SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Administração de
Medicamentos por via
Parenteral
Intradérmica
Subcutânea
Intramuscular
Enfermeira Aline Neves Oliveira
Centro Universitário do Sul de Minas –
UNIS/MG
Via Parenteral
• Via de administração onde a medicação é
absorvida mais rapidamente;
• Deve-se manter o máximo de atenção, pois
podem provocar lesões importantes
quando aplicadas de maneira incorreta;
• Incluem as vias: Intradérmica,
Intramuscular, Subcutânea e Endovenosa.
Anatomia da Pele
Vias de Medicações
• Cada via de medicação atinge determinado
local da pele humana e seus adjacentes, ou
seja:
– Via intradérmica: atinge a DERME;
– Via subcutânea: atinge o tecido
SUBCUTÂNEO (adiposo);
– Via intramuscular: atinge o tecido
MUSCULAR;
Materiais utilizados para a
aplicação
• Seringas
• Agulhas
• Álcool
• Algodão
• Luvas de procedimento
• Local para descarte do perfuro cortante
• Local reservado para aplicação, que
mantenha privacidade do indivíduo.
Seringa de 1ML
• Pode ser graduada
em ml ou UI;
• Em ml cada
“risquinho”
corresponde a
• 0,02ml pois ela foi
dividida em 50;
• Em UI cada
“risquinho”
corresponde 2 UI
Demais seringas
Graduações em ML.
Tipos de agulhas
• As agulhas possuem calibre e
comprimento específicos para cada tipo de
aplicação, assim como adéquam-se à
anatomia da pele;
• Para cada via, ou seja, cada local de
absorção de medicação, há uma agulha
correta, com calibre e comprimento
compatíveis.
Tipos de agulhas
Injeção Intradérmica
• Indicações e características
– Testagem cutânea (alergias, testes, PPD);
– Injetadas na derme, onde há pouca
vascularização e a medicação é absorvida
lentamente;
– Locais ideais: livres de excesso de pelo como o
interior do antebraço, a parte superior das
costas e a inserção inferior do deltoide
Injeção Intradérmica
• Ângulo de aplicação: 15° e bisel voltado para cima;
• Injeção LENTA *
• Selecionar um local três a quatro dedos abaixo do espaço
anticubital;
• Utilizar agulhas e seringas de menor calibre e tamanho:
13x4,5;
• Volume para aplicação: 0,001 a 0,1mL;
• Durante a aplicação, manter a pele esticada.
• Não há necessidade de aspirar, já que a derme é relativamente
avascular.
Injeção intradérmica
• No caso de testes, observar aspectos gerais
da bolha formada após a aplicação;
• No caso de vacina BCG é necessário
manter observação da lesão, pós aplicação
para confirmar os efeitos da vacinação
(formação de bolha, pápula e cicatriz)
Injeção Intramuscular
• Depositam medicações no tecido muscular;
• Requer agulha mais longa para penetrar no tecido;
• Ângulo de aplicação de 90° e o bisel Lateralizado;
• Fatores como: viscosidade da medicação, local da
injeção, peso da pessoa e espessura do tecido
adiposo podem influenciar na seleção da agulha.
• O músculo escolhido deve ser bem desenvolvido, ser de fácil
acesso e não possuir vasos de grosso calibre e nervos
superficiais.
• O volume máximo que devemos administrar pela Via
Intramuscular deve ser compatível com a estrutura muscular.
ATENÇÃO:
Região do Deltóide – 2 ml;
Região Glútea – 4 ml;
Região da Coxa – 3 ml;
Região Ventroglútea – até 5 ml
Injeção Intramuscular
Contraindicações de aplicação no
Deltoide
– Criança de 0 a 10 anos;
– Desenvolvimento muscular inadequado;
– Injeções consecutivas;
– Clientes vítimas de AVC com parestesia ou
paralisia dos braços;
– Mastectomia
Técnica em Z
• Indicada para medicações intramusculares
profundas;
• Retrai a pele lateralmente antes da
injeção, prevenindo vazamento da
medicação;
• Bastante utilizada na aplicação de
anticoncepcionais IM;
Técnica em Z
Injeção Subcutânea
• Depósito de medicamento no tecido subcutâneo;
• São absorvidos mais lentamente do que por via intramuscular;
• Ângulo de aplicação: 45° a 90°, dependendo do tecido
subcutâneo da pessoa. Bisel lateralizado.
• Bastante utilizada para administração de hormônios, como a
insulina e terapias trombolíticas (Clexane, Heparina,
Clopidogrel);
• Administração de 0,5 a 1,0mL;
• Devido à deposição de medicação no tecido aplicado, é
importante realizar rodízio dos locais.
Injeção Subcutânea
Injeção Subcutânea
• Heparina de baixo peso molecular
– Não é recomendado aspirar após aplicação (tecido
pouco vascularizado e raramente se atinge um vaso
sanguíneo);
– As injeções já vem preparada e, apresentam uma olha
de ar responsável por distribuir a medicação pelo
tecido, já que está é muito leve;
– Não se deve retirar esta bolha;
– Frequentemente, se vê lesões relativas às aplicação
incorreta da Enoxaparina (de baixo peso molecular).
Essas lesões caracterizam-se por hematomas extensos
e dolorosos.
Injeção Subcutânea
Recomendações Gerais
• Antes de qualquer técnica, é imprescindível a
higienização correta das mãos, evitando
contaminação durante o procedimento;
• Deve-se, ainda, atentar a qualquer sinal não
esperado quando administramos medicações.
Cabe, portanto, observação rigorosa;
• A privacidade, conforto e bem estar da pessoa
devem ser preservados.
Recomendações Gerais
• As agulhas e seringas JAMAIS devem ser
desconectadas ou reencapadas para o
descarte;
• O local apropriado para descartar deve
ser rígido, impermeável e seguro;
• Tomar todas as medidas imediatas em
caso de acidente com perfuro cortante.
Os certos da Medicação
Paciente
Certo
Dose
Certa
Via
Certa
Droga
Certa
Horário
Certo
Chegagem
Certa
Efeito
Certo Forma
Certa Efeito
Certo
Administração de medicamentos por via parenteral

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfjaddy xavier
 
Administração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptxAdministração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptxLarissaCampos96
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptxADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptxssuser51d27c1
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadahospital
 
Injetáveis com segurança
Injetáveis com segurançaInjetáveis com segurança
Injetáveis com segurançaIngrid Amanda
 
ID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptxID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptxbianca375788
 
[Apostila] aplicacao de injetaveis
[Apostila]   aplicacao de injetaveis[Apostila]   aplicacao de injetaveis
[Apostila] aplicacao de injetaveisRoberto Taffarel
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 39999894014
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemRAYANE DORNELAS
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesiaGarrote Leal
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Viviane da Silva
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosfabiana vitoria souto
 

Mais procurados (20)

Adm med via intramuscular
Adm med via intramuscularAdm med via intramuscular
Adm med via intramuscular
 
13 vias de administração
13 vias de administração13 vias de administração
13 vias de administração
 
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdfAdministração de medicamentos por via endovenosa pdf
Administração de medicamentos por via endovenosa pdf
 
Administração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptxAdministração de injetáveis.pptx
Administração de injetáveis.pptx
 
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptxADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS.pptx
 
Banho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizadaBanho de leito.atualizada
Banho de leito.atualizada
 
Injetáveis com segurança
Injetáveis com segurançaInjetáveis com segurança
Injetáveis com segurança
 
ID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptxID, SC, IM (4).pptx
ID, SC, IM (4).pptx
 
Preparo de medicamentos
Preparo de medicamentosPreparo de medicamentos
Preparo de medicamentos
 
5ª aula vias de administração
5ª aula   vias de administração5ª aula   vias de administração
5ª aula vias de administração
 
[Apostila] aplicacao de injetaveis
[Apostila]   aplicacao de injetaveis[Apostila]   aplicacao de injetaveis
[Apostila] aplicacao de injetaveis
 
Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3Fundamentos de enfermagem aula 3
Fundamentos de enfermagem aula 3
 
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de EnfermagemIntrodução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
Introdução a Farmacologia - Curso Técnico de Enfermagem
 
Tipos de anestesia
Tipos de anestesiaTipos de anestesia
Tipos de anestesia
 
Adm. injetáveis 26 nov
 Adm. injetáveis 26 nov Adm. injetáveis 26 nov
Adm. injetáveis 26 nov
 
Curativos e coberturas
Curativos e coberturasCurativos e coberturas
Curativos e coberturas
 
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
Administração medicamentos: regras gerais e tipos de seringas
 
Aula acessos venosos
Aula acessos venososAula acessos venosos
Aula acessos venosos
 
Cálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentosCálculos para administração de medicamentos
Cálculos para administração de medicamentos
 
Punção venosa.
Punção venosa.Punção venosa.
Punção venosa.
 

Semelhante a Administração de medicamentos por via parenteral

SLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptxSLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptxlucas285595
 
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docxAPOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docxLubarraLu
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfLarissaMachado97
 
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdfAulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdfJooSantana94
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptsamaracastro18
 
Aula 07- Administração de medicamentos em pediatria.pptx
Aula 07- Administração de medicamentos  em pediatria.pptxAula 07- Administração de medicamentos  em pediatria.pptx
Aula 07- Administração de medicamentos em pediatria.pptxTHAINALIMA25
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016imunizacao
 
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdfVIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdfJessicaAngelo5
 
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdfAPLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdfinstitutolavitte
 
procedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasosprocedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasosmatesfernandomora
 
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptx
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptxVias de administração e formas farmacêuticas.pptx
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptxTrindadeOsvaldo
 
Vias farmacêuticas.pptx
Vias farmacêuticas.pptxVias farmacêuticas.pptx
Vias farmacêuticas.pptxTrindadeOsvaldo
 
PEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptx
PEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptxPEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptx
PEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptxPriscilaMarin6
 
FUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdf
FUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdfFUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdf
FUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdfRoddy Loiola Almeida
 
Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]
Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]
Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]tatinurse
 

Semelhante a Administração de medicamentos por via parenteral (20)

SLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptxSLIDE PUNÇÃO.pptx
SLIDE PUNÇÃO.pptx
 
trabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptxtrabalho IM ENF 23.pptx
trabalho IM ENF 23.pptx
 
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docxAPOSTILA INJETÁVEIS.docx
APOSTILA INJETÁVEIS.docx
 
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdfvias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
vias de adm08-57-52-aulapratica.pdf
 
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdfAulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
AulaAdministraçao Vacinas AB 2018 dia 2208.pdf
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
 
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.pptVIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
VIA DE ADM DE MEDICAMENTOS.ppt
 
Aula 07- Administração de medicamentos em pediatria.pptx
Aula 07- Administração de medicamentos  em pediatria.pptxAula 07- Administração de medicamentos  em pediatria.pptx
Aula 07- Administração de medicamentos em pediatria.pptx
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016
 
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdfVIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
VIAS DE ADMINISTRAÇÃO DAS MEDICAÇÕES.pdf
 
Presentation1.pptx
Presentation1.pptxPresentation1.pptx
Presentation1.pptx
 
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdfAPLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
APLICAÇÃO DE INJETÁVEIS.pdf.pdf
 
procedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasosprocedimento estetico injetavel em microvasos
procedimento estetico injetavel em microvasos
 
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptx
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptxVias de administração e formas farmacêuticas.pptx
Vias de administração e formas farmacêuticas.pptx
 
Vias farmacêuticas.pptx
Vias farmacêuticas.pptxVias farmacêuticas.pptx
Vias farmacêuticas.pptx
 
PEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptx
PEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptxPEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptx
PEIM - ESTÉTICA PWP-1.pptx
 
FUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdf
FUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdfFUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdf
FUNDAMENTOS ENFERMAGEM - AULA 12.pdf
 
Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]
Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]
Administracao de medicamentos_por_via_intramuscular[1]
 
MEDICAMENTOS
MEDICAMENTOSMEDICAMENTOS
MEDICAMENTOS
 
Via parenteral,
Via parenteral,Via parenteral,
Via parenteral,
 

Último

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................paulo222341
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfivana Sobrenome
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSProf. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfHELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxmikashopassos123
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfvejic16888
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 

Último (9)

Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdfCrianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
Crianças e Adolescentes em Psicoterapia A abordagem psicanalítica-1 (2).pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxAULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
AULA 02 TEMPO CIRURGICO-SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 

Administração de medicamentos por via parenteral

  • 1. Administração de Medicamentos por via Parenteral Intradérmica Subcutânea Intramuscular Enfermeira Aline Neves Oliveira Centro Universitário do Sul de Minas – UNIS/MG
  • 2. Via Parenteral • Via de administração onde a medicação é absorvida mais rapidamente; • Deve-se manter o máximo de atenção, pois podem provocar lesões importantes quando aplicadas de maneira incorreta; • Incluem as vias: Intradérmica, Intramuscular, Subcutânea e Endovenosa.
  • 4. Vias de Medicações • Cada via de medicação atinge determinado local da pele humana e seus adjacentes, ou seja: – Via intradérmica: atinge a DERME; – Via subcutânea: atinge o tecido SUBCUTÂNEO (adiposo); – Via intramuscular: atinge o tecido MUSCULAR;
  • 5.
  • 6. Materiais utilizados para a aplicação • Seringas • Agulhas • Álcool • Algodão • Luvas de procedimento • Local para descarte do perfuro cortante • Local reservado para aplicação, que mantenha privacidade do indivíduo.
  • 7. Seringa de 1ML • Pode ser graduada em ml ou UI; • Em ml cada “risquinho” corresponde a • 0,02ml pois ela foi dividida em 50; • Em UI cada “risquinho” corresponde 2 UI
  • 9. Tipos de agulhas • As agulhas possuem calibre e comprimento específicos para cada tipo de aplicação, assim como adéquam-se à anatomia da pele; • Para cada via, ou seja, cada local de absorção de medicação, há uma agulha correta, com calibre e comprimento compatíveis.
  • 11. Injeção Intradérmica • Indicações e características – Testagem cutânea (alergias, testes, PPD); – Injetadas na derme, onde há pouca vascularização e a medicação é absorvida lentamente; – Locais ideais: livres de excesso de pelo como o interior do antebraço, a parte superior das costas e a inserção inferior do deltoide
  • 12. Injeção Intradérmica • Ângulo de aplicação: 15° e bisel voltado para cima; • Injeção LENTA * • Selecionar um local três a quatro dedos abaixo do espaço anticubital; • Utilizar agulhas e seringas de menor calibre e tamanho: 13x4,5; • Volume para aplicação: 0,001 a 0,1mL; • Durante a aplicação, manter a pele esticada. • Não há necessidade de aspirar, já que a derme é relativamente avascular.
  • 13.
  • 14. Injeção intradérmica • No caso de testes, observar aspectos gerais da bolha formada após a aplicação; • No caso de vacina BCG é necessário manter observação da lesão, pós aplicação para confirmar os efeitos da vacinação (formação de bolha, pápula e cicatriz)
  • 15. Injeção Intramuscular • Depositam medicações no tecido muscular; • Requer agulha mais longa para penetrar no tecido; • Ângulo de aplicação de 90° e o bisel Lateralizado; • Fatores como: viscosidade da medicação, local da injeção, peso da pessoa e espessura do tecido adiposo podem influenciar na seleção da agulha.
  • 16. • O músculo escolhido deve ser bem desenvolvido, ser de fácil acesso e não possuir vasos de grosso calibre e nervos superficiais. • O volume máximo que devemos administrar pela Via Intramuscular deve ser compatível com a estrutura muscular. ATENÇÃO: Região do Deltóide – 2 ml; Região Glútea – 4 ml; Região da Coxa – 3 ml; Região Ventroglútea – até 5 ml
  • 18. Contraindicações de aplicação no Deltoide – Criança de 0 a 10 anos; – Desenvolvimento muscular inadequado; – Injeções consecutivas; – Clientes vítimas de AVC com parestesia ou paralisia dos braços; – Mastectomia
  • 19.
  • 20. Técnica em Z • Indicada para medicações intramusculares profundas; • Retrai a pele lateralmente antes da injeção, prevenindo vazamento da medicação; • Bastante utilizada na aplicação de anticoncepcionais IM;
  • 22. Injeção Subcutânea • Depósito de medicamento no tecido subcutâneo; • São absorvidos mais lentamente do que por via intramuscular; • Ângulo de aplicação: 45° a 90°, dependendo do tecido subcutâneo da pessoa. Bisel lateralizado. • Bastante utilizada para administração de hormônios, como a insulina e terapias trombolíticas (Clexane, Heparina, Clopidogrel); • Administração de 0,5 a 1,0mL; • Devido à deposição de medicação no tecido aplicado, é importante realizar rodízio dos locais.
  • 24. Injeção Subcutânea • Heparina de baixo peso molecular – Não é recomendado aspirar após aplicação (tecido pouco vascularizado e raramente se atinge um vaso sanguíneo); – As injeções já vem preparada e, apresentam uma olha de ar responsável por distribuir a medicação pelo tecido, já que está é muito leve; – Não se deve retirar esta bolha; – Frequentemente, se vê lesões relativas às aplicação incorreta da Enoxaparina (de baixo peso molecular). Essas lesões caracterizam-se por hematomas extensos e dolorosos.
  • 26. Recomendações Gerais • Antes de qualquer técnica, é imprescindível a higienização correta das mãos, evitando contaminação durante o procedimento; • Deve-se, ainda, atentar a qualquer sinal não esperado quando administramos medicações. Cabe, portanto, observação rigorosa; • A privacidade, conforto e bem estar da pessoa devem ser preservados.
  • 27. Recomendações Gerais • As agulhas e seringas JAMAIS devem ser desconectadas ou reencapadas para o descarte; • O local apropriado para descartar deve ser rígido, impermeável e seguro; • Tomar todas as medidas imediatas em caso de acidente com perfuro cortante.
  • 28. Os certos da Medicação Paciente Certo Dose Certa Via Certa Droga Certa Horário Certo Chegagem Certa Efeito Certo Forma Certa Efeito Certo