Usuários podem usar um diárioUsuários podem usar um diáriopara anotar seu comportamentopara anotar seu comportamento Fornecer auxílios à memória comoFornecer auxílios à memória comocalendárioscalendários Empregar termos familiaresEmpregar termos familiares Usar vocabulário neutroUsar vocabulário neutro Perguntas sensíveis só quandoPerguntas sensíveis só quandorealmente necessáriasrealmente necessárias
  85. 85. Redação do questionárioRedação do questionário O QUE NÃO FAZERO QUE NÃO FAZER Forçar usuários a escolher umaForçar usuários a escolher umaresposta que não representa suaresposta que não representa suaopiniãoopinião Basear as perguntas em premissasBasear as perguntas em premissasfalsasfalsas Usar números e estatísticas paraUsar números e estatísticas paratendenciar as respostastendenciar as respostas Pedir aos usuários para prever oPedir aos usuários para prever ofuturofuturo
  86. 86. Redação do questionárioRedação do questionário O QUE NÃO FAZERO QUE NÃO FAZER Pedir para criar soluçõesPedir para criar soluções Discutir temas não relembradosDiscutir temas não relembrados Usar jargões, siglas, gírias ouUsar jargões, siglas, gírias ougeek-speakgeek-speak Usar palavras com apeloUsar palavras com apeloemocionalemocional Usar dupla-negativaUsar dupla-negativa Perguntas sensíveis ou pessoaisPerguntas sensíveis ou pessoaispor simples curiosidadepor simples curiosidade
  87. 87. Questionário:Questionário:itens-padrãoitens-padrão INCLUIR SEMPRE:INCLUIR SEMPRE: TítuloTítulo InstruçõesInstruções Informações de contatoInformações de contato ObjetivoObjetivo Tempo de preenchimentoTempo de preenchimento Confidencialidade e anonimatoConfidencialidade e anonimato
  88. 88. VantagensVantagens Obter informações de um grandeObter informações de um grandenúmero de pessoasnúmero de pessoas Abrange área geográfica grandeAbrange área geográfica grande Uniformidade de medições:Uniformidade de medições:vocabulário, ordenação e instruçõesvocabulário, ordenação e instruçõesiguaisiguais Proporciona o anonimatoProporciona o anonimato Respostas no tempo do entrevistadoRespostas no tempo do entrevistado Tabulação de dados mais rápidaTabulação de dados mais rápida
  89. 89. DesvantagensDesvantagens Não se obtém 100% de respostasNão se obtém 100% de respostas Problemas de viés na amostragemProblemas de viés na amostragem Informação pode não corresponder àInformação pode não corresponder àrealidaderealidade Imposição da problemáticaImposição da problemática Imposição de informação nasImposição de informação nasrespostas fechadas.respostas fechadas.
  90. 90. Exemplo de questionárioExemplo de questionário QUISQUIS Questionnaire of UserQuestionnaire of UserInterface SatisfactionInterface Satisfaction Universidade de MaryLand, EUAUniversidade de MaryLand, EUA Ben SchneidermanBen Schneiderman

×